You are on page 1of 5

Eleições  eletrônicas  2014  no  Brasil  

Relatório  Bueno&Hoeschl  
Sumário  Executivo  

 
 
 

 
Hugo  Cesar  Hoeschl,  Post  Doci  

Tania  Cristina  D’Agostini  Bueno,  Drii  

hugo.hoeschl@gmail.com    

tania.bueno@gmail.com  

 
 
 

 
 
 
 

Resumo:  O  presente  texto  contém  uma  visão  preliminar  de  um  
“work   in   progress”   sobre   a   possibilidade   da   aplicação   da   Lei  
de  Newcomb  Benford  em  processos  eleitorais,  em  especial  nas  
últimas   eleições   presidencias   no   Brasil,   bem   como   a   análise  
sobre   a   existência   de   pressupostos   que   justifiquem   tal  
aplicação.  

Introdução  
 
 
Está   em   andamento   uma   intensa   discussão  
sobre   a   eficiência   do   processo   de   eleição  
eletrônica   no   Brasil,   o   qual   foi   o   primeiro  
País   do   mundo   a   realizar   eleições  
eletrônicas   amplamente,   para   escolher  
representantes  e  parlamentares.    
 
Junto  com  esse  processo  inovativo  surgiram  
também   questionamentos   sobre   a   validade,  
eficiência   e   conformidade   do   processo  
eleitoral   eletrônico.   Nas   eleições   de   2014  
houve   um   incremento   muito   intenso   do  
nível   de   críticas   e   questionamentos.   Em  
função   disso,   fizemos   alguns   estudos,   de  
caráter   multidiscipliariii,   sobre   a   Lei   de  
Newcomb  Benford  -­‐  LNB,  e  possibilidade  de  
sua   aplicação   em   processos   eleitorais,  
considerando   experiências   anteriores   em  
realização   de   eleições   digitaisiv   e   com  
ferramentas  de  tomada  de  decisãov    
 
A   LNB   é   a   chamada   “Lei   dos   Primeiros  
Dígitos”,   e   demonstra,   por   observação,   que  
existe   uma   probabilidade   natural   de  
frequência  de  números  em  séries  históricas,  
em  especial  no  primeiro  dígito.  
 
Segundo  o  seu  corolário  central,  os  números  
aparecem  com  a  sequinte  proporçãovi:  
 

 
 
2.   Aplicabilidade   da   Lei   de   Newcomb  
Benford  em  processos  eleitorais  
 
 
A  aplicação  da  Lei  de  Newcomb  Benford  em  
processos   de   auditagem   numérica   é   tema  
pacificado   em   termos   de   abordagem  
técnico-­‐científica.   Isso   não   significa   dizer  
que   ela   é   infalível,   ou   que   da   sua   aplicação  
decorre,   de   imediato,   a   conclusão   de  
existência   ou   não   de   conteúdo   numérico  
fraudulento.  
 
O   que   acontece   é   que   a   LNB   é   um  
instrumento   simples   e   muito   poderoso   de  
verificação   de   integridade   e   conformidade  
de  conjuntos  numéricos.  Por  essa  razão,  ela  
acaba   sendo   uma   arma   eficiente   nas   mãos  
de   minorias,   ou   pessoas   isoladas,   frente   a  

grupos   hegemômincos   ou   grandes  
estruturas  burocráticas.  
 
Veja,   por   exemplo,   o   perfil   frequencial   da  
LNB  em  uma  média  de  números  que  contém  
constantes  da  física,  tabelas  de  expansão  de  
gases  e  estatísticas  esportivasvii:  
 

 
 
No  âmbito  dos  processos  eleitorais,  existem  
duas   significativas   referências   sobre   a   sua  
aceitabilidade:   O   estudo   de   Mizrahiviii,   e   o  
trabalho  de  Oliveira  Júniorix.  Existem  vários  
outros,  incluindo  os  estudos  do  Prof.  Walter  
Mebanex   (Universidade   de   Michigan),  
inclusive   trabalhos   contestando   a   sua  
aplicabilidade,   mas   os   2   primeiros   fazem  
referência   específica   ao   caso   brasileiro,  
sendo   que   o   primeiro   fez,   em   2010,   uma  
aplicação   da   LNB,   com   os   seguintes  
resultados,   nos   quais   a   linha   ideal   da   LNB  
está   muito   próxima   dos   dados   reais  
apurados  durante  a  eleição:  
 

 
Cinco   elementos   chamam   a   atenção   para  
uma  possível  questionabilidade  do  processo  
eleitoral   brasileiro   em   2014:   1)   A   presença  
da   empresa   Diebold.   Ela   foi   muito  
questionado  em  outros  procedimentos,  e  foi  
pesadamente   multada   e   acusada   de  
corrupção   nos   EUA;   2)   A   presença   da  
empresa   Smartmatic,   também   objeto   de  
muitos   questionamentos   em   ambientes  
técnicos   internacionais;   3)   As   oscilantes  
pesquisas   eleitorais   prévias,   as   quais,   um  
dia   antes   da   eleição,   apontavam   qualquer  
resultado   como   possível,   e   a   consequente  
apertada   margem   final   de   votos   apurados;  
4)  Constantes  e  reiterados  questionamentos  
registrados   em   redes   sociais   após   o   pleito;  
5)  A  atitude  dogmática  de  alguns  setores  do  
sistema   oficial   apuratório,   refratando  
incisivamente   qualquer   possibilidade   de  
questionamento.    
 
Esses   5   elementos,   somados   com   várias  
críticas   ao   processo   eleitoral   eletrônico,  
feitas   nas   eleições   anteriores,   com  
relatórios,   vídeos,   depoimentos,   acrescidos  
com   os   dados   sobre   as   disputas   técnicas  
envolvendo   fabricantes   e   ex-­‐fabricantes   de  
softwares   e   urnas,   bem   como   o   incidente  
registrado   no   Equador,   chega-­‐se   à   seguinte  
conclusão:   o   assunto   precisa   ser   estudado  
com  profundidade.  
 
O  último  elemento  de  aplicabilidade  está  na  
distribuição   temporalizada   dos   informes  
totalizatórios   (IT’s)   emitidos   durante   a  
eleição.  Quase  50%  dos  IT’s  foram  emitidos  
para  um  total  aproximado  de  5%  dos  votos  
finais,  conforme  a  figura  que  segue:  
 
 

 

 
 
3.   Elementos   de   justificativa   de  
aplicabilidade  de  LNB  nas  eleições  2014  

 

 

 

 
4.   Aplicação   preliminar   da   LNB   na  
eleição  presidencial  brasileira  de  2014  
 
 
Diante   de   tais   elementos,   decidiu-­‐se   por  
fazer   uma   primeira   amostragem,   a   fim   de  
uma   análise   preliminar.   Essa   primeira  
amostragem   (A1)   se   deu   por   uma   escolha  
randômica  de  células  provenientes  dos  IT’s.  
 
A   performance   gráfica   resultou   na   linha  
vermelha  no  gráfico  que  segue:  
 

 

 

 
Muito  distante,  portanto,  da  “curva  ideal”  da  
LNB  (linha  azul).  
 
Considerando   que   uma   amostragem  
randômica   pode   ter   uma   consistência  
fragilizada,   decidiu-­‐se   então   por   aplicar   a  
LNB  em  100%  dos  IT’s  (A2).  O  resultado  foi  
o  seguinte:  
 

 

 

 

 

 
 
A   linha   azul   é   a   linha   ideal   da   LNB.   A   linha  
vermeha  representa  os  dados  dos  IT’s.  
 
Esse   processo   funciona   como   uma  
escadaria,   e   os   elementos   sugerem   ir   a   um  
novo   degrau.   Passou-­‐se   entao   à   análise   dos  
resultados  estaduais  (A3).    
 
Vários   gráficos   apresentam   desenhos  
conflitantes   com   a   proporcionalidade  
natural   da   LNB   (aqui   apresentados   sem   a  
indicação  geográfica):  
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
Muitos   dos   estados   apresentam   incidência  
desproporcional  nos  dígitos  finais  (“8  e  9”).  
Em   termos   de   fraudes   financeiras   e  
investigações   de   lavagem   de   dinheiro,   essa  
característica  significa  um  alerta  consistente  
de  risco  de  fraude.  Por  outro  lado,   a  elevada  
incidência   de   gráficos   com   sinuosidade  
desproporcional,  exatamente  nos  estados  da  
parte  final  da  apuração  (5%  finais  dos  IT’s),  
reforçam  essa  característica.  
 
 
Conclusões  
 
 
I)   Não   há   razão   plausível   para   refutar,   ab  
initio,   a   aplicação   da   LNB   no   processo  
eleitoral  brasileiro  de  2014.  A  Terra  não  é  o  
centro   do   universo,   como   ensinou  
Copernico,   e   o   sistema   eleitoral   brasileiro  
não   é   infalível   ou   inquestionável.   Nenhum  
sistema   eleitoral   está   acima   de   falhas   ou  
questionamentos;  
 

 

II)   Existem   elementos   históricos   e   fáticos  
que   autorizam   o   raciocínio   de   se   buscar  
análises   de   conformidades,   e   a   LNB   é   um  
instrumento   factível   para   a   tarefa,   pois   sua  
aplicação   é   possível   sem   a   necessidade   de  
acessar   ou   processar   grandes   volumes   de  
dados;    
 
III)  A  aplicação  da  LNB  no  processo  eleitoral  
brasileiro  demonstra,  em  análise  preliminar,  
elevados   níveis   de   inconistência   (A1,   A2   e  
A3).   As   diferenças   nas   curvas   superam   os  
limites   frequenciais   em   quantidade   e  
variedade,   o   que   sugere   aplicações   mais  
profundas   e   auditagens   em   escala   mais  
ampla.   No   aspecto   técnico,   sob   o   ponto   de  
vista   da   análise   das   séries   históricas,   o  
resultado  eleitoral  encontra-­se  sob  a  ótica  
da  dúvida.  
 
 
Motivação  e  trabalhos  futuros  
 
 
Chegando   na   Kracovia,   para   a   participacao  
no   Jurix   2014   –   27th   International  
Conference   on   Legal   Knowledge   and  
Information   Systems,   e   em   especial   após   o  
contato   mais   intenso   com   o   legado   de  
Copérnico   (graduado   em   Kracovia   e   cuja  
estátua   está   na   entrada   da   Universidade  
Jagiellonian),   bem   como   após   a   realização  
de  visita  ao  campo  de  Auschwitz,  decidimos  
apresentar,   em   mostra   paralela,   os  
resultados   preliminares   desse   estudo,   na  
forma   de   sumário   executivo,   perante   a  
comunidade   científica,   formatando-­‐o   como  
um  estudo  prévio  de  um  “work  in  progress”,  
na   qualidade   de   “collocated   work”   do   nosso  
trabalho   regularmente   avaliado   e   aprovado  
para   apresentação,   o   qual   pode   vir   a   ser  
objeto  de  novos  estudos  no  futuro,  
 
A  decisão  se  deu  pela  simbologia  contida  no  
paradoxo  dessas  duas  grandes  correntes:  a)  
de   um   lado,   Copérnico   e   seus   seguidores,  
fazendo   observações   e   conclusões,   com  
objetivos   puramente   tecnico-­‐científicos,  
baseados   na   racionalidade,   e   que   geraram  
questionamentos  ao  staff  estabelecido;  b)  de  
outro   lado,   a   simbologia   do   legado   de  
Auschwitz,   que   chama   a   atenção   para   a  
constante   vigília   sobre   as   hegemonias,   as  
quais,  as  vezes,  acabam  perdendo  os  limites  
de  racionalidade  na  perspectiva  histórica.    
 
Como   trabalhos   futuros   seria   interessante  
desenvolver  as  seguintes  tarefas:  

a)   Aplicar   a   LNB   em   todas   as   zonas  
eleitorais   e   em   outros   universos   de  
grandeza  dentro  da  eleição  brasileira;  
b)  Analisar  a  viabilidade  de  se  aplicar  a  LNB  
no   segundo   dígito   em   todas   seções  
eleitorais;  
c)  Comparar  com  resultados  das  eleições  de  
2002,  2006  e  2010;  
d)   Comparar   com   resultados   de   outros  
países;  
e)   Aprofundar   os   dados   e   detalhar   as  
planilhas.  
 

                                                                                                               
Referências:  
 
i   Ex-­‐Presidente   da   Associação   Brasileira   de   Empresas  
de   Processamento   de   Dados   –   ABEP.   Ex-­‐Presidente   do  
Centro   de   Informática   e   Automação   de   Santa   Catarina.  
Procurador   da   Fazenda   Nacional.   Ex-­‐Promotor   de  
Justiça.   Mestre   em   Filosofia   e   TGD.   Especialista   em  
Informática   Jurídica.   Dr   em   Inteligência   Aplicada.   Pós-­‐
doutor  em  Governo  Eletrônico.  Criador  da  metodologia  
nacional     de   combate   à   lavagem   de   dinheiro   dos   LAB-­‐
LD/CNPq.  
http://www.informatik.uni-­‐
trier.de/~ley/pers/hd/h/Hoeschl:Hugo_Cesar.html    
ii  Mestre  e  Dra  em  Inteligência  aplicada.  Especialista  em  
Informática   Jurídica.   Pesquisadora   internacional   na  
área  de  artificial  intelligence  and  law,  com  mais  de  100  
papers  publicados  no  assunto.  
http://www.informatik.uni-­‐
trier.de/~ley/pers/hd/b/Bueno:T=acirc=nia_C=_D=Ag
ostini    
iii   Também   participaram   da   equipe   de   análise   as  
seguintes   pessoas:   Karina   Roggia   (Dra),   Iara   Zotti  
(Msc),   Clãudia   Bueno   (Esp)   Jerônimo   Vasquez  
(Webmaster).  
iv  Brasileiros  realizam  primeira  eleição  digital.  
http://tecnologia.terra.com.br/brasileiros-­‐realizam-­‐1-­‐
eleicao-­‐por-­‐celulares-­‐com-­‐urna-­‐
digital,d359887dc5aea310VgnCLD200000bbcceb0aRC
RD.html    
v  Sistema  permite  consultas  pelo  telefone  celular.  
http://www.wirelessmundi.inf.br/noticias-­‐geral/456-­‐
aplicacao-­‐permite-­‐consultas-­‐publicas-­‐e-­‐votacoes-­‐pelo-­‐
celular    
vi en.wikipedia.org/wiki/Benford's_law  
vii  http://plus.maths.org/content/looking-­‐out-­‐number-­‐
one?src=aop    
viii   As   ultimas   eleições   e   a   lei   de   Benford   (ou   Lei   do  
Primeiro  Digito).  Salomon  Mizrahi  (Ufscar).  
http://www.academia.edu/3596147/As_%C3%BAltim
as_elei%C3%A7%C3%B5es_e_a_lei_de_Benford_ou_Lei
_do_Primeiro_D%C3%ADgito_    
ix   Evidências   empíricas   acerca   da   aplicação   da   Lei   de  
Newcomb-­Benford   no   campo   da   auditoria   no   sistema  
eleitoral  brasileiro.  Francisco  Alves  de  Oliveira  Jr.  

http://franciscoalvesjunior.files.wordpress.com/20
10/08/monografia.pdf
x  http://www-personal.umich.edu/~wmebane/