CONSTITUIÇÃO FEDERAL

Essa e mais centenas de outras apostilas estão disponíveis para download no site: www.escolajohnkennedy.com.br Todos direitos reservados Proibida venda não autorizada.

PREÂMBULO Nós, representantes do povo brasileiro, reunidos em Assembléia Nacional Constituinte para instituir um Estado Democrático, destinado a assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a igualdade e a ustiça como valores supremos de uma sociedade !raterna, pluralista e sem preconceitos, !undada na "armonia social e comprometida, na ordem interna e internacional, com a soluç#o pací!ica das controvérsias, promulgamos, sob a proteç#o de Deus, a seguinte C$N%&'&(')*$ DA +E,-./'CA 0EDE+A&'1A D$ .+A%'/2

TÍTULO I DOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS

Art. 1º - A +ep3blica 0ederativa do .rasil, !ormada pela uni#o indissol3vel dos Estados e 4unicípios e do Distrito 0ederal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como !undamentos5 I - a soberania6 II - a cidadania6 III - a dignidade da pessoa "umana6 IV - os valores sociais do trabal"o e da livre iniciativa6

V - o pluralismo político2 Parágraf !"#$ - &odo o poder emana do povo, 7ue o exerce por meio de

representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituiç#o2 Art. %º - %#o ,oderes da (ni#o, independentes e "arm8nicos entre si, o /egislativo, o Executivo e o 9udiciário2 Art. &º - Constituem ob etivos !undamentais da +ep3blica 0ederativa do .rasil5 I - construir uma sociedade livre, usta e solidária6 II - garantir o desenvolvimento nacional6 III - erradicar a pobre:a e a marginali:aç#o e redu:ir as desigualdades sociais e regionais6 IV - promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e 7uais7uer outras !ormas de discriminaç#o2 Art. 'º - A +ep3blica 0ederativa do .rasil rege-se nas suas relaç;es internacionais pelos seguintes princípios5 I - independ<ncia nacional6 II - preval<ncia dos direitos "umanos6 III - autodeterminaç#o dos povos6 IV - n#o-intervenç#o6 V - igualdade entre os Estados6 VI - de!esa da pa:6 VII - soluç#o pací!ica dos con!litos6 VIII - rep3dio ao terrorismo e ao racismo6 I( - cooperaç#o entre os povos para o progresso da "umanidade6 ( - concess#o de asilo político2 Parágraf !"#$ ) A +ep3blica 0ederativa do .rasil buscará a integraç#o

econ8mica, política, social e cultural dos povos da América /atina, visando = !ormaç#o de uma comunidade latino-americana de naç;es2

TÍTULO II DOS DIREITOS E *ARANTIAS FUNDAMENTAIS CAPÍTULO I DOS DIREITOS E DEVERES INDIVIDUAIS E COLETIVOS

Art. +º ) &odos s#o iguais perante a lei, sem distinç#o de 7ual7uer nature:a, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no ,aís a inviolabilidade do direito = vida, = liberdade, = igualdade, = segurança e = propriedade, nos termos seguintes5 I - "omens e mul"eres s#o iguais em direitos e obrigaç;es, nos termos desta Constituiç#o6 II - ninguém será obrigado a !a:er ou deixar de !a:er alguma coisa sen#o em virtude de lei6 III - ninguém será submetido a tortura nem a tratamento desumano ou degradante6 IV - é livre a mani!estaç#o do pensamento, sendo vedado o anonimato6 V - é assegurado o direito de resposta, proporcional ao agravo, além da indeni:aç#o por dano material, moral ou = imagem6 VI - é inviolável a liberdade de consci<ncia e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na !orma da lei, a proteç#o aos locais de culto e a suas liturgias6 VII - é assegurada, nos termos da lei, a prestaç#o de assist<ncia religiosa nas entidades civis e militares de internaç#o coletiva6 VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicç#o !ilosó!ica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigaç#o legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestaç#o alternativa, !ixada em lei6 I( - é livre a express#o da atividade intelectual, artística, cientí!ica e de comunicaç#o, independentemente de censura ou licença6

( - s#o invioláveis a intimidade, a vida privada, a "onra e a imagem das pessoas, assegurado o direito a indeni:aç#o pelo dano material ou moral decorrente de sua violaç#o6 (I - a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela podendo penetrar sem consentimento do morador, salvo em caso de !lagrante delito ou desastre, ou para prestar socorro, ou, durante o dia, por determinaç#o udicial6 (II - é inviolável o sigilo da correspond<ncia e das comunicaç;es telegrá!icas, de dados e das comunicaç;es tele!8nicas, salvo, no 3ltimo caso, por ordem udicial, nas "ipóteses e na !orma 7ue a lei estabelecer para !ins de investigaç#o criminal ou instruç#o processual penal6 (III - é livre o exercício de 7ual7uer trabal"o, o!ício ou pro!iss#o, atendidas as 7uali!icaç;es pro!issionais 7ue a lei estabelecer6 (IV - é assegurado a todos o acesso = in!ormaç#o e resguardado o sigilo da !onte, 7uando necessário ao exercício pro!issional6 (V - é livre a locomoç#o no território nacional em tempo de pa:, podendo 7ual7uer pessoa, nos termos da lei, nele entrar, permanecer ou dele sair com seus bens6 (VI - todos podem reunir-se paci!icamente, sem armas, em locais abertos ao p3blico, independentemente de autori:aç#o, desde 7ue n#o !rustrem outra reuni#o anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso = autoridade competente6 (VII - é plena a liberdade de associaç#o para !ins lícitos, vedada a de caráter paramilitar6 (VIII - a criaç#o de associaç;es e, na !orma da lei, a de cooperativas independem de autori:aç#o, sendo vedada a inter!er<ncia estatal em seu !uncionamento6 (I( - as associaç;es só poder#o ser compulsoriamente dissolvidas ou ter suas atividades suspensas por decis#o udicial, exigindo-se, no primeiro caso, o tr>nsito em ulgado6

(( - ninguém poderá ser compelido a associar-se ou a permanecer associado6 ((I - as entidades associativas, 7uando expressamente autori:adas, t<m legitimidade para representar seus !iliados udicial ou extra udicialmente6 ((II - é garantido o direito de propriedade6 ((III - a propriedade atenderá a sua !unç#o social6 ((IV - a lei estabelecerá o procedimento para desapropriaç#o por necessidade ou utilidade p3blica, ou por interesse social, mediante usta e prévia indeni:aç#o em din"eiro, ressalvados os casos previstos nesta Constituiç#o6 ((V - no caso de iminente perigo p3blico, a autoridade competente poderá usar de propriedade particular, assegurada ao proprietário indeni:aç#o ulterior, se "ouver dano6 ((VI - a pe7uena propriedade rural, assim de!inida em lei, desde 7ue trabal"ada pela !amília, n#o será ob eto de pen"ora para pagamento de débitos decorrentes de sua atividade produtiva, dispondo a lei sobre os meios de !inanciar o seu desenvolvimento6 ((VII - aos autores pertence o direito exclusivo de utili:aç#o, publicaç#o ou reproduç#o de suas obras, transmissível aos "erdeiros pelo tempo 7ue a lei !ixar6 ((VIII - s#o assegurados, nos termos da lei5 a, a proteç#o =s participaç;es individuais em obras coletivas e = reproduç#o da imagem e vo: "umanas, inclusive nas atividades desportivas6 -, o direito de !iscali:aç#o do aproveitamento econ8mico das obras 7ue criarem ou de 7ue participarem aos criadores, aos intérpretes e =s respectivas representaç;es sindicais e associativas6 ((I( - a lei assegurará aos autores de inventos industriais privilégio temporário para sua utili:aç#o, bem como proteç#o =s criaç;es industriais, = propriedade das marcas, aos nomes de empresas e a outros signos

distintivos, tendo em vista o interesse social e o desenvolvimento tecnológico e econ8mico do ,aís6 ((( - é garantido o direito de "erança6 (((I - a sucess#o de bens de estrangeiros situados no ,aís será regulada pela lei brasileira em bene!ício do c8n uge ou dos !il"os brasileiros, sempre 7ue n#o l"es se a mais !avorável a lei pessoal do de cujus6 (((II - o Estado promoverá, na !orma da lei, a de!esa do consumidor6 (((III - todos t<m direito a receber dos órg#os p3blicos in!ormaç;es de seu interesse particular, ou de interesse coletivo ou geral, 7ue ser#o prestadas no pra:o da lei, sob pena de responsabilidade, ressalvadas a7uelas cu o sigilo se a imprescindível = segurança da sociedade e do Estado6 (((IV - s#o a todos assegurados, independentemente do pagamento de taxas5 a, o direito de petiç#o aos ,oderes ,3blicos em de!esa de direito ou contra ilegalidade ou abuso de poder6 -, a obtenç#o de certid;es em repartiç;es p3blicas, para de!esa de direitos e esclarecimento de situaç;es de interesse pessoal6 (((V - a lei n#o excluirá da apreciaç#o do ,oder 9udiciário les#o ou ameaça a direito6 (((VI - a lei n#o pre udicará o direito ad7uirido, o ato urídico per!eito e a coisa ulgada6 (((VII - n#o "averá uí:o ou tribunal de exceç#o6 (((VIII - é recon"ecida a instituiç#o do 3ri, com a organi:aç#o 7ue l"e der a lei, assegurados5 a, a plenitude de de!esa6 -, o sigilo das votaç;es6 $, a soberania dos veredictos6 ., a compet<ncia para o ulgamento dos crimes dolosos contra a vida6

(((I( - n#o "á crime sem lei anterior 7ue o de!ina, nem pena sem prévia cominaç#o legal6 (L - a lei penal n#o retroagirá, salvo para bene!iciar o réu6 (LI - a lei punirá 7ual7uer discriminaç#o atentatória dos direitos e liberdades !undamentais6 (LII - a prática do racismo constitui crime ina!iançável e imprescritível, su eito = pena de reclus#o, nos termos da lei6 (LIII - a lei considerará crimes ina!iançáveis e insuscetíveis de graça ou anistia a prática da tortura, o trá!ico ilícito de entorpecentes e drogas a!ins, o terrorismo e os de!inidos como crimes "ediondos, por eles respondendo os mandantes, os executores e os 7ue, podendo evitá-los, se omitirem6 (LIV - constitui crime ina!iançável e imprescritível a aç#o de grupos armados, civis ou militares, contra a ordem constitucional e o Estado Democrático6 (LV - nen"uma pena passará da pessoa do condenado, podendo a obrigaç#o de reparar o dano e a decretaç#o do perdimento de bens ser, nos termos da lei, estendidas aos sucessores e contra eles executadas, até o limite do valor do patrim8nio trans!erido6 (LVI - a lei regulará a individuali:aç#o da pena e adotará, entre outras, as seguintes5 a, privaç#o ou restriç#o da liberdade6 -, perda de bens6 $, multa6 ., prestaç#o social alternativa6 /, suspens#o ou interdiç#o de direitos6 (LVII - n#o "averá penas5 a, de morte, salvo em caso de guerra declarada, nos termos do art. 0'1 (I(6 -, de caráter perpétuo6 $, de trabal"os !orçados6

., de banimento6 /, cruéis6 (LVIII - a pena será cumprida em estabelecimentos distintos, de acordo com a nature:a do delito, a idade e o sexo do apenado6 (LI( - é assegurado aos presos o respeito = integridade !ísica e moral6 L - =s presidiárias ser#o asseguradas condiç;es para 7ue possam permanecer com seus !il"os durante o período de amamentaç#o6 LI - nen"um brasileiro será extraditado, salvo o naturali:ado, em caso de crime comum, praticado antes da naturali:aç#o, ou de comprovado envolvimento em trá!ico ilícito de entorpecentes e drogas a!ins, na !orma da lei6 LII - n#o será concedida extradiç#o de estrangeiro por crime político ou de opini#o6 LIII - ninguém será processado nem sentenciado sen#o pela autoridade competente6 LIV - ninguém será privado da liberdade ou de seus bens sem o devido processo legal6 LV - aos litigantes, em processo udicial ou administrativo, e aos acusados em geral s#o assegurados o contraditório e ampla de!esa, com os meios e recursos a ela inerentes6 LVI - s#o inadmissíveis, no processo, as provas obtidas por meios ilícitos6 LVII - ninguém será considerado culpado até o tr>nsito em ulgado de sentença penal condenatória6 LVIII - o civilmente identi!icado n#o será submetido a identi!icaç#o criminal, salvo nas "ipóteses previstas em lei6 LI( - será admitida aç#o privada nos crimes de aç#o p3blica, se esta n#o !or intentada no pra:o legal6 L( - a lei só poderá restringir a publicidade dos atos processuais 7uando a de!esa da intimidade ou o interesse social o exigirem6

L(I - ninguém será preso sen#o em !lagrante delito ou por ordem escrita e !undamentada de autoridade udiciária competente, salvo nos casos de transgress#o militar ou crime propriamente militar, de!inidos em lei6 L(II - a pris#o de 7ual7uer pessoa e o local onde se encontre ser#o comunicados imediatamente ao ui: competente e = !amília do preso ou = pessoa por ele indicada6 L(III - o preso será in!ormado de seus direitos, entre os 7uais o de permanecer calado, sendo-l"e assegurada a assist<ncia da !amília e de advogado6 L(IV - o preso tem direito = identi!icaç#o dos responsáveis por sua pris#o ou por seu interrogatório policial6 L(V - a pris#o ilegal será imediatamente relaxada pela autoridade udiciária6 L(VI - ninguém será levado = pris#o ou nela mantido, 7uando a lei admitir a liberdade provisória, com ou sem !iança6 L(VII - n#o "averá pris#o civil por dívida, salvo a do responsável pelo inadimplemento voluntário e inescusável de obrigaç#o alimentícia e a do depositário in!iel6 L(VIII - conceder-se-á habeas corpus sempre 7ue alguém so!rer ou se ac"ar ameaçado de so!rer viol<ncia ou coaç#o em sua liberdade de locomoç#o, por ilegalidade ou abuso de poder6 L(I( - conceder-se-á mandado de segurança para proteger direito lí7uido e certo, n#o amparado por habeas corpus ou habeas data, 7uando o responsável pela ilegalidade ou abuso de poder !or autoridade p3blica ou agente de pessoa urídica no exercício de atribuiç;es do ,oder ,3blico6 L(( - o mandado de segurança coletivo pode ser impetrado por5 a, partido político com representaç#o no Congresso Nacional6 -, organi:aç#o sindical, entidade de classe ou associaç#o legalmente constituída e em !uncionamento "á pelo menos um ano, em de!esa dos interesses de seus membros ou associados6

L((I - conceder-se-á mandado de in unç#o sempre 7ue a !alta de norma regulamentadora torne inviável o exercício dos direitos e liberdades constitucionais e das prerrogativas inerentes = nacionalidade, = soberania e = cidadania6 L((II - conceder-se-á habeas data5 a, para assegurar o con"ecimento de in!ormaç;es relativas = pessoa do impetrante, constantes de registros ou bancos de dados de entidades governamentais ou de caráter p3blico6 -, para a reti!icaç#o de dados, 7uando n#o se pre!ira !a:<-lo por processo sigiloso, udicial ou administrativo6 L((III - 7ual7uer cidad#o é parte legítima para propor aç#o popular 7ue vise a anular ato lesivo ao patrim8nio p3blico ou de entidade de 7ue o Estado participe, = moralidade administrativa, ao meio ambiente e ao patrim8nio "istórico e cultural, !icando o autor, salvo comprovada má-!é, isento de custas udiciais e do 8nus da sucumb<ncia6 L((IV - o Estado prestará assist<ncia urídica integral e gratuita aos 7ue comprovarem insu!ici<ncia de recursos6 L((V - o Estado indeni:ará o condenado por erro udiciário, assim como o 7ue !icar preso além do tempo !ixado na sentença6 L((VI - s#o gratuitos para os recon"ecidamente pobres, na !orma da lei5 a, o registro civil de nascimento6 -, a certid#o de óbito6 L((VII - s#o gratuitas as aç;es de habeas corpus e habeas data, e, na !orma da lei, os atos necessários ao exercício da cidadania2 2 1º ) As normas de!inidoras dos direitos e garantias !undamentais t<m aplicaç#o imediata2 2 %º ) $s direitos e garantias expressos nesta Constituiç#o n#o excluem outros decorrentes do regime e dos princípios por ela adotados, ou dos tratados internacionais em 7ue a +ep3blica 0ederativa do .rasil se a parte2

CAPÍTULO II DOS DIREITOS SOCIAIS

Art. 3º ) %#o direitos sociais a educaç#o, a sa3de, o trabal"o, o la:er, a segurança, a previd<ncia social, a proteç#o = maternidade e = in!>ncia, a assist<ncia aos desamparados, na !orma desta Constituiç#o2 Art. 4º ) %#o direitos dos trabal"adores urbanos e rurais, além de outros 7ue visem = mel"oria de sua condiç#o social5 I - relaç#o de emprego protegida contra despedida arbitrária ou sem usta causa, nos termos de lei complementar, 7ue preverá indeni:aç#o compensatória, dentre outros direitos6 II - seguro-desemprego, em caso de desemprego involuntário6 III - !undo de garantia do tempo de serviço6 IV - salário mínimo, !ixado em lei, nacionalmente uni!icado, capa: de atender a suas necessidades vitais básicas e =s de sua !amília com moradia, alimentaç#o, educaç#o, sa3de, la:er, vestuário, "igiene, transporte e previd<ncia social, com rea ustes periódicos 7ue l"e preservem o poder a7uisitivo, sendo vedada sua vinculaç#o para 7ual7uer !im6 V - piso salarial proporcional = extens#o e = complexidade do trabal"o6 VI - irredutibilidade do salário, salvo o disposto em convenç#o ou acordo coletivo6 VII - garantia de salário, nunca in!erior ao mínimo, para os 7ue percebem remuneraç#o variável6 VIII - décimo terceiro salário com base na remuneraç#o integral ou no valor da aposentadoria6 I( - remuneraç#o do trabal"o noturno superior = do diurno6 ( - proteç#o do salário na !orma da lei, constituindo crime sua retenç#o dolosa6

(I - participaç#o nos lucros, ou resultados, desvinculada da remuneraç#o, e, excepcionalmente, participaç#o na gest#o da empresa, con!orme de!inido em lei6
?

(II - salário-!amília pago em ra:#o do dependente do trabal"ador de baixa

renda nos termos da lei6 (III - duraç#o do trabal"o normal n#o superior a oito "oras diárias e 7uarenta e 7uatro semanais, !acultada a compensaç#o de "orários e a reduç#o da ornada, mediante acordo ou convenç#o coletiva de trabal"o6 (IV - ornada de seis "oras para o trabal"o reali:ado em turnos ininterruptos de reve:amento, salvo negociaç#o coletiva6 (V - repouso semanal remunerado, pre!erencialmente aos domingos6 (VI - remuneraç#o do serviço extraordinário superior, no mínimo, em cin7@enta por cento = do normal6 (VII - go:o de !érias anuais remuneradas com, pelo menos, um terço a mais do 7ue o salário normal6 (VIII - licença = gestante, sem pre uí:o do emprego e do salário, com a duraç#o de cento e vinte dias6 (I( - licença-paternidade, nos termos !ixados em lei6 (( - proteç#o do mercado de trabal"o da mul"er, mediante incentivos especí!icos, nos termos da lei6 ((I - aviso prévio proporcional ao tempo de serviço, sendo no mínimo de trinta dias, nos termos da lei6 ((II - reduç#o dos riscos inerentes ao trabal"o, por meio de normas de sa3de, "igiene e segurança6 ((III - adicional de remuneraç#o para as atividades penosas, insalubres ou perigosas, na !orma da lei6 ((IV - aposentadoria6 ((V - assist<ncia gratuita aos !il"os e dependentes desde o nascimento até seis anos de idade em crec"es e pré-escolas6 ((VI - recon"ecimento das convenç;es e acordos coletivos de trabal"o6

((VII proteç#o em !ace da automaç#o, na !orma da lei6 ((VIII - seguro contra acidentes de trabal"o, a cargo do empregador, sem excluir a indeni:aç#o a 7ue este está obrigado, 7uando incorrer em dolo ou culpa6 ((I( - aç#o, 7uanto a créditos resultantes das relaç;es de trabal"o, com pra:o prescricional de5 a, cinco anos para o trabal"ador urbano, até o limite de dois anos após a extinç#o do contrato6 -, até dois anos após a extinç#o do contrato, para o trabal"ador rural6 ((( - proibiç#o de di!erença de salários, de exercício de !unç;es e de critério de admiss#o por motivo de sexo, idade, cor ou estado civil6 (((I - proibiç#o de 7ual7uer discriminaç#o no tocante a salário e critérios de admiss#o do trabal"ador portador de de!ici<ncia6 (((II - proibiç#o de distinç#o entre trabal"o manual, técnico e intelectual ou entre os pro!issionais respectivos6
A

(((III - proibiç#o de trabal"o noturno, perigoso ou insalubre a menores

de de:oito e de 7ual7uer trabal"o a menores de de:esseis anos, salvo na condiç#o de aprendi:, a partir de 7uator:e anos6 (((IV - igualdade de direitos entre o trabal"ador com vínculo empregatício permanente e o trabal"ador avulso2 Parágraf !"#$ ) %#o assegurados = categoria dos trabal"adores domésticos os direitos previstos nos #"$#5 5 IV, VI, VIII, (V, (VII, (VIII, (I(, ((I e ((IV, bem como a sua integraç#o = previd<ncia social2 Art. 0º ) B livre a associaç#o pro!issional ou sindical, observado o seguinte5 I - a lei n#o poderá exigir autori:aç#o do Estado para a !undaç#o de sindicato, ressalvado o registro no órg#o competente, vedadas ao ,oder ,3blico a inter!er<ncia e a intervenç#o na organi:aç#o sindical6 II - é vedada a criaç#o de mais de uma organi:aç#o sindical, em 7ual7uer grau, representativa de categoria pro!issional ou econ8mica, na mesma

base territorial, 7ue será de!inida pelos trabal"adores ou empregadores interessados, n#o podendo ser in!erior = área de um 4unicípio6 III - ao sindicato cabe a de!esa dos direitos e interesses coletivos ou individuais da categoria, inclusive em 7uest;es udiciais ou administrativas6 IV - a assembléia geral !ixará a contribuiç#o 7ue, em se tratando de categoria pro!issional, será descontada em !ol"a, para custeio do sistema con!ederativo da representaç#o sindical respectiva, independentemente da contribuiç#o prevista em lei6 V - ninguém será obrigado a !iliar-se ou a manter-se !iliado a sindicato6 VI - é obrigatória a participaç#o dos sindicatos nas negociaç;es coletivas de trabal"o6 VII - o aposentado !iliado tem direito a votar e ser votado nas organi:aç;es sindicais6 VIII - é vedada a dispensa do empregado sindicali:ado a partir do registro da candidatura a cargo de direç#o ou representaç#o sindical e, se eleito, ainda 7ue suplente, até um ano após o !inal do mandato, salvo se cometer !alta grave nos termos da lei2 Parágraf !"#$ ) As disposiç;es deste artigo aplicam-se = organi:aç#o de

sindicatos rurais e de col8nias de pescadores, atendidas as condiç;es 7ue a lei estabelecer2 Art. 6º ) B assegurado o direito de greve, competindo aos trabal"adores decidir sobre a oportunidade de exerc<-lo e sobre os interesses 7ue devam por meio dele de!ender2 2 1º ) A lei de!inirá os serviços ou atividades essenciais e disporá sobre o atendimento das necessidades inadiáveis da comunidade2 2 %º ) $s abusos cometidos su eitam os responsáveis =s penas da lei2 Art. 17 - B assegurada a participaç#o dos trabal"adores e empregadores nos colegiados dos órg#os p3blicos em 7ue seus interesses pro!issionais ou previdenciários se am ob eto de discuss#o e deliberaç#o2

Art. 11 - Nas empresas de mais de du:entos empregados, é assegurada a eleiç#o de um representante destes com a !inalidade exclusiva de promover-l"es o entendimento direto com os empregadores2

CAPÍTULO III DA NACIONALIDADE

Art. 1% - %#o brasileiros5 I - natos5 a, os nascidos na +ep3blica 0ederativa do .rasil, ainda 7ue de pais estrangeiros, desde 7ue estes n#o este am a serviço de seu país6 -, os nascidos no estrangeiro, de pai brasileiro ou m#e brasileira, desde 7ue 7ual7uer deles este a a serviço da +ep3blica 0ederativa do .rasil6 $, os nascidos no estrangeiro, de pai brasileiro ou m#e brasileira, desde 7ue ven"am a residir na +ep3blica 0ederativa do .rasil e optem, em 7ual7uer tempo, pela nacionalidade brasileira6 II - naturali:ados5 a, os 7ue, na !orma da lei, ad7uiram a nacionalidade brasileira, exigidas aos originários de países de língua portuguesa apenas resid<ncia por um ano ininterrupto e idoneidade moral6 -, os estrangeiros de 7ual7uer nacionalidade residentes na +ep3blica 0ederativa do .rasil "á mais de 7uin:e anos ininterruptos e sem condenaç#o penal, desde 7ue re7ueiram a nacionalidade brasileira2 2 1º ) Aos portugueses com resid<ncia permanente no ,aís, se "ouver reciprocidade em !avor dos brasileiros, ser#o atribuídos os direitos inerentes ao brasileiro, salvo os casos previstos nesta Constituiç#o2 2 %º ) A lei n#o poderá estabelecer distinç#o entre brasileiros natos e naturali:ados, salvo nos casos previstos nesta Constituiç#o2 2 &º ) %#o privativos de brasileiro nato os cargos5

I - de ,residente e 1ice-,residente da +ep3blica6 II - de ,residente da C>mara dos Deputados6 III - de ,residente do %enado 0ederal6 IV - de 4inistro do %upremo &ribunal 0ederal6 V - da carreira diplomática6 VI - de o!icial das 0orças Armadas2
C

VII ) de 4inistro de Estado da De!esa2

2 'º ) %erá declarada a perda da nacionalidade do brasileiro 7ue5 I - tiver cancelada sua naturali:aç#o, por sentença udicial, em virtude de atividade nociva ao interesse nacional6 II - ad7uirir outra nacionalidade, salvo nos casos5 a, de recon"ecimento de nacionalidade originária pela lei estrangeira6 -, de imposiç#o de naturali:aç#o, pela !orma estrangeira, ao brasileiro residente em Estado estrangeiro, como condiç#o para perman<ncia em seu território ou para o exercício de direitos civis2 Art. 1& - A língua portuguesa é o idioma o!icial da +ep3blica 0ederativa do .rasil2 2 1º ) %#o símbolos da +ep3blica 0ederativa do .rasil a bandeira, o "ino, as armas e o selo nacionais2 2 %º ) $s Estados, o Distrito 0ederal e os 4unicípios poder#o ter símbolos próprios2

CAPÍTULO IV DOS DIREITOS POLÍTICOS

Art. 1' - A soberania popular será exercida pelo su!rágio universal e pelo voto direto e secreto, com valor igual para todos, e, nos termos da lei, mediante5 I - plebiscito6 II - re!erendo6 III - iniciativa popular2

2 1º ) $ alistamento eleitoral e o voto s#o5 I - obrigatórios para os maiores de de:oito anos6 II - !acultativos para5 a, os anal!abetos6 -, os maiores de setenta anos6 $, os maiores de de:esseis e menores de de:oito anos2 2 %º ) N#o podem alistar-se como eleitores os estrangeiros e, durante o período do serviço militar obrigatório, os conscritos2 2 &º ) %#o condiç;es de elegibilidade, na !orma da lei5 I - a nacionalidade brasileira6 II - o pleno exercício dos direitos políticos6 III - o alistamento eleitoral6 IV - o domicílio eleitoral na circunscriç#o6 V - a !iliaç#o partidária6 VI - a idade mínima de5 a, trinta e cinco anos para ,residente e 1ice-,residente da +ep3blica e %enador6 -, trinta anos para Dovernador e 1ice-Dovernador de Estado e do Distrito 0ederal6 $, vinte e um anos para Deputado 0ederal, Deputado Estadual ou Distrital, ,re!eito, 1ice-,re!eito e ui: de pa:6 ., de:oito anos para 1ereador2 2 'º ) %#o inelegíveis os inalistáveis e os anal!abetos2
E

2 +º ) $ ,residente da +ep3blica, os Dovernadores de Estado e do Distrito

0ederal, os ,re!eitos e 7uem os "ouver sucedido ou substituído no curso dos mandatos poder#o ser reeleitos para um 3nico período subse7@ente2 2 3º ) ,ara concorrerem a outros cargos, o ,residente da +ep3blica, os Dovernadores de Estado e do Distrito 0ederal e os ,re!eitos devem renunciar aos respectivos mandatos até seis meses antes do pleito2

2 4º ) %#o inelegíveis, no território de urisdiç#o do titular, o c8n uge e os parentes consang@íneos ou a!ins, até o segundo grau ou por adoç#o, do ,residente da +ep3blica, de Dovernador de Estado ou &erritório, do Distrito 0ederal, de ,re!eito ou de 7uem os "a a substituído dentro dos seis meses anteriores ao pleito, salvo se á titular de mandato eletivo e candidato = reeleiç#o2 2 0º ) $ militar alistável é elegível, atendidas as seguintes condiç;es5 I - se contar menos de de: anos de serviço, deverá a!astar-se da atividade6 II - se contar mais de de: anos de serviço, será agregado pela autoridade superior e, se eleito, passará automaticamente, no ato da diplomaç#o, para a inatividade2 2 6º ) /ei complementar estabelecerá outros casos de inelegibilidade e os pra:os de sua cessaç#o, a !im de proteger a probidade administrativa, a moralidade para o exercício do mandato, considerada a vida pregressa do candidato, e a normalidade e legitimidade das eleiç;es contra a in!lu<ncia do poder econ8mico ou o abuso do exercício de !unç#o, cargo ou emprego na administraç#o direta ou indireta2 2 17 - $ mandato eletivo poderá ser impugnado ante a 9ustiça Eleitoral no pra:o de 7uin:e dias contados da diplomaç#o, instruída a aç#o com provas de abuso do poder econ8mico, corrupç#o ou !raude2 2 11 - A aç#o de impugnaç#o de mandato tramitará em segredo de ustiça, respondendo o autor, na !orma da lei, se temerária ou de mani!esta má-!é2 Art. 1+ - B vedada a cassaç#o de direitos políticos, cu a perda ou suspens#o só se dará nos casos de5 I - cancelamento da naturali:aç#o por sentença transitada em ulgado6 II - incapacidade civil absoluta6 III - condenaç#o criminal transitada em ulgado, en7uanto durarem seus e!eitos6 IV - recusa de cumprir obrigaç#o a todos imposta ou prestaç#o alternativa, nos termos do art. +º1 VIII6

V - improbidade administrativa, nos termos do art. &41 2 'º2 Art. 13 - A lei 7ue alterar o processo eleitoral entrará em vigor na data de sua publicaç#o, n#o se aplicando = eleiç#o 7ue ocorra até ? FumG ano da data de sua vig<ncia2

CAPÍTULO V DOS PARTIDOS POLÍTICOS

Art. 14 - B livre a criaç#o, !us#o, incorporaç#o e extinç#o de partidos políticos, resguardados a soberania nacional, o regime democrático, o pluripartidarismo, os direitos !undamentais da pessoa "umana e observados os seguintes preceitos5 I - caráter nacional6 II - proibiç#o de recebimento de recursos !inanceiros de entidade ou governo estrangeiros ou de subordinaç#o a estes6 III - prestaç#o de contas = 9ustiça Eleitoral6 IV - !uncionamento parlamentar de acordo com a lei2 2 1º ) B assegurada aos partidos políticos autonomia para de!inir sua estrutura interna, organi:aç#o e !uncionamento, devendo seus estatutos estabelecer normas de !idelidade e disciplina partidárias2 2 %º ) $s partidos políticos, após ad7uirirem personalidade urídica, na !orma da lei civil, registrar#o seus estatutos no &ribunal %uperior Eleitoral2 2 &º ) $s partidos políticos t<m direito a recursos do !undo partidário e acesso gratuito ao rádio e = televis#o, na !orma da lei2 2 'º ) B vedada a utili:aç#o pelos partidos políticos de organi:aç#o paramilitar2

TÍTULO III DA OR*ANI8AÇÃO DO ESTADO

CAPÍTULO I DA OR*ANI8AÇÃO POLÍTICO)ADMINISTRATIVA

Art. 10 - A organi:aç#o político-administrativa da +ep3blica 0ederativa do .rasil compreende a (ni#o, os Estados, o Distrito 0ederal e os 4unicípios, todos aut8nomos, nos termos desta Constituiç#o2 2 1º ) .rasília é a Capital 0ederal2 2 %º ) $s &erritórios 0ederais integram a (ni#o, e sua criaç#o, trans!ormaç#o em Estado ou reintegraç#o ao Estado de origem ser#o reguladas em lei complementar2 2 &º ) $s Estados podem incorporar-se entre si, subdividir-se ou desmembrarse para se anexarem a outros, ou !ormarem novos Estados ou &erritórios 0ederais, mediante aprovaç#o da populaç#o diretamente interessada, através de plebiscito, e do Congresso Nacional, por lei complementar2 2 'º ) A criaç#o, a incorporaç#o, a !us#o e o desmembramento de 4unicípios, !ar-se-#o por lei estadual, dentro do período determinado por lei complementar !ederal, e depender#o de consulta prévia, mediante plebiscito, =s populaç;es dos 4unicípios envolvidos, após divulgaç#o dos Estudos de 1iabilidade 4unicipal, apresentados e publicados na !orma da lei2 Art. 16 - B vedado = (ni#o, aos Estados, ao Distrito 0ederal e aos 4unicípios5 I - estabelecer cultos religiosos ou igre as, subvencioná-los, embaraçarl"es o !uncionamento ou manter com eles ou seus representantes relaç;es de depend<ncia ou aliança, ressalvada, na !orma da lei, a colaboraç#o de interesse p3blico6 II - recusar !é aos documentos p3blicos6 III - criar distinç;es entre brasileiros ou pre!er<ncias entre si2 CAPÍTULO II DA UNIÃO

Art. %7 - %#o bens da (ni#o5 I - os 7ue atualmente l"e pertencem e os 7ue l"e vierem a ser atribuídos6 II - as terras devolutas indispensáveis = de!esa das !ronteiras, das !orti!icaç;es e construç;es militares, das vias !ederais de comunicaç#o e = preservaç#o ambiental, de!inidas em lei6 III - os lagos, rios e 7uais7uer correntes de água em terrenos de seu domínio, ou 7ue ban"em mais de um Estado, sirvam de limites com outros países, ou se estendam a território estrangeiro ou dele proven"am, bem como os terrenos marginais e as praias !luviais6 IV - as il"as !luviais e lacustres nas :onas limítro!es com outros países6 as praias marítimas6 as il"as oce>nicas e as costeiras, excluídas, destas, as áreas re!eridas no art. %31 II6 V - os recursos naturais da plata!orma continental e da :ona econ8mica exclusiva6 VI - o mar territorial6 VII - os terrenos de marin"a e seus acrescidos6 VIII - os potenciais de energia "idráulica6 I( - os recursos minerais, inclusive os do subsolo6 ( - as cavidades naturais subterr>neas e os sítios ar7ueológicos e pré"istóricos6 (I - as terras tradicionalmente ocupadas pelos índios2 2 1º ) é assegurada, nos termos da lei, aos Estados, ao Distrito 0ederal e aos 4unicípios, bem como a órg#os da administraç#o direta da (ni#o, participaç#o no resultado da exploraç#o de petróleo ou gás natural, de recursos "ídricos para !ins de geraç#o de energia elétrica e de outros recursos minerais no respectivo território, plata!orma continental, mar territorial ou :ona econ8mica exclusiva, ou compensaç#o !inanceira por essa exploraç#o2 2 %º ) A !aixa de até cento e cin7@enta 7uil8metros de largura, ao longo das !ronteiras terrestres, designada como !aixa de !ronteira, é considerada

!undamental para de!esa do território nacional, e sua ocupaç#o e utili:aç#o ser#o reguladas em lei2 Art. %1 - Compete = (ni#o5 I - manter relaç;es com Estados estrangeiros e participar de organi:aç;es internacionais6 II - declarar a guerra e celebrar a pa:6 III - assegurar a de!esa nacional6 IV - permitir, nos casos previstos em lei complementar, 7ue !orças estrangeiras transitem pelo território nacional ou nele permaneçam temporariamente6 V - decretar o estado de sítio, o estado de de!esa e a intervenç#o !ederal6 VI - autori:ar e !iscali:ar a produç#o e o comércio de material bélico6 VII - emitir moeda6 VIII - administrar as reservas cambiais do ,aís e !iscali:ar as operaç;es de nature:a !inanceira, especialmente as de crédito, c>mbio e capitali:aç#o, bem como as de seguros e de previd<ncia privada6 I( - elaborar e executar planos nacionais e regionais de ordenaç#o do território e de desenvolvimento econ8mico e social6 ( - manter o serviço postal e o correio aéreo nacional6 (I - explorar, diretamente ou mediante autori:aç#o, concess#o ou permiss#o, os serviços de telecomunicaç;es, nos termos da lei, 7ue disporá sobre a organi:aç#o dos serviços, a criaç#o de um órg#o regulador e outros aspectos institucionais6 (II - explorar, diretamente ou mediante autori:aç#o, concess#o ou permiss#o5 a, os serviços de radiodi!us#o sonora e de sons e imagens6 -, os serviços e instalaç;es de energia elétrica e o aproveitamento energético dos cursos de água, em articulaç#o com os Estados onde se situam os potenciais "idroenergéticos6 $, a navegaç#o aérea, aeroespacial e a in!ra-estrutura aeroportuária6

., os serviços de transporte !erroviário e a7uaviário entre portos brasileiros e !ronteiras nacionais, ou 7ue transpon"am os limites de Estado ou &erritório6 /, os serviços de transporte rodoviário interestadual e internacional de passageiros6 f, os portos marítimos, !luviais e lacustres6 (III - organi:ar e manter o ,oder 9udiciário, o 4inistério ,3blico e a De!ensoria ,3blica do Distrito 0ederal e dos &erritórios6
H

(IV - organi:ar e manter a polícia civil, a polícia militar e o corpo de

bombeiros militar do Distrito 0ederal, bem como prestar assist<ncia !inanceira ao Distrito 0ederal para a execuç#o de serviços p3blicos, por meio de !undo próprio6 (V - organi:ar e manter os serviços o!iciais de estatística, geogra!ia, geologia e cartogra!ia de >mbito nacional6 (VI - exercer a classi!icaç#o, para e!eito indicativo, de divers;es p3blicas e de programas de rádio e televis#o6 (VII - conceder anistia6 (VIII - plane ar e promover a de!esa permanente contra as calamidades p3blicas, especialmente as secas e as inundaç;es6 (I( - instituir sistema nacional de gerenciamento de recursos "ídricos e de!inir critérios de outorga de direitos de seu uso6 (( - instituir diretri:es para o desenvolvimento urbano, inclusive "abitaç#o, saneamento básico e transportes urbanos6 ((I - estabelecer princípios e diretri:es para o sistema nacional de viaç#o6
I

((II - executar os serviços de polícia marítima, aeroportuária e de

!ronteiras6 ((III - explorar os serviços e instalaç;es nucleares de 7ual7uer nature:a e exercer monopólio estatal sobre a pes7uisa, a lavra, o enri7uecimento e reprocessamento, a industriali:aç#o e o comércio de minérios nucleares e seus derivados, atendidos os seguintes princípios e condiç;es5

a, toda atividade nuclear em território nacional somente será admitida para !ins pací!icos e mediante aprovaç#o do Congresso Nacional6 -, sob regime de concess#o ou permiss#o, é autori:ada a utili:aç#o de radioisótopos para a pes7uisa e usos medicinais, agrícolas, industriais e atividades análogas6 $, a responsabilidade civil por danos nucleares independe da exist<ncia de culpa6 ((IV - organi:ar, manter e executar a inspeç#o do trabal"o6 ((V - estabelecer as áreas e as condiç;es para o exercício da atividade de garimpagem, em !orma associativa2 Art. %% - Compete privativamente = (ni#o legislar sobre5 I - direito civil, comercial, penal, processual, eleitoral, agrário, marítimo, aeronáutico, espacial e do trabal"o6 II - desapropriaç#o6 III - re7uisiç;es civis e militares, em caso de iminente perigo e em tempo de guerra6 IV - águas, energia, in!ormática, telecomunicaç;es e radiodi!us#o6 V - serviço postal6 VI - sistema monetário e de medidas, títulos e garantias dos metais6 VII - política de crédito, c>mbio, seguros e trans!er<ncia de valores6 VIII - comércio exterior e interestadual6 I( - diretri:es da política nacional de transportes6 ( - regime dos portos, navegaç#o lacustre, !luvial, marítima, aérea e aeroespacial6 (I - tr>nsito e transporte6 (II - a:idas, minas, outros recursos minerais e metalurgia6 (III - nacionalidade, cidadania e naturali:aç#o6 (IV - populaç;es indígenas6 (V - emigraç#o e imigraç#o, entrada, extradiç#o e expuls#o de estrangeiros6

(VI - organi:aç#o do sistema nacional de emprego e condiç;es para o exercício de pro!iss;es6 (VII - organi:aç#o udiciária, do 4inistério ,3blico e da De!ensoria ,3blica do Distrito 0ederal e dos &erritórios, bem como organi:aç#o administrativa destes6 (VIII - sistema estatístico, sistema cartográ!ico e de geologia nacionais6 (I( - sistemas de poupança, captaç#o e garantia da poupança popular6 (( - sistemas de consórcios e sorteios6 ((I - normas gerais de organi:aç#o, e!etivos, material bélico, garantias, convocaç#o e mobili:aç#o das polícias militares e corpos de bombeiros militares6 ((II - compet<ncia da polícia !ederal e das polícias rodoviária e !erroviária !ederais6 ((III - seguridade social6 ((IV - diretri:es e bases da educaç#o nacional6 ((V - registros p3blicos6 ((VI - atividades nucleares de 7ual7uer nature:a6
J

((VII - normas gerais de licitaç#o e contrataç#o, em todas as

modalidades, para as administraç;es p3blicas diretas, autár7uicas e !undacionais da (ni#o, Estados, Distrito 0ederal e 4unicípios, obedecido o disposto no art. &41 ((I, e para as empresas p3blicas e sociedades de economia mista, nos termos do art. 14&1 2 1º1 III6 ((VIII - de!esa territorial, de!esa aeroespacial, de!esa marítima, de!esa civil e mobili:aç#o nacional6 ((I( - propaganda comercial2 Parágraf !"#$ ) /ei complementar poderá autori:ar os Estados a legislar

sobre 7uest;es especí!icas das matérias relacionadas neste artigo2 Art. %& - B compet<ncia comum da (ni#o, dos Estados, do Distrito 0ederal e dos 4unicípios5

I - :elar pela guarda da Constituiç#o, das leis e das instituiç;es democráticas e conservar o patrim8nio p3blico6 II - cuidar da sa3de e assist<ncia p3blica, da proteç#o e garantia das pessoas portadoras de de!ici<ncia6 III - proteger os documentos, as obras e outros bens de valor "istórico, artístico e cultural, os monumentos, as paisagens naturais notáveis e os sítios ar7ueológicos6 IV - impedir a evas#o, a destruiç#o e a descaracteri:aç#o de obras de arte e de outros bens de valor "istórico, artístico ou cultural6 V - proporcionar os meios de acesso = cultura, = educaç#o e = ci<ncia6 VI - proteger o meio ambiente e combater a poluiç#o em 7ual7uer de suas !ormas6 VII - preservar as !lorestas, a !auna e a !lora6 VIII - !omentar a produç#o agropecuária e organi:ar o abastecimento alimentar6 I( - promover programas de construç#o de moradias e a mel"oria das condiç;es "abitacionais e de saneamento básico6 ( - combater as causas da pobre:a e os !atores de marginali:aç#o, promovendo a integraç#o social dos setores des!avorecidos6 (I - registrar, acompan"ar e !iscali:ar as concess;es de direitos de pes7uisa e exploraç#o de recursos "ídricos e minerais em seus territórios6 (II - estabelecer e implantar política de educaç#o para a segurança do tr>nsito2 Parágraf !"#$ ) /ei complementar !ixará normas para a cooperaç#o entre a (ni#o e os Estados, o Distrito 0ederal e os 4unicípios, tendo em vista o e7uilíbrio do desenvolvimento e do bem-estar em >mbito nacional2 Art. %' - Compete = (ni#o, aos Estados e ao Distrito 0ederal legislar concorrentemente sobre5 I - direito tributário, !inanceiro, penitenciário, econ8mico e urbanístico6 II - orçamento6

III - untas comerciais6 IV - custas dos serviços !orenses6 V - produç#o e consumo6 VI - !lorestas, caça, pesca, !auna, conservaç#o da nature:a, de!esa do solo e dos recursos naturais, proteç#o do meio ambiente e controle da poluiç#o6 VII - proteç#o ao patrim8nio "istórico, cultural, artístico, turístico e paisagístico6 VIII - responsabilidade por dano ao meio ambiente, ao consumidor, a bens e direitos de valor artístico, estético, "istórico, turístico e paisagístico6 I( - educaç#o, cultura, ensino e desporto6 ( - criaç#o, !uncionamento e processo do ui:ado de pe7uenas causas6 (I - procedimentos em matéria processual6 (II - previd<ncia social, proteç#o e de!esa da sa3de6 (III - assist<ncia urídica e de!ensoria p3blica6 (IV - proteç#o e integraç#o social das pessoas portadoras de de!ici<ncia6 (V - proteç#o = in!>ncia e = uventude6 (VI - organi:aç#o, garantias, direitos e deveres das polícias civis2 2 1º ) No >mbito da legislaç#o concorrente, a compet<ncia da (ni#o limitar-seá a estabelecer normas gerais2 2 %º ) A compet<ncia da (ni#o para legislar sobre normas gerais n#o exclui a compet<ncia suplementar dos Estados2 2 &º ) 'nexistindo lei !ederal sobre normas gerais, os Estados exercer#o a compet<ncia legislativa plena, para atender a suas peculiaridades2 2 'º ) A superveni<ncia de lei !ederal sobre normas gerais suspende a e!icácia da lei estadual, no 7ue l"e !or contrário2

CAPÍTULO III DOS ESTADOS FEDERADOS

Art. %+ - $s Estados organi:am-se e regem-se pelas Constituiç;es e leis 7ue adotarem, observados os princípios desta Constituiç#o2 2 1º ) %#o reservadas aos Estados as compet<ncias 7ue n#o l"es se am vedadas por esta Constituiç#o2 2 %º ) Cabe aos Estados explorar diretamente, ou mediante concess#o, os serviços locais de gás canali:ado, na !orma da lei, vedada a ediç#o de medida provisória para a sua regulamentaç#o2 2 &º ) $s Estados poder#o, mediante lei complementar, instituir regi;es metropolitanas, aglomeraç;es urbanas e microrregi;es, constituídas por agrupamentos de 4unicípios limítro!es, para integrar a organi:aç#o, o plane amento e a execuç#o de !unç;es p3blicas de interesse comum2 Art. %3 - 'ncluem-se entre os bens dos Estados5 I - as águas super!iciais ou subterr>neas, !luentes, emergentes e em depósito, ressalvadas, neste caso, na !orma da lei, as decorrentes de obras da (ni#o6 II - as áreas, nas il"as oce>nicas e costeiras, 7ue estiverem no seu domínio, excluídas a7uelas sob domínio da (ni#o, 4unicípios ou terceiros6 III - as il"as !luviais e lacustres n#o pertencentes = (ni#o6 IV - as terras devolutas n#o compreendidas entre as da (ni#o2 Art. %4 - $ n3mero de Deputados = Assembléia /egislativa corresponderá ao triplo da representaç#o do Estado na C>mara dos Deputados e, atingido o n3mero de trinta e seis, será acrescido de tantos 7uantos !orem os Deputados 0ederais acima de do:e2 2 1º ) %erá de 7uatro anos o mandato dos Deputados Estaduais, aplicando-sel"es as regras desta Constituiç#o sobre sistema eleitoral, inviolabilidade, imunidades, remuneraç#o, perda de mandato, licença, impedimentos e incorporaç#o =s 0orças Armadas2
K

2 %º ) $ subsídio dos Deputados Estaduais será !ixado por /ei de iniciativa da

Assembléia /egislativa, na ra:#o de, no máximo, setenta e cinco por cento

da7uele estabelecido, em espécie, para os Deputados 0ederais, observado o 7ue disp;e os art5. &61 2 'º, +41 2 4º, 1+71 II, 1+&1 III, e 1+&1 2 %º1 I2 2 &º ) Compete =s Assembléias /egislativas dispor sobre seu regimento interno, polícia e serviços administrativos de sua secretaria, e prover os respectivos cargos2 2 'º ) A lei disporá sobre a iniciativa popular no processo legislativo estadual2
L

Art. %0 - A eleiç#o do Dovernador e do 1ice-Dovernador de Estado, para

mandato de 7uatro anos, reali:ar-se-á no primeiro domingo de outubro, em primeiro turno, e no 3ltimo domingo de outubro, em segundo turno, se "ouver, do ano anterior ao do término do mandato de seus antecessores, e a posse ocorrerá em primeiro de aneiro do ano subse7@ente, observado, 7uanto ao mais, o disposto no art. 442 2 1º ) ,erderá o mandato o Dovernador 7ue assumir outro cargo ou !unç#o na administraç#o p3blica direta ou indireta, ressalvada a posse em virtude de concurso p3blico e observado o disposto no art. &01 I, IV / V2 2 %º - $ subsídio do Dovernador, do 1ice-Dovernador e dos %ecretários de Estado ser#o !ixados por lei de iniciativa da Assembléia /egislativa, observado o 7ue disp;e os art5. &41 (I, &61 2 'º, 1+71 II, 1+&1 III, e 1+&1 2 %º1 I2 * § 2º acrescentado pela Emenda Constitucional nº 19, de 4 de junho de 1998.

CAPÍTULO IV DOS MUNICÍPIOS

Art. %6 - $ 4unicípio reger-se-á por lei org>nica, votada em dois turnos, com o interstício mínimo de de: dias, e aprovada por dois terços dos membros da C>mara 4unicipal, 7ue a promulgará, atendidos os princípios estabelecidos nesta Constituiç#o, na Constituiç#o do respectivo Estado e os seguintes preceitos5

I - eleiç#o do ,re!eito, do 1ice-,re!eito e dos 1ereadores, para mandato de 7uatro anos, mediante pleito direto e simult>neo reali:ado em todo o ,aís6
?M

II - eleiç#o do ,re!eito e do 1ice-,re!eito reali:ada no primeiro domingo

de outubro do ano anterior ao término do mandato dos 7ue devam suceder, aplicadas as regras do art. 44 no caso de 4unicípios com mais de du:entos mil eleitores6 III - posse do ,re!eito e do 1ice-,re!eito no dia ?N de aneiro do ano subse7@ente ao da eleiç#o6 IV - n3mero de 1ereadores proporcional = populaç#o do 4unicípio, observados os seguintes limites5 a, mínimo de nove e máximo de vinte e um nos 4unicípios de até um mil"#o de "abitantes6 -, mínimo de trinta e tr<s e máximo de 7uarenta e um nos 4unicípios de mais de um mil"#o e menos de cinco mil";es de "abitantes6 $, mínimo de 7uarenta e dois e máximo de cin7@enta e cinco nos 4unicípios de mais de cinco mil";es de "abitantes6
??

