You are on page 1of 4

TURMA: ECT1106 - CIÊNCIA E TECNOLOGIA E SOCIEDADE I- T01

Carga Horária: 30 horas
Horário: (21/07 - 06/12/2014)
Professora Responsável: Prof. Dra. Angela Luzia Miranda
EMENTA:
Novas Tecnologias e Mudança Social; Da Primeira Revolução Industrial à Era da Big
Science; Agentes Sociais e Novas Dinâmicas da Tecnologia; Sistemas de Inovação e
Competitividade; O Sistema Nacional de Inovação; Estudos de Políticas em Setores e
Tecnologias Estratégicas.
METODOLOGIA:
Considerando que a disciplina pretende ser um enfoque introdutório aos Estudos de
Ciência, Tecnologia e Sociedade, a metodologia deste componente curricular se baseia em
aulas expositivas, utilizando recursos audiovisuais; leitura e discussões de textos que
compreendem o entendimento aprofundado ou complementar do conteúdo estudado;
atividades individuais e/ou coletivas e realizadas no SIGAA; grupos de estudos presenciais
e/ou a distância. Também serão realizados debates de forma a propiciar o exercício da
reflexão e a expressão dos conceitos estudados a respeito da relação entre Ciência,
Tecnologia e Sociedade.
PROCESSO DE AVALIAÇÃO
O processo avaliativo da disciplina consistirá em avaliar constantemente a postura e a
reflexão crítica do aluno acerca da importância da reflexão dos estudos de CTS para a sua
formação acadêmica e profissional. Essa postura, inicialmente compreenderá a avaliação
de conceitos elementares como Ciência, Tecnologia e Sociedade e suas dimensões
históricas, filosóficas, sociais e políticas. Para tanto, será utilizado recursos como:
atividades avaliativas elaboradas semanalmente através do Grupo de Estudos, a ser
realizado presencialmente e em horário extra-classe e definido previamente pela turma, e
acompanhada pelo Professor Auxiliar ou Monitor; realização de um prova escrita,
individual ao término de cada unidade. Num segundo momento (II Unidade), será
avaliado, a capacidade do educando de estabelecer as interelações entre estes elementos,
com base na aplicabilidade dos Estudos de CTS no âmbito da participação e avaliação
pública em ciência e tecnologia, considerando a possibilidade de realização de um trabalho
de campo e/ou projeto de trabalho, com roteiro, critérios de elaboração e correção,
previamente elaborados pelo professor e entregue aos alunos.
Modalidades de avaliação:
Neste componente curricular, o processo de avaliação integrará em cada unidade (I e II)
Atividades individuais e/ou em grupo a serem realizadas pelos educandos semanalmente, a
distância por meio do SIGAA ou presencialmente nos Grupos de Estudos (A1 e A2), e
duas Provas individuais presenciais (P1 e P2). A Nota Final será assim composta:
(A1+P1) + (A2+P2) = X/2 = NOTA FINAL

Carla Giovana. Tecnologia e Sociedade 3. Introdução ao estudo CTS (Ciência. Florianópolis: EDUFSC.2 As diferentes concepções herdadas da ciência 1. PEREIRA. Natal: Projeto TICs. **CABRAL. 2009.2 O significado de Sociedade e Cultura 3. Educação tecnológica: enfoques para o ensino de engenharia. PEREIRA. “Ciência. Luiz Teixeira do Vale. Irlan. ferramentas e comportamentos.1 Introdução 2. Luiz Teixeira do Vale.2 O significado de tecnologia: o problema do determinismo tecnológico 2. Florianópolis: EDUFSC. Introdução à engenharia: conceitos. 2008. Conhecimento e sustentabilidade: políticas de ciência. 2010. Irlan. Texto didático. Walter Antonio. . **____“Conversando sobre tecnologia”. **BAZZO. Projeto Tecnologias da Informação e Comunicação/UFRN. PEREIRA.5 O conceito de Inovação e Indicadores de I+D HORÁRIO DE ATENDIMENTO 24T34 – Sala dos Professores 55 REFERÊNCIAS Básica BAUMGARTEN.1 Introdução 3. Tecnologia e Sociedade: primeiras leituras” texto didático. VON LINSINGEN. Madrid: OEI.4 A participação pública na avaliação de políticas em ciência e tecnologia 3. BAZZO. BAZZO. julho de 2011. Projeto Tecnologias da Informação e Comunicação/UFRN.1 Introdução 1.3 As diversas dimensões de tecnologia moderna III UNIDADE: As relações entre Ciência. Luiz Teixeira do Vale. 2003. Porto Alegre: Editora da UFRGS. VON LINSINGEN. 2008. Natal: Projeto TICs. tecnologia e inovação no Brasil contemporâneo. Maíra. Walter Antonio. Editora Sulina.3 Política científica e tecnológica 3. Tecnologia e Sociedade).3 O problema da neutralidade científica I UNIDADE: O que é Tecnologia 2.2 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: I UNIDADE: O que é Ciência 1. Walter Antonio. Escola de Ciências e Tecnologia/UFRN. Escola de Ciências e Tecnologia/UFRN.

