You are on page 1of 34

Disciplina: FLG0131 - Historia do Pensamento Geografico

ANDRADE, Manoel Correia de Geografia, ciência da sociedade: uma introdução à análise do
pensamento geográfico. São Paulo, Atlas, 1987.
CLAVAL, Paul. Evolution de la Geografia Humana. Barcelona, Oikos-Tau, 1974.
ESTÉBANEZ, JOSÉ. Tendências y problemática actual de la Geografia. Madrid, Ancel, 1982.
JOHNSTON, R. J. Geografia e geógrafos: a Geografia Humana anglo-americano desde 1945. São
Paulo, Difel, 1986.
MONTEIRO, Carlos Augusto de Figueiredo. A Geografia no Brasil (1934-1977): avaliação e
tendências. São Paulo, IGEOG/USP, 1980.
MORAES, Antonio Carlos Robert. Geografia: pequena história crítica. São Paulo, HUCITEC, 1981.
MOREIRA, Ruy. O que é Geografia. 8o ed., São Paulo, Brasiliense, 1987.
PETRONE, P. Geografia humana, In História das Ciências no Brasil. 3 vols., São Paulo,
EDUSP/EPU/CNPq, 1981.
QUAINI, Massimo. A construção da Geografia Humana. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1983.
SANTOS, Milton. Por uma Geografia Nova. São Paulo, HUCITEC, 1978.
SODRÉ, N. W. Introdução à Geografia: Geografia e ideologia. Petrópolis, Vozes, 1974.

Disciplina: FLG0141 - Introducao a Cartografia
BERTIN, J. La graphique et lê traitement graphique de l'information. Paris, Flamarion, 1977.
BERTIN, J. Sémiologie graphique. Paris, Mouton, 1973.
GARCIA, G. J. Sensoriamento Remoto: princípios e interpretação de imagens. São Paulo, Nobel,
1982.
JOLY, F. La Cartografia. Barcelona, Ariel, 1982.
LIBAULT, André. Geocartografia. São Paulo, Nacional/EDUSP, 1975.
MONKHOUSE, F. J. e WILKINSON, H. R. Mapas y diagramas. Barcelona, Oikos-Tau, 1966.
OLIVEIRA, C. Dicionário cartográfico. Rio de Janeiro, IBGE, 1983.
RAISZ, Erwin. Cartografia geral. Rio de Janeiro, Científica, 1969.
RICCI, Mauro e PETRI, Setembrino. Princípios de aerofotogrametria e interpretação geológica. São
Paulo, Nacional, 1965.
RIMBERT, Sylvie. Cartes et graphiques. Paris, SEDES, 1964.

Disciplina: FLG0150 - Fundamentos Naturais da Geografia
BROW, E. H. A Geografia Física, seu conteúdo e sua relações, in Boletim Geográfico, (254), Rio de
Janeiro, IBGE, 1977.
CHRISTOFOLETTI, Antonio. Geografia Física, in Boletim de Geografia Teorética, 11 (21-22), Rio
Claro, AGETEO, 1981.
CRUZ, Olga. A Geografia Física, o geosistema, a paisagem e os estudos dos processos
geomórficos, in Boletim de Geografia Teorética, 15 (29-30), Rio Claro, AGETEO, 1985.
DAGENAIS, P. Cinco esquemas teóricos em Geografia, in Boletim Geográfico, (239), Rio de Janeiro,
IBGE, 1974.
DREW, D. Processos interativos homem-meio ambiente. São Paulo, Difel, 1983.
TRICART, Jean. Ecodinâmica. Rio de Janeiro, IBGE/SUPREN, 1977.
--------------- La terre: une planète vivante. Paris, PUF, 1972.

Disciplina: FLG0160 - Fundamentos Econômicos, Sociais e Políticos
da Geografia
BRITTO, L.N. Política e Espaço regional. São Paulo, Nobel, 1986.
CAPEL, H. Geografia Humana y Ciencias Sociales, una perspectiva historica. Barcelona,
Montesinos, 1984.
CASTRO, I.E. Espaço e política. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 2005.
CLAVAL, P. A geografia cultural. Florianópolis: Ed UFSC, 1999.
GEORGE, P. Sociologia e Geografia. Rio de Janeiro, Forense, 1969.
GEORGE, P. (et alli). Geografia Ativa. Difel, 1980.
GOMES, P.C. Geografia e Modernidade. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 1996.
HARVEY, D.A. condição pós-moderna. São Paulo, Loyola, 2009.
MARTIN, A.R. Fronteiras e nações. São Paulo, Contexto, 1997.
MESSIAS DA COSTA, W. Geografia política e geopolítica. São Paulo, Hucitec, 1992.
MORAES, A.C.R. Território e História no Brasil. São Paulo, Hucitec, 2002.
MORAES, A.C.R Geografia, pequena história crítica. São Paulo, Hucitec, 1981.
SANTOS, M. O espaço do cidadão. São Paulo, Nobel, 1987.
SANTOS, M. Espaço e Sociedade. Petrópolis, Vozes, 1982.

Disciplina: FLH0440 - Historia Economica Geral e do Brasil
ADALBÉRON DE LAON, Poème au roi Robert. Introduction, édition et traduction par Claude Carozzi.
Paris, Société d'Édition "Les Belles Letres", 1979 ALLEN BROWN, R. Origins of English Feudalism.
Londres, Allen and Unwin, 1973 ALPHANDÉRY P. e DUPRONT, A., La chrétienté et l'idée de
Croisade. Paris, Albin Michel, 1954, 2 vols. ANDERSON, Perry, Passagens da Antigüidade ao
feudalismo. Trad. port., Porto, Afrontamento, 1982 BALDWIN, Summerfield, Business in the Middle
Ages. New York, Cooper Square Publishers, 1968. BANNIARD, Michel. A Alta Idade Média. Trad.
port., Lisboa, Europa-América, s./d. BARBERO, A. e VIGIL, M., La formación del feudalismo en la
Península Ibérica. Barcelona, Crítica, 1978. BARKAI, Ron, Cristianos y musulmanes en la España
medieval. El enemigo en el espejo. Madri, Rialp, 1984 BEZZI, PAOLO, I comuni medioevali nella
storia d'Italia. 2a ed., Torino, Eri, 1970 BIRABEN, Jean-Noël, Les hommes et la peste en France et
dans les pays européens et méditerranéens. Paris, Mouton, 1975, 2 vols. BLOCH, Marc, A
sociedade Feudal. Trad., Lisboa, Ed. 70, 1982. BLOCH, Marc, La France sous les derniers
Capétiens, 1223-1328. Paris, Armand Colin, 1971. BLOCH, MARC, Seigneurie française et manoir
anglais. 2e édition, Paris, Librairie Armand Colin, 1967 BOUSSARD, Jacques, La civilización
carolingia, Trad. esp. Madrid, Guadarrama, 1968 BOUTRUCHE, Robert, Seigneurie et féodalité.
Paris, Aubier, 1968-1970. BROWN, Peter, Corpo e sociedade. O homem, a mulher e a renúncia
sexual no início do cristianismo. Trad., Rio, Jorge Zahar, 1990. BROWN, Peter. O fim do mundo
clássico, trad. port., Lisboa, Verbo, 1972 BROWN, R. Allen, Origins of English Feudalism. Londres,
George Allen and Unwin LTD, 1973 BULST, NEITHARD, ROBERT DESCIMON et GUERREAU, ALAIN,
L'État ou le roi. Les fondations de la modernité monarchique en France (XIVe- XVIIe siècles). Paris,
Maison des sciences de l'homme, Paris, 1996 BURCKHARDT, Titus, La civilización hispano-árabe.
2a ed., Madri, Alianza, 1979. BURY, J. B., The invasion of Europe by the barbarians, Londres, Mc
Millan, 1928 C. MARCHELLO-NIZIA e M. FERRET, Une utopie homossexuelle au XIV siècle: l'île sans
femmes. D'Agriano, Stanford French Revew, 14, 1990, p. 231-241. CAHEN, Claude, El Islam. 9a
ed., Madri, Siglo XXI, 1985, vol. 1 CARDINI, F., Magia, stregoneria, superstizioni nell'Occidente
medievale. Firenze, La Nuova Italia, 1979. CARON, MARIE-THÉRÈSE, La société en France à la fin
du Moyen Âge. Paris, PUF, 1977. CAZALIS, ANNE-MARIE, 1358. La jacquerie de Paris. Le destin
tragique du "maire"Etienne Marcel. Paris, Société de Production Littéraire, 1977. CIPOLLONE,
Giulio, O. SS. T., Cristianità - Islam: cattività e liberazione in nome di Dio. Il tempo di Innocenzo
III dopo "il 1187". Roma, Pontificia Università Gregoriana, 1992. COURCELLE, Pierre, História
literária das grandes invasões germânicas, Trad. port., Petrópolis, Vozes, 1955 Croisades et
pèlerinages. Récits, chroniques et voyages en Terre Sainte, XIIe - XVIe siècle. Danielle RégnierBohler, Paris, Robert Lafond, 1997 (documentos) CUVILLIER, Jean-Pierre, L'Allemagne médiévale.
Naissance d'un État VIIIe - XIIIe siècle . Paris, Payot, 1979. DAVIES, J. G. As origens do
cristianismo, Trad. port., Lisboa, Arcádia, 1967 DAWSON, Christopher A formação da Europa, Trad.

port., Braga, Liv. Cruz, 1972. DOCKÈS, Pierre, La libération médiévale. Paris, Flamarion, 1979.
DOEHAERD, Renée, Le haut Moyen Age Occidental. Economies et sociétés. Paris, Presses
Universitaires de France, 1971 DOLLINGER, PHILIPPE, La Hanse (XIIe-XVIIe siècles) Paris, Aubier,
1964 DONINI, Ambrogio, História do cristianismo. Das origens a Justiniano. Trad. port., Lisboa, Ed.
70, 1980 DUBY, G. La société aux XI et XII siècles dans la région mâconnaise. Paris, Touzot, 1971.
DUBY, G., L'économie rurale et la vie des campagnes dans l'Occident médiéval. (France,
Angleterre, Empire, IXe - XVe siècles). Paris, Aubier, 1962 DUBY, G., Atlas Historique. L'histoire du
monde an 317 cartes. Paris, Larousse, 1987. DUBY, G., Guerreiros e camponeses. Os primórdios
do crescimento económico europeu. Séc. VII-XII. Trad., Lisboa, Estampa, 1980 DUBY, Georges,
"La féodalité? Une mentalité médiévale". Hommes et structures du Moyen Âge. Paris, Mouton
Éditeur, 1973, p. 103-110. ERDMANN, C., The origin of the idea of Crusade. Princeton, PUP, 1977.
EVANS-PRITCHARD, E.E., Bruxaria, Oráculos e Magia entre os azande. Trad., Rio de Janeiro, Zahar,
1978. FABRE-VASSAS, Claudine, La bête singulière. Les juifs, les chrétiens et le cochon. Paris,
Gallimard, 1994. FALBEL, Nachman, Heresias medievais. São Paulo, Perspectiva, 1976. FALBEL,
Nachman, Os espirituais franciscanos. São Paulo, Perspectiva/Edusp, 1995 FOSSIER, Robert,
Enfance de l'Europe. Aspects économiques et sociaux. Paris, PUF, 1982, 2 vols. FOURNIAL,
ETIENNE, Histoire monétaire de l'Occident Médiéval. Paris, Fernand Nathan, 1970. FOURNIER, G.
L'Occident de la fin du Ve siècle à la fin du IXe siècle, Paris, Arman Colin, 1972 FOURNIER, G. Le
châteu dans la France médiévale: essai de sociologie monumentale. Paris, Aubier, 1978. GABRIELI,
Francesco (org.), Storici Arabi Delle Crociate. Torino, Einaudi, 1973 GARCIA-PELAYO, MANUEL, Del
mito y de la razon en el pensamiento politico. Madrid, Selecta de Revista de Ocidente, 1968.
GATTO, Ludovico, Il feudalesimo. Roma, Tascabili Economici Newton, 1997. GATTO, L., l'Italia dei
comuni e delle signorie. Roma, 1996, Tascabili Economici Newton. GENICOT, Léopold, Europa en el
siglo XIII. Trad., Barcelona, Labor, 1970. GÉNICOT, Léopold, Linhas de rumo da Idade Média. Trad.
port., Porto, Apostolado da Imprensa, 1963. GIMPEL, Jean, A Revolução Industrial da Idade Média.
Lisboa, Europa-América, 1976. GIVEN, James, Buchanan, Society and homicide in thierteenthcentury England. California, Stanford University Press, 1977 GOGLIN, Jean-Louis, Les misérables
dans l'Occident médiéval. Paris, Seuil, 1976. GONTHIER, Nicole, Cris de Haine et rites d'unite. La
violence dans les villes, XIIIème- XVIème siècle. S/l., Brepols, 1992. GOODICH, Michael, The
unmentionable vice: Homosexuality in the Later Medieval Period. Santa Barbara-Oxford, Clio,
1979. GRAVES, Robert e PATAI, Raphael, Los mitos hebreos. Trad., Madri, Alianza, 1986. GUENÉE,
Bernard, L'Occident aux XIVe et XVe siècles. Les Etats. Paris, Presses Universitaires de France,
1971. GUERREAU, Alain, O feudalismo um horizonte teórico. Lisboa, Ed. 70, s/d GUGLIELMI,
NILDA e RUCQUOI, ADELINE (coord.), El discurso político en la Edad Media/ Le discours politique
au Moyen Age. B. Aires/Paris, Conicet/CNRS, 1995. GUGLIEMLMI, Nilda, "Modos de marginalidad
en la Edad Media", Annales de Historia Antigua y Medieval, vol. 16, 1971, p. 7-94 GUGLIEMLMI,
Nilda, Marginalidad en la Edad Media, 2a ed., B. Aires, Biblos, 1998. GUICHARD, Pierre, AlAndalus. Estrutura antropológica de una sociedad islámica en Occident. Trad., Barcelona, 1976
GUREVIC, Aron Ja. Le origini del feudalesimo. Trad., Roma, Laterza, 1982. HALLER, Johannes, e
DANNENBAUER, Heinrich, La entrada de los germanos en la Historia, Trad. esp., Union Tipografica
Editorial Hispano Americana, Mexico, 1960 HALPHEN, Louis, Carlos Magno e o Império Carolíngio,
Trad. port., Lisboa, Início, 1971 HALPHEN, Louis, Les barbares, Paris, PUF, 5a ed., 1948 HANI,
JEAN, La Royauté sacrée. Du pharaon au roi très chrétien. Paris, Guy Trédaniel, 1984. HATCHER,
JOHN, Plague, population and the English Economy (1348-1530). London and Basingstoke, The
Macmillan Press LTD, 1977 HAY, DENYS, Europe in the Fourteenth and Fifteenth Centuries. 4a ed.,
Longman, London, 1971 HEERS, Jacques, Occidente durante los siglos XIV y XV. Aspectos
económicos y sociales. Trad., Barcelona, Editorial Labor, 1968. HILTON, RODNEY H, Siervos
liberados. Los movimientos campesinos medievales y el levantamiento inglés de 1381. Trad.,
Madrid, Siglo Veintiuno, 1978. HILTON, RODNEY H, The english peasantry in the Later Middle
Ages. Oxford, Clarendon Press, 1975. HOLT, J. C., Magna Carta. Cambridge, Cambridge University
Press, 1976 HOURANI, Albert, Uma história dos povos árabes. Trad., SP, Cia das Letras, 1995.
JONES, A. H. M. The later roman empire. 3v. Londres, OUP, 1964 KINDER, H. e HILGEMANN, W.,
Atlas historico mundial. 11a ed., Madri, Istmo, 1982, 2 vols. KRIEGEL, Maurice, Les Juifs à la fin du
Moyen Age dans l'Europe méditerranéenne. Paris, Hachette, 1979. LACOSTE, Yves, Ibn Khaldhun.
Nascimento da História. Passado do Terceiro Mundo. Trad., São Paulo, Ática, 1991. LADURIE, E. Le
Roy, Histoire du climat depuis d'an mil. Paris, Flamarion, 1967 LAHARIE, Muriel, La folie au Moyen
Age. XIe-XIIIe siècles. Paris, Le Léopard d'Or, 1991. LE GOFF, J. e SCHMITT, Jean-Claude(orgs.),
Dictionnaire raisonné de l'Occident Médiéval. Paris, Fayard, 1999. LE GOFF, J. e SCHMITT, Jean-

