You are on page 1of 37

INSTALAÇÃO DO PROTHEUS 11

Neste documento, iremos abordar o processo de instalação do Protheus 11,
lembrando que após a instalação, será necessária atualização da build, e
este processo será tratado em outro documento.

1. Instalando o Protheus 11
O Microsiga Protheus é uma linha de software ERP baseada na tecnologia
By You, criada e desenvolvida pela TOTVS. Para instalar a versão mais
atualizada do sistema, a primeira coisa a se fazer é acessar o endereço da
Totvs,
http://www.totvs.com/suporte/central-de-download/seusegmento/produto/microsiga, depois selecionar o link para instalação.

Principais aplicativos:
TOTVS BA (Business Analytics): A TOTVS e a IBM se unem em uma
parceria na área de Business Analytics para oferecer a seus clientes uma
solução analítica, flexível e intuitiva, que utiliza a expertise da TOTVS para
potencializar sua gestão de negócios.
O resultado desta parceria é uma solução que maximiza o poder de análise
e apoia decisões, por meio da tecnologia de soluções analíticas Cognos da
IBM.
TOTVS SmartClient: É a aplicação encarregada da Interface com o
usuário. Não existe Processamento Local, por isso o Tráfego de Rede entre o
Terminal e o Servidor de Aplicação é Baixo, tratando apenas de comandos,
para o Desenho das Telas e tratamento do Teclado e Mouse.
TOTVS Application Server: O TOTVS Application Server (AppServer), é a
aplicação encarregada da Compilação e Execução do Código em (ADVPL), no
qual o Protheus 11, foi escrito. Na Linguagem ADVPL, as rotinas são
mantidas em APO“s individuais em Repositórios.
Isso permite que as mesmas sejam carregadas e descarregadas
dinamicamente da memória da máquina onde o Servidor está sendo
executado, ou seja, de acordo com a necessidade de execução dos
Terminais conectados.

Instalação do HelpOnLine: Para consultar a documentação on-line, é
necessário instalar o Help do Protheus 11. A documentação é acessada a
partir dos ambientes do Protheus, pela tecla[F1]. São apresentados os
idiomas disponíveis para exibição das telas do instalador, conforme figura
acima.

1.1

TOTVS Application Server

Iremos instalar o TOTVS Application Server e o TOTVS Smart Client,
juntamente com todas as Ferramentas que o Protheus 11, disponibiliza.
O primeiro passo para instalação do Protheus é a instalação do TOTVS
Application Server. A instalação do AppServer, assim como do SmartClient e
das Ferramentas auxiliares (DevStudio, Wizard e o TotvsMonitor) é realizada,
através do Instalador do Server, localizado no link citado anteriormente.
Clique em Install.

Na tela de apresentação do sistema Clique em Next para prosseguir:

A próxima tela é a do contrato de Licença, leia-o com atenção e clique no
botão YES para prosseguir.
Na tela seguinte, indique o caminho onde o TOTVS Application Server deve
ser instalado. Clique no botão “Next” para prosseguir.

Indique o caminho onde os arquivos de dados do Protheus 11 devem ser
gravados. Clique no botão “Next” para prosseguir.

Clique em no botão “Forward” para prosseguir.Nesta tela. c. porém. d. pode-se optar por apenas uma base de dados. sendo responsável pela criação dos dicionário de dados e demais arquivos específicos para o país selecionado. O país para instalação do arquivo “SXS<país>.TXT”. . Este arquivo é gravado no diretório\Protheus_Data\SYSTEMLOAD. é possível fazer com que a mesma instalação do Protheus utilize dois tipos de base de dados. deve-se selecionar: a. b. Os tipos de Banco de Dados disponíveis no Protheus: • SQL • ADS (Advantage Database Server) • ISAM padrão DBF ou C-Tree. Neste momento. O idioma do RPO a ser instalado. através de alterações no arquivo de configuração do TOTVS Application Server e cópia do repositório correto.

clicando no botão “Next”. clique no botão de opção YES se utilizar os ambientes de Automação Comercial (SigaLoja). Se precisar alterar alguma opção. Verifique as configurações de instalação e confirme o seu início. desta forma. clique em “Back” para voltar. serão instalados os arquivos de DLLs para comunicação com os periféricos homologados. .Na próxima tela.

neste caso adotaremos o Português.2 Instalando o Help OnLine Para instalar a versão do Help OnLine. nela estarão todos os arquivos necessários para utilização e configuração do sistema Protheus.Depois de informadas as variáveis de instalação. descompactação e cópia dos arquivos é iniciado. . 1. é necessário clicar no link “Instalação do HelpOnLine” no idioma desejado. o processo de Será criada no local indicado uma pasta chamada TOTVS 11.

Clique no botão “Next”. deve ser informado o diretório de instalação dos arquivos de helps. Na tela seguinte. Clique no botão “Next” para prosseguir. Na próxima tela. O Install Shield será iniciado. A janela de Bem-vindo é apresentada. leia o contrato de licença com atenção e clique no botão YES para prosseguir. .A instalação do Protheus 11 Help ocupa aproximadamente de 970Mb.

deve ser informado o diretório onde está instalado o Protheus 11 Server para que seja configurado corretamente pelo programa de instalação. através da configuração da chave “PATH” da seção HTTP e da chave HELPSERVER do ambiente utilizado. Com a configuração da instalação do help. .Nesta janela. indicando a sua nova localização.INI. Este procedimento configura o acesso aos helps a partir do TOTVS Application Server. caso o usuário queira utilizar outro servidor de help. será iniciado o processo de cópia dos arquivos. Clique no botão Next. poderá copiar os arquivos instalados para outro servidor e alterar o arquivo AppServer.

