You are on page 1of 6

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PROFESSOR I

FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO
01 - O movimento iniciado no começo do século passado, mais
conhecido como Escola Nova, tinha como objetivo substituir a
educação autoritária, intelectualista e passiva por uma educação:
(A)
(B)
(C)
(D)
(E)

(A)
(B)
(C)
(D)
(E)

liberal, ativa e democrática;
técnica, prática e eficiente;
crítica, construtiva e dinâmica;
progressista, de formação geral e moderna;
conscientizadora, libertadora e problematizadora.

02 - Durkheim considerou a educação como "a ação exercida
pelas gerações adultas sobre as gerações que não se encontram
ainda preparadas para a vida social; tem como objetivo suscitar
e desenvolver na criança certo número de estados físicos,
intelectuais e morais, reclamados pela sociedade em seu conjunto
e pelo meio social a que a criança particularmente se destine".
Na definição acima, o autor atribui ao educando um papel:
(A)
(B)
(C)
(D)
(E)

ativo;
neutro;
passivo;
criativo;
interativo.

03 - Os Projetos podem ser considerados como uma prática
educativa que tem tido reconhecimento desde a segunda década
do século passado. Um dos educadores responsáveis por sua
sistematização foi:
(A)
(B)
(C)
(D)
(E)

através de sua ação sobre o ambiente, que, por sua vez, reage e
responde ao sujeito, num processo de interação mútua, pertence à
abordagem:

Dewey;
Declory;
Freinet;
Kilpatrick;
Maria Montessori.

da gestalt;
do behaviorismo;
do construtivismo;
da fenomenologia;
do funcionalismo.

06 - Ao discutir a construção do projeto político pedagógico da
escola, Veiga (1991) considera que: "As novas formas têm que ser
pensadas em um contexto de luta, de correlação de forças - às
vezes favoráveis, às vezes desfavoráveis. Terão que nascer do
próprio chão da escola, com apoio de professores e
pesquisadores. Não poderão ser inventadas por alguém, longe
da escola e da luta de classe." ( grifos do autor.)
O trecho que o autor destacou refere-se à:
(A)
(B)
(C)
(D)
(E)

unidade entre teoria e prática;
distância entre o ideal e o real;
divisão do ensinar e aprender;
desvinculação do sentir e agir;
separação do pensar e fazer.

07 - A relação pedagógica, entendida como o vínculo que se
estabelece entre professor, aluno e saber, assume diferentes
significados, de acordo com as diversas abordagens do processo
ensino/aprendizagem. Na abordagem sociocultural, a relação
pedagógica:

04 - "Professora: A merendeira faz uma sopa deliciosa. Muito
bem feita (...) .Presta atenção! Se fossem pagar uma sopa dessa,
vocês iam pagar CR$ 5.000,00 ou mais. Então aproveita que é de
graça aqui na escola e se alimentem bem, porque criança bem
alimentada vai aprender tudo o que a professora ensina."
( relato de pesquisa transcrito por Vieira, 1994.)
Analisando a fala dessa professora a seus alunos, pode-se
identificar em sua prática pedagógica, em sua forma espontânea
de agir e compreender a realidade, uma concepção de mundo
própria:
(A) do bom senso;
(B) do senso crítico;
(C) do senso comum;
(D) do conhecimento científico;
(E) de uma prática reflexiva.
05 - A concepção de que o sujeito nasce com potencial para
desenvolver sua inteligência e sua capacidade de conhecer, e o faz
APOIO
NCE

(A) se dá de forma horizontal, democrática, através do diálogo;
(B) se dá de forma vertical, pela predominância da autoridade
inquestionável do professor;
(C) é amigável, buscando estabelecer um clima afetivo e de
respeito mútuo, através da ação não-diretiva do professor;
(D) deixa de lado os vínculos da relação professor/aluno, por
privilegiar a dimensão política da prática pedagógica;
(E) busca a eficiência do processo; professor e aluno ocupam
posições secundárias, de meros executores de tarefas
definidas por outros.

