You are on page 1of 7

HERÁCLITO

Son los ríos
Somos el tiempo. Somos la famosa
parábola de Heráclito el Oscuro.
Somos el agua, no el diamante duro,
la que se pierde, no la que reposa.
Somos el río y somos aquel griego
que se mira en el rio. Su reflejo
cambia en el agua del cambiante espejo,
en el cristal que cambia como el fuego.
Somos el vano río prefijado,
rumbo a su mar. La sombra lo ha cercado.
Todo nos dijo adiós, todo se aleja.
La memoria no acuña su moneda.
Y sin embargo hay algo que se queda
y sin embargo hay algo que se queja.
J.L.Borges, Los conjurados
................................................................
SELEÇÃO DE FRAGMENTOS

tradução de Emanuel Carneiro Leão
2
(Torna-se necessário seguir a con-juntura) mas enquanto o Logos vive na conjuntura, a massa vive como se tivesse um entendimento próprio e particular.
8
O contrário em tensão é convergente; da divergência dos contrários, a mais
bela harmonia.
10
Conjunções: completo e incompleto (convergente e divergente, concórdia e
discórdia, e de todas as coisas, um, e de um, todas as coisas).

67 O mistério: dia-noite. é sábio concordar que tudo é um. saciedade-fome. criando. cada vez que entre fumaça recebe um nome segundo o gosto de cada um. jogando o jogo de pedras. 50 Auscultando não a mim mas o Logos. se apresenta diferente. que reúne. o mesmo em todos. de uns fez escravos. livres. 80 Se há necessidade é a guerra. somos e não somos. a uns mostrou deuses. 49a No mesmo rio entramos e não entramos. que desune. fogo sempre vivo. de todas as coisas é senhor. nenhum dos deuses e nenhum dos homens o fez mas sempre foi. que se fizer pela desunião. e tudo. 53 De todas as coisas a guerra é pai. 64 O raio conduz todas as coisas que são. 91 Não se pode entrar duas vezes no mesmo rio. guerra-paz. repousa. a outros.16 Como alguém poderia manter-se encoberto face ao que nunca se deita? 30 O mundo. . de outros. é também necessidade. e a justiça. vigência de criança. acendendo segundo a medida e segundo a medida apagando. é e será. 84 Transformando-se. inverno-verão. 52 O tempo é uma criança. homens.

o cosmos. tudo é belo e bom e justo. as Eríneas. 123 Surgimento já tende ao encobrimento. o arranjo mais belo. Os homens. 102 Para o Deus. 119 A morada do homem. tomam umas coisas por injustas. não diz nem subtrai nada.93 O autor. outras por justas. . de quem é o oráculo de Delfos. assinala o retraimento. 94 O sol não ultrapassará as medidas. ajudantes de Dike. porém. se o fizer. 103 Princípio e fim se reúnem na circunferência do círculo. 124 De coisas lançadas ao acaso. o encontrarão. o extraordinário.

16 toV mhV du~novn pote pw~" a!n ti" lavqoi. bavckoi". 92. oujk ejzeurhvsei. mavgoi". (. os magos.. ajnevlpiston ajnexereuvnhton ejoVn kaiV a!poron. 26. 61. sendo sem caminho de encontro nem vias de acesso. os bacantes.. 16..) nuktipovloi". 56. Se não se espera. Como alguém poderia manter-se encoberto face ao que nunca se deita? 18 [Tou~to kaiV JHravkleito" oJ ejfevsio" toV lovgion parafravsa" ei! rhken ejan mhV e!lphtai ajnevlpiston. 49a. 50. muvstai": (. ejaVn mhV e!lphtai. 18. 32.HERÁCLITO Fragmentos 14. lhvnai". 26 .. 110. ajnezereuvnhton ejoVn kaiV a!poron. as mênades. 51. os mistas. tradução de Emanuel Carneiro Leão 14 (tivsi dhV manteuvetai JJHravkleito".102.) taV nomizovmena kat j ajnqrwvpo" musthvria ajnierwstiV muou~ntai.) É sem piedade que se iniciam nos mistérios em voga entre os homens. oJ jEfevsio". não se encontra o inesperado. 62. 35. (Para quem profetiza Heráclito de Éfeso?): para os errantes noturnos. 54. oujk ejxeurhvsei.

