“Escola Alerta!


2007/2008

Esta é a nossa escola. É uma escola Básica Integrada e pertence ao Agrupamento de Escolas de Fronteira. Tem 390 alunos e apenas 4 anos de idade.

Apesar de ser uma escola nova, apresenta algumas barreiras à igualdade que inventariámos e procurámos solucionar. Contudo, também revelamos um conjunto de instrumentos de inserção que a nossa escola oferece.

O nosso trabalho foca-se nestes 3 espaços: O edifício principal
• Espaço exterior • O pavilhão desportivo

Edifício Principal
Esta é a entrada principal da nossa escola. Tem 2 problemas, mas com uma solução na porta ao lado.

Clique nos símbolos para visualizar os problemas e as soluções .

Rés-do-chão
O primeiro piso da escola apresenta uma área de grande mobilidade e permite o acesso ao segundo piso por três escadarias e um elevador.

Casa de banho

Acesso ao edifício principal pelas portas laterais

Salas de aulas

Sala de aula normal

Sala de aula adaptada aos deficien

Sala de aula adaptada aos deficien

Espaço exterior

O espaço exterior é maioritariamente plano, permitindo uma grande mobilidade. Encontrámos apenas dois pontos merecedores de atenção: Parque infantil Campo de jogos

Parque infantil

Este espaço é apenas utilizado pelos alunos da pré-primária. Não temos, presentemente, alunos portadores de deficiência, mas temos sempre de pensar na eventualidade de vir a ter algum aluno especial.

Campo de jogos

O campo de jogos é um local plano e amplo, mas com duas barreiras aos deficientes motores.

Pavilhão desportivo

O pavilhão da escola tem um acesso adaptado, casas de banho e balneários também a . Contudo, tem dois problemas para os quais apontámos soluções.

Combate às barreiras sociais
Todos os dias convivemos com os nossos colegas especiais e habituámo-nos à sua presença tal como nos habituámos à presença de todas as outras pessoas que estão na escola. Com um objectivo de inclusão a nossa escola acolhe uma série de actividades especiais onde participam alunos de outras escolas e que nós podemos sempre assistir. Os alunos deficientes cognitivos da nossa escola expõem, regularmente, os seus trabalhos, envolvendo-se mais nas actividades da escola do que os alunos deficientes motores. Esta fraca participação dos alunos deficientes motores terá a ver, provavelmente, com o facto de serem mais velhos e frequentarem o Ensino Secundário.

Clique para ver a nossa galeria de fotos das actividades desenvolvidas.

Uma conclusão
O respeito pela diferença não pode ser como a sinalética de uma porta ou de um parque de estacionamento, que todos entendem, mas só alguns cumprem. Mesmo na nossa escola sabemos que há ainda barreiras sociais a derrubar. Mas pode ser que o convívio diário com alunos especiais e que as inúmeras actividades especiais que a escola inclui, comecem a surtir um efeito ainda maior daqui a algum tempo.

Ficha técnica:
Este trabalho foi realizado pelos seguintes alunos do 9.ºA: Ana Galveias, n.º 1 – 14 anos; André Pinto, n.º 2 – 14 anos; Daniela Magrinho, n.º 3 – 15 anos; José Santos, n.º 4 – 15 anos; Margarida Diogo, n.º 5 – 15 anos; Mário Januário, n.º 6 – 15 anos; Miguel Madeira, n.º 7 – 14 anos; Miguel Rosa, n.º 8 – 14 anos; Teresa Machado, n.º 9 – 16 anos; Vânia Correia, n.º 10 – 15 anos. Professores acompanhantes: Rute Silva e João Silva Agrupamento de Escolas de Fronteira Escola Básica Integrada Frei Manuel Cardoso Largo da Estação 7460 – 000 FRONTEIRA Telefone: 245600130

E-mail: agv.fronteira@drealentejo.pt

Fax: 245604793
Fi m

Entrada principal
Mola da porta Problema: A mola é necessária, mas exige que se empregue muita força para se abrir a porta. Para quem está sentado numa cadeira de rodas e só pode utilizar uma mão, este não é um movimento fácil de realizar. Tapete de entrada Problema: o tapete tem uma função óbvia, mas o atrito encontrado pelas rodas de uma cadeira, impede o seu fácil deslizamento.

Entrada principal

Solução: Esta porta está fechada mas pode ser usada exclusivamente pelos alunos portadores de deficiência. Em vez de uma mola poderá ter um manípulo para se abrir e fechar e escusa de ter tapete

Elevador

O elevador é utilizado pelos alunos com deficiência motora ou por algum outro aluno que apresente dificuldades de locomoção (por exemplo, devido a uma perna partida).

Casa de banho
Alarme da casa de banho Problema: Este alarme encontra-se por cima da porta da casa de banho, mas por detrás de uma escadaria. Em caso de emergência a localização deste foco não é imediata ou com rapidez suficiente. Existência de apenas uma casa de banho adaptada Problema: O facto de haver apenas uma casa de banho no primeiro piso obriga a que os deficientes motores tenham que deslocar-se até ao elevador para acedê-la, o que ainda fica longe da sua sala. Em relação aos alunos com deficiência cognitiva, a sua pouca autonomia não lhes permite descer até ao primeiro piso, sozinhos, para irem à casa de banho.

Casa de banho
Soluções: Para o alarme de emergência a solução passa por colocar o sinal de emergência num local visível. Em relação à localização da casa de banho, deveria haver uma casa de banho adaptada no segundo piso. Ambas as soluções passam pelo projecto de construção do edifício. Ambas as alterações apontadas deviam ser tidas em consideração pelo arquitecto/desenhador do edifício em futuros projectos desta natureza.

Entradas laterais
Acesso ao bar e acesso ao corredor central do edifício Problema: Ambas as entradas têm um ou mesmo dois degraus, impedindo o acesso aos alunos deficientes motores.

Entradas laterais
Acesso ao bar e acesso ao corredor central do edifício Solução: No caso da porta de acesso ao corredor, a solução passa por altear a zona de recreio com alcatrão, como acontece com a entrada lateral do lado esquerdo do edifício No caso da entrada de acesso ao bar, a solução reside em colocar rampas que permitam uma acessibilidade e deslocação seguras por parte dos alunos deficientes motores. Ambas as soluções são viáveis e poderão ser realizadas mediante protocolo firmado com a autarquia.

Salas de aula
Sala de aula adaptada aos deficientes cognitivos Os deficientes cognitivos da nossa escola estão constantemente acompanhados por docentes de apoio individualizado. Na sua sala eles podem desenvolver uma série de actividades, aprendendo competências básicas e essenciais.

Salas de aula
Sala de aula adaptada aos deficientes motores A escola recebeu este ano dois alunos deficientes motores e arranjou soluções para a sua integração adaptando, principalmente, o espaço da sala de aula. Os alunos têm mesas mais altas; há um maior espaço entre as carteiras; os alunos participam nas actividades desenvolvidas em computadores individuais; os computadores têm hardware adaptado.

Parque infantil

Problema: O acesso ao parque é fácil, mas o degrau existente impede que os alunos, que tenham alguma deficiência motora, se desloquem autonomamente. Solução: Retirar o degrau. Pode, para isso, solicitar-se ajuda da autarquia.

Campo de jogos
Passagem lateral esquerda Problema: É um local perfeito para a passagem (porque é plano), mas um lancil e uma vala de escoamento de água impedem a acessibilidade aos deficientes motores. Rampa lateral direita Problema: É um local perigoso devido à forte inclinação que apresenta, para além de terminar com um degrau.

Campo de jogos
Passagem lateral esquerda Solução: Colocar uma rampa de acesso e uma passagem de acesso sobre a vala de escoamento de água.

Rampa lateral direita Solução: Desfazer a acentuada inclinação que apresenta ou construir uma nova rampa de acesso.

Pavilhão desportivo
Acessibilidades para os deficientes motores

Pavilhão desportivo
Porta de entrada

Problema: Também esta porta tem uma mola que dificulta que seja aberta utilizando só uma mão. Tem também um tapete à entrada. Escada de acesso ao primeiro piso, de onde se assistem aos jogos Problema: O acesso ao primeiro piso é impossível para um deficiente motor que se encontre numa cadeira de rodas.

Pavilhão desportivo
Porta de entrada Solução: Retirar a mola, passando os alunos a abrir e a fechar a porta através de um manípulo. Os alunos teriam de ser responsabilizados por manter a porta fechada. No caso do tapete poderiam colocar-se duas tiras largas de borracha lisa que permitissem uma melhor deslocação em cadeira de rodas. Escada de acesso ao primeiro piso, de onde se assistem aos jogos Solução: Projectar, no futuro, pavilhões desportivos com bancadas laterais ao nível do primeiro piso para que todos possam assistir aos jogos ou colocar um elevador externo de acesso às bancadas.

Galeria de fotos