You are on page 1of 11

Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para Promoção do

Ensino Bíblico – Banco do Brasil Ag. 0300-x C/c 35.720-0
PORTAL ESCOLA DOMINICAL
TERCEIRO TRIMESTRE DE 2012
VENCENDO AS AFLIÇÕES DA VIDA - Muitas são as aflições do justo mas o Senhor o livra de todas
COMENTARISTA: ELIEZER DE LIRA E SILVA
COMENTÁRIOS - EV. CARAMURU AFONSO FRANCISCO
(ASSEMBLEIA DE DEUS - MINISTÉRIO DO BELÉM - SEDE - SÃO PAULO/SP)
A viuvez, figura da exclusão social, é fator que nos leva a demonstrar o amor de Deus e o amor ao próximo.
INTRODUÇÃO
- Na sequência do estudo sobre os “dramas sociais”, estudaremos hoje as aflições decorrentes da viuvez, que
é uma figura bíblica da exclusão social, do desamparo gerado pela vida em sociedade.
- A viuvez, como toda exclusão social, é uma oportunidade para que a Igreja demonstre que é portadora do
amor de Deus e que, por isso, ama o próximo.
I – VIUVEZ, UMA FIGURA DA EXCLUSÃO SOCIAL NA BÍBLIA SAGRADA
- Na sequência de estudos sobre as aflições que temos de enfrentar durante nossa peregrinação terrena, no bloco
reservado para o que denominamos de “dramas sociais”, estudaremos as aflições da viuvez e, como a viuvez é
uma figura bíblica da exclusão social, ao lado do órfão e do estrangeiro, também trataremos deste drama de se
alijar alguém da vida em sociedade.
- “Viúvo” é palavra de origem latina, que vem de “viduvus”, cujo significado é “o que perdeu a mulher”. Diz o
Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa que se trata de quem “cujo marido ou esposa morreu, e ainda não
casou de novo”, sendo que tem o seguinte significado figurado: “que está ou se sente em desamparo,
desconsolo, privação, solidão”. Juridicamente, é o “cônjuge sobrevivente de uma sociedade conjugal que se
dissolveu com a morte do outro componente”.
- No Antigo Testamento, a palavra “viúva” (não há na Bíblia a palavra “viúvo”) é tradução do hebraico “
‘almanah ” (‫)אלמנה‬, cujo significado é o mesmo que em português, ou seja, não só de quem perdeu seu
cônjuge, mas também de algo que se encontra desamparado, desolado. Assim, por exemplo, ao descrever a
situação de Jerusalém após a destruição promovida por Nabucodonosor, o profeta Jeremias disse que Sião
estava viúva (Lm.1:1), o que também repete quando fala da situação de desamparo do povo (Lm.5:3). De igual
modo, ao falar da arrogância autoconfiante de Babilônia, o profeta Isaías afirma que aquela cidade dizia que
jamais seria uma viúva, ou seja, jamais cairia em situação de desamparo e desolação (Is.47:8).
- Em o NovoTestamento, a palavra “viúva” é tradução do grego “chera” (χήρα), cuja raiz tem origem em uma
palavra que indica deficiência e que, além de significar o que perdeu o cônjuge, também tem o significado de
uma cidade despida de seus habitantes e de suas riquezas, ou seja, traz, também, a ideia de desamparo.
- Nota-se, de pronto, pois, que a ideia de “viuvez” não se circunscreve apenas a um estado civil, decorrente da
dissolução do casamento pela morte do cônjuge, mas tem, em si mesma, a ideia de desamparo, de falta de
companhia, de solidão, de extrema perda que faz com que a pessoa fique desolada, desamparada, sem ajuda, o
que era extremamente compreensível nos tempos bíblicos em que a mulher que, tendo se casado, perdia seu
marido, passava a viver uma situação extremamente precária, já que a mulher dependia do marido para
sobreviver numa sociedade em que não se dava à mulher qualquer oportunidade de buscar, por si mesma, o seu
sustento.
- O estado civil da viuvez, sem dúvida alguma, traz para o seu portador não só carências econômico-financeiras,
pois, ainda que hoje em dia a mulher esteja inserida no mercado de trabalho, não resta dúvida de que a perda do
cônjuge produz abalo significativo na renda familiar (até porque são as necessidades econômico-financeiras que
Portal Escola Dominical – www.portalebd.org.br

Página 1

. Judá. temos ainda esta carga sócioeconômica. mas. entendendo. de desolação. e. Seguindo a lei do levirato.portalebd. já objeto de estudo na lição 3 deste trimestre.1:3). não havia motivado e da qual era a maior vítima. gerando uma situação duplamente aflitiva.br Página 2 . segundo a qual o irmão tinha de se casar com a cunhada viúva sem descendentes para dar descendência ao irmão morto.A primeira vez que a Bíblia nos fala de estado de viuvez é no episódio que relata a história de Tamar. 0300-x C/c 35. Já no limiar da lei de Moisés. também.Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para Promoção do Ensino Bíblico – Banco do Brasil Ag. mandou que Tamar ficasse em estado de viuvez até que Selá pudesse se casar com ela. Portal Escola Dominical – www. porque Judá não queria perder a sua descendência. foi morto pelo Senhor. Onã. igualmente.22:22). por causa de sua natureza decaída. apesar de sua penúria. porém. em que pese a situação precária em que ficava a viúva naqueles tempos (e que não é muito diferente da situação vivida na atualidade). separados do seu Criador (Is. que seria minudenciada na sequência do relato bíblico.org. pois se trata da perda de alguém que se amava e com quem se decidiu formar uma vida em comum. por ser mau.A viúva era posta numa situação de desprezo e desconsideração por uma situação que.16:7. Er. Judá. o drama não só para a sua sobrevivência sobre a face da Terra. nota-se que toda a estrutura social existente era de deixar a viúva à margem da sociedade. que estão.Notamos. passava a ser objeto de desamparo total. em completo desrespeito à dignidade da pessoa humana e a revelar a maldade intrínseca numa sociedade de homens pecadores. o Senhor mostra como se deveria tratar a viúva: “A nenhuma viúva nem órfão afligireis” (Ex. . nora de Judá.2:25). no denominado “código mosaico” que acompanha a solene proclamação dos dez mandamentos.59:2). de quanto precisamos ser uma nova criatura para que não procedamos de forma tão vil e malévola. no capítulo 38 de Gênesis. aliás. diz-nos o texto sagrado. filho de Jacó. em virtude do pecado. também. vemos que a figura da viúva e seu tratamento absolutamente injusto pela sociedade mostranos. Jo. porque fará parte da genealogia de Jesus Cristo (Mt. como Ele conhece e sonda os corações de todos os homens (I Sm.O Senhor reconhece a situação de aflição