6A.

PARTE:

AMBIENTES GRÁFICOS
✔ Copyright (c) 2002-2007 – Ednei Pacheco de Melo. Permission is granted to copy, distribute and/or modify this document under the terms of the GNU Free Documentation License, version 1.1 or any later version published by the Free Software Foundation; a copy of the license is included in the section entitled “GNU Free Documentation License”.

ÍNDICE
VISÃO GERAL............................................................6 I. OS AMBIENTES GRÁFICOS..........................................7
Introdução................................................................ .......................7 Os ambientes...................................................................................7 Os desktops........................................................................... ..............7
O KDE e o GNOME........................................................................................7 . BlackBox / FluxBox........................................................................................7 . Enlightenment...............................................................................................8 . IceWM...........................................................................................................9 . Xfce............................................................................................................. ..10 WindowMaker.............................................................................................11 . Looking Glass..............................................................................................12 . Metisse 3D................................................................................................... .13

As interfaces tradicionais.................................................. ..................7

Ambientes em 3D?......................................................................... ....12

Conclusão......................................................................................14

II. O KDE

E O

GNOME.......................................15

Introdução............................................................... ......................15 GNOME – GNU Network Object Environment...............................15 Os requerimentos................................................................ ..............16 Iniciando o GNOME............................................. .............................16 O Nautilus...................................................................... ...................17 As “versões” do GNOME............................................ .......................18 Observações finais........................................................................... ..19 KDE – The K Desktop Environment...............................................20 Os requerimentos................................................................ ..............21 Observações gerais................................................. ..........................21 Conclusão......................................................................................22

III. INICIANDO

O

KDE............................................23

Introdução............................................................... ......................23 Preparativos iniciais......................................................................23 A instalação do pacote de idiomas.......................................... ...........23 Assistente de configurações para a área de trabalho........................23 O ambiente de trabalho.................................................................24 A Área de Trabalho........................................................................ ....25
Seus atalhos................................................................................................26 .

O Painel do KDE................................................................... .............29 O Menu K..................................................................... .....................30

Conclusão......................................................................................32

IV. O KONQUEROR.................................................33 .

Introdução............................................................... ......................33 O Konqueror............................................................... ...................33 As funcionalidades......................................................................... 34 Manipulação de arquivos............................................................. ......34 Navegação em abas.................................................................. .........34 Navegação em painéis............................................................. ..........35 Permissões de acesso.................................................. ......................36 Compactação / descompactação de arquivos........................... ..........37 Navegação WEB.............................................................. ..................38 Cliente FTP.......................................................... .............................40 As ferramentas..............................................................................40 Abrir Terminal........................................................................... ........41 Procurar Arquivos...................................................... .......................41 Filtro de Visualização....................................................... .................42 Galeria de Imagens.............................................. .............................43 Comando do Shell............................................................................ ..44 Os protocolos...................................................................... ...........44 Ajustes & Configurações...............................................................45 Conclusão......................................................................................46

V. AS

APLICAÇÕES NATIVAS........................................47

Introdução............................................................... ......................47 As aplicações.................................................................................47 Configurações........................................................ ...........................47 Desenvolvimento........................................................ .......................47
KDevelop.....................................................................................................47 . Kommander.................................................................................................48 . Quanta+......................................................................................................49 . Umbrello....................................................................................................... 50 Ciência........................................................................................................ ..51 Ferramentas de aprendizado.......................................................... ............51 . Idiomas........................................................................................................51 . Matemática.................................................................................................51 . Outros..................................................................................................... ......51 KOffice...................................................................................................... ....52 Kontact........................................................................................................53 . KPDF...........................................................................................................55 . KSnapshot...................................................................................................55 . Krita.............................................................................................................. 56 KView..........................................................................................................56 . Akregator....................................................................................................57 . Kget.............................................................................................................58 . Kmail...........................................................................................................59 . Konqueror...................................................................................................59 . Kopete.........................................................................................................60 . KPPP.................................................................................................. ...........61

Educacional........................................................................... ............51

Escritório....................................................................................... ....52 Gráficos................................................................................ .............54

Internet......................................................................... ....................57

Jogos................................................................................................ ..61
Arcade.........................................................................................................61 . Brinquedos..................................................................................................61 . Jogos de Cartas...........................................................................................61 . Jogos de Tabuleiro.......................................................................................62 . Kidsgames...................................................................................................62 . Táticas & Estratégias..................................................................................62 . JuK................................................................................................... .............62 KAudio Creator............................................................................................. 2 6 KMix............................................................................................................63 . KRec............................................................................................................64 . KsCD....................................................................................................... ......64 Noatum................................................................................................. ........65 Centro de Informações do KDE.............................................................. .....66 . KCron..........................................................................................................67 . Konsole................................................................................................. ........67 KPackage.....................................................................................................68 . KRandR......................................................................................................... 68 Krfb (Desktop Sharing).............................................................. .................69 . KUser..........................................................................................................70 . KwikDisk e KdiskFree.................................................................... .............71 . KSysGuard................................................................................................. ...71 Ark...................................................................................................... ..........72 Disquete......................................................................................................73 . Kate / KEdit / KWrite...................................................................................74 . KCalc...........................................................................................................74 . KNotes................................................................................................... .......75 Seletor de caracteres..................................................................................75 . SuperKaramba............................................................................................76 .

Multimídia........................................................................... ..............62

Sistema............................................................................................. .65

Utilitários................................................................... .......................72

Sobre o KDE-Apps.org...................................................................76 Conclusão......................................................................................77

VI. AS

FERRAMENTAS DE AJUSTES................................78

Introdução............................................................... ......................78 O Centro de Controle KDE............................................................78 A inicialização........................................................ ...........................78 As seções................................................................................ ...........79
Administração do Sistema...........................................................................80 . Aparência & Temas.....................................................................................80 . Componentes do KDE..................................................................................80 . Controle de Energia....................................................................................81 . Internet & Rede...........................................................................................81 . Periféricos...................................................................................................82 . Regional & Acessibilidade...................................................... ....................82 . Segurança & Privacidade............................................................................82 . Som & Multimidia.......................................................................................83 . Área de Trabalho.........................................................................................83 .

As (demais) ferramentas...............................................................83 Assistente de Configurações para a Área de Trabalho...................... .84 Configurar o Painel................................................. ..........................84

Editor de Menus................................................................... .............85 Ferramenta de Atualização de Menu....................................... ..........85 Ferramenta de Gerenciamento da Carteira........................... ............86 Gerenciador de Impressão............................................................... ..87

Conclusão......................................................................................88

VII. OPERAÇÕES

E AJUSTES AFINS...................... ..........89

Introdução............................................................... ......................89 Seleção da autenticação gráfica....................................................89 Nível de execução................................................. ............................89 Seleção de gerenciadores............................................................ ......90 Seleção do ambiente gráfico.........................................................91 Configuração automatizada através do xwmconfig........................ ....92 Alteração manual para todos os usuários..........................................92 Alterações manuais personalizadas para cada usuário......................93 Inicialização automática de aplicações.........................................94 Ajustes no idioma (internacionalização).......................................94 Redefinindo ajustes mal feitos......................................................95 Conclusão......................................................................................95

VISÃO

GERAL

Antigamente, os sistemas GNU/Linux não possuíam interfaces gráficas, tendo todas as suas funcionalidades disponíveis somente com a utilização da linha de comando. Porém, em virtude da crescente necessidade de maior interação e da evolução tecnológica, não demorou muito para o surgimento dos servidores gráficos; conseqüentemente, vieram a luz os primeiros ambientes gráficos, embora na época as interfaces e os recursos dos mesmos eram precários, porém funcionais. Mas hoje... Diferente do Windows, os sistemas GNU/Linux não possuem apenas um, e sim vários vários ambientes gráficos disponíveis, todos com diversos recursos e características interessantes. Existem aqueles que disponibilizam apenas a interface gráfica (ou ambiente X) como também aqueles que fornecem avançados recursos gráficos para a realização de diversas atividades. Mas para que tantos ambientes gráficos? Ao invés de facilitar a adoção de sistemas GNU/Linux, isto não irá complicar mais? A disponibilidade de uma grande variedade de ambientes gráficos ocorre graças a facilidade para desenvolvê-los, pois basta aos interessados conhecerem apenas as funções básicas do servidor gráfico X, já que a criação e o gerenciamento dos recursos gráficos ficará a cargo do ambiente gráfico. Em vista disto e, dada a necessidade de serem criadas soluções personalizadas, aliadas a disponibilidade do código-fonte dos projetos existentes, o desenvolvimento de diferentes ambientes gráficos derivados destes projetos vêm para atender a propósitos gerais e/ou específicos. Dentre os ambientes gráficos existentes, os mais notáveis são o KDE e o GNOME, seguidos pelos maravilhosos Xfce, Enlightenment, WindowMaker, IceWM, Blackbox/Flubox, entre outras diversas opções. Em virtude das extensas funcionalidades, o KDE é o ideal para a utilização em sistemas desktops. Por estes motivos este ambiente gráfico será adotado como base neste trabalho, onde descreveremos suas principais características, particularidades e algumas instruções de configuração. Embora diferentes em suas concepções, os ambientes gráficos disponíveis são ricos em recursos, amigáveis, flexíveis e versáteis. Até mesmo aquelas interfaces “pobres” ou “limitadas” são ótimas opções para a utilização em sistemas precários ou de poucos recursos, face a economia em termos de processamento e demanda de hardware necessários. Nesta parte, iremos conhecer as características e funcionalidades dos principais ambientes gráficos disponíveis para os sistemas GNU/Linux. Em destaque e com grande ênfase, trabalharemos com o KDE. &;-D

6/95

I. OS

AMBIENTES GRÁFICOS

INTRODUÇÃO
Conforme dito no capítulo Visão geral, existem inúmeros ambientes gráficos disponíveis para os sistemas GNU/Linux, cada um com seus perfis e características com distinção bastante variável. Neste capítulo iremos conhecer os principais ambientes gráficos para os sistemas GNU/Linux. Mais à frente, destacaremos o KDE.

OS
OS

AMBIENTES...
DESKTOPS
E O

O KDE

GNOME

Os ambientes gráficos mais poderosos e completos existentes para os sistemas GNU/Linux são o GNOME e o KDE, onde este último será adotado como padrão no desenvolvimento deste trabalho. Ambos serão bastante comentados nos próximos capítulos.

AS

INTERFACES TRADICIONAIS

Devido as exigências de recursos do sistema pelos ambientes gráficos KDE e GNOME, são poucas as possibilidade de sua utilização em computadores de baixa performance geral. Mas felizmente isto não é motivo para nos desesperarmos! Existem várias opções de interfaces gráficas mais leves e funcionais que nos disponibilizarão pelo menos os recursos indispensáveis que não comprometerão o bom desenvolvimento de nossas atividades.

BLACKBOX / FLUXBOX
✔ ✔ <http://blackboxwm.sourceforge.net/>. <http://www.fluxbox.org/>.

Outras ótimas opções de ambientes gráficos leves e funcionais são o BlackBox e o FluxBox. Ambos foram concebidos para serem interfaces gráficas simples, rápidas e inéditas, tendo os conceitos básicos usabilidade diferenciados dos tradicionais ambientes gráficos.

7/95

BlackBox, tela obtida da página oficial do projeto.

O FluxBox é derivado do código-fonte do BlackBox, e devido as suas similaridades, ambos estão aqui sendo descritos juntos. Dentre suas características, estão todos os recursos básicos necessários para a manipulação gráfica (janelas, menus, área de trabalho, etc.), garantindo assim a sua perfeita utilização neste segmento. Apesar de não existir uma barra de tarefas que mostre os programas em execução e minimizados, temos o IconBar, com funcionalidades similares. Um fato interessante do BlackBox está na impossibilidade de suportar o carregamento de imagens, impedindo-nos de utilizar qualquer figura como papel de parede. Além disso, todos os seus elementos (menus, barras, etc.) são preenchidos com um simples palhetas de cores com gradientes. Estas características o torna um dos ambientes gráficos mais leves existentes para os sistemas GNU/Linux, consumindo do sistema apenas alguns megabytes de memória RAM. E justamente por esta falta de recursos programada, as derivações surgiram justamente para adicionar esta (e outras) funcionalidade, como é o caso do FluxBox.

ENLIGHTENMENT
✔ <http://www.enlightenment.org/>. Desenvolvido por Rasterman e conhecido popularmente por “E”, o ambiente gráficos Enlightenment foi tem como a principal característica ser o gerenciador de maior flexibilidade possível, podendo ser totalmente configurável até nos mínimos detalhes.

8/95

Tela obtida da página oficial do projeto.

O Enlightenment possui seu próprio gerenciador de autenticação, o Entrance, tão bonito e funcional quanto os tradicionais KDM (KDE) e GDM (GNOME) e ainda tendo a vantagem de ser mais leve. Além disso, suporta os menus de aplicações do KDE e GNOME. Pelo fato de contar com uma bela interface gráfica, este ambiente gráfico requer pelo menos 32 MB de memória RAM do sistema e 2 MB de memória RAM da placa de vídeo, além de solicitar uma CPU Pentium para dispor uma performance aceitável. Infelizmente o Slackware não disponibiliza este ambiente gráfico entre os pacotes oficiais da distribuição. Resta-nos obtê-lo diretamente da página oficial do projeto, para realizar a sua instalação manualmente.

ICEWM
✔ <http://www.icewm.org/>. Mais um ótimo ambiente gráfico. Simples, leve e prático, a interface do IceWM é bastante similar ao Windows 95, onde consta um botão abaixo e à esquerda da janela que aciona os principais aplicativos, outros elementos como a barra de tarefas com os aplicativos em execução, além de mostrar a hora corrente e o estado da conexão com a Internet.

9/95

Tema BlueCrux, obtido da página oficial do projeto.

Da mesma forma que o Centro de Controle do KDE, o IceWM também possui suas opções de configurações centralizadas nos painéis IcePref e IceWMConf, desenvolvidos respectivamente em Python e TCL/TK. Graças a isto, teremos disponíveis diversos recursos de personalização, tornando o IceWM um dos ambientes gráficos bem customizável. Outra característica interessante está na possibilidade de interagir com o GNOME e o KDE, tornando seus recursos disponíveis neste ambiente gráfico para os usuários que assim o desejarem.