Les invasions germaniques. História do anti-semitismo I. Trad. 1991 MCEVEDY. Dictionnaire raisonné de l'Occident Médiéval.. Jean Pierre e BOURNAZEL.. Trad. Editorial Crítica. A expansão muçulmana: séculos VII-XI. 2000. Las transformaciones del mundo mediterráneo. 1999. s/d. La crisis del imperio romano. esp. Paris. Grandes invasões e impérios. A Revolução comercial da Idade Média. R. Derek W. 1 POSTAN. Grijalbo. José. Pioneira. Lisboa. Presença. 98. Los Vascos en la historia de España. Lisboa. LE GOFF. 1980 MAIER. J. 70. Aster.. Rialp. Painting in Florence &Siena after the black death. 1973. Cambridge. 1978. Paris. São Paulo. Presença. Desclée. Rio. Sussex. The Mediaeval Academy of America. Europa-América.. The Cambridge economic history of Europe. Eduard. "The great european famine of 1315. PETIT-DUTAILLIS. 1977. 1974 PETERS.. Os pobres na Idade Média. Barcelona. vol.. 1994 LOMAX. Presses Universitaire de France. Xe . Las oleadas germanicas. In Les marginaux et les exclus dans l'Histoire..Claude(orgs. 1980 POSTAN. La revolucion islamica en Occidente. São Luís. Sorbonne. M.. Paris. SEDES. trabalho e cultura no Ocidente.. The Cambridge economic history of Europe. Paris. 1316 and 1317".d.. Campus. Franz G. Trad. 1991. Labor. Trad. Siglo XXI. Trad. Lisboa. Middlesex.. Para um novo conceito de Idade Média: tempo. 1988. Fundacion Juan March.). Middlesex. Le monde carolingien. Cambridge (Mass. Edições Cosmos. Trad. Money. Os árabes na História. Italian MerchantBankers Lombards and Money-Changers. port. LE GOFF. ROOVER. Romania. Editora da Unesp. 1973. São Paulo. Poder y disidencia en la Europa Occidental. Lucien Las invasiones. The Harvester Press.. Richard. 1971. Trad. Estampa. Speculum. 1965. Trad. São Paulo. M. Cambridge At The University Press. POLIAKOV. Colin and JONES. 1945. Paris.). 1977. Atlas of World population history. YVES. 1980. MAALOUF. 2a ed. Paris. ANGUS. Trad. Trad. Cambridge. RICHÉ.. MOORE. Albin Michel. L'Histoire de la pauvreté. M. 1979... Léon. 1967 RENOUARD. Vida y pensamiento en el Islam. Labor. port.. Record. Portugal medieval: novas interpretações. La formación de una sociedad represora. Trad. Ferdinand O fim do mundo antigo e o princípio da Idade Média. port. Santo. Henri.. 342-377.. 1979. Lisboa. Armand Colin.. Trad. Harper &Row. São Paulo. Lisboa. As invasões bárbaras.. RICHÉ. I. Barcelona. LE GOFF. 2a ed. PIRENNE. MARIA GUADALUPE. M..). V. Dom Quixote. 2a ed. René. Trad. Dom Quixote. Paris. La España de la Edad Media. Trad. Textos e testemunhas. port. 1948. The magician the witch and the law. Maomé e Carlos Magno.. 1971 PIRENNE.. 1978 MEISS. Fayard. Trad. p. Lisboa. Flamarion.. LEWIS. LOPEZ. MILLAR. 1972 MANTRAN. História da Idade Média.. v. 1985 OLAGÜE. Trad. 1994. s. Rio de Janeiro. MOLLAT. Jose Antonio Vaca de. I. 1989 MUSSET. Madri. Ferdinand. 1994. Paris. As cruzadas vistas pelos árabes. Union Générale d'Edition. H.XIIe siècles. 2a ed. Lisboa. LUCAS. séculos V ao X. A cidade medieval. JeanClaude(org. M. An economic History of Britain in the Middle Ages. Lisboa/Rio de Janeiro. As cidades da Idade Média. MÉNARD. Les Croisades. 1989. O nascimento da Europa. LE GOFF. Estampa. Cambridge. A usura na Idade Média. B. 1971. Ensaio de História económica e social . Paris. M. Lisboa. São Paulo. Paris. A study in the Origins os Banking. 1973. Les hommes d'affaires italiens du Moyen Age. Lisboa. H. Martins Fontes. Trad. 1999. De Cristo aos judeus da corte. POLY. 1996 PEDRERO-SÁNCHEZ. Pierre.. Brasiliense. Ed. 2 vols. Vincent (org. banking and credit in Mediaeval Bruges. Cambridge At The University Press. M. Europa-América. J. Martins Fontes. The agrarian life of the Middle Ages. Edward. Raymond de. 1964. 1978. Herder. Madri. vol. Ignacio. O fim do mundo antigo.). LOT. Henry Iriné Decadência romana ou Antigüidade tardia? Trad. 950-1350. esp. S. JACQUES. REMONDON. Seyyed Hussein. Bernard. esp.. São Paulo. Economic organization and policies in the Middle Ages. MARROU. PLATELLE. Pierre. Eric La mutation féodale.. Cátedra. Maurice. Brasiliense. M. 1930. Fergus. 1980..). Madrid. La monarchie féodale en France et en Angleterre (Xe-XIIIe siècle). H. LE GOFF. J.. Trad. Philippe. 2a ed. Trad. 1999. Imprensa Nacional/Casa da Moeda. Paris. Lisboa. 1993 LE GOFF. MILLARD. 1968. LOT. OSMA. São Paulo. Trad. Charles. J. PERROY. 1971... 1984 LOMBARD... Amin. Madri. Barcelona. Paris. Siglo XXI. 1983. Michel.. ROOVER. LOPEZ. Cambridge At The University Press. 1979 MATTOSO. Dictionnaire raisonné de l'Occident Médiéval. Barcelona.. 1974. JACQUES e SCHMITT. Robert.. Barcelona. 950-1250. L'Islam dans sa première grandeur. El Imperio Romano y sus pueblos limítrofes. A bolsa e a vida. Raymond de.. MACKAY. 1967 NASR.. Michel(dir. The arts. LE GOFF. religion and society in the Mid-Fourteenth Century. J.. Penguin Books. "Les fous dans la société médévale".. Trad. Barcelona. (Moyen Age XVIe siècle). Lisboa. Perspectiva. siglos III-VIII. Desde la forntera hasta el imperio (1000-1500). A civilização do Ocidente Medieval. The Medieval economy &society. Trad. 1989.. La pensée économique des . Essays on Medieval Agriculture &General Problems of the Medieval Economy. LOPEZ. Roberto S. Trad. 3 POSTAN. Roberto. Trad. POSTAN. MOLLAT. Penguin Books. s/d.. Fayard. "Les marginaux dans l'Occident Médiéval". La Reconquista. New York. Roberto S. Mercadores e banqueiros na Idade Média. 1976.. Estampa. 1985 MAZZARINO. Payot.

Em DE BONI.XIIe siècle). da Rev. SLICHER VAN BATH.Ambientes Antigos de Sedimentação . Vrin. Steven. S. 3 vols. Mediaeval Feudalism. Trad. ULLMANN. 6 vols. John Wiley & Sons. Dominique. K. Guadarrama. 1972. La pavorosa revolución. Idade Média: ética e política. Le Goff (org. Madrid. Barbara W. 2000.scolastiques. 1989. Inst. STRAYER. Earth. O. Paris. ROSENTHAL... J. J. (dir) A history of Cruzades. Pierre-André. La Nouvelle Histoire. combat à cheval. Madri. SÁNCHEZ-ALBORNOZ. JAVIER ZABALO. Bilbiografia Complementar: SKINER. 1969 WHITE JR. 7 edição. Editora Nacional. Freeman. Montréal/Paris. p. Principios de gobierno y politica en le Edad Media. Paris. esp. Cambridge (Mass. Sansoni. Doctrines et méthodes.. Daniel. Ed.Tempo Geológico . CERF. Carl. Le plaisir au Moyen Âge. Claudio En torno a los orígenes del feudalismo. LUÍS ALBERTO (org. VORAGINE. Peninsula. 3 vols.. ed. 2a. Perrin. 1974 e 1979. 2a ed. SAYLES. & SIEVER. Madri.. La decadencia del Imperio Romano en Occidente. Philippe. J. R. 344369. 1933. Reyna Pastor. Alianza. 1967. Série de Textos Básicos em Geociências. EDIPUCRS. Cia. & AMARAL. Historia agraria de Europa Occidental (5001850). JOSEPH R.1967. W. ULLMANN. B. 1-53. 1950. TRUYOL Y SERRA. Feudalismo y Consolidación de los pueblos hispánicos (siglos XI-XV). Trad. The Medieval foundations os England. Ithaca/Londres. TOFILO F. Outono da Idade Média ou primavera dos novos tempos?. & PORTER. Labor. Ediciones Península. Trad. LEINZ. 1988. Trad.. Jacobi A. trad. Mira-Sintra Mem Martins. STEPHENSON. 1996. 3a ed.. Madri. s. DANIEL.. TOGNERI. Borough and Town. Mouton &CO. 1978 WALEY. London. PRESS. New York. Claude.Superfície da Terra .. Revista de Occidente. "Étrier. A study of urban origins in England. El pensamiento político en el Islam medieval. Paris. EDIPUCRS. Trad. Inc. JULIO.Estrutura da Terra . Witch-craft in the Middle Ages. Lisboa. Las ciudades-republica italianas. F. VERDON. M.. 1994 RUNCIMAN. RUSSELL. 1974 SOURDEL. Giuffrè. Jeffrey Burton. 195557. Europa-América.C. (org. publicado pela EDUSP e Edgard Blucher. V. En las fronteras de dos formaciones económico-sociales: Toledo. 1966. H. Schmitt. The Dynamic Earth: an introduction to physical geology. Movimenti religiosi e sette ereticali nella società medievale italiana/ Secoli XI-XIV.Geologia Geral EIXEIRA et al. In. L'homme et le miracle dans la France médiévale (XIe . Buenos Aires. Porto Alegre. STEPHENSON. 1986. WALBANK. 1984. S. De los orígenes a la baja Edad Media.. ed. O Islão. Disciplina: 0440620 . Gradiva. A. 4a. Barcelona. 1992. STRAYER..d. VOLPE. O pensamento político na Alta Idade Média. University of Pennsylvania Press. Historia de España. Ed... Otto Zeller Verlag. Geologia Geral.. As origens medievais do Estado Moderno. WALTER. Coleção dirigida por Manuel Tunõn de Lara. p. University of Pensilvânia Press.). (DIR. Madri. K. Legenda Aurea. 1974. B. 4a ed. The Mediaeval Academy of America. 1995.) O reino e o sacerdócio. 70.. G. Crisis and continuity. "Igreja e carolíngios: nova idéia de Estado". Technologie médiévale et transformations sociales. Carl. Medieval Political Thought. Ed. Land and town in Late Medieval Castile. Cornell University Press. JOSÉ ANTÔNIO DE C. New York. Cornell University Press. Dott. SIGAL. Historia de la filosofia del derecho y del Estado. 1996. Erwin I. 1965. Madri. Alianza. 1978. J.).. JOSÉ MA SALRACH. Um espelho distante. New York.. 4a. Lynn. 1989. Milano.) Dictionary of the Middle Ages. W. Jean. s/d. F. 2 vols. RUIZ. Charles Scribners and Sons.. Vulgo Historia Lombardica Dicta. Porto Alegre.. Middlesex. edição. SETTON. Firenze. Revista de Occidente. P. Philadelphia. LIsboa. Diritto Romano nelle'Europa medioevale. 1985. Methuen &CO. José Olympio. Penguin Books. Ed. Oficina de Textos. WOLFF. 1969.E.A. Rio de Janeiro. 1975. 1961. 1971.Minerais e Rochas . O terrível século XIV. . 397p. do Occidente. Barcelona. Barcelona. "L'Histoire des marginaux". 1969. Filadélfia. féodalité et chevalerie".). Osnabrück. 91-104. WALTER. Editorial Universitaria. VINOGRADOFF. Del Islam al cristianismo. Retts. G.. Trad. São Paulo. TUCHMAN. SOUZA. Trad. VALDEÓN. siglos XI-XIII. 1980 VALLE Ribeiro. 1971. Antonio. Paris. Paolo. d'Études Médiévales / J. Decifrando a Terra. Trad. Historia de las Cruzadas I.

J. Disciplina: FLG0243 . RIMBERT. F. Paris. H. Rio de Janeiro. 1968. 1966. D. JP.Teoria e Metodo da Geografia I CHRISTOFOLETTI. SEDES.Geografia Econômica I FRANK. 1964. Cartographie générale. Paz e Terra. MONKHOUSE. 1983. Map use: reading. 1968. Libro Primero. Paris.. R. Massimo. analysis and interpretation. Eriel.Cartografia Tematica BERTIN. Científica. 1982. e COSTA. SINGER. Paul.. 1975. São Paulo. Yves. Initiation aux travaux pratiques de Géographie (commentaires des cartes). Phillip C. in CHATELET. São Paulo. Nobel. São Paulo. 1975.Disciplina: FLG0132 . Phillip C. André Gunder. Prefácio à nova Economia Política. analysis and interpretation. Setembrino. Oikos-Tau. 1976. R. A. F. Eyrolles. Cartografia geral. Disciplina: FLG0142 . técnica e modo de produção capitalista. Mapas y diagramas. Map use: reading. Geografia Crítica: a valorização do Espaço. A Geografia. 1966. 1969. LACOSTE. QUAINI. JOLY. Eyrolles. Fondo de Cultura. Sección Primera: Mercancia y dinero. New York. Geografia: pequena história crítica. RICCI. MARX. HUCITEC. 1. JEAN. 1972. Zahar. MARGLIN. André. Curso de introdução à Economia Política. Mauro. 3a ed. Erwin. Marta. Rio de Janeiro. J. F. MUEHRCHKE. São Paulo. e WILKINSON. 1975. Escorpião. São Paulo. Espaço e Método. H. FURTADO. 7. Difel. 1982.Elementos de Cartografia Sistematica BAKKER. SANTOS. Cartographie générale.) Perspectivas da Geografia. 1975. São Paulo. SEDES. MONKHOUSE. Paris. . El processo de producción del capital. Paris. 1986. Porto. 1972. QUAINI. ROLL. Filosofia das Ciências Humanas. R. 1979. M. Karl. Disciplina: FLG0162 . BONIN. Barcelona. Marinha do Brasil/DHN. SEDES. e WILKINSON. Forense. John Wiley. São Paulo. 3a ed. e PETRI. Elements of Cartography. Leçons de Cartographie Thématique. 1983. 1973. Paz e Terra. Geocartografia. Barcelona. Madison. São Paulo. (Org. ----------. Rio de Janeiro. e RIMBERT. Milton. ciência. Antonio. LIBAULT. Sylvie. Siglo Veintuno. Cartografia: Noções básicas. RAISZ. 1965. Rio de Janeiro. Ribeiro. Eric. 1. R. Mucio P. 1974. Celso. LIBAULT. CUENIN. Paris. Wanderly M. HARNECKER. La Cartografia. Divisão social do trabalho. Sémiologie graphique. 1983. História das doutrinas econômicas. RIMBERT. Rio de Janeiro. 1979. TRICART. Madison. ROBINSON. Rio de Janeiro. S. 1968. Initiation à la graphique. H. MORAES. Martins Fontes.El Capital: crítica de la Economia Politica. Stephen et alii. Mouton. Nacional. Marxismo e Geografia. Nacional/EDUSP. F. EPI. 1972. Nacional/EDUSP. André. Oikos-Tau. História da Filosofia. HUCITEC. Contribuição à crítica da Economia Política. MUEHRCKE. 1980. Leçons de Cartographie Thémátique. Barcelona. 1969. MORAES. 1984. Paz e Terra. Los conceptos elementales del materialismo historico. Mapas y diagramas. Sección Segunda: La transformación del dinero en capital. São Paulo. Rio de Janeiro. J. Massimo. Antonio Carlos Robert. Geocartografia. Sylvie. Acumulação dependente e subdesenvolvimento: repensando a teoria da dependência. México. Rochefort. e SALE. CUENIN. JP. Paris. Sylvie. 1962. Marxismo e Geografia. Paris. São Paulo. Antonio Carlos Robert. 1978. Brasiliense. México. 1977. Nacional. 1965. Princípios de aerofotogrametria e interpretação geológica. R.

H. 1991.B.A.. P. Disciplina: FLG0253 . J. Os climas da cidade de São Paulo: teoria e prática.Geomorfologia I MÓDULO 01: Introdução à Geomorfologia 1. São Paulo. . (1994) Cap.F. Siever. M.V. UFG. (2007) Cap. Goiânia 64-123p. (1980) Introdução à Geomorfologia. 2. J. Mendonça. H. J & Jordan.O. In: Para Entender a Terra. (1994) Cap. 5. S. Oficina de Textos. (2008) Sedimentos e Rochas Sedimentares. Goiânia. Tubelis. 2001. 4. 1-25pp. Florianópolis. (Org). Geologia de Engenharia.O.ed. M.K. Maringá: Eduem. IBGE. Fairchild.D. Buenos Aires. A. ABGE. W. C. (1974) Cap. M. Christofoletti. (1999) Enquadrando o tempo geológico. Suguio. Meteorologia e Climatologia. FFLCH. (2000) Rochas ígneas. J. Bigarella. 2º edição. Editora: UFRGS. M. B. F. R e Taioli. M. 2. A.D.L. Ruberti. 2000. 4. (orgs) Decifrando a Terra. In: Elementos deGeomorfologia.R. J. A. et al. In: Teixeira.. Penteado. MÓDULO 03: Litologia e Relevo 1.. MÓDULO 02: Fatores Internos e Externos na Formação do Relevo 1. Chigago: The University of Chicago Press.. Oficina de Textos. 2°edição. In: Geomorfologia. 17-35p. I.A. M. S.D. (Org.Disciplina: FLG0251 . In: Geomorfologia. M. 2001. W. 332p. Venturi. Fairchild.) Praticando Geografia: técnicas de campo e laboratório. (1960) Cap. J.R.J. São Paulo: EDUSP. T. Bertrand Brasil. John Wiley & Sons. Brito. 5: Evolução e tipos de estrutura e relevos derivados In: Fundamentos de Geomorfologia. G. In: Guerra A.B. 1974. Casseti. Climatologia: noções básicas e climas do Brasil. e Santos.(Tradutor). 2° edição.L. In: Oliveira. UFG.C. 3. L. 51-92p. 4°edição. São Paulo: Bertrand Brasil. 15-25pp 5. Meteorologia Descritiva. Azevedo. S. G.. M. (1994) Processos Endogenéticos na Formação do Relevo. W.R. T. 515p.. Casseti. Variabilidade e Mudanças Climáticas. 337-351 e 362-375p. A. 2000. 3ª ed. 374p. (Org. 2007. F. Departamento de Geografia. Thornbury. In: Do mar ao deserto: A evolução do Rio Grande do Sul no Tempo Geológico. Danni-Oliveira. Aquecimento Global? São Paulo: Oficina de textos. (orgs) Geomorfologia: uma atualização de bases e conceitos. Tarifa. In: Coleção Novos Caminhos n. Pereira. J.. Ross.R.4. São Paulo.gov. A. Szabó. J. 478p. Agrometeorologia: Fundamentos e aplicações práticas.1: Las bases de la Geomorfología. Sant`Anna Neto.. Penha. São Paulo.. Varejão-Silva. M. Francisco. R. 2002. São Paulo: Oficina de Textos. São Paulo: Oficina de textos. 159-179pp.1: Introdução ao Estudo da Geomorfologia. Sentelhas. EdgardBlücher. T. F. 272p. In: Principios de Geomorfologia. Editora da UFSC. 193-224pp. 11-38p. M. 4° edição. (orgs) Decifrando a Terra. Nascimento. 3).Edgard Blücher. W. 2009. 2009. Toledo. decomposição esferoidal e paisagens dômicas. 2° edição.H. Frascá. In: Elementos de Geomorfologia.3: Modelos Clássicos de Evolução do Relevo. R e Taioli. M. F. (2000) Rochas Metamórficas. M. Zavatini.J. São Paulo. S. INMET: Brasília. (eds).J et al. 15-56pp. (1980) As Teorias Geomorfológicas. M. John Wiley & Sons.. IBGE.A. 1980. N. Bookman.A.) Geografia do Brasil. E.V. (1998) Minerais e Rochas. M. Rio de Janeiro. 3. Penteado. 2. 381-398pp 4. USP. 2ª.1..2: Algunos concepts fundamentales. Thornbury. (tradução Professora Maria Juraci Zani dos Santos). São Paulo. Toledo. & Sartori. R.T e Cunha. (1974) Cap. Sellers. Introdução a Climatologia para os trópicos. 1-16p. (1960) Cap. 327-346pp. (Didática.. Maruyama. Editora Nobel. Fundamentos e Aplicações. L. Christofoletti. L. In: Teixeira. 5. P. 3. Press. 3: Relevo Terrestre: Materiais Constituintes In: Fundamentos de Geomorfologia. Becker. C.Climatologia I Ayoade. 17-29p.7: Esfoliação. (versão digital disponível em www.S. São Paulo. 57-62pp. Buenos Aires. Holz.agritempo. Angelocci.. T. Grotzinger. 4°edição. W. Guaíba: Agropecuária.D. In: Estrutura e Origem das Paisagens Tropicais e Subtropicais Vol.L. A. Physical Climatology. In: Principios de Geomorfologia.br clicar em publicações e em seguida livros).

