You are on page 1of 24

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE S.

MIGUEL

BIBLIOTECA ESCOLAR
*
MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO
Professoras Bibliotecárias:
Ana Maria Barata e Mónica Martins 2009/2010
 O sentido da auto-avaliação.

 Objectivos implicados

 Estrutura do Modelo

 Etapas do processo

 Envolvimento dos diferentes tipos de utilizadores

 Impacto que se espera que venha a ter na biblioteca

 Impactos que se perspectivam para o trabalho dos professores e para as


aprendizagens dos alunos

 Como fazer a comunicação e a integração dos resultados no relatório de


avaliação da escola

 Domínio a avaliar em 2009-2010

 Cronograma de aplicação do Modelo de Auto-Avaliação da BE


 Estudos internacionais mostram que as BE podem contribuir
positivamente para o ensino e a aprendizagem, podendo estabelecer-se
uma relação entre a qualidade do trabalho da e com a BE e os resultados
escolares dos alunos.
 A auto-avaliação não é uma ameaça; pelo contrário pode ser uma grande
oportunidade
 É um instrumento de regulação e de melhoria.
 Não constitui um fim em si mesma, devendo ser entendida como um
processo que deverá conduzir à reflexão e deverá originar mudanças
concretas na prática.
 Deve-se enquadrar no contexto da escola e ter em conta as diferentes
estruturas com as quais é necessário interagir:
 o Órgão de Gestão que deve ser líder coadjuvante no processo e
aglutinar vontades e acções, de acordo com o poder que a sua posição
lhe confere;
 os professores, alunos, pais ou outros agentes que vão, de uma forma
ou de outra, ser chamados a participar.
 Identificar não só os pontos fortes, mas também as
necessidades e os pontos fracos com vista a melhorá-los.

 Avaliar a qualidade e eficácia da BE e não o desempenho


individual da professora bibliotecária ou elementos da equipa.

 Mobilizar toda a escola, melhorando através da acção colectiva


as possibilidades oferecidas pela BE.

 Fomentar o trabalho cooperativo com docentes e alunos .

 Contribuir para a afirmação da BE como espaço de


aprendizagens .

 Definir acções de melhoria.


4 DOMÍNIOS 4 ANOS

 A. Apoio ao Desenvolvimento Curricular


 A.1 Articulação curricular da BE com as estruturas pedagógicas e os docentes
 A.2. Desenvolvimento da literacia da informação

 B. Leitura e Literacias 2009/2010

 C. Projectos, Parcerias e Actividades Livres e de Abertura à


Comunidade
 C.1. Apoio a actividades livres, extra-curriculares e de enriquecimento curricular
 C.2. Projectos e parcerias

 D. Gestão da Biblioteca Escolar


 D.1. Articulação da BE com a Escola/ Agrupamento. Acesso e serviços prestados
pela BE
 D.2. Condições humanas e materiais para a prestação dos serviços
 D.3. Gestão da colecção
Cada domínio será avaliado com base numa reflexão feita a
partir de:

 Indicadores (zonas de intervenção de cada domínio)

 Factores críticos de sucesso (exemplos de situações,


ocorrências, acções )

 Recolha de evidências (informações obtidas em documentos ou


registos diversos: documentos pré-existentes, actas, relatórios, materiais
produzidos pela BE ou em colaboração, estatísticas, trabalhos de alunos,
questionários, fichas de observação, listas de verificação, entrevistas…)

 Acções de melhoria (sugestões de acções a implementar)


Níveis de desempenho
 4 - Excelente
 A BE é bastante forte neste domínio. O trabalho desenvolvido é de
grande qualidade e com um impacto bastante positivo.

 3 - Bom
 A BE desenvolve um trabalho de qualidade neste domínio mas pode
melhorar alguns aspectos.

 2 - Satisfatório
 A BE começou a desenvolver trabalho neste domínio, sendo
necessário melhorar o desempenho para que o seu impacto seja
mais efectivo.