liberando mecanismos mais eficientes para proteger o sistema contra acessos indevidos. O servidor de licenças deve ter conectado o Hardlock (dispositivo de segurança) na porta paralela ou USB e o driver do dispositivo instalado (se necessário). baseados em chaves de 128 bits.com/suporte/central-de-download/seusegmento/produto/tecnologia Na tela de apresentação do sistema clique em Avançar para prosseguir: A próxima tela é a do contrato de Licença.1. indique o caminho onde o LicenseServer deve ser instalado. Clique no botão “Avançar” para prosseguir.totvs. Para baixa o instalador do LicenseServer. leia-o com atenção e clique no botão SIM para prosseguir. Na tela seguinte. que pode ser HASP ou Proteq/SafeNet. Aliado a isso. entre no portal da TOTVS/Central de dowloads/Produto/Tecnologia ou acesse o link: http://www. Para cada contrato de manutenção. a MICROSIGA está enviando um Hardlock. . mais agilidade no processo de liberação de senhas e grande ganho de performance nos processos de controle aos acessos simultâneos são obtidos.3 TOTVS Application Server Servidor de Licenças: A Microsiga envia junto aos DVD’s de instalação do Protheus 11 (exceto quando se tratar de atualização) um hardware de proteção que tem por objetivo a segurança de suas informações usando algoritmo de criptografia (recurso para proteção de mensagens eletrônicas).

.A partir deste ponto. serão apresentadas as telas com os parâmetros necessários para a montagem do arquivo de configuração do License Server. apesar de não ser recomendado devido à grande variação de ambientes possíveis. o usuário estará configurando o License Server de acordo com suas necessidades onde sempre haverá um default para os usuários que desejam uma configuração básica. Caso se opte por habilitá‐lo. Podemos optar por: Habilitar ou não o License Server.

. Vale ressaltar que a indicação da TOTVS é para que utilizemos a numeração automática pelo License Server.Como o serviço do License Server é um listener. Temos a possibilidade de habilitar a Numeração Automática para que seja controlada pelo License Server. A porta default é “5555” ou outra qualquer que esteja disponível no range entre “1024” e “65535”. precisamos informar uma porta para a comunicação com os servidores.

o assistente exibirá o path para instalação e cópia dos arquivos e.Nesta próxima tela poderemos escolher se será ou não instalado o driver do Hardlock de forma automática pelo instalador. O path padrão para a pasta de driver é “C:\TOTVSLicense\Drivers”. ao clicar em Avançar. Caso escolha não instalar. os drivers homologados para os modelos de Hardlock serão copiados para a pasta “DRIVERS” dentro do path de instalação do License Server para que assim a instalação possa ser efetuada manualmente após o término do assistente de instalação. Se for escolhida a opção para instalação automática. será apresentada a tela para seleção do modelo de Hardlock que será utilizado no TOTVS License Server. Encerrados os passos de seleção das opções de instalação. o assistente irá efetuar os seguintes passos: .

4 Instalando o TOTVS DBAccess . a instalação do driver do Hardlock.• Cópia dos arquivos. 1. • Montagem do arquivo de configuração do TOTVS License Server. • Instalação do serviço do TOTVS License Server na lista de serviços do sistema operacional. • Caso fora selecionado.

Na barra de endereço. pois é através do “ODBC”. eu devo deixar o Top Startado(automático). 6. que o “TopConnect”. Será criado uma nova pasta. 2. clique Computador. . Acesse o diretório base de instalação do TOTVS DBAccess 64 bits. localizado no “Painel de Controle” do Windows. Execute o comando dbaccess64. Instalar o Banco (por exemplo o SQL). ferramentas administrativas e serviços. IMPORTANTE: Para “Configurarmos o TocConnect”. 4. localiza o “Banco de Dados”.2_win64_aaaammdd.Neste documento abordaremos a instalação do TOTVS DBAccess para computadores com Sistema Operacional de 64 bits. 2. devemos ter previamente instalado o “Banco de Dados” e também criado uma “Instância de Conexão (Alias)” na “Fonte de Dados (ODBC)”.exe -install. 5. Copie e descompacte arquivo totvsdbaccess_4. Para instalar o TOTVS DBAccess 64 bits como serviço do Windows: 1. o Informe o nome TOTVSDBAccess64. Após instalar o Top Connect: entrar no painel de controle. Utilize o comando cd %PROGRAMFILES%\TOTVSDBAccess64. No Menu Iniciar. 3. No Windows. clique Iniciar.totvs. 3. 2. para isso será necessário o download do arquivo executável que pode ser baixado no portal da Totvs através do link: https://suporte. Acesse o sistema como Administrador. 3. Configuração do Top Connect 1. informe %PROGRAMFILES% e pressione ENTER. A seguir. Ao término o TOTVS DBAccess estará configurado como um serviço do Windows. Crie o diretório base para instalação o Acesse Arquivo + Novo + Pasta.com/download e escolher a linha PROTHEUS. Criar a Base de Dados que se deseja utilizar.zip (onde aaaammdd se refere a build do produto) na pasta criada. Acesse o prompt de comandos como Administrador. Como o arquivo foi compactado no formato ZIP qualquer descompactador compatível com este formato poderá ser utilizado e ao seu término o TOTVS DBAccess estará instalado. 1.

botão Adicionar. e no botão OK. Clique em avançar. Serão executados testes de conectividade e se estiver tudo certo aparecerá a tela de êxito conclusão dos testes. avançar. marcar “Alterar o banco de dados padrão para:”.No painel de controle. avançar. Clique em Testar Fonte de Dados. Descrição e Servidor onde se encontra a fonte de dados. ferramentas administrativas. concluir. ODBC . Na aba Fonte de Dados do Sistema. clicar em Alterar idioma.4. Preencha os dados de Nome. botão Concluir. localizar SQL Server. fontes de dados (ODBC). . selecionar o Banco de Dados. Selecionar o idioma: Brazilian.