Yves. Harry.. SORJ. B. OLIVEIRA. Michael. A. out-dez. 1974. São Paulo. 11. São Paulo. G. Celso. São Paulo. Paris. Rio de Janeiro. Teorias do Estado. V. 7. MOFFITT. 1 (3): jul-set. NOVACK..Disciplina: FLG0385 . (2). (1976). II e III.. Ática. 27-29 novembro 1978. São Paulo. 1945. FAUCHER. Leon. Como se converte o lucro extraordinário em renda do solo. A hegemonia dos Estados Unidos e o subdesenvolvimento da América Latina. HUCITEC. GARCIA. São José dos Campos. Moreno. São Paulo. 1953. REEVES. M. Rudolf. La ley del desarrollo desigual e combinado. Armand Colin. São Paulo. 1980. FIPE/USP. São Paulo. História da riqueza dos Estados Unidos. A alternativa. I. 1977. LEWINSOHN. Agroindústria. BAHRO. Pierre. Fondo de Cultura Economica. . Ariovaldo Umbelino de. Les paysages agraires. A. Lisboa. 1977. 1978. TROTSKY. D. Rio de Janeiro. IGEOG/USP. Fotografia básica. México.Regionalização do Espaço Mundial AMIN. 23. A política econômica e a pequena produção agrícola. 1967. 1985. (Tese de doutoramento) INPE Anais do I Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto.. Richard. Graal. ----------------------. 10. 2a ed. A. 1975. LENIN.Noções básicas sobre sensores remotos e suas aplicações no levantamento global dos recursos terrestres. ---. MEYNIER. e NAHUEL. Rio de Janeiro. 6a Seção. J. MARX. 1980. Précis de géographie rurale. 1984.aplicações de sensoriamento remoto. S. Disciplina: FLG0244 . 1979. Modo capitalista de produção e agricultura. 1981. São Paulo. R. Brasiliense. Edições 70. Trustes e cartéis. Samir. São Paulo. 1982. Karl. Levantamentos geológicos através de satélite. São José dos Campos. 1981. Barcelona. 1958. Disciplina: FLG0563 . GOODMAN. São José dos Campos. A destruição da renda da terra e da taxa de lucro na agricultura. 12 (3). MELO. O dinheiro do mundo. e WILKINSON. Barcelona. LANGFORD. in Aerofotogeografia. A era do imperialismo. Paz e Terra. in Estudos Econômicos. 1977. Omega. (3). Artigos diversos. M. W. Civilização Brasileira. 1. Global. Porto Alegre. (46). (coordenador) A crise do imperialismo. 12. 15 (1972). E. 1982. Paz e Terra. 1986. Gabriel M. Daniel. no levantamento de recursos naturais. Paris. III. Fernando Homem de. C. I. FURTADO. USP. Nobel.Sensoriamento Remoto Aplicado à Geografia COELHO. Sensoriamento Remoto: princípios e interpretação de imagens. in Economia e Política. American Society of Photogrammetry. OLIVEIRA. HERZ. I e II. J. IGEOG/USP. U. PUF. HUBERMAN. André. 1973. Geografia agrária. in Caderno de Ciências da Terra. G. com ênfase em imagens LANDSAT. Omega. Virgínia. George. Rio de Janeiro. ---. políticas públicas e estruturas sociais rurais: análises recentes sobre a agricultura brasileira. GEORGE. O capital. Espaços e limites da empresa capitalista na agricultura. R. J. Yoshiaki. 1978. Imperialismo fase superior do capitalismo. dez. 1969. Pluna. 2a ed. jul-set.Introdução às técnicas de sensoriamento remoto e aplicações. Circulação das águas de superfícies da Lagoa dos Patos. NAKANO. São Paulo. G.Geografia Agrária I AIDAR. 1977. in Economia e Política. Manual of remote sensing. Kfouri e PEROSA JÚNIOR. Bogotá. 1977. 1978. R. in Caderno de Ciências da Terra. (4). IGEOG/USP. in Economia e Política. LECLERCQ. MAGDOFF. Globo.13a reimpressão. Léo.

JUNKER. ed. Léa e SEABRA. P. Weather and life: an introduction to biometeorology. São Paulo. 1981. Manoel Correia de. Paris.Agricultura e capitalismo. Antonio Barros de. 1981. São Paulo. São Paulo. A economia brasileira: crítica à razão dualista. in Teses e Monografias. 1988. Belo Horizonte.Regionalização do Espaço Brasileiro ANDRADE. São Paulo. 1982. LINACRE. A formação do estado burguês no Brasil (1888-1891). 1948. 1967. Geografia urbana. Manoel F. OLIVEIRA. Desequilíbrios regionais e concentração industrial no Brasil (1930-1970). 2a ed. J. 1980. Divisão territorial do trabalho e nova regionalização. J. Geografia Física. A importância do trabalho de campo. Como se faz uma tese. São Paulo. 2 vols. 1985. Umberto. Le droit à la ville. São Paulo. 1965. IGEOG/USP. Forense. CASTRO. E. The australian climatic environment. H. Pesquisa participante. Petrópolis. Rio de Janeiro. Orlando. Englewood Cliff. KOPPEN. La ville: le fait urbain à travers le monde. Wilson. (Coleção Saber) SANTOS. 1974. 1985. T. Paz e Terra. N. 1982. ---------------------. São Paulo. Academic Press. A. 1981. LOWRY. Disciplina: FLG0560 . Climatologia do Brasil. As cidades da Idade Média. FFLCH/USP. New York. M. HUCITEC. in Revista do Departamento de Geografia. A formação do capitalismo dependente no Brasil. Rio de Janeiro. 1979. Décio. 1969. VALVERDE. La ciencia. BUNGE. . 1979.). A cidade na história. 1985. 1977. PUF.Climatologia II BLAIR.Teoria e clima urbano. DOWBOR. Lidedor. Ciências Humanas. New York. Portugal. Sete ensaios sobre a economia brasileira. 1976 NIMER. Estudos de Geografia Agrária brasileira. (26). Barcelona. Brasiliense. Buford N. Itatiaia. A frente polar atlântica e as chuvas de inverno na fachada sul-oriental do Brasil. 1971. Rio de Janeiro. São Paulo. Problemas de investigação em Sociologia urbana. Milton. 1971. Rio de Janeiro. Europa-América. Metodologia científica em ciências sociais. Presença. Manual de Geografia Urbana. ECO. 1972. e HOBBS. Climatology general and regional. Planejamento regional e problema agrário no Brasil. MONTEIRO. (Coleção Elementos de Geografia) LEFEBVRE. L.. 1974. MUNFORD. São Paulo. Carlos. E. PIRENNE. M. Paul. CANO. STRAHLER. Oikos. ---------------------------------. SAES. São Paulo. Brisbane. Barcelona. -------------------------. 2a. 1973. John Wiley. Disciplina: FLG0386 . P. HUCITEC. Såo Paulo/Petrópolis. London.Geografia Urbana I CASTELLS. SINGER. W. 1976. Disciplina: FLG0355 . Paris. 1982. JOHNSON. su metodo y su filosofia. DEMO. Vozes.Disciplina: FLG0273 . Atlas. Climatologia. Francisco de. Fondo Cultura Economica. 4a ed. GEORGE. México. W.A economia da dependência imperfeita. Gonçalves. in Teses e Monografias. Omega.Iniciação à Pesquisa Em Geografia I BRANDÃO. A. Rodrigues (Org. 1968. (1). Buenos Aires. São Paulo. 1975. 1975. 1952. Prentice-Hall. 1942. Anthropus. Perspectiva. Global/UNICAMP. São Paulo.. Graal. Pierre. Siglo Viente. H.. Rio de Janeiro. L. Desenvolvimento econômico e evolução urbana. Brasiliense. CEBRAP/Vozes. IBGE. IGEOG/USP. (1). Nacional. Carlos Augusto de Figueiredo. GOLDENSTEIN.

Geografia dos solos. Techniques. SOBRINHO.. GUICHONET. A..SPI. de Politsch Géographie (1897). MUGGLER. manejo e capacidade de uso. O. e RAFFESTIN. H.N. limitações. R. 231 p 1998. MELO. H. Paris.. a sociedade e o Estado. P.V.E. FREITAS. 1.A.Disciplina: FLG1254 . Rev. Armand Colin. Intemperismo e formação do solo. A responsabilidade social da ciência do solo. C.. PRADO. 2001. Retrospectiva crítica sobre a Pedologia. 30:733-740. Rio de Janeiro. São Paulo.C. 1989. Educação em solos: princípios.G. FEALQ.agrarias. C. 2002. PRADO. C. Ci. C. FFLCH/USP.S. H. J. PRADO. & ANJOS. Espaço e poder. A. OLIVEIRA. 1986. Classes gerais de solos do Brasil: guia auxiliar para seu reconhecimento. I. 1993. 2005.P.P. LEPSCH. R. Jaboticabal. Pedologia Aplicada. S. V. Procedimentos normativos de levantamentos pedológicos. O Ensino de Pedologia no Ciclo Básico de Alfabetização. Solos tropicais: potencialidades. Jean. COSTA.C. C.. Freitas Bastos. Geopolítica. Polígono. Demétrio. A. F. 1976. PRADO. Piracicaba. EMBRAPA. Campinas: Editora da Unicamp. L. Piracicaba: S. in Revista do Departamento de Geografia. M.. Civilização Brasileira. 205p. ESPINDOLA.& MACHADO. 1971. 1968. 1997. 2006. FALCONI. N. O solo. 1943. a política e o Estado moderno. H. Rio de Janeiro. TOLEDO. LEMOS. & MELFI. H. Rio Claro. A. BARROS. Disponível em: http://www. Rio Claro. Projeto Solo na Escola: o solo como elemento integrador do ambiente no ensino fundamental e médio. R. SIRTOLI. GONZALES.R. KER. SANTOS. V. B. Piracicaba: FUNEP/UNESP. P.N. 1979. Natureza e propriedades dos solos. H. In: Decifrando a Terra. Wanderley M. Londrina . GOTTMANN. S. Claude. DIX. OLIVEIRA. (org. Manual de classificação de solos do Brasil. Maquiavel. K. PUF.. especial. D. teoria e métodos. 1952. J. 1973.. 1929. Edição do autor. Serviço de Produção de Informação . HELLER. generais e geógrafos. A. SOUZA. Jaboticabal: FUNEP. São Paulo: Oficina de Textos. 125f. Herman. A. 178 p. Pedologia fácil. WEIGERT. 1995. v. F. M.ufpr.escola. La politique des Etats et leur Géographie.7. São Paulo. Os solos do Estado de São Paulo: mapas pedológicos. C.Geografia Política CLAVAL. cap. OLIVEIRA. Brasiliense.M. H. GRAMSCI. Elementos de Pedologia. (ISSN 1414-4190).Pedologia BRADY.Uma Visão Global In: A Responsabilidade Social da Ciência do Solo Campinas: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo. São Paulo. B.) Praticando Geografia: técnicas de campo e laboratório. Mestre Jou. Paul. F. Dissertação (Mestrado) – INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS E CIÊNCIAS EXATAS-UNESP. M. Geografia. VENTURI.). Formação e conservação dos solos. L. Fondo de Cultura Econômica.SPI. 2004. JACOMINE. 1992. . B. SANTOS. RAFFESTIN. Contexto/EDUSP. Zahar. Produção de material didático para o ensino de solos. MAGNOLI. 1988. Zahar. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. M. S..V. Expressa Extensão. 2008. C. 218 p. México. 2007. São Paulo. C. Campinas: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo. 1988. p. 9.F. C. O que é Geopolítica. M. Barcelona. & CAMARGO.169-181. O Estado e as políticas territoriais no Brasil. p. B. Bras. FERREIRA. 2000.br/texto3. Pour une Géographie du pouvoir. LIMA. 1983.html MONIZ. Disciplina: FLG0365 . Rio de Janeiro. Géographie des frontières. Teoria do Estado. 1974. RATZEL. Brasília. Nyle C. J. T. L. B. G. (Eds.. 2006. 2005. Solo. Rio de Janeiro. 41-49. Geografia Política.X. Serviço de Produção de Informação . CD-Rom. (2). BUNTING. São Paulo: Oficina de Textos. n. v.F. Paris. EMBRAPA. Paris. FUNEP/UNESP. Labor. LIMA. Ensino de Solos . Manual de descrição e coleta de solo no campo. A. W. 2005.. São Paulo: Oficina de Textos. Viçosa: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo. n. S. Brasília.L. 1982. 1988. Pelotas.

LE CORBUSIER. H. 93-148. (1994) Processos Erosivos nas Encostas. 1979. In : Géomorphologie. A. IGEOG/USP. Alain. Milton e SOUZA. Guerra. N. Fairchild. T. Bookman. R. R. 1984. Francisco. 1981.. Disciplina: FLG0336 – Planejamento HARVEY. Nobel. 5. 7. M. Le profet. 3. C. WHITAKER FERREIRA. Paris. 25 – 57.. Casseti. Le tribut foncier. 387-415 pp. Taioli. L. 139-166. J. 365-383pp. Paris. M. Infanti Jr.209. T. & Cunha. David. J & Jordan. Press. & Cunha. N. Planejamento sim e não. Grotzinger. Maspero. Geomorfologia. S. A. N.C. Christian. A. A. Núcleo de Estudos Regionais e Urbanos. In: Geomorfologia e Meio Ambiente. S. & Cailleux. Machado da.L. Press. Sedes. B. Toledo. 5. São Paulo. . A. B (orgs). T. Guerra. Nobel. (1970) Províncias Geológicas e Domínios Morfoclimáticos no Brasil. S. 149. in Espaço e Debates. O Estado e o urbano no Brasil. C. (orgs) Teixeira. Rio de Janeiro. S. Guerra.brasil.O capital e seu espaço. S. e Fornasari Filho. 4° edição. 3-32pp. B (orgs).M. T. A. (1994) Hidrologia de Encosta na Interface com a Geomorfologia. Elsevier. (org. in Acrópole. Edward Arnold. Coelho Netto. A carta de Atenas. Rio de Janeiro: Bertrand brasil. OLIVEIRA. Zahar.Disciplina: FLG1252 . J. & Cunha. M.) São Paulo. Paris. T. 131-152. 1947. Rio de Janeiro.F e Amaral. (2007) Geomorphology: pure and applied.). A. (1998) Processos de Dinâmica Superficial. (orgs.G. Toledo. M. Editora contexto. In: Decifrando a Terra. T. (2008) Geleiras: O trabalho do gelo In: Para Entender a Terra. 6. Gutiérrez. Maria Adélia. Rodolpho Ortenbland Filho. Milton. F. MÓDULO II: Vertentes e Domínio Tropical Úmido 1. B. 7. (1996) Movimentos de Massa: Uma Abordagem GeológicoGeomorfológica. et al. Nobel. separata maio.A. O espaço do cidadão. 2. São Paulo. ABGE. -------------. J. 20.01. V. São Paulo. Hart. T. In: Geomorfologia e Meio Ambiente.. F. J & Jordan. (1965) Traité de Geomorphologie. Francisco de. (2008) Ventos e Desertos In: Para Entender a Terra. C. la rente et la ville. In: Geomorfologia: uma atualização de bases e conceitos. Ab´Saber. São Paulo. Grotzinger. Rio de Janeiro: Bertrand . (1996) Intemperismo em Regiões Tropicais. (org) Solo urbano: tópicos sobre o uso da terra. 1988. 1986. A. Bertrand Brasil. São Paulo.. R. B. J. 204-291pp. G. A. São Paulo. Paz e Terra. 1981. 1988. M. Armand Collin. H. 1979. Coque. M. (1991) Dinâmica Processual do Relevo: Vertente como categoria In: Ambiente e Apropriação do Relevo. de Aguiar) 57-78pp. A. F. SILVA.. Siever. In: In: Geomorfologia: uma atualização de bases e conceitos. (org) A construção do espaço. 4° edição. J. Economica. São Paulo. In : Introduction a la Géomorphologie Climatique. LIPIETZ. T. (orgs. Paris. (2000) Intemperismo e Formação do Solo. (2005) Climatic Geomorphology.P. Tricart. Social justice and the city. Porto. Bookman.N.Geomorfologia II MODULO I: Zonas e Domínios morfoclimáticos mundiais e brasileiros 1. V. & Brito. 3. W. Guerra. 6. São Paulo: Oficina de Textos. (1977) Los Grandes Dominios Morfoclimáticos. 54-91pp. (Tradução de M. & Cunha.) Bertrand Brasil. SANTOS. M. 4. Siever. S. 4. 1983. Guerra. São Paulo. 6. F. London. In: Geologia De Engenharia Oliveira. J. TOPALOV. Fernandes. 2. SANTOS. 123-194. Rio de Janeiro.

the Evolving Universe". II. 1998. Madri. RIZZINI. Explanation in Geography. (org) La Geografia atual: geógrafos y tendencias. O. de Gouveia Dal Pino. 2007. Nicolas O. Barcelona. 1998."Introductory Astronomy and Astrophysic". Propósitos e natureza da Geografia. Ecologia. E.. 2000. ..P. KOZULIN. e CLAVAL. V. JOHNSTON. L. El pensamiento geográfico. Da ROS. Porto Alegre. Rosângela Doin. E. JIMENEZ. Barcelona. 1982. 1976. RS. M. CLAVAL. geografia e a origem das espécies. 1980. E. 1965. Palestra Publicada na WEB.A. in Ecologia. BELTRAN. La pensée géographique. Biogeografia. Zeilik. 2002. HUCITEC. 1986. Londres. Pierre – “Educação e Cybercultura” publicado na WEB. SEDES. Biogeografia natural e cultural. 1982. Eds. Omega. VANZOLINI. Continental. Dichapetaleaceae and Lecythidaceae. 1985. . Porto Alegre. S. 1980. As florestas da América do Sul. HARVEY. Silvia Zanatta . R. USA. BEYER.Introdução à Astronomia " Astronomy: a Beginner's Guide to the Universe". Phytogeographic support for the theory of Pleistocene forest refuges in the Amazon Basin based on evidence from distribution patterns in Caryocaraceae. Chaisson. Omega. Bruño. T. org. 1994. MENDOZA. São Paulo. Alianza. Jatenco-Pereira.V. & McMillan. P. J. H. 1972. José Maria Martinez ."Astronomia: Uma Visão Geral do Universo". E. Arnold. A abordagem de Reuven Feuerstein a partir de Piaget e Vygotsky”. in Teses e Monografias. J. HUCITEC/EDUSP. Josefina G.: A. 2000. 2003. 3 (3).. Mediação a editora do professor. M. H. IGEOG/USP. MARGALET. in Acta Amazonia. 1969. 2000. Polígono/EDUSP. – “Cartografia Escolar” Editora Contexto. Paris.M. Disciplina: AGA0210 . São Paulo. Cristiano Mauro Assis . Biogeography. (26). 1978. Barcelona. 1977. Moscow. Global ecology. Omega. . e CANTEIRO. Richard. Saunders. Zoologia. in Boletim Carioca de Geografia. México. Ariel. Gregory. Mudança Educativa e Projeto de Trabalho”. 1972. David. Mediação Editora. Friaça. Inc. Madri. (3). 1976. Barcelona. Porto Alegre. NELSON. Julio M. I. Fernando – “Cultura Visual. Progress.. Paul. 1996. Paul. S. BUDYKO. HARTSHORNE. E. Tratado de Fitogeografia do Brasil. Ramón. ODUM.Disciplina: FLG0356 – Biogeografia BROWN. G. K. São Paulo. São Paulo. E. I. EDUSP.Ensino de Geografia na Educação Básica ALMEIDA. Disciplina: FLG0701 . Rio de Janeiro.Teoria e Método da Geografia II AGB/RJ. ."La mediación en el proceso de aprendizaje". Chrysobalanaceae. Sodré Jr."Pedagogia e Mediação em Reuven Feuerstein". M. Artmed. PRANCE. Plexus Editora. 1970. PrenticeHall. Biogeografia: analítica e sintética (panbiogeografia de las Américas) in Systematic Zoology. São Paulo. São Paulo. Jussara – “Avaliação mediadora uma prática em construção da pré-escola à universidade”. C. HOFFMANN. Metodologia em Geografia. especial. Itatiaia/EDUSP. T. & Smith. C. G. Zeilik. sistemática.. Origem das espécies. SIMMONS."Privação Cultural e Aprendizagem: Mediar Reafirmando Identidades". HUECK. 1991 (sixth edition). . 1983. P. DARWIN. John Wiley & Sons. Disciplina: FLG0433 ."Feuerstein e a construção mediada do conhecimento". Porto Alegre. Artemed Editora. LÉVY. G. 1973. HERNÁNDEZ. GOMES. RS.“O Fazer Psico-Pedagógico."Astronomy. Alex .

