You are on page 1of 18

Secretaria Municipal de Saúde

Subsecretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde – SUBPAV
Superintendência de Integração das Áreas de Planejamento – SIAPE
Coordenadoria de saúde da AP 5.2 – CAP 5.2

REGIMENTO INTERNO DA
CLÍNICA DA FAMÍLIA SONIA
MARIA FERREIRA MACHADO

FEVEREIRO/2015

CF SONIA MARIA FERREIRA MACHADO
A Clínica da Família presta honras à Sonia Maria Ferreira Machado, que
emerge de formação inicial como Enfermeira com todos os condicionantes
sociais a ela agregados. Apesar da formação em Saúde Pública, por uma
questão histórica de privilégio a atenção curativa, atuou inicialmente na "outra
ponta" da assistência, isto é, no nível hospitalar, desenvolvendo atividades de
liderança diversas em vários segmentos.
Nascida em 09 de outubro de 1950, criou-se em Campo Grande,
estudou na Escola Professor Gonçalves e no Colégio Estadual Professor
Fernando Antônio Raja Gabaglia.
Graduou-se Enfermeira pela UNI RIO, onde pós graduou-se em Saúde
Pública.
Foi Chefe da Enfermagem da Casa de Saúde Nossa Senhora do Carmo.
Foi Chefe do PS Pedro Nava.
Foi Chefe da UACPS Barra de Guaratiba.
Foi Chefe do CMS Belizário Penna.
Foi Diretora do PS Mário Vitor, onde atuou até falecer em 21 de outubro
de 2000.
Sempre acreditou ser o serviço público viável e tanto contribuiu para a
Saúde Pública da Zona Oeste do Município do Rio de Janeiro, sendo um
exemplo de dedicação, competência e compromisso com o trabalho.

A Clínica de Saúde da Família Sonia Maria Ferreira Machado, situada
na Estrada da Posse s/nª, no bairro Santíssimo, iniciou suas atividades em
julho de 2012. Inicialmente, havia como proposta a implantação de uma
Unidade de Pronto Atendimento, porém após avaliação da real necessidade de
prevenção, promoção da saúde e acompanhamento dos cidadãos de
Santíssimo, fora implantada a Clínica da Família.
Consideramos a necessidade de uma revisão anual deste regimento,
devido a eventuais mudanças no quadro de funcionários, alterações na
dinâmica comunitária e o advento das Organizações Sociais (OS). Esta

unidade possui 07(equipes) equipes de saúde da família e 03(três) equipes de
saúde bucal, bem como equipes NASF Santíssimo composta por Psicólogo,
Terapeuta Ocupacional, Educador Físico, Nutricionista e Psiquiatra. O
regimento interno foi apresentado aos funcionários antes de sua conclusão,
para fins de avaliação, sugestões e aprovação.

Capítulo I

USF, Equipe, Área Geográfica e Usuários.

1 – Identificação

CF Sonia Maria Ferreira Machado

Coordenadoria de Saúde da Área Programática 5.2 – CAP 5.2

Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil – SMSDC

Subsecretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em
Saúde - SUBPAV

Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro

Estrada da Posse, s/nº. Santíssimo

Tel.: 2403-1583
Fax.:2403-1583

E-mail:: ger.smfm.cap52@iabas.org.br

2. Equipes e Área Geográfica

Área de abrangência: Estrada da Posse; Av. Santa Cruz; Estrada do
Lameirão; Estrada dos Sete Riachos e Rua Itaquê.

População estimada: 29.921

População cadastrada: 29.807

Número de Famílias: 9.649

Nº de Equipes: 07 ESF e 03 ESB

Equipes: Abieiros, Anes Dias, Arcadas, Ari Cordovil, Democracia, Ivan
Pessoa e Mozart Monteiro.

