You are on page 1of 56

PLANEJAMENTO DA

IMPLANTAÇÃO DE UM
SISTEMA DE GESTÃO
AMBIENTAL (SGA)

Professora: Renata Veiber
Semana 04, 05 e 06

1. Processo de implantação cooperativo:
Restrição orçamentária de pequenas a médio porte =
barreira a implantação de SGA quando se utiliza uma
abordagem convencional;
Cooperativas formada por micro e pequenas empresas 
reduzem as dificuldades associadas ao processo de
exportação de produtos  ISO 14001 aliado a concessão
de inventivos governamentais  incentivo de implantar
SGA.

1. Processo de implantação cooperativo:

Principais barreiras para a certificação ISO 14001 de
pequenas e médias empresas:
o A cultura empreendedora que prevalece entre
empresas com este perfil;
o A limitada disponibilidade de recursos financeiros e de
pessoal;
o Um time de auditores ambientais preparados;
o Custo da certificação.

1. Processo de implantação cooperativo:

Cooperativas era utilizadas com segurança
modalidade de produção, crédito e consumo.

Cooperativas utilizadas para implantação de um SGA
reduz satisfatoriamente os custos dessa implantação:

Redução custos de manutenção de um consultor
sênior;
Redução custos com horas técnicas necessárias para
elaboração de procedimentos sistêmicos;

nas

1. Processo de implantação cooperativo:

Redução de quantidade de procedimentos (sistêmicos e
operacionais) para atender as normas;
dificuldade = sigilo industrial
análise crítica de adequação e aplicabilidade
ao seu contexto organizacional


Redução de custos treinamentos ambientes;
Realização benchmarking = implantação conduzida por
consultores comuns e pelo maior contato de empresas
Troca de experiências/maior integração
Fragilidades ambientais / segredos industriais
Participação
projeto
condicionado
a
inexistência de empresas concorrentes
Formação de grupos de empresas heterogêneos

1. Processo de implantação cooperativo:
O processo de implantação de ISO 14001não é
necessariamente caro:
 Natureza da organização;

Aspectos e impactos ambientais identificados;

Passivo ambiental;

Inadimplência legal.

1. Processo de implantação cooperativo:

Com a abordagem da implantação cooperativa é
possível superar as principais barreiras á implantação do
SGA para empresas de pequeno à médio porte;

Contudo, é necessário que as empresas compreendam a
inter-relação entre os subsistemas da ISO 14001 com o
intuito de evitar uma implantação de um SGA pouco
estável.

2. Norma ISO 14001 e seus subsistemas:

SGA

ISO 14001

PDCA

• Desenvolvimento e
melhoria contínua
• Orientação e diretrizes
• Embasada no ciclo PDCA

2. Norma ISO 14001 e seus subsistemas:

Figura 1. Ciclo do PDCA

2. Norma ISO 14001 e seus subsistemas:

Figura 2. Lógicas do Ciclo do PDCA e MASP

2. Norma ISO 14001 e seus subsistemas:
Quadro 1. O Ciclo do PDCA e seu desdobramento através do MASP
-

-

-

Instrumento para
análise de sistemas;
Utilizada
como
referencial
para
estruturação
do
SGA;
Orienta o processo
de elaboração dos
procedimentos
sistêmicos
e
operacionais;
A partir dessa
sistemática,
os
requisitos da ISSO
14001
foram
desdobrados,
obtendo-se
5
supersistemas
básicos.

2. Norma ISO 14001 e seus subsistemas:
- Não é um subsistema
segundo a ISO 14001;
- Elaborar antes da
implantação = abstrata

Figura 3. Subsistemas da norma NBR ISO 14001

2. Norma ISO 14001 e seus subsistemas:
- No planejamento
é essencial o
intercâmbio de
informações dois
quatro
subsistemas 
política ambiental;
- Nível de
complexidade e de
documentos
dependerá do
porte da empresa;

Figura 4. Desdobramento dos subsistemas da norma NBR ISO 14001

2. Norma ISO 14001 e seus subsistemas:
Cada um dos
subsistemas da norma é
crítico; Contudo, devido
ao alto nível de
abrangência dos
requisitos treinamento,
controle de documentos
e registros e auditoria,
estes requisitos podem
ser considerados mais
críticos do que os
demais.