1.4. etc. Para utilizar o DBMonitor: 1. permitindo gerenciar informações como: - Usuários logados Bancos de dados em utilização Ambiente dos bancos Testes de conexão Monitores de índices Informações gerais. Acesse o ícone do programa criado no sistema operacional: “DBMonitor .1 DBMonitor Todas as configurações e monitoramentos possíveis através do TOTVS DBAccess ocorrem neste monitor. O sistema apresenta uma pequena janela referente às configurações de Monitor. .

3.configuração e monitoramento de conexões e índices gerados. sendo: Informações . fundamentais ao gerenciamento oferecido pelo TOTVSDBAccess. usuários. • Ajuda .informações de conexão ao servidor. • Usuários . chaves.relação dos usuários conectados ao TOTVSDBAccess. • Visualizar .configuração da visualização das informações estatísticas. senhas. • Mensagens .2. Cada uma dessas pastas apresentam os campos necessários à informação dos principais dados. para cada um dos bancos de dados suportados. subdividindo-as em pastas. Na barra de ferramentas da tela Monitor.informações sobre o aplicativo e acionamento dos itens de ajuda. • Configurações . • Assistentes . Para testarmos a conexão com a Base de Dados.apresentação de mensagens referentes a erros e ocorrências do banco de dados.configuração de acesso.relação dos dados de registro do TOTVSDBAccess. estão disponíveis as opções: • Monitor . acesse a aba Configurações -> Microsoft SQL . A próxima tela apresenta as opções de gerenciamento de informações do TOTVSDBAccess.

Clique no botão Novo e digite um nome para o Ambiente. Caso necessite coloque um usuário e uma senha. clique no ícone de Validação de Conexão: Após a tela de apresentação clique em “Avançar” . Na aba Assistentes.

Na próxima tela escolha a Base de Dados a ser utilizada: Insira na próxima tela o ambiente a ser testado e clique em “Finalizar”. .

existem os seguintes Arquivos de Configuração no Protheus 11 os quais estão localizados na pasta (\BIN). tais como: Posição de Janelas. para o TOTVS Smart Client (SmartClient). que indica as configurações. • DevStudio. Fonte Utilizada. . que é o Arquivo de Configuração. (Este arquivo não deve ser alterado manualmente). do Protheus 11: • AppServer. A saber.INI). aparecerá uma janela informando que a conexão está OK. aprofundaremos nosso conhecimento no arquivo (AppServer. utilizado pelo TOTVS Application Server e no arquivo (SmartClient. • SmartClient. Diretório para Localização de Fontes entre outros. Últimos Arquivos Abertos.INI: Através dele poderemos configurar praticamente todas as Funcionalidades disponíveis no Protheus 11. Dentre eles. tais como: Direcionar a Conexão.INI). Definir Protocolos Utilizados entre outros. Preferências de Idioma. 2 Arquivos de Configuração A partir de agora.INI: Aqui realizaremos as configurações pertinentes ao TOTVS Smart Client (SmartClient). iremos conhecer um pouco mais os Arquivos de Configuração do Protheus 11.Caso esteja tudo certo.INI: Neste arquivo ficam gravadas todas as opções do TOTVS Development Studio(DevStudio). no diretório raiz.

pode fornecer páginas em HTML para um browser. tais como: idioma. 1. Service Utilize esta seção para informar o nome interno e externo do . interface. Contém informações dos diretórios de execução do TOTVS Environmen Application Server.CFG: Aqui ficam guardadas todas as Configurações de Comunicação. são detalhadas as seções e um exemplo de configuração de suas chaves: Seção Descrição DBAccess A seção [DBAccess] contém as informações utilizadas para o acesso à base de dados relacional através do TOTVS DBAccess. • DevStudio. no “Arquivo (AppServer.5 Configuração do AppServer. (Este arquivo só é utilizado para instalações que possuam o “Parâmetro – LOCALFILES = ADS”.INI)”). LicenseServ A seção [LicenseServer] contém as informações sobre o er Servidor de Licenças (TOTVS License Server).CFG: Este arquivo permite diversas configurações como: Número de Usuários. OnStart Permite determinar a execução de uma função (sem interface) logo após o início de execução do TOTVS Application Server.opcionalmente. ServerNetw Permite configurar mais de um servidor para balanceamento ork de carga via software. A seção [LicenseClient] define as informações que serão LicenseClie utilizadas para o TOTVS Application Server se conectar a um nt Servidor de Licenças (TOTVS License Server). informações para acesso ao TOTVS DBAccess. Número de Workáreas disponíveis entre outros.INI A seguir. realizadas no Totvs Development Studio (DevStudio). t repositórios e. diretórios. (Não deve ser alterado manualmente). HTTP Esta seção permite o TOTVS Application Server atuar como servidor HTTP .HyperText Transfer Protocol (Protocolo de Transferência de Hipertexto).• Adslocal. Número Máximo de Tabelas a serem abertas. General Contém as informações comuns (globais) para os ambientes administrados pelo servidor.File Transfer Protocol (Protocolo de Transferência de Arquivos). FTP Esta seção permite o TOTVS Application Server atuar como servidor FTP . ou seja. Drivers Contém informações sobre os protocolos utilizados na conexão entre os terminais e o servidor.

5. veja a documentação de algumas das chaves relacionadas a configuração de um ambiente de trabalho: Chave ADSShare Descrição Indica o diretório compartilhado onde está instalado o servidor ADS. Proxy Permite configurar um proxy para ser utilizado pelas funções. a interface e o repositório podem ser obtidos a partir das informações da seção definida. Valor padrão: 180 segundos. que interagem com ambiente Web (HTTPGet(). assim como outras operações de assinatura e certificação. a geração de código-fonte para WebServices (geração de Client). HTTPPostXml(). A configuração do Protocolos protocolo utilizado é efetuada através de seções com as de conexão chaves definindo informações como porta de conexão. 1.Enterprise Resource Planning. Assim. Update Para agilizar a atualização do TOTVS SmartClient nas estações. Uma seção padrão. é criada na instalação e utilizada sempre que o TOTVS SmartClient se conectar sem informar uma seção através de parâmetros de linha de comando. diretórios e repositórios. etc) e que não estão sendo executadas a partir de um ambiente ERP . HTTPPost(). efetuar a atualização automática nas estações. o serviço e o tipo de conexão. ou seja. Indica o tempo. que o TOTVS Application Server deve aguardar quando enviar um pacote de ConnectionTimeou comunicação para o TOTVS SmartClient solicitando t retorno de dados. Este diretório é utilizado para fazer a conexão ao servidor ADS. os diretórios para trabalho. CtreeRootPath Indica o diretório compartilhado acessado pelos servidores de aplicação (RootPath) dos ambientes que . da linguagem AdvPL. idioma. o idioma. Estas informações são identificadas para cada conexão. chamada Environment. e opcionalmente as informações para acesso ao TOTVS DBAccess. A seguir. interface. A seção [SSLConfigure] permite habilitar o TOTVS Application SSLConfigur Server para criptografar e autenticar as informações que são e transmitidas pela internet. cada TOTVS SmartClient que se conectar ao Servidor deve informar qual a seção que deseja utilizar. é possível configurar uma máquina com a versão mais recente e. através do TOTVS Development Studio. O TOTVS Application Server pode se utilizar do protocolo TCP/IP Seções para realizar a conexão com os terminais. funções Client de WebServices.Seção Descrição serviço do TOTVS Application Server no Microsoft Windows. em segundos. a partir dela. Por exemplo.1 Seção [Environment] A seção [Environment] contém informações dos diretórios de execução do TOTVS Application Server.

'). SourcePath Identifica o diretório onde os repositórios de APOs são mantidos na máquina em que o TOTVS Application Server está instalado.. na função ilial GetMV(). RpoVersion Identifica a versão do Sistema (ERP). Esta informação também é utilizada pelo servidor para definição do repositório a ser acessado.. utilizada no Sistema em campos de entrada e saída de valores numéricos (@. ThreadMemLimit Define um limite máximo de memória para os processos em execução. definido na chave anterior. RootPath Identifica o diretório raiz do Sistema (ERP).. ADSServer ou c-tree. HelpServer Define o endereço do servidor HTTP de help on-line. RpoLanguage Identifica a linguagem que será utilizada. atinja o valor definido. LocalDbExtension Define qual será a extensão padrão dos arquivos ISAM para os Drivers DBFCDX.. em minúsculo. o Sistema irá efetuar a abertura pelo menu (padrão) ou por necessidade (abre e fecha arquivos conforme utilização). quando utilizada esta picture. Esta informação é utilizada pelo servidor para definir qual repositório será acessado. English ou Spanish. LocalFiles Indica qual é a base de dados que será utilizada para abertura dos arquivos locais. bem como na função AdvPL Transform(). Pode ser Portuguese.Chave Descrição utilizam o c-tree Server. a partir do qual todos os diretórios utilizados pelo Sistema serão criados. para derrubar automaticamente a conexão entre o TOTVS Application Server e o TOTVS SmartClient. é interrompido com . GetMv_NOUpper_F Indica a utilização de filial.PICTURE'@E.. PictFormat Esta chave atua na utilização de picture @E. em segundos. StartPath Identifica o diretório onde os arquivos de configuração do Sistema (ERP) se encontram.SAY/GET. RpoDb Identifica o tipo de base de dados utilizada. MaxLocks Define o número máximo de locks simultâneos por conexão. FilesOnDemand Indica se durante a abertura dos ambientes. É o diretório inicial de execução do sistema. InactiveTimeOut Define o intervalo de tempo por inatividade. DBFCDXAX.. Pode ser: ADS. Este diretório é criado a partir do diretório raiz. SpecialKey Define uma string que é concatenada à string básica em funções de controle aos acessos simultâneos (semaforização). onde um processo em execução no ambiente.

para um determinado ambiente.dbf PictFormat=DEFAULT DateFormat=DEFAULT RegionalLanguage=BRA .INI: [Environment] SourcePath=C:\TOTVS 11\Microsiga\Protheus\APO RootPath=C:\TOTVS 11\Microsiga\Protheus_Data StartPath=\system\ RpoDb=TOP RpoLanguage=Portuguese RpoVersion=110 LocalFiles=ads HelpServer=<SERVIDOR DE HELP> Trace=0 localdbextension=. a porta e o ambiente onde o agendador de relatórios e o WebSpool executarão suas tarefas de relatórios assíncronos. gravada ThreadMemWarnin no log de console da aplicação. uma mensagem de advertência. TOPMemoMega Permite que as conexões SGBD (Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados). Trace Indica se deve ser feito o Log de warnings em arquivos. WSPLReldir Define o diretório. O arquivo de log (trace. para um determinado ambiente. WSPLServer Define o servidor. ThreadMemStep Define. Veja abaixo um exemplo do de comoo uma seção Environment pode se apresentar no arquivo AppServer.Chave Descrição uma ocorrência de erro fatal AdvPL.Enterprise Resource Planning. o tamanho da memória que quando consumido por um processo em execução que já utilizou o valor definido em ThreadMemWarning irá disparar o registro de uma mensagem de advertência. quando um processo em g execução ultrapassar o valor definido para o consumo de memória. utilizem campo "M" Memo com até 1000000 de bytes.log) será criado no diretório onde se encontram os arquivos executáveis e DLLs do Sistema. TraceStack Identifica a origem de uma possível ocorrência de advertência no console. no TOTVS Application Server. WarningShowStac Identifica a origem de uma possível ocorrência de k advertência no console. realizadas através do TOTVS DBAccess. a partir do RootPath. onde ficarão armazenados os relatórios em disco para visualização através do WebSpool do ERP . Define.

1.. ou seja. e [Drivers] Active=TCP 1. A seguir. são aquelas cujos nomes das seções estão definidos na chave Active.5. Observação: O TOTVS Application Server utiliza TCP Stack (a mesma porta para todos os usuários). no out caso de não haver respostas.Caso sejam utilizados mais de um ambiente com TOTVS DBAccess e exista a necessidade de estabelecer conexão com bancos de dados diferentes e/ou de estações com outro servidor TOTVS DBAccess.5. INFORMIX. que podem ser utilizadas pelos terminais para se conectar ao Servidor. Podem-se criar diversas seções com as conexões utilizadas. veja a documentação de todas as chaves relacionadas a configuração de conexão: Chave Descrição InactiveTime Determina o tempo de espera até a queda da conexão. ECT.3 Sessão Protocolos de Conexão As conexões ativas. da seção [Drivers]. é detalhada a chave relacionada aos protocolos utilizados conexão entre os terminais e o servidor: Chav e na Descrição Activ Identifica os nomes das seções de configuração de protocolos ativos.) TOPSERVER=<SERVIDOR DE CONEXÃO C/BANCO> TOPALIAS=<ALIAS DA BASE DE DADOS> PROTHEUSONLY=0 (Quando setada “1” permite apenas conexões vindas do Protheus Server). .. descrita anteriormente. Port Exemplo: [TCP] TYPE=TCPIP Port=1234 Indica a porta que será utilizada para as comunicações via TCP/IP. é possível configurar os parâmetros desta conexão com o TOTVS DBAccess na seção de configuração do próprio Ambiente. para isso basta acrescentar na sessão Environmnet: TOPDATABASE=<TIPO DE BANCO DE DADOS> (MSSQL.2 Sessão [Drivers] A seguir. ORACLE.

CanRunJobs Define se a instância atual.DLL) com o Microsoft Internet Information Services. do TOTVS Application Server. MonitorConnections Determina a quantidade máxima de conexões do . ConsoleLog Determina a gravação de log das mensagens apresentadas no console do TOTVS Application Server. ConnectionTimeout Indica o tempo. ConsoleFile Permite especificar um novo path e nome do arquivo para gravação do log de console do TOTVS Application Server. DisableDevicePort Define o bloqueio das portas de impressão no TOTVS Application Server.5. irá ignorar todos os jobs configurados na seção [OnStart]. ISAPI ou quando a chave ConsoleLog está configurada como 1 na seção [General]. são detalhadas as chaves relacionadas a configuração das informações comuns (globais) para os ambientes administrados pelo servidor: Chave Descrição CanAcceptDebbuger Define se a instância atual.log) gravado pelo TOTVS Application Server. Console Permite habilitar o console do TOTVS Application Server. do TOTVS Application Server. que o TOTVS Application Server deve aguardar quando enviar um pacote de comunicação para o TOTVS SmartClient solicitando retorno de dados.4 Sessão [General] A seguir. ctreeMode Indica o uso da engine Server ou Local do c-tree Server. em segundos. receberá conexões de monitoramento do TOTVS Monitor. receberá conexões de RPC AdvPL. quando utilizado como serviço. quando utilizada a versão ISAPI do mesmo (advplISAPI. ConsoleMaxSize Define o tamanho padrão do arquivo (console. CanAcceptMonitor Permite configurar se a instância atual. InactiveTimeOut Define o intervalo de tempo (em segundos). receberá conexões de monitoramente do serviço master para balanceamento de carga. para derrubar automaticamente a conexão entre o TOTVS Application Server e o TOTVS SmartClient. receberá conexões do TOTVS Development Studio. do TOTVS Application Server. do TOTVS Application Server. CanAcceptLB Define se a instância atual. CanAcceptRPC Define se a instância atual.1. do TOTVS Application Server. por inatividade.

pois a gravação deste LOG é serializada. Principais vantagens: .5. com as informações necessárias para diagnosticar erros e calcular o tempo de execução de uma determinada rotina no TOTVS Application Server.Chave Descrição TOTVS Monitor no TOTVS Application Server. será perceptível uma degradação na performance a partir do momento que mais de um processo simultaneamente gerar informações no registro de LOG da aplicação. recomenda-se fortemente que estas configurações de LOG e diagnóstico sejam habilitados preferencialmente em um cenário controlado. . Ao utilizar uma empresa que não seja teste (99).Enterprise Resource Planning. 1.log). onde existem observações sobre possível impacto na performance da aplicação. Observação: Habilitar esta configuração pode impactar no crescimento acelerado do registro de log de console da aplicação. Deste modo. Observação: Habilitar esta configuração pode impactar no crescimento acelerado do registro de log de console da aplicação. ** Observações: Nas configurações acima descritas. no diretório de instalação o TOTVS Application Server. mory por processo. É utilizada apenas como auxiliar em soluções e diagnósticos de problemas específicos. e pode impactar na performance da apl ErrorMaxSize Permite especificar um tamanho máximo diferenciado para o log de ocorrências do TOTVS Application Server. é necessário que um dos servidores seja o Servidor de Licenças. e pode impactar na performance da aplicação. no ERP . IdeMessages Esta chave determina o registro de log de comunicação/mensagens entre o TOTVS Application Server e o TOTVS Development Studio. Define a gravação de log (console. ServerMemoryLimit LogMessages Determina o limite de alocação de memória (MB) residente. SocketMessages Permite registrar a troca dos eventos e pacotes pela rede entre o TOTVS SmartClient e o TOTVS Application Server.5 Sessão [LicenseServer] O Servidor de Licenças é responsável pela liberação de senhas e controle aos acessos simultâneos (semaforização). ou em um serviço específico configurado para fins de diagnóstico.Maior segurança. DebugThreadUsedMe Habilita o monitoramento de memória consumida. para não causar impacto e onerar o ambiente de produção. do TOTVS Application Server.

na seção [LicenseServer]. A seguir. Observação Além de habilitar o Servidor de Licenças.key instalado.5. A seguir. Serv Indica o nome ou número IP do computador onde está o Servidor de er Licenças. Exemplo: .6 Sessão [LicenseClient] A seção [LicenseClient] define as informações que serão utilizadas para o TOTVS Application Server se conectar a um Servidor de Licenças. o driver instalado (se necessário) e o arquivo applylic. controlada a numeração no TOTVS Identifica a porta que será utilizada para a comunicação entre o Servidor de Licenças e o TOTVS Application Server. EnableNum Identifica como será ber Application Server.Melhor controle do processo de liberação de senhas.key ou totvslic. Instances Define o número mínimo de conexões. Exemplo: [LICENSESERVER] enable=0 port=5555 ShowStatus=1 1.Ganho de performance. veja a documentação de todas a chaves relacionadas às seção [LicenseClient]: Cha Descrição ve Port Identifica a porta que será utilizada para a comunicação entre o TOTVS Application Server e o Servidor de Licenças.. Port Esta chave permite o controle de requisições e liberações de ShowStatus licença e semáforos através de mensagem na tela de console do TOTVS Application Server. . na porta paralela ou USB. a máquina precisa ter um dispositivo de segurança (Hardlock) conectado. do Servidor de Licenças. veja a documentação de todas a chaves relacionadas à seção [LicenseServer]: Chave Descrição Enable Indica se o TOTVS Application Server será um servidor de Licenças. que serão pré-disponibilizados para atender as chamadas de licenças.

publicar o endereço IP da máquina com o TOTVS Application Server na Internet e executar funções de RPC ou simplesmente criar o um Web Site com página HTML estáticas ou dinâmicas. basta ter o Sistema (ERP) instalado para criar uma intranet em uma rede local. Mas adiante.5. será mais fácil compreender onde tais comandos são utilizados no TOTVS Application Server. Verbose Indica o detalhamento (debug) das operações entre o terminal e o TOTVS Processor Application Server. Para isso.8 Sessão [HTTP] O TOTVS Application Server pode ser configurado para trabalhar como um servidor Web. Isso significa trabalhar como um servidor de requisições dos protocolos HTTP e/ou FTP. etc. Ao utilizar o TOTVS Application Server como um servidor HTTP. Através desta seção. do mesmo modo que outros servidores conhecidos no mercado (exemplo: IIS . O comando GET é utilizado para obter alguma informação do servidor HTTP e o POST para postar informações para o servidor. Serviço HTTP O protocolo HTTP (HyperText Transfer Protocol) é utilizado na comunicação entre um servidor e uma Web Browser e para o envio/recebimento de páginas formatadas em padrões SGML (HTML. operações de debug e protocolo entre o terminal e o TOTVS Processor Application Server. .5. Este procotolo se baseia principalmente em dois comandos GET e POST. 1. o mesmo poderá ser acessado através de uma Web Browser como o Internet Explorer. A seguir.168.Internet Information Server. XML. tais como: tempo de espera até a queda da conexão.7 Sessão [TCPSERVER] TOTVS Processor Application Server utiliza o protocolo TCP/IP para realizar a conexão com os terminais e o Servidor de Licenças (TOTVS License Server). da Microsoft. ou Apache para Linux). no caso de não haver respostas do client que está conectado.2. utilizada para realizar a Indica o tempo de espera (em segundos) até a queda da InactiveTimeout conexão. veja a documentação de todas a chaves relacionadas às seção [TCPServer]: Chave Descrição Port Indica a porta que será comunicação via TCP/IP.).[LICENSECLIENT] server=192. VerboseConnec Indica o detalhamento (debug) das operações de protocolo tion entre o terminal e o TOTVS Processor Application Server.20 port=5555 1. é possível definir a porta de conexão e o detalhamento das operações do TOTVS Processor Application Server.

