You are on page 1of 5

26/02/2015

Bendita guerra ­ Revista de História

Bendita guerra
A campanha no Contestado ajudou o Exército a se modernizar, instituir o
serviço militar obrigatório e escrever a “história oficial” do evento
Rogério Rosa Rodrigues
1/10/2012

“Se do estudo dos atuais
acontecimentos resultar alguma
lição proveitosa, bendito seja o
sangue que vai correr”. Assim o
tenente Francisco de Paula Cidade
encerrava sua análise sobre o
conflito do Contestado, em pleno
andamento quando seu artigo foi
publicado, na revista A defesa
nacional, no dia 14 de outubro de
1914.
A frase expressa bem a percepção
dos militares sobre o papel da
história no desenvolvimento da
corporação. O sacrifício de alguns é
justificado se estiver a serviço de
uma causa maior. Neste caso, a
causa maior era pensada em dois
planos: a nação ficaria livre dos
“fanáticos” rebeldes, e o Exército
sairia fortalecido se soubesse usar
essa experiência a seu favor.
No cenário internacional, vivia‐se a
Primeira Guerra Mundial (1914‐
1918). As questões militares
estavam em evidência, e o
ambiente era favorável a propostas
de modernização das Forças
Armadas. Mas a própria composição
das tropas no Contestado era um
exemplo de como estávamos
distantes das novidades técnicas e
estratégicas em vigor na Europa.
Ao lado de oficiais experientes,
alguns treinados na Alemanha,
havia jovens totalmente
Seção da 4º Companhia de Metralhadoras em Canoinhas
despreparados, participando pela
durante o conflito.
primeira vez de uma operação de
confronto direto. Entre os praças, a
situação era especialmente dramática. Uma parcela considerável foi recrutada de última hora.
Não conhecia as condições físicas e climáticas da região conflituosa, tampouco o tipo de inimigo
que combateria.
http://www.revistadehistoria.com.br/secao/capa/bendita­guerra

1/5

em concordância com os dois governadores. negociando com os líderes rebeldes e buscando apoio entre políticos do Rio de Janeiro. Responsabilizou os governadores do Paraná e de Santa Catarina pelo estado em que se encontrava a região. A essa altura.26/02/2015 Bendita guerra ­ Revista de História O primeiro general designado para comandar a repressão foi Carlos Frederico de Mesquita. Setembrino de Carvalho regularizou a situação das tropas e deu início à sua estratégia repressiva. Após invadir a região de Caraguatá entre abril e maio de 1914.000 jagunços a serviço dos coronéis locais – para reprimir de vez a rebeldia dos sertanejos do Contestado. A escolha de Fernando Setembrino de Carvalho (1861‐1947) para comandar as operações foi motivada por sua atuação como interventor federal no Ceará naquele mesmo ano.000 soldados e 2. pena das mulheres e das crianças que jaziam inertes por todos os cantos dos redutos”.  Por ocasião do combate de Taquaruçu. deu por encerrada a expedição federal no Contestado. bem equipado e disciplinado eram publicadas em revistas de prestígio. e um serviço de telefonia e telégrafo foi habilitado para facilitar a comunicação entre os oficiais. repetia os mesmos erros cometidos no sertão baiano. os fiéis de João Maria já eram designados não apenas como fanáticos. A fotografia foi adotada como instrumento de propaganda contra as críticas da imprensa nacional. uma grande expedição militar – cerca de 6. sobretudo a grilagem de terras e as violências praticadas contra os sertanejos. o fardamento em frangalhos. em setembro de 1914.revistadehistoria.com. em especial a usurpação das terras dos sertanejos por parte dos coronéis. após a derrubada da oligarquia local e os conflitos com as tropas leais ao padre Cícero. e sim mendigos de estrada. Setembrino encontrou as tropas em completa desordem: os soldos estavam atrasados. Ao chegar ao Contestado. sobre o impacto negativo da guerra tanto entre os militares quanto entre os sertanejos: “Fazia pavor e pena o espetáculo que então se desenhava aos olhos do espectador. http://www. publicou em 1º de setembro de 1915 o texto de um soldado não identificado: “Muitos dos nossos companheiros quase andrajosos já não parecem soldados da pátria. Terminada a primeira missão. Ele também reconheceu a crise política ali estabelecida. ordenou ao seu Estado‐Maior traduzir regulamentos franceses e alemães para que fossem adotados no campo de batalha. Redator. comandada pelo capitão Matos da Costa (1875‐1914). mas é preciso que não nos desprezem”. ao descuidar dos soldados em atividade no Contestado. de Florianópolis.  Ele descreve com minúcias as péssimas condições do serviço de saúde do Exército. foi o estopim para que o governo federal organizasse. outro que havia atuado em Canudos. Equipamentos bélicos de última geração foram enviados para a região. a Pátria encontrará em nós soldados dispostos a defendê‐la e manter suas leis. ocorrido em fevereiro de 1914. Sua morte numa emboscada. Pavor motivado pelos destroços humanos. o governo manteve pequena unidade militar no Contestado. mas principalmente como bandidos e sanguinários. e em jornais como A Noite. sintoma da crise de poder entre os coronéis.  O jornal O Estado. Imagens de um Exército glorioso. bem como o horror das vítimas espalhadas entre lama e cinzas. como Fon‐Fon e Careta. o médico Antonio Alves de Cerqueira redigiu um relatório emocionante. A tragédia da guerra nordestina ainda assombrava o presente. os soldados descontentes com o descaso do governo.)Sr. veterano da Guerra de Canudos (1896‐1897). publicado na imprensa catarinense e reproduzido nos volumes de História escritos pelos oficiais militares..br/secao/capa/bendita­guerra 2/5 . A situação maculava a imagem da corporação e ressuscitava o espectro de Canudos. Tentou encontrar uma solução pacífica para o conflito. Os jornais recebiam cartas anônimas de soldados relatando suas dificuldades. Matos da Costa denunciava os desmandos e as ilegalidades cometidos pelos coronéis da Guarda Nacional. Ao constatar que os regulamentos militares para tempo de guerra estavam todos defasados. (. alegando que o que ali se verificava era uma disputa política.. A imprensa nacional afirmava que o governo brasileiro. em agosto de 1914. Em dois meses.