Figura 5. O ciclo do PDCA e os subsistemas da norma ISO 14001

3. Plano de implantação:

Deve ser estruturado com abordagem diferenciada para
empresas de pequeno a médio porte;

Necessário estabelecer um plano de implantação em
um período não muito longo;

Ritmo de implantação determinado pela própria
organização;

3. Plano de implantação:
Três cenários devem ser considerados para a elaboração de
um plano de implantação:
 A empresa já é certificada pela ISO 9001 e deseja
receber o da ISO 14001;

A empresa deseja
conjuntamente;

implantar

as

duas

normas

A empresa está interessada em implantar apenas a ISO
14001;

3. Plano de implantação:

Equipe SGA:
 Necessário formar uma
equipe para elaborar
documentos e implementação das ações no campo;
 Necessário definir gestor ambiental = coordenação,
elaboração plano e projetos, assessoramento;
 Nivelamento de informações;

3. Plano de implantação:

Treinamentos:
 Aprofundado SGA e ISO 14001 para gestor ambiental;
 SGA e ISO 14001 para time;
 Específico para funcionários cuja atividade esteja
envolvida com os aspectos ambientais.

3. Plano de implantação:

Comprometimento Alta Administração:
 Etapa mais importante;
 Comprometimento e visão clara são vitais;
 Deve ser informado sobre andamento do SGA;
 Deve
receber
projeto
(cronograma,
tarefas,
responsabilidade, custos, treinamentos, etc)  facilita
interpretação do SGA.

3. Plano de implantação:
Análise crítica ambientais inicial:
Deve considerar condições operacionais, possíveis acidentes
e situações de emergência.
Deve ser documentado.
Oportunidade para desenvolvimento do SGA devem ser
identificados.
Etapa que consiste na avaliação da situação da organização com
relação as questões ambientais.
 Identificação dos requisitos legais e normativos;
 Identificação dos aspectos ambientais de suas atividades,
produtos e serviços a fim de determinar aqueles que têm ou
podem ter impactos ambientais significativos e
responsabilidade social;

3. Plano de implantação:





Avaliação do desempenho comparado a critérios internos
relevantes, normas externas, regulamentos, código de
conduta e conjunto de princípios e diretrizes;
Práticas e procedimentos de gestão ambiental existentes;
Identificação das políticas e procedimentos existentes
relacionados com atividade de suprimento e contratação;
Resultados das investigações de incidentes e não
conformidade já ocorridos;
Oportunidades para vantagem competitiva;
Visão das partes interessadas;
Funções ou atividades de outros sistemas que possam
possibilitar ou impedir o desempenho ambiental.

3. Plano de implantação:
Um plano de implantação típico segue os seguintes passos:
1. Nomeação de um comitê diretivo para supervisionar a
implantação;
2. Diagnóstico da organização;
3. Redação da política do SGA;
4. Elaboração de um plano de ação baseado nas
discussões da diretoria;
5. Atribuição de funções específicas a diretores
específicos;
6. Elaboração e implementação de um conjunto de
projetos com prazos definidos;

3. Plano de implantação:
7.
8.
9.
10.

11.
12.
13.

Revisão ou criação do manual de procedimentos
ambientais para refletir os requisitos da norma;
Seleção de uma entidade certificadora;
Ampliação ou redução das instruções de trabalho
necessário;
Organização de uma auditoria interna de todo o
sistema;
Preparação para auditoria interna de todo o sistema;
Auditorias externas (adequação e conformidade);
Correção das não conformidades identificadas nas
auditorias.

3. Plano de implantação:
Tipos de riscos associados a implantação:
 Riscos de negócios: fogem do controle do planejador.
Como uma mudança administrativa, que inviabiliza a
continuidade do projeto, ou a perda de apoio da alta
administração, alterações orçamentárias, etc.
 Riscos técnicos: identificam potenciais problemas de
projeto, implementação, interface, verificação e
manutenção. Ex: ambiguidade de especificação,
incertezas técnicas, obsolescência técnica e utilização de
tecnologia de ponta.
 Riscos
de projeto: problemas orçamentários,
cronograma, pessoal, recursos e de requisitos.

3. Plano de implantação:
Aplicação da ferramenta PERT/COM  reduz riscos.
1. Definir todas as atividade do projeto;
2. Definir dependência e paralelismo entre elas;
3. Estimar o tempo que cada atividade consome;
4. Estimar os tempos mais cedo de início e término das
atividades;
5. Estimar os tempos mais tarde de início e término das
atividades;
6. Estimar folgas existentes;
7. Determinar o caminho crítico das atividades.

