You are on page 1of 14

55

LINGUAGEM, CIÊNCIA E TEOLOGIA
NO PENSAMENTO DE PANNENBERG
LANGUAGE, SCIENCE AND THEOLOGY
ON PANNENBERG’S THINKING

Márcia Serra Ribeiro Viana
Professora titular do Programa de Pós-Graduação em Ciências da
Religião da Universidade Presbiteriana Mackenzie, onde é Secretária
Executiva do Núcleo de Estudos da Reforma (Nuer); é socióloga,
doutora em Ciência Sociais da Religião pela Umesp, mestre em Letras
e Comunicação pela Universidade Mackenzie.

.

a common process of coherent and comprehensible manifestation. na linguagem. by this means. CIÊNCIA E TEOLOGIA NO PENSAMENTO DE PANNENBERG. do método utilizado e não do objeto que o homem busca compreender. K E Y WO R DS Science. nesse sentido. Distingue ciência de fé e. objectivity. Therefore. theology. caminho que lhes permite manifestação coerente e compreenssível. método. not of the object man wants to comprehend. The two concepts have. LINGUAGEM. o que é um problema. method. in language. It establishes the differences between them and. A BST R AC T This essay presents the relation between science and theology as language. religião. science is a result of the method used. Theology has. The author concludes that. dentre outros. A ciência resulta. Os dois conceitos têm. para Pannenberg a construção de um conhecimento científico enfatiza a importância da postura do investigador como viabilizadora do procedimento científico. uma vez que é objeto não passível de observação. this is a sort of problem.C H AV E Ciência. indicates scientific knowledge as a way to get to knowledge construction based on observation control and reflexive thought about these observations. assim. since its object is not available for observation. with other writers. indica o conhecimento científico como caminho de construção do conhecimento a partir do controle da observação e do raciocínio sobre ambas. God. conhecimento. PA L AV R AS . 139-152 Márcia Serra Ribeiro Viana 141 . p. teologia.R E SU M O O texto discute a relação entre ciência e teologia enquanto linguagem. Pannenberg the construction of scientific knowledge emphasizes the importance of the researcher’s posture as the pathmaker for scientific procedure. A autora conclui que. knowledge. objetividade. as its object of research. A teologia tem como objeto Deus. religion.

na qual a ressurreição de Jesus é vista como evento histórico chave de apoio. desenvolve. Quanto à metodologia. a discutir seu tema propriamente dito. de toda sua teologia. publicando individualmente e em conjunto nos anos 1960 com interesse crescente e evidente no mundo dos anos 1970 – posicionam-se contra Barth e Bultmann. na primeira parte do texto. sua necessidade de construções de hipóteses falseáveis. em se tratando de um teólogo que reconhecia a revelação Divina na história e a ressurreição de Jesus de Nazaré como fato histórico e cerne de sua cristologia. uma vez que é a partir do conceito de ciência que se viabilizará. Não havia como ignorar essa questão. a ressurreição. Para tanto. tem como tema de trabalho o exame da viabilidade de vermos e examinarmos a teologia como ciência. 142 CIÊNCIAS DA RELIGIÃO – HISTÓRIA E SOCIEDADE Ano 3 • N. na segunda parte. uma ciência teológica. para ele. A história é. a chave para a hermenêutica e toda a teologia. Dentre seus trabalhos. que dá especial atenção ao método histórico. passa. Teoria de la ciencia y teologia. Rejeita a visão docética da história apresentada nas teologias de Barth e de Bultmann e. uma discussão sobre os diferentes conceitos de ciência e conseqüentes influências nas questões de metodologia científica. 3 • 2005 . Desenvolve uma teologia da história e da revelação enquanto história. bem como o Círculo de Pannenberg – grupo de teólogos que iniciou trabalho conjunto durante o período de graduação na Universidade de Heidelberg. um dos mais mais importantes foi desenvolvido no assunto de cristologia‚ Jesus – Deus e homem (1964. livro do autor em que baseamos nosso texto. como fato histórico torna-se a chave da hermenêutica histórico-teológica de Pannenberg. na mesma medida. Wolfhart Pannenberg foi professor de teologia sistemática na Universidade de Munique. ou melhor. ou não. discute a posição da ciência positiva. traduzido para o inglês em 1968). Há de ressaltar que a questão da metodologia é fundamental. desenvolverá hermenêutica distinta à de seus professores. sua nova teologia. bem como na escola de teologia de Bultmann. Estabelecida sua posição sobre o assunto. entendendo a história universal como veículo da revelação indireta de Deus (em contraste à auto-revelação direta na teofania no encontro de Barth).N ascido em 1928. tendo ensinado anteriormente no Theologische Hochschule em Barmen-Wuppertal e na Universidade de Maiz. Estudou com Barth. nos anos 1950.