XFCE
✔ <http://www.xfce.org/>. Desenvolvido por Olivier Fourdan, o Xfce nasceu com o objetivo de ser um ambiente gráfico simples e eficiente, conciliando um belo padrão de beleza a uma excelente performance, onde a baixa demanda de hardware é o fator preponderante para sua utilização. Por fim, torna-se excelente opção para equipamentos modestos, obsoletos e de recursos limitados.

10/95

Tela obtida da página oficial do projeto.

A interface é dona de uma aparência limpa e impecável, levemente parecido com o CDE da Sun e, por utilizar a biblioteca GTK+, o Xfce agrada tanto aqueles que desejam recursos cosméticos quanto aos que necessitam de um ambiente simples e prático para usar. Neste ambiente há uma simples barra no canto central-inferior da tela que disponibiliza as principais aplicações existentes, onde também fornecer uma série de utilitários pertinentes, além de ter suporte aos menus com aplicações do KDE e GNOME. O ambiente gráfico possui um bom gerenciador de arquivos – o XTFree – que possui todos os recursos básicos necessários como a expansão da árvore de diretórios e a função arrastar-esoltar, tornando a navegação uma atividade simples, prática e prazerosa.

WINDOWMAKER
✔ <http://www.windowmaker.org/>. Desenvolvido pelo brasileiro Alfredo Kojima, o WindowMaker foi concebido para dar suporte as aplicações GNUStep. Foi um dos ambientes gráficos mais utilizados nos sistemas GNU/Linux, por consumir poucos recursos de máquina e de ter boa flexibilidade. Apesar de utilizar a modesta biblioteca gráfica Xlib, possui um excelente visual, lembrando muito o AfterStep (o qual seu código foi derivado deste projeto) e com suporte a temas belos e variados que podem ser encontrados em diversas páginas eletrônicas.

11/95

Tela obtida da página oficial do projeto.

O WindowMaker utiliza um menu suspenso para serem acessadas as aplicações disponíveis. Por não possuir uma barra de tarefas, todas as aplicações abertas, quando minimizadas, permanecem na área de trabalho com um simples ícone. As áreas de trabalho virtuais são gerenciadas através do Clip, um ícone que se situa no canto superior-esquerdo da área de trabalho. Nele, para navegarmos, bastará apenas clicar nas setinhas posicionadas nos cantos inferior-esquerdo e superior-direito deste ícone. Outro grande destaque do WindowMaker é o WMaker Config, uma excelente ferramenta de configuração com uma boa diversidade de opções para ajustes e configurações, levando-se em conta a sua simplicidade. Apesar da inexistência de alguns recursos disponíveis nos ambientes gráficos atuais (por exemplo, a função “arrastar-e-colar”), o WindowMaker é uma excelente opção para o uso em equipamentos antigos e modestos.

AMBIENTES

EM

3D?

LOOKING GLASS
<http://wwws.sun.com/software/looking_glass/>. Uma das maravilhas proporcionadas pelas aceleradoras de vídeo está na possibilidade de curtir gráficos de altíssima qualidade, com grande variedade de cores e suavidade de movimentação. E estes recursos estão sendo agora incorporados para os ambientes gráficos graças a Sun Microsystem com o desenvolvimento do Looking Glass.

12/95

Tela “Applications view”, obtida da página oficial do projeto.

Desenvolvido em Java, e dentre as maravilhas proporcionadas, agora poderemos manipular as janelas em 3D com maior conforto e comodidade, além de manter uma integração com as aplicações já existentes para o sistema operacional. Porém, o ambiente gráfico requer um processador de 2 Ghz, 512 MB de memória RAM e uma aceleradora de vídeo com 64 MB. Para obtermos instruções mais detalhadas (em inglês) deste ambiente gráfico, consultem a sua página oficial. Lá também encontraremos outras interessante telas capturadas para a nossa apreciação.

METISSE 3D
✔ <http://insitu.lri.fr/~chapuis/metisse/>. Outra interessante interface gráfica em 3D, que utiliza os recursos gráficos providos por uma aceleradora gráfica e sua licença é a GPL, é o Metisse.

13/95

Tela obtida da página oficial do projeto.

Desenvolvido por Olivier Chapuis e Nicolas Roussel, este ambiente gráfico em fase experimental, baseado em um servidor gráfico especial Xwnc (uma junção do Xvnc e Xdarwin) e que utiliza as chamadas de sistema OpenGL. Por utilizar recursos de aceleração gráfica, também requer uma boa configuração de hardware – um processador Pentium IV de 2 Ghz similar ou superior e uma aceleradora gráfica com pelo menos 64 MB.

CONCLUSÃO
Existe uma infinidade de ambientes gráficos que, apesar da maioria não possuir a força dos poderosos KDE e GNOME, eles estão aptos para a realização da maioria das atividades inerentes, tendo como grande vantagem na maioria das vezes, menores exigências de performance e hardware, o que os tornam ideais para máquinas antigas e obsoletas. Além disso, em alguns deles os usuários encontrarão características tão interessantes que talvez dispense até os principais ambientes gráficos existentes para a realização de suas atividades. Analisem cada um destes e, caso se interessarem por algum, procurem seus respectivos pacotes no FTP do Slackware para realizar a sua instalação; ou caso não se encontrem, obtenham o código-fonte diretamente da página oficial. Maiores informações encontraremos na 5a. Parte: Gerenciamento de Programas -> Obtendo os pacotes oficiais. &;-D

14/95

II. O KDE
INTRODUÇÃO

E O

GNOME

O KDE e o GNOME são atualmente os maiores e mais poderosos ambientes gráficos disponíveis para os sistemas GNU/Linux. Lindos, modernos, sofisticados, ricos em recursos e funcionalidades, são também os mais utilizados, superando o patamar de 80% de usuários linuxers do Brasil. Neste capítulo, iremos conhecer um pouco de cada um deles.

GNOME – GNU NETWORK OBJECT ENVIRONMENT
✔ <http://www.gnome.org/>. O GNOME - GNU Network Object Model Environment – é o maior “rival” do KDE no quesito “super ambiente gráfico”, criado pelo mexicano Miguel de Icaza, sendo originalmente desenvolvida a biblioteca GTK para a construção de um aplicativo de editoração de imagens, o famoso GIMP. E para tirar proveito dos ricos recursos disponibilizados por ela, foi utilizada para a construção de um ambiente gráfico para ser uma opção à altura do excelente KDE.1 Daí nasceu o GNOME.

Tela inicial do GNOME, versão 2.6.

Da mesma forma que o KDE, o GNOME possui ótimos recursos e funcionalidades para facilitar ainda mais a vida do usuário, porém menos
1 O mexicano Miguel de Icaza fundou o projeto em 1997, com o intuito de criar um ambiente gráfico 100% livre, pois na época o seu maior concorrente (KDE), apesar de livre, a Qt possuía uma licença restritiva que não se enquadrava nos conceitos ideológicos do Software Livre.

15/95

vastos, em virtude de sua filosofia de simplicidade e eficiência. Em destaque, a sua grande ênfase a usabilidade, o excelente gerenciador de arquivos Nautilus, o integrado gestor de informações pessoais Evolution, além de uma série de outros utilitários necessários para um bom desktop.

OS

REQUERIMENTOS

O GNOME não chega a ser tão exigente quanto o KDE, mesmo que venha a utilizar quase os mesmos requisitos de hardware que este último. Em muitos caso, nas máquinas equipadas com 256 MB de memória RAM, seu desempenho é bem mais leve que o seu rival. Em contrapartida, o GNOME não chega a apresentar recursos tão vastos, concentrando-se em funcionalidades simples, prática e de uso comum no dia-a-dia. Para utilizarmos o GNOME, necessitaremos de um processador Pentium III de 750 Mhz, com a quantidade de memória RAM acima mencionada.

INICIANDO

O

GNOME

Na inicialização do GNOME, teremos à nossa disponibilidade o ambiente de trabalho com as mesmas funcionalidades do KDE. Porém, ele não autoexecuta nenhum assistente de configuração, ficando ao nosso cargo acessar o menu Applications (Aplicações) -> Desktop Preferences (Preferências) e realizarmos os ajustes necessários. A estrutura deste ambiente de trabalho apresenta os seguintes elementos: os menus Applications (Aplicativos) e Actions (Ações)...

Menus Applications (Aplicações) e Actions (Ações).

... a barra de tarefa...

16/95

... e os atalhos da área de trabalho.

Atalhos da área de Trabalho.

Como todos já sabem, as funcionalidades básicas são praticamente as mesmas, porém cada ambiente gráfico possui recursos e implementações próprias personalizadas de acordo com a ideologia de seu desenvolvimento. Outro aspecto bastante interessante é o fato do ambiente gráfico ter presente o idioma português do Brasil em sua interface gráfica, onde o idioma é definido apenas alterando as variáveis do sistema, já que o mesmo suporta a internacionalização.

O NAUTILUS
✔ <http://www.gnome.org/projects/nautilus/>. O gerenciador de arquivos (e navegador WEB) do GNOME é o Nautilus.

O Nautilus.

Ele também segue a filosofia de disponibilizar apenas um conjunto de ferramentas e utilitários essenciais em sua interface gráfica, visando simplificar ao máximo a realização destas atividades no ambiente gráfico. Apesar de possuir uma interface simples, o Nautilus possui todas os recursos necessários para a boa administração de arquivos e diretórios, além de fornecer atalhos e menus rápidos para as ações mais freqüentes. Mesmo não sendo tão poderoso como é o Konqueror, é tão útil ou quanto.

17/95

AS “VERSÕES”
✔ ✔

DO

GNOME

<http://www.droplinegnome.net/>. <http://gsb.freerock.org/>, <http://gwaret.org/>.

O GNOME deixou de fazer parte da distribuição Slackware desde a versão 10.12 pelo fato de seu criador ter dificuldades em realizar a compilação dos pacotes deste ambiente gráfico. Mas se ainda assim desejarmos tê-lo no sistema, deveremos então utilizar os pacotes de “versões” pré-compiladas disponíveis para ele. Nesta literatura, utilizaremos o Dropline GNOME.

Tela obtida da página oficial do projeto.

O objetivo do Dropline GNOME é disponibilizar para a distribuição uma versão melhorada deste ambiente gráfico, em um formato simples, belo e prático, conforme a filosofia KISS da distribuição. Para instalar o Dropline GNOME, necessitaremos apenas baixar o seu programa de instalação, chamado dropline-installer. Por se tratar de um pacote pré-compilado, o instalaremos o programa apenas com o comando...
# installpkg dropline-installer-[VERSÃO]-[ARQUITETURA].tgz

Em seguida, deveremos executá-lo simplesmente com...
# dropline-installer

Será carregada uma interface em modo texto com as seguintes opções:

2

Nesta versão ainda é distribuído o ambiente gráfico, porém a antiga versão 2.6, já que a atual 2.8 já estava em vigor antes do lançamento da distribuição.

18/95

Tela do instalador do Dropline GNOME.

Com <SETA_ACIMA> e <SETA_ABAIXO>, bastará apenas navegarmos nas opções desejadas. Também necessitaremos de ter disponível uma conexão para a Internet para baixar os pacotes que compõe o ambiente gráfico, para que este instalador possa realizar todo o processo de instalação.

Pacotes do Dropline GNOME sendo automaticamente baixados pelo instalador.

Apesar de possuir um excelente desempenho, o Dropline GNOME requer os mesmos recursos de hardware do tradicional GNOME: necessita de um processador Pentium II de 750 Mhz e de pelo menos 256 MB de RAM. Para aqueles que desejam utilizar outras opções além do Dropline GNOME, falaremos também sobre outros projetos, como o GNOME.SlackBuild (também conhecido como GBS) e o GWARE. Segundo as instruções de suas páginas oficiais, tanto o GNOME.SlackBuild quanto o GWARE possuem um diferencial interessante em comparação ao Dropline GNOME: estes projetos não são intrusivos ao sistema ao qual eles serão instalados. Isto quer dizer que não serão feitas mudanças nas configurações dos pacotes já instalados. Consultem a página oficial de cada projeto para obterem informações detalhadas de como realizar todo o processo de instalação. Apesar de não serem intrusivos, ambos são mais complexos de serem instalados, em comparação ao Dropline GNOME (eis um dos motivos deste último ter suas instruções de instalação mantidas, além de ser mais popular).

OBSERVAÇÕES

FINAIS

Apesar de não possuir tantos recursos quanto seu rival, o GNOME possui características e qualidades interessantes, como a disponibilização de forma completa e integrada das aplicações necessárias para o uso do dia-a-dia. Nada de um visual “poluído” pela farta disponibilidade de ícones, e sim apenas o básico, necessário e essencial. Porém, para a maioria das necessidades sempre haverá um atalho disponível no menu Aplicações que aciona os programas do ambiente. Estes, além da excelente qualidade,

19/95

possuem uma interface gráfica bela e consistente, além de se encontrarem padronizados com a utilização da biblioteca GTK. Além disso, pelo fato de não dispor atalhos para outros aplicativos que utilizam outras bibliotecas gráficas (especialmente a Qt), o GNOME terá uma melhor performance em equipamentos modestos ou medianos. Dependendo das condições, poderá até mesmo desbancar o KDE e se tornar – tal como o Xfce – a opção ideal para a sua utilização.3

KDE – THE K DESKTOP ENVIRONMENT
✔ <http://www.kde.org/>. O KDE é um dos maiores projetos de Software Livre conhecido da atualidade. Trata-se de um ambiente gráfico completo, poderoso, intuitivo, prático, customizável, e de fácil utilização. Possui uma interface bela e integrada, além de dispor de uma boa variedade de aplicações-base para as mais diversas necessidades de um boa estação de trabalho.

Tela inicial do KDE, utilizando o tema padrão Plastik.

