You are on page 1of 17

ATO 1

Cena 1 - Prólogo
As cortinas estão abertas. Estamos no palco da Ópera de Paris. Os objetos da
Ópera estão sendo leiloados. O palco é cheio de caixas de papelão inscritas
com números com vários objetos dentro delas. Objetos maiores são cobertos
com panos, e números inscritos nestes. Entram os personagens. Ha um
leiloeiro, carregadores, ofertantes, Mme. Giry (85 anos), e Raoul, Visconde de
Chagny (60 anos), sentado em uma cadeira de rodas, conduzido por uma
enfermeira, estes dois entrando por ultimo, com destaque. Todos os
personagens entram, se instalam no palco, e congelam. Após um momento
sem movimento nenhum, a cena começa com uma batida no martelo do
leiloeiro.
LEILOEIRO
Vendido. Seu número, senhor? Obrigado. Lote 664, senhoras e senhores: um
pôster da produção desta casa, para a ópera "Hannibal" de Chalumeau.
CARREGADOR (segurando)
Aqui!
LEILOEIRO
Dez francos? Cinco então. Tenho cinco. Seis, sete. Alguém me deu sete? Oito.
Oito dou-lhe uma. Oito dou-lhe duas. (bate o martelo) Vendido, para Raoul,
Visconde de Chagny. Lote 665, senhoras e senhores: uma caixa de música de
papel maché. Sobreposta, a figura de um macaco, vestido com um traje persa,
tocando pratos. Esse item, descoberto nos porões do teatro, ainda está em
funcionamento.
CARREGADOR (segurando)
Aqui!
Raoul e Mme. Giry olham para a caixa. O carregador a coloca em movimento.
Essa caixa parece ter grande valor para ambos, que se mostram tocados com
a melodia tocada.
LEILOEIRO
Posso começar com quinze Francos? (Mme. Giry imediatamente levanta a
mão.) Quinze, obrigado. (A enfermeira de Raoul levanta a mão com a mesma
prontidão.) Sim, vinte de você, senhor, muito obrigado.
Mme. GIRY
Vinte e cinco!
LEILOEIRO
Vinte e cinco à minha esquerda! Obrigado, senhora. Estamos em vinte e cinco.

Alguns de vocês podem recordar do estranho caso do Fantasma da Ópera: um mistério nunca totalmente explicado. Entra M. RAOUL (muito discretamente. percebe o quanto isso significa para o homem. doente de idade. por trinta francos ao Visconde de Chagny! Obrigado mais uma vez. e é notado um grande respeito. Giry olha para Raoul. e frágil. entram vários cantores do ensemble. (com um tom crescendo e cada vez mais sombrio) Talvez possamos assustar o fantasma de muitos anos atrás com um pouco de luz. Enquanto isso. Trinta dou-lhe duas. um lustre em peças. Ele recomeça. Finalmente. Perto das ultimas . LEILOEIRO Lote 666. para a caixa de música) Que relíquia. Giry. sobreviver a todos nós Os personagem descongelam. ergue-se magicamente ao teto. que este é o próprio lustre que tomou parte no famoso desastre.Varias bailarinas entram pela cortina vermelha e se aquecem fisicamente. que se aquecem vocalmente (em mute). entra Carlotta. Senhores! O leiloeiro conecta bruscamente uma tomada. e liga o lustre. o lustre. e a abertura começa. pois sim Tudo igual ao que ela descreveu Falava muito sobre ti Do teu veludo E estas aqui Por certo vais. e balança a cabeça horizontalmente em sinal de desistência. senhoras e senhores. Sensibilizada. o maestro e Mme. sem maior efeito sobre os demais. de modo que podemos agora ter uma ideia de como ele vai funcionar quando aceso novamente. Nossas oficinas o restauraram e o prepararam para a nova luz elétrica. Reyer. Soubemos. LEILOEIRO Trinta dou-lhe uma. Quando o lustre finalmente paira sobre a plateia. no palco quase completamente escuro. A atenção volta ao leiloeiro. entra Piangi. Todos os outros personagens congelam. agora jovem. A caixa é entregue a Raoul. Identifica-se muito facilmente que ela é a “diva” do lugar. todos os objetos são retirados enquanto as cortinas lentamente se fecham. Logo em seguida. Há um enorme flash. Durante a abertura. senhor. a professora de ballet. imenso e brilhante. e também um grande medo da parte dos outros integrantes.(novamente a enfermeira levanta a mão) Trinta? Mme. o cantor principal. Ele a estuda atentamente. (bate o martelo) Vendido. Por ultimo. a atenção volta-se para o palco. focando a atenção no senhor por um breve momento.