a filosofia incluiria as dimensões de passado.exame do objeto de estudo a partir da possibilidade de observação. p. Passa. o autor passa. CIÊNCIA E TEOLOGIA NO PENSAMENTO DE PANNENBERG. então. presente e futuro. 79)1 conclui que: Os problemas históricos levam. o indivíduo humano. necesariamente aos filosóficos. ao problema a ser pesquisado. fundamenta a autonomia das ciências do espírito. assim. e somente dessa possibilidade. interesse e problemas investigados. enfatizan- 1 Todos os textos citados foram traduzidos pela autora. os sistemas culturais. que estabelece que : “[. inicialmente. de fato. Examinando a questão das ciências da história. Pannenberg (1981. que o método indica uma ótica específica relativa ao mundo e. Já para Weber (s. a historiar o termo ciência do espírito.d. tendo em vista. Poder-se-ia dizer. incluindo. LINGUAGEM. na medida em que resultam de escolhas feitas pelo pesquisador.] por meio de sua liberdade o homem cria um reino da história. Discutindo a possibilidade de as ciências do espírito poderem ser tratadas como ciência. análise científica. p. bem como a do presente e a do futuro. essas são dimensões não estabelecidas pelo historiador como campos de competência de sua disciplina. Habermas e a teoria da ação. p. chegando a Dilthey. separado do reino da natureza” (PANNENBERG. 82). a discutir a sociologia a partir de Weber.. posteriormente. não poderia ser determinado sem a inclusão da história já transcorrida. Mead. A unidade vital dessas ciências seria. então. o ausentar-se do sujeito de modo a manter um distanciamento objetivo. Assim. G. H. para Pannenberg. Parsons. portanto. p. 139-152 Márcia Serra Ribeiro Viana 143 . enquanto as duas últimas seriam normalmente excluídas pelo historiador de seu campo de pesquisa. pois o significado de um fato passado não poderia ser determinado de modo conclusivo exceto no contexto global da história [Geschichte] geral. no que tange às ciências sociais. 29). em síntese. Isso significa que o horizonte de referência do passado.. o que. 1981.. diretamente.

Pannenberg entende que não dão conta de um fator. p. dos ideais e das realidades espirituais. presente latentemente nas vivências atuais. na medida em que a ação humana seria. portanto. seus membros já estarão iniciando o processo de seleção. destaca-se a posição de Weber. para Weber. existe uma relação paradoxal entre religião e sociedade.. igualmente epistemológica. Para esse sociólogo. concentrando-se na psi144 CIÊNCIAS DA RELIGIÃO – HISTÓRIA E SOCIEDADE Ano 3 • N.] de interpretações de sentido que. Pannenberg (1981. Dessas mudanças examinadas.. p. presente de modo latente nas experiências atuais de vida”. basicamente imponderável. Entretanto. sobre as condições do conhecimento histórico e a formação histórica dos conceitos em todas as dimensões humanas. 1981. até este momento da discussão. essas posições. até este momento da discussão. para ele. que entende a ação humana como objeto específico da sociologia. ou seja. estabelecido intencionalmente. por sua vez. ou seja. 3 • 2005 . do cerne da mensagem. inclusive a sociológica. se baseiam na totalidade do sentido do mundo histórico. não dão conta de um fator. é exatamente a intenção subjetiva — o sentido da ação — que se busca compreender. 111): As teorias sociológicas da ação continuam dependendo [. para o autor. a relação pessoal com os objetos que tenha sentido mais ou menos consciente. Eis. as ciências do espírito só darão conta de sua fundamentação epistemológica a partir de uma reflexão.. dos elementos especialmente relevantes para o lugar social dos que tenham aderido a tal movimento. 111) entende que as teorias sociológicas da ação ainda dependem de interpretações de sentido baseadas “[. no momento em que uma nova idéia religiosa é lançada como movimento religioso. Conseqüentemente.do as mudanças de posições que refletem (PANNENBERG.. Tratando do assunto. que. Troeltsch busca a autonomia da religião enquanto objeto de exame. basicamente imponderável. nesse caso.] na totalidade do sentido do mundo histórico.

