A Deusa .

I

Estaé a décima primeira matéria sobre deusas deuses e daíndia arquimilenar, emseusprimórdios dourados, época emquecelestiais, intramundos, criaturas ivatmas), O sereshumanos animais e conviviam e

interagiam habitat num damais pura radianteatureza. e n
PorClaudio Duarte

~l
>'

T

udo o.que o.corre no p~aneta e prevIsto em pnncípios gerais no Karma Yóga, com sua Lei do Karma, de açâo e reaçâo ou causa e efeito, e sua famosa pirâmide das três qualidades, trigunas; Tamas, a pesada, lenta, densa, carregada de ignorância; Rajas, a agitada, em movimento, altercada, carregada de pretensões e racionalismo; Satvas, a leve, suave, harmoniosa e profunda, carregada de espiritualidade pura. Na era atual, possíveis 50% da sociedade sâo tamâsica, 45% rajâsica e 5% satívica, o que gera uma realidade muito sensível e delicada na e para a sociedade. Porém, é totalmente viâvel uma mudança para melhor dessa realidade mutante e mutâvel, dessa "Roda do mundo" ou "Oceano de Samsara". Contudo, para

isso é necessârio que uma imensa parte da populaçâo atinja um verdadeiro estado de discernimento. Para tanto, o conhecimento sutil mais elaborado e refinado deve ser acessível a todos, pois, a priori, essa é uma das principais formas de melhorar o ser humano e reequilibrar o próprio planeta, o que nâo estâ acontecendo nesta era. Trata-se de uma missâo coletiva premente, pois o futuro que se aproxima - em funçâo dos graves crimes ambientais e ecológicos aqui perpetrados - nâo traz uma visâo animadora. Pelo contrârio, de certa forma mostrase até sombria. Para mostrar algumas possibilidades reais de transformações benéficas e positivas, vou aqui tratar de uma das deusas mais queridas, nâo só no Orien6
SEXTO SENTIDO

te, mas em muitas outras partes do mundo, a deusa Kali, aquela que cuida do tempo e da existência de tudo e de todos. O nome Kali é derivado do sânscrito kala, ou tempo. Assim, Kali tem o poder sobre o tempo em todos os sentidos, dai ser a Deusa do Tempo, em todos os aspectos e possibilidades. Porêm, quando o tempo é transcendido, tornando-se a noite eterna de paz e de felicidade sem limites, este também é um atributo dela, chamado Maha Ratri, e sob este ângulo ela é considerada a "realidade última", representada pelo Kala Nala Yantra, que simboliza o "fogo ardente do juízo final", no qual o espírito (atman) se incorpora e, depois, dilui-se na mais profunda fusâo

-

Yóga

-

com a divina

vibraçâo,

eterna e celestial.

r I~' t t. 1 1 I'

A Deusa Kali
ESSA E MUITAS OUTRAS DEfinições sobre a venerada deusa do tempo podem ser encontradas no Rig Veda, em seus hinos Ratri Sukta, Devi Sukta e Sri Sukta, e em outros clássicos do período védico que citarei, muito embora ela seja uma deusa dravidiana e pré-védica. As citações são todas em homenagem á tão amada Kali Mãe, e como tributo ás venerandas "antigas" que tudo me ensinaram, e a todas as mães e mulheres do mundo, que merecem nosso imenso amor, carinho e respeito. Também é importante frisar o Dasha Maha Vidyas, um texto sobre os dez aspectos da energia primordial, ou shakti. Cada um dos dez é representado por uma deusa, sendo a primeira Kali, a deusa do tempo, com todo o seu poder gerador, mantenedor e transformador. Por outro lado, de acordo com o Markandeya Purana, a deusa Kali, a azulada ou negra, é a sexta manifestação da deusa Durga, mas imediatamente se torna uma devi independente e gera todo um processo cósmico existencial único, no qual uma de suas missões principais é a dissolução do tempo, ou pralaya. Isso sem contar sua função histórica e a participação decisiva e vitoriosa em terríveis guerras contra gigantescos seres malignos extra-estelares, portadores de imensos poderes supranormais, ou siddhis, que, ao final de Treta Yuga ou Idade da Prata, se haviam instalado

A Deusa Durga comoBhadra Kali(c. 1675).

neste planetóide e, daqui, comandavam batalhas nocivas contra outros sistemas ou planetas. Nesse caso, em diversas ilus-