UNIDADE: CF SONIA MARIA FERREIRA MACHADO
NOME

FUNÇÃO

ADRIANA DE ALENCAR SILVA

AUXILIAR EM SAÚDE BUCAL

ADRIANA FRANCISCA DE ARAUJO DA
SILVA

CIRURGIÃO DENTISTA

ALCIONE DA COSTA SILVA

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAUDE

ALEXANDRE LOURENCO JUNIOR

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAUDE

ALEXANDRE MAGNO XAVIER SANTANA

MÉDICO

ALICE APARECIDA DE OLIVEIRA GOMES
RAMOS

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAUDE

ANA LUCIA ESTEVÃO DA SILVA

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAUDE

ANA PAULA DA SILVA ESTEVÃO

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAUDE

ANA PAULA DA SILVA PIRES

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAUDE

ANGELICA CARVALHO DA MATTA

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAUDE

ANNIE HELENA MORAES FELIX DA SILVA

ENFERMEIRO

BRUNA PORTAS RODRIGUES TEIXEIRA

MÉDICO

BRUNO BAPTISTA GALVAO

AUXILIAR ADMINISTRATIVO

CAMILA ALEXANDRE ALVES MOURA

ENFERMEIRO

CARLA MARQUES DA SILVA

TÉCNICO DE ENFERMAGEM

CARMEM LUCIA HILARIO GONCALVES

TÉCNICO DE ENFERMAGEM

CAROLINE THEODORO LIMA

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAUDE

CHRISTIANE MARIA DA SILVA

ENFERMEIRO

CINTHIA CABRAL BEZERRA

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAUDE

CLAUDIA MARIA VIEIRA MESSIAS DOS
SANTOS

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAUDE

CRISTIANE PIM DE OLIVEIRA

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAUDE

DEBORAH CRISTINA PINHEIRO DA ROSA

FARMACÊUTICO

DIEGO AUGUSTO PAULO

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAUDE

EMILY ALEXANDRE OCTAVIANO

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAUDE

FABIA DE JESUS REGO FIGUEIREDO

TÉCNICO DE ENFERMAGEM

FABIO PEREIRA DE SIQUEIRA

ENFERMEIRO

FATIMA GONCALVES RODRIGUES

AUXILIAR EM SAÚDE BUCAL

FLAVIA CORREA CABRAL VILELA

ENFERMEIRO

GISELE FERREIRA DA SILVA

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAUDE

GISELLE MOURA CABRAL

CIRURGIÃO DENTISTA

GISELLE RIBEIRO DOS SANTOS

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAUDE

HELENA FIGUEIREDO DA COSTA

ENFERMEIRO

JEFFERSON BRUM SOUZA

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAUDE

JONATHAS ROCHA CELESTINO

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAUDE

JOSE MARCELO DE ARAUJO CARBONE

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAUDE

JOYCE AUGUSTO DE JESUS

GERENTE TÉCNICA

JULIANA DOS SANTOS GOMES DA SILVA

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAUDE

JULIANA LUCENA DA SILVA

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAUDE

KAROLINE DA CONCEICAO FURTADO

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAUDE

LEANDRO LETA RIZZUTO

MÉDICO

LENIN QUINTANA REYES

MÉDICO

LEONETE DA SILVA GARCIA

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAUDE

LIVIA CRISTINA DOS SANTOS DE PINHO

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAUDE

LUANA BRAZ DE LUCENA

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAUDE

LUCIANA DE SANT ANNA BEZERRA DE
OLIVEIRA

AUXILIAR ADMINISTRATIVO

LUCIENE DOS SANTOS CUSTODIO
FERNANDES

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAUDE

MARCIA CASTANHEIRA DE AZEVEDO

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAUDE

MARCIA CRISTINA PIRES LIMA

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAUDE

MARCUS VINICIUS BOTELHO DE
OLIVEIRA

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAUDE

MARIA CRISTINA DOS SANTOS SILVA

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAUDE

MARIA DO PERPETUO SOCORRO
LUCENA DA SILVA

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAUDE

MARIA IZABEL PAPI DA COSTA

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAUDE

MARIA ZELIA DE SOUZA

MÉDICO

MARINA RANGEL DA COSTA

TÉCNICO DE ENFERMAGEM

MICHELE DE OLIVEIRA MACEDO

TÉCNICO DE ENFERMAGEM

MIRIAN FARIA PORTO

TÉCNICO DE ENFERMAGEM

MONIQUE PEIXOTO LOPA BARBOSA

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE

NAGE SILVA DE OLIVEIRA DAS CHAGAS

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAUDE

NARLY DE JESUS SOARES

TÉCNICO DE ENFERMAGEM

PATRICIA POVOAS CORECHA

CIRURGIÃO DENTISTA

RITA DE CASSIA DOS SANTOS FREITAS

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAUDE

ROBERTO GLENER SILVA DO CARMO

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAUDE

ROSANGELA DA COSTA PINTO ROCHA

TÉCNICO EM SAÚDE BUCAL

SIMONE BARBOSA GUIMARAES

AUXILIAR EM SAÚDE BUCAL

SIMONE DE SENNA SILVA QUINTINO

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAUDE

SUZIANE DOS SANTOS MACHADO DA
SILVA

ENFERMEIRO

TAISSA OLIVEIRA SOARES

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAUDE

THALITA ARAUJO DE MIRANDA

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAUDE

THAYSSA DE OLIVEIRA

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAUDE

VALDELICE LIMA NERY

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAUDE

VANIA LOMELINO DE MATOS

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAUDE

VINICIUS ROCHA PATRICIO

MÉDICO

WELLINGTON MENDES DA SILVA

AGENTE COMUNITÁRIO DA SILVA

YUDELKIS ESTRADA ALARCON
YUNEISIS ESPINOSA AGUILAR

MÉDICO
MÉDICO

3. Usuários

O total populacional, segundo IBGE, é de 29.921 habitantes. A maior
parte de população é composta por adultos-jovens. Temos grande
número de gestantes, alto índice de dermatoses, diabetes e hipertensão
arterial. Os registros de TB têm crescido acentuadamente e realizamos
ações de vigilância para reduzir este índice. Até o momento apenas um
caso de Hanseníase. Cerca de 98% dos usuários contam com coleta de
lixo e 92% contam com rede de esgoto.

CAPITULO II
Nossa missão, visão e valores.

Nossa missão é prestar cuidados de saúde individual e familiar de qualidade e
incentivar a participação da comunidade no processo saúde/doença. O trabalho
em equipe torna-se fundamental na sensibilização da comunidade na
responsabilização sobre sua saúde e no atendimento às demandas
apresentadas pela população. Realizamos visita domiciliar e grupos de
promoção da saúde, promovendo a manutenção da saúde e aumento da
acessibilidade aos serviços de saúde através o compromisso assistencial do
módulo que se encontra aberto de segunda à sexta, de 8h às 20h. O acesso às
consultas se dá de forma agendada e livre demanda, com acolhimento
individualizado pela própria equipe. Nessa perspectiva o CF Sonia Maria
Ferreira Machado procura organizar seu processo de trabalho, visando otimizar
e garantir o melhor acesso aos cidadãos cobertos pela Unidade., criando
estratégias para atendimento dos mesmos.
Almejamos a participação e integração entre população e equipes, visando
consolidar uma saúde pública de qualidade.

CAPITULO III
CARACTERIZAÇÃO E INSTALAÇÕES
A CF Sonia Maria Ferreira Machado situa-se na Estrada da Posse, s/nº em
Santíssimo, com área física distribuída em 07 consultórios para atendimento,
01 consultório Acolhimento mãe/bebê, 01 consultório HAS/DM, 01 consultório
Saúde da Mulher, 01 consultório Saúde da Criança, farmácia, 01 sala de
procedimento, 01 sala de curativo, 01 sala de imunização, 01 copa, 01 sala de
esterilização, 01 sala para expurgo, 02 salas para administração. Abrigamos
ainda o Serviço de Vigilância em Saúde, incluindo Central de Vacinas, e o
Serviço de Vigilância Ambiental. As instalações são limpas regularmente, os
serviços de auxiliares gerais são prestados pela empresa EIMS. Na recepção
estão instalados 07 computadores (01 para cada equipe) e uma televisão para
chamada e direcionamento dos usuários, contamos também com a
participação de um Agente Comunitário como ¨Posso Ajudar¨ para melhor
distribuição e agilidade ao atendimento. Os prontuários são disponibilizados
eletronicamente através do sistema Vitacare.

PROCESSO DE TRABALHO DA SAÚDE DA FAMÍLIA

Além das características do processo de trabalho das equipes de Atenção
Básica, são características do processo de trabalho da Saúde da Família:
I - Manter atualizado o cadastramento das famílias e dos indivíduos e
utilizar, de forma sistemática, os dados para a análise da situação de saúde
considerando as características sociais, econômicas, culturais, demográficas e
epidemiológicas do território;
II - Definição precisa do território de atuação, mapeamento e
reconhecimento da área adstrita, que compreenda o segmento populacional
determinado, com atualização contínua;
III - diagnóstico, programação e implementação das atividades segundo
critérios de risco à saúde, priorizando solução dos problemas de saúde mais
freqüentes;
IV - Prática do cuidado familiar ampliado, efetivada por meio do
conhecimento da estrutura e da funcionalidade das famílias que visa propor
intervenções que influenciem os processos de saúde-doença dos indivíduos,
das famílias e da própria comunidade;
V - Trabalho interdisciplinar e em equipe, integrando áreas técnicas e
profissionais de diferentes formações;
VI - Promoção e desenvolvimento de ações intersetoriais, buscando
parcerias e integrando projetos sociais e setores afins, voltados para a
promoção da saúde, de acordo com prioridades e sob a coordenação da
gestão municipal;
VII - Valorização dos diversos saberes e práticas na perspectiva de uma
abordagem integral e resolutiva, possibilitando a criação de vínculos de
confiança com ética, compromisso e respeito;
VIII - Promoção e estímulo à participação da comunidade no controle social,
no planejamento, na execução e na avaliação das ações; e
IX - Acompanhamento e avaliação sistemática das ações implementadas,
visando à readequação do processo de trabalho.

