You are on page 1of 24

1ª edição

São Paulo, 2014

Copyright© 2014 by Stephen Paul Adler e ACT Institute.
Todos os direitos da primeira edição são reservados ao autor.
Diretora de projetos
Andréia Roma
Diagramação
Roberta Regato
Foto de capa
Shutterstock, Inc.
Tradução e participação especial
Ana Teresinha Passarella Coelho
Revisão
Ligia Feitosa e Nina Regato
Impressão
Imprensa da Fé
Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)
(Câmara Brasileira do Livro, SP, BRASIL)
Adler, Stephen Paul
Uma abordagem erickoniana para um inconsciente informado : histórias,
metáforas e citações que curam / Stephen Paul Adler ; [tradução Ana Terezinha
Passarella Coelho]. -- 1. ed. -- São Paulo : Editora Leader, 2014.
Título original: An Ericksonian approach to an informed unconscious :
stories, metaphors, quotations that heal
Bibliografia
ISBN 978-85-66248-10-4
1. Hipnoterapia Ericksoniana 2. Metáfora 3. Metáfora - Uso terapêutico
4. Psicoterapia - Métodos I. Título.
CDD-616.8914

14-00494
NLM-WM 420

Índices para catálogo sistemático:
1. Metáfora : Uso terapêutico : Psicoterapia : Medicina 616.8914

EDITORA LEADER
Rua Nuto Santana, 65, 2º andar, sala 3 - Pereira Barreto, São Paulo - SP
02970-000 / andreiaroma@editoraleader.com.br
(11) 4113-9464

 os  quais  me  deram  o  lugar  seguro  e  o  espaço  para  escrever. Finalizando.  Limpe  um  canto  de  sua  mente   e  a  criatividade  instantaneamente  o  preencherá..  Millicent  Elizabeth  Adler  (1945-­‐2013).     Toda  a  mente  é  um  edifício  repleto  de  mobília  arcaica. E.  aos  meus  dedicados  alunos  que  tomam  o  que  eu  tenho  a   lhes  oferecer.  acima  de  tudo.  me  desafiado  a  me   tornar  um  professor  ainda  melhor.  em  algumas  ocasiões.  que  tem  me  interpretado   há  vários  anos  e  também  me  apoiado  e.  mas  sim  como  fazer  com  que  os  antigos  saiam.   “Os  olhos  se  fecharam.  Ana  Teresinha  Passarella  Coelho.  cujos  amor  e  encorajamento  em  relação  ao  meu  traba-­‐ lho  têm  resultado  no  aumento  da  minha  capacidade  de  pagar  por  seus  diplomas.  Andres   Carrillo  Pera.  três  dos  meus  alunos  devem  me  superar.  Com  humor  e  humildade  espero  profun-­‐ damente  que  você  desfrute  deste  livro  e  das  amostras  de  histórias.  pois  ela  deve  se  sobressair.   cujos   trabalho   e   vida   têm   me   inspirado.” (Avis  Corea) ************ “O  problema  jamais  é  como  fazer  com  que  pensamentos  novos  e  inovadores  entrem   em  sua  mente.  Os  meus  alunos  serão  a  próxima  geração  de  Cura-­‐ dores  (healers)  Ericksonianos.  obrigado.  me  encorajassem  e  me  nu-­‐ trissem.   Tenho  esperança  de  ser  considerado  um  Mestre  Curador  (healer)  em  vida.  o  coração  já  não  bate  mais.  Saúdo  a  próxima  geração.  transformam  em  algo  seu  e  integram  a  aprendizagem  de  forma  que   ela  seja  expressa  através  deles.   por   conceder  a  liberação  de  parte  do  livro  “Hipnose  Ericksoniana:  estratégias  para  co-­‐ municação  efetiva”.  Estou  ansioso  para   alcançar  esse  título  em  um  futuro  próximo.  o  amor  vive.  Especialmente   um  livro  que  talvez  até  mesmo  possa  ser  útil  e  informativo! Eu   agradeço   e   estou   em   dívida   com   as   seguintes   pessoas:   Betty   Alice   Eri-­‐ ckson.   Eduardo   Trigo   por   seu   constante   apoio  e  cuidado.  porém.  Para  re-­‐ ceber  essa  designação. .   À  minha  voz  no  Brasil.” (Dee  Hock) ************ AGRADECIMENTOS Foi  preciso  que  pessoas  acreditassem  em  mim.  meu  enteado.   um   agradecimento   especial   à   Qualitymark   Editora   Ltda.  que  me  apoiassem  no  trabalho  árduo  de  escrever  este  livro.Dedico  este  livro  à  minha  amada  irmã.

.........................  25 Estratégias  ericksonianas  -­‐  Acompanhar    .........................................................................  20 O  campo  transformacional    ......  6 INTRODUÇÃO  ......................................................................................................  Erickson    .....................................................................  9   Era  Uma  Vez    .........................................................................ÍNDICE PREFÁCIO  por  Eduardo  Trigo    .........................  ..........................................................................................................................................................  10 O  Concerto    .............................................  13 Milton  H...................................  28 ͙ǧ  ...........................  27 Conduzir.....................................................

V.

......  41 ͚ǧ.......  .......................................  37 A  criação  de  histórias  e  metáforas  terapêuticas  -­‐  Betty  Alice  Erickson    ............  35 Metáforas  e  a  arte  de  contar  histórias  -­‐  Betty  Alice  Erickson    ........  39   Sugestões  adicionais  para  a  criação  de  histórias  -­‐  Betty  Alice  Erickson    .........  31 Como  colecionar  e  lembrar  histórias  e  metáforas    ..............................................

 .

V.

.....................................................  47 ͛ǧ ....................................................................................  43   Dicas  sobre  como  contar  histórias  que  promovam     mudanças  nas  mentes  e  nos  corações  ...  46   Técnicas  de  confusão    .....  .................................................................  45   Condução  inicial  geral    ................................................................

V.

.........................  54   Zebras    ...............  59 Charley    ......  58 O  ratinho  decidido  a  ver  o  mar    ...........  51 Os  sapos  na  tigela  de  creme    ............................................................  53   A  passo  de  caracol    .......................................................................  ................................................................  56 O  puxão!    .................................................................................................................................................................................................................................................................................................................  60   .........................................................................

.........................................................................................................  70 Deus  é    ...............................................................................................................................  79 Os  porcos  daquela  cobertura    .......................................................................................................................................................................................................................................................................................  101 ͜ǧ   ........  69 A  pirâmide  das  possibilidades    .................................  97 O  garoto  do  estábulo    ......................................................................  107 ͝ǧ...  100 Feliz    ..............  63 A  macieira    .........................................................................................  81 O  pessimista    ...............................................................................  72 Existe  vida  após  o  Jardim  de  Infância?    ..........................................................................................  91 O  ancião  sábio    ...............................................................................................................................................................................................................................................................................  83 O  Convite  –  de  Oriah  Mountain  Dreamer    .................................................................................  94 Apenas  um  pássaro  em  uma  gaiola  dourada    ...............................  88 O  presente    ..........................................................................................................  77 A  testemunha  –  uma  tradição  simples    ...................................................................................................................  96 Sob  a  árvore  Bodhi    .........................  75 O  sussurro    ...................................  85 George    .........................................................................  78 Transformação  –  de  Danaan  Parry    .............................  67 Andando  na  linha    ....................................................................................  105   Escutar  ..............................................Brócolis    .........................  82 Apenas  de  passagem    ...................................................................................................................

