You are on page 1of 27

Manual de Boas Práticas de Fabricação

Homologado por:

Código:
Revisão:
Data:
Página:

DC 15
03
16/07/2013
1 de 27

Rubrica:

Geneia Lucas dos Santos

APRESENTAÇÃO

Este

manual

estabelece

as

condições

higiênico-sanitárias

essenciais

de

fabricação,

acondicionamento, armazenagem e transporte dos produtos fabricados pela Lamipack Embalagens e
Laminados Plásticos Ltda, com o objetivo de garantir que os mesmos estejam isentos de substâncias ou
agentes estranhos.
Além de atenderem a crescente do mercado, às Boas Práticas de Fabricação é uma exigência
legal, regulamentada por portarias específicas do Ministério da Saúde e ANVISA, e fiscalizada pelas
Secretarias de Vigilância Sanitária.

Manual de Boas Práticas de Fabricação

DC 15

Rev.: 03

Página 2 de 27

SUMÁRIO
1. REFERÊNCIAS ......................................................................................................................................................................... 3
2. INFORMAÇÕES GERAIS ......................................................................................................................................................... 3
2.1
IDENTIFICAÇÃO .......................................................................................................................................................................... 3
2.2
OBJETIVO .................................................................................................................................................................................. 3
2.3
CAMPO DE APLICAÇÃO ............................................................................................................................................................... 3
2.4
RESPONSABILIDADE ................................................................................................................................................................... 3
2.5
CARACTERÍSTICAS DA EMPRESA ................................................................................................................................................. 3
3
INFORMAÇÕES ESPECIAIS .................................................................................................................................................... 4
3.1
CONDIÇÕES AMBIENTAIS - EXTERNA........................................................................................................................................ 4
3.2
CONDIÇÕES AMBIENTAIS - INTERNA .......................................................................................................................................... 4
4
INSTALAÇÕES E SANEAMENTO ........................................................................................................................................... 4
4.1.
EDIFICAÇÃO ............................................................................................................................................................................. 4
4.2
SETORES ............................................................................................................................................................................... 4
4.3
SANEAMENTO ............................................................................................................................................................................ 6
4.4.
SANITÁRIOS, VESTIÁRIOS E BANHEIROS ...................................................................................................................................... 7
5
SISTEMA DE SEGURANÇA ..................................................................................................................................................... 7
5.1
EXTINTORES .............................................................................................................................................................................. 7
5.2
COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES - CIPA........................................................................................................... 7
5.3
BRIGADA DE INCÊNDIO ................................................................................................................................................................ 7
5.4
CONTROLE INTEGRADO DE PRAGAS E ROEDORES ......................................................................................................................... 7
6
RECURSOS HUMANOS ........................................................................................................................................................... 8
6.1
FORMAÇÃO................................................................................................................................................................................ 8
6.2
PROCESSO DE SELEÇÃO ............................................................................................................................................................. 8
6.3
EXAMES DE SAÚDE .................................................................................................................................................................... 8
6.4
TREINAMENTOS .......................................................................................................................................................................... 8
6.5
EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - E.P.I. ......................................................................................................................... 9
7
INFORMAÇÕES OPERACIONAIS ........................................................................................................................................... 9
8
ARMAZENAMENTO ................................................................................................................................................................. 9
9
TRANSPORTE E MANUSEIO DE MATERIAIS ........................................................................................................................ 9
9.1
MATÉRIA PRIMA E EQUIPAMENTOS ............................................................................................................................................. 9
9.2
PRODUTO FINAL......................................................................................................................................................................... 9
10 LIMPEZA E SANITIZAÇÃO DOS AMBIENTES ...................................................................................................................... 10
11 HIGIENE PESSOAL E CONDUTA .......................................................................................................................................... 10
11.1
HIGIENE PESSOAL ........................................................................................................................................................... 10
11.2
CONDUTA .......................................................................................................................................................................... 11
ANEXOS .......................................................................................................................................................................................... 14
ANEXO I – PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO DE HIGIENE E BOAS PRÁTICAS NOS BANHEIROS E VESTIÁRIOS15
ANEXO II – PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO DE HIGIENIZAÇÃO DA CAIXA D’ÁGUA ............................................. 17
ANEXO III – PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO DE HIGIENE E BOAS PRÁTICAS NO REFEITÓRIO E COZINHA .... 18
ANEXO IV – PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO DE HIGIENE E BOAS PRÁTICAS NOS BEBEDOUROS .................. 20
ANEXO V – PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO DE HIGIENE E BOAS PRÁTICAS NO LABORATÓRIO - CQ............. 21
ANEXO VI – PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO DE HIGIENE E BOAS PRÁTICAS NA EXPEDIÇÃO ......................... 22
ANEXO VII – PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO DE HIGIENE E BOAS PRÁTICAS NO ALMOXARIFADO DE
MATÉRIAS PRIMAS E MATERIAIS EM PROCESSO ..................................................................................................................... 23
ANEXO VIII – PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO DE HIGIENE E BOAS PRÁTICAS NO CORTE E SOLDA ............... 24
ANEXO IX – CRONOGRAMA DE LIMPEZA - ÁREA FABRIL ......................................................................................................... 25
ANEXO X – CRONOGRAMA DE LIMPEZA - ÁREAS ADMINISTRATIVAS .................................................................................... 27