José Vieira da Rosa. desta vez dirigindo‐a para órfãos. Antônio Alves de Cerqueira. se encarregou de selar o fim da rebeldia sertaneja. no mesmo ano em que se deu por encerrada a guerra do Contestado (1916). No entanto. viúvas e mães dos soldados que morreram em combate (isto para ficar apenas do lado dos vitoriosos). Os oficiais foram os primeiros a investigar as raízes da rebeldia sertaneja. Herculano Teixeira d’ Assumpção. Em abril de 1915. Em maio. dez igrejas e inúmeros http://www. ignorantes. o governo ordenou o fim da operação comandada por Setembrino.br/secao/capa/bendita­guerra 3/5 . o Exército já havia destruído muitas vilas rebeldes e prendido ou matado os principais líderes do movimento. Dermeval Peixoto. vale voltar àquela frase autoindulgente do tenente Paula Cidade.     Herói contestado O capitão Tertuliano de Albuquerque Potiguara (1873‐1957) foi responsável pela derrubada de um dos principais bastiões de defesa sertaneja: a vila rebelde de Santa Maria. Foi uma das fases mais sangrentas da repressão. Embora alguns tenham acusado os políticos locais de contribuir para que os sertanejos se rebelassem contra a ordem estabelecida. faltava a esses oficiais a capacidade de enxergar racionalidade por trás da rebeldia. Matamos em combate a fogo e arma branca perto de seiscentos jagunços. Será que para eles valeu o sangue derramado?   Rogério Rosa Rodriguesé professor da Universidade do Estado de Santa Catarina e autor da tese “Veredas de um grande sertão: A guerra do Contestado e a modernização do exército brasileiro” (UFRJ. Passados sete meses de combate. em Santa Catarina. Permaneceu na região um pequeno contingente do Exército que. José Octaviano Pinto Soares e Ezequiel Antunes tinham vínculos estreitos com entidades científicas da época. vítimas dos governantes e do descaso da Igreja. ele influenciou a implementação da lei do serviço militar obrigatório no Brasil. tornou‐se marechal em 1924 e foi ministro da Guerra entre 1922 e 1926. Coube a esses “historiadores de farda” fixar a imagem de que os rebeldes eram fanáticos e ignorantes. A experiência militar na divisa do Paraná com Santa Catarina foi fundamental para a cristalização da memória histórica do Contestado. ele escreveu: “Depois de 11 dias de marcha. 2008). A bem‐sucedida campanha renderia a Setembrino de Carvalho a previsível ascensão ao topo da carreira militar e política: chegou a chefe do Estado‐Maior do Exército em 1922. Não à toa. Considerado o maior herói militar do Contestado. Não compreendiam a lógica da organização sertaneja nem reconheciam suas reivindicações firmadas na crença compartilhada nos monges e santos.revistadehistoria. sendo oito de combates dias e noites. cujos recrutas foram selecionados por sorteio. em parceria com os coronéis locais e seus jagunços.com. fantoches de políticos espertos e gananciosos. concluiu‐se a retirada das tropas federais. bárbaros. não contando o grande número de feridos que se iam arrastando por dentro das matas virgens e quase intransitáveis. facínoras. tomei e arrasei 13 redutos com sacrifícios enormes do meu heroico destacamento. Além de fixar a memória histórica do evento e de contribuir para a modernização da corporação. Ainda hoje permanece o uso de seu vocabulário depreciativo para se referir aos sertanejos: fanáticos. Não há dúvida de que o Contestado foi bem aproveitado pelo Exército. como os Institutos de História e Geografia espalhados pelo país. convocou‐se o primeiro alistamento obrigatório. Arrasei perto de cinco mil casas.26/02/2015 Bendita guerra ­ Revista de História no Rio de Janeiro.

