IBM1018 – Física Básica II – FFCLRP – USP – Prof.

Antônio Roque – Aula 6

Energia Potencial Elétrica
Física I revisitada1

Seja um corpo de massa m que se move em linha reta sob ação de
uma força F que atua ao longo da linha.

O trabalho feito pela força para deslocar o corpo de a para b é dado
por:  

→ =   . 

A segunda lei de Newton nos dá: 

. 

Substituindo na expressão para o trabalho: 
=

 A definição de velocidade nos dá: 1 Nota: Não será feita aqui uma revisão pormenorizada do conteúdo de Física I. =  → =     . 1 . recomenda-se ler o Capítulo 7 do livro-texto (Física I). Para uma revisão mais rigorosa e detalhada. Apenas alguns conceitos principais serão relembrados.

IBM1018 – Física Básica II – FFCLRP – USP – Prof. 2 2   A energia cinética do corpo é definida por: 1  =  . 2 Portanto. →   =   =  − . Antônio Roque – Aula 6 =  ⟹  = .  Substituindo na expressão para o trabalho: →   =  =   . podemos escrever o trabalho feito pela força F como igual à variação da energia cinética: 1 1 → =  −  =   − .     Como a massa do corpo é constante.

2 2 1 Este resultado é conhecido como teorema do trabalho-energia e ele vale mesmo quando o movimento não se dá em linha reta e a força não aponta na mesma direção do movimento (veja a figura abaixo). = Δ. 2 .

=   ∙ ℓ 3 e o teorema do trabalho-energia nos diz que: & ⟶ = Δ =  − . a curva C indica a trajetória do corpo (note que ela é  é o vetor elemento de linha (um vetor infinitesimal orientada) e ℓ com a direção da reta tangente à trajetória em cada ponto e o sentido do movimento do corpo). Antônio Roque – Aula 6 Nesta figura. Note que ela faz um ângulo com ℓ Se o elemento de trabalho feito pela força  para deslocar o corpo ao  for indicado por longo de C por um elemento de linha ℓ  =  cos # ℓ. está indicada no desenho. A força atuando sobre o corpo também .IBM1018 – Física Básica II – FFCLRP – USP – Prof. então o trabalho feito por  para onde φ é o ângulo entre  e ℓ deslocar o corpo ao longo da trajetória C de a para b é indicado por & ⟶   ' '  =   cos # ℓ.  =  ∙ ℓ 2 .

3 . Uma pergunta que podemos fazer é se existe algum tipo de força tal que o trabalho feito por ela para levar um corpo de a para b não depende da trajetória C. 4 Note que. em geral.. o trabalho feito pela força  para levar o corpo de a para b depende da trajetória C por onde o corpo vai de a para b.

Uma característica do movimento do corpo que está implícita na afirmação acima é que a energia cinética do corpo varia quando ele vai de a para b. firmeza. mas por ora vamos supor que existe. nos próximos parágrafos vamos assumir como hipótese que a força do nosso problema é tal que o trabalho feito por ela não depende da trajetória. Vamos designar essa possível grandeza invariante por E e vamos chamá-la de energia do corpo3. Portanto. para que essa nova grandeza E permaneça 2 3 Na verdade sabemos. A palavra energia vem do grego energeia (ἐνέργεια) e significa força. isto é. Antônio Roque – Aula 6 Não sabemos se existe tal tipo de força2.IBM1018 – Física Básica II – FFCLRP – USP – Prof. vigor. Outra pergunta que podemos fazer neste caso é se não seria possível inventar uma grandeza que não varie durante o movimento do corpo. 4 . Assumindo que o trabalho feito pela força independe da trajetória. atividade. que permaneça constante durante o movimento. a equação (4) nos diz que a variação da energia cinética do corpo quando ele se move de a para b depende apenas desses dois pontos. pois já fizemos Física I. Como a energia cinética K não permanece constante durante o movimento do corpo.

vamos chamar este “algo” de energia potencial. Vamos designá-lo por U.IBM1018 – Física Básica II – FFCLRP – USP – Prof. (5) Como queremos que E permaneça constante durante o movimento do corpo. Ou seja. Logo: - − -. devemos ter: Δ* = 0 ⟹ Δ + - = 0.= −ΔK. Ou ainda. Então.= 0. E ≡ K + U. Antônio Roque – Aula 6 constante é necessário adicionar “algo” a K para que a soma de K com esse “algo” permaneça constante e seja igual a E: E ≡ K + “algo”. O símbolo ∆ indica o valor da grandeza em b menos o valor da grandeza em a. Já que estamos usando o termo energia. Δ + Δ. Δ.

 = −/  − .