2.5 Características da Empresa  Escopo: produção e comercialização de embalagens e laminados plásticos.  Localização: Caçador/SC . 2. . DC 15 Rev. 2.Brasil.  A Lamipack é responsável pela transformação da Matéria Prima para a produção do filme de Polietileno.4 Responsabilidade Cabe ao setor de qualidade assegurar que este documento contenha as atribuições e responsabilidades individuais formalmente descritas e que todos os colaboradores envolvidos conheçam. bem como critérios que definam o Padrão de Identidade dos produtos oferecidos. cardápio e entrega.3 Campo de Aplicação Aplicam-se ao processo de fabricação de embalagens da Lamipack Embalagens Plásticas e Laminadas Ltda.: 03 Página 3 de 27 REFERÊNCIAS Resolução RE Nº 174. 2. Objetivo Estabelecer orientações gerais para aplicação nas operações de manipulação de embalagens plástica para contato com alimento.  A Lamipack disponibiliza para seus colaboradores refeitório na empresa sendo que a alimentação é fornecida por empresa terceirizada especializada. 1155 – Bairro Nossa Senhora Salete.2  Razão Social: Lamipack Embalagens e Laminados Plásticos Ltda.  Endereço: Rodovia Municipal Osvaldo Olsen. de 16 de Junho de 2004 e Resolução RDC Nº 216/2004: Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. INFORMAÇÕES GERAIS 2. a qual é responsável pela manipulação.1 Identificação 2. compreendam e pratiquem os conceitos deste manual.Manual de Boas Práticas de Fabricação 1. Resolução RDC Nº 216/2004: Dispõe sobre Regulamento técnico sobre as condições higiênicas Sanitárias e de Boas Práticas de Fabricação para estabelecimento Fabricantes/ Industrializadores de alimento para animais. e utiliza transporte terceirizado para a entrega de seus produtos ao cliente.

2 Condições Ambientais .A empresa está construída em uma área em torno de 5. dispondo de hidrantes e brigada de incêndio treinada. carrinhos hidráulicos e jacarés. A cobertura é de telhas de aluzinco.EXTERNA 3.1 Extrusão. 4. Para segurança das instalações e equipamentos a empresa possui para raio. Impressão. Para facilitar o trabalho é utilizado para transporte de bobinas e outros. 4.2.1.2 Almoxarifado . Colagem.1. as áreas de acesso da fábrica são com calçadas e brita. suspensa por estrutura metálica e constituída por telhas aluzinco intercaladas. sem forro.Manual de Boas Práticas de Fabricação 3 DC 15 Rev. 4.3 .1.1 Edificação 4.2 SETORES 4.: 03 Página 4 de 27 INFORMAÇÕES ESPECIAIS 3. Laminação.Possui no pátio da empresa caixa para o recolhimento do lixo da fábrica. as estruturas são em concreto pré-fabricado. papelões e madeiras são vendidos para empresas especializadas em reaproveitamento e reciclagem. o piso é de concreto armado.4 . com paredes de alvenaria e janelas de ferro basculantes com tela em nylon. 4. todas com facilidade para fechamento. 3.As janelas estão todas localizadas na parte alta das paredes todas com proteção de tela. A cobertura. suas paredes são de tijolo a vista e com paredes com tijolos revestidos com cimento.1.1 Condições Ambientais . o qual é selecionado e coletado pela por empresas especializadas (terceirizadas).1 A iluminação interna é natural tipo luz do dia com o auxílio de lâmpadas fluorescentes. A Iluminação artificial é realizada por lâmpadas fluorescentes e a ventilação natural é complementada por exaustores. e nos setores de impressão e laminação existem talhas para o auxílio de colocação das bobinas e cilindros.1 .2 . Sendo cercada e seu acesso principal por estrada de asfalto.000 litros.INTERNA 3.1 Sua vizinhança é composta por Terrenos utilizados para agricultura em plantios diversos. As portas de acesso a produção são de PVC flexível e cortinas de ar.000m².1.As portas para carregamento e descarregamento possuem empilhadeira para o auxílio de carga e descarga.2.2. A ventilação é natural com o auxilio de exaustores nas paredes. Rebobinadeira e Corte e Solda Neste ambiente. A caixa d´agua tem capacidade para 70. 4. o chão é de piso e partes revestidos com cerâmicas. 4 INSTALAÇÕES E SANEAMENTO 4.

estufas gravadoras de clichês. paredes de tijolo a vista e teto com forro de PVC. as janelas são de correr sua estrutura é de ferro. proporcionando boas condições de trabalho para os colaboradores. Possui e piso e paredes de alvenaria e madeira. móveis materiais e equipamentos para escritório em geral.2. 4. A cobertura é constituída por telhas de fibrocimento e aluzinco. piso e paredes são estruturados em madeira. Na bancada . espaçosos. as janelas são de correr sua estrutura é de ferro e ventilação natural e através de aparelhos de ar condicionado. móveis.4 Administrativo e Administrativo da Fábrica Neste setor estão instaladas mesas. A cobertura é constituída por telhas de fibrocimento.2. iluminação geral realizada por lâmpadas fluorescentes. cadeira. Todos os ambientes são amplos. Os agentes de riscos são inferiores ao limite de tolerâncias e devidamente controlados. Seu teto. iluminação geral por lâmpadas fluorescentes e protegidas de telas de nylon. a iluminação artificial geral é realizada por lâmpadas fluorescentes. computadores. 4. Todos os ambientes são amplos. a iluminação geral é realizada por lâmpadas fluorescente.2. ventilação com auxilio de aparelho de ar condicionado e natural. 4. Todo o ambiente é amplo espaçoso. ventilado naturalmente. 4. As salas possuem piso cerâmico. Os agentes de riscos são inferiores ao limite de tolerância e devidamente controlados.2. forro de madeira. estrutura de telhado com telhas em aluzinco. Todo o ambiente é amplo. computador e armários de aço para organização do setor.2. proporcionando boas condições de trabalho para os colaboradores. 4. boas condições de trabalho para a Direção.3 Expedição Neste setor os produtos acabados da empresa são dispostos sobre paletes ou em prateleiras devidamente embalados aguardando carregamento. proporcionando boas condições de trabalho para os colaboradores. computadores.6 Diretoria Neste setor estão instaladas mesas. materiais e equipamentos para escritório em geral. a iluminação geral é realizada por lâmpadas fluorescentes e protegidas de telas de nylon. proporcionando boas condições de trabalho. computadores. ventilação natural através de janelas de correr em ferro.5 Artes e Clicheria Neste setor estão instaladas mesas e móveis para escritórios. estrutura do telhado com telhas em aluzinco. proporcionando boas condições de trabalho para os colaboradores. O setor possui piso em concreto. nela estão instaladas mesa. espaçosos.7 Manutenção Mecânica e Elétrica Nesta seção é realizada a fabricação e manutenção de peças e equipamentos da indústria.Manual de Boas Práticas de Fabricação DC 15 Rev.: 03 Página 5 de 27 O setor possui piso em concreto.