não. inicia-se o ensaio com a voz soprano de Carlotta. inspira profundamente. senão pior) PensCARLOTTA (de maneira extremamente arrogante) Não! (todos se calam) Monsieur Reyer. hoje é a grande noite! O futuro do teatro em suas mãos. não! Senhoras e senhores.6.notas da abertura. achei que tivéssemos concordado para o bem da Opera de Paris que “Pensa Em Mim” deveria ser um solo meu. Cena 2 – Ensaio de “Pensa Em Mim” CARLLOTA (com um sotaque italiano muito forte) Pensa em mim Bem lá no fundo Ao dizer adeus E vem pra mim De vez em quando Entre os sonhos teus Vai passar O tempo vai passar Mas eu espero mesmo assim Que ao parar por um momento Vais pensar em mim CORO (extremamente desafinado) Pensa em miREYER (interrompendo.8 : CARLOTTA (desconfortável e agora indiferente) Pensa em mim Bem lá no fundo Ao dizer adeus E vem pra mim De vez em quando Entre os sonhos teus Vai passar O tempo vai passar Mas eu espero mesmo assim Que ao parar por um momento Vais pensar em mim CORO (tão desafinado quanto antes. Carlotta abre sua partitura.7. (virase para o coro) Eu não gosto de trabalhar com iniciantes! . visivelmente irritado) Não. e ao acabar a abertura. concentrem-se! De novo! (Reyer da o tom vocalmente) 5.

Como sabem. e é com prazer que eu lhes apresento os dois cavalheiros que agora são os novos donos da Opera Garnier: Monsieur Gilles André e Monsieur Richard Firmin. sorriso levemente. LEFEVRE(Para André e Firmin) Por aqui. LEFEVRE Um minuto da sua atenção. Lefèvre apresenta a equipe. para patrocinadores e produtores que possam se interessar em ajudar nosso querido teatro. e a investir em nossa próxima produção.. com M.(Carlotta lança olhares que parecem mortais em direção a Reyer. Carlota faz sua presença sentida por endireitar sua postura. estão de vento em popa para a festa de gala de hoje à noite..ANDRE. sob os aplausos do coro. senhores. eu acho qu. aos quais ele acaba de passar o negócio. há algumas semanas que já se ouvem rumores sobre meu iminente afastamento. FIRMIN e M.REYER Sim. Os ensaios. Carlotta demnonstra não acreditar ter sido interrompida uma terceira vez. Reyer muda sua fala como se nada tivesse acontecido) Muito bem! Signora? CARLLOTA Pensa em mim Bem lá no fundo Ao dizer adeus E vem pra mim De vez em quando Entre os sonhos teus Vai passar O tempo vai passar Mas eu espero mesmo assim Que ao parar por um momento Vais pensar em mEntra LEFEVRE. por favor. e inclinando a cabeça no ar. Monsieur Reyer é o nosso chef-repétiteur. Ambos se curvam educadamente. Vendo que fez uma pausa no ensaio. o empresário da Ópera prestes a se aposentar. de Chalumeau. (André e Firmin demonstrar claramente não ter entendido. como podem ver. e há um momento de silêncio constrangedor) . signora! Porém. LEFEVRE. Pois agora eu posso lhes contar que é tudo verdade. Carlotta e Reyer mostram-se particularmente nervosos. LEFEVRE tenta atrair a atenção. da opera Hannibal. Com efeito fatal. O coro estará cantando a ária “Pensa Em Mim”.