O Projeto KDE foi desenvolvido inicialmente por Matthias Ettrich em 1996, utilizando a linguagem C++, e sua interface foi implementada com a biblioteca Qt, numa época em que os ambientes gráficos eram precários em recursos e funcionalidades, motivo pelo qual resultou na concepção e fundação do projeto. O principal objetivo do projeto é de fornecer um ambiente gráfico completo e integrado (entre outras qualidades já citadas), tornando o desenvolvimento das atividades serem tarefas agradáveis.
3

“Por ter sido criado 100% em C (não C++) ele torna-se 100% portável além de ser mais leve que outros completamente feitos em C++ (como o KDE - claro que com as últimas otimizações feitas no GCC, as ultimas versões do KDE tem se tornando mais velozes, mas ainda não se comparam com o GNOME)” -- [Welington R. Braga].

20/95

Atualmente o projeto é mantido na Alemanha, além de ganhar o apoio de diversas distribuições, como a OpenSuSE por exemplo. A biblioteca gráfica Qt é a principal “responsável” pela beleza, graça e consistência deste ambiente gráfico e de suas aplicações. Ela é desenvolvida em C++ e criada pela empresa holandesa TrollTech. Atualmente ela se encontra disponível licenciada sob a GNU GPL, embora também exista uma licença comercial (duplo-licenciamento) para o desenvolvimento de aplicativos proprietários. Em virtude da existência de inúmeras aplicações e recursos, o KDE é a opção ideal para os usuários iniciantes. Nele, será minimizado e/ou até mesmo desnecessário o conhecimento de intervenções e atividades extras para a administração geral do sistema, além da procura, seleção, instalação, configuração e uso de aplicações extras para suprir deficiências (se existirem...). Isto somente ocorrerá em situações específicas. Aqui, faremos apenas uma breve descrição geral do KDE, já que, por ser o ambiente gráfico padrão em todo o desenvolvimento deste trabalho, deixaremos as demais instruções a serem descritas nos capítulos seguintes.

OS

REQUERIMENTOS

Apesar de inúmeras vantagens, o KDE possui também algumas limitações em comparação aos demais ambientes gráficos. Dentre elas, a principal é a necessidade de uma máquina dotada de um processador com razoável desempenho, do porte de um Pentium III de 750 Mhz ou equivalente e uma boa quantidade de memória, com pelo menos 256 MB. Ainda poderemos utilizar este ambiente gráfico com menos memória, porém teremos apenas um modesto desempenho. A seu favor, encontraremos vastos recursos e funcionalidades, e graças a esta qualidade, será lógico concluir que a demanda de processamento e hardware tenderá a ser maior, em alguns casos até mesmo em comparação ao desempenho obtido pelo GNOME. Outro aspecto importante está na distribuição em uso, pois a performance geral pode variar: por exemplo, nas tradicionais Red-likes, suas exigências chegam ao ponto de requerer um equipamento dotado de um processador Pentium III, com mais de 256 MB de RAM. Já no Slackware e boa parte dos live-CDs disponíveis, um Pentium de 450 Mhz, com 256 MB de RAM, apesar de ser suficiente, ainda é uma configuração bem modesta.

OBSERVAÇÕES

GERAIS

O KDE é atualmente o ambiente gráfico mais rico de recursos nos sistemas GNU/Linux, desbancando até mesmo o GNOME com suas inúmeras funcionalidades e implementações. Para aqueles que possuem uma máquina razoável com bons recursos de processamento e hardware, é a opção que melhor fará uso de todo o poder de fogo destes equipamentos. Porém toda esta gama de recursos tem um alto preço: para equipamentos 21/95

de baixa e – em alguns casos – média performance, a exigências do KDE o tornam uma opção não muito viável para a sua utilização nestas máquinas, onde em diversas circunstâncias será desbancado por gerenciadores mais leves, como o Xfce e o Enlightenment. Além disso, seu carregado menu K também disponibiliza atalho para outras aplicações que, por fazer uso de outras bibliotecas (como a GTK), tornam este ambiente gráfico um grande devorador de memória RAM.

CONCLUSÃO
A escolha dos ambientes gráficos varia de acordo com a necessidade (e preferência) dos usuários; mas, para a obtenção de excelentes recursos e funcionalidades, além de uma melhor integração com determinadas aplicações, é preferível que este faça a escolha de um destes ambientes gráficos. Tanto o GNOME quanto o KDE (especialmente este último) fornecem soluções completas para um ótimo desktop! &;-D

22/95

III. INICIANDO
INTRODUÇÃO

O

KDE

No capítulo anterior, vimos as principais características e qualidades dos principais ambientes gráficos disponíveis, onde destacamos os poderosos GNOME e KDE, além de ressaltamos a importância deste último, por ser o mais largamente utilizado no Brasil. Por este (e outros) motivos, adotaremos o KDE como o nosso ambiente gráfico padrão. Mas agora, neste capítulo, iremos conhecer os seus principais recursos e funcionalidades, além das demais particularidades.

PREPARATIVOS
A

INICIAIS

INSTALAÇÃO DO PACOTE DE IDIOMAS

Para inicializarmos o KDE em nossa língua nativa, deveremos instalar o respectivo pacote de internacionalização: o kde-i18n-pt_BR. Para isto, consultem nesta parte, o capítulo Operações e ajustes afins, onde obteremos instruções para a instalação deste pacote que proverá o idioma português do Brasil para este ambiente gráfico.

ASSISTENTE

DE CONFIGURAÇÕES PARA A ÁREA DE TRABALHO

Ao iniciar pela 1a. vez, o KDE executará o Assistente de Configurações para a Área de Trabalho, um assistente que orientará o usuário a realizar uma rápida, porém funcional configuração inicial do ambiente gráfico. Conforme visto no tópico anterior, será importante ajustarmos o idioma local.

23/95

Assistente de Configurações para a Área de Trabalho (3.5).

Como todo assistente de configuração, bastará selecionarmos as opções desejadas e seguir adiante. O Assistente de configurações do KDE executará 5 passos importantes para o ajuste finais do ambiente gráfico: 1. 2. 3. 4. 5.

Boas vindas e seleção da linguagem do ambiente; Comportamento do sistema; Enfeites; Todo mundo gosta de temas; Tempo para refinar.

Todas estas etapas são intuitivas e fáceis de ajustar, dispensando maiores comentários para a realização destas atividades. Ao terminá-los, o KDE disponibilizará a opção Lançar o Centro de Controle KDE, onde poderemos executar o diretamente o Centro de Controle KDE e realizar outras diversas alterações que desejarmos.

O

AMBIENTE DE TRABALHO

Como qualquer outro avançado ambiente gráfico, o KDE disponibiliza em seu ambiente de trabalho os seguintes elementos: 1. 2. 3. A Área de Trabalho; O Painel do KDE; O Menu K.

24/95

O Menu K e o Painel do KDE (3.4).

Ainda podemos habilitar o menu rápido da área de trabalho no topo da tela. Para isto, cliquem com o botão direito na área de trabalho e selecionem a opção Configurar Área de Trabalho.

Configurar – Área de Trabalho, seção 'Comportamento'.

Na seção Comportamento, desmarquem a caixa Barra de menus na área de trabalho. Pronto! Ela se encontrará disponível no topo da tela!
Barra de menus no topo da tela.

A ÁREA

DE

TRABALHO

Dada a sua simplicidade, esta é a Área de Trabalho do KDE:

25/95

Área de Trabalho.

Ela pode ser rapidamente ajustada com o uso da opção Configurar Área de Trabalho presente no menu rápido do ambiente de trabalho com o simples clique do botão direito do mouse.

Configurar Área de Trabalho.

Aqui, com muita praticidade e intuitividade, poderemos ajustar a Área de Trabalho de acordo com nossas preferências.

SEUS

ATALHOS ...

Como todo bom ambiente gráfico, o KDE disponibiliza alguns atalhos em sua área de trabalho com o intuito de facilitar ao máximo a utilização para as tarefas mais corriqueiras. Em algumas distribuições, estes ícones chegam a ser numerosos devido as personalizações feitas. O Slackware mantém a configuração padrão do ambiente gráfico; por isto, 26/95

este apresenta apenas três ícones: Sistema, Pasta do Usuário e Lixo.

O ícone Sistema é similar ao tradicional Meu Computador do Windows. A partir do Koqueror, aqui teremos acesso a configuração geral do sistema (Centro de Controle KDE), Lixeira, pastas remotas, unidades do sistema (partições, mídias ópticas e unidades removíveis) e a pasta do usuário.

Já o ícone Pasta do Usuário é nada mais que um atalho do gerenciador de arquivos Konqueror, disposto da mesma forma que a pasta Meus Documentos. Basta clicarmos nela e teremos acesso ao diretório pessoal.

Para aqueles que vêem do Windows, não existe muito mistério para saber qual é a função da Lixeira, onde todos e quaisquer arquivos desnecessários são removidos até a sua exclusão definitiva... Podemos criar mais ícones manualmente, utilizando as funções disponíveis em seu menu rápido. No caso, deveremos utilizar as opções listadas na seção Criar Novo....

... e em seguida, optar pelas opções caracterizadas como link: • • •

Para Localização (URL): cria atalho para arquivos comuns; Para Aplicativos: cria atalho para arquivos executáveis; Para Dispositivos: cria atalho para montagem/desmontagem de dispositivos (partições, disquetes, mídias, etc.).
27/95

Para cada classe de atalho, uma caixa de diálogo específica surgirá com o objetivo de orientar o usuário para a criação do atalho desejado.

Criação de um atalho para aplicativo (executável).

Aqui poderemos definir uma série de propriedades do novo atalho a ser criado, inclusive o ícone que representará o atalho em questão. Cliquem no ícone exibido escolham aquele que corresponde ao atalho. Na falta de um destes, optem pela opção Outros ícones e em seguida Navegar..., para selecionar um arquivo-ícone externo conforme desejado.

Seleção do ícone para o atalho.

Outra forma bastante prática de criar atalhos para a execução de aplicativos está na utilização da função Arrastar-e-soltar do mouse. Esta operação é feita de forma bastante similar como seria no Windows. Para isto, selecionem o atalho desejado que se encontra disponíveis nas seções do Menu K; cliquem nele, mantendo o botão esquerdo pressionado e arraste-o para a Área de Trabalho. Será apresentado este menu rápido:

Como estamos apenas arrastando um atalho já definido no Menu K, o ideal

28/95

será utilizar a opção Copiar Aqui, onde em poucos instantes o teremos disponível na Área de Trabalho. Fica a critério do usuário definir a criação dos novos atalhos para a Área de Trabalho. Vejam o exemplo abaixo:

Área de Trabalho enriquecida de novos atalhos para as aplicações utilizadas (KDE 3.4).

Simples, prático e objetivo.

O PAINEL

DO

KDE

O Painel do KDE – não difere muito do Windows, nem das demais existentes em bons ambientes gráficos. Neste ambiente gráfico, ele é simples, prático, de fácil uso e extremamente customizável.

O Painel do KDE, conhecido também como a Barra de Tarefas.

Dentre os tradicionais elementos que a compõe, é interessante notar a disponibilidade do botão Esconder painel, representado por uma seta abaixo e à direita da tela que possibilita ocultação da barra de tarefas.

Ao posicionarmos o mouse sobre a seta, será mostrada uma legenda que descreverá a sua funcionalidade (esconder painel).

Ainda com o mouse, poderemos realizar alguns ajustes básicos no Painel do KDE (a barra de tarefas). Para isto, cliquem sobre ela com o botão direito e, ao ser apresentado um menu rápido, acionem a opção Configurar Painel...

29/95

O mesmo se dá para a inclusão de novos atalhos para aplicativos e funcionalidades. Para isto, deveremos utilizar as opções Adicionar ao Painel e Remover do Painel, para respectivamente adicionar e remover esses elementos. Na opção Adicionar ao Painel -> Mini-aplicativo, vejam só a quantidade de elementos (mini-aplicativos) disponíveis:

Diversos mini-aplicativos que podem ser embutidos no Painel do KDE. Em destaque, a opção realçada “Botões de Travar/Sair”.

Enfim, opções de funcionalidades é que não irão faltar.

O MENU K
De modo análogo ao botão Iniciar do Microsoft Windows, o Menu K disponibiliza ao usuário uma entrada para os principais aplicativos existentes, bastando apenas clicar no botão K.

30/95

Menu K.

Todas estas aplicações subdivididas em diversas categorias, organizada e consistente, que facilita a fácil localização dos ítens desejados. As principais categorias de aplicações disponíveis no menu K são: •

Configurações: assistentes, painéis de ajuste e controle, centro de controles integrados, enfim, ferramentas gerais de ajuste e configuração do ambiente gráfico; Desenvolvimento: IDEs, editores de código, construtores de interfaces gráficas, depuradores de erros, controles de versões, terminais de comandos, etc.; Educativo: para o entretenimento do público infanto-juvenil, subdivididas nas classes Ciência, Ferramentas de Aprendizado, Idiomas, Matemática e Outros; Escritório: suítes de escritório (processamento de texto, planilhas eletrônicas e apresentações), agendas pessoais, editores de fórmulas, geradores de relatórios, fluxogramas, etc.; Gráficos: editor de imagens bitmaps, vetoriais e ícones, visualizadores, capturas de tela, diagramadores, manipuladores de arquivos PostScript, etc.; Internet: discadores dial-up, navegadores, gerenciadores de conteúdo (downloads) clientes de correio, clientes de bate-papo, mensagens instantâneas e IRC, clientes de FTP, leitor de notícias, etc.; Jogos: diversos jogos para o entretenimento. Alguns são subdivididos por categorias: Arcade, Jogo de Cartas, Jogos de Tabuleiro, “Kidgames” (jogos infantis), Táticas & Estratégias; Multimídia: ferramentas de ajuste e configuração de gáudio, tocadores multimídia (CDs, DVDs e arquivos multimídia de gáudio e vídeo), gravadores de áudio, gravadores de mídia (CD-R/W e DVDR/W), entre outros;
31/95

Sistema: ferramentas gerais de ajuste e configuração do sistema. Como o próprio nome diz, difere da seção Configurações pelo fato destas intervirem no sistema em geral; Utilitários: calculadoras, editores de textos, ferramentas de gerenciamento pessoal, formatador de disquetes, mapa de caracteres, gerenciadores de dispositivos, enfim, ferramentas diversas que não se enquadram nas demais categorias.

