You are on page 1of 2

INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS

CAMPUS MACEIÓ
COORDENAÇÃO DE LICENCIATURA
CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS
DISCIPLINA: PROJETOS INTEGRADORES VI

BIBLIOGRAFIA SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA
ALMEIDA, Rita de Cássia Santos. Jogos nas aulas de português: linguagem, gramática e leitura.
Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.
ANTUNES, Irandé. Análise de textos: fundamentos e práticas. São Paulo: Parábola, 2010.
______. Aula de português: encontro & interação. São Paulo: Parábola, 2003.
______. Língua, texto e ensino: outra escola é possível. São Paulo: Parábola, 2009.
______. Território das palavras: estudo do léxico em sala de aula. São Paulo: Parábola, 2012.
______. Muito além da gramática: por um ensino de línguas sem pedras no caminho. São Paulo:
Parábola, 2007.
______. Gramática contextualizada: limpando “o pó das ideias simples”. São Paulo: Parábola, 2014.
AZEREDO, José Carlos de (Org.). Língua portuguesa em debate: conhecimento e ensino. 3. ed.
Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.
BAGNO, Marcos. Sete erros aos quatro ventos: a variação linguística no ensino de português. São Paulo:
Parábola, 2013.
______. Não é errado falar assim! Em defesa do português brasileiro. São Paulo: Parábola, 2009.
______. A norma oculta. São Paulo: Parábola, 2003.
______. Língua materna: letramento, variação & ensino. São Paulo: Parábola, 2002.
______ (Org.). Lingüística da norma. São Paulo: Loyola, 2002.
______. Português ou brasileiro? São Paulo: Parábola, 2001.
______. Preconceito lingüístico: o que é, como se faz. São Paulo: Loyola, 1999.
______. Pesquisa na escola: o que é, com se faz. São Paulo: Loyola, 1998.
BAGNO, Marcos; STUBBS, Michael; GAGNÉ, Gilles. Língua materna: letramento, variação & ensino.
2. ed. São Paulo: Parábola, 2002.
BASTOS, Lúcia Kopschits; MATTOS, Maria Augusta de. A produção escrita e a gramática. São Paulo:
M. Fontes, 1992.
BECHARA, Evanildo. Ensino da gramática. Opressão? Liberdade? 11. ed. São Paulo: Ática, 2003.
BORTONI-RICARDO, Stella Maris. Educação em língua materna: a sociolinguística na sala de aula.
São Paulo: Parábola, 2004.
______; MACHADO, Veruska Ribeiro. Os doze trabalhos de Hércules: do oral para o escrito. São Paulo:
Parábola, 2013.
______. (Orgs.). Por que a escola não ensina gramática assim? São Paulo: Parábola, 2014.
BRITTO, Luiz Percival Leme. A sombra do caos: ensino de língua X tradição gramatical. Campinas, SP:
Mercado de Letras; Associação de Leitura do Brasil, 2004.
BUNZEN, Clecio; MENDONÇA, Márcia. Múltiplas linguagens para o ensino médio. São Paulo:
Parábola, 2013.
CINTRA, Anna Maria Marques. Ensino de língua portuguesa: reflexão e ação. São Paulo: EDUC, 2008.
CORACINI, Maria José (Org.). Interpretação, autoria e legitimação do livro didático. Campinas, SP:
Pontes, 1999.
ELIAS, Vanda Maria (Org.). Ensino de língua portuguesa: oralidade, escrita, leitura. São Paulo:
Contexto, 2013.
FALCETTA, Antônio et alii. Cem aulas sem tédio: sugestões práticas, dinâmicas e divertidas para o
professor. 2. ed. Santa Cruz: IPR, 2008.
FERRAREZI JR. Celso. Ensinar o brasileiro: respostas a 50 perguntas de professores de língua materna.
São Paulo: Parábola, 2007.