......................  111   Citações  espirituais  e  orações    .............................................................................................................................................................................  109     Citações    ........................................................  126 ͞ǧ................X  ...

.........................  na  terapia  (por  Ana  Teresinha  Passarella  Coelho)    .........................     no  Coaching...  no  atendimento  aos  clientes.......  ..............  131   O  uso  de  metáforas  na  prática.............................  133 .......

 (.)  Não  me  interessa  onde.  após  ele  encerrar  com  a  metáfora  “O  CON-­‐ VITE”.   resultados.   Ao  final  do  primeiro  dia. No  segundo  dia  do  treinamento  ele  encerrou  a  aula  com  a  metáfora:   “O   RATINHO   DECIDIDO   A   VER   O   MAR”.   na   medida   em   que   ele   contava.PREFÁCIO Ter  o  prazer  de  trabalhar  e  conviver  com  um  dos  maiores  mestres  e   contadores  de  metáforas  do  mundo  é  muito  curador.   tendo   a   certeza   de   que  eu  poderia  mudar  a  vida  dos  meus  coachees.  ou  com   quem  você  estudou.  Stephen  Paul  Adler.   6 ..   protocolos.   Eu   quero   saber   se   você   é  capaz   de   decepcionar  outra   pessoa   para  ser   verdadeiro  consigo  mesmo.  fui  para  casa  e  lembro-­‐me  que  não  conseguia  dormir  lembrando  das   frases:  “Não  me  interessa  se  a  história  que  você  está  me  contando  é  verda-­‐ de.  Foi  uma  noite  rolando  de  lá  para  cá..  ou  o  que.  Eu  havia  terminado  de  fazer  uma  formação  em  Coaching  e  estava  com-­‐ pletamente   focado   em   metas.  Eu  quero  saber  o  que  sustenta  você  lá  de  dentro  quan-­‐ do  tudo  o  mais  desmorona”.  senti  que  estava  no  treinamento  erra-­‐ do.  Parece   que  a  minha  vida  foi  revivida  com  aquela  metáfora.  Até  o  primeiro  intervalo  do   treinamento  eu  não  estava  entendendo  as  histórias  e  achava  que  as  metáfo-­‐ ras  eram  confusas  e  sem  sentido.   No  primeiro  dia  do  meu  primeiro  treinamento  em  hipnose  erickso-­‐ niana  com  o  Dr...

Sucesso  a  todos.  eu  a  vivenciava  como  nunca  havia  viven-­‐ ciado  uma  história  antes.  com  a  metáfora  “SOB  A   ÁRVORE  BODHI”.  pois  as   metáforas  falam  diretamente  à  mente  inconsciente  e  não  entram  em  cho-­‐ que  com  as  nossas  crenças.  Adler  aqui  no  Brasil. Desejo  que  este  livro  seja  uma  fonte  de  transformação  para  os  leitores   assim  como  foi  para  mim.  que  têm  como  objetivo  ajudar  as  pessoas  no  processo   de  cura. Eduardo  Trigo 7 .  o  que  fez  com  que  eu  mudasse  a  minha  vida  e  deixasse  o   cargo  de  executivo  financeiro  de  uma  das  maiores  instituições  do  Brasil  e  do   mundo  para  abraçar  a  área  de  desenvolvimento  humano.brincava  e  fazia  suas  palhaçadas.  Este  livro  é  rico  em   citações  e  metáforas.   respeitosa  e  na  velocidade  em  que  estamos  preparados.  Todas  as  minhas  vísceras  pulsavam  e  eu  sentia  que   aquela  metáfora  falava  da  minha  vida.  o  que  possibilita  mudanças  de  forma  amorosa.  desenvolvimento  e  na  busca  da  felicidade  e  da  aceitação. O  treinamento  terminou  com  chave  de  ouro. Anos  se  passaram  e  hoje  estou  aqui  escrevendo  o  prefácio  deste  livro   e  administrando  a  empresa  do  Dr.  falada  com  a  parte  mais  profunda  do   meu  ser.

.

”   (Robert  Gary  Lee) 9 .“Minha  vida  escuta  a  sua.”    (Muriel  Rukeyser) INTRODUÇÃO “A  sabedoria  nada  mais  é  do  que  a  dor  curada  (heal).

 no  universo  da  hipnose  ericksoniana  é  importante  fazer  uma  distinção.  não  dividido. *N.  às  vezes.  tão  maior.  metáforas.   citações   e   di-­‐ tados  e.D.Stephen Paul Adler.   citações   e   ditados   são   muito.   muito   mais   do   que  trocadilhos  intelectuais!  Representam  verdades  eternas.  Heal  tem  o  sentido  mais  amplo  de  restaurar  o  senso  de  inteireza  ou   senso  de  plenitude.   metáforas. Escrevo  este  livro  com  uma  missão  específica  em  mente:  trazer  ao  foco   tanto  dos  profissionais  como  do  público  em  geral  o  imenso  impacto  e  poten-­‐ cial  de  cura  (heal)  embutidos  em  histórias.  ainda  assim.  enquanto  cure  também  tem  o  sentido  de  eliminar   doenças.  pois  a  palavra  heal  vem  da  palavra  whole.  podem  trazer   um  sorriso  ao  nosso  rosto  ou  lágrimas  aos  nossos  olhos.  as  duas  palavras  são  sinônimas  no  sentido  de  restaurar  a  saúde.  Portanto.  citações  e  ditados..  porém  não  tem  o  sentido  de  eliminar  doenças.  será  colocada  ao  lado  a  palavra  original  em  inglês   para  que  o  leitor  tenha  acesso  à  riqueza  do  significado.   que  significa  inteiro.  Po-­‐ rém.. 10 .   metáforas.  completo.  sempre  que  no  texto  a  palavra  cura  for  utilizada. Ph.  De   acordo  com  o  Oxford  Dictionary  and  Thesaurus.T:    Na  língua  inglesa  há  duas  palavras  que  podem  ser  traduzidas  como  cura  e  curar.   São   apenas   histórias.. ERA UMA VEZ .  uma  é  cure  e  a  outra  é  heal.  Elas   exercem  um  impacto  em  toda  e  cada  célula  do  nosso  corpo.  elas  nos  recordam  da  nossa  sabedoria  interior.  carregam  um  significado  que  é  tão.  trazem   apenas  aquele  profundo  suspiro  de  alguém  que  já  sabe  enquanto  nos  lem-­‐ bramos   da   nossa   verdade.. Histórias.  transculturais   e  uma  sabedoria  que  vai  muito  além  dos  nossos  sonhos  mais  loucos.  Em   sua  essência.  das  nossas  infinitas  possibilidades  de   nos  tornarmos  tudo  o  que  podemos  nos  tornar  e  nos  ajudam  a  continuar  a   evoluir   de   maneiras   positivas   na   medida   em   que   tentamos   desenvolver   o   verdadeiro  potencial  que  nos  foi  dado  por  Deus.  total.  da  nossa  ver-­‐ dadeira  natureza  positiva  e  amorosa.