Como Kali Desaparece
Após cumprida sua missão cósmica, a devi volta ao seu princípio sem princípio, onde permanece imanifesta até

nas pessoas deste minúsculo enclave planetário. A quantidade de pequenas e médias cidades no interior da Índia é incalculável, e nelas a devoção (bhakti) à deusa Kali é indescritível; seu culto é totalmente matriarcal, em todos os sentidos. As

trações, imagens que, após um longo e e estatuarias, imemorial período, chaKali apresenta mado Kalpa Yuga, sua um aspecto feroz presença arquetípica node guerreira, alvamente seja necessária gumas vezes até principais famílias para desfazer o caos e são chamadas tarestaurar a ordem cósmimesmo em pleno campo de bataravads, ou famílias ca, ou dharma. das matriarcas e das lha, cingida de sangue e portananciãs, que detêm do a cabeça dos inimigos da paz o conhecimento espiritual e das e do bem. tradições, de geração a geração, Todavia, essa imagem reprepor milênios. Nessas regiões, as senta também a luta interior do matriarcas não só administram ser humano contra o ego, a vai- suas grandes famílias como as dade, a ganãncia e a bestialidapróprias aldeias, por meio do de, que atualmente se podem ver Conselho Tãntrico, que ordena

8
~E\TO SENTIDO

até os ritos religiosos da comunidade. Por outro lado, aos homens dessas famílias cabe manter as mesmas seguindo as orientações das matriarcas e das anciãs, sendo que os mais velhos da região ou de uma família são chamados karanavar. O dia-a-dia de tais regiões é normal, de trabalho e estudo; mas ao cair da noite sempre ocorre a adoração à deusa Kali nos templos. Muitas vezes, a mesma é chamada de Kula Bhadra Kali, a Kali benevolente e protetora das famílias ou dos clãs, a mãe divina. O ano todo, em tais templos, são matriarcas ou anciãs que oficiam as cerimônias. Ali e nos lares, as jovens praticantes do Hatha Yóga tradicional, chamadas hatha yoguínis, desenvolvem o controle do Ahurya Varada Mudra, ou mudra universal feminino, legado ao Hatha Yóga pela deusa. ALÉM DOS MILHÕES DE SEguidores normais, pessoas que levam uma vida de trabalho, estudo e família, há também outros tipos de devotos, com caracteristicas muito especiais. Entre eles podemos encontrar as vallichappads ou "portadoras da luz espiritual", que, por meio de práticas espirituais, todas dedicadas a Kali, se transformaram em santuários de serenidade, austeridade e espiritualidade. Ainda assim, elas mantêm forte ligação positiva com toda a sociedade e vivem no seio da mesma. São

consideradas as bhaktis de Kali, pelo profundo e real amor que irradiam. Há que se esclarecer que também existem homens vallichappads. Paralelamen -

te,

existem

os

~

=...Jt" .

~'!.

odiyyas

ou "cla-

Segundo oMarkandeya urana, deusaKali,é a sextamanifestação P a dadeusaDurga.

rividentes", seguidores de Kali que preferem viver reclusos nas florestas, imersos em suas práticas, na busca da iluminação concedida pela graça misericordiosa de Kali, a mãe divina. São detentores de tremendos poderes paranormais, chamados siddhis, e nas poucas vezes em que aceitam ir às cidades é para atuarem junto com as matriarcas e anciãs na cura de crianças ou adultos que estejam enfermos, usando seus conhecimentos ióguicos sobre as energias vibracionais e suas funções quãnticas. Há que se esclarecer que também

existem mulheres odiyyas. E há também as respeitadas kurukkals, mulheres que têm o conhecimento especial das cerimônias da deusa, que só elas podem realizar dentro dos templos, quando as procissões vão para as florestas à noite e voltam pelas manhãs. Elas ficam fechadas nos templos e agem sobre os substratos mais sutis ou energias de Kali (Shakti Ka), que são absorvidas em grandes escalas naqueles periodos, para que tais energias possam se redistribuir e beneficiar o maior número possível de criaturas e seres humanos.

Outros nomes e

epitetos de Kali

Maha Kali, a grande deusa do cosmos ou grande manifestadora do tempo. Kumari, a deusa virgem. Matrika Kali, a grande mãe divina. Kali Ma, a mãe querida. Kula Bhadra Kali, a benevolente, a auspiciosa. Martanda Kali, a que ilumina, dá vida e luz a tudo e a todos, a Matrix. Chinna Masta, a sabedoria eterna. Sheetla, a deusa da varíola, que protege contra todas as doenças infantis. Ugra Chandi, a terrível, que protege os devotos. Ghora Kali, a selvagem, feroz e aterradora. Sham Sham Kali, a que protege locais de cremação. Chamunda, a que decapitou os seres malignos Chanda e Munda.