 . Então: ou.0.

 + -.

 =  + -. * .

5 . = * .

A constância da energia é possível porque inventamos outra grandeza. cujo valor depende apenas do ponto onde está o corpo. Podemos definir uma energia potencial U associada à força. ii. denominada energia potencial U. tal que variações na energia cinética K correspondem exatamente a variações opostas na energia potencial U: ∆K = −∆U. Então é possível inventar uma grandeza energia E que permanece constante ao longo do movimento do corpo. Se encontrarmos uma força conservativa. Podemos resumir o que fizemos acima dizendo que: i. Uma força tal que o trabalho feito por ela para levar um corpo de um ponto inicial a para um ponto final b dependa apenas dos pontos e não da trajetória usada é chamada de conservativa.IBM1018 – Física Básica II – FFCLRP – USP – Prof. U = U(x). dada a hipótese central sob a qual se baseou nosso estudo acima: • A força  é tal que o trabalho feito por ela para levar um corpo de um ponto a para um ponto b não depende da trajetória usada. Antônio Roque – Aula 6 Nossa conclusão é que. tal que 6 . que depende apenas do ponto ocupado pelo corpo.

o centro de uma carga puntiforme é o centro de força da força elétrica que ela exerce sobre uma carga de prova à distância r dela). o trabalho feito pela força é dado por (3): 7 . Antônio Roque – Aula 6 variações em U sejam exatamente iguais a variações na energia cinética K. ex. Uma força central pode ser expressa como  =  11̂ . e iii.IBM1018 – Física Básica II – FFCLRP – USP – Prof. mas de sinal contrário. Portanto.. 6 onde 1̂ é o versor que define a direção radial entre o centro de força e ponto à distância r do centro. Quando uma partícula se move se um ponto a para um ponto b ao longo de uma trajetória C sob a ação de uma força central. Uma força central tem sua origem num centro de força e atua sobre um corpo ao longo da linha reta que une o corpo ao centro de forças.. ex. Exemplos são a força gravitacional (p. é possível definir uma energia E = K + U que permanece constante durante o movimento do corpo. Note que  pode ser atrativa ou repulsiva. Um tipo importante de força em física é o que se chama de força central. o centro do Sol é o centro de força da força gravitacional que ele exerce sobre a Terra) e a força elétrica (p.

IBM1018 – Física Básica II – FFCLRP – USP – Prof. ' 8 . que vamos chamar aqui de 4̂ (veja a figura abaixo).  =   ∙ ℓ Esta equação pode ser reescrita decompondo-se o vetor elemento de  nas suas componentes ao longo da direção radial 1̂ e da linha ℓ direção perpendicular a 1̂ . Sendo assim: & ⟶    ' ' '  =  111̂ ∙ 1̂ +  141̂ ∙ 4̂ ⇒ =  11̂ ∙ ℓ ⟹ & ⟶  =   11. Antônio Roque – Aula 6 & ⟶   ' '  =  11̂ ∙ ℓ.

a força exercida por uma carga Q sobre uma carga de prova q é  = 7* = 7 8 1̂ . Ela será indicada por U e será chamada de energia potencial elétrica.IBM1018 – Física Básica II – FFCLRP – USP – Prof. forças centrais são conservativas. 9 . 1  Portanto. Por exemplo.  7 ou seja. Antônio Roque – Aula 6 Note que F(r) só depende da variável r. Essa energia potencial só depende da posição 1 em que está a carga q em relação ao centro de força. no caso de uma força central o trabalho feito pela força para levar um corpo de um ponto a a um ponto b não depende da trajetória: & ⟶  =   11. é possível associar uma energia potencial à força elétrica. 49:. Portanto. como visto na revisão acima. de maneira que o resultado da integral acima distância só vai depender dos pontos inicial e final (e não mais da trajetória C). Energia potencial elétrica A força elétrica é uma força central.

8 Segundo esta equação. a variação na energia potencial é negativa (∆U < 0) e vice-versa. A distância entre os pontos é d (veja a figura acima) 10 . consideremos o caso de uma carga de prova q0 movendo-se em um campo elétrico uniforme (por exemplo. Consideremos dois pontos. o campo gerado no interior de duas placas planas e paralelas como mostra a figura abaixo). ao longo de uma linha horizontal no interior das placas. Antônio Roque – Aula 6 Devido ao fato de a força elétrica ser conservativa.IBM1018 – Física Básica II – FFCLRP – USP – Prof. Para exemplificar isso. a e b. o trabalho feito por essa força para levar uma carga q de um ponto a a um ponto b independe da trajetória e satisfaz: → = −Δ. quando o trabalho feito pela força elétrica é positivo → > 0.= −- − - .

ou seja. o trabalho feito pela força elétrica é:  → =  7.IBM1018 – Física Básica II – FFCLRP – USP – Prof. * ∙  > = 7. de a para b. Antônio Roque – Aula 6 Vamos considerar inicialmente o caso em que a carga q0 é positiva (q0 > 0). Quando a carga se move no mesmo sentido do campo. *  − .