 porém  significativas  palavras  e  espera  com   antecipação  para  ouvir  o  resto  da  magia  que  é  a  história.  qualquer   pessoa  que  esteja  ao  alcance  do  som  da  minha  voz  começará  a  entrar  em   um  transe  positivo.  no  caso  extremo. Sempre  que  estamos  aprendendo  algo  novo.  Ao  desenvolvermos  o  rap-­‐   port   com   os   nossos   ouvintes.  no  mínimo.  com  muita  frequência   o  processo  de  aprendizagem  é  interrompido  e  raramente  temos  a  chance   de  voltar  ao  ponto  em  que  fomos  interrompidos  e  dar  continuidade  àquela   aprendizagem.  como  o  de  uma  criança:  –  É  hora  de  história!  A  criança   em  nós  reage  a  essas  simples.Uma abordagem ericksoniana para um inconsciente informado O   Dr.   Nossas   ações   e   reações   baseadas   na   aprendizagem   “incom-­‐ pleta”   tornam-­‐se   muito   menos   efetivas   do   que   poderiam   e   deveriam   ser.  podemos  dar  a  aparência  de  sermos. 11 .”    (Carl  Gustav  Jung) ************ “Ao  contar  histórias  revela-­‐se  o  significado  sem  cometer  o  erro  de  defini-­‐lo.  simplesmente  “malucos”! Histórias. Baseamos   muitos   de   nossos   comportamentos   nessas   informações   incompletas. ************ “A  mente  inconsciente  do  homem  vê  corretamente  mesmo  quando  a  razão   consciente  é  cega  e  impotente.”   Hannah  Arendt ************ Era   uma   vez.  muito  tempo  em  um  universo  muito.  Portanto.  Quem  conta  as  histórias  não  precisa  saber   que  informação  está  incompleta  para  ser  efetivo.  muito  distante”.  e  ela  en-­‐ contrará  o  que  precisa  nas  histórias  para  tornar  nossa  aprendizagem  mais   completa..   De  fato.  a  maioria  das  nossas  aprendizagens  é  deixada  em   vários  estágios  de  incompletude.  desinformados  ou   ilógicos  e.   Erickson   sentia   que   nossos   padrões   de   interação   e   nossos  comportamentos  frequentemente  são  o  resultado  de  uma  “apren-­‐ dizagem  incompleta”.   Milton   H.  Com  informações  mais  completas.  nosso  comportamento  auto-­‐ maticamente  muda  e  se  altera  de  maneiras  mais  positivas. A  mente  inconsciente  é  programada  para  aprender  e  evoluir.  metáforas  e  citações  nos  ajudam  indiretamente  a  comple-­‐ tar  muitas  dessas  aprendizagens.   intuitivamente   escolheremos   uma   ‘história   certa  o  suficiente’..   No   exato   momento   em   que   digo   “Era   uma   vez”   ou   “Há  muito.

Histórias  trazem  consigo  o  mistério.  citações  e  ditados  que  informam.  o  pai  da  hipnose  contemporânea.  nos  informando  e   nos  ajudando  a  completar  nossa  compreensão  do  mundo.  de  certa  forma.  Histórias  encorajam  a  conexão  tanto  com  a  história   como  com  os  outros  ouvintes.  Uma  boa  história  tem  a  qualidade  de  ser  universal.  Elas  nos  ajudam  a  pensar  e  a  aprender  de  uma  maneira   não  linear.  Essas  duas  técnicas  são  a  chave  para  o  poder  de  seu   trabalho.  Histórias.   Nós   raramente  resistimos   àquilo   que   ouvimos   em  uma   história.  Histórias  comunicam  sabedoria.   Erickson.  Histórias  ajudam   a  dar  perspectiva.  O  Dr.  queríamos  sim   uma   história   muito   aterrorizante!   Ficávamos   todos   unidos   pelo   mesmo   medo  que  sentíamos  e  pela  emoção  das  histórias  ao  redor  da  fogueira  con-­‐ tadas  pelos  líderes  do  acampamento  que.  mesmo  que  fosse  algo  como  o  medo  de  fantas-­‐ mas  ou  outros  monstros  da  noite! Histórias  sempre  existiram  e  sempre  existirão.  Aquelas  histórias  eram   a  maneira  como  nós  garotos  nos  conectávamos  e  compartilhávamos  algo   que  tínhamos  em  comum.   dúvidas  ou  para  preencher  as  lacunas  na  medida  em  que  reunimos  informa-­‐ ções  mais  completas  sobre  o  nosso  mundo. 12 .  ins-­‐ piram   e   desafiam. Ainda  consigo  me  lembrar  de  estar  sentado  ao  redor  da  fogueira  com   meus  companheiros  quando  pedíamos  ao  líder  do  acampamento  que  nos   contasse  uma  ‘história  não  tão  aterrorizante!’  Na  verdade.  Histórias  nos  trazem  pra-­‐ zer.  temos  a  opção  consciente  e  a  inconsciente  de  escolher  aquilo  de  que   precisamos  no  sentido  de  nos  ajudar  a  responder  nossas  questões  pessoais.  nos  recordando  de  experiências  positivas  da  infância.  o  entusiasmo  e  as  informações   que  nos  ajudam  a  fazer  uma  síntese  e  a  crescer.  As-­‐ sim.  Este  livro  é  dedicado  ao  trabalho  de  Milton  H.  metáforas.  Histórias   frequentemente  contêm  metáforas.   ditados  e  citações  indiretamente  nos  ajudam  a  navegar  pela  vida.  transcultural   e  atravessar  gerações. Ph.   filosofia  e  moral  para  a  vida.D.  pois  a  mensagem  chega  até  nós  de  uma  maneira  muito  gentil.Stephen Paul Adler.  Erickson  foi  tanto  o  mes-­‐ tre   das   metáforas   como   foi   também   um   dos   mais   fascinantes   contadores   de  histórias  do  mundo.  talvez  nos  assus-­‐ tassem  e  que  também  nos  faziam  sentir  como  um  só.