9
SEXTO SENTIDO

A

Deusa Kali
se obter

Nessas ocasiões, elas usam dois longos mantras que são: a) O Maha Preeta Nishkarshana Mantram, que serve para

as mais

puras

e benéficas energias cósmicas;

tados a Kali. Tal evento tem inúmeras finali-

dades e objetivos,
sendo um deles que a deusa destrua o carma negativo dos devotos (Samskaras) para que eles possam transcender os limites mundanos e obter a luz da consciência pura. Apenas em um único dia do mês de abril as matriarcas escolhem um Karanavar para oficiar, em função de um agrupamento de estrelas chamadas Bharani. Nessa noite, o aspecto adorado é Raktha Kali ou Kattu Kali, a Kali das Florestas. Considera-se que essa manifestação da deusa surge apenas nessa noite em cada ano, para destruir as energias maléficas que afligem os seres humanos. Os oficiantes saem dos templos acompanhados por imensos

Alguns mantras

de Kali

KaliiJaga Oambae Namastae - "ó, Mãe Kali que sustenta o mundo, Namaste".
Kali, Kali, Mahakali, Bhadra Kali, Namostutae - ..Ó, Kali, ó grande Mãe kali, Ó, benevolente protetora, eu saúdo teu amoroso nome'.. Bhadra Kali Namos Tu Te - ..Ó. auspiciosa e protetora, nós somos seus devotos'.. Kulam cha kula Oharam cha .'Toda essa família e o dharma da mesma" . Mam cha palaya palaya - "Por clemência, proteja-nos, protejanos sempre'.. Bhadra Kali namas tu bhiyam - "Ó, auspiciosa Kali, nossas respeitosas reverências". Bhadrae kama roopini '.Ó. belíssima. de formas admiráveis.. . Rudra Neetragni sam bhoote

b) O Maha Preeta Samkamana Mantram, que serve para se transferir e redistribuir tão sagradas energias em beneficio das criaturas, dos seres humanos e de todos os outros seres do planeta. Há que se esclarecer que não existem homens k:u.rnkkals. A IMPRESSIONANTE E MARAvilhosa celebração à deusa Kali Mãe acontece entre o final de outubro e o início de novembro. As cerimõnias têm início nas residências das devotas e devotos e, naquela ocasião, recebem a marca da deusa em cor vermelha na entrada; são chamadas de Kali Bari, ou os "Lares de Kali". Há um período de jejum (ekadas h) que varia de acordo com a região, e as comemorações começam sempre a partir da meianoite, indo até ao meio-dia. A noite principal é chamada de Karttika Amavasya, ou a noite mais escura do ano, quando imagens da deusa em cerâmica, barro ou argila são veneradas. No dia seguinte, são imersas nos rios ou lagos locais pelas famílias, em meio a grandes procissões e cánticos de mantras e hinos (Karpuradi Stotrams) devo10
Sl:XTO SENTIDO

séquitos em direção às florestas,
portando lamparinas, tocando instrumentos, dançando e cantando - o Shyama Sangita -, todos vestidos de vermelho, raros de branco. Durante essa "noite de Kali" especial, permanecem em transe até o romper da aurora (muhoortham). Os peregrinos ou yatris que se engajam nas atividades são chamados de "queridas filhas e filhos de Kali" ou

-

..Deusa que brota das chamas dos olhos de Rudra". Bhadra mam tu prayas cha mae - "ó, benevolente, conceda suas graças sobre nós".

villambadis, e eles acreditam que a própria deusa se manifesta na-

quela ocasião para transmutar e eliminar as vibrações e energias maléficas. Existe um texto especifico sobre a construção dos templos da Devi, chamado Mana Sara Shilpa Shastra, que detalha como e onde devem ser construí dos para propiciar e facilitar as adorações e as cerimônias à deusa. A "noite de Kali" é chamada também de "noite do caos", ou a noite simbólica do fim de um ciclo de espaçotempo (prapacham). Ao surgir do dia, todos voltam para os templos onde grandiosas festas têm início, para comemorar o surgimento de uma nova vida, mais radiante e mais feliz. Como os seguidores da Devi sã.o

todos festas

vegetarianos, os alimentos

nas se-

guem sobriamente esse principio. Ao redor dos templos e das casas, são desenhados yantras - figuras geométricas especiais que visam manter e fortalecer as vibrações das energias benfazejas propiciadas pela deusa. Entretanto, é importante esclarecer que, com o advento da bestialização globalizante que corrói e destrói paises e seres humanos, aos poucos tais manifestações vão se perdendo.

A deusa

Kali (Richard

B. Godfrey,

1770).

