Boas-vindas à Primavera

Nascem as flores Conta a história que Deus, ao criar o mundo, observou os mares, as montanhas, os ribeiros, as cachoeiras e os rios. Os vales e as planícies... Observou os animais, as aves do céu e os peixes do mar... O firmamento com as suas estrelas, sóis e luas. Mas curiosamente se indagava do porque de, apesar da Natureza criada, sentir profunda tristeza. Por mais que tentasse, não encontrava a resposta. Então resolveu pedir à milícia dos anjos que descesse à Terra, observasse tudo e descobrisse o porque de sua tristeza ao contemplar a obra. Os anjos assim o fizeram. Percorreram todos os recantos da Terra procurando uma resposta. Foram de um lado para outro, entre vales e florestas verdes, sobre lagos azuis, entre os animais pardos, brancos e pretos, sobre os desertos, por entre pedras, rochas e cavernas... Mas, por fim, cansados e exaustos da jornada, sentaram-se à beira dos caminhos, sobre pedras e troncos caídos. Entreolharam-se e, como nenhum apontasse uma conclusão, entristeceuse demais a ponto de chorar. E choraram tanto, tanto, que encharcaram o solo à sua volta. Aos poucos retornaram ao céu, constrangidos. Lá chegando, não encontraram o criador e passaram dias a sua procura. Como não o encontrassem, prantearam mais ainda nos céus. E o pranto, qual chuva caída das nuvens, regava toda a superfície da Terra. Por fim, encontraram-no e lhe falaram: - Nosso criador, não sabemos o motivo de tão grande tristeza por sua parte. Andamos por todos os recantos da Terra, mas tudo era muito sombrio e escuro. Não encontramos nada. E cada um intencionava pedir-lhe desculpas, quando Deus, de repente, desviou os olhos para a Terra e deparou-se com um cenário absolutamente novo, vivo e brilhante: mais que isso, colorido! Qual tapete a cobrir o solo, flores multicores enchiam os ares de beleza e vivacidade. Flores, cujas sementes adormecidas na Terra, foram regadas pelas lágrimas dos anjos e assim convidadas a despertar! Os anjos cantavam coros de alegria, revoando entre as flores e a natureza. O criador maravilhava-se com sua criação, com o coração cheio de alegria! Nunca mais a partir daí, houve tristeza no céu!
Extraído da Revista Colibri /1997

Edição 03

Outubro/2006

Dogville e o Manifesto “Dogma 95”
Muita gente não gostou de “Dogville”, filme de 2003 de Lars Von Trier, que tem em Nicole Kidman sua atriz principal. O filme chama atenção por não ter cenário e uma trilha sonora quase inexistente, concentrando-se basicamente nos diálogos. É como um cineteatro. Mas o que muita gente não sabe é que esse estilo de filmar obedece a um manifesto chamado Dogma 95, para a criação de um cinema mais realista e menos comercial . O manifesto resume-se no seguinte: “1. As filmagens devem ser feitas em locais externos. Não podem ser usados acessórios ou cenografia (se a trama requer um acessório particular, deve-se escolher um ambiente externo onde ele se encontre). 2. O som não deve jamais ser produzido separadamente da imagem ou vice-versa. (A música não poderá ser utilizada a menos que ressoe no local onde se filma a cena). 3. A câmera deve ser usada na mão. São consentidos todos os movimentos - ou a imobilidade - devidos aos movimentos do corpo. (O filme não deve ser feito onde a câmera está colocada; são as tomadas que devem desenvolver-se onde o filme tem lugar). 4. O filme deve ser em cores. Não se aceita nenhuma iluminação especial. (Se há muito pouca luz, a cena deve ser cortada, ou então, podese colocar uma única lâmpada sobre a câmera). 5. São proibidos os truques fotográficos e filtros. 6. O filme não deve conter nenhuma ação "superficial". (Homicídios, Armas, etc. não podem ocorrer). 7. São vetados os deslocamentos temporais ou geográficos. (Isto significa que o filme se desenvolve em tempo real). 8. São inaceitáveis os filmes de gênero. 9. O filme deve ser em 35 mm, padrão. 10. O nome do diretor não deve figurar nos créditos.” Todos os filmes que recebem o reconhecimento do Dogma 95 seguem essas 10 regras estipuladas por Trier e Vinterberg. Para tanto, os realizadores devem enviar cópias de seus filmes à entidade que gerencia o Dogma 95 e submetê-los à avaliação. Caso aprovado e verificado que o voto de castidade foi cumprido, os autores recebem o Certificado Dogma 95.