  fez   comerciais   de   TV.   ele  pensou.   contava  sobre  as  grandes  mudanças  que  aconteceram  em  sua  vida.  ainda  assim.  meu  amigo.  Alfie?  Será  apenas  por  um   momento  que  vivemos?  De  que  se  trata  tudo  isso.  Estava  prestes   a  se  recompor  e  começar  tudo  de  novo.   conquistou   prêmios   Clio.  uma  casa   magnífica.  uma  filha.  ele  compusera  as  trilhas  sonoras  que  fazem  com  que  tantos  filmes  de   Hollywood  se  tornem  um  sucesso.   Embarcou  em  uma  jornada  para  descobrir  a  sabedoria  nas  palavras  de  pes-­‐ soas  famosas.  quando  fez  para  si  mesmo  a  per-­‐ gunta  das  perguntas:  Nesta  vida.  o  impacto  que  seria  se  as  palavras  destas  pessoas.  Ele  e  a  filha  quase  morreram  em  um   terrível  acidente  de  carro.  todo  o  trabalho  que  conseguia  gerenciar  e  dinheiro  no  banco.  fossem  proferidas  e  enquanto  estivessem   sendo  expressas  sua  sabedoria  fosse  acompanhada  de  uma  música  que  ele   comporia   no   exato   momento.  Ele  já  ha-­‐ via  concluído  um  DVD  que  corporificava  seu  conceito  e  este  DVD  fora  muito   13 .  quando  você  faz  o  balan-­‐ ço  geral.  Em   menos  de  um  mês.  ganhou  sete  prêmios  Emmy.  não  impor-­‐ tando  qual  o  seu  estilo  de  vida.  de  pessoas  não  tão  famosas  e  de  pessoas  comuns.Uma abordagem ericksoniana para um inconsciente informado O CONCERTO Enquanto  estávamos  sentados  na  minha  sala  de  estar  resolvendo  os   problemas  do  mundo.  o  que  estou  fazendo  com  a  minha  vida?   De  certa  maneira.  tinha  uma  carreira  cheia  de  filmes  impor-­‐ tantes  que  alcançaram  a  fama  através  de  sua  música  e.  ele  iniciou  sua  jornada.  Alfie?” Passou   anos   compondo.  Imagine.  ele  perdeu  sua  casa  no  repentino  divórcio  e  seus  investi-­‐ mentos  desapareceram  em  um  golpe  do  mercado  financeiro.  Tivera  uma  esposa.  Durante   anos.   de   acordo   com   cada   frase   que   dissessem!   Imagine  se  ele  combinasse  a  música  e  as  palavras  com  os  melhores  recursos   cinematográficos!  Imagine  se  ele  utilizasse  uma  orquestra  de  80  instrumen-­‐ tos  para  criar  o  mesmo  efeito  e  a  música  e  os  recursos  cinematográficos  po-­‐ deriam  conduzir  a  sabedoria.  seu  casamento  se  dissolveu  completamente  de   forma  inesperada.  a  história  dessas  pessoas  da  mesma  maneira   que  ele  havia  criado  os  efeitos  que  haviam  conduzido  as  histórias  em  tantos   filmes  importantes  de  Hollywood!  E  assim.  ele  se   perguntava:  O  que  estava  fazendo  para  afirmar  a  vida?  O  que  ele  faria  agora? Concluiu   que   chegara   o   momento   de   seguir   um   caminho   diferente.  tudo  isso  mudara.  um  renomado  compositor  de  Hollywood.  ele  vivenciou  sua  própria  versão  da  canção  de  sucesso  do   filme  “Alfie”  de  1966:  “De  que  se  trata  tudo  isso.

 amava  a  criatividade.  logo  eu  estava  em  pânico:  O  que  eu  poderia   dizer?  O  que  eu  poderia  dizer  que  pudesse  ser  inspirador?  O  que  eu  poderia   dizer   que   fosse   universal?   E   o   que   eu   poderia   dizer   que   pudesse   justificar   uma  orquestra  de  80  instrumentos  e  uma  música  sendo  composta  de  acordo   com  cada  palavra  que  eu  dissesse? Na  véspera  do  evento  minha  mente  estava  em  branco.  Gostaria  de  convidar  30  pessoas  para  uma  reunião  em   sua  casa  e  minha  ideia  é  a  seguinte:  sentado  ao  piano  de  cauda  comporei  a   música  enquanto   você   conta   uma  história.  alguma  coisa  que  possa  fazer  uma  diferença. Ph.  uma  árvore.  disse  ele.  Logo.  lisonjeado  demais! –  É  claro  que  sim.   Fiquei  muito  lisonjeado.   citações.  o  que  eu  poderia  ter  a  dizer?  Despedimo-­‐nos  com  um  aperto  de  mãos. Havia   sido   um   inverno   rigoroso   e   uma   das   árvores   do   meu   terraço   morrera.  Procurei  todas   as  citações  ou  metáforas  que  eu  já  havia  lido.  o   que.  Restavam  apenas   24  horas  quando  me  dei  conta  sobre  o  que  eu  havia  concordado.  Decidi  sair  do   meu  apartamento  e  ir  à  feira  comprar  uma  árvore.Stephen Paul Adler.  embora  jamais  a  hou-­‐ vesse  visto  na  feira. Comecei  a  procurar  em  todos  os  meus  livros  de  poesia.   Decidi   deixar   todos   os   meus   livros. –  Eu  quero  que  você  fale  sobre  alguma  coisa  que  venha  do  seu  cora-­‐ ção.   anotações   de   lado.  minha  mandí-­‐ bula  estava  flácida  e  tenho  certeza  que  meus  olhos  estavam  fixos  na  grande   vastidão.  Amava   o  trabalho  dele.D.  Talvez.  procurei  incontáveis  vezes  no   Google.  a  mensagem  e   as  possibilidades.  por  que  não  dar  uma  olhada?  Fui  andando  pela   rua  e  quando  entrei  na  feira  mal  pude  acreditar  nos  meus  olhos.  amava  suas  intenções. bem  recebido.  alguma  coisa  que  as  pes-­‐ soas  precisam  ouvir.  Não  esperei  nem  um  segundo  para  refletir  sobre  o  que.  Certamente  eu  não  ti-­‐ nha  a  resposta!  Eu  entrara  no  estado  mental  de  eu-­‐não-­‐sei.  Mesmo  assim  minha  mente  estava   em  disparada.  Eu  disse  sem  hesitar  nem  por  um  momento.  fiquei  entusiasmado  com  a  perspectiva  de  que   aquela  noite  especial  viria  a  acontecer  dali  a  poucos  dias.   Decidi  tirar  tudo  isso  da  minha  mente.  criarei  uma  trilha  sonora  original!  Você  me   daria  a  honra  de  contar  uma  história  especial?.  Já  estava  na  hora  de  produzir  outro.  Pois.   rimos  e  demos  um  abraço.  pensando  naquilo  com  que  eu  havia  concordado.  Bem.  sim.  Porém.  comporei  de  acordo  com  cada   e  toda  palavra  que  você  disser.  final-­‐ mente  pensei:  ‘Vamos  deixar  por  conta  do  universo’.  lá  no   14 .  falei  com  amigos.  Eu  tinha  uma  árvore  específica  em  mente.