a superação do dualismo metodológico entre ciências da natureza e do espírito por Troeltsch dá-se na medida em que confia a fundamentação do conhecimento histórico a uma teoria do conhecimento com base metafísica. passar a examinar a teologia como ciência propriamente dita. a fundamental estabelece que essa concepção é possível “[. Acrescenta. com individualidade. a existência de uma esfera ideal em que se dão “[. p. poder esse que os estabelece no mundo. CIÊNCIA E TEOLOGIA NO PENSAMENTO DE PANNENBERG. Qual seria o objeto de estudo das ciências do espírito? Fundamentalmente. que se dá a si mesmo nas vivências.. desde que algumas condições sejam obedecidas. Troeltsch inclui.. 164. a teologia somente nas ciências do espírito... Já para Pannenberg. o LINGUAGEM. ou até necessidade. epistemologicamente. Dentre elas.] não esteja constituído de um aspecto abstrato sistemático [.. assim. então. objeto de interpretações hermenêuticas. p.. ao mesmo tempo que supera os limites desse dualismo ao embasar. interno a si mesmo e com propriedades específicas. então. Pannenberg vê a experiência do sentido como objeto das ciências do espírito. enquanto sistema aberto (no sentido usado por Dilthey).] na medida em que o todo vital que se dá a si mesmo primariamente nas vivências. esses ideais vêm da religião por meio da fé em um poder que pode contê-los.. a unidade vital acessível nas vivências. de onde vêm esses ideais? Segundo o mesmo autor.]” (PANNENBERG. que se dá a si mesmo nas vivências. pode-se. Aponta a possibilidade. 139-152 Márcia Serra Ribeiro Viana 145 . o futuro na história. enquanto sistema aberto temporalmente determinado. a esfera da experiência ideal consiste na relação com um poder infinito. 113). com os correspondentes impulsos de vontade” (PANNENBERG.. de abandonar da fundamentação psicológica da teoria da história. Entretanto. é o todo vital. p. 1981.] as percepções ideais das realidades espirituais e os sentimentos ideais de valor. propondo a alternativa da hermenêutica da experiência histórica. é o todo vital. 1981. garantindo a salvação ao homem que tem essa fé. grifos nossos). ou seja. [. O autor estabelece que emprega a idéia de unidade vital acessível nas vivências no sentido usado por Dilthey. A partir das considerações gerais sobre a possibilidade de um ciência do espírito autônoma.cologia da religião.

como entendida pelo filósofo. Assim. a doutrina cristã era compreendida como distinta da ciência. Entretanto. Pannenberg (1981. a filosofia como amor à sabedoria. reconhecidos como verdades. por sua vez. embora entenda. Era necessário estabelecer um sistema de deduções lógicas que partissem de princípios primeiros. nos artigos da fé. a teologia é uma ciência derivada. distinta. efetivamente. no conceito de teologia. p. na medida em que não considera possível que os indivíduos tenham conhecimento de evidências.. da sabedoria propriamente dita. Estas. A ciência. É a hermenênutica que indica a compreensão do sentido. nossa teologia pressupõe sua autoridade para estabelecer a evidência como existente. nas doutrinas sobre Deus. deveriam ocupar-se de coisas temporais. O século XIII. ou seja.. segundo Agostinho. A questão da teologia como ciência vem sendo discutida desde o século XIII com o nascimento das primeiras universidades. Clemente de Alexandria segue caminho semelhante. 3 • 2005 . 146 CIÊNCIAS DA RELIGIÃO – HISTÓRIA E SOCIEDADE Ano 3 • N. no sentido em que a palavra Deus é relativizada ao homem que questiona sobre Deus e que essa relativização entra.. ser entendido enquanto sistema. entendeu a teologia como a mais nobre das ciências. A teologia é vista como ciência prática. portanto. identificada com a filosofia. Dessa forma. assim. deveria estar a serviço da sabedoria. de porte científico. O conceito do todo. é possível o desenvolvimento sistemático da teologia com base em referências antropológicas.e. Até então. uma vez que Deus conhece essas evidências. como Platão. Pannenberg entende haver uma relação entre a construção teórica em hermenêutica e as construções teóricas nas ciências naturais. como destino final do homem”. dos artigos de fé. mas sim do prático. segundo Duns Scoto. cujo objeto é a relação das partes com o todo no campo tensional.objeto das interpretações hermenêuticas. enquanto a sabedoria dirigiria-se ao eterno.] a teologia trata a respeito de Deus não a partir do ponto de vista teórico. 246) encontra em Calov a explicação de que “[. i. pode ser colocado em relação ao “modelo” e. na medida em que a primeira pode levar à última. Já para Tomás de Aquino. princípios estes que se encontravam na teologia. escolhendo a Aristóteles como autoridade.

