Torres  de  Carga  

em  Sistemas  de  
Esgotamento  
 Suely  Matsuguma  
 MS  Unidade  de  Negócio  SUL  -­‐  UGR  Billings  

SUMÁRIO  

•  Programa  Pró-­‐Billings;  
•  Projeto  ExecuEvo;  
•  A  Idéia  das  Torres:  planejamento,  benchmarking,  PDCA;  
•  O  Produto:  caracterísEcas,  viabilidade;  
•  Conclusões;  
•  Dúvidas,  contribuições,  sugestões  ...  

MAPA  MENTAL  

 

 

 
•  Projeto Executivo;
•  Buscar soluções
inovadoras com boa
técnica, atendendo
requisitos

• 
• 
• 
• 
• 
• 

 

 

 
 

Sabesp;
JICA;
UGP;
Engenharia;
Projetista;
Comprometimento.

Stakeholders  
 

 

 
 

ObjeEvos  

 

Agenda  
 

 
 
 

Premissas  

• 
• 
• 
• 
• 

•  Disposição
para a
inovação e
mudança de
paradigma

Planejamento;
Indicadores;
Análise Crítica;
EPM/ MSProject;
Simulação.

 
 

 
 

Acompanha
mento  

 

 
 

Meio  
Ambiente  
 

 
 
 

Ações  

•  Cronograma;
•  Reuniões
Periódicas/
Análise Crítica;
•  Reuniões com
Engenharia/
Operação;
•  Brainstorming.
•  Preservação;
•  Licenciamento;
•  Minimizar
Riscos;
•  Educação
Ambiental;
•  Sociedade

•  Buscar subsídios
nos instrumentos
de Planejamento;
•  Pesquisar
necessidade
operacionais;
•  Avaliar idéias;
•  Benchmarking;
•  Elaborar Projeto.

São  Bernardo  do  Campo   .

São  Bernardo  do  Campo   .

São  Bernardo  do  Campo   .

795   Ligações  de  Água 161.  Signos  Net.600  Km   Extensão  de  Rede  de   Esgoto 1.Atendimento  Sabesp  em  São  Bernardo  do  Campo   São  Bernardo  do  Campo   População 770.  Seade  2010  e  Rel  Gestão  set/2011.676   Ligações  de  Esgoto 140.478   Extensão  de  Rede  de   Água 1.   .021  Km   Fonte:  CSI  setembro/11.

Represa  BILLINGS     .

    Maior  crescimento  populacional.     Consumo  médio  per  capita  menor.   Ocupação  das  áreas  de  mananciais.     Dificuldades  na  instalação  de  redes  de  água              e  de  esgotos.     Consumo  de  água  per  capita  elevado.     Renda  per  capita  maior.     Renda  per  capita  menor.Desafios  da  RMSP     A  cidade  formal     Infra-­‐estrutura  consolidada.     A  cidade  informal         Infra-­‐estrutura  deficiente.   .     Menor  crescimento  populacional.

.   cargas   poluidoras....   afetando  a  ..Situação  das  Áreas  Periféricas  dos  Mananciais     Ocupação   desordenada   gera  ...     QUALIDADE   DA  ÁGUA   .

Expansão  do  Sistema  Principal  de  Esgotamento  na  RMSP   ETE S.Miguel ETE Barueri ETE Pque Novo Mundo ETE Suzano ETE ABC Sistema  Pré-­‐ Existente   Execução  da   1ª  Etapa   Execução  da   2ª  Etapa   Previsão  da   3ª  Etapa   Previsão  da  4ª   Etapa   .

Programas  Estruturantes   Conjunto   integrado   de   empreendimentos   para   ampliação   e   aprimoramento   dos   serviços   de   saneamento   nas   regiões   atendidas  pela  Sabesp   CÓRREGO   LIMPO   PROGRAMA   METROPOLITANO  DE   ÁGUA   ÁGUA  NO   LITORAL   PROGRAMA   ONDA  LIMPA   PROGRAMA   DE  PERDAS   PROGRAMA   VIDA  NOVA   PRÓ-­‐BILLINGS     PROJETO   TIETÊ   .

Universalização  dos  serviços  de  esgotamento   sanitário  em  SBC   Situação  Atual   Em  5  anos   90%   27%   90%   88%   Total  de  Esgoto  gerado  em  SBC   Coletado   Tratado   Coleta  de  esgoto  passará  de  88%  para  90%   Esgoto  tratado  passará  de  27%  para  90%   .