  com   um   longo  lamento. –  Qual  é  a  distância  que  temos  que  percorrer?.  ele  perguntou.  Concluiu  o  curso  como  um   15 .  jamais   havia  visto  aquele  tipo  de  árvore  na  feira  antes.  minhas   preocupações.   Era   comple-­‐ tamente   impossível   carregá-­‐la   para   casa.  encurvado  e  de   idade.  me  inclinei  para  pegar  o  vaso  e  levar  minha  árvore  para  casa.  respondi.   Ao  que  ele  afirmou:  –  Eu  cultivo. Fiquei  impressionado  com  sua  determinação  e  muito  aliviado  por  ele   carregar  aquela  árvore  impossível  de  se  carregar.  tenho  um  filho.  muito  barata.  a  ponto  de  pensar   em  roubar  tortilhas  dos  vendedores  ambulantes  para  sobreviver.  Pelo  menos  inicialmente  caminhamos  em  silêncio.  estava  exatamente  a  árvore   que  eu  havia  imaginado.  Eu  o  adotei  quando  ele  tinha  15   anos.  que  eu  simplesmente  não  conseguiria  levá-­‐la  para  casa.  Ele  é  mexicano  e  viveu  nas  ruas.  de  fato.  eu  vendo.  foi  reprovado  no  ensino  médio  e  ago-­‐ ra  está  comigo.  como  uma  árvore  desesperadamente  pendurada  na  beira   de  um  penhasco.  ele  perguntou.  quando  o  conheci  estava  desesperado.  Ele  era  curvado  pratica-­‐ mente  até  o  meio.  Voltou  a   estudar.  pois.  Ele   me  sorriu  um  sorriso  meio  banguela.   concluiu   o   ensino   médio   e   ganhou   uma   bolsa   de   estudos   parcial   em  uma  das  melhores  universidades  do  México.  Socorro!  O  que  eu  poderia  dizer?  Minha   preocupação  comigo  mesmo  foi  interrompida:   –  Filhos?.  eu  carrego.  sim.  Pensei  que  talvez  devesse  tê-­‐lo  mandado  na  frente  com  o   endereço  enquanto  fazia  outras  coisas.  que  sofre  a  ação  constante  do  vento.  escutando  as  vozes  na  minha  cabeça. –  Oh.  há  uns  200  metros  de  distância.  meus  preconceitos.  Era  um  senhor  negro.  Perguntei  o  preço  para  me   informar  e  era  muito.  paguei  com  alegria  e.  Caminhei  em   um  silêncio  muito  estranho.  Eu  não   sabia  o  que  dizer.  cheio  de  entusias-­‐ mo.Uma abordagem ericksoniana para um inconsciente informado final  da  feira.   –  Apenas  alguns  quarteirões.  o  que  faz  com  que  ela   fique  inclinada  para  uma  única  direção.  O  que  poderíamos  ter  em  comum? Sentia  que  não  havia  nada  na  minha  vida  que  realmente  tivesse  qual-­‐ quer  conexão  com  alguma  coisa  que  fizesse  parte  da  vida  dele.  Fiquei  muito  impressionado.  respondi. Ela   pesava   uma   tonelada!   Mal   consegui   erguer   o   vaso.   Expliquei   ao   produtor.  Ele  apanhou  a  árvore  e  co-­‐ meçamos  a  andar.  seus  cabelos  estavam  ficando  grisalhos  e  seus  olhos  e  sua  pele  eram   os  de  alguém  que  havia  tido  uma  vida  muito  dura.

 ele  disse.  quando  coloco  minha  filha  na  cama.  com  um  quê  de  traves-­‐ sura:  –  Filhos? –  Filhos?.  Porém.  ah.  O  mundo  será  dela.  Respondi. Houve  alguns  momentos  de  silêncio  e  então  ele  perguntou:   –  Como  você  fez  isto? –  Oh.   sua   pergunta   direta   e   sua   afirmação   da   verdade   não  pareceram  intromissão.  eu  disse.  Ele  afirmou.  com  o  passar   dos  anos.  e  eu  soube  que  podia  voar.  eu  disse.  Como  você  fez  isso? –  Eu  o  amei.  Ele  disse  com  firmeza.  É  inteligente.  isso   mesmo. Enquanto  seguíamos  tornei  a  ele  e  perguntei.  nunca. –  Você  acreditou  nele.  sim.  fez  uma  pausa  e  sorriu. –  Não. –  Não.  Ela  não  se  esquecerá. Ph.  Minha  esposa  e  eu  temos  uma  garotinha  linda  e  adorá-­‐ vel  de  oito  anos.   decidiu   apren-­‐ der  mandarim  e  hoje  em  dia  ele  é  totalmente  fluente  em  inglês.  jamais  se  esqueça  de  que  pode  voar!  Nunca  se  esqueça  de   que  pode  voar. dos   melhores   da   classe.  eu  acreditei  nele. 16 .  apenas  reguei.  espanhol    e   mandarim  no  nível  de  um  falante  nativo. –  Sim.  criativa  e  será  enfermeira   cirúrgica.  ele  perguntou.  eu  recordo  a  ela.  Esqueci  de  acreditar  que  eu  podia  voar!   Todas  as  noites. –  Não? –  Não. –  Como  você  fez  isso? E  então  repeti  devagar:  –  Como  você  fez  isso? Ele  colocou  a  árvore  no  chão. –   Eu   tenho   tido   uma   vida   difícil.  Peter  Pan.D.  filhos? –  Ah.  eu  comecei  a  esquecer. De   alguma   forma.   Quando   eu   era   novinho   li   um   livro   muito  especial.  eu  disse  em  tom  de  brincadeira.  você  acreditou  nele.  O  mundo  será  dela.   –  Sim.   Passou   a   ter   interesse   pela   China.Stephen Paul Adler.  Acaba  de  se  candidatar  para  fazer   mestrado  em  chinês  na  Universidade  John  Hopkins  em  Nanjing  e  tenho  cer-­‐ teza  que  será  aceito.