coberta em aluzinco. as paredes são de alvenaria e madeiras pintadas. protegidas de telas de nylon e complementadas por luz artificial através de luminárias com lâmpadas fluorescentes e no estoque pela presença de tijolos vazados na parte superior de uma das paredes (com telas). Iluminação natural por janelas basculantes complementadas por luz artificial através de luminárias com lâmpadas fluorescentes do tipo luz do dia e protegidas de telas de nylon.8 Banheiros/ Vestiários Construções em alvenaria. armários. 4. piso cimento revestido com cerâmica.Manual de Boas Práticas de Fabricação DC 15 Rev. e a empresa terceirizada responsável pelo fornecimento de alimentação. A limpeza do refeitório é de responsabilidade da empresa terceirizada especializada em limpeza. A ventilação é ventilação natural e ventilador elétrico. esmeril e morsa. chapa e tinta. paredes de alvenaria. cadeiras.10 Controle da Qualidade Construção em alvenaria. computadores e equipamentos de medição diversos e necessários para realização do trabalho.11 Tintas . paredes rebocadas e revestidas com azulejos.2. 4. telhado em telhas de aluzinco. bancadas. coberta em laje com forro de PVC. sem e/ou com forro .3 Saneamento 4.2. forro de PVC. 4.2. O setor dispõe de outros equipamentos para as demais atividades. paredes rebocadas e pintadas. a ventilação é natural.laje de concreto. por meio de janelas em ferro basculante com vidros. Ventilação natural conferida por janelas basculantes dispostas no 1/3 superior das paredes laterais da edificação.: 03 Página 6 de 27 de trabalho estão instaladas furadeira. sendo complementada pela presença de tijolos vazados na parte superior de uma das paredes.2. Iluminação natural por janelas de correr em ferro. 4. Duas caixas de fibra com tampa a primeira . protegidas de telas de nylon. 4. protegidas de telas de nylon e complementadas por luz artificial através de luminárias com lâmpadas fluorescentes do tipo luz do dia.Laboratório / Estoque Construção em alvenaria.1 Água: A utilizada para consumo da empresa é fornecida pela CASAN onde fica acondicionada em uma caixa distribuidora para as dependências da empresa. As paredes rebocadas e pintadas. Na área administrativa dispõem de mesas. O piso é de concreto.9 Refeitório Neste ambiente o piso é de concreto armado revestido por cerâmica. a iluminação é natural luz do dia complementada por lâmpadas fluorescentes. Iluminação natural por janelas basculantes. coberta em laje com forro de PVC.3. piso cimento revestido com cerâmica. piso cimento revestido parte com cerâmica. a iluminação geral é realizada por lâmpadas fluorescentes e protegidas de telas de nylon.

e outra de 20. Atende a NR 23. três mictórios e 1 chuveiro. Este trabalho é aplicado nas áreas internas e externas da empresa. próximo ao escritório administrativo.4. e semestralmente é efetuado a limpeza da caixa d’água.000 litros qual fica localizada no pátio da empresa próximo ao portão de entrada. todos treinados e aptos para realizar primeiros socorros (Disponibilizado maca e caixa para primeiros socorros) conta também com um técnico de segurança e outros serviços de medicina do trabalho que são terceirizados.3 Brigada de Incêndio Composta por voluntários. é sustentada por uma estrutura de ferro com aproximadamente 15 metros de altura.4. Atende a NR 24.000 litros.1 A empresa possui sete banheiros num total de nove sanitários. possuindo os devidos registros. . é monitorado a desinsetização e desratização. acompanhada e monitorada quinzenalmente pelos profissionais da mesma. Sanitários. 4.: 03 Página 7 de 27 com capacidade para 70. colaboradores da empresa.1 Extintores Estão distribuídas nas dependências da empresa extintores do tipo classe A. 5. sendo inspecionados mensalmente quando necessário enviado para recargas e manutenção.4 Controle Integrado de Pragas e Roedores Através de uma empresa terceirizada. que é efetuada. 4. 5. todos treinados e aptos para atuarem na prevenção de incêndios. Atende a NR 23. e de 8kg todos localizados em ária de fácil visualização livres de obstáculos. sendo este serviço é realizado por empresas terceirizadas e especializadas. Estes armários devem ser mantidos limpos e fica proibido guardar alimentos. Vestiários e Banheiros 4.4.2 Comissão Interna de Prevenção de Acidentes .2 A empresa também possui vestiários masculino e feminino aos quais dispõem de armários guarda volumes para os colaboradores. Toda a água utilizada para a consumo humano é feito anualmente análise de POTABILIDADE por um órgão competente. 5 SISTEMA DE SEGURANÇA 5.Manual de Boas Práticas de Fabricação DC 15 Rev. CO2 e PQS de 4.CIPA Composta por colaboradores. sendo que cada banheiro possui pia com saboneteira e toalhas de papel para secar as mãos. 5. Atende a NR 4 e 5. 6.