A. Bruno. (coord. Jurjo – “Globalização e Interdisciplinaridade: o currículo integrado”. 2002. M. A geografia em sala de aula. C. PIAGET. Antonio. reformar o pensamento”. Técnicas audiovisuais em educação. Difel. Campinas. Antonio – “Avaliações em Educação: Novas Perspectivas”. S. Zahar ed. SP. 31. 1978. G.. S.Publicado na WEB. S. MEIR. 1998. São Paulo. São Paulo. RJ. A Formação do Símbolo na Criança.____________ . OLIVEIRA. N. MACHADO. Revista Electrónica de Investigación Educativa. Papel e valor do ensino de Geografia e de sua pesquisa. A. Distribuição Espacial da População Brasileira: mudanças na segunda metade deste século. SP. ANDERSON.Contribuições de Vygotsky e Feuerstein”. P. Rita – "Direito à Inteligência". S. SILVA. Texto para discussão. N. QUAINI. 1983. Introdução à Literatura Infantil e Juvenil. Paz e Terra. Carlos Chagas. números 1 e 2. 2007. TORRES SANTOMÉ. criatividade e imaginação". 1995.) Perspectivas da Geografia. VYGOTSKY.as Casas Familiares Rurais. In: BARATO. E. NÓVOA. KUENZER. Marcos e GARCIA. Made in Brasil: três décadas do vídeo brasileiro. São Paulo: Cortez. Lúcia Pimentel. Mediação a editora do professor. Leonardo . 1997.). CHRISTOFOLETTI. Rio. N. São Paulo. NOGUEZ.Literatura Infantil Brasileira. J. Cortez. O Surgimento da Formação de Jovens Rurais por Alternância: história de uma pedagogia associada ao meio rural . Rio de Janeiro: IPEA. Rio de Janeiro. São Paulo: Itaú Cultural. Educação e Supervisão: O trabalho coletivo na escola. J. ano VII. RJ. 2000. São Paulo: Ed. Anais I Colóquio Cartografia para crianças. SP. Rio de Janeiro. GOES. SANTOS. 1983. São Paulo: Associação dos Geógrafos Brasileiros. alternativas. Massimo.. J. 1978. Educação e meio urbano in Geografia e Planejamento. 1996. E. Artes Médicas Sul. SP. Janssen Felipe da e outros (org. Escritos sobre tecnologia educacional & educação profissional. Indisciplina na escola. 1978. In: Fernando Curi Peres. 1988. A Geografia Física E As Relações Sociedade/Natureza No Mundo Tropical. 1988. Humanitas: FFLCH. N. (org. RS."PEI e Aprendizagem: Pontes e Transcendência”. Porto Alegre. Ana Amélia e BELTRÃO. Mapas para e por crianças: possíveis contribuições dos cartógrafos. CONTI. PARRA."El desarrollo potencial de aprendizaje. MORIN. Edgar – “A cabeça bem-feita: pensar a reforma. MEIER. 2003. (Org. Ed. A. ALVES. N. S.) Confluências e divergências entre currículo e didática. Edição do Autor. Kaizô I. Campinas. Arlindo (coord. Ben Hur . Porto Editora. ARROYO. R. (org. MORAES. 79. Psicanálise dos Contos de Fadas. S. Ensino Médio e Profissional: as políticas do estado neoliberal. Entrevista de Reuven Feuerstein à revista ISTO É 12/05/1999. Bruno. A construção da Geografia Humana. p. 2003. R. MUNARI. AQUINO. 2003.). L. Edibel. JEAN . COSTA. MONBEIG. Forense. J e VASCONCELLOS. PIAGET.). Z. (especial sobre ensino). 1978.) Os currículos do ensino fundamental para as escolas brasileiras. Editorial Presença."Para onde vai a Educação". São Paulo. 2002. Lisboa. Rio Claro: LEMADI-DG-USP/ LEG-UNESP. SANTOS. Cortez Editora. Boaventura de Sousa – “Pela mão de Alice – O social e o político na pós-modernidade”. E. SP. M. A. Pierre. A. F. (org. Papirus. 1999/2000. Sandra – “Mediação da Aprendizagem . 2000. Portugal. Summus Ed. 2003. Jean. Entrevista a Reuven Feuerstein".“Tecnologias Intelectuais e Modos de Conhecer: nós somos o texto” publicado na WEB. Martins Fontes. 1998. São Paulo. 1987. São Paulo: Contexto. São Paulo: IG. A cartografia temática no ensino de Geografia: a relevância da realidade relevo. Pioneira. .) – “Práticas avaliativas e aprendizagens significativas em diferentes áreas do currículo”. BARATO. 2002. invenção. 135-151. TV e vídeo: uma possibilidade de discussão de região in BOLETIM PAULISTA DE GEOGRAFIA. Teorias e Práticas. . São Paulo: Editora 34. ALVES. 1970. As demandas do saber técnico. Autores Associados/Fund. BARRETO. 2001. Curitiba. G. Bertrand Brasil. CARLOS. Rio de Janeiro. "Fantasia. Cibercultura. 2004. São Paulo. Paz e Terra. 1984. N."Pensamento e Linguagem". LÉVY. Melhoramentos. AB’SABER. Porto Alegre. . Boletim Carioca de Geografia. BETTELHEIM. et allii. José Bueno. SENAC. 1996. CAMARANO. Paulo.

ABEP. n2. Artmed. VLACH. Tese de doutorado.). 2004.A Geografia Ativa. Porto Alegre: Mercado Aberto. e outros. e outros temas. 1974. F. FFLCH-USP. resistência e emancipação”. Revista Terra Livre. Celso Amorim. VEIGA. Regina (org. Desenvolvimento econômico e evolução urbana. Forense. P. T. L. São Paulo: FFLCH/USP. M. Hélion. A produção cultural para crianças. LACOSTE. I. currículo e ensino. ZANINI. 1992. SALIM.Dissertação de mestrado. Y. Ilana Peliciari. A. Karl -: Capítulo Sexto (inédito0 do Capital) lisboa: Presença. FFLCH/USP. I. 3ª Difusão Européia do Livro. SAVIANI. Odair da Cruz (. SIMIELLI. Tem que ser baianao? . São Paulo: Paulinas/SPM. Editora Nacional. Multimeios aplicados à educação: uma leitura crítica. 1890 1920. “Os migrantes e a crise da sociedade do trabalho: humilhação secundária. 1996. Regina (org. In: Migrações: discriminações e alternativas. 1988. SP. 1997. São Paulo. 1986. currículo e didática = problemas da unidade conteúdo/método no processo pedagógico. SIMIELLI. Maria Catarina e SANTOS. R. M. LANGENBUCH. 1998. São Paulo: FTD. Campinas: Papirus. J. 1990. Campinas. Porto Alegre: Mercado Aberto. MARX.11-24. SP. Paul Israel. I. Bernard . Pierre . Campinas. Editora da Universidade Federal de Santa Maria SINGER. s/d PAIVA. 1977. Juergen R. Anais. Papirus Ed. A propósito do ensino da Geografia: em questão o nacionalismo patriótico. R. “Migraçãop: o fato e a controvérsia teórica” In: VIII encontro Nacional de Estudos Populacionais. 1969. 199-209. José Eli Da. Yves.). VESENTINI.) Migrações Internacionais: desafios para o século XXI. 2002. 1974. M. VÁRIOS AUTORES. SEYFERTH. 2005. R. KAYSER. TRUFFI. São Paulo. In: Anais do 5º Encontro Nacional de Geógrafos. Temas transversais em busca de uma nova escola. DG/FFLCH/USP. ROCHA. estampa. H “Migrações internas e mobilidade do trabalho no Brasil atual” In Experimental. (orgs) Mundos em Movimento: Ensaios sobre Migrações.AGB . E. São Paulo: Memorial do Imigrante. C.F. 212 p. H. e FRANCO. DG/FFLCH/USP. R. 1973.) O livro didático para o 2º grau: algumas observações críticas. Disciplina: FLG0115 . Das telas para a sala de aula: televisão e vídeo no ensino de história. Leitura em crise na escola. 2002. São Paulo: Hucitec. Porto Alegre. v. Ed. Raymond.Sociologia e Geografia. dissertação de mestrado: FE/USP. ZILBERMAN.Migrações e Trabalho GAUDEMAR. P. (org. Odair da Cruz (org. Escola Fundamental. Tese de doutorado. são Paulo. (Org. TRICARD.. Rio de Janeiro: Fundação IBGE. Caminhos Cruzados. J. Lisboa. VEIGA. A estruturação da Grande São Paulo. 1982. HEIDEMANN. Departamento de Geografia. Departamento de Geografia da FFLCH/USP. Tese de doutoramento. 1998. 2004 PÓVOA NETO. YUS. O mapa como meio de comunicação: implicações no ensino de geografia.W. Desenvolvimento sustentável o desafio do século XXI. Vânia R. E.1988. pp. A mobilidade do trabalho e acumulação do capital. Reflexões sobre a geografia. A. GEORGE. São Paulo. Rio de Janeiro. Pierre. VEIGA. A. Giralda. 1982. 1979. Ed. Imigração internacional em São Paulo: retorno e reemigração. São Paulo: Cia. Saber escolar. Dissertação de mestrado. PAIVA. São Paulo: AGB. São Paulo. tese de mestrado. ZILBERMAN. 3. Milton (org) – Novos rumos da Geografia brasileira. PÓVOA NETO. p. 2007. Vol. Vídeos “MIGRANTES”… José Roberto Novaes da UFRJ. 1982.Marco Zero.) Técnicas de ensino: por que não? 13. Porto Alegre. GUGLIELMO. 1987 . Dieter. Jean-Paul de. Miriam. 2ª edição. 2002. 1995. O mapa como meio de comunicação: implicações no ensino de Geografia do 1ograu. Rio de Janeiro: Garamond. H. pp 119-144 SANTOS. GEORGE. O ensino da Geografia em questão. CARDOSO. N. SILVA. nº 2. Autores Associados.

Regina C. Heliana A. LEINZ. Disciplina: GMG0630 . Mudar a cidade: uma introdução ao planejamento e à gestão urbanos. 1971. W. São Paulo: Hucitec-Anpur. musical e de artes plásticas. Série textos básicos em Geociências. São Paulo. I e II.Alfredo Ellis Júnior historiador. 1980. . B. . .Tese (Doutorado em Geografia Humana) . Vol.historiador e bibliófilo (Projeto Resgate).. (Coleção Descobrindo o Brasil). Projeto IEB-USP. pioneiro da geografia cultural no Brasil: cidade. 2000.LEFEBVRE. 1968. Rio de Janeiro: Paz e Terra.SOUZA. S. São Paulo: Hucitec. A urbanização brasileira. 1994. 1983.Elementos de Mineralogia e Petrologia DANA. Rio de Janeito: IBGE. São Paulo: Hucitec. 2002. SILVEIRA. Dissertação (Mestrado em Geografia Humana) Faculdade de Filosofia. São Paulo. de.Faculdade de Filosofia. A formação da memória territorial brasileira (1838-1860). Pedro. Vanderli. & AMARAL. A apropriação dos recursos hídricos e o abastecimento de água na Região Metropolitana de São Paulo. Rio de Janeiro: Record.. .Mário de Andrade . Pierre Monbeig.historiador.Batista. . & SOUZA CAMPOS. 1999\2003. Evolução urbana do Brasil (1500-1729). do. de. 2003. .).SOUZA.RATZEL. LEINZ. Ciências e Letras Humanas da Universidade de São Paulo. 1979.MORAES. I e II. Brail: territótio e sociedade no início do século XXI. Disciplina: IEB0242 . V. Acervos do IEB (material a ser selecionado em função do tema cidade-água) Alberto Lamego . As formas do espaço brasileiro. LEMOS. Tese (Doutorado em Geografia Humana) . _____.Faculdade de Filosofia. Dialética do concreto. 1976. GRAF. .A.MOREIRA. 1976. A estruturação da Grande São Paulo: estudo de geografia urbana. . A cidade de São Paulo. J. 2002. Marcelo L. 1997. Dissertação (Mestrado em Geografia Humana) . . São Paulo: Livraria Duas Cidades. Henri.Boletim de História Demográfica. diplomata e escritor. São Paulo: USP. Maria Elisa de C. Guia de Determinação de Minerais. Sociedade e espaço: a formação econômico-social como teoria e como método. (Orgs. São Paulo: Brasiliense. _____. João C. ensaísta e professor. S. 1994. São Paulo: Edusp . REVISTA DO INSTITUTO DE ESTUDOS BRASILEIROS. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. Espaço e cultura: São Paulo e a Semana de 22. Dilemas Urbanos: novas abordagenssobre a cidade. Presidente Prudente: UNESP. ficcionista. . n. O turista aprendiz: Mário de Andrade. . . sociólogo. Bases da formação territorial colonial brasileiro no "longo" Século XVI. C de. P. et al (Orgs. 1983._____.LANGEBUCH. Vários números. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Boletim Além Fronteiras. a sociedade e o Estado.médico. Milton. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. 1993. 2001. Livros Técnicos e Científicos Ed. E. David. . 2003. Caio._____.2. Edgard Blucher Ltda. A. V.CARLOS. R. .HARVEY.E. Milton. Dissertação (Mestrado em Geografia Humana) . . SALGUEIRO.USP. J.jornalista e escritor. 1971. Território e desenvolvimento: as ideologias na obra de Graciliano Ramos. G. 1997. . .Faculdade de Filosofia. Marta R. Maria A. Amália I. História econômica do Brasil.) Natureza e sociedade de hoje: uma leitura geográfica.BESSA.SANTOS. crítico literário. 1983 . . Rio de Janeiro: IBGE.Livraria Pioneira Editora. (Orgs.A Formação Sócio-espacial Urbana e a Apropriação das Águas no Brasil ARAÚJO. 1999. território e paisagem.CUSTÓDIO. A justiça social e a cidade. 1962. São Paulo: IEB . D. . São Paulo: Brasiliense. Ed. Manual de Mineralogia.KOSIC.SANTOS. Maria E. Karel. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. v.) Urabanização e cidades: perspectivas geográficas. 2002. . São Paulo. . In: Espaço e Sociedade (ensaios). A. Telê P. .poeta. Petrópolis: Vozes. 2001.José Guimarães Rosa . Ernami da Silva Bruno . Antônio C. Geologia Geral. . . São Paulo. Revista do Departamento de Geografoa.Caio Prado Júnior . O direito à cidade.Faculdade de Filosofia. São Paulo: IEB-USP. G.SPÓSITO.. O solo. A rede urbana brasileira. .REIS FILHO.Pierre .). Ana F. Maria Laura (Orgs. São Paulo: Hucitec. Juergen R.GEIGER. A persistência das inundações na Grande São Paulo. (O novo mapa do Mundo). São Paulo: Centauro. 2001. (Org. Nestor G. geógrafo e editor. ERNEST.PRADO JÚNIOR. São Paulo: contexto. Friedrich. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor. . Vagner de C. Minerais e Rochas.LOPEZ ANCONA.) Cidades brasileiras: políticas urbanas e dimensão cultural de cidades brasileiras e francesas (1840-1945).