Na instalação de novos programas, poderemos atualizar o Menu K tanto automaticamente quanto através do uso da Ferramenta de Atualização de Menus e do Editor de Menus, ambos disponíveis na seção Configurações. Este último também pode ser acionado rapidamente através do clique com o botão direito do mouse sobre o ícone do Menu K -> Editor de Menus:

Em poucos instantes...

O Editor de Menus.

Para obterem maiores informações, consultem neste capítulo, a seção Ajustes & Configurações -> Editor de Menus.

CONCLUSÃO
Por ser bastante similar ao já conhecido e consagrado Windows, não teremos muita dificuldades na manipulação dos elementos disponíveis no ambiente de trabalho do KDE. O diferencial principal está na riqueza de recursos e flexibilidade para personalizarmos ao nosso gosto. Por isto, incentivamos aos usuários realizarem modificações a gosto próprio com o objetivo de se familiarizarem mais rapidamente! &;-D 32/95

IV. O KONQUEROR
INTRODUÇÃO
Todo bom sistema operacional ou ambiente gráfico requer essencialmente um bom gerenciador de arquivos. Para o Windows, temos o Explorer; para o MAC OS X, temos o Finder; e para as distribuições GNU/Linux, temos diferentes opções de gerenciadores de arquivos, onde muitos destes também possuem todas as funcionalidades básicas necessárias para a navegação WEB. Para o KDE, temos o Konqueror. Neste capítulo, iremos conhecer o Konqueror, seus recursos, capacidades e funcionalidades, além das opções de ajustes, confguração e integração.

O KONQUEROR
✔ <http://www.konqueror.org/>. Desenvolvido por David Faure (empregado da Mandriva), o Konqueror é o gerenciador de arquivos e navegador WEB padrão do KDE, além de acumular uma série de outras importantes funcionalidades...

O gerenciador de arquivos Konqueror (KDE 3.5).

Este poderoso gerenciador de arquivos é dono de uma interface bela, consistente e bem estruturada, além de ser uma das ferramentas mais utilizadas e evoluídas do KDE, com inúmeros recursos e funcionalidades. Tal como o Windows Explorer, ele também possui a funcionalidade de navegador WEB. Entre outras vantagens, está a sua facilidade de uso e integração com outras ferramentas importantes, como o editor de textos (KWrite / KEdit / Kate) e o compactador de arquivos (Ark). Também permite 33/95

visualizar diversos formatos de arquivos através de aplicações nativas do sistema, mas desta vez diferente do Windows Explorer, esta visualização pode ser feita de forma embutida. Entre tipos de arquivos a serem visualizados, estão imagens, ícones, textos, páginas html...

AS

FUNCIONALIDADES ...

Por ser uma ferramenta de essencial importância para este ambiente gráfico, iremos estudar brevemente suas principais funcionalidades, com ênfase no gerenciamento de arquivos e diretórios.

MANIPULAÇÃO

DE ARQUIVOS

Com o Konqueror podemos realizar as atividades de navegação de forma simples, prática e extremamente produtiva, seguindo a mesma filosofia do já consagrado Windows Explorer, da Microsoft.

Tela principal do Windows Explorer (Windows XP).

Para não estender esta seção, omitiremos instruções adicionais além de ressaltar apenas os diferenciais do Konqueror, visto que praticamente todos os usuários já conhecem íntimamente esta ferramenta.

NAVEGAÇÃO

EM ABAS

À partir da versão 3.1 do KDE, o Konqueror passou a suportar o modo de navegação em abas, tal como é feito no Firefox. Este recurso é muito útil para visualizarmos diversas seções em uma única janela do navegador, onde assim poderemor organizar melhor a nossa área de trabalho.

34/95

O Konqueror exibindo 4 abas para 4 diretórios distintos: docs, cdrom, flash e floppy. No canto esquerdo, o ícone “Fechar a aba atual”.

Poderemos tanto habilitar as abas clicando no menu principal, em Localização -> Nova Aba, ou clicando com o botão direito do mouse sobre o diretório em questão e acionar a opção Abrir em uma nova Aba.

Acionamento das abas no menu principal...

... e através do botão direito do mouse.

Ao usarmos o botão direito do mouse, podemos também abrir em uma nova aba e de forma embutida um arquivo qualquer, desde que previamente especificado na Associação de Arquivos.

Duas abas abertas: uma visualizando o diretório /home/kde/docs e outra visualizando uma imagem no formato PNG – 264 x 323 pixels.

NAVEGAÇÃO

EM PAINÉIS

Da mesma forma que podemos abrir múltiplas abas de navegação, também podemos dividir a janela em vários painéis. Para isto, deveremos inicialmente habilitar a Barra de Ferramentas Extra do Konqueror, clicando com o botão direito sobre os ícones da barra de ferramentas e marcando-a.

35/95

Acionamento da Barra de Ferramenta Extra.

Após habilitada, ela deverá aparecer apresentando os seguintes itens:

Barra de Ferramentas Extra.

À partir daí é só selecionar como desejamos que o painel seja subdividido. Para fins de exemplo, o dividiremos horizontalmente na figura abaixo, com a opção Separar a Visão em Topo/Base:

Visão em Topo/Base.

Para retornar a configuração antiga, cliquem no botão Fechar Visão Ativa. Neste caso, o painel em evidência (abaixo) será eliminado.

PERMISSÕES

DE ACESSO

Os atributos referentes a permissões de acesso dos arquivos e diretórios poderão ser definidos com o clique do botão direito do mouse sobre o elemento. Em seguida, basta clicarmos na opção Propriedades...

36/95

Caixa de diálogo Propriedades.

Basta redefinirmos os usuários, grupos e permissões de acesso conforme nossas necessidades. Vale também lembrar que, como superusuário do sistema (root), teremos maior flexibilidade para realizarmos as mudanças de permissões de acesso para grupos.

COMPACTAÇÃO /

DESCOMPACTAÇÃO DE ARQUIVOS

A compactação e descompactação de arquivos e diretórios podem ser feitos nos mesmos moldes que faríamos no Windows Explorer e com os aplicativos desta categoria (WinZip, PowerArchive, BraZip, etc.): com o uso das funcionalidades do menu rápido. Ao clicarmos com o botão direito do mouse sobre um arquivo ou diretório (neste caso o diretório docs), poderemos acionar a seção Compactar e escolher as opções disponíveis.

Seleção das opções do menu rápido do Konqueror. Em destaque a seção Compactar e suas opções.

Para descompactá-los, deveremos utilizar o mesmo procedimento através 37/95

das opções contidas na seção Extrair do menu rápido.

Seleção das opções do menu rápido do Konqueror. Em destaque a seção Extrair e suas opções.

Ainda assim, se desejarmos, poderemos acionar o Ark para realizar outras atividades que se façam necessários. Basta apenas dar um clique sobre o arquivo com o botão direito do mouse e selecionar a opção Ark.

Acionamento do Ark a partir do clique com o botão direito do mouse.

Estes recursos são ótimos para manipular pacotes que contém o códigofonte de aplicações, pois bastará apenas entrarmos no diretório criado (pressionando <F4> para inicializar o Konsole) e lançarmos os comandos necessários para a instalação.

NAVEGAÇÃO WEB
Além de ser um excelente gerenciador de arquivos, com o Konqueror podemos também navegar na Internet. Para esta atividade, há um ícone na barra de tarefas intitulado Navegador Web.

38/95

Dos ícones da Barra de Tarefas, observem o Navegador Web (KDE 3.4).

Bastará clicarmos nele e, em seguida...

Tela padrão do Konqueror (Navegador Web).

Apesar de estar ainda um pouco distante tecnologicamente dos grandes navegadores, o Konqueror prima pela sua simplicidade, leveza, aparência enxuta e ótima integração com o ambiente gráfico KDE. Um dos ajustes necessários para o perfeito funcionamento do Konqueror está na habilitação do suporte à applets Java. Para isto, faz-se necessário apenas indicar a localização do arquivo executável em Configurações -> Configurar Konqueror, na seção Java & JavaScript.

39/95

Seção Java & JavaScript.

Basta habilitar a caixa Habilitar Java globalmente e informar corretamente o caminho onde se encontra o arquivo executável java. A instalação padrão do Slackware provê a SDK 2 da Sun, situada em /usr/lib/java. O executável deverá se encontrar em /usr/lib/java/bin/java.

CLIENTE FTP
Mais um excelente recurso do Konqueror. Com ele, podemos realizar atividades de transferência de arquivos através do protocolo FTP. Na barra de endereços, digitem...
ftp://ftp.[DOMÍNIO.EXTENSÃO]/

Para conexões anônimas (pública, que não requerem senha para acesso), onde normalmente só é permitida a navegação e baixa dos arquivos;
ftp://[USUÁRIO]@ftp.[DOMÍNIO.EXTENSÃO]

Para conexões autenticadas, onde é possível também o envio de arquivos. Neste caso, deveremos ter uma conta de autenticação neste FTP. Ao utilizarmos esta última opção, será solicitada a senha de acesso. Mas ainda assim, se quisermos nos autenticar automaticamente sem a utilização de senha de acesso, deveremos utilizar...
ftp://[USUÁRIO].[SENHA]@ftp.[DOMÍNIO.EXTENSÃO]

Agora, bastará administrarmos o FTP como se fosse uma simples estrutura local de diretórios.

AS

FERRAMENTAS ...

Caracterizamos como ferramentas especiais, aquelas descritas no menu principal, seção Ferramentas. Constam as seguintes:

40/95

ABRIR TERMINAL
Se precisarmos acionar o terminal num diretório específico para operar determinados arquivos, poderemos ir ao menu principal -> Ferramentas -> Abrir Terminal. Em poucos instantes, será inicializado o Konsole.

Konsole (Terminal virtual).

Para maior praticidade, poderemos também acessar o Konsole pressionando a tecla <F4> a partir do Konqueror. O diretório padrão do terminal não será o do usuário, e sim aquele em que navegamos.

PROCURAR ARQUIVOS
Outra funcionalidade interessante no Konqueror está na utilização da ferramenta de busca Procurar Arquivos/Pastas, que por sua vez inicializa embutido na própria janela do navegador. Ao clicarmos no menu principal -> Ferramentas -> Procurar Arquivo..., instantâneamente ela aparecerá.

41/95

Ferramenta Procurar arquivos.

Sem grandes mistérios e, com a utilização de expressões regulares e chaves de busca, em poucos instantes localizaremos todos os arquivos desejados.

FILTRO

DE

VISUALIZAÇÃO

Quando navegamos num determinado diretório que possui uma quantidade infindável de arquivos, que por sua vez possuem os mais diversos formatos, teremos dificuldade de encontrar aqueles que desejamos. Porém, se soubermos o formato de arquivo que lidaremos, poderemos acionar esta ferramenta para filtrarmos tal arquivo apenas pelo seu formato. Para isto, acessem o menu principal -> Ferramentas -> Filtro de visualização.

Ferramenta Filtro de visualização.

Notem que são exibidas somente as entradas dos tipos existentes no 42/95

diretório corrente. Basta clicarmos em apenas um deles para a filtragem.

GALERIA

DE

IMAGENS

Para os usuários que armazenam diversas imagens, ou ainda, utilizam câmeras digitais e scanners para capturarem suas imagens preferidas, temos uma ferramenta interessante no Konqueror para criar galerias de imagens. No menu principal -> Ferramentas -> Criar Galeria de imagens..., seremos levados à uma caixa de diálogo com diversas opções.

Caixa de diálogo para criação de galeria de imagens.

Ajustem a gosto próprio os parâmetros da criação desta galeria de imagens. Ao final dos ajustes, cliquem em Criar e aguardem o término do processo.

Imagens sendo redimensionadas para a galeria de imagens.

Em poucos instantes, o navegador WEB Konqueror irá exibir a nova galeria.

43/95

Nova galeria de imagens.

COMANDO

DO

SHELL

Outra praticidade interessante do Konqueror está na possibilidade de executarmos um determinado arquivo situado dentro de um diretório visualizado por ele. Basta manter selecionado o arquivo executável e acionar no menu principal Ferramentas -> Executar Comando do Shell.... Será mostrada a seguinte caixa de diálogo:

Caixa de diálogo Executar Comando do Shell.

Opcionalmente poderemos inserir parâmetros entre as aspas simples, onde se encontra o arquivo a ser executado. Basta apenas conhecê-los. &;-D

OS

PROTOCOLOS...

Para habilitar as demais funcionalidades do Konqueror, deveremos lançar em seu campo Localização deste gerenciador de arquivos, os Protocolos, que são simples aplicações embutidas que permitem “conversar” entre si.4 À seguir, vejam as principais funcionalidades presentes nesta ferramenta: •
4

audiocd:/ - conversão das faixas de áudio em arquivos;

Também são chamados de Ioslaves.

44/95

• • • • • •

floppy:/ - acesso a unidade de disquete do sistema; ftp:// - navegação em FTPs, como se fossem diretórios locais; http:// - acesso ao protocolo HTTP, tal como um navegador WEB; man:/ - exibe a documentação eletrônica dos comandos (man-page); print:/ - exibe as ferraemntas de impressão do sistema settings:/ - exibe todas as entradas (seções) do Centro de Controle.

Para exemplo prático, vejam as opções pré-definidas pelo settings:

Vejam todas as seções do Centro de Controle disponíveis. Basta agora navegarmos em suas opções, como faríamos com uma estrutura de arquivos e diretórios.

Existem inúmeras outras que aqui não foram descritas por não ser de interesse geral do usuário desktop. Para visualizá-las, cliquem no menu K -> Sistema -> Centro de Informações e visitem a seção Protocolos.

AJUSTES & CONFIGURAÇÕES
Para acionar a tela de configuração do Konqueror, deveremos ir ao menu principal e selecionar a opção Configurações -> Configurar Konqueror.

Opção Configurações -> Configurar Konqueror.