] se fizer. CIÊNCIA E TEOLOGIA NO PENSAMENTO DE PANNENBERG. define ciência positiva como um conjunto de elementos científicos elaborados de modo que sua coerência e necessidade à organização científica resultem do fato de serem indispensáveis para solução de uma tarefa prática. a teologia é definida como conjunto de conhecimentos e normas científicas cuja posse e uso permitem que a igreja cristã seja guiada harmonicamente e governada. 1981. a si mesma. Para Pannenberg. Essa é. em que se baseiam as tradições crentes das religiões históricas”. 334-335). relevante para que os homens compreendam ao mundo e se compreendam. Em conseqüência.. seja oferecida a realidade de Deus. Essa retomada de posição resultou. 139-152 Márcia Serra Ribeiro Viana 147 . Para Pannenberg (1981. confrontado com problemática da existência do homem. é oferecida indiretamente. tomava a forma de problema na teologia protestante antiga. a ciência também tem unidade própria. o objeto dessa ciência? Eis a primeira questão a ser discutida. papel este anteriormente substituído pelo domínio da filosofia.] a auto-manifestação indireta da realidade teórica nas experiências antecipadas da totalidade de sentido da realidade. seja por sua articulaLINGUAGEM. não da virtude de serem idéia da ciência. da visão de ciência positiva adotada por Schleiermacher.O questionamento sobre a fundamentação da certeza do conhecimento de Deus. p. Qual seria. assim. na medida em que o objeto é unitário. Em 1811. o objeto da teologia é “[. A visão da teologia como ciência prática decorre. Seu unitário é Deus. a experiência religiosa imediata só logrará validade subjetiva (PANNENBERG. nesse sentido... da orientação da doutrina sagrada enquanto ação necessária ao cristão. p. ao lado de outros objetos da experiência. porém. pois. a única maneira de pensar uma ciência de Deus seria a partir do pressuposto que. Schleiermacher redefine o papel da teologia na universidade. 309) [. na medida em que a autoridade divina da Escritura era estabelecida como certa. uma afirmação delicada.. a realidade de Deus. em grande parte. pois embora não implique a negação da experiência imediata de Deus. Entretanto. No século XIX. p.

nos passos do mistério divino. segundo o autor. 313). 1981. concentra sua atenção na via indireta pela qual a realidade divina é oferecida. a teologia cristã como análoga à teologia do cristianismo — portanto. ou seja. para a teologia a realidade só se torna tema de estudo na medida em que concebe Deus como a realidade que tudo determina aqui: “[. Pannenberg explicita. 3 • 2005 . só é possível entender a idéia de totalidade a partir do momento em que colocamos fora dessa mesma totalidade a unidade que a unifica: Deus. Pannenberg tem. isto é. O limite do próprio conceito de totalidade é uma conseqüência que não deve ser relevada. portanto. como condição de aceitabilidade para a experiência imediata de Deus. tem por objetivo. portanto tudo o que é real resulta da realidade divina.. Dentro de limites. nas coisas do mundo e da vida. portanto. a efetiva e observável influência que a mesma experiência tenha no comportamento do sujeito.. A investigação das religiões históricas. seja desviandose da linguagem da tradição de modo significativo e que ilumina a experiência do mundo de seu tempo. pode-se entender. Ao contrário da filosofia. como esforço de conhecimento . o termo Deus há de ser entendido como referido à realidade que determina o todo. sua importância social. que de fato determina essa totalidade em seus conjunto e elementos.] o problema da totalidade como algo oposto à multiplicidade do finito se nos impõe como uma expressão provisória da unidade que buscamos” (PANNENBERG. que a tudo determina como unidade. Ao estabelecer que Deus é o tema da teologia enquanto ciência. Estabelecido o caráter predominantemente cristão da visão pannenberguiana. a partir da compreensão da teologia enquanto ciência. ou seja. p.ção em uma linguagem religiosa convencional. Ora. pela teologia. como decorrência natural. indagar até que ponto a realidade de Deus. a possibilidade de afirmar que esse tema é a totalidade a partir do ponto de vista da realidade. então. 148 CIÊNCIAS DA RELIGIÃO – HISTÓRIA E SOCIEDADE Ano 3 • N. a teologia indica a intersubjetividade. que unifica toda realidade e se manifesta nessa mesma realidade. Portanto.

antes de tudo. normalmente. normalmente divinas. dado por meio dos homens. pelas formas religiosas. em todos os níveis. não se pode estabelecer a revelação divina. na primeira. acessíveis de modo universal e em todo e qualquer momento? O conhecimento da revelação é. muito embora. além das expressões lingüísticas usadas cotidianamente. resulta de sua participação aos outros. observação pelos sentidos. a priori e sim como componente de uma religião humana Portanto: As tradições religiosas. Conseqüentemente. i.. Não se pode pôr em dúvida que os indivíduos que expressam suas convicções religiosas aludem. A validade da intersubjetividade da fé torna-se mais importante à medida que Pannenberg (1981. religiões.uma ciência especial —. ou seja. criadas por Deus. portanto expressões da experiência humana e de sua elaboração. p. e que querem afirmar algo sobre elas como verdadeiro (PANNENBERG. somente então podem ser examinadas em sua confiabilidade e/ou em sua veracidade (PANNENBERG. outros enunciados que contêm assertivas sobre a realidade divina e a criada por Deus. Até que ponto haveria possibilidade de aplicar critérios positivos. p. De fato. pressupõe.e. a realidades específicas. como compreendida por determinada tradição religiosa. Ora. A segunda questão a ser discutida é a possibilidade de as proposições teológicas terem ou não caráter cognitivo. Isso porque a validade intersubjetiva da fé. LINGUAGEM. p. as conexões com as outras religiões sejam examinadas no processo da história das religiões. 327). com tais expressões. CIÊNCIA E TEOLOGIA NO PENSAMENTO DE PANNENBERG. por formas expressivas convencionais ou de emoções. enquanto ato subjetivo. propriamente. E é a partir desse momento que há interesse na reflexão crítica quanto ao problema de sua validade enquanto revelação. 1981. 139-152 Márcia Serra Ribeiro Viana 149 . 329) diz entender como tarefa da teologia “examinar as tradições religiosas em geral em suas teses especificamente religiosas”. 1981. 335). a linguagem religiosa. na diversidade de suas afirmações sobre a realidade divina e sobre a ação divina. p. têm de parecer.

ou seja. com controle científico. como um gesto lingüístico expressivo e vazio de conhecimento (PANNENBERG. O autor sugere a solução na possibilidade de [. A maior dificuldade. p. 337). que por sua vez se tematizem nas experiências que antecipam a totalidade de sentido da realidade (PANNENBERG. grifo nosso). 2. das assertivas religiosas e teológicas sobre ele. fato este que deve ser acessível enquanto distinto da própria assertiva. ao contrário.. 338. em toda a realidade finita e particularmente nas estruturas de significado de todo fato e de todo acontecimento.. 3 • 2005 . 1981. O controle da assertiva está relacionado à facticidade do fato afirmado. ou seja. Já o terceiro postulado mínimo trata da controlabilidade. a realidade de Deus é discutível. Assim. enquanto objeto da teologia. que haja controlabilidade da assertiva. Toda expressão proposta como assertiva está sujeita a comprovação relativa ao fato que denota. se não se quiser apresentar tal ou qual assertiva.. há que se aceitar que A autoridade divina da Escritura ou o recurso à Palavra de Deus nela ou na pessoa de Jesus passou também a ser afirmação cujo conteúdo deve estar aberto à possibilidade que sejam provados. tal controle estaria em contradição com sua divindade.A dificuldade. é que o postulado contém uma oposição em si mesmo.. Assim. [. estaria em contradição com o próprio conceito de divino bem como com o conceito de ciência. a possibilidade de acessibilidade à divindade. deve-se examinar a possibilidade de distinguir Deus. está em distinguir o fato do objeto de estudo da afirmação. p.] demonstrar que a realidade de Deus. 150 CIÊNCIAS DA RELIGIÃO – HISTÓRIA E SOCIEDADE Ano 3 • N. nesse ponto. como realidade que todo o determina. 1981. pois uma proposição assertiva exige que o objeto sobre o qual se afirma algo se distinga da própria assertiva.] se dá implicitamente. mas: 1. aqui.