 contarei  a  história  exatamente  como  aconteceu  e  certamen-­‐ te  que  contarei  as  duas  coisas  que  você  gostaria  que  eu  acrescentasse.  eu  preci-­‐ saria  contar  uma  história  muito  especial  e  que  eu  queria  contar  sua  história.  venha  me  visitar  na  feira  e  me  conte  se  gostaram   da  minha  história.  a  sua  história  é  a  história  de   todos  nós.  jamais  se   esquecer  de  que  podem  voar.  eu  disse.Uma abordagem ericksoniana para um inconsciente informado Ficamos  de  pé  em  silêncio  por  um  momento. –  Você  pode  contar  a  minha  história  desde  que  você  lembre  aos  ou-­‐ vintes   duas   coisas:   uma   é   simplesmente   a   verdade   e   a   outra   é   o   meu   se-­‐ gredo.  ele  disse.  Está  vendo  estes  pequenos  calombos   nas  minhas  costas?  Ele  perguntou.  no  dia  seguinte.  se  virando  um  pouquinho  para  apontar   as  omoplatas.  subimos  pelo  elevador  e   fomos  até  o  terraço  onde  ele.  as  penas  já  estão  se  formando. –  É  claro.  Prosseguimos  até  o  apartamento.  por  favor.  finalmente.   Ele  colocou  a  árvore  de  novo  no  chão.  eu  quero  que  você  recorde  a   todos  que  eles  podem  voar!  Isso  mesmo.  talvez  eu  e  a  minha   nova  árvore  nunca  chegaríamos  em  casa! –  Você  contaria  a  minha  história?   –  Sim. Nós  sorrimos  um  para  o  outro  enquanto  ele  erguia  a  árvore  mais  uma   vez.  sim..  Sei  que  havia  uma  pequena  lágrima  em  seus  olhos  e  provavelmente  nos   meus  também.  e  o  segredo? –  Ah. –  Minha  história?  Ele  exclamou.  suspirei.  continuei.  colocou  a  árvore  no  chão  pela  úl-­‐ tima  vez.  –  Por  que  a  minha  história? –  Porque  a  sua  história  é  a  minha  história.  o  segredo. –  Ah.  eles  não  devem  nunca. –  Bem.  Mi-­‐ nha  voz  falhou  quando  compartilhei  com  ele  que... 17 .  Ele  falou  com  um  leve  sorriso  que  mostrava  alguns  de  seus  dentes   quebrados.  sim.  quando  você  contar  a  história.  e  então  ele  ergueu  minha   árvore  e  nós  continuamos  caminhando  em  direção  ao  meu  apartamento.  é  claro  que  com  a  sua  permissão. –  Bem.  respondi. –  E.  o  segredo:  estou  começando  a  deixar  minhas  asas  crescerem   novamente  e  olhe  só.

  sobre  o  que  é  essa  “atenção  consciente”.  uma  metáfo-­‐ ra.. 18 .  jamais  esqueça  de  que  você  pode  voar! ************ “Dê  a  um  homem  um  peixe  e  você  o  terá  alimentado  por  um  dia.  experimentar  suas  asas.Stephen Paul Adler.  –  Nunca.  Há  o  proble-­‐ ma  mencionado  e  há  uma  intervenção  (no  caso  uma  história.   de   que  você  pode  voar.  Com  o   tempo.  você  aprenderá  como  manejar  as  correntes  de  ar.)  que  ativa  a  mente  inconsciente  do  cliente   no  sentido  desta  entrar  em  um  diálogo  com  a  totalidade  da  experiência  de   vida  do  ouvinte.  Um  dia.  Afirmei  enquanto  ficava  ali  de  pé  no  hall  do  elevador  e  me  des-­‐ pedia  dele  com  um  aceno.  você  redescobrirá.  as  coisas  difíceis.  mas  isso  fica  por  sua  conta.  sinto  muito.  talvez  um  mês  ou  dois  após   ter  lido  este  livro.  colher  experiên-­‐ cias.  você  sentirá  um  pouco  de  ansiedade:  O  quê.  ou  talvez  após  um  ano. Ph.     Ensine  um  homem  a  pescar  e  você  o  terá  alimentado  por  toda  uma  vida.  praticar.  até  planar! Minha  meta  é  compartilhar  com  você  tudo  o  que  precisa  para  planar.   Todos  nós  somos  únicos  e  toda  e  qualquer  situação  é  singular.  porém  eu  sei  quando  estou  sendo   congruente  com  ela.  um  ditado  etc.   mesmo   depois   dos   meus   45   anos   clinicando.  Você  vivenciará  as  alegrias  de  ser  capaz  de  voar.  jamais  se  esqueça  de  que  você   pode  voar!  Inicialmente.” (Provérbio  Chinês) ************ Para   aprender   aquilo   que   você   tem   se   esquecido   de   se   lembrar.   O  restante.  flutuar.   que  você  pode  voar. O  trabalho  de  Erickson  nunca  foi  uma  técnica  baseada  em  soluções.   fluir.  uma  citação.  porém   muito  mais  cedo  ao  invés  de  muito  mais  tarde.  você  deve  primeiro  praticar.  En-­‐ quanto  você  está  envolvido  nesse  esforço.  eu  não  sei  quando.  praticar.D.   A   atitude   definitiva   de   estar   no  momento  presente  e  de  cultivar  uma  atenção  consciente  naquilo  que  é!   Ainda   não   estou   bem   certo.  mergulhar  e  sim.. –  Eu  me  lembrarei  de  recordar  a  eles  de  nunca  se  esquecerem  de  que   podem  voar.  mais  uma  vez.   cometer  seus  erros  e  passar  por  algumas  aterrissagens  turbulentas.  nada   de  protocolo?  Nenhuma  lista  de  itens?  Nenhum  guia  passo  a  passo  da  cura   (heal)  através  de  metáforas?  E  assim  por  diante.  Erickson  desenvolvia  um  novo  protocolo  com  cada  clien-­‐ te   toda   e   cada   vez   que   eles   se   encontravam.  praticar  e  voar.

  inovadora   e   profundamente   intuitiva   é   central  para  o  nível  de  efetividade  que  as  histórias.  metáforas  e  citações  que  eu  preparei  para  este  livro  serão   apresentadas  sem  nenhuma  sugestão  sobre  como. Esta   abordagem   não   linear.  ou  seja.Uma abordagem ericksoniana para um inconsciente informado As  histórias.” (Sonia  Choquette) ************ “Com  o  dom  da  escuta  vem  o  dom  da  cura  (heal). Através   do   ACOMPANHAR   e   CONDUZIR   (pacing   e   leading)   e   do   criar  um  campo  relacional/transformacional.  bem  como  sem  palavras.  criar  em  conjunto  uma  experiência   singular  e  única  utilizando  as  informações  vindas  do  ouvinte.  As  palavras  que  você   escolhe  e  utiliza  estabelecem  a  vida  que  você  vivencia.  o  contador  de  histórias  saberá   quase  que  naturalmente  que  história  ou  tema  ou  citação  escolher  para  com-­‐ partilhar  com  o  ouvinte.” (Catherine  de  Hueck  Doherty) ************ 19 . ‡„”‡Ǧ•‡ǣ ************ “A  cura  (heal)  é  o  resultado  da  ativação  de  recursos  interiores.  Isso  culmina   quando  o  contador  de  histórias  utiliza  sua  sabedoria  interior  e  o  campo  rela-­‐ cional  para  escolher  a  história  que  afinal  de  contas  ele  contará.  por  que  ou  onde  utilizá-­‐las.   Suas  próprias  palavras  são  os  tijolos  e  a  argamassa  do  sonho  que  você  quer   realizar.  metáforas  e  citações  têm   em  nos  ajudar  a  todos  no  processo  de  cura  (heal).  informações   estas  que  são  expressas  em  palavras. A  abordagem  ericksoniana  requer  que  o  contador  de  histórias  entre   dentro  de  si  mesmo  para  cocriar.  Suas  palavras  são  o  maior  poder  que  você  tem.