45/95

Aqui encontraremos de forma organizada e estruturada as mais diversas opções de ajustes e configuração, bastando apenas navegar no painel à esquerda e ajustar o gerenciador de acordo com nossas preferências. As principais seções que encontraremos são: • • • • • • • • • • • • • • • • •

Comportamento, Aparência, Pré-Visualizações & Metadados, Associações de arquivos, Comportamento WEB, Java & JavaScript, Fontes, Atalhos da Web, Barra lateral de Histórico, Cookies, Cache, Proxy, Folhas de estilo, Criptografia, Identificação do Navegador, Plug-ins e Performance.

Não descreveremos estas seções aqui pelo fato de se encontrar também disponível no Centro de Controle KDE. Para terem acesso a todas estas opções, consultem nesta parte o capítulo As ferramentas de ajustes.

CONCLUSÃO
Como dissemos antes, um excelente ambiente gráfico precisa – antes de tudo – prover uma excelente aplicação para o gerenciamento de arquivos, entre outras tarefas. E o Konqueror cumpre maravilhosamente bem suas tarefas. Além disso, é considerado como um dos melhores (se não o melhor) gerenciador de arquivos da categoria. &;-D

46/95

V. AS

APLICAÇÕES NATIVAS

INTRODUÇÃO
Um bom ambiente gráfico deverá prover aos usuários – além do gerenciador de arquivos e painel de configuração – excelentes ferramentas e recursos para que possam obter produtividade em suas atividades. De tarefas simples que vão desde realizar cálculos ou formatar disquetes para as tarefas complexas e elaboradas, requerem que estes recursos estejam disponíveis de forma fácil e intuitiva ao usuário. Neste capítulo, iremos conferir apenas as principais existentes para o ambiente gráfico KDE.

AS

APLICAÇÕES...

CONFIGURAÇÕES
Além do Centro de Controle do KDE, o KDE também fornece algumas ferramentas práticas para realizarmos ajustes e configurações no sistema. Estes ficam situados na seção Configurações.

Para obterem maiores informações sobre as ferramentas disponíveis nesta seção, consultem nesta parte o capítulo As ferramentas de ajustes.

DESENVOLVIMENTO
Embora um usuário desktop raramente desenvolve aplicações, existem excelentes aplicações para o desenvolvimento em geral. Nesta categoria, apresentaremos o KDevelop, o Kommander, o Quanta e o Umbrello.

KDEVELOP
✔ <http://www.kdevelop.org/>. O KDevelop é uma ferramenta IDE desenvolvida em meados de 1998 e sua principal finalidade era a de um ambiente integrado de programação.

47/95

KDevelop.

Semelhante ao Microsoft Visual C++, esta IDE possui alguns interessantes recursos, como um gerador de documentação eletrônica e makefiles automatizados, possibilitando em poucos minutos ter à nossa disposição, uma base de desenvolvimento para a criação de novas aplicações. Infelizmente o KDevelop não possui um gerador de formulários; mesmo assim, é possível desenvolver excelentes aplicações básicas.

KOMMANDER
✔ <http://kommander.kdewebdev.org/>. O Kommander é uma aplicação destinada para construir interfaces gráficas para as aplicações escritas em Shell-script. Para aqueles que já trabalharam com o Delphi ou Visual Basic, sentirão muita familiaridade.

48/95

Kommander.

Basicamente existem dois módulos: o kmdr-editor, responsável pela criação da interface e que possibilita escrever os scripts “embutidos” nos widgets criados; e o kmdr-executor, que executa os arquivos criados pelo editor. Muitas distribuições (que adotam o KDE como desktop padrão) utilizam o Kommander para construir seus painéis de controles personalizado.

QUANTA +
✔ <http://quanta.kdewebdev.org/>. Apesar de estarem sendo “substituídos” pelos editores visuais, os editores de código HTML ainda continuam sendo bastante usados, graças a possibilidade de se obter um código enxuto e bem organizado. Entre os principais editores de código, destaca-se o Quanta+.

49/95

Quanta.

O Quanta+ – pronuncia-se “Quanta Plus” – possui vastos recursos para a edição de códigos HTML, oferecendo também, a partir da versão 3, opções de módulos para o desenvolvimento de páginas em outras linguagens.

UMBRELLO
✔ <http://uml.sourceforge.net/>. Todos os softwares profissionais, antes de serem desenvolvidos, devem ser previamente projetados através do uso de certas ferramentas concebidas especialmente para estes propósitos. Um diagramador para o uso da UML é necessário, e para estas circunstâncias, temos o Umbrello.

Umbrello.

50/95

O Umbrello suporta os diagramas de caso de uso, de classe, de seqüência, de colaboração, de estado, de atividade, de componente e de distribuição, segundo a sua documentação oficial.

EDUCACIONAL
✔ <http://edu.kde.org/>. Nesta seção, iremos apenas fazer uma rápida descrição geral das aplicações que compõe estas categorias.

CIÊNCIA
Em Ciência, temos: o Estrelas, um reprodutor visual e interativo que simula o sistema estrelar; e o Kalsium, que por sua vez reproduz a tabela periódica de elementos.

FERRAMENTAS

DE APRENDIZADO

Em Ferramentas de aprendizado, temos o KEduca, que permite criar, editar e aplicar testes de conhecimentos baseado no uso de formulários. As perguntas, pontuações, dicas, tempo de resposta, etc. São configuráveis conforme vão se incluindo as questões. Simples e fácil de usar.

IDIOMAS
Em Idiomas, temos: KHandMan, um jogo classico onde deveremos advinhar as letras de uma palavra; KLatin, que permite fazer revisões aos conhecimentos de latin; Kanagram, um simulador de anagramas; Kiten, uma ferramenta de referência ao japonês; Kverbo, que permite conjugar verbos; Letras, para o aprendizado de novos idiomas por associação auditiva; e o Treinador de Vocabulário, que dispensa comentários.

MATEMÁTICA
Em Matemática, temos: KBrush, para o treino em cálculos com frações; KPor Cento, para o treino em cálculos com percentuais; Kig, um sistema para construção de elementos geométricos; e KmPlot, um gerador de gráficos de funções matemáticas.

OUTROS
Em Outros, temos: Kgeography, que mostra os mapas e bandeiras dos principais países do mundo; KTouch, que permite o treino de digitação; KTurtle, um ambiente de desenvolvimento educacional para a linguagem Logo; KWordQuiz, para o treino de novos vocábulos; e blinkKen, que ajuda a treinar a capacidade da memória.

51/95

ESCRITÓRIO
O KDE conta com algumas excelentes aplicações para escritório. Em destaque, o KOffice e o Kontact, ambos são respectivamente soluções integradas para escritório e gerenciamento pessoal.

KOFFICE
✔ <http://www.koffice.org/>. O KOffice é uma excelente suíte de escritório integrada que pertence ao ambiente gráfico KDE. Leve, simples e com um ótimo acabamento, porém ainda se encontram algumas limitações, como por exemplo a conversão de documentos gerados pelo Microsoft Office.

Espaço de trabalho do KOffice.

Dentre suas principais características, está a forte integração com o ambiente gráfico KDE, por ser parte integrante do projeto. Ela também se encontra bastante estável e madura em suas últimas versões. Os principais componentes do KOffice são: • • • • • • • •

Karbon14, editor de gráficos vetoriais; KChart, gerador de gráficos; Kexi, banco de dados (estilo MS Access); KIllustrator, editor de gráficos vetoriais; Kívio, editor de fluxogramas; KOntour, gráficos vetoriais (desenhos); KPlato, gestor de projetos; KPresenter, editor de apresentações;
52/95

• • • •

Krita, tratamento de imagens; KSpreadsheet, planilha eletrônica; Kugar, gerador de relatórios (para aplicações KDE); KWord, editor de textos.

Por padrão, o KOffice é disponibilizado ao sistema em seu idioma original. Para ajustá-lo para o português, deveremos instalar o pacote koffice-i18npt_BR-[VERSÃO]-noarch.tgz. Tenham em mãos o 2o. CD-ROM de instalação do Slackware ou baixem o pacote acima indicado. Partindo do princípio de que temos disponível a mídia de instalação, coloquem-na na bandeja da unidade e utilizem os comandos...
# mount /dev/cdrom # cd /mnt/cdrom/slackware/kdei/

Em seguinda, instalem o pacote...
# installpkg koffice-i18n-pt_BR-[VERSÃO]-noarch.tgz

Por último, ajustem o KDE para o nosso idioma (se já não estiver feito). Assim, automaticamente o KOffice estará configurado, graças a sua integração com o ambiente gráfico. Lembrem-se também que a nomenclatura do pacote pode variar com o exemplo (fictício) acima citado. Para realizarmos ajustes e configurações dos aplicativos da suíte, deveremos apenas navegar nas opções disponíveis do menu Configurações e ajustar os parâmetros de acordo com as necessidades.

KONTACT
✔ <http://www.kontact.org/>. O Kontact não é apenas uma, e sim, várias aplicações integradas que compõe uma verdadeira suíte para o gerenciamento de informações pessoais. Tal como o KOffice, é outro grande destaque deste ambiente.

53/95

Tela inicial do Kontact.

Dentre suas características, a mais notória está na forma com que integrou as principais aplicações para o gerenciamento de informações do KDE, como o KMail, KOrganizer, Akregrator, entre outros. Todos eles encontramse disponíveis através da interface do Kontact. Os principais componentes do Kontact são: • • • • • • • • • •

Akregator, leitor de RSS; KAdressbook, catálogos de endereços do KDE; KArm, alarme (gerenciamento de tempo); KitchenSync, sincronizador de informações; KMail, cliente de correio eletrônico; KNodes, leitor de notícias; KNotes, sistema de anotações; KOrganizer, organizador (agenda); KPilot, sincronizador do KDE para o Palm; MultiSynK, sincronizador de informações;

Por padrão, a suíte de aplicações Kontact encontra-se disponível no ambiente gráfico através do pacote kdepim. Uma vez instalado, teremos todas estas aplicações disponíveis, sem maiores inconvenientes. Quanto ao ajuste da linguagem nativa, bastará ajustar o idioma do próprio KDE para que as alterações façam efeito na suíte do Kontact.

GRÁFICOS
Outro grande destaque do KDE está na excelência em aplicações gráficas. 54/95

Em destaque, o KPDF, o Krita, o KSnapshot e o KView, entre outras excelentes aplicações...

KPDF
✔ <http://kpdf.kde.org/>. O KPDF é o leitor de arquivos PDF padrão do KDE.

KPDF.

Tendo o código-fonte baseado no já conhecido XPDF, o KPDF possui os recursos tradicionais de todo bom leitor de PDFs, tais como: visualização da folha em modo contínuo, miniaturização (thumbnails) das páginas, visualização em modo de slides, ferramenta para cópia de trechos, entre outros. Ele também conta com alguns recursos interessantes, como a integração ao Konqueror e a possibilidade de “lembrar” qual foi a última página acessada de determinado arquivo.

KSNAPSHOT
Um simples, porém eficiente capturador de telas para o KDE.

55/95

KSnapshot.

KRITA
✔ <http://www.koffice.org/krita/>. Embora também seja considerado um componente da suíte de escritório KOffice, o Krita é uma das principais aplicações disponíveis nesta categoria. Ele se encontra integrada ao KOffice partir da versão 1.4 desta suíte.

Krita.

Apesar de ter sido integrada a suíte recentemente, esta aplicação vem sendo desenvolvida desde 1999, porém mudava constantemente de mantenedor a ainda com longas pausas em seu desenvolvimento. A expectativa é de questa aplicação seja uma opção equivalente ao já conhecido e tradicional GIMP.

KVIEW
✔ <http://www.ph.unimelb.edu.au/~ssk/kde/kview/>. 56/95

Um simples e funcional visualizador de imagens para o KDE.

KView.

O KView possibilita visualizarmos praticamente todos os formatos de imagens bitmaps existentes, tais como BMP, GIF, JPG, PNG, TIFF, ICO, entre outros. Possibilita também realizar algumas conversões básicas.

INTERNET
Para que serve um bom ambiente gráfico sem excelentes aplicações para o uso da Internet? Com certeza, não será muito útil. Tal como na seção Multimídia, o KDE também é rico de aplicações para a Internet.

AKREGATOR
✔ <http://akregator.kde.org/>. O Akregator é o leitor e agregador de Feeds RSS padrão do KDE.

57/95

Akregator.

O Akregator permitir o suporte a arquivos RSS e outros formatos eqüivalentes, que por sua vez possibilita os sites de informações resumirem suas notícias para uma simples consulta por tópico. No KDE, esta aplicação também pode ficar embutido em seu Painel...

Akregator embutido no Painel do KDE.

... ou ainda, integrada ao gerenciador de infomações pessoais Kontact.

KGET
✔ <http://kget.sourceforge.net/>. Para facilitar a obtenção de conteúdos na Internet, foram desenvoldidas algumas interfaces gráficas para o uso com o wget. Em destaque o KGet.

KGet.

Componente do ambiente gráfico KDE, poderemos realizar as principais operações de forma simples e fácil, onde ainda teremos a vantagem de utilizá-lo integrado com o navegador Konqueror. 58/95

KMAIL
✔ <http://kmail.kde.org/>. O cliente de correio padrão do KDE, o KMail é outra ótima opção de gerenciador de correio eletrônico. Com uma aparência simples, enxuta e com disponibilidade de recursos essenciais, o KMail alia simplicidade com eficiência, tendo em sua interface gráfica todos os elementos necessários distribuídos de forma intuitiva e fácil de usar.

1a. inicialização do KMail.

No KMail estão apenas os recursos básicos como a agenda de endereços, filtragens, criação de pastas, entre outros. Tal como o Thunderbird, ele oferece suporte a múltiplas contas POP, porém apenas uma SMTP. Para adicionarmos mais recursos e melhor ajustarmos suas funcionalidades, deveremos visitar a sua página oficial, na seção Tools & Docs.

KONQUEROR
✔ <http://www.konqueror.org/>. Conforme dito também no subtítulo O Konqueror, ele também é uma opção como navegador para a Internet.

59/95

Konqueror acessando o Google.