vivida pelo viúvo. mas. Esta mulher “condenada à viuvez” foi exaltada. materialmente falando.Contra esta forma de tratamento aviltante proporcionada pelo homem sem Deus. . Deus permite que situações quetais existam entre os homens precisamente para que nos despertemos e não nos iludamos com a humanidade. Tamar foi dada por mulher ao primogênito de Judá. o qual. não permitiu que o Seu povo pudesse trazer à viúva outra aflição além daquelas decorrentes da morte do cônjuge. com absoluta clareza. Esta posição de Judá. que. a maldade do coração do homem que é dominado pelo pecado. como que querendo “castigar” Tamar por causa da morte de seus dois primeiros filhos. dá a ela uma conotação de desamparo. ficasse desamparada. motivo pelo qual. revela a sua injustiça. na primeira vez que a Bíblia Sagrada fala em viuvez. mas. equivocadamente. mas. via de regra. ao lado de todo o abalo produzido pela morte. foi morto pelo Senhor. não queria dar descendente ao seu irmão. . Tamar se casou com o cunhado. . II – O SENHOR AMPARA A VIÚVA E O EXCLUÍDO SOCIAL EM GERAL . um estado psicológico adverso. pois. Assim. que. seu terceiro filho.Assim. chegando Selá à idade núbil. o Senhor traz um modo radicalmente diferente para a questão. . o estado psicológico e afetivo adverso. não foi dada em casamento a Tamar. . que Tamar fosse uma “maldição”.720-0 levam ambos os cônjuges a trabalhar na atualidade). manda que esta permanecesse no estado de viuvez.Desde logo. A iniquidade produzida pela forma como a sociedade trata aqueles que são excluídos do convívio social é uma demonstração de quanto precisamos da salvação em Jesus Cristo. dada a tenra idade de Selá.Diante da morte de dois dos seus três filhos.

outras aflições como o desprezo. as legislações reconhecem esta necessidade que tem a sociedade de minorar o abalo decorrente da perda do cônjuge com a criação de benefício previdenciário. na lógica perversa do mundo em que vivemos. assim. percebe-se a nítida preocupação do Senhor para que a sociedade israelita não permitisse que a situação precária que viviam as viúvas e os órfãos fosse tal que os impedisse de sobreviver com dignidade sobre a face da Terra.Não podemos afligir a viúva e isto significa que.20:47). foi o pão e a veste (Dt. dizendo que fazer isso era prestar um serviço a Deus. o que temos visto.1:6). como herança.Verdade é que. R.1. aliás. a despeito de terem saído da família sacerdotal com o casamento.br Página 3 . ou seja. a devorar a casa das viúvas. o Senhor permitiu que a filha de sacerdote que ficasse viúva e não tivesse filhos voltasse para a casa do pai e se alimentasse da comida reservada aos sacerdotes e seus familiares (Lv. Portal Escola Dominical – www.22:13). a Mt. a exclusão. abrindo uma exceção no tocante à participação das coisas santas. que. ainda na lei.Infelizmente. .Este título dado pelo salmista Davi não é despropositado. Faz parte da justiça devida a quem se encontra em estado de viuvez a concessão do mantimento e do vestuário.Não podemos acrescentar àquele que já sofre a perda do cônjuge e a desestruturação de seu lar por um fato por si só doloroso e de difícil administração como é a morte. 0300-x C/c 35. . que não muda (Ml.portalebd. sem qualquer amparo. desamparada? .68:5). “…Muitos daqueles homens também serviam como juristas e tabeliões. o Senhor abria uma exceção para que se pudessem amparar as filhas viúvas de sacerdote. Alguns convenciam tais pessoas a contribuírem para a manutenção física (financeira) das autoridades religiosas.720-0 . tende a ser cada vez mais restringido.23:14. . o papel que deve ter a família e a Igreja no tratamento desta questão. em toda a lei de Moisés. se aproveitavam da adversidade vivida por aquelas mulheres.23:14.Isto nos mostra que.N. acima do dízimo requerido e de outras obrigações religiosas…” (CHAMPLIN. que não considerava razoável que a viúva filha de sacerdote e sem filhos pudesse ficar à míngua. a pretexto de prolongadas orações (Mt. O Novo Testamento interpretado versículo por versículo. mas cujo alcance.12:40. entre nós. a desconsideração. veremos. nas Escrituras. afeta diretamente a renda familiar. porquanto. ao relento.Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para Promoção do Ensino Bíblico – Banco do Brasil Ag. como já vimos.3:6).10:18). o suprimento das necessidades mínimas para que a pessoa possa dignamente sobreviver em sua peregrinação terrena. Como poderia o sacerdote representar o povo diante de Deus dignamente tendo uma filha sua. pois todo salvo foi feito sacerdote pelo Senhor Jesus (I Pe. para convencê-las a que os sustentassem ou entregassem seus bens a eles. tudo quanto se refere à previdência social. já que. e assim se achavam em posição de reivindicar coisas injustas dos ricos ou das viúvas (pobres).A primeira carência que o Senhor tomou o cuidado de dar à viúva. não é razoável que deixemos os viúvos de nossa família. é que muitos.Como diz Russell Norma Champlin. é assaz limitado e. ou seja. entretanto. como. por ter enviuvado. a exemplo dos fariseus que causaram a indignação de Jesus. Lc. aplicável em nossos dias porque traduz uma expressão moral do Senhor. . é denominado de “pensão por morte”. A partir desta ordem divina a Israel. . já naquele tempo. claramente. sob a guisa de piedade. em nossos dias. com a crise gerada pela diminuição da natalidade. mostrando. Alguns deles enganavam viúvas devotas. v. apesar de todas as regras cerimoniais vigentes.org. o que realça. é imprescindível que ajudemos esta pessoa no tocante ao suprimento de suas necessidades básicas. Ap. a fim de que possa se recompor do abalo sofrido com a perda do cônjuge que. nos dias hodiernos.Assim. . no texto sagrado. diante do quadro adverso vivido por quem se encontra neste estado. ao contrário de seguirem a ordem divina de amparo à viúva. com. Mc. as viúvas que eram abastadas eram facilmente aliciadas por escribas e fariseus que. na Sua condição de “juiz das viúvas”. estão. com pão e veste. . a ponto de ser chamado.545). naqueles tempos. que o Senhor sempre está pronto a auxiliar e ajudar as viúvas e os órfãos. p. para que lhes deixassem as suas propriedades. de “pai de órfãos e juiz das viúvas” (Sl. ainda mais.2:9. enquanto sacerdotes de Deus. de nossa igreja local.