  membro   tanto   da   Asso-­‐ ciação  Americana  de  Psiquiatria  como  da  Associação  Americana  de  Psicolo-­‐ gia.  Erickson.  Histórias. Erickson   nasceu   em   Aurum.  Grune  and  Statton  Publishers.  Colocava  grande  ênfase   na  importância  de  observar  com  atenção.  teria  então  que  mudar.  Ele  foi  o  fundador  da  Sociedade  Americana  de  Hipnose  Clínica.  Gostava  de  descrever  a  tera-­‐ pia  como  uma  maneira  de  ajudar  os  pacientes  a  ampliarem  seus  limites. O  interesse  dele  por  hipnose  começou  quando  foi  a  uma  demonstra-­‐ ção   de   Clark   Hull   (1884-­‐1952). Após   se   graduar   na   universidade.   uma   cidade   que   já   não   existe   mais.  Erickson  acreditava  que   a  psicoterapia  consistia  em  substituir  más  ideias  por  boas  ideias.   Nevada. Ph.D.   M. O  Mestre  disse:  “É  a  pessoa  que  é  capaz  de  ampliar  o  caminho  (Tao ).  1967  de   Jay  Haley.  New  York.D.29   (Confúcio) 20 .Stephen Paul Adler.  Ele  sabia   que  nós  fomos  projetados  para  a  autocura  (heal).  indo  com  sua  família  morar  em  Wisconsin. ERICKSON Milton   H.   se   esforçava   por  induzir  apenas  um  grau  de  mudança  sabendo  que  tudo  o  mais.  Foi  uma  das  poucas  pessoas  que  seguiram  do  oeste  para  o  leste  em   uma  carroça  coberta..   Erickson.   psiquiatra   e   hipnoterapeuta. MILTON H.  Foi  responsável  pelo  treinamento  de  muitos  psiquia-­‐ tras  e  também  de  muitos  estudantes  de  medicina. Para  os  interessados  na  vida  e  filosofia  de  Erickson  uma  leitura  reco-­‐ mendada  é:  Advanced  Techniques  of  Hypnosis  and  Therapy:  Selected  Papers   of  Milton  H.”     15.  Hoje  seu  trabalho  e  obra  escrita  representam  a  última   palavra  em  hipnose.   tem   sido   considerado   o   líder   mundial   na   prática  da  hipnose.  metáforas. Foi   psicólogo.  M.D.  pois  acreditava  que  isso  aumenta-­‐ va  as  habilidades  de  qualquer  hipnoterapeuta.  citações  e  assim  por  diante  são  uma  maneira   de   fornecer   as   peças   que   ficaram   faltando.   um   hipnotizador   e   psicólogo   que   ocupava   uma  posição  de  liderança  na  época.  Erickson   foi   nomeado   para   vários   hospitais  psiquiátricos.   Em   seu   trabalho.  Ele   mesmo  passou  sua  vida  fazendo  exatamente  isso.  segundo   as  leis  que  governam  o  universo.     não  é  o  caminho  que  amplia  a  pessoa.  algumas  informações  ou  algumas  perspectivas  simplesmente  ficaram   faltando.  Sentia  que.  para  muitos  de   nós.

 and  Rehabilitation.  faz  ciclos  entrando  em  estado  de   transe  várias  vezes  por  dia.   Ernest  Rossi  (2001  -­‐  2008)   :  Kleitman’s  90-­‐120  minute  Basic  Rest-­‐Activity  Cycle.   Psychotherapy.  nós  estamos  em  transe.  metáfora  ou  desfrutar  de  uma  citação  automaticamente  induz  um   estado  de  transe.  Todas  as  vezes  que  entramos  em  um  estado  altamente  focalizado   de  atenção.  Seu  cérebro.   ou   Ericksoniano.  Escutar  uma   história.Uma abordagem ericksoniana para um inconsciente informado A hipnose segundo Erickson O  Dr.  Nesse  estado.  tam-­‐ bém   nos   tornamos   capazes   de   acessar   a   riqueza   das   nossas   informações.  Nesse  estado.   Quando   se   senta   diante  do  computador  com  a  intenção  de  trabalhar  por  10  minutos  e  qua-­‐ tro  horas  mais  tarde  levanta  os  olhos.   Quan-­‐ do  a  abordagem  é  autoritária.  Milton  H.   Resistimos   ao   transe   quan-­‐ do   somos   abordados   por   um   facilitador   ou   sugestões   autoritários.  podemos  absorver  ou  receber  informações  de  maneiras   extremamente  profundas.   serve   como   um   guia.  em  muitos  níveis  diferentes.  passamos  cerca  de   15   minutos   a   cada   hora   em   estado   de   transe.  et  al.  todos  os  estados  de  transe  são   considerados  autohipnóticos.  Quando  de  manhã  seus  olhos   ficam   vidrados   na   xícara   de   café.  todos  os  dias  de  nos-­‐ sas  vidas. O   facilitador   não   autoritário. Todo  mundo  consegue  entrar  em  transe.  Portanto.  cerca  de  15  minutos  a  cada  hora  são  automa-­‐ ticamente  passados  em  transe*.  automaticamente.  você  estava  em  transe.   histórias.  apenas  10%  da  população  aquiesce  e  entra     em  transe.  De  fato.  Você   já  tem  anos  de  prática  em  entrar  em  transe.   O  estado  de  transe  ativa  os  níveis  mais  profundos  da  aprendizagem   inconsciente.   porém  é  você  quem  dá  a  permissão  e  é  você  quem  se  coloca  em  transe.  Você  sabe  como  entrar  em  transe!  Você  faz  isso  todos  os   dias   quando   seu   consciente   e   seu   inconsciente   concordam   em   focalizar   a   atenção.  Erickson  observou  que  os  estados  de  transe  hipnótico   ocorrem  em  cada  um  de  nós  de  maneira  espontânea.  (2006) 21 .   você   está   em   transe.  The  New  Neuroscience  School  of  Therapeutic  Hypnosis. *  ‹…Ž‘•Ž–”ƒ†‹ƒ‘•ǣ  90  a  120  minutos  (uma  hora  e  meia  a  duas  horas).   crenças   e  sabedoria  interiores  para   instigar   e  integrar   o   autode-­‐ senvolvimento  e  as  mudanças  positivas  e  duradouras.  o  qual  é  na  verdade  um   fenômeno  natural.  The  Deep  Psychobiology  of  Psychotherapy.  Ernest  Rossi.