explícita ou implicitamente. Pannenberg enfatiza a importância da postura do investigador como viabilizadora do procedimento científico. assim. na construção de um conhecimento científico. CIÊNCIA E TEOLOGIA NO PENSAMENTO DE PANNENBERG. diretamente. o método trata dos procedimentos que viabilizam a construção do raciocínio científico mediante a escolha dos caminhos a serem percorridos.d. assim. para se tornarem objeto da investigação ou analisadas e organizadas relativamente ao exposto.Quanto à objetividade da análise científica. Como já foi visto. Ernest. independente de determinadas perspectivas especiais e parciais. graças às quais estas manifestações possam ser. dentre os textos aqui utilizados como referência.. que o método indica uma ótica específica relativa ao mundo e. 1972. Poder-se-ia dizer. a estabelecer e a fundamentar as questões que resultarão em orientação de pesquisa. consciente ou inconscientemente. Em outras palavras. p. São Paulo: Mestre Jou. ao problema a ser pesquisado. do método utilizado. A ciência resulta. p. diz Weber (s. 139-152 Márcia Serra Ribeiro Viana 151 . Antropologia filosófica: ensaio sobre o homem (introdução a uma filosofia d cultura humana). LINGUAGEM. às quais se deseja responder ou cuja resposta e/ou discussões deseja-se encaminhar segundo perspectiva particular que se torne explicita ao leitor. então. no que tange às ciências sociais. não do objeto que o indivíduo busca compreender. A razão para tal se deve-se ao caráter particular do objetivo do conhecimento de qualquer trabalho das ciências sociais. ou das “manifestações sociais”. selecionadas. R E F E R Ê N C I AS B I B L I O G R Á F I CAS CASSIRER. enquanto estas se propõem a ir além de um estudo meramente formal das normas — legais ou convencionais — da convivência social. 29): Não existe qualquer análise científica “objetiva” da vida cultural. O emprego do método visa.

Immanuel.d. God. 1992. São Paulo: Moraes. Historical method and the resurrection in Pannenberg’s theology. Sobre as teorias das ciências sociais. p. 29-49. KLOOSTER. 1976.). PANNENBERG. abr. WEBER. 1. 1989. New York: Willey Book Co. 2 partes. 2005. SILVA. Porto: Rés. Critique of pure reason. Londrina: Edições Humanidades. Conhecimento. São Paulo: Perspectiva/Universidade São Paulo. v. Teoria de la ciencia y teologia. Tradução Augustin Wernet. 5 . São Paulo: Convívio. Max. Madrid: Libros Europa. ____________. Marcelo (org. Convivium: revista de investigação e cultura. maio 1964. Grand Rapids: Zondervan Publishing House. Moisés. Linguagem como fato social total. Wolfhart. Do significado na comunicação humana. Metodologia das ciências sociais. ano III. v. 3 • 2005 . PENTEADO. DASCAL. 453p. s/d. Linguagem. Fred H. 4. linguagem. São Paulo: Cortez/Campinas: Editora da Universidade Estadual de Campinas. Calvin Theological Journal. n.___________. 152 CIÊNCIAS DA RELIGIÃO – HISTÓRIA E SOCIEDADE Ano 3 • N. VIANA. ideologia. mito e religião.33. 11. 1990. s. language and Scripture: reading the Bible in the light of general linguistics. KANT. José Roberto Whitaker. p. n. 1981. 1943. Marcia SR.. 3.