Planeta DVD videolocadora SHCES Q. 307 BL. C loja 22 (61) 3361-2203 planetadvd@solar. com.br

Nesta edição:
Doom Os Produtores Fora de Rumo Tenha Fé O Código da Vinci As Loucuras de Dick e Jane Primavera 2 2 2 3 3 3 4

DOOM
Algo estranho aconteceu em uma estação espacial localizada em Marte. A tripulação local entrou em estado de quarentena cinco, antes da comunicação com a Terra ser bruscamente interrompida. Para investigar o caso é enviada uma equipe especialmente treinada para resolver problemas inesperados, que exijam que seus integrantes entrem em ação o mais rápido possível. Só que desta vez eles não tem a menor idéia de qual é o inimigo que precisam enfrentar.

Várias das pessoas que aparecem nas cenas de público não são atores, mas sim pessoas que fizeram doações a instituições de caridade. Em troca da doação elas puderam participar como extras de Os Produtores.

Os Produtores
Max Bialystock (Nathan Lane) é um produtor teatral astuto, que tem Leo Bloom (Matthew Broderick) como contador. Um dia Leo surge com o plano perfeito para conseguir muito dinheiro: arrecadar muito mais do que o necessário para produzir um show para a Broadway, que seja de antemão um fracasso garantido. A idéia é que, por ser um fracasso, ninguém espere receber algo, o que permitiria que Max e Leo embolsassem a diferença. A dupla segue o plano, iniciando a busca pela pior peça teatral já escrita. A escolhida é o musical "Primavera para Hitler", escrito por Franz Liebkind (Will Ferrell), que é produzida. Mas, para a surpresa de Max e Leo, a peça se torna um estrondoso sucesso.

Fora de Rumo
Charles Schine (Clive Owen) e Lucinda Harris (Jennifer Aniston) são dois executivos casados, que mantém um caso secretamente. Após serem chantageados por um violento criminoso, eles precisam encontrar um meio de salvar seus casamentos e também suas próprias vidas.

Página 2

Tenha Fé
Grandes amigos desde criança, Brian Finn (Edward Norton) e Jacob Schram (Ben Stiller) são jovens dinâmicos e populares que vivem e trabalham no Upper West Side, em Nova York. Com uma diferença aos demais jovens de sua idade: Brian é padre e Jacob um rabino. Quando Anna Reilly (Jenna Elfman), uma antiga amiga de colégio e agora uma bela executiva, retorna à cidade, ela entra na vida e nos corações de Brian e de Jacob, formando um complicado triângulo amoroso.

O Código Da Vinci
Robert Langdon (Tom Hanks) é um famoso simbologista, que foi convocado a comparecer no Museu do Louvre após o assassinato de um curador. A morte deixou uma série de pistas e símbolos estranhos, os quais Langdon precisa decifrar. Em seu trabalho ele conta com a ajuda de Sophie Neveu (Audrey Tautou), criptógrafa da polícia. Porém o que Langdon não esperava era que suas investigações o levassem a uma série de mensagens ocultas nas obras de Leonardo Da Vinci, que indicam a existência de uma sociedade secreta que tem por missão guardar um segredo que já dura mais de 2 mil anos.

O sino da catedral de Lincoln, que badala de hora em hora, ficou em silêncio durante do dia 15 a 19 de agosto de 2005, devido às filmagens no local. Foi a 1ª vez em que isto ocorreu desde a 2ª Guerra Mundial.

As Loucuras de Dick e Jane
Dick (Jim Carrey) e Jane (Téa Leoni) formam um casal que vive confortavelmente, até ele ser demitido. As dívidas se acumulam cada vez, deixando-os em estado caótico. Para manter o padrão de vida que levavam eles decidem realizar pequenos roubos. Após um início cheio de problemas, eles se vêem diante do golpe que pode deixá-los milionários.

Edição 03

Página 3