A. J. Região e organização espacial. Fundação Calouse Gulbenkian. M.. n. P.. Clima e Agricultura: Exigências Climáticas das principais culturas do nosso clima. J. 515p. Questões sobre a natureza da Geografia.R. LANDSBERG. Univ. London. Edifurb. Roberto Lobato. 2002.A. 1977. in Espaço e debates. I (2). 2o edição. TARIFA. J. (1956) "The Climate of towns" in Man's role in changing the face of the earth. A. e HAGGET. A. CORRÊA.15-27. 272p. Rio de Janeiro. A água no sistema solo-planta-atmosfera. (1998) Arquitectura y clima.E. Ann.. MASSEY.L.C. T. Regionalismo: alguns problemas atuais. A. I (4). M.D. Elegia para uma re(li)gião. USP. São Paulo. V.Monbeig . (2001) Planejamento ambiental para a cidade sustentável. OLGWAY. São Paulo. R. Chigago: The University of Chicago Press.A. A.B. J. Academic Press. Modelos integrados em Geografia. Alterações Climáticas resultantes da ocupação agrícola no Brasil. Francisco de. Barcelona. HARTSHORNE. Cortez. . GEIGER.. R. Cortez. J. Disciplina: FLG0111 . Paz e Terra. In: Sant'Anna Neto. M. 1981 OLIVEIRA. 1969. IPGH. R. (Org. 478p. LIPIETZ. VÁRIOS AUTORES. Mudanças Climáticas e o Planejamento Agrícola. São Paulo. W.9. Le capital et son espace. C. Textos básicos. Livros Técnicos e Científicos /EDUSP. 1986. Paris. ANGELOCCI. Disciplina: FLG1284 .R.Climatologia Agrícola FEIO. . P. ProEditores. Florianópolis. Rio de Janeiro. A.S. IPGH. Agrometeorologia: Fundamentos e aplicações práticas. 1984. Guaíba: Agropecuária. Physical Climatology. 1977. Departamento de Geociências. (1966) Descriptive Micrometeorology. p.. Geografia ativa. 204p.geógrafo. Alain. São Paulo: Editora Agronômica Ceres.Raul de Andrade e Silva . VAREJÃO-SILVA. in Centralidade Regionalização. . Florianópolis. 1994. 2000. Variabilidade e Mudanças Climáticas: implicações ambientais e socioeconômicas. F.Yan de Almeida Prado historiador e bibliófilo. 2001. F. Pierre e outros. Maringá: EDUEM. 1981.Z. MUNN. Editorial Gustavo Gili S. in Espaço e debates. 266p. USP.8.) Geografia do Brasil. Ática. 1968. São Paulo. 1984. Rio de Janeiro. TARIFA. SELLERS. (Didática.R. São Paulo. AnnaBlume.o clima da camada de ar junto ao solo. 1981. São Paulo. Departamento de Geografia. 3). R. E. Departamento de Geociências. MONTEIRO. n. 128p. H. Richard.historiador e professor. MARKUSEN. PEREIRA. Bioclimatologia Vegetal. ROSS. n. L. M. GEORGE.E.C.. Revista do Departamento de Geografia. Difel. Meteorologia e Climatologia. 440p. KLAR. Maspero. A. Região e regionalismo.L.Teoria da Região e Regionalização CHORLEY. of Chicago Press. UFSC. SENTELHAS. Lisboa. Pescas e Alimentação. Disciplina: FLG0110 . ROMERO. SANTOS. São Paulo. (1990) "Adentrar a cidade para tomar-lhe a temperatura" in Geosul.9. Zavatini. R. UFSC. São Paulo.9. (2000) Princípios bioclimáticos para o desenho urbano.J. n. 296p. Editora Nobel. OMETTO. M. MONTEIRO. (2001) "O ritmo semanal das atividades humanas e o clima na Região Metropolitana da Grande São Paulo" in GEOSUP. 1991. FRANCO. FFLCH. J. São Paulo: EDUSP. 1986. 1974. (1960) Manual de Microclimatologia . Dorsen. 2000. (1990) "A cidade como processo derivador ambiental e estrutura geradora de um clima urbano" in Geosul. INMET: Brasília. R. C.Climatologia Urbana AZEVEDO. Lisboa: Ministério de Agricultura.

Le Roy . n. N. T. Paris. 1995. CONTI. C.W. A.F. Rio de Janeiro. In: CARLOS. Departamento de Geografia.F. São Paulo: Edusp. e ZAVATINI. Tese de Livre-docência.Mudanças Climáticas Globais e Implicações Atuais AB'SÁBER. CALDEIRA.. Faculdade de Filosofia.B. A. . org. São Paulo: Contexto. Espaço e Debates no 24. L. Revista do Instituto Geológico.A. 6. Toronto. orgs. Urbanização e mundialização. São Paulo: o mito da cidade-global.F. Cidade de muros.Variabilidade e mudanças climáticas. implicações ambientais e socio-econômicas. M. 2004. n. maio/ago 2009. R. J.. A.L. Heitor. (2002) Os climas das cidades brasileiras. FIX. _______. 1988.S. São Paulo: Edusp. . DANIEL. Toronto. .B. K. 16 (1/2): 31-31. 1992. São Paulo: Contexto.Os próximos cem anos.4.. Ediciones Akal S. 2004. WEINER. e NUNES. Uma reflexão crítica. 336 p. Climatic Impact Assessment (chap. . A.. FFLCH.L. 208 p. p.R. LAUDURIE. L. 2003.. AZEVEDO. A. p. "O clima do (no) campo. A. CARRERAS. Maringá. (2001) "Os climas da cidade de São Paulo: teoria e prática" in Coleção Novos Caminhos n.Desertificação em áreas tropicais. 29 p.18. Programa de Pós-Graduação em Geografia. Instituto Nacional de Meteorologia e Geofísica.P. TARIFA. J. Editora Campus. MARICATO. Presidente Prudente..Variações climáticas. Monografia de Meteorologia e Geofísica n 4. IEA/USP. F. FRUGULI JR. Editora da Universidade Estaduyal de Maringá. São Paulo.A. J. 2006. S. no 66. J. M. MACHADO. 344p. F. A geografia e a produção do espaço da metrópole. F. Gineva. FFLCH. São Paulo. (orgs). 1977. C. ARANTES.A. 1995. Madrid. (org. Geomorfologia 53. São Paulo. 26-39. Flammarion ed. John Wiley and Sons Ltda. CARLOS.A. Centralidade em São Paulo.SANT`ANNA NETO. DAMIANI.Climate variability and change. OMM n 6533. K.R. USP.U. Proposta de metodologia de estudo aplicada ao Nordeste brasileiro. São Paulo Cidade Global. (orgs). (1975) Climate in a Small Area: an introduction to local meteorology. USP. CARLOS. A. A. 2003. _______. Disciplina: FLG0114 ." In GEOUSP espaço e método. (1998) "La ciudad y el medio natural" in Serie Manuales. Trajetórias. 38-50. YOSHINO. (1999). 4). A metrópole de São Paulo no contexto da urbanização contemporânea. J. Tese (Doutorado). M. Desmanchando consensos. São Paulo: Contexto. UNESP. F. O lugar no/do mundo. Poder local no Brasil urbano. São Paulo: Contexto. . J.Histoire du climat depuis l'an mil.A questão da variabilidade climática. 19 p.F. Tokyo. T. A. Letras e Ciências Humanas da USP. HARE.. University of Tokyo Press. 1996. J.Geografia da Metrópole ASCHER. São Paulo: Contexto. segregação e cidadania em São Paulo. .OLIVEIRA. Serviço de Meteorologia. J. Dissertação (Mestrado). 2003. IGEOG-USP. 2005. J. 1988.. TARIFA. conflitos e negociações na metrópole. 2000. E. variación climática y desertificación. CARLOS. VAINER. DG. . Faculdade de Ciências e Tecnologia. Metapolis ou l’avenir des villes. 2000. TOJO. Revista de Estudos Avançados. p. 2000.Sequia. A. M. .) . Geografias de São Paulo 2. 1995. Estudos sobre a metrópole. Crime. 259 p. Rio de Janeiro: Vozes. Disciplina: FLG0118 . 1957. H. Geografias de São Paulo 1. SANT'ANNA Neto. 1985: 4-35. Paris:Odile Jacob.Problemática da desertificação e da savanização no Brasil intertropical. Geografias das metrópoles. C. O.. LOMBARDO. 97p. M. FFLCH-USP. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP. São Paulo. Lisboa. A metrópole do século XXI. A. FERREIRA. Representação e crise da metrópole. A cidade do pensamento único. C.303-316.1985: 37-68 HARE.

A cidade-região. 2004. 1996. D. Tese (Livre-Docência). a partir das transformações do Bairro do Limão. SOJA.C. A cidade de São Paulo: estudos de geografia urbana. SASSEN. A condição pós-moderna. 2003.Desigualdades e governabilidade.181206. Rio de Janeiro: DPA. S. Dos processos de gentrificação às políticas de revitalização dos centros urbanos. SÃO PAULO (Cidade). 1994. C.F. (coord). Subúrbio.A. no 41. 2001. Revista Geousp. 2004. O. 2008. N. LEFEBVRE. Belo Horizonte: Editora UFMG. A. Tradução Sergio Martins. e outros. LEMOS.) Metrópoles em mutação. Campinas: Papirus. VILLAÇA. Regionalismo e reestruturação no Grande ABC paulista. Flavio. 2002. SOUZA.G. Rio de Janeiro: Revan. SILVA. ZUKIN.C. M. São Paulo: Annablume. Loyola. P. Rio de Janeiro: Casa da Palavra. LENCIONE.) O espaço da diferença. H. 1954. E. Iphan. In: ARANTES. 1996. São Paulo: Hucitec/Unesp. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. (org). 2001.15-31. Faculdade de Filosofia. SEABRA. 205-219. São Paulo: Ática. LEFEBVRE. Metrópole corporativa e fragmentada: o caso de São Paulo. A urbanização brasileira. no 21. In: BIDOU-ZACHARIASEN. A gentrificação generalizada: de uma anomalia local à regeneração urbana como estratégia urbana local.L. Espaço intra urbano no Brasil. A condição urbana. vol. 2000.. S. SANTOS. 2007. São Paulo no século XIX. SANTOS. 2006. São Paulo: Studio Nobel. São Paulo: Contexto. Por uma economia política da cidade. São Paulo antigo: plantas da cidade. (org. O. 1971. 1. A. pp.II. Do gerenciamento ao empresariamento: a transformação da administração urbana no capitalismo tardio. Comissão do IV Centenário. Paisagens do século XXI: notas sobre a mudança social e o espaço urbano. p. 1998. Milton. (org. Territórios do uso: cotidiano e modo de vida. Trad. Espelho das cidades. Revista do Patrimônio.C. RIBEIRO.C. O futuro das metrópoles. Odilon Nogueira. O direito à cidade. 1988. A cidade global. p. São Paulo: Ed. S.49-95. São Paulo. 2006 HARVEY. A identidade da metrópole.A. p.S. SMITH. 2005. M. 1992. LANGENBUCH. São Paulo: Studio Nobel/Fapesp. SMITH. L. H. .C. Uma nova determinação do urbano: o desenvolvimento do processo de metropolização do espaço. A. LEFEBVRE. São Paulo. Ensaios sobre a geopolítica da cidade. 1994. M. São Paulo: Hucitec/Educ. 2003.11-25. A revolução urbana. Documentos. p. no 2. 59-87. Vol. J. São Paulo: Melhoramentos. N.. J. Espaço e Debates. SANTOS. 1958. São Paulo: Hucitec. ZUKIN. São Paulo: Nacional. Paisagens urbanas pós-modernas: mapeando cultura e poder.GOMES. MATOS. São Paulo: Ed. SEABRA. KLINK. Gentrificação. C. JEUDY. D.P. Aroldo. A verticalização em São Paulo.p. Alcides João de Barros. 2000. (org). Revista Cidades. p. 1991. no 24. Dilemas urbanos.CAMPOS. In: CARLOS. a fronteira e a reestruturação do espaço urbano.I. São Paulo: Studio Nobel. 2001. J. Rio de Janeiro: FIBGE. De volta à cidade. A vida cotidiana no mundo moderno. H. 48-64.Q. H. MARTINS. A. Rio de Janeiro: Revan/Faperj. Espaço e Debates no 39. Estudo de geografia urbana. Letras e Ciências Humanas da USP. Urbanização e fragmentação. (orgs). 1996. Cidades-região globais. Cotidiano e vida de bairro na metamorfose da cidade em metrópole. A estruturação da Grande São Paulo. A. 1969. São Paulo: Hucitec. HARVEY. S. In: AZEVEDO. R.

MARX. A assim chamada acumulação primitiva. KURZ. Celso. Certa Herança Marxista. 97-111. CRUZ. México: Siglo XXI. Espaço e Tempo. 1997. Geografia do Consumo.000 LEFEBVRE. O Capital. Capítulo 3. MARX. 1991. Revista de Pós Graduação em Geografia. Paz e Terra. V. O Colapso da Modernização. Vol. Ana Montoia. Disciplina: FLG0435 . KAISER.Trabalho de Campo Em Geografia I ASSOCIAÇÃO DOS GEÓGRAFOS BRASILEIROS. 1985. (pp. (166180). SEABRA. Milton (org. Teoria e Método. p. 46-53) HARVEY. 1993. Os caminhos da pesquisa de campo em geografia. pp. Henri. capítulo XXIV. Valor e Capital. São Paulo: Ática. Metamorfoses do Trabalho. Karl. São Paulo: Nova Cultural. Novos Rumos da Geografia Brasileira. Boletim Paulista de Geografia. “Crise Econômico-Social no Brasil e o Limite do Espaço”. Edward. Conhecimento. Pierre. David. Yves. O Brasil Pós -“Milagre”: Rio de Janeiro. 93-104. André. Henri. Bibliografia complementar FAUSTO. 2007 GORZ. 1993. Rio de Janeiro. Bernard. Seleção de Textos no 11. Robert. São Paulo: Nova Cultural. Tomo I. Espacio y politica. São Paulo. São Paulo: Alfa Ômega. A Vida Cotidiana no Mundo Moderno. O geógrafo e a pesquisa de campo. Rio de Janeiro: Difel. Pierre. Paz e Terra. GIANNOTTI. São Paulo: Hucitec. no 1.). Vladimir Ilich. São Paulo. no 84. Formações econômicas pré-capitalistas. A Produção Capitalista como Circulação Simples: São Paulo. São Paulo: Editora Moraes. Barcelona.251-284). O Processo de Produção do Capital. 1988. SOJA. GIANNOTTI. II. Zahar. 1983. São Paulo: Brasiliense. 1999. LACOSTE. André. 2005. Capítulo VI Inédito de O capital. David. In: SANTOS. (pp. II. Fondo de Cultura Económica. O Processo de Produção do Capital. Paz e Terra. 1997. La production de l’Espace. Karl. LEFEBVRE. Trad. Rita de Cássia Ariza da. 2006. A reafirmação do Espaço na Teoria Social Crítica. Geografia Econômica. Paris: Anthropos. Vol.AGB. São Paulo. Da derrocada do socialismo de caserna à crise da economia mundial. 1986. GEORGE. Volume I. In: Filosofia miúda e demais aventuras. 1975. Livro I. Elementos Fundamentales para la Critica de la Economia Politica (Grundrisse) 1857~1858. Resultados do processo de produção imediata. Trad. Henri. MARX. . São Paulo: Annablume.Geografia Economica II FURTADO. Dialética Marxista. Difel.Disciplina: FLG0263 . 2000 HARVEY. 2. Crítica da Razão Econômica. MARX. Ruy. 1977. 1985. Los limites del capitalismo y la teoría marxista: México. Livro Primeiro. São Paulo. vol. 1983. Karl. 1. GORZ. São Paulo: Annablume. Yves. São Paulo: Annablume. A pesquisa e o trabalho de campo: um problema político para os pesquisadores. Rio de Janeiro: Difel. A produção capitalista do espaço. Karl. 1985. O Imaterial. 1976 . MARX. José Arthur. 1982. Notas sobre a categoria de “modo de produção” para uso e abuso dos sociólogos. 93-97. São Paulo. Manoel Fernando Gonçalves. Geografias Pós-Modernas. Karl. LACOSTE. Imperialismo Fase Superior do Capitalismo (Ensaio Popular). In: O Capital. Geousp. Crítica da Economia Política. Introdução de Erick Hobsbawn: Rio de Janeiro. Paz e terra. In: Obras Escolhidas. 1971. São Paulo. s/d. GEORGE. São Paulo: AGB/SP. Celso Azzan Jr. José Arthur. Dialética Hegeliana. a Dialética Sócio Espacial. Brasiliense. Tomo I. Geografia do Subdesenvolvimento: São Paulo. Companhia das Letras. 1982. Península. p. LENIN. LEFEBVRE.

TRUZZI. Comissão do IV Centenário. J. Map use: reading. São Paulo: Oficina de Textos. --------. Paris. México. FRUGOLI JR.. e WILKINSON. LANGENBUCH. A cidade de São Paulo: estudos de geografia urbana. Boletim 208. J. Trabalho de campo em Geografia: uma abordagem teórico-metodológica. Flávia Elaine da. Elementos fundamentales para la crítica de la Economía Política (Grundrisse) 1857-58.p. Senac. (org). BRUNA. Revista de Pós Graduação em Geografia. Rio de Janeiro. Trajetórias. 1956. Rio de Janeiro. Trabalho de campo em Geografia: reflexões sobre uma experiência de pesquisa participante.Populações ativas. 3a ed. no 84. A economia da dependência imperfeita. Leçons de Cartographie Thématique. SERPA.C. 1978. EPI. p.B. Mapas y diagramas. 2001. C. conflitos e negociações na metrópole. Disciplina: FLG0561 . In: SETUBAL. 2001. 1. Eyrolles. São Paulo: Nacional. São Paulo: Melhoramentos. Madison. Odilon Nogueira. 1975. MUEHRCHKE. São Paulo. L. S.Sémiologie graphique. RIMBERT. no 15. 4a ed. Ateliê. P. Ciências e Letras da Universidade de São Paulo. 2009. no 84. La graphique et le traitement graphique de l'information.Geografia da Populacao BEAUJEU-GARNIER. AZEVEDO. MARCO. Pierre. MARX.. H. Paris. Boletim Paulista de Geografia. 1979.estudantes e cidadãos. LEVINO. 2008. SALE. no 84. Phillip C. Geousp. Espaço e Tempo. 2006. SILVA. 1971. São Paulo. Técnicas de Campo e de Laboratório. R. 07-24. São Paulo no século XIX. -------------.. 1983. 139-149. Sylvie. Geografia 11. 2007. p. 1958. BONIN. 1983. Um século de Luz. Rio de Janeiro: FIBGE. Karl. Graal. 1977. 1977. São Paulo. R. Vol. São Paulo.II. Trajetórias Contemporâneas. Heitor. Geografia da População.. J. 2000. R. New York.49-95 SÃO PAULO (Cidade). Boletim Paulista de Geografia. Oikos-Tau. São Paulo: Editora Perspectiva. Siglo Veintiuno. A. CESAR. . Geografia da População. D. Península. 1971. Paris. MONKHOUSE. Flamarion. Paris. Nacional/EDUSP. R. Barcelona. Francisco de. Barcelona.Sociologia y Geografia. Estudos Históricos. Ensaio de geografia urbana retrospectiva. 1973. J. Mouton. Aproximar sem reduzir: as derivas e a pesquisa de campo em geografia urbana. In: AZEVEDO. São Paulo. Aroldo. Geocartografia. OLIVEIRA. AB’SABER. Paris.. Valéria de. Vilas e cidades do Brasil colonial. Heitor. São Paulo. 1966. SEDES. São Paulo: Ed. São Paulo: Imprensa Oficial/Cenpec. André. F. Barcelona. 1954. Boletim Paulista de Geografia. FRANCO. Cartographie générale. Praticando a Geografia.Cartografia Tematica da Geografia BERTIN. São Paulo: Ed. Estudo de geografia urbana. p. J. Initiation à la graphique. 1982.. VÁRIOS AUTORES. LIBAULT. 1977. Geomorfologia do sítio urbano de São Paulo. Disciplina: FLG0542 . São Paulo antigo: plantas da cidade. 1974. Ângelo. VENTURI. CUENIN. Bairros paulistanos de A a Z. F. e MORRISON. La Cartografia. São Paulo. N. Nexos simbólicos entre capital e interior paulista:reinterpretações recentes da cultura caipira. GEORGE. São Paulo. 2004. São Paulo: Edusp. Aziz Nacib . Centralidade em São Paulo. Difel. H. São Paulo: Scipione. 2006. Faculdade de Filosofia. Área da Luz renovação urbana em São Paulo. Difel. Ariel.A.. 1968. Elements of Cartography. Aroldo. Nacional/EDUSP. Etnias em convívio: o bairro do Bom Retiro em São Paulo. 07-24. MATOS. 2006. 1971. 105-136. no 28. ROBINSON. P. Luis A. John Wiley. -------------. J. R. 2001. L. A estruturação da Grande São Paulo. 1972. R. 1977. p. JOLY. Terra Paulista. FRUGULI JR. Oswaldo. M. JP. analysis and interpretation.