.26:12-15). o Senhor fazia uma redistribuição de renda aos mais desvalidos. a fonte de sobrevivência.14:28. àqueles que eram mantidos à margem da sociedade. OBS: É interessante. pois.O cuidado de Deus para com a viúva era tanto que foi estipulado um dízimo específico para atendimento dela bem como do órfão e do estrangeiro. mas. os israelitas deveriam fazer uma oração ao Senhor em gratidão pelo que haviam recebido da parte de Deus (Dt. .24:19-21. era a de que deveria ter despedido as viúvas sem as ajudar (Jó 22:9). algo que tanto tem caracterizado a sociedade humana ao longo dos séculos e que.Outra determinação da lei mosaica era de que. certamente. as viúvas. qual seja.Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para Promoção do Ensino Bíblico – Banco do Brasil Ag. uma oração de confirmação pela obediência aos estatutos do Senhor.Trata-se de mais uma medida pela qual o Senhor impedia o acúmulo desmedido de riquezas nas mãos de poucos na sociedade israelita. os chamados “rabiscos”. Vemos. . Portal Escola Dominical – www. que sempre havia tratado bem das viúvas. povo da nova aliança. pessoas que. o que sinaliza para nós. o povo deveria envolver os levitas. Através dos dízimos do terceiro ano.portalebd. a desigualdade social e uma crescente concentração de renda. pois eles ali estavam porque Deus cuidava das pessoas miseráveis que iam ali para deles tomar para sobreviver. Até hoje o Senhor está a cuidar dos desvalidos e excluídos sociais! . uma vez que somente provaremos que somos discípulos de Cristo Jesus se exercermos o amor de uns aos outros (Jo. havia. ainda jovem. . norma que vemos observada por Boaz no livro de Rute. em sua defesa. os excluídos sociais denunciam nossa condição de discípulos do Senhor Jesus? . por circunstâncias alheias à sua vontade. de meios de subsistência. àqueles que não tinham como se sustentar diante da estrutura social vigente. não têm condições de sobrevivência. Além desta regra. sim. dizendo. deviam ser sustentados por toda a sociedade. ou seja. Será que nossas atitudes para com os desvalidos. Esta porção da produção era destinada aos desvalidos. nos dias de festividade pública. a Festa das Semanas (ou seja. que a ajuda aos excluídos sociais era uma confirmação solene de que a pessoa era um servo obediente do Senhor. a lei referente à respiga.Vê-se. por fim. o maior centro de venda de alimentos em São Paulo/SP. sendo esta uma condição para que o Senhor continuasse a abençoar materialmente o Seu povo na Terra Prometida (Dt.29).720-0 . que. trabalhando no CEAGESP. é indispensável que se providenciem meios mínimos de sobrevivência àqueles que. numa sociedade que adota os valores do reino de Deus. nos dias em que vivemos.O levita não tinha herança no meio do povo de Deus por força de ordem divina. que tais pessoas. foi repreendido pelo Espírito Santo quando estava a chutar restos de frutas e legumes que caíam no local. este seu comportamento um dos fatores que fez com que o próprio Deus desse dele testemunho (Jó 29:13. aliás. como se verifica de Dt.br Página 4 . As pessoas abrangidas pelo benefício dos dízimos do terceiro ano não eram pessoas que podiam trabalhar e não queriam. assim como o órfão e. ao que o patriarca objetou. o estrangeiro era proibido de adquirir terras ou produzir na Terra Prometida por não ser israelita.Não havia apenas a determinação do dízimo do terceiro ano em prol da sobrevivência do excluído social. pela viúva.13:35). . ou seja. pois. também.Interessante é que.org. a festa de Pentecostes) e a Festa dos Tabernáculos. portanto. por fato que não lhe podia ser imputado (a morte do marido). precisamente porque o Senhor lhe falou que não danificasse aqueles alimentos. as viúvas haviam perdido. que um pastor que conosco participa das reuniões de estudos dos professores da EBD relatou que. 31:16). privadas pelas circunstâncias. a proibição de aproveitamento do que fosse colhido e caísse pelo chão ou do que se deixasse de colher por esquecimento. 0300-x C/c 35. O dízimo do terceiro ano deveriam ser postos às portas da casa de cada israelita a fim de que fossem recolhidos pelo levita. sendo. que são as figuras das pessoas desamparadas pela sociedade. pela própria estrutura da sociedade. não tinham como sobreviver na estrutura social. é algo que aumenta a cada instante.Vemos. após ter entregado os dízimos do terceiro ano. para desqualificá-lo como um sincero homem de Deus. pelo órfão e pelo estrangeiro. Tanto assim é que uma das acusações que se fez a Jó.