2008.br/secao/capa/bendita­guerra 4/5 . História militar do Brasil. Lideranças do Contestado. uma vez que foi eleito deputado federal pelo Ceará (1926). Até hoje é celebrado como herói nas escolas de formação de oficiais do Exército brasileiro. No mesmo mês. Ainda segundo o boletim. Nada que manchasse sua reputação. sacrificar a vida de soldados em uma operação suicida e de preferir fuzilar os inimigos a fazê‐los prisioneiros. como se verifica no culto que o Exército lhe concede até hoje.com/index. Soldados da Pátria. Márcia (orgs). MACHADO.26/02/2015 Bendita guerra ­ Revista de História ranchos de palha. Em 1918. ed. UFSC. Em 1922. tendo apreendido grande número de armas e munição de guerra”. foi promovido ao posto de general de divisão e atuou na Revolta Constitucionalista (1932). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.   Saiba Mais PEIXOTO. Em 1926. Potiguara fez parte. atingiu os mais altos postos da hierarquia militar e foi homenageado com nome de rua em Fortaleza (1974): ainda participou de ação contra os revoltosos da ofensiva Tenentista em agosto de 1924 em São Paulo. o tenente Asdrúbal Gwaier de Azevedo o acusou de. Campinas: Editora Unicamp. A guerra santa revisitada. MACCANN. São Paulo: Companhia das Letras. 2ª. A Campanha do Contestado.com. perdeu o braço esquerdo em atentado no Quartel‐ General de Brigada. Quentin. Paulo Pinheiro.ahimtb. Mas sua gesta guerreira não se restringe ao combate aos guerreiros de João Maria.   Internet Academia de História Militar Terrestre do Brasil www. Novos estudos sobre o movimento do Contestado. Em 1918. 1968. Florianópolis: Ed. o boletim interno do Exército chegou a citá‐lo como “oficial muito enérgico e muito distinto que pediu para servir em corpo de elite”.htm Expedição Potiguara http://companhiaindestrutiveis. Curitiba: Fundação Cultural. MACHADO. SODRÉ. 2004. Nelson Werneck. Ao relembrar a guerra. Dermeval.org. em parceria com Setembrino de Carvalho.br/revcontestado. o major Potiguara atuou na Primeira Guerra Mundial junto às forças francesas no ataque a St.revistadehistoria. feito que lhe garantiu elogios oficiais do governo francês pela bravura e empenho. 2007. Paulo Pinheiro e ESPIG. Foi condecorado com a Cruz de Guerra e Palma e promovido a tenente‐coronel.php?sess=cases&id=3   http://www. Parte de sua fama viria de episódios posteriores ao conflito. sua atuação no Contestado foi criticada em um duelo verbal entre tenentes e a alta oficialidade no Clube Militar do Rio de Janeiro. 1995 (Coleção Farol do Saber). de um batalhão de ataque e foi ferido no dia 2 de outubro de 1918. Frank. voluntariamente. Sua fama foi consagrada pela atuação no Contestado.

br/secao/capa/bendita­guerra 5/5 .com.26/02/2015 Bendita guerra ­ Revista de História     http://www.revistadehistoria.