em contraste com sua expressão anterior. nosso tenor principal. o que faz o coro jubilar em palmas e gritos forçados. Mais um momento de silêncio constrangedor. (Aplausos educados. Carlotta vira bruscamente para o coro com uma expressão ameaçadora. mas sem escolha. Meg. Aplausos educados. Não há aplausos . apesar de um pouco ofendidos.) Signor Piangi.. LEFEVRE (com um tom levemente irônico) Sim. LEFEVRE Temos também um orgulho muito particular da excelência do nosso balé.) Madame Giry. para que estes a beijem. a Signora Carlotta Giudicelli. filha de Mme. e os novos gerentes. e se prepara. (Lefèvre deixa a palavra bem clara. é a nossa dançarina principal..“Maestro”. se colocando em posição central.. Contrariados. nossa primeira soprano já por cinco temporadas. entendem.. eles a beijam. REYER (garantindo que Carlotta está pronta) Signora? . Carlotta estende sua mão a André e Firmin. (Aplausos educados. nossa excelentíssima mestra de ballet. Monsieur Reyer? REYER Se a minha diva quiser.) CARLOTTA (interrompendo) Oi. eu sou a Carlotta! Ela levanta os braços como para agradecer os aplausos. e Carlotta voltar a posição inicial de agradecimento em sua total beleza. CARLOTTA E eu quero! Carlotta anda um pouco para a frente. Meg agradece) Talvez os senhores queiram ver como será a apresentação de hoje à noite? André e Firmin aceitam com a cabeça LEFEVRE Signora? CARLOTTA (radiando alegria) Se o meu diretor quiser. Giry. (Aplausos educados.

. Ela olha em volta. CARLLOTA Pensa em mim Bem lá no fundo Ao dizer adeus E vem pra mim De vez em quando Entre os sonhos teus Vai passar O tempo vai passar Mas eu espero mesmo assim Que ao parar por um momento Vais pensar em mim Carlotta faz um sinal de pausa a Reyer. MEG/GAROTAS DO BALLET/CORO Ali! O Fantasma da Ópera (O Fantasma apareceu) ANDRÉ Por Deus! Mas onde está vossa educação? FIRMIN (a Meg) Mademoiselle. CARLOTTA PensUm saco de areia cai do lado de Carlotta.CARLLOTA (confirmando) Maestro. Com quase certeza de que tudo corre bem. aliviada.) Cara! Cara! Machucou-se? LEFEVRE Signora! Está tudo bem? Buquet! Onde está o Buquet?! PIANGI Ninguém se preocupa com a Prima Donna? LEFEVRE Tragam este homem aqui agora! (para André e Firmin) É o chefe do urdimento. Ele é o responsável por isso. para se garantir que nada nem ninguém pretende interrompar ela. quase a acertando e a matando. por favor! PIANGI (olhando para cima. ela continua. furiosamente) Idiotas! (Corre para Carlotta.

.. FIRMIM Por Deus.. Piangi imeditamente volta. um velho maquinista. eu nada sei Estava ausente do meu posto. eu nunca vi uma insolência assANDRÉ (cortando-o) Signora. Boa sorte. “Essas coisas acontecem!” Ma! Argh! Até que essas coisas parem de acontecer. aponta na cara de todos) Amadores! Piangi sai novamente. . LEFEVRE Buquet! Pelo amor de Deus.. Ele deixa o palco. Nos últimos três anos essas coisas acontecem. aparece segurando um pedaço de corda rompido que lembra uma forca. Se precisarem de mim. essas coisa acontecem o tempo todo.Jospeh Buquet. Essas coisas acontecem! CARLOTTA “Essas coisas acontecem?” (crescendo o tom e a ironia) “Essas coisas acontecem?” O senhor chegou aqui há cinco minutos. LEFEVRE (após uma pausa) Senhores. o que é que está acontecendo lá em cima? BUQUET (assustado) Oh monsieur. eu acho que não há mais nada que eu possa fazer para ajudá-los. perdão Mas monsieur existe alguém E esse alguém é o coisa ruim. (para Lefèvre) E você as impediu de acontecer? Não! (para André e Firmin) E vocês. estarei em na Australia. A companhia olha ansiosamente para os novos empresários. homem. o que é que o senhor sabe? Si. Momento de silêncio ocnstrangedor. o Fantasma da Ópera. ESSA coisa (apontando para si mesma) aqui não acontece mais! Ubaldo! Andiamo! Piangi servilmente pega os casacos dela e a segue... é o cão! MEG (olhando para cima) Ali. por favor. PIANGI (dando um certo suspense. Vocês são tão ruins quanto ele. Piangi e Carlotta saem.