4. Requisitos legais e outros requisitos:
“A organização deve estabelecer e manter procedimento
para identificar e ter acesso à legislação e outros requisitos
por ela subscritos aplicáveis aos aspectos ambientais de
suas atividades, produtos e serviços.” (ISO 14004)
Subsistema: identificar, caracterizar e coletar as informações
constantes dos requisitos legais,
disseminando os
responsáveis e interessados no SGA.
Recomendações:

4. Requisitos legais e outros requisitos:
1.

Como a organização acessa e identifica os requisitos legais e
outros requisitos aplicáveis?

2.

Como a organização acompanha os requisitos legais e
outros requisitos?

3.

Como a organização acompanha as alterações de requisitos
legais e outros requisitos?

4.

Como a organização comunica informações pertinentes ao
seu pessoal, no tocante aos requisitos legais e outros
requisitos?

4. Requisitos legais e outros requisitos:
Recomendações:
 Setor responsável pela identificação de todas as leis e
regulamentos ambientais aplicáveis as suas atividades.
 Subsistema de grande importância para funcionamento
e manutenção do SGA.
 ISO
14001 – requisito indispensável, requer
conformidade à legislação ambiental.
 Identificar e manter cadastro atualizado.
 Comunicação constantes aos setores da empresa que
tenham relação aos aspectos ambientais (documentado).

4. Requisitos legais e outros requisitos:
Requisitos aplicáveis as suas atividade, produtos e serviços que devem
ser atendidos:
 Municipais;
 Estaduais;
 Federais;
 Internacional (ISO, EMAS, etc);
 Códigos industriais (ABIQUIM);
 Normas voluntárias;
 Compromissos ambientais assinados (parcerias);
 Normas e políticas corporativas;
 Códigos privados (ANSY, ASME, etc);
 Acordos
nacionais
ou
internacionais
(desenvolvimento
sustentável);
 Acordos com autoridades públicas (associação à proteção
ambiental).

4. Requisitos legais e outros requisitos:
Alternativas:
1.
Compra de bases de dados específicas sobre legislação ambiental (LEX
Ambiental).
2.

Elaboração de um procedimento sistêmico para atendimento do
requisito.

5. Identificação de aspectos e avaliação de impactos
ambientais
Aspecto Ambiental: elemento das atividades, produtos ou
serviços de uma organização que pode interagir com o
meio ambiente.
Impacto Ambiental: qualquer modificação do meio
ambiente, adversa ou benéfica, que resulte, no todo ou em
parte, dos aspectos ambientais da organização.

Uma das etapas mais importantes e críticas para a
implantação de um SGA.

5. Identificação de aspectos e avaliação de impactos
ambientais
A política, os objetivos e as metas da organização devem
ser baseadas no conhecimento dos aspectos ambientais;
Identificação dos aspectos e impactos:
 Identificação de regulamentações legais e empresariais;
 Identificação dos impactos na saúde e segurança e
avaliação do risco ambiental;
 Deve ser realizada por representantes de cada área ou
departamento da organização;
 Terceirização apresenta desvantagens críticas;
 Processo contínuo = determina impactos passado,
presente e futuro.

5. Identificação de aspectos e avaliação de impactos
ambientais
Identificação de aspectos em função da temporalidade:
Temporalidade

Descrição

Exemplo

Passada

Impacto ambiental
identificado no presente, mas
foi causado por atividade
desenvolvida no passado.

Área de solo contaminado
com óleo Ascarel.

Atual

Impacto ambiental
decorrente da atividade atual

Lançamento de efluentes

Futura

Impacto ambiental previsto,
decorrente de futuras
alterações de processo,
aquisições de novos
equipamentos, introdução de
novas tecnologias

Ampliação da ETE

5. Identificação de aspectos e avaliação de impactos
ambientais
Metodologia para levantamento de práticas ambientais passadas

Metodologia para levantamento de acidentes e incidentes ambientais

5. Identificação de aspectos e avaliação de impactos
ambientais
Passo 1: Selecione uma atividade, produto ou serviço;
Passo II: Identifique os Aspectos Ambientais da atividade, produto ou serviço;
Passo III: Identifique os Impactos Ambientais;
Passo IV: Avaliação da significância dos Impactos.
- Em relação ao Meio ambiente:

Escala do impacto

Severidade do impacto

Probabilidade de ocorrência

Duração do impacto
- Em relação ao Negócio:

Exposição legal e regulamentar potencial

Dificuldade na transformação do impacto

Custo de transformação do impacto

Efeito das mudanças em outras atividades e processos

Preocupações das partes interessadas

Efeitos na imagem púbica da organização

5. Identificação de aspectos e avaliação de impactos
ambientais
Atividade

Aspecto Ambiental

Impacto Ambiental

Manuseio de produtos
perigosos

Potencial para
derramamento acidental

Contaminação do solo
ou água

Melhoramento de um
produto

Reformulação do
produto para reduzir seu
volume

Conservação de recursos
naturais

Manutenção de veículos

Emissão do escapamento

Redução da poluição do
ar

Formulário 01. Identificação de aspectos e avaliação de impactos ambientais

Matriz A: Correlações entre aspectos ambientais e impactos ambientais

Tabela A. Pontuação quanto a consequência de aspectos/impactos ambientais
Consequências
Descrição

Abrangência *
Severidade

-

-

-

Impacto ambiental potencial de magnitude
desprezível;
Degradação ambiental sem consequências para o
negócio e para a imagem da empresa, totalmente
reversível com ações de controle.
- Impacto potencial não enquadrável como baixa
ou alta mas capaz de alterar a qualidade
ambiental;
Degradação ambiental como consequências para
o negócio e à imagem da empresa, reversível com
ações de controle/mitigação;
Potencial para gerar reclamações de partes
interessadas.
Impacto potencial de grande magnitude;
Degradação ambiental com consequências
financeiras e de imagem irreversível mesmo com
ações de controle.

Local

Regional

Global

Baixa

20

25

30

Média

40

45

50

Alta

60

65

70

*Tabela A.1. Nível de abrangência de impactos ambientais
IMPACTO

NÍVEL
Global
Impacto que excede os limites do
Estado, do Brasil ou do mundo,
com potencial para comprometer
a qualidade nesses níveis.




Destruição da camada de ozônio;
Chuva ácida;
Efeito estufa (aquecimento global);
Poluição do ar por veículos.

Regional
Impacto que ocorre dentro dos
limites da região ou Estado.












Locais de despejo de resíduos sólidos (ativos ou inativos);
Desmatamento;
Destruição da biodiversidade;
Poluição da água por resíduos industriais;
Despejos de óleo;
Consumo de recursos naturais;
Radiação proveniente de resíduos nucleares;
Vazamento de tanques para o subsolo;
Contaminação de água do mar na costa;
Poluição da água por estações de tratamento de esgotos e efluentes;
Contaminação de água potável;
Contaminação do solo por resíduos de defensivos agrícolas.

Local
Excede os limites da empresa
causando incômodos à
comunidade.







Desmatamento;
Destruição da biodiversidade;
Consumo de recursos naturais;
Descarte de resíduos não perigosos (ocupação de aterro);
Erosão do solo;
Alteração da qualidade do ar por ruídos ou vibrações;
Alteração da qualidade do ar por emissão de materiais particulados.

Tabela B. Enquadramento de frequência (situação normal/anormal) de aspectos/impactos ambientais

Frequência
Baixa

Média
Alta

Situação
operacional

Descrição (normal/anormal)
- Ocorre menos de 1 vez/mês;
- Reduzido número de aspectos ambientais associados ao
impacto.

10

- Ocorre mais de 1 vez/mês;
- Médio número de aspectos ambientais associados ao impacto.

20

- Ocorre diariamente;
- Elevado número de aspectos ambientais associados ao impacto.

30

Descrição

Exemplo

Associados à rotina diária, inclusive manutenção

Geração de resíduos
sólidos na operação da
ETE.

Normal

Anormal

Emergência

Pontos

Associados a operações não rotineiras

Associado a situações não planejadas que
possam causar impacto.

Manutenção do lavador de
gases

Resíduos oleosos no
tanque de combustível.

Tabela C. Enquadramento de probabilidade (situação de emergência) de
aspectos/impactos ambientais

Frequência
Baixa

Média

Alta

Descrição (normal/anormal)

Pontos

- Ocorre menos de 1 vez/mês;
- Existência de procedimentos/controles/gerenciamentos
adequados dos aspectos ambientais.

10

- Ocorre mais de 1 vez/mês;
- Existência de procedimentos/controles/gerenciamentos
inadequados dos aspectos ambientais.

20

- Ocorre diariamente;
- Inexistência de procedimentos/controles/gerenciamentos dos
aspectos ambientais
- Elevado número de aspectos ambientais associados ao impacto.

30

Tabela D. Enquadramento de importância de aspectos/impactos ambientais

Enquadramento

Amplitude de pontos

Desprezível

D

Pontuação total menor que 50

Moderado

M

Pontuação total entre 50 e 70

Crítico

C

Pontuação total acima de 70

Deve-se:
 Somar as pontuações obtidas nas Tabelas A e B para situações normal e
anormal e Tabelas A e C para situações de emergência.
 Considerar ocorrência de repetitividade e de acumulatividade 
reclassificação do enquadramento de impactos ambientais

5. Elaboração da Política Ambiental


É um conjunto de intenções (níveis hierárquico) sobre
um determinado assunto, que resultada numa séries de
medidas concretas.
Item mandatório na ISO 14001.
Desenvolvida de forma empírica.

Medidas
Política

Procedimentos

Condutas
gerenciais
Princípios gerais
da organização

5. Elaboração da Política Ambiental
Deve considerar as seguintes questões (ISO 14004):
1. A missão, visão , valores e as crenças da organização;
2. Os requisitos das partes interessadas e o processo de
comunicação com elas;
3. A melhoria contínua;
4. A prevenção da poluição;
5. Os princípios orientadores;
6. A coordenação com as demais políticas da organização, tais
como: qualidade, saúde ocupacional e segurança do trabalho;
7. As condições locais ou regionais específicas;
8. A conformidade com os regulamentos, leis e demais
critérios ambientais relacionados e que foram estabelecidos
pela organização.

5. Elaboração da Política Ambiental
Importância para organização:
1. Permitir a todos os colaboradores de uma organização
saber das intenções da alta chefia;
2. Possibilitar que as partes interessadas conheçam a
política;
3. Estimular o processo de reflexão sobre a política
ambiental;
4. Evitar o surgimento de políticas informais;
5. Permitir às auditorias ter um ponto de partida.

5. Elaboração da Política Ambiental

Considerações:
Prevenção da
Poluição

Melhoria Contínua

Atendimento à
legislação

Política Ambiental

Os três pilares da política ambiental

Adequada aos objetivos e metas do
SGA;

Adequada a natureza e escala de
atividade da organização;

Buscar a melhoria do desempenho
ambiental;

Seja comunicada e compreendida;

Seja implementada;

Seja mantida e documentada.

5. Elaboração da Política Ambiental
A Política Ambiental pode declarar comprometimento:
 Minimização de quaisquer impacto ambiental (planejamento e
procedimentos);
 Desenvolvimento de procedimentos e indicadores;
 Incorporação da abordagem de ciclo de vida;
 Concepção de produtos  minimizar impacto;
 Prevenção da poluição, redução de resíduos e consumo de
recursos;
 Comprometimento com recuperação e reciclagem (se possível);
 Educação e treinamento ambiental;
 Compartilhamento de experiência;
 Envolvimento e comunicação com partes interessadas;
 Trabalho voltado para desenvolvimento sustentável;
 Encorajamento do uso SGA para fornecedores e prestadores de
serviços.

5. Exemplo 1 - Política Ambiental

Política Ambiental
A construção de uma hidrelétrica provoca impactos na biosfera. Por isso, conservar
e proteger o meio ambiente são preocupações permanentes da Itaipu Binacional.
Rios, córregos e nascentes, que fornecem a água que move a usina, recebem atenção especial
dentro das ações de gestão ambiental. Mas a atuação da empresa vai além do reservatório e
complementa as exigências da legislação.
Para preservar a fauna e a flora, a Itaipu mantém reservas e refúgios biológicos e um corredor
de biodiversidade, que promovem a conservação das matas nativas da região.
Nas áreas que encontrou já devastadas pela prática agrícola, a Itaipu lançou ações de
reflorestamento que já permitiram o plantio de 23 milhões de mudas de árvores na faixa de
proteção do reservatório.
A Itaipu, como empresa comprometida com o desenvolvimento sustentável, também adota
medidas para reaproveitar e reciclar materiais, promove a educação ambiental de adultos e
crianças em toda a área de abrangência do lago da usina e incentiva práticas ecologicamente
corretas na agricultura, na pesca e nas atividades de lazer.
Dentro das ações socioambientais, o compromisso com a melhoria da qualidade de vida das
comunidades vizinhas ao lago assegura ênfase especial à saúde destas populações.
Desde 2003, a responsabilidade socioambiental integra a missão institucional da Itaipu, um
compromisso da empresa, seus empregados e colaboradores com a sociedade e a vida no
planeta.