Somando  forças  para   o  bem  coleEvo   Uma  nova  realidade   para  SBC  em  2018   Coleta de Esgoto 88%   90%   Tratamento de Esgoto Sociedade   27%   90%   .

 Estações  Elevatórias   de  Esgotos.  Redes  e  ligações  domiciliares     Recurso  da  JICA  (Banco  Internacional  de   Cooperação  do  Japão)  e  Sabesp     População  atendida:  250  mil  habitantes   15 BILLINGS .Pró-­‐Billings    Programa  de     Melhoria  Ambiental  na   Área  da  Represa  Billings  em   São  Bernardo  do  Campo       Programa  Estruturante  para  implantação  do   Sistema  de  Esgotamento  Sanitário  –   Tratamento  na  ETE  ABC     Composto  por  Projetos  ExecuEvos  e  Obras   de  Coletores-­‐tronco.

Redes Ligações . EEE´s. Redes Ligações Contratos CT ´s. EEE´s. PROJETISTA Comitê de Gestão Compartilhada Unidades de Obras TG e ME (Contratada) ME Obras CT´s.Matriz  de  Relacionamentos   SABESP Demandas Externas OBRAS MS Sociedade Concessionárias Prefeitura SBC UGP Pró-Billings UGP Pró-Billing Engenharia Superintendência Coordenadoria Planejamento Coordenadoria Geral UGR BILLINGS SABESP TG Obras Coletores EEE ´s (Contratada) Contratos Coletores EEE ´s Coordenadoria Técnica Coordenadoria Adm Financ.

  • LR:  1.  estudo  demográfico  e  ocupações.   EEE  Esmeralda   • Vazão:  750  l/s.Principais  CaracterísEcas  -­‐    Projetos  ExecuEvos  Pró-­‐Billings   •  Base:  Estudo  de  Concepção  JICA  –  convênio  PMSBC  2006   •  Alterações  na  concepção  original  –  Implantação  do  RODOANEL.     72  EEE´s  pequeno   porte.500  m  Aço  e  Pead  –  800  mm  /  desnível  70  m  .   2  médio  porte  e  1  grande   porte    -­‐  3  torres  de  carga.  operação  e  manutenção  –  redução  no   número  de  elevatórias  (custo  operacional.  consumo  de  energia  elétrica.   .  redução  de  elevatórias  em  série  (efeito  cascata).  projetos  de  urbanização  da  Prefeitura.   3  caixas    de  transição  e  3   km  Condutos  forçados.   • Potência:  1350  CV  .   aquisição  de  áreas).   •  Diretrizes  das  áreas  de  engenharia.  8  médio   porte  e  3  grande   porte     Aprimoramento  e   Readequação   36  EEE´s  pequeno  porte.  Lei  Específica  da   Billings.

Caminhamento  Geral   .

Parceria  com  a  Sociedade  e  PMSBC   .

Área  de  atuação  do  Pró-­‐Billings   Trecho  do  projeto   das  Torres  de   Carga   .

Legenda Risco Risco Risco Risco Alto Significativo Moderado Baixo .RISCO 2: Descontinuidade na coleta e no encaminhamento do esgoto para a ETE causando passivos ambientais e custos adicionais.ESGOTO 4 Quase Certo Provável 2 3 Sgnificativo Alto 1 Possível Remoto Raro Insignificante Baixo Moderado RANQUEAMENTO DOS RISCOS: 3 .   MATRIZ DE CLASSIFICAÇÃO DOS RISCOS INERENTES .RISCO 4: Má utilização de recursos afetando os resultados operacionais e imagem da Companhia. 2 . 1 .   •  Episódios  de  extravasamentos  em  corpos  d´água  (mananciais).OPORTUNIDADE  –  IdenEficação  dos  desafios   •  Dificuldades  de  operação  do  sistema.RISCO 3: Poluição dos corpos dágua (gap. 4 .RISCO 1: Baixa adesão à rede coletora acarretando impacto negativo no retorno dos investimentos e contribuindo para poluição dos cursos d'água.   •  Alto  custo  com  consumo  de  energia  elétrica  das  EEE´s.) gerando passivos ambientais e afetando imagem da Companhia.extrav.   •  Grande  número  de  EEE´s.   •  Paralizações  no  SES  com  populações  afetadas.  e.