Para maiores informações sobre suas funcionalidades como navegador, consultem nesta parte, o capítulo O Konqueror.

KOPETE
✔ <http://kopete.kde.org/>. O Kopete é o mensageiro oficial do KDE, que se encontra disponível a partir da versão 3.2 deste excelente ambiente gráfico.

Kopete (em inglês).

Dentre suas características está o suporte a praticamente todos os protocolos existentes, desde o ICQ até o MSN, além da possibilidade de utilizar plugins para estender suas funcionalidades.

60/95

KPPP
✔ <http://developer.kde.org/~kppp/>. O KPPP é o discador oficial do ambiente gráfico KDE, que alia beleza e praticidade, além de ser simples e fácil de configurar e utilizar.

KPPP.

Para configurá-lo, deveremos clicar no botão Configurar... e navegar através das abas para definirmos os atributos necessários para uma boa navegação. Apesar da existência de inúmeros parâmetros, a maioria das intervenções estão previamente configuradas como padrão para a maioria dos equipamentos; além disso, são de fácil entendimento, onde acreditamos não existir necessidade de instruções adicionais. Para utilizar o KPPP, certifiquem-se de que possuem uma conta préconfigurada para a conexão, além de alguns ajustes necessários. Caso positivo, basta selecionar a conta, digitar a autenticação e a senha e clicar em Conectar. Caso contrário, basta apenas criarem uma nova conta. O processo é tão simples e fácil que dispensa comentários! &;-D

JOGOS
Os jogos disponíveis para o KDE são inúmeros; segue apenas os nomes.

ARCADE
Em Arcade, temos: Asteroids, KBounce, Ksnake, KGoldrunner, KFoulEggs, KsirTet, KSmiletris, KSpaceDuel, KTron e KGolf.

BRINQUEDOS
Em Brinquedos, temos: AMOR, KTeaTime e KWorldClock.

JOGOS

DE

CARTAS

Em Jogos de Cartas, temos: KPoker, Klondike, e Lieutenant Skat.

61/95

JOGOS

DE

TABULEIRO

Em Jogos de Tabuleiro, temos: Atlantik Designer, Atlantik, KBlackBox, KBlackgammon, KMahjongg, KReversi, KWin4, Kenolaba, Shisen-Sho, XBoard e eboard.

KIDSGAMES
Em Kidsgames, temos o Homem-batata.

TÁTICAS & ESTRATÉGIAS
Em Táticas & Estratégias, temos: KAtomic, KBattleship, Kolor Lines, KMines, KJumpingCube, KSokoban, Klickety, Konquest e SameGame.

MULTIMÍDIA
A grande força do KDE está justamente as opções de aplicações multimídia. Além dos já consagrados K3b, Kaffeíne e AmaroK, o ambiente gráfico dispõe de excelentes aplicações básicas.

J UK
✔ <http://developer.kde.org/~wheeler/juk.html>. O JuK é o tocador de áudio multimídia padrão do KDE.

1a. Inicialização do JuK.

Embora não seja tão rico em recursos e funcionalidades como o AmaroK, no JuK poderemos reproduzir os formatos mais populares ( MP3, Oggs Vorbis, FLAC, MPC, etc.), classificar as coletâneas de músicas, editar TAGs e ainda, suportar a gravação em CDs através do integração com o K3b.

KAUDIO CREATOR
Embora tenhamos a função de ripar CDs de áudio no Konqueror, o KDE tem sua aplicação padrão para esta finalidade: o Criador de Áudio. 62/95

KAudio Creator.

Este utilitário é apenas uma inteface gráfica para aplicativos em modo texto que realizam esta atividade, que por sua vez, se resume em duas etapas: ripagem, feita através do programa cdparanoia; e a codificação, feita através de diferentes codificadores, de acordo com formato desejado (lame para MP3, oggenc para Oggs Vorbis e flac para FLAC).

KMIX
O ambiente gráfico KDE no oferece opções nativas para um bom ajuste, além da existência de utilitários específicos para tal finalidade: o KMix.

KMix ajustando as propriedades da placa de som SB Live! 5.1.

Em destaque, o suporte a arquitetura ALSA e todos os seus recursos. Se por um acaso, ao executarem o KMix e sua interface gráfica não aparecer na tela, olhem para a barra de tarefas, no canto esquerdo. Ele se encontra inicializado, porém minimizado, disponibilizando apenas um pequeno ícone azul para ser acessado.

Aplicações embutidas no Painel. No canto direito, observem o ícone do KMix.

Basta clicar sobre o ícone para que seja exibida a barra de volume. Logo 63/95

abaixo encontraremos o botão Mixer...

... que por sua vez ao ser acionado, disponibilizará a interface gráfica para realizarmos as configurações desejadas. O mesmo ocorre com o KsCD, que também é minimizado para a barra de tarefas.

KREC
O KRec é o gravador de áudio padrão do KDE.

Conforme as instruções de seu manual eletrônico:

“A finalidade do KRec é bastante simples. Ele conecta-se ao servidor aRts e grava o que para ele é redirecionado para arquivos. Estes arquivos estão num formato especial do KRec mas é possível exportá-los para arquivos wave, ogg e mp3. O KRec tem no entanto muito mais funcionalidades. Você pode efetuar gravações múltiplas num arquivo até com funcionalidades de sobreposição.” -- [Manual do KRec].

KSCD
O KsCD é o reprodutor de CDs de áudio padrão do KDE.

64/95

KsCD reproduzindo “Toni Braxton: More than a woman”.

Ele possui todas opções básicas de um aparelho de CD comum, como os recursos randônicos, reprodução contínua e reprodução inicial das músicas, suporte ao banco de dados freedb, entre outros recursos disponíveis na opção Extras (Extras) -> Configure KsCD... (Configurações KsCD...). Lembrem-se de que os CDs de áudio não precisam ser montados (no sentido literal), bastando apenas inseri-lo na bandeja e executar os tocadores para poder ouvir suas músicas preferidas.

NOATUM
✔ <http://noatun.kde.org/>. Um reprodutor multimídia para o sintetizador aRts, do KDE.

Interface “Excelente”.

Não desdenhem da interface simples do Noatum; embora apresente apenas os controles básicos de um reprodutor multimídia, ele pode ser extendido e customizado através de seu painel de configuração. Por padrão, suporta os formatos MPEG Layer 1 e MP3. Os demais formatos podem ser suportados através da inclusão de bibliotecas e codecs especiais.

SISTEMA
Aqui encontraremos as ferramentas para a administração geral do sistema. Um aspecto importante é que, para usar determinadas ferramentas, será necessário estar autenticado no sistema no modo superusuário – root.

65/95

Solicitação da senha de autenticação do superusuário.

Caso contrário, será aberta uma nova tela solicitando a senha de acesso desta conta, que, após ser digitada, teremos o acesso ao sistema para realizar as atividades desejadas.

CENTRO

DE

INFORMAÇÕES

DO

KDE

Extrair informações gerais sobre as especificações do equipamento em uso através da linha de comandos, além de cansativo e trabalho, é também bastante desmotivante. O ideal é ter à disponibilidade uma ferramenta que fizesse toda esta checagem e nos informasse detalhadamente. Felizmente para estas circunstâncias, temos o Centro de Informações do KDE.

Centro de Informações do KDE.

O que mais poderíamos dizer sobre este utilitário? Em seu menu principal estão classificadas por perfis todas as informações gerais do computador, onde entra em destaque, o módulo PCI, onde teremos a descrição de todos os periféricos que utilizam este barramento. Enfim, basta selecionarmos as categorias desejadas e voi-lá! &;-D

66/95

KCRON
Em sistemas Unix-like, o crontab é a ferramenta de agendamento e gerenciamento de tarefas; no KDE temos uma interface gráfica construída especialmente para esta tarefa: KCron.

Interface gráfica inicial do KCron.

Aqui poderemos agendar todas as nossas tarefas, determinando as aplicações que serão carregadas e seus respectivos tempos (dia, semana, mês, hora, etc.). Para isto, cliquem no ícone Novo e editem os valores das variáveis apresentadas a seguir em uma caixa de diálogo.

KONSOLE
✔ <http://konsole.kde.org/>. Conforme já comentamos em outras Partes, o Konsole é a aplicação de linha de comando (terminal) simples e fácil de utilizar e personalizar.

Konsole (Terminal virtual).

67/95

Uma circunstância interessante para o seu uso está no ato da navegação na estrutura de diretórios do sistema com o Konqueror. Ao pressionarmos <F4>, teremos acesso ao Konsole, com a linha de comando apontando para o mesmo diretório o qual estávamos realizando a navegação. Consultem nesta parte o capítulo O Konquero para maiores informações.

KPACKAGE
✔ <http://www.general.uwa.edu.au/u/toivo/kpackage/>. Desde as suas primeiras versões, o KDE conta com o KPackage, um gerenciador de pacotes nativos para o ambiente gráfico.

KPackage.

Com esta ferramenta, poderemos gerenciar sem maiores dificuldades os pacotes instalado no sistema, através das operações de instalação, atualização e remoção disponíveis nas abas e barra de ferramentas lateral. Para as distribuições que utilizamo o formato RPM, esta ferramenta conta ainda com a possibilidade de utilizar seus recursos de checagem de dependências, informando-as ao administrador.

KRANDR
Como o próprio nome indica, o KRandR é uma simples ferramenta que possibilita redimensionar e rotacionar a resolução de video.

68/95

KRandR (Redimensionar Tela & Rotacionar).

Outras características interessante desta ferramenta está no fato de que pode ser mantida embutida no Painel do KDE. Com um simples clique do botão esquerdo do mouse, podemos ajustar automaticamente a resolução e a taxa de atualização da tela, conforme a figura abaixo.

Inicialização do KRandR através do mouse, com a aplicação minimizada.

KRFB (DESKTOP SHARING)
O Krfb (Desktop Sharing) é uma aplicação destinada especialmente para o compartilhamento de recursos de um desktop.

69/95

Assistente gráfico do Krfb.

Com o auxílio do cliente VNC do KDE, o Krfb compartilha a sessão atual do ambiente gráfico com usuários de outras máquinas que estejam ligadas em rede, sem a necessidade de reiniciar o servidor gráfico.

KUSER
O KUser é o gerenciador padrão de contas de autenticação dos usuários e grupos de acesso do sistema operacional.

KUser.

O processo de criação de contas pode ser feito de forma simples e intuitiva, bastando apenas navegarmos nas abas Usuários e Grupos ou clicar nos ícones ADD (adicionar), EDIT (editar), DEL (excluir) referentes às abas mencionadas. O ícone Salvar (o pequeno disquete à esquerda) grava as definições realizadas.

70/95

KWIKDISK

E

KDISKFREE

O KwikDisk (Utilitário de Mídia Removível) e o KDiskFree (Disco Livre) são ferramentas nativas do ambiente criadas para o gerenciamento do sistema de armazenamento de dados (unidades e partições).

KwikDisk acoplado.

KDiskFree (KDE 3.4).

Ambos possibilitam a montagem e visualização das unidades físicas (CD/DVD-ROM, disquete, pedrives, etc) e partições (discos rígidos) do sistema, desde que estas estejam especificados corretamente em /etc/fstab.

KSYSGUARD
O KSysGuard – Guarda do Sistema KDE – é a aplicação que permite monitorar os aplicativos em aberto e o desempenho geral do sistema.

KSysGuard (aba “Carga do Sistema”).

A aba Carga do Sistema mostra as medições das taxas de utilização do processador, memória, disco rígido, alimentação elétrica, entre outros, possibilitando-nos verificar o desempenho geral do sistema. Já a aba Tabela de Processos nos permite visualizar todas as aplicações em aberto, além de 71/95

nos possibilitar matar os aplicativos que porventura travarem no sistema. De forma análoga a conhecida combinação <CTRL>+<ALT>+<DEL>, também poderemos habilitar a aba Tabela de Processos apenas pressionando simultâneamente as teclas <CTRL>+<ESC>.

Aba “Tabela de Processos”, habilitada com o pressionamento das teclas <CTR>+<ESC>.

Outra forma de realizar a destruição de um processo é pressionando simultâneamente as teclas <CTRL>+<ALT>+<ESC>, onde em seguida o cursor terá sua imagem modificada por uma caveirinha. Bastará apenas clicarmos na janela o qual reside a aplicação travada.

UTILITÁRIOS
Ao acionarmos o Menu K -> Utilitários, veremos uma quantidade enorme de pequenos e úteis aplicativos para as mais variadas necessidades – e por isto são chamados de utilitários! Nesta seção descreveremos basicamente apenas alguns utiliitários de uso bastante comum pelos usuários desktops.

ARK
Uso de ferramentas para a compressão e descompressão de arquivos é grande nos tempos atuais. E para esta atividade temos o Ark.

72/95

Arquivador Ark.

Com uma interface simples, intuitiva e fácil de usar, o Ark lembra muito as tradicionais aplicações do Windows como o WinZip, PowerArchive e BraZip. Também poderemos usar suas funcionalidades de forma integrada ao Konqueror, através do clique do botão direito do mouse sobre o arquivo em questão, nos mesmos moldes que faríamos no Windows Explorer.

DISQUETE
O Disquete (KFloppy) é o formatador padrão de disquetes do KDE.

Disquete.

73/95

Nele podemos ainda definir qual será o sistema de arquivos à ser utilizado (DOS ou ext2). Recomendamos utilizar o DOS (FAT16), para que possa ser acessado por outros computadores que utilizam Windows.

KATE / KEDIT / KWRITE
Estes são os editores de textos nativos do KDE.

Kate abrindo diversos arquivos-textos LINUX-HOWTO.

Cada um destes editores tem uma finalidade: o Kate é o mais avançado dos editores, pois disponibiliza uma série de ferramentas e recursos, tornandose excelente opção para a edição de scripts e código-fontes. O KWrite, embora seja mais simples, possui a funcionalidade de identar e destacar a codificação do texto em questão (HTML, C/C++, CSS , etc.). Por último, o KEdit é o mais simples de todos, útil apenas para a editoração de textos simples. Embora tenha menos recursos, carrega de forma bem mais rápida.

