Os Lusíadas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Nota: Se procura pela série de filatelia, veja Lusíadas (selos).
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que
compromete a confiabilidade das informações. (desde janeiro de 2009)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.

Os Lusíadas

Capa da primeira edição de Os Lusíadas, de 1572

Autor (es)

Luís Vaz de Camões

Idioma

Português

País

Portugal

Género

épico

Lançamento

1572

Os Lusíadas é uma obra poética do escritor Luís Vaz de Camões, considerada
a epopeia portuguesa por excelência. Provavelmente concluída em 1556, foi publicada
pela primeira vez em 1572 no período literário do classicismo, três anos após o regresso
do autor do Oriente.
A obra é composta de dez cantos, 1102 estrofes e 8816 versos que são
oitavas decassílabas, sujeitas ao esquema rímico fixo AB AB AB CC – oitava rima
camoniana. A ação central é a descoberta do caminho marítimo para a Índia por Vasco da
Gama, à volta da qual se vão descrevendo outros episódios da história de Portugal,
glorificando o povo português.
Índice
[esconder]

1 Estrutura

1 Batalha de Aljubarrota .3.4.3.2 Canto II o  5.1 Cilada em Mombaça  5.5 D.1 Canto I o  5. 2 Impressão 2.3.2 A cruzada contra o mouro o 4.1.1 O Consílio dos Deuses  5.2 Chegada a Melinde 5.4 Canto IV o  5.3 Dinastia de Borgonha  5.3 Narradores e os seus discursos  5 Descrição da narrativa 5.2.3.3 Canto III o  5.3.2 Batalha de Ourique  5.2 A ilha de Moçambique e o piloto mouro 5.1 O herói o 4.1. Fernando 5.1 Instituições com exemplares da primeira edição o  3 Parecer do Santo Ofício  4 Tema o 4.2.1 Egas Moniz  5.4 Inês de Castro  5.

1 Painel da história de Portugal  5.10.9.9 Canto IX o 5.8 Canto VIII  5.3 Epílogo  6 Obras baseadas n'Os Lusíadas  7 Ver também  8 Ligações externas o 8. 5.5 Canto V o  5.3 O Velho do Restelo 5.8.6.7 Canto VII o 5.2 A tempestade o 5.1 A Ilha dos Amores  5.2 O Adamastor 5.2 A máquina do mundo  5.5.1 Fernão Veloso  5.1 Texto completo de Os Lusíadas .5.4.1 Os doze de Inglaterra  5.1 A profecia da Sirena  5.2 Partida das Naus  5.6 Canto VI o  5.4.8.2 Tratado com o Samorim 5.10 Canto X o  5.10.10.6.

110). B E entre gente remota edificaram C Novo reino. B Por mares nunca de antes navegados A Passaram ainda além da Taprobana.  8. não poderia deixar de seguir a estética grega que dava particular importância ao número de ouro. que tanto sublimaram.2 Em outros idiomas 9 Referências Estrutura[editar | editar código-fonte] “As armas e os barões assinalados A Que. estrofe 1 A estrutura externa refere-se à análise formal do poema: número de estrofes. tendo portanto oito versos.  Invocação . Assim. A estrutura interna relaciona-se com o conteúdo do texto. foi colocada no ponto que divide a obra na proporção áurea (início do Canto VII). apresentação do assunto e dos heróis (estrofes 1 a 3 do Canto I). chamadas de cantos na lírica. a chegada à Índia.  as estâncias são oitavas. o clímax da narrativa.1.1 Em português  8. Sebastião (estrofes 6 a 18 do Canto I).introdução.C” — Os Lusíadas.o poeta invoca as ninfas do Tejo e pede-lhes a inspiração para escrever (estrofes 4 e 5 do Canto I). Assim:  Os Lusíadas é constituído por dez partes. Canto I. tipos de rimas. da ocidental praia lusitana. ritmo. número de sílabas métricas.o poeta dedica a obra ao rei D. Esta obra mostra ser uma epopeia clássica ao dividir-se em quatro partes:  Proposição . ver na citação ao lado). a rima é cruzada nos seis primeiros versos e emparelhada nos dois últimos (AB AB AB CC. na sua maioria heróicas (acentuadas nas sextas e décimas sílabas). Sendo Os Lusíadas um texto renascentista. A Mais do que prometia a força humana. número de versos por estrofe. . etc. figuras de estilo.1.  cada verso é constituído por dez sílabas métricas (decassilábico). B Em perigos e guerras esforçados.  cada canto possui um número variável de estrofes (em média.  Dedicatória .

 Plano do Poeta . líricos e naturalistas.  Plano da História de Portugal . históricos. e depois prosseguir na linha temporal.são descritas as influências e as intervenções dos deuses da mitologia greco-romana na acção dos heróis. mitológicos. Camões lendo Os Lusíadas. há um epílogo a concluir a obra (estrofes 145 a 156 do Canto X). in medias res.são relatados episódios da história dos portugueses. Narração .  Plano da Mitologia . Ao longo da narração deparam-se-nos vários tipos de episódios: bélicos.simbólicos.onde se trata da viagem da descoberta do caminho marítimo para a Índia deVasco da Gama e dos seus marinheiros.Camões refere-se a si mesmo enquanto poeta admirador do povo e dos heróis portugueses. Os planos temáticos da obra são:  Plano da Viagem . partindo do meio da acção para voltar atrás no tempo e explicar o que aconteceu até ao momento naviagem de Vasco de Gama e na história de Portugal. .a narrativa da viagem. Por fim.

Related Interests