somos e não somos. quando com a visão extinta está morto para si. te kaiV oujk No mesmo rio entramos e não entramos. 32 e@n toV sofoVn mou~non levgeqai oujk ejqevlei kaiV ejqevlei ZenoV" o!noma. ajposbesqeiV" o!yei". na vigília toca o adormecido. 49a potamoi~" toi~" aujtoi~" ejmbaivnomevn ejmbaivnomen. ejautw~/ ajpoqanwVn. 35 crhV eu^ mavla pollw~n i@stora" filosovfou" a!ndra" ei^nai. 50 oujk ejmou~ ajllaV tou~ lovgou ajkouvsanta" oJmologei~n sofovn ejstin e@n pavnta ei^nai Auscultando não a mim mas o Logos. O homem toca a luz da noite. ajposbesteiVs) ejgrhgorwV" a@ptetai eu@donto". 51 . é sábio concordar que tudo é um .a!nqrwpo" ejn eujfrovnh favo" a@ptetai. (zw~n deV a@ptetai teqnew~to" eu@dwn. mas vivendo. quando com visão extinta dorme. É bem necessário serem os homens amantes da sabedoria para investigar muitas coisas. não se dispõe e se dispõe a ser chamado com o nome de Zeus. Um. toca o morto. h^men te kaiV oujk ei^men. o único sábio.

ajnqrwvpoi" deV a!poton kaiV ojlevtrion. 54 aJrmonivh ajfanhV" fanerh~" kreivtwn. O mar. A harmonia invisível é mais forte do que a visível. como concorda o que de si difere: harmonia de movimentos contrários. Para os peixes. 61 qavlassa: u@dwr katarwvtaton kaiV miarwvtaton: ijcquvsi meVn povtimon swthvrion. como do arco e da lira. Não compreendem. a mais pura e a mais impura. que vimos e pegamos. potável e vivificante. para os homens. 56 ejxhpavthntai oiJ a!nqrwpoi proV" thVn gnw~sin tw~n fanerw~n paraplhsivw" Jomhvrw/ o@" ejgevneto tw~n Jellhvnwn sofwvtero" pavntwn: ejkei~novn te gaVr pai~de" fqei~ra" katakteivnonte" ejxhpavthsan eijpovnte": o@sa ei!domen kaiV katelavbomen. o@sa deV ou!te ei!domen out j elavbomen. não potável e mortal. trouxemos conosco’’. tau~ta fevromen. Pois é a ele que ludibriaram os garotos que matavam piolhos. os homens são ludibriados como Homero.. dizendo: ‘‘tudo. deixamos.ouj xunia~sin o@kw" diaferovmenon eJwutw~/ oJmologevei: palivntropo" aJrmonivh o@kwsper tovxou kaiV luvrh". Em seu esforço para conhecer o visível. 62 . o mais sagaz do que todos os gregos. que não vimos nem pegamos. tudo. tau~ta ajpoleivpomen.

. tomam umas coisas por injustas. com voz delirante. fala entre caretas.... Não é melhor para os homens que lhes aconteça tudo que eles querem. 93 oJ a!nax ou% toV mantei~ovn ejsto toV ejn Delfoi~" ou!te levgei ou!te kruvptei ajllaV shmaivnei. 110 ajnqropoi" givgneqai oJkovsa qevlousin oujk a!meinon. Imortais mortais. nem diz nem oculta mas significa. cujo oráculo está em Delfos. qnhetoiV ajqavnatoi. A Sibila. Os homens. tudo é belo e bom e justo. Para o Deus. O senhor. vivendo a morte de outros. zw~nte" toVn ejkeivnwn qavnatonm toVn deV ejkeivnwn bivon teqnew~te". morrendo a vida de outros. 92 Sivbulla deV mainomevnw/ stovmati ajgelasta kaiV ajkallwvpista kaiV ajmuvrista fqeggomevnh cilivwn ejtw~n ejxiknei~tai th~/ fwnh~/ diaV toVn seovn.ajqavnatoi qnhtoiv. outras por justas. a! ntrwpoi deV a@ meVn a!dika uJpeilhvfasin a@ deV divkaia. porém. 102 tw~/ meVn qew~/ kalaV pavnta kaiV ajgaqaV kaiV divkaia. Mortais imortais.