as lâmpadas das máquinas possuem suportes de acrílico para evitar a queda da lâmpada ou pedaços da mesma na produção. antes da iniciar o trabalho são submetidos a treinamento de integração básica (RH. O médico do trabalho é quem conclui se o colaborador está apto ou inapto para o trabalho. e durante os primeiros noventa dias os mesmos passam por treinamentos operacionais da Máquina. médio. pernas e unhas (verificando limpeza.: 03 Página 8 de 27 Para o controle de voadores está instalado nas dependências da empresa armadilhas pega inseto.2 Processo de Seleção A empresa atende ao público interessado em dias determinados para o preenchimento de Solicitação de emprego. Os Exames variam de acordo com as funções e estão determinados no PCMSO vigente e no manual de descrição de cargos da empresa. análise visual das mãos. 6. Todas as janelas da fábrica são protegidas por telas de proteção contra a entrada de insetos e. avaliação clínica. Segurança e qualidade). batimentos cardíacos. varizes. 6. estas com lâmpada para atrair o inseto e com adesivo de cola para fixar o inseto impedindo que o mesmo caia na produção. contagem de plaquetas. Nas portas de entrada de acesso a área de produção são utilizadas lâmpadas fluorescentes amarelas ou cortina de ar para impedir a entrada de insetos na fábrica. Podem ser: hemogramas. sistema de informática entre outros. oftalmológico - acuidade visual entre outros que se fizerem necessários.Manual de Boas Práticas de Fabricação DC 15 Rev. etc). 6. onde . A avaliação Clínica consiste em anamnese. 6 RECURSOS HUMANOS 6.1 Formação A empresa conta com colaboradores com escolaridades diversas. superior e especialização. Atende a NR 7. ensino fundamental.4 Treinamentos Todos os colaboradores quando admitidos. verificação de pressão. Nas entrevistas os candidatos são avaliados e os selecionados podem passar por testes psicológicos e se aprovados são encaminhados ao Dpto Pessoal para os trâmites legais de contratação. lesões.3 Exames de Saúde Para a contratação dos colaboradores na empresa são necessários a realização de exames admissionais e periódicos para garantir a saúde dos colaboradores. audiometria. Quando surgem vagas o RH faz seleção de currículos e agenda entrevistas individuais.

cintos de segurança.E. máscaras. 6. toucas. 8 ARMAZENAMENTO Os produtos são armazenados no almoxarifado devidamente separados da área de produção. óculos de segurança. ficam segregados em cima de pallets de aproximadamente 15 cm do chão e 50 cm afastado da parede. É obrigatório o uso por todos os colaboradores de EPI´s ou EPC´s. bem como. os mesmos são separados por lotes e Clientes. Atende a NR 11 e 12. Também fica no setor da segurança uma caixa de primeiros socorros curativo superficiais. é carregado manualmente ou por carrinhos onde é transportado em pallets para a expedição.: 03 Página 9 de 27 são acompanhamentos pelos profissionais do setor e do supervisor. 9. Clientes e Fornecedores e visitantes em geral.P.Manual de Boas Práticas de Fabricação DC 15 Rev. 9 TRANSPORTE E MANUSEIO DE MATERIAIS 9. sapato de segurança.2 PRODUTO FINAL O produto final depois de embalado internamente. facilitando para colaboradores. Internamente a movimentação é feita através de carrinhos. A empresa possui um ramal telefônico para o corpo de bombeiros e polícia militar da cidade para qualquer emergência. entre outros máscaras. carrinhos ou contratação de serviços especializado. e podem ser protetores auriculares. 7 INFORMAÇÕES OPERACIONAIS O mapeamento dos setores podem ser evidenciados através de demarcações e placas indicativas. Aos demais colaboradores é feito levantamento das necessidades e programado no plano de capacitação para execução durante o ano. Atende a NR 6.I. conforme designado no PPRA vigente especificados na função exercida. fábrica ou em outros locais. luvas. Havendo necessidade de movimentação de maquinas e equipamentos por ser feito através de empilhadeiras. . Os EP´s variam de acordo com a função. Estes treinamentos podem ser realizados em sala de treinamento. dando ênfase nas suas entradas. pátios e saídas.1 MATÉRIA PRIMA E EQUIPAMENTOS É utilizada empresa terceirizada contratada pelo Lamipack ou fornecedor para efetuar o transporte da matéria-prima.5 Equipamento de Proteção Individual . e uniformes.

como é o caso do cheiro de suor. que provocam fissuras entre os dedos ou se concentram em pequenos nódulos na base dos artelhos na micose conhecida como pé de atleta. por exemplo. É inútil tentar resolver o . dermatose. ou passam muito tempo em ambientes quentes e fechados. refeitório. O que a pessoa come como base de sua alimentação pode provocar cheiro do corpo.Manual de Boas Práticas de Fabricação DC 15 Rev. um cheiro diferente do cheiro produzido por bactérias a partir do suor. O trabalho é realizado por colaboradores especializados. larva geográfica e micose de praia. É. (suor malcheiroso) e do mau hálito. vestiários. refeitório e das salas administrativas. como é o caso dos odores em partes íntimas. NOTA: Os jardinagem na empresa são terceirizados. 11 HIGIENE PESSOAL E CONDUTA 11. no entanto. salas administrativas são higienizados conforme cronograma anexo. pode ser acrescentado mais algum material. bebedouro. e as secreções rapidamente deterioram devido a alimentarem as bactérias que existem na pele. a higiene do corpo é também importante para a saúde. Empresas terceirizadas são responsáveis pela higienização dos banheiros. Na Aquisição estão disponíveis a lista dos produtos de limpeza utilizados na empresa. os quais utilizam produtos de limpeza e EPI’S específicos para local. Inúmeras doenças. 10 LIMPEZA E SANITIZAÇÃO DOS AMBIENTES A limpeza dos setores da fábrica é feita diariamente pelos colaboradores sendo de responsabilidade de todos a limpeza e asseio do mesmo.1 HIGIENE PESSOAL Além de fundamental para relacionamento social.: 03 Página 10 de 27 No momento do carregamento é utilizado carrinho para a colocação do produto dentro do caminhão. ou pode afetar apenas o relacionamento entre duas pessoas. c) Alimentação: Outro fator é a alimentação. impetigo. d) Fungos: São causa do mau cheiro nos pés. adquirem cheiro de corpo. O transporte é feito por empresa terceirizada. O produto (embalagens) é enviado ao cliente em caixas de papelão ou quando em bobinas são palletzados e envolvidos em filme stretch. principalmente da pele. a) Cheiro do corpo: O cheiro do corpo pode afetar o relacionamento social. a bromidrose. o suor se acumula sobre a pele e impregna as roupas. desde que definido no padrão do produto. vestiário. quando essas são pouco ventiladas ou muito absorventes. b) Atividade física intensa: As pessoas de qualquer raça que caminham muito. decorrem de falta de higiene. banheiros. O bebedouros.