V - subsídio do ,re!eito, do 1ice-,re!eito e dos %ecretários 4unicipais

!ixado por lei de iniciativa da C>mara 4unicipal, observado o 7ue disp;e os art5. &41 (I, &61 2 'º, 1+71 II, 1+&1 III, e 1+&1 2 %º1 I6
?A

VI - subsídio dos 1ereadores !ixado por lei de iniciativa da C>mara

4unicipal, na ra:#o de, no máximo, setenta e cinco por cento da7uele estabelecido, em espécie, para os Deputados Estaduais, observado o 7ue disp;e os art5. &61 2 'º, +41 2 4º, 1+71 II, 1+&1 III, e 1+&1 2 %º1 I6 VII - o total da despesa com a remuneraç#o dos 1ereadores n#o poderá ultrapassar o montante de HO Fcinco por centoG da receita do município6 VIII - inviolabilidade dos 1ereadores por suas opini;es, palavras e votos no exercício do mandato e na circunscriç#o do 4unicípio6 I( ) proibiç;es e incompatibilidades, no exercício da vereança, similares, no 7ue couber, ao disposto nesta Constituiç#o para os membros do Congresso Nacional e, na Constituiç#o do respectivo Estado, para os membros da Assembléia /egislativa6

( - ulgamento do ,re!eito perante o &ribunal de 9ustiça6 (I - organi:aç#o das !unç;es legislativas e !iscali:adoras da C>mara 4unicipal6 (II - cooperaç#o das associaç;es representativas no plane amento municipal6 (III - iniciativa popular de pro etos de lei de interesse especí!ico do 4unicípio, da cidade ou de bairros, através de mani!estaç#o de, pelo menos, cinco por cento do eleitorado6 (IV - perda do mandato do ,re!eito, nos termos do art. %01 2 1º2 Art. &7 - Compete aos 4unicípios5 I - legislar sobre assuntos de interesse local6 II - suplementar a legislaç#o !ederal e a estadual no 7ue couber6 III - instituir e arrecadar os tributos de sua compet<ncia, bem como aplicar suas rendas, sem pre uí:o da obrigatoriedade de prestar contas e publicar balancetes nos pra:os !ixados em lei6 IV - criar, organi:ar e suprimir distritos, observada a legislaç#o estadual6 V - organi:ar e prestar, diretamente ou sob regime de concess#o ou permiss#o, os serviços p3blicos de interesse local, incluído o de transporte coletivo, 7ue tem caráter essencial6 VI - manter, com a cooperaç#o técnica e !inanceira da (ni#o e do Estado, programas de educaç#o pré-escolar e de ensino !undamental6 VII - prestar, com a cooperaç#o técnica e !inanceira da (ni#o e do Estado, serviços de atendimento = sa3de da populaç#o6 VIII - promover, no 7ue couber, ade7uado ordenamento territorial, mediante plane amento e controle do uso, do parcelamento e da ocupaç#o do solo urbano6 I( - promover a proteç#o do patrim8nio "istórico-cultural local, observada a legislaç#o e a aç#o !iscali:adora !ederal e estadual2

Art. &1 - A !iscali:aç#o do 4unicípio será exercida pelo ,oder /egislativo 4unicipal, mediante controle externo, e pelos sistemas de controle interno do ,oder Executivo 4unicipal, na !orma da lei2 2 1º ) $ controle externo da C>mara 4unicipal será exercido com o auxílio dos &ribunais de Contas dos Estados ou do 4unicípio ou dos Consel"os ou &ribunais de Contas dos 4unicípios, onde "ouver2 2 %º ) $ parecer prévio, emitido pelo órg#o competente sobre as contas 7ue o ,re!eito deve anualmente prestar, só deixará de prevalecer por decis#o de dois terços dos membros da C>mara 4unicipal2 2 &º ) As contas dos 4unicípios !icar#o, durante sessenta dias, anualmente, = disposiç#o de 7ual7uer contribuinte, para exame e apreciaç#o, o 7ual poderá 7uestionar-l"es a legitimidade, nos termos da lei2 2 'º ) B vedada a criaç#o de &ribunais, Consel"os ou órg#os de Contas 4unicipais2

CAPÍTULO V DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRIT9RIOS SEÇÃO I DO DISTRITO FEDERAL

Art. &% - $ Distrito 0ederal, vedada sua divis#o em 4unicípios, reger-se-á por lei org>nica, votada em dois turnos com interstício mínimo de de: dias, e aprovada por dois terços da C>mara /egislativa, 7ue a promulgará, atendidos os princípios estabelecidos nesta Constituiç#o2 2 1º ) Ao Distrito 0ederal s#o atribuídas as compet<ncias legislativas reservadas aos Estados e 4unicípios2

2 %º - A eleiç#o do Dovernador e do 1ice-Dovernador, observadas as regras do art. 44, e dos Deputados Distritais coincidirá com a dos Dovernadores e Deputados Estaduais, para mandato de igual duraç#o2 2 &º ) Aos Deputados Distritais e = C>mara /egislativa aplica-se o disposto no art. %42 2 'º ) /ei !ederal disporá sobre a utili:aç#o, pelo Doverno do Distrito 0ederal, das polícias civil e militar e do corpo de bombeiros militar2

SEÇÃO II DOS TERRIT9RIOS

Art. && - A lei disporá sobre a organi:aç#o administrativa e udiciária dos &erritórios2 2 1º ) $s &erritórios poder#o ser divididos em 4unicípios, aos 7uais se aplicará, no 7ue couber, o disposto no Ca:;t<= IV deste &ítulo2 2 %º ) As contas do Doverno do &erritório ser#o submetidas ao Congresso Nacional, com parecer prévio do &ribunal de Contas da (ni#o2 2 &º ) Nos &erritórios 0ederais com mais de cem mil "abitantes, além do Dovernador nomeado na !orma desta Constituiç#o, "averá órg#os udiciários de primeira e segunda inst>ncia, membros do 4inistério ,3blico e de!ensores p3blicos !ederais6 a lei disporá sobre as eleiç;es para a C>mara &erritorial e sua compet<ncia deliberativa2

CAPÍTULO VI DA INTERVENÇÃO

Art. &' - A (ni#o n#o intervirá nos Estados nem no Distrito 0ederal, exceto para5 I - manter a integridade nacional6 II - repelir invas#o estrangeira ou de uma unidade da 0ederaç#o em outra6

III - p8r termo a grave comprometimento da ordem p3blica6 IV - garantir o livre exercício de 7ual7uer dos ,oderes nas unidades da 0ederaç#o6 V - reorgani:ar as !inanças da unidade da 0ederaç#o 7ue5 a, suspender o pagamento da dívida !undada por mais de dois anos consecutivos, salvo motivo de !orça maior6 -, deixar de entregar aos 4unicípios receitas tributárias !ixadas nesta Constituiç#o, dentro dos pra:os estabelecidos em lei6 VI - prover a execuç#o de lei !ederal, ordem ou decis#o udicial6 VII - assegurar a observ>ncia dos seguintes princípios constitucionais5 a, !orma republicana, sistema representativo e regime democrático6 -, direitos da pessoa "umana6 $, autonomia municipal6 ., prestaç#o de contas da administraç#o p3blica, direta e indireta6
?C

/, aplicaç#o do mínimo exigido da receita resultante de impostos compreendida a proveniente de trans!er<ncias, na

estaduais,

manutenç#o e desenvolvimento do ensino2 Art. &+ - $ Estado n#o intervirá em seus 4unicípios, nem a (ni#o nos 4unicípios locali:ados em &erritório 0ederal, exceto 7uando5 I - deixar de ser paga, sem motivo de !orça maior, por dois anos consecutivos, a dívida !undada6 II - n#o !orem prestadas contas devidas, na !orma da lei6 III - n#o tiver sido aplicado o mínimo exigido da receita municipal na manutenç#o e desenvolvimento do ensino6 IV - o &ribunal de 9ustiça der provimento a representaç#o para assegurar a observ>ncia de princípios indicados na Constituiç#o Estadual, ou para prover a execuç#o de lei, de ordem ou de decis#o udicial2 Art. &3 - A decretaç#o da intervenç#o dependerá5

I - no caso do art. &', IV, de solicitaç#o do ,oder /egislativo ou do ,oder Executivo coacto ou impedido, ou de re7uisiç#o do %upremo &ribunal 0ederal, se a coaç#o !or exercida contra o ,oder 9udiciário6 II - no caso de desobedi<ncia a ordem ou decis#o udiciária, de re7uisiç#o do %upremo &ribunal 0ederal, do %uperior &ribunal de 9ustiça ou do &ribunal %uperior Eleitoral6 III - de provimento, pelo %upremo &ribunal 0ederal, de representaç#o do ,rocurador-Deral da +ep3blica, na "ipótese do art. &'1 VII6 IV - de provimento, pelo %uperior &ribunal de 9ustiça, de representaç#o do ,rocurador-Deral da +ep3blica, no caso de recusa = execuç#o de lei !ederal2 2 1º ) $ decreto de intervenç#o, 7ue especi!icará a amplitude, o pra:o e as condiç;es de execuç#o e 7ue, se couber, nomeará o interventor, será submetido = apreciaç#o do Congresso Nacional ou da Assembléia /egislativa do Estado, no pra:o de vinte e 7uatro "oras2 2 %º ) %e n#o estiver !uncionando o Congresso Nacional ou a Assembléia /egislativa, !ar-se-á convocaç#o extraordinária, no mesmo pra:o de vinte e 7uatro "oras2 2 &º ) Nos casos do art. &'1 VI / VII, ou do art. &+1 IV, dispensada a apreciaç#o pelo Congresso Nacional ou pela Assembléia /egislativa, o decreto limitar-se-á a suspender a execuç#o do ato impugnado, se essa medida bastar ao restabelecimento da normalidade2 2 'º ) Cessados os motivos da intervenç#o, as autoridades a!astadas de seus cargos a estes voltar#o, salvo impedimento legal2

CAPÍTULO VII DA ADMINISTRAÇÃO P>BLICA SEÇÃO I DISPOSIÇ?ES *ERAIS

?E

Art. &4 - A administraç#o p3blica direta e indireta de 7ual7uer dos ,oderes da

(ni#o, dos Estados, do Distrito 0ederal e dos 4unicípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e e!ici<ncia e, também, ao seguinte5
?H

I - os cargos, empregos e !unç;es p3blicas s#o acessíveis aos brasileiros

7ue preenc"am os re7uisitos estabelecidos em lei, assim como aos estrangeiros, na !orma da lei6
?I

II - a investidura em cargo ou emprego p3blico depende de aprovaç#o

prévia em concurso p3blico de provas ou de provas e títulos, de acordo com a nature:a e a complexidade do cargo ou emprego, na !orma prevista em lei, ressalvadas as nomeaç;es para cargo em comiss#o declarado em lei de livre nomeaç#o e exoneraç#o6 III - o pra:o de validade do concurso p3blico será de até dois anos, prorrogável uma ve:, por igual período6 IV - durante o pra:o improrrogável previsto no edital de convocaç#o, a7uele aprovado em concurso p3blico de provas ou de provas e títulos será convocado com prioridade sobre novos concursados para assumir cargo ou emprego, na carreira6
?J

V - as !unç;es de con!iança, exercidas exclusivamente por servidores

ocupantes de cargo e!etivo, e os cargos em comiss#o, a serem preenc"idos por servidores de carreira nos casos, condiç;es e percentuais mínimos previstos em lei, destinam-se apenas =s atribuiç;es de direç#o, c"e!ia e assessoramento6 VI - é garantido ao servidor p3blico civil o direito = livre associaç#o sindical6
?K

VII - o direito de greve será exercido nos termos e nos limites de!inidos

em lei especí!ica6 VIII - a lei reservará percentual dos cargos e empregos p3blicos para as pessoas portadoras de de!ici<ncia e de!inirá os critérios de sua admiss#o6

I( - a lei estabelecerá os casos de contrataç#o por tempo determinado para atender a necessidade temporária de excepcional interesse p3blico6
?L

( - a remuneraç#o dos servidores p3blicos e o subsídio de 7ue trata o 2

'º . art. &6 somente poder#o ser !ixados ou alterados por lei especí!ica, observada a iniciativa privativa em cada caso, assegurada revis#o geral anual, sempre na mesma data e sem distinç#o de índices6 (I - a remuneraç#o e o subsídio dos ocupantes de cargos, !unç;es e empregos p3blicos da administraç#o direta, autár7uica e !undacional, dos membros de 7ual7uer dos ,oderes da (ni#o, dos Estados, do Distrito 0ederal e dos 4unicípios, dos detentores de mandato eletivo e dos demais agentes políticos e os proventos, pens;es ou outra espécie remuneratória, percebidos cumulativamente ou n#o, incluídas as vantagens pessoais ou de 7ual7uer outra nature:a, n#o poder#o exceder o subsídio mensal, em espécie, dos 4inistros do %upremo &ribunal 0ederal6 (II - os vencimentos dos cargos do ,oder /egislativo e do ,oder 9udiciário n#o poder#o ser superiores aos pagos pelo ,oder Executivo6
AM

(III - é vedada a vinculaç#o ou e7uiparaç#o de 7uais7uer espécies

remuneratórias para o e!eito de remuneraç#o de pessoal do serviço p3blico6
A?

(IV - os acréscimos pecuniários percebidos por servidor p3blico n#o

ser#o computados nem acumulados para !ins de concess#o de acréscimos ulteriores6
AA

(V - o subsídio e os vencimentos dos ocupantes de cargos e empregos

p3blicos s#o irredutíveis, ressalvado o disposto nos #"$#5 5 (I e (IV deste artigo e nos art5. &61 2 'º, 1+71 II, 1+&1 III, e 1+&1 2 %º1 I6
AC

(VI - é vedada a acumulaç#o remunerada de cargos p3blicos, exceto,

7uando "ouver compatibilidade de "orários, observado em 7ual7uer caso o disposto no #"$#5 (I5 a, a de dois cargos de pro!essor6 -, a de um cargo de pro!essor com outro, técnico ou cientí!ico6 $, a de dois cargos privativos de médico6

AE

(VII - a proibiç#o de acumular estende-se a empregos e !unç;es e

abrange autar7uias, !undaç;es, empresas p3blicas, sociedades de economia mista, suas subsidiárias, e sociedades controladas, direta ou indiretamente, pelo poder p3blico6 (VIII - a administraç#o !a:endária e seus servidores !iscais ter#o, dentro de suas áreas de compet<ncia e urisdiç#o, preced<ncia sobre os demais setores administrativos, na !orma da lei6
AH

(I( - somente por lei especí!ica poderá ser criada autar7uia e autori:ada

a instituiç#o de empresa p3blica, de sociedade de economia mista e de !undaç#o, cabendo = lei complementar, neste 3ltimo caso, de!inir as áreas de sua atuaç#o6 (( - depende de autori:aç#o legislativa, em cada caso, a criaç#o de subsidiárias das entidades mencionadas no #"$#5 a"t/r# r, assim como a participaç#o de 7ual7uer delas em empresa privada6 ((I - ressalvados os casos especi!icados na legislaç#o, as obras, serviços, compras e alienaç;es ser#o contratados mediante processo de licitaç#o p3blica 7ue assegure igualdade de condiç;es a todos os concorrentes, com cláusulas 7ue estabeleçam obrigaç;es de pagamento, mantidas as condiç;es e!etivas da proposta, nos termos da lei, o 7ual somente permitirá as exig<ncias de 7uali!icaç#o técnica e econ8mica indispensáveis = garantia do cumprimento das obrigaç;es2 2 1º ) A publicidade dos atos, programas, obras, serviços e campan"as dos órg#os p3blicos deverá ter caráter educativo, in!ormativo ou de orientaç#o social, dela n#o podendo constar nomes, símbolos ou imagens 7ue caracteri:em promoç#o pessoal de autoridades ou servidores p3blicos2 2 %º ) A n#o-observ>ncia do disposto nos #"$#5 5 II / III implicará a nulidade do ato e a puniç#o da autoridade responsável, nos termos da lei2
AI

2 &º ) A lei disciplinará as !ormas de participaç#o do usuário na administraç#o

p3blica direta e indireta, regulando especialmente5

I - as reclamaç;es relativas = prestaç#o dos serviços p3blicos em geral, asseguradas a manutenç#o de serviços de atendimento ao usuário e a avaliaç#o periódica, externa e interna, da 7ualidade dos serviços6 II - o acesso dos usuários a registros administrativos e a in!ormaç;es sobre atos de governo, observado o disposto no art. +º1 ( e (((III6 III - a disciplina da representaç#o contra o exercício negligente ou abusivo de cargo, emprego ou !unç#o na administraç#o p3blica2 2 'º ) $s atos de improbidade administrativa importar#o a suspens#o dos direitos políticos, a perda da !unç#o p3blica, a indisponibilidade dos bens e o ressarcimento ao erário, na !orma e gradaç#o previstas em lei, sem pre uí:o da aç#o penal cabível2 2 +º - A lei estabelecerá os pra:os de prescriç#o para ilícitos praticados por 7ual7uer agente, servidor ou n#o, 7ue causem pre uí:os ao erário, ressalvadas as respectivas aç;es de ressarcimento2 2 3º - As pessoas urídicas de direito p3blico e as de direito privado prestadoras de serviços p3blicos responder#o pelos danos 7ue seus agentes, nessa 7ualidade, causarem a terceiros, assegurado o direito de regresso contra o responsável nos casos de dolo ou culpa2 2 4º - A lei disporá sobre os re7uisitos e as restriç;es ao ocupante de cargo ou emprego da administraç#o direta e indireta 7ue possibilite o acesso a in!ormaç;es privilegiadas2 * § 7º acrescentado pela Emenda Constitucional nº 19, de 4 de junho de 1998. 2 0º - A autonomia gerencial, orçamentária e !inanceira dos órg#os e entidades da administraç#o direta e indireta poderá ser ampliada mediante contrato, a ser !irmado entre seus administradores e o poder p3blico, 7ue ten"a por ob eto a !ixaç#o de metas de desempen"o para o órg#o ou entidade, cabendo = lei dispor sobre5 I - o pra:o de duraç#o do contrato6

II - os controles e critérios de avaliaç#o de desempen"o, direitos, e obrigaç;es e responsabilidade dos dirigentes6 III - a remuneraç#o do pessoal2 * § 8º acrescentado pela Emenda Constitucional nº 19, de 4 de junho de 1998. 2 6º - $ disposto no #"$#5 (I aplica-se =s empresas p3blicas e =s sociedades de economia mista, e suas subsidiárias, 7ue receberem recursos da (ni#o, dos Estados, do Distrito 0ederal ou dos 4unicípios para pagamento de despesas de pessoal ou de custeio em geral2 * § 9º acrescentado pela Emenda Constitucional nº 19, de 4 de junho de 1998. 2 17º B vedada a percepç#o simult>nea de proventos de aposentadoria decorrentes do art2 EM ou dos arts2 EA e ?EA com a remuneraç#o de cargo, emprego ou !unç#o p3blica, ressalvados os cargos acumuláveis na !orma desta Constituiç#o, os cargos eletivos e os cargos em comiss#o declarados em lei de livre nomeaç#o e exoneraç#o2 * §10º acrescentado pela Emenda Constitucional nº 20, de 1 de!em"ro de 1998.
AJ

de

Art. &0 - Ao servidor p3blico da administraç#o direta, autár7uica e

!undacional, no exercício de mandato eletivo, aplicam-se as seguintes disposiç;es5 I - tratando-se de mandato eletivo !ederal, estadual ou distrital, !icará a!astado de seu cargo, emprego ou !unç#o6 II - investido no mandato de ,re!eito, será a!astado do cargo, emprego ou !unç#o, sendo-l"e !acultado optar pela sua remuneraç#o6 III - investido no mandato de 1ereador, "avendo compatibilidade de "orários, perceberá as vantagens de seu cargo, emprego ou !unç#o, sem pre uí:o da remuneraç#o do cargo eletivo, e, n#o "avendo compatibilidade, será aplicada a norma do #"$#5 a"t/r# r6

IV - em 7ual7uer caso 7ue exi a o a!astamento para o exercício de mandato eletivo, seu tempo de serviço será contado para todos os e!eitos legais, exceto para promoç#o por merecimento6 V - para e!eito de bene!ício previdenciário, no caso de a!astamento, os valores ser#o determinados como se no exercício estivesse2 SEÇÃO II DOS SERVIDORES P>BLICOS

AK

Art. &6 - A (ni#o, os Estados, o Distrito 0ederal e os 4unicípios instituir#o

consel"o de política de administraç#o e remuneraç#o de pessoal, integrado por servidores designados pelos respectivos ,oderes2 2 1º - A !ixaç#o dos padr;es de vencimento e dos demais componentes do sistema remuneratório observará5 I - a nature:a, o grau de responsabilidade e a complexidade dos cargos componentes de cada carreira6 II - os re7uisitos para a investidura6 III - as peculiaridades dos cargos2 2 %º - A (ni#o, os Estados e o Distrito 0ederal manter#o escolas de governo para a !ormaç#o e o aper!eiçoamento dos servidores p3blicos, constituindo-se a participaç#o nos cursos um dos re7uisitos para a promoç#o na carreira, !acultada, para isso, a celebraç#o de conv<nios ou contratos entre os entes !ederados2 2 &º - Aplica-se aos servidores ocupantes de cargo p3blico o disposto no art. 4º1 IV, VII1 VIII1 I(, (II1 (III, (V1 (VI1 (VII1 (VIII1 (I(1 ((, ((II e (((, podendo a lei estabelecer re7uisitos di!erenciados de admiss#o 7uando a nature:a do cargo o exigir2 2 'º - $ membro de ,oder, o detentor de mandato eletivo, os 4inistros de Estado e os %ecretários Estaduais e 4unicipais ser#o remunerados exclusivamente por subsídio !ixado em parcela 3nica, vedado o acréscimo de

7ual7uer grati!icaç#o, adicional, abono, pr<mio, verba de representaç#o ou outra espécie remuneratória, obedecido, em 7ual7uer caso, o disposto no art. &41 ( e (I2 2 +º - /ei da (ni#o, dos Estados, do Distrito 0ederal e dos 4unicípios poderá estabelecer a relaç#o entre a maior e a menor remuneraç#o dos servidores p3blicos, obedecido, em 7ual7uer caso, o disposto no art. &41 (I2 2 3º - $s ,oderes Executivo, /egislativo e 9udiciário publicar#o anualmente os valores do subsídio e da remuneraç#o dos cargos e empregos p3blicos2 2 4º - /ei da (ni#o, dos Estados, do Distrito 0ederal e dos 4unicípios disciplinará a aplicaç#o de recursos orçamentários provenientes da economia com despesas correntes em cada órg#o, autar7uia e !undaç#o, para aplicaç#o no desenvolvimento de programas de 7ualidade e produtividade, treinamento e desenvolvimento, moderni:aç#o, reaparel"amento e racionali:aç#o do serviço p3blico, inclusive sob a !orma de adicional ou pr<mio de produtividade2 2 0º - A remuneraç#o dos servidores p3blicos organi:ados em carreira poderá ser !ixada nos termos do 2 'º2
AL

Art. '7 - Aos servidores titulares de cargos e!etivos da (ni#o, dos Estados, do

Distrito 0ederal e dos 4unicípios, incluídas suas autar7uias e !undaç;es, é assegurado regime de previd<ncia de caráter contributivo, observados critérios 7ue preservem o e7uilíbrio !inanceiro e atuarial e o disposto neste artigo2
CM

2 1º ) $s servidores abrangidos pelo regime de previd<ncia de 7ue trata este

artigo ser#o aposentados, calculados os seus proventos a partir dos valores !ixados na !orma do P CQ5 I - por invalide: permanente, sendo os proventos proporcionais ao tempo de contribuiç#o, exceto se decorrente de acidente em serviço, moléstia pro!issional ou doença grave, contagiosa ou incurável, especi!icadas em lei6 II - compulsoriamente, aos setenta anos de idade, com proventos proporcionais ao tempo de contribuiç#o6

III - voluntariamente, desde 7ue cumprido tempo mínimo de de: anos de e!etivo exercício no serviço p3blico e cinco anos no cargo e!etivo em 7ue se dará a aposentadoria, observadas as seguintes condiç;es5 a, sessenta anos de idade e trinta e cinco de contribuiç#o, se "omem, e cin7@enta e cinco anos de idade e trinta de contribuiç#o, se mul"er6 -, sessenta e cinco anos de idade, se "omem, e sessenta anos de idade, se mul"er, com proventos proporcionais ao tempo de contribuiç#o2
C?

2 %@ $s proventos de aposentadoria e as pens;es, por ocasi#o de sua

concess#o, n#o poder#o exceder a remuneraç#o do respectivo servidor, no cargo e!etivo em 7ue se deu a aposentadoria ou 7ue serviu de re!er<ncia para a concess#o da pens#o2
CA

2 &@ $s proventos de aposentadoria, por ocasi#o da sua concess#o, ser#o

calculados com base na remuneraç#o do servidor no cargo e!etivo em 7ue se der a aposentadoria e, na !orma da lei, corresponder#o = totalidade da remuneraç#o2
CC

2 'Q B vedada a adoç#o de re7uisitos e critérios di!erenciados para a

concess#o de aposentadoria aos abrangidos pelo regime de 7ue trata este artigo, ressalvados os casos de atividades exercidas exclusivamente sob condiç;es especiais 7ue pre udi7uem a sa3de ou a integridade !ísica, de!inidos em lei complementar2
CE

2 +@ $s re7uisitos de idade e de tempo de contribuiç#o ser#o redu:idos em

cinco anos, em relaç#o ao disposto no P ?Q, ''', a, para o pro!essor 7ue comprove exclusivamente tempo de e!etivo exercício das !unç;es de magistério na educaç#o in!antil e no ensino !undamental e médio2
CH

2 3@ +essalvadas as aposentadorias decorrentes dos cargos acumuláveis na

!orma desta Constituiç#o, é vedada a percepç#o de mais de uma aposentadoria = conta do regime de previd<ncia previsto neste artigo2
CI

2 4@ /ei disporá sobre a concess#o do bene!ício da pens#o por morte, 7ue

será igual ao valor dos proventos do servidor !alecido ou ao valor dos

proventos a 7ue teria direito o servidor em atividade na data de seu !alecimento, observado o disposto no P CN2
CJ

2 0@ $bservado o disposto no art2 CJ, R', os proventos de aposentadoria e as

pens;es ser#o revistos na mesma proporç#o e na mesma data, sempre 7ue se modi!icar a remuneraç#o dos servidores em atividade, sendo também estendidos aos aposentados e aos pensionistas 7uais7uer bene!ícios ou vantagens posteriormente concedidos aos servidores em atividade, inclusive 7uando decorrentes da trans!ormaç#o ou reclassi!icaç#o do cargo ou !unç#o em 7ue se deu a aposentadoria ou 7ue serviu de re!er<ncia para a concess#o da pens#o, na !orma da lei2
CK

2 6º $ tempo de contribuiç#o !ederal, estadual ou municipal será contado

para e!eito de aposentadoria e o tempo de serviço correspondente para e!eito de disponibilidade2
CL

2 17º A lei n#o poderá estabelecer 7ual7uer !orma de contagem de tempo de

contribuiç#o !ictício2
EM

2 11º Aplica-se o limite !ixado no art2 CJ, R', = soma total dos proventos de

inatividade, inclusive 7uando decorrentes da acumulaç#o de cargos ou empregos p3blicos, bem como de outras atividades su eitas a contribuiç#o para o regime geral de previd<ncia social, e ao montante resultante da adiç#o de proventos de inatividade com remuneraç#o de cargo acumulável na !orma desta Constituiç#o, cargo em comiss#o declarado em lei de livre nomeaç#o e exoneraç#o, e de cargo eletivo2
E?

2 1%º Além do disposto neste artigo, o regime de previd<ncia dos servidores

p3blicos titulares de cargo e!etivo observará, no 7ue couber, os re7uisitos e critérios !ixados para o regime geral de previd<ncia social2
EA

2 1&º Ao servidor ocupante, exclusivamente, de cargo em comiss#o

declarado em lei de livre nomeaç#o e exoneraç#o bem como de outro cargo temporário ou de emprego p3blico, aplica-se o regime geral de previd<ncia social2

EC

2 1'º A (ni#o, os Estados, o Distrito 0ederal e os 4unicípios, desde 7ue

instituam regime de previd<ncia complementar para os seus respectivos servidores titulares de cargo e!etivo, poder#o !ixar, para o valor das aposentadorias e pens;es a serem concedidas pelo regime de 7ue trata este artigo, o limite máximo estabelecido para os bene!ícios do regime geral de previd<ncia social de 7ue trata o art2 AM?2
EE

2 1+º $bservado o disposto no art2 AMA, lei complementar disporá sobre as

normas gerais para a instituiç#o de regime de previd<ncia complementar pela (ni#o, Estados, Distrito 0ederal e 4unicípios, para atender aos seus respectivos servidores titulares de cargo e!etivo2
EH

2 13º %omente mediante sua prévia e expressa opç#o, o disposto nos PP ?E

e ?H poderá ser aplicado ao servidor 7ue tiver ingressado no serviço p3blico até a data da publicaç#o do ato de instituiç#o do correspondente regime de previd<ncia complementar2S
EI

Art. '1 - %#o estáveis após tr<s anos de e!etivo exercício os servidores

nomeados para cargo de provimento e!etivo em virtude de concurso p3blico2 2 1º - $ servidor p3blico estável só perderá o cargo5 I - em virtude de sentença udicial transitada em ulgado6 II - mediante processo administrativo em 7ue l"e se a assegurada ampla de!esa6 III - mediante procedimento de avaliaç#o periódica de desempen"o, na !orma de lei complementar, assegurada ampla de!esa2 2 %º - 'nvalidada por sentença udicial a demiss#o do servidor estável, será ele reintegrado, e o eventual ocupante da vaga, se estável, recondu:ido ao cargo de origem, sem direito a indeni:aç#o, aproveitado em outro cargo ou posto em disponibilidade com remuneraç#o proporcional ao tempo de serviço2 2 &º - Extinto o cargo ou declarada a sua desnecessidade, o servidor estável !icará em disponibilidade, com remuneraç#o proporcional ao tempo de serviço, até seu ade7uado aproveitamento em outro cargo2

2 'º - Como condiç#o para a a7uisiç#o da estabilidade, é obrigatória a avaliaç#o especial de desempen"o por comiss#o instituída para essa !inalidade2

SEÇÃO III DOS MILITARES DOS ESTADOS1 DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRIT9RIOS

EJ

Art. '% - $s membros das ,olícias 4ilitares e Corpos de .ombeiros 4ilitares,

instituiç;es organi:adas com base na "ierar7uia e disciplina, s#o militares dos Estados, do Distrito 0ederal e dos &erritórios2
EK

2 1º Aplicam-se aos militares dos Estados, do Distrito 0ederal e dos

&erritórios, além do 7ue vier a ser !ixado em lei, as disposiç;es do art2 ?E, P KN6 do art2 EM, P LN6 e do art2 ?EA, PP AN e CN, cabendo a lei estadual especí!ica dispor sobre as matérias do art2 ?EA, P CN, inciso R, sendo as patentes dos o!iciais con!eridas pelos respectivos governadores2
EL

2 %º Aos militares dos Estados, do Distrito 0ederal e dos &erritórios e a seus

pensionistas, aplica-se o disposto no art2 EM, PP JN e KN2S
HM H? HA HC HE HH HI HJ HK

2 &º ) FRevogado pela Emenda Constitucional n.º 18, de 05-0 -1!!8 G2 2 'º ) FRevogado pela Emenda Constitucional n.º 18, de 05-0 -1!!8 G2 2 +º ) FRevogado pela Emenda Constitucional n.º 18, de 05-0 -1!!8 G2 2 3º ) FRevogado pela Emenda Constitucional n.º 18, de 05-0 -1!!8 G2 2 4º ) FRevogado pela Emenda Constitucional n.º 18, de 05-0 -1!!8 G2 2 0º ) FRevogado pela Emenda Constitucional n.º 18, de 05-0 -1!!8 G2 2 6º ) FRevogado pela Emenda Constitucional n.º 18, de 05-0 -1!!8 G2 2 17 - FRevogado pela Emenda Constitucional n.º 18, de 05-0 -1!!8 G2 2 11 - FRevogado pela Emenda Constitucional n.º 18, de 05-0 -1!!8 G2

SEÇÃO IV DAS RE*I?ES

Art. '& - ,ara e!eitos administrativos, a (ni#o poderá articular sua aç#o em um mesmo complexo geoecon8mico e social, visando a seu desenvolvimento e = reduç#o das desigualdades regionais2 2 1º ) /ei complementar disporá sobre5 I - as condiç;es para integraç#o de regi;es em desenvolvimento6 II - a composiç#o dos organismos regionais 7ue executar#o, na !orma da lei, os planos regionais, integrantes dos planos nacionais de desenvolvimento econ8mico e social, aprovados untamente com estes2 2 %º ) $s incentivos regionais compreender#o, além de outros, na !orma da lei5 I - igualdade de tari!as, !retes, seguros e outros itens de custos e preços de responsabilidade do ,oder ,3blico6 II - uros !avorecidos para !inanciamento de atividades prioritárias6 III - isenç;es, reduç;es ou di!erimento temporário de tributos !ederais devidos por pessoas !ísicas ou urídicas6 IV - prioridade para o aproveitamento econ8mico e social dos rios e das massas de água represadas ou represáveis nas regi;es de baixa renda, su eitas a secas periódicas2 2 &º ) Nas áreas a 7ue se re!ere o 2 %º1 IV, a (ni#o incentivará a recuperaç#o de terras áridas e cooperará com os pe7uenos e médios proprietários rurais para o estabelecimento, em suas glebas, de !ontes de água e de pe7uena irrigaç#o2

TÍTULO IV DA OR*ANI8AÇÃO DOS PODERES CAPÍTULO I DO PODER LE*ISLATIVO

SEÇÃO I DO CON*RESSO NACIONAL

Art. '' - $ ,oder /egislativo é exercido pelo Congresso Nacional, 7ue se comp;e da C>mara dos Deputados e do %enado 0ederal2 Parágraf !"#$ ) Cada legislatura terá a duraç#o de 7uatro anos2 Art. '+ - A C>mara dos Deputados comp;e-se de representantes do povo, eleitos, pelo sistema proporcional, em cada Estado, em cada &erritório e no Distrito 0ederal2 2 1º ) $ n3mero total de Deputados, bem como a representaç#o por Estado e pelo Distrito 0ederal, será estabelecido por lei complementar, proporcionalmente = populaç#o, procedendo-se aos a ustes necessários, no ano anterior =s eleiç;es, para 7ue nen"uma da7uelas unidades da 0ederaç#o ten"a menos de oito ou mais de setenta Deputados2 2 %º ) Cada &erritório elegerá 7uatro Deputados2 Art. '3 - $ %enado 0ederal comp;e-se de representantes dos Estados e do Distrito 0ederal, eleitos segundo o princípio ma oritário2 2 1º ) Cada Estado e o Distrito 0ederal eleger#o tr<s %enadores, com mandato de oito anos2 2 %º ) A representaç#o de cada Estado e do Distrito 0ederal será renovada de 7uatro em 7uatro anos, alternadamente, por um e dois terços2 2 &º ) Cada %enador será eleito com dois suplentes2 Art. '4 - %alvo disposiç#o constitucional em contrário, as deliberaç;es de cada Casa e de suas Comiss;es ser#o tomadas por maioria dos votos, presente a maioria absoluta de seus membros2

SEÇÃO II DAS ATRIBUIÇ?ES DO CON*RESSO NACIONAL

Art. '0 - Cabe ao Congresso Nacional, com a sanç#o do ,residente da +ep3blica, n#o exigida esta para o especi!icado nos art5. '6, +1 / +%, dispor sobre todas as matérias de compet<ncia da (ni#o, especialmente sobre5 I - sistema tributário, arrecadaç#o e distribuiç#o de rendas6 II - plano plurianual, diretri:es orçamentárias, orçamento anual, operaç;es de crédito, dívida p3blica e emiss;es de curso !orçado6 III - !ixaç#o e modi!icaç#o do e!etivo das 0orças Armadas6 IV planos e programas nacionais, regionais e setoriais de desenvolvimento6 V - limites do território nacional, espaço aéreo e marítimo e bens do domínio da (ni#o6 VI - incorporaç#o, subdivis#o ou desmembramento de áreas de &erritórios ou Estados, ouvidas as respectivas Assembléias /egislativas6 VII - trans!er<ncia temporária da sede do Doverno 0ederal6 VIII - concess#o de anistia6 I( - organi:aç#o administrativa, udiciária, do 4inistério ,3blico e da De!ensoria ,3blica da (ni#o e dos &erritórios e organi:aç#o udiciária, do 4inistério ,3blico e da De!ensoria ,3blica do Distrito 0ederal6 ( - criaç#o, trans!ormaç#o e extinç#o de cargos, empregos e !unç;es p3blicas6 (I - criaç#o, estruturaç#o e atribuiç;es dos 4inistérios e órg#os da administraç#o p3blica6 (II - telecomunicaç;es e radiodi!us#o6 (III - matéria !inanceira, cambial e monetária, instituiç;es !inanceiras e suas operaç;es6 (IV - moeda, seus limites de emiss#o, e montante da dívida mobiliária !ederal2
HL

(V - !ixaç#o do subsídio dos 4inistros do %upremo &ribunal 0ederal, por

lei de iniciativa con unta dos ,residentes da +ep3blica, da C>mara dos

Deputados, do %enado 0ederal e do %upremo &ribunal 0ederal, observado o 7ue disp;e os art5. &61 2 'º, 1+71 II, 1+&1 III e 1+&1 2 %º1 I2 Art. '6 - B da compet<ncia exclusiva do Congresso Nacional5 I - resolver de!initivamente sobre tratados, acordos ou atos internacionais 7ue acarretem encargos ou compromissos gravosos ao patrim8nio nacional6 II - autori:ar o ,residente da +ep3blica a declarar guerra, a celebrar a pa:, a permitir 7ue !orças estrangeiras transitem pelo território nacional ou nele permaneçam temporariamente, ressalvados os casos previstos em lei complementar6 III - autori:ar o ,residente e o 1ice-,residente da +ep3blica a se ausentarem do ,aís, 7uando a aus<ncia exceder a 7uin:e dias6 IV - aprovar o estado de de!esa e a intervenç#o !ederal, autori:ar o estado de sítio, ou suspender 7ual7uer uma dessas medidas6 V - sustar os atos normativos do ,oder Executivo 7ue exorbitem do poder regulamentar ou dos limites de delegaç#o legislativa6 VI - mudar temporariamente sua sede6
IM

VII - !ixar id<ntico subsídio para os Deputados 0ederais e os %enadores,

observado o 7ue disp;e os art5. &41 (I, &61 2 'º, 1+71 II, 1+&1 III, e 1+&1 2 %º1 I6
I?

VIII - !ixar o subsídio do ,residente e do 1ice-,residente da +ep3blica e

dos 4inistros de Estado, observado o 7ue disp;em os art5. &41 (I, &61 2 'º, 1+71 II, 1+&1 III, e 1+&1 2 %º1 I6 I( - ulgar anualmente as contas prestadas pelo ,residente da +ep3blica e apreciar os relatórios sobre a execuç#o dos planos de governo6 ( - !iscali:ar e controlar, diretamente, ou por 7ual7uer de suas Casas, os atos do ,oder Executivo, incluídos os da administraç#o indireta6 (I - :elar pela preservaç#o de sua compet<ncia legislativa em !ace da atribuiç#o normativa dos outros ,oderes6

(II - apreciar os atos de concess#o e renovaç#o de concess#o de emissoras de rádio e televis#o6 (III - escol"er dois terços dos membros do &ribunal de Contas da (ni#o6 (IV - aprovar iniciativas do ,oder Executivo re!erentes a atividades nucleares6 (V - autori:ar re!erendo e convocar plebiscito6 (VI - autori:ar, em terras indígenas, a exploraç#o e o aproveitamento de recursos "ídricos e a pes7uisa e lavra de ri7ue:as minerais6 (VII - aprovar, previamente, a alienaç#o ou concess#o de terras p3blicas com área superior a dois mil e 7uin"entos "ectares2 Art. +7 - A C>mara dos Deputados e o %enado 0ederal, ou 7ual7uer de suas Comiss;es, poder#o convocar 4inistro de Estado ou 7uais7uer titulares de órg#os diretamente subordinados = ,resid<ncia da +ep3blica para prestarem, pessoalmente, in!ormaç;es sobre assunto previamente determinado, importando em crime de responsabilidade a aus<ncia sem usti!icaç#o ade7uada2 2 1º ) $s 4inistros de Estado poder#o comparecer ao %enado 0ederal, = C>mara dos Deputados, ou a 7ual7uer de suas Comiss;es, por sua iniciativa e mediante entendimentos com a 4esa respectiva, para expor assunto de relev>ncia de seu 4inistério2 2 %º ) As 4esas da C>mara dos Deputados e do %enado 0ederal poder#o encamin"ar pedidos escritos de in!ormaç#o aos 4inistros de Estado ou a 7ual7uer das pessoas re!eridas no caput ./5t/ art#g , importando em crime de responsabilidade a recusa, ou o n#o atendimento, no pra:o de trinta dias, bem como a prestaç#o de in!ormaç;es !alsas2

SEÇÃO III DA CÂMARA DOS DEPUTADOS

Art. +1 - Compete privativamente = C>mara dos Deputados5

I - autori:ar, por dois terços de seus membros, a instauraç#o de processo contra o ,residente e o 1ice-,residente da +ep3blica e os 4inistros de Estado6 II - proceder = tomada de contas do ,residente da +ep3blica, 7uando n#o apresentadas ao Congresso Nacional dentro de sessenta dias após a abertura da sess#o legislativa6 III - elaborar seu regimento interno6
IA

IV - dispor sobre sua organi:aç#o, !uncionamento, polícia, criaç#o,

trans!ormaç#o ou extinç#o dos cargos, empregos e !unç;es de seus serviços, e a iniciativa de lei para a !ixaç#o da respectiva remuneraç#o, observados os par>metros estabelecidos na lei de diretri:es orçamentárias6 V - eleger membros do Consel"o da +ep3blica, nos termos do art. 061 VII2

SEÇÃO IV DO SENADO FEDERAL

Art. +% - Compete privativamente ao %enado 0ederal5
IC

I ) processar e ulgar o ,residente e o 1ice-,residente da +ep3blica nos

crimes de responsabilidade, bem como os 4inistros de Estado e os Comandantes da 4arin"a, do Exército e da Aeronáutica nos crimes da mesma nature:a conexos com a7ueles6 II - processar e ulgar os 4inistros do %upremo &ribunal 0ederal, o ,rocurador-Deral da +ep3blica e o Advogado-Deral da (ni#o nos crimes de responsabilidade6 III - aprovar previamente, por voto secreto, após arg@iç#o p3blica, a escol"a de5 a, magistrados, nos casos estabelecidos nesta Constituiç#o6 -, 4inistros do &ribunal de Contas da (ni#o indicados pelo ,residente da +ep3blica6

$, Dovernador de &erritório6 ., presidente e diretores do banco central6 /, ,rocurador-Deral da +ep3blica6 f, titulares de outros cargos 7ue a lei determinar6 IV - aprovar previamente, por voto secreto, após arg@iç#o em sess#o secreta, a escol"a dos c"e!es de miss#o diplomática de caráter permanente6 V - autori:ar operaç;es externas de nature:a !inanceira, de interesse da (ni#o, dos Estados, do Distrito 0ederal, dos &erritórios e dos 4unicípios6 VI - !ixar, por proposta do ,residente da +ep3blica, limites globais para o montante da dívida consolidada da (ni#o, dos Estados, do Distrito 0ederal e dos 4unicípios6 VII - dispor sobre limites globais e condiç;es para as operaç;es de crédito externo e interno da (ni#o, dos Estados, do Distrito 0ederal e dos 4unicípios, de suas autar7uias e demais entidades controladas pelo ,oder ,3blico !ederal6 VIII - dispor sobre limites e condiç;es para a concess#o de garantia da (ni#o em operaç;es de crédito externo e interno6 I( - estabelecer limites globais e condiç;es para o montante da dívida mobiliária dos Estados, do Distrito 0ederal e dos 4unicípios6 ( - suspender a execuç#o, no todo ou em parte, de lei declarada inconstitucional por decis#o de!initiva do %upremo &ribunal 0ederal6 (I - aprovar, por maioria absoluta e por voto secreto, a exoneraç#o, de o!ício, do ,rocurador-Deral da +ep3blica antes do término de seu mandato6 (II - elaborar seu regimento interno6
IE

(III - dispor sobre sua organi:aç#o, !uncionamento, polícia, criaç#o,

trans!ormaç#o ou extinç#o dos cargos, empregos e !unç;es de seus serviços, e a iniciativa de lei para !ixaç#o da respectiva remuneraç#o,

observados

os

par>metros

estabelecidos

na

lei

de

diretri:es

orçamentárias6 (IV - eleger membros do Consel"o da +ep3blica, nos termos do art. 061 VII2 Parágraf !"#$ ) Nos casos previstos nos #"$#5 5 I / II, !uncionará como

,residente o do %upremo &ribunal 0ederal, limitando-se a condenaç#o, 7ue somente será pro!erida por dois terços dos votos do %enado 0ederal, = perda do cargo, com inabilitaç#o, por oito anos, para o exercício de !unç#o p3blica, sem pre uí:o das demais sanç;es udiciais cabíveis2

SEÇÃO V DOS DEPUTADOS E DOS SENADORES

Art. +& - $s Deputados e %enadores s#o invioláveis por suas opini;es, palavras e votos2 2 1º ) Desde a expediç#o do diploma, os membros do Congresso Nacional n#o poder#o ser presos, salvo em !lagrante de crime ina!iançável, nem processados criminalmente, sem prévia licença de sua Casa2 2 %º ) $ inde!erimento do pedido de licença ou a aus<ncia de deliberaç#o suspende a prescriç#o en7uanto durar o mandato2 2 &º ) No caso de !lagrante de crime ina!iançável, os autos ser#o remetidos, dentro de vinte e 7uatro "oras, = Casa respectiva, para 7ue, pelo voto secreto da maioria de seus membros, resolva sobre a pris#o e autori:e, ou n#o, a !ormaç#o de culpa2 2 'º ) $s Deputados e %enadores ser#o submetidos a ulgamento perante o %upremo &ribunal 0ederal2 2 +º ) $s Deputados e %enadores n#o ser#o obrigados a testemun"ar sobre in!ormaç;es recebidas ou prestadas em ra:#o do exercício do mandato, nem sobre as pessoas 7ue l"es con!iaram ou deles receberam in!ormaç;es2

2 3º ) A incorporaç#o =s 0orças Armadas de Deputados e %enadores, embora militares e ainda 7ue em tempo de guerra, dependerá de prévia licença da Casa respectiva2 2 4º ) As imunidades de Deputados ou %enadores subsistir#o durante o estado de sítio, só podendo ser suspensas mediante o voto de dois terços dos membros da Casa respectiva, nos casos de atos, praticados !ora do recinto do Congresso, 7ue se am incompatíveis com a execuç#o da medida2 Art. +' - $s Deputados e %enadores n#o poder#o5 I - desde a expediç#o do diploma5 a, !irmar ou manter contrato com pessoa urídica de direito p3blico, autar7uia, empresa p3blica, sociedade de economia mista ou empresa concessionária de serviço p3blico, salvo 7uando o contrato obedecer a cláusulas uni!ormes6 -, aceitar ou exercer cargo, !unç#o ou emprego remunerado, inclusive os de 7ue se am demissíveis ad nutum, nas entidades constantes da a=;"/a a"t/r# r6 II - desde a posse5 a, ser proprietários, controladores ou diretores de empresa 7ue go:e de !avor decorrente de contrato com pessoa urídica de direito p3blico, ou nela exercer !unç#o remunerada6 -, ocupar cargo ou !unç#o de 7ue se am demissíveis ad nutum, nas entidades re!eridas no #"$#5 I, a6 $, patrocinar causa em 7ue se a interessada 7ual7uer das entidades a 7ue se re!ere o #"$#5 I, a6 ., ser titulares de mais de um cargo ou mandato p3blico eletivo2 Art. ++ - ,erderá o mandato o Deputado ou %enador5 I - 7ue in!ringir 7ual7uer das proibiç;es estabelecidas no art#g a"t/r# r6 II - cu o procedimento !or declarado incompatível com o decoro parlamentar6

III - 7ue deixar de comparecer, em cada sess#o legislativa, = terça parte das sess;es ordinárias da Casa a 7ue pertencer, salvo licença ou miss#o por esta autori:ada6 IV - 7ue perder ou tiver suspensos os direitos políticos6 V - 7uando o decretar a 9ustiça Eleitoral, nos casos previstos nesta Constituiç#o6 VI - 7ue so!rer condenaç#o criminal em sentença transitada em ulgado2 2 1º ) B incompatível com o decoro parlamentar, além dos casos de!inidos no regimento interno, o abuso das prerrogativas asseguradas a membro do Congresso Nacional ou a percepç#o de vantagens indevidas2 2 %º ) Nos casos dos #"$#5 5 I, II e VI, a perda do mandato será decidida pela C>mara dos Deputados ou pelo %enado 0ederal, por voto secreto e maioria absoluta, mediante provocaç#o da respectiva 4esa ou de partido político representado no Congresso Nacional, assegurada ampla de!esa2 2 &º ) Nos casos previstos nos #"$#5 5 III a V, a perda será declarada pela 4esa da Casa respectiva, de o!ício ou mediante provocaç#o de 7ual7uer de seus membros, ou de partido político representado no Congresso Nacional, assegurada ampla de!esa2 2 'º - A ren3ncia de parlamentar submetido a processo 7ue vise ou possa levar = perda do mandato, nos termos deste artigo, terá seus e!eitos suspensos até as deliberaç;es !inais de 7ue tratam os 22 %º / &º2 Art. +3 - N#o perderá o mandato o Deputado ou %enador5 I - investido no cargo de 4inistro de Estado, Dovernador de &erritório, %ecretário de Estado, do Distrito 0ederal, de &erritório, de ,re!eitura de Capital ou c"e!e de miss#o diplomática temporária6 II - licenciado pela respectiva Casa por motivo de doença, ou para tratar, sem remuneraç#o, de interesse particular, desde 7ue, neste caso, o a!astamento n#o ultrapasse cento e vinte dias por sess#o legislativa2 2 1º ) $ suplente será convocado nos casos de vaga, de investidura em !unç;es previstas neste artigo ou de licença superior a cento e vinte dias2

2 %º ) $correndo vaga e n#o "avendo suplente, !ar-se-á eleiç#o para preenc"<-la se !altarem mais de 7uin:e meses para o término do mandato2 2 &º ) Na "ipótese do #"$#5 remuneraç#o do mandato2 I, o Deputado ou %enador poderá optar pela

SEÇÃO VI DAS REUNI?ES

Art. +4 - $ Congresso Nacional reunir-se-á, anualmente, na Capital 0ederal, de ?H de !evereiro a CM de un"o e de ?N de agosto a ?H de de:embro2 2 1º ) As reuni;es marcadas para essas datas ser#o trans!eridas para o primeiro dia 3til subse7@ente, 7uando recaírem em sábados, domingos ou !eriados2 2 %º ) A sess#o legislativa n#o será interrompida sem a aprovaç#o do pro eto de lei de diretri:es orçamentárias2 2 &º ) Além de outros casos previstos nesta Constituiç#o, a C>mara dos Deputados e o %enado 0ederal reunir-se-#o em sess#o con unta para5 I - inaugurar a sess#o legislativa6 II - elaborar o regimento comum e regular a criaç#o de serviços comuns =s duas Casas6 III - receber o compromisso do ,residente e do 1ice-,residente da +ep3blica6 IV - con"ecer do veto e sobre ele deliberar2 2 'º ) Cada uma das Casas reunir-se-á em sess;es preparatórias, a partir de ?N de !evereiro, no primeiro ano da legislatura, para a posse de seus membros e eleiç#o das respectivas 4esas, para mandato de dois anos, vedada a reconduç#o para o mesmo cargo na eleiç#o imediatamente subse7@ente2 2 +º ) A 4esa do Congresso Nacional será presidida pelo ,residente do %enado 0ederal, e os demais cargos ser#o exercidos, alternadamente, pelos

ocupantes de cargos e7uivalentes na C>mara dos Deputados e no %enado 0ederal2 2 3º ) A convocaç#o extraordinária do Congresso Nacional !ar-se-á5 I - pelo ,residente do %enado 0ederal, em caso de decretaç#o de estado de de!esa ou de intervenç#o !ederal, de pedido de autori:aç#o para a decretaç#o de estado de sítio e para o compromisso e a posse do ,residente e do 1ice-,residente da +ep3blica6 II - pelo ,residente da +ep3blica, pelos ,residentes da C>mara dos Deputados e do %enado 0ederal, ou a re7uerimento da maioria dos membros de ambas as Casas, em caso de urg<ncia ou interesse p3blico relevante2
IH

2 4º ) Na sess#o legislativa extraordinária, o Congresso Nacional somente

deliberará sobre a matéria para a 7ual !oi convocado, vedado o pagamento de parcela indeni:atória em valor superior ao do subsídio mensal2

SEÇÃO VII DAS COMISS?ES

Art. +0 - $ Congresso Nacional e suas Casas ter#o comiss;es permanentes e temporárias, constituídas na !orma e com as atribuiç;es previstas no respectivo regimento ou no ato de 7ue resultar sua criaç#o2 2 1º ) Na constituiç#o das 4esas e de cada Comiss#o, é assegurada, tanto 7uanto possível, a representaç#o proporcional dos partidos ou dos blocos parlamentares 7ue participam da respectiva Casa2 2 %º ) Ts comiss;es, em ra:#o da matéria de sua compet<ncia, cabe5 I - discutir e votar pro eto de lei 7ue dispensar, na !orma do regimento, a compet<ncia do ,lenário, salvo se "ouver recurso de um décimo dos membros da Casa6 II - reali:ar audi<ncias p3blicas com entidades da sociedade civil6

III - convocar 4inistros de Estado para prestar in!ormaç;es sobre assuntos inerentes a suas atribuiç;es6 IV - receber petiç;es, reclamaç;es, representaç;es ou 7ueixas de 7ual7uer pessoa contra atos ou omiss;es das autoridades ou entidades p3blicas6 V - solicitar depoimento de 7ual7uer autoridade ou cidad#o6 VI - apreciar programas de obras, planos nacionais, regionais e setoriais de desenvolvimento e sobre eles emitir parecer2 2 &º ) As comiss;es parlamentares de in7uérito, 7ue ter#o poderes de investigaç#o próprios das autoridades udiciais, além de outros previstos nos regimentos das respectivas Casas, ser#o criadas pela C>mara dos Deputados e pelo %enado 0ederal, em con unto ou separadamente, mediante re7uerimento de um terço de seus membros, para a apuraç#o de !ato determinado e por pra:o certo, sendo suas conclus;es, se !or o caso, encamin"adas ao 4inistério ,3blico, para 7ue promova a responsabilidade civil ou criminal dos in!ratores2 2 'º ) Durante o recesso, "averá uma Comiss#o representativa do Congresso Nacional, eleita por suas Casas na 3ltima sess#o ordinária do período legislativo, com atribuiç;es de!inidas no regimento comum, cu a composiç#o reprodu:irá, 7uanto possível, a proporcionalidade da representaç#o partidária2

SEÇÃO VIII DO PROCESSO LE*ISLATIVO SUBSEÇÃO I DISPOSIÇÃO *ERAL

Art. +6 - $ processo legislativo compreende a elaboraç#o de5 I - emendas = Constituiç#o6 II - leis complementares6

III - leis ordinárias6 IV - leis delegadas6 V - medidas provisórias6 VI - decretos legislativos6 VII - resoluç;es2 Parágraf !"#$ ) /ei complementar disporá sobre a elaboraç#o, redaç#o,

alteraç#o e consolidaç#o das leis2

SUBSEÇÃO II DA EMENDA A CONSTITUIÇÃO

Art. 37 - A Constituiç#o poderá ser emendada mediante proposta5 I - de um terço, no mínimo, dos membros da C>mara dos Deputados ou do %enado 0ederal6 II - do ,residente da +ep3blica6 III - de mais da metade das Assembléias /egislativas das unidades da 0ederaç#o, mani!estando-se, cada uma delas, pela maioria relativa de seus membros2 2 1º ) A Constituiç#o n#o poderá ser emendada na vig<ncia de intervenç#o !ederal, de estado de de!esa ou de estado de sítio2 2 %º ) A proposta será discutida e votada em cada Casa do Congresso Nacional, em dois turnos, considerando-se aprovada se obtiver, em ambos, tr<s 7uintos dos votos dos respectivos membros2 2 &º ) A emenda = Constituiç#o será promulgada pelas 4esas da C>mara dos Deputados e do %enado 0ederal, com o respectivo n3mero de ordem2 2 'º ) N#o será ob eto de deliberaç#o a proposta de emenda tendente a abolir5 I - a !orma !ederativa de Estado6 II - o voto direto, secreto, universal e periódico6 III - a separaç#o dos ,oderes6

IV - os direitos e garantias individuais2 2 +º ) A matéria constante de proposta de emenda re eitada ou "avida por pre udicada n#o pode ser ob eto de nova proposta na mesma sess#o legislativa2

SUBSEÇÃO III DAS LEIS

Art. 31 - A iniciativa das leis complementares e ordinárias cabe a 7ual7uer membro ou Comiss#o da C>mara dos Deputados, do %enado 0ederal ou do Congresso Nacional, ao ,residente da +ep3blica, ao %upremo &ribunal 0ederal, aos &ribunais %uperiores, ao ,rocurador-Deral da +ep3blica e aos cidad#os, na !orma e nos casos previstos nesta Constituiç#o2 2 1º ) %#o de iniciativa privativa do ,residente da +ep3blica as leis 7ue5 I - !ixem ou modi!i7uem os e!etivos das 0orças Armadas6 II - dispon"am sobre5 a, criaç#o de cargos, !unç;es ou empregos p3blicos na administraç#o direta e autár7uica ou aumento de sua remuneraç#o6 -, organi:aç#o administrativa e &erritórios6
II

udiciária, matéria tributária e

orçamentária, serviços p3blicos e pessoal da administraç#o dos $, servidores p3blicos da (ni#o e &erritórios, seu regime urídico,

provimento de cargos, estabilidade e aposentadoria6 ., organi:aç#o do 4inistério ,3blico e da De!ensoria ,3blica da (ni#o, bem como normas gerais para a organi:aç#o do 4inistério ,3blico e da De!ensoria ,3blica dos Estados, do Distrito 0ederal e dos &erritórios6 /, criaç#o, estruturaç#o e atribuiç;es dos 4inistérios e órg#os da administraç#o p3blica6

f, militares das 0orças Armadas, seu regime urídico, provimento de cargos, promoç;es, estabilidade, remuneraç#o, re!orma e trans!er<ncia para a reserva2 * al#nea $ acrescentada pela Emenda Constitucional nº 18, de de $e%ereiro de 1998.

2 %º ) A iniciativa popular pode ser exercida pela apresentaç#o = C>mara dos Deputados de pro eto de lei subscrito por, no mínimo, um por cento do eleitorado nacional, distribuído pelo menos por cinco Estados, com n#o menos de tr<s décimos por cento dos eleitores de cada um deles2 Art. 3% - Em caso de relev>ncia e urg<ncia, o ,residente da +ep3blica poderá adotar medidas provisórias, com !orça de lei, devendo submet<-las de imediato ao Congresso Nacional, 7ue, estando em recesso, será convocado extraordinariamente para se reunir no pra:o de cinco dias2 Parágraf !"#$ ) As medidas provisórias perder#o e!icácia, desde a ediç#o, se n#o !orem convertidas em lei no pra:o de trinta dias, a partir de sua publicaç#o, devendo o Congresso Nacional disciplinar as relaç;es urídicas delas decorrentes2 Art. 3& - N#o será admitido aumento da despesa prevista5 I - nos pro etos de iniciativa exclusiva do ,residente da +ep3blica, ressalvado o disposto no art. 1331 22 &º / 'º6 II - nos pro etos sobre organi:aç#o dos serviços administrativos da C>mara dos Deputados, do %enado 0ederal, dos &ribunais 0ederais e do 4inistério ,3blico2 Art. 3' - A discuss#o e votaç#o dos pro etos de lei de iniciativa do ,residente da +ep3blica, do %upremo &ribunal 0ederal e dos &ribunais %uperiores ter#o início na C>mara dos Deputados2 2 1º ) $ ,residente da +ep3blica poderá solicitar urg<ncia para apreciaç#o de pro etos de sua iniciativa2

2 %º ) %e, no caso do :arágraf

a"t/r# r, a C>mara dos Deputados e o

%enado 0ederal n#o se mani!estarem, cada 7ual, sucessivamente, em até 7uarenta e cinco dias, sobre a proposiç#o, será esta incluída na ordem do dia, sobrestando-se a deliberaç#o 7uanto aos demais assuntos, para 7ue se ultime a votaç#o2 2 &º ) A apreciaç#o das emendas do %enado 0ederal pela C>mara dos Deputados !ar-se-á no pra:o de de: dias, observado 7uanto ao mais o disposto no :arágraf a"t/r# r2 2 'º ) $s pra:os do 2 %º n#o correm nos períodos de recesso do Congresso Nacional, nem se aplicam aos pro etos de código2 Art. 3+ - $ pro eto de lei aprovado por uma Casa será revisto pela outra, em um só turno de discuss#o e votaç#o, e enviado = sanç#o ou promulgaç#o, se a Casa revisora o aprovar, ou ar7uivado, se o re eitar2 Parágraf !"#$ ) %endo o pro eto emendado, voltará = Casa iniciadora2 Art. 33 - A Casa na 7ual ten"a sido concluída a votaç#o enviará o pro eto de lei ao ,residente da +ep3blica, 7ue, a7uiescendo, o sancionará2 2 1º ) %e o ,residente da +ep3blica considerar o pro eto, no todo ou em parte, inconstitucional ou contrário ao interesse p3blico, vetá-lo-á total ou parcialmente, no pra:o de 7uin:e dias 3teis, contados da data do recebimento, e comunicará, dentro de 7uarenta e oito "oras, ao ,residente do %enado 0ederal os motivos do veto2 2 %º ) $ veto parcial somente abrangerá texto integral de artigo, de parágra!o, de inciso ou de alínea2 2 &º ) Decorrido o pra:o de 7uin:e dias, o sil<ncio do ,residente da +ep3blica importará sanç#o2 2 'º ) $ veto será apreciado em sess#o con unta, dentro de trinta dias a contar de seu recebimento, só podendo ser re eitado pelo voto da maioria absoluta dos Deputados e %enadores, em escrutínio secreto2

2 +º ) %e o veto n#o !or mantido, será o pro eto enviado, para promulgaç#o, ao ,residente da +ep3blica2 2 3º ) Esgotado sem deliberaç#o o pra:o estabelecido no 2 'º, o veto será colocado na ordem do dia da sess#o imediata, sobrestadas as demais proposiç;es, até sua votaç#o !inal, ressalvadas as matérias de 7ue trata o art. 3%1 :arágraf !"#$ 2 2 4º ) %e a lei n#o !or promulgada dentro de 7uarenta e oito "oras pelo ,residente da +ep3blica, nos casos dos 22 &º e +º, o ,residente do %enado a promulgará, e, se este n#o o !i:er em igual pra:o, caberá ao 1ice-,residente do %enado !a:<-lo2 Art. 34 - A matéria constante de pro eto de lei re eitado somente poderá constituir ob eto de novo pro eto, na mesma sess#o legislativa, mediante proposta da maioria absoluta dos membros de 7ual7uer das Casas do Congresso Nacional2 Art. 30 - As leis delegadas ser#o elaboradas pelo ,residente da +ep3blica, 7ue deverá solicitar a delegaç#o ao Congresso Nacional2 2 1º ) N#o ser#o ob eto de delegaç#o os atos de compet<ncia exclusiva do Congresso Nacional, os de compet<ncia privativa da C>mara dos Deputados ou do %enado 0ederal, a matéria reservada = lei complementar, nem a legislaç#o sobre5 I - organi:aç#o do ,oder 9udiciário e do 4inistério ,3blico, a carreira e a garantia de seus membros6 II - nacionalidade, cidadania, direitos individuais, políticos e eleitorais6 III - planos plurianuais, diretri:es orçamentárias e orçamentos2 2 %º ) A delegaç#o ao ,residente da +ep3blica terá a !orma de resoluç#o do Congresso Nacional, 7ue especi!icará seu conte3do e os termos de seu exercício2 2 &º ) %e a resoluç#o determinar a apreciaç#o do pro eto pelo Congresso Nacional, este a !ará em votaç#o 3nica, vedada 7ual7uer emenda2 Art. 36 - As leis complementares ser#o aprovadas por maioria absoluta2

SEÇÃO I( DA FISCALI8AÇÃO CONTBBIL1 FINANCEIRA E ORÇAMENTBRIA

Art. 47 - A !iscali:aç#o contábil, !inanceira, orçamentária, operacional e patrimonial da (ni#o e das entidades da administraç#o direta e indireta, 7uanto = legalidade, legitimidade, economicidade, aplicaç#o das subvenç;es e ren3ncia de receitas, será exercida pelo Congresso Nacional, mediante controle externo, e pelo sistema de controle interno de cada ,oder2
IJ

Parágraf !"#$ ) ,restará contas 7ual7uer pessoa !ísica ou urídica, p3blica

ou privada, 7ue utili:e, arrecade, guarde, gerencie ou administre din"eiro, bens e valores p3blicos ou pelos 7uais a (ni#o responda, ou 7ue, em nome desta, assuma obrigaç;es de nature:a pecuniária2 Art. 41 - $ controle externo, a cargo do Congresso Nacional, será exercido com o auxílio do &ribunal de Contas da (ni#o, ao 7ual compete5 I - apreciar as contas prestadas anualmente pelo ,residente da +ep3blica, mediante parecer prévio 7ue deverá ser elaborado em sessenta dias a contar de seu recebimento6 II - ulgar as contas dos administradores e demais responsáveis por din"eiros, bens e valores p3blicos da administraç#o direta e indireta, incluídas as !undaç;es e sociedades instituídas e mantidas pelo ,oder ,3blico !ederal, e as contas da7ueles 7ue derem causa a perda, extravio ou outra irregularidade de 7ue resulte pre uí:o ao erário p3blico6 III - apreciar, para !ins de registro, a legalidade dos atos de admiss#o de pessoal, a 7ual7uer título, na administraç#o direta e indireta, incluídas as !undaç;es instituídas e mantidas pelo ,oder ,3blico, excetuadas as nomeaç;es para cargo de provimento em comiss#o, bem como a das concess;es de aposentadorias, re!ormas e pens;es, ressalvadas as

mel"orias posteriores 7ue n#o alterem o !undamento legal do ato concessório6 IV - reali:ar, por iniciativa própria, da C>mara dos Deputados, do %enado 0ederal, de Comiss#o técnica ou de in7uérito, inspeç;es e auditorias de nature:a contábil, !inanceira, orçamentária, operacional e patrimonial, nas unidades administrativas dos ,oderes /egislativo, Executivo e 9udiciário, e demais entidades re!eridas no #"$#5 II6 V - !iscali:ar as contas nacionais das empresas supranacionais de cu o capital social a (ni#o participe, de !orma direta ou indireta, nos termos do tratado constitutivo6 VI - !iscali:ar a aplicaç#o de 7uais7uer recursos repassados pela (ni#o mediante conv<nio, acordo, a uste ou outros instrumentos cong<neres, a Estado, ao Distrito 0ederal ou a 4unicípio6 VII - prestar as in!ormaç;es solicitadas pelo Congresso Nacional, por 7ual7uer de suas Casas, ou por 7ual7uer das respectivas Comiss;es, sobre a !iscali:aç#o contábil, !inanceira, orçamentária, operacional e patrimonial e sobre resultados de auditorias e inspeç;es reali:adas6 VIII - aplicar aos responsáveis, em caso de ilegalidade de despesa ou irregularidade de contas, as sanç;es previstas em lei, 7ue estabelecerá, entre outras cominaç;es, multa proporcional ao dano causado ao erário6 I( - assinar pra:o para 7ue o órg#o ou entidade adote as provid<ncias necessárias ao exato cumprimento da lei, se veri!icada ilegalidade6 ( - sustar, se n#o atendido, a execuç#o do ato impugnado, comunicando a decis#o = C>mara dos Deputados e ao %enado 0ederal6 (I - representar ao ,oder competente sobre irregularidades ou abusos apurados2 2 1º ) No caso de contrato, o ato de sustaç#o será adotado diretamente pelo Congresso Nacional, 7ue solicitará, de imediato, ao ,oder Executivo as medidas cabíveis2

2 %º ) %e o Congresso Nacional ou o ,oder Executivo, no pra:o de noventa dias, n#o e!etivar as medidas previstas no :arágraf decidirá a respeito2 2 &º ) As decis;es do &ribunal de 7ue resulte imputaç#o de débito ou multa ter#o e!icácia de título executivo2 2 'º ) $ &ribunal encamin"ará ao Congresso Nacional, trimestral e anualmente, relatório de suas atividades2 Art. 4% - A Comiss#o mista permanente a 7ue se re!ere o art. 1331 2 1º, diante de indícios de despesas n#o autori:adas, ainda 7ue sob a !orma de investimentos n#o programados ou de subsídios n#o aprovados, poderá solicitar = autoridade governamental responsável 7ue, no pra:o de cinco dias, preste os esclarecimentos necessários2 2 1º ) N#o prestados os esclarecimentos, ou considerados estes insu!icientes, a Comiss#o solicitará ao &ribunal pronunciamento conclusivo sobre a matéria, no pra:o de trinta dias2 2 %º ) Entendendo o &ribunal irregular a despesa, a Comiss#o, se ulgar 7ue o gasto possa causar dano irreparável ou grave les#o = economia p3blica, proporá ao Congresso Nacional sua sustaç#o2 Art. 4& - $ &ribunal de Contas da (ni#o, integrado por nove 4inistros, tem sede no Distrito 0ederal, 7uadro próprio de pessoal e urisdiç#o em todo o território nacional, exercendo, no 7ue couber, as atribuiç;es previstas no art. 632 2 1º ) $s 4inistros do &ribunal de Contas da (ni#o ser#o nomeados dentre brasileiros 7ue satis!açam os seguintes re7uisitos5 I - mais de trinta e cinco e menos de sessenta e cinco anos de idade6 II - idoneidade moral e reputaç#o ilibada6 III - notórios con"ecimentos urídicos, contábeis, econ8micos e !inanceiros ou de administraç#o p3blica6 IV - mais de de: anos de exercício de !unç#o ou de e!etiva atividade pro!issional 7ue exi a os con"ecimentos mencionados no #"$#5 a"t/r# r2 a"t/r# r, o &ribunal

2 %º ) $s 4inistros do &ribunal de Contas da (ni#o ser#o escol"idos5 I - um terço pelo ,residente da +ep3blica, com aprovaç#o do %enado 0ederal, sendo dois alternadamente dentre auditores e membros do 4inistério ,3blico unto ao &ribunal, indicados em lista tríplice pelo &ribunal, segundo os critérios de antiguidade e merecimento6 II - dois terços pelo Congresso Nacional2
IK

2 &º ) $s 4inistros do &ribunal de Contas da (ni#o ter#o as mesmas

garantias, prerrogativas, impedimentos, vencimentos e vantagens dos 4inistros do %uperior &ribunal de 9ustiça, aplicando-se-l"es, 7uanto = aposentadoria e pens#o, as normas constantes do art2 EM2 2 'º ) $ auditor, 7uando em substituiç#o a 4inistro, terá as mesmas garantias e impedimentos do titular e, 7uando no exercício das demais atribuiç;es da udicatura, as de ui: de &ribunal +egional 0ederal2 Art. 4' - $s ,oderes /egislativo, Executivo e 9udiciário manter#o, de !orma integrada, sistema de controle interno com a !inalidade de5 I - avaliar o cumprimento das metas previstas no plano plurianual, a execuç#o dos programas de governo e dos orçamentos da (ni#o6 II - comprovar a legalidade e avaliar os resultados, 7uanto = e!icácia e e!ici<ncia, da gest#o orçamentária, !inanceira e patrimonial nos órg#os e entidades da administraç#o !ederal, bem como da aplicaç#o de recursos p3blicos por entidades de direito privado6 III - exercer o controle das operaç;es de crédito, avais e garantias, bem como dos direitos e "averes da (ni#o6 IV - apoiar o controle externo no exercício de sua miss#o institucional2 2 1º ) $s responsáveis pelo controle interno, ao tomarem con"ecimento de 7ual7uer irregularidade ou ilegalidade, dela dar#o ci<ncia ao &ribunal de Contas da (ni#o, sob pena de responsabilidade solidária2 2 %º ) Uual7uer cidad#o, partido político, associaç#o ou sindicato é parte legítima para, na !orma da lei, denunciar irregularidades ou ilegalidades perante o &ribunal de Contas da (ni#o2

Art. 4+ - As normas estabelecidas nesta seç#o aplicam-se, no 7ue couber, = organi:aç#o, composiç#o e !iscali:aç#o dos &ribunais de Contas dos Estados e do Distrito 0ederal, bem como dos &ribunais e Consel"os de Contas dos 4unicípios2 Parágraf !"#$ ) As Constituiç;es estaduais dispor#o sobre os &ribunais de Contas respectivos, 7ue ser#o integrados por sete Consel"eiros2

CAPÍTULO II DO PODER E(ECUTIVO SEÇÃO I DO PRESIDENTE E DO VICE)PRESIDENTE DA REP>BLICA

Art. 43 - $ ,oder Executivo é exercido pelo ,residente da +ep3blica, auxiliado pelos 4inistros de Estado2
IL

Art. 44 - A eleiç#o do ,residente e do 1ice-,residente da +ep3blica reali:ar-se-

á, simultaneamente, no primeiro domingo de outubro, em primeiro turno, e no 3ltimo domingo de outubro, em segundo turno, se "ouver, do ano anterior ao do término do mandato presidencial vigente2 2 1º ) A eleiç#o do ,residente da +ep3blica importará a do 1ice-,residente com ele registrado2 2 %º ) %erá considerado eleito ,residente o candidato 7ue, registrado por partido político, obtiver a maioria absoluta de votos, n#o computados os em branco e os nulos2 2 &º ) %e nen"um candidato alcançar maioria absoluta na primeira votaç#o, !ar-se-á nova eleiç#o em até vinte dias após a proclamaç#o do resultado, concorrendo os dois candidatos mais votados e considerando-se eleito a7uele 7ue obtiver a maioria dos votos válidos2 2 'º ) %e, antes de reali:ado o segundo turno, ocorrer morte, desist<ncia ou impedimento legal de candidato, convocar-se-á, dentre os remanescentes, o de maior votaç#o2

2 +º ) %e, na "ipótese dos :arágraf 5 a"t/r# r/5, remanescer, em segundo lugar, mais de um candidato com a mesma votaç#o, 7uali!icar-se-á o mais idoso2 Art. 40 - $ ,residente e o 1ice-,residente da +ep3blica tomar#o posse em sess#o do Congresso Nacional, prestando o compromisso de manter, de!ender e cumprir a Constituiç#o, observar as leis, promover o bem geral do povo brasileiro, sustentar a uni#o, a integridade e a independ<ncia do .rasil2 Parágraf !"#$ ) %e, decorridos de: dias da data !ixada para a posse, o

,residente ou o 1ice-,residente, salvo motivo de !orça maior, n#o tiver assumido o cargo, este será declarado vago2 Art. 46 - %ubstituirá o ,residente, no caso de impedimento, e suceder-l"e-á, no de vaga, o 1ice-,residente2 Parágraf !"#$ ) $ 1ice-,residente da +ep3blica, além de outras atribuiç;es 7ue l"e !orem con!eridas por lei complementar, auxiliará o ,residente, sempre 7ue por ele convocado para miss;es especiais2 Art. 07 - Em caso de impedimento do ,residente e do 1ice-,residente, ou vac>ncia dos respectivos cargos, ser#o sucessivamente c"amados ao exercício da ,resid<ncia o ,residente da C>mara dos Deputados, o do %enado 0ederal e o do %upremo &ribunal 0ederal2 Art. 01 - 1agando os cargos de ,residente e 1ice-,residente da +ep3blica, !ar-seá eleiç#o noventa dias depois de aberta a 3ltima vaga2 2 1º ) $correndo a vac>ncia nos 3ltimos dois anos do período presidencial, a eleiç#o para ambos os cargos será !eita trinta dias depois da 3ltima vaga, pelo Congresso Nacional, na !orma da lei2 2 %º ) Em 7ual7uer dos casos, os eleitos dever#o completar o período de seus antecessores2
JM

Art. 0% - $ mandato do ,residente da +ep3blica é de 7uatro anos e terá início

em primeiro de aneiro do ano seguinte ao da sua eleiç#o2

Art. 0& - $ ,residente e o 1ice-,residente da +ep3blica n#o poder#o, sem licença do Congresso Nacional, ausentar-se do ,aís por período superior a 7uin:e dias, sob pena de perda do cargo2

SEÇÃO II DAS ATRIBUIÇ?ES DO PRESIDENTE DA REP>BLICA

Art. 0' - Compete privativamente ao ,residente da +ep3blica5 I - nomear e exonerar os 4inistros de Estado6 II - exercer, com o auxílio dos 4inistros de Estado, a direç#o superior da administraç#o !ederal6 III - iniciar o processo legislativo, na !orma e nos casos previstos nesta Constituiç#o6 IV - sancionar, promulgar e !a:er publicar as leis, bem como expedir decretos e regulamentos para sua !iel execuç#o6 V - vetar pro etos de lei, total ou parcialmente6 VI - dispor sobre a organi:aç#o e o !uncionamento da administraç#o !ederal, na !orma da lei6 VII - manter relaç;es com Estados estrangeiros e acreditar seus representantes diplomáticos6 VIII - celebrar tratados, convenç;es e atos internacionais, su eitos a re!erendo do Congresso Nacional6 I( - decretar o estado de de!esa e o estado de sítio6 ( - decretar e executar a intervenç#o !ederal6 (I - remeter mensagem e plano de governo ao Congresso Nacional por ocasi#o da abertura da sess#o legislativa, expondo a situaç#o do ,aís e solicitando as provid<ncias 7ue ulgar necessárias6 (II - conceder indulto e comutar penas, com audi<ncia, se necessário, dos órg#os instituídos em lei6

J?

(III - exercer o comando supremo das 0orças Armadas, nomear os

Comandantes da 4arin"a, do Exército e da Aeronáutica, promover seus o!iciais-generais e nomeá-los para os cargos 7ue l"es s#o privativos6 (IV - nomear, após aprovaç#o pelo %enado 0ederal, os 4inistros do %upremo &ribunal 0ederal e dos &ribunais %uperiores, os Dovernadores de &erritórios, o ,rocurador-Deral da +ep3blica, o presidente e os diretores do banco central e outros servidores, 7uando determinado em lei6 (V - nomear, observado o disposto no art. 4&, os 4inistros do &ribunal de Contas da (ni#o6 (VI - nomear os magistrados, nos casos previstos nesta Constituiç#o, e o Advogado-Deral da (ni#o6 (VII - nomear membros do Consel"o da +ep3blica, nos termos do art. 061 VII6 (VIII - convocar e presidir o Consel"o da +ep3blica e o Consel"o de De!esa Nacional6 (I( - declarar guerra, no caso de agress#o estrangeira, autori:ado pelo Congresso Nacional ou re!erendado por ele, 7uando ocorrida no intervalo das sess;es legislativas, e, nas mesmas condiç;es, decretar, total ou parcialmente, a mobili:aç#o nacional6 (( - celebrar a pa:, autori:ado ou com o re!erendo do Congresso Nacional6 ((I - con!erir condecoraç;es e distinç;es "onorí!icas6 ((II - permitir, nos casos previstos em lei complementar, 7ue !orças estrangeiras transitem pelo território nacional ou nele permaneçam temporariamente6 ((III - enviar ao Congresso Nacional o plano plurianual, o pro eto de lei de diretri:es orçamentárias e as propostas de orçamento previstos nesta Constituiç#o6 ((IV - prestar, anualmente, ao Congresso Nacional, dentro de sessenta dias após a abertura da sess#o legislativa, as contas re!erentes ao exercício anterior6

((V - prover e extinguir os cargos p3blicos !ederais, na !orma da lei6 ((VI - editar medidas provisórias com !orça de lei, nos termos do art. 3%6 ((VII - exercer outras atribuiç;es previstas nesta Constituiç#o2 Parágraf !"#$ ) $ ,residente da +ep3blica poderá delegar as atribuiç;es

mencionadas nos #"$#5 5 VI, (II e ((V, :r#C/#ra :art/, aos 4inistros de Estado, ao ,rocurador-Deral da +ep3blica ou ao Advogado-Deral da (ni#o, 7ue observar#o os limites traçados nas respectivas delegaç;es2

SEÇÃO III DA RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REP>BLICA

Art. 0+ - %#o crimes de responsabilidade os atos do ,residente da +ep3blica 7ue atentem contra a Constituiç#o 0ederal e, especialmente, contra5 I - a exist<ncia da (ni#o6 II - o livre exercício do ,oder /egislativo, do ,oder 9udiciário, do 4inistério ,3blico e dos ,oderes constitucionais das unidades da 0ederaç#o6 III - o exercício dos direitos políticos, individuais e sociais6 IV - a segurança interna do ,aís6 V - a probidade na administraç#o6 VI - a lei orçamentária6 VII - o cumprimento das leis e das decis;es udiciais2 Parágraf !"#$ ) Esses crimes ser#o de!inidos em lei especial, 7ue

estabelecerá as normas de processo e ulgamento2 Art. 03 - Admitida a acusaç#o contra o ,residente da +ep3blica, por dois terços da C>mara dos Deputados, será ele submetido a ulgamento perante o %upremo &ribunal 0ederal, nas in!raç;es penais comuns, ou perante o %enado 0ederal, nos crimes de responsabilidade2 2 1º ) $ ,residente !icará suspenso de suas !unç;es5

I - nas in!raç;es penais comuns, se recebida a den3ncia ou 7ueixa-crime pelo %upremo &ribunal 0ederal6 II - nos crimes de responsabilidade, após a instauraç#o do processo pelo %enado 0ederal2 2 %º ) %e, decorrido o pra:o de cento e oitenta dias, o ulgamento n#o estiver concluído, cessará o a!astamento do ,residente, sem pre uí:o do regular prosseguimento do processo2 2 &º ) En7uanto n#o sobrevier sentença condenatória, nas in!raç;es comuns, o ,residente da +ep3blica n#o estará su eito a pris#o2 2 'º ) $ ,residente da +ep3blica, na vig<ncia de seu mandato, n#o pode ser responsabili:ado por atos estran"os ao exercício de suas !unç;es2

SEÇÃO IV DOS MINISTROS DE ESTADO

Art. 04 - $s 4inistros de Estado ser#o escol"idos dentre brasileiros maiores de vinte e um anos e no exercício dos direitos políticos2 Parágraf !"#$ ) Compete ao 4inistro de Estado, além de outras atribuiç;es estabelecidas nesta Constituiç#o e na lei5 I - exercer a orientaç#o, coordenaç#o e supervis#o dos órg#os e entidades da administraç#o !ederal na área de sua compet<ncia e re!erendar os atos e decretos assinados pelo ,residente da +ep3blica6 II - expedir instruç;es para a execuç#o das leis, decretos e regulamentos6 III - apresentar ao ,residente da +ep3blica relatório anual de sua gest#o no 4inistério6 IV - praticar os atos pertinentes =s atribuiç;es 7ue l"e !orem outorgadas ou delegadas pelo ,residente da +ep3blica2 Art. 00 - A lei disporá sobre a criaç#o, estruturaç#o e atribuiç;es dos 4inistérios2

SEÇÃO V DO CONSELDO DA REP>BLICA E DO CONSELDO DE DEFESA NACIONAL SUBSEÇÃO I DO CONSELDO DA REP>BLICA

Art. 06 - $ Consel"o da +ep3blica é órg#o superior de consulta do ,residente da +ep3blica, e dele participam5 I - o 1ice-,residente da +ep3blica6 II - o ,residente da C>mara dos Deputados6 III - o ,residente do %enado 0ederal6 IV - os líderes da maioria e da minoria na C>mara dos Deputados6 V - os líderes da maioria e da minoria no %enado 0ederal6 VI - o 4inistro da 9ustiça6 VII - seis cidad#os brasileiros natos, com mais de trinta e cinco anos de idade, sendo dois nomeados pelo ,residente da +ep3blica, dois eleitos pelo %enado 0ederal e dois eleitos pela C>mara dos Deputados, todos com mandato de tr<s anos, vedada a reconduç#o2 Art. 67 - Compete ao Consel"o da +ep3blica pronunciar-se sobre5 I - intervenç#o !ederal, estado de de!esa e estado de sítio6 II - as 7uest;es relevantes para a estabilidade das instituiç;es democráticas2 2 1º ) $ ,residente da +ep3blica poderá convocar 4inistro de Estado para participar da reuni#o do Consel"o, 7uando constar da pauta 7uest#o relacionada com o respectivo 4inistério2 2 %º ) A lei regulará a organi:aç#o e o !uncionamento do Consel"o da +ep3blica2

SUBSEÇÃO II DO CONSELDO DE DEFESA NACIONAL

Art. 61 - $ Consel"o de De!esa Nacional é órg#o de consulta do ,residente da +ep3blica nos assuntos relacionados com a soberania nacional e a de!esa do Estado democrático, e dele participam como membros natos5 I - o 1ice-,residente da +ep3blica6 II - o ,residente da C>mara dos Deputados6 III - o ,residente do %enado 0ederal6 IV - o 4inistro da 9ustiça6
JA

V - o 4inistro de Estado da De!esa6

VI - o 4inistro das +elaç;es Exteriores6
JC

VII - os Comandantes da 4arin"a, do Exército e da Aeronáutica2

2 1º ) Compete ao Consel"o de De!esa Nacional5 I - opinar nas "ipóteses de declaraç#o de guerra e de celebraç#o da pa:, nos termos desta Constituiç#o6 II - opinar sobre a decretaç#o do estado de de!esa, do estado de sítio e da intervenç#o !ederal6 III - propor os critérios e condiç;es de utili:aç#o de áreas indispensáveis = segurança do território nacional e opinar sobre seu e!etivo uso, especialmente na !aixa de !ronteira e nas relacionadas com a preservaç#o e a exploraç#o dos recursos naturais de 7ual7uer tipo6 IV - estudar, propor e acompan"ar o desenvolvimento de iniciativas necessárias a garantir a independ<ncia nacional e a de!esa do Estado democrático2 2 %º ) A lei regulará a organi:aç#o e o !uncionamento do Consel"o de De!esa Nacional2

CAPÍTULO III DO PODER EUDICIBRIO

SEÇÃO I DISPOSIÇ?ES *ERAIS

Art. 6% - %#o órg#os do ,oder 9udiciário5 I - o %upremo &ribunal 0ederal6 II - o %uperior &ribunal de 9ustiça6 III - os &ribunais +egionais 0ederais e 9uí:es 0ederais6 IV - os &ribunais e 9uí:es do &rabal"o6 V - os &ribunais e 9uí:es Eleitorais6 VI - os &ribunais e 9uí:es 4ilitares6 VII - os &ribunais e 9uí:es dos Estados e do Distrito 0ederal e &erritórios2 Parágraf !"#$ ) $ %upremo &ribunal 0ederal e os &ribunais %uperiores t<m sede na Capital 0ederal e urisdiç#o em todo o território nacional2 Art. 6& - /ei complementar, de iniciativa do %upremo &ribunal 0ederal, disporá sobre o Estatuto da 4agistratura, observados os seguintes princípios5 I - ingresso na carreira, cu o cargo inicial será o de ui: substituto, através de concurso p3blico de provas e títulos, com a participaç#o da $rdem dos Advogados do .rasil em todas as suas !ases, obedecendo-se, nas nomeaç;es, = ordem de classi!icaç#o6 II - promoç#o de entr>ncia para entr>ncia, alternadamente, por antiguidade e merecimento, atendidas as seguintes normas5 a, é obrigatória a promoç#o do ui: 7ue !igure por tr<s ve:es consecutivas ou cinco alternadas em lista de merecimento6 -, a promoç#o por merecimento pressup;e dois anos de exercício na respectiva entr>ncia e integrar o ui: a primeira 7uinta parte da lista de antiguidade desta, salvo se n#o "ouver com tais re7uisitos 7uem aceite o lugar vago6

$, a!eriç#o do merecimento pelos critérios da preste:a e segurança no exercício da urisdiç#o e pela !re7@<ncia e aproveitamento em cursos recon"ecidos de aper!eiçoamento6 ., na apuraç#o da antiguidade, o tribunal somente poderá recusar o ui: mais antigo pelo voto de dois terços de seus membros, con!orme procedimento próprio, repetindo-se a votaç#o até !ixar-se a indicaç#o6 III - o acesso aos tribunais de segundo grau !ar-se-á por antiguidade e merecimento, alternadamente, apurados na 3ltima entr>ncia ou, onde "ouver, no &ribunal de Alçada, 7uando se tratar de promoç#o para o &ribunal de 9ustiça, de acordo com o #"$#5 II e a classe de origem6 IV - previs#o de cursos o!iciais de preparaç#o e aper!eiçoamento de magistrados como re7uisitos para ingresso e promoç#o na carreira6
JE

V - $ subsídio dos 4inistros dos &ribunais %uperiores corresponderá a

noventa e cinco por cento do subsídio mensal !ixado para os 4inistros do %upremo &ribunal 0ederal e os subsídios dos demais magistrados ser#o !ixados em lei e escalonados, em nível !ederal e estadual, con!orme as respectivas categorias da estrutura udiciária nacional, n#o podendo a di!erença entre uma e outra ser superior a de: por cento ou in!erior a cinco por cento, nem exceder a noventa e cinco por cento do subsídio mensal dos 4inistros dos &ribunais %uperiores, obedecido, em 7ual7uer caso, o disposto nos art5. &41 (I, e &61 2 'º6
JH

VI - a aposentadoria dos magistrados e a pens#o de seus dependentes

observar#o o disposto no art2 EM6 VII - o ui: titular residirá na respectiva comarca6 VIII - o ato de remoç#o, disponibilidade e aposentadoria do magistrado, por interesse p3blico, !undar-se-á em decis#o por voto de dois terços do respectivo tribunal, assegurada ampla de!esa6 I( - todos os ulgamentos dos órg#os do ,oder 9udiciário ser#o p3blicos, e !undamentadas todas as decis;es, sob pena de nulidade, podendo a lei, se o interesse p3blico o exigir, limitar a presença, em determinados atos, =s próprias partes e a seus advogados, ou somente a estes6

( - as decis;es administrativas dos tribunais ser#o motivadas, sendo as disciplinares tomadas pelo voto da maioria absoluta de seus membros6 (I - nos tribunais com n3mero superior a vinte e cinco ulgadores poderá ser constituído órg#o especial, com o mínimo de on:e e o máximo de vinte e cinco membros, para o exercício das atribuiç;es administrativas e urisdicionais da compet<ncia do tribunal pleno2 Art. 6' - (m 7uinto dos lugares dos &ribunais +egionais 0ederais, dos &ribunais dos Estados, e do Distrito 0ederal e &erritórios será composto de membros, do 4inistério ,3blico, com mais de de: anos de carreira, e de advogados de notório saber urídico e de reputaç#o ilibada, com mais de de: anos de e!etiva atividade pro!issional, indicados em lista s<xtupla pelos órg#os de representaç#o das respectivas classes2 Parágraf !"#$ ) +ecebidas as indicaç;es, o tribunal !ormará lista tríplice,

enviando-a ao ,oder Executivo, 7ue, nos vinte dias subse7@entes, escol"erá um de seus integrantes para nomeaç#o2 Art. 6+ - $s uí:es go:am das seguintes garantias5 I - vitaliciedade, 7ue, no primeiro grau, só será ad7uirida após dois anos de exercício, dependendo a perda do cargo, nesse período, de deliberaç#o do tribunal a 7ue o ui: estiver vinculado, e, nos demais casos, de sentença udicial transitada em ulgado6 II - inamovibilidade, salvo por motivo de interesse p3blico, na !orma do art. 6&1 VIII6
JI

III - irredutibilidade de subsídio, ressalvado o disposto nos art5. &41 ( /

(I, &61 2 'º, 1+71 II, 1+&1 III, e 1+&1 2 %º1 I2 Parágraf !"#$ ) Aos uí:es é vedado5 I - exercer, ainda 7ue em disponibilidade, outro cargo ou !unç#o, salvo uma de magistério6 II - receber, a 7ual7uer título ou pretexto, custas ou participaç#o em processo6 III - dedicar-se = atividade político-partidária2

Art. 63 - Compete privativamente5 I - aos tribunais5 a, eleger seus órg#os diretivos e elaborar seus regimentos internos, com observ>ncia das normas de processo e das garantias processuais das partes, dispondo sobre a compet<ncia e o !uncionamento dos respectivos órg#os urisdicionais e administrativos6 -, organi:ar suas secretarias e serviços auxiliares e os dos uí:os 7ue l"es !orem vinculados, velando pelo exercício da atividade correicional respectiva6 $, prover, na !orma prevista nesta Constituiç#o, os cargos de ui: de carreira da respectiva urisdiç#o6 ., propor a criaç#o de novas varas udiciárias6 /, prover, por concurso p3blico de provas, ou de provas e títulos, obedecido o disposto no art. 1361 :arágraf de!inidos em lei6 f, conceder licença, !érias e outros a!astamentos a seus membros e aos uí:es e servidores 7ue l"es !orem imediatamente vinculados6 II - ao %upremo &ribunal 0ederal, aos &ribunais %uperiores e aos &ribunais de 9ustiça propor ao ,oder /egislativo respectivo, observado o disposto no art. 1365 a, a alteraç#o do n3mero de membros dos tribunais in!eriores6
JJ

!"#$ , os cargos

necessários = administraç#o da 9ustiça, exceto os de con!iança assim

-, a criaç#o e a extinç#o de cargos e a remuneraç#o dos seus dos uí:es, inclusive dos

serviços auxiliares e dos uí:os 7ue l"es !orem vinculados, bem como a !ixaç#o do subsídio de seus membros e tribunais in!eriores, onde "ouver, ressalvado o disposto no art. '01 (V6 $, a criaç#o ou extinç#o dos tribunais in!eriores6 ., a alteraç#o da organi:aç#o e da divis#o udiciárias6 III - aos &ribunais de 9ustiça ulgar os uí:es estaduais e do Distrito 0ederal e &erritórios, bem como os membros do 4inistério ,3blico, nos crimes

comuns e de responsabilidade, ressalvada a compet<ncia da 9ustiça Eleitoral2 Art. 64 - %omente pelo voto da maioria absoluta de seus membros ou dos membros do respectivo órg#o especial poder#o os tribunais declarar a inconstitucionalidade de lei ou ato normativo do ,oder ,3blico2 Art. 60 - A (ni#o, no Distrito 0ederal e nos &erritórios, e os Estados criar#o5 I - ui:ados especiais, providos por uí:es togados, ou togados e leigos, competentes para a conciliaç#o, o ulgamento e a execuç#o de causas cíveis de menor complexidade e in!raç;es penais de menor potencial o!ensivo, mediante os procedimentos oral e sumaríssimo, permitidos, nas "ipóteses previstas em lei, a transaç#o e o ulgamento de recursos por turmas de uí:es de primeiro grau6 II - ustiça de pa:, remunerada, composta de cidad#os eleitos pelo voto direto, universal e secreto, com mandato de 7uatro anos e compet<ncia para, na !orma da lei, celebrar casamentos, veri!icar, de o!ício ou em !ace de impugnaç#o apresentada, o processo de "abilitaç#o e exercer atribuiç;es conciliatórias, sem caráter previstas na legislaç#o2
JK

urisdicional, além de outras

Parágraf !"#$ - /ei !ederal disporá sobre a criaç#o de ui:ados especiais

no >mbito da 9ustiça 0ederal. Art. 66 - Ao ,oder 9udiciário é assegurada autonomia administrativa e !inanceira2 2 1º ) $s tribunais elaborar#o suas propostas orçamentárias dentro dos limites estipulados con untamente com os demais ,oderes na lei de diretri:es orçamentárias2 2 %º ) $ encamin"amento da proposta, ouvidos os outros tribunais interessados, compete5 I - no >mbito da (ni#o, aos ,residentes do %upremo &ribunal 0ederal e dos &ribunais %uperiores, com a aprovaç#o dos respectivos tribunais6

II - no >mbito dos Estados e no do Distrito 0ederal e &erritórios, aos ,residentes dos &ribunais de 9ustiça, com a aprovaç#o dos respectivos tribunais2 Art. 177 - T exceç#o dos créditos de nature:a alimentícia, os pagamentos devidos pela 0a:enda 0ederal, Estadual ou 4unicipal, em virtude de sentença udiciária, !ar-se-#o exclusivamente na ordem cronológica de apresentaç#o dos precatórios e = conta dos créditos respectivos, proibida a designaç#o de casos ou de pessoas nas dotaç;es orçamentárias e nos créditos adicionais abertos para este !im2 2 1º ) B obrigatória a inclus#o, no orçamento das entidades de direito p3blico, de verba necessária ao pagamento de seus débitos constantes de precatórios udiciários, apresentados até ?N de ul"o, data em 7ue ter#o atuali:ados seus valores, !a:endo-se o pagamento até o !inal do exercício seguinte2 2 %º ) As dotaç;es orçamentárias e os créditos abertos ser#o consignados ao ,oder 9udiciário, recol"endo-se as import>ncias respectivas = repartiç#o competente, cabendo ao ,residente do &ribunal 7ue pro!erir a decis#o exe7@enda determinar o pagamento, segundo as possibilidades do depósito, e autori:ar, a re7uerimento do credor e exclusivamente para o caso de preterimento de seu direito de preced<ncia, o se7@estro da 7uantia necessária = satis!aç#o do débito2 2 &@ $ disposto no caput deste artigo, relativamente = expediç#o de precatórios, n#o se aplica aos pagamentos de obrigaç;es de!inidas em lei como de pe7ueno valor 7ue a 0a:enda 0ederal, Estadual ou 4unicipal deva !a:er em virtude de sentença udicial transitada em ulgado2 " § &' acrescentado pela Emenda Constitucional nº 20 de 1 de de!em"ro de 1998.

SEÇÃO II DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Art. 171 - $ %upremo &ribunal 0ederal comp;e-se de on:e 4inistros, escol"idos dentre cidad#os com mais de trinta e cinco e menos de sessenta e cinco anos de idade, de notável saber urídico e reputaç#o ilibada2 Parágraf !"#$ ) $s 4inistros do %upremo &ribunal 0ederal ser#o nomeados pelo ,residente da +ep3blica, depois de aprovada a escol"a pela maioria absoluta do %enado 0ederal2 Art. 17% - Compete ao %upremo &ribunal 0ederal, precipuamente, a guarda da Constituiç#o, cabendo-l"e5 I - processar e ulgar, originariamente5 a, a aç#o direta de inconstitucionalidade de lei ou ato normativo !ederal ou estadual e a aç#o declaratória de constitucionalidade de lei ou ato normativo !ederal6 -, nas in!raç;es penais comuns, o ,residente da +ep3blica, o 1ice,residente, os membros do Congresso Nacional, seus próprios 4inistros e o ,rocurador-Deral da +ep3blica6
JL

$, nas in!raç;es penais comuns e nos crimes de responsabilidade, os

4inistros de Estado e os Comandantes da 4arin"a, do Exército e da Aeronáutica, resalvado o disposto no art2 HA, ', os membros dos &ribunais %uperiores, os do &ribunal de Contas da (ni#o e os c"e!es de miss#o diplomática de caráter permanente6 ., o habeas corpus, sendo paciente 7ual7uer das pessoas re!eridas nas a=;"/a5 a"t/r# r/56 o mandado de segurança e o habeas data contra atos do ,residente da +ep3blica, das 4esas da C>mara dos Deputados e do %enado 0ederal, do &ribunal de Contas da (ni#o, do ,rocurador-Deral da +ep3blica e do próprio %upremo &ribunal 0ederal6 /, o litígio entre Estado estrangeiro ou organismo internacional e a (ni#o, o Estado, o Distrito 0ederal ou o &erritório6 f, as causas e os con!litos entre a (ni#o e os Estados, a (ni#o e o Distrito 0ederal, ou entre uns e outros, inclusive as respectivas entidades da administraç#o indireta6

g, a extradiç#o solicitada por Estado estrangeiro6 F, a "omologaç#o das sentenças estrangeiras e a concess#o do e#e$uatur =s cartas rogatórias, 7ue podem ser con!eridas pelo regimento interno a seu ,residente6
KM

#, o "abeas corpus, 7uando o coator !or &ribunal %uperior ou 7uando

o coator ou o paciente !or autoridade ou !uncionário cu os atos este am su eitos diretamente = urisdiç#o do %upremo &ribunal 0ederal, ou se trate de crime su eito = mesma urisdiç#o em uma 3nica inst>ncia6 G, a revis#o criminal e a aç#o rescisória de seus ulgados6 =, a reclamaç#o para a preservaç#o de sua compet<ncia e garantia da autoridade de suas decis;es6 C, a execuç#o de sentença nas causas de sua compet<ncia originária, !acultada a delegaç#o de atribuiç;es para a prática de atos processuais6 ", a aç#o em 7ue todos os membros da magistratura se am direta ou indiretamente interessados, e a7uela em 7ue mais da metade dos membros do tribunal de origem este am impedidos ou se am direta ou indiretamente interessados6 , os con!litos de compet<ncia entre o %uperior &ribunal de 9ustiça e 7uais7uer tribunais, entre &ribunais %uperiores, ou entre estes e 7ual7uer outro tribunal6 :, o pedido de medida cautelar das aç;es diretas de inconstitucionalidade6 H, o mandado de in unç#o, 7uando a elaboraç#o da norma regulamentadora !or atribuiç#o do ,residente da +ep3blica, do Congresso Nacional, da C>mara dos Deputados, do %enado 0ederal, das 4esas de uma dessas Casas /egislativas, do &ribunal de Contas da (ni#o, de um dos &ribunais %uperiores, ou do próprio %upremo &ribunal 0ederal6 II - ulgar, em recurso ordinário5

a, o habeas corpus, o mandado de segurança, o habeas data e o mandado de in unç#o decididos em 3nica inst>ncia pelos &ribunais %uperiores, se denegatória a decis#o6 -, o crime político6 III - ulgar, mediante recurso extraordinário, as causas decididas em 3nica ou 3ltima inst>ncia, 7uando a decis#o recorrida5 a, contrariar dispositivo desta Constituiç#o6 -, declarar a inconstitucionalidade de tratado ou lei !ederal6 $, ulgar válida lei ou ato de governo local contestado em !ace desta Constituiç#o2 2 1º ) A arg@iç#o de descumprimento de preceito !undamental decorrente desta Constituiç#o será apreciada pelo %upremo &ribunal 0ederal, na !orma da lei2 2 %º - As decis;es de!initivas de mérito, pro!eridas pelo %upremo &ribunal 0ederal, nas aç;es declaratórias de constitucionalidade de lei ou ato normativo !ederal, produ:ir#o e!icácia contra todos e e!eito vinculante, relativamente aos demais órg#os do ,oder 9udiciário e ao ,oder Executivo2 Art. 17& - ,odem propor a aç#o de inconstitucionalidade5 I - o ,residente da +ep3blica6 II - a 4esa do %enado 0ederal6 III - a 4esa da C>mara dos Deputados6 IV - a 4esa de Assembléia /egislativa6 V - o Dovernador de Estado6 VI - o ,rocurador-Deral da +ep3blica6 VII - o Consel"o 0ederal da $rdem dos Advogados do .rasil6 VIII - partido político com representaç#o no Congresso Nacional6 I( - con!ederaç#o sindical ou entidade de classe de >mbito nacional2 2 1º ) $ ,rocurador-Deral da +ep3blica deverá ser previamente ouvido nas aç;es de inconstitucionalidade e em todos os processos de compet<ncia do %upremo &ribunal 0ederal2

2 %º ) Declarada a inconstitucionalidade por omiss#o de medida para tornar e!etiva norma constitucional, será dada ci<ncia ao ,oder competente para a adoç#o das provid<ncias necessárias e, em se tratando de órg#o administrativo, para !a:<-lo em trinta dias2 2 &º ) Uuando o %upremo &ribunal 0ederal apreciar a inconstitucionalidade, em tese, de norma legal ou ato normativo, citará, previamente, o AdvogadoDeral da (ni#o, 7ue de!enderá o ato ou texto impugnado2 2 'º - A aç#o declaratória de constitucionalidade poderá ser proposta pelo ,residente da +ep3blica, pela 4esa do %enado 0ederal, pela 4esa da C>mara dos Deputados ou pelo ,rocurador-Deral da +ep3blica2

SEÇÃO III DO SUPERIOR TRIBUNAL DE EUSTIÇA

Art. 17' - $ %uperior &ribunal de 9ustiça comp;e-se de, no mínimo, trinta e tr<s 4inistros2 Parágraf !"#$ ) $s 4inistros do %uperior &ribunal de 9ustiça ser#o

nomeados pelo ,residente da +ep3blica, dentre brasileiros com mais de trinta e cinco e menos de sessenta e cinco anos, de notável saber urídico e reputaç#o ilibada, depois de aprovada a escol"a pelo %enado 0ederal, sendo5 I - um terço dentre uí:es dos &ribunais +egionais 0ederais e um terço dentre desembargadores dos &ribunais de 9ustiça, indicados em lista tríplice elaborada pelo próprio &ribunal6 II - um terço, em partes iguais, dentre advogados e membros do 4inistério ,3blico 0ederal, Estadual, do Distrito 0ederal e &erritórios, alternadamente, indicados na !orma do art. 6'2 Art. 17+ - Compete ao %uperior &ribunal de 9ustiça5 I - processar e ulgar, originariamente5 a, nos crimes comuns, os Dovernadores dos Estados e do Distrito 0ederal, e, nestes e nos de responsabilidade, os desembargadores dos

&ribunais de 9ustiça dos Estados e do Distrito 0ederal, os membros dos &ribunais de Contas dos Estados e do Distrito 0ederal, os dos &ribunais +egionais 0ederais, dos &ribunais +egionais Eleitorais e do &rabal"o, os membros dos Consel"os ou &ribunais de Contas dos 4unicípios e os do 4inistério ,3blico da (ni#o 7ue o!iciem perante tribunais6
K?

-, os mandados de segurança e os "abeas data contra ato de

4inistro de Estado, dos Comandantes da 4arin"a, do Exército e da Aeronáutica ou do próprio &ribunal6
KA

$, os "abeas corpus, 7uando o coator ou paciente !or 7ual7uer das

pessoas mencionadas na alínea a, ou 7uando o coator !or tribunal su eito = sua urisdiç#o, 4inistro de Estado ou Comandante da 4arin"a, do Exército ou da Aeronáutica, ressalvada a compet<ncia da 9ustiça Eleitoral6 ., os con!litos de compet<ncia entre 7uais7uer tribunais, ressalvado o disposto no art. 17%1 I1 o, bem como entre tribunal e uí:es a ele n#o vinculados e entre uí:es vinculados a tribunais diversos6 /, as revis;es criminais e as aç;es rescisórias de seus ulgados6 f, a reclamaç#o para a preservaç#o de sua compet<ncia e garantia da autoridade de suas decis;es6 g, os con!litos de atribuiç;es entre autoridades administrativas e udiciárias da (ni#o, ou entre autoridades udiciárias de um Estado e administrativas de outro ou do Distrito 0ederal, ou entre as deste e da (ni#o6 F, o mandado de in unç#o, 7uando a elaboraç#o da norma regulamentadora !or atribuiç#o de órg#o, entidade ou autoridade !ederal, da administraç#o direta ou indireta, excetuados os casos de compet<ncia do %upremo &ribunal 0ederal e dos órg#os da 9ustiça 4ilitar, da 9ustiça Eleitoral, da 9ustiça do &rabal"o e da 9ustiça 0ederal6 II - ulgar, em recurso ordinário5

a, os habeas corpus decididos em 3nica ou 3ltima inst>ncia pelos &ribunais +egionais 0ederais ou pelos tribunais dos Estados, do Distrito 0ederal e &erritórios, 7uando a decis#o !or denegatória6 -, os mandados de segurança decididos em 3nica inst>ncia pelos &ribunais +egionais 0ederais ou pelos tribunais dos Estados, do Distrito 0ederal e &erritórios, 7uando denegatória a decis#o6 $, as causas em 7ue !orem partes Estado estrangeiro ou organismo internacional, de um lado, e, do outro, 4unicípio ou pessoa residente ou domiciliada no ,aís6 III - ulgar, em recurso especial, as causas decididas, em 3nica ou 3ltima inst>ncia, pelos &ribunais +egionais 0ederais ou pelos tribunais dos Estados, do Distrito 0ederal e &erritórios, 7uando a decis#o recorrida5 a, contrariar tratado ou lei !ederal, ou negar-l"es vig<ncia6 -, ulgar válida lei ou ato de governo local contestado em !ace de lei !ederal6 $, der a lei !ederal interpretaç#o divergente da 7ue l"e "a a atribuído outro tribunal2 Parágraf !"#$ ) 0uncionará unto ao %uperior &ribunal de 9ustiça o

Consel"o da 9ustiça 0ederal, cabendo-l"e, na !orma da lei, exercer a supervis#o administrativa e orçamentária da 9ustiça 0ederal de primeiro e segundo graus2

SEÇÃO IV DOS TRIBUNAIS RE*IONAIS FEDERAIS E DOS EUÍ8ES FEDERAIS

Art. 173 - %#o órg#os da 9ustiça 0ederal5 I - os &ribunais +egionais 0ederais6 II - os 9uí:es 0ederais2

Art. 174 - $s &ribunais +egionais 0ederais comp;em-se de, no mínimo, sete uí:es, recrutados, 7uando possível, na respectiva regi#o e nomeados pelo ,residente da +ep3blica dentre brasileiros com mais de trinta e menos de sessenta e cinco anos, sendo5 I - um 7uinto dentre advogados com mais de de: anos de e!etiva atividade pro!issional e membros do 4inistério ,3blico 0ederal com mais de de: anos de carreira6 II - os demais, mediante promoç#o de uí:es !ederais com mais de cinco anos de exercício, por antiguidade e merecimento, alternadamente2 Parágraf !"#$ ) A lei disciplinará a remoç#o ou a permuta de uí:es dos

&ribunais +egionais 0ederais e determinará sua urisdiç#o e sede2 Art. 170 - Compete aos &ribunais +egionais 0ederais5 I - processar e ulgar, originariamente5 a, os uí:es !ederais da área de sua urisdiç#o, incluídos os da 9ustiça 4ilitar e da 9ustiça do &rabal"o, nos crimes comuns e de responsabilidade, e os membros do 4inistério ,3blico da (ni#o, ressalvada a compet<ncia da 9ustiça Eleitoral6 -, as revis;es criminais e as aç;es rescisórias de ulgados seus ou dos uí:es !ederais da regi#o6 $, os mandados de segurança e os habeas data contra ato do próprio &ribunal ou de ui: !ederal6 ., os habeas corpus, 7uando a autoridade coatora !or ui: !ederal6 /, os con!litos de compet<ncia entre uí:es !ederais vinculados ao &ribunal6 II - ulgar, em grau de recurso, as causas decididas pelos uí:es !ederais e pelos uí:es estaduais no exercício da compet<ncia !ederal da área de sua urisdiç#o2 Art. 176 - Aos uí:es !ederais compete processar e ulgar5 I - as causas em 7ue a (ni#o, entidade autár7uica ou empresa p3blica !ederal !orem interessadas na condiç#o de autoras, rés, assistentes ou

oponentes, exceto as de !al<ncia, as de acidentes de trabal"o e as su eitas = 9ustiça Eleitoral e = 9ustiça do &rabal"o6 II - as causas entre Estado estrangeiro ou organismo internacional e 4unicípio ou pessoa domiciliada ou residente no ,aís6 III - as causas !undadas em tratado ou contrato da (ni#o com Estado estrangeiro ou organismo internacional6 IV - os crimes políticos e as in!raç;es penais praticadas em detrimento de bens, serviços ou interesse da (ni#o ou de suas entidades autár7uicas ou empresas p3blicas, excluídas as contravenç;es e ressalvada a compet<ncia da 9ustiça 4ilitar e da 9ustiça Eleitoral6 V - os crimes previstos em tratado ou convenç#o internacional, 7uando, iniciada a execuç#o no ,aís, o resultado ten"a ou devesse ter ocorrido no estrangeiro, ou reciprocamente6 VI - os crimes contra a organi:aç#o do trabal"o e, nos casos determinados por lei, contra o sistema !inanceiro e a ordem econ8mico-!inanceira6 VII - os habeas corpus, em matéria criminal de sua compet<ncia ou 7uando o constrangimento provier de autoridade cu os atos n#o este am diretamente su eitos a outra urisdiç#o6 VIII - os mandados de segurança e os habeas data contra ato de autoridade !ederal, excetuados os casos de compet<ncia dos tribunais !ederais6 I( - os crimes cometidos a bordo de navios ou aeronaves, ressalvada a compet<ncia da 9ustiça 4ilitar6 ( - os crimes de ingresso ou perman<ncia irregular de estrangeiro, a execuç#o de carta rogatória, após o e#e$uatur, e de sentença estrangeira, após a "omologaç#o, as causas re!erentes = nacionalidade, inclusive a respectiva opç#o, e = naturali:aç#o6 (I - a disputa sobre direitos indígenas2 2 1º ) As causas em 7ue a (ni#o !or autora ser#o a!oradas na seç#o udiciária onde tiver domicílio a outra parte2

2 %º ) As causas intentadas contra a (ni#o poder#o ser a!oradas na seç#o udiciária em 7ue !or domiciliado o autor, na7uela onde "ouver ocorrido o ato ou !ato 7ue deu origem = demanda ou onde este a situada a coisa, ou ainda, no Distrito 0ederal2 2 &º ) %er#o processadas e ulgadas na ustiça estadual, no !oro do domicílio dos segurados ou bene!iciários, as causas em 7ue !orem parte instituiç#o de previd<ncia social e segurado, sempre 7ue a comarca n#o se a sede de vara do uí:o !ederal, e, se veri!icada essa condiç#o, a lei poderá permitir 7ue outras causas se am também processadas e ulgadas pela ustiça estadual2 2 'º ) Na "ipótese do :arágraf a"t/r# r, o recurso cabível será sempre para o &ribunal +egional 0ederal na área de urisdiç#o do ui: de primeiro grau2 Art. 117 ) Cada Estado, bem como o Distrito 0ederal, constituirá uma seç#o udiciária 7ue terá por sede a respectiva Capital, e varas locali:adas segundo o estabelecido em lei2 Parágraf lei2 !"#$ ) Nos &erritórios 0ederais, a urisdiç#o e as atribuiç;es

cometidas aos uí:es !ederais caber#o aos uí:es da ustiça local, na !orma da

SEÇÃO V DOS TRIBUNAIS E EUÍ8ES DO TRABALDO

Art. 111 - %#o órg#os da 9ustiça do &rabal"o5 I - o &ribunal %uperior do &rabal"o6 II - os &ribunais +egionais do &rabal"o6 III - as 9untas de Conciliaç#o e 9ulgamento2 2 1º ) $ &ribunal %uperior do &rabal"o compor-se-á de vinte e sete 4inistros, escol"idos dentre brasileiros com mais de trinta e cinco e menos de sessenta e cinco anos, nomeados pelo ,residente da +ep3blica após aprovaç#o pelo %enado 0ederal, sendo5

I - de:essete togados e vitalícios, dos 7uais on:e escol"idos dentre uí:es de carreira da magistratura trabal"ista, tr<s dentre advogados e tr<s dentre membros do 4inistério ,3blico do &rabal"o6 II - de: classistas temporários, com representaç#o paritária dos trabal"adores e empregadores2 2 %º ) $ &ribunal encamin"ará ao ,residente da +ep3blica listas tríplices, observando-se, 7uanto =s vagas destinadas aos advogados e aos membros do 4inistério ,3blico, o disposto no art. 6', e, para as de classistas, o resultado de indicaç#o de colégio eleitoral integrado pelas diretorias das con!ederaç;es nacionais de trabal"adores ou empregadores, con!orme o caso6 as listas tríplices para o provimento de cargos destinados aos uí:es da magistratura trabal"ista de carreira dever#o ser elaboradas pelos 4inistros togados e vitalícios2 2 &º ) A lei disporá sobre a compet<ncia do &ribunal %uperior do &rabal"o2 Art. 11% - Vaverá pelo menos um &ribunal +egional do &rabal"o em cada Estado e no Distrito 0ederal, e a lei instituirá as 9untas de Conciliaç#o e 9ulgamento, podendo, nas comarcas onde n#o !orem instituídas, atribuir sua urisdiç#o aos uí:es de direito2 Art. 11& - A lei disporá sobre a constituiç#o, investidura, urisdiç#o, compet<ncia, garantias e condiç;es de exercício dos órg#os da 9ustiça do &rabal"o, assegurada a paridade de representaç#o de trabal"adores e empregadores2 Art. 11' - Compete = 9ustiça do &rabal"o conciliar e ulgar os dissídios individuais e coletivos entre trabal"adores e empregadores, abrangidos os entes de direito p3blico externo e da administraç#o p3blica direta e indireta dos 4unicípios, do Distrito 0ederal, dos Estados e da (ni#o, e, na !orma da lei, outras controvérsias decorrentes da relaç#o de trabal"o, bem como os litígios 7ue ten"am origem no cumprimento de suas próprias sentenças, inclusive coletivas2 2 1º ) 0rustrada a negociaç#o coletiva, as partes poder#o eleger árbitros2 2 %º ) +ecusando-se 7ual7uer das partes = negociaç#o ou = arbitragem, é !acultado aos respectivos sindicatos a ui:ar dissídio coletivo, podendo a

9ustiça do &rabal"o estabelecer normas e condiç;es, respeitadas as disposiç;es convencionais e legais mínimas de proteç#o ao trabal"o2 2 &@ ) Compete ainda = 9ustiça do &rabal"o executar, de o!ício, as contribuiç;es sociais previstas no art2 ?LH, ', a, e '', e seus acréscimos legais, decorrentes das sentenças 7ue pro!erir2S *§ &' incluido pela Emenda Constitucional nº 20 de 1 de de!em"ro de 1998. Art. 11+ - $s &ribunais +egionais do &rabal"o ser#o compostos de uí:es nomeados pelo ,residente da +ep3blica, sendo dois terços de uí:es togados vitalícios e um terço de uí:es classistas temporários, observada, entre os uí:es togados, a proporcionalidade estabelecida no art. 111, 2 1º, I2 Parágraf ser#o5 I - uí:es do trabal"o, escol"idos por promoç#o, alternadamente, por antiguidade e merecimento6 II - advogados e membros do 4inistério ,3blico do &rabal"o, obedecido o disposto no art. 6'6 III - classistas indicados em listas tríplices pelas diretorias das !ederaç;es e dos sindicatos com base territorial na regi#o2 Art. 113 - A 9unta de Conciliaç#o e 9ulgamento será composta de um ui: do trabal"o, 7ue a presidirá, e dois uí:es classistas temporários, representantes dos empregados e dos empregadores2 Parágraf !"#$ ) $s uí:es classistas das 9untas de Conciliaç#o e !"#$ ) $s magistrados dos &ribunais +egionais do &rabal"o

9ulgamento ser#o nomeados pelo ,residente do &ribunal +egional do &rabal"o, na !orma da lei, permitida uma reconduç#o2 Art. 114 - $ mandato dos representantes classistas, em todas as inst>ncias, é de tr<s anos2 Parágraf !"#$ ) $s representantes classistas ter#o suplentes2

SEÇÃO VI DOS TRIBUNAIS E EUÍ8ES ELEITORAIS

Art. 110 - %#o órg#os da 9ustiça Eleitoral5 I - o &ribunal %uperior Eleitoral6 II - os &ribunais +egionais Eleitorais6 III - os 9uí:es Eleitorais6 IV - as 9untas Eleitorais2 Art. 116 - $ &ribunal %uperior Eleitoral compor-se-á, no mínimo, de sete membros, escol"idos5 I - mediante eleiç#o, pelo voto secreto5 a, tr<s uí:es dentre os 4inistros do %upremo &ribunal 0ederal6 -, dois uí:es dentre os 4inistros do %uperior &ribunal de 9ustiça6 II - por nomeaç#o do ,residente da +ep3blica, dois uí:es dentre seis advogados de notável saber urídico e idoneidade moral, indicados pelo %upremo &ribunal 0ederal2 Parágraf !"#$ ) $ &ribunal %uperior Eleitoral elegerá seu ,residente e o

1ice-,residente dentre os 4inistros do %upremo &ribunal 0ederal, e o Corregedor Eleitoral dentre os 4inistros do %uperior &ribunal de 9ustiça2 Art. 1%7 - Vaverá um &ribunal +egional Eleitoral na Capital de cada Estado e no Distrito 0ederal2 2 1º ) $s &ribunais +egionais Eleitorais compor-se-#o5 I - mediante eleiç#o, pelo voto secreto5 a, de dois uí:es dentre os desembargadores do &ribunal de 9ustiça6 -, de dois uí:es, dentre uí:es de direito, escol"idos pelo &ribunal de 9ustiça6 II - de um ui: do &ribunal +egional 0ederal com sede na Capital do Estado ou no Distrito 0ederal, ou, n#o "avendo, de ui: !ederal, escol"ido, em 7ual7uer caso, pelo &ribunal +egional 0ederal respectivo6

III - por nomeaç#o, pelo ,residente da +ep3blica, de dois uí:es dentre seis advogados de notável saber urídico e idoneidade moral, indicados pelo &ribunal de 9ustiça2 2 %º ) $ &ribunal +egional Eleitoral elegerá seu ,residente e o 1ice-,residente dentre os desembargadores2 Art. 1%1 - /ei complementar disporá sobre a organi:aç#o e compet<ncia dos tribunais, dos uí:es de direito e das untas eleitorais2 2 1º ) $s membros dos tribunais, os uí:es de direito e os integrantes das untas eleitorais, no exercício de suas !unç;es, e no 7ue l"es !or aplicável, go:ar#o de plenas garantias e ser#o inamovíveis2 2 %º ) $s uí:es dos tribunais eleitorais, salvo motivo usti!icado, servir#o por dois anos, no mínimo, e nunca por mais de dois bi<nios consecutivos, sendo os substitutos escol"idos na mesma ocasi#o e pelo mesmo processo, em n3mero igual para cada categoria2 2 &º ) %#o irrecorríveis as decis;es do &ribunal %uperior Eleitoral, salvo as 7ue contrariarem esta Constituiç#o e as denegatórias de habeas corpus ou mandado de segurança2 2 'º ) Das decis;es dos &ribunais +egionais Eleitorais somente caberá recurso 7uando5 I - !orem pro!eridas contra disposiç#o expressa desta Constituiç#o ou de lei6 II - ocorrer diverg<ncia na interpretaç#o de lei entre dois ou mais tribunais eleitorais6 III - versarem sobre inelegibilidade ou expediç#o de diplomas nas eleiç;es !ederais ou estaduais6 IV - anularem diplomas ou decretarem a perda de mandatos eletivos !ederais ou estaduais6 V - denegarem habeas corpus, mandado de segurança, habeas data ou mandado de in unç#o2

SEÇÃO VII DOS TRIBUNAIS E EUÍ8ES MILITARES

Art. 1%% - %#o órg#os da 9ustiça 4ilitar5 I - o %uperior &ribunal 4ilitar6 II - os &ribunais e 9uí:es 4ilitares instituídos por lei2 Art. 1%& - $ %uperior &ribunal 4ilitar compor-se-á de 7uin:e 4inistros vitalícios, nomeados pelo ,residente da +ep3blica, depois de aprovada a indicaç#o pelo %enado 0ederal, sendo tr<s dentre o!iciais-generais da 4arin"a, 7uatro dentre o!iciais-generais do Exército, tr<s dentre o!iciais-generais da Aeronáutica, todos da ativa e do posto mais elevado da carreira, e cinco dentre civis2 Parágraf !"#$ ) $s 4inistros civis ser#o escol"idos pelo ,residente da

+ep3blica dentre brasileiros maiores de trinta e cinco anos, sendo5 I - tr<s dentre advogados de notório saber urídico e conduta ilibada, com mais de de: anos de e!etiva atividade pro!issional6 II - dois, por escol"a paritária, dentre uí:es auditores e membros do 4inistério ,3blico da 9ustiça 4ilitar2 Art. 1%' - T 9ustiça 4ilitar compete processar e ulgar os crimes militares de!inidos em lei2 Parágraf !"#$ ) A lei disporá sobre a organi:aç#o, o !uncionamento e a

compet<ncia, da 9ustiça 4ilitar2

SEÇÃO VIII DOS TRIBUNAIS E EUÍ8ES DOS ESTADOS

Art. 1%+ - $s Estados organi:ar#o sua 9ustiça, observados os princípios estabelecidos nesta Constituiç#o2 2 1º ) A compet<ncia dos tribunais será de!inida na Constituiç#o do Estado, sendo a lei de organi:aç#o udiciária de iniciativa do &ribunal de 9ustiça2

2

)

Cabe

aos

Estados

a

instituiç#o

de

representaç#o

de

inconstitucionalidade de leis ou atos normativos estaduais ou municipais em !ace da Constituiç#o Estadual, vedada a atribuiç#o da legitimaç#o para agir a um 3nico órg#o2 2 &º ) A lei estadual poderá criar, mediante proposta do &ribunal de 9ustiça, a 9ustiça 4ilitar estadual, constituída, em primeiro grau, pelos Consel"os de 9ustiça e, em segundo, pelo próprio &ribunal de 9ustiça, ou por &ribunal de 9ustiça 4ilitar nos Estados em 7ue o e!etivo da polícia militar se a superior a vinte mil integrantes2 2 'º ) Compete = 9ustiça 4ilitar estadual processar e ulgar os policiais

militares e bombeiros militares nos crimes militares de!inidos em lei, cabendo ao tribunal competente decidir sobre a perda do posto e da patente dos o!iciais e da graduaç#o das praças2 Art. 1%3 - ,ara dirimir con!litos !undiários, o &ribunal de 9ustiça designará uí:es de entr>ncia especial, com compet<ncia exclusiva para 7uest;es agrárias2 Parágraf !"#$ ) %empre 7ue necessário = e!iciente prestaç#o urisdicional, o ui: !ar-se-á presente no local do litígio2

CAPÍTULO IV DAS FUNÇ?ES ESSENCIAIS A EUSTIÇA SEÇÃO I DO MINISTIRIO P>BLICO

Art. 1%4 - $ 4inistério ,3blico é instituiç#o permanente, essencial = !unç#o urisdicional do Estado, incumbindo-l"e a de!esa da ordem urídica, do regime democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis2 2 1º ) %#o princípios institucionais do 4inistério ,3blico a unidade, a indivisibilidade e a independ<ncia !uncional2

KC

2 %º ) Ao 4inistério ,3blico é assegurada autonomia !uncional e

administrativa, podendo, observado o disposto no art. 136, propor ao ,oder /egislativo a criaç#o e extinç#o de seus cargos e serviços auxiliares, provendo-os por concurso p3blico de provas ou de provas e títulos, a política remuneratória e os planos de carreira6 a lei disporá sobre sua organi:aç#o e !uncionamento2 2 &º ) $ 4inistério ,3blico elaborará sua proposta orçamentária dentro dos limites estabelecidos na lei de diretri:es orçamentárias2 Art. 1%0 - $ 4inistério ,3blico abrange5 I - o 4inistério ,3blico da (ni#o, 7ue compreende5 a, o 4inistério ,3blico 0ederal6 -, o 4inistério ,3blico do &rabal"o6 $, o 4inistério ,3blico 4ilitar6 ., o 4inistério ,3blico do Distrito 0ederal e &erritórios6 II - os 4inistérios ,3blicos dos Estados2 2 1º ) $ 4inistério ,3blico da (ni#o tem por c"e!e o ,rocurador-Deral da +ep3blica, nomeado pelo ,residente da +ep3blica dentre integrantes da carreira, maiores de trinta e cinco anos, após a aprovaç#o de seu nome pela maioria absoluta dos membros do %enado 0ederal, para mandato de dois anos, permitida a reconduç#o2 2 %º ) A destituiç#o do ,rocurador-Deral da +ep3blica, por iniciativa do ,residente da +ep3blica, deverá ser precedida de autori:aç#o da maioria absoluta do %enado 0ederal2 2 &º ) $s 4inistérios ,3blicos dos Estados e o do Distrito 0ederal e &erritórios !ormar#o lista tríplice dentre integrantes da carreira, na !orma da lei respectiva, para escol"a de seu ,rocurador-Deral, 7ue será nomeado pelo C"e!e do ,oder Executivo, para mandato de dois anos, permitida uma reconduç#o2 2 'º ) $s ,rocuradores-Derais nos Estados e no Distrito 0ederal e &erritórios poder#o ser destituídos por deliberaç#o da maioria absoluta do ,oder /egislativo, na !orma da lei complementar respectiva2

2 +º ) /eis complementares da (ni#o e dos Estados, cu a iniciativa é !acultada aos respectivos ,rocuradores-Derais, estabelecer#o a organi:aç#o, as atribuiç;es e o estatuto de cada 4inistério ,3blico, observadas, relativamente a seus membros5 I - as seguintes garantias5 a, vitaliciedade, após dois anos de exercício, n#o podendo perder o cargo sen#o por sentença udicial transitada em ulgado6 -, inamovibilidade, salvo por motivo de interesse p3blico, mediante decis#o do órg#o colegiado competente do 4inistério ,3blico, por voto de dois terços de seus membros, assegurada ampla de!esa6
KE

$, irredutibilidade de subsídio, !ixado na !orma do art. &61 2 'º, e

ressalvado o disposto nos art5. &41 ( / (I, 1+71 II, 1+&1 III, 1+&1 2 %º1 I6 II - as seguintes vedaç;es5 a, receber, a 7ual7uer título e sob 7ual7uer pretexto, "onorários, percentagens ou custas processuais6 -, exercer a advocacia6 $, participar de sociedade comercial, na !orma da lei6 ., exercer, ainda 7ue em disponibilidade, 7ual7uer outra !unç#o p3blica, salvo uma de magistério6 /, exercer atividade político-partidária, salvo exceç;es previstas na lei2 Art. 1%6 - %#o !unç;es institucionais do 4inistério ,3blico5 I - promover, privativamente, a aç#o penal p3blica, na !orma da lei6 II - :elar pelo e!etivo respeito dos ,oderes ,3blicos e dos serviços de relev>ncia p3blica aos direitos assegurados nesta Constituiç#o, promovendo as medidas necessárias a sua garantia6 III - promover o in7uérito civil e a aç#o civil p3blica, para a proteç#o do patrim8nio p3blico e social, do meio ambiente e de outros interesses di!usos e coletivos6

IV - promover a aç#o de inconstitucionalidade ou representaç#o para !ins de intervenç#o da (ni#o e dos Estados, nos casos previstos nesta Constituiç#o6 V - de!ender udicialmente os direitos e interesses das populaç;es indígenas6 VI - expedir noti!icaç;es nos procedimentos administrativos de sua compet<ncia, re7uisitando in!ormaç;es e documentos para instruí-los, na !orma da lei complementar respectiva6 VII - exercer o controle externo da atividade policial, na !orma da lei complementar mencionada no art#g a"t/r# r6 VIII - re7uisitar dilig<ncias investigatórias e a instauraç#o de in7uérito policial, indicados os !undamentos processuais6 I( - exercer outras !unç;es 7ue l"e !orem con!eridas, desde 7ue compatíveis com sua !inalidade, sendo-l"e vedada a representaç#o udicial e a consultoria urídica de entidades p3blicas2 2 1º ) A legitimaç#o do 4inistério ,3blico para as aç;es civis previstas neste artigo n#o impede a de terceiros, nas mesmas "ipóteses, segundo o disposto nesta Constituiç#o e na lei2 2 %º ) As !unç;es de 4inistério ,3blico só podem ser exercidas por integrantes da carreira, 7ue dever#o residir na comarca da respectiva lotaç#o2 2 &º ) $ ingresso na carreira !ar-se-á mediante concurso p3blico de provas e títulos, assegurada participaç#o da $rdem dos Advogados do .rasil em sua reali:aç#o, e observada, nas nomeaç;es, a ordem de classi!icaç#o2 2 'º ) Aplica-se ao 4inistério ,3blico, no 7ue couber, o disposto no art. 6&1 II e VI2 Art. 1&7 - Aos membros do 4inistério ,3blico unto aos &ribunais de Contas aplicam-se as disposiç;es desta seç#o pertinentes a direitos, vedaç;es e !orma de investidura2 urídicos de suas mani!estaç;es

SEÇÃO II DA ADVOCACIA P>BLICA

Art. 1&1 - A Advocacia-Deral da (ni#o é a instituiç#o 7ue, diretamente ou através de órg#o vinculado, representa a (ni#o, udicial e extra udicialmente, cabendo-l"e, nos termos da lei complementar 7ue dispuser sobre sua organi:aç#o e !uncionamento, as atividades de consultoria e assessoramento urídico do ,oder Executivo2 2 1º ) A Advocacia-Deral da (ni#o tem por c"e!e o Advogado-Deral da (ni#o, de livre nomeaç#o pelo ,residente da +ep3blica dentre cidad#os maiores de trinta e cinco anos, de notável saber urídico e reputaç#o ilibada2 2 %º ) $ ingresso nas classes iniciais das carreiras da instituiç#o de 7ue trata este artigo !ar-se-á mediante concurso p3blico de provas e títulos2 2 &º ) Na execuç#o da dívida ativa de nature:a tributária, a representaç#o da (ni#o cabe = ,rocuradoria-Deral da 0a:enda Nacional, observado o disposto em lei2
KH

Art. 1&% - $s ,rocuradores dos Estados e do Distrito 0ederal, organi:ados em

carreira, na 7ual o ingresso dependerá de concurso p3blico de provas e títulos, com a participaç#o da $rdem dos Advogados do .rasil em todas as suas !ases, exercer#o a representaç#o udicial e a consultoria urídica das respectivas unidades !ederadas2 Parágraf !"#$ - Aos procuradores re!eridos neste artigo é assegurada

estabilidade após tr<s anos de e!etivo exercício, mediante avaliaç#o de desempen"o perante os órg#os próprios, após relatório circunstanciado das corregedorias2

SEÇÃO III DA ADVOCACIA E DA DEFENSORIA P>BLICA

Art. 1&& - $ advogado é indispensável = administraç#o da ustiça, sendo inviolável por seus atos e mani!estaç;es no exercício da pro!iss#o, nos limites da lei2 Art. 1&' - A De!ensoria ,3blica é instituiç#o essencial = !unç#o urisdicional do Estado, incumbindo-l"e a orientaç#o urídica e a de!esa, em todos os graus, dos necessitados, na !orma do art. +º1 L((IV2 Parágraf !"#$ ) /ei complementar organi:ará a De!ensoria ,3blica da

(ni#o e do Distrito 0ederal e dos &erritórios e prescreverá normas gerais para sua organi:aç#o nos Estados, em cargos de carreira, providos, na classe inicial, mediante concurso p3blico de provas e títulos, assegurada a seus integrantes a garantia da inamovibilidade e vedado o exercício da advocacia !ora das atribuiç;es institucionais2
KI

Art. 1&+ - $s servidores integrantes das carreiras disciplinadas nas S/JK/5 II e

III deste Capítulo ser#o remunerados na !orma do art. &61 2 'º2

TÍTULO V DA DEFESA DO ESTADO E DAS INSTITUIÇ?ES DEMOCRBTICAS CAPÍTULO I DO ESTADO DE DEFESA E DO ESTADO DE SÍTIO SEÇÃO I DO ESTADO DE DEFESA

Art. 1&3 - $ ,residente da +ep3blica pode, ouvidos o Consel"o da +ep3blica e o Consel"o de De!esa Nacional, decretar estado de de!esa para preservar ou prontamente restabelecer, em locais restritos e determinados, a ordem p3blica ou a pa: social ameaçadas por grave e iminente instabilidade institucional ou atingidas por calamidades de grandes proporç;es na nature:a2

2 1º ) $ decreto 7ue instituir o estado de de!esa determinará o tempo de sua duraç#o, especi!icará as áreas a serem abrangidas e indicará, nos termos e limites da lei, as medidas coercitivas a vigorarem, dentre as seguintes5 I - restriç;es aos direitos de5 a, reuni#o, ainda 7ue exercida no seio das associaç;es6 -, sigilo de correspond<ncia6 $, sigilo de comunicaç#o telegrá!ica e tele!8nica6 II - ocupaç#o e uso temporário de bens e serviços p3blicos, na "ipótese de calamidade p3blica, respondendo a (ni#o pelos danos e custos decorrentes2 2 %º ) $ tempo de duraç#o do estado de de!esa n#o será superior a trinta dias, podendo ser prorrogado uma ve:, por igual período, se persistirem as ra:;es 7ue usti!icaram a sua decretaç#o2 2 &º ) Na vig<ncia do estado de de!esa5 I - a pris#o por crime contra o Estado, determinada pelo executor da medida, será por este comunicada imediatamente ao ui: competente, 7ue a relaxará, se n#o !or legal, !acultado ao preso re7uerer exame de corpo de delito = autoridade policial6 II - a comunicaç#o será acompan"ada de declaraç#o, pela autoridade, do estado !ísico e mental do detido no momento de sua autuaç#o6 III - a pris#o ou detenç#o de 7ual7uer pessoa n#o poderá ser superior a de: dias, salvo 7uando autori:ada pelo ,oder 9udiciário6 IV - é vedada a incomunicabilidade do preso2 2 'º ) Decretado o estado de de!esa ou sua prorrogaç#o, o ,residente da +ep3blica, dentro de vinte e 7uatro "oras, submeterá o ato com a respectiva usti!icaç#o ao Congresso Nacional, 7ue decidirá por maioria absoluta2 2 +º ) %e o Congresso Nacional estiver em recesso, será convocado, extraordinariamente, no pra:o de cinco dias2

2 3º ) $ Congresso Nacional apreciará o decreto dentro de de: dias contados de seu recebimento, devendo continuar !uncionando en7uanto vigorar o estado de de!esa2 2 4º ) +e eitado o decreto, cessa imediatamente o estado de de!esa2

SEÇÃO II DO ESTADO DE SÍTIO

Art. 1&4 - $ ,residente da +ep3blica pode, ouvidos o Consel"o da +ep3blica e o Consel"o de De!esa Nacional, solicitar ao Congresso Nacional autori:aç#o para decretar o estado de sítio nos casos de5 I - comoç#o grave de repercuss#o nacional ou ocorr<ncia de !atos 7ue comprovem a ine!icácia de medida tomada durante o estado de de!esa6 II - declaraç#o de estado de guerra ou resposta a agress#o armada estrangeira2 Parágraf !"#$ ) $ ,residente da +ep3blica, ao solicitar autori:aç#o para

decretar o estado de sítio ou sua prorrogaç#o, relatará os motivos determinantes do pedido, devendo o Congresso Nacional decidir por maioria absoluta2 Art. 1&0 - $ decreto do estado de sítio indicará sua duraç#o, as normas necessárias a sua execuç#o e as garantias constitucionais 7ue !icar#o suspensas, e, depois de publicado, o ,residente da +ep3blica designará o executor das medidas especí!icas e as áreas abrangidas2 2 1º ) $ estado de sítio, no caso do art. 1&41 I, n#o poderá ser decretado por mais de trinta dias, nem prorrogado, de cada ve:, por pra:o superior6 no do #"$#5 II, poderá ser decretado por todo o tempo 7ue perdurar a guerra ou a agress#o armada estrangeira2 2 %º ) %olicitada autori:aç#o para decretar o estado de sítio durante o recesso parlamentar, o ,residente do %enado 0ederal, de imediato, convocará

extraordinariamente o Congresso Nacional para se reunir dentro de cinco dias, a !im de apreciar o ato2 2 &º ) $ Congresso Nacional permanecerá em !uncionamento até o término das medidas coercitivas2 Art. 1&6 - Na vig<ncia do estado de sítio decretado com !undamento no art. 1&41 I, só poder#o ser tomadas contra as pessoas as seguintes medidas5 I - obrigaç#o de perman<ncia em localidade determinada6 II - detenç#o em edi!ício n#o destinado a acusados ou condenados por crimes comuns6 III - restriç;es relativas = inviolabilidade da correspond<ncia, ao sigilo das comunicaç;es, = prestaç#o de in!ormaç;es e = liberdade de imprensa, radiodi!us#o e televis#o, na !orma da lei6 IV - suspens#o da liberdade de reuni#o6 V - busca e apreens#o em domicílio6 VI - intervenç#o nas empresas de serviços p3blicos6 VII - re7uisiç#o de bens2 Parágraf !"#$ ) N#o se inclui nas restriç;es do #"$#5 III a di!us#o de

pronunciamentos de parlamentares e!etuados em suas Casas /egislativas, desde 7ue liberada pela respectiva 4esa2

SEÇÃO III DISPOSIÇ?ES *ERAIS

Art. 1'7 - A 4esa do Congresso Nacional, ouvidos os líderes partidários, designará Comiss#o composta de cinco de seus membros para acompan"ar e !iscali:ar a execuç#o das medidas re!erentes ao estado de de!esa e ao estado de sítio2 Art. 1'1 - Cessado o estado de de!esa ou o estado de sítio, cessar#o também seus e!eitos, sem pre uí:o da responsabilidade pelos ilícitos cometidos por seus executores ou agentes2

Parágraf !"#$ ) /ogo 7ue cesse o estado de de!esa ou o estado de sítio, as medidas aplicadas em sua vig<ncia ser#o relatadas pelo ,residente da +ep3blica, em mensagem ao Congresso Nacional, com especi!icaç#o e usti!icaç#o das provid<ncias adotadas, com relaç#o nominal dos atingidos, e indicaç#o das restriç;es aplicadas2

CAPÍTULO II DAS FORÇAS ARMADAS

Art. 1'% - As 0orças Armadas, constituídas pela 4arin"a, pelo Exército e pela Aeronáutica, s#o instituiç;es nacionais permanentes e regulares, organi:adas com base na "ierar7uia e na disciplina, sob a autoridade suprema do ,residente da +ep3blica, e destinam-se = de!esa da ,átria, = garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de 7ual7uer destes, da lei e da ordem2 2 1º ) /ei complementar estabelecerá as normas gerais a serem adotadas na organi:aç#o, no preparo e no emprego das 0orças Armadas2 2 %º ) N#o caberá habeas corpus em relaç#o a puniç;es disciplinares militares2 2 &º - $s membros das 0orças Armadas s#o denominados militares, aplicando-se-l"es, além das 7ue vierem a ser !ixadas em lei, as seguintes disposiç;es5 I - as patentes, com prerrogativas, direitos e deveres a elas inerentes, s#o con!eridas pelo ,residente da +ep3blica e asseguradas em plenitude aos o!iciais da ativa, da reserva ou re!ormados, sendo-l"es privativos os títulos e postos militares e, untamente com os demais membros, o uso dos uni!ormes das 0orças Armadas6 II - o militar em atividade 7ue tomar posse em cargo ou emprego p3blico civil permanente será trans!erido para a reserva, nos termos da lei6 III - o militar da ativa 7ue, de acordo com a lei, tomar posse em cargo, emprego ou !unç#o p3blica civil temporária, n#o eletiva, ainda 7ue da administraç#o indireta, !icará agregado ao respectivo 7uadro e somente

poderá, en7uanto permanecer nessa situaç#o, ser promovido por antig@idade, contando-se-l"e o tempo de serviço apenas para a7uela promoç#o e trans!er<ncia para a reserva, sendo depois de dois anos de a!astamento, contínuos ou n#o, trans!erido para a reserva, nos termos da lei6 IV - ao militar s#o proibidas a sindicali:aç#o e a greve6 V - o militar, en7uanto em serviço ativo, n#o pode estar !iliado a partidos políticos6 VI - o o!icial só perderá o posto e a patente se !or ulgado indigno do o!icialato ou com ele incompatível, por decis#o de tribunal militar de caráter permanente, em tempo de pa:, ou de tribunal especial, em tempo de guerra6 VII - o o!icial condenado na ustiça comum ou militar a pena privativa de liberdade superior a dois anos, por sentença transitada em ulgado, será submetido ao ulgamento previsto no inciso anterior6 VIII - aplica-se aos militares o disposto no art. 4º1 #"$#5 5 VIII1 (II1 (VII1 (VIII1 (I( e ((V e no art. &41 #"$#5 5 (I1 (III1 (IV / (V6
KJ

I( - aplica-se aos militares e a seus pensionistas o disposto no art2 EM, PP

JN e KN6 ( - a lei disporá sobre o ingresso nas 0orças Armadas, os limites de idade, a estabilidade e outras condiç;es de trans!er<ncia do militar para a inatividade, os direitos, os deveres, a remuneraç#o, as prerrogativas e outras situaç;es especiais dos militares, consideradas as peculiaridades de suas atividades, inclusive a7uelas cumpridas por !orça de compromissos internacionais e de guerra2 * § &º acrescentado pela Emenda Constitucional nº 18, de $e%ereiro de 1998. Art. 1'& - $ serviço militar é obrigatório nos termos da lei2 2 1º ) Ts 0orças Armadas compete, na !orma da lei, atribuir serviço alternativo aos 7ue, em tempo de pa:, após alistados, alegarem imperativo de de

consci<ncia, entendendo-se como tal o decorrente de crença religiosa e de convicç#o !ilosó!ica ou política, para se eximirem de atividades de caráter essencialmente militar2 2 %º ) As mul"eres e os eclesiásticos !icam isentos do serviço militar obrigatório em tempo de pa:, su eitos, porém, a outros encargos 7ue a lei l"es atribuir2

CAPÍTULO III DA SE*URANÇA P>BLICA

Art. 1'' - A segurança p3blica, dever do Estado, direito e responsabilidade de todos, é exercida para a preservaç#o da ordem p3blica e da incolumidade das pessoas e do patrim8nio, através dos seguintes órg#os5 I - polícia !ederal6 II - polícia rodoviária !ederal6 III - polícia !erroviária !ederal6 IV - polícias civis6 V - polícias militares e corpos de bombeiros militares2
KK

2 1º ) A polícia !ederal, instituída por lei como órg#o permanente, organi:ado

e mantido pela (ni#o e estruturado em carreira, destina-se a5 I - apurar in!raç;es penais contra a ordem política e social ou em detrimento de bens, serviços e interesses da (ni#o ou de suas entidades autár7uicas e empresas p3blicas, assim como outras in!raç;es cu a prática ten"a repercuss#o interestadual ou internacional e exi a repress#o uni!orme, segundo se dispuser em lei6 II - prevenir e reprimir o trá!ico ilícito de entorpecentes e drogas a!ins, o contrabando e o descamin"o, sem pre uí:o da aç#o !a:endária e de outros órg#os p3blicos nas respectivas áreas de compet<ncia6
KL

III - exercer as !unç;es de polícia marítima, aeroportuária e de !ronteiras6

IV - exercer, com exclusividade, as !unç;es de polícia udiciária da (ni#o2

LM

2 %º ) A polícia rodoviária !ederal, órg#o permanente, organi:ado e mantido

pela (ni#o e estruturado em carreira, destina-se, na !orma da lei, ao patrul"amento ostensivo das rodovias !ederais2
L?

2 &º ) A polícia !erroviária !ederal, órg#o permanente, organi:ado e mantido

pela (ni#o e estruturado em carreira, destina-se, na !orma da lei, ao patrul"amento ostensivo das !errovias !ederais2 2 'º ) Ts polícias civis, dirigidas por delegados de polícia de carreira, incumbem, ressalvada a compet<ncia da (ni#o, as !unç;es de polícia udiciária e a apuraç#o de in!raç;es penais, exceto as militares2 2 +º ) Ts polícias militares cabem a polícia ostensiva e a preservaç#o da ordem p3blica6 aos corpos de bombeiros militares, além das atribuiç;es de!inidas em lei, incumbe a execuç#o de atividades de de!esa civil2 2 3º ) As polícias militares e corpos de bombeiros militares, !orças auxiliares e reserva do Exército, subordinam-se, untamente com as polícias civis, aos Dovernadores dos Estados, do Distrito 0ederal e dos &erritórios2 2 4º ) A lei disciplinará a organi:aç#o e o !uncionamento dos órg#os responsáveis pela segurança p3blica, de maneira a garantir a e!ici<ncia de suas atividades2 2 0º ) $s 4unicípios poder#o constituir guardas municipais destinadas = proteç#o de seus bens, serviços e instalaç;es, con!orme dispuser a lei2 2 6º - A remuneraç#o dos servidores policiais integrantes dos órg#os relacionados neste artigo será !ixada na !orma do 2 'º . art. &62 * § 9º acrescentado pela Emenda Constitucional nº 19, de 4 de junho de 1998.

TÍTULO VI DA TRIBUTAÇÃO E DO ORÇAMENTO

CAPÍTULO I DO SISTEMA TRIBUTBRIO NACIONAL SEÇÃO I DOS PRINCÍPIOS *ERAIS

Art. 1'+ - A (ni#o, os Estados, o Distrito 0ederal e os 4unicípios poder#o instituir os seguintes tributos5 I - impostos6 II - taxas, em ra:#o do exercício do poder de polícia ou pela utili:aç#o, e!etiva ou potencial, de serviços p3blicos especí!icos e divisíveis, prestados ao contribuinte ou postos a sua disposiç#o6 III - contribuiç#o de mel"oria, decorrente de obras p3blicas2 2 1º ) %empre 7ue possível, os impostos ter#o caráter pessoal e ser#o graduados segundo a capacidade econ8mica do contribuinte, !acultado = administraç#o tributária, especialmente para con!erir e!etividade a esses ob etivos, identi!icar, respeitados os direitos individuais e nos termos da lei, o patrim8nio, os rendimentos e as atividades econ8micas do contribuinte2 2 %º ) As taxas n#o poder#o ter base de cálculo própria de impostos2 Art. 1'3 - Cabe = lei complementar5 I - dispor sobre con!litos de compet<ncia, em matéria tributária, entre a (ni#o, os Estados, o Distrito 0ederal e os 4unicípios6 II - regular as limitaç;es constitucionais ao poder de tributar6 III - estabelecer normas gerais em matéria de legislaç#o tributária, especialmente sobre5 a, de!iniç#o de tributos e de suas espécies, bem como, em relaç#o aos impostos discriminados nesta Constituiç#o, a dos respectivos !atos geradores, bases de cálculo e contribuintes6 -, obrigaç#o, lançamento, crédito, prescriç#o e decad<ncia tributários6

$, ade7uado tratamento tributário ao ato cooperativo praticado pelas sociedades cooperativas2 Art. 1'4 - Competem = (ni#o, em &erritório 0ederal, os impostos estaduais e, se o &erritório n#o !or dividido em 4unicípios, cumulativamente, os impostos municipais6 ao Distrito 0ederal cabem os impostos municipais2 Art. 1'0 - A (ni#o, mediante lei complementar, poderá instituir empréstimos compulsórios5 I - para atender a despesas extraordinárias, decorrentes de calamidade p3blica, de guerra externa ou sua imin<ncia6 II - no caso de investimento p3blico de caráter urgente e de relevante interesse nacional, observado o disposto no art. 1+71 III1 "2 Parágraf !"#$ ) A aplicaç#o dos recursos provenientes de empréstimo

compulsório será vinculada = despesa 7ue !undamentou sua instituiç#o2 Art. 1'6 - Compete exclusivamente = (ni#o instituir contribuiç;es sociais, de intervenç#o no domínio econ8mico e de interesse das categorias pro!issionais ou econ8micas, como instrumento de sua atuaç#o nas respectivas áreas, observado o disposto nos art5. 1'31 III, e 1+71 I e III, e sem pre uí:o do previsto no art. 16+1 2 3º, relativamente =s contribuiç;es a 7ue alude o dispositivo2 Parágraf !"#$ ) $s Estados, o Distrito 0ederal e os 4unicípios poder#o

instituir contribuiç#o, cobrada de seus servidores, para o custeio, em bene!ício destes, de sistemas de previd<ncia e assist<ncia social2

SEÇÃO II DAS LIMITAÇ?ES DO PODER DE TRIBUTAR

Art. 1+7 - %em pre uí:o de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado = (ni#o, aos Estados, ao Distrito 0ederal e aos 4unicípios5 I - exigir ou aumentar tributo sem lei 7ue o estabeleça6 II - instituir tratamento desigual entre contribuintes 7ue se encontrem em situaç#o e7uivalente, proibida 7ual7uer distinç#o em ra:#o de ocupaç#o

pro!issional

ou

!unç#o

por

eles

exercida,

independentemente

da

denominaç#o urídica dos rendimentos, títulos ou direitos6 III - cobrar tributos5 a, em relaç#o a !atos geradores ocorridos antes do início da vig<ncia da lei 7ue os "ouver instituído ou aumentado6 -, no mesmo exercício !inanceiro em 7ue "a a sido publicada a lei 7ue os instituiu ou aumentou6 IV - utili:ar tributo com e!eito de con!isco6 V - estabelecer limitaç;es ao trá!ego de pessoas ou bens, por meio de tributos interestaduais ou intermunicipais, ressalvada a cobrança de pedágio pela utili:aç#o de vias conservadas pelo ,oder ,3blico6 VI - instituir impostos sobre5 a, patrim8nio, renda ou serviços, uns dos outros6 -, templos de 7ual7uer culto6 $, patrim8nio, renda ou serviços dos partidos políticos, inclusive suas !undaç;es, das entidades sindicais dos trabal"adores, das instituiç;es de educaç#o e de assist<ncia social, sem !ins lucrativos, atendidos os re7uisitos da lei6 ., livros, ornais, periódicos e o papel destinado a sua impress#o2 2 1º ) A vedaç#o do #"$#5 III1 ", n#o se aplica aos impostos previstos nos

art5. 1+&1 I1 II1 IV / V, e 1+'1 II2 2 %º ) A vedaç#o do #"$#5 VI1 a, é extensiva =s autar7uias e =s !undaç;es

instituídas e mantidas pelo ,oder ,3blico, no 7ue se re!ere ao patrim8nio, = renda e aos serviços, vinculados a suas !inalidades essenciais ou =s delas decorrentes2 2 &º ) As vedaç;es do #"$#5 VI1 a, e do :arágraf a"t/r# r n#o se aplicam ao patrim8nio, = renda e aos serviços, relacionados com exploraç#o de atividades econ8micas regidas pelas normas aplicáveis a empreendimentos privados, ou em 7ue "a a contraprestaç#o ou pagamento de preços ou tari!as pelo usuário,

nem exonera o promitente comprador da obrigaç#o de pagar imposto relativamente ao bem imóvel2 2 'º ) As vedaç;es expressas no #"$#5 VI, a=;"/a5 " / c, compreendem

somente o patrim8nio, a renda e os serviços, relacionados com as !inalidades essenciais das entidades nelas mencionadas2 2 +º ) A lei determinará medidas para 7ue os consumidores se am esclarecidos acerca dos impostos 7ue incidam sobre mercadorias e serviços2 2 3º ) Uual7uer subsídio ou isenç#o, reduç#o de base de cálculo, concess#o de crédito presumido, anistia ou remiss#o, relativo a impostos, taxas ou contribuiç;es, só poderá ser concedido mediante lei especí!ica, !ederal, estadual ou municipal, 7ue regule exclusivamente as matérias acima enumeradas ou o correspondente tributo ou contribuiç#o, sem pre uí:o do disposto no art. 1++1 2 %º1 (II1 (2 2 4º - A lei poderá atribuir a su eito passivo de obrigaç#o tributária a condiç#o de responsável pelo pagamento de imposto ou contribuiç#o, cu o !ato gerador deva ocorrer posteriormente, assegurada a imediata e pre!erencial restituiç#o da 7uantia paga, caso n#o se reali:e o !ato gerador presumido2 Art. 1+1 - B vedado = (ni#o5 I - instituir tributo 7ue n#o se a uni!orme em todo o território nacional ou 7ue impli7ue distinç#o ou pre!er<ncia em relaç#o a Estado, ao Distrito 0ederal ou a 4unicípio, em detrimento de outro, admitida a concess#o de incentivos !iscais destinados a promover o e7uilíbrio do desenvolvimento sócio-econ8mico entre as di!erentes regi;es do ,aís6 II - tributar a renda das obrigaç;es da dívida p3blica dos Estados, do Distrito 0ederal e dos 4unicípios, bem como a remuneraç#o e os proventos dos respectivos agentes p3blicos, em níveis superiores aos 7ue !ixar para suas obrigaç;es e para seus agentes6 III - instituir isenç;es de tributos da compet<ncia dos Estados, do Distrito 0ederal ou dos 4unicípios2

Art. 1+% - B vedado aos Estados, ao Distrito 0ederal e aos 4unicípios estabelecer di!erença tributária entre bens e serviços, de 7ual7uer nature:a, em ra:#o de sua proced<ncia ou destino2

SEÇÃO III DOS IMPOSTOS DA UNIÃO

Art. 1+& - Compete = (ni#o instituir impostos sobre5 I - importaç#o de produtos estrangeiros6 II - exportaç#o, para o exterior, de produtos nacionais ou nacionali:ados6 III - renda e proventos de 7ual7uer nature:a6 IV - produtos industriali:ados6 V - operaç;es de crédito, c>mbio e seguro, ou relativas a títulos ou valores mobiliários6 VI - propriedade territorial rural6 VII - grandes !ortunas, nos termos de lei complementar2 2 1º ) B !acultado ao ,oder Executivo, atendidas as condiç;es e os limites estabelecidos em lei, alterar as alí7uotas dos impostos enumerados nos #"$#5 5 I, II, IV / V2 2 %º ) $ imposto previsto no #"$#5 III5 I - será in!ormado pelos critérios da generalidade, da universalidade e da progressividade, na !orma da lei6 II - n#o incidirá, nos termos e limites !ixados em lei, sobre rendimentos provenientes de aposentadoria e pens#o, pagos pela previd<ncia social da (ni#o, dos Estados, do Distrito 0ederal e dos 4unicípios, a pessoa com idade superior a sessenta e cinco anos, cu a renda total se a constituída, exclusivamente, de rendimentos do trabal"o2 * )nciso )) re%o(ado pelo art. 17 da Emenda Constitucional nº 20 de 1 de *e!em"ro de 1998.

