Mecânico de Automóvel I

Metrologia

Mecânico de automóvel I
© SENAI-SP - 1992
Trabalho elaborado e editorado pela Divisão de Material Didático da Diretoria de
Tecnologia Educacional do SENAI-SP

Coordenação Geral

Nacim Walter Chieco
Equipe de elaboração
Coordenação
Elaboração
Conteúdo técnico
Leitura técnica

Adilson Tabain Kole
Benjamin Prizendt
Antonio Luiz Geovani (CFP1.13)
José Ruiz Gomes (CFP 1.20)
Antônio Luiz Geovani (CFP 1.13)
Aparecido Roberto Biffi (CFP 9.14)
Arcione Viagi (DSG-1)
Carlos Alberto Burger (DSE-1)
José Ruiz Gomes (CFP 1.20)
Júlio Gyula Liptac (DCP-2)
Luiz de Paula Bueno (CFP 5.02)
Paulo Lauro dos Santos Lote (CFP 6.02)
Rivaldo Antonio da Cunha (CFP 2.01)

Equipe de editoração
Coordenação
Assistência editorial
Planejamento visual
Edição de texto
Composição
Fotografia
Ilustração
Diagramação e montagem de arte final
Produção gráfica
Digitalização

Ciro Yoshisada Minei
Ivanisa Tatini
Marcos Luesch Reis
Luiz Thomazi Filho
Davi Luiz de França
Heloísa Cobra Silva
Hugo Campos Silva
Lucy Del Médico
Victor Atamanov
Unicom - Terceirização de serviços

S47b SENAI - SP. DMD. Metrologia. Por Benjamin Prizendt et alii.
São Paulo, 1992. (Mecânico de automovel I, 2).
1. Mecânica de automóvel 2. Metrologia. I.t. II.s.
629.113
(CDU, IBICT, 1976)

SENAI

Telefone
Telefax
SENAI on-line
E-mail
Home page

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial
Unidade de Gestão Corporativa SP
Av. Paulista, 1313 - Cerqueira Cesar
São Paulo - SP
CEP 01311-923
(0XX11) 3146-7000
(0XX11) 3146-7230
0800-55-1000
senai@sp.senai.br
http://www.sp.senai.br

Metrologia

Sumário

Apresentação

5

Régua graduada

7

Paquímetro

17

Micrômetro

41

Relógio comparador

63

Verificador de folgas

81

Goniômetro

85

Tabela múltipla de conversão

93

Tabela de conversões

95

Referências bibliográficas

97

SENAI

.

ser substituída por outra nova. existe um procedimento básico a seguir: comparar os valores das medidas da peça analisada com os valores especificados pelo fabricante do veículo que ele está reparando. Para tomar esse tipo de decisão. Por ocasião dos serviços de manutenção. o estudo deste volume proporcionará os conhecimentos básicos sobre Metrologia. Assim. esse profissional necessita avaliar se uma peça precisa ou não de reparos ou. até mesmo. É com base nessa comparação que o Mecânico de automóvel irá decidir o que fazer.Metrologia Apresentação O mecânico de automóvel realiza freqüentemente a inspeção dos diversos órgãos que constituem os veículos de motor de combustão interna. que são fundamentais para a formação e o desempenho profissional do Mecânico de automóvel. SENAI 5 .

Metrologia 6 SENAI .

conforme mostram as figuras seguintes. É fabricada em diversos comprimentos. deve ter graduações do sistema métrico (milímetros) e do sistema inglês (polegadas).4mm) e a 12” (304. Há vários tipos de régua graduada. Para que seja completa e tenha caráter universal. É usada para tomar medidas lineares quando não há exigência de grande precisão.8mm). Régua graduada A escala ou régua graduada é construída de aço e tem a graduação inicial situada na extremidade esquerda. a de 6” (152.Metrologia Régua graduada Construção e tipos O mais elementar instrumento de medição utilizado nas oficinas é a régua graduada ou escala. Régua de encosto interno SENAI 7 . por exemplo. como.

Metrologia Régua de profundidade Régua de dois encostos (usada pelo ferreiro) O uso da régua graduada é freqüente nas oficinas. edição de comprimento com face de referência Medição de comprimento sem encosto de referência 8 SENAI . como se vê nos exemplos a seguir.

Metrologia Medição de profundidade de rasgo Medição de comprimento com apoio de um plano Medição de comprimento com face interna Leitura em milímetros A leitura na escala de milímetros é feita sempre que se quer uma medida no sistema métrico. SENAI 9 .

pois 1 cm : 10 = 1mm. Várias indicações de medidas 10 SENAI . Indicação de 21 milímetros Na próxima figura há alguns exemplos de leitura de medidas. Na figura abaixo. no ponto indicado pela seta. A distância entre traços é igual a 1 milímetro.Metrologia As graduações dessa escala consistem em dividir 1 centímetro em 10 partes iguais. Graduações da escala no sistema métrico. lêem-se 21 milímetros.

Teórico (na própria folha) P .Prática (nas peças) Respostas: Peça no 1 Peça no 2 Peça no 3 Peça no 4 Peça no 5 Peça no 6 T T T T T T P P P P P P SENAI 11 .Metrologia Leitura de régua graduada (milímetros) .Exercício NOTA: T .

Metrologia

Leitura em polegadas
A leitura na escala de polegadas é feita sempre que se quer uma medida no sistema
inglês.
As graduações da escala de polegadas consistem em dividir 1 polegada em 2, 4, 8, 16
e 32 partes iguais.

Representação de uma polegada
Nota
Para efeito de estudo, utilizaremos o intervalo da polegada ampliado.
Dividindo o intervalo de uma polegada por dois, teremos:

1” : 2 =

1"
1

x

1
2

=

1"
2

Logo, cada divisão da escala vale

1"
.
2

Divisão em meia polegada

12

SENAI

Metrologia

Dividindo o intervalo de uma polegada por quatro, teremos:
1"
1
1"
1” : 4 =
x
=
1
4
4
Logo, cada divisão da escala vale

1"
4

Divisões em quartos de polegada
Dividindo o intervalo de uma polegada por oito, teremos:
1"
1
1"
x
=
1” : 8 =
1
8
8
Logo, cada divisão de escala vale

1"
8

Divisões em oitavos de polegada
Dividindo o intervalo de uma polegada por dezesseis, teremos:
1"
1
1"
x
=
1” : 16 =
1
16
16
Logo, cada divisão da escala vale

1"
.
16

Divisões em 16 avos de polegada
SENAI

13

Metrologia

Em alguns casos, a régua graduada apresenta-se com o intervalo de uma polegada
dividido em 32 partes.
1” : 32 =

1"
1
1"
x
=
1
32
32

Logo, cada divisão da escala vale

1"
.
32

Divisões em 32 avos de polegada
Para realizarmos leitura na escala graduada, devemos saber, inicialmente, em quantas
partes está dividido o intervalo de polegada. Esses número de partes será o
denominador da fração da polegada.
Essa fração terá para numerador a quantidade de divisões que foi necessária para
completar a medição.
Exemplo: Qual é a leitura da medição indicada pela seta na ilustração abaixo?

O intervalo da polegada está dividido em 16 partes:
concluímos, assim, que o denominador da fração é 16.
Foram necessárias, para completar a medição, 11 divisões:
logo, sabemos que o numerador será 11.
Portanto, a medida é

14

11"
16
SENAI

Indicações de medidas em polegadas Características da boa régua graduada 1 Ser. profundos e salientados em preto. 3 Limpá-la após o uso para remover-lhe o suor e a sujeira. de aço inoxidável 2 Ter graduação uniforme 3 Apresentar traços bem finos. Conservação Para melhor conservação da régua graduada deve-se: 1 Evitar quedas e contato com ferramentas de trabalho. de preferência. 2 Evitar flexioná-la ou torcê-la para que não empene ou quebre. SENAI 15 .Metrologia Nas figuras seguintes há alguns exemplos de leitura de medida. 4 Aplicar-lhe ligeira camada de óleo fino u vaselina industrial antes de guardá-la.

Nota: T .Metrologia Leitura de régua graduada (polegadas) .: As frações devem ser simplificadas sempre que possível.Exercício Respostas Peça no 1 Peça no 2 Peça no 3 Peça no 4 Peça no 5 Peça no 6 T T T T T T P P P P P P Obs.Prática (nas peças) 16 SENAI .Teórico (medir na própria folha) P .

O paquímetro é composto de duas partes principais: corpo fixo e corpo móvel. finamente acabado. Construção e usos Geralmente é construído de aço inoxidável. largura.001”. O cursor é ajustado à régua de modo que permita a sua livre movimentação com um mínimo de folga. com superfícies planas e polidas.) quando a precisão requerida não é inferior a 0. SENAI 17 . uma em milímetros e outra em polegadas. No corpo fixo existem duas escalas.Metrologia Paquímetro O paquímetro é um instrumento utilizado para tomar medidas lineares (comprimento.02mm. altura. O corpo móvel é chamado de cursor. etc. espessura. diâmetro. 1”/128 ou 0. é no cursor que ficam as escalas nônio (ou verniê) de milímetros e de polegadas.

Metrologia Na figura a seguir pode-se observar os componentes do paquímetro. é necessário conhecer bem todos os valores dos traços da escala fixa. Paquímetro Exemplos da utilização do paquímetro: Medida externa Medida interna Medida de profundidade Leitura de milímetros inteiros com o paquímetro Para se efetuar a leitura de medidas do sistema métrico em um paquímetro. 18 SENAI .

o valor de cada intervalo da escala fixa é 1mm. Graduação da escala fixa Assim.Metrologia Como se vê na ilustração abaixo. deslocando-se o cursor do paquímetro até que o traço zero do nônio coincida com o primeiro traço da escala fixa após o zero. a leitura da medida será de 1mm. Indicação da medida 1mm SENAI 19 .

Metrologia Coincidindo o traço zero do nônio com o segundo traço da escala fixa. a quem é atribuída sua invenção) ou verniê (denominação dada pelos franceses em homenagem a Pierre Vernier. Princípio do nônio 20 SENAI . Indicação da medida 2mm Princípio do nônio A escala do cursor. consiste na divisão do valor k de uma escala graduada fixa por N (no de divisores) de uma escala graduada móvel. que eles afirmam ser o inventor). chamada nônio (designação dada pelos portugueses em homenagem a Pedro Nunes. obtêm-se 2 mm.

Esse cálculo aplica-se a qualquer instrumento de medição possuidor de nônio. como: paquímetro.1mm menor do que cada divisão da escala fixa.Metrologia Se o paquímetro tiver 10 divisões no nônio. o comprimento total do nônio será de 9mm. goniômetro e outros. divide-se o menor valor da escala fixa pelo número de divisões da escala móvel (nônio). micrômetro. resulta que cada intervalo da divisão do nônio mede 0. SENAI 21 . Dividindo 9mm pelo número de divisões do nônio (10 divisões).9mm. Essa diferença é também a aproximação máxima fornecida pelo instrumento. Aproximação do nônio de 10 divisões Para se calcular a aproximação (ou sensibilidade) dos paquímetros. Graduação de nônio de 10 divisões Observando na ilustração abaixo a diferença entre uma divisão da escala fixa e uma divisão do nônio vê-se que cada divisão do nônio é 0.

obtém-se 0. a medida será de 0.1mm. pois.2mm 22 SENAI . Indicação da medida 0.1mm Havendo a coincidência do segundo traço do nônio com o segundo traço da escala fixa. deslocando-se o cursor do paquímetro até que o primeiro traço do nônio coincida com o primeiro traço da escala fixa após o zero.Metrologia A aproximação se obtém. Indicação da medida 0.2mm. com a fórmula: a = e n onde: a = aproximação e = menor valor da escala principal (fixa) n = número de divisões do nônio (verniê) Assim sendo.

a leitura em milímetros inteiros e frações com o paquímetro faz-se contando-se os milímetros ultrapassados pelo zero do nônio e adicionando-se o valor do traço do nônio em coincidência com um dos traços da escala fixa. Indicação da medida 6.5mm Exemplos de leitura de medidas: SENAI 23 .8mm Portanto.8mm. Indicação da medida 0.Metrologia Coincidindo o oitavo traço do nônio com o oitavo traço da escala fixa obtém-se 0.

3mm Existem paquímetros de maior precisão que possuem 20 ou 50 divisões no nônio. 24 SENAI .Metrologia Medida cuja leitura é 12mm + 0.2mm Medida cuja leitura é 149mm + 03. cujas aproximações são.2mm = 12.02mm.05mm e 0. respectivamente. 0.mm = 149.

05mm 20 Na figura abaixo.25mm Indicação de leitura em paquímetro de 20 divisões SENAI 25 .Metrologia Paquímetro de 20 divisões a= e n a= 1mm = 0. a leitura é: 5mm + 0.25mm = 5.

62mm = 2. a leitura é 2mm + 0.Metrologia Paquímetro de 50 divisões a= e n a= 1mm = 0.02 mm 50 Na figura abaixo.62mm Indicação de leitura em paquímetro de 50 divisões 26 SENAI .

Exercício SENAI 27 .Metrologia Leitura do paquímetro (milímetros) .

Metrologia

28

SENAI

Metrologia

o

Parafuso n 1
Ord.

Med.

Unid.

o

Parafuso n 2
Ord.

Med.

Unid.

o

Parafuso n 3
Ord.

Med.

Unid.

o

Parafuso n 4
Ord.

Med.

Unid.

o

Parafuso n 5
Ord.

Med.

Unid.

o

Parafuso n 6
Ord.

Med.

Med.

Med.

Med.

Med.

Med.

A

A

A

A

A

A

B

B

B

B

B

B

C

C

C

C

C

C

D

D

D

D

D

D

E

E

E

E

E

E

F

F

F

F

F

F

SENAI

Med.

Unid.

29

Metrologia

Cilindro-mestre
de freio n

de freio n

Ord.
Med.

30

Cilindro-mestre

o

Ord. Med.
Med.

Unid.

Med.

Cubo de roda

o

o

n
Ord.M

Unid.

Cubo de roda

o

ed.

n
Ord.

Med. Unid.

Med.

A

A

A

A

B

B

B

B

C

C

C

C

D

D

D

D

E

E

E

E

SENAI

Med.

Unid.

a leitura da medida será 1”/16. Graduações em polegada da escala fixa Deslocando-se o cursor do paquímetro até que o traço zero do nônio coincida com o primeiro traço da escala fixa após o zero. é necessário primeiro conhecer bem todos os valores dos traços da escala fixa.Metrologia Leitura em polegadas com o paquímetro Para efetuar-se a leitura de medidas em um paquímetro do sistema inglês. Indicação da medida 1" 16 SENAI 31 .

a leitura será 5”/8. a leitura será 1”/8. Indicação da medida 1" 8 Coincidindo o traço zero do nônio com o décimo traço da escala fixa.Metrologia Coincidindo o traço zero do nônio com o segundo traço da escala fixa. Indicação da medida 32 5" 8 SENAI .

conhecer a aproximação do paquímetro. Com o nônio registram-se várias outras frações de polegada no paquímetro. a leitura será 1”/128. Indicação da medida 1" 128 SENAI 33 . Essa aproximação é calculada da seguinte forma: a = e n onde: a = aproximação e = 1”/16 (menor valor da escala fixa) n = 8 (número de divisões do nônio) Então: a= 1" 1" 1 1" : 8 ou a = x a= 16 16 8 128 Deslocando-se o cursor do paquímetro até que o primeiro traço do nônio coincida com o primeiro traço da escala fixa após o zero. é necessário verificar o nônio. Para trabalhar com o nônio é necessário.Metrologia Depois de ler a indicação da escala fixa. entretanto.

Indicação da medida 1" 64 Coincidindo o terceiro traço do nônio com o terceiro traço da escala fixa.Metrologia Coincidindo o segundo traço do nônio com o segundo traço da escala fixa. a leitura será 3”/128. a leitura será 1”/64. Indicação da medida 34 3" 128 SENAI .

como se observa a seguir. utilizando-se o denominador da fração pedida (128). O resto encontrado na divisão será a concordância do nônio. O quociente encontrado na divisão será o número de traços por deslocar na escala fixa pelo zero de nônio (4 divisões).Metrologia Coincidindo os demais traços. o raciocínio é o mesmo. Para a colocação de medidas. assim como para a leitura de medidas feitas em paquímetro do sistema inglês utilizam-se os seguintes processos: Processo para a colocação de medidas 1o exemplo: Colocar no paquímetro a medida 33" 128 Divide-se o numerador da fração pelo último algarismo do denominador. Colocação da medida 33" 128 SENAI 35 .

Metrologia 2o exemplo: Colocar no paquímetro a medida Colocação da medida 36 45" 64 45" 64 SENAI .

Medida para leitura Multiplica-se a quantidade de traços da escala fixa ultrapassados pelo zero do nônio pelo último algarismo do denominador da concordância do nônio. SENAI 37 . Ao resultado da multiplicação soma-se o numerador.Metrologia Processo para leitura de medidas 1o exemplo: Ler a medida da figura a seguir. repetindo-se o denominador da concordância.

A leitura deve ser feita perpendicularmente à escala do paquímetro. aconselha-se que a leitura seja feita com apenas um dos olhos abertos e outro fechado. Erros de medição Estão classificados em erros de influências objetivas e subjetivas. Caso o operador sinta dificuldade em distinguir a coincidência dos traços. Os erros de influência objetivas são os erros de medição motivados pelo instrumento.Metrologia 2o exemplo: Ler a medida da figura abaixo. Os erros de influências subjetivas são os erros de medição cometidos pelo operador. Medida para leitura Erro de leitura É causado pelo mau posicionamento do operador em relação ao paquímetro no ato da leitura. 38 SENAI .

Metrologia Leitura do paquímetro (polegadas) .Exercício SENAI 39 .

Metrologia 40 SENAI .

O micrômetro é um instrumento para tomada de medidas lineares. ás vezes.001mm (um mícron). Por isso. Assim.Metrologia Micrômetro A aproximação de medição do paquímetro. Princípio de funcionamento O princípio de funcionamento do micrômetro é o do sistema parafuso e porca. Daí. esse instrumento ser chamado de micrômetro. se um parafuso der uma volta completa em uma rosca fixa. não é suficiente. permitindo medir. Deslocamento de um passo do parafuso SENAI 41 . dimensões com aproximação de 0. Sua precisão é maior do que a do paquímetro. haverá um deslocamento igual ao seu passo. por leitura direta. para medições mais rigorosas usa-se o micrômetro.01mm ou mesmo de 0.

para isso. Portanto. maiores ou menores do que o passo de seu parafuso. a cada volta. evita sua dilatação porque isola a transmissão de calor das mãos para o instrumento.Metrologia Graças às suas escalas. Em alguns instrumentos. • O isolante térmico. apresentam-se rigorosamente planos e paralelos. • O fuso micrométrico é construído de aço especial temperado e retificado para garantir exatidão do passo da rosca. quando isso é necessário. • O tambor é onde se localiza a escala centesimal. • As faces de medição tocam a peça a ser medida e. • A porca de ajuste permite o ajuste da folga do fuso micrométrico. os contatos são de metal duro. Principais componentes do micrômetro • O arco é constituído de aço especial ou fundido. seu deslocamento é igual ao passo do fuso micrométrico. 42 SENAI . Ele gira ligado ao fuso micrométrico. • A catraca ou fricção assegura uma pressão de medição constante. • A trava permite imobilizar o fuso numa medida predeterminada. tanto para medições em milímetros como em polegadas. tratado termicamente para eliminar as tensões internas. fixado ao arco. o micrômetro pode medir comprimentos iguais. variando também sua capacidade de medição. de alta resistência ao desgaste. Para diferentes usos no controle de peças encontram-se vários tipos de micrômetros.

Indicação do passo de 0.50mm por divisão) Micrômetro com escala de 25mm no cilindro A distância de 0. esse micrômetro dispõe de uma escala de 25mm no cilindro com 50 divisões entre o 0 e o 25.Metrologia Leitura no sistema métrico O micrômetro com graduação no sistema métrico permite tomar medidas em milímetros e suas frações decimais (décimos e centésimos de milímetros). Portanto. Leitura do cilindro graduado no sistema métrico Para tanto.50mm (25mm: 50 divisões = 0.50mm corresponde ao passo do parafuso micrométrico do micrômetro.50mm SENAI 43 . a menor distância entre dois traços da escala do cilindro é igual a 0.

aparecerá o segundo traço e a leitura será 1.01mm: 0.050mm = 0. como mostra a figura a seguir. conclui-se que cada.00mm Abrindo-se três voltas completas. e assim sucessivamente.50m Leitura do tambor no sistema métrico Sabendo-se que uma volta no tambor eqüivale a 0. aparecerá o terceiro traço e a leitura será 1.00mm.50mm e tendo o tambor 50 divisões.50mm.Metrologia Abrindo-se duas voltas completas.01mm 50 44 SENAI . divisão da escala do tambor eqüivale a 0. Indicação da leitura 1. Indicação da leitura 1.

a leitura será 0. ao coincidir o segundo traço do tambor com a linha de referência do cilindro. ao se abri-lo e fazendo coincidir o primeiro traço do tambor com a linha de referência do cilindro.02mm.Metrologia Estando o micrômetro fechado.01mm. Indicação da medida 0.02mm SENAI 45 . Indicação da medida 0. a leitura será 0.01mm Continuando a abrir o micrômetro.

respectivamente.Metrologia Concluindo o trigésimo oitavo traço do tambor. a leitura do micrômetro é feita somando-se os valores encontrados no cilindro e no tambor. a leitura será 0. Indicação da medida 11.45mm Leitura: cilindro 11.38mm.00mm tambor 0. Nas duas próximas figuras pode-se ler.45mm micrômetro 46 11. 11.4mm e 5. Indicação da medida 0.93mm.45mm SENAI .38mm Leitura do micrômetro no sistema métrico Portanto.

43mm micrômetro 5.50 = 5.Exercício 1 2 1 2 3 4 3 4 5 6 5 6 7 8 7 8 SENAI 47 .93mm Leitura do micrômetro (milímetros) .Metrologia Indicação de medida 5.50mm tambor 0.00 + 0.93mm Leitura: cilindro 5.

Med. . Med. Med.Metrologia 9 10 9 10 1 12 11 1 12 Calço de regulagem da geometria do sistema de direção Calço no 1 Ord. Med. Unid. A Calço de ajustagem da caixa de direção Calço de cor Amarela Ord. Med. Med. A Calço de cor alumínio Ord. Med. A Ord. Calço de cor rosa Ord. Med. Unid. Unid. A 48 Med. Med. Calço no 2 Unid. Calço no 3 Unid. A SENAI Med. Unid. A Ord. Med.

de válvulas Unid.Metrologia Ø = diâmetro Árvore de comando Árvore de manivelas Ord. Med. Ord. Med. Unid. Med. Med. 49 . Med. ØA ØF A ØB ØG ØB ØC ØH ØC ØD ØI ØD ØE ØJ SENAI Med. Unid. Ord.

Leitura do cilindro graduado Quando a escala do cilindro mede 1” e tem 40 divisões. A leitura da medida será 0.25” ). Indicação do passo de 0.025” (1” : 40 = 0.025”. aparecendo o primeiro traço na escala do cilindro. cada divisão vale 0.025”). Esses valor é o passo do parafuso micrométrico.025” 50 SENAI .Metrologia Leitura no sistema inglês O micrômetro com graduações no sistema inglês permite a tomada de medidas em polegadas e frações decimais. ocorre um deslocamento do parafuso micrométrico igual ao seu passo (0.025” Estando o micrômetro fechado e abrindo-se uma volta completa no tambor rotativo. Indicação da medida 0.

050” Indicação da medida de 0. conclui-se que cada divisão eqüivale a 0. a leitura será 0. e assim sucessivamente Indicação da medida 0.075”.001” 0.025" = 0. Tendo o tambor 25 divisões.001” 25 SENAI 51 .025”.Metrologia Abrindo-se duas voltas completas.050” Abrindo-se três voltas completas.075” Sabe-se que uma volta no tambor eqüivale a 0. a leitura será 0.

002” Indicação da media 0. a leitura será 0. quando coincidir o primeiro traço do tambor com a linha de referência do cilindro. a leitura será 0.Metrologia Assim.001” Indicação da medida 0.001” Coincidindo o segundo traço com a linha de referência do cilindro.002” 52 SENAI .

018” Leitura do micrômetro A leitura do micrômetro é obtida adicionando-se o valor encontrado no cilindro com o valor indicado no tambor. Indicação da medida 0. respectivamente.594”.843” e 0. a leitura será 0. e assim sucessivamente. 0.018’’.Metrologia Coincidindo o décimo oitavo traço com a linha de referência do cilindro. Indicação da medida 0. Nas duas próximas figuras pode-se ler.843” SENAI 53 .

594” Leitura + 0. SENAI . • 54 observar.025” Leitura do cilindro 0. se o zero da bainha coincide com o zero do tambor. deve-se aferir cada instrumento de acordo com o seu tipo.843” Indicação da medida 0. Micrômetros de 0 a 1” • Limpar os contatos e fechar o micrômetro com a catraca até sentir o seu funcionamento.500” 0. então.Metrologia Leitura + 0.075” Leitura do cilindro 0.019” Leitura do tambor 0.594” Aferição do micrômetro Antes de iniciar a medição de uma peça.800” 0.018” Leitura do tambor 0.

Evitar. Por isso. pois. destravado e com os contatos ligeiramente afastados. contatos e quedas que possam riscar o danificar o aparelho e suas escalas. Aferição de micrômetro com barra-padrão Se não houver concordância perfeita do micrômetro com a barra-padrão. secando-o com uma flanela. Dependendo do modelo do micrômetro. SENAI 55 . untá-lo com vaselina líquida. de 2” a 3”. etc. limpá-lo. faz-se a regulagem com o auxílio de uma chave especial. também.Metrologia Micrômetros de 1” a 2”. Não se deve. essa chave permite o deslocamento da bainha ou do tambor. enfim. medir peças fora da temperatura ambiente ou em movimento e forçar o micrômetro. com um pincel. Para aferir esse tipo de micrômetro utiliza-se a barra-padrão. é preciso guardálo em armário ou em estojo apropriado. Conservação e recomendações O micrômetro não deve ficar exposto à sujeira e à umidade. Recomenda-se.

Med. Med. Med. Calço de cor rosa Ord. Med. A Ord. Unid. A Unid. Calço no 2 Unid.Metrologia Calço de regulagem da geometria do sistema de direção Calço no 1 Ord. A ∅ = Diâmetro 56 Calço de cor alumínio SENAI Med. . A Ord. Unid. Med. Med. Med. Med. Unid. A Ord. Calço no 3 Unid. A Calço de ajustagem da caixa de direção Calço de cor Amarela Ord. Med. Med. Med.

isto é. Med. Med. SENAI 57 . Micrômetros para medições internas Há dois tipos de micrômetro para medições internas: o micrômetro tubular e o micrômetro imicro. Micrômetro tubular Seu princípio de funcionamento é o mesmo aplicado a qualquer micrômetro. Micrômetro tubular ou medidor de diâmetro interno É um instrumento de precisão para tomar medidas de diâmetro interno. Ord. ØA ØF A ØB ØG ØB ØC ØH ØC ØD ØI ØD ØE ØJ Med. Em mecânica de automóvel. Unid. Unid. Med. Unid. de válvulas Med. ele é utilizado nas verificações de diâmetros de cilindros e de mancais. Ord. parafuso e porca. Med.Metrologia Árvore de comando Árvore de manivelas Ord.

esse micrômetro também tem aplicação como calibre de altura.Metrologia Esse tipo de micrômetro possui contatores intercambiáveis que permitem medir grande variedade de diâmetros. Contatores intercambiáveis do micrômetro tubular O micrômetro tubular é encontrado no comércio nos sistemas métrico e inglês. 58 SENAI . Medição de diâmetro Aplicação como calibre de altura Imicro O imicro é o micrômetro que se caracteriza por ter três contatos fixos. Além da medição de diâmetro interno. como se observa nas ilustrações seguintes. equidistantes 120º entre si.

50 + 0. Vista frontal do imicro Vista lateral do imicro Para calcular a aproximação do imicro. Logo. no sentido contrário ao do micrômetro externo.740mm.240mm).Metrologia Sua leitura é feita na escala do próprio cilindro graduado. SENAI 59 . basta dividir o passo do parafuso micrométrico pelo número de divisões do tambor.005mm número de divisões do tambor 100 Observação: Na figura acima. a medida indicada no imicro é 36.5 = = 0. no tambor.005 = 0.50mm. aproximação = passo do pafafuso micrométrico 0. 0 48o traço coincide com a referência (48 x 0.240 = 36. a divisão encoberta na bainha é 36.

Ord.Metrologia Micrômetro para medições internas . A A B B C C Med. 60 Med. Pistão Unid. Unid. Med.Exercício Cilindro Ord. Med. SENAI .

H SENAI 61 . Med.Metrologia Conjunto êmbolo e cilindro Ord. Med. Unid.

Metrologia 62 SENAI .

Serve para comparar ou medir folgas. utilizado em medições lineares. desgastes e empenos em componentes ou conjuntos mecânicos.Metrologia Relógio comparador O relógio comparador é um instrumento de precisão. Relógio comparador SENAI 63 .

O relógio comparador tem o zero ajustável através de um aro. Uma mola espiral mantém os dentes das engrenagens em contato e controla o retorno dos ponteiros para a posição do repouso. que é um anel móvel que envolve o mostrador e sustenta sua tampa de proteção de vidro ou acrílico. As engrenagens transmitem o movimento da haste de medição para os ponteiros. sempre. Esses ponteiros têm por finalidade: • Registrar as variações mais sensíveis da posição do apalpador (ponteiro maior). sob a ação de uma mola que provoca seu retorno para a posição de repouso. Esta serve de base para fixação do relógio a um suporte. o que é feito pelo ponteiro menor.Metrologia Constituição Basicamente. O mecanismo do relógio comparador é composto de engrenagens e mola espiral. 1 Carcaça 2 Haste de medição 3 Mecanismo 4 Ponteiros 5 Mostrador graduado 6 Aro 7 Ponta de contato apalpador Constituição do relógio comparador Os componentes do mecanismo do relógio estão alojados na carcaça. Um apalpador é rosqueado em sua extremidade estando. 64 SENAI . no ato da medição. o relógio comparador é constituído dos elementos descritos na ilustração abaixo. • indicar o número de voltas do ponteiro maior. A haste de medição é cilíndrica e provida de cremalheira. Sua função é transmitir movimento para as engrenagens do mecanismo.

Na periferia. aciona os ponteiros. no contorno do mostrador. O mecanismo. ou seja. No mostrador encontram-se também as indicações relativas ao sistema de medida (métrico ou inglês). por sua vez. que se deslocam em suas referidas escalas. Os dois ponteiros do mostrador apresentam o deslocamento do apalpador. sensibilidade e amplitude. O deslocamento do ponteiro menor é indicado em um círculo pequeno no interior do mostrador. SENAI 65 . O apalpador é endurecido por tratamento especial para ter maior durabilidade e sua forma e tamanho variam de acordo com o tipo de medição a que ele se destina. Apalpadores usados no relógio comparador Funcionamento Um deslocamento da haste de medição faz com que o mecanismo seja acionado. estão as divisões que registram o deslocamento do ponteiro grande. que é uma ponta rosqueada na extremidade da haste de medição e que mantém contato com a superfície a ser comparada (ou medida).Metrologia O mostrador está localizado na frente da carcaça do relógio comparador.

corresponde a um deslocamento do ponteiro maior no sentido horário (variações positivas). em virtude da ação da mola de retorno da haste. o ponteiro maior se movimenta no sentido anti-horário (variações negativas).Metrologia Quando o sentido do deslocamento da haste é de fora para dentro. Variação positiva Quando o sentido do deslocamento é de dentro para fora. 66 SENAI .

Metrologia Acessórios Os acessórios do relógio comparador são os suportes e as tampas traseiras. Os suportes para relógio comparador são utilizados para fixar o relógio comparador na posição de medição. Essa posição é conseguida colocando-se a haste de medição do relógio perpendicular à superfície a ser medida ou comparada. ilustrados a seguir. Os suportes utilizados na mecânica de automóvel são o suporte de base magnética e o suporte de fixação mecânica. Suporte de base magnética Suporte de fixação mecânica SENAI 67 .

Metrologia As tampas traseiras são utilizadas para fixar o relógio comparador no suporte. no máximo. A sensibilidade é a menor medida que pode ser indicada pelo aparelho e corresponde ao menor deslocamento do ponteiro maior na escala graduada do mostrador. sensibilidade e sistema de medida. como se observa na fotografia abaixo Relógio comparador A amplitude é a máxima medida. que pode ser indicada pelo instrumento. deve-se comparar medidas que correspondem. gravadas n mostrador do instrumento: amplitude. No uso do relógio comparador. Dessa forma será possível avaliar suas variações positivas ou negativas. positiva. 68 SENAI . à metade da amplitude. Tampas traseiras para relógio comparador Utilização do relógio comparador O relógio comparador é identificado pelas seguintes características.

Essa carga inicial ou carga de medição tem por finalidade permitir que o deslocamento do ponteiro maior se faça nos dois sentidos: horário (variações positivas) e anti-horário (variações negativas). No exemplo ilustrado a seguir. o valor dessa carga é 5mm. Representação da carga de medição SENAI 69 . Representação das variações positivas e negativas devidas à carga de medição O valor de carga de medição é indicado pela coincidência do ponteiro menor com um traço de sua escala. No início das medições deve-se impor uma carga á haste de medição.Metrologia Os relógios comparadores são construídos de acordo com os sistemas de medida utilizados industrialmente.

03mm. 70 SENAI .03mm A coincidência do ponteiro maior ocorre com o 55o traço e indica 0. Representação de deslocamento de 0. Representação de deslocamento de 0.55mm.Metrologia A coincidência do ponteiro maior com o terceiro traço de sai escala indica 0.55mm e assim sucessivamente.

a carga de medição era de 5. No exemplo ilustrado abaixo. houve um deslocamento de dois intervalos (2.00mm Leitura A leitura do instrumento é feita contando-se o número de intervalos ultrapassados pelo ponteiro menor em sua escala mais o número de divisões registradas pelo ponteiro maior. portanto.57mm 2.00mm (cem centésimos). é de 2.Metrologia Quando o ponteiro maior atinge o 100o traço significa que houve uma variação de 1.00mm. Nessa posição. A medida total.00mm) do ponteiro menor em sua escala mais a coincidência do ponteiro maior com o 57o traço de sua escala (0.57mm).57mm Representação de deslocamento de 2.57mm SENAI 71 . 2.57mm. Representação de deslocamento de 1.00mm + 0. o ponteiro menor terá percorrido um intervalo (distância entre dois traços) da sua escala. que corresponde a uma volta completa em sua escala.

Exercício 72 SENAI .Metrologia Relógio comparador (milímetros) .

Metrologia Observações: 1) O início da seta no mostrador pequeno mostra a carga inicial ou de medição 2) Deve ser registrado se a variação é negativa ou positiva. Empeno do disco de freio Empeno Folga do rolamento da manga de eixo Unidade Folga SENAI Unidade 73 .

Metrologia Selecione o gabarito especificado. Afira o relógio na medida do Verifique o cilindro gabarito Essa verificação é feita segundo o esquema da figura acima 74 SENAI .

cada divisão da escala vale 0.002” SENAI 75 .Metrologia 1a medida Posição da Medida medida 2a medida Unid. Relógio comparador com escala em polegadas A coincidência o ponteiro maior com o 2o traço indica 0.002” Indicação da medida 0. Relógio comparador com escala no sistema inglês No relógio comparador com escala no sistema inglês (polegadas).001”. Posição Medida da medida A A A B B B Unid. Posição Medida da Medida 3a medida Unid.

067” 76 SENAI .003” Quando a coincidência do ponteiro maior ocorrer com o 67o traço. Indicação da medida 0. significa que a leitura será 0.067”.Metrologia A coincidência do ponteiro com o 3o traço indica 0.003” Indicação da medida 0. e assim sucessivamente.

houve um deslocamento de três intervalos (0. portanto. a carga de medição era de 0. Indicação de medida 0.366”.066”).300”) do ponteiro menor em sua escala.100.366” SENAI 77 . é de 0. representa 0.100” A leitura do instrumento é feita contando-se o número de intervalos ultrapassados pelo ponteiro menor em sua escala mais o número de divisões registradas pelo ponteiro maior.500”. A medida. No exemplo ilustrado abaixo. Nessa posição. mais a coincidência do ponteiro maior com o 66o traço de sua escala (0. o ponteiro menor terá percorrido um intervalo (distância entre dois traços) em sua escala. que corresponde a uma volta completa em sua escala.Metrologia Quando o ponteiro maior atinge o 100o traço. Indicação da medida 0.

• A superfície por medir tem que estar limpa pois. verificar o aperto de todos os parafusos do suporte.Metrologia Condições de uso • O relógio comparador tem que ser utilizado em comparações que tenham. bem como movimentos bruscos durante a sua utilização. sempre. • A aferição do relógio é feita no início da comparação. • Por ser de construção delicada. ser limpo após o uso e guardado em seu próprio estojo. • Antes de ter início a comparação. evitar a utilização do instrumento além de sua amplitude. • Ao montá-lo no suporte. Conservação • Evitar que o relógio comparador sofra choques. girando-se o aro do mostrador até que o zero da escala periférica coincida com o ponteiro maior • O posicionamento correto do instrumento implica maior confiança na medida. deve-se dar uma carga inicial ou de medição na ponta de contato para garantir o deslocamento do ponteiro nos dois sentidos: horário e anti-horário. 78 SENAI . no máximo. trará resultado duvidoso. em caso contrário. • O relógio comparador deve. a metade de sua amplitude.

Metrologia Leitura de relógio comparador (polegadas) . 2) Deve ser registrado se a variação é negativa ou positiva. SENAI 79 .Exercício Observações: 1) O início da seta no mostrador pequeno mostra a carga inicial ou de medição.

. Posição da medida Medida A A A B B B SENAI Unid. Posição da medida Medida 3a medida Unid.Metrologia Selecione o gabarito especificado. Afira o relógio na medida do Verifique o cilindro gabarito Essa verificação é feita segundo o esquema da figura acima 1a medida Posição da Medida 80 Medida 2a medida Unid.

em polegadas. Destina-se a medir as folgas existentes nos diversos mecanismos e peças. em milímetros. Verificador de folgas O verificador de folga cilíndrica é constituído de hastes com formato cilíndrico. Verificador de folga cilíndrica As medidas das lâminas e hastes podem estar graduadas no sistema métrico.Metrologia Verificador de folgas É um instrumento de medição muito usado na oficina de reparação de automóveis. dispostas geralmente em forma de canivete. dispostas em forma de canivete. em várias medidas. O verificador de folgas de lâminas consiste em um agrupamento de lâminas de várias espessuras. SENAI 81 . ou no sistema inglês.

Verificação de folga axial de engrenagens Verificação de folga axial de Verificação de folga entre êmbolo e engrenagem cilindro de freio 82 SENAI .Metrologia Os verificadores variam de acordo com a finalidade a que se destinam. Existem jogos de lâminas de maior comprimento e que são utilizados conjuntamente com um dinamômetro. Dinamômetro com verificador de folgas Emprego Os casos mais comuns de uso de verificadores de lâminas estão representados nas ilustrações seguintes. como se observa na ilustração abaixo.

O verificador deve ser guardado em lugar limpo e isento de umidade. Verificação de folga de eletrodo Condições de uso O verificador deve ser selecionado de acordo com a necessidade de trabalho. Conservação Após sua utilização. seu uso é indicado no ajuste dos eletrodos das velas de ignição. A medição não deve ser feita em mecanismos em funcionamento.Metrologia O verificador de haste cilíndrica presta-se mais para a medição de passagens calibradas e superfícies que não permitem verificação correta com o uso de lâminas. No automóvel. para não provocar deformações nas lâminas. SENAI 83 . A lâmina ou a haste cilíndrica não deve entrar com pressão excessiva na folga por medir. o verificador deve ser limpo e protegido contra a oxidação.

Vela no 1 Medida da Folga 84 Unid. Vela no 5 Medida da Folga Unid. . Cilindro de roda no 2 Folga Unid. Vela no 4 Medida da Folga Unid.Metrologia Verificação de folgas com verificador de lâminas .Exercício Cilindro de roda no 1 Folga Unid. da da Folga Folga Unid. SENAI Cilindro de roda no 4 Folga Unid. Cilindro de roda no 5 Folga Unid. Vela no 3 Medida Medida Unid. Vela no 2 Cilindro de roda no 3 Folga Unid.

Metrologia Goniômetro O goniômetro é um instrumento usado para medir ou verificar ângulos. Goniômetro simples SENAI 85 . Para usos comuns. o instrumento indicado é o goniômetro simples ou transferidor de grau. em casos de medidas angulares que não exigem extremo rigor.

Exemplos de medições com goniômetros 86 SENAI . apresentando quatro graduações de 0o a 90o . o disco graduado e o esquadro formam uma só peça. mostrando várias posições da lâmina.Metrologia O desenho abaixo é de um goniômetro de precisão. Goniômetro de precisão As ilustrações seguintes dão exemplos de diferentes medições de ângulos de peças ou ferramentas. há um ressalto adaptável à régua. O articulador gira com o disco do nônio ou verniê e. em sua extremidade.

Metrologia Divisão angular no sistema sexagesimal Na figura abaixo observa-se a divisão do disco graduado do goniômetro. cada divisão vale 1º (um grau). onde cada ângulo reto apresenta 90 divisões. Leitura da esquerda para a direita Leitura da direita para a esquerda SENAI 87 . O sentido da leitura tanto pode ser da esquerda para a direita quanto da direita para a esquerda. Portanto. Disco graduado do goniômetro Leitura do goniômetro Os graus inteiros são lidos na graduação do disco com o traço zero do nônio.

