You are on page 1of 2

MENTIRAS QUE MINHA CALCULADORA E COMPUTADOR ME CONTARAM – EXERCÍCIOS

EXERCÍCIOS

Revisão técnica: Ricardo Miranda Martins (IMECC/Unicamp)

1. Faça uma conjectura sobre o valor de

7. Arquimedes descobriu uma aproximação para 2p consideran-

do o perímetro p de um polígono regular de 96 lados inscrito
em um círculo de raio 1. Sua fórmula, em notação moderna, é

æ 1

lim ççç 2 - 2 ÷÷÷
x  0 è sen x
x ø
e determine quando parar de calcular antes que a perda de
dígitos significativos destrua o seu resultado. (A resposta
vai depender de sua calculadora.) Então encontre a resposta
precisa utilizando um método de cálculo apropriado.
2. Faça uma conjectura sobre o valor

lim

h 0

3. Mesmo os problemas de cálculo de aparência inocente po-

dem levar a números que ultrapassam o alcance da calculadora. Mostre que o valor máximo da função
f ( x) =

p = 96 2 -

é maior que
[Dica: Use logaritmos]. Qual é o limite
de f(x) quando x  ¥?
4. Qual é uma expressão numericamente confiável para subs-

tituir 1 - cos x , especialmente quando x é um número pequeno? Você vai precisar usar identidades trigonométricas.
(Lembre-se de que alguns pacotes de computador sinalizariam uma condição de erro desnecessário, ou até mesmo
mudariam para aritmética complexa, quando x = 0.)
5. Tente calcular

D = ln ln (109 + 1) — ln ln(109)
na sua calculadora. Esses números são tão próximos que
você provavelmente vai obter 0 ou apenas alguns dígitos
de precisão. No entanto, podemos usar o Teorema do Valor
Médio para conseguir uma precisão muito maior.
(a) Seja f (x) = ln ln x, a = 109, e b = 109 + 1. Então o
Teorema do Valor Médio dá

onde a < c < b. Como f’ está diminuindo, temos f ¢(a)
> f ¢(c) > f ¢(b). Use isso para estimar o valor de D.
(b) Use o Teorema do Valor Médio uma segunda vez para
descobrir por que as quantidades f ¢(a) e f ¢(b) no item
(a) são tão próximas umas das outras.

ò N +1

¥

f ( x) dx < å f (n) < ò N f ( x) dx
n = N +1

3

8. Este exercício está relacionado ao Exercício 2. Suponha

que o seu dispositivo de computação tenha um excelente
algoritmo para a função exponencial exp(x) = ex, mas um
programa fraco para ln x. Use a identidade
æ
a - eb ö÷
÷÷
ln a = b + ln ççç1 +
è
eb ø÷
e Desigualdade de Taylor para melhorar a precisão de ln x.
9. A equação cúbica

onde assumimos por simplicidade que p > 0 tem uma fórmula de solução clássica para a raiz real, chamada fórmula de
Cardano:
éæ
1 ê çç 27 q +
ê
x = çç
3 êë è

729q2 + 108 p3 ÷÷ö
÷÷
ø
2
æ 27 q - 729q2 + 108 p3 ö÷1/3 ùú
ç
÷÷ ú
+ççç
è
ø÷ ûú
2
1/3

Para um usuário de uma calculadora de bolso, bem como
para um programador inexperiente, a solução apresenta diversos obstáculos. Primeiro, o radicando do segundo termo
é negativo e a tecla de potência fracionária pode não lidar
com isso. A seguir, mesmo que tal tecla funcione, quando q é
pequeno em magnitude e p é de tamanho médio, o pequeno
número x é a diferença de dois números próximos de p /3.
(a) Mostre que todos esses problemas são evitados pela
fórmula
x=

a=

onde

-9 q
a2/3 + 3 p + 9 p2 a-2/3

27 q +

729 q2 + 108 p3
2

Dica: Use a fórmula de fatoração
A+B =

-1,001

n
, estudada no texto, exatamente
de quantos termos precisamos (em teoria) para tornar o erro
inferior a 5 na nona casa decimal? Você pode usar as desigualdades a partir da prova do Teste da Integral:
¥

2+

(a) Realize os cálculos e compare com o valor de p a partir de fontes mais precisas, por exemplo, p = 192 sen
(p/96). Quantos dígitos você perdeu?

f ¢(b) – f (a) = f ¢(c)(b – a) = f ¢(c)

¥

2+

x3 + px + q = 0

x2
(1,0001)x

10124.