EAP  Estrutura  AnalíEca  do  Projeto    Gestão  de  Empreendimentos  Sabesp   .

  • Grande  incidência  de  manutenções   com  lançamentos  no  manancial.OPORTUNIDADE  –  IdenEficação  das  causas   EEE Final Principal  causa:  Estações  Elevatórias   em  Série  ou  em  cascata     • Manutenção  causa  paralização  de   todo  o  sistema.   • Dimensionamento  das  EEE  com  o   total  de  vazões.   Consenso  do  Grupo  de  Projetos:  Esforços  no  senEdo  de  buscar  solução   inovadora   e   MUDANÇA   DE   PARADIGMA   em   projeto   de   sistema   de   esgotamento.     .  e.

  Pesquisa  –  colegas  do  setor.   .  projetos   existentes.  trabalhos.   Premissas  –  UElização  de  Condutos  forçados.A  IDÉIA  –  Reuniões  Estruturadas  com  Grupo  de  Projetos   Mudança  de  Paradigma   Pesquisa   Conhecimento   Brainstorming   Premissas   •  •  •  •  Conhecimento  do  Problema.   Brainstorming  -­‐  Idéias.

.

  • Discussão  de  método  construEvo  e   condições  locais.   • IdenEficação  das  diferenças  entre  os  locais   da  obra.   será   necessário   vencer   resistências.   • Especificação  de  Epos  de  equipamento.     Conclusões   do   Grupo   de   Projetos:   Não   exisEndo   estrutura   similar   na   RMSP.   riscos   e   dificuldades   –   Análise   de   viabilidade   .   • Indicadores  de  operação  e  manutenção.A  IDÉIA  –  Torres  de  Carga  –  Benchmarking     Reuniões  com  projeEsta:   • Disponibilização  do  projeto  original.   Visita  às  torres  instaladas  no  litoral:   • Entrevista  com  operadores  do  sistema.

Produto  -­‐  Planta   Torre  de  Carga  –   recebe  esgotos   da  EEE  e   descarrega  no   conduto  forçado   bombas EEE  –  poço  e   bombas .

Produto  -­‐  Corte   Torre  de   Carga  –  altura   média  15  m .

6  a  4.   • Caixas  de  transição/  Ventosas.5  m.700  m.   .0  m.0  a  3.0  m/  altura  10.     • Material:  Pead   • Vazão:  150  l/s.   • Profundidade:  1.Produto  –  CaracterísEcas   Torres   • Dimensões:  diâmetro  2.     Conduto  Forçado   • Extensão:  1.   • Método  construEvo:  concretado  in  loco/formas  deslizantes.0  a  15.   • Diâmetro:  400  a  450  mm.

.

  • Acompanhamento  através  do  sistema  corporaEvo  -­‐  EPM/MSProject.   .A  IDÉIA  –  O  Produto  –  Simulação  -­‐  Aprendizado     Aprendizado:   • Reuniões  de  análise  críEca  periódicas  /  reprogramações.   • Simulação  –  modelo  matemáEco  –  obtenção  de  parâmetros   importantes  para  operação.

  • Redução  no  consumo  de  energia.   .   • Adaptação  das  equipes  de  operação  e  manutenção.   • Menores  custos  de  implantação.Viabilidade   Resultados:   • Redução  na  potência  instalada.   Desafios:   • Licenciamento  ambiental.

  manutenção..   Quanto  ao  produto  obEdo:   • Inovador  para  a  RMSP.  operação.   • E  .  licenças.   ..   • Conhecimento  técnico  aplicado  com  planejamento.   • Foco  na  obtenção  de  Resultados  consistentes.CONCLUSÕES   Quanto  à  aplicação  de  modelo  de  gestão  de   empreendimentos:   • Parcerias  potencializadas  e  compromeEmento.  O  desafio  conEnua:  obras..   • Planejamento  e  Análise  estruturada.   • Representa  uma  mudança  de  paradigma  em  projetos  de   sistema  de  esgotamento.

MUDANÇA  DE   PARADIGMA   .

Obrigada Agradecimento  aos  projeEstas  da  Contratada   e  aos  colegas  da  Sabesp   Nome Suely Matsuguma Cargo: Engenheira Dados para contato: smatsuguma@sabesp.com/sabesp .sabesp.br @ciasabesp SaneamentoSabesp www.br/oficialSabesp www.flickr.br www.com.facebook.com.com.