KCALC
Sem maiores comentários, esta é a calculadora do KDE!

74/95

KCalc.

KNOTES
Um simples anotador para o KDE.

KNotes.

SELETOR

DE CARACTERES

Quem não se lembra do mapa de caracteres, um utilitário que permite selecionar caracteres especiais? No KDE temos o Seletor de caracteres.

75/95

Seletor de caracteres.

Simples, fácil e muito prático! Algum comentário? &;-D

SUPERKARAMBA
✔ <http://netdragon.sourceforge.net/>. O SuperKaramba é uma excelente ferramenta gráfica que auxilia o administrador no gerenciamento do sistema em geral.

SuperKaramba.

Como ele podemos verificar a carga do processador, serviços carregados, ocupação da memória, entre outros. Outra recente inovação está na possibilidade de ser utilizado como leitor de RSS. Os temas são baixados diretamente pela interface do aplicativo.

SOBRE

O

KDE-APPS.ORG
76/95

Por ter sido concebido para ser um ambiente gráfico completo e poderoso, o

KDE possui diversos aplicativos e utilitários importantes. Mas ainda assim, não tem todas as aplicações possíveis. É nestas circunstâncias em que ter um repositório de aplicações para o KDE é interessante...

KDE-Apps.org.

Se desejarmos incluir mais aplicações no sistema, poderemos consultar antes a página KDE-Apps. Lá encontraremos uma fantástica quantidade de referência para aplicações desenvolvidas para este ambiente gráfico. Todas elas estão organizadas em categorias, onde também temos uma simples classificação para as aplicações mais populares existentes.

CONCLUSÃO
As aplicações nativas do KDE foram projetadas para atenderem as mais diversas necessidades básicas dos usuários – apesar de que boa parte delas estão amadurecidas em nível tão alto que dispensam outras aplicações da mesma categoria. Nestas circustâncias, teremos poucos motivos para realizarmos a instalação de aplicações fornecidas por terceiros. &;-D

77/95

VI. AS

FERRAMENTAS DE AJUSTES

INTRODUÇÃO
São suas ferramentas de ajustes que tornam um bom ambiente gráfico flexível e personalizável ao gosto do usuário. E quanto mais flexível é um ambiente gráfico, mais sofisticadas deverão ser as suas ferramentas de ajustes. Com o KDE, certamente não seria diferente. Neste capítulo, iremos conhecer as principais ferramentas de ajustes do KDE. Em destaque, o Centro de Controle KDE.

O CENTRO

DE

CONTROLE KDE

O Centro de Controle KDE é a principal ferramenta de ajuste e configuração deste ambiente gráfico. Ele fornece um excelente menu estruturado com as principais seções e seus respectivos módulos para a configuração do ambiente gráfico – e até mesmo do sistema operacional.

Tela inicial do Centro de Controle KDE.

No Centro de Controle KDE, conseguiremos configurar praticamente todo o ambiente gráfico e o comportamento geral de suas aplicações.

A

INICIALIZAÇÃO

Basicamente, para ter acesso direto ao Centro de Controle KDE, cliquem no menu K -> Centro de Controle. Porém, para acessarmos os seus módulos separadamente através do menu prinicipal, teremos que habilitar o menu opcional Configurações, clicando com o botão direito do mouse sobre o

78/95

Painel do KDE e acionar neste menu as opções Painel do KDE -> Configurar Painel... Na seção Menus, na caixa K Menu e em Menus opcionais, bastará marcar a opção Configurações.

Pronto, basta acionarmos novamente o Menu K -> Configurações e navegar nas seções existentes, selecionando em seguida o módulo desejado.

Outra forma de executar os módulos separadamente é acionando na linha de comando a aplicação kcmshell. A sintaxe básica é:
$ kcmshell [MÓDULO]

Onde [MÓDULO] é o módulo desejado. Para obtermos maiores informações sobre esta aplicação, digitem...
$ kcmshell --list

AS

SEÇÕES

As seções disponíveis no Centro de Controle são:

79/95

ADMINISTRAÇÃO

DO

SISTEMA

Em Administração do Sistema, se encontram disponíveis diversos módulos desenvolvidos para facilitar a realização de atividades administrativas não só do ambiente gráfico, mas também do sistema operacional em geral. Esses módulos definem: • • • • • • • •

Caminhos Data & Hora Gerenciador de Inicialização (LILO) Gerenciador de Login Instalador de Fontes Laptop IBM Thinkpad Laptop Sony Vaio Índice de Imagens

APARÊNCIA & TEMAS
Em Aparência & Temas, praticamente todos os módulos responsáveis pelas personalizações cosméticas do ambiente gráfico: cor de fundo, papel de parede, fotes, tamanhos de ícones, etc. Estes módulos se classificam em: • • • • • • • • • •

Cores Decorações da Janela Estilo Fontes Fundo de Tela Gerenciador de Temas Lançador Rápido Protetor de Tela Tela de Apresentação Ícones
DO

COMPONENTES

KDE

Em Componentes do KDE, muitos dos recursos e serviços disponibilizados pelas aplicações que o compõe podem ser ajustados aqui. Em destaque, as opções de configuração do Konqueror. Os demais são: • • •

Associações de Arquivos Corretor Ortográfico Fonte de Dados do KDE
80/95

• • • • •

Gerenciador de Arquivos Gerenciador de Serviços Gerenciador de Sessão Performance do KDE Seletor de Componentes

Para obterem maiores informações sobre as opções de ajuste e configuração do Konqueror, consultem nesta parte o capítulo O Konqueror.

CONTROLE

DE

ENERGIA

Em Controle de Energia, somente encontramos um módulo para ajustarmos as propriedades de controle de energia, e ainda assim é aplicável apenas para equipamentos portáteis – os notebooks. Chama-se... •

Bateria do Laptop

INTERNET & REDE
Em Internet & Rede, temos diversos módulos de ajustes que possibilitam configurar praticamente todo o processo de comunicação em redes. • • • • • • • • • • •

Batepapo de Rede Local Compartilhamento de Arquivos Compartilhamento do Desktop Configurações de Conexão Configurações de Rede Navegador WEB Navegação em Rede Local Proxy Rede Sem Fio Samba Serviço Discovery

Tal como em Componentes do KDE, o Konqueror é agraciado com um módulo separado: o Navegador WEB. Ele é dedicado para ajustar as suas funcionalidades referentes a navegação para a Internet. É subdividido nas seguintes partes: • • • •

Atalho da WEB Barra Lateral de Histórico Cache Comportamento WEB
81/95

• • • • • • • •

Cookies Filtros AdBlock Folhas de Estilo Fontes Identificação do Navegador Java & JavaScript Plug-ins Scripts SGI

PERIFÉRICOS
Em Periféricos, ganham a vez todos os periféricos de entrada e saída do sistema: desde o trio básico teclado, monitor e mouse aos sofisticados controle-remotos. Para isto, existem os seguintes módulos: • • • • • • •

Controles Remotos Impressoras Joystick Mouse Mídia de Armazenamento Teclado Tela

REGIONAL & ACESSIBILIDADE
Em Regional & Acessibilidade, como o próprio nome diz, existem diversos módulos que facilitam a definição de variáveis de ambiente como a língua, o fuso horário, a moeda corrente, entre outros, como também algumas opções de acessibilidade em geral. É composta dos seguintes módulos: • • • • • •

Acessibilidade Atalhos do Teclado Ações de Entrada Conversão de Texto para Fala Layout do Teclado País/Região & Idioma

SEGURANÇA & PRIVACIDADE
Em Segurança & Privacidade, temos excelentes módulos que possibilitam redefinir as configurações do sistema para nossa maior comodidade e 82/95

segurança. Constam os seguintes módulos: • • • •

Carteira do KDE Criptografia Privacidade Senha & Conta do Usuário

SOM & MULTIMIDIA
Em Som & Multimídia, os módulos que o compõe subdividem-se à grosso modo em 2 categorias, à saber: propriedades de áudio em geral e sons de notificação do sistema. Esses módulos são: • • • •

CDs de Áudio Campaínha do Sistema Notificações do Sistema Sistema de Som
DE

ÁREA

TRABALHO

Em Área de Trabalho, todos os módulos que compõe esta categoria têm o objetivo de auxiliar o usuário a predefinir o comportamento da área de trabalho do ambiente gráfico com a atribuição de valores para os campos disponíveis. Em alguns itens, podemos inclusive realizar personalizações cosméticas, como o Painel do KDE, por exemplo. Os módulos são: • • • • • •

Barra de Tarefas Comportamento Comportamento da Janela Configurações Específicas da Janela Múltiplas Áreas de Trabalho Painéis

AS (DEMAIS)

FERRAMENTAS

Grande parte das ferramentas de ajuste e configuração do ambiente possuem entradas no menu K -> Configurações.

83/95

Lá encontraremos as seguintes ferramentas: • • • • • •

Assistente de Configurações para a Área de Trabalho; Configurar o Painel; Editor de Menus; Ferramenta de Atualização de Menus; Ferramentas de Gerenciamento da Carteira; Gerenciador de Impressão.
DE

ASSISTENTE

CONFIGURAÇÕES

PARA A

ÁREA

DE

TRABALHO

O Assistente de Configurações para a Área de Trabalho nos ajudará a definirmos alguns ajustes e configurações básicos para a área de trabalho. Esta ferramenta é a primeira aplicação a ser carregada assim que inicializamos pela 1a. vez o KDE.

Assistente de Configurações para a Área de Trabalho.

Para maiores informações, consultem o capítulo Iniciando o KDE.

CONFIGURAR

O

PAINEL

Para realizarmos ajustes gerais no painel do ambiente de trabalho, poderemos recorrer ao atalho Configurar o Painel.

84/95

Configurar Painel, entrada também disponível no Centro de Controle .

Tanto aqui quanto no Centro de Controle -> Ambiente de Trabalho -> Painéis, teremos recursos para personalizar o painel de trabalho conforme nossas preferências, bastando apenas navegar nas abas Disposição, Ocultação, Menus e Aparência.

EDITOR

DE

MENUS

O Editor de Menus fornece todos os recursos necessários para que possamos ajustar o Menu K conforme nossas necessidades.

O Editor de Menus.

Sem grandes mistérios, com suas funcionalidades poderemos realizar diversos tipos de operações – inclusive criar submenus e entradas.

FERRAMENTA DE ATUALIZAÇÃO

DE

MENU

A Ferramenta de Atualização de Menus possibilita fazer uma busca de novas aplicações instaladas ao sistema. Muito útil para adicionar aquelas desenvolvidas com o uso de outras bibliotecas gráficas (como a GTK+), por elas não terem sido concebidas para se integrar a este ambiente.

85/95

Ferramenta de Atualização de Menu, sendo acionada pela 1a. vez.

As aplicações desenvolvidas para o ambiente gráfico KDE geralmente criam atalhos diretamente no menu K durante a instalação, dispensando o uso da Ferramenta de Atualização de Menus. Uma observação importante é que estas novas aplicações deverão incluir seus executáveis no diretório /usr/local/bin ou /usr/bin, pois caso contrário, não serão detectados por esta ferramenta (o que normalmente ocorre com aquelas que não foram desenvolvidas para o KDE). Caso não se encontrem, deveremos criar atalhos simbólicos para seus executáveis:
# cd /usr/local/bin

... ou...
# cd /usr/bin

Em seguida...
# ln -s /usr/local/share/[DIR_APLICATIVO]/[EXECUTÁVEL] [EXECUTÁVEL]

Lembrem-se que, de acordo com a aplicação instalada, a localização de seu respectivo arquivo executável poderá variar. Feito isto, a ferramenta fará a inclusão da aplicação normalmente.

FERRAMENTA DE GERENCIAMENTO DA CARTEIRA
Para aqueles que utilizam os mais diversos servidos que, para terem o acesso necessitam se autenticar, guardar os nomes das contas e senhas de acesso torna-se um verdadeiro tormento. Felizmente, para esta necessidade, existe a Ferramenta de Gerenciamento da Carteira.

86/95

Ferramenta de Gerenciamento da Carteira – o popular “Carteira de Senhas do KDE”.

Basicamente trata-se de um aplicativo simples e fácil de utilizar, que armazena todas contas de acesso e senhas de forma automática. Sem maiores inconvenientes, poderemos utilizar o Kopete, o KMail, entre outras aplicações com maior conforto e comodidade apenas acionando a opção gravar, salvar ou lembrar senha, presente na maioria destas aplicações. Assim, a Ferramenta de Gerenciamento da Carteira será acionada.

GERENCIADOR

DE

IMPRESSÃO

Outra maravilhosa ferramenta do KDE é o seu Gerenciador de Impressão.

Gerenciador de Impressão do KDE. Em conjunto com os servidores CUPS e LPRng, permitem configurar facilmente as impressoras do sistema.

Com qualquer um dos servidores de impressão CUPS e LPRng, poderemos facilmente instalar uma impressora no sistema. Em Sistema de impressão atualmente usado deveremos selecionar um dos servidores acima citados na listagem e, em seguida, ao clicarmos em Adicionar -> Adicionar impressora/classe..., será inicializado um assistente gráfico que nos auxiliará durante o processo de instalação do periférico.

87/95

Assistente de configuração da impressora – KDE.

Mas lembrem-se de que este periférico somente estará disponível para este ambiente gráfico; para os demais ambientes gráficos, deveremos proceder com a sua instalação de acordo com a documentação dos servidores e filtros de impressão disponíveis.

CONCLUSÃO
O KDE foi concebido para ser um ambiente gráfico poderoso, completo e rico em recursos e funcionalidades. Graças à isto, temos à disponibilidade excelentes ferramentas de ajustes, que nos possibilita realizarmos grandes customizações, adequando-o para as nossas necessidades. Por este motivo (entre muitos outros), é recomendável a adoção deste ambiente gráfico para obtermos nossas primeiras experiências de interação com os sistemas GNU/Linux, e assim suavizar todo o processo de adaptação. &;-D

88/95

VII. OPERAÇÕES
INTRODUÇÃO

E AJUSTES AFINS

Após conhecermos os principais ambientes gráficos, suas características, qualidades, diferenças e limitações – com especial ênfase ao KDE –, iremos agora colocar a mão na massa para realizarmos algumas intervenções de acordo com as nossas necessidades. Enfim, mãos à obra!