 1 - Fraco
 A BE desenvolve pouco ou nenhum trabalho neste domínio, o seu
impacto é bastante reduzido, sendo necessário intervir com
urgência.
 Selecção do domínio a avaliar e sua fundamentação
 Calendarização do processo
 Escolha da amostra (20% de professores; 10% de alunos,10% E.E.)
 Definição dos instrumentos de recolha
 Produção e adaptação dos instrumentos
 Recolha de evidências
 Interpretação das evidências recolhidas
 Identificação do perfil de desempenho da BE
 Elaboração do relatório de auto-avaliação
 Apresentação e discussão do relatório em reunião do CP
 Integração de uma síntese do relatório no documento de
avaliação da escola
 Alteração do Plano de Acção, com base nos pontos fracos e
fortes identificados, definindo acções de melhoria
Avaliação da BE necessidade de envolvimento
de todos os intervenientes no processo educativo.

Professora Professores, Conselho


Órgão de Gestão
Bibliotecária Alunos, EE Pedagógico

Colaborar nas
Motivar a escola respostas a
para o processo inquéritos e
Analisar o
de auto- Acompanhar grelhas de
relatório e fazer as
avaliação. e coadjuvar o Observação.
recomendações
Desenvolvimento processo de auto- que julgue
do processo de avaliação. Objectividade e necessárias.
auto-avaliação. seriedade nas
respostas.

Todos Adopção de uma Cultura de Avaliação


 Reflexão contínua sobre o desempenho da BE;

 Planeamento do caminho a seguir, valorizando os pontos


fortes e implementando acções para a melhoria;

 Promoção de uma gestão de mudança, procurando a


adaptação e flexibilização da BE de acordo com a missão,
metas e objectivos da Escola e da BE.
 Reconhecimento da importância da BE nas aprendizagens e
resultados escolares;

 Cooperação professores/BE;

 Responsabilização de alunos e professores em todo o


processo;

 Impacto nas atitudes e competências dos alunos. Aumento do


sucesso educativo dos alunos;

 Desenvolvimento de uma cultura de avaliação.


 Apresentação do relatório de auto-avaliação e medidas para a
melhoria no CP que deverá emitir o seu parecer;

 Divulgação junto das outras estruturas da Escola;

 Integração da síntese no relatório anual da Escola;

 Resultados devem servir de base de trabalho para a Avaliação


Externa da escola pela IGE, cujo relatório final deverá avaliar o
impacto da BE na Escola.
Domínio a avaliar em 2009-10

Leitura e Literacias
(Domínio B)
Instrumentos de recolha de evidências
B.1. Trabalho da BE ao serviço da promoção da leitura

- Estatísticas de:
a) requisição/uso de recursos de informação relacionados com a leitura e utilização
informal da BE.
b) utilização da BE para actividades de leitura programada/articulada com outros
docentes.
- Registos de projectos desenvolvidos no âmbito da promoção da leitura.
- Questionários aos docentes(QD2)
- Questionários aos alunos (QA2)
B.2. Trabalho articulado da BE com departamentos e docentes e com o exterior, no âmbito da
leitura

- Projectos e actividades comuns realizadas neste âmbito


- Listagem de materiais de apoio produzidos e editados
- Registo de requisição de livros no âmbito do PNL
- Questionários aos docentes(QD2)
- Questionários aos Encarregados de Educação (QEE1)
Instrumentos de recolha de evidências
(cont.)

B.3. Impacto do trabalho da BE nas atitudes e competências dos alunos, no âmbito da leitura e
das literacias

- Estatísticas de utilização da BE para actividades de leitura;


- Estatísticas de requisição domiciliária;
- Grelhas de observação da utilização da BE (O3; O4 );
- Trabalhos realizados pelos alunos;
- Questionários aos docentes (QD2);
- Questionários aos alunos (QA2) .
Cronograma de aplicação do modelo de
auto-avaliação da BE
Ao longo do ano

Levantamento de dados estatísticos:

• Estatísticas de requisição e uso de recurso relacionados com a leitura;


• Estatísticas de utilização informal da BE;
• Estatísticas de utilização da BE para actividades de leitura
programada/articulada com outros docentes;
• Estatísticas de utilização da BE para actividades de leitura;
• Estatísticas de requisição domiciliária.
Cronograma de aplicação do modelo de
auto-avaliação da BE (cont.)