à cárie dentária e também as amígdalas que. à simples presença de alimentos envelhecidos retidos entre os dentes. Deve-se utilizar sempre a unha curta e limpa. Hidroclororeto de alumínio é o composto mais usado em desodorantes e antitranspirantes. ou usando fio-dental. O talco também absorve a umidade e o odor. g) Cabelos: O cabelo. após o banho é indicado o uso de um desodorante nas axilas.: 03 Página 11 de 27 problema com qualquer tipo de talco. coceiras devido à foliculite e a parasitas do couro cabeludo.2 CONDUTA Deve-se tomar banho diariamente utilizando-se uma esponja para esfregar o corpo. utilizar lenços de papel para a higienização. O primeiro cobre ou absorve os odores sem limitar a transpiração. Após um dia de suor e poeira. principalmente na época de chuva. além de mau cheiro. adquire odor desagradável. as axilas e os pés com espuma de sabão. mas não perde todo o sabão. Escovar os dentes comprimindo a escova e fazendo penetrar seus fios nos espaços entre os dentes. i) Nariz e da Garganta: Quando perceber algum sintoma de gripe ou resfriado. as gengivas devem ser bem massageadas. Alguns tecidos sintéticos usados em camisas ficam mal cheirosos quando aquecidos pelo calor do corpo. secar bem o corpo principalmente em dobras e vão dos dedos. De vez em quando é necessária a remoção dos pelos das axilas para melhor higiene e asseio pessoal. em alguns casos têm uma estrutura que facilita a retenção de resíduos. Manter as mãos sempre limpas para evitar a contaminação das embalagens durante o manuseio. h) Mãos e unhas: O aperto de mão quando está suada. deve estar sempre limpo e bem cortado e a barba bem feita. suja e pegajosa e as unhas dos dedos estão crescidas e abriga sujeira. O segundo inibe ou restringe a transpiração por reduzir as dimensões dos poros ou por obstruir e retardar sua secreção. 11. ou que demora a secar. É necessário um bom fungicida. Mas o odor pode inclusive provir da própria roupa. procurar um médico para que se tomem as medidas necessárias para a cura e para evitar a contaminação. que um farmacêutico experiente saberá indicar. e) Vestuário: As roupas retêm o calor do corpo e por isso favorecem o suor e a conseqüente produção dos resíduos bacteriológicos que geram o mau cheiro. É necessário distinguir entre desodorante e antitranspirante. tosse e espirros. Também a roupa que é lavada. evitando o uso de esmalte quando manipulando as embalagens. à inflamação das gengivas. Barba e cabelos crescidos e sujos geram. deve-se tomar um bom banho lavando bem a cabeça. f) Mau hálito: São apontadas causas variadas para o mau hálito. mesmo que estejam sadias. Evitando desta forma o mau cheiro. independentemente do estilo. causa repulsa.Manual de Boas Práticas de Fabricação DC 15 Rev. No caso de coriza. e não do suor. São atribuídas a refluxos do estômago que alcançam a garganta. porém com menor . talco para pés e etc.

q) Nas refeições. colocar cada um em local específico para cada material. h) Escovar bem os dentes e passar fio dental. como recurso para evitar doenças. cuidar para não respingar no chão. . quantas vezes forem necessárias. toalhas descartáveis e quaisquer outras coisas fora do local indicado. s) Não é permitido guardar alimentos nos armários e gavetas dos armários na área fábril. c) Não é permitida a utilização de protetores auriculares sem cordão. que consiste na eliminação de parte das glândulas sudoríparas. Não tendo lenços. a limpeza dos equipamentos de proteção e do ambiente de trabalho.cortada. i) Após utilizar o banheiro. nas áreas de produção: alimentar-se. O asseio corporal. após cada refeição. d) A barba deve sempre estar feita . É permitido fumar somente no local indicado e no horário de intervalo. cuidar para não derramar comida no chão ou mesa. n) No banheiro. m) Ao utilizar o vaso sanitário. para as emergências. Deve-se ter lenço de papel descartável à mão para limpeza do nariz e também para o muco da garganta. j) Se precisar tomar banho. f) Tomar banho diariamente. g) Manter a higiene pessoal esmerada e cuidar da aparência (unhas cortadas. podem ser levados na bolsa ou no bolso. l) Após utilizar o banheiro. constituem uma das mais importantes medidas e são utilizadas. t) Roupas e pertences pessoais devem ser guardados somente nos armários designados para este fim. folhas dobradas de papel higiênico. dar sempre a descarga. Existe também a solução cirúrgica. lavar bem as mãos. usar o chuveiro e não a pia do banheiro. utilizando sabonete antibacteriano e secar as mãos com papel toalha. servir-se novamente. Para a lavagem das mãos. o) Lavar muito bem as mãos antes das refeições. r) É proibido.Manual de Boas Práticas de Fabricação DC 15 Rev. barba) roupas e sapatos limpos. guardar alimentos ou fumar. p) Cuidar a limpeza das cadeiras e mesas do refeitório. b) O protetor auricular deve ser lavado todos os dias.: 03 Página 12 de 27 resultado. não jogar papel higiênico. após o uso descarta-lo na cesta de lixo. k) Não é permitido subir sobre o vaso sanitário. Não é permitido usar toucas de lã. e) Manter os uniformes sempre limpos e em bom estado de conservação. Seguem as condutas permitidas: a) Usar somente a touca fornecida pela empresa. os colaboradores antes de entrar para a fábrica devem lavar as mãos nas barreiras sanitárias. caso necessário. sem esquecer do uso diário de desodorantes. dentre outros fins. Este processo deve ser repetido sempre que algum colaborador fizer uso dos banheiros e sanitários. A touca deve esconder completamente o cabelo. ou mesmo guardanapos de papel.

