You are on page 1of 11

3

1. INTRODUÇÃO
Magnetismo é o fenômeno físico que consiste nas forças de atração e
repulsão exercidas por certos materiais tais como ditos (ímãs) em materiais
ferromagnéticos ou ainda, em entre tais materiais e condutores de correntes elétricas.
Além disso, magnetismo é o ramo da ciência que estuda estes materiais anteriormente
citados, ou seja, estuda materiais capazes de atrair ou repelir outros. É também a parte
da física que estuda o campo magnético no vácuo e na matéria, seus efeitos sobre a
matéria, sobre a carga elétrica em movimento e sobre a corrente elétrica.
Os primórdios da ciência do magnetismo perdem-se na história, quando se
descobriu que um pedaço de óxido de ferro natural, material este agora denominado de
magnetita (Fe3O4), atraiam pedaços de ferro e se orientava aproximadamente ao longo
da direção norte-sul. Este objeto formava uma bússola magnética primitiva.
Ao falar de magnetismo tem-se como um fato primordial relatar a respeito
do ímã. Com isso, posteriormente foi possível descobrir que barras de ferro podiam
adquirir esta mesma propriedade do magnetismo. Barras assim diziam-se magnetizadas
e ficaram conhecidas como ímãs. Ímãs atraem também limalha de ferro e a região onde
se acumula a limalha é conhecida como polo do ímã. Pelas suas propriedades, os ímãs
possuem um polo norte (N), por onde saem as linhas de campo, e um polo sul (S), por
onde elas entram. Sabe-se que ímãs com pólos do mesmo tipo se repelem, e pólos
diferentes se atraem.
A região do espaço que envolve uma carga em movimento inclui um campo
magnético além do campo elétrico. A direção do vetor campo magnético em qualquer
localização é a direção apontada pelo polo norte de uma agulha de bussola nessa
localização. O campo magnético de uma barra imantada pode ser traçado definindo uma
linha de campo magnético. Os padrões podem ser traçados colocando limalha de ferro
nas vizinhanças de um ímã como mostra a Figura 1.

Figura 2. Regra da mão direita para determinação da força magnética sobre uma partícula carregada deslocando-se em um campo magnético . 01 onde a direção da força magnética é a de v x B.4 Figura 1. Padrões de campo magnético ao redor de uma barra imantada evidenciados pela limalha de ferro A força magnética sobre uma partícula carregada deslocando-se em um campo magnético é dada por: F B=q v x B Eq . que pela definição do produto vetorial. é perpendicular tanto v quanto a B.

Visualizar e representar o sentido da força magnética e do campo magnético utilizando a regra da mão direita. MATERIAIS UTILIZADOS Parte 1: Lei da Indução de Faraday . 3.5 Um fio conduzindo corrente também sofre uma força magnética quando colocado em um campo magnético externo que é dada por: F B=I l x B Eq . Observar e representar as linhas de campo magnético.02 onde l é o vetor na direção da corrente I. Observar as forças de atração e repulsão nos polos magnéticos. OBJETIVOS  Reconhecer que a variação do fluxo de indução magnética pode induzir uma   corrente elétrica num condutor. Buscar exemplos práticos da utilização da força de repulsão na construção de amortecedores  magnéticos. Regra da mão direita para determinação da força magnética sobre fio conduzindo corrente 2. Figura 3.

Base de acrílico .Ímã “U” com suporte metálico .Hastes com apoio .Bornes de ligação .6     01 Multímetro digital 01 Sistema com bobinas paralelas circulares projetáveis 02 conexões de fios com pinos bananas 01 fonte de alimentação Parte 2: Linhas de Campo Magnético   Placa de acrílico contendo limalha de ferro 04 Ímãs em forma de anel Parte 3: Amortecedor Magnético   Haste com base para apoio vertical 04 Ímãs em forma de anel Parte 4: Força Magnética    Fonte de tensão Pinos tipo banana Conjunto para força magnética . Parte 2: Linhas de Campo Magnético . O mesmo procedimento foi repetido para o pólo sul do ímã.Bobina para motor elétrico de corrente contínua . PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL Parte 1: Lei da Indução de Faraday O sistema com sequências de espiras paralelas foi conectado ao multímetro digital. O pólo norte do ímã foi aproximado no interior da bobina e o mesmo foi retirado em seguida.Balanço de latão 4. A operação foi refeita com maior rapidez e os dois casos foram comparados.