1º Período

DATA ACTIVIDADES A DESENVOLVER

Reunião da DREC sobre a implementação do modelo de


Novembro
auto-avaliação da BE.

-Selecção do domínio a avaliar.


Dezembro -Preparação do documento para apresentação em
Conselho Pedagógico.
Cronograma de aplicação do modelo de
auto-avaliação da BE (cont.)
2º Período

DATA ACTIVIDADES A DESENVOLVER


- Apresentação do Modelo de auto-avaliação ao Concelho Pedagógico;
- Calendarização das fases do processo de avaliação;
- Selecção das amostras para aplicação dos questionários e grelhas de
Janeiro
observação;
- Definição/reajustamento dos instrumentos;
- Elaboração/adaptação de grelhas de registo de dados.
- 1.ª aplicação das grelhas de observação de competências dos alunos, no
âmbito das leituras e literacias (O2).
Fevereiro
- 1.ª aplicação dos questionários aos alunos e docentes(QA2 e QD2).
- 1.ª aplicação dos questionários aos Encarregados de Educação (QEE1)

Março - Tratamento dos dados dos questionários e grelhas de observação.


Cronograma de aplicação do modelo de
auto-avaliação da BE (cont.)
3º Período

DATA ACTIVIDADES A DESENVOLVER


Abril - 2.ª aplicação das grelhas de observação de competências dos alunos, no
âmbito das leituras e literacias (O2).
Maio - 2.ª aplicação dos questionários aos alunos e docentes (QA2 e QD2).
- 2.ª aplicação dos questionários aos Encarregados de Educação (QEE1)
-Levantamento e tratamento de dados estatísticos referentes ao 3.º período.
- Tratamento dos dados dos questionários e grelhas de observação.
Junho -Registo de requisições de livros no âmbito da PNL.
- Elaboração do relatório de auto-avaliação
-Elaboração do plano de melhoria.

Julho -Apresentação dos resultados ao Conselho Pedagógico.


-Apresentação e aprovação do plano de melhoria em Conselho Pedagógico.
-Envio do relatório para a DREC, com a indicação das recomendações feitas
pelo Conselho pedagógico.
Definição da amostra
EB1 da Estação

Questionários:

• 23 Alunos (10% de um universo de 230 alunos);

Alunos Amostra (10%) 1º Ciclo


1ºB – 5
2ºB – 6
230 23
3ºB – 6
4ºB - 6
• 6 Docentes (30% de um universo de 17 docentes)

Professor Professor
Amostra Professor Coordenador
Docentes apoio educação
(30%) Titular estabelecimento
educativo especial
17 6 3 1 1 1
Definição da amostra
EB1 da Estação

• 23 Encarregados de Educação (10% de um universo de 230 E.E.)

Encarregados de Turmas dos


Amostra (10%)
Educação Educandos
1ºB - 5
2ºB - 6
230 23
3ºB - 6
4ºB - 6
Definição da amostra
EB de S. Miguel

Questionários:

• 51 Alunos (10% de um universo de 504 alunos);


Amostra Cursos
Alunos 2ºciclo 3ºCiclo
(10%) Profissionais
7º Ano - 9
5ºAno - 11
504 51 8º Ano - 9 CEF’s - 2
6ºAno - 11
9º Ano - 9

• 20 Docentes (20% de um universo de 98 docentes);

Departamentos
Amostra
Professores Mat. e Ciências
Ciências
(20%) Línguas Expressões Sociais e
Experimentais
Humanas

98 20 6 4 6 4
Definição da amostra (cont.)
EB de S. Miguel

• 51Encarregados de Educação (10% de um universo de 504 E.E.);

Encarregados de Turmas dos


Amostra (10% )
Educação educandos
5ºAno – 11
6ºAno – 11
504 51 7ºAno – 9
8ºAno – 9
9ºAno – 9
Cef - 2
Grelhas/Questionários

GO3
GO4
QA2
QEE1
QD2