* ∙  > = 7. Por outro lado. quando essa carga positiva q0 se move no sentido contrário ao do campo elétrico.= −→ < 0.  De (8) temos: Δ. = 7. por exemplo de b para a. * > 0. o trabalho feito pela força elétrica é:  → =  7. * . A energia potencial elétrica diminui quando a carga positiva q0 passa de a para b (mesmo sentido do campo elétrico e mesmo sentido da força elétrica sobre q0).

 Neste caso. ou seja. Consideremos agora o caso em que a carga q0 é negativa (q0 < 0).= −→ > 0. * < 0. a energia potencial elétrica aumenta quando a carga q0 se move no sentido contrário ao do campo elétrico (e sentido contrário ao da força elétrica sobre q0). 11 . −  = −7. Δ.

*  − . o trabalho feito pela força elétrica é:  → =  −7. de a para b. Antônio Roque – Aula 6 Quando a carga se move no mesmo sentido do campo. * ∙  > = −7.IBM1018 – Física Básica II – FFCLRP – USP – Prof.

* < 0. * .  Portanto: Δ. = −7.= −→ > 0. A energia potencial elétrica aumenta quando a carga negativa −q0 se movimenta no mesmo sentido do campo elétrico (que é o sentido contrário ao da força elétrica sobre q0). de b para a. Por fim. quando a carga negativa q0 se move no sentido contrário ao do campo elétrico. o trabalho feito pela força elétrica é:  → =  −7. * ∙  > = −7.

12 . ou seja.  Neste caso. Δ.= −→ < 0. Observe com cuidado os resultados acima. independentemente do sinal da carga q0. * > 0. Note que. quando ela se move no mesmo sentido da força elétrica a energia potencial elétrica diminui. −  = 7. a energia potencial elétrica diminui quando a carga negativa q0 se move no sentido contrário ao do campo elétrico (mas que é o mesmo sentido da força elétrica sobre ela).

O trabalho feito pela força elétrica é     =  7. 1  13 . ela ganha energia potencial gravitacional. Neste caso ela perde energia potencial gravitacional. indo de uma altura mais baixa para uma maior. Antônio Roque – Aula 6 Por outro lado. * ∙ ℓ  =  → =   ∙ ℓ    7. quando a carga q0 se move no sentido contrário ao da força elétrica atuando sobre ela a energia potencial elétrica aumenta. O resultado acima vale para um campo elétrico uniforme. 74). Neste caso. Já quando a partícula sobe. indo de uma altura maior para uma menor. Como será no caso geral de uma carga de prova q0 movendo-se ao longo de uma trajetória qualquer de um ponto a para um ponto b na presença de um campo elétrico gerado por uma carga Q? Veja a figura 23. para simplificar. Vamos supor.6 do livro-texto (pg. que a origem do sistema de coordenadas coincide com o centro da carga Q (o centro de força). ela se move no mesmo sentido da força gravitacional.IBM1018 – Física Básica II – FFCLRP – USP – Prof. Quando a partícula cai. ela se move no sentido contrário ao da força gravitacional. Compare este resultado com o de uma partícula de massa m movendo-se em um campo gravitacional uniforme @. 8 1 1̂ ∙ 1̂ ⟹ 49:.

= - − -.IBM1018 – Física Básica II – FFCLRP – USP – Prof. 1  ⟹ → = 7. 1 1 ⟹ Δ. 49:. 8 1 A B  = 7. 8 1 7. 1 1 1  49:.⟹ 49:. 8 C− 1 + 1 D ⟹ = = −  49:. 8 1 1 C − D = −Δ. Antônio Roque – Aula 6 ⟹ →  7.

Na dedução acima não foi feita qualquer restrição quanto aos sinais das cargas q0 e Q. Quando as duas cargas têm o mesmo sinal a energia potencial é positiva e quando elas têm sinais contrários a energia potencial é negativa. 49:. Portanto. 49:. 1 Portanto. 1 9 Note que esta definição é absolutamente geral. = 1 7.7 do livro-texto). é natural definir o zero da energia potencial elétrica no infinito: U → 0.1  = 1 7. Isto significa que a energia potencial elétrica tende a zero quando a distância r → ∞. 8 1 7. A energia potencial elétrica varia com a distância r entre as cargas de acordo com r-1 (observe os gráficos na figura 23. 8 . 8 − . 14 . 1 49:. podemos definir a energia potencial elétrica associada às cargas q0 e Q quando elas estão separadas pela distância r por . r → ∞.

