You are on page 1of 21

1.

DEFINIÇÕES E CLASSIFICAÇÃO DAS LAJES
1.1 VÃOS TEÓRICOS
Para a determinação do vão teórico, utilizamos a fórmula

{

{

L1:
{

{


{

{

L2:
{

{


{

{

L3:
{

, onde:

1

{


{

{

1.2 CLASSIFICAÇÃO QUANTO À DIREÇÃO
Se

, a laje é armada em 1 direção;

Se

, a laje é armada em cruz;

Onde:

e

.

 Laje Armada em Cruz

L1:

L2:

 Laje Armada em Cruz

L3:

 Laje Armada em Cruz

1.3 CONDIÇÃO DE BORDA ENGASTADA

As lajes têm as bordas engastadas em duas condições:
1ª Condição:

2ª Condição:

Conforme observado na planta de fôrmas, as lajes L1 e L2 atendem a 1ª condição,
portanto possuem a borda engastada; e as lajes L2 e L3 devem atender a 2ª condição:

. Após o cálculo, verificamos que não é atendida a

condição de engastamento, portanto podemos concluir que a borda está apoiada.

2

70 2.  L1: {  {  {    L2: {  {   {    L3: {  {    {   3 .Vínculos das lajes Apresentamos abaixo uma tabela resumo dos vãos teóricos e tipo de armação das lajes: Tabela 1 . onde: { . PRÉ-DIMENSIONAMENTO DAS LAJES 2. .24 Em Cruz L2 4. .24 Em Cruz L3 1. .49 Em Cruz 2.1 ALTURA ÚTIL A altura útil foi calculada através da fórmula .04 6.Tabela Resumo 1 Tipo de Armação L1 5.19 6. apresentamos o desenho das lajes quanto aos seus apoios: Figura 1 .Abaixo.

3 CARREGAMENTO DAS LAJES No carregamento das lajes.2 ALTURA TOTAL DAS LAJES A altura total das lajes é a soma da altura útil com o cobrimento da armadura.0cm.  L1: Alvenaria  .  L1:    L2:    L3:   2. ( )    4 . conforme estipulado nos dados do projeto.2. Este é composto da soma das cargas permanentes (g) mais a coma das cargas acidentais (q). determinaremos as cargas que a laje irá resistir. O cobrimento adotado é de 3. ( )     L2: Alvenaria  .

 L3: . Pinheiro.1 FORÇAS CORTANTES OU REAÇÕES DE APOIO Para calcularmos as reações de apoio. abaixo: 5 .4.M. realizamos os cálculos através das tabelas elaboradas por L.4 ESFORÇOS SOLICITANTES DA LAJE 2. conforme o processo das áreas da NBR 6118.    2.

Tabela 2 .Reações de Apoio 6 .

 L1  A laje L1 tem apenas uma borda engastada. portanto é do Tipo 1. Tipo 2b. As reações para esta laje são calculadas abaixo:          L2  A laje L2 atende a mesma condição que a L1. As reações para esta laje são calculadas abaixo:       7 . As