Olhos Fechados, Mente Aberta

A aprovação da Hipnose pelo conselho Federal de Medicina e a sua inclusão no
currículo médico representam um avanço considerável para o tratamento de
diversos males clínicos e psicológicos.
Texto: Lis Carrilo

A sessão foi marcada para às 14 horas, uma quarta-feira de junho, num dia frio, comum em São
Paulo nesta época do ano. As escadas dão acesso à várias salas, entre elas, uma cujas paredes
estão pintadas num tom suave de salmão. Poucos móveis, poltronas confortáveis, boa iluminação. O
ambiente carrega uma energia indefinida, que talvez possa ser reduzida na palavra harmonia. O
paciente senta e sente-se confortável; a voz que escuta tem um timbre muito doce e suave. Tão logo
ele entra em sintonia com este clima, cai num estado espontâneo de relaxamento. O diálogo é
contínuo, e os problemas que o atormentam são detalhados, relatados e analisados imediatamente.
A voz que escuta apenas o conduz às suas respostas.
Revivida em detalhes, essa cena pode ser semelhante a um sonho – tem tudo a ver, pois a palavra
grega Hipnose é originária do deus do sono, Hypnos. Mas a situação descrita, abstrata a principio,
ilustra na verdade o começo da soluação para problemas das mais variadas causas. Ainda mais
agora que a Hipnose foi aprovada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) e passa a fazer parte
do currículo médico. Para o presidente da Sociedade Médica de São Paulo, doutor Joel Priori Maia,
a Hipnose ganhou mais credibilidade junto à população, agora, “e poderá ser utilizada por diversos
profissionais, revolucionando a saúde pública”.
Segundo o psiquiatra, entre outros benefícios, a Hipnose poderá ser usada no tratamento de
problemas clínicos ou psicológicos, processos que denomina de Hipniatria (médico), Hipnoterapia
(psicólogo) e Hipnodontia (dentistas). A Hipniatria ajuda a combater desde dores no parto, passando
por problemas dermatológicos, até doenças psicossomáticas. A Hipnoterapia elimina fobias e medos
em geral, os vícios do cigarro e do álcool, e a baixo estima; além de se constituir num tratamento
eficaz para crianças hiperativas. Nos casos da Hipnodontia, estão relatados tratamento de canal,
sem o uso de anestesia e sem sangramento.
Estado de Transe
Através dos tempos, existem inúmeras explicações e citações sobre esse tema, entre elas, textos
com mais de 4500 anos. Eles relatam como os sacerdotes da mesopotânia usavam o transe para
fazer diagnósticos, sempre com o objetivo de sanar problemas e doenças. Ou seja, desde o
princípio, havia uma associação da Hipnose com a busca constante pela cura. Mas o que vem a ser
Hipnose? Um estado de profundo e total relaxamento; estado mental semelhante ao sono,
provocado artificialmente, no qual o indivíduo continua capaz de obedecer às sugestões feitas pelo
hipnotizador; um estado de sonolência, abrangendo qualquer procedimento causado pela sugestão
de um hipnoterapeuta.
Poderiam ser também as mudanças no estado físico e mental, que produzem alterações
perceptivas, comportamentais, sentimentais, do pensamento e da memória. Um estado de transe,
que segundo o hipnoterapeuta Bayard V. Galvão, não vem a ser aquele denominado por crenças
religiosas. “Não tem nada a ver com espírito. São as memórias do indivíduo, o transe é um estado
altamente focado de atenção.” E acrescenta: “Só entra em transe quem focar num ponto que lhe é
agradável. O que não fizer parte do seu foco não existe.” Esse transe poderá ser induzido pelo
próprio sujeito de forma consciênte ou não (um devaneio), por algo exterior a ele ( num filme), ou por
ambos (como um contexto psicoterapêutico). E Galvão esclarece: “O que acontece num transe é
que as noções do interno e externo do indivíduo podem perder uma referencia em maior ou menor
escala, vivendo-se a realidade apontada pelo transe naquele momento.”
Num situação de transe, as palavras ganham um maior impacto ao serem ditas. Uma das funções

poderá fazê-lo abrindo os olhos. dependência ou agressão ao paciente. segundo Galvão. A vontade do paciente não enfraquecerá ou mudará. às vezes. à fase final. um filme. dirigir um automóvel rumo ao trabalho. e ouvirá tudo o que o hipnoterapeuta estiver dizendo. Auto-Controle Sem contra-indicação. Neste período. tudo sob controle. acorre a rememoração. são indícios de que você já vivenciou um hipnose”. por sua vez. a Hipnose é um tratamento definido como um estado alterado de consciência. Conclui Galvão. efeitos colateral. ligada. a fala não acontece por imposição do hipnoterapeuta. Numa Segunda fase. mas sem perder a consciência. imediata. que se resume na reestruturação da mente. passando por placas ou ruas sem tomar consciência.de um transe. ficar absorto no que estava fazendo. com custos e prazos menores que os exigidos por outras técnicas terapêuticas”. explica o psicólogo. E. e entregar-se. Um a criança jogando videogame diante da TV não atende aos chamados da voz da mãe para tomar banho ou comer. A programação destes fatos será a terceira fase. O paciente fica ciente de tudo o que está acontecendo em cada momento. “Um tratamento elaborado pela Hipnose proporciona melhoras gradativas e. será trabalhada a mente para novos caminhos de pensamentos. traumas. Na verdade. Nada é feito contra a vontade do paciente. medos ou qualquer outro tipo de problema. Fonte: Revista Kalunga . pois de uma certa maneira “todos já experimentaram uma forma de Hipnose em alguns momentos da vida”. é vivenciar aquilo que é falado. “Breves momentos de inconsciência. e para eliminar todas as culpas. de alguma forma estará. pois ele é quem mantém seu próprio controle. quando o paciente entra em contato com fatos que possam ter causado traumas ou que se estão refletindo em sua vida atual. uma música. caso o paciente deseje por qualquer motivo sair do estado de transe. O paciente começa a falar e a revelar informações por livre e espontânea vontade.