São Paulo. Masson.A cidade e o urbano no Brasil: Teoria e Método Carlos. J. 2003. UNESP.Economia Política do trabalho. E. A. BARBOSA. Rio de Janeiro. 1980. Campinas. New York.. Sistema de informação geográfica: uma solução para microcomputadores de oito bits. E. An introduction to quantitative analysis in Human Geography. Rio de Janeiro. Mello e Silva. TROPPMAIR. L. G.novas abordagens sobre a cidade. Contexto. 43. Geomorfologia no contexto social. McGraw-Hill. YEATES. Rio Claro. Borzachiello da Silva e alli. M. H. Paisagem e Geografia Física global. GERARDI. (13). AGETEO. 1997. Anais do terceiro SIMPURB. in Geografia e Planejamento. 10 (20). 1977. ---------. Ana Fani. M. IGEOG/USP. M. ---------. et alii. ----------. e MNIOH. Análise de sistemas de informação por computador. 1981. Campinas. in Principes et Méthodes de la Géomorphologie. Cartas Geomorfológicas. PENTEADO ORELHANA. MEB. CEBRAP. Rio de Janeiro. 1970. IGEOG/USP. São Paulo. in Notícia Geomorfológica. BERTRAND. L. Aziz Nacib. H. 1963. in Interfacies. EDUSP. G. São Paulo.S – Novos estudos de geografia urbana brasileira Editora da Universidade Federal da Bahia. 1994 Carlos. in Visitas de Mestres Franceses. CNG/IBGE. 1969. São Paulo. Difel. 1969. M. HUCITEC. Rio de Janeiro. Gerência de bases de dados para microcomputadores. São Paulo. S. F e Lemos. Os caminhos da reflexão da cidade e do urbano no Brasil. C. Estudo comparativo de mapeamentos Geomorfológicos. no site do IBGE Vasconcelos. Rio de Janeiro. 1991 IBGE.P. M.1999. in Notícia Geomorfológica. Fortaleza. 1970. A cidade e o urbano. L Dilemas Urbanos. 1977. . Introdução à Geografia da População. Disciplina: FLG0571 . in Caderno de Ciências da Terra. Quantificação em Geografia. J. Presidente Prudente. volume 21 n. Mapas Geomorfológicos elaborados a partir do sensor radar. Salvador. ZELINSKY. 1965. Sposito.Microinformatica Instrumental Em Geografia BROONNER.Estagio Supervisionado Em Geomorfologia AB'SABER. H. 1971. M. W. TRICART.SINGER. Boletim de geografia teorética número especial. (mimeo) WETHERBE. São Paulo. 1987. Jean. Disciplina: FLG0590 . in Geomorfologia. Paul. 1987. Campos.Ecodinâmica. La Cartographie géomorphologique détaillée. Edições EDC. Disciplina: FLG0116 . 1974. e MOREIRA. A. 2001. Paris. IBGE. 9 (17). (18). 1988. V. 1969. TEIXEIRA. perspectivas geográficas. FRANCO. (76). G. ---------.Paisagem e Ecologia. Campos. 1981. A. (34). Zahar. 17 (33). São Paulo. A. Um conceito de Geomorfologia a serviço das pesquisas sobre o quaternário. in Notícia Geomorfológica. urbanização e Cidades. Segundo SIMPURB.Tendências atuais da Geomorfologia. Dinâmica populacional e desenvolvimento. Campinas. São Paulo. IGEOG/USP. TROPPMAIR.

São Paulo. e GARCIA. São Paulo. 1982.Disciplina: FLG0264 . São Paulo. RODRIGUES. in Revista Brasileira de Geografia. Olga. Nacional. Setembrino. Lisboa. HUCITEC. 1965. INEP-MEC. Léo. Hucitec. Petrópolis. -------------------------------.Geografia Agraria II GOODMAN. MARCHETTI. Estudo para a geografia das indústrias no Brasil de Sudeste. Difel. 1975. 1961. Contexto. 1957. Geografia Agrária do Brasil. 2a.. CASTELLS. SORJ. SINGER. 1978. Vozes. São Paulo. Paris. Modo capitalista de produção e agricultura. 1975. E. Principes de Géographie Sociale. Ática. Paul. V. IBGE. A luta pela industrialização no Brasil. Petrópolis. São Paulo.Geografia das Lutas no Campo. 1985. Vozes. Zahar. T. VALVERDE. Hucitec. ----------------------. 1981. B. Paul S. Rio de Janeiro. 1963. in Aerofotogeografia. Nobel. 1976.Caminhada no Chão da Noite. 1979. MARTINS. (mimeo) Disciplina: FLG0566 . Riviere. SINGER. São Paulo. D. -------------. M. Rio de Janeiro. LUZ. in Economia e Política. São Paulo. Princípios de fotogrametria e fotointerpretação. Tonino. Orlando. Madrid. 1973. São Paulo. 25 (2). M. 1990. Sociologia del espacio industrial. Paz e Terra. Barcelona. Mth. São Paulo. Paul. Agroindústria. III. GEORGE. A ação do homem. Difel. -------------. Divisão internacional do trabalho e empresas multinacionais. J.O Cativeiro da Terra. Espaço e Ciências Humanas. Gilberto José. CRUZ. Paris. 1982. (25). Pierre. São Paulo. La revolución industrial. OLIVEIRA. 1977. CEBRAP. Rencontres de la Géographie et de la Sociologie. GARCIA. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. SORRE. São Paulo. 1968. Contexto. Nobel. México. Génin. Espaço e Sociedade. 19 ----------------------. Carl H. 19 . Loyola. SANTOS. Rio de Janeiro. IBGE Grupo de Geografia das Indústrias. 1969.Geografia Social BETTANINI. -------------------------------. WAIBEL. Capítulos de Geografia Tropical e do Brasil. Zahar. Introdução ao estudo geográfico da população do mundo. Produção do espaço e expansão industrial. Mauro e PETRI. Forense. 1969. (4). IBGE. José de Souza. -------------. Rio de Janeiro. 1981. 1991. Omega. 1988. 1963. GEORGE. (s/d). N. Gilberto José. Alguns conhecimentos básicos para a fotointerpretação. in Panorama da Geografia. out-dez. Sensoriamento Remoto: princípios e interpretação de imagens. Cosmos. São Paulo. Fondo de Cultura Economica. 1986. Rio de Janeiro. Milton. Camponeses e Política no Brasil. M. Pierre.Geografia industrial do mundo. 1959. M. São Paulo. Rio de Janeiro. 1988. A evolução do capitalismo. Bandeira. (Coleção Saber Atual) GORZ. Manual de fotografia aérea. e WILKINSON. IGEOG/USP. Fundamentos para fotointerpretação. -----------------. 1983.Agricultura Camponesa no Brasil. 1982. São Paulo. São Paulo. São Paulo.Sociologia e Geografia. Economia política do trabalho. Ariovaldo Umbelino de. Delmar A. 1976.Novos Estudos de Geografia Agrária do Brasil. Estratégia operária e neocapitalismo. São Paulo.Populações ativas. Syuso. Disciplina: FLG0562 . edição. CLAVAL. 1979. Difel. Difel. 1955. S. Disciplina: FLG0540 – Aerofotogeografia ANDERSON. políticas públicas e estruturas sociais rurais: análises recentes sobre a agricultura brasileira. V. DOBB. STRANDBERG. RICCI. Ciências Humanas. Paul. Sociedade Brasileira de Cartografia. Max. Princípios de aerofotogrametria e interpretação geológica. São Paulo.Geografia das Industrias ASHTON. A. L.

e ZENHA. 5. ARROYO. J. Disciplina: FLG0576 .America Latina ARROYO. A .) O século XX: o tempo das dúvidas. São Paulo. pp.Geografia Regional II . A. FERREIRA. Globalização e território na América Latina. J.H.Geografia Regional IV . 2000 (dissertação de mestrado) http\\ www. 1973. C.: Economía y Geografía del Desarrollo en América Latina. São Paulo: IEA. Longman. pp. P. México. São Paulo. GRINBERG. SILVEIRA. Rio de Janeiro. 47-78. O Oriente Médio e o mundo árabe. " Descolonização e lutas de libertação nacional" in REIS FILHO.monde-diplomatique. GATTAZ. Noam. 2002. BURROUGH. e VIGEVANI (ORG). " O mundo árabe e as guerras árabe-israelenses" in REIS FILHO. História Econômica do Brasil. 3 ed.. G. São Paulo: Companhia das Letras.pdf DEMANTT. São Paulo: UNESP. A. SORJ. Rio de Janeiro\. F e IZQUIERDO. São Paulo. 1986. M. Albert. São Paulo. 1940. São Paulo: FFLCH.Introducao ao Sistema Geografico de Informacao ASPRS .1996. Geografia Histórica do Brasil. Fondo de Cultura Económica. SILVEIRA. Continente em chamas.. Jorge Zahar editor. LINHARES.L. 2001.scielo. R.br/pdf/ea/v16n44/v16n44a02. Claredon. M. ____________________. HOURANI. Celeste (org. A. Fondo de Cultura Económico. 2005.3. GARCIA. v.J. Bernad.. Peter.C. v. 2002.ASPRS.L. Brasiliense.. 1985. ZEA. M. 1984. "O fracasso das negociações de paz Israel-Palestina" in DUPAS. Edward W. e ZENHA.N. Edilson Adão C. MORAES. FONT. Rio de Janeiro. USP. São Paulo. 5-33. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. FURTADO. Formação econômica da América Latina. Annablume. 1985. pp. 1986. SAID. FERREIRA. Principles of Remote Sensing . 1970. Formação territorial do Oriente Médio: a gênese das fronteiras (18781945). " A nova guerra contra o terror" in Estudos Avançados. América Latina: cidade.A Guerra da Palestina: da criação do Estado de Israel à nova Infitada. Fuentes de la cultura Latinoamericana. C.Geographic information Systems for Resource Management: A Compendium . Disciplina: FLG0578 .York. Uma história dos povos árabes. São Paulo: Companhia das Letras.97-131. CARDOSO. 2000. M. LEWIS. P. 2009. Maria Yeda. A. SCARLATO. São Paulo: Brasiliense. DORATIOTO.. L. Civilização Brasileira. Israel-Palesina: a construção da paz vista de uma pespectiva global.: Economia e Movimentos Sociais na América Latina. São Paulo: DG/USP. 2001.Disciplina: FLG0572 . F. M. Francisco C. Orientalismo: o oriente como invenção do Ocidente. Celeste (org. Daniel A . 2000. MONBEIG.pp. CURRAN. Principles of Geographical Information Systems for Land Resources Assessment Oxford. São Paulo.fr . 1987. USP. Espaços nacionais na América Latina: da utopia bolivariana à fragmentação.Oriente Medio CHOMSKY. GERAIGES LEMOS. O Oriente Médio. 1995.) O século XX: o tempo das dúvidas. F. GERAIGES LEMOS. disponível em http://www. SILVA. Rio de Janeiro. 35-64. B. Brasiliense. Brasiliense.3. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. Daniel A . campo e turismo. PRADO JR. SILVEIRA. 1994. 2002.L. Ensaios de Geografia humana brasileira. "O Líbano e o Oriente Médio" in Revista Orientação. Livraria Martins. CORDERO.R.A. Questões territoriais na América Latina. Keila. São Paulo: Usina do Livro. México. P. 1992. 44. 2006. M. 2006.

ALVES. números 1 e 2. Alguns conhecimentos básicos para a fotointerpretação. M. Princípios de aerofotogrametria e interpretação geológica. São Paulo: IG. G. Multimeios aplicados à educação: uma leitura crítica. ANDERSON. Y. N. CRUZ.Dissertação de mestrado. Pesquisa e trabalho de campo in Seleção de textos 11.Parâmetros Curriculares Nacionais. Mapas para e por crianças: possíveis contribuições dos cartógrafos. Minneapolis. L. 1990. Olga. Rio de Janeiro. 1997. e FRANCO. SANTOS. A . 2002. São Paulo. Rio Claro: LEMADI-DG-USP/ LEG-UNESP. Tese de doutorado. DG/FFLCH/USP. R. ano VII. 2001. A geografia em sala de aula. 1978. Y. H. (coord). São Paulo. R. 1995. M. Madri. O geógrafo e a pesquisa de campo in Seleção de textos 11. São Paulo: Contexto.Estágio Supervisionado de Ensino de Geografia e Material Didático AB’SABER. J e VASCONCELLOS. . JEN. Papel e valor do ensino de Geografia e de sua pesquisa. 1977. A cartografia temática no ensino de Geografia: a relevância da realidade relevo. Interpretation of serial photographs. MARCHETTI. TRICARD. SILVA. P. Tv e vídeo: uma possibilidade de discussão de região in BOLETIM PAULISTA DE GEOGRAFIA. Delmar A. J. São Paulo: Associação dos Geógrafos Brasileiros. GARCIA. Nobel. in Aerofotogeografia. Sensoriamento Remoto: princípios e interpretação de imagens. 1971. Sociedade Brasileira de Cartografia.Estagio Supervisionado Em Sensoriamento Remoto ANDERSON. Brasília: MEC. KAYSER. 31. São Paulo: AGB. CARLOS. SIMIELLI. 1973. São Paulo. São Paulo: AGB. 1985. R. L.A . Manual de foto-geologia. L. Gilberto José. J. E. Disciplina: FLG0702 . São Paulo. Setembrino. Nobel. DG/FFLCH/USP. Mauro e PETRI. 1996. 1978. Das telas para a sala de aula: televisão e vídeo no ensino de história. (especial sobre ensino). Boletim Carioca de Geografia. T. The surveillant science: Remote Sensing of the environment. 1982 HOLZ. LACOSTE. e outros.Disciplina: FLG0592 . R. T. 2003. Fundamentos para fotointerpretação. A . Anais I Colóquio Cartografia para crianças. A. 2002. 1965.Geografia. A . Paul S. IGEOG/USP. 1982. Rio de Janeiro. AVERY. RICCI. e GARCIA. (org). Burgess. Nacional. E. dissertação de mestrado: FE/USP. Princípios de fotogrametria e fotointerpretaçåo. Boston. 1981. MONBEIG. São Paulo: AGB. Bandeira. (25). Reflexões sobre a geografia.F. G. 79. Educação e mio urbano in Geografia e palnejamento. K. O mapa como meio de comunicação: implicações no ensino de Geografia do 1ograu. 1985. TRUFFI. São Paulo: FTD. B. Houghton Mifflio. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO. VERGARA. C. C.

1983. (Collection Géographie) MATHIESON. .-1969. PUF.Curso de Sensoriamento Remoto Aplicado ao Zoneamento Ecológico-Econômico.IGEOG-USP -São Paulo. Gaultier-Villars et ORSTOM. Kenetiro. Salvat. & Ab'Saber A . J. AB'SABER. A . E.São José dos Campos SP. MUSCARÀ. Jean-Pierre. Masson. PARDÉ.(org)-Previsão de Impactos-Experiências no Brasil. São Paulo. LOBO. 1963. FREITAS. UFPR. 1983. 1975. Os modelos hidrológicos e a Geografia. Le tourisme et son rôle dans l'organisation de l'espace. e MATTOS. 4a ed. SEDES.PNMA. Tourism economic. Bologna. 1976. . LOZATO. BRASIL.Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais-1996. Maurice. Rússsia e Alemanha. C. Edgard Blücher/EDUSP. London. Masson. N. André. 1988. O problema das enchentes do vale do Tamanduateí e a renovação urbana da área central da cidade de São Paulo. ROCHE. Armand Colin. 1980. Strasbourg. João José e SUGUIO. Por una geografia del turismo de litoral. Gli spazi del turismo. SATCHELL. e WALL. 1980. Swami M. Paris. 1963. Jean-Luc. Fernando. SANCHEZ. in Les activités tertiaires. Milano. Hydrologie de surface. in Muller-Plantenberg.Geomorfologia Aplicada ao Planejamento e Gestão Ambiental AB'SABER. Fleuves et rivières. Etienne. MICHAUD. Brian John e TUREKIAN. Ambiente fluvial. (3). GUILCHER. 1976. M. Précis d'hydrologie marine et continentale. Ramón.Disciplina: FLG1550 – Hidrografia BIGARELLA.PCBAP-Plano de Conservação da Bacia do Alto Paraguai-Análise Integrada e Prognóstico da Bacia do Alto Paraguai-. Longman. in Estudios Territoriales. Os oceanos. L'aménagement touristique. Paris.MMA. GUIDICINI. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro/São Paulo. (220). 1968/1971. O homem e o oceano. A . MPONS. Géographie du tourisme. Antonio. Madrid. VILLELA. Omega. (17) : 103122. Disciplina: FLG1564 . in Boletim Geográfico. 1982. Limnologia. Paris. Rosemary. 1985. Il turismo in una societá che cambia. 1985. Curitiba. Paris. e outros. DALMASSO. A.São Paulo. SKINNER. MCT-INPE. Paris. J. in Projeto Pantanal.Geografia do Turismo CAZES.Paisagem e Geografia Física Global-in Biogeografia-13 IGEOG-USP. in Modelos físicos e de informação em Geografia. Guarulhos. BERTRAND. 1979. physical and social impacts. Paris. e SAVELLI. PUF. Livros Técnicos e Científicos/EDUSP. Madrid. MORE. CHRISTOFOLETTI. MMA-1997. 1882 Coleção Que sais-je?.N. Calogero. C.IEA-EDUSP.Brasilia-DF. 197l. Análise morfométrica das bacias hidrográfica. 1977. A.Um Conceito de Geomorfologia a Serviço das Pesquisas sobre o Quaternário. Les effects de la récreation sur l'écologie des paysages naturals. São Paulo.1994. MARGALET. Karl K.Bases Conceptuais e Papel do Conhecimento na Previsão de Impactos. Barcelona. Hidrologia aplicada. de. A. G. McGraw-Hill. BRASIL. (Collection Sauvegarde de la nature) Disciplina: FLG0112 . 1983. São Paulo. Council of Europe. Pàtron. G. P. Universidade de Guarulhos. N. São Paulo. Paris. Juan-Eugeni. 1965. G. In Geomorfologia 18. ORGANIZACION MUNDIAL DEL TURISMO. IBGE. OMT. 1986. 1983. Le tourisme face à l'environnement. 1975. Workshop sobre aspectos del medio ambiente relacionados con el turismo.