AS ATRIBUIÇÕES DOS PROFISSIONAIS

I - Participar do processo de territorialização e mapeamento da área de
atuação da equipe, identificando grupos, famílias e indivíduos expostos a
riscos, inclusive aqueles relativos ao trabalho, e da atualização contínua
dessas informações, priorizando as situações a serem acompanhadas no
planejamento local;
II - Realizar o cuidado em saúde da população adscrita, prioritariamente no
âmbito da unidade de saúde, no domicílio e nos demais espaços comunitários
(escolas, associações,entre outros), quando necessário;
III - Realizar ações de atenção integral conforme a necessidade de saúde da
população local, bem como as previstas nas prioridades e protocolos da gestão
local;
IV - Garantir a integralidade da atenção por meio da realização de ações de
promoção da saúde, prevenção de agravos e curativas; e da garantia de
atendimento da demanda espontânea, da realização das ações programáticas
e de vigilância à saúde;
V - Realizar busca ativa e notificação de doenças e agravos de notificação
compulsória e de outros agravos e situações de importância local;
VI - Realizar a escuta qualificada das necessidades dos usuários em todas as
ações, proporcionando atendimento humanizado e viabilizando o
estabelecimento do vínculo;
VII - Responsabilizar-se pela população adscrita, mantendo a coordenação do
cuidado mesmo quando esta necessita de atenção em outros serviços do
sistema de saúde;
VIII - Participar das atividades de planejamento e avaliação das ações da
equipe, a partir da utilização dos dados disponíveis;
IX - Promover a mobilização e a participação da comunidade, buscando
efetivar o controle social;
X - Identificar parceiros e recursos na comunidade que possam
potencializar ações intersetoriais com a equipe, sob coordenação da SMS;

XI - Garantir a qualidade do registro das atividades nos sistemas nacionais de
informação na Atenção Básica;
XII - Participar das atividades de educação permanente; e
XIII -Realizar outras ações e atividades a serem definidas de acordo com as
prioridades locais.

ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS

Além das atribuições definidas, são atribuições mínimas específicas de cada
categoria profissional, cabendo ao gestor municipal ou do Distrito Federal
ampliá-las, de acordo com as especificidades locais.

Do Agente Comunitário de Saúde:

I - Desenvolver ações que busquem a integração entre a equipe de saúde e a
população adscrita à UBS, considerando as características e as finalidades do
trabalho de acompanhamento de indivíduos e grupos sociais ou coletividade;
II - Trabalhar com adscrição de famílias em base geográfica definida, a
microárea;
III - Estar em contato permanente com as famílias desenvolvendo ações
educativas, visando à promoção da saúde e a prevenção das doenças, de
acordo com o planejamento da equipe;
IV - Cadastrar todas as pessoas de sua microárea e manter os cadastros
atualizados;
V - Orientar famílias quanto à utilização dos serviços de saúde disponíveis;
VI - Desenvolver atividades de promoção da saúde, de prevenção das
doenças e de agravos, e de vigilância à saúde, por meio de visitas domiciliares
e de ações educativas individuais e coletivas nos domicílios e na comunidade,
mantendo a equipe informada, principalmente a respeito daquelas em situação
de risco;
VII - Acompanhar, por meio de visita domiciliar, todas as famílias e

indivíduos sob sua responsabilidade, de acordo com as necessidades definidas
pela equipe; e
VIII - Cumprir com as atribuições atualmente definidas para os ACS em relação
à prevenção e ao controle da malária e da dengue, conforme a Portaria nº
44/GM, de 3 de janeiro de 2002.
Nota: É permitido ao ACS desenvolver atividades nas unidades básicas de
saúde, desde que vinculadas às atribuições acima.