cordão de crachá e outros) não são permitidos durante o horário de trabalho. pois oferecem risco a segurança pessoal.Manual de Boas Práticas de Fabricação u) DC 15 Rev.: 03 Página 13 de 27 Objetos de adornos pessoais (anéis. brincos. colares. . relógios. pulseiras. NOTA: As BPF´s são quem regulamentadas pela ANVISA – agência nacional de vigilância sanitária. amuletos.

: 03 ANEXOS Página 14 de 27 .Manual de Boas Práticas de Fabricação DC 15 Rev.

por aproximadamente 15 segundos.  Enxágüe bem com água corrente retirando todo o sabonete.  Esfregue as mãos com um pouco de produto anti-séptico.Manual de Boas Práticas de Fabricação DC 15 Rev. inclusive as unhas e os espaços entre os dedos. .: 03 Página 15 de 27 ANEXO I – Procedimento Operacional Padrão de Higiene e Boas Práticas nos BANHEIROS E VESTIÁRIOS LAVE AS MÃOS CORRETAMENTE  Utilize a água corrente para molhar as mãos.  Seque-as com papel toalha ou outro sistema de secagem eficiente.  Esfregue a palma e o dorso das mãos com sabonete.

fique atento a alguns cuidados:  Esfregar todas as regiões das mãos (figura a baixo com as áreas normalmente esquecidas).  Secar bem as mãos após a lavagem usando papel-toalha ou outro sistema de secagem eficiente.Manual de Boas Práticas de Fabricação DC 15 Rev. .: 03 Página 16 de 27 ATENÇÃO! Ao lavar as mãos.

diluindo 1 litro de água sanitária em 5 litros de água. • Abra a saída de água e retire todo o sabão com água corrente. Os utensílios. . escova. retirando todo o resíduo de desinfetante. rodo e pano. • Esgote toda a água acumulada. • Feche a saída de água. retire toda a água da caixa d’água. • Prepare a solução desinfetante. Aguarde por 30 minutos. como vassoura. devem ser de uso exclusivo.Manual de Boas Práticas de Fabricação DC 15 Rev. • Espalhe a solução nas paredes e fundo da caixa d’água com uma broxa ou pano. • Enxágüe a caixa d’água com água corrente. • Lave as paredes e o fundo da caixa d’água com água e sabão. • Feche a saída de água da caixa d’água.: 03 Página 17 de 27 ANEXO II – Procedimento Operacional Padrão de Higienização da CAIXA D’ÁGUA • Feche o registro. Esse volume é apropriado para uma caixa d’água de 1000 litros. • Encha a caixa d’água. • Retire a sujeira.

devem-se lavar as mãos. umidade e temperatura.  Não se devem manipular alimentos em um ambiente sujo é uma forma comum de contaminar os alimentos.  MANTER SEMPRE LIMPO.  APÓS O MANUSEIO DO LIXO. Telas de proteção a insetos devem estar em boas condições para evitar que os insetos e outros animais possam ter acesso.Manual de Boas Práticas de Fabricação DC 15 Rev. e controlar no buffet a temperatura recomendada para manter os alimentos saudáveis.: 03 Página 18 de 27 ANEXO III – Procedimento Operacional Padrão de Higiene e Boas Práticas no REFEITÓRIO E COZINHA Os micróbios multiplicam-se nos alimentos quando encontram condições ideais de nutrientes. .  RETIRE SEMPRE O LIXO para fora da área de preparo de alimentos em sacos bem fechados.  ANOTAR AS TEMPERATURAS dos alimentos sempre ao chegarem em formulário próprio. pisos. móveis e paredes.

 Não fumar. Errado Certo . tossir. falar demais ou mexer em dinheiro durante o preparo de alimentos. não manipule os alimentos.  Se estiver doente ou com cortes e feridas.: 03 Página 19 de 27  Certo LAVE BEM AS MÃOS antes de preparar os alimentos e depois de usar o  banheiro. de atender ao telefone e de abrir a porta.Manual de Boas Práticas de Fabricação DC 15 Rev.  M Errado Certo  MANTENHA AS UNHAS CURTAS e sem esmalte. espirrar.

