EXPRESSO — Notícias, opinião, blogues, fóruns, podcasts. O semanár...

1 de 2

15:43 | Segunda-feira, 14 de Abr de 2008

Polémica com contratação para a RTP de jornalista namorada de Sócrates

PSD acusa Fernanda Câncio de favorecer o PS
O PSD considera inaceitável que a jornalista Fernanda Câncio, namorada do primeiro-ministro, seja contratada para apresentar um programa na RTP2, alegando que faz jornalismo de intervenção a favor do PS.

A direcção do PSD considerou hoje inaceitável a participação de Fernanda Câncio num programa da RTP2 alegando que a jornalista do Diário de Notícias faz jornalismo de intervenção favorável ao PS e insulta o PSD. Num comunicado enviado à agência Lusa, o secretário-geral do PSD, José Ribau Esteves, questiona "qual seria a reacção dos analistas do costume se a mulher ou companheira de um primeiro-ministro do PSD insultasse o líder da oposição socialista nos jornais ou lhe fosse atribuída a responsabilidade de produzir um programa na televisão pública". Apoio a declarações de Rui Gomes da Silva Ribau Esteves declara que "a Comissão Política Nacional do PSD manifesta a sua total solidariedade e apoio ao vice-presidente Rui Gomes da Silva" e sustenta que as suas declarações feitas no sábado "foram abusivamente adulteradas". Em conferência de imprensa, na sede do PSD, no sábado, Rui Gomes da Silva afirmou que o PSD "contesta a contratação externa de uma jornalista que a RTP foi buscar única e exclusivamente por razões que são de todos conhecidas". Questionado pelos jornalistas, Rui Gomes da Silva explicitou que a jornalista é Fernanda Câncio, do Diário de Notícias (DN), e que as razões são "um relacionamento com o primeiro-ministro", José Sócrates, do qual disse ter conhecimento devido a "todas as notícias que saíram durante os últimos três anos". "A RTP não deveria aceitar aquela contratação", defendeu o vice-presidente do PSD. "Insultos aos líderes do PSD" Hoje, José Ribau Esteves reiterou a contestação do PSD à participação de Fernanda Câncio num programa da RTP2 sobre bairros sociais, invocando outras razões. O secretário-geral do PSD alegou que "a jornalista Fernanda Câncio, na sua coluna semanal no DN, faz um jornalismo de intervenção, defendendo e elogiando permanentemente o PS e o seu Governo, criticando o PSD e os seus dirigentes". "As críticas ao PSD são muitas vezes traduzidas por verdadeiros insultos ao líder actual e ex-líderes do PSD", acusa, no comunicado enviado à agência Lusa, apontando as edições do DN de 14 de Dezembro do ano passado e de 22 de Fevereiro deste ano.

Rui Ochôa Fernanda Câncio é jornalista do Diário de Notícias

http://aeiou.expresso.pt/gen.pl?p=print&op=view&fokey=ex.stories/293923&sid=ex.sections/23412

EXPRESSO — Notícias, opinião, blogues, fóruns, podcasts. O semanár...

2 de 2

"É óbvio que num contexto de inalienável defesa da liberdade de expressão Fernanda Câncio tem o direito de fazer esse jornalismo de intervenção pró-partidária, embora seja infame a persistência de o adornar com insultos e impropérios. Contudo, o que já não é aceitável, é que, dada essa sua opção opinativa de militância partidária, possa vir a ser responsável por um programa sobre questões sociais na televisão pública", argumenta. "Está em causa a dúvida, pertinente, se não usará o mesmo termo propagandístico com que ilustra as suas intervenções no DN. A televisão pública deve ser genuinamente independente", defende.

Lusa

Relacionados
PSD contesta contratação de jornalista namorada do primeiro-ministro

http://aeiou.expresso.pt/gen.pl?p=print&op=view&fokey=ex.stories/293923&sid=ex.sections/23412