incrédula ao que Meg acaba de falar. paralisa de medo. André agora parece muito menos seguro) Não vai? Mme. FIRMIN (estupefato) Salário? GIRY Monsieur Lefèvre pagava-lhe dois mil francos por mês. monsieur. Giry abaixa-se..ANDRÉ (seguro) La Carlotta vai voltar. ainda mais para “La Carlotta”. monsieur? FIRMIN Sim. ordena que continuem deixando o camarote número 5 vazio para o seu uso. Ela se levanta.(Silêncio constrangedor novamente. eu esperava fazer este anúncio eu mesmo. já que agora tem o Visconde de Chagny como patrono? ANDRE Madame. MEG Christine Daaé poderia cantar. GIRY O Visconde estará presente na apresentação desta noite. e pega uma carta. do Espírito da Ópera. GIRY Ele simplesmente lhes dá as boas vindas à Casa de Ópera dele. vocês estão todos obcecados. e lembra que seu salário está em atraso.. FIRMIN Deus do céu. FIRMIN Uma garota do coro? . quem é a substituta para o papel? REYER Não há substituta. Talvez o senhor possa dar-lhe um aumento. senhor! Christine. ANDRE Madame. e vai em direção aos gerentes. As garotas rodopiam de medo. senhor. em nosso camarote. GIRY Eu tenho uma mensagem.

ANDRE Mesmo? (Meg afirma entusiasmada com a cabeça) Quem? (Meg para de afirmar. e investir na próxima produção.Todos então viram para Christine) CHRISTINE (desconfortável) Eu não sei.. CHRISTINE (muito melhor.. GIRY Deixe que ela cante para o senhor. Giry bate com seu grande cajado no chão. mas ainda nervosa) Vai passar O tempo vai passar Mas eu espero mesmo assim Que ao parar por um momento Vais pensar em mim . do início da ária então. Mme. (Volta-se para André) Você crê nisso? Uma casa lotada de patrocinadores. monsieur. André e Firmin olham um para o outro.MEG (para Firmin) Ela vem estudando com um grande professor. REYER (após uma pausa. fica em duvida. e vira para Christine. Ela foi muito bem treinada. que podem salvar a Opera.. produtores e gente cheia de grana. cantando perfeitamente. você também não. Antes que Christine retome a ária. senhor. e claramente insatisfeito com a escolha) Muito bem.. ANDRE E FIRMIN Ok.. mam´selle.. repreendendo Christine. isso já está me dando nos nervos. ANDRE Não fique assim... e extremamente nervosa) Pensa em mim Bem lá no fundo ao dizer adeus E vem pra mim De vez em quando entre os sonhos teus FIRMIN André. FIRMIN Oh. como uma ordem de dedicação. CHRISTINE (cantando mal. E teremos de cancelar. Firmin.

dando a entender que a noite de gala começou. para ficar admirando Christine. A luz se apaga. que é escolhida para substituir Carlotta. vestida em pura roupa de gala.Gala CHRISTINE E sim eu sei Que tudo isso. eu sei Ainda vai chegar ao fim Mas até o fim eu peço Pensa um pouco em mim Pensa em tudo que já floresceu E esquece o que apagou. e rodeada de pessoas lhe ensinando a letra. iluminada por um único feixo de luz sobre ela.Todos vibram de alegria com a bela voz de Christine. Ele vai se aproximando. e conversando com ela. à beira do palco. Todos entram para dentro das cortinas. para em seguida brilhar muito mais em cima da cortina. Raoul levanta do meio do publico batendo palmas e gritando “Brava!”. RAOUL Mas será? Pode ser Christine? Bravo! Bem lá atrás Há tanto tempo atrás Nos dois tão puros bem ali Ela pode não lembrar Mas eu não esqueci . minha solidão Não sai de mim O teu calor me queima o coração Diz pra mim Que vais pensar em mim A toda hora aqui e ali Pois não vai haver um dia Que eu não pense em ti Christine congela. sozinha. Christine mais lentamente. morreu Pensa em mim No meu silêncio. Cena 3 . a maquiando. Christine esta no meio. e com um belo microfone a sua frente. As cortinas se abrem.

porém na direção oposta (coxia direita). (para todos) Depois dessa noite de gala. Agora! . para assustar o coro. E nosso balé esta decadente! Venham. Esta entra pelo meio da cortina. assustados. BUQUET A pele dele é de papel E há um buraco pra que possa respirar Estejam sempre em prontidão Ou ele pega. ele berra monstruosamente. Este momento de euforia dura um momento. Ele (ambas olham sutilmente para baixo) vai ficar feliz. e olham em direção ao ponto de onde o barulho parece ter vindo. eu não tenho duvido que vão aparecer investidores querendo produzir a próxima opera. ouve-se o mesmo barulho. e é alegremente felicitada por todas as suas amigas. GIRY Os que falam por falar Só aprendem quando é tarde demais Joseph Buquet. A cortina fecha sob os aplausos. Giry.CHRISTINE Toda flor No tempo perde a cor E nos também somos assim Mas promete só que às vezes Vais pensar (Christine vocaliza. Chegando relativamente perto deles. até que se ouve um barulho muito forte do lado esquerdo da coxia. (para Christine)Você foi bem. Todos paralisam de medo. voltam seus olhares para esse lado. e extremamente nervoso. fazendo Joseph rir. Logo em seguida. Cena 4 – Após a Gala As bailarinas entram pelas laterais do palco. e a apresentação de tirar o fôlego da Christine. humilhado. então repreende o homem. andando sobre as pontas dos pés e discretamente. nós vamos ensaiar.) Em mim! Christine agradece. Aparece então Joseph Buquet do outro lado da coxia. que estava escutando pelas costas de Buquet. esperando Christine. e com seu laço vai matar Mme. (ela da um tapa na cara de Buquet) cale-se! Ou ele pega. Todos. O coro grita de medo. e com seu laço vai matar Buquet sai.

és meu guia Dá-me do teu brilho MEG (para si mesma) Quem é o anjo. VOZ DO ANJO Brava Brava Bravissima MEG Christine Christine VOZ DO ANJO (sussurando) Christine MEG (entusiasmada) Diz-me por que é que te escondias? Foste de um tal brilho! Diz-me qual é o teu segredo Quem é o teu mestre? A cortina abre lentamente. o . em êxtase) Anjo da musica. gênio MEG Teu rosto eu vi das coxias Por entre a grande ovação É tua voz no escuro. As bailarinas se retiram do palco já se aquecendo. ao cantar. Christine ouve a voz de seu Anjo.Ela enfatiza isso com sua bengala. e as palavras não CHRISTINE (não ouvindo ela. Christine move-se lentamente da multidão do coro. e levando Meg para seu aposento) Meu pai falava de um anjo Que nos meus sonhos eu vi Hoje. eu sinto Sei que ele vem. CHRISTINE (distraída. Meg também se afasta e a segue. há um quarto/camarim na metade direita do palco. Despercebido por ela. eu entendo Que ele está aqui E ele me chama tão suave De algum lugar dentro Sempre comigo eu sei.

MEG (reclamando para si mesma) Ensaios. GIRY Meg Giry. Raoul. tirando o vestido da apresentação e colocando um elegante vestido branco para o jantar. . Ela começa a arrumar seu cabelo... GIRY Minha querida. levam um buquê de flores champanhe. Christine confirma e agradece com a cabeça. Você é bailarina? Pois então venha praticar. Giry entra no quarto. e bate com seu cajado para impor autoridade. você deve se arrumar para a o jantar de gala. na mesma direção que o coro saiu anteriormente. Giry se retira o quarto. sempre ensaiando. Os empresários. André e Firmin são vistos caminhando em direção ao camarim. ANDRE Demos a volta por cima! FIRMIN Que alívio. és mistério Onde estarás.AMBAS Anjo da musica. Christine começa a se trocar. Meg se retira do palco. Cena 5 – O Camarim de Christine Enquanto isso. anjo? CHRISTINE Sei que ele está aqui MEG (segurando a mão de Christine) Que frias mãos CHRISTINE Sempre em volta MEG Teu rosto não tem cor CHRISTINE Assusta-me MEG Não se assuste Mme. Os investidores pareciam muito interessadas na Christine. bastante excitados. Mme.

como se um segredo pessoal seu tivesse sido revelado. RAOUL Sim... CHRISTINE Entre! RAOUL Christine Daaé. É você! . monsieur. Oh. FIRMIN (saindo) Parece que eles já se conheciam. se não se importam.. CHRISTINE (completando a frase) . FIRMIN (indicando do camarim para Raoul. Firmin parece estar bastante incomodado. onde está o seu cachecol vermelho? CHRISTINE Monsieur? RAOUL Você não pode ter perdido ele! Depois de todo o trabalho que eu tive.. esta é uma visita que eu prefiro fazer desacompanhado. Eu tinha só 14 anos e fiquei todo encharcado. Raoul. monsieur Visconde. Eles riem excenticamente animados. Silêncio constrangedor..porquê entrou no mar para pegar meu cachecol. ANDRE (com a voz mais grave e o jeito mais másculo possível) Acho que fizemos uma grande descoberta com a senhorita Daaé. Senhores. Eles fazem uma vênia e saem. quebrando o clima ruim) Aqui está.. RAOUL Obrigado.ANDRE (de uma maneira excentricamente “alegre”) Ela arrasou! Raoul e Firmin param e olham para André. Raoul bate na porta. Ele pega o buquê de flores e o champanhe de Firmin. ANDRE Como quiser.

RAOUL E nós lendo um pro outro histórias assustadoras do Norte.” CHRISTINE Você se lembra disso também. RAOUL “Linda Lotte. e o Anjo da Música tem me visitado. vive pensando.. Raoul.. mandarei Anjo da Música visitar você”. RAOUL Mas é claro. Ela se separa e se senta à mesa do camarim. CHRISTINE Eis o que a Lotte diz enfim: “Dormir é meu grande festim Pois o Anjo da Musica canta pra mim AMBOS O Anjo da Musica canta pra mim” CHRISTINE E papai dizia.. Bem. papai morreu. “quando eu estiver lá em cima. RAOUL (continuando) Linda Lotte quer A boneca Ou o giz AMBOS Ou a bola Ou dançar CHRISTINE Cambalhota ou anel? RAOUL Os piqueniques no sótão Chocolate CHRISTINE Papai tocando violino..RAOUL Christine! Eles se abraçam e riem. E agora vamos jantar! . filha.

Ele sai do camarim. fica Peço perdão Minh’alma é fraca Só tu és meu mestre VOZ DO ANJO Eis que é chegado o momento De compreenderes quem sou Olha teu rosto no espelho Eu ali estou Uma figura se torna perceptível por trás do espelho. Vou pegar meu chapéu. CHRISTINE (chamando) Raoul.. Raoul. o Fantasma da Opera. atrás da gloria Gloria que é só minha CHRISTINE Anjo. CHRISTINE Anjo da Música. CHRISTINE Não. Raoul! Musica tremula. e com a roupa certa. não! (Christine senta-se na mesa e pega o pequeno espelho) As coisas mudaram. és meu guia Dá-me tua mão.. mas que insolente! Jura que vai longe Tolo infeliz. Raoul. Pegue a sua capa. (Raoul pega a capa e coloca em Christine) Esta chovendo lá fora. gloria . RAOUL Você já esta linda. Christine ouve a voz do “Anjo”. o Anjo da Música é muito severo. Linda Lotte.. RAOUL Mas voltamos cedo. O “Anjo” é na verdade.CHRISTINE (firme) Não. é você! Estou te ouvindo És minha luz. Dois minutos. VOZ DO ANJO (Christine olha pra cima) Bravo rapaz..

Raoul entra e não encontra nada. não mais te escondas Vem que aqui estou. RAOUL De quem é essa voz? Quem está ai dentro? FANTASMA Eu sou o Anjo da Musica Venha ao Anjo da Musica Christine desaparece através do espelho. Ele tenta abrir a porta. que fecha atrás dela. mas está trancada. Anjo FANTASMA Eu sou o Anjo da Musica Venha ao Anjo da Musica Raoul volta ao camarim.Anjo. Só então a porta do camarim se abre. RAOUL (gritando enquanto a cena se dissolve) Christine? Anjo? . onde ouve uma estranha voz. de mim.