5. Exemplo I1 - Política Ambiental
PEDRITA PLANEJAMENTO E CONSTRUÇÃO LDTA
Política Ambiental
Nós, Pedrita Planejamento e Construção Ltda., Unidade de Rio Tavares/ Florianópolis e Tijuquinhas/ Biguaçu,
atuando no segmento de mineração e usina de asfalto, adotando a gestão ambiental e da qualidade como um
dos princípios do nosso desempenho empresarial.
Esta política está sustentada nos seguintes propósitos:
Prevenção
Conduzir as atividades da Empresa, levando em consideração o conceito de prevenção.
Educação
Treinar, conscientizar e motivar nossos colaboradores para conduzir nossas atividades de maneira responsável.
Desenvolvimento
Desenvolver processos enfatizando o conceito de melhoria contínua para satisfação dos clientes.
Recursos Naturais
Otimizar a extração de minério através de mecanismos de uso eficiente.
Inovação
Incorporar inovações tecnológicas viáveis que reduzam os impactos ambientais significativos e processos de
extração.
Transparência
Manter um diálogo aberto com as partes interessadas para troca de informações, reconhecendo e
respondendo as demandas pertinentes em relação aos aspectos ambientais significativos da empresa.
Atendimento Legal
Buscar o atendimento à legislação e às normas ambientais aplicáveis a Empresa

5. Exemplo III - Política Ambiental
A Política de Meio Ambiente visa conduzir os negócios da Bunge de modo a
promover a qualidade ambiental. Para atender a essa política, o grupo
compromete-se a:
 Cumprir a legislação ambiental e outros requisitos aplicáveis aos seus
processos, produtos e serviços;
 Promover a melhoria ambiental contínua e o desenvolvimento sustentável,
aplicando os princípios do gerenciamento ambiental, os indicadores de
desempenho e as avaliações de risco ambiental;
 Prover e apoiar o treinamento em gestão ambiental, respeito ao meio
ambiente e responsabilidade de desempenho ambiental para os seus
colaboradores;
 Medir e avaliar o desempenho ambiental associado aos processos de suas
instalações e aos seus produtos e serviços;
 Atuar com responsabilidade social, procurando atender às necessidades
ambientais de suas comunidades e promovendo o uso responsável dos
recursos naturais;
 Buscar a prevenção da poluição, a redução de resíduos, o reuso e a reciclagem
em seus processos, produtos e serviços, quando tecnicamente viáveis e
economicamente justificáveis.

6. Elaboração dos objetivos e metas:




Devem estar em concordância com a Política Ambiental;
Devem levar em conta as constatações relevantes de análise
crítica ambiental e aspectos ambientais;
Representam o direcionamento do SGA –> necessário
sistematização;
Não devem ficar restritos ao cumprimento de legislações
pertinentes a organização  melhoria contínua;
Inclui liberação de recursos (financeiros) para atendimento do
requisito;
Inter-relacionamento com os subsistemas: PGA, Política
Ambiental, Aspectos/Impactos Ambientais e Requisitos legais
 desdobramento de objetivos.
Objetivo
Eliminação de emissões de
SO2
Meta 1
Desenvolvimento de projeto para
instalação de lavadores de gases
para emissão atmosférica –
08/2011

Meta 1I
Instalação de lavadores de gases
até dezembro/2011

6. Elaboração dos objetivos e metas:



Pode ser aplicado para toda a organização ou atividade
individuais.
Devem ser periodicamente analisado criticamente e
revisados.
Organização deve estabelecer indicadores mensuráveis do
desempenho ambiental  avaliação desempenho e
informações gerenciamento e sistemas operacionais.
Cada meta deve ser gerenciada através dos PGA’s
(atribuições, responsabilidades, indicadores e recursos).

6. Elaboração dos objetivos e metas:

Política
Ambiental

Conservar
os recursos
naturais

Objetivo

Minimizar
o uso da
água
sempre
que viável
tecnológi
ca e
comercial
mente

Meta

Reduzi
r em
15%
consu
mo de
água
nos
locais
selecio
nados
em um
ano

Indicador

Vazão de
água por
unidade
de
produção

PGA

Reuso
da
água

Ação

Instalar
equipa
mentos
para
reciclar
a água
de
enxagu
e do
Process
oA
para
reutiliza
ção no
Process
oB

Responsável

Renata
Veiber

Data
Prevista

Mês
03 de
2014

Mês
05 de
2014

Status

Em
andamento

Referências Bibliográficas:
1.SEIFFERT, Mari E.B. ISO 14001 Sistemas de Gestão Ambiental. 4ªed. São
Paulo: Atlas, 2011.
(Capítulo 3 e 4)
2. ABNT NBR ISO 14004:2004