ao contrário do homem. é uma atitude que é severamente abominada pelo Senhor.org. já determinava que o viúvo fosse tratado dignamente perante a lei. que. inclusive os jurídico-legais. . os “descamisados”. A morte é um fato jurídico por excelência. seja pela condição social da viúva.A situação da viuvez leva a pessoa a um sem-número de problemas.Assim é que o Senhor determina que não poderia ser pervertido o direito da viúva e do órfão: “Não perverterás o direito do estrangeiro e do órfão.br Página 5 .21:1-4). a sua vida. não se aproveitando da situação de fragilidade decorrente da morte para um indevido aproveitamento ou.2:1-13).O Senhor. pois denota uma acepção de pessoas que não pode ser adotada por quem cristão se diz ser (Tg. do órfão e da viúva! E todo o povo dirá: Amém!”. no meio do povo. lamentavelmente. mas são absolutamente ignorados. ou atitudes que envolvam a viúva nos relacionamentos sociais. o reconhecimento de sua cidadania.10:17). . não faz acepção de pessoas (Dt. parte 2. o desprezo social em nada diminui a dignidade de pessoa humana que ostentam tais pessoas e exige um tratamento como um igual. na ocasião em que todo o povo celebrava ao Senhor. e muito.A perversão do direito da viúva era uma maldição. Era o que ocorria com aquela pobre viúva que levou sua oferta ao gazofilácio do templo (Lc. 0300-x C/c 35. Tendo sido uma das Portal Escola Dominical – www. ainda mais. com esta determinação. minorando a sua solidão. Ante estas solenidades de gratidão ao Senhor. . mas também requer o tratamento diante de seus direitos. com os despossuídos. Com esta determinação. na lei de Moisés. . embora estivesse no meio de tantas pessoas no templo.portalebd.24:17). não podiam ser mantidos à margem delas. . aquela pobre viúva. tais indivíduos não poderiam ser alijados. que envolviam todo o povo. 2012).Esta atitude de desprezo para com os desvalidos. como se verifica de Dt. .Este é o sentimento do Senhor que deve estar conosco. como costumava falar o ex-presidente da República Fernando Collor de Melo. pois de sua ocorrência nascem direitos e obrigações. Disponível em: http://novotempo. a delicada situação decorrente da viuvez. não raras vezes. . mas. . seja por seu ínfimo valor. mas os incentivando e os estimulando a travar relacionamentos fraternos com os seus irmãos. .Por isso. mesmo. com os que com eles convivem. nem sequer despertaram a atenção dos sacerdotes e todos os que cuidavam para a observância da lei ali. mostrava ao povo que.Conforme nos dá conta o arqueólogo e pastor adventista Rodrigo Silva (A curiosa história do dinheiro. algo que. para que o rigor da lei viesse a prejudicar. envolvem o viúvo num cipoal de problemas e pendências que comprometem. o Senhor deixa claro que a falta de recursos econômico-financeiros. nem tomarás em penhor a roupa da viúva” (Dt.Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para Promoção do Ensino Bíblico – Banco do Brasil Ag. era tão desprezada que sua oferta foi muito provavelmente de moedas que nem sequer podiam ser entregues no templo.720-0 órfãos e estrangeiros na celebração (Dt. os excluídos sociais deveriam ser incluídos nas celebrações. fazendo que com se relacionem conosco nos momentos de alegria e de confraternização. embora as estruturas sociais imperfeitas alijavam tais pessoas do cotidiano do convívio social.com/evidencias/2012/05/27/video-a-curiosa-historia-do-dinheiro-parte-2-2012/ Acesso em 05 jun. porquanto Deus. faz-se mister que cooperemos para que esta sensação de solidão e de desamparo seja mitigado entre os viúvos..O tratamento com dignidade não envolve apenas o exercício da filantropia. como qualquer pessoa. ainda que no meio de muita gente. desprezados. Muitos excluídos sociais estão até no meio da multidão. com a entrega de recursos mínimos para a sobrevivência material da viúva. não os deixando sós. .Para superar a aflição psicológico-afetiva adversa que acompanha o estado de viuvez. o Senhor. inclusive em nossos órgãos judiciários. vemos rarear cada vez mais. estando sozinhos.16:10-15).27:19: “Maldito aquele que perverter o direito do estrangeiro.

Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para Promoção do Ensino Bíblico – Banco do Brasil Ag. pois é uma demonstração de que não se teme mais a Deus. aqueles que são excluídos da sociedade.22:22-27) e. tem responsabilidade diante de Deus pelo que faz ou deixa de fazer.4:1-7).Além de não se poder perverter o direito destas pessoas.Observemos.Foi por isso que o profeta Eliseu entrou em defesa daquela viúva que. não fazem justiça ao órfão. porque é misericordioso (Ml.4:9). . pelo simples fato de sua condição. surpreendida pela dívida do marido. um santo homem de Deus (II RS. e do excluído social em geral. interveio em socorro à mulher.25:39). e não chega perante eles a causa das viúvas” (Is. que a mulher. Mas. é uma atitude tão reprovável diante de Deus quanto o exercício da feitiçaria e do adultério. deveria a roupa da viúva ser poupada. antes de ajudar as viúvas na igreja.1:17). O Senhor só não destrói a sociedade por causa deste vilipêndio para os excluídos sociais. embora estivesse em situação de aflição. que não se crê que Ele está pronto para fazer valer o direito daqueles que nada representam na sociedade (Ml. estaria perdida. também não podemos canonizá-lo. Ora.O Senhor não admite que desprezemos os mais humildes. já que. fosse feito um minucioso relatório a respeito da conduta social daquela viúva (I Tm. que não se Lhe obedece.94:6). . amados irmãos.21) quanto o salmista (Sl. dando-lhe uma estratégia para superação daquela situação aflitiva. o profeta Eliseu. uma aura de santidade e de inocência. como o marido falecido é mencionado como uma pessoa temente a Deus. 0300-x C/c 35. Agir de maneira diversa. não é por causa da viuvez ou da situação de exclusão social em si que temos um aumento da aflição para estas pessoas. Uns dizem que. . Portal Escola Dominical – www. tratai da causa das viúvas” (Is. fazei justiça ao órfão. Muitas vezes. manda que os incluamos. entendem que a dívida era do marido que. também não defende a consideração do desvalido como um santo.3:5). aliás. poderiam seus filhos ser escravizados por conta do pagamento das dívidas deixadas pelo seu marido (Lv. ajudai o oprimido. a dívida seria da mulher. que os tratemos dignamente. porém. sem rigorismo. o gesto dos credores de querer executar a dívida sem qualquer piedade.Perverter o direito da viúva. Não é por outro motivo que