2 &º ) $ imposto previsto no #"$#5 IV5 I - será seletivo, em !unç#o da essencialidade do produto6 II - será n#o-cumulativo, compensando-se o 7ue !or devido em cada operaç#o com o montante cobrado nas anteriores6 III - n#o incidirá sobre produtos industriali:ados destinados ao exterior2 2 'º ) $ imposto previsto no #"$#5 VI terá suas alí7uotas !ixadas de !orma a desestimular a manutenç#o de propriedades improdutivas e n#o incidirá sobre pe7uenas glebas rurais, de!inidas em lei, 7uando as explore, só ou com sua !amília, o proprietário 7ue n#o possua outro imóvel2 2 +º ) $ ouro, 7uando de!inido em lei como ativo !inanceiro ou instrumento cambial, su eita-se exclusivamente = incid<ncia do imposto de 7ue trata o #"$#5 V . caput ./5t/ art#g , devido na operaç#o de origem6 a alí7uota mínima será de um por cento, assegurada a trans!er<ncia do montante da arrecadaç#o nos seguintes termos5 I - trinta por cento para o Estado, o Distrito 0ederal ou o &erritório, con!orme a origem6 II - setenta por cento para o 4unicípio de origem2 Art. 1+' - A (ni#o poderá instituir5 I - mediante lei complementar, impostos n#o previstos no art#g a"t/r# r, desde 7ue se am n#o-cumulativos e n#o ten"am !ato gerador ou base de cálculo próprios dos discriminados nesta Constituiç#o6 II - na imin<ncia ou no caso de guerra externa, impostos extraordinários, compreendidos ou n#o em sua compet<ncia tributária, os 7uais ser#o suprimidos, gradativamente, cessadas as causas de sua criaç#o2 SEÇÃO IV DOS IMPOSTOS DOS ESTADOS E DO DISTRITO FEDERAL

Art. 1++ - Compete aos Estados e ao Distrito 0ederal instituir impostos sobre5 I - transmiss#o causa mortis e doaç#o, de 7uais7uer bens ou direitos6

II - operaç;es relativas = circulaç#o de mercadorias e sobre prestaç;es de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicaç#o, ainda 7ue as operaç;es e as prestaç;es se iniciem no exterior6 III - propriedade de veículos automotores6 2 1º ) $ imposto previsto no #"$#5 I5 I - relativamente a bens imóveis e respectivos direitos, compete ao Estado da situaç#o do bem, ou ao Distrito 0ederal6 II - relativamente a bens móveis, títulos e créditos, compete ao Estado onde se processar o inventário ou arrolamento, ou tiver domicílio o doador, ou ao Distrito 0ederal6 III - terá a compet<ncia para sua instituiç#o regulada por lei complementar5 a, se o doador tiver domicílio ou resid<ncia no exterior6 -, se o de cujus possuía bens, era residente ou domiciliado ou teve o seu inventário processado no exterior6 IV - terá suas alí7uotas máximas !ixadas pelo %enado 0ederal2 2 %º ) $ imposto previsto no #"$#5 II atenderá ao seguinte5 I - será n#o-cumulativo, compensando-se o 7ue !or devido em cada operaç#o relativa = circulaç#o de mercadorias ou prestaç#o de serviços com o montante cobrado nas anteriores pelo mesmo ou outro Estado ou pelo Distrito 0ederal6 II - a isenç#o ou n#o-incid<ncia, salvo determinaç#o em contrário da legislaç#o5 a, n#o implicará crédito para compensaç#o com o montante devido nas operaç;es ou prestaç;es seguintes6 -, acarretará a anulaç#o do crédito relativo =s operaç;es anteriores6 III - poderá ser seletivo, em !unç#o da essencialidade das mercadorias e dos serviços6 IV - resoluç#o do %enado 0ederal, de iniciativa do ,residente da +ep3blica ou de um terço dos %enadores, aprovada pela maioria absoluta de seus

membros, estabelecerá as alí7uotas aplicáveis =s operaç;es e prestaç;es, interestaduais e de exportaç#o6 V - é !acultado ao %enado 0ederal5 a, estabelecer alí7uotas mínimas nas operaç;es internas, mediante resoluç#o de iniciativa de um terço e aprovada pela maioria absoluta de seus membros6 -, !ixar alí7uotas máximas nas mesmas operaç;es para resolver con!lito especí!ico 7ue envolva interesse de Estados, mediante resoluç#o de iniciativa da maioria absoluta e aprovada por dois terços de seus membros6 VI - salvo deliberaç#o em contrário dos Estados e do Distrito 0ederal, nos termos do disposto no #"$#5 (II1 (, as alí7uotas internas, nas operaç;es relativas = circulaç#o de mercadorias e nas prestaç;es de serviços, n#o poder#o ser in!eriores =s previstas para as operaç;es interestaduais6 VII - em relaç#o =s operaç;es e prestaç;es 7ue destinem bens e serviços a consumidor !inal locali:ado em outro Estado, adotar-se-á5 a, a alí7uota interestadual, 7uando o destinatário !or contribuinte do imposto6 -, a alí7uota interna, 7uando o destinatário n#o !or contribuinte dele6 VIII - na "ipótese da a=;"/a a . alí7uota interna e a interestadual6 I( - incidirá também5 a, sobre a entrada de mercadoria importada do exterior, ainda 7uando se tratar de bem destinado a consumo ou ativo !ixo do estabelecimento, assim como sobre serviço prestado no exterior, cabendo o imposto ao Estado onde estiver situado o estabelecimento destinatário da mercadoria ou do serviço6 -, sobre o valor total da operaç#o, 7uando mercadorias !orem !ornecidas com serviços n#o compreendidos na compet<ncia tributária dos 4unicípios6 #"$#5 a"t/r# r, caberá ao Estado da locali:aç#o do destinatário o imposto correspondente = di!erença entre a

( - n#o incidirá5 a, sobre operaç;es 7ue destinem ao exterior produtos industriali:ados, excluídos os semi-elaborados de!inidos em lei complementar6 -, sobre operaç;es 7ue destinem a outros Estados petróleo, inclusive lubri!icantes, combustíveis lí7uidos e gasosos dele derivados, e energia elétrica6 $, sobre o ouro, nas "ipóteses de!inidas no art. 1+&1 2 +º6 (I - n#o compreenderá, em sua base de cálculo, o montante do imposto sobre produtos industriali:ados, 7uando a operaç#o, reali:ada entre contribuintes e relativa a produto destinado = industriali:aç#o ou = comerciali:aç#o, con!igure !ato gerador dos dois impostos6 (II - cabe = lei complementar5 a, de!inir seus contribuintes6 -, dispor sobre substituiç#o tributária6 $, disciplinar o regime de compensaç#o do imposto6 ., !ixar, para e!eito de sua cobrança e de!iniç#o do estabelecimento responsável, o local das operaç;es relativas = circulaç#o de mercadorias e das prestaç;es de serviços6 /, excluir da incid<ncia do imposto, nas exportaç;es para o exterior, serviços e outros produtos além dos mencionados no #"$#5 (, a6 f, prever casos de manutenç#o de crédito, relativamente = remessa para outro Estado e exportaç#o para o exterior, de serviços e de mercadorias6 g, regular a !orma como, mediante deliberaç#o dos Estados e do Distrito 0ederal, isenç;es, incentivos e bene!ícios !iscais ser#o concedidos e revogados2 2 &º ) T exceç#o dos impostos de 7ue tratam o #"$#5 II1 . caput ./5t/ art#g e o art. 1+&1 I / II, nen"um outro tributo poderá incidir sobre operaç;es relativas a energia elétrica, serviços de telecomunicaç;es, derivados de petróleo, combustíveis e minerais do ,aís2

SEÇÃO V DOS IMPOSTOS DOS MUNICÍPIOS

Art. 1+3 - Compete aos 4unicípios instituir impostos sobre5 I - propriedade predial e territorial urbana6 II - transmiss#o inter vivos, a 7ual7uer título, por ato oneroso, de bens imóveis, por nature:a ou acess#o !ísica, e de direitos reais sobre imóveis, exceto os de garantia, bem como cess#o de direitos a sua a7uisiç#o6 III - serviços de 7ual7uer nature:a, n#o compreendidos no art. 1++1 II, de!inidos em lei complementar6 IV - FRevogado pela Emenda Constitucional n.º %, de 1&-0%-1!!% G2 2 1º ) $ imposto previsto no #"$#5 I poderá ser progressivo, nos termos de lei municipal, de !orma a assegurar o cumprimento da !unç#o social da propriedade2 2 %º ) $ imposto previsto no #"$#5 II5 I - n#o incide sobre a transmiss#o de bens ou direitos incorporados ao patrim8nio de pessoa urídica em reali:aç#o de capital, nem sobre a transmiss#o de bens ou direitos decorrente de !us#o, incorporaç#o, cis#o ou extinç#o de pessoa urídica, salvo se, nesses casos, a atividade preponderante do ad7uirente !or a compra e venda desses bens ou direitos, locaç#o de bens imóveis ou arrendamento mercantil6 II - compete ao 4unicípio da situaç#o do bem2 2 &º - Em relaç#o ao imposto previsto no #"$#5 III, cabe = lei complementar5 I - !ixar as suas alí7uotas máximas6 II - excluir da sua incid<ncia exportaç;es de serviços para o exterior2 2 'º - FRevogado pela Emenda Constitucional n.º %, de 1&-0%-1!!% G2

SEÇÃO VI DA REPARTIÇÃO DAS RECEITAS TRIBUTBRIAS

Art. 1+4 - ,ertencem aos Estados e ao Distrito 0ederal5 I - o produto da arrecadaç#o do imposto da (ni#o sobre renda e proventos de 7ual7uer nature:a, incidente na !onte, sobre rendimentos pagos, a 7ual7uer título, por eles, suas autar7uias e pelas !undaç;es 7ue instituírem e mantiverem6 II - vinte por cento do produto da arrecadaç#o do imposto 7ue a (ni#o instituir no exercício da compet<ncia 7ue l"e é atribuída pelo art. 1+'1 I2 Art. 1+0 - ,ertencem aos 4unicípios5 I - o produto da arrecadaç#o do imposto da (ni#o sobre renda e proventos de 7ual7uer nature:a, incidente na !onte, sobre rendimentos pagos, a 7ual7uer título, por eles, suas autar7uias e pelas !undaç;es 7ue instituírem e mantiverem6 II - cin7@enta por cento do produto da arrecadaç#o do imposto da (ni#o sobre a propriedade territorial rural, relativamente aos imóveis neles situados6 III - cin7@enta por cento do produto da arrecadaç#o do imposto do Estado sobre a propriedade de veículos automotores licenciados em seus territórios6 IV - vinte e cinco por cento do produto da arrecadaç#o do imposto do Estado sobre operaç;es relativas = circulaç#o de mercadorias e sobre prestaç;es de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicaç#o2 Parágraf !"#$ ) As parcelas de receita pertencentes aos 4unicípios,

mencionadas no #"$#5 IV, ser#o creditadas con!orme os seguintes critérios5 I - tr<s 7uartos, no mínimo, na proporç#o do valor adicionado nas operaç;es relativas = circulaç#o de mercadorias e nas prestaç;es de serviços, reali:adas em seus territórios6

II - até um 7uarto, de acordo com o 7ue dispuser lei estadual ou, no caso dos &erritórios, lei !ederal2 Art. 1+6 - A (ni#o entregará5 I - do produto da arrecadaç#o dos impostos sobre renda e proventos de 7ual7uer nature:a e sobre produtos industriali:ados, 7uarenta e sete por cento na seguinte !orma5 a, vinte e um inteiros e cinco décimos por cento ao 0undo de ,articipaç#o dos Estados e do Distrito 0ederal6 -, vinte e dois inteiros e cinco décimos por cento ao 0undo de ,articipaç#o dos 4unicípios6 $, tr<s por cento, para aplicaç#o em programas de !inanciamento ao setor produtivo das +egi;es Norte, Nordeste e Centro-$este, através de suas instituiç;es !inanceiras de caráter regional, de acordo com os planos regionais de desenvolvimento, !icando assegurada ao semiárido do Nordeste a metade dos recursos destinados = +egi#o, na !orma 7ue a lei estabelecer6 II - do produto da arrecadaç#o do imposto sobre produtos industriali:ados, de: por cento aos Estados e ao Distrito 0ederal, proporcionalmente ao valor das respectivas exportaç;es de produtos industriali:ados2 2 1º ) ,ara e!eito de cálculo da entrega a ser e!etuada de acordo com o previsto no #"$#5 I, excluir-se-á a parcela da arrecadaç#o do imposto de renda e proventos de 7ual7uer nature:a pertencente aos Estados, ao Distrito 0ederal e aos 4unicípios, nos termos do disposto nos art5. 1+41 I, e 1+01 I2 2 %º ) A nen"uma unidade !ederada poderá ser destinada parcela superior a vinte por cento do montante a 7ue se re!ere o #"$#5 esses, o critério de partil"a nele estabelecido2 2 &º ) $s Estados entregar#o aos respectivos 4unicípios vinte e cinco por cento dos recursos 7ue receberem nos termos do #"$#5 critérios estabelecidos no art. 1+01 :arágraf !"#$ 1 I / II2 II, observados os II, devendo o eventual excedente ser distribuído entre os demais participantes, mantido, em relaç#o a

Art. 137 - B vedada a retenç#o ou 7ual7uer restriç#o = entrega e ao emprego dos recursos atribuídos, nesta seç#o, aos Estados, ao Distrito 0ederal e aos 4unicípios, neles compreendidos adicionais e acréscimos relativos a impostos2 Parágraf !"#$ - A vedaç#o prevista neste artigo n#o impede a (ni#o e os

Estados de condicionarem a entrega de recursos ao pagamento de seus créditos, inclusive de suas autar7uias2 Art. 131 - Cabe = lei complementar5 I - de!inir valor adicionado para !ins do disposto no art. 1+01 :arágraf !"#$ , I6 II - estabelecer normas sobre a entrega dos recursos de 7ue trata o art. 1+6, especialmente sobre os critérios de rateio dos !undos previstos em seu #"$#5 I, ob etivando promover o e7uilíbrio sócio-econ8mico entre Estados e entre 4unicípios6 III - dispor sobre o acompan"amento, pelos bene!iciários, do cálculo das 7uotas e da liberaç#o das participaç;es previstas nos art5. 1+4, 1+0 e 1+6. Parágraf !"#$ ) $ &ribunal de Contas da (ni#o e!etuará o cálculo das

7uotas re!erentes aos !undos de participaç#o a 7ue alude o #"$#5 II2 Art. 13% - A (ni#o, os Estados, o Distrito 0ederal e os 4unicípios divulgar#o, até o 3ltimo dia do m<s subse7@ente ao da arrecadaç#o, os montantes de cada um dos tributos arrecadados, os recursos recebidos, os valores de origem tributária entregues e a entregar e a express#o numérica dos critérios de rateio2 Parágraf !"#$ ) $s dados divulgados pela (ni#o ser#o discriminados por

Estado e por 4unicípio6 os dos Estados, por 4unicípio2

CAPÍTULO II DAS FINANÇAS P>BLICAS SEÇÃO I NORMAS *ERAIS

Art. 13& - /ei complementar disporá sobre5 I - !inanças p3blicas6 II - dívida p3blica externa e interna, incluída a das autar7uias, !undaç;es e demais entidades controladas pelo ,oder ,3blico6 III - concess#o de garantias pelas entidades p3blicas6 IV - emiss#o e resgate de títulos da dívida p3blica6 V - !iscali:aç#o das instituiç;es !inanceiras6 VI - operaç;es de c>mbio reali:adas por órg#os e entidades da (ni#o, dos Estados, do Distrito 0ederal e dos 4unicípios6 VII - compatibili:aç#o das !unç;es das instituiç;es o!iciais de crédito da (ni#o, resguardadas as características e condiç;es operacionais plenas das voltadas ao desenvolvimento regional2 Art. 13' - A compet<ncia da (ni#o para emitir moeda será exercida exclusivamente pelo banco central2 2 1º ) B vedado ao banco central conceder, direta ou indiretamente, empréstimos ao &esouro Nacional e a 7ual7uer órg#o ou entidade 7ue n#o se a instituiç#o !inanceira2 2 %º ) $ banco central poderá comprar e vender títulos de emiss#o do &esouro Nacional, com o ob etivo de regular a o!erta de moeda ou a taxa de uros2 2 &º ) As disponibilidades de caixa da (ni#o ser#o depositadas no banco central6 as dos Estados, do Distrito 0ederal, dos 4unicípios e dos órg#os ou entidades do ,oder ,3blico e das empresas por ele controladas, em instituiç;es !inanceiras o!iciais, ressalvados os casos previstos em lei2

SEÇÃO II DOS ORÇAMENTOS

Art. 13+ - /eis de iniciativa do ,oder Executivo estabelecer#o5 I - o plano plurianual6

II - as diretri:es orçamentárias6 III - os orçamentos anuais2 2 1º ) A lei 7ue instituir o plano plurianual estabelecerá, de !orma regionali:ada, as diretri:es, ob etivos e metas da administraç#o p3blica !ederal para as despesas de capital e outras delas decorrentes e para as relativas aos programas de duraç#o continuada2 2 %º ) A lei de diretri:es orçamentárias compreenderá as metas e prioridades da administraç#o p3blica !ederal, incluindo as despesas de capital para o exercício !inanceiro subse7@ente, orientará a elaboraç#o da lei orçamentária anual, disporá sobre as alteraç;es na legislaç#o tributária e estabelecerá a política de aplicaç#o das ag<ncias !inanceiras o!iciais de !omento2 2 &º ) $ ,oder Executivo publicará, até trinta dias após o encerramento de cada bimestre, relatório resumido da execuç#o orçamentária2 2 'º ) $s planos e programas nacionais, regionais e setoriais previstos nesta Constituiç#o ser#o elaborados em conson>ncia com o plano plurianual e apreciados pelo Congresso Nacional2 2 +º ) A lei orçamentária anual compreenderá5 I - o orçamento !iscal re!erente aos ,oderes da (ni#o, seus !undos, órg#os e entidades da administraç#o direta e indireta, inclusive !undaç;es instituídas e mantidas pelo ,oder ,3blico6 II - o orçamento de investimento das empresas em 7ue a (ni#o, direta ou indiretamente, deten"a a maioria do capital social com direito a voto6 III - o orçamento da seguridade social, abrangendo todas as entidades e órg#os a ela vinculados, da administraç#o direta ou indireta, bem como os !undos e !undaç;es instituídos e mantidos pelo ,oder ,3blico2 2 3º ) $ pro eto de lei orçamentária será acompan"ado de demonstrativo regionali:ado do e!eito, sobre as receitas e despesas, decorrente de isenç;es, anistias, remiss;es, subsídios e bene!ícios de nature:a !inanceira, tributária e creditícia2

2 4º ) $s orçamentos previstos no 2 +º1 I / II, ./5t/ art#g , compatibili:ados com o plano plurianual, ter#o entre suas !unç;es a de redu:ir desigualdades inter-regionais, segundo critério populacional2 2 0º ) A lei orçamentária anual n#o conterá dispositivo estran"o = previs#o da receita e = !ixaç#o da despesa, n#o se incluindo na proibiç#o a autori:aç#o para abertura de créditos suplementares e contrataç#o de operaç;es de crédito, ainda 7ue por antecipaç#o de receita, nos termos da lei2 2 6º ) Cabe = lei complementar5 I - dispor sobre o exercício !inanceiro, a vig<ncia, os pra:os, a elaboraç#o e a organi:aç#o do plano plurianual, da lei de diretri:es orçamentárias e da lei orçamentária anual6 II - estabelecer normas de gest#o !inanceira e patrimonial da administraç#o direta e indireta, bem como condiç;es para a instituiç#o e !uncionamento de !undos2 Art. 133 - $s pro etos de lei relativos ao plano plurianual, =s diretri:es orçamentárias, ao orçamento anual e aos créditos adicionais ser#o apreciados pelas duas Casas do Congresso Nacional, na !orma do regimento comum2 2 1º ) Caberá a uma Comiss#o mista permanente de %enadores e Deputados5 I - examinar e emitir parecer sobre os pro etos re!eridos neste artigo e sobre as contas apresentadas anualmente pelo ,residente da +ep3blica6 II - examinar e emitir parecer sobre os planos e programas nacionais, regionais e setoriais previstos nesta Constituiç#o e exercer o acompan"amento e a !iscali:aç#o orçamentária, sem pre uí:o da atuaç#o das demais comiss;es do Congresso Nacional e de suas Casas, criadas de acordo com o art. +02 2 %º ) As emendas ser#o apresentadas na Comiss#o mista, 7ue sobre elas emitirá parecer, e apreciadas, na !orma regimental, pelo ,lenário das duas Casas do Congresso Nacional2 2 &º ) As emendas ao pro eto de lei do orçamento anual ou aos pro etos 7ue o modi!i7uem somente podem ser aprovadas caso5

I - se am compatíveis com o plano plurianual e com a lei de diretri:es orçamentárias6 II - indi7uem os recursos necessários, admitidos apenas os provenientes de anulaç#o de despesa, excluídas as 7ue incidam sobre5 a, dotaç;es para pessoal e seus encargos6 -, serviço da dívida6 $, trans!er<ncias tributárias constitucionais para Estados, 4unicípios e Distrito 0ederal6 ou III - se am relacionadas5 a, com a correç#o de erros ou omiss;es6 ou -, com os dispositivos do texto do pro eto de lei2 2 'º ) As emendas ao pro eto de lei de diretri:es orçamentárias n#o poder#o ser aprovadas 7uando incompatíveis com o plano plurianual2 2 +º ) $ ,residente da +ep3blica poderá enviar mensagem ao Congresso Nacional para propor modi!icaç#o nos pro etos a 7ue se re!ere este artigo en7uanto n#o iniciada a votaç#o, na Comiss#o mista, da parte cu a alteraç#o é proposta2 2 3º ) $s pro etos de lei do plano plurianual, das diretri:es orçamentárias e do orçamento anual ser#o enviados pelo ,residente da +ep3blica ao Congresso Nacional, nos termos da lei complementar a 7ue se re!ere o art. 13+1 2 6º2 2 4º ) Aplicam-se aos pro etos mencionados neste artigo, no 7ue n#o contrariar o disposto nesta seç#o, as demais normas relativas ao processo legislativo2 2 0º ) $s recursos 7ue, em decorr<ncia de veto, emenda ou re eiç#o do pro eto de lei orçamentária anual, !icarem sem despesas correspondentes poder#o ser utili:ados, con!orme o caso, mediante créditos especiais ou suplementares, com prévia e especí!ica autori:aç#o legislativa2 Art. 134 - %#o vedados5 I - o início de programas ou pro etos n#o incluídos na lei orçamentária anual6

II - a reali:aç#o de despesas ou a assunç#o de obrigaç;es diretas 7ue excedam os créditos orçamentários ou adicionais6 III - a reali:aç#o de operaç;es de créditos 7ue excedam o montante das despesas de capital, ressalvadas as autori:adas mediante créditos suplementares ou especiais com !inalidade precisa, aprovados pelo ,oder /egislativo por maioria absoluta6 IV - a vinculaç#o de receita de impostos a órg#o, !undo ou despesa, ressalvadas a repartiç#o 7ue se re!erem do produto da arrecadaç#o dos impostos a os art5. 1+0 e 1+6, a destinaç#o de recursos para

manutenç#o e desenvolvimento do ensino, como determinado pelo art. %1%, e a prestaç#o de garantias =s operaç;es de crédito por antecipaç#o de receita, previstas no art. 13+1 2 0º, bem assim o disposto no 2 'º ./5t/ art#g 6 V - a abertura de crédito suplementar ou especial sem prévia autori:aç#o legislativa e sem indicaç#o dos recursos correspondentes6 VI - a transposiç#o, o remane amento ou a trans!er<ncia de recursos de uma categoria de programaç#o para outra ou de um órg#o para outro, sem prévia autori:aç#o legislativa6 VII - a concess#o ou utili:aç#o de créditos ilimitados6 VIII - a utili:aç#o, sem autori:aç#o legislativa especí!ica, de recursos dos orçamentos !iscal e da seguridade social para suprir necessidade ou cobrir dé!icit de empresas, !undaç;es e !undos, inclusive dos mencionados no art. 13+1 2 +º6 I( - a instituiç#o de !undos de 7ual7uer nature:a, sem prévia autori:aç#o legislativa6 ( - a trans!er<ncia voluntária de recursos e a concess#o de empréstimos, inclusive por antecipaç#o de receita, pelos Dovernos 0ederal e Estaduais e suas instituiç;es !inanceiras, para pagamento de despesas com pessoal ativo, inativo e pensionista, dos Estados, do Distrito 0ederal e dos 4unicípios2

* inciso + acrescentado pela Emenda Constitucional nº 19, de 4 de junho de 1998. (I - a utili:aç#o dos recursos provenientes das contribuiç;es sociais de 7ue trata o art2 ?LH, ', a, e '', para a reali:aç#o de despesas distintas do pagamento de bene!ícios do regime geral de previd<ncia social de 7ue trata o art2 AM?2 * inciso +) acrescentado pela Emenda Constitucional nº 19, de 4 de junho de 1998. 2 1º ) Nen"um investimento cu a execuç#o ultrapasse um exercício !inanceiro poderá ser iniciado sem prévia inclus#o no plano plurianual, ou sem lei 7ue autori:e a inclus#o, sob pena de crime de responsabilidade2 2 %º ) $s créditos especiais e extraordinários ter#o vig<ncia no exercício !inanceiro em 7ue !orem autori:ados, salvo se o ato de autori:aç#o !or promulgado nos 3ltimos 7uatro meses da7uele exercício, caso em 7ue, reabertos nos limites de seus saldos, ser#o incorporados ao orçamento do exercício !inanceiro subse7@ente2 2 &º ) A abertura de crédito extraordinário somente será admitida para atender a despesas imprevisíveis e urgentes, como as decorrentes de guerra, comoç#o interna ou calamidade p3blica, observado o disposto no art. 3%2 2 'º - B permitida a vinculaç#o de receitas próprias geradas pelos impostos a 7ue se re!erem os art5. 1++ e 1+3, e dos recursos de 7ue tratam os art5. 1+4, 1+0 e 1+61 I1 a / ", e II, para a prestaç#o de garantia ou contragarantia = (ni#o e para pagamento de débitos para com esta2 Art. 130 $s recursos correspondentes =s dotaç;es orçamentárias,

compreendidos os créditos suplementares e especiais, destinados aos órg#os dos ,oderes /egislativo e 9udiciário e do 4inistério ,3blico, ser-l"es-#o entregues até o dia AM de cada m<s, na !orma da lei complementar a 7ue se re!ere o art. 13+1 2 6º2

LA

Art. 136 - A despesa com pessoal ativo e inativo da (ni#o, dos Estados, do

Distrito 0ederal e dos 4unicípios n#o poderá exceder os limites estabelecidos em lei complementar2 2 1º - A concess#o de 7ual7uer vantagem ou aumento de remuneraç#o, a criaç#o de cargos, empregos e !unç;es ou alteraç#o de estrutura de carreiras, bem como a admiss#o ou contrataç#o de pessoal, a 7ual7uer título, pelos órg#os e entidades da administraç#o direta ou indireta, inclusive !undaç;es instituídas e mantidas pelo poder p3blico, só poder#o ser !eitas5 I - se "ouver prévia dotaç#o orçamentária su!iciente para atender =s pro eç;es de despesa de pessoal e aos acréscimos dela decorrentes6 II - se "ouver autori:aç#o especí!ica na lei de diretri:es orçamentárias, ressalvadas as empresas p3blicas e as sociedades de economia mista2 2 %º - Decorrido o pra:o estabelecido na lei complementar re!erida neste artigo para a adaptaç#o aos par>metros ali previstos, ser#o imediatamente suspensos todos os repasses de verbas !ederais ou estaduais aos Estados, ao Distrito 0ederal e aos 4unicípios 7ue n#o observarem os re!eridos limites2 2 &º - ,ara o cumprimento dos limites estabelecidos com base neste artigo, durante o pra:o !ixado na lei complementar re!erida no caput, a (ni#o, os Estados, o Distrito 0ederal e os 4unicípios adotar#o as seguintes provid<ncias5 I - reduç#o em pelo menos vinte por cento das despesas com cargos em comiss#o e !unç;es de con!iança6 II - exoneraç#o dos servidores n#o estáveis2 2 'º - %e as medidas adotadas com base no parágra!o anterior n#o !orem su!icientes para assegurar o cumprimento da determinaç#o da lei complementar re!erida neste artigo, o servidor estável poderá perder o cargo, desde 7ue ato normativo motivado de cada um dos ,oderes especi!i7ue a atividade !uncional, o órg#o ou unidade administrativa ob eto da reduç#o de pessoal2

2 +º - $ servidor 7ue perder o cargo na !orma do :arágraf a"t/r# r !ará us a indeni:aç#o correspondente a um m<s de remuneraç#o por ano de serviço2 2 3º - $ cargo ob eto da reduç#o prevista nos parágra!os anteriores será considerado extinto, vedada a criaç#o de cargo, emprego ou !unç#o com atribuiç;es iguais ou assemel"adas pelo pra:o de 7uatro anos2 2 4º - /ei !ederal disporá sobre as normas gerais a serem obedecidas na e!etivaç#o do disposto no 2 'º2

TÍTULO VII DA ORDEM ECONLMICA E FINANCEIRA CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS *ERAIS DA ATIVIDADE ECONLMICA

Art. 147 - A ordem econ8mica, !undada na valori:aç#o do trabal"o "umano e na livre iniciativa, tem por !im assegurar a todos exist<ncia digna, con!orme os ditames da ustiça social, observados os seguintes princípios5 I - soberania nacional6 II - propriedade privada6 III - !unç#o social da propriedade6 IV - livre concorr<ncia6 V - de!esa do consumidor6 VI - de!esa do meio ambiente6 VII - reduç#o das desigualdades regionais e sociais6 VIII - busca do pleno emprego6 I( - tratamento !avorecido para as empresas de pe7ueno porte constituídas sob as leis brasileiras e 7ue ten"am sua sede e administraç#o no ,aís2

Parágraf

!"#$

) B assegurado a todos o livre exercício de 7ual7uer

atividade econ8mica, independentemente de autori:aç#o de órg#os p3blicos, salvo nos casos previstos em lei2 Art. 141 - FRevogado pela Emenda Constitucional nº ', de 15-08-1!!5 G2 Art. 14% - A lei disciplinará, com base no interesse nacional, os investimentos de capital estrangeiro, incentivará os reinvestimentos e regulará a remessa de lucros2 Art. 14& - +essalvados os casos previstos nesta Constituiç#o, a exploraç#o direta de atividade econ8mica pelo Estado só será permitida 7uando necessária aos imperativos da segurança nacional ou a relevante interesse coletivo, con!orme de!inidos em lei2
LC

2 1º ) A lei estabelecerá o estatuto urídico da empresa p3blica, da sociedade

de economia mista e de suas subsidiárias 7ue explorem atividade econ8mica de produç#o ou comerciali:aç#o de bens ou de prestaç#o de serviços, dispondo sobre5 I - sua !unç#o social e !ormas de !iscali:aç#o pelo Estado e pela %ociedade6 II - a su eiç#o ao regime urídico próprio das empresas privadas, inclusive 7uanto aos direitos e obrigaç;es civis, comerciais, trabal"istas e tributários6 III - licitaç#o e contrataç#o de obras, serviços, compras e alienaç;es, observados os princípios da administraç#o p3blica6 IV - a constituiç#o e o !uncionamento dos consel"os de administraç#o e !iscal, com a participaç#o de acionistas minoritários6 V - os mandatos, a avaliaç#o de desempen"o e a responsabilidade dos administradores2 2 %º ) As empresas p3blicas e as sociedades de economia mista n#o poder#o go:ar de privilégios !iscais n#o extensivos =s do setor privado2 2 &º ) A lei regulamentará as relaç;es da empresa p3blica com o Estado e a sociedade2 2 'º ) A lei reprimirá o abuso do poder econ8mico 7ue vise = dominaç#o dos mercados, = eliminaç#o da concorr<ncia e ao aumento arbitrário dos lucros2

2 +º ) A lei, sem pre uí:o da responsabilidade individual dos dirigentes da pessoa urídica, estabelecerá a responsabilidade desta, su eitando-a =s puniç;es compatíveis com sua nature:a, nos atos praticados contra a ordem econ8mica e !inanceira e contra a economia popular2 Art. 14' - Como agente normativo e regulador da atividade econ8mica, o Estado exercerá, na !orma da lei, as !unç;es de !iscali:aç#o, incentivo e plane amento, sendo este determinante para o setor p3blico e indicativo para o setor privado2 2 1º ) A lei estabelecerá as diretri:es e bases do plane amento do desenvolvimento nacional e7uilibrado, o 7ual incorporará e compatibili:ará os planos nacionais e regionais de desenvolvimento2 2 %º ) A lei apoiará e estimulará o cooperativismo e outras !ormas de associativismo2 2 &º ) $ Estado !avorecerá a organi:aç#o da atividade garimpeira em cooperativas, levando em conta a proteç#o do meio ambiente e a promoç#o econ8mico-social dos garimpeiros2 2 'º ) As cooperativas a 7ue se re!ere o :arágraf a"t/r# r ter#o prioridade na autori:aç#o ou concess#o para pes7uisa e lavra dos recursos e a:idas de minerais garimpáveis, nas áreas onde este am atuando, e na7uelas !ixadas de acordo com o art. %11 ((V, na !orma da lei2 Art. 14+ - 'ncumbe ao ,oder ,3blico, na !orma da lei, diretamente ou sob regime de concess#o ou permiss#o, sempre através de licitaç#o, a prestaç#o de serviços p3blicos2 Parágraf !"#$ ) A lei disporá sobre5 I - o regime das empresas concessionárias e permissionárias de serviços p3blicos, o caráter especial de seu contrato e de sua prorrogaç#o, bem como as condiç;es de caducidade, !iscali:aç#o e rescis#o da concess#o ou permiss#o6 II - os direitos dos usuários6 III - política tari!ária6

IV - a obrigaç#o de manter serviço ade7uado2 Art. 143 - As a:idas, em lavra ou n#o, e demais recursos minerais e os potenciais de energia "idráulica constituem propriedade distinta da do solo, para e!eito de exploraç#o ou aproveitamento, e pertencem = (ni#o, garantida ao concessionário a propriedade do produto da lavra2 2 1º ) A pes7uisa e a lavra de recursos minerais e o aproveitamento dos potenciais a 7ue se re!ere o caput ./5t/ art#g somente poder#o ser e!etuados mediante autori:aç#o ou concess#o da (ni#o, no interesse nacional, por brasileiros ou empresa constituída sob as leis brasileiras e 7ue ten"a sua sede e administraç#o no ,aís, na !orma da lei, 7ue estabelecerá as condiç;es especí!icas 7uando essas atividades se desenvolverem em !aixa de !ronteira ou terras indígenas2 2 %º ) B assegurada participaç#o ao proprietário do solo nos resultados da lavra, na !orma e no valor 7ue dispuser a lei2 2 &º ) A autori:aç#o de pes7uisa será sempre por pra:o determinado, e as autori:aç;es e concess;es previstas neste artigo n#o poder#o ser cedidas ou trans!eridas, total ou parcialmente, sem prévia anu<ncia do poder concedente2 2 'º ) N#o dependerá de autori:aç#o ou concess#o o aproveitamento do potencial de energia renovável de capacidade redu:ida2 Art. 144 - Constituem monopólio da (ni#o5 I - a pes7uisa e a lavra das a:idas de petróleo e gás natural e outros "idrocarbonetos !luidos6 II - a re!inaç#o do petróleo nacional ou estrangeiro6 III - a importaç#o e exportaç#o dos produtos e derivados básicos resultantes das atividades previstas nos #"$#5 5 a"t/r# r/56 IV - o transporte marítimo do petróleo bruto de origem nacional ou de derivados básicos de petróleo produ:idos no ,aís, bem assim o transporte, por meio de conduto, de petróleo bruto, seus derivados e gás natural de 7ual7uer origem6

V - a pes7uisa, a lavra, o enri7uecimento, o reprocessamento, a industriali:aç#o e o comércio de minérios e minerais nucleares e seus derivados2 2 1º ) A (ni#o poderá contratar com empresas estatais ou privadas a reali:aç#o das atividades previstas nos #"$#5 5 I / II deste artigo, observadas as condiç;es estabelecidas em lei2 2 %º ) A lei 7ue se re!ere o 2 1º disporá sobre5 I - a garantia do !ornecimento dos derivados de petróleo em todo o território nacional6 II - as condiç;es de contrataç#o6 III - a estrutura e atribuiç;es do órg#o regulador do monopólio da (ni#o2 2 &º ) A lei disporá sobre o transporte e a utili:aç#o de materiais radioativos no território nacional2 Art. 140 - A lei disporá sobre a ordenaç#o dos transportes aéreo, a7uático e terrestre, devendo, 7uanto = ordenaç#o do transporte internacional, observar os acordos !irmados pela (ni#o, atendido o princípio da reciprocidade2 Parágraf !"#$ ) Na ordenaç#o do transporte a7uático, a lei estabelecerá as condiç;es em 7ue o transporte de mercadorias na cabotagem e a navegaç#o interior poder#o ser !eitos por embarcaç;es estrangeiras2 Art. 146 - A (ni#o, os Estados, o Distrito 0ederal e os 4unicípios dispensar#o =s microempresas e =s empresas de pe7ueno porte, assim de!inidas em lei, tratamento urídico di!erenciado, visando a incentivá-las pela simpli!icaç#o de suas obrigaç;es administrativas, tributárias, previdenciárias e creditícias, ou pela eliminaç#o ou reduç#o destas por meio de lei2 Art. 107 - A (ni#o, os Estados, o Distrito 0ederal e os 4unicípios promover#o e incentivar#o o turismo como !ator de desenvolvimento social e econ8mico2 Art. 101 - $ atendimento de re7uisiç#o de documento ou in!ormaç#o de nature:a comercial, !eita por autoridade administrativa ou udiciária estrangeira, a pessoa !ísica ou urídica residente ou domiciliada no ,aís dependerá de autori:aç#o do ,oder competente2

CAPÍTULO II DA POLÍTICA URBANA

Art. 10% - A política de desenvolvimento urbano, executada pelo ,oder ,3blico municipal, con!orme diretri:es gerais !ixadas em lei, tem por ob etivo ordenar o pleno desenvolvimento das !unç;es sociais da cidade e garantir o bem-estar de seus "abitantes2 2 1º ) $ plano diretor, aprovado pela C>mara 4unicipal, obrigatório para cidades com mais de vinte mil "abitantes, é o instrumento básico da política de desenvolvimento e de expans#o urbana2 2 %º ) A propriedade urbana cumpre sua !unç#o social 7uando atende =s exig<ncias !undamentais de ordenaç#o da cidade expressas no plano diretor2 2 &º ) As desapropriaç;es de imóveis urbanos ser#o !eitas com prévia e usta indeni:aç#o em din"eiro2 2 'º ) B !acultado ao ,oder ,3blico municipal, mediante lei especí!ica para área incluída no plano diretor, exigir, nos termos da lei !ederal, do proprietário do solo urbano n#o edi!icado, subutili:ado ou n#o utili:ado, 7ue promova seu ade7uado aproveitamento, sob pena, sucessivamente, de5 I - parcelamento ou edi!icaç#o compulsórios6 II - imposto sobre a propriedade predial e territorial urbana progressivo no tempo6 III - desapropriaç#o com pagamento mediante títulos da dívida p3blica de emiss#o previamente aprovada pelo %enado 0ederal, com pra:o de resgate de até de: anos, em parcelas anuais, iguais e sucessivas, assegurados o valor real da indeni:aç#o e os uros legais2 Art. 10& - A7uele 7ue possuir como sua área urbana de até du:entos e cin7@enta metros 7uadrados, por cinco anos, ininterruptamente e sem oposiç#o, utili:ando-a para sua moradia ou de sua !amília, ad7uirir-l"e-á o domínio, desde 7ue n#o se a proprietário de outro imóvel urbano ou rural2

2 1º ) $ título de domínio e a concess#o de uso ser#o con!eridos ao "omem ou = mul"er, ou a ambos, independentemente do estado civil2 2 %º ) Esse direito n#o será recon"ecido ao mesmo possuidor mais de uma ve:2 2 &º ) $s imóveis p3blicos n#o ser#o ad7uiridos por usucapi#o2

CAPÍTULO III DA POLÍTICA A*RÍCOLA E FUNDIBRIA E DA REFORMA A*RBRIA

Art. 10' - Compete = (ni#o desapropriar por interesse social, para !ins de re!orma agrária, o imóvel rural 7ue n#o este a cumprindo sua !unç#o social, mediante prévia e usta indeni:aç#o em títulos da dívida agrária, com cláusula de preservaç#o do valor real, resgatáveis no pra:o de até vinte anos, a partir do segundo ano de sua emiss#o, e cu a utili:aç#o será de!inida em lei2 2 1º ) As ben!eitorias 3teis e necessárias ser#o indeni:adas em din"eiro2 2 %º ) $ decreto 7ue declarar o imóvel como de interesse social, para !ins de re!orma agrária, autori:a a (ni#o a propor a aç#o de desapropriaç#o2 2 &º ) Cabe = lei complementar estabelecer procedimento contraditório especial, de rito sumário, para o processo udicial de desapropriaç#o2 2 'º ) $ orçamento !ixará anualmente o volume total de títulos da dívida agrária, assim como o montante de recursos para atender ao programa de re!orma agrária no exercício2 2 +º ) %#o isentas de impostos !ederais, estaduais e municipais as operaç;es de trans!er<ncia de imóveis desapropriados para !ins de re!orma agrária2 Art. 10+ - %#o insuscetíveis de desapropriaç#o para !ins de re!orma agrária5 I - a pe7uena e média propriedade rural, assim de!inida em lei, desde 7ue seu proprietário n#o possua outra6 II - a propriedade produtiva2

Parágraf !"#$ ) A lei garantirá tratamento especial = propriedade produtiva e !ixará normas para o cumprimento dos re7uisitos relativos a sua !unç#o social2 Art. 103 - A !unç#o social é cumprida 7uando a propriedade rural atende, simultaneamente, segundo critérios e graus de exig<ncia estabelecidos em lei, aos seguintes re7uisitos5 I - aproveitamento racional e ade7uado6 II - utili:aç#o ade7uada dos recursos naturais disponíveis e preservaç#o do meio ambiente6 III - observ>ncia das disposiç;es 7ue regulam as relaç;es de trabal"o6 IV - exploraç#o 7ue !avoreça o bem-estar dos proprietários e dos trabal"adores2 Art. 104 - A política agrícola será plane ada e executada na !orma da lei, com a participaç#o e!etiva do setor de produç#o, envolvendo produtores e trabal"adores rurais, bem como dos setores de comerciali:aç#o, de arma:enamento e de transportes, levando em conta, especialmente5 I - os instrumentos creditícios e !iscais6 II - os preços compatíveis com os custos de produç#o e a garantia de comerciali:aç#o6 III - o incentivo = pes7uisa e = tecnologia6 IV - a assist<ncia técnica e extens#o rural6 V - o seguro agrícola6 VI - o cooperativismo6 VII - a eletri!icaç#o rural e irrigaç#o6 VIII - a "abitaç#o para o trabal"ador rural2 2 1º ) 'ncluem-se no plane amento agrícola as atividades agroindustriais, agropecuárias, pes7ueiras e !lorestais2 2 %º ) %er#o compatibili:adas as aç;es de política agrícola e de re!orma agrária2

Art. 100 - A destinaç#o de terras p3blicas e devolutas será compatibili:ada com a política agrícola e com o plano nacional de re!orma agrária2 2 1º ) A alienaç#o ou a concess#o, a 7ual7uer título, de terras p3blicas com área superior a dois mil e 7uin"entos "ectares a pessoa !ísica ou urídica, ainda 7ue por interposta pessoa, dependerá de prévia aprovaç#o do Congresso Nacional2 2 %º ) Excetuam-se do disposto no :arágraf a"t/r# r as alienaç;es ou as

concess;es de terras p3blicas para !ins de re!orma agrária2 Art. 106 - $s bene!iciários da distribuiç#o de imóveis rurais pela re!orma agrária receber#o títulos de domínio ou de concess#o de uso, inegociáveis pelo pra:o de de: anos2 Parágraf !"#$ ) $ título de domínio e a concess#o de uso ser#o con!eridos ao "omem ou = mul"er, ou a ambos, independentemente do estado civil, nos termos e condiç;es previstos em lei2 Art. 167 - A lei regulará e limitará a a7uisiç#o ou o arrendamento de propriedade rural por pessoa !ísica ou urídica estrangeira e estabelecerá os casos 7ue depender#o de autori:aç#o do Congresso Nacional2 Art. 161 - A7uele 7ue, n#o sendo proprietário de imóvel rural ou urbano, possua como seu, por cinco anos ininterruptos, sem oposiç#o, área de terra, em :ona rural, n#o superior a cin7@enta "ectares, tornando-a produtiva por seu trabal"o ou de sua !amília, tendo nela sua moradia, ad7uirir-l"e-á a propriedade2 Parágraf !"#$ ) $s imóveis p3blicos n#o ser#o ad7uiridos por usucapi#o2

CAPÍTULO IV DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL

Art. 16% - $ sistema !inanceiro nacional, estruturado de !orma a promover o desenvolvimento e7uilibrado do ,aís e a servir aos interesses da coletividade, será regulado em lei complementar, 7ue disporá, inclusive, sobre5

I - a autori:aç#o para o !uncionamento das instituiç;es !inanceiras, assegurado =s instituiç;es bancárias o!iciais e privadas acesso a todos os instrumentos do mercado !inanceiro bancário, sendo vedada a essas instituiç;es a participaç#o em atividades n#o previstas na autori:aç#o de 7ue trata este inciso6 II - autori:aç#o e !uncionamento dos estabelecimentos de seguro, resseguro, previd<ncia e capitali:aç#o, bem como do órg#o o!icial !iscali:ador6 III - as condiç;es para a participaç#o do capital estrangeiro nas instituiç;es a 7ue se re!erem os #"$#5 5 a"t/r# r/5, tendo em vista, especialmente5 a, os interesses nacionais6 -, os acordos internacionais6 IV - a organi:aç#o, o !uncionamento e as atribuiç;es do banco central e demais instituiç;es !inanceiras p3blicas e privadas6 V - os re7uisitos para a designaç#o de membros da diretoria do banco central e demais instituiç;es !inanceiras, bem como seus impedimentos após o exercício do cargo6 VI - a criaç#o de !undo ou seguro, com o ob etivo de proteger a economia popular, garantindo créditos, aplicaç;es e depósitos até determinado valor, vedada a participaç#o de recursos da (ni#o6 VII - os critérios restritivos da trans!er<ncia de poupança de regi;es com renda in!erior = média nacional para outras de maior desenvolvimento6 VIII - o !uncionamento das cooperativas de crédito e os re7uisitos para 7ue possam ter condiç;es de operacionalidade e estruturaç#o próprias das instituiç;es !inanceiras2 2 1º ) A autori:aç#o a 7ue se re!erem os #"$#5 5 I / II será inegociável e intrans!erível, permitida a transmiss#o do controle da pessoa urídica titular, e concedida sem 8nus, na !orma da lei do sistema !inanceiro nacional, a pessoa urídica cu os diretores ten"am capacidade técnica e reputaç#o ilibada, e 7ue comprove capacidade econ8mica compatível com o empreendimento2

2 %º ) $s recursos !inanceiros relativos a programas e pro etos de caráter regional, de responsabilidade da (ni#o, ser#o depositados em suas instituiç;es regionais de crédito e por elas aplicados2 2 &º ) As taxas de uros reais, nelas incluídas comiss;es e 7uais7uer outras remuneraç;es direta ou indiretamente re!eridas = concess#o de crédito, n#o poder#o ser superiores a do:e por cento ao ano6 a cobrança acima deste limite será conceituada como crime de usura, punido, em todas as suas modalidades, nos termos 7ue a lei determinar2

TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÃO *ERAL

Art. 16& - A ordem social tem como base o primado do trabal"o, e como ob etivo o bem-estar e a ustiça sociais2

CAPÍTULO II DA SE*URIDADE SOCIAL SEÇÃO I DISPOSIÇ?ES *ERAIS

Art. 16' - A seguridade social compreende um con unto integrado de aç;es de iniciativa dos ,oderes ,3blicos e da sociedade, destinadas a assegurar os direitos relativos = sa3de, = previd<ncia e = assist<ncia social2 Parágraf !"#$ ) Compete ao ,oder ,3blico, nos termos da lei, organi:ar a seguridade social, com base nos seguintes ob etivos5 I - universalidade da cobertura e do atendimento6

II - uni!ormidade e e7uival<ncia dos bene!ícios e serviços =s populaç;es urbanas e rurais6 III - seletividade e distributividade na prestaç#o dos bene!ícios e serviços6 IV - irredutibilidade do valor dos bene!ícios6 V - e7@idade na !orma de participaç#o no custeio6 VI - diversidade da base de !inanciamento6
LE

VII - caráter democrático e descentrali:ado da administraç#o, mediante

gest#o 7uadripartite, com participaç#o dos trabal"adores, dos empregadores, dos aposentados e do Doverno nos órg#os colegiados2 Art. 16+ - A seguridade social será !inanciada por toda a sociedade, de !orma direta e indireta, nos termos da lei, mediante recursos provenientes dos orçamentos da (ni#o, dos Estados, do Distrito 0ederal e dos 4unicípios, e das seguintes contribuiç;es sociais5 I - do empregador, da empresa e da entidade a ela e7uiparada na !orma da lei, incidentes sobre5 a, a !ol"a de salários e demais rendimentos do trabal"o pagos ou creditados, a 7ual7uer título, = pessoa !ísica 7ue l"e preste serviço, mesmo -, a $, o lucro6 * al#neas a, " e c, acrecentadas pela Emenda Constitucional nº 20 de 1 de de!em"ro de 1998.
LH

sem receita

vínculo ou o

empregatício6 !aturamento6

II - do trabal"ador e dos demais segurados da previd<ncia social, n#o

incidindo contribuiç#o sobre aposentadoria e pens#o concedidas pelo regime geral de previd<ncia social de 7ue trata o art2 AM?6 III - sobre a receita de concursos de prognósticos2 2 1º ) As receitas dos Estados, do Distrito 0ederal e dos 4unicípios destinadas = seguridade social constar#o dos respectivos orçamentos, n#o integrando o orçamento da (ni#o2

2 %º ) A proposta de orçamento da seguridade social será elaborada de !orma integrada pelos órg#os responsáveis pela sa3de, previd<ncia social e assist<ncia social, tendo em vista as metas e prioridades estabelecidas na lei de diretri:es orçamentárias, assegurada a cada área a gest#o de seus recursos2 2 &º ) A pessoa urídica em débito com o sistema da seguridade social, como estabelecido em lei, n#o poderá contratar com o ,oder ,3blico nem dele receber bene!ícios ou incentivos !iscais ou creditícios2 2 'º ) A lei poderá instituir outras !ontes destinadas a garantir a manutenç#o ou expans#o da seguridade social, obedecido o disposto no art. 1+'1 I2 2 +º ) Nen"um bene!ício ou serviço da seguridade social poderá ser criado, ma orado ou estendido sem a correspondente !onte de custeio total2 2 3º ) As contribuiç;es sociais de 7ue trata este artigo só poder#o ser exigidas após decorridos noventa dias da data da publicaç#o da lei 7ue as "ouver instituído ou modi!icado, n#o se l"es aplicando o disposto no art. 1+71 III1 "2 2 4º ) %#o isentas de contribuiç#o para a seguridade social as entidades bene!icentes de assist<ncia social 7ue atendam =s exig<ncias estabelecidas em lei2
LI

2 0º ) $ produtor, o parceiro, o meeiro e o arrendatário rurais e o pescador

artesanal, bem como os respectivos c8n uges, 7ue exerçam suas atividades em regime de economia !amiliar, sem empregados permanentes, contribuir#o para a seguridade social mediante a aplicaç#o de uma alí7uota sobre o resultado da comerciali:aç#o da produç#o e !ar#o us aos bene!ícios nos termos da lei2 2 6@ As contribuiç;es sociais previstas no inciso ' deste artigo poder#o ter alí7uotas ou bases de cálculo di!erenciadas, em ra:#o da atividade econ8mica ou da utili:aç#o intensiva de m#o-de-obra2 2 17º A lei de!inirá os critérios de trans!er<ncia de recursos para o sistema 3nico de sa3de e aç;es de assist<ncia social da (ni#o para os Estados, o

Distrito 0ederal e os 4unicípios, e dos Estados para os 4unicípios, observada a respectiva contrapartida de recursos2 2 11N B vedada a concess#o de remiss#o ou anistia das contribuiç;es sociais de 7ue tratam os incisos ', a, e '' deste artigo, para débitos em montante superior ao !ixado em lei complementar2 §§ 9, 10 e 11, acrescentado pela Emenda Constitucional nº de 1 de de!em"ro de 1998.

