You are on page 1of 2

O procedimento da ação civil pública

A ação civil pública pode ser proposta como acessório sob o rito
ordinário ou sumário do processo civil, cabendo providencias liminar quando
estiverem presentes os pressupostos de aparência do bom direito e do perigo
da demora ou ainda a tutela antecipada.
Existe divergência doutrinária a respeito da possibilidade de antecipação
da tutela na ação civil pública. Parte dos doutrinadores entende que, por haver
tratamento específico da liminar na LACP, não se aplica à ação civil pública a
antecipação de tutela (MEIRELLES, 2003, p. 179). Outra corrente, por seu
turno, aceita a tutela antecipada especificamente nas ações que tenham por
objeto o cumprimento de obrigação de fazer ou não fazer (BARROSO, 2003, p.
238).
O artigo 4° da LACP estatui a possibilidade de ajuizamento de ação
cautelar preparatória ou incidental à ação civil pública. Tal disposição torna-se,
contudo, desnecessária, diante da previsão de aplicação subsidiária do Código
de Processo Civil à ação civil pública (Lei 7.347/85, artigo 19). O procedimento
da ação cautelar relativa à ACP será o previsto no CPC, incidindo as regras
pertinentes aos processos cautelares inespecíficos (CPC, artigos 796 a 812).
Sentença
Se julgado procedente a ação o ente da administração pública será
compelido a corrigir o ato anulado voltando para o estado anterior, não sendo
possível responderá, então, patrimonialmente pelos danos causados, não
sendo descartada a possibilidade de ação de regresso contra terceiros
responsáveis solidários do ato impugnado.
Ainda mais, o legislador previu a possibilidade da indenização ser
revertida para um fundo próprio criado por lei para subvencionar não somente a
lesão ora causada mas a maioria dos interesses difusos de nossa sociedade.
Importante ressaltar a finalidade supletiva deste remédio constitucional, qual
seja, compelir o ente público omisso a atuar. A sentença somente terá eficácia
no território de competência do juízo proferidor.

admitidos pelo diploma processual civil vigente. quanto para o juiz “ad quem”. O Ministério Público tem o dever. A sentença improcedente somente terá eficácia após a confirmação do recurso ordinário. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais. MILARÉ. Execução A execução definitiva da sentença deve ser providenciada pela parte interessada. 2008. os demais faculdade. a sentença passa a expressar quase uma ordem mandamental. . 18ª ed. São Paulo: Malheiros. No caso de associação. Recebendo recurso da sentença procedente caberá efeito suspensivo caso o magistrado atribua na intenção de evitar danos irreparáveis à parte. todos os recursos tanto para o juiz “a quo”. são admitidos. ação popular. sob pena de incidirem as imposições dos artigos 461 e 461-A do CPC. ação civil pública. o Ministério Público ou os demais legitimados poderão fazê-lo.Recursos Como na ação popular. portanto as partes não recorrendo caberá recurso de ofício. Édis. Mandado de Segurança.347/85. conforme dispões o artigo 15 da lei 7. quando apropriados. Hely Lopes. mandado de injunção e habeas data. A ação civil pública após 20 anos: efetividade e desafios / coordenador Édis Milaré. não promovendo esta a execução em sessenta dias. tendo ainda o efeito devolutivo. devendo ser cumprida. Bibliografia MEIRELLES. 2005. Em razão da alteração promovida no processo de execução civil para as obrigações de dar e fazer (exceto de dar dinheiro).