Como o trabalho é positivo. a força entre elas é repulsiva e o trabalho para trazer q0 de ∞ até r é negativo (a carga q0 é movida no sentido contrário ao da força elétrica). Observe o gráfico da esquerda na figura 23. quando as duas cargas têm sinais contrários. a variação na energia potencial é positiva. Observe o gráfico da direita na figura 23. a energia potencial elétrica aumenta quando q0 se aproxima de Q. Como o trabalho é negativo. a energia potencial elétrica diminui quando q0 se aproxima de Q. Portanto. Portanto. A análise feita acima se inverte quando as duas cargas têm sinais contrários. Observe também os gráficos de U versus r feitos abaixo. a variação na energia potencial é negativa.7 do livro-texto.7 do livro-texto. No caso em que Q e q0 têm o mesmo sinal. quando as duas cargas têm o mesmo sinal. que neste caso é atrativa). podemos interpretar a energia potencial U(r) associada às duas cargas Q e q0 como o negativo do trabalho feito pela força elétrica para trazer a carga q0 do infinito até uma distância r da carga Q. Antônio Roque – Aula 6 Adotando esta definição para o zero da energia potencial elétrica.IBM1018 – Física Básica II – FFCLRP – USP – Prof. 15 . O trabalho para trazer q0 de ∞ até r é positivo (a carga q0 é movida no mesmo sentido da força elétrica.

Sendo assim. a energia potencial elétrica diminui. Antônio Roque – Aula 6 Quando a carga q0 se move no mesmo sentido da força elétrica. q0 e Q. A energia potencial elétrica não é uma propriedade de uma carga única.IBM1018 – Física Básica II – FFCLRP – USP – Prof. Note que estamos sempre nos referindo à energia potencial associada às duas cargas. Lembrando das aulas sobre lei de Gauss. 16 . o campo elétrico na parte de fora de uma distribuição de cargas esfericamente simétrica é o mesmo que o gerado por uma carga puntiforme no centro da distribuição com a mesma carga líquida dela. a energia potencial aumenta. a equação (9) para a energia potencial é a mesma quando a carga de prova q0 está do lado de fora da distribuição esfericamente simétrica de carga a uma distância r do seu centro. Quando a carga q0 se move no sentido contrário ao da força elétrica. Ela está associada à interação elétrica entre elas. mas das duas cargas.

. pelo princípio da superposição. q3. Como podemos representar qualquer distribuição de cargas por um conjunto de cargas puntiformes. isto é.. a energia potencial elétrica associada a essas cargas e a uma carga de prova q0 em um ponto P qualquer do espaço é dada.IBM1018 – Física Básica II – FFCLRP – USP – Prof. quando q0 estiver a uma distância muito grande de todas as cargas qi. . a energia potencial elétrica associada a qualquer distribuição de cargas e a uma carga de prova q0 é dada pela expressão acima. qN). q2. por: L 7I 7. 1K KMF 10 A situação está ilustrada pela figura abaixo. 7F 7 7G C + + + ⋯+ D = J . 1F 1 1G 1I 49:. Antônio Roque – Aula 6 Quando existem N cargas puntiformes no espaço (q1. 17 . a energia potencial associada às cargas e a q0 tende a zero (U → ∞). 7K 7. -= 49:. Note que quando todas as distâncias ri → ∞..

podemos escrever a energia potencial elétrica de um conjunto de N cargas puntiformes como: 7K 7N 1 J . 1KN KON 11 Note que também é possível escrever esta energia como uma soma por todas as combinações ij (i≠j). Antônio Roque – Aula 6 Note que isto implica que existe a energia potencial elétrica associada à distribuição de cargas e à carga q0.. qN. Note que não tem sentido definir a energia potencial associada à interação de uma partícula com ela mesma (seria infinita) e nem se deve contar duas vezes a mesma interação (da partícula i com a partícula j e da j com a i). Podemos também definir a energia potencial elétrica de uma distribuição arbitrária de cargas. -= 49:. Portanto. 1KN K.IBM1018 – Física Básica II – FFCLRP – USP – Prof. q3. 89:. o campo elétrico produzido por qualquer distribuição estática de cargas dá origem a uma força conservativa. Portanto..N KPN 12 18 .. A expressão ficaria assim: -= 7K 7N 1 J . como a energia potencial associada às interações entre cada par de cargas. q2. q1. só que então será necessário dividir por dois para descontar os termos duplicados. .