Textos clássicos sobreKali
No Rig Veda, em seu hino Grihya Sutra, encontramos descrições e cânticos de louvor a Bhadra Kali. - No Aitareya Brahmana há menções à nudez da deusa Vac, relacionadas a Kali. - No Mundaka Upanishad há descrições de Kali e Karali, duas das sete mães divinas ou Sapta Matrikas. - O Maha Kala Samhita descreve os nove antigos nomes de Kali,que são: Dakshina, Smashana, Bhadra, Guhya, Kala, Kama Kala, Dhana, Siddhi e Chandika. - O KaliKa Purana trata de certos ritos e rituais considerados secretos (bhuta damara) com oito diferentes métodos, só para as ioguinis praticantes do Hatha Yóga. - O Linga Purana descreve a manifestação de Kali por meio de Durga, mas totalmente distinta e independente dela. - O Markandeya Purana descreve como ela surgiu, mas de duas formas diferentes e como parte das lutas de Kali contra seres das trevas, ajudada pela deusa Chandi. - O Skanda Purana relata suas vitórias em guerras contra seres estelares de imensos poderes malignos,
-

como Rakta Vija que, quando qualquer gota de sangue dele caía no solo, imediatamente surgiam dela mil replicantes idênticos a ele. - O Kala Ratri, contendo o Kala Ratri Mantra. - O Bhagavata Purana relata KaliMa como patrona de diversas ordens e sempre refulgente, jovem e virtuosa, e ressurgindo quando preciso a cada grande ciclo (Maha Kalpa) de novos cosmos com seus múltiplos universos. - O Agni Purana e o Garuda Purana descrevem as invocações a Kali para ajudar a obter sucesso e vitórias nas guerras contra os desafetos.
-

O Devi Mahatmya,famoso por descrever am-

plamente os périplos vitoriosos da deusa aqui neste planeta, com detalhes e descrições pormenorizadas incríveis, fornecendo até mesmo datas, durações, antigos nomes de locais, cronologias e genealogias.
-

O Ramayana e o Maha Bharata, que contêm di-

versos episódios sobre Kali. - O Yoguíni Tantra, o Kamakhya Tantra e o Niruttara Tantra, que proclamam Kali como a origem absoluta de tudo, ou Maha Vidya ou Maha Devi.

11
SEXTO SENTIDO

A Deusa Kali

Alguns dosAtributos Deusa da
Nos inúmeros templos dedicados a Kali, nos santuários ou locais especiais em florestas, nos campos e bosques, nas montanhas, ela é mostrada conforme descrita em textos clássicos, como uma deusa azulada ou negra, com quatro braços, sempre em uma postura desafiante, segura e radiante. Em geral, ela aparece nua, com um corpo lindíssimo, seios fartos, símbolo da criação, da prosperidade e da mãe que alimenta e protege; quadris largos, símbolo da fertilidade, e pernas fortes e bem torneadas, símbolo da força feminina. Seus cabelos são negros, imensos e soltos até abaixo dos quadris, símbolo da liberdade e da autonomia feminina, muktakeshi. Sua face é avermelhada e, na maioria das ilustrações, sua língua está fora da boca, símbolo do desprezo pela vulgaridade e pelo comportamento mundano, bestial ou tamásico. Seus dentes brancos simbolizam a pureza e a paz espiritual, ou sattva. Ela tem três olhos, símbolo da mais profunda perfeição espiritual feminina. No pescoço, carrega um longo colar contendo 50 crãnios humanos, representando as 50 letras do alfabeto sãnscrito, chamadas shabda, ou o som em seu estado vibracional manifesto e do qual procede toda a criação, e símbolo do conhecimento e da sabedoria. Pode igualmente significar a destruição ambiental que o ser humano está causando no planeta. NA MÃO ESQUERDA SUperior, porta uma cimitarra, símbolo da justiça divina. Na mão esquerda inferior, porta a cabeça do maligno Rakta Beej, símbolo da vitória do bem sobre o mal. Na mão direita superior, mostra o Abhaya Mudra, símbolo da coragem e da segurança interior. Na mão direita inferior, mostra o Varada Mudra, símbolo da bondade, da benevolência e da concessão. Contudo, as muitas mãos simbolizam também a capacidade de realização de muitas mulheres juntas e unidas, se compreenderem tal força. Embora nua, na cintura apresenta um avental de braços e mãos humanas, símbolo da força e da capacidade de criar e produzir. Sob esse aspecto simbológico da nudez, a deusa Kali é chamada Digambara, "vestida do céu ou do espaço sideral;'. Em outras palavras, significa que quando a visão mundana é superada, obtém-se a visão divina ou da realidade sem limites e sem condicionamentos, sem medos ou inseguranças inúteis. Tudo

se torna pleno, radiante e bemaventurado. E essa é a meta e o objetivo final de todas as devotas e devotos de Digambara. Assim, Kali é a divina sabedoria que põe fim a toda ilusão, maya. Sob seus pés pode ou não apresentar-se um ser vencido na guerra, símbolo da capacidade feminina de vencer o ego (ahamkara), a ambição, a ganãncia e a maldade, obtendo o equilíbrio interior e a paz espiritual, e assim resgatar a própria divindade feminina. Kali pode também aparecer com dez cabeças ou dez braços, ou com o chamado cabelo flamejante ljvala kesha) em outras manifestações ou simbologias.

12
SEXTO SENTIDO

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful