1) O QUE É UM ARQUIVO?

É a unidade básica de armazenamento de informação em um dispositivo
não-volátil, pois para eles não há forma mais simples de armazenamento
persistente de dados. Um arquivo é basicamente um conjunto de dados
armazenados em um dispositivo físico não-volátil, com um nome ou outra
referência que permita sua localização posterior. Um arquivo é identificado
por um nome, composto por uma seqüência de caracteres, para o SO não
importa o que é o arquivo e sim sua extensão.
2) COMO ARQUIVOS PODEM SER ORGANIZADOS?
A forma mais simples de organização de arquivos é através de uma
seqüência não- estruturada de bytes. Neste tipo de organização, o sistema
de arquivos não impõe nenhuma estrutura lógica para os dados. Alguns
sistemas operacionais possuem diferentes organizações de arquivos. Neste
caso, cada arquivo criado deve seguir um modelo suportado pelo sistema de
arquivos. As organizações mais conhecidas e implementadas são a
seqüencial, relativa e indexada.
3) DIFERENCIE OS METODOS DE ACESSO A REGISTROS SEQUENCIAL,
DIRETO E INDEXADO.
Acesso seqüencial: O SO precisa identificar o inicio e o final do arquivo, o
acesso era restrito à leitura na ordem em que eram gravados, sendo a
gravação de arquivos possível apenas no final do arquivo.
Acesso direto: permite a leitura/gravação de um registro diretamente na sua
posição. Diferente da forma seqüencial, não existe restrição aordem em que
os registros são lidos ou gravados.
Acesso indexado ou por chave: o arquivo deve possuir uma área de índice
onde existam ponteiros para os diversos registros e a partir desta
informação realiza-se um acesso direto.
4) QUAL A FUNÇAO DAS SYSTEM CALLS DE E/S?
O system Calls sendo responsável pela chamada de rotina do programa com
o núcleo. Para cada serviço disponível existe um system call associada e
cada sistema operacional tem seu próprio conjunto de chamadas, com
nomes, parâmetros e formas de ativação específica.

5) QUAIS AS DIFERENTES FORMAS DE IMPLEMENTAÇÃO DE UMA ESTRUTURA
DE DIRETÓRIO?
seqüência não- estruturada: A implementação mais simples, existe apenas
um único diretório contendo todos os arquivos do disco. É bastante limitado
já que não permite que usuários criem arquivos com o mesmo nome o que
ocasionaria um conflito no acesso aos arquivos. Alguns sistemas
operacionais possuem diferentes organizações de arquivos. Neste caso,
cada arquivo criado deve seguir um modelo suportado pelo sistema de
arquivos. As organizações mais conhecidas e implementadas são a
seqüencial, relativa e indexada (fig. 1b). Nestes tipos de organização,
podemos visualizar um arquivo como um conjunto de registros. Os registros

permissões. Neste tipo. os principais atributos do mesmo. quando possuírem sempre o mesmo tamanho. outras são mais difícil a implementação. Alocação indexada. porem abrem outro. ou registros de tamanho variável. o sistema localiza um arquivo através do endereço do primeiro bloco e da sua extensão em blocos. ou seja. mantida em uma área reservada do disco. Cria se uma tabela. 9) QUAIS OS TIPOS DE PROTEÇÃO DE ACESSO A ARQUIVOS EXISTENTES E QUAIS SUAS PRINCIPAIS VANTAGENS? . porem. Nela. sempre que precisar de memória terá espaço livre. um campo indicando o número do próximo bloco do arquivo no disco. em conseqüência geram a fragmentação externa. assim dando quantos blocos a frente dele estão livre. cada bloco do arquivo no disco contém dados do arquivo e também um ponteiro para o próximo bloco. 7) O QUE É ALOCAÇÃO CONTIGUA DE BLOCOS E QUAIS BENEFÍCIOS A DESFRAGMENTAÇÃO PODE PROPORCIONAR QUANDO ESTA TÉCNICAS É UTILIZADA? Consiste em armazenar um arquivo em blocos seqüencialmente dispostos. Tendo um disco organizado.podem ser classificados em registros de tamanho fixo. Cada entrada desse índice corresponde a um bloco do arquivo e aponta para a posição desse bloco no disco. e permite que arquivos sejam criados sem a necessidade de definir seu tamanho final. Esta estratégia elimina a fragmentação externa. separada dos blocos de dados dos arquivos. está forma de alocação foi proposta para contornar a pouca flexibilidade da alocação contígua e eliminar a fragmentação externa. Os i-nodes de todos os arquivos são agrupados em uma tabela de i-nodes. algumas resolvem a fragmentação interna. etc. não sendo mais necessário manter os blocos do arquivo lado a lado no disco. datas de acesso. 8) DESCREVE AS VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS TÉCNICAS DE ALOCAÇÃO ENCADEADA E INDEXADA NA GERÊNCIA DE ALOCAÇÃO DE ESPAÇO EM DISCO. localiza o primeiro bloco livre. Uma boa gerencia também impede a fragmentaçãodo seu disco. além de seu índice de blocos. O índice de blocos de cada arquivo é mantido no disco em uma estrutura denominada nó de índice (index node) ou simplesmente nó-i (i-node). Desta forma é construída uma lista encadeada de blocos para cada arquivo. O i-node de cada arquivo contém. pois todos os blocos livres do disco são utilizáveis sem restrições. 6) DESCREVE AS VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS TÉCNICAS PARA GERENCIA DE ESPAÇOS LIVRES. tendo espaço livres porem sem serventia para o SO. Alocação encadeada. muitas delas resolvem um problema. como tamanho. A desvantagem varia de acordo com a técnica usada. estrutura em lista encadeada daestratégia anterior é substituída por um vetor contendo um índice de blocos do arquivo.

a vantagem da proteção por grupos de usuários é oferecer uma proteção em três níveis: owner (dono). 10) O QUE É A TÉCNICA DENOMINADA BUFFER CACHE? Buffer cache minimiza os acessos a disco mantendo em memória aqueles blocos mais recentemente utilizados. conseqüentemente. group (grupo) e all (todos). ter a liberação do acesso ao arquivo concedida pelo sistema. o SO verifica no buffer. proteção por grupos de usuários e lista de controle de acesso. pois o controle resume-se ao usuário ter conhecimento da senha e.Senha de acesso. assim se quando puxado uma operação. se for positivo evita com que faça nova leitura no disco. Lista de controle de acesso tem a vantagem de especificar individualmente para cada arquivo qual usuário e tipo de acesso é concedido. Proteção em grupo. . A vantagem da associação de uma senha de acesso a um arquivo é a simplicidade.