SEÇÃO II DA SA>DE

Art. 163 - A sa3de é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econ8micas 7ue visem = reduç#o do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário =s aç;es e serviços para sua promoç#o, proteç#o e recuperaç#o2 Art. 164 - %#o de relev>ncia p3blica as aç;es e serviços de sa3de, cabendo ao ,oder ,3blico dispor, nos termos da lei, sobre sua regulamentaç#o, !iscali:aç#o e controle, devendo sua execuç#o ser !eita diretamente ou através de terceiros e, também, por pessoa !ísica ou urídica de direito privado2 Art. 160 - As aç;es e serviços p3blicos de sa3de integram uma rede regionali:ada e "ierar7ui:ada e constituem um sistema 3nico, organi:ado de acordo com as seguintes diretri:es5 I - descentrali:aç#o, com direç#o 3nica em cada es!era de governo6 II - atendimento integral, com prioridade para as atividades preventivas, sem pre uí:o dos serviços assistenciais6 III - participaç#o da comunidade2 Parágraf !"#$ ) $ sistema 3nico de sa3de será !inanciado, nos termos do art. 16+, com recursos do orçamento da seguridade social, da (ni#o, dos Estados, do Distrito 0ederal e dos 4unicípios, além de outras !ontes2 Art. 166 - A assist<ncia = sa3de é livre = iniciativa privada2

2 1º ) As instituiç;es privadas poder#o participar de !orma complementar do sistema 3nico de sa3de, segundo diretri:es deste, mediante contrato de direito p3blico ou conv<nio, tendo pre!er<ncia as entidades !ilantrópicas e as sem !ins lucrativos2 2 %º ) B vedada a destinaç#o de recursos p3blicos para auxílios ou subvenç;es =s instituiç;es privadas com !ins lucrativos2 2 &º ) B vedada a participaç#o direta ou indireta de empresas ou capitais estrangeiros na assist<ncia = sa3de no ,aís, salvo nos casos previstos em lei2 2 'º ) A lei disporá sobre as condiç;es e os re7uisitos 7ue !acilitem a remoç#o de órg#os, tecidos e subst>ncias "umanas para !ins de transplante, pes7uisa e tratamento, bem como a coleta, processamento e trans!us#o de sangue e seus derivados, sendo vedado todo tipo de comerciali:aç#o2 Art. %77 - Ao sistema 3nico de sa3de compete, além de outras atribuiç;es, nos termos da lei5 I - controlar e !iscali:ar procedimentos, produtos e subst>ncias de interesse para a sa3de e participar da produç#o de medicamentos, e7uipamentos, imunobiológicos, "emoderivados e outros insumos6 II - executar as aç;es de vigil>ncia sanitária e epidemiológica, bem como as de sa3de do trabal"ador6 III - ordenar a !ormaç#o de recursos "umanos na área de sa3de6 IV - participar da !ormulaç#o da política e da execuç#o das aç;es de saneamento básico6 V - incrementar em sua área de atuaç#o o desenvolvimento cientí!ico e tecnológico6 VI - !iscali:ar e inspecionar alimentos, compreendido o controle de seu teor nutricional, bem como bebidas e águas para consumo "umano6 VII - participar do controle e !iscali:aç#o da produç#o, transporte, guarda e utili:aç#o de subst>ncias e produtos psicoativos, tóxicos e radioativos6 VIII - colaborar na proteç#o do meio ambiente, nele compreendido o do trabal"o2

SEÇÃO III DA PREVIDMNCIA SOCIAL

LJ

Art. %71 - A previd<ncia social será organi:ada sob a !orma de regime geral, de

caráter contributivo e de !iliaç#o obrigatória, observados critérios 7ue preservem o e7uilíbrio !inanceiro e atuarial, e atenderá, nos termos da lei, a5 I - cobertura dos eventos de doença, invalide:, morte e idade avançada6 II proteç#o = maternidade, especialmente = gestante6 III - proteç#o ao trabal"ador em situaç#o de desemprego involuntário6 IV - salário-!amília e auxílio-reclus#o para os dependentes dos segurados de baixa renda6 V - pens#o por morte do segurado, "omem ou mul"er, ao c8n uge ou compan"eiro e dependentes, observado o disposto no P AQ2
LK

2 1º ) B vedada a adoç#o de re7uisitos e critérios di!erenciados para a

concess#o de aposentadoria aos bene!iciários do regime geral de previd<ncia social, ressalvados os casos de atividades exercidas sob condiç;es especiais 7ue pre udi7uem a sa3de ou a integridade !ísica, de!inidos em lei complementar2
LL

2 %º ) Nen"um bene!ício 7ue substitua o salário de contribuiç#o ou o

rendimento do trabal"o do segurado terá valor mensal in!erior ao salário mínimo2
?MM

2 &º ) &odos os salários de contribuiç#o considerados para o cálculo de

bene!ício ser#o devidamente atuali:ados, na !orma da lei2
?M?

2 'º ) B assegurado o rea ustamento dos bene!ícios para preservar-l"es, em

caráter permanente, o valor real, con!orme critérios de!inidos em lei2
?MA

2 +º ) B vedada a !iliaç#o ao regime geral de previd<ncia social, na

7ualidade de segurado !acultativo, de pessoa participante de regime próprio de previd<ncia2

?MC

2 3º ) A grati!icaç#o natalina dos aposentados e pensionistas terá por base o

valor dos proventos do m<s de de:embro de cada ano2
?ME

2 4º ) B assegurada aposentadoria no regime geral de previd<ncia social,

nos termos da lei, obedecidas as seguintes condiç;es5 I - trinta e cinco anos de contribuiç#o, se "omem, e trinta anos de contribuiç#o, se mul"er6 II - sessenta e cinco anos de idade, se "omem, e sessenta anos de idade, se mul"er, redu:ido em cinco anos o limite para os trabal"adores rurais de ambos os sexos e para os 7ue exerçam suas atividades em regime de economia !amiliar, nestes incluídos o produtor rural, o garimpeiro e o pescador artesanal2 * )ncisos ) e )) acrescentados pela Emenda Constitucional nº 20 de 1 de de!em"ro de 1998.
?MH

2 0º ) $s re7uisitos a 7ue se re!ere o inciso ' do parágra!o anterior ser#o

redu:idos em cinco anos, para o pro!essor 7ue comprove exclusivamente tempo de e!etivo exercício das !unç;es de magistério na educaç#o in!antil e no ensino !undamental e médio2 2 6@ ) ,ara e!eito de aposentadoria, é assegurada a contagem recíproca do tempo de contribuiç#o na administraç#o p3blica e na atividade privada, rural e urbana, "ipótese em 7ue os diversos regimes de previd<ncia social se compensar#o !inanceiramente, segundo critérios estabelecidos em lei2 2 17º ) /ei disciplinará a cobertura do risco de acidente do trabal"o, a ser atendida concorrentemente pelo regime geral de previd<ncia social e pelo setor privado2 2 11º ) $s gan"os "abituais do empregado, a 7ual7uer título, ser#o incorporados ao salário para e!eito de contribuiç#o previdenciária e conse7@ente repercuss#o em bene!ícios, nos casos e na !orma da lei2S *§§ 9, 10 e 11 acrescentados pela Emanda Constitucional nº de 1 de de!em"ro de 1998.

?MI

Art. %7% - $ regime de previd<ncia privada, de caráter complementar e

organi:ado de !orma aut8noma em relaç#o ao regime geral de previd<ncia social, será !acultativo, baseado na constituiç#o de reservas 7ue garantam o bene!ício contratado, e regulado por lei complementar2
?MJ

2 1º ) A lei complementar de 7ue trata este artigo assegurará ao participante

de planos de bene!ícios de entidades de previd<ncia privada o pleno acesso =s in!ormaç;es relativas = gest#o de seus respectivos planos2
?MK

2 %º )

As contribuiç;es do empregador, os bene!ícios e as condiç;es

contratuais previstas nos estatutos, regulamentos e planos de bene!ícios das entidades de previd<ncia privada n#o integram o contrato de trabal"o dos participantes, assim como, = exceç#o dos bene!ícios concedidos, n#o integram a remuneraç#o dos participantes, nos termos da lei2 2 &Q - B vedado o aporte de recursos a entidade de previd<ncia privada pela (ni#o, Estados, Distrito 0ederal e 4unicípios, suas autar7uias, !undaç;es, empresas p3blicas, sociedades de economia mista e outras entidades p3blicas, salvo na 7ualidade de patrocinador, situaç#o na 7ual, em "ipótese alguma, sua contribuiç#o normal poderá exceder a do segurado2 2 'Q - /ei complementar disciplinará a relaç#o entre a (ni#o, Estados, Distrito 0ederal ou 4unicípios, inclusive suas autar7uias, !undaç;es, sociedades de economia mista e empresas controladas direta ou indiretamente, en7uanto patrocinadoras de entidades !ec"adas de previd<ncia privada, e suas respectivas entidades !ec"adas de previd<ncia privada2 2 +Q - A lei complementar de 7ue trata o parágra!o anterior aplicar-se-á, no 7ue couber, =s empresas privadas permissionárias ou concessionárias de prestaç#o de serviços p3blicos, 7uando patrocinadoras de entidades !ec"adas de previd<ncia privada2 2 3Q- A lei complementar a 7ue se re!ere o P EQ deste artigo estabelecerá os re7uisitos para a designaç#o dos membros das diretorias das entidades !ec"adas de previd<ncia privada e disciplinará a inserç#o dos participantes nos

colegiados e inst>ncias de decis#o em 7ue seus interesses se am ob eto de discuss#o e deliberaç#o2 §§ &, 4, e ,, acrescentados pela Emenda Constitucional nº 20 de 1

de de!em"ro de 1998.

SEÇÃO IV DA ASSISTMNCIA SOCIAL

Art. %7& - A assist<ncia social será prestada a 7uem dela necessitar, independentemente de contribuiç#o = seguridade social, e tem por ob etivos5 I - a proteç#o = !amília, = maternidade, = in!>ncia, = adolesc<ncia e = vel"ice6 II - o amparo =s crianças e adolescentes carentes6 III - a promoç#o da integraç#o ao mercado de trabal"o6 IV - a "abilitaç#o e reabilitaç#o das pessoas portadoras de de!ici<ncia e a promoç#o de sua integraç#o = vida comunitária6 V - a garantia de um salário mínimo de bene!ício mensal = pessoa portadora de de!ici<ncia e ao idoso 7ue comprovem n#o possuir meios de prover = própria manutenç#o ou de t<-la provida por sua !amília, con!orme dispuser a lei2 Art. %7' - As aç;es governamentais na área da assist<ncia social ser#o reali:adas com recursos do orçamento da seguridade social, previstos no art. 16+, além de outras !ontes, e organi:adas com base nas seguintes diretri:es5 I - descentrali:aç#o político-administrativa, cabendo a coordenaç#o e as normas gerais = es!era !ederal e a coordenaç#o e a execuç#o dos respectivos programas =s es!eras estadual e municipal, bem como a entidades bene!icentes e de assist<ncia social6 II - participaç#o da populaç#o, por meio de organi:aç;es representativas, na !ormulaç#o das políticas e no controle das aç;es em todos os níveis2

CAPÍTULO III DA EDUCAÇÃO1 DA CULTURA E DO DESPORTO SEÇÃO I DA EDUCAÇÃO

Art. %7+ - A educaç#o, direito de todos e dever do Estado e da !amília, será promovida e incentivada com a colaboraç#o da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua 7uali!icaç#o para o trabal"o2 Art. %73 - $ ensino será ministrado com base nos seguintes princípios5 I - igualdade de condiç;es para o acesso e perman<ncia na escola6 II - liberdade de aprender, ensinar, pes7uisar e divulgar o pensamento, a arte e o saber6 III - pluralismo de idéias e de concepç;es pedagógicas, e coexist<ncia de instituiç;es p3blicas e privadas de ensino6 IV - gratuidade do ensino p3blico em estabelecimentos o!iciais6
?ML

V - valori:aç#o dos pro!issionais do ensino, garantidos, na !orma da lei,

planos de carreira para o magistério p3blico, com piso salarial pro!issional e ingresso exclusivamente por concurso p3blico de provas e títulos6 VI - gest#o democrática do ensino p3blico, na !orma da lei6 VII - garantia de padr#o de 7ualidade2 Art. %74 - As universidades go:am de autonomia didático-cientí!ica, administrativa e de gest#o !inanceira e patrimonial, e obedecer#o ao princípio de indissociabilidade entre ensino, pes7uisa e extens#o2 2 1º ) B !acultado =s universidades admitir pro!essores, técnicos e cientistas estrangeiros, na !orma da lei2 2 %º ) $ disposto neste artigo aplica-se =s instituiç;es de pes7uisa cientí!ica e tecnológica2

Art. %70 - $ dever do Estado com a educaç#o será e!etivado mediante a garantia de5
??M

I - ensino !undamental obrigatório e gratuito, assegurada, inclusive, sua

o!erta gratuita para todos os 7ue a ele n#o tiveram acesso na idade própria6
???

II - progressiva universali:aç#o do ensino médio gratuito6

III - atendimento educacional especiali:ado aos portadores de de!ici<ncia, pre!erencialmente na rede regular de ensino6 IV - atendimento em crec"e e pré-escola =s crianças de :ero a seis anos de idade6 V - acesso aos níveis mais elevados do ensino, da pes7uisa e da criaç#o artística, segundo a capacidade de cada um6 VI - o!erta de ensino noturno regular, ade7uado =s condiç;es do educando6 VII - atendimento ao educando, no ensino !undamental, através de programas suplementares de material didático-escolar, transporte, alimentaç#o e assist<ncia = sa3de2 2 1º ) $ acesso ao ensino obrigatório e gratuito é direito p3blico sub etivo2 2 %º ) $ n#o-o!erecimento do ensino obrigatório pelo ,oder ,3blico, ou sua o!erta irregular, importa responsabilidade da autoridade competente2 2 &º ) Compete ao ,oder ,3blico recensear os educandos no ensino !undamental, !a:er-l"es a c"amada e :elar, unto aos pais ou responsáveis, pela !re7@<ncia = escola2 Art. %76 - $ ensino é livre = iniciativa privada, atendidas as seguintes condiç;es5 I - cumprimento das normas gerais da educaç#o nacional6 II - autori:aç#o e avaliaç#o de 7ualidade pelo ,oder ,3blico2 Art. %17 - %er#o !ixados conte3dos mínimos para o ensino !undamental, de maneira a assegurar !ormaç#o básica comum e respeito aos valores culturais e artísticos, nacionais e regionais2

2 1º ) $ ensino religioso, de matrícula !acultativa, constituirá disciplina dos "orários normais das escolas p3blicas de ensino !undamental2 2 %º ) $ ensino !undamental regular será ministrado em língua portuguesa, assegurada =s comunidades indígenas também a utili:aç#o de suas línguas maternas e processos próprios de aprendi:agem2 Art. %11 - A (ni#o, os Estados, o Distrito 0ederal e os 4unicípios organi:ar#o em regime de colaboraç#o seus sistemas de ensino2
??A

2 1º - A (ni#o organi:ará o sistema !ederal de ensino e o dos &erritórios,

!inanciará as instituiç;es de ensino p3blicas !ederais e exercerá, em matéria educacional, !unç#o redistributiva e supletiva, de !orma a garantir e7uali:aç#o de oportunidades educacionais e padr#o mínimo de 7ualidade do ensino mediante assist<ncia técnica e !inanceira aos Estados, ao Distrito 0ederal e aos 4unicípios2
??C

2 %º - $s 4unicípios atuar#o prioritariamente no ensino !undamental e na

educaç#o in!antil2
??E

2 &º - $s Estados e o Distrito 0ederal atuar#o prioritariamente no ensino

!undamental e médio2
??H

2 'º - Na organi:aç#o de seus sistemas de ensino, os Estados e os

4unicípios de!inir#o !ormas de colaboraç#o, de modo a assegurar a universali:aç#o do ensino obrigatório2 Art. %1% - A (ni#o aplicará, anualmente, nunca menos de de:oito, e os Estados, o Distrito 0ederal e os 4unicípios vinte e cinco por cento, no mínimo, da receita resultante de impostos, compreendida a proveniente de trans!er<ncias, na manutenç#o e desenvolvimento do ensino2 2 1º ) A parcela da arrecadaç#o de impostos trans!erida pela (ni#o aos Estados, ao Distrito 0ederal e aos 4unicípios, ou pelos Estados aos respectivos 4unicípios, n#o é considerada, para e!eito do cálculo previsto neste artigo, receita do governo 7ue a trans!erir2

2 %º ) ,ara e!eito do cumprimento do disposto no caput ./5t/ art#g , ser#o considerados os sistemas de ensino !ederal, estadual e municipal e os recursos aplicados na !orma do art. %1&2 2 &º ) A distribuiç#o dos recursos p3blicos assegurará prioridade ao atendimento das necessidades do ensino obrigatório, nos termos do plano nacional de educaç#o2 2 'º ) $s programas suplementares de alimentaç#o e assist<ncia = sa3de previstos no art. %701 VII, ser#o !inanciados com recursos provenientes de contribuiç;es sociais e outros recursos orçamentários2
??I

2 +º ) $ ensino !undamental p3blico terá como !onte adicional de

!inanciamento a contribuiç#o social do salário-educaç#o, recol"ida pelas empresas, na !orma da lei2 Art. %1& - $s recursos p3blicos ser#o destinados =s escolas p3blicas, podendo ser dirigidos a escolas comunitárias, con!essionais ou !ilantrópicas, de!inidas em lei, 7ue5 I - comprovem !inalidade n#o-lucrativa e apli7uem seus excedentes !inanceiros em educaç#o6 II - assegurem a destinaç#o de seu patrim8nio a outra escola comunitária, !ilantrópica ou con!essional, ou ao ,oder ,3blico, no caso de encerramento de suas atividades2 2 1º ) $s recursos de 7ue trata este artigo poder#o ser destinados a bolsas de estudo para o ensino !undamental e médio, na !orma da lei, para os 7ue demonstrarem insu!ici<ncia de recursos, 7uando "ouver !alta de vagas e cursos regulares da rede p3blica na localidade da resid<ncia do educando, !icando o ,oder ,3blico obrigado a investir prioritariamente na expans#o de sua rede na localidade2 2 %º ) As atividades universitárias de pes7uisa e extens#o poder#o receber apoio !inanceiro do ,oder ,3blico2

Art. %1' - A lei estabelecerá o plano nacional de educaç#o, de duraç#o plurianual, visando = articulaç#o e ao desenvolvimento do ensino em seus diversos níveis e = integraç#o das aç;es do ,oder ,3blico 7ue condu:am =5 I - erradicaç#o do anal!abetismo6 II - universali:aç#o do atendimento escolar6 III - mel"oria da 7ualidade do ensino6 IV - !ormaç#o para o trabal"o6 V - promoç#o "umanística, cientí!ica e tecnológica do ,aís2 SEÇÃO II DA CULTURA

Art. %1+ - $ Estado garantirá a todos o pleno exercício dos direitos culturais e acesso =s !ontes da cultura nacional, e apoiará e incentivará a valori:aç#o e a di!us#o das mani!estaç;es culturais2 2 1º ) $ Estado protegerá as mani!estaç;es das culturas populares, indígenas e a!ro-brasileiras, e das de outros grupos participantes do processo civili:atório nacional2 2 %º ) A lei disporá sobre a !ixaç#o de datas comemorativas de alta signi!icaç#o para os di!erentes segmentos étnicos nacionais2 Art. %13 - Constituem patrim8nio cultural brasileiro os bens de nature:a material e imaterial, tomados individualmente ou em con unto, portadores de re!er<ncia = identidade, = aç#o, = memória dos di!erentes grupos !ormadores da sociedade brasileira, nos 7uais se incluem5 I - as !ormas de express#o6 II - os modos de criar, !a:er e viver6 III - as criaç;es cientí!icas, artísticas e tecnológicas6 IV - as obras, ob etos, documentos, edi!icaç;es e demais espaços destinados =s mani!estaç;es artístico-culturais6

V - os con untos urbanos e sítios de valor "istórico, paisagístico, artístico, ar7ueológico, paleontológico, ecológico e cientí!ico2 2 1º ) $ ,oder ,3blico, com a colaboraç#o da comunidade, promoverá e protegerá o patrim8nio cultural brasileiro, por meio de inventários, registros, vigil>ncia, tombamento e desapropriaç#o, e de outras !ormas de acautelamento e preservaç#o2 2 %º ) Cabem = administraç#o p3blica, na !orma da lei, a gest#o da documentaç#o governamental e as provid<ncias para !ran7uear sua consulta a 7uantos dela necessitem2 2 &º ) A lei estabelecerá incentivos para a produç#o e o con"ecimento de bens e valores culturais2 2 'º ) $s danos e ameaças ao patrim8nio cultural ser#o punidos, na !orma da lei2 2 +º ) 0icam tombados todos os documentos e os sítios detentores de reminisc<ncias "istóricas dos antigos 7uilombos2

SEÇÃO III DO DESPORTO

Art. %14 - B dever do Estado !omentar práticas desportivas !ormais e n#o-!ormais, como direito de cada um, observados5 I - a autonomia das entidades desportivas dirigentes e associaç;es, 7uanto a sua organi:aç#o e !uncionamento6 II - a destinaç#o de recursos p3blicos para a promoç#o prioritária do desporto educacional e, em casos especí!icos, para a do desporto de alto rendimento6 III - o tratamento di!erenciado para o desporto pro!issional e o n#opro!issional6 IV - a proteç#o e o incentivo =s mani!estaç;es desportivas de criaç#o nacional2

2 1º ) $ ,oder 9udiciário só admitirá aç;es relativas = disciplina e =s competiç;es desportivas após esgotarem-se as inst>ncias da desportiva, reguladas em lei2 2 %º ) A ustiça desportiva terá o pra:o máximo de sessenta dias, contados da instauraç#o do processo, para pro!erir decis#o !inal2 2 &º ) $ ,oder ,3blico incentivará o la:er, como !orma de promoç#o social2 ustiça

CAPÍTULO IV DA CIMNCIA E TECNOLO*IA

Art. %10 - $ Estado promoverá e incentivará o desenvolvimento cientí!ico, a pes7uisa e a capacitaç#o tecnológicas2 2 1º ) A pes7uisa cientí!ica básica receberá tratamento prioritário do Estado, tendo em vista o bem p3blico e o progresso das ci<ncias2 2 %º ) A pes7uisa tecnológica voltar-se-á preponderantemente para a soluç#o dos problemas brasileiros e para o desenvolvimento do sistema produtivo nacional e regional2 2 &º ) $ Estado apoiará a !ormaç#o de recursos "umanos nas áreas de ci<ncia, pes7uisa e tecnologia, e concederá aos 7ue delas se ocupem meios e condiç;es especiais de trabal"o2 2 'º ) A lei apoiará e estimulará as empresas 7ue invistam em pes7uisa, criaç#o de tecnologia ade7uada ao ,aís, !ormaç#o e aper!eiçoamento de seus recursos "umanos e 7ue prati7uem sistemas de remuneraç#o 7ue assegurem ao empregado, desvinculada do salário, participaç#o nos gan"os econ8micos resultantes da produtividade de seu trabal"o2 2 +º ) B !acultado aos Estados e ao Distrito 0ederal vincular parcela de sua receita orçamentária a entidades p3blicas de !omento ao ensino e = pes7uisa cientí!ica e tecnológica2

Art. %16 - $ mercado interno integra o patrim8nio nacional e será incentivado de modo a viabili:ar o desenvolvimento cultural e sócio-econ8mico, o bem-estar da populaç#o e a autonomia tecnológica do ,aís, nos termos de lei !ederal2

CAPÍTULO V DA COMUNICAÇÃO SOCIAL

Art. %%7 - A mani!estaç#o do pensamento, a criaç#o, a express#o e a in!ormaç#o, sob 7ual7uer !orma, processo ou veículo n#o so!rer#o 7ual7uer restriç#o, observado o disposto nesta Constituiç#o2 2 1º ) Nen"uma lei conterá dispositivo 7ue possa constituir embaraço = plena liberdade de in!ormaç#o ornalística em 7ual7uer veículo de comunicaç#o social, observado o disposto no art. +º1 IV1 V, (, (III / (IV2 2 %º ) B vedada toda e 7ual7uer censura de nature:a política, ideológica e artística2 2 &º ) Compete = lei !ederal5 I - regular as divers;es e espetáculos p3blicos, cabendo ao ,oder ,3blico in!ormar sobre a nature:a deles, as !aixas etárias a 7ue n#o se recomendem, locais e "orários em 7ue sua apresentaç#o se mostre inade7uada6 II - estabelecer os meios legais 7ue garantam = pessoa e = !amília a possibilidade de se de!enderem de programas ou programaç;es de rádio e televis#o 7ue contrariem o disposto no art. %%1, bem como da propaganda de produtos, práticas e serviços 7ue possam ser nocivos = sa3de e ao meio ambiente2 2 'º ) A propaganda comercial de tabaco, bebidas alcoólicas, agrotóxicos, medicamentos e terapias estará su eita a restriç;es legais, nos termos do #"$#5 II . :arágraf a"t/r# r, e conterá, sempre 7ue necessário, advert<ncia sobre os male!ícios decorrentes de seu uso2

2 +º ) $s meios de comunicaç#o social n#o podem, direta ou indiretamente, ser ob eto de monopólio ou oligopólio2 2 3º ) A publicaç#o de veículo impresso de comunicaç#o independe de licença de autoridade2 Art. %%1 - A produç#o e a programaç#o das emissoras de rádio e televis#o atender#o aos seguintes princípios5 I - pre!er<ncia a !inalidades educativas, artísticas, culturais e in!ormativas6 II - promoç#o da cultura nacional e regional e estímulo = produç#o independente 7ue ob etive sua divulgaç#o6 III - regionali:aç#o da produç#o cultural, artística e ornalística, con!orme percentuais estabelecidos em lei6 IV - respeito aos valores éticos e sociais da pessoa e da !amília2 Art. %%% - A propriedade de empresa ornalística e de radiodi!us#o sonora e de sons e imagens é privativa de brasileiros natos ou naturali:ados "á mais de de: anos, aos 7uais caberá a responsabilidade por sua administraç#o e orientaç#o intelectual2 2 1º ) B vedada a participaç#o de pessoa urídica no capital social de empresa ornalística ou de radiodi!us#o, exceto a de partido político e de sociedades cu o capital pertença exclusiva e nominalmente a brasileiros2 2 %º ) A participaç#o re!erida no :arágraf a"t/r# r só se e!etuará através de capital sem direito a voto e n#o poderá exceder a trinta por cento do capital social2 Art. %%& - Compete ao ,oder Executivo outorgar e renovar concess#o, permiss#o e autori:aç#o para o serviço de radiodi!us#o sonora e de sons e imagens, observado o princípio da complementaridade dos sistemas privado, p3blico e estatal2 2 1º ) $ Congresso Nacional apreciará o ato no pra:o do art. 3'1 22 %º / 'º, a contar do recebimento da mensagem2

2 %º ) A n#o-renovaç#o da concess#o ou permiss#o dependerá de aprovaç#o de, no mínimo, dois 7uintos do Congresso Nacional, em votaç#o nominal2 2 &º ) $ ato de outorga ou renovaç#o somente produ:irá e!eitos legais após deliberaç#o do Congresso Nacional, na !orma dos :arágraf 5 a"t/r# r/52 2 'º ) $ cancelamento da concess#o ou permiss#o, antes de vencido o pra:o, depende de decis#o udicial2 2 +º ) $ pra:o da concess#o ou permiss#o será de de: anos para as emissoras de rádio e de 7uin:e para as de televis#o2 Art. %%' - ,ara os e!eitos do disposto neste capítulo, o Congresso Nacional instituirá, como órg#o auxiliar, o Consel"o de Comunicaç#o %ocial, na !orma da lei2

CAPÍTULO VI DO MEIO AMBIENTE

Art. %%+ - &odos t<m direito ao meio ambiente ecologicamente e7uilibrado, bem de uso comum do povo e essencial = sadia 7ualidade de vida, impondo-se ao ,oder ,3blico e = coletividade o dever de de!end<-lo e preservá-lo para as presentes e !uturas geraç;es2 2 1º ) ,ara assegurar a e!etividade desse direito, incumbe ao ,oder ,3blico5 I - preservar e restaurar os processos ecológicos essenciais e prover o mane o ecológico das espécies e ecossistemas6 II - preservar a diversidade e a integridade do patrim8nio genético do ,aís e !iscali:ar as entidades dedicadas = pes7uisa e manipulaç#o de material genético6 III - de!inir, em todas as unidades da 0ederaç#o, espaços territoriais e seus componentes a serem especialmente protegidos, sendo a alteraç#o e a supress#o permitidas somente através de lei, vedada 7ual7uer utili:aç#o 7ue comprometa a integridade dos atributos 7ue usti!i7uem sua proteç#o6

IV - exigir, na !orma da lei, para instalaç#o de obra ou atividade potencialmente causadora de signi!icativa degradaç#o do meio ambiente, estudo prévio de impacto ambiental, a 7ue se dará publicidade6 V - controlar a produç#o, a comerciali:aç#o e o emprego de técnicas, métodos e subst>ncias 7ue comportem risco para a vida, a 7ualidade de vida e o meio ambiente6 VI - promover a educaç#o ambiental em todos os níveis de ensino e a conscienti:aç#o p3blica para a preservaç#o do meio ambiente6 VII - proteger a !auna e a !lora, vedadas, na !orma da lei, as práticas 7ue colo7uem em risco sua !unç#o ecológica, provo7uem a extinç#o de espécies ou submetam os animais a crueldade2 2 %º ) A7uele 7ue explorar recursos minerais !ica obrigado a recuperar o meio ambiente degradado, de acordo com soluç#o técnica exigida pelo órg#o p3blico competente, na !orma da lei2 2 &º ) As condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente su eitar#o os in!ratores, pessoas !ísicas ou urídicas, a sanç;es penais e administrativas, independentemente da obrigaç#o de reparar os danos causados2 2 'º ) A 0loresta Ama:8nica brasileira, a 4ata Atl>ntica, a %erra do 4ar, o ,antanal 4ato-Drossense e a Wona Costeira s#o patrim8nio nacional, e sua utili:aç#o !ar-se-á, na !orma da lei, dentro de condiç;es 7ue assegurem a preservaç#o do meio ambiente, inclusive 7uanto ao uso dos recursos naturais2 2 +º ) %#o indisponíveis as terras devolutas ou arrecadadas pelos Estados, por aç;es discriminatórias, necessárias = proteç#o dos ecossistemas naturais2 2 3º ) As usinas 7ue operem com reator nuclear dever#o ter sua locali:aç#o de!inida em lei !ederal, sem o 7ue n#o poder#o ser instaladas2

CAPÍTULO VII DA FAMÍLIA1 DA CRIANÇA1 DO ADOLESCENTE E DO IDOSO

Art. %%3 - A !amília, base da sociedade, tem especial proteç#o do Estado2 2 1º ) $ casamento é civil e gratuita a celebraç#o2 2 %º ) $ casamento religioso tem e!eito civil, nos termos da lei2 2 &º ) ,ara e!eito da proteç#o do Estado, é recon"ecida a uni#o estável entre o "omem e a mul"er como entidade !amiliar, devendo a lei !acilitar sua convers#o em casamento2 2 'º ) Entende-se, também, como entidade !amiliar a comunidade !ormada por 7ual7uer dos pais e seus descendentes2 2 +º ) $s direitos e deveres re!erentes = sociedade con ugal s#o exercidos igualmente pelo "omem e pela mul"er2 2 3º ) $ casamento civil pode ser dissolvido pelo divórcio, após prévia separaç#o udicial por mais de um ano nos casos expressos em lei, ou comprovada separaç#o de !ato por mais de dois anos2 2 4º ) 0undado nos princípios da dignidade da pessoa "umana e da paternidade responsável, o plane amento !amiliar é livre decis#o do casal, competindo ao Estado propiciar recursos educacionais e cientí!icos para o exercício desse direito, vedada 7ual7uer !orma coercitiva por parte de instituiç;es o!iciais ou privadas2 2 0º ) $ Estado assegurará a assist<ncia = !amília na pessoa de cada um dos 7ue a integram, criando mecanismos para coibir a viol<ncia no >mbito de suas relaç;es2 Art. %%4 - B dever da !amília, da sociedade e do Estado assegurar = criança e ao adolescente, com absoluta prioridade, o direito = vida, = sa3de, = alimentaç#o, = educaç#o, ao la:er, = pro!issionali:aç#o, = cultura, = dignidade, ao respeito, = liberdade e = conviv<ncia !amiliar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda !orma de neglig<ncia, discriminaç#o, exploraç#o, viol<ncia, crueldade e opress#o2

2 1º ) $ Estado promoverá programas de assist<ncia integral = sa3de da criança e do adolescente, admitida a participaç#o de entidades n#o governamentais e obedecendo os seguintes preceitos5 I - aplicaç#o de percentual dos recursos p3blicos destinados = sa3de na assist<ncia materno-in!antil6 II - criaç#o de programas de prevenç#o e atendimento especiali:ado para os portadores de de!ici<ncia !ísica, sensorial ou mental, bem como de integraç#o social do adolescente portador de de!ici<ncia, mediante o treinamento para o trabal"o e a conviv<ncia, e a !acilitaç#o do acesso aos bens e serviços coletivos, com a eliminaç#o de preconceitos e obstáculos ar7uitet8nicos2 2 %º ) A lei disporá sobre normas de construç#o dos logradouros e dos edi!ícios de uso p3blico e de !abricaç#o de veículos de transporte coletivo, a !im de garantir acesso ade7uado =s pessoas portadoras de de!ici<ncia2 2 &º ) $ direito a proteç#o especial abrangerá os seguintes aspectos5 I - idade mínima de 7uator:e anos para admiss#o ao trabal"o, observado o disposto no art. 4º, (((III6 II - garantia de direitos previdenciários e trabal"istas6 III - garantia de acesso do trabal"ador adolescente = escola6 IV - garantia de pleno e !ormal con"ecimento da atribuiç#o de ato in!racional, igualdade na relaç#o processual e de!esa técnica por pro!issional "abilitado, segundo dispuser a legislaç#o tutelar especí!ica6 V - obedi<ncia aos princípios de brevidade, excepcionalidade e respeito = condiç#o peculiar de pessoa em desenvolvimento, 7uando da aplicaç#o de 7ual7uer medida privativa da liberdade6 VI - estímulo do ,oder ,3blico, através de assist<ncia urídica, incentivos !iscais e subsídios, nos termos da lei, ao acol"imento, sob a !orma de guarda, de criança ou adolescente ór!#o ou abandonado6 VII - programas de prevenç#o e atendimento especiali:ado = criança e ao adolescente dependente de entorpecentes e drogas a!ins2

2 'º ) A lei punirá severamente o abuso, a viol<ncia e a exploraç#o sexual da criança e do adolescente2 2 +º ) A adoç#o será assistida pelo ,oder ,3blico, na !orma da lei, 7ue estabelecerá casos e condiç;es de sua e!etivaç#o por parte de estrangeiros2 2 3º ) $s !il"os, "avidos ou n#o da relaç#o do casamento, ou por adoç#o, ter#o os mesmos direitos e 7uali!icaç;es, proibidas 7uais7uer designaç;es discriminatórias relativas = !iliaç#o2 2 4º ) No atendimento dos direitos da criança e do adolescente levar-se-á em consideraç#o o disposto no art. %7'2 Art. %%0 - %#o penalmente inimputáveis os menores de de:oito anos, su eitos =s normas da legislaç#o especial2 Art. %%6 - $s pais t<m o dever de assistir, criar e educar os !il"os menores, e os !il"os maiores t<m o dever de a udar e amparar os pais na vel"ice, car<ncia ou en!ermidade2 Art. %&7 - A !amília, a sociedade e o Estado t<m o dever de amparar as pessoas idosas, assegurando sua participaç#o na comunidade, de!endendo sua dignidade e bem-estar e garantindo-l"es o direito = vida2 2 1º ) $s programas de amparo aos idosos ser#o executados

pre!erencialmente em seus lares2 2 %º ) Aos maiores de sessenta e cinco anos é garantida a gratuidade dos transportes coletivos urbanos2

CAPÍTULO VIII DOS ÍNDIOS

Art. %&1 - %#o recon"ecidos aos índios sua organi:aç#o social, costumes, línguas, crenças e tradiç;es, e os direitos originários sobre as terras 7ue tradicionalmente ocupam, competindo = (ni#o demarcá-las, proteger e !a:er respeitar todos os seus bens2

2 1º ) %#o terras tradicionalmente ocupadas pelos índios as por eles "abitadas em caráter permanente, as utili:adas para suas atividades produtivas, as imprescindíveis = preservaç#o dos recursos ambientais necessários a seu bem-estar e as necessárias a sua reproduç#o !ísica e cultural, segundo seus usos, costumes e tradiç;es2 2 %º ) As terras tradicionalmente ocupadas pelos índios destinam-se a sua posse permanente, cabendo-l"es o usu!ruto exclusivo das ri7ue:as do solo, dos rios e dos lagos nelas existentes2 2 &º ) $ aproveitamento dos recursos "ídricos, incluídos os potenciais energéticos, a pes7uisa e a lavra das ri7ue:as minerais em terras indígenas só podem ser e!etivados com autori:aç#o do Congresso Nacional, ouvidas as comunidades a!etadas, !icando-l"es assegurada participaç#o nos resultados da lavra, na !orma da lei2 2 'º ) As terras de 7ue trata este artigo s#o inalienáveis e indisponíveis, e os direitos sobre elas, imprescritíveis2 2 +º ) B vedada a remoç#o dos grupos indígenas de suas terras, salvo, ad re(erendum do Congresso Nacional, em caso de catástro!e ou epidemia 7ue pon"a em risco sua populaç#o, ou no interesse da soberania do ,aís, após deliberaç#o do Congresso Nacional, garantido, em 7ual7uer "ipótese, o retorno imediato logo 7ue cesse o risco2 2 3º ) %#o nulos e extintos, n#o produ:indo e!eitos urídicos, os atos 7ue ten"am por ob eto a ocupaç#o, o domínio e a posse das terras a 7ue se re!ere este artigo, ou a exploraç#o das ri7ue:as naturais do solo, dos rios e dos lagos nelas existentes, ressalvado relevante interesse p3blico da (ni#o, segundo o 7ue dispuser lei complementar, n#o gerando a nulidade e a extinç#o direito a indeni:aç#o ou aç;es contra a (ni#o, salvo, na !orma da lei, 7uanto =s ben!eitorias derivadas da ocupaç#o de boa !é2 2 4º ) N#o se aplica =s terras indígenas o disposto no art. 14'1 22 &º / 'º2

Art. %&% - $s índios, suas comunidades e organi:aç;es s#o partes legítimas para ingressar em uí:o em de!esa de seus direitos e interesses, intervindo o 4inistério ,3blico em todos os atos do processo2

TÍTULO I( DAS DISPOSIÇ?ES CONSTITUCIONAIS *ERAIS

Art. %&& - ,ara e!eito do art. 4º1 ((I(, o empregador rural comprovará, de cinco em cinco anos, perante a 9ustiça do &rabal"o, o cumprimento das suas obrigaç;es trabal"istas para com o empregado rural, na presença deste e de seu representante sindical2 2 1º ) (ma ve: comprovado o cumprimento das obrigaç;es mencionadas neste artigo, !ica o empregador isento de 7ual7uer 8nus decorrente da7uelas obrigaç;es no período respectivo2 Caso o empregado e seu representante n#o concordem com a comprovaç#o do empregador, caberá = 9ustiça do &rabal"o a soluç#o da controvérsia2 2 %º ) 0ica ressalvado ao empregado, em 7ual7uer "ipótese, o direito de postular, udicialmente, os créditos 7ue entender existir, relativamente aos 3ltimos cinco anos2 2 &º ) A comprovaç#o mencionada neste artigo poderá ser !eita em pra:o in!erior a cinco anos, a critério do empregador2 Art. %&' - B vedado = (ni#o, direta ou indiretamente, assumir, em decorr<ncia da criaç#o de Estado, encargos re!erentes a despesas com pessoal inativo e com encargos e amorti:aç;es da dívida interna ou externa da administraç#o p3blica, inclusive da indireta2 Art. %&+ - Nos de: primeiros anos da criaç#o de Estado, ser#o observadas as seguintes normas básicas5 I - a Assembléia /egislativa será composta de de:essete Deputados se a populaç#o do Estado !or in!erior a seiscentos mil "abitantes, e de vinte e

7uatro, se igual ou superior a esse n3mero, até um mil"#o e 7uin"entos mil6 II - o Doverno terá no máximo de: %ecretarias6 III - o &ribunal de Contas terá tr<s membros, nomeados, pelo Dovernador eleito, dentre brasileiros de comprovada idoneidade e notório saber6 IV - o &ribunal de 9ustiça terá sete Desembargadores6 V - os primeiros Desembargadores ser#o nomeados pelo Dovernador eleito, escol"idos da seguinte !orma5 a, cinco dentre os magistrados com mais de trinta e cinco anos de idade, em exercício na área do novo Estado ou do Estado originário6 -, dois dentre promotores, nas mesmas condiç;es, e advogados de comprovada idoneidade e saber urídico, com de: anos, no mínimo, de exercício pro!issional, obedecido o procedimento !ixado na Constituiç#o6 VI - no caso de Estado proveniente de &erritório 0ederal, os cinco primeiros Desembargadores poder#o ser escol"idos dentre uí:es de direito de 7ual7uer parte do ,aís6 VII - em cada Comarca, o primeiro 9ui: de Direito, o primeiro ,romotor de 9ustiça e o primeiro De!ensor ,3blico ser#o nomeados pelo Dovernador eleito após concurso p3blico de provas e títulos6 VIII - até a promulgaç#o da Constituiç#o Estadual, responder#o pela ,rocuradoria-Deral, pela Advocacia-Deral e pela De!ensoria-Deral do Estado advogados de notório saber, com trinta e cinco anos de idade, no mínimo, nomeados pelo Dovernador eleito e demissíveis ad nutum6 I( - se o novo Estado !or resultado de trans!ormaç#o de &erritório 0ederal, a trans!er<ncia de encargos !inanceiros da (ni#o para pagamento dos servidores optantes 7ue pertenciam = Administraç#o 0ederal ocorrerá da seguinte !orma5 a, no sexto ano de instalaç#o, o Estado assumirá vinte por cento dos encargos !inanceiros para !a:er !ace ao pagamento dos servidores p3blicos, !icando ainda o restante sob a responsabilidade da (ni#o6

-, no sétimo ano, os encargos do Estado ser#o acrescidos de trinta por cento e, no oitavo, dos restantes cin7@enta por cento6 ( - as nomeaç;es 7ue se seguirem =s primeiras, para os cargos mencionados neste artigo, ser#o disciplinadas na Constituiç#o Estadual6 (I - as despesas orçamentárias com pessoal n#o poder#o ultrapassar cin7@enta por cento da receita do Estado2 Art. %&3 - $s serviços notariais e de registro s#o exercidos em caráter privado, por delegaç#o do ,oder ,3blico2 2 1º ) /ei regulará as atividades, disciplinará a responsabilidade civil e criminal dos notários, dos o!iciais de registro e de seus prepostos, e de!inirá a !iscali:aç#o de seus atos pelo ,oder 9udiciário2 2 %º ) /ei !ederal estabelecerá normas gerais para !ixaç#o de emolumentos relativos aos atos praticados pelos serviços notariais e de registro2 2 &º ) $ ingresso na atividade notarial e de registro depende de concurso p3blico de provas e títulos, n#o se permitindo 7ue 7ual7uer serventia !i7ue vaga, sem abertura de concurso de provimento ou de remoç#o, por mais de seis meses2 Art. %&4 - A !iscali:aç#o e o controle sobre o comércio exterior, essenciais = de!esa dos interesses !a:endários nacionais, ser#o exercidos pelo 4inistério da 0a:enda2 Art. %&0 - A lei ordenará a venda e revenda de combustíveis de petróleo, álcool carburante e outros combustíveis derivados de matérias-primas renováveis, respeitados os princípios desta Constituiç#o2 Art. %&6 - A arrecadaç#o decorrente das contribuiç;es para o ,rograma de 'ntegraç#o %ocial, criado pela /ei Complementar nN J, de J de setembro de ?LJM, e para o ,rograma de 0ormaç#o do ,atrim8nio do %ervidor ,3blico, criado pela /ei Complementar nN K, de C de de:embro de ?LJM, passa, a partir da promulgaç#o desta Constituiç#o, a !inanciar, nos termos 7ue a lei dispuser, o programa do seguro-desemprego e o abono de 7ue trata o 2 &º ./5t/ art#g 2

2 1º ) Dos recursos mencionados no caput ./5t/ art#g , pelo menos 7uarenta por cento ser#o destinados a !inanciar programas de desenvolvimento econ8mico, através do .anco Nacional de Desenvolvimento Econ8mico e %ocial, com critérios de remuneraç#o 7ue l"es preservem o valor2 2 %º ) $s patrim8nios acumulados do ,rograma de 'ntegraç#o %ocial e do ,rograma de 0ormaç#o do ,atrim8nio do %ervidor ,3blico s#o preservados, mantendo-se os critérios de sa7ue nas situaç;es previstas nas leis especí!icas, com exceç#o da retirada por motivo de casamento, !icando vedada a distribuiç#o da arrecadaç#o de 7ue trata o caput ./5t/ art#g , para depósito nas contas individuais dos participantes2 2 &º ) Aos empregados 7ue percebam de empregadores 7ue contribuem para o ,rograma de 'ntegraç#o %ocial ou para o ,rograma de 0ormaç#o do ,atrim8nio do %ervidor ,3blico, até dois salários mínimos de remuneraç#o mensal, é assegurado o pagamento de um salário mínimo anual, computado neste valor o rendimento das contas individuais, no caso da7ueles 7ue á participavam dos re!eridos programas, até a data da promulgaç#o desta Constituiç#o2 2 'º ) $ !inanciamento do seguro-desemprego receberá uma contribuiç#o adicional da empresa cu o índice de rotatividade da !orça de trabal"o superar o índice médio da rotatividade do setor, na !orma estabelecida por lei2 Art. %'7 - 0icam ressalvadas do disposto no art. 16+ as atuais contribuiç;es compulsórias dos empregadores sobre a !ol"a de salários, destinadas =s entidades privadas de serviço social e de !ormaç#o pro!issional vinculadas ao sistema sindical2
??J

Art. %'1 - A (ni#o, os Estados, o Distrito 0ederal e os 4unicípios disciplinar#o

por meio de lei os consórcios p3blicos e os conv<nios de cooperaç#o entre os entes !ederados, autori:ando a gest#o associada de serviços p3blicos, bem como a trans!er<ncia total ou parcial de encargos, serviços, pessoal e bens essenciais = continuidade dos serviços trans!eridos2

Art. %'% - $ princípio do art. %731 IV, n#o se aplica =s instituiç;es educacionais o!iciais criadas por lei estadual ou municipal e existentes na data da promulgaç#o desta Constituiç#o, 7ue n#o se am total ou preponderantemente mantidas com recursos p3blicos2 2 1º ) $ ensino da Vistória do .rasil levará em conta as contribuiç;es das di!erentes culturas e etnias para a !ormaç#o do povo brasileiro2 2 %º ) $ Colégio ,edro '', locali:ado na cidade do +io de 9aneiro, será mantido na órbita !ederal2 Art. %'& - As glebas de 7ual7uer regi#o do ,aís onde !orem locali:adas culturas ilegais de plantas psicotrópicas ser#o imediatamente expropriadas e ao especi!icamente destinadas ao assentamento de colonos, para o cultivo de produtos alimentícios e medicamentosos, sem 7ual7uer indeni:aç#o proprietário e sem pre uí:o de outras sanç;es previstas em lei2 Parágraf !"#$ ) &odo e 7ual7uer bem de valor econ8mico apreendido em

decorr<ncia do trá!ico ilícito de entorpecentes e drogas a!ins será con!iscado e reverterá em bene!ício de instituiç;es e pessoal especiali:ados no tratamento e recuperaç#o de viciados e no aparel"amento e custeio de atividades de !iscali:aç#o, controle, prevenç#o e repress#o do crime de trá!ico dessas subst>ncias2 Art. %'' - A lei disporá sobre a adaptaç#o dos logradouros, dos edi!ícios de uso p3blico e dos veículos de transporte coletivo atualmente existentes a !im de garantir acesso ade7uado =s pessoas portadoras de de!ici<ncia, con!orme o disposto no art. %%41 2 %º2 Art. %'+ - A lei disporá sobre as "ipóteses e condiç;es em 7ue o ,oder ,3blico dará assist<ncia aos "erdeiros e dependentes carentes de pessoas vitimadas por crime doloso, sem pre uí:o da responsabilidade civil do autor do ilícito2 Art. %'3 - B vedada a adoç#o de medida provisória na regulamentaç#o de artigo da Constituiç#o cu a redaç#o ten"a sido alterada por meio de emenda promulgada a partir de ?LLH2

Art. %'4 - As leis previstas no #"$#5 III . 2 1º . art. '1 e no 2 4º . art. 136 estabelecer#o critérios e garantias especiais para a perda do cargo pelo servidor p3blico estável 7ue, em decorr<ncia das atribuiç;es de seu cargo e!etivo, desenvolva atividades exclusivas de Estado2 Parágraf !"#$ - Na "ipótese de insu!ici<ncia de desempen"o, a perda do

cargo somente ocorrerá mediante processo administrativo em 7ue l"e se am assegurados o contraditório e a ampla de!esa2 Art. %'0º) $s bene!ícios pagos, a 7ual7uer título, pelo órg#o responsável pelo regime geral de previd<ncia social, ainda 7ue = conta do &esouro Nacional, e os n#o su eitos ao limite máximo de valor !ixado para os bene!ícios concedidos por esse regime observar#o os limites !ixados no art2 CJ, R'2 * -rt. 248 acrescentado pela Emenda Constitucional nº 20 de 1 de de!em"ro de 1998. Art. %'6º ) Com o ob etivo de assegurar recursos para o pagamento de proventos de aposentadoria e pens;es concedidas aos respectivos servidores e seus dependentes, em adiç#o aos recursos dos respectivos tesouros, a (ni#o, os Estados, o Distrito 0ederal e os 4unicípios poder#o constituir !undos integrados pelos recursos provenientes de contribuiç;es e por bens, direitos e ativos de 7ual7uer nature:a, mediante lei 7ue disporá sobre a nature:a e administraç#o desses !undos2 * -rt. 249 acrescentado pela Emenda Constitucional nº 20 de 1 de de!em"ro de 1998. Art. %+7º ) Com o ob etivo de assegurar recursos para o pagamento dos

bene!ícios concedidos pelo regime geral de previd<ncia social, em adiç#o aos recursos de sua arrecadaç#o, a (ni#o poderá constituir !undo integrado por bens, direitos e ativos de 7ual7uer nature:a, mediante lei 7ue disporá sobre a nature:a e administraç#o desse !undo2 * -rt. 2 0 acrescentado pela Emenda Constitucional nº 20 de 1 de de!em"ro de 1998.

ATO DAS DISPOSIÇ?ES CONSTITUCIONAIS TRANSIT9RIAS Art. 1º ) $ ,residente da +ep3blica, o ,residente do %upremo &ribunal 0ederal e os membros do Congresso Nacional prestar#o o compromisso de manter, de!ender e cumprir a Constituiç#o, no ato e na data de sua promulgaç#o2 Art. %º ) No dia J de setembro de ?LLC o eleitorado de!inirá, através de plebiscito, a !orma Frep3blica ou monar7uia constitucionalG e o sistema de governo Fparlamentarismo ou presidencialismoG 7ue devem vigorar no ,aís2 2 1º ) %erá assegurada gratuidade na livre divulgaç#o dessas !ormas e sistemas, através dos meios de comunicaç#o de massa cessionários de serviço p3blico2 2 %º ) $ &ribunal %uperior Eleitoral, promulgada a Constituiç#o, expedirá as normas regulamentadoras deste artigo2 2 &º - Art2 CN - A revis#o constitucional será reali:ada após cinco anos, contados da promulgaç#o da Constituiç#o, pelo voto da maioria absoluta dos membros do Congresso Nacional, em sess#o unicameral2 Art. 'º - $ mandato do atual ,residente da +ep3blica terminará em ?H de março de ?LLM2 2 1º - A primeira eleiç#o para ,residente da +ep3blica após a promulgaç#o da Constituiç#o será reali:ada no dia ?H de novembro de ?LKL, n#o se l"e aplicando o disposto no art2 ?I da Constituiç#o2 2 %º - B assegurada a irredutibilidade da atual representaç#o dos Estados e do Distrito 0ederal na C>mara dos Deputados2 2 &º - $s mandatos dos Dovernadores e dos 1ice-Dovernadores eleitos em ?H de novembro de ?LKI terminar#o em ?H de março de ?LL?2 2 'º - $s mandatos dos atuais ,re!eitos, 1ice-,re!eitos e 1ereadores terminar#o no dia ?N de aneiro de ?LKL, com a posse dos eleitos2 Art. +º - N#o se aplicam =s eleiç;es previstas para ?H de novembro de ?LKK o disposto no art2 ?I e as regras do art2 JJ da Constituiç#o2

2 1º - ,ara as eleiç;es de ?H de novembro de ?LKK será exigido domicílio eleitoral na circunscriç#o pelo menos durante os 7uatro meses anteriores ao pleito, podendo os candidatos 7ue preenc"am este re7uisito, atendidas as demais exig<ncias da lei, ter seu registro e!etivado pela 9ustiça Eleitoral após a promulgaç#o da Constituiç#o2 2 %º - Na aus<ncia de norma legal especí!ica, caberá ao &ribunal %uperior Eleitoral editar as normas necessárias = reali:aç#o das eleiç;es de ?LKK, respeitada a legislaç#o vigente2 2 &º - $s atuais parlamentares !ederais e estaduais eleitos 1ice-,re!eitos, se convocados a exercer a !unç#o de ,re!eito, n#o perder#o o mandato parlamentar2 2 'º - $ n3mero de vereadores por município será !ixado, para a representaç#o a ser eleita em ?LKK, pelo respectivo &ribunal +egional Eleitoral, respeitados os limites estipulados no art2 AL, '1, da Constituiç#o2 Art. +º - N#o se aplicam =s eleiç;es previstas para ?H de novembro de ?LKK o disposto no art2 ?I e as regras do art2 JJ da Constituiç#o2 2 1º - ,ara as eleiç;es de ?H de novembro de ?LKK será exigido domicílio eleitoral na circunscriç#o pelo menos durante os 7uatro meses anteriores ao pleito, podendo os candidatos 7ue preenc"am este re7uisito, atendidas as demais exig<ncias da lei, ter seu registro e!etivado pela 9ustiça Eleitoral após a promulgaç#o da Constituiç#o2 2 %º - Na aus<ncia de norma legal especí!ica, caberá ao &ribunal %uperior Eleitoral editar as normas necessárias = reali:aç#o das eleiç;es de ?LKK, respeitada a legislaç#o vigente2 2 &º - $s atuais parlamentares !ederais e estaduais eleitos 1ice-,re!eitos, se convocados a exercer a !unç#o de ,re!eito, n#o perder#o o mandato parlamentar2 2 'º - $ n3mero de vereadores por município será !ixado, para a representaç#o a ser eleita em ?LKK, pelo respectivo &ribunal +egional Eleitoral, respeitados os limites estipulados no art2 AL, '1, da Constituiç#o2

2 +º - ,ara as eleiç;es de ?H de novembro de ?LKK, ressalvados os 7ue á exercem mandato eletivo, s#o inelegíveis para 7ual7uer cargo, no território de urisdiç#o do titular, o c8n uge e os parentes por consang@inidade ou a!inidade, até o segundo grau, ou por adoç#o, do ,residente da +ep3blica, do Dovernador de Estado, do Dovernador do Distrito 0ederal e do ,re!eito 7ue ten"am exercido mais da metade do mandato2 Art. 3º - Nos seis meses posteriores = promulgaç#o da Constituiç#o, parlamentares !ederais, reunidos em n3mero n#o in!erior a trinta, poder#o re7uerer ao &ribunal %uperior Eleitoral o registro de novo partido político, untando ao re7uerimento o mani!esto, o estatuto e o programa devidamente assinados pelos re7uerentes2 2 1º - $ registro provisório, 7ue será concedido de plano pelo &ribunal %uperior Eleitoral, nos termos deste artigo, de!ere ao novo partido todos os direitos, deveres e prerrogativas dos atuais, entre eles o de participar, sob legenda própria, das eleiç;es 7ue vierem a ser reali:adas nos do:e meses seguintes a sua !ormaç#o2 2 %º - $ novo partido perderá automaticamente seu registro provisório se, no pra:o de vinte e 7uatro meses, contados de sua !ormaç#o, n#o obtiver registro de!initivo no &ribunal %uperior Eleitoral, na !orma 7ue a lei dispuser2 Art. 4º - $ .rasil propugnará pela !ormaç#o de um tribunal internacional dos direitos "umanos2 Art. 0º - B concedida anistia aos 7ue, no período de ?K de setembro de ?LEI até a data da promulgaç#o da Constituiç#o, !oram atingidos, em decorr<ncia de motivaç#o exclusivamente política, por atos de exceç#o, institucionais ou complementares, aos 7ue !oram abrangidos pelo Decreto /egislativo nN ?K, de ?H de de:embro de ?LI?, e aos atingidos pelo Decreto-/ei nN KIE, de ?A de setembro de ?LIL, asseguradas as promoç;es, na inatividade, ao cargo, emprego, posto ou graduaç#o a 7ue teriam direito se estivessem em serviço ativo, obedecidos os pra:os de perman<ncia em atividade previstos nas leis e regulamentos vigentes,

respeitadas as características e peculiaridades das carreiras dos servidores p3blicos civis e militares e observados os respectivos regimes urídicos2 2 1º - $ disposto neste artigo somente gerará e!eitos !inanceiros a partir da promulgaç#o da Constituiç#o, vedada a remuneraç#o de 7ual7uer espécie em caráter retroativo2 2 %º - 0icam assegurados os bene!ícios estabelecidos neste artigo aos trabal"adores do setor privado, dirigentes e representantes sindicais 7ue, por motivos exclusivamente políticos, ten"am sido punidos, demitidos ou compelidos ao a!astamento das atividades remuneradas 7ue exerciam, bem como aos 7ue !oram impedidos de exercer atividades pro!issionais em virtude de press;es ostensivas ou expedientes o!iciais sigilosos2 2 &º - Aos cidad#os 7ue !oram impedidos de exercer, na vida civil, atividade pro!issional especí!ica, em decorr<ncia das ,ortarias +eservadas do 4inistério da Aeronáutica nN %-HM-D4H, de ?L de un"o de ?LIE, e nN %-AKH-D4H será concedida reparaç#o de nature:a econ8mica, na !orma 7ue dispuser lei de iniciativa do Congresso Nacional e a entrar em vigor no pra:o de do:e meses a contar da promulgaç#o da Constituiç#o2 2 'º - Aos 7ue, por !orça de atos institucionais, ten"am exercido gratuitamente mandato eletivo de vereador ser#o computados, para e!eito de aposentadoria no serviço p3blico e previd<ncia social, os respectivos períodos2 2 +º - A anistia concedida nos termos deste artigo aplica-se aos servidores p3blicos civis e aos empregados em todos os níveis de governo ou em suas !undaç;es, empresas p3blicas ou empresas mistas sob controle estatal, exceto nos 4inistérios militares, 7ue ten"am sido punidos ou demitidos por atividades pro!issionais interrompidas em virtude de decis#o de seus trabal"adores, bem como em decorr<ncia do Decreto-/ei nN ?2ICA, de E de agosto de ?LJK, ou por motivos exclusivamente políticos, assegurada a readmiss#o dos 7ue !oram atingidos a partir de ?LJL, observado o disposto no P ?N2 Art. 6º - $s 7ue, por motivos exclusivamente políticos, !oram cassados ou tiveram seus direitos políticos suspensos no período de ?H de ul"o a C? de de:embro de

?LIL, por ato do ent#o ,residente da +ep3blica, poder#o re7uerer ao %upremo &ribunal 0ederal o recon"ecimento dos direitos e vantagens interrompidos pelos atos punitivos, desde 7ue comprovem terem sido estes eivados de vício grave2 Parágraf !"#$ - $ %upremo &ribunal 0ederal pro!erirá a decis#o no pra:o de

cento e vinte dias, a contar do pedido do interessado2 Art. 17 - Até 7ue se a promulgada a lei complementar a 7ue se re!ere o art2 JN, ', da Constituiç#o5 I - !ica limitada a proteç#o nele re!erida ao aumento, para 7uatro ve:es, da porcentagem prevista no art2 IN, caput e P ?N, da /ei nN H2?MJ, de ?C de setembro de ?LII6 II - !ica vedada a dispensa arbitrária ou sem usta causa5 a, do empregado eleito para cargo de direç#o de comiss;es internas de prevenç#o de acidentes, desde o registro de sua candidatura até um ano após o !inal de seu mandato6 -, da empregada gestante, desde a con!irmaç#o da gravide: até cinco meses após o parto2 2 1º - Até 7ue a lei ven"a a disciplinar o disposto no art2 JN, R'R, da Constituiç#o, o pra:o da licença-paternidade a 7ue se re!ere o inciso é de cinco dias2 2 %º - Até ulterior disposiç#o legal, a cobrança das contribuiç;es para o custeio das atividades dos sindicatos rurais será !eita untamente com a do imposto territorial rural, pelo mesmo órg#o arrecadador2 2 &º - Na primeira comprovaç#o do cumprimento das obrigaç;es trabal"istas pelo empregador rural, na !orma do art2 ACC, após a promulgaç#o da Constituiç#o, será certi!icada perante a 9ustiça do &rabal"o a regularidade do contrato e das atuali:aç;es das obrigaç;es trabal"istas de todo o período2 Art. 11 - Cada Assembléia /egislativa, com poderes constituintes, elaborará a Constituiç#o do Estado, no pra:o de um ano, contado da promulgaç#o da Constituiç#o 0ederal, obedecidos os princípios desta2

Parágraf

!"#$

- ,romulgada a Constituiç#o do Estado, caberá = C>mara

4unicipal, no pra:o de seis meses, votar a /ei $rg>nica respectiva, em dois turnos de discuss#o e votaç#o, respeitado o disposto na Constituiç#o 0ederal e na Constituiç#o Estadual2 Art. 1% -%erá criada, dentro de noventa dias da promulgaç#o da Constituiç#o, Comiss#o de Estudos &erritoriais, com de: membros indicados pelo Congresso Nacional e cinco pelo ,oder Executivo, com a !inalidade de apresentar estudos sobre o território nacional e antepro etos relativos a novas unidades territoriais, notadamente na Ama:8nia /egal e em áreas pendentes de soluç#o2 2 1º - No pra:o de um ano, a Comiss#o submeterá ao Congresso Nacional os resultados de seus estudos para, nos termos da Constituiç#o, serem apreciados nos do:e meses subse7@entes, extinguindo-se logo após2 2 %º - $s Estados e os 4unicípios dever#o, no pra:o de tr<s anos, a contar da promulgaç#o da Constituiç#o, promover, mediante acordo ou arbitramento, a demarcaç#o de suas lin"as divisórias atualmente litigiosas, podendo para isso !a:er alteraç;es e compensaç;es de área 7ue atendam aos acidentes naturais, critérios "istóricos, conveni<ncias administrativas e comodidade das populaç;es limítro!es2 2 &º - Vavendo solicitaç#o dos Estados e 4unicípios interessados, a (ni#o poderá encarregar-se dos trabal"os demarcatórios2 2 'º - %e, decorrido o pra:o de tr<s anos, a contar da promulgaç#o da Constituiç#o, os trabal"os demarcatórios n#o tiverem sido concluídos, caberá = (ni#o determinar os limites das áreas litigiosas2 2 +º - 0icam recon"ecidos e "omologados os atuais limites do Estado do Acre com os Estados do Ama:onas e de +ond8nia, con!orme levantamentos cartográ!icos e geodésicos reali:ados pela Comiss#o &ripartite integrada por representantes dos Estados e dos serviços técnico-especiali:ados do 'nstituto .rasileiro de Deogra!ia e Estatística2

Art. 1& - criado o Estado de &ocantis, pelo desenvolvimento da área descrita neste artigo, dando-se sua instalaç#o no 7uadragéssimo sexto dia após a eleiç#o prescrita no P C, mas n#o antes de ?N de aneiro de ?LKL2 2 1º - $ Estado do &ocantins integra a +egi#o Norte e limita-se com o Estado de Doiás pelas divisas norte dos 4unicípios de %#o 4iguel do Araguaia, ,orangatu, 0ormoso, 4inaçu, Cavalcante, 4onte Alegre de Doiás e Campos .elos, conservando a leste, norte e oeste as divisas atuais de Doiás com os Estados da .a"ia, ,iauí, 4aran"#o, ,ará e 4ato Drosso2 2 %º - $ ,oder Executivo designará uma das cidades do Estado para sua Capital provisória até a aprovaç#o da sede de!initiva do governo pela Assembléia Constituinte2 2 &º - $ Dovernador, o 1ice-Dovernador, os %enadores, os Deputados 0ederais e os Deputados Estaduais ser#o eleitos, em um 3nico turno, até setenta e cinco dias após a promulgaç#o da Constituiç#o, mas n#o antes de ?H de novembro de ?LKK, a critério do &ribunal %uperior Eleitoral, obedecidas, entre outras, as seguintes normas5 I - o pra:o de !iliaç#o partidária dos candidatos será encerrado setenta e cinco dias antes da data das eleiç;es6 II - as datas das convenç;es regionais partidárias destinadas a deliberar sobre coligaç;es e escol"a de candidatos, de apresentaç#o de re7uerimento de registro dos candidatos escol"idos e dos demais procedimentos legais ser#o !ixadas, em calendário especial, pela 9ustiça Eleitoral6 III - s#o inelegíveis os ocupantes de cargos estaduais ou municipais 7ue n#o se ten"am deles a!astado, em caráter de!initivo, setenta e cinco dias antes da data das eleiç;es previstas neste parágra!o6 IV - !icam mantidos os atuais diretórios regionais dos partidos políticos do Estado de Doiás, cabendo =s comiss;es executivas nacionais designar comiss;es provisórias no Estado do &ocantins, nos termos e para os !ins previstos na lei2

2 'º - $s mandatos do Dovernador, do 1ice-Dovernador, dos Deputados 0ederais e Estaduais eleitos na !orma do parágra!o anterior extinguir-se-#o concomitantemente aos das demais unidades da 0ederaç#o6 o mandato do %enador eleito menos votado extinguir-se-á nessa mesma oportunidade, e os dos outros dois, untamente com os dos %enadores eleitos em ?LKI nos demais Estados2 2 +º - A Assembléia Estadual Constituinte será instalada no 7uadragésimo sexto dia da eleiç#o de seus integrantes, mas n#o antes de ?N de aneiro de ?LKL, sob a presid<ncia do ,residente do &ribunal +egional Eleitoral do Estado de Doiás, e dará posse, na mesma data, ao Dovernador e ao 1iceDovernador eleitos2 2 3º - Aplicam-se = criaç#o e instalaç#o do Estado do &ocantins, no 7ue couber, as normas legais disciplinadoras da divis#o do Estado de 4ato Drosso, observado o disposto no art2 ACE da Constituiç#o2 2 4º - 0ica o Estado de Doiás liberado dos débitos e encargos decorrentes de empreendimentos no território do novo Estado, e autori:ada a (ni#o, a seu critério, a assumir os re!eridos débitos2 Art. 1' -$s &erritórios 0ederais de +oraima e do Amapá s#o trans!ormados em Estados 0ederados, mantidos seus atuais limites geográ!icos2 2 1º - A instalaç#o dos Estados dar-se-á com a posse dos governadores eleitos em ?LLM2 2 %º - Aplicam-se = trans!ormaç#o e instalaç#o dos Estados de +oraima e Amapá as normas e critérios seguidos na criaç#o do Estado de +ond8nia, respeitado o disposto na Constituiç#o e neste Ato2 2 &º - $ ,residente da +ep3blica, até 7uarenta e cinco dias após a promulgaç#o da Constituiç#o, encamin"ará = apreciaç#o do %enado 0ederal os nomes dos governadores dos Estados de +oraima e do Amapá 7ue exercer#o o ,oder Executivo até a instalaç#o dos novos Estados com a posse dos governadores eleitos2

2 'º - En7uanto n#o concreti:ada a trans!ormaç#o em Estados, nos termos deste artigo, os &erritórios 0ederais de +oraima e do Amapá ser#o bene!iciados pela trans!er<ncia de recursos prevista nos arts2 ?HL, ', a, da Constituiç#o, e CE, P AN, '', deste Ato2 Art. 1+ - 0ica extinto o &erritório 0ederal de 0ernando de Noron"a, sendo sua área reincorporada ao Estado de ,ernambuco2 Art. 13 - Até 7ue se e!etive o disposto no art2 CA, P AN, da Constituiç#o, caberá ao ,residente da +ep3blica, com a aprovaç#o do %enado 0ederal, indicar o Dovernador e o 1ice-Dovernador do Distrito 0ederal2 2 1º - A compet<ncia da C>mara /egislativa do Distrito 0ederal, até 7ue se instale, será exercida pelo %enado 0ederal2 2 %º - A !iscali:aç#o contábil, !inanceira, orçamentária, operacional e patrimonial do Distrito 0ederal, en7uanto n#o !or instalada a C>mara /egislativa, será exercida pelo %enado 0ederal, mediante controle externo, com o auxílio do &ribunal de Contas do Distrito 0ederal, observado o disposto no art2 JA da Constituiç#o2 2 &º - 'ncluem-se entre os bens do Distrito 0ederal a7ueles 7ue l"e vierem a ser atribuídos pela (ni#o na !orma da lei2 Art. 14 - $s vencimentos, a remuneraç#o, as vantagens e os adicionais, bem como os proventos de aposentadoria 7ue este am sendo percebidos em desacordo com a Constituiç#o ser#o imediatamente redu:idos aos limites dela decorrentes, n#o se admitindo, neste caso, invocaç#o de direito ad7uirido ou percepç#o de excesso a 7ual7uer título2 2 1º - B assegurado o exercício cumulativo de dois cargos ou empregos privativos de médico 7ue este am sendo exercidos por médico militar na administraç#o p3blica direta ou indireta2 2 %º - B assegurado o exercício cumulativo de dois cargos ou empregos privativos de pro!issionais de sa3de 7ue este am sendo exercidos na administraç#o p3blica direta ou indireta2 Art. 10 - 0icam extintos os e!eitos urídicos de 7ual7uer ato legislativo ou administrativo, lavrado a partir da instalaç#o da Assembléia Nacional Constituinte,

7ue ten"a por ob eto a concess#o de estabilidade a servidor admitido sem concurso p3blico, da administraç#o direta ou indireta, inclusive das !undaç;es instituídas e mantidas pelo ,oder ,3blico2 Art. 16 - $s servidores p3blicos civis da (ni#o, dos Estados, do Distrito 0ederal e dos 4unicípios, da administraç#o direta, autár7uica e das !undaç;es p3blicas, em exercício na data da promulgaç#o da Constituiç#o, "á pelo menos cinco anos continuados, e 7ue n#o ten"am sido admitidos na !orma regulada no art. &41 .a C "5t#t<#JN , s#o considerados estáveis no serviço p3blico2 2 1º ) $ tempo de serviço dos servidores re!eridos neste artigo será contado como título 7uando se submeterem a concurso para !ins de e!etivaç#o, na !orma da lei2 2 %º ) $ disposto neste artigo n#o se aplica aos ocupantes de cargos, !unç;es e empregos de con!iança ou em comiss#o, nem aos 7ue a lei declare de livre exoneraç#o, cu o tempo de serviço n#o será computado para os !ins do caput ./5t/ art#g , exceto se se tratar de servidor2 2 &º ) $ disposto neste artigo n#o se aplica aos pro!essores de nível superior, nos termos da lei2 Art. %7 - Dentro de cento e oitenta dias, proceder-se-á = revis#o dos direitos dos servidores p3blicos inativos e pensionistas e = atuali:aç#o dos proventos e pens;es a eles devidos, a !im de a ustá-los ao disposto na Constituiç#o2 Art. %1 - $s uí:es togados de investidura limitada no tempo, admitidos mediante concurso p3blico de provas e títulos e 7ue este am em exercício na data da promulgaç#o da Constituiç#o, ad7uirem estabilidade, observado o estágio probatório, e passam a compor 7uadro em extinç#o, mantidas as compet<ncias, prerrogativas e restriç;es da legislaç#o a 7ue se ac"avam submetidos, salvo as inerentes = transitoriedade da investidura2 Parágraf !"#$ ) A aposentadoria dos uí:es de 7ue trata este artigo regularse-á pelas normas !ixadas para os demais uí:es estaduais2 Art. %% - B assegurado aos de!ensores p3blicos investidos na !unç#o até a data de instalaç#o da Assembléia Nacional Constituinte o direito de opç#o pela carreira,

com a observ>ncia das garantias e vedaç;es previstas no art. 1&'1 :arágraf !"#$ 1 .a C "5t#t<#JN 2 Art. %& - Até 7ue se edite a regulamentaç#o do art. %11 (VI1 .a C "5t#t<#JN , os atuais ocupantes do cargo de censor !ederal continuar#o exercendo !unç;es com este compatíveis, no Departamento de ,olícia 0ederal, observadas as disposiç;es constitucionais2 Parágraf !"#$ ) A lei re!erida disporá sobre o aproveitamento dos censores !ederais, nos termos deste artigo2 Art. %' - A (ni#o, os Estados, o Distrito 0ederal e os 4unicípios editar#o leis 7ue estabeleçam critérios para a compatibili:aç#o de seus 7uadros de pessoal ao disposto no art. &6 .a C "5t#t<#JN e = re!orma administrativa dela decorrente, no pra:o de de:oito meses, contados da sua promulgaç#o2 Art. %+ - 0icam revogados, a partir de cento e oitenta dias da promulgaç#o da Constituiç#o, su eito este pra:o a prorrogaç#o por lei, todos os dispositivos legais 7ue atribuam ou deleguem a órg#o do ,oder Executivo compet<ncia assinalada pela Constituiç#o ao Congresso Nacional, especialmente no 7ue tange a5 I - aç#o normativa6 II - alocaç#o ou trans!er<ncia de recursos de 7ual7uer espécie2 2 1º ) $s decretos-leis em tramitaç#o no Congresso Nacional e por este n#o apreciados até a promulgaç#o da Constituiç#o ter#o seus e!eitos regulados da seguinte !orma5 I - se editados até A de setembro de ?LKK, ser#o apreciados pelo Congresso Nacional no pra:o de até cento e oitenta dias a contar da promulgaç#o da Constituiç#o, n#o computado o recesso parlamentar6 II - decorrido o pra:o de!inido no #"$#5 apreciaç#o, re eitados6 III - nas "ipóteses de!inidas nos #"$#5 5 I / II, ter#o plena validade os atos praticados na vig<ncia dos respectivos decretos-leis, podendo o os decretos-leis ali a"t/r# r, e n#o "avendo ser#o considerados mencionados

Congresso Nacional, se necessário, legislar sobre os e!eitos deles remanescentes2 2 %º ) $s decretos-leis editados entre C de setembro de ?LKK e a promulgaç#o da Constituiç#o ser#o convertidos, nesta data, em medidas provisórias, aplicando-se-l"es as regras estabelecidas no art. 3%1 :arágraf !"#$ 2 Art. %3 - No pra:o de um ano a contar da promulgaç#o da Constituiç#o, o Congresso Nacional promoverá, através de Comiss#o mista, exame analítico e pericial dos atos e !atos geradores do endividamento externo brasileiro2 2 1º ) A Comiss#o terá a !orça legal de Comiss#o parlamentar de in7uérito para os !ins de re7uisiç#o e convocaç#o, e atuará com o auxílio do &ribunal de Contas da (ni#o2 2 %º ) Apurada irregularidade, o Congresso Nacional proporá ao ,oder Executivo a declaraç#o de nulidade do ato e encamin"ará o processo ao 4inistério ,3blico 0ederal, 7ue !ormali:ará, no pra:o de sessenta dias, a aç#o cabível2 Art. %4 - $ %uperior &ribunal de 9ustiça será instalado sob a ,resid<ncia do %upremo &ribunal 0ederal2 2 1º ) Até 7ue se instale o %uperior &ribunal de 9ustiça, o %upremo &ribunal 0ederal exercerá as atribuiç;es e compet<ncias de!inidas na ordem constitucional precedente2 2 %º ) A composiç#o inicial do %uperior &ribunal de 9ustiça !ar-se-á5 I - pelo aproveitamento dos 4inistros do &ribunal 0ederal de +ecursos6 II - pela nomeaç#o dos 4inistros 7ue se am necessários para completar o n3mero estabelecido na Constituiç#o2 2 &º ) ,ara os e!eitos do disposto na Constituiç#o, os atuais 4inistros do &ribunal 0ederal de +ecursos ser#o considerados pertencentes = classe de 7ue provieram, 7uando de sua nomeaç#o2

2 'º ) 'nstalado o &ribunal, os 4inistros aposentados do &ribunal 0ederal de +ecursos tornar-se-#o, automaticamente, 4inistros aposentados do %uperior &ribunal de 9ustiça2 2 +º ) $s 4inistros a 7ue se re!ere o 2 %º1 II, ser#o indicados em lista tríplice pelo &ribunal 0ederal de +ecursos, observado o disposto no art. 17'1 :arágraf !"#$ 1 .a C "5t#t<#JN 2 2 3º ) 0icam criados cinco &ribunais +egionais 0ederais, a serem instalados no pra:o de seis meses a contar da promulgaç#o da Constituiç#o, com a urisdiç#o e sede 7ue l"es !ixar o &ribunal 0ederal de +ecursos, tendo em conta o n3mero de processos e sua locali:aç#o geográ!ica2 2 4º ) Até 7ue se instalem os &ribunais +egionais 0ederais, o &ribunal 0ederal de +ecursos exercerá a compet<ncia a eles atribuída em todo o território nacional, cabendo-l"e promover sua instalaç#o e indicar os candidatos a todos os cargos da composiç#o inicial, mediante lista tríplice, podendo desta constar uí:es !ederais de 7ual7uer regi#o, observado o disposto no 2 6º2 2 0º ) B vedado, a partir da promulgaç#o da Constituiç#o, o provimento de vagas de 4inistros do &ribunal 0ederal de +ecursos2 2 6º ) Uuando n#o "ouver ui: !ederal 7ue conte o tempo mínimo

previsto no art. 1741 II, .a C "5t#t<#JN , a promoç#o poderá contemplar ui: com menos de cinco anos no exercício do cargo2 2 17 - Compete = 9ustiça 0ederal ulgar as aç;es nela propostas até a data da promulgaç#o da Constituiç#o, e aos &ribunais +egionais 0ederais bem como ao %uperior &ribunal de 9ustiça ulgar as aç;es rescisórias das decis;es até ent#o pro!eridas pela 9ustiça 0ederal, inclusive da7uelas cu a matéria ten"a passado = compet<ncia de outro ramo do 9udiciário2 Art. %0 - $s uí:es !ederais de 7ue trata o art2 ?AC, P AN, da Constituiç#o de ?LIJ, com a redaç#o dada pela Emenda Constitucional nN J, de ?LJJ, !icam investidos na titularidade de varas na %eç#o 9udiciária para a 7ual ten"am sido nomeados ou designados6 na inexist<ncia de vagas, proceder-se-á ao desdobramento das varas existentes2

Parágraf

!"#$

) ,ara e!eito de promoç#o por antiguidade, o tempo de

serviço desses uí:es será computado a partir do dia de sua posse2 Art. %6 - En7uanto n#o aprovadas as leis complementares relativas ao 4inistério ,3blico e = Advocacia-Deral da (ni#o, o 4inistério ,3blico 0ederal, a ,rocuradoria-Deral da 0a:enda Nacional, as Consultorias 9urídicas dos 4inistérios, as ,rocuradorias e Departamentos 9urídicos de autar7uias !ederais com representaç#o própria e os membros das ,rocuradorias das (niversidades !undacionais p3blicas continuar#o a exercer suas atividades na área das respectivas atribuiç;es2 2 1º ) $ ,residente da +ep3blica, no pra:o de cento e vinte dias, encamin"ará ao Congresso Nacional pro eto de lei complementar dispondo sobre a organi:aç#o e o !uncionamento da Advocacia-Deral da (ni#o2 2 %º ) Aos atuais ,rocuradores da +ep3blica, nos termos da lei complementar, será !acultada a opç#o, de !orma irretratável, entre as carreiras do 4inistério ,3blico 0ederal e da Advocacia-Deral da (ni#o2 2 &º ) ,oderá optar pelo regime anterior, no 7ue respeita =s garantias e vantagens, o membro do 4inistério ,3blico admitido antes da promulgaç#o da Constituiç#o, observando-se, 7uanto =s vedaç;es, a situaç#o urídica na data desta2 2 'º ) $s atuais integrantes do 7uadro suplementar dos 4inistérios ,3blicos do &rabal"o e 4ilitar 7ue ten"am ad7uirido estabilidade nessas !unç;es passam a integrar o 7uadro da respectiva carreira2 2 +º ) Cabe = atual ,rocuradoria-Deral da 0a:enda Nacional, diretamente ou por delegaç#o, 7ue pode ser ao 4inistério ,3blico Estadual, representar udicialmente a (ni#o nas causas de nature:a !iscal, na área da respectiva compet<ncia, até a promulgaç#o das leis complementares previstas neste artigo2 Art. &7 - A legislaç#o 7ue criar a ustiça de pa: manterá os atuais uí:es de pa: até a posse dos novos titulares, assegurando-l"es os direitos e atribuiç;es

con!eridos a estes, e designará o dia para a eleiç#o prevista no art. 601 II1 .a C "5t#t<#JN 2 Art. &1 - %er#o estati:adas as serventias do !oro udicial, assim de!inidas em lei, respeitados os direitos dos atuais titulares2 Art. &% - $ disposto no art. %&3 n#o se aplica aos serviços notariais e de registro 7ue á ten"am sido o!iciali:ados pelo ,oder ,3blico, respeitando-se o direito de seus servidores2 Art. && - +essalvados os créditos de nature:a alimentar, o valor dos precatórios udiciais pendentes de pagamento na data da promulgaç#o da Constituiç#o, incluído o remanescente de uros e correç#o monetária, poderá ser pago em moeda corrente, com atuali:aç#o, em prestaç;es anuais, iguais e sucessivas, no pra:o máximo de oito anos, a partir de ?N de ul"o de ?LKL, por decis#o editada pelo ,oder Executivo até cento e oitenta dias da promulgaç#o da Constituiç#o2 Parágraf !"#$ ) ,oder#o as entidades devedoras, para o cumprimento do

disposto neste artigo, emitir, em cada ano, no exato montante do disp<ndio, títulos de dívida p3blica n#o computáveis para e!eito do limite global de endividamento2 Art. &' - $ sistema tributário nacional entrará em vigor a partir do primeiro dia do 7uinto m<s seguinte ao da promulgaç#o da Constituiç#o, mantido, até ent#o, o da Constituiç#o de ?LIJ, com a redaç#o dada pela Emenda nN ?, de ?LIL, e pelas posteriores2 2 1º ) Entrar#o em vigor com a promulgaç#o da Constituiç#o os art5. 1'0, 1'6, 1+7, 1+'1 I, 1+31 III, e 1+61 I1 c, revogadas as disposiç;es em contrário da Constituiç#o de ?LIJ e das Emendas 7ue a modi!icaram, especialmente de seu art2 AH, '''2 2 %º ) $ 0undo de ,articipaç#o dos Estados e do Distrito 0ederal e o 0undo de ,articipaç#o dos 4unicípios obedecer#o =s seguintes determinaç;es5 I - a partir da promulgaç#o da Constituiç#o, os percentuais ser#o, respectivamente, de de:oito por cento e de vinte por cento, calculados sobre o produto da arrecadaç#o dos impostos re!eridos no art. 1+&1 III / IV,

mantidos os atuais critérios de rateio até a entrada em vigor da lei complementar a 7ue se re!ere o art. 1311 II6 II - o percentual relativo ao 0undo de ,articipaç#o dos Estados e do Distrito 0ederal será acrescido de um ponto percentual no exercício !inanceiro de ?LKL e, a partir de ?LLM, inclusive, = ra:#o de meio ponto por exercício, até ?LLA, inclusive, atingindo em ?LLC o percentual estabelecido no art. 1+61 I1 a6 III - o percentual relativo ao 0undo de ,articipaç#o dos 4unicípios, a partir de ?LKL, inclusive, será elevado = ra:#o de meio ponto percentual por exercício !inanceiro, até atingir o estabelecido no art. 1+61 I1 "2 2 &º ) ,romulgada a Constituiç#o, a (ni#o, os Estados, o Distrito 0ederal e os 4unicípios poder#o editar as leis necessárias = aplicaç#o do sistema tributário nacional nela previsto2 2 'º ) As leis editadas nos termos do :arágraf a"t/r# r produ:ir#o e!eitos a partir da entrada em vigor do sistema tributário nacional previsto na Constituiç#o2 2 +º ) 1igente o novo sistema tributário nacional, !ica assegurada a aplicaç#o da legislaç#o anterior, no 7ue n#o se a incompatível com ele e com a legislaç#o re!erida nos 22 &º / 'º2 2 3º ) Até C? de de:embro de ?LKL, o disposto no art. 1+71 III1 ", n#o se aplica aos impostos de 7ue tratam os art5. 1++1 I1 a / ", e 1+31 II / III, 7ue podem ser cobrados trinta dias após a publicaç#o da lei 7ue os ten"a instituído ou aumentado2 2 4º ) Até 7ue se am !ixadas em lei complementar, as alí7uotas máximas do imposto municipal sobre vendas a vare o de combustíveis lí7uidos e gasosos n#o exceder#o a tr<s por cento2 2 0º ) %e, no pra:o de sessenta dias contados da promulgaç#o da Constituiç#o, n#o !or editada a lei complementar necessária = instituiç#o do imposto de 7ue trata o art. 1++, I, ", os Estados e o Distrito 0ederal, mediante

conv<nio celebrado nos termos da /ei Complementar nN AE, de J de aneiro de ?LJH, !ixar#o normas para regular provisoriamente a matéria2 2 6º ) Até 7ue lei complementar dispon"a sobre a matéria, as empresas distribuidoras de energia elétrica, na condiç#o de contribuintes ou de substitutos tributários, ser#o as responsáveis, por ocasi#o da saída do produto de seus estabelecimentos, ainda 7ue destinado a outra unidade da 0ederaç#o, pelo pagamento do imposto sobre operaç;es relativas = circulaç#o de mercadorias incidente sobre energia elétrica, desde a produç#o ou importaç#o até a 3ltima operaç#o, calculado o imposto sobre o preço ent#o praticado na operaç#o !inal e assegurado seu recol"imento ao Estado ou ao Distrito 0ederal, con!orme o local onde deva ocorrer essa operaç#o2 2 17 - En7uanto n#o entrar em vigor a lei prevista no art. 1+61 I1 c, cu a promulgaç#o se !ará até C? de de:embro de ?LKL, é assegurada a aplicaç#o dos recursos previstos na7uele dispositivo da seguinte maneira5 I - seis décimos por cento na +egi#o Norte, através do .anco da Ama:8nia %2A26 II - um inteiro e oito décimos por cento na +egi#o Nordeste, através do .anco do Nordeste do .rasil %2A26 III - seis décimos por cento na +egi#o Centro-$este, através do .anco do .rasil %2A2 2 11 - 0ica criado, nos termos da lei, o .anco de Desenvolvimento do Centro$este, para dar cumprimento, na re!erida regi#o, ao 7ue determinam os art5. 1+61 I1 c, e 16%1 2 %º1 .a C "5t#t<#JN 2 2 1% - A urg<ncia prevista no art. 1'01 II, n#o pre udica a cobrança do empréstimo compulsório instituído, em bene!ício das Centrais Elétricas .rasileiras %2A2 FEletrobrásG, pela /ei nN E2?HI, de AK de novembro de ?LIA, com as alteraç;es posteriores2 Art. &+ - $ disposto no art. 13+1 2 4º, será cumprido de !orma progressiva, no pra:o de até de: anos, distribuindo-se os recursos entre as regi;es

macroecon8micas em ra:#o proporcional = populaç#o, a partir da situaç#o veri!icada no bi<nio ?LKI-KJ2 2 1º ) ,ara aplicaç#o dos critérios de 7ue trata este artigo, excluem-se das despesas totais as relativas5 I - aos pro etos considerados prioritários no plano plurianual6 II - = segurança e de!esa nacional6 III - = manutenç#o dos órg#os !ederais no Distrito 0ederal6 IV - ao Congresso Nacional, ao &ribunal de Contas da (ni#o e ao ,oder 9udiciário6 V - ao serviço da dívida da administraç#o direta e indireta da (ni#o, inclusive !undaç;es instituídas e mantidas pelo ,oder ,3blico !ederal2 2 %º ) Até a entrada em vigor da lei complementar a 7ue se re!ere o art. 13+1 2 6º1 I / II, ser#o obedecidas as seguintes normas5 I - o pro eto do plano plurianual, para vig<ncia até o !inal do primeiro exercício !inanceiro do mandato presidencial subse7@ente, será encamin"ado até 7uatro meses antes do encerramento do primeiro exercício !inanceiro e devolvido para sanç#o até o encerramento da sess#o legislativa6 II - o pro eto de lei de diretri:es orçamentárias será encamin"ado até oito meses e meio antes do encerramento do exercício !inanceiro e devolvido para sanç#o até o encerramento do primeiro período da sess#o legislativa6 III - o pro eto de lei orçamentária da (ni#o será encamin"ado até 7uatro meses antes do encerramento do exercício !inanceiro e devolvido para sanç#o até o encerramento da sess#o legislativa2 Art. &3 - $s !undos existentes na data da promulgaç#o da Constituiç#o, excetuados os resultantes de isenç;es !iscais 7ue passem a integrar patrim8nio privado e os 7ue interessem = de!esa nacional, extinguir-se-#o, se n#o !orem rati!icados pelo Congresso Nacional no pra:o de dois anos2

Art. &4 - A adaptaç#o ao 7ue estabelece o art. 1341 III, deverá processar-se no pra:o de cinco anos, redu:indo-se o excesso = base de, pelo menos, um 7uinto por ano2 Art. &0 - Até a promulgaç#o da lei complementar re!erida no art. 136, a (ni#o, os Estados, o Distrito 0ederal e os 4unicípios n#o poder#o despender com pessoal mais do 7ue sessenta e cinco por cento do valor das respectivas receitas correntes2 Parágraf !"#$ ) A (ni#o, os Estados, o Distrito 0ederal e os 4unicípios,

7uando a respectiva despesa de pessoal exceder o limite previsto neste artigo, dever#o retornar =7uele limite, redu:indo o percentual excedente = ra:#o de um 7uinto por ano2 Art. &6 - ,ara e!eito do cumprimento das disposiç;es constitucionais 7ue impli7uem variaç;es de despesas e receitas da (ni#o, após a promulgaç#o da Constituiç#o, o ,oder Executivo deverá elaborar e o ,oder /egislativo apreciar pro eto de revis#o da lei orçamentária re!erente ao exercício !inanceiro de ?LKL2 Parágraf !"#$ ) $ Congresso Nacional deverá votar no pra:o de do:e

meses a lei complementar prevista no art. 1311 II2 Art. '7 - B mantida a Wona 0ranca de 4anaus, com suas características de área livre de comércio, de exportaç#o e importaç#o, e de incentivos !iscais, pelo pra:o de vinte e cinco anos, a partir da promulgaç#o da Constituiç#o2 Parágraf !"#$ ) %omente por lei !ederal podem ser modi!icados os critérios 7ue disciplinaram ou ven"am a disciplinar a aprovaç#o dos pro etos na Wona 0ranca de 4anaus2 Art. '1 - $s ,oderes Executivos da (ni#o, dos Estados, do Distrito 0ederal e dos 4unicípios reavaliar#o todos os incentivos !iscais de nature:a setorial ora em vigor, propondo aos ,oderes /egislativos respectivos as medidas cabíveis2 2 1º ) Considerar-se-#o revogados após dois anos, a partir da data da promulgaç#o da Constituiç#o, os incentivos 7ue n#o !orem con!irmados por lei2

2 %º ) A revogaç#o n#o pre udicará os direitos 7ue á tiverem sido ad7uiridos, =7uela data, em relaç#o a incentivos concedidos sob condiç#o e com pra:o certo2 2 &º ) $s incentivos concedidos por conv<nio entre Estados, celebrados nos termos do art2 AC, P IN, da Constituiç#o de ?LIJ, com a redaç#o da Emenda nN ?, de ?J de outubro de ?LIL, também dever#o ser reavaliados e recon!irmados nos pra:os deste artigo2 Art. '% - Durante 7uin:e anos, a (ni#o aplicará, dos recursos destinados = irrigaç#o5 I - vinte por cento na +egi#o Centro-$este6 II - cin7@enta por cento na +egi#o Nordeste, pre!erencialmente no semiárido2 Art. '& - Na data da promulgaç#o da lei 7ue disciplinar a pes7uisa e a lavra de recursos e a:idas minerais, ou no pra:o de um ano, a contar da promulgaç#o da Constituiç#o, tornar-se-#o sem e!eito as autori:aç;es, concess;es e demais títulos atributivos de direitos minerários, caso os trabal"os de pes7uisa ou de lavra n#o "a am sido comprovadamente iniciados nos pra:os legais ou este am inativos2 Art. '' - As atuais empresas brasileiras titulares de autori:aç#o de pes7uisa, concess#o de lavra de recursos minerais e de aproveitamento dos potenciais de energia "idráulica em vigor ter#o 7uatro anos, a partir da promulgaç#o da Constituiç#o, para cumprir os re7uisitos do art. 1431 2 1º2 2 1º ) +essalvadas as disposiç;es de interesse nacional previstas no texto constitucional, as empresas brasileiras !icar#o dispensadas do cumprimento do disposto no art. 1431 2 1º, desde 7ue, no pra:o de até 7uatro anos da data da promulgaç#o da Constituiç#o, ten"am o produto de sua lavra e bene!iciamento destinado a industriali:aç#o no território nacional, em seus próprios estabelecimentos ou em empresa industrial controladora ou controlada2

2 %º ) 0icar#o

também

dispensadas

do cumprimento

do disposto

no art. 1431 2 1º, as empresas brasileiras titulares de concess#o de energia "idráulica para uso em seu processo de industriali:aç#o2 2 &º ) As empresas brasileiras re!eridas no 2 1º somente poder#o ter autori:aç;es de pes7uisa e concess;es de lavra ou potenciais de energia "idráulica, desde 7ue a energia e o produto da lavra se am utili:ados nos respectivos processos industriais2 Art. '+ - 0icam excluídas do monopólio estabelecido pelo art. 1441 II1 .a C "5t#t<#JN as re!inarias em !uncionamento no ,aís amparadas pelo art. '& e nas condiç;es do art2 EH da /ei nN A2MME, de C de outubro de ?LHC2 Parágraf !"#$ ) 0icam ressalvados da vedaç#o do art. 1441 2 1º, os

contratos de risco !eitos com a ,etróleo .rasileiro %2A2 F,etrobrásG, para pes7uisa de petróleo, 7ue este am em vigor na data da promulgaç#o da Constituiç#o2 Art. '3 - %#o su eitos = correç#o monetária desde o vencimento, até seu e!etivo pagamento, sem interrupç#o ou suspens#o, os créditos unto a entidades submetidas aos regimes de intervenç#o ou li7uidaç#o extra udicial, mesmo 7uando esses regimes se am convertidos em !al<ncia2 Parágraf !"#$ ) $ disposto neste artigo aplica-se também5 I - =s operaç;es reali:adas posteriormente = decretaç#o dos regimes re!eridos no caput ./5t/ art#g 6 II - =s operaç;es de empréstimo, !inanciamento, re!inanciamento, assist<ncia !inanceira de li7uide:, cess#o ou sub-rogaç#o de créditos ou cédulas "ipotecárias, e!etivaç#o de garantia de depósitos do p3blico ou de compra de obrigaç;es passivas, inclusive as reali:adas com recursos de !undos 7ue ten"am essas destinaç;es6 III - aos créditos anteriores = promulgaç#o da Constituiç#o6 IV - aos créditos das entidades da administraç#o p3blica anteriores = promulgaç#o da Constituiç#o, n#o li7uidados até ?N de aneiro de ?LKK2

Art. '4 - Na li7uidaç#o dos débitos, inclusive suas renegociaç;es e composiç;es posteriores, ainda 7ue a ui:ados, decorrentes de 7uais7uer empréstimos concedidos por bancos e por instituiç;es !inanceiras, n#o existirá correç#o monetária desde 7ue o empréstimo ten"a sido concedido5 I - aos micro e pe7uenos empresários ou seus estabelecimentos no período de AK de !evereiro de ?LKI a AK de !evereiro de ?LKJ6 II - aos mini, pe7uenos e médios produtores rurais no período de AK de !evereiro de ?LKI a C? de de:embro de ?LKJ, desde 7ue relativos a crédito rural2 2 1º ) Consideram-se, para e!eito deste artigo, microempresas as pessoas urídicas e as !irmas individuais com receitas anuais de até de: mil $brigaç;es do &esouro Nacional, e pe7uenas empresas as pessoas urídicas e as !irmas individuais com receita anual de até vinte e cinco mil $brigaç;es do &esouro Nacional2 2 %º ) A classi!icaç#o de mini, pe7ueno e médio produtor rural será !eita obedecendo-se =s normas de crédito rural vigentes = época do contrato2 2 &º ) A isenç#o da correç#o monetária a 7ue se re!ere este artigo só será concedida nos seguintes casos5 I - se a li7uidaç#o do débito inicial, acrescido de uros legais e taxas udiciais, vier a ser e!etivada no pra:o de noventa dias, a contar da data da promulgaç#o da Constituiç#o6 II - se a aplicaç#o dos recursos n#o contrariar a !inalidade do !inanciamento, cabendo o 8nus da prova = instituiç#o credora6 III - se n#o !or demonstrado pela instituiç#o credora 7ue o mutuário disp;e de meios para o pagamento de seu débito, excluído desta demonstraç#o seu estabelecimento, a casa de moradia e os instrumentos de trabal"o e produç#o6 IV - se o !inanciamento inicial n#o ultrapassar o limite de cinco mil $brigaç;es do &esouro Nacional6 V - se o bene!iciário n#o !or proprietário de mais de cinco módulos rurais2

2 'º ) $s bene!ícios de 7ue trata este artigo n#o se estendem aos débitos á 7uitados e aos devedores 7ue se am constituintes2 2 +º ) No caso de operaç;es com pra:os de vencimento posteriores = datalimite de li7uidaç#o da dívida, "avendo interesse do mutuário, os bancos e as instituiç;es !inanceiras promover#o, por instrumento próprio, alteraç#o nas condiç;es contratuais originais de !orma a a ustá-las ao presente bene!ício2 2 3º ) A concess#o do presente bene!ício por bancos comerciais privados em nen"uma "ipótese acarretará 8nus para o ,oder ,3blico, ainda 7ue através de re!inanciamento e repasse de recursos pelo banco central2 2 4º ) No caso de repasse a agentes !inanceiros o!iciais ou cooperativas de crédito, o 8nus recairá sobre a !onte de recursos originária2 Art. '0 - $ Congresso Nacional, dentro de cento e vinte dias da promulgaç#o da Constituiç#o, elaborará $O.#g ./ ./f/5a . $ "5<C#. r2 Art. '6 - A lei disporá sobre o instituto da en!iteuse em imóveis urbanos, sendo !acultada aos !oreiros, no caso de sua extinç#o, a remiç#o dos a!oramentos mediante a7uisiç#o do domínio direto, na con!ormidade do 7ue dispuserem os respectivos contratos2 2 1º ) Uuando n#o existir cláusula contratual, ser#o adotados os critérios e bases "o e vigentes na legislaç#o especial dos imóveis da (ni#o2 2 %º ) $s direitos dos atuais ocupantes inscritos !icam assegurados pela aplicaç#o de outra modalidade de contrato2 2 &º ) A en!iteuse continuará sendo aplicada aos terrenos de marin"a e seus acrescidos, situados na !aixa de segurança, a partir da orla marítima2 2 'º ) +emido o !oro, o antigo titular do domínio direto deverá, no pra:o de noventa dias, sob pena de responsabilidade, con!iar = guarda do registro de imóveis competente toda a documentaç#o a ele relativa2 Art. +7 - /ei agrícola a ser promulgada no pra:o de um ano disporá, nos termos da Constituiç#o, sobre os ob etivos e instrumentos de política agrícola, prioridades,

plane amento de sa!ras, comerciali:aç#o, abastecimento interno, mercado externo e instituiç#o de crédito !undiário2 Art. +1 - %er#o revistos pelo Congresso Nacional, através de Comiss#o mista, nos tr<s anos a contar da data da promulgaç#o da Constituiç#o, todas as doaç;es, vendas e concess;es de terras p3blicas com área superior a tr<s mil "ectares, reali:adas no período de ?N de aneiro de ?LIA a C? de de:embro de ?LKJ2 2 1º ) No tocante =s vendas, a revis#o será !eita com base exclusivamente no critério de legalidade da operaç#o2 2 %º ) No caso de concess;es e doaç;es, a revis#o obedecerá aos critérios de legalidade e de conveni<ncia do interesse p3blico2 2 &º ) Nas "ipóteses previstas nos :arágraf 5 a"t/r# r/5, comprovada a ilegalidade, ou "avendo interesse p3blico, as terras reverter#o ao patrim8nio da (ni#o, dos Estados, do Distrito 0ederal ou dos 4unicípios2 Art. +% - Até 7ue se am !ixadas as condiç;es a 7ue se re!ere o art. 16%1 III, s#o vedados5 I - a instalaç#o, no ,aís, de novas ag<ncias de instituiç;es !inanceiras domiciliadas no exterior6 II - o aumento do percentual de participaç#o, no capital de instituiç;es !inanceiras com sede no ,aís, de pessoas !ísicas ou urídicas residentes ou domiciliadas no exterior2 Parágraf !"#$ ) A vedaç#o a 7ue se re!ere este artigo n#o se aplica =s

autori:aç;es resultantes de acordos internacionais, de reciprocidade, ou de interesse do Doverno brasileiro2 Art. +& - Ao ex-combatente 7ue ten"a e!etivamente participado de operaç;es bélicas durante a %egunda Duerra 4undial, nos termos da /ei nN H2C?H, de ?A de setembro de ?LIJ, ser#o assegurados os seguintes direitos5 I - aproveitamento no serviço p3blico, sem a exig<ncia de concurso, com estabilidade6 II - pens#o especial correspondente = deixada por segundo-tenente das 0orças Armadas, 7ue poderá ser re7uerida a 7ual7uer tempo, sendo

inacumulável com 7uais7uer rendimentos recebidos dos co!res p3blicos, exceto os bene!ícios previdenciários, ressalvado o direito de opç#o6 III - em caso de morte, pens#o = vi3va ou compan"eira ou dependente, de !orma proporcional, de valor igual = do #"$#5 a"t/r# r6 IV - assist<ncia médica, "ospitalar e educacional gratuita, extensiva aos dependentes6 V - aposentadoria com proventos integrais aos vinte e cinco anos de serviço e!etivo, em 7ual7uer regime urídico6 VI - prioridade na a7uisiç#o da casa própria, para os 7ue n#o a possuam ou para suas vi3vas ou compan"eiras2 Parágraf !"#$ ) A concess#o da pens#o especial do #"$#5 II substitui,

para todos os e!eitos legais, 7ual7uer outra pens#o á concedida ao excombatente2 Art. +' - $s seringueiros recrutados nos termos do Decreto-/ei nN H2K?C, de ?E de setembro de ?LEC, e amparados pelo Decreto-/ei nN L2KKA, de ?I de setembro de ?LEI, receber#o, 7uando carentes, pens#o mensal vitalícia no valor de dois salários mínimos2 2 1º ) $ bene!ício é estendido aos seringueiros 7ue, atendendo a apelo do Doverno brasileiro, contribuíram para o es!orço de guerra, trabal"ando na produç#o de borrac"a, na +egi#o Ama:8nica, durante a %egunda Duerra 4undial2 2 %º ) $s bene!ícios estabelecidos neste artigo s#o trans!eríveis aos dependentes recon"ecidamente carentes2 2 &º ) A concess#o do bene!ício !ar-se-á con!orme lei a ser proposta pelo ,oder Executivo dentro de cento e cin7@enta dias da promulgaç#o da Constituiç#o2 Art. ++ - Até 7ue se a aprovada a lei de diretri:es orçamentárias, trinta por cento, no mínimo, do orçamento da seguridade social, excluído o seguro-desemprego, ser#o destinados ao setor de sa3de2

Art. +3 - Até 7ue a lei dispon"a sobre o art. 16+1 I, a arrecadaç#o decorrente de, no mínimo, cinco dos seis décimos percentuais correspondentes = alí7uota da contribuiç#o de 7ue trata o Decreto-/ei nN ?2LEM, de AH de maio de ?LKA, alterada pelo Decreto-/ei nN A2MEL, de ?N de agosto de ?LKC, pelo Decreto nN L?2ACI, de K de maio de ?LKH, e pela /ei nN J2I??, de K de ul"o de ?LKJ, passa a integrar a receita da seguridade social, ressalvados, exclusivamente no exercício de ?LKK, os compromissos assumidos com programas e pro etos em andamento2 Art. +4 - $s débitos dos Estados e dos 4unicípios relativos =s contribuiç;es previdenciárias até CM de un"o de ?LKK ser#o li7uidados, com correç#o monetária, em cento e vinte parcelas mensais, dispensados os uros e multas sobre eles incidentes, desde 7ue os devedores re7ueiram o parcelamento e iniciem seu pagamento no pra:o de cento e oitenta dias a contar da promulgaç#o da Constituiç#o2 2 1º - $ montante a ser pago em cada um dos dois primeiros anos n#o será in!erior a cinco por cento do total do débito consolidado e atuali:ado, sendo o restante dividido em parcelas mensais de igual valor2 2 %º ) A li7uidaç#o poderá incluir pagamentos na !orma de cess#o de bens e prestaç#o de serviços, nos termos da /ei nN J2HJK, de AC de de:embro de ?LKI2 2 &º ) Em garantia do cumprimento do parcelamento, os Estados e os 4unicípios consignar#o, anualmente, nos respectivos orçamentos as dotaç;es necessárias ao pagamento de seus débitos2 2 'º ) Descumprida 7ual7uer das condiç;es estabelecidas para concess#o do parcelamento, o débito será considerado vencido em sua totalidade, sobre ele incidindo uros de mora6 nesta "ipótese, parcela dos recursos correspondentes aos 0undos de ,articipaç#o, destinada aos Estados e 4unicípios devedores, será blo7ueada e repassada = previd<ncia social para pagamento de seus débitos2 Art. +0 - $s bene!ícios de prestaç#o continuada, mantidos pela previd<ncia social na data da promulgaç#o da Constituiç#o, ter#o seus valores revistos, a !im de 7ue

se a restabelecido o poder a7uisitivo, expresso em n3mero de salários mínimos, 7ue tin"am na data de sua concess#o, obedecendo-se a esse critério de atuali:aç#o até a implantaç#o do plano de custeio e bene!ícios re!eridos no artigo seguinte2 Parágraf !"#$ ) As prestaç;es mensais dos bene!ícios atuali:adas de

acordo com este artigo ser#o devidas e pagas a partir do sétimo m<s a contar da promulgaç#o da Constituiç#o2 Art. +6 - $s pro etos de lei relativos = organi:aç#o da seguridade social e aos planos de custeio e de bene!ício ser#o apresentados no pra:o máximo de seis meses da promulgaç#o da Constituiç#o ao Congresso Nacional, 7ue terá seis meses para apreciá-los2 Parágraf !"#$ ) Aprovados pelo Congresso Nacional, os planos ser#o

implantados progressivamente nos de:oito meses seguintes2
??K

Art. 37 - Nos de: primeiros anos da promulgaç#o desta Emenda, os Estados, o art. %1% .a C "5t#t<#JN F/./ra= , =

Distrito 0ederal e os 4unicípios destinar#o n#o menos de sessenta por cento dos recursos a 7ue se re!ere o caput . manutenç#o e ao desenvolvimento do ensino !undamental, com o ob etivo de assegurar a universali:aç#o de seu atendimento e a remuneraç#o condigna do magistério2 2 1º - A distribuiç#o de responsabilidades e recursos entre os Estados e seus 4unicípios a ser concreti:ada com parte dos recursos de!inidos neste artigo, na !orma do disposto no art. %11 .a C "5t#t<#JN F/./ra=, é assegurada mediante a criaç#o, no >mbito de cada Estado e do Distrito 0ederal, de um 0undo de 4anutenç#o e Desenvolvimento do Ensino 0undamental e de 1alori:aç#o do 4agistério, de nature:a contábil2 2 %º - $ 0undo re!erido no parágra!o anterior será constituído por, pelo menos, 7uin:e por cento dos recursos a 7ue se re!erem os art5. 1++1 #"$#5 II6 1+01 #"$#5 IV6 e 1+61 #"$#5 I1 a=;"/a5 a / "P / #"$#5 II1 .a C "5t#t<#JN F/./ra= , e será distribuído entre cada Estado e seus 4unicípios, proporcionalmente ao n3mero de alunos nas respectivas redes de ensino !undamental2

2 &º - A (ni#o complementará os recursos dos 0undos a 7ue se re!ere o P ?N, sempre 7ue, em cada Estado e no Distrito 0ederal, seu valor por aluno n#o alcançar o mínimo de!inido nacionalmente2 2 'º - A (ni#o, os Estados, o Distrito 0ederal e os 4unicípios a ustar#o progressivamente, em um pra:o de cinco anos, suas contribuiç;es ao 0undo, de !orma a garantir um valor por aluno correspondente a um padr#o mínimo de 7ualidade de ensino, de!inido nacionalmente2 2 +º - (ma proporç#o n#o in!erior a sessenta por cento dos recursos de cada 0undo re!erido no P ?N será destinada ao pagamento dos pro!essores do ensino !undamental em e!etivo exercício no magistério2 2 3º - A (ni#o aplicará na erradicaç#o do anal!abetismo e na manutenç#o e no desenvolvimento do ensino !undamental, inclusive na complementaç#o a 7ue se re!ere o P CN, nunca menos 7ue o e7uivalente a trinta por cento dos recursos a 7ue se re!ere o caput . art. %1% .a C "5t#t<#$N F/./ra=2 2 4º - A lei disporá sobre a organi:aç#o dos 0undos, a distribuiç#o proporcional de seus recursos, sua !iscali:aç#o e controle, bem como sobre a !orma de cálculo do valor mínimo nacional por aluno2 Art. 31 - As entidades educacionais a 7ue se re!ere o art. %1&, bem como as !undaç;es de ensino e pes7uisa cu a criaç#o ten"a sido autori:ada por lei, 7ue preenc"am os re7uisitos dos #"$#5 5 I / II . r/f/r#. art#g salvo disposiç#o legal em contrário2 Art. 3% - A lei criará o %erviço Nacional de Aprendi:agem +ural F%ENA+G nos moldes da legislaç#o relativa ao %erviço Nacional de Aprendi:agem 'ndustrial F%ENA'G e ao %erviço Nacional de Aprendi:agem do Comércio F%ENACG, sem pre uí:o das atribuiç;es dos órg#os p3blicos 7ue atuam na área2 Art. 3& - B criada uma Comiss#o composta de nove membros, sendo tr<s do ,oder /egislativo, tr<s do ,oder 9udiciário e tr<s do ,oder Executivo, para promover as comemoraç;es do centenário da proclamaç#o da +ep3blica e da e 7ue, nos 3ltimos tr<s anos, ten"am recebido recursos p3blicos, poder#o continuar a receb<-los,

promulgaç#o da primeira Constituiç#o republicana do ,aís, podendo, a seu critério, desdobrar-se em tantas subcomiss;es 7uantas !orem necessárias2 Parágraf !"#$ ) No desenvolvimento de suas atribuiç;es, a Comiss#o

promoverá estudos, debates e avaliaç;es sobre a evoluç#o política, social, econ8mica e cultural do ,aís, podendo articular-se com os governos estaduais e municipais e com instituiç;es p3blicas e privadas 7ue dese em participar dos eventos2 Art. 3' - A 'mprensa Nacional e demais grá!icas da (ni#o, dos Estados, do Distrito 0ederal e dos 4unicípios, da administraç#o direta ou indireta, inclusive !undaç;es instituídas e mantidas pelo ,oder ,3blico, promover#o ediç#o popular do texto integral da Constituiç#o, 7ue será posta = disposiç#o das escolas e dos cartórios, dos sindicatos, dos 7uartéis, das igre as e de outras instituiç;es representativas da comunidade, gratuitamente, de modo 7ue cada cidad#o brasileiro possa receber do Estado um exemplar da Constituiç#o do .rasil2 Art. 3+ - $ ,oder /egislativo regulamentará, no pra:o de do:e meses, o art. %%71 2 'º2 Art. 33 - %#o mantidas as concess;es de serviços p3blicos de telecomunicaç;es atualmente em vigor, nos termos da lei2 Art. 34 - A (ni#o concluirá a demarcaç#o das terras indígenas no pra:o de cinco anos a partir da promulgaç#o da Constituiç#o2 Art. 30 - Aos remanescentes das comunidades dos 7uilombos 7ue este am ocupando suas terras é recon"ecida a propriedade de!initiva, devendo o Estado emitir-l"es os títulos respectivos2 Art. 36 - %erá permitido aos Estados manter consultorias urídicas separadas de suas ,rocuradorias-Derais ou Advocacias-Derais, desde 7ue, na data da promulgaç#o da Constituiç#o, ten"am órg#os distintos para as respectivas !unç;es2 Art. 47 - 0ica mantida a atual compet<ncia dos tribunais estaduais até 7ue a mesma se a de!inida na Constituiç#o do Estado, nos termos do art. 1%+1 2 1º1 .a C "5t#t<#JN 2

??L

Art. 41 ) B instituído, nos exercícios !inanceiros de ?LLE e ?LLH, bem assim nos

períodos de ?N de aneiro de ?LLI a CM de un"o de ?LLJ e ?N de ul"o de ?LLJ a C? de de:embro de ?LLL, o 0undo %ocial de Emerg<ncia, com o ob etivo de saneamento !inanceiro da 0a:enda ,3blica 0ederal e de estabili:aç#o econ8mica, cu os recursos ser#o aplicados prioritariamente no custeio das aç;es dos sistemas de sa3de e educaç#o, incluindo a complementaç#o de recursos de 7ue trata o 2 &º . art. 37 . At .a5 D#5: 5#JK/5 C "5t#t<$# "a#5 Tra"5#tOr#a5 , bene!ícios previdenciários e auxílios assistenciais de prestaç#o continuada, inclusive li7uidaç#o de passivo previdenciário, e despesas orçamentárias associadas a programas de relevante interesse econ8mico e social2 2 1º - Ao 0undo criado por este artigo n#o se aplica o disposto na :art/ f#"a= . #"$#5 I= . 2 6@ . art. 13+ .a C "5t#t<#JN 2 2 %º - $ 0undo criado por este artigo passa a ser denominado 0undo de Estabili:aç#o 0iscal a partir do início do exercício !inanceiro de ?LLI2 2 &º - $ ,oder Executivo publicará demonstrativo da execuç#o orçamentária, de periodicidade bimestral, no 7ual se discriminar#o as !ontes e usos do 0undo criado por este artigo2 Art. 4% - 'ntegram o 0undo %ocial de Emerg<ncia5 I ) o produto da arrecadaç#o do imposto sobre renda e proventos de 7ual7uer nature:a incidente na !onte sobre pagamentos e!etuados, a 7ual7uer título, pela (ni#o, inclusive suas autar7uias e !undaç;es6 II ) a parcela do produto da arrecadaç#o do imposto sobre renda e proventos de 7ual7uer nature:a e do imposto sobre operaç;es de crédito, c>mbio e seguro, ou relativas a títulos e valores mobiliários, decorrente das alteraç;es produ:idas pela /ei nQ K2KLE, de A? de un"o de ?LLE, e pelas /eis nNs2 K2KEL e K2KEK, ambas de AK de aneiro de ?LLE, e modi!icaç;es posteriores6 III - a parcela do produto da arrecadaç#o resultante da elevaç#o da alí7uota da contribuiç#o social sobre o lucro dos contribuintes a 7ue se re!ere o P ?Q do art2 AA da /ei nN K2A?A, de AE de ul"o de ?LL?, a 7ual, nos

exercicios !inanceiros de ?LLE e ?LLH, bem assim no período de ?N de aneiro de ?LLI a CM de un"o de ?LLJ, passa a ser de trinta por cento, su eita a alteraç#o por lei ordinária, mantidas as demais normas da /ei nN J2IKL, de ?H de de:embro de ?LKK6 IV ) vinte por cento do produto da arrecadaç#o de todos os impostos e contribuiç;es da (ni#o, á instituídos ou a serem criados, excetuado o previsto nos #"$#5 5 I1 II / III1 observado o disposto nos 22 &º / 'º6
?AM

V - a parcela do produto da arrecadaç#o da contribuiç#o de 7ue trata a

/ei Complementar nN J, de J de setembro de ?LJM, devida pelas pessoas urídicas a 7ue se re!ere o #"$#5 III ./5t/ art#g , a 7ual será calculada, nos exercícios !inanceiros de ?LLE a ?LLH, bem assim nos períodos de ?N de aneiro de ?LLI a CM de un"o de ?LLJ e de ?N de ul"o de ?LLJ a C? de de:embro de ?LLL, mediante a aplicaç#o da alí7uota de setenta e cinco centésimos por cento, su eita a alteraç#o por lei ordinária posterior, sobre a receita bruta operacional, como de!inida na legislaç#o do imposto sobre renda e proventos de 7ual7uer nature:a6 e VI ) outras receitas previstas em lei especí!ica2 2 1º - As alí7uotas e a base de cálculo previstas nos #"$#5 5 III / V aplicar-se#o a partir do primeiro dia do m<s seguinte aos noventa dias posteriores = promulgaç#o desta Emenda2 2 %º - As parcelas de 7ue tratam os #"$#5 5 I1 II1 III e V ser#o previamente dedu:idas da base de cálculo de 7ual7uer vinculaç#o ou participaç#o constitucional ou legal, n#o se l"es aplicando o disposto nos art5. 1+6, %1% e %&6 .a C "5t#t<#JN 2 2 &º - A parcela de 7ue trata o #"$#5 IV será previamente dedu:ida da base de cálculo das vinculaç;es ou participaç;es constitucionais previstas nos art5. 1+&1 2 +º, 1+41 II, %1% e %&6 .a C "5t#t<#JN 2 2 'º - $ disposto no :arágraf a"t/r# r n#o se aplica aos recursos

previstos nos art5.1+01 II, e 1+6 .a C "5t#t<#JN 2

2 +º - A parcela dos recursos provenientes do imposto sobre renda e proventos de 7ual7uer nature:a, destinada ao 0undo %ocial de Emerg<ncia, nos termos do #"$#5 II ./5t/ art#g , n#o poderá exceder a cinco inteiros e seis décimos por cento do total do produto da sua arrecadaç#o2 Art. 4& - Na regulaç#o do 0undo %ocial de Emerg<ncia n#o poderá ser utili:ado o instrumento previsto no #"$#5 V . art. +6 .a C "5t#t<#JN 2 Art. 4' - A (ni#o poderá instituir contribuiç#o provisória sobre movimentaç#o ou transmiss#o de valores e de créditos e direitos de nature:a !inanceira2 2 1º - A alí7uota da contribuiç#o de 7ue trata este artigo n#o excederá a vinte e cinco centésimos por cento, !acultado ao ,oder Executivo redu:i-la ou restabelec<-la, total ou parcialmente, nas condiç;es e limites !ixados em lei2 2 %º - T contribuiç#o de 7ue trata este artigo n#o se aplica o disposto nos art5. 1+&1 2 +º, e 1+'1 I1 .a C "5t#t<#JN 2 2 &º - $ produto da arrecadaç#o da contribuiç#o de 7ue trata este artigo será destinado integralmente ao 0undo Nacional de %a3de, para !inanciamento das aç;es e serviços de sa3de2 2 'º - A contribuiç#o de 7ue trata este artigo terá sua exigibilidade subordinada ao disposto no art. 16+1 2 3º1 .a C "5t#t<#JN , e n#o poderá ser cobrada por pra:o superior a dois anosX2
?A?

Art. 4+ - B prorrogada, por trinta e seis meses, a cobrança da contribuiç#o

provisória sobre movimentaç#o ou transmiss#o de valores e de créditos e direitos de nature:a !inanceira de 7ue trata o art2 JE, instituída pela /ei nN L2C??, de AE de outubro de ?LLI, modi!icada pela /ei nN L2HCL, de ?A de de:embro de ?LLJ, cu a vig<ncia é também prorrogada por id<ntico pra:o2 2 1º - $bservado o disposto no P IN do art2 ?LH da Constituiç#o 0ederal, a alí7uota da contribuiç#o será de trinta e oito centésimos por cento, nos primeiros do:e meses, e de trinta centésimos, nos meses subse7@entes, !acultado ao ,oder Executivo redu:i-la total ou parcialmente, nos limites a7ui de!inidos2

2 %º - $ resultado do aumento da arrecadaç#o, decorrente da alteraç#o da alí7uota, nos exercícios !inanceiros de ?LLL, AMMM e AMM?, será destinado ao custeio da previd<ncia social2 2 &º - B a (ni#o autori:ada a emitir títulos da dívida p3blica interna, cu os recursos ser#o destinados ao custeio da sa3de e da previd<ncia social, em montante e7uivalente ao produto da arrecadaç#o da contribuiç#o, prevista e n#o reali:ada em ?LLL2

.rasília, H de outubro de ?LKK2

1

Inciso XII com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 15.12.98.

Redação Anterior: XII - salário-família para os seus dependentes;
2

Inciso XXXIII com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 15.12.98.

Redação Anterior: XXXIII - proibição de trabalho noturno, perigoso ou insalubre aos menores de dezoito e de qualquer trabalho a menores de quatorze anos, salvo na condição de aprendiz; 3 Inciso acrescentado pela Emenda Constitucional nº 23, de 02 de Setembro de 1999. 4 § 5º com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 16, de 04.06.97. Redação Anterior: "§ 5º - São inelegíveis para os mesmos cargos, no período subseqüente, o Presidente da República, os Governadores de Estado e do Distrito Federal, os Prefeitos e quem os houver sucedido, ou substituído nos seis meses anteriores ao pleito." 5 inciso XIV com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 04.06.98. Redação Anterior: "XIV - organizar e manter a polícia federal, a polícia rodoviária e a ferroviária federais, bem como a polícia civil, a polícia militar e o corpo de bombeiros militar do Distrito Federal e dos Territórios;" 6 inciso XXII com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 04.06.98. Redação Anterior: "XXII - executar os serviços de polícia marítima, aérea e de fronteira;" 7 inciso XXVII com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 04.06.98. Redação Anterior: "XXVII - normas gerais de licitação e contratação, em todas as modalidades, para a administração pública, direta e indireta, incluídas as fundações instituídas e mantidas pelo Poder Público, nas diversas esferas de governo, e empresas sob seu controle;" 8 § 2º com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 04.06.98. Redação Anterior: "§ 2º - A remuneração dos Deputados Estaduais será fixada em cada legislatura, para a subseqüente, pela Assembléia Legislativa, observado o que dispõem os arts. 150, II, 153, III, e 153, § 2º, I, na razão de, no máximo, 75% (setenta e cinco por cento) daquela estabelecida, em espécie, para os Deputados Federais." 9 art. 28 com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 16, de 04.06.97. Redação Anterior: "Art. 28 - A eleição do Governador e do Vice-Governador de Estado, para mandato de quatro anos, realizar-se-á noventa dias antes do término do mandato de seus antecessores, e a posse ocorrerá no dia 1º de janeiro do ano subseqüente, observado, quanto ao mais, o disposto no art. 77." 10 inciso II com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 16, de 04.06.97. Redação Anterior: "II - eleição do Prefeito e do Vice-Prefeito até noventa dias antes do término do mandato dos que devam suceder, aplicadas as regras do art. 77, no caso de municípios com mais de duzentos mil eleitores;" 11 inciso V com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 04.06.98.

Redação Anterior: "V - remuneração do Prefeito, do Vice-Prefeito e dos Vereadores fixada pela Câmara Municipal em cada legislatura, para a subseqüente, observado o que dispõem os arts. 37, XI, 150, II, 153, III, e 153, § 2º, I;" 12 inciso VI com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 04.06.98. Redação Anterior: "VI - a remuneração dos Vereadores corresponderá a, no máximo, 75% (setenta e cinco por cento) daquela estabelecida, em espécie, para os Deputados Estaduais, resalvado o que dispõe o art. 37, XI;" 13 alínea e acrescentada pela Emenda Constitucional n.º 14, de 12 de setembro de 1996, entrando em vigor no dia 1º de janeiro de 1997. 14 art. 37 com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 04.06.98. Redação Anterior: "Art. 37 - A administração pública direta, indireta ou fundacional, de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e, também, ao seguinte:" 15 inciso I com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 04.06.98. Redação Anterior: "I - os cargos, empregos e funções públicas são acessíveis aos brasileiros que preencham os requisitos estabelecidos em lei;" 16 inciso II com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 04.06.98. Redação Anterior: "II - a investidura em cargo ou emprego público depende de aprovação prévia em concurso público de provas ou de provas e títulos, ressalvadas as nomeações para cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e exoneração;" 17 inciso V com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 04.06.98. Redação Anterior: "V - os cargos em comissão e as funções de confiança serão exercidos, preferencialmente, por servidores ocupantes de cargo de carreira técnica ou profissional, nos casos e condições previstos em lei;" 18 inciso VII com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 04.06.98. Redação Anterior: "VII - o direito de greve será exercido nos termos e nos limites definidos em lei complementar;" 19 inciso X com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 04.06.98. Redação Anterior: "X - a revisão geral da remuneração dos servidores públicos, sem distinção de índices entre servidores públicos civis e militares, far-se-á sempre na mesma data;" 20 inciso XIII com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 04.06.98. Redação Anterior: "XIII - é vedada a vinculação ou equiparação de vencimentos, para o efeito de remuneração de pessoal do serviço público, ressalvado o disposto no inciso anterior e no art. 39, § 1º;" 21 inciso XIV com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 04.06.98. Redação Anterior:

"XIV - os acréscimos pecuniários percebidos por servidor público não serão computados nem acumulados, para fins de concessão de acréscimos ulteriores, sob o mesmo título ou idêntico fundamento;" 22 inciso XV com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 04.06.98. Redação Anterior: "XV - os vencimentos dos servidores públicos são irredutíveis, e a remuneração observará o que dispõem os arts. 37, XI e XII, 150, II, 153, III, e § 2º, I;" 23 inciso XVI com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 04.06.98. Redação Anterior: "XVI - é vedada a acumulação remunerada de cargos públicos, exceto quando houver compatibilidade de horários:" 24 inciso XVII com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 04.06.98. Redação Anterior: "XVII - a proibição de acumular estende-se a empregos e funções e abrange autarquias, empresas públicas, sociedades de economia mista e fundações mantidas pelo Poder Público;" 25 inciso XIX com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 04.06.98. Redação Anterior: "XIX - somente por lei específica poderão ser criadas empresa pública, sociedade de economia mista, autarquia ou fundação pública;"
26

§ 3º com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 04.06.98.

Redação Anterior: "§ 3º - As reclamações relativas à prestação de serviços públicos serão disciplinadas em lei."
27

art. 38 com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 04.06.98.

Redação Anterior: "Art. 38 - Ao servidor público em exercício de mandato eletivo aplicam-se as seguintes disposições:"
28

art. 39 com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 04.06.98.

Redação Anterior: "Art. 39 - A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios instituirão, no âmbito de sua competência, regime jurídico único e planos de carreira para os servidores da administração pública direta, das autarquias e das fundações públicas. § 1º - A lei assegurará, aos servidores da administração direta, isonomia de vencimentos para cargos de atribuições iguais ou assemelhados do mesmo Poder ou entre servidores dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, ressalvadas as vantagens de caráter individual e as relativas à natureza ou ao local de trabalho. § 2º - Aplica-se a esses servidores o disposto no art. 7º, IV, VI, VII, VIII, IX, XII, XIII, XV, XVI, XVII, XVIII, XIX, XX, XXII, XXIII e XXX."
29

art. 40 com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 15.12.98

Redação Anterior: "Art. 40 - O servidor será aposentado:

I - por invalidez permanente, sendo os proventos integrais quando decorrentes de acidente em serviço, moléstia profissional ou doença grave, contagiosa ou incurável, especificadas em lei, e proporcionais nos demais casos; II - compulsoriamente, aos setenta anos de idade, com proventos proporcionais ao tempo de serviço; III - voluntariamente: a) aos trinta e cinco anos de serviço, se homem, e aos trinta, se mulher, com proventos integrais; b) aos trinta anos de efetivo exercício em funções de magistério, se professor, e vinte e cinco, se professora, com proventos integrais; c) aos trinta anos de serviço, se homem, e aos vinte e cinco, se mulher, com proventos proporcionais a esse tempo; d) aos sessenta e cinco anos de idade, se homem, e aos sessenta, se mulher, com proventos proporcionais ao tempo de serviço"
30

§ 1º com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 15.12.98

Redação Anterior: § 1º - Lei complementar poderá estabelecer exceções ao disposto no inciso III, a e c, no caso de exercício de atividades consideradas penosas, insalubres ou perigosas.
31

§ 2º com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 15.12.98 Redação Anterior: § 2º -A lei disporá sobre a aposentadoria em cargos ou empregos temporários.
32

§ 3º com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 15.12.98

Redação Anterior: § 3º - O tempo de serviço público federal, estadual ou municipal será computado integralmente para os efeitos de aposentadoria e de disponibilidade.
33

§ 4º com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 15.12.98 Redação Anterior: § 4º- Os proventos da aposentadoria serão revistos, na mesma proporção e na mesma data, sempre que se modificar a remuneração dos servidores em atividade, sendo também estendidos aos inativos quaisquer benefícios ou vantagens posteriormente concedidos aos servidores em atividade, inclusive quando decorrentes da transformação ou reclassificação do cargo ou função em que se deu a aposentadoria, na forma da lei.
34

§ 5º com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 15.12.98 Redação Anterior: § 5º- O benefício da pensão por morte corresponderá à totalidade dos vencimentos ou proventos do servidor falecido, até o limite estabelecido em lei, observado o disposto no parágrafo anterior.
35

§ 6º com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 15.12.98

Redação Anterior: § 6º- As aposentadorias e pensões dos servidores públicos federais serão custeadas com recursos provenientes da União e das contribuições dos servidores, na forma da lei.
CI

PJN acrescentado pela Emenda Constitucional nN AM, de ?H de de:embro de ?LLK2 P KN acrescentado pela Emenda Constitucional nN AM, de ?H de de:embro de ?LLK2 P LN acrescentado pela Emenda Constitucional nN AM, de ?H de de:embro de ?LLK2

CJ

CK

CL

P?MN acrescentado pela Emenda Constitucional nN AM, de ?H de de:embro de ?LLK2 P??N acrescentado pela Emenda Constitucional nN AM, de ?H de de:embro de ?LLK2 P?AN acrescentado pela Emenda Constitucional nN AM, de ?H de de:embro de ?LLK2 P?CN acrescentado pela Emenda Constitucional nN AM, de ?H de de:embro de ?LLK2 P?EN acrescentado pela Emenda Constitucional nN AM, de ?H de de:embro de ?LLK2 P?HN acrescentado pela Emenda Constitucional nN AM, de ?H de de:embro de ?LLK2 Y P?IN acrescentado pela Emenda Constitucional nN AM, de ?H de de:embro de ?LLK2

EM

E?

EA

EC

EE

EH

46

art. 41 com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 04.06.98.

Redação Anterior: "Art. 41 - São estáveis, após dois anos de efetivo exercício, os servidores nomeados em virtude de concurso público. § 1º - O servidor público estável só perderá o cargo em virtude de sentença judicial transitada em julgado ou mediante processo administrativo em que lhe seja assegurada ampla defesa. § 2º - Invalidada por sentença judicial a demissão do servidor estável, será ele reintegrado, e o eventual ocupante da vaga reconduzido ao cargo de origem, sem direito a indenização, aproveitado em outro cargo ou posto em disponibilidade. § 3º - Extinto o cargo ou declarada sua desnecessidade, o servidor estável ficará em disponibilidade remunerada, até seu adequado aproveitamento em outro cargo."
47

art. 42 com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 18, de 5 de fevereiro de 1998.

Redação Anterior: "Art. 42 - São servidores militares federais os integrantes das Forças Armadas e servidores militares dos Estados, Territórios e Distrito Federal os integrantes de suas polícias militares e de seus corpos de bombeiros militares."
48

§ 1º com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 15 de dezembro de 1998. Redação Anterior: "§ 1º - Aplicam-se aos militares dos Estados, do Distrito Federal e dos Territórios, além do que vier a ser fixado em lei, as disposições do art. 14, § 8º; do art. 40, § 3º; e do art. 142, §§ 2º e 3º, cabendo a lei estadual específica dispor sobre as matérias do art. 142, § 3º, inciso X, sendo as patentes dos oficiais conferidas pelos respectivos Governadores."
49

§ 2º com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 15 de dezembro de 1998.

Redação Anterior: "§ 2º - Aos militares dos Estados, do Distrito Federal e dos Territórios e a seus pensionistas, aplica-se o disposto no art. 40, §§ 4º e 5º; e aos militares do Distrito Federal e dos Territórios, o disposto no art. 40, § 6º."
50

A redação original do parágrafo revogado era a seguinte:

"§ 3º - O militar em atividade que aceitar cargo público civil permanente será transferido para a reserva."
51

A redação original do parágrafo revogado era a seguinte:

"§ 4º - O militar da ativa que aceitar cargo, emprego ou função pública temporária, não eletiva, ainda que da administração indireta, ficará agregado ao respectivo quadro e somente poderá, enquanto permanecer nessa situação, ser promovido por antigüidade, contando-se-lhe o tempo de serviço apenas para aquela promoção e transferência para a reserva, sendo depois de dois anos de afastamento, contínuos ou não, transferido para a inatividade."

52

A redação original do parágrafo revogado era a seguinte:

"§ 5º - Ao militar são proibidas a sindicalização e a greve."
53

A redação original do parágrafo revogado era a seguinte:

"§ 6º - O militar, enquanto em efetivo serviço, não pode estar filiado a partidos políticos."
54

A redação original do parágrafo revogado era a seguinte:

"§ 7º - O oficial das Forças Armadas só perderá o posto e a patente se for julgado indigno do oficialato ou com ele incompatível, por decisão de tribunal militar de caráter permanente, em tempo de paz, ou de tribunal especial, em tempo de guerra."
55

A redação original do parágrafo revogado era a seguinte:

"§ 8º - O oficial condenado na justiça comum ou militar a pena privativa de liberdade superior a dois anos, por sentença transitada em julgado, será submetido ao julgamento previsto no parágrafo anterior."
56

A redação original do parágrafo revogado era a seguinte:

"§ 9º - A lei disporá sobre os limites de idade, a estabilidade e outras condições de transferência do servidor militar para a inatividade."
57

A redação original do parágrafo revogado era a seguinte:

"§ 10 - Aplica-se aos servidores a que se refere este artigo, e a seus pensionistas, o disposto no art. 40, §§ 4º, 5º e 6º."
58

A redação original do parágrafo revogado era a seguinte:

"§ 11 - Aplica-se aos servidores a que se refere este artigo o disposto no art. 7º, VIII, XII, XVII, XVIII e XIX."
HL

Y inciso R1 acrescentado pela Emenda Constitucional nN ?L, de E de un"o de ?LLK2

60

A redação original do parágrafo revogado era a seguinte:

"§ 11 - Aplica-se aos servidores a que se refere este artigo o disposto no art. 7º, VIII, XII, XVII, XVIII e XIX."
61

inciso VIII com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 04.06.98.

Redação Anterior: "VIII - fixar para cada exercício financeiro a remuneração do Presidente e do Vice-Presidente da República e dos Ministros de Estado, observado o que dispõem os arts. 150, II, 153, III, e 153, § 2º, I;"
62

inciso IV com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 04.06.98.

Redação Anterior: "IV - dispor sobre sua organização, funcionamento, polícia, criação, transformação ou extinção dos cargos, empregos e funções de seus serviços e fixação da respectiva remuneração, observados os parâmetros estabelecidos na lei de diretrizes orçamentárias;"
63

Com nova Redação dada pela Emenda Constitucional nº 23, de 02 de Setembro de 1999 Redação Anterior ) . processar e jul(ar o /residente e o 0ice./residente da 1ep2"lica nos crimes de responsa"ilidade e os 3inistros de Estado nos crimes da mesma nature!a cone4os com a5ueles6

64

inciso XIII com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 04.06.98.

Redação Anterior: "XIII - dispor sobre sua organização, funcionamento, polícia, criação, transformação ou extinção dos cargos, empregos e funções de seus serviços e fixação da respectiva remuneração, observados os parâmetros estabelecidos na lei de diretrizes orçamentárias;"
65

§ 7º com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 04.06.98.

Redação Anterior: "§ 7º - Na sessão legislativa extraordinária, o Congresso Nacional somente deliberará sobre a matéria para a qual foi convocado."
66

alínea c com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 18, de 5 de fevereiro de 1998.

Redação Anterior: "c) servidores públicos da União e Territórios, seu regime jurídico, provimento de cargos, estabilidade e aposentadoria de civis, reforma e transferência de militares para a inatividade;"
67

Parágrafo único com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 04.06.98.

Redação Anterior: "Parágrafo único - Prestará contas qualquer pessoa física ou entidade pública que utilize, arrecade, guarde, gerencie ou administre dinheiros, bens e valores públicos ou pelos quais a União responda, ou que, em nome desta, assuma obrigações de natureza pecuniária."
68

§ 3º com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 15.12.98.

Redação Anterior: "§ 3º - Os Ministros do Tribunal de Contas da União terão as mesmas garantias, prerrogativas, impedimentos, vencimentos e vantagens dos Ministros do Superior Tribunal de Justiça e somente poderão aposentar-se com as vantagens do cargo quando o tiverem exercido efetivamente por mais de cinco anos.
69

art. 77 com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 16, de 04.06.97.

Redação Anterior: "Art. 77 - A eleição do Presidente e do Vice-Presidente da República realizar-se-á, simultaneamente, noventa dias antes do término do mandato presidencial vigente."
70

art. 82 com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 16, de 04.06.97.

Redação Anterior: "Art. 82 - O mandato do Presidente da República é de quatro anos, vedada a reeleição para o período subseqüente, e terá início em 1º de janeiro do ano seguinte ao da sua eleição."
71

Com nova Redação dada pela Emenda Constitucional nº 23, de 02 de Setembro de 1999 Redação Anterior XIII - exercer o comando supremo das Forças Armadas, promover seus oficiais-generais e nomeá-los para os cargos que lhes são privativos

72

Com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 23, de 02 de Setembro de 1999 Redação Anterior V - os Ministros militares
73

Com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 23, de 02 de Setembro de 1999 Redação Anterior VII - o Ministro do Planejamento. 74 inciso V com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 04.06.98. Redação Anterior: "V - os vencimentos dos magistrados serão fixados com diferença não superior a dez por cento de uma para outra das categorias da carreira, não podendo, a título nenhum, exceder os dos Ministros do Supremo Tribunal Federal;"
75

Inciso VI com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 15.12.98.

Redação Anterior: "VI - a aposentadoria com proventos integrais é compulsória por invalidez ou aos setenta anos de idade, e facultativa aos trinta anos de serviço, após cinco anos de exercício efetivo na judicatura;
76

inciso III com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 04.06.98.

Redação Anterior: "III - irredutibilidade de vencimentos, observado, quanto à remuneração, o que dispõem os arts. 37, XI, 150, II, 153, III, e 153, § 2º, I."
77

alínea b com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 04.06.98.

Redação Anterior: "b) a criação e a extinção de cargos e a fixação de vencimentos de seus membros, dos juízes, inclusive dos tribunais inferiores, onde houver, dos serviços auxiliares e os dos juízos que lhes forem vinculados;"
78 79

Parágrafo Único acrescentado pela Emenda Constitucional nº 22, de 18 de março de 1999. Com Redação dada pela Emenda Constitucional nº 23, de 02 de Setembro de 1999 Redação Anterior c) nas infrações penais comuns e nos crimes de responsabilidade, os Ministros de Estado, ressalvado o disposto no art. 52, I, os membros dos Tribunais Superiores, os do Tribunal de Contas da União e os chefes de missão diplomática de caráter permanente; 80 Alínia “i” com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 22, de 18 de março de 1999. Redação Anterior “i) o habeas corpus, quando o coator ou o paciente for tribunal, autoridade ou funcionário cujos atos estejam sujeitos diretamente à jurisdição do Supremo Tribunal Federal, ou se trate de crime sujeito à mesma jurisdição em uma única instância;”
81

Com Redação dada pela Emenda Constitucional nº 23, de 02 de Setembro de 1999 Redação Anterior b) os mandados de segurança e os habeas data contra ato de Ministro de Estado ou do próprio Tribunal;
82

Com Redação dada pela Emenda Constitucional nº 23, de 02 de Setembro de 1999.

Redação Anterior

c) os "abeas corpus, 7uando o coator ou o paciente !or 7ual7uer das pessoas mencionadas na alínea SaS, 7uando coator !or tribunal, su eito = sua urisdiç#o, ou 4inistro de Estado, ressalvada a compet<ncia da 9ustiça Eleitoral6

Alínia “c” com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 22, de 18 de março de 1999. Redação Anterior “c) os habeas corpus, quando o coator ou o paciente for qualquer das pessoas mencionadas na alínea a, ou quando o coator for Ministro de Estado, ressalvada a competência da Justiça Eleitoral;”
83

§ 2º com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 04.06.98.

Redação Anterior: "§ 2º - Ao Ministério Público é assegurada autonomia funcional e administrativa, podendo, observado o disposto no art. 169, propor ao Poder Legislativo a criação e extinção de seus cargos e serviços auxiliares, provendo-os por concurso público de provas e de provas e títulos; a lei disporá sobre sua organização e funcionamento."
84

alínea c com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 04.06.98.

Redação Anterior: "c) irredutibilidade de vencimentos, observado, quanto à remuneração, o que dispõem os arts. 37, XI, 150, II, 153, III, 153, § 2º, I;"
85

art. 132 com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 04.06.98.

Redação Anterior: "Art. 132 - Os Procuradores dos Estados e do Distrito Federal exercerão a representação judicial e a consultoria jurídica das respectivas unidades federadas, organizados em carreira na qual o ingresso dependerá de concurso público de provas e títulos, observado o disposto no art. 135."
86

art. 135 com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 04.06.98.

Redação Anterior: "Art. 135 - Às carreiras disciplinadas neste Título aplicam-se o princípio do art. 37, XII, e o art. 39, § 1º."
87

Inciso IX com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de15.12.98

Redação Anterior: IX - aplica-se aos militares e a seus pensionistas o disposto no art. 40, §§ 4º, 5º e 6º;
88

§ 1º com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 04.06.98.

Redação Anterior: "§ 1º - A polícia federal, instituída por lei como órgão permanente, estruturado em carreira, destina-se a:"
89

inciso III com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 04.06.98.

Redação Anterior: "III - exercer as funções de polícia marítima, aérea e de fronteiras;"

90

§ 2º com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 04.06.98.

Redação Anterior: "§ 2º - A polícia rodoviária federal, órgão permanente, estruturado em carreira, destina-se, na forma da lei, ao patrulhamento ostensivo das rodovias federais."
91

§ 3º com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 04.06.98.

Redação Anterior: "§ 3º - A polícia ferroviária federal, órgão permanente, estruturado em carreira, destina-se, na forma da lei, ao patrulhamento ostensivo das ferrovias federais."
92

art. 169 com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 04.06.98.

Redação Anterior: "Art. 169 - A despesa com pessoal ativo e inativo da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios não poderá exceder os limites estabelecidos em lei complementar. Parágrafo único - A concessão de qualquer vantagem ou aumento de remuneração, a criação de cargos ou alteração de estrutura de carreiras, bem como a admissão de pessoal, a qualquer título, pelos órgãos e entidades da administração direta ou indireta, inclusive fundações instituídas e mantidas pelo Poder Público, só poderão ser feitas: I - se houver prévia dotação orçamentária suficiente para atender às projeções de despesa de pessoal e aos acréscimos dela decorrentes; II - se houver autorização específica na lei de diretrizes orçamentárias, ressalvadas as empresas públicas e as sociedades de economia mista."
93

§ 1º com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 04.06.98.

Redação Anterior: "§ 1º - A empresa pública, a sociedade de economia mista e outras entidades que explorem atividade econômica sujeitam-se ao regime jurídico próprio das empresas privadas, inclusive quanto às obrigações trabalhistas e tributárias."
94

Inciso VII com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 15.12.98

Redação Anterior: "VII - caráter democrático e descentralizado da gestão administrativa, com a participação da comunidade, em especial de trabalhadores, empresários e aposentados.
95

Inciso II com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 15.12.98

Redação Anterior: "II - dos trabalhadores;
96

§ 8 com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 15.12.98

Redação Anterior: "§ 8 - O produtor, o parceiro, o meeiro e o arrendatário rurais, o garimpeiro e o pescador artesanal, bem como os respectivos cônjuges, que exerçam suas atividades em regime de economia familiar, sem empregados permanentes, contribuirão para a seguridade social mediante a aplicação de uma alíquota sobre o resultado da comercialização da produção e farão jus aos benefícios nos termos da lei.

97

§ 201º com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 15.12.98

Redação Anterior: "§ 201º - A remuneração dos Deputados Estaduais será fixada em cada legislatura, para a subseqüente, pela Assembléia Legislativa, observado o que dispõem os arts. 150, II, 153, III, e 153, § 2º, I, na razão de, no máximo, 75% (setenta e cinco por cento) daquela estabelecida, em espécie, para os Deputados Federais."
98

§1º com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 15.12.98

Redação Anterior: "§1º - Qualquer pessoa poderá participar dos benefícios da previdência social, mediante contribuição na forma dos planos previdenciários.
99

§2º com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 15.12.98

Redação Anterior: "§2º É assegurado o reajustamento dos benefícios para preservar-lhes, em caráter permanente, o valor real, conforme critérios definidos em lei.
100

§3º com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 15.12.98

Redação Anterior: "§3º Todos os salários de contribuição considerados no cálculo de benefício serão corrigidos monetariamente.
101

§4º com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 15.12.98

Redação Anterior: "§4º Os ganhos habituais do empregado, a qualquer título, serão incorporados ao salário para efeito de contribuição previdenciária e conseqüente repercussão em benefícios, nos casos e na forma da lei.
102

§5º com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 15.12.98

Redação Anterior: "§5º - Nenhum benefício que substitua o salário de contribuição ou o rendimento do trabalho do segurado terá valor mensal inferior ao salário mínimo.
103

§ 7º com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 15.12.98

Redação Anterior: "§ 7º - A previdência social manterá seguro coletivo, de caráter complementar e facultativo, custeado por contribuições adicionais.
104

§ 7º com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 15.12.98

Redação Anterior: "§ 7º - A previdência social manterá seguro coletivo, de caráter complementar e facultativo, custeado por contribuições adicionais.
105

§ 8º com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 15.12.98

Redação Anterior: "§ 8º - É vedado subvenção ou auxílio do Poder Público às entidades de previdência privada com fins lucrativos.
106

Art. 202 com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 15.12.98

Redação Anterior: "Art. 202 - É assegurada aposentadoria, nos termos da lei, calculando-se o benefício sobre a média dos trinta e seis últimos salários de contribuição, corrigidos monetariamente mês a mês, e comprovada a regularidade dos reajustes dos salários de contribuição de modo a preservar seus valores reais e obedecidas as seguintes condições: I - aos sessenta e cinco anos de idade, para o "omem, e aos sessenta, para a mul"er, redu:ido em cinco anos o limite de idade para os trabal"adores rurais de ambos os sexos e para os 7ue exerçam suas atividades em regime de economia !amiliar, neste incluídos o produtor rural, o garimpeiro e o pescador artesanal6 II - após trinta e cinco anos de trabal"o, ao "omem, e, após trinta, = mul"er, ou em tempo in!erior, se su eitos a trabal"o sob condiç;es especiais, 7ue pre udi7uem a sa3de ou a integridade !ísica, de!inidas em lei6 III - após trinta anos, ao pro!essor, e, após vinte e cinco, = pro!essora, por e!etivo exercício de !unç#o de magistério2
107

§ 1º com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 15.12.98

Redação Anterior: "§ 1º - É facultada aposentadoria proporcional, após trinta anos de trabalho, ao homem, e, após vinte e cinco, à mulher.
108

§ 2º com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 15.12.98

Redação Anterior: "§ 2º - Para efeito de aposentadoria, é assegurada a contagem recíproca do tempo de contribuição na administração pública e na atividade privada, rural e urbana, hipótese em que os diversos sistemas de previdência social se compensarão financeiramente, segundo critérios estabelecidos em lei.
109

inciso V com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 04.06.98.

Redação Anterior: "V - valorização dos profissionais do ensino, garantido, na forma da lei, planos de carreira para o magistério público, com piso salarial profissional e ingresso exclusivamente por concurso público de provas e títulos, assegurado regime jurídico único para todas as instituições mantidas pela União;"
110

inciso I com nova redação dada pela Emenda Constitucional n.º 14, de 12 de setembro de 1996, entrando em vigor no dia 1º de janeiro de 1997.
111

inciso II com nova redação dada pela Emenda Constitucional n.º 14, de 12 de setembro de 1996, entrando em vigor no dia 1º de janeiro de 1997.
112

§ 1º com nova redação dada pela Emenda Constitucional n.º 14, de 12 de setembro de 1996, entrando em vigor no dia 1º de janeiro de 1997.
113

§ 2º com nova redação dada pela Emenda Constitucional n.º 14, de 12 de setembro de 1996, entrando em vigor no dia 1º de janeiro de 1997.
114

§ 3º acrescentado pela Emenda Constitucional n.º 14, de 12 de setembro de 1996, entrando em vigor no dia 1º de janeiro de 1997.

115

§ 4º acrescentado pela Emenda Constitucional n.º 14, de 12 de setembro de 1996, entrando em vigor no dia 1º de janeiro de 1997.
116

§ 5º com nova redação dada pela Emenda Constitucional n.º 14, de 12 de setembro de 1996, entrando em vigor no dia 1º de janeiro de 1997.
117

art. 241 com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 04.06.98.

Redação Anterior: "Art. 241 - Aos delegados de polícia de carreira aplica-se o princípio do art. 39, § 1º, correspondente às carreiras disciplinadas no art. 135 desta Constituição."
118

artigo com nova redação e parágrafos acrescentados pela Emenda Constitucional nº 14, de 12 de setembro de 1996, entrando em vigor no dia 1º de janeiro de 1997.
119

art. 71 com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 17, de 22.11.97.

Redação Anterior: "Art. 71 - Fica instituído, nos exercícios financeiros de 1994 e 1995, bem assim no período de 1º de janeiro de 1996 a 30 de junho de 1997, o Fundo Social de Emergência, com o objetivo de saneamento financeiro da Fazenda Pública Federal e de estabilização econômica, cujos recursos serão aplicados prioritariamente no custeio das ações dos sistemas de saúde e educação, benefícios previdenciários e auxílios assistenciais de prestação continuada, inclusive liquidação de passivo previdenciário, e despesas orçamentárias associadas a programas de relevante interesse econômico e social."
120

inciso V com nova redação dada pela Emenda Constitucional nº 17, de 22.11.97.

Redação Anterior: "V - a parcela do produto da arrecadação da contribuição de que trata a Lei Complementar nº 7, de 7 de setembro de 1970, devida pelas pessoas jurídicas a que se refere o inciso III deste artigo, a qual será calculada, nos exercícios financeiros de 1994 e 1995, bem assim no período de 1º de janeiro de 1996 a 30 de junho de 1997, mediante a aplicação da alíquota de setenta e cinco centésimos por cento, sujeita a alteração por lei ordinária, sobre a receita bruta operacional, como definida na legislação do imposto sobre renda e proventos de qualquer natureza;"
121

Artigo 75 acrescentado pela Emenda Constitucional nº 21, de 18 de março de 1999

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful