Untitled Document

1 de 2

sábado, 19 de Abril de 2008

Lusa governamentalizada à força

O conselho de redacção (CR) da Lusa revela que a direcção de informação (DI) da agência serviu directamente os interesses noticiosos do gabinete do primeiro-ministro quando o PÚBLICO noticiou os projectos assinados por José Sócrates no distrito da Guarda. Na altura, a Lusa divulgou um único parecer jurídico, que foi "trazido em mão à Lusa por um assessor do primeiro-ministro e entregue ao director de informação", Luís Miguel Viana. Não foram noticiados comentários de outros juristas sobre esta matéria. Além disso, Viana "acrescentou numa notícia uma citação de um blogue favorável ao primeiro-ministro" (Causa Nossa, de Vital Moreira), ignorando a "multiplicidade de posições divergentes" sobre o assunto na blogosfera. Mais nenhum blogue foi citado. Os dois casos, segundo um comunicado conjunto da última reunião do CR com Viana, contrariam a "obrigação de isenção, objectividade e independência da Lusa". Recorde-se que Viana foi escolhido para a direcção da Lusa pelo gabinete do primeiro-ministro. Como qualquer político, Viana inclui no comunicado justificações para todas as acusações do CR. A situação na Lusa é grave. Nos últimos meses, a DI transferiu ou afastou das suas funções jornalísticas cinco dos seis membros do CR, o que prefigura uma perseguição político-laboral de que não há memória no país em dezenas de anos. Um membro do CR transferido afirma-se "penalizado por delito de opinião" colectivamente expressa dentro da "estrita competência de um órgão dos jornalistas" consignado na lei. Ele compara a situação ao que viveu antes do 25 de Abril. Houve mais "transferências compulsivas". Nos últimos meses, dos sete redactores de áreas da política nacional só um ficou no cargo: Pedro Morais Fonseca, precisamente o jornalista que acompanha o PS e o Governo e de cujas notícias, digamos assim, nem o Governo nem o PS têm razões de queixa. Alguns jornalistas saíram ou estão para sair da agência em consequência deste ambiente que o CR define como de "intimidação". Como é próprio do autoritarismo, os atropelos às regras institucionais sucedem-se, caso do recurso a estagiários e nomeações sem pedidos de parecer. Viana afirmou há pouco tempo que a Lusa tinha "jornalistas a mais", mas mete agora mais chefes que a redacção considera desnecessários. O controle orçamental das despesinhas (do tipo "poupar no papel higiénico"), quer em Lisboa, quer na delegação no Porto, atinge a asfixia, mas entretanto Viana propõe a entrada de dois amigos com a categoria de subdirectores para poderem manter os mesmos salários que auferiam antes, com custos que devem aproximar-se dos 200 mil euros anuais (a DI custa cerca de meio milhão de euros por ano). Há jornalistas que se referem a este tipo de comportamentos e declarações da direcção como "a Mentira". Um trabalhador da agência denuncia que está em curso na Lusa "a maior e mais violenta operação de ocupação" de um órgão de comunicação social "já vista desde Junho de 1974". Entraram na agência 11 pessoas para ocupar o topo da informação: o director e os três adjuntos, um dos dois chefe de redacção, quatro editores (política, país, lusofonia e agenda) e dois editores adjuntos (sociedade e país). Este assalto pelo exterior foi dirigido às "áreas politicamente mais sensíveis" e que permitem uma maior influência política sobre a orientação (como a agenda) e a produção noticiosa. O assalto "atinge todas as áreas que realmente interessam ao controlo político e aos interesses instalados". A tomada da Lusa por este grupo "foi um assalto violento", pois "não houve um projecto", não houve diálogo, pedagogia, mobilização. Pelo contrário, "o assalto foi quezilento, cheio de polémicas, de ameaças, de processos disciplinares". Foi "à força". Este quadro de violência sistémica, de autoritarismo e nepotismo há muito tempo vem sendo relatado por jornalistas da Lusa, que se sentem coarctados e ofendidos profissionalmente, mas que é ignorado pelos media em geral, pelos agentes políticos e da sociedade civil e pela ERC. O autoritarismo, o atropelo às regras e a propaganda governamental só podem acontecer de forma tão desbragada porque Portugal tem uma ERC criada em conluio pelo Bloco Central e que serve mais para dar cobertura ao que o Governo e o Bloco Central pretendem do que para efectivamente regular a favor da liberdade.

http://jornal.publico.clix.pt/cronista.asp?img=eduardoCintraTorres.jpg&id=257709&check=1

Untitled Document
Governo e o Bloco Central pretendem do que para efectivamente regular a favor da liberdade. A esmagadora maioria dos jornalistas da Lusa, tal como em qualquer outro órgão de informação, não se move por fazer fretes ao Governo ou por fazer notícias contra o Governo. Apenas quer escrever notícias. Mas nem o Governo, nem a ERC, nem a administração nem a direcção de informação da Lusa os deixam fazer notícias descansadamente e em liberdade.

2 de 2

http://jornal.publico.clix.pt/cronista.asp?img=eduardoCintraTorres.jpg&id=257709&check=1