o apóstolo Paulo recomenda a Timóteo que.Muito se discute se a dívida mencionada pela mulher era dela própria ou do marido. constituía-se em uma afronta à lei de Moisés (Ex.1:23). . pois ninguém a ajudaria com o empréstimo dos vasos. independentemente da condição de viuvez da mulher. outros.portalebd. estava a ponto de ser desfilhada (II Rs. . praticai o que é reto.720-0 características apontadas pelo profeta Isaías para denunciar a apostasia do seu povo: “Os teus príncipes são rebeldes e companheiros de ladrões. cada um deles ama os subornos e corre após salários. se aquela mulher não tivesse uma boa convivência com os vizinhos. por ter morrido.br Página 6 . até porque a dever não é pecado. por isso. . .De qualquer sorte. é mister que sejam tratados com candura. . constitui-se em demonstração de impiedade. mas como consequência de suas próprias atitudes na sociedade. pecado é contrair a dívida e não a pagar. foi ajudada mediante uma proposta de trabalho e de aproveitamento de seu bom testemunho social. como um inocente só por causa de sua situação social de desamparo. em respeito à situação delicada que estão a enfrentar. portanto.O profeta mandou que aquela mulher fosse até os vizinhos e pedisse não poucos vasos vazios. mesmo sendo caso de penhor. Um dos grandes erros da atualidade é a de que atribuir ao excluído social. Este mesmo profeta trouxe como mensagem do Senhor o tratamento adequado da causa das viúvas: “Aprendei a fazer o bem.3:6). como previa a lei. pois não faz acepção de pessoas.Ao mesmo tempo que não podemos demonizar o excluído social. ao mesmo tempo em que não admite a discriminação por causa da situação de exclusão social. não tenha podido pagar a dívida.5:9. a satisfação dos credores há de ser temperada com a própria questão humanitária. . como nos declara tanto o patriarca Jó (Jó 24:3. ou seja.10). Por isso. O Senhor considera cada homem como um ser dotado de livre-arbítrio e que.org.

0300-x C/c 35.portalebd. teve compaixão daquela mulher quando ela perdeu seu filho. e da exclusão social como um todo. o Senhor efetuou a ressurreição. elas mesmas tiveram de fazer. crendo na palavra que ele lhe havia dito. fazer comida ao profeta. males físicos e espirituais. a um só tempo. Nestes dois casos de ressurreição. aquilo que aquelas mulheres podiam fazer.Elias. como o caso das viúvas de Zarefate e de Sarepta de Sidom.As aflições da viuvez são enormes. Aprendamos com estes exemplos bíblicos e não adotemos um comportamento extremamente paternalista para com os excluídos da sociedade. diante da seca que vitimava toda a terra de Israel e as cercanias por causa da palavra de Elias que fechou o céu. deveres estes estabelecidos pelo próprio Deus. primeiro. certamente. envolvem. de busca da presença do Senhor. seria de se esperar uma conduta de completo abatimento. o absolutamente necessário para a sobrevivência digna virá como resposta a nossa fé. portanto. . Mas.Nem por isso. deve ser feito por nós. não desanimava. .Aquela mulher recebeu um grande desafio quando se encontra com o profeta enquanto apanhava lenha: o de. resolvendo não só dar o necessário para ela. Portal Escola Dominical – www.7:11-17). Esta mesma compaixão teve o Senhor Jesus quando ressuscitou o filho da viúva de Naim (Lc. . diante de uma resposta decisiva de não se deixar abandonar à própria sorte.Num outro episódio a envolver uma viúva. enquanto que aquilo que só Deus pode fazer. ela está apanhando lenha para fazer a sua última refeição. também. ela fazia o que podia. . o Senhor nos mostra que aquilo que pode ser feito pelos homens. mesmo sabendo da situação aflitiva urgente da viúva. mesmo diante do espectro da morte. devem os viúvos se lembrar que o Senhor está a observar-lhes e pronto. Ele fará. certamente.Deste modo. Era um mulher trabalhadora e que. mas. Quando Elias a encontra. . como a mulher teve de trabalhar para vender o azeite para pagá-la. não desanimara de cumprir o seu papel de mãe! .17:8-24). inclusive. teve ela de vender o produto. mas não façamos de tal situação uma licença para que a pessoa não tenha de exercer os seus deveres. não tinha idade para trabalhar. aquela mulher não podia fazer como a viúva de Zarefate e. bem assim a fez trabalhar. este ocorrido no ministério do profeta Elias. a exemplo de Eliseu. não. aquela mulher se entregou à própria sorte e abriu mão do trabalho. . não era israelita e. a ponto de criar um novo tipo de milagre para atender a viúva de Sarepta de Sidom. o primeiro caso de ressurreição existente na Bíblia. mas fazer-lhes instrumento na Sua obra.720-0 . entre os quais ganha destaque o trabalho como forma legítima de manutenção da sobrevivência material em nossa peregrinação terrena. Eis o que se deve fazer quando se está diante deste tipo de aflição: confiar em Deus e em Sua Palavra e.Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para Promoção do Ensino Bíblico – Banco do Brasil Ag. em virtude da seca decorrente da palavra do profeta. e isto não deixou de ser um milagre da Providência Divina para evitar que a situação aflitiva piorasse ainda mais. . Como mulher. vemos que o Senhor atentou para aquela viúva que. Aquela mulher era gentia. que foi ressuscitado pelo profeta. portanto. mesmo sabendo que a morte dela e de seu filho era uma questão de tempo. tendo um filho que. mas a fazendo ser a pessoa que sustentaria o seu profeta até o momento de ele se apresentar a Acabe. estava a ponto de morrer (I Rs. .br Página 7 . É assim que Deus faz e quer que façamos: tenhamos compaixão da situação aflitiva decorrente da viuvez. já que. para que aquelas viúvas pudessem sobreviver era absolutamente necessário que seus filhos revivessem e fossem a fonte de seu sustento e. mas. o que demandou trabalho e esforço. Foi por isso que o Senhor ao contemplá-la “uniu o útil ao agradável”.Tem-se que a mulher estava privada dos recursos mínimos para a sobrevivência não só por causa da viuvez. mas não se pode desanimar. para que pagasse a dívida. por isso. a lhes dar não só o necessário para a sobrevivência.Notemos que não só a dívida teve de ser paga. entretanto.org. estava fadada a morrer de fome. depois de ter enchido todos os vasos com o azeite.Diante da solidão e da precariedade sócio-econômico-afetiva. de prostração. a nos mostrar quanto Deus cuida das viúvas. o profeta Eliseu. privilégio incomparável.No tratamento das muitas aflições decorrentes da viuvez. fê-la tirar proveito de seu testemunho diante de seus vizinhos.