 14) ************ “Não  caminhe  atrás  de  mim.  como  metáforas.  1941.  não  de  inconsciência  ou   sono.  cap.  p.  Vol.  eu  talvez  não  lidere. Nossa  mente  inconsciente  responde  à  autenticidade. Ph.” (Erickson.  um  estado  de  consciência  ou  de  atenção  consciente  no  qual  há  uma   marcante  receptividade  a  ideias  e  compreensões  e  uma  disponibilidade  am-­‐ pliada  a  responder  tanto  de  forma  positiva  quanto  negativa  a  essas  ideias.Stephen Paul Adler. Caminhe  ao  meu  lado  e  que  assim  possamos  ser  um.  que   não  tem  relação  com  o  sono  fisiológico.  IV.  à  abertura  e  à   total  aceitação  de  nós  mesmos  com  toda  a  nossa  humanidade  exatamente   como  somos.   há   muito   mais   semelhança   do   estado   hipnótico   com  o  estado  desperto  do  que  com  o  sono  fisiológico.  O   transe  nos  conecta  com  a  nossa  sabedoria  interior.  símbolos.  perfeitamente  imperfeitos!  Quando  somos  abordados  a  partir   dessa  posição  e  quando  se  utiliza  a  linguagem  da  nossa  mente  inconscien-­‐ te.  1980.”   (Erickson  .  e  depende  inteiramente  da  plena   cooperação  entre  o  hipnotizador  e  o  sujeito. Não  caminhe  à  minha  frente.D.” (Provérbio  dos  índios  Ute) ************ 22 .  sugestões  indiretas.  Vol.  eu  talvez  não  siga.  1980.   São   nesses   estados   de   transe   que   ocorrem   nossas   mais   profundas   aprendizagens. Erickson a respeito da hipnose: “Ela  (a  hipnose)  é  um  estado  de  consciência.  224) Erickson a respeito do transe: “Fisiologicamente.  reaprendizagens.  Erickson  afirmava  que   100%  da  população  entra  em  transe  quando  abordada  dessa  maneira.”   (Erickson.  p.21.  reprocessamentos  e  evolução  pessoal.  16) “O  estado  hipnótico  é  essencialmente  um  fenômeno  psicológico.  p.  IV.  todos  nós  entramos  em   transe  e  nos  beneficiamos  enormemente  com  isso.

 o  ouvinte   sai   sentindo-­‐se   mais   capacitado   e   com   mais   autonomia   e   o   terapeuta   sai   sentindo-­‐se  humilde  terá  sido  uma  boa  sessão! É   aconselhável   aprender   como   e   quando   usar   todas   as   estratégias.  O  te-­‐ rapeuta/facilitador  deve  ser  aberto  e  fluído  em  sua  abordagem.  criativa  e  imprevisível.  Qualquer  encontro  em  que.   todas   elas   serão   incorporadas   como   parte   de   sua   prática   e   você   se   descobrirá   utili-­‐ zando-­‐as  sem  nem  mesmo  precisar  pensar  sobre  elas.  É  importante  aprender  e  praticar  todas  elas.  As  estratégias   precisam  ser  usadas  em  relação  à  personalidade  do  paciente/ouvinte.  elas  po-­‐ dem  ser  usadas  para  induzir  um  transe.  uma  vulnerabilidade  de  ambas  as  partes  e  é  sem-­‐ pre  um  processo  de  aprender  e  descobrir.  Todas  as  estratégias   servem  para  apoiar  o  paciente/ouvinte  no  processo  de  aprender  em  níveis   cada  vez  mais  profundos  e  reforçar  a  verdade  universal  de  que  ele  é  capaz  de   acessar  sua  sabedoria  interior  (aquilo  que  ele  já  sabe)  que  repousa  em  algum   lugar  em  seu  inconsciente  e  usá-­‐la  para  refletir  e  curar  (heal).  Toda  e  cada  pessoa  tem  o  seu  “próprio  caminho”.  O  terapeuta/faci-­‐ litador  está  presente  para  desenvolver  e  promover  estratégias  que  apóiem   a  saúde  do  cliente.  pois  se  não   for.  ao  final.  A  mudan-­‐ ça  e  a  filosofia  da  mudança  emergem  de  toda  e  cada  pessoa  de  uma  maneira   excitante.  Informações  mais  de-­‐ 23 . Suas  estratégias  formam  uma  parte  central  de  seu  trabalho.  O  trabalho  de  Erickson  de-­‐ manda  uma  mutualidade.  É  a  vontade  do  paciente/ouvinte  que  de-­‐ termina  a  mudança  e  não  a  posição  teórica  do  terapeuta.  elas  podem  ser  usadas  para   acelerar  os  processos  de  aprendizagem  e  cura  (heal).Uma abordagem ericksoniana para um inconsciente informado O  princípio  fundamental  de  todos  os  ensinamentos  de  Milton  H.  elas  podem  ser  usadas  para  apro-­‐ fundar  ou  produzir  um  transe  mais  “completo”.  Eri-­‐ ckson   era   seu   profundo   respeito   pela   individualidade   de   toda   e   cada   pes-­‐ soa.  Inicial-­‐ mente.  Ele  acreditava  que  o  terapeuta/facilitador/contador  de  histórias  criava   o  “ambiente”  e  fornecia  o  apoio  e  o  espaço  para  o  paciente/ouvinte  alcançar   seus  objetivos.   Com   o   tempo.   algumas   delas   parecerão   menos   úteis.   Você   perceberá   que   terá   mais   facilidade   em   usar   algumas   estratégias   em   comparação  a  outras. No   âmago   do   trabalho   de   Erickson   está   a   crença   na   capacidade   da   pessoa  em  se  curar  (heal)  a  partir  de  seu  próprio  interior  e  a  crença  é  a  cons-­‐ tante  esperança  no  futuro  de  todas  as  pessoas.  sua  própria  rigidez  manifestará  rigidez  no  paciente/ouvinte  e  o  traba-­‐ lho  chegará  a  um  impasse.

  portanto.   Nós  provamos  o  gosto.41   (Confúcio) ************ Erickson a respeito do transe: “Quando  falo  com  uma  pessoa  no  nível  consciente.D.” (Erickson  &  Rossi.   Nós  somos  a  dor  e  aquilo  que  cura  (heal)  a  dor.  eu  tenho  a  expec-­‐ tativa  de  que  ela  esteja  me  ouvindo  em  um  nível  inconsciente.”   (Rumi) ************ O  Mestre  disse:  “Pessoas  que  escolhem  caminhos  diferentes  ( não  podem  fazer  planos  juntas.  p.   E.”   (Buda) “Nós  somos  o  espelho  bem  como  a  face  refletida  nele.  3) 24 .   não   fico   muito   preocupado   a   respeito   da   profundidade  do  transe  no  qual  o  paciente  está  porque  eu  acho  que  é  possí-­‐ vel  fazer  psicoterapia  extensiva  e  profunda  em  um  transe  leve.  É  necessário  simplesmente  saber   como  falar  ao  paciente  com  o  intuito  de  assegurar  resultados  terapêuticos.  assim  como   em  um  transe  mais  profundo  ou  mediano.  bem  como   conscientemente.  neste  minuto. Ph.Stephen Paul Adler.  da  eternidade.   Nós  somos  a  água  doce  e  fresca  e  o  jarro  que  a  despeja.  1981. talhadas  sobre  a  filosofia  e  as  estratégias  ericksonianas  estão  disponíveis  no   meu  livro  “Hipnose  Ericksoniana:  estratégias  para  a  comunicação  efetiva”.” 15. ************ “A  mente  contém  todas  as  possibilidades.