Maria Célia. 6. CASSEB-GALVÃO. TRAVAGLIA. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. Maria Helena Santos Araújo. Mário A. 2007. Mas o que é mesmo “gramática”? 2. 2013. Lívia. Carlos. CASSEB-GALVÃO. Ensino de gramática: reflexões sobre a língua portuguesa na escola. Associação de Leitura do Brasil. Linguagem e ensino. Rio de Janeiro: Wak. Sírio. ______. Sérgio. BATISTA. ed. 2001. 8. Questões de linguagem: passeio gramatical dirigido. São Paulo: Contexto. 2011. 4. Campinas: Mercado de Letras. GONÇALVES. Fontes. Literatura. 2007. Introdução à gramaticalização. Paulo Coimbra. Torne suas aulas de português um momento agradável. 2009. 1993. ed. São Paulo: Cortez. E as crianças eram difíceis: a redação na escola. Jânia M. Belo Horizonte: Autêntica. Luiz Carlos. 2009. ed. São Paulo: M. GUEDES. Gramática: ensino plural. SP: Mercado de Letras. ed. Ana (Orgs. NEGRÃO. Ensino de gramática: descrição e uso. São Paulo: Parábola. Gramáticas contemporâneas do português. A formação do professor de português: que língua vamos ensinar? São Paulo: Parábola. João Wanderley. ARAÚJO. 1997. 13. SILVA. São Paulo: Parábola. São Paulo: M. BRANDÃO. Gramática na escola. Ensino de língua portuguesa: uma abordagem pragmática. TRAVAGLIA.). ______. Ana Lúcia. Maria Teonila de Faria. Alcir. RAMOS. ______. 4. Roxane. Português: uma proposta para o letramento. Portos de passagem. 2003. FRANCHI. letramento e cultura da escrita. Ana Cláudia. ROJO. NEVES. 2009. Silvia Figueiredo. SP: Mercado de Letras. 1997. Vânia Cristina. Que gramática estudar na escola? São Paulo: Contexto. Por que (não) ensinar gramática na escola. Ione. Magda. São Paulo: M. São Paulo: M. MÜLLER. 2006. . Claudio Cezar. leitura e produção textual no ensino médio. 1997. Para uma nova gramática do português. Campinas. 1995.). São Paulo: Parábola. São Paulo: Ática. São Paulo: Parábola. VIEIRA. São Paulo: Parábola. Fontes. HENRIQUES. 2002 (Coleção). Campinas. Maria Helena de Moura. ILARI. Nilson Joaquim da (Orgs. análises e parâmetros. PERINI. SP: Papirus. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramática no 1º e 2º graus. Alexsandro. Fontes. Silvia Rodrigues. A gramática funcional. Sebastião Carlo Leite. Problemas de redação. SOARES. SILVA. ed. 2002. São Paulo: Contexto. 2011. Metodologia e prática de ensino da língua portuguesa. São Paulo: Parábola. Fontes. 2. GERALDI. LIMA-HERNANDES. ______. 2010. ed. LIMA. VINHAIS. Porto Alegre: Mediação. Luciano Amaral. 1991.). ______. ALVIM. O espaço da oralidade na sala de aula. Fontes. Fontes. SUASSUNA. PESSOA. Carmen Lúcia da. Livro didático de língua portuguesa. ______. São Paulo: M. Antônio Augusto Gomes (Orgs. ______. A gramática passada a limpo: conceitos. 1999. ed. ed.FRANCHI. Esmeralda Vailati. 2012. São Paulo: Cortez. ______. Lições de gramática para quem gosta de literatura. POSSENTI. 1991. Língua na mídia. Vânia Cristina (Orgs. São Paulo: M. São Paulo: Moderna. OLIVEIRA. 1999. Sofrendo a gramática. Uberlândia: EDUFU. 2003. 1997. Campinas. São Paulo: Ática. Nomenclatura gramatical brasileira: 50 anos depois. São Paulo: Parábola. ______. 1998. PÉCORA. 2012. Associação de Leitura do Brasil. São Paulo: Panda Books. 2006.). SILVA. SIMKA. Eglê. A linguística e o ensino da língua portuguesa. Luiz Carlos. 4. São Paulo: Parábola. 2014. 2007. 2003.