You are on page 1of 2

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO

CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS
DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS
TEORIA SOCIOLÓGICA
Professora: Antônia L. Colbari
Aluno: Roberto Izoton

Comentários de Leitura dos Textos de WEBER, Max. Conceitos sociológicos
fundamentais. In: ______. Economia e Sociedade, Vol. 1. Brasília: Editora
Universidade de Brasília, 1999. Capítulo I, p. 3-35.

Quando Weber diz que a sociologia compreensiva é racionalista, eles não
afirmam que todos os sujeitos sempre agem racionalmente. A sociologia
compreensiva é racionalista porque, metodologicamente, parte de como
deveria ser uma determinada ação orientada pela ração, para comparar esse
modelo (tipo ideal) com as ações orientadas pela tradição ou pelos afetos, por
exemplo.

Ao considerar o sentido que o sujeito dá para a sua ação, bem como a sua
motivação, a sociologia compreensiva não o vê como mero reflexo da
estrutura social.

Não é só a tradição que proporciona regularidades. Estas também são
proporcionadas pela racionalização das ações, quando o sujeito considera
seus próprios interesses e os interesses daqueles com quem interage.

É engraçado que, para Weber, o descumprimento de uma ordem é uma ação
orientada pela sua vigência.

Weber diferencia as relações comunitárias das relações associativas, dizendo
que as primeiras se baseiam no “sentimento subjetivo de pertencer (afetiva ou
tradicionalmente) ao mesmo grupo”, enquanto as segundas se fundamentam
“num ajuste ou numa união de interesses racionalmente motivados (com

visto que aquele reivindica o monopólio da coação física.  Interessante também é a diferenciação estabelecida por Weber entre poder e dominação. enquanto esta pretende o monopólio da coação psicológica. 32). por continuamente perseguirem seus fins (WEBER. A igreja faz isso ao oferecer ou negar os “bens de salvação” (WEBER. só há uma relação comunitária étnica quando os membros do grupo orientam seu próprio comportamento pelo dos outros. crença essa fundamentada no afeto e/ou na tradição. como ocorre com todas as relações sociais. Enquanto o poder se refere a imposição da própria vontade aos outros. Vale ressaltar que. .referências a valores ou fins)” (WEBER. Além disso. 34). 1999. a dominação não pressupõe imposição da vontade. p. tratadas pelo autor. se baseiam na crença subjetiva na origem comum e na consanguinidade dos membros de um grupo étnico. ambas as ações sociais possuem caráter de instituição. Ou seja. Daí as relações comunitárias étnicas. porque suas ordens se impõem a todas as ações que pertençam a “determinado âmbito de vigência”. no capítulo IV deste mesmo livro. a dominação se baseia na obediência desses outros. mas se fundamenta na atribuição de legitimidade à dominação por parte dos dominados. 1999. e de empresa. 25). 1999. p.  Weber estabelece um paralelo entre Estado e igreja. p.