You are on page 1of 4

Angola recebe

produção de
eletricidade
hidrotérmica
LUSA5 de Março de 2015, às 11:00

Uma comissão interministerial nomeada pelo
Presidente angolano, José Eduardo dos Santos,
vai implementar o programa de geração de
eletricidade hidrotérmica, com centrais de
biomassa e mini-hídricas, no eixo BenguelaHuambo, segundo despacho presidencial.

De acordo com o documento. O projeto de geração hidrotérmica permitirá instalar 750 MegaWatts (MW) de capacidade de produção de eletricidade. ao qual a Lusa teve hoje acesso. e com a instalação de três complexos termoelétricos (biomassa) no polígono florestal do Alto Catumbela. que resulta de investimento privado. na província do Bié. esta comissão interministerial terá a missão de negociar os contratos de concessão e de aquisição de energia com o consórcio promotor do Programa Hidrotérmica de Angola. Cunhinga e Cunene. nos rios Cutato. do . de 20 de fevereiro. em Benguela. com três aproveitamentos hidroelétricos.

em que se inclui ainda a negociação do contrato de compra e vende de energia. A comissão interministerial de apoio à gestão do projeto de Geração de Energia Elétrica Hidrotérmica será coordenada pelo ministro da Energia e Águas e integrará representantes de outras entidades públicas do setor da eletricidade em Angola. de forma a responder ao crescimento de 12% ao ano no consumo. permitirá servir cerca de seis milhões de consumidores nas províncias de Benguela. de 2. avaliar os aspetos técnicos para garantir o escoamento da energia a ser produzida pelas centrais e negociar o contrato de concessão de produção de eletricidade.000 MW. no Huambo. Em entrevista à agência Lusa em novembro passado. em entrevista à agência Lusa. não é suficiente para responder aos pedidos atuais. o ministro da Energia e Águas reconheceu que Angola precisa de mais do que duplicar a capacidade de produção de eletricidade instalada. Terá como missão negociar os contratos de concessão e de aquisição de energia com o consórcio promotor deste programa. De acordo com João Baptista Borges. Estima-se que o projeto. "incluindo a utilização da área florestal e o caudal dos rios". Huambo e Bié. porque são equipamentos importados .Catchiungo e do Cuima. "E estes números não incluem fontes térmicas privadas [geradores] que as pessoas usam para garantir o fornecimento próprio. O trabalho a desenvolver por esta comissão terá 24 meses para concluir os trabalhos. a criação de uma sociedade para a gestao desta produção elétrica e a contratação de consultoria especializada. admitindo que a atual potência instalada.162 MW. para cerca de 5. aprovado em reunião da comissão económica do Conselho de Ministros em setembro de 2014 e que prevê a injeção da eletricidade na rede nacional.

na ocasião. PVJ// PJA Lusa/Fim . Daí que estes 5.000 MW sejam uma estimativa das nossas reais necessidades". assumiu o ministro.e que não estão identificados.