Do Auxiliar e do Técnico de Enfermagem:

I - Participar das atividades de assistência básica realizando
procedimentos regulamentados no exercício de sua profissão na USF e,
quando indicado ou necessário, no domicílio e/ou nos demais espaços
comunitários (escolas, associações etc);
II - Realizar ações de educação em saúde a grupos específicos e a
famílias em situação de risco, conforme planejamento da equipe; e
III - Participar do gerenciamento dos insumos necessários para o
adequado funcionamento da USF.

Do Enfermeiro de Saúde da Família:

I - Planejar, gerenciar, coordenar e avaliar as ações desenvolvidas pelos ACS;
II - Supervisionar, coordenar e realizar atividades de qualificação e
educação permanente dos ACS, com vistas ao desempenho de suas funções;
III - Facilitar a relação entre os profissionais da Unidade Básica de Saúde e
ACS, contribuindo para a organização da demanda referenciada;
IV - realizar consultas e procedimentos de enfermagem na Unidade
Básica de Saúde e, quando necessário, no domicílio e na comunidade;
V - Solicitar exames complementares e prescrever medicações, conforme
protocolos ou outras normativas técnicas estabelecidas pelo gestor municipal
ou do Distrito Federal, observadas as disposições legais da profissão;

VI - Organizar e coordenar grupos específicos de indivíduos e famílias em
situação de risco da área de atuação dos ACS; e
VII - Participar do gerenciamento dos insumos necessários para o
adequado funcionamento da UBS.

Do Médico

I - Realizar assistência integral (promoção e proteção da saúde, prevenção de
agravos,diagnóstico, tratamento, reabilitação e manutenção da saúde) aos
indivíduos e famílias em todas as fases do desenvolvimento humano: infância,
adolescência, idade adulta e terceira idade;

II - Realizar consultas clínicas e procedimentos na USF e, quando indicado ou
necessário, no domicílio e/ou nos demais espaços comunitários (escolas,
associações etc.);

III - Realizar atividades de demanda espontânea e programada em clínica
médica, pediatria, gineco-obstetrícia, cirurgias ambulatoriais, pequenas
urgências clínicocirúrgicas e procedimentos para fins de diagnósticos;

IV - Encaminhar, quando necessário, usuários a serviços de média e alta
complexidade, respeitando fluxos de referência e contrarreferência locais,
mantendo sua responsabilidade pelo acompanhamento do plano terapêutico do
usuário, proposto pela referência;

V - Indicar a necessidade de internação hospitalar ou domiciliar, mantendo a
responsabilização pelo acompanhamento do usuário;
VI - Contribuir e participar das atividades de Educação Permanente dos ACS,
Auxiliares de Enfermagem, ACD e THD; e competências profissionais na ESF e
o trabalho em equipe.
VII - Participar do gerenciamento dos insumos necessários para o adequado
funcionamento da ESF.

Do Auxiliar de Saúde Bucal (ASB)

I - Realizar ações de promoção e prevenção em saúde bucal para as famílias,
grupos e indivíduos, mediante planejamento local e protocolos de atenção à
saúde;

II - Proceder à desinfecção e à esterilização de materiais e instrumentos
utilizados;

III - Preparar e organizar instrumental e materiais necessários;

IV - Instrumentalizar e auxiliar o cirurgião-dentista e/ou o THD nos
procedimentos clínicos;

V - Cuidar da manutenção e conservação dos equipamentos odontológicos;

VI - Organizar a agenda clínica;

VII - Acompanhar, apoiar e desenvolver atividades referentes à saúde bucal
com os demais membros da Equipe de Saúde da Família, buscando aproximar
e integrar ações de saúde de forma multidisciplinar;

VIII - Participar do gerenciamento dos insumos necessários para o adequado
funcionamento

Do Cirurgião-Dentista
São competências específicas do cirurgião-dentista, de acordo com o Anexo I
da Portaria nº 648/GM:

I - Realizar diagnóstico com a finalidade de obter o perfil epidemiológico para o
planejamento e a programação em saúde bucal;

II - Realizar os procedimentos clínicos da Atenção Básica em saúde bucal,
incluindo atendimento das urgências e pequenas cirurgias ambulatoriais;

III - Realizar a atenção integral em saúde bucal (promoção e proteção da
saúde, prevenção de agravos, diagnóstico, tratamento, reabilitação e
manutenção da saúde) individual e coletiva a todas as famílias, a indivíduos e a
grupos específicos, de acordo com planejamento local, com resolubilidade;

IV - Encaminhar e orientar usuários, quando necessário, a outros níveis de
assistência, mantendo sua responsabilização pelo acompanhamento do
usuário e o segmento do tratamento;

V - Coordenar e participar de ações coletivas voltadas à promoção da saúde e
à prevenção de doenças bucais;
VI - Acompanhar, apoiar e desenvolver atividades referentes à saúde bucal
com os demais membros da Equipe de Saúde da Família, buscando aproximar
e integrar ações de saúde de forma multidisciplinar;

VII - Contribuir e participar das atividades de educação permanente do THD, do
ACD e da ESF.