SELEÇÃO
NÍVEL

DA AUTENTICAÇÃO GRÁFICA

Ao inicializarmos o sistema, poderemos optar por ajustar tanto o modo de autenticação (texto ou gráfico) como definir quais os gerenciadores utilizar.

DE EXECUÇÃO

Em virtude de sua concepção multi-usuário, os sistemas GNU/Linux necessitam de que façamos a autenticação, para que possamos usufruir de seus recursos. Para isto, deveremos apenas digitar o apelido (nome da conta) e a senha de acesso quando for solicitado pela linha de comando.
Login: _

Apesar de simples e funcional, muitos usuários (especialmente os mais leigos) gostariam que a inicialização fosse feita no modo gráfico, que por sua vez proporcionará maior conforto, além de facilitar a seleção dos ambientes gráficos, entre outras funcionalidades. Para isto, deveremos alterar o nível de execução, editando o arquivo de configuração /etc/inittab:
# These are the default runlevels in Slackware: # 0 = halt # 1 = single user mode # 2 = unused (but configured the same as runlevel 3) # 3 = multiuser mode (default Slackware runlevel) # 4 = X11 with KDM/GDM/XDM (session managers) # 5 = unused (but configured the same as runlevel 3) # 6 = reboot # Default runlevel. (Do not set to 0 or 6) id:3:initdefault:

Encontraremos a linha referente a seção Default runlevel previamente préconfigurada para inicializar no nível 3 (modo texto). Vejam também que, no texto acima, que existem diversas opções a nossa disposição, onde o modo gráfico desejado corresponde ao valor 4.
# Default runlevel. (Do not set to 0 or 6) id:4:initdefault:

A partir da próxima inicialização do sistema estará disponível um gerenciador de autenticação gráfico, o qual poderá ser selecionado nas 89/95

seções seguintes. Será bem mais fácil que instruir os usuários a inicializar o ambiente com o comando startx!

SELEÇÃO

DE GERENCIADORES

Atualmente, temos 2 gerenciadores de autenticação: o KDM e o XDM.5

Gerenciador de autenticação KDM (KDE 3.1).

Para selecionar o gerenciador de autenticação desejado, deveremos apenas mantê-lo “descomentado”, marcando as demais opções disponíveis:
#! /bin/sh # # rc.4 This file is executed by init(8) when the system is being # initialized for run level 4 (XDM) # # Version: @(#)/etc/rc.d/rc.4 2.00 02/17/93 # # Author: Fred N. van Kempen, <waltje@uwalt.nl.mugnet.org> # At least 47% rewritten by: Patrick J. Volkerding <volkerdi@slackware.com> # # Tell the viewers what's going to happen... echo "Starting up X11 session manager..." # Try to use GNOME's gdm session manager. This comes first because if # gdm is on the machine then the user probably installed it and wants # to use it by default: #if [ -x /usr/bin/gdm ]; then # exec /usr/bin/gdm -nodaemon #fi # Someone thought that gdm looked prettier in /usr/sbin, # so look there, too: #if [ -x /usr/sbin/gdm ]; then # exec /usr/sbin/gdm -nodaemon #fi

5

À partir da versão 10.2, o Slackware deixou de disponibilizar o ambiente gráfico GNOME e respectivamente, o seu gerenciador de autenticação GDM, embora suas definições tenham sido mantidas nas configurações padrão da distribuição.

90/95

# Not there? OK, try to use KDE's kdm session manager: if [ -x /opt/kde/bin/kdm ]; then exec /opt/kde/bin/kdm -nodaemon elif [ -x /usr/bin/kdm ]; then exec /usr/bin/kdm -nodaemon fi # If all you have is XDM, I guess it will have to do: #if [ -x /usr/bin/xdm ]; then # exec /usr/bin/xdm -nodaemon #elif [ -x /usr/X11R6/bin/xdm ]; then # exec /usr/X11R6/bin/xdm -nodaemon #fi # error echo echo "Hey, you don't have KDM, GDM, or XDM. echo "one of those installed." sleep 30 # All done.

Can't use runlevel 4 without"

Em nosso caso, optaremos pelo KDM, já que se trata do ambiente desktop padrão para o desenvolvimento deste trabalho:
# Not there? OK, try to use KDE's kdm session manager: if [ -x /opt/kde/bin/kdm ]; then exec /opt/kde/bin/kdm -nodaemon elif [ -x /usr/bin/kdm ]; then exec /usr/bin/kdm -nodaemon fi

Na prática, estas alterações não precisarão ser feitas, já que, em virtude da ordem apresentada pelas opções (GDM, KDM e XDM), será inicializada a 1a. que se encontrar disponível: em nosso caso, o KDM. Porém, estas informações ficarão aqui registradas para as circunstâncias em que estas alterações sejam necessárias, como a utilização do KDM por padrão em situações onde tenhamos também o GNOME (e junto dele, o GDM) ou a opção pelo XDM para a utilização de interfaces mais leves. No geral, para que tenham uma maior agilidade no carregamento geral do sistema, utilizem o gerenciador desenvolvido com mesma biblioteca gráfica que o ambiente gráfico; para o KDE, utilizem o KDM; para o GNOME, o GDM; para os demais ambientes gráficos que não utilizam a Qt, nem a GTK, o XDM. Este último também é ótimo para aqueles “ecléticos”... Enfim, ao reiniciarem o sistema, a inicialização se dará no modo gráfico.

SELEÇÃO

DO AMBIENTE GRÁFICO

A seleção de ambiente gráfico no modo gráfico não tem mistério: bastará apenas selecionar os gerenciadores disponíveis na tela de acordo com sua preferência. Porém, no modo texto existem diversas opções a serem utilizadas, e a principal existente é com a utilização do utilitário xwmconfig.

91/95

CONFIGURAÇÃO

AUTOMATIZADA ATRAVÉS DO XWMCONFIG

O xwmconfig é uma ferramenta de configuração nativa do Slackware que realiza a seleção do ambiente gráfico para aqueles que preferem inicializar o sistema em nível de execução 3, com o comando startx + <ENTER>. Para inicializá-lo, deveremos evocar na linha de comando:
$ xwmconfig

Basta seguirem as instruções descritas pela ferramenta. Uma característica interessante é que, quando o programa é executado com os poderes de superusuário, as alterações realizadas se tornam o padrão geral do sistema; porém ao ser rodado apenas por um simples usuário, suas alterações somente irão se refletir em sua conta: somente ele é que poderá executar o ambiente gráfico selecionado. Os demais seguirão os padrões adotados pelo superusuário ou definidos por si próprio.

ALTERAÇÃO

MANUAL PARA TODOS OS USUÁRIOS

Outra forma de alterar o ambiente gráfico do sistema é lidando diretamente com os arquivos de configuração, situados em /etc/X11. Naveguem até o diretório /etc/X11/xinit...
# ls -l total 32 -rw-r--r-lrwxrwxrwx -rwxr-xr-x -rwxr-xr-x -rwxr-xr-x -rwxr-xr-x -r--r--r--rwxr-xr-x -rwxr-xr-x # _ 1 1 1 1 1 1 1 1 1 root root root root root root root root root root root root root root root root root root 321 11 559 539 630 536 664 788 1487 Mar Ago Fev Fev Fev Mar Mar Fev Fev 16 18:36 README.Xmodmap 10 20:52 xinitrc -> xinitrc.kde* 14 2003 xinitrc.fvwm2* 21 2002 xinitrc.fvwm95* 5 2003 xinitrc.gnome* 16 00:54 xinitrc.kde* 2 2003 xinitrc.twm 11 2003 xinitrc.wmaker* 14 2003 xinitrc.xfce*

... e excluam o atalho simbólico xinitrc. Em seguida, recriem-no apontando para o script referente ao gerenciador de janelas desejado.
# rm xinitrc # ln -s xinitrc.wmaker xinitrc

92/95

Verifiquem as alterações realizadas com...
# ls -l total 32 -rw-r--r-lrwxrwxrwx -rwxr-xr-x -rwxr-xr-x -rwxr-xr-x -rwxr-xr-x -r--r--r--rwxr-xr-x -rwxr-xr-x # _ 1 1 1 1 1 1 1 1 1 root root root root root root root root root root root root root root root root root root 321 14 559 539 630 536 664 788 1487 Mar Set Fev Fev Fev Mar Mar Fev Fev 16 18:36 README.Xmodmap 3 10:42 xinitrc -> xinitrc.wmaker 14 2003 xinitrc.fvwm2 21 2002 xinitrc.fvwm95 5 2003 xinitrc.gnome 16 00:54 xinitrc.kde 2 2003 xinitrc.twm 11 2003 xinitrc.wmaker 14 2003 xinitrc.xfce

Estas alterações irão refletir para todos os usuários do sistema, ou seja, todos terão em comum o mesmo ambiente gráfico. Mas como fazer para que cada um usuário tenha um ambiente personalizado?

ALTERAÇÕES

MANUAIS PERSONALIZADAS PARA CADA USUÁRIO

Será necessário a criação de um atalho simbólico dentro de cada diretório $HOME dos usuários que desejarem ter o ambiente gráfico diferente do padrão do sistema. Este atalho deverá ser um arquivo oculto, então procedam com a seguinte sintaxe.
$ ln -s /etc/X11/xinit/xinitrc.[GER. DESEJADO] /home/[DIR_USUÁRIO]/.xinitrc

Para exemplificar, seguem o uso dos dados referentes a interface gráfica WindowMaker e a conta de acesso darkstar:
$ ln -s /etc/X11/xinit/xinitrc.wmaker /home/darkstar/.xinitrc

Pronto! para iniciarmos o ambiente gráfico, basta evocar novamente...
$ startx

... e estará efetuada a troca de ambiente gráfico como desejado. Existe ainda uma outra forma de alteração personalizada do ambiente gráfico para cada usuário. Verifiquem a existência ou criem um arquivo chamado .xinitrc no diretório do usuário. Incluam a seguinte linha:
exec [AMBIENTE GRÁFICO]

Utilizaremos como exemplo o WindowMaker:
exec wmaker

Para consultarem as opções disponíveis, verifiquem o nome dos scripts disponíveis no diretório /etc/X11/xinit. Bastará apenas utilizar os caracteres após o da nomenclatura dos scripts já existentes. Por último, dêem a permissão de execução ao arquivo:
$ chmod u+x ~/.xinitrc

Agora é só digitarmos...
$ startx

... para aguardar o carregamento da interface gráfica. 93/95

INICIALIZAÇÃO

AUTOMÁTICA DE APLICAÇÕES

Quem se lembra da seção (ou pasta) Iniciar, localizável através do menu Iniciar -> Programas do Windows -> Iniciar ? Ao colocarmos um atalho para esta seção, a cada vez que o Windows era iniciado, a aplicação referenciada pelo atalho é automaticamente carregava... No KDE, esta seção no menu K não existe, porém temos o diretório ~/.kde/Autostart/. O procedimento é basicamente o mesmo: criem um atalho para a aplicação dentro deste diretório e pronto! Bastará carregar novamente este ambiente gráfico para que o aplicativo também seja executado automaticamente logo em seguida.

AJUSTES

NO IDIOMA

(INTERNACIONALIZAÇÃO)

O KDE por padrão utiliza o inglês como língua oficial do ambiente gráfico. Para configurá-lo para o português, será necessário obter e instalar o pacote kde-i18n-pt_BR-[VERSÃO]-noarch-1.tgz para posteriormente ajustar o idioma no Centro de Controle KDE. Este pacote se encontra disponível no 2o. CD-ROM de instalação da distribuição, na pasta slackware/kdei/, como também no FTP da própria distribuição. Após a obtenção do pacote, realizem a sua instalação com o comando:
# installpkg kde-i18n-pt_BR-[VERSÃO]-noarch-1.tgz

Ao iniciarmos o KDE, deveremos ajustar a linguagem utilizada diretamente pelo assistente de configuração do KDE, na 1a. tela “Welcome into the KDE...”, ou inicializar o KDE Control Center (Centro de Controle KDE). Na seção Regional & Acessibility (Regional & Acessibilidade) -> Country/Region & Laguange (País/Região & Idioma), façam os ajustes.

Seção Regional & Acessibility (Regional & Acessibilidade) -> Country/Region & Laguange (País/Região & Idioma), do KDE Control Center (Centro de Controle KDE) 3.4.

Já para as aplicações baseadas na GTK – e especialmente o GNOME –, basta definirmos em /etc/profile as seguintes variáveis:
### Acentuação para as aplicações GTK+/GNOME ### alias portuguese.br=pt_BR.ISO.8859-1

94/95

export export export export

LANG=pt_BR LC_ALL=pt_BR LC_TYPE=pt_BR LC_MESSAGES=pt_BR

Para torná-las ativas, podemos proceder com o comando...
# source /etc/profile

Outra forma de ativar estas alterações é realizar novamente a autenticação de usuário. Assim estes valores serão automaticamente carregados.

REDEFININDO

AJUSTES MAL FEITOS

Se por algum motivo fizerem alguma operação indevida que possa vir a prejudicar a excelente performance e o bom funcionamento deste ambiente gráfico, encerrem sua execução, retornem para a linha de comando e removam o diretório .kde, presente no diretório pessoal:
$ rm -r ~/.kde

Neste diretorio ficam armazenadas as definições de customização do ambiente gráfico e de suas aplicações. Após removido, reinicializem novamente o ambiente gráfico para que seja iniciado o Desktop Setting Wizard (Assistente de Configurações para a Área de Trabalho), e assim refaçam novamente as definições das customizações, conforme desejado.

CONCLUSÃO
Não existe grandes mistério na manipulação dos atributos dos ambientes gráficos e seus respectivos gerenciadores de autenticação. Basta apenas utilizar os parâmetros indicados neste capítulo e, em poucos instantes, teremos disponível o gerenciador gráfico desejado. É tão simples que os comentários conclusivos resume-se a apenas este simples parágrafo! &;-D

95/95