You are on page 1of 10

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA

VARA DO

TRABALHO DE CANDEIAS-BA

CELIA REGINA SANTOS DA CONCEIÇÃO, brasileira, casada,
auxiliar de secretaria, residente e domiciliada na Rua Tomé de Souza,
55, Sarandy, Candeias – BA, inscrita no CPF sob o n. 366.954.835-15
portadora do RG n. 01892405 04, CTPS 089801 00016 BA, filha de
Antônio Conceição e Maria Celina dos Santos,

vem perante Vossa

Excelência, por meio dos seus advogados infrafirmados, conforme
instrumento de mandato anexo, com endereço na Avenida Tancredo
Neves, nº620, Ed. Mundo Plaza, Salas 1114/1115, Caminho das
Árvores, Salvador - BA, CEP 41820-020, propor

RECLAMAÇÃO TRABALHISTA
em face do MUNICÍPIO DE CANDEIAS, pessoa jurídica de direito
público, inscrita no CNPJ sob o n. 13.830.336/0001-23, por seu
representante legal, com endereço para intimações

no Paço

Municipal Conselheiro Luiz Viana, s/n., Ouro Negro, Candeias-BA, em
razão dos seguintes fatos e fundamentos:
DA JUSTIÇA GRATUITA

1

Incontroverso nos autos que a Autora firmou com o Município vínculo celetista anterior a 05 de outubro de 1988 (vigência da CF/88) e que em nenhum momento se submeteu a concurso público. DA COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA DO TRABALHO PARA PROCESSAR E JULGAR O PRESENTE FEITO Conforme a pacífica e reiterada jurisprudência do Tribunal Regional do Trabalho da 5ª Região. ao tempo em que se torna insubsistente qualquer alegação de nulidade contratual. fica atestada a competência desta especializada para processar e julgar os pleitos exordiais (art. 1. celetista é o vinculo jurídico decorrente desta relação: “VÍNCULO CELETISTA CONSTITUIÇÃO ANTERIOR FEDERAL DE À 1988. e não tendo jamais se submetido a qualquer concurso público. nos termos da Lei n. não podendo arcar com as custas processuais sem prejuízo da própria subsistência e de sua família. notadamente quando a Lei Municipal que institui o Regime Jurídico do Município 2 . COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA DO TRABALHO E VALIDADE DO VÍNCULO. requer os benefícios da Justiça Gratuita. por ser pobre na forma da lei.060/50. 114 da CF/88).Inicialmente. tendo a Reclamante celebrado contrato de trabalho com o Município-Reclamado antes da Constituição de 1988.

RECURSO ORDINÁRIO 0073600-66. VALIDADE RECONHECIDA. DE TRABALHO. julgado em 02/12/2010) Grifou-se.preveja expressamente a existência de quadro suplementar temporário celetista para estas hipóteses.5. TURMA.” (TRT5. a validade de seu contrato é reconhecida pelo Tribunal Regional do Trabalho da 5ª Região: “CONTRATO ADMISSÃO CF/1988. Nº Des. PRECEDENTES DO TRT DA 5ª REGIÃO. ainda sob o regime celetista. 4ª. VALTÉRCIO DE OLIVEIRA. DO CONTRATO CELEBRADO ANTES DA CONSTITUIÇÃO DE 1988. não se reconhece qualquer nulidade do contrato de emprego de servidor admitido antes da atual Carta 3 . evidenciada esta a competência desta Justiça Especializada para processa r julgar a presente reclamação trabalhista.0651RecOrd. Rel. ANTERIOR Somente À com NULIDADE. Face ao exposto.2009. sem que houvesse a sua aprovação posterior em concurso público. estabeleceu-se a exigência de concurso público para a investidura em cargo ou emprego público. Uma vez que a celebração do contrato de trabalho da Reclamante deu-se antes da Constituição de 1988. Destarte. PROMULGAÇÃO DA a da promulgação Constituição Federal de 1988.05.

nº 045943/2011.5. DJ 11/10/2010.2010.05. 4ª. ac.sem a prévia aprovação em certame público” (TRT5. o mesmo TRT5 tem decidido que o servidor admitido regularmente sem concurso público antes da promulgação da CF/88 não pode sofrer alteração de regime celetista para estatutário: “PRESCRIÇÃO BIENAL.5.” (TRT5.Comprovado que o servidor foi contratado em 1985.0631 RecOrd. TURMA. Relatora Desembargadora MARIZETE MENEZES. Assim.) “SERVIDOR PÚBLICO CONTRATADO SEM CONCURSO ANTES DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 .IMPOSSIBILIDADE DE CONVERSÃO .) Grifou-se. Processo 0000883-58. nº 030646/2010. DJ 01/02/2011. quando não havia exigência de prévia aprovação em concurso para preenchimento de empregos públicos. ENTE PÚBLICO.0251 RecOrd.2009. Processo 0030400-69. é válido seu contrato de trabalho. 3ª. reconhecida a condição de celetista do empregado e não tendo o reclamado comprovado o recolhimento do FGTS. VÍNCULO CELETISTA INICIADO ANTES DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988. TURMA. ac.REGIME JURÍDICO .05. correta a decisão que determina seu recolhimento na conta vinculada do empregado. De igual sorte. PUBLICAÇÃO POSTERIOR DE 4 . Relatora Desembargadora NÉLIA NEVES.

O REGIME AUSÊNCIA DE SUBMISSÃO DO SERVIOR A CONCURSO PÚBLICO.” (TRT5.) “SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL . em razão de não deter a qualidade de servidor efetivo.LEI MUNICIPAL JURÍDICO INSTITUINDO ESTATUTÁRIO. Processo RecOrd. não pode sofrer alteração de regime celetista para estatutário.MUDANÇA DE REGIME . ainda que iniciado antes da Constituição Federal de 1988. DE TRANSMUDAÇÃO MANUTENÇÃO DO VÍNCULO DO SOB A ÉGIDA DA CLT. DJ 04/02/2011.O servidor público admitido regularmente sem concurso público antes do advento da Constituição Federal de 1988.5. MACHADO. nº DÉBORA 0000577046116/2011.05.IMPOSSIBILIDADE .0271 Relatora (TRT5. razão pela qual. A publicação de lei local instituindo regime jurídico estatutário para os servidores do ente público municipal não tem o condão de transmudar a natureza do vínculo celetista que existia entre as partes. 2ª.2010. haja vista que. NÃO-CONFIGURAÇÃO DA PRESCRIÇ ÃO. não há que se falar em prescrição bienal. Processo 0000250- 5 . 19 do ADCT. isso se não houve prévia submissão e aprovação do servidor em concurso público. TURMA. cogitando-se de contrato único. IMPOSSIBILIDADE REGIME. como o exige o §1º do art.” 29. da data da extinção do vínculo até o momento da propositura da ação não havia decorrido mais de dois anos. Desembargadora ac.

0371 RecOrd. DJ 10/12/2010. DESPEDIDA E FUNÇÃO A Reclamante foi admitida em 13 de Janeiro de 2015 conforme assinatura na sua CTPS. devendo a Reclamante ser indenizada pela omissão do Réu. Ademais. DO FGTS O Reclamado não realizou devidamente os depósitos do FGTS durante todo o vinculo empregatício. TURMA. O atual entendimento desta Corte é no 6 .5. Relator Desembargador LUIZ TADEU LEITE VIEIRA.2010.75. razão pela qual o entendimento pacífico e reiterado do Tribunal Superior do Trabalho é que compete ao empregador o ônus de provar que realizou os depósitos fundiários devidos.) Grifou-se. nº 041670/2010. exercendo a função de auxiliar de secretaria até a presente data. cristalina está a plena validade do contrato de trabalho celebrado entre as partes. não seria possível à Reclamante produzir prova negativa do não recolhimento do FGTS no período do vínculo. DA ADMISSÃO. 1ª. com remuneração no montante equivalente ao piso nacional da categoria.05. ÔNUS DE DA PROVA. Neste sentido: AGRAVO REVISTA. DE INSTRUMENTO FGTS. Assim. ac. EM RECURSO RECOLHIMENTO.

assim. DOS HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS 7 . já que é da empresa a obrigação legal de efetuar tais depósitos empregado. Data de Julgamento: 11/12/2012. cabendo-lhe. vinculada de (TST do instrumento - AIRR: 783-47.2011. ÔNUS DA PROVA DO EMPREGADOR. 818 da CLT). conhecido na Precedentes. ao sustentar a regularidade dos depósitos fundiários.5. e não 7834720115050032 conta Agravo provido. (TRT-1 . A empregadora. atrai para si o ônus de demonstrar o fato extintivo do direito do autor (art. 8ª Turma. Relator: Dora Maria da Costa. comprovar que recolheu mensalmente o FGTS. pois detém maior aptidão para tanto. Data de Publicação: 2013-01-15) Portanto.05. deve ser condenada a depositar diferenças de FGTS de todo o período contratual.sentido de que incumbe ao empregador a prova da inexistência de diferenças a título de recolhimento de FGTS. bastando trazer aos autos as guias respectivas.RO: 15220920115010007 RJ . Data de Julgamento: 21/08/2013. deverá ser condenado o Município-Reclamado ao recolhimento do FGTS da Reclamante correspondente a todo vínculo laboral. Relator: Rildo Brito. RECOLHIMENTO. Não se desvencilhando desse encargo. Oitava Turma. Data de Publicação: DEJT 23/08/2013) EMENTA: FGTS.0032.

23 e 24.2000) Grifou-se. DJ Orientação Jurisprudencial nº 27 da SBDI-2 .09. (ex-Súmula nº 219 .Res. 137/2005.1985) II .Res.09. 14/1985. a condenação ao pagamento de honorários advocatícios.09.219 do TST.584/70. presentes estão os requisitos do Enunciado n. I . 8 .08.1985 - nº 219 - Res.Condenação em Honorários Advocatícios. DJ 22. Justiça do Trabalho . não decorre pura e simplesmente da sucumbência. DJ 26.É incabível a condenação ao pagamento de honorários advocatícios em ação rescisória no processo trabalhista.2005. devendo a parte estar assistida por sindicato da categoria profissional e comprovar a percepção de salário inferior ao dobro do salário mínimo ou encontrarse em situação econômica que não lhe permita demandar sem prejuízo do próprio sustento ou da respectiva família. além de receber salário inferior ao dobro do mínimo legal. nunca superiores a 15% (quinze por cento).Na Justiça do Trabalho. Incorporada a 14/1985. salvo se preenchidos os requisitos da Lei nº 5.Dispõe o Enunciado 219 do TST: “TST Enunciado 19. Uma vez que a Reclamante encontra-se assistida pelo advogado do Sindicato dos Servidores Públicos de Candeias. (ex-OJ nº 27 da SBDI-2 - inserida em 20.

a concessão da gratuidade da justiça.000. f. Dá-se à causa o valor de R$ 30.o reconhecimento da validade do contrato de trabalho celebrado entre as partes para todos os efeitos legais. ou ainda a indenização compensatória dos valores devidos à Reclamante a titulo do Fundo de Garantia. estes no equivalente a 15% do total da condenação.a citação do Reclamado para contestar a presente reclamação. nos termos da Lei n.o pagamento de correção monetária e juros de mora. ao longo de toda relação de emprego. em especial a oitiva de testemunhas que serão oportunamente arroladas. 1060/50. d.a condenação do Reclamado ao pagamento das custas processuais e honorários advocatícios. requer a Vossa Excelência que seja conhecida e julgada totalmente procedente a presente reclamação trabalhista para que seja determinada: a. 9 . b.a comprovação do depósito das parcelas devidas a título de FGTS pelo Reclamado ou o depósito pelo Reclamado do valor correspondente na conta vinculada da Reclamante. desde a sua admissão . Protesta provar o alegado por todos os meios de prova em Direito admitidos.DOS PEDIDOS Assim.00 (Trinta mil reais). e. c. sob pena de confissão e revelia.

Salvador para Candeias. Jerônimo Luiz Plácido de Mesquita Bruno Augusto da Cruz OAB-BA 20. 29 de Janeiro de 2015.503 10 .Nestes Termos Pede Deferimento.541 OAB-BA 39.