DisablePath Identifica um diretório absoluto no disco. veja a documentação de todas a chaves relacionadas às seções HTTP. do serviço de HTTP do Sistema (ERP). as páginas são processadas. do TOTVS Application Server HTTP. A seguir. Port Define o número da porta de conexão HTTP. ambiente Web e a utilização do TOTVS Application Server como servidor de HTTP: Chave Descrição CacheControl Define qual será o retorno padrão do elemento Cache-Control. a partir do qual o Sistema (ERP) disponibilizará arquivos HTML e demais arquivos para Web Browse. configurado no mesmo equipamento.da Microsoft. podem ser disponibilizadas para estabelecer conexões simultâneas e atender as requisições via HTTP de páginas estáticas. JOBS para Working Threads. e enviadas para a Web Browser que irá formatá-las de acordo com os comandos HTML. arquivos. O mesmo vale para qualquer outra aplicação que consiga efetuar comandos GET ou POST utilizando o protocolo HTTP). que contenham código AdvPL e comandos HTML de formatação. que receberá as páginas HTML enviadas de um diretório configurado no servidor. SenhaP Define a proteção de páginas estáticas e/ou dinâmicas. no TOTVS Application Server. RPCServer Nome da seção que indica a conexão do servidor para processamentos. Define qual será o tempo. no servidor do Sistema (ERP). Além disso. é possível executar diretamente as funções compiladas no repositório do Sistema. HOSTS. do Sistema (ERP). Adicionalmente. link ou diretamente na linha da URL da Web Browser. a partir do qual o Sistema (ERP) disponibilizará arquivos HTML e demais arquivos para a Web Browser. dinâmicas. Enable Identifica se o serviço HTTP será habilitado quando o TOTVS Application Server for inicializado. o envio e recebimento de páginas estáticas formatadas. ou seja. através do link . Path Identifica um diretório absoluto no disco. para atender RPCTimeout a uma requisição de página dinâmica AdvPL através de uma URL/link com extensão .APL ou . ao browser para cada solicitação de processamento de páginas dinâmicas em AdvPL. pode-se utilizar a linguagem AdvPL. Desta forma. Instances Define quantas threads internas. quando um host de acesso HTTP estiver desabilitado (através da chave Enable=0). através de um request HTTP (por exemplo. imagens e etc. para realizar o atendimento de links de geração de páginas dinâmicas a partir do processamento de uma função AdvPL de um link com extensão .APL.APW.APL. de timeout da thread criada e mantida. da header HTTP. Pragma Define o retorno padrão do elemento Pragma da header HTTP. RPCEnv Indica o nome do ambiente (environment) local. em segundos. para processar páginas mistas. através de um kit de . um POST em um formulário em HTML.

conexão do kit de integração do Define o nome ou endereço IP do equipamento onde está SenhaPServe instalado o kit de integração SenhaP/SafeCARD para proteção r de páginas estáticas e/ou dinâmicas do TOTVS Application Server HTTP. Define o intervalo. em segundos. Displayna Indica o nome que será apresentado na janela de serviços do me Microsoft Windows. veja a documentação de todas as chaves relacionadas a configuração: Chave Name Descrição Indica o nome interno do serviço. .TOTVS AppServer .APW.Chave Descrição integração com o SenhaP/SafeCARD.TOTVS DBAccess . as solicitações de geração de páginas dinâmicas em AdvPL. [service] Name=AppServer_Teste displayname=. UploadPath Indica onde serão gravados os arquivos submetidos ao TOTVS Application Server para Upload. devem ser editados os aquivos . SenhaPPort Define a porta de SenhaP/SafeCARD.).TOTVS LicenseServer . A seguir. conforme exemplos abaixo.5.TOTVS AppServer Observação: Sugerimos que todos os serviços da Totvs sejam colocados na chave displayname o nome do Serviço precedido do ponto (. Exemplo da Sessão Hppt: [http] enable=1 path=C:\TOTVS 11\Microsiga\Help OnLine port=80 1. através de link . das variáveis da sessão do SessionTime usuário ao utilizar uma configuração de working threads Out extended para atender. pois permite ao usuário informar nomes diferentes.INI de tais serviços.9 Sessão [Service] Esta opção é útil quando for necessário utilizar mais de um TOTVS Application Server rodando como serviço na mesma máquina. Para isso.

utilizando TCP/IP. Drivers A seção [Drivers] define quais os protocolos podem ser utilizados para que o Terminal conecte-se ao TOTVS Application Server. do arquivo de configuração do TOTVS Application Server. A seguir. Para execução remota.1. Do mesmo modo. da seção [Drivers]. de modo que pode-se manter diferentes conexões em um mesmo servidor. Seções Protocolos Conexão gerais de configuração As seções de configurações de protocolos são definidas da mesma forma que no arquivo de configurações do TOTVS Application Server. Não necessitam ter o mesmo nome que o definido no TOTVS Application Server.ini que se encontra no diretório de execução do TOTVS SmartClient.INI [Config] . A seção [Printer_Map_Port2Spool] define o Printer_Map_Port2S mapeamento de portas de impressão para spool de pool impressão. são detalhadas as seções e um exemplo de configuração de suas chaves: Seção Descrição Config Identifica informações do TOTVS SmartClient. de acordo com a ordem em que foram informadas. É igual a seção de mesmo nome no arquivo de configurações do TOTVS Application Server. a porta informada na chave Port deve ser a mesma configurada em ambos. podem ser utilizados quando estiver configurando de o TOTVS SmartClient. o nome do servidor ou o endereço IP informado para o TOTVS SmartClient deve ser o mesmo configurado no TOTVS Application Server onde o terminal está conectado. porém as informações devem ser as mesmas e. Estas configurações são mantidas no arquivo smartclient. Exemplo de configuração do arquivo SmartClient. A diferença é que as seções aqui informadas (que devem ser separadas por vírgulas) são utilizadas em tentativas de conexão. Cada uma destas redes mantém um TOTVS Application Server para o processamento distribuído.INI As configurações do TOTVS SmartClient também podem ser customizadas. de Notas: Para a execução local (TOTVS Application Server e TOTVS SmartClient executados na mesma máquina) pode-se informar: Server = LocalHost. Diferentes redes conectadas via linha privada. via modem ou Internet. TOTVS Application Server e TOTVS SmartClient.6 Configuração do arquivo SmartClient. Por exemplo: Uma rede local com conexões via TCP/IP e algumas outras conexões remotas. somente os protocolos definidos na chave Active.