VIII - Realizar supervisão técnica do THD e do ACD; e

IX - Participar do gerenciamento dos insumos necessários para o adequado
funcionamento da ESF.

Do Gerente Técnico
I-Reportar-se, sempre que necessário, aos supervisores de território;

II-Gerir a Unidade de Saúde da Família, em estreita relação com os
supervisores de território;
III-Garantir a Gestão da Unidade de Saúde da Família, conforme a diretriz e
princípios do SUS (equidade, integralidade, humanização do atendimento) e
diretrizes e atributos da Atenção Básica/Estratégia Saúde da Família;
IV-Informar aos responsáveis pela linhas de cuidado e apoiadores, sempre que
necessário, sobre problemas identificados no desenvolvimento das ações e
sobre os encaminhamentos demandados;
V-Integrar as equipes Saúde da Família e demais profissionais de saúde da
Unidade de Saúde da Família com a comunidade;
VI-Garantir que as equipes desenvolvam suas ações, conforme as diretrizes da
Estratégia Saúde da Família (territorialização, cadastramento, diagnóstico de
saúde, enfoque familiar, integralidade da assistência, trabalho em equipe,
intersetorialidade, controle social, planejamento e avaliação e educação
permanente), no eixo da Linha do Cuidado;
VII-Cumprir com as atribuições delegadas e/ou as determinações propostas e
pactuadas pela CAP;
VIII-Repassar as informações de interesse do serviço para todos os
profissionais de saúde lotados na Unidade de Saúde da Família;
IX-Avaliar e monitorar as ações das equipes SF e dos demais profissionais de
saúde da Unidade de Saúde da Família, mantendo atualizadas as informações
contidas no painel de monitoramento para ampla divulgação;
X-Assegurar que o conjunto dos indicadores e metas assistenciais, pactuadas
entre a CAP e a SMSDC, seja alcançado;
XI-Elaborar os relatórios técnicos mensais e/ou outros necessários,
descrevendo as principais atividades realizadas, identificando obstáculos e
apontando recomendações;
XII-Utilizar os Sistemas de Informação de Saúde disponíveis
monitoramento/avaliação e planejamento das ações das equipes;

para

XIII-Atuar para garantir e melhorar a qualidade das informações de saúde;
XIV-Implantar as estratégias e protocolos assistenciais, de encaminhamento,
entre outros, da SMSDC;
XV-Garantir que as Equipes da Unidade de Saúde da Família desenvolvam
ações de promoção à saúde, prevenção específica e de cidadania;

XVI-Representar a Unidade de Saúde da Família em reuniões administrativas e
técnicas, junto à CAP, à SMSDC, ao Conselho Gestor e/ou outras reuniões
técnico-científicas;
XVII-Incentivar e colaborar com a pesquisa e produção de trabalhos científicos;
XVIII-Garantir a participação das Equipes da ESF nas reuniões mensais com a
comunidade;
XIX-Garantir o acolhimento da demanda espontânea e o maior grau de
resolubilidade possível, entendendo que a Unidade de Saúde da Família é a
porta preferencial de entrada do SUS;
XX-Avaliar as necessidades de capacitações e treinamentos, apontando para
maior grau de resolubilidade, para os perfis profissionais exigidos para o
desenvolvimento das ações da Atenção Básica à Saúde;
XXI-Garantir que os auxiliares administrativos mantenham atualizadas todas as
rotinas administrativas, bem como a alimentação de todos os Sistemas afeitos
à Atenção Básica à Saúde;
XXII-Orientar o profissional administrativo na supervisão dos serviços de
limpeza, vigilância, na manutenção de equipamentos, entre outros; monitorar e
otimizar o tempo de agendamento para as diferentes atividades ofertadas pela
Unidade;
XXIII-Desenvolver outras atividades, conforme for determinado e acordado.

Este regimento foi exposto e aprovado perante
colaboradores
da
unidade,
com
assinatura
de
representante de cada categoria para ciência.

------------------------------------Joyce Augusto
Gerente Técnico

aos
um