You are on page 1of 4

LATIM Ε I D E O L O G I A : S O B R E U M PASSO

DA EPISTOLA
AD IGNATIUM
DE
MORAES
( W . 146-147) D E P E D R O SANCHES

A M é R I C O DA C O S T A R A M A L H O

Universidade de Coimbra
classic@fl.uc.pt

Resumo
Na «Epistola ad Ignatium de Moraes» de Pedro Sanchez, verso 147,
quiãam deve ser lido em vez de quidem.Qwdam é Erasmo.
Palavras-chave: Humanismo, André de Resende, Erasmo, Pedro Sanches, Aires Barbosa..
Abstract
In «Epistola ad Ignatium de Moraes», by Pedro Sanchez, L. 147, qutdam
should be read instead of quídem. Some comments on the opinions of
contemporary Portuguese humanists about Erasmus are added.
Keywords: Humanism, André de Resende,. Erasmus, Pedro Sanches,
Aires Barbosa.

Na: recensão do livro de Elisabeth
life and thought of a Portuguese humanist
NijhofF, 1967, publicada e m Humanitas
reimpressa e m Estudos sobre o século XVI,

Feist Hirsch, Damião de Góis, The
1502-1574, T h e Hague, Martinus
X I X - X X (1967-1968), e depois
Lisboa, I N C M , 2 1983, escrevi:

"...a Autora declara que André de Resende não foi influenciado pelas
opiniões do seu mestre de Salamanca, Aires Barbosa, a respeito de Erasmo.
Mas quem nos garante que Barbosa foi sempre contrário ao humanista
de Roterdão?"

Humanitas 60 (2008) 227-230

de sua invenção. Adora-te o nosso divino 2 João e seu irmão Afonso. especialmente nos interessa. Uítinéraíre Érasmien d'André de Resende (1500-1573). para designar os Portugueses. sem dúvida. Odette Sauvage. M i g u e l da Silva. usado para elogiar os soberanos. honrados com a "apoteose". o teu retrato com extraordinária simpatia e folheiam com interesse os teus livros e mandam-nos dourar". m u d o u já de ideias e m 1536. D. Laus Stultítiae) o u "Elogio da L o u cura" do roterdamês. Francisco de M e l o e Luís Teixeira. N o n tibi Lusiadae infensi. seu irmão. o rei D.228 Américo da Costa Ramalho Ε seguidamente. Paris. e veneram. Q u a n t o a Aires Barbosa que. Ε são m e n cionados c o m o seus discípulos. O excursus sobre os admiradores e discípulos portugueses de Erasmo abre c o m os conhecidos versos 1 e m que R e s e n d e emprega pela primeira vez a palavra Lusiadae.Te noster adorat Diuus Ioannes fraterque Alphonsus et ipsam Effigiem certe miro uenerantur amore Et uoluunt studio libros auroque decorant: "Glorioso Erasmo. 1971. Aires Barbosa é especialmente louvado pela introdução d o Grego na Península Ibérica. e m 1572. 60 (verso 206 e seguintes). . e m 1 5 3 1 . Aires Barbosa. João III e o cardeal D. ao p o e m a épico de Camões. e no Renascimento. quando publica e m C o i m b r a o p o e m a Antimoria contra o Encomium Moriae (em latim. qualificativo honorífico dos imperadores romanos. Fazem parte do n ú m e r o dos admiradores do humanista de R o t e r d ã o . Afonso. 2 Diuus. os descendentes de Luso não são teus inimigos. 1 Cf. p. n o presente artigo. O novo t e r m o será repetidamente usado pelos poetas novilatinos e servirá de título. se ainda era admirador e discípulo de Erasmo e m 1 5 3 1 . Fundação Calouste Gulbenkian. Escreve R e s e n d e : Inclyte Erasme. citava eu os versos do Encomium Erasmi d e A n d r é de R e s e n d e e m que Aires Barbosa é incluído entre os discípulos de Erasmo.

secretário do Desembargo do Paço nos reinados de D. N ã o foi só ele. na sua "Epistola ad I g n a t i u m de M o r a e s " . 593-595. quam quidam olim laudauit inepte. p o r duas razões: 1) é a única que está m e t r i c a m e n t e certa. a sílaba inicial t e m que ser longa {quidam e não quidem). Lisboa. a verificar que o texto d o Corpus apresenta a lição quidam. D N o artigo sobre Aires Barbosa. A n t ó n i o dos R e i s . ele que antes a louvara insensatamente.d. cf. ibidem. 75.Latim e Ideologia 229 O s ventos t i n h a m m u d a d o a respeito de Erasmo (m. 1745. I N C M . Sobre André de Resende. 1998). 11. aliás sem êxito. Iniciativas Editoriais. s. A. 2) é a lição c o m u m ao texto impresso e aos dois manuscritos. 4 Nos livros Estudos sobre o século XVI (Lisboa. E. do Pe. 1998. Lisboa. e m vez de quidam e traduzi: " E não soa desgracioso Aires. 81-90. Costa Ramalho. pois na posição que a palavra ocupa n o verso. 71-80. posteriormente. pp. u m dos sessenta poetas novilatinos referidos p o r Pedro Sanches.Ver ainda o capítulo "Erasmo em Portugal no século XVI". Lisboa. ver especialmente a p. q u a n d o c o n d e n a a errada Stultitia. Q u e m ler o p o e m a " D e Superstitionibus A b r a n t i n o r u m " .G.. Para a História do Humanismo em Portugal. não p o d e ter dúvidas sobre as tendências erasmistas de Pedro Sanches. no Grande Dicionário de Literatura Portuguesa e de Teoria Literária. I. 146-147) A primeira vez que citei estes versos 5 .1536) na corte portuguesa e Aires Barbosa seguiu a vaga dominante. Aires Barbosa. João III e de D. I. de que tratei e m duas ocasiões 4 . manuscrito do século X V I I e m fotocópia na mesma biblioteca. vol. "António Luís. só publicada n o século X V I I I n o Corpus Ulustriutn Poetaram Lusitanorum qui Latine scripserunt. Vim. a saber. pp. III (Lisboa. . Para a História do Humanismo em Portugal.77-79. u m do século X V I (MS. F. cit. Sebastião. Η n o segundo quidem. Outros mudaram também3. e que esta é a lição correcta. é assim caracterizado: Nec sonat illepide prauam qui damnat Arius Stultitiam. 3 Por exemplo. todavia. vol. pp.". dirigido por João José Cochofel. (vv. provar que Erasmo não sabia Grego. o médico António Luís tentou. Cf. III.6368 da Biblioteca Nacional de Lisboa) e o da Bibliotheca Lusitana de João Franco Barreto. 21983) e Para a História do Humanismo em Portugal. corrector de Erasmo". Sobre Aires Barbosa. pp.7..

Barbosa é non illepidus. O sentido das conveniências. — Este artigo foi enviado. de que venha a aparecer na referida colectânea. Como a colectânea não saiu até ao presente. enviei-o para a Humanitas. para uma colectânea de Estudos em memória do Prof. Ninguém se admire. Doutor Mário de Albuquerque." Deste modo. N. isto é. a tradução deve ser: "E não soa desgracioso Aires. quem ler o poema do português. há anos.B. por isso. Ora. e o diálogo do roterdames. impunha aos "bem-pensantes" (recte sentieníibus) a distorsão da verdade. que o primeiro é illepidus e o segundo non ineptus. .230 Américo da Costa Ramalho Portanto. aliado à preocupação com a segurança pessoal. Erasmo torna-se ineptus. verificará o contrário. quando condena a errada Loucura que alguém outrora louvou insensatamente.