J. C. -1989..1971. Ed. Rio de Janeiro-RJ. 1965. -1995. ROSS.1979.The Land Unit. A. Shukla J.São Paulo-SP MONTEIRO.S.J. Estudos Climáticos e de Previsão para o Ceará e Nordeste do Brasil. C. Métodos em Questão1.Geomorfologia e Geografia Aplicadas à Gestão Territorial:Teoria e Metodologia para o Planejamento Ambiental. Balancing the global heat budget. ROSS. ParisTRICART. GERASIMOV. 476p. Tese de Livre Docência Apresentada à FFLCH-USP.S. -1974.São Paulo-SP. São Paulo SP. ROSS.Editora Bertrand. 2001. 1980.-1974. in Biogeografia 17. ROSA.Ecossistema e Paisagem. D. J.O Registro Cartográfico dos Fatos Geomórficos e a Questão da Taxonômia do Relevo.São Paulo SP ROSS. London.Enschede-Netherland. 1982.S. M.C.Cunha.Academie Publishing Hague.13. 1995 . J.S. E. & DEL PRETTE.Ecogeography and rural managment.org.Problemas Metodologicos de la Ecologizacion de la Ciência Contemporânea. Influence of land surface parameterization on the Earth's climate.in Geomorfologia e Meio Ambiente.1994.Massaud & Cie.Geografia FFLCH-USP. Tempo de Chuva. . J. in Editora Contexto. J.do Depto. & ROSS. F. 1982. in ITC-Journal. 6 . no.Analise Empirica da Fragilidade dos Ambientes Naturais e Antropizados. in Geomorfologia do Brasil.S.IGEOG-USP .S.Ecodinâmica.1990.A . p. in Métodos em Questão. 1992.1998. 1994. COOKE. L.Moscou-URSS. A Climate Modelling Primer. ZONNEVELD.Aplicação de SIG na Geração de Carta de Fragilidade.U. Gribbin Ed. and its applications. TRICART.9.L.Geomorfologia.A Natureza da Geografia Física. J. B.S. & DOORNNKAMP. Ed. 1498-1501. -1978. por Renata Dmwoska e J. no.L. Global physical Climatology. J.L.DELPOUX.Os Quatro Níveis da Pesquisa Geográfica. J. in ITC-Textbook of photointerpretation .L. J.J. Xavier. KLINK. in La Sociedad y el Medio Natural. 85-113. -1992.Cunha-Editora Bertrand . M. 1987. in Revista do Depto.Geografia-FFLCH-USP.Geografia FFLCH-USP no. 215. Cambrige University Press. Hartman.Esses..1977. São Paulo SP. -1999. UKLongmam Scientific & Techinical-Paris.Geomorfologia Ambiental.Geografia FFLCH-USP no.S.Editorial Progresso. ZONNEVELD. Academic Press. ROSS. Holton.R. M. .Rio de Janeiro.SP.1996. J.L. R.Geografia.8. K. 1978.Recursos Hídricos e as Bacias Hidrográficas: Âncoras do Planejamento e da Gestão Ambiental. .São Paulo. in Revista do Depto. in Revista do Depto. IGEOG-USP. São Paulo. 465p. J. & KIEWETDEJONGE. M.Análises e Sínteses na Abordagem Geográfica do Planejamento Ambiental.L. KLIMAZEWSKI. in Editora Contexto. M.L.A Fundamental Concept in Landscape Ecology.L.Detailed Geomorphological Maps. H.Introdução à Modelagem Climática Budyko M.2 SBP..São Paulo . Wilks.S. . in Landscape Ecology col 3 n. McGuffe. Antonio Jose Teixeira Guerra & Sandra B. J. Y. Statistical Methods in the Atmospheric Sciences: An Introduction ..1992.Geomorfologia Aplicada aos Estudos de Impactos Ambientais. Climatic Change.IBGE-Supren-Rio de Janeiro-RJ. ROSS. in Ver.FFLCH-USP.L.2000. . GREGORY.Editora Bertrand.Geomorphology in Environmental Managenent.Principes et Methodes de la Geomorphologie.2001.1998.Geoecologia e Regionalização Natural.S. Henderson-Seller. J. e Y.. I.Geossistemas:História de uma Procura. Claredon Press . A . Disciplina: FLG0113 . J. Antonio José Teixeira Guerra & Sandra B. in IGEOG-USP. I. Ambiente e Planejamento. Mintz.org. in Revista do Depto. Science. São Paulo SP. by John Wiley & Sons. ROSS. London.SP ROSS. TRICART. e K. J. D..Krakovia-Polonia. São Paulo-SP LIBAULT. Sào Paulo SP. Acadmic Press.S. T.Land Evaluation and Landscape Science.Rio de Janeiro.

TRICART.G. Presença. Henri. M. Paris. Nogueira. Sylvie. SEDES. Lisboa SANTOS. A Natureza do Espaço. 1974 Dialética da Natureza. David. Belin. Rio de Janeiro.Disciplina: FLG0117 . Géographes à Cerisy. 1985 "O Ponto de Mutação".Teoria Geográfica do Espaço AURIAC. Natureza e Sociedade". São Paulo: Hucitec.. Editorial Presença. Elementos para leituras de cartas. Desenvolvimento Desigual. SOJA. Por uma Geografia Nova São Paulo: Hucitec. AUBOUIN.J. Ernesto Raguerra. LHÉNAFF. VESENTINI. 1974. Manuel de travaux pratiques de Cartographie. e RIMBERT. Jean. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. Siglo Vientiuno THOMAS. K. Sociología y Geografía. jeux et enjeu.1986 "Ciência E Filosofia: A idéia de Natureza". SANTOS. Disciplina: FLG0335 . MEYNIER. DOMINGUES. J. São Paulo: EDUSP.Mark. MOREIRA. COLLINGWOOD R. 1976 "El Concepto da Natureleza en Marx". in Curso para professores de Geografia. ENGELS. Logiques de L’espace: esprit des lieux. A interpretação de mapas. in Boletim Geográfico. Contexto. Los Límites del Capitalismo y la Teoría Marxista. 1968. Rio de Janeiro. SCHMIDT. Paris. 1970. Ed. Hucitec. IBGE. Masson. Neil. A Produção Social do Espaço Urbano. Milton. CASTROIÁDES. IBGE. DECOURT. Bernard. 2000. 1989 "Introdução a Uma Ciência Pós-Moderna" Edições Graal. org. 1971. R. Principes generaux. Milton. 16. 1996. IBGE. F. A. 1970. 1993. Fayard. SIERRA. e VANNEY. Laura 1986 "Ecologia.. México: Fondo de Cultura Económica. Jean. Les téchniques de la Géographie générale: guide de l'étudiant en Géographie. Elza. Espaces.000. Geografias Pós-Modernas . David. Técnica e tempo. Portugal CONTI. 1989 "Geografia. in Curso para professores de Geografia. 2. B. 1988. Razão e emoção.da S. São Paulo: Anablume. Brasiliense. 2000. LEVY. Rio de Janeiro. HARVEY. 1990. Prémier fascicule. J. 4. Initiation aux travaux pratiques de Géographie. KELLER. Pierre. Ed. Barcelona: Península. Paris. Carlos. in Curso para professores de Geografia. Ed.D. Edward.. Paris. C.. 1993. LEFEBVRE. A. 15. GOTTDIENER. Análise topográfica. J. 1983 " Da Ecologia à Autonomia". A Produção Capitalista do Espaço. SANTOS. Rio de Janeiro. Capital. Paris. 1978. PUF. ROCHEFORT. La Production de l’Espace. Jean. Ed.ª edição. M. paris. Interpretação de cartas. A. Trabalho e Ambiente". e LABESSE. (commentaire des cartes). 1969. 1986 GEORGE.Analise e Interpretacao de Cartas Topograficas ARCHAMBAULT. Documents et méthode pour le commentaire de cartes. Madrid.Geografia dos Recursos Naturais ADORNO / HORKHEIMER 1986 " A dialética do Esclarecimento" Jorge Zahar Editores SP CAPRA.W. BOTELHO. 1988 "O Homem e o Mundo Natural". André. SP. José Porto. LUSSAULT. 2005. IBGE. in Curso para professores de Geografia. e COHN. 13. Rio de Janeiro. M. Paris: Anthropos. 1966. IBGE. R. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. 1970. 1974. Dunod. série Repensando a Geografia.B. F e ROGER. SMITH.F. 25 (190): jan-fev.A Reafirmação do Espaço na Teoria Social Crítica. Leitura e interpretação de cartas de l:50. HARVEY. . 1970. Disciplina: FLG0541 . Companhia das Letras SP. R. Cultrix SP.ª edição. 16.

Numerical analysis in Geomorphology: an introduction. Paris.E.Difusão Europeia do Livro. Paris. Rio de Janeiro.. São Paulo. A. GEORGE. BURACZYNSKI. OMT. Tourism economic. SIMIELLI. 228 pp. H. J. Juan-Eugeni. Max: Europa. 68:1-8 HART.1988. J.F.Geomorfologia III BERTIN. Paris. SANCHEZ. R. MUSCARÀ.Europe Médiane> no. 1964. 480 pp. W. reseaux. MICHAUD. Geomorph. 1966. TOY. KLIMAZEWSKI. C. G. MPONS. Il turismo in una societá che cambia. Edward Arnold. Les effects de la récreation sur l'écologie des paysages naturals. Disciplina: FLG0565 .R.Revue de Geographie et de Geopolitique . N.F.CEE .G. & VERSTAPPEN. in Espírito e propósito da Geografia. 372 pp.M. Masson. (3). Zahar. Geomorphology:pure and applied. Masson. J. 1982. N. GUIDICINI. Por una geografia del turismo de litoral. PUF. J. Geomorph. Milano. 1985. 1967. 1986. Suppl. Barcelona. S. 1988. Gordon. M. Z. Tese de doutoramento.Geografia Regional III – Europa BAILBY. Le tourisme face à l'environnement. Editorial Labor. Lodon. & HADLEY. 432 pp. GAY. Bologna. 1983. W. 1986. Th. CECA . Difusão Européia do Livro.C. Pierre: Panorama do Mundo Atual. Geomorph. Madrid.F. Gauthier-Villars.Presses Universitaire de France. 1967. Paris. M. 1988. Paris. in Estudios Territoriales. DENIAU. J. 1990. 1980. Paris Mouton. Gli spazi del turismo. 1976. Workshop sobre aspectos del medio ambiente relacionados con el turismo. TRICART. Paris. Pàtron. A Geografia e os mapas. The nature and objectives of aplied geomorphological mapping. Principeset méthodes de la Géomorphologia. Jean-Luc. e SAVELLI. São Paulo. O mapa como meio de comunicação:implicações no ensino de geografia. & KING. DENUAU. ORGANIZACION MUNDIAL DEL TURISMO. Espanha. São Paulo. 48 . Geomorphology and reclamation of disturbed lands. Z.Revue de Geographie et de Geopolitique .1988. J. Le tourisme et son rôle dans l'organisation de l'espace. Council of Europe.-Bd. Edward: A Europa dos Trustes (Mercado comum europeu). 1960. Paul: Le Benelux . Disciplina: FLG0577 .F. L'aménagement touristique. Editora Fulgos. (17) : 103122. Etienne. e EAST. Suppl-Bd. Z.E. Allen & Unwin. Calogero. P. Polish geomorphological maps. SATCHELL. London. London. 1983.. 1985.WOOLDRIGE. 80: 25-30 DOORNKAMP. e WALL. Semiologie graphique: les diagrammes. EMBLETON.J. G. e outros.. 496 pp. FFLCH/USP. . les cartes.CEEA: Periódicos publicados pela CEE editados em Bruxelas . 1983. PUF. 1882 Coleção Que sais-je?. C. Géographie du tourisme. 1988.Geografia Urbana II CAZES. Academic Press. 1965. (Collection Géographie) MATHIESON. 48 .Alertes em Mediterranée no. LOZATO. 1971.Luxemburgo. SEDES. A. 32:457-470. Longman.A. M. E. Jean-Pierre. HERODOTE . physical and social impacts. New York & Orlando. (Collection Sauvegarde de la nature) Disciplina: FLG0575 .. DALMASSO. HERODOTE . N. T. 1987. On constructing detailed geomorphogical maps. Departamento de Geografia. 1976. in Les activités tertiaires. Strasbourg. François et WAGRET. Madrid. 1967.: O mercado comum .

1975.1992.Disciplina: FLG0579 . Masson.77. CDU. 2 Tomes. 1971. UNESCO. Introduction-Livre Premier: Climatophysi-que et Climatochimie. 1963. Geografia social Econômica e Política. Descolonização. Demétrio: África do Sul. MAGNOLI. Delgado de: Republick Van Suid-Afrika. Paris. Bruxelles. África Arde.1991. M. Carlos: África do Sul. (1). CORNEVIN. in Revista Geográfica. Michel: Fronts et Frontiers Fayard. 1974. (organisateur) Traité de climatologie biologique et médicale. 1980. Max. 1980. Editora Codecri. J. Fluxos polares e as chuvas de primavera-verão no Estado de São Paulo: uma análise quantitativa à gênese do processo. 1962. LENTIN. LEFORT. KI-ZERBO. Célia Maria: África do Sul . LESOURD. IPGH. 1979. São José dos Campos. COMITINI. IGEOG/USP. J. Odile Jacob. Departamento de Geografia/USP. Afrique Australe. Lisboa.Paulo . Jean-Alain: La Republique dÁfrique du Sud. São Paulo. Madrid. Editora Perspectiva. Paris.74. : Atlas des Diásporas. Djarama. Divisåo de Ciências Atmosféricas/ITA.Sobre a análise geográfica da seqüência de cartas de tempo: pequeno ensaio metodológico sobre o estudo do clima no escopo da Geografia. (organisateur) Traité de climatologie biologique et médicale. 1977. Henri: A Partilha da África Negra.História de uma crise. Interpretação sinótica de fotografias obtidas por satélites metereológicos. CASSIS. MARQUET.1991. MESSIANI. XXXII (58): 10 semestre. Presses Universitaires de France. IPGH. Gerard e RAGEAN.Le Systeme Economique de lÁfrique de Sud. Carlos. Ediciones Guadarrama S. Disciplina: FLG0591 . TARIFA.a. IBGE. Paris. USP. in Revista Geográfica. Vender Editeur. Carlos Augusto de Figueiredo.Apartheid. Jacques: El Poder Negro en África. (mimeo) -----------. P.: Apartheid . Masson.Sucessão de tipos de tempo e variação do balanço hídrico no extremo oeste paulista. 1977.: História Geral da África . revista Orientação no 6. Análise rítmica em climatologia: problemas da atualidade climática em São Paulo e achegas para um programa de trabalho. Mariane: Apartheid: Poder y Falsificacion de la Historia. 1973. Relatório técnico ECA 01.Até Quando. Carlos: As Multinacionais na África do Sul.Metodologia e Pré-história da África. PIERRY. 1959. CHALAND. Jean P. Paris. 1978. ITA. 1974. M. . IGEOG/USP.Da necessidade de um caráter genético à classificação climática: algumas considerações metodológicas a propósito do estudo do Brasil meridional. XXXI (57): 20 semestre. Introduction à l'étude scientifique du climat. São Paulo. 1963. COMITINI. África Arde.África do Sul BRUNCHWWIG. Editora Codecri. (Instituto de Atividades Espaciais do Centro Técnico Aeroespacial) Aplicação de dados e análise de fotos de satélites meteorológicos. Rio de Janeiro. SCARLATO. Rio de Janeiro. São Paulo.Estagio Supervisionado Em Climatologia GIRARDI. 1975. 1968. SORRE. 1934. PÉDÉLABORDE. 1980. África. R. DG. Relatório técnico ECA 01. São José dos Campos. Paris . Paris. Cristine: Apartheid et Capitalisme . ----------------------------. (11). Francisco C. Rene: África do Sul . WIM. Editora Contexto S. CARVALHO. 1976. edições Antídoto. Fatos Africanos que a História Julgará. Livraria Francisco Alves Editora. Françóis Maspero. in Pierry. UNESCO. Editora Bels. in Teses e Monografias. I. 1934. LES PRESSES DE LÚNESCO: Le Racisme et lÁpartheid. Kronos 6. Editora ética. FOUCHER. Jorissen: lÁfrique du sud: Un Bouc Émissaire?. Divisão de Ciências Atmosféricas/Instituto de Atividades Espaciais do Centro Técnico Aeroespacial.Geografia Regional I . in Climatologia. Aubert-Paul: De Bandung a Havana. ----------------------------. MONTEIRO.

J. Morphogénèse quaternaire et pedogénèse dans d'Etat de São Paulo Recherche Franç. E. tese de mestrado. P. 1964 -----------------.Geografia Critica e Ensino de 1. Encontro Nacional de Geógrafos. Pédologie. Instituto/Departamento de Geografia da FFLCH/USP. a Terra e o Homem. Longman.) Para onde vai o ensino da Geografia? São Paulo. Parte 1: caracterização e repartição dos principais tipos de evolução pedogeoquímica.F. Vânia R. 1982.R. Graus . 1979. Depto. Grau: algumas observações críticas. Les sols et la Géographie. . Claredon. Zahar. OZENDA. QUEIROZ NETO. Contexto. Int. São Paulo. São Paulo. Yves.E.Estudo geoquímico dos solos e formações superficiais do Brasil. (1). São Paulo. in Boletim Paulista de Geografia. 1986. London.Revista ORIENTAÇÃO. COUTARD. e outros temas.La cartographie écologique et ses applications .VLACH. Nacional... Geografia dos solos. Campinas. A.Paris. de e PASSINI. O espaço geográfico. van Hoene. Loyola. in Revista Brasileira de Geociências. JOURNAUX.. J. 199 .N. 1978. sur le Quatern.Solos Tropicais BUNTING.York. ensino e representação. O ensino da Geografia em questão. . e SOUCHIER. e PEDRO. 1977. A. Tropical soils. São Paulo Revista Terra Livre. DUCHAUFOUR.Tendências atuais das pesquisas de solos em São Paulo. T. SBG.D. -----------------. A propósito do ensino da Geografia: em questão o nacionalismo pratriótico.Disciplina: FLG0595 .J. Márcia Spyer.isso serve. F. 2a ed. POUQUET. J. Geografia do aluno trabalhador.Y. . P. Estudo geoquímico dos solos e formações superficiais do Brasil. SBG.OLIVEIRA.Cartographie Dynamique Aplicable a l'amenagement. 1986. Publ.LACOSTE. Vol I pp. São Paulo. e 2. J. Principles of Geographical Information Systems for Land Resources Assessment Oxford..W. 2. Contexto. Soc. B. BURROUGH. Os solos. Paris. Sup.INQUA. São Paulo. Ariovaldo U. 1985. Sedes. números 5.O estado atual dos estudos dos solos brasileiros. P. 1987 AGB-Marco Zero . MELFI. In: Anais do 5o. ----------------------. 1988. São Paulo. 1968. PELLERIN. QUEIROZ NETO. 1989 . São Paulo. CURRAN. P. 1989 . Masson. in Suppl.Paris. 1954. L. C. Rio de Janeiro. (41).ALMEIDA.A.Estagio Supervisionado Em Geoprocessamento ASPRS .. MOHR. 1988 .6 e 7 . No. 1977. P. et HUSSER. P.ASPRS. para fazer a guerra. 1971. Papirus. G. Disciplina: FLG0597 . 1988.. J.VESENTINI. AFEQ 50.VÁRIOS AUTORES. . 1966. J. J. Bull. Porto Alegre.RESENDE. 1986. in Boletim Paulista de . O livro didático de Geografia para o 2o. de Geografia da FFLCH/USP. STEINBERG. de (org. in Brasil. Parte 2: considerações sobre os mecanismos geoquímico envolvidos na alteração e sua repartição no Brasil. d'Ens.Geographic information Systems for Resource Management: A Compendium . Initiation géopedologique. P. 1986 . Paris. 2 Vols. C. São Paulo. W. e OSOUF. 7.J. Disciplina: FLG1552 . e VAN BAREN. B. in Revista Brasileira de Geociências. J. Principles of Remote Sensing . AGB/SP.209. 8. em primeiro lugar. J. A.. A Geografia . Masson. J. 2 vols.

São Paulo. J. rev. Manual of Geospatial Science and Technology. Disciplina: FLG0109 . 2007. 2008. Morgan Kaufmann. A.. Paris: Armand Colin. Advanced Spatial Analysis: The CASA Book of GIS. McGraw-Hill. 2003. M. & BAKER. São Paulo. J. R. ESRI Press. & VOISARD. B. Juiz de Fora. ESRI Press. 1992. 2003. 2003. J. Belo Horizonte. 623p. 250 p.Tecnicas de Campo e Laboratorio Em Geografia BARRAS. 2001. G. 294 pp. 284 p. Rio de Janeiro: Campus. JENSEN. E. 1968. Carlos Rodrigues (Org. Clarendon Press. SILVA. 2ª ed. São Paulo. 294 p. Lugar Editorial. Modelagem Conceitual e Projeto de Banco de Dados. 1998. 1982.. MCMASTER. C. B. 8 (15). Geografia Global. Ottawa. PUMAIN. C. F. ARONOFF. L´analyse spatiale . in Notícia Geomorfológica. SAINT-JULIEN. 2001.Geografia. São José dos Campos – SP. 1979. LAMPARELLI. D. New York. ROCHA. London: Taylor & Francis Inc. Editora com Deus. Jean. E. P. R. 2003. C. Manual of Geospatial Science and Technology. Location-Based Services (Morgan Kaufmann Series in Data Management Systems). GIS World Inc. Brasiliense. C.. J. 224 p. 220 p. 192p BOSSLER. P. San Francisco. MCMASTER. An introduction with special reference to cadastral problems in Third World countries. Disciplina: FLG0172 . Robert.. (50). D. MG. 2002. Paris: Armand Colin. J.. V. M. D. El paradigma geotecnológico y el espacio interdisciplinario en la interpretación del mundo del siglo XXI. . 2. COUGO. guia de redação para cientistas. McLAUGHLIN. 1989 Land Information Management. 240 p. engenheiros e estudantes. 267 p. D. 1980. 266 pp. DIVERSOS AUTORES Versão Brasileira. MAANTAY. São Paulo. 2a ed. Ed. Livraria e Editora Guaíba: Agropecuária. M. 228 p. and Keep Customers. R. D. BÉGUIN. J. 275 p. 1991. London Center for Advanced Spatial Analysis University College.GIS for the Urban Environment. & Borghi. Fundamentos do Sensoriamento Remoto e Metodologias de Aplicação. Buenos Aires. T. New York.Análise Espacial e Geoprocessamento ASSAD. J. R. ISBN 950-892-063-7. R. Rocha.Localisations dans l´espace. JENSEN. Investigando a Terra (Earth Science Curriculum Project ESCP). 167p. Market Mapping: How to Use Revolutionary New Software to Find. TOMLINSON. Geoprocessamento na Gestão e Planejamento Urbano.. F & TOMLINSON. X. PUMAIN. Os cientistas precisam escrever. B.). Geoprocessamento: Tecnologia Transdisciplinar. ESRI Press. E. DA 2001. e ampl. Thinking about GIS: Geographic Information System Planning for Managers. 250 p. H.& BATTY. BRANDÃO. & SANO. R. MOREIRA. BUZAI. New York: Mcgraw-Hills Business Geographics. Rio de Janeiro: Edição do Autor.. LONGLEY.Queiroz/EDUSP. La représentation des données géographiques. 2002. C. S. R.Geoprocessamento para Análise Ambiental. Analyze. & RIZOS. 2004. BOSSLER. K. D. & RIZOS. J.. Sistema de Informações geográficas – Aplicações na Agricultura. 1ª impresión. London.. 1997. A. M. 623 p. Campinas.A. BAKER.. TRICART. DALE. – Brasília: Embrapa SPI / Embrapa-CPAC. Canada. Geographic Information Systems: A Management Perspective. 250 p. Série Engenharia Agrícola. 1976. WDL Publications. Pesquisa participante. As relações entre a morfogênese e a pedogênese. London: Taylor & Francis Inc. New York. J. P. E. 118 p. do Autor. Vol. 2004. 2000.. A. T. S. SCHILLER. 2ª Ed. AGB/SP. MOURA. A. Geoprocessamento e Agricultura de Precisão: Fundamentos e Aplicações.

1983. FREITAG. Estudo sobre o Caipira Paulista e a Transformação dos seus Meios de Vida. Uta. Economia e Avaliação Sócio-Econômica do Programa Brasileiro de Biocombustíveis. J. Geografia Física: ciência humana?. in Boletim Geográfico. PUF. 1991. In: CARLOS. & SOUZA. "Sobre a educação ambiental". Ana Fani Alessandri & OLIVEIRA. Editora 34. Métodos e técnicas de pesquisa bibliográfica. Antonio. (108). CETESB..S. 1985.P.L. MARTINELLI. 31-59) CARLOS. H. 1990. Ambiente e apropriação do relevo. FELS. Ecodinâmica. CARDOSO.1989. São Paulo. São Paulo. Toulouse. Géographie des paysages.) Geografias de São Paulo (V. M. Sergipe: Programa Editorial da UFS.A. São Paulo. R. São Paulo. 1955. H. 1969. UFRJ._rea teste: Folha de Ribeirão Preto. (pp. Disciplina: FLG0437 . Gabriel. 1968. Angelo Domingos. Salvador. A. SALVADOR. Teoretische Fragen zur Landschaftsgenese. 1982. H. SUPREN. IBGE. Paris. Heiko. HAASE. Ana Fani Alessandri. A lógica da análise do levantamento de dados. 1988. Landschaftsoekologische Detailuntersuchung und naturrauemliche Gliederung. D. Duas Cidades. CANDIDO. CASSETI.2) .000. "Avaliação de impactos ambientais: uma abordagem sistêmica". Amélia Luisa. São Paulo. O que é ecologia. 2001. NITSCH. São Paulo.Teoria Geografica da Paisagem BERTRAND. "Ecossistemas e geossistemas do Estado de São Paulo". Qualidade ambiental no Estado de São Paulo . 39 (3). Manfred. 1986. G. G. e CAROL. Thomas.Geografia do Estado de Sao Paulo BORGES. A. TRICART. BOL. n. Escala 1:250. DIFEL. CEI. USP. DREW. São Paulo. IN: Geografia & Questão ambiental. In: Revista Brasiliense. Laboratório de Climatologia. São Paulo. CONTEXTO.J. IV CONGRESSO BRASILEIRO DE CARTOGRAFIA. (inédito) MOREIRA. BOL. & PADUA. Baixada Santista. GEOGRAFIA TEORÉTICA.X. J. Paysage et géographie physique globale: esquisse méthodologique. TROPPMAIR. NEUMEISTER.Cartografia Ambiental BRAGA. CONTEXTO. Ariovaldo Umbelino de (orgs. Ambiente e planejamento. 1988. in Geographische Berichte. C. SP. Qualidade ambiental na Bahia: Recôncavo e regiões limítrofes. 1988. 82 (1). São Paulo. (Vol 2): 353-356. Disciplina: FLG0582 . 1968. J. CONTEXTO. São Paulo: Contexto: 2004. Disciplina: FLG0545 . Rio de Janeiro. Fernando Henrique. Espaço e Geografia: Observações de Método. V. A Metrópole do Século XXI. Rio de Janeiro. INSTITUTO DE GEOGRAFIA. 13(25). 1964. J. Barcelona. (1):110. Cultrix/EDUSP.1977. R. Proálcool. DAMIANI. ROUGERIE.". in Petermanns Geographische Mitteilungen. Processos interativos homem-meio ambiente. 1976. 27 (202): janfev.. ROSS.A. Carta do meio ambiente e de sua dinâmica. 1987.L. MONTEIRO. MENDONÇA. 1977. Sulina. H. in Révue Géographique des Pyrenées et du Sud-Ouest. Condições Sociais da Industrialização de São Paulo. SILVA. Porto Alegre. HURTIENE. LAGO. 1362 Coleção Que sais-je?. CAMPO-GRANDENSE DE GEOGRAFIA. BOESCH. 28. Gotha. 1970.1986.F. Elementos da Obra de Henri .1991. E.F. 27-36. Omega.ROSENBERG. Os Parceiros do Rio Bonito. Rio de Janeiro. Da Capital Industrial ao Capital Financeiro. Princípios do conceito de Paisagem. CENTRO DE ESTATÍSTICA E informações. ABRIL/BRASILIENSE. Geomorfologia. Morris. 1985. Análise ambiental. El hombre economizante como estruturador de la tierra. "Cartografia ambiental: uma cartografia especial muito especial . AGB.M.

São Paulo: Edusp. Luiz Carlos. GEORGE. 1979. Brasiliense. 1966. São Paulo.A. R.. Pós-Doutorado. O Problema do Café no Brasil. C. . Mestrado.Economia Política da Urbanização. SP. 7.A. SANTOS.M. J. Região do colonato: mobilização do trabalho e autonomização do capital na área de Olímpia (1857-1964) do Oeste Paulista. Cotidiano e Vida de bairro na Metamorfose da Cidade em metrópole. SILVA. IUMATTI.. S. Indústria Brasileira. SEABRA.Harvard University Press. . MONBEIG. mineralógica e física de solos do Instituto Agronômico de Campinas. MARTINS. FRANCO. Formação do Brasil Contemporâneo. PRADO Jr. Homens Livres na Ordem Escravocrata. Livraria Editora Francisco Alves. JANET.Thirty World Urbanization. 2. São Paulo: FFLCH. SCHWARZ. London. Antônio. Methuen. 2000/2003. José de Souza. As idéias fora do lugar. Pierre. MONBEIG. 1973. PEREIRA. C. 2008. 1983. SP. . DG-FFLCH-USP.N. Livre Docência. 1976 CAMARGO. Pioneiros e Fazendeiros de São Paulo. A Organização do Trabalho na Lavoura Algodoeira Paulista. AGB. SINGER. Odette Carvalho de Lima. SP: Duas Cidades e 34. A Relação Capital Trabalho e o Movimento Sindical dos Trabalhadores na Agroindústria Canavieira Paulista. Ceará. Livre Docência. Manoel & HEIDEMANN. 2008. 1977. Ensaio sobre Geografia Urbana a partir da Metrópole de São Paulo. Antonio.A. Cássio de Arruda. A.A. Prentice Hall. São Paulo. JOHNSON.Geografia Urbana.O Espaço Dividido..S. 1983. IEB-USP. 1980). São Paulo: Annablume. 2002. I. DELFIM NETO.Estagio Supervisionado Em Analise de Solos BREWER. SP: Livraria Pioneira Editora. 1984.The Organization of Space in Developing Countries. HUCITEC. . SEABRA. O Cativeiro da Terra. 1979. 1995. 2000. Rio de Janeiro. José de Souza. e a Associação dos Geógrafos Brasileiros. a partir das Transformações do Bairro do Limão. Pasquale.). Globo. Campinas: Editora da Unicamp.A. DG-FFLCH-USP. 1985. In: SZMRECSÁNYI. Polis.A. Caio Prado Jr. Maria Sylvia de Carvalho. Petrópolis. Heinz Dieter (orgs. e RICHARD HAY. . Jr. 1999.A. A Revolução Brasileira.. Produção Espacial e Contradição Agrário-Urbana no Município de Itapipoca. FLEURY. 2003.) História Econômica da Cidade de São Paulo. 6. E. Fabric and mineral analysis of soils. São Paulo: Brasiliense.. Disciplina: FLG0638 . Estudos sobre as Contradições da Sociedade Agrária no Brasil. Desenvolvimento e Crise no Brasil. Métodos de análise química.Lefebvre e a Geografia. M . 2009.. DGFFLCHUSP. Fapesp. SP. Co. Englewood Cliffs. CLARK. Ana Cristina Mota. I.17-113). Caio. . 2008. Aldeamentos Paulistas. 1976.P.A. São Paulo: Brasiliense. Brasiliense. (pp. 4..J. JORGE. 1975. (2a edição. e VALADARES. (especialmente o capítulo 4). E. KRIEGER. Por trás dos Canaviais. SP: Hucitec. O Crescimento da Cidade de São Paulo. Wilson.G .Urbanização in Newly Developing Countries. Mass.. 482 p.P. Circulação Simples. In: Ao Vencedor as Batatas. SUZIGAN. Fapesp. V. Reprodução Ampliada. Difel.. 1990. R. Difel. York. 7. Urbanização e Fragmentação. USP. O. Campinas: Unesp.5.. Kayrós. Vol. 1970.A Urbanização Desigual Editora Vozes. THOMAZ JR. 3. Pierre. Bibliografia Complementar BOECHAT. Paulo. Publs. Origem e Desenvolvimento. BRECESSE. Tamás (org. Capitalismo e Tradicionalismo. Roberto. N. Facamp. Forma Literária e Processo Social nos inícios do Romance brasileiro.Introdução à Geografia Urbana.P. J. 1968. Maria Tereza Leme Fleury. Disciplina: FLG0593 . MONIZ. DG-FFLCH-USP. 1974. M . Cambridge. SP. os Nós da Cana.D. PETRONE. SANTOS. PRADO Jr. MARTINS.Introducao ao Estudo da Urbanizacao No Terceiro Mundo 1. de A. SP: Hucitec. New York. 2009. Caio. São Paulo.

Energia no Brasil. 459 p.K. Rio de Janeiro.A. (Coord. 199 222.. SUGUIO. Carvão.4.. 1965. Psicologia e Pedagogia). E. in GOMES. (Dir.Bol.H.. Difratometria de raios X. Rio de Janeiro. C. 1979. 1992. p. Análise do setor petróleo.) Pédologie Tome 2: Constituants et proprietés du sol. HENIN. GOLDEMBERG. WILSON. Détail des méthodes d'analyses Annexes in Précis de Pédologie. K. Energy: Global prospects 1985-2000. E.). I. v. Introdução à Sedimentologia Cap. 2 43. Bloch. C. Bibl. 94p. et SOUCHIER. 1986. J. (coord. REDDY. Solo. NY. II ao IV. A. Campinas. Agron.A. p.) Elementos de Pedologia 459p. 1993. A. VETTORI.pp DUCHAUFOUR. McGraw-Hill. A geopolítica energética.G. 1987. 1984.171. Ministério de Minas e Energia. GRAS. Ed. Disciplina: GSA0301 . 1972. JORGE. T. 6th Ed. 19 p. Masson et Cie. e Distr. (Col. Wiley Eastern Ltd. Masson. Edgard Blücher: PROMINÉRIO. (trad. Técn. Paris. Balanço energético nacional .R. Bol. 1969. FORMOSO. MONNIER. 517p. São Paulo.L. Técn.C. Ph. 63. Atlântida Ed. Macmillan Pub. Rio de Janeiro. da Agric. Livros Técnicos e Científicos Editora. 291 p. 239 p. R. 1973. Biblioteca Educação é Cultura.ano base 1992. São Paulo. 1988... 1969. 1977.Ronaldo Sérgio de Biasi). 1 ao 3.Co.... 1993. J. 1979. GOLD. Report of the Workshop on Alternative Energy Strategies. 122 261. Boston.. JOHANSSON.Recursos Energéticos CONANT. ---------. KELLER. 1981. Environmental Geology. GOLDEMBERG. Energy for a sustainable world. Forense Universitária/EDUSP. 106. 1980. MEC-MME. manejo e adubação Apêndice.. Paris. 71. Ed. p. Os solos agrícolas Cap. São Paulo. DUCHAUFOUR. Livraria Martins Fontes.A. Edgard Blücher/EDUSP. Índia.L. 413-464..L.B. 1976 MONIZ. . FONSECA. M. Métodos de análise do solo Min. Paulo. Petrobrás-Serplan. Ed. Ph. M. 1-174. B.B Técnicas Analíticas instrumentais aplicadas à geologia Cap. Polígono/ EDUSP. WILLIANS.. São Paulo. PETROBRÁS. p. Melhoramentos. 521. F. R.S.N.L. J. São Paulo. p. 140.. No 7.