o Senhor permite que tal ocorra. o Pai? III – A ATITUDE QUE DEVE TER A VIÚVA E O EXCLUÍDO SOCIAL EM GERAL . a impotência do gênero humano e sua intrínseca dependência de Deus. cada vez mais crescente. o irmão do Senhor. por conta deste bem-estar. confere não só benefícios para o necessitado. é algo que Deus permite ocorrer na sociedade para que também vejamos. o excluído social como um ser de particular cuidado e atendimento.1:27). acorreram em massa àqueles países que. mas para toda a sociedade. deste modo. pela estrutura social dos homens. resumiu a isto a verdadeira religião. Quando as viúvas dos gregos passaram a ser desprezadas pelos judeus na nascente igreja em Jerusalém. não se abriu aos imigrantes que. toda a sociedade é abençoada. melhora esta que.Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para Promoção do Ensino Bíblico – Banco do Brasil Ag.22:3).Não é coincidência o fato de que se vê hoje a Europa imersa em uma grave crise sócio-econômico-financeira. não só lhe dando o absolutamente necessário para uma sobrevivência digna. dentro de Sua soberania. atitude que foi considerada uma das abominações de Jerusalém pelo profeta Ezequiel (Ez.portalebd. que é quem ampara a viúva (Sl. numa das muitas pregações de arrependimento ao povo judaíta. quando se lhe minora o sofrimento. o Pai”: “visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações e guardar-se da corrupção do mundo” (Tg.720-0 .22:2. Já vimos que o Senhor considerava uma maldição a perversão do direito do excluído social e.146:9). é um ser que Se quis fazer defensor daqueles que. negaram a esta população. ao longo das Escrituras. em Portal Escola Dominical – www. o profeta Jeremias conclama. precisamente porque esta política.A importância do digno tratamento aos excluídos sociais que Tiago.A atitude de ajuda à viúva. as mesmas benesses de que desfrutam. Tendo optado. importava em não oprimir a viúva (Jr. de imediato.A própria Bíblia Sagrada. entre outros fatores. o Senhor.br Página 8 . que chamou de “pura e imaculada para com Deus. sem que se adote uma postura de extremo paternalismo.7:9. à própria casa real de Judá para que não oprimisse os excluídos sociais (Jr. com “esses olhos que a terra há de comer”. e ao excluído social em geral. Que bom seria que nosso diaconato cumprisse as suas tarefas bíblicas… . .10:1.15:25). de forma alguma. firma a herança dela (Pv. passando a se denominar “pós-cristãos” e. tragicamente. no mesmo sentido contrário às Escrituras. trataram de separar os diáconos para que houvesse pessoas dedicadas integralmente a este serviço no interior do povo de Deus. isto é uma das atitudes que agrada ao Senhor (Zc.7). a fim de que não houvesse. algo que ocasionaria um mal a toda a sociedade. 0300-x C/c 35.org. desamparados tanto do aspecto material quanto espiritual.Temos visto.Diante desta constatação. não têm voz nem vez.6). até porque.10). Deus não tolera sequer que haja uma legislação que prejudique estes excluídos sociais (Is. os apóstolos. em nome do Senhor. um desagrado diante do Senhor (At. como disse o profeta Zacarias.Quando se ampara o excluído social.Por isso. compreendendo a importância deste assunto. . haviam já adotado a “apostasia silenciosa”. com o desmoronamento de todo o “Estado de bem-estar social” que caracterizou esta região do mundo. trará bênçãos para toda a sociedade. ou mesmo. . pois. por isso mesmo. carentes tanto de corpo quanto de alma? . . que se tornaria abominável aos olhos do Senhor. notadamente após a reconstrução da Segunda Guerra Mundial.2)! .7:5. que atitude devem tomar aqueles que. por circunstâncias alheias à sua vontade.Quando a viúva faz aquilo que pode fazer. pois isto é agradável a Deus que. é Seu juiz. Temos uma religião pura e imaculada para com Deus. como tal.Muito menos na Igreja. . a que o povo melhorasse os seus caminhos para evitar o cativeiro. que o Senhor é quem ampara o excluído social. têm adotado um rígido controle de natalidade. veem-se nesta situação precária como vivem os viúvos. A viúva.6:1-7). embebida da cultura cristã que formou a civilização europeia. ao nos mostrar o Senhor como um ser que tem a viúva. responde a esta indagação. como o excluído social em geral.