 O bebedouro serve somente para tomar Água e não para Lavar as Mãos.  É proibido jogar qualquer lixo no bebedouro. Encha o reservatório agora com água mineral e escoe pelas torneiras para retirar o residual da solução. 3. 2.  Não colocar a boca no bebedouro – Risco de Contaminação. 4.  Não manusear o bebedouro com as Mãos Sujas.Manual de Boas Práticas de Fabricação DC 15 Rev. 5. utilize somente Copos Descartáveis. Encha o reservatório do bebedouro com uma solução de água e cloro líquido (02 colheres de cloro líquido ou 05 colheres de água sanitária para 02 litros de água). Dicas para um bom uso do bebedouro:  Para tomar Água.  Jogue o copo na lixeira após a sua utilização.  Não reutilizar os copos descartáveis.: 03 Página 20 de 27 ANEXO IV – Procedimento Operacional Padrão de Higiene e Boas Práticas nos BEBEDOUROS 1. Escoe toda a solução do bebedouro pelas torneiras. Retirar um copo desta solução pelas torneiras e deixe o bebedouro em repouso por 30 minutos. . Limpe o reservatório com uma esponja limpa e seca. Encha novamente o reservatório com água quente e escoe pelas torneiras para retirar o excesso da solução. 7. 6. Escoe toda água do reservatório do bebedouro.

sabão em pó e álcool etílico para desinfecção.  São utilizados para limpeza: detergente.: 03 Página 21 de 27 ANEXO V – Procedimento Operacional Padrão de Higiene e Boas Práticas no LABORATÓRIO .Manual de Boas Práticas de Fabricação DC 15 Rev. seguindo um cronograma pré-definido. Coleta de Lixo  Os lixeiros devem ser mantidos limpos. 3. tampados.  Efetuar o esvaziamento diariamente ou quando os mesmos estiverem cheios. . Limpeza de bancadas. localizado na área externa da fábrica. Limpeza dos Pisos e Paredes  A limpeza é feita por empresa terceirizada. 2. identificados e com sacos plásticos em seu interior. vidrarias e equipamentos  As bancadas e vidrarias são limpas logo após a execução da tarefa e esta é feita pelo próprio Inspetor do controle da qualidade.  O lixo deverá ser descartado conforme sua classificação (classe I ou II) em local pré-determinado.CQ 1.

estrados. grampos. .  Deve-se respeitar o empilhamento máximo das permitido pelo fabricante. calços. como estepes. umidade e em boas condições para não contaminarem ou causarem danos ao produto.  A seleção da mercadoria deve ser separada e carregada conforme a rota de entrega devidamente programada. e evitar acúmulo de umidade e pragas. isso permite uma melhor visualização dos produtos. umidade.  Não se deve pisotear. plástico e etc.  Os produtos não devem ficar expostos luz solar direta. ferramentas ou outros objetos que possam avariar ou contaminar o produto a ser transportado.  Não se deve arrastar ou arremessar caixas ou bobinas.Manual de Boas Práticas de Fabricação DC 15 Rev. cordas.  Embalagens e Bobinas devem ser re-embaladas conforme padrão do Cliente. poeira ou sujidades. caminhar ou sentar-se sobre caixas.  Se não há risco de avarias ou contaminação com outros produtos durante o transporte. O QUE DEVE SER OBSERVADO ANTES DO CARREGAMENTO:  Se o baú do veículo está limpo (paredes e assoalho).: 03 Página 22 de 27 ANEXO VI – Procedimento Operacional Padrão de Higiene e Boas Práticas na EXPEDIÇÃO  A movimentação do produto final depois de embalado deve ser feito por carrinhos ou empilhadeiras com pallets para a expedição e colocados em local pré-definido.  Se no interior do caminhão não há material estranho.  Manter um espaçamento entre pallets.  As portas devem permitir a adequada higienização e possuir vedação suficiente para impedir a entrada de insetos rasteiros e/ou voadores. circulação de ar.  Os pallets devem estar a 50 cm das paredes e 10 cm do piso para facilitar a limpeza.  Os materiais utilizados para proteção e fixação da carga (pallets. livre de poeira. calor. pallets ou balanças.) devem ser limpos e estar em boas condições.

lixeiros demarcados e esvaziados com frequência.  Deve-se fazer a rotatividade dos materiais armazenados e controlar para que os produtos que entram primeiro no estoque também saiam primeiro evitando assim o uso de produtos vencidos.  Todos os produtos devem ser armazenados sobre pallets em bom estado de conservação. contados e pesados.  Validade dos produtos. mantendo os acessórios (laterais. e  Deve-se manter a limpeza do local.: 03 Página 23 de 27 ANEXO VII – Procedimento Operacional Padrão de Higiene e Boas Práticas no ALMOXARIFADO DE MATÉRIAS PRIMAS E MATERIAIS EM PROCESSO O que deve ser observado no Ambiente:  Não se deve comer nas áreas de estocagem e manuseio dos produtos.: a periodicidade da higienização do setor está anexa ao cronograma geral de limpeza.  Deve-se respeitar a indicação do fabricante quanto à altura máxima para o empilhamento.  Material de corte e solda deve ter no máximo 3 metros de altura. possuindo identificação apropriada. isso permite uma melhor visualização dos produtos.  Os pallets devem estar a 50 cm das paredes e 10 cm do piso para facilitar a limpeza. O que deve ser observado no Armazenamento:  Manter um espaçamento entre pallets.Manual de Boas Práticas de Fabricação DC 15 Rev. O que deve ser observado no Descarregamento:  Se não há avarias ou contaminação de outros produtos durante o transporte. pallets) em local determinado.  Não se deve. caminhar ou sentar-se caixas e fardos. e  Limpeza do caminhão. circulação de ar. Obs.  Produtos avariados ou vencidos devem ser armazenados separadamente dos demais.  Não se deve pisotear. bater ou empurrar os produtos com os pés. envolvidos em filme stretch. mantendo portas e janela fechadas. .  Devem-se manter nos locais demarcados as armadilhas para o controle de pragas. e evitar acúmulo de umidade e pragas.  Cada tipo de material deve ter a sua devida proteção.