pode-se executá-lo com a opção de Linha de Comando). • Parâmetro (-Install) Se o TOTVS Application Server (AppServer). Para instalar o TOTVS DBAccess 64 bits como serviço do Windows: Acesse o prompt de comandos como Administrador. Ao optar por executar o TOTVS Application Server (AppServer). Para removê-lo da (Lista de Serviços do NT). O administrador poderá então (Iniciar ou Parar o Serviço). através do Item (Services). Utilize o comando cd %PROGRAMFILES%\TOTVSDBAccess64. através do arquivo DBAccess64. como um (Serviço do NT). Importante: os mesmos parâmetros servem para o aplicativo TOTVS DBAcces. Execute o comando dbaccess64. as informações recebidas das conexões com o TOTVS Application Server (AppServer) conectados são exibidas diretamente na tela do console do TOTVS Application Server (AppServer). e a execução do TOTVS Application Server (AppServer) pode ser interrompida com o pressionamento da combinação de teclas [Ctrl]+[Break]. Acesse o diretório base de instalação do TOTVS DBAccess 64 bits. executando-o com a opção de (Linha de Comando).LastMainProg=sigaadv EnvServer=environment Language=1 BrowserEnabled=1 [Drivers] Active=tcp [TCP] Server=localhost Port=1237 2. bem como informações de (Não Conformidades). através do Parâmetro (-Remove). isto pode ser realizado. Acessando o Protheus 11 1 Parâmetros do Atalho dos Aplicativos TOTVS Antes de instalarmos e iniciarmos os aplicativos TOTVS como AppServer. durante a Instalação. Executado como uma (Janela Console). não for instalado como um (Serviço do NT).exe -console.exe. Tecle ENTER. o mesmo será adicionado à (Lista de Serviços do NT) e iniciado. Utilize o comando cd %PROGRAMFILES%\TOTVSDBAccess64. Acesse o diretório base de instalação do TOTVS DBAccess 64 bits. do (Painel de Controle do Windows NT) ou ainda removê-lo do serviço. . durante o processo de Instalação. devemos inicialmente entender seus (Parâmetros de Inicialização): • Parâmetro (-Console) ou (-Debug) como uma janela console.exe: Para rodar modo console o TOTVS DBAccess 64 bits como serviço do Windows: Acesse o prompt de comandos como Administrador.

Execute o comando dbaccess64. Ao término.Confira os dados e confirme os Parâmetros Iniciais.Coloque os aplicativos Appserver. . Acesse o diretório base de instalação do TOTVS DBAccess 64 bits. Utilize o comando cd %PROGRAMFILES%\TOTVSDBAccess64. .Execute o comando dbaccess64.exe -remove. Para remover o serviço do TOTVS DBAccess 64 bits do Windows: Observação: Antes de remover o serviço instalado. . Acesse o prompt de comandos como Administrador. .exe -install.exe para rodar em modo console.Preencha os dados solicitados e até a escolha do país. o TOTVS DBAccess não estará mais configurado como serviço do Windows 1 Acessando o sistema . Ao término o TOTVS DBAccess estará configurado como um serviço do Windows. pare o serviço.Execute o Client do Protheus 11 através do ícone do SmartClient dentro do diretório \Bin\SmartClient.exe e DBAccess64.

selecione o diretório “\Data\”. para iniciarmos os “Testes” necessários. isso pode evitar especificamente alguns ataques em que um vírus ou outro tipo de ataque injete um processo com código executável e tente executar o código injetado. 2 Data Execution Prevention A DEP (Prevenção de Execução de Dados) é um conjunto de tecnologias de hardware e software.. feche-o instale os serviços do AppServer. . fornecer ao usuário a opção de aprender mais sobre a DEP e de desabilitá-la para o aplicativo que foi fechado. para a “Efetiva Implementação” do Protheus 11.Ao aparecer a janela “Diretório dos Arquivos de Dados”. confirme-a. Por que a DEP é importante? Embora causar o encerramento de um processo ou uma falha no sistema e exibir um erro não seja uma experiência ideal. que efetuam verificações adicionais na memória para ajudar a proteger contra explorações de código malicioso. seu comportamento é fechar o aplicativo. .Caso o sistema funcione normalmente. Quando em ação. exibir uma mensagem ao usuário alertando o problema. A partir deste momento já temos todo o “Ambiente” pronto.Agora o “Protheus 11”. . a partir do “Servidor”. irá criar os “Arquivos Customizadores”. incluído no sistema operacional Microsoft Windows. DBAccess64 e LicenseServer e coloque-os para inicialização Automática.

Como definir as configurações da DEP O seguinte procedimento descreve como configurar manualmente a DEP: No Windows. Exemplo: Aplication Server (appserver. Observe na Janela Opções de Desempenho. clique Configurações Avançadas do Sistema. clique na guia Avançado. clique Configurações. . Em Sistema. exceto os que eu selecionar. clique Abrir. clique Iniciar + Painel de Controle.exe). Em Propriedades do Sistema. Na área Desempenho. Selecione Ativar a DEP para todos os programas e services. Depois de selecionado. Clique Adicionar e adicione o aplicativo que não deve ser executados com a DEP. que o aplicativo (Application Server) passa a ser apresentado na lista. Na janela Opções de Desempenho. clique na guia Prevenção de Execução de Dados. No Control Panel. clique Sistema e Segurança + Sistema.

Falar sobre o sigamat. 3 Cadastrando Empresas .emp (envio pelo portal) .Clique Aplicar para confirmar a alteração das configurações.