Após isso. 5. Nela foi encaixado um ímã cilíndrico. inverteu-se a posição do ímã (SUL-NORTE). Observou-se o comportamento do balanço de latão. Parte 4: Força Magnética Tendo o sistema previamente montado. colocou-se outro ímã igual ao primeiro. Em seguida ligou-se a fonte. Observou o desenho formado pelas limalhas de ferro. mantendo o sentido dos pólos. Parte 3: Amortecedor Magnético A haste isolante com apoio vertical foi colocada sobre a mesa. o balanço de latão foi encaixado sobre as hastes com apoios. As etapas do procedimento anterior foram repetidas e o comportamento da bobina foi observado. O balanço de latão foi retirado e a bobina foi posicionada nos ganchos das hastes com apoio. Em seguida. RESULTADOS E DISCUSSÃO Parte 1: Lei da Indução de Faraday . O mesmo procedimento foi repetido alternando o sentido dos pólos entre um ímã e outro. Mais uma vez o comportamento do balanço de latão foi observado.7 Os ímãs foram posicionados sob a placa de acrílico combinado de maneiras diferentes os pólos norte e sul. O ímã (posição NORTE-SUL) foi aproximado do balanço de latão.

Portanto. haverá nele uma corrente elétrica induzida. A Lei de Faraday pode ser representada da seguinte forma: ¿ ΔΦ∨ ¿ Δt ε=¿ Onde: ε é a força eletromotriz induzida. Segue abaixo os enunciados da Lei de Lenz: “Os efeitos da força eletromotriz induzida tendem a se opor às causas que lhe deram origem (princípio da ação e reação). em volts ¿ ΔΦ∨¿ Δt é a variação do fluxo magnético. Se um condutor é submetido a uma variação de fluxo magnético. existe uma relação entre a rapidez da variação do fluxo magnético com a intensidade de corrente induzida que circula pelo condutor. variação de fluxo magnético Φ acarreta corrente elétrica induzida.” Parte 2: Linhas de Campo Magnético Na segunda parte da prática experimental foi possível observar o desenho formado pelas limalhas de ferro sob a placa de acrílico de acordo com posicionamento . cujo valor depende da rapidez da variação do fluxo magnético. em segundos Se um circuito fechado é submetido a uma variação de fluxo magnético. haverá nele uma força eletromotriz induzida. Portanto. cujo sentido e intensidade depende dessa variação do fluxo magnético. variação de fluxo magnético Φ acarreta força eletromotriz induzida. em webers é o intervalo de tempo.8 Segundo observações feitas na prática experimental.” “O sentido da corrente elétrica induzida é tal que se opõe à variação de fluxo que a produziu.

As linhas de forças observadas em cada arranjo estão representadas abaixo: Figura 4. Dois ímãs em pé . Dois ímãs com os pólos iguais de frente Figura 5. Dois ímãs com os pólos diferentes de frente Figura 6.9 dos polos norte e sul dos ímãs.