6. Para a série de

2+

(b) Realize a racionalização para evitar subtração de números aproximados e conte os dígitos exatos novamente.

ln (1 + h)
h

e determine quando parar de calcular antes que a perda de
dígitos significativos destrua o seu resultado. Desta vez, a
subtração prejudicial ocorre no interior da máquina; explique como (supondo que a série de Taylor com centro a = 1
é utilizada para aproximar ln x). Então encontre a resposta
precisa utilizando um método de cálculo apropriado.


n =1

 1

A3 + B3
A2 - AB + B2

(b) Calcule
u=

4

(2 +

5)

2/3

+ 1 + (2 +

-2/3

5)

desenvolva-a para as integrais 1 n-q 1. Verifique a partir da fórmula de redução (por meio da observação do padrão após alguns passos) que é æ1 1 1ö ù an = ê c . cuja soma você conhece.f ççç ÷ è100 ø÷ 100 .. 12. na parte (a). 5 com cinco dígitos de precisão. Tente a20 novamente utilizando esta abordagem inversa.x e determine o número de termos da presente série transformada que leva a um erro inferior a 5 ´ 10–7. isto é. Em seguida. 1. um número diferente de zero.] converge para e – 1 quando n  ¥. (b) Usamos a fórmula de redução invertida para calcular quantidades para as quais temos fórmulas elementares. 10. tente calcular a20 da fórmula de redução usando a calculadora. usando 1 £ e1 – x £ e e o Teorema do Confronto que limn¥ an = 0. onde senh x está próximo de x.. . mas o número pode ser calculado rapidamente.e. (a) Um consolo após o resultado catastrófico do Exercício 11: Se reescrevermos a fórmula de redução para ter an-1 = podemos usar a desigualdade utilizada no argumento do Teorema de Confronto para obter melhorias das aproximações de an. Vamos chamar c aproximação do e – 1 que podemos inserir. Encontre as integrais para a determinada escolha q = 13 e n = 0. Conclui-se que. (b) Nós podemos acelerar a convergência da série.. Prove. restabeleça a equação cúbica cuja raiz é u escrito nesta forma. e n = 0. Mostre que æ x ö÷ x f ( x) = . Uma calculadora avançada tem uma chave para uma função peculiar: ìï 1 se x = 0 ïï x E ( x) = í e . A série irá convergir muito lentamente para x = 99: descubra quantos termos fará o erro menor de 5 ´ 10–7.. n n [Dica: Compare com a série S¥ n =1 (x /100 ). 1.. Para tal q as integrais não são mais elementares (não solucionáveis em “termos finitos”). 13.x ) dá resultados imprecisos para x pequeno. A expressão entre colchetes converge para c – (e – 1). Os números positivos an = ò 1 + an n ò0 x 1 1.x n e x dx 0 podem. ser calculados a partir de uma fórmula de redução obtida por integração pelas partes: a0 = e –1.x 11. mesmo se todos os cálculos posteriores (depois de introduzir a0 ) foram realizados sem erros. 0 < q < 1. (a) Considere a série de potências ¥ xn n n =1 100 + 1 f ( x) = å É fácil de mostrar que o seu raio de convergência é r = 100. a imprecisão inicial faria com que a sequência computadorizada {an} divergisse. O que deu errado? O termo inicial a0 = e – 1 não pode ser representado exatamente na calculadora. . que fica multiplicado por um fator n! de crescimento rápido.2  MENTIRAS QUE MINHA CALCULADORA E COMPUTADOR ME CONTARAM – EXERCÍCIOS Se o resultado é simples. Mostre que a utilização da função E(x) calculada acuradamente ajuda a restaurar a precisão de senh x para x pequeno..1 ïï se x ¹ 0 ïïî x Depois de tantos avisos sobre a subtração de números próximos.çç + +  + ÷÷÷ n!ú ê çè1! 2! n!÷ø úû ë e lembre-se de nosso estudo da série Taylor e Maclaurin que 1 1 1 + + + 1! 2! n! e dx onde q é uma constante. relacione-o com a parte (a). an = nan–1 – 1.. em teoria. você pode perceber que a definição senh x = 12 (ex . Para ver que a ideia é ainda mais poderosa.