para que não haja a exaltação do ócio e se tenha.portalebd. em primeiro lugar. . em Sua Palavra. Portal Escola Dominical – www. sabendo que é Ele o supremo provedor e juiz das causas decorrentes da exclusão social. . mesmo que isto seja insignificante aos olhos humanos. para a superação desta precariedade. . ainda que timidamente).br Página 9 . o viúvo deve voltar-se para Aquele que escolheu ser seu juiz e provedor. ser também sustentado. a atitude que poderá debelar esta problemática delicada é ir aos pés do Senhor. mesmo diante do desprezo de todos os que estavam no templo.O excluído social.O Senhor nos diz. No entanto. e o viúvo. sendo Ele quem faz justiça a eles. . que é um dos deles. no modelo bíblico. mas sem detrimento do devido valor que se deve dar ao trabalho.21). resolveu que ela deveria sustentar o profeta Elias e. nos seus conselhos a seu filho na fé. é um ambiente impregnado da presença de Deus e nela se deve. em meios às agruras decorrentes da viuvez.10:18). deve voltar o seu espírito para Deus.A ajuda à viúva deve ser. o viúvo.De igual maneira. Por isso. como um novo casamento. em primeiro lugar. bem como lhes dá pão e veste (Dt. Deus revela a todos quantos passam por estas situações aflitivas que a resposta a esta carência. o Senhor não fez por ela. . Ele. juntamente com o seu filho. foi à oferta da pobre viúva que o Senhor Jesus atendeu quando estava próximo ao gazofilácio. têm sido feitos. . com isso. que era o de recolher os vasos vazios por empréstimos aos vizinhos e depois vender o azeite. da família. É outro princípio que o apóstolo Paulo ensinou a Timóteo.Apesar de todas as disposições constantes da lei de Moisés.Nos dias em que vivemos. O Senhor. por primeiro. um acomodado. Por isso. como se pode ver do texto do artigo 203.5:9-14).5:16).4:20. toma para Si a tarefa de atender a estes desvalidos e desamparados. A família é quem deve. A família. pois é Ele quem é o que ajuda e ampara a viúva. também é o mesmo Deus que vê o que se está a fazer. o próprio Estado brasileiro. a Constituição da República. diante deste esforço. o apóstolo Paulo instruiu Timóteo a que não alistasse para a assistência social viúva que pudesse trabalhar ou obter sustento por algum meio.Tanto assim é que.2:24. isto o Senhor fez. a indicar como o Senhor queria que os israelitas cuidassem das viúvas. que são postos à margem da sociedade. de aprimoramento (alguns. por Deus. inciso V da Carta Magna.Por isso. não significa. mas multiplicar aquele azeite de forma a lhe dar não só o pagamento das dívidas mas o sustento para toda a família dali para a frente. . o amor ao próximo (I Jo.720-0 ser “o pai de órfãos e o juiz das viúvas”. deve fazer aquilo que está ao seu alcance.org.25).3:19). 0300-x C/c 35. o Senhor viu a operosidade da viúva de Sarepta de Sidom e. por conseguinte. A família deve ser a primeira a ajudar aquele que passa por um processo de exclusão social (I Tm. pois é Ele quem suprirá todas as necessidades. por conseguinte. Por isso. mostrar-se o amor de Deus e. não é isto que nos ensinam as Escrituras. estabelece este dever primeiro da família nesta hipótese de assistência. dos excluídos pela sociedade.Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para Promoção do Ensino Bíblico – Banco do Brasil Ag. . por isso mesmo. reconheçamos.Mas o voltar-se para Deus. aquilo que a viúva de Zarefate podia fazer. A propósito. Os necessitados devem ser ajudados. se ainda fosse nova (I Tm. que é o meio digno pelo qual se devem obter os recursos para a sobrevivência sobre a face da Terra (Gn. .Os programas de redistribuição de renda que têm sido o carro-chefe da diminuição da desigualdade social em nosso país precisam. em absoluto. que está particularmente atento ao clamor dos despossuídos. que o excluído social deva ser um alienado. que bem conhece os corações e não confia no homem (Jo. que contempla a situação precária existente. alguém que espere sentado (ou deitado) a Providência Divina. ocasião para o vício. em sua lei maior. dentro das forças humanas. . não são poucos os que acham que cabe tão somente ao Estado o cuidado para com os excluídos sociais. antes de desesperar diante das carências do corpo e da alma. cuidar daqueles que se encontram em situações adversas que os impedem de viver com o meio social.

pois estamos a negar a fé e a ser piores do que os infiéis. como que “casando” com o Nosso Senhor e Salvador. notadamente no que concerne ao ministério da oração. é um exemplo a ser seguido. em recompensa pelo seu esforço e pela sua dedicação de décadas. se o obtido for insuficiente para uma sobrevivência digna (o que quase sempre ocorre). Sendo devidamente sustentados por aqueles que agradam a Deus. 0300-x C/c 35. este dever é ainda maior. que foi usada por Deus no templo quando da apresentação do menino Jesus no templo. muitas igrejas locais têm deixado desamparadas as viúvas e os órfãos.O Senhor olhou para esta octogenária. . por não terem condições de trabalhar. a exercer um importantíssimo trabalho na obra de Deus. conforme dispuser a lei” (grifo nosso). Se dissermos que somos discípulos de Jesus e não ajudamos aos nossos familiares que. com seus quase oitenta e quatro anos de idade.org. pois a ajuda às viúvas e aos excluídos sociais em geral é algo que é agradável a Deus e estamos aqui neste mundo para agradar ao Senhor. como também prover a devida assistência para que a pessoa consiga. tendo enviuvado após sete anos de casamento. . Obtida a benesse governamental. entretanto. e tem por objetivos: (…) V – a garantia de um salário mínimo de benefício mensal à pessoa portadora de deficiência e ao idoso que comprovem não possuir meios de prover à própria manutenção ou de tê-la provida por sua família. em profecia (ministério obtido por sua dedicação ao Senhor). como disse o Senhor Jesus. o que de direito. a observava diariamente no templo e.4:38). fez com que contemplasse o Salvador do mundo e fosse usada por Deus.720-0 OBS: Assim dispõe o mencionado artigo da Constituição: “A assistência social será prestada a quem dela necessitar. O apóstolo Paulo diz que quem não cuida dos de sua família nega a fé e é pior do que os infiéis (I Tm. mas de todos os familiares. .Com relação aos que cristãos se dizem ser.Os viúvos superam o trauma da solidão e a dificuldade de relacionamento buscando a Deus. através de jejuns e orações. não se afastava do templo. devem esmerar-se num trabalho muito mais excelente. deve fazê-lo a igreja. . não está. decidiu servir a Deus e. Hb.37). passando. estão entre os excluídos sociais.18:68).Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para Promoção do Ensino Bíblico – Banco do Brasil Ag. amados irmãos! .Não basta.1:10. Neste ponto.portalebd. por parte do Estado. garantido o ócio. não deve a igreja apenas suprir o que se necessita neste primeiro instante. ai daqueles por quem vem o escândalo (Mt. por um motivo ou outro. então. Portal Escola Dominical – www. deve atuar de modo suplementar. tendo uma maior intimidade com o Senhor. angústias ou quaisquer outros males que os levem ao abatimento em virtude da difícil adversidade física e psicológica que estão a enfrentar.13:16). sem falar nos desvios que se fazem em prol dos parasitas que exsurgem da excessiva burocratização das organizações eclesiásticas.Aos excluídos sociais que são ajudados.A profetisa Ana. pois.br Página 10 . O Senhor a tudo está observando. junto aos órgãos governamentais. ainda em situação emergencial até que se consiga. nem por isso deve a igreja “lavar as mãos”.5:8). . em absoluto. jejuando e orando dia e noite (Lc. E o apóstolo não fala apenas dos familiares que são salvos. pois. aliás. para falar a respeito da salvação em Cristo Jesus (Lc. estamos a decretar a nossa própria perdição.Nos dias hodiernos. .4:36. se é que queremos ser discípulos de Jesus Cristo (Gl. como nos ensina o apóstolo Paulo. mas. enquanto estão a destinar recursos imensos para aproveitadores e mercadores da fé. mas devem buscar uma vida de cada vez maior intimidade com Deus. a obtenção do que é legalmente previsto. independentemente de contribuição à seguridade social.Não tendo a família condições de ajudar tal pessoa. aos viúvos irem aos pés do Senhor. visto que daremos motivo para o escândalo da fé e. de modo a que jamais sejam atingidos por depressões. que é o de se dedicar à obra de Deus. que tanto carece das orações intercessórias. . O minudente evangelista Lucas relata que esta mulher.

quer Se manifestar no tratamento desta questão.7:1.No entanto. o apóstolo. recomenda aos viúvos que não se casem novamente e que passem a servir a Deus de forma integral (I Co. . apesar de ter ceifado a vida do cônjuge. amados irmãos! . porém. manda que as viúvas novas se casem em vez de ficar vivendo às custas da sociedade (I Tm. .Conquanto seja uma situação sobremodo aflitiva. ter de dividir a sua atenção para com o cônjuge. deve ser um motivo para reconhecermos a soberania de Deus. deve.Paulo. Trata-se de uma conduta antibíblica e que. acaba-se por levar o ministro a casar mal e. . pois. o que seria um remédio acaba se tornando um veneno. a viuvez. Se virmos esta situação sob este ponto-de-vista e como o Senhor. num zelo excessivo para “preservação do ministério” de alguém.5:5). Destarte. assim. 0300-x C/c 35. acaba sendo uma arma mortal contra o próprio ministério. deste modo. como a exclusão social. “aproveitar a vida”. o apóstolo Paulo. ou seja. para não mais se casar e. . pela precipitação e. são movidos pela mais pura carnalidade.org. que não se afastava do templo. à evidência. não é o modelo pretendido por aqueles que defendem esta falsa teoria. COLABORAÇÃO PARA O PORTAL ESCOLA DOMINICAL . de que o casamento é bem melhor do que a prostituição (I Co.EV. existe uma mentalidade antibíblica de que. escrevendo a Timóteo. em atendimento ao clamor desta viúva sem filhos. ser devidamente obtido.40). são acolhidos e. dentro deste péssimo casamento.br Página 11 . CARAMURU AFONSO FRANCISCO Portal Escola Dominical – www. É muito melhor passar a servir a Deus do que casar de novo e. em tendo garantida a sua sobrevivência. excluídos da sociedade.720-0 . abriu uma exceção e a levantou como profetisa em pleno silêncio.Este novo casamento. aliás. Um novo casamento só não é melhor do que uma vida de dedicação integral a Deus. pôr a perder o seu ministério. mas o Senhor. lamentavelmente.Nos dias em que vivemos. bem como experimentarmos o Seu imenso amor para com a humanidade. assim.Neste ponto.7:39.É interessante observar que Ana vivia em pleno período do silêncio profético. . de noite e de dia. como fez a profetisa Ana e que.Por isso. em rogos e orações (I Tm. teremos mais uma razão para adorá-l’O e bendizê-l’O.2).portalebd. a Bíblia manda que haja novo casamento. . diante de uma desconfiança desmedida de que um ministro que fique viúvo algum tempo venha a se prostituir. aliás. quando se está diante de pessoas que ainda podem ter filhos e que enviuvaram. quando fala a respeito da viuvez. de se ressaltar que não são poucos os lugares em que os ministros do Evangelho que enviúvam são pressionados a se casar rapidamente. aproveite o viúvo. vivamente recomendado pela Palavra de Deus. a fim de que se evite a vida dissoluta. notadamente àqueles que não têm condição de uma vida de abstinência sexual. diz que a verdadeiramente viúva e desamparada espera em Deus e persevera. assim.5:11-15). ainda jovem. na direção do Espírito Santo. uma vez que. até porque o casamento se desfez “pela vontade de Deus” com a morte do cônjuge. o exemplo dado por Ana deve ser seguido por todos os que. Muitos destes casamentos. Basta fazermos o que Ele nos ensina em Sua Palavra. Nada mais falso. a nos mostrar como Deus quer fazer das adversidades da viuvez e da exclusão social uma oportunidade para demonstrar a Sua graça e o Seu poder. Tomemos cuidado. para tais casos. devem viver com dedicação integral ao Senhor.Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para Promoção do Ensino Bíblico – Banco do Brasil Ag. havendo a viuvez precoce. dentro do mesmo princípio que havia apresentado no início daquele mesmo capítulo 7 de I Coríntios.