Mas ao ser magnetizado. indicando que são do mesmo polo magnético. o fluido endurece. As limalhas se acumulam entre os imãs. e foi aumentando gradativamente até o último ímã. cheios do chamado fluido magnetorreológico. Já ao se colocar mais ímãs na mesma ordem que colocou o primeiro. e a suspensão fica mais firme. Como no suporte foi encaixado um ímã cilíndrico tipo anel com a cor vermelha voltada para cima. O pistão amortecedor da suspensão MagneRide contém uma bobina eletromagnética que gera níveis variados de magnetismo. foi possível observar que a direção dos campos magnéticos. foi possível verificar que houve repulsão entre os lados que tinham a mesma cor (neste caso o vermelho). quando próxima dos imãs. a distância que havia entre os dois primeiros ímãs diminuiu. Como podemos ver nas Figuras 4 e 5. . se comportando de maneira extremamente similar ao óleo hidráulico comum. o fluido se torna líquido novamente. normalmente compostas de pó de ferro. O príncipio de funcionamento é basicamente o seguinte: a suspensão MagneRide usa quatro amortecedores de tubo simples. Parte 3: Amortecedor Magnético Foi possível observar nesta prática o comportamento dos ímãs em cada arranjo executado. Um exemplo da utilização de amortecedores magnéticos que existe no cotidiano é o do carro Camaro ZL1. É um fluido à base de óleo que contém partículas magnéticas muito pequenas. ele endurece. Quando a corrente está desligada. quando o ímã é removido. quando se aproximam os pólos diferentes. O princípio é simples: quando o fluido é posicionado próximo a um ímã. confirmando as leis que nos dizem que os pólos iguais se repelem e os pólos diferentes se atraem. o fluido não é magnetizado e permanece líquido. e em seguida colocou-se outro ímã com a cor vermelha voltada para baixo.10 Depois de ter feito a análise das propriedades dos materiais magnéticos. o contrário ocorre quando estão próximos os pólos iguais. mostrados pela disposição da limalha de ferro. sendo que os posteriores ímãs foram colocados seguindo este mesmo procedimento.

verifica-se isto nos motores elétricos. CONCLUSÃO Conclui-se com a prática experimental e com os resultados obtidos mediante a experimentação e procedimentos realizados que foi possível aprender mais e comprovar que os teste e análises realizados neste experimento ratificam as leis físicas estudadas anteriormente. . esta girou ao aproximar o ímã. A força que um campo magnético exerce sobre um condutor percorrido por corrente pode ser utilizada para realizar trabalho. foi possível verificar que o campo magnético é capaz de exercer forças não apenas sobre imas. mas também sobre condutores percorridos por correntes elétricas. o balanço condutor sofre deslocamento no sentido do ímã (atração). Já no segundo. Portanto. A força magnética ocorre devido ao movimento de cargas elétricas. provocou a geração de uma força de natureza eletromagnética. 4. No teste 3. que está imerso em um campo magnético. Estas situações podem facilmente ser comprovadas pela regra da mão direita. No primeiro teste. aplicada às mudanças de sentido da corrente ou do campo magnético e estimar o sentido da força eletromagnética gerada pela passagem dos elétrons pelo fio condutor. Já em relação ao comportamento da bobina.11 Parte 4: Força Magnética Nesta etapa da prática experimental. repulsão. o balanço de latão se comportou da seguinte forma: com a passagem de corrente pelo fio condutor. pôde-se comprovar na prática a regra da mão direita. caracterizando repulsão. De uma maneira geral. também ocorreu atração e no último teste. verificou-se que o balanço condutor sofreu um deslocamento no sentido oposto ao do ímã. Isso pode ser justificado devido ao fato de que a energia elétrica (quase sempre) é gerada a partir de indução magnética: uma bobina gira próximo a grande imã permanente > fem alternada (gerador de corrente elétrica).

Vol. J. J. R. JEWETT. GETTYS W.12 5. A. . REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS HALLIDAY. Rio de Janeiro: LTC. Física.. 2004. 3. ed.. RESNICK. 2009. Jr. Vol. 1997. D. F. 8. Princípios de Física. J. E. São Paulo: Makron Brooks. M. SERWAY. W. SKOVE. 3. Fundamentos de Física: Eletromagnetismo. KELLER. R. São Paulo: Thomson Pioneira...

A. D. 2008. H. São Paulo: Addison Wesley. 12. R. . Física III: Eletromagnetismo.13 YOUNG. ed.. FREEDMAN.