 As bobinas devem ser mantidas protegidas de poeiras enquanto aguarda a entrada no processo produtivo.Manual de Boas Práticas de Fabricação DC 15 Rev.  Embalagens com sujidades. para evitar o contato com sujidades.  Os materiais para limpeza devem ser os indicados pelo cronograma de limpeza.  A limpeza do setor deve ser feita diariamente e conforme o cronograma de limpeza. limpos e protegidos do pó.  Os acessórios das máquinas como formas.  Deve ser higienizados os tubetes.  Os pallets onde as bobinas em processo aguardam devem ser forrados com papel. poeiras. pallets e outros componentes sempre antes da montagem nas máquinas. .: 03 Página 24 de 27 ANEXO VIII – Procedimento Operacional Padrão de Higiene e Boas Práticas no CORTE E SOLDA  Deve ser lavadas e higienizadas as mãos sempre antes da manipulação das embalagens. ou outros devem ser retiradas do processo e descartadas em local apropriado. cilindros devem ficar em locais apropriados.

Produtos usados: água. detergente. detergente. solvente e álcool. alvejante multiuso. Produtos usados: água. acetato. Impressão. alvejante multiuso. sapólio e alvejante multiuso. móveis e utensílios) Diário e Mensal As paredes são lavadas 1 vez ao mês. Diário e Quinzenal Os dispensers de papel toalha. Periodicidade Diário e Mensal Limpeza de filtros. sabonete e anti-séptico são abastecidos 2 vezes ao dia ou conforme necessidade.Área Fabril Área Bebedouro Área fabril Descrição da Limpeza Feito a limpeza de rotina 2 vezes ao dia. móveis e utensílios) Diário e Mensal Limpeza geral (incluindo vidros e paredes) é feito 1 vez ao mês. móveis e utensílios) No piso a lavagem é feita a cada 2 dias. Diário e semanal . sapólio e Álcool. Área Produção (Extrusão. canos e/ou mangueiras 1 vez por mês Produtos usados: água. detergente. Laminação.: 03 Página 25 de 27 ANEXO IX – Cronograma de Limpeza . Corte e Solda e Expedição) Limpeza de rotina é feita diariamente (chão. sapólio. Refeitório Limpeza de rotina é feita diariamente (chão. desinfetante. Os produtos utilizados: água. Banheiro Área fabril Feito a limpeza de rotina 2 vezes ao dia. papel higiênico. Rebobinadeiras. Limpeza das cortinas é feita 1 vez ao mês. Vestiário Limpeza de rotina é feita diariamente (chão. Álcool.Manual de Boas Práticas de Fabricação DC 15 Rev. As paredes dos banheiros são lavadas de 15 em 15 dias. alvejante multiuso e álcool. Os produtos utilizados: água. Colagem. ou quando necessário.

: 03 Página 26 de 27 Diário e semanal Limpeza de rotina é feita diariamente (chão. móveis e utensílios) Diário Os produtos utilizados: água e acetato Tubetes Limpeza de rotina é feita diariamente. móveis e utensílios) Diário e Semanal Limpeza geral feita 2 vezes por semana. Diário Utensílios utilizados: Vassoura Equipe de Troca Limpeza do chão é feita semanalmente. estacionamento e garagens) Limpeza de rotina é feita diariamente (chão) Computadores das máquinas A Limpeza dos Monitores e mesas dos computadores é feita 3 vezes por semana. Laboratório de Tintas Limpeza de rotina é feita diariamente (chão. solvente e álcool. ou quando necessário. ou quando Reciclados necessário. álcool e acetato. Os produtos utilizados: água. Manutenção móveis e utensílios) Lixeiros de Materiais Esvaziamento diário. Semestral Diário Utensílios Utilizados: Vassoura e Luvas Produtos Utilizados: água Semanal . Utensílios Utilizados: Vassoura e Sacos de Lixo Os produtos utilizados: água. Os produtos utilizados: água. Áreas Externas (pátio.Manual de Boas Práticas de Fabricação DC 15 Rev. por turno. No piso a lavagem é feita a cada 2 dias. Semanal Os produtos utilizados: solvente Depósito/ Casa de lata A organização é feito semestralmente. Retífica Limpeza de rotina é feita diariamente (chão. Limpeza de rotina é feita diariamente Diário Diário e semanal Almoxarifado No piso a lavagem é feita a cada 2 dias. quando estão cheios. lustra móveis e álcool.

canos e/ou mangueiras 1 vez por mês Periodicidade Diário e Mensal Produtos usados: Esponja. cera. As paredes dos banheiros são lavadas a cada 6 meses Copa Produtos usados: água. Limpeza de rotina é feita diariamente Diário e Mensal Limpeza geral (incluindo vidros e paredes) é feito 1 vez ao mês. desinfetantes. Escritórios Sala de Arquivo Os produtos utilizados: são água. Os tapetes são limpos 1 vez por semana Diário. Os pisos são limpos diariamente.Manual de Boas Práticas de Fabricação DC 15 Rev. multiuso. Limpeza de rotina é feita diariamente. detergente. Diário e Semestral Os dispensers (papel toalha. Limpeza das cortinas é feita 1 vez ao mês. Produtos utilizados: detergentes. Os pisos são limpos diariamente. sabonete e etc. alvejante multiuso. Limpeza de filtros. Semanal e Quinzenal Os vidros são limpos de 15 em 15 dias. alvejante multiuso e álcool. sapólio e alvejante multiuso. álcool e água. alvejantes multiuso. Semanal e Quinzenal . detergente.) são abastecidos 1 vez ao dia ou conforme necessidade. Limpeza de rotina é feita diariamente. No caso de assoalho é encerado de 15 em 15 dias (ADM).: 03 Página 27 de 27 ANEXO X – Cronograma de Limpeza . sapólio e Álcool. álcool e água. Escritórios Fabris (Artes / Clicheria e Controle de Qualidade) Produtos utilizados: detergentes. Os tapetes são limpos 1 vez por semana Os vidros são limpos de 15 em 15 dias. Banheiros Feito a limpeza de rotina 1 vez ao dia.Áreas Administrativas Área Bebedouros Descrição da Limpeza Feito a limpeza de rotina 1 vez ao dia.