1997. 2006. Gênese e desenvolvimento de um fato científico. Los señores del aire: telépolis y el tercer entorno. MARX. 82-93. HABERMAS. MIRANDA. **ECHEVERRÍA. 2010. 1994. LUJÁN.. 1997. **MIRANDA. Técnica e ciência como ideologia. Filosofía de la tecnologia. 2002 Dissertação de mestrado). Epistemológica e Axiológica da Tecnologia Moderna. Cadernos Pagu. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Santa Catarina.3 ____O conhecimento dialogicamente situado: histórias de vida. D. Barcelona: Destino. Belo Horizonte: Fabrefactum. sociedad y cultura en el cambio de siglo. São Paulo: Editora 34. T. Tomo 1. Ciencia. FLECK. Sociedad e Innovación. Ludwik. LACEY. São Paulo: Editora Perspectiva. Lisboa: Edições 70.Curitiba: Programa de Pós-Graduação em Tecnologia/UTFPR. DF-Mexico: OEI. ____Valores e atividade científica 2. Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica. In: Cadernos de Tradução. KUHN. 2002. 1999. 2010. SÃO Paulo: DIFEL. Carl. RON. José Luis. 2013. valores humanistas e consciência crítica de professoras do Centro Tecnológico da UFSC. LOPES. J. 2005 **MITCHAM. Natal: UFRN. 2001. GORENDER. Globalização. Tecnología. CEREZO. José Antonio López. 1975. 10. José Antonio López. “Aventureras nas ciências: refletindo sobre gênero e história das ciências no Brasil”. v. **MIRANDA. Angela L. Valores e atividade científica. Angela L. DF/USP. HEIDEGGER. La a(n)alfabetización tecnológica. CEREZO. José M. Tecnologia e Relações de Trabalho. Da Natureza da Tecnologia: Uma análise Filosófica sobre a Dimensão Ontológica. “A questão da técnica”. ROSEMBERG. Martin. 1998. In: I Congreso Iberoamericano de Ciencia. 1997. 1. A estrutura das Revoluções Científicas. Karl. Estudos Avançados. OEI. Rev. 1989. ¿Qué es la filosofía de la tecnología? Barcelona: Anthropos. Sánchez Ron (Eds). tecnología. Madrid: OEI. n. N. J. Jürgen. Vol. Hugh. 11(29). 1982.2. Trajetórias da inovação. Eduardo Marino García. 2001. Da identidade da tecnologia moderna (Texto didático). O capital. Madrid: Biblioteca Nueva. Editora da Unicamp. PALACIOS. p. . Angela L. MOWERY. 2006. Maria Margaret. São Paulo: Discurso editorial.

Boaventura. Vol. Ciencia. 1996. “A questão da neutralidade da ciência”. Karl R. PACEY. Mariano Ayarzaguena et al. SANTOS. Madrid: Ediciones Del laberinto. OTERO. PALACIOS. . Fernando Álvarez. 1990.es/memoriasctsi/seccuno04. Arnold. 2003. São Paulo: Nobel. Complementar: POSTAMN. **PEREIRA. A ciência para o século XXI: uma nova visão e uma base de ação. Germán Fernández-Posse. Associação Brasileira das Instituições de Pesquisa Tecnológica (Abipti). Ciência.4 2006. Neil. México: Fondo de Cultura Económica. 1994. Disponível em: http://www.Natal: Projeto TICs. Projeto Tecnologias da Informação e Comunicação/UFRN. POPPER.oei. tecnología y sociedad. Crítica da razão indolente. La cultura de la tecnología. I. Brasília: Editora da UnB. PALACIOS. Madrid: OEI. Madrid: Editorial Noesis. 2000. Conjecturas e refutações. Teresa Ristor García. São Paulo: Cortez. SANTOS. Projeto Tecnologias da Informação e Comunicação/UFRN. SANZ. UNESCO Brasil. Introdução a uma ciência pós-moderna. Ciencia.htm. Tecnopólio. Natal: Projeto TICs. Boaventura de S. Rio de Janeiro: GRAAL Ltda. Eduardo Marino García et al. 1980. 1996. Escola de Ciências e Tecnologia/UFRN. ____“Tecnologias Sociais no Brasil: conceitos e fatos”. 2010. Escola de Ciências e Tecnologia/UFRN. Guilherme Reis. tecnología y sociedad: una aproximación conceptual. 2011. tecnologia y sociedad. Brasília: UNESCO. 2001. 2000. GARCÍA.