Metrologia Nos goniômetros de precisão. cada divisão do nônio é menor 5’ do que duas divisões do disco graduado. 88 SENAI . o nônio tem 12 divisões para a direita e para a esquerda do seu ponto zero. se for para a esquerda. Se o sentido da leitura for para a direita. usa-se o nônio da direita. Disco graduado e nônio do goniômetro Cálculo da aproximação do goniômetro a= e n a = aproximação e = menor valor do disco graduado = 1º n = número de divisões do nônio = 12 divisões a= 1º 60' = = 5’ 12 12 Portanto. usa-se o nônio da esquerda.

pode-se fazer a leitura de qualquer medida. o segundo traço. a leitura será 0º45’. a leitura será 0º5’. Indicação da medida 0º45’ Indicação da medida 0º10’ Indicação da medida 0º45’ Conhecendo-se o disco graduado e o nônio do goniômetro. Indicação da leitura 29º35’ SENAI 89 . a leitura será 0º 10’.Metrologia Se coincidir o primeiro traço do nônio. o nono traço.

Exercício 1 2 1 2 3 4 3 4 5 6 5 6 7 8 7 8 9 10 9 10 90 SENAI .Metrologia Goniômetro .

Metrologia Ângulo da sede SENAI 91 .

Metrologia 92 SENAI .

827 .794 17/32 .3125 7.762 11/16 .478 1/8 .734375 18.556 23/32 .606 31/64 .78125 19.050 17/64 .175 5/8 .578125 14.415 7/16 .6875 17.40625 10.8125 20.09375 2.747 49/64 .065 3/16 .891 1/16 .159 45/64 .447 9/32 .21875 5.84375 21.462 13/64 .018 27/64 .778 39/64 .953125 24.046875 1.128 55/64 859375 21.969 21/32 .669 11/64 .546875 13.097 1/32 .71875 18.621 13/32 .366 43/64 .203125 5.875 9/64 .59375 15.034 11/32 .5 12.03125 0.421875 10.90625 23.272 5/32 .703125 17.812 29/64 .430 23/64 .700 1 1/4 3/8 1/2 SENAI 1.96875 24.937 13/16 .637 21/64 .225 25/64 .653 .843 19/64 .859 7/32 .240 5/16 .921875 23.494 3/64 .1875 4.209 15/32 .081 7/64 .Metrologia Tabela múltipla de conversão Polegadas Decimais de Milímetros Polegadas polegadas Decimais de Milímetros Polegadas 1/64 .75 19.328125 8.28125 7.359375 9.828125 21.0625 1.003 .640625 16.588 9/16 .922 57/64 . 25.25 6.287 5/64 .171875 4.303 63/64 .985 37/64 .400 93 .906 31/32 .984375 25.375 9.796875 20.350 3/4 .510 61/64 .515625 13.671875 17.890625 22.484375 12.525 7/8 .453125 11.625 15.015625 0.65625 16.953 47/64 .15625 3.234375 5.296875 7.390625 9.731 27/32 .144 25/32 .5625 14.078125 1.684 3/32 .572 41/64 .256 15/64 .334 53/64 .716 59/64 .541 51/64 .875 22.609375 15.191 35/64 .140625 3.9375 23.319 29/32 .34375 8.113 15/16 .765625 19.46875 11.265625 6.4375 11.397 33/64 .125 3.53125 13.109375 2.381 19/32 .

Metrologia SENAI 94 .

11298 1.) quilograma força.centímetro (kgf.896 98.278 4.13826 9.3048 0.9144 1.) newton.387 0.cm) 0.45 0.01639 3.448 libra.35 2 SENAI 2 0.pol ) 2 2 libra/polegada (lb/pol ) 2 2 quilograma/centímetro (kg/pol ) 2 2 libra/polegada (lb/pol ) 2 2 quilograma/centímetro (kg/cm ) TORQUE newton.cm) newton.pé) quilograma força.m) newton.pé (lb.m.4 0.981 95 .metro (N.8361 3 16387.) por 25.609 2 645.807 0.m.4536 28.metro (N.metro (N.pol) libra.m) quilograma força.centímetro (kgf.098 0.1 0.746 0.m.Metrologia Tabela de conversões para obter multiplicar COMPRIMENTO milímetro metro metro quilômetro polegada pé jarda milha ÁREA 2 milímetro 2 centímetro 2 metro 2 metro polegada 2 polegada 2 pé 2 jarda VOLUME 3 milímetro 3 centímetro litro litro 3 metro polegada 3 polegada 3 polegada galão 3 pé MASSA quilograma gramas libra (lb) onça (oz) FORÇA newton (N) newton (N) newton (N) quilograma força (kgf) onça (oz) libra (lb) 9.polegada (Ib.m) quilograma força.2 6.pé) libra.069 0.polegada (Ib.7854 0.0 16.736 PRESSÃO 2 quilograma/centímetro quilopascal (Kpa) quilopascal (Kpa) bar (bar) bar (bar) libra/polegada (lb.pol) libra.02832 0.3558 0.pé (lb.0703 6.152 1.0929 0.metro (kgf.metro (kgf.metro (N.806 POTÊNCIA quilowatt (kw) quilowatt (kw) hp cv 0.

Metrologia SENAI 96 .

Departamento Regional de São Paulo Controlador de medidas. Controle de medidas. 1988 SENAI 97 . São Paulo. Por Benjamin Prizendt. 1984 SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. 1988 ________. Por Benjamin Prizendt São Paulo.Metrologia Referências bibliográficas SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL Departamento Nacional Mecânico de automóveis: metrologia Rio de Janeiro.

Metrologia 98 SENAI .

.

437-6 Mecânico de automóvel III Arrefecimento Alimentação Eletricidade do motor 46.12.439-5 Mecânico de automóvel IV Lubrificação Motor .14.25.25.435-7 Mecânico de automóvel II Freios Transmissão 46.11.Aprendizagem industrial Mecânico de automóvel 46.25.25.13.433-8 Mecânico de automóvel I Ferramentas Metrologia Ajustagem mecânica Suspensão e direção 46.