You are on page 1of 10

O exame radiográfico

O objetivo de todo tecnólogo não deve ser apenas fazer uma radiografia “dá para
passar” mas produzir uma imagem com qualidade diagnóstica. Para isso é
imperativo que sejam utilizados corretamente os fatores de exposição radiográfica e
o posicionamento da região anatômica determinado para cada incidência,
associados à correta identificação da radiografia.

Incidência ou projeção
Incidência corresponde à relação entre o posicionamento do paciente e a incidência
do raio central (RC). Descreve a direção dos raios X quando este atravessa o
paciente, projetando uma imagem no filme radiográfico ou em outros receptores de
imagem. (O feixe de raios X pode ser descrito como o raio central ou RC).

Tipos de incidências
Incidências de rotina - Coresponde ao número mínimo de incidências necessárias
para o estudo de uma determinada região anatômica do corpo humano.
Incidências complementares - São incidências que podem ser acrescentadas às
incidências de rotina para esclarecer uma hipótese diagnóstica.
Incidências panorâmicas - São incidências que resultam em radiografias da
totalidade da região anatômica em estudo.
Incidências localizadas - São incidências complementares que resultam em
radiografias de parte de uma região anatômica do corpo que, pela grande
colimação, produzem uma imagem com mais detalhe.
Descrição de algumas incidências
Incidência póstero-anterior (PA) - O RC entra na superfície posterior e sai na
anterior. Não há rotação intencional, o que requer que o RC seja perpendicular ao
plano coronal do corpo e paralela ao plano sagital;

. Incidências Oblíquas .O RC entra em uma superfície anterior e sai em uma posterior. as incidências oblíquas de partes dos membros superiores e inferiores são mais precisamente descritas como incidências oblíquas AP ou PA com rotação lateral ou medial.Incidência ântero-posterior (AP) .Deve incluir um termo de qualificação descrevendo a posição do corpo como OAD etc..

Descrever qualquer ângulo do RC acima de um determinado número de graus ao longo do eixo longitudinal do corpo. Incidência Axial .Incidência lateral . .Deve incluir um termo de qualificação da posição como uma posição lateral direita ou esquerda.

Nos exames realizados no leito.  Iniciais do paciente. Uma numeração seqüencial ou o tempo devem ser acrescentados à identificação nos exames seriados. Identificação das radiografias A identificação deverá estar impressa e legível na radiografia.Incidência tangencial . Exemplos: Incidência do arco zigomático. enfermaria 3A 11:30h = E3A 11 30 etc. deve ser acrescentada obrigatoriamente á identificação a letra “D” ou “E”.  Data (dia/ mês/ ano) da realização do exame. no mínimo. devem ser acrescentadas a localização do paciente e a hora da realização do exame. etc). Posicionamento da identificação na radiografia .Significa tocar uma curva ou superfície apenas em um ponto.  Número de registro do exame no serviço de radiologia. A identificação de uma radiografia deve conter. incidência do crânio para demonstração de fratura impactada. ou câmaras identificadoras. Pode ser feita usando um numerador alfa numérico. pés. Deve ser evitada a identificação escrita (com caneta) ou com etiqueta colada diretamente na radiografia. Exemplo: quarto 11 23:30h = Q 11 23 30. os seguintes dados:  Nome ou logotipo da instituição onde foi realizado o exame. sem superpor estruturas importantes do exame radiográfico. Nos exames de estruturas pares do corpo (mãos.

com a sua borda inferior em correspondência com a extremidade distal dessa região.A identificação deve estar sempre posicionada na radiografia em correspondência com o lado direito do paciente. O posicionamento da identificação na radiografia deve também obedecer à seguinte regra:  Paciente em pé .A identificação deverá estar na parte superior do chassi.  Paciente em decúbito .Equipamentos.Aula 10 . Uma radiografia ao ser analisada deve estar com a identificação legível e posicionada de maneira que corresponda ao paciente em posição anatômica de frente para o observador. e o numerador posicionado do lado direito da região anatômica em estudo. As radiografias das extremidades (mãos / carpos e pés) constituem exceção a essa regra e devem ser posicionadas para análise com os dedos voltados para cima. exceto para as extremidades (mãos / carpos e pés). com a borda superior em correspondência com a extremidade superior da região a ser radiografada. ou seja. Radiologia Básica . a identificação da radiografia deve sempre estar legível e à esquerda do observador. Enviar por e-mailBlogThis! Compartilhar no TwitterCompartilhar no FacebookCompartilhar no OrkutCompartilhar com o Pinterest . Bucky acessorios da Sala de Raios X.A identificação deverá estar na parte inferior do chassi.

Tampo basculante.TIPOS DEMESA: • • • Tampo fixo. . Na maioria das vezes. a mesa É utilizada nos exames de raios x. Tampo Flutuante. para posições em que o paciente fica em decúbito.

.

COMO MOSTRADO NA FIGURA ABAIXO .NA MESA DE EXAMES PODEMOS ENCONTRAR UMA GAVETA COM UMA BANDEJA QUE SERVE DE SUPORTE PARA OS CHASSIS RADIOGRÁFICOS.

A diferença é que ela se encontra no meio da estativa percorrendo – a no comprimento. assim como na LCM. sabendo posicionar o raio central para a imagem ficar centralizadaao filme.ESTATIVA COM BUCKY LCE A LCE (ou. ESTATIVA Geralmente utilizada para posições em que o paciente fica em posiÇão ortostática. percorrendo – a no sentido do comprimento. . que é usada quando queremos fazer mais de uma incidência no filme (fazer mais do que uma imagem no filme). Nota: Podemos dizer em outras palavras que o Raio Central é a ‘mira’ do raios X. também serve de auxílio no posicionamento da parte a ser radiografada. Linha central da estativa). Linha central da mesa) É uma linha que se encontra no meio da mesa. DIVISOR DE CHUMBO O divisor de chumbo é uma peça metálica de Pb. Para radiografar o tronco. Auxilia no posicionamento da parte a ser radiografada. como podemos citar o tÓrax. coluna vertebral A LCM (ou.