08 - "Por que não aproveitar a experiência que têm os alunos de
viver em áreas da cidade descuidada pelo poder público para
discutir, por exemplo, a poluição dos riachos e dos córregos e os

2

seminário. 2ª menor e 7ª menor. estabelecendo a articulação entre os saberes dos alunos e os saberes curriculares fundamentais. para os casos de baixo rendimento escolar. II .possibilidade de avanço nos cursos e nas séries.A escala em que o VI e VII graus constituem um intervalo de 2ª aumentada está na forma menor: (A) (B) (C) (D) (E) apenas I.É enarmônica de uma 6ª menor: 10 . 17 . 1997. estudo do meio. as dissonâncias. I. de preferência paralelos ao período letivo. a tessitura. apresentado por Souza (1995). barítono. cromática. Ela soma a coisa errada que eu fiz. Outras propriedades do som recebem apenas indicativos feitos com palavras italianas. apenas II.A notação musical privilegia a duração e a altura como elementos básicos da música. a série harmônica. a 3ª maior. (A) (B) (C) (D) (E) os ruídos.Sons gerados a partir de um som fundamental constituem com ele: instrumento de aferição da qualidade do ensino. instrumento de estímulo ao crescimento intelectual e moral. 2ª aumentada e 7ª diminuta. 13 . eu tiro C em Português." No relato desse aluno. a alternativa que indica os critérios de verificação do rendimento escolar é: (A) (B) (C) (D) (E) (A) (B) (C) (D) (E) 15 . o autor considera a importância de se discutir a realidade concreta. a 5ª diminuta. Diminuendo e Sforzando se referem a: (A) (B) (C) (D) (E) timbre. apenas I e III. com prevalência dos aspectos qualitativos sobre os quantitativos e dos resultados ao longo do período sobre os de eventuais provas finais. aí eu fiquei com D. 2ª maior e 7ª menor. mecanismo disciplinador das condutas cognitivas e sociais. 16 . Dentre elas. apenas I e II. contra-tenor.) No texto. agógica. meio-soprano. aí fico com D. III . É alguma coisa errada que eu fiz que ela dividiu aquilo.obrigatoriedade de estudos de recuperação.SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PROFESSOR I baixos níveis de bem-estar das populações. contralto.Considere os critérios para a verificação do rendimento escolar apresentados a seguir: I - avaliação contínua e cumulativa do desempenho do aluno. De acordo com o artigo 24 da Lei no 9394/96. (A) (B) (C) (D) (E) baixo."Por exemplo. 14 . intensidade. 12 . primitiva. bachiana. 2ª diminuta e 7ª aumentada. A atividade mais adequada para atingir esse propósito é: (A) (B) (C) (D) (E) excursão. mediante verificação do aprendizado."(Freire.A voz masculina super aguda é classificada como: 09 . a 7ª diminuta.Os intervalos simples possíveis entre as notas SOL e LÁ b são classificados como intervalos de: (A) (B) (C) (D) (E) EDUCAÇÃO MUSICAL 2ª menor e 7ª maior. melódica. harmônica. a 5ª aumentada: a 7ª aumentada. fermata. II e III. estudo de texto. meio para o diagnóstico das atitudes adequadas ou inadequadas dos alunos. a avaliação é utilizada pelo professor como: (A) (B) (C) (D) (E) 11 . a 4ª super aumentada. demonstração em laboratório. os lixões e os riscos que oferecem à saúde das gentes. que estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional.O tom relativo do tom de Ré menor tem por dominante nota: APOIO NCE a 3 . mecanismo de controle da aquisição de conhecimentos. andamento.

.) e a primeira nota do quarto compasso (. lá. lá. APOIO NCE 4 .Já podeis. lá e dó #.. (A) a manossolfa.. plagal e interrompida. respectivamente: (A) (B) (C) (D) (E) cromática. si e fá #. picarda e imperfeita. pertencente ao Hino da Independência. 22 . 27 . perfeita e plagal. perfeita e interrompida. dó #.O compasso da cantiga de roda “ O cravo brigou com a rosa” é: (A) (B) (C) (D) (E) (A) (B) (C) (D) (E) (A) (B) (C) (D) (E) 20 . dado.O método Gazzi de Sá enfatiza: (A) cordas e metais. a primeira nota do segundo compasso ( . si e dó. (E) madeiras e percussão. 26 .. (B) o sistema relativo. 18 . a subdominante maior. Essas notas são. FÁ. Estando o hino escrito em Ré maior. figurado. diatônica. lá . 5ª aumentada. estão destacadas as palavras “já raiou” com grifos. fá.retumbante. (B) cordas e madeiras. liberdade.Na execução do Hino da Proclamação da República. 21 . fá #. 3ª maior. perfeito menor na 1ª inversão. sol # e dó #. O intervalo melódico correto entre essas sílabas é: 5ª justa. lá # e fá #.Numa peça musical escrita no tom de Fá # maior. 3ª diminuta. LÁ e SI é classificada como: (A) (B) (C) (D) (E) binário. pentatônica.. perfeito maior no estado fundamental. 25 . (D) cordas e percussão. ré e dó #. si e dó #. fundamental. cifrado. 23 .. da Pátria filhos. a dominante maior. lá. a subdominante menor. ostinato.A partir do baixo. si b e sol b.. quaternário. o acorde formado com os graus V.. o relativo menor. lá. perfeito maior na 2ª inversão. Ver contente a mãe gentil. perfeito menor na 2ª inversão.A estrutura melódica repetida.As cadências como “pontos de repouso” na música dividem-se em conclusivas e suspensivas. hexacordal. 19 . as notas correspondentes aos grifos são. ternário. Já raiou a liberdade Já raiou a liberdade No horizonte do Brasil Na estrofe acima. respectivamente: (A) (B) (C) (D) (E) si b e fá #. São conclusivas as cadências: (A) (B) (C) (D) (E) 24 .A formação padrão de uma FANFARRA é composta de: 28 .. I e III de uma tonalidade menor se classifica como: (A) (B) (C) (D) (E) perfeito maior na 1ª inversão.plácidas. denomina-se baixo: lá. lá b e sol b. 3ª menor.). SOL. e que serve de pedal sobre o qual o compositor varia não só a melodia mas também as harmonias.No Hino Nacional Brasileiro escrito em Fá maior.SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PROFESSOR I (A) (B) (C) (D) (E) (C) metais e percussão. dó. quinário. é comum ocorrer um erro melódico entre as duas últimas sílabas da palavra “liberDADE” ( Liberdade. perfeita e imperfeita. abre as asas sobre nós. em geral no baixo.A escala formada pelas notas RÉ. enarmônica. ternário composto. a passagem para o tom de Dó # maior assinala modulação para: (A) (B) (C) (D) (E) o relativo maior.) são alteradas. Já raiou a liberdade No horizonte do Brasil.

O canto coletivo preconizado como processo inicial para a formação da consciência musical brasileira é uma contribuição de: (A) Villa-Lobos. alemanda. Claudio Santoro. dó #. à ritmoplastia. do #. o pulso. Hans Joachim Koellreutter.Para a pedagoga Cacilda Borges Barbosa. dó. 5º grau. 39 . às oficinas de música. do sistema tonal.Utilizar a canção para vivenciar ao mesmo tempo ritmo. na abordagem da notação. dó. Zoltan Kodály. Esther Scliar. 6º grau. o emprego da “escala viva” para a vivência dos sons é um recurso do método: (A) (B) (C) (D) (E) Orff. 32 . fá # e sol. Este é um dos aspectos relevantes no trabalho de Educação Musical de: (A) (B) (C) (D) (E) Carl Orff. tablatura. desenvolvimento e giga. (D) a escala cromática. Lourdes Gonçalves. fá. marcado com a mão. mi.A “forma sonata” obedece ao seguinte plano de construção: (A) (B) (C) (D) alemanda. feito através da marcha. 3º grau.Numa melodia em modo mixolídio cuja tônica é a nota LÁ. aos estudos brasileiros. 33 . mi. as experiências de jovens compositores em busca de novas fontes sonoras deram origem: (A) (B) (C) (D) (E) 35 .No modo lídio os semitons se localizam entre os seguintes graus: (A) (B) (C) (D) (E) 31 . Osvaldo Lacerda. ré #. Gazzi de Sá. 40 . Leopolodo Miguez. si. Edgar Willems. constitui a essência do método de musicalização de: 38 . ré. um grupo de notas cantadas sobre uma única sílaba denomina-se: (A) (B) (C) (D) (E) modo. (E) a leitura de notas no pentagrama. 34 . tanto na leitura rítmica como no solfejo. IV-V e VII-VIII.SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PROFESSOR I (B) (C) (D) (E) (C) a pauta de 11 linhas. é levado a julgamentos críticos para a melhoria desta paisagem. mi. fá # e sol #. 37 . deverá ser: Esther Scliar. (A) (B) (C) (D) (E) sentido internamente.Tratar como uma obra musical a paisagem sonora do mundo. 4º grau. vivenciado em ritmos irregulares. melisma.Após a Segunda Guerra Mundial. marcado com o pé. III-IV e VII-VIII. ainda que inconscientemente. si. Eduardo Gramani. Jacques Dalcroze. Sá Pereira. e sol #. 29 . Lourdes Gonçalves. sendo o compositor. as demais notas da escala são: (A) (B) (C) (D) (E) si. fá # e sol #. Murray Schafer. mi. dó #. III-IV e VI-VII. ao solfejo relativo. ré #. à euritmia.O método de teoria musical que.Na musicalização infantil. fá # e sol. minueto e giga. melodia e sentido harmônico. si.O modo eólio ou hipodórico se distingue do modo menor harmônico. ré. Edgar Willems. 36 . Camargo Guarnieri. pelo: (A) (B) (C) (D) (E) (A) (B) (C) (D) (E) Esther Scliar. Schafer. rondó e giga. Dalcroze. I-II e V-VI. Gazzi de Sá. neuma. exposição. si. 5 .No canto gregoriano. onde o homem. ré. mi. APOIO NCE 7º grau. protus. Cacilda Barbosa. II-III e V-VI. NÃO prioriza a semínima como unidade de tempo deve-se a: (A) (B) (C) (D) (E) 30 . dois movimentos rápidos e dois lentos.

de autoria de Ari Barroso.São próprios do estilo impressionista: (A) (B) (C) (D) (E) 48 . foram compostas por: 45 . série de músicas idealizadas em contrapartida à bossa jazzística. (E) Ó abre alas.Destaca-se na obra de Chiquinha Gonzaga.O movimento nacionalista teve em Bela Bartók um dos mais importantes seguidores. o ritmo marcial e pesado. (A) (B) (C) (D) (E) Baden Powell e Carlos Lira. São eles: o estilo fugato. incidental e composta em três movimentos. sons aleatórios gerados pelo intérprete. valsas. quadrilhas. lendas e cantos finlandeses.A experiência que aplica pregos. ainda. Kurt Weill. serialismo total obtido eletronicamente. sambas e polcas. frevos e valsas. Forrobodó. incidental e composta em quatro movimentos. a marcha. séries dodecafônicas. borrachas e outros materiais diretamente sobre as cordas do piano.Com Pixinguinha e seu inigualável talento. Tom Jobbim e Baden Powell.A “Abertura” no século XIX era uma obra: 47 . o choro é conduzido à mais alta expressão. acordes bitonais. ficou conhecida como “piano preparado” e é um recurso empregado em várias de suas obras por: (A) (B) (C) (D) (E) (A) (B) (C) (D) (E) 49 . (A) (B) (C) (D) (E) o baião. John Cage.No repertório da primeira geração de “chorões”. a fluidez rítmica e as combinações tímbricas. 50 . a série dodecafônica. João Pernambuco e Jacó do Bandolim. figuram: (A) (B) (C) (D) (E) (A) (B) (C) (D) (E) descritiva e escrita para orquestra. 42 . cantos folclóricos húngaros. DISCURSIVA 46 . Maurice Ravel. João Pernambuco e Ratinho.SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PROFESSOR I (E) exposição. Vinícius de Moraes e Tom Jobim. Atraente. o samba. Bartók realizou pesquisa e análise de: (A) (B) (C) (D) (E) ritmos russos. O conjunto “Oito Batutas” criado pelo próprio Pixinguinha. FUNDAMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS POLÍTICO-FILOSÓFICOS DA EDUCAÇÃO E “Os conteúdos curriculares da educação básica observarão. incluía também dois importantes compositores da música brasileira. desenvolvimento e reexposição. sons gerados eletronicamente em estúdio. a forma sonata.A experiência iniciada por Pierre Schaeffer no final da década de 1940 e por ele denominada “música concreta” era desenvolvida a partir da produção de: (A) (B) (C) (D) (E) modinhas e sambas. quadrilhas e valsas. escalas jazzísticas. Olivier Messiaen. Baden Powell e Vinícius de Moraes. sons do ambiente natural gravados em fita magnética. o fox-canção. Para subsidiar seu trabalho de compositor. 43 . Corta-Jaca. Carlos Lira e Vinícius de Moraes. programática e escrita para sopros. para obter novas sonoridades.Os afro-sambas. Donga e João Pernambuco. a marcha: (A) (B) (C) (D) Cá e Lá. as seguintes diretrizes: APOIO NCE 6 . é: 44 . George Gershwin. Donga e Jacó do Bandolim. Jararaca e Ratinho. o bolero. polcas. frevos e tangos brasileiros.O gênero a que pertence “Aquarela do Brasil”. descritiva e composta em quatro movimentos. 41 . por ter sido o primeiro grande sucesso do carnaval brasileiro.

numa conversa formal com o diretor da empresa onde trabalha. limitadas as variações a certos aspectos individuais (de dicção. ou do meio e ocasião em que a utilizam – diferenças socioculturais. sem a menor dúvida. é que haverá uniformidade. Esse fato acontece com qualquer pessoa de alguma instrução que viva numa cidade. no máximo em 15 linhas: Explique por que as diretrizes acima mencionadas são consideradas importantes para a concretização das finalidades da educação estabelecidas na Lei 9. mesmo sem ter aprendido qualquer idioma estrangeiro.promoção do desporto educacional e apoio às práticas desportivas não formais. Já as línguas que possuem as modalidades falada e escrita.” (Artigo 27 da Lei 9394/96) _________________________________________________ Responda. são marcantes também as diferenças resultantes das camadas sociais a que pertencem os usuários. III . foi publicado um livro do jornalista Fred Navarro. com base no texto. sem escrita –. como dizem os lingüistas. que possui as modalidades falada e escrita.SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PROFESSOR I I .consideração das condições de escolaridade dos alunos em cada estabelecimento. II . Bem diferente. (6 linhas) _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ 7 . Somente no caso raro da língua própria de um pequeno grupo de famílias – apenas falada. além das diferenças que se observam entre os nativos das várias regiões – diferenças geográficas. também. (4 linhas) VOCÊ SABE QUE FALA VÁRIAS LÍNGUAS? Adriano da Gama Kury João da Silva talvez nunca se tenha dado conta de que. verticais. Segundo o texto acima. por exemplo). aos direitos e deveres dos cidadãos. APOIO NCE _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ d) Justifique as afirmativas do autor. Porque. cerimoniosa. a que tipo de variação lingüística se dedica o livro citado? (2 linhas) IV . e a de uma carta de negócios. não é a mesma linguagem que usa com os filhos no à-vontade de casa. como ainda ocorre em algumas aldeias ou algumas tribos deste vasto mundo. defeitos de fala. que não se coadune com a variação culta? (6 linhas) _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ INTERPRETAÇÃO DE TEXTO TEXTO ________________________________________________ c) Você acha correto que.394/96 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional). ou na torcida de seu clube no Maracanã. No caso da língua portuguesa do Brasil. ou numa roda de chope – e a que utiliza. apresenta níveis – ou “registros” .orientação para o trabalho.a difusão de valores fundamentais ao interesse social. fala (e escreve) mais de uma “língua”. em alguns programas humorísticos. ex-colega de ginásio. toda língua de cultura. a) Em 1998. se deprecie o falar do interior. Em resumo. a que emprega numa carta íntima a um velho amigo. horizontais –. b) Qual deve ser a posição do professor diante de uma variação lingüística trazida por seus alunos. mostrando-o como inculto e motivo de brincadeiras? Justifique a sua resposta. 1) Questão de interpretação de texto. tanto mais se diferenciam quanto maior a população que as fala e quanto mais antiga a sua cultura. por exemplo. intitulado “Assim falava Lampião – 2500 palavras e expressões nordestinas”. de respeito ao bem comum e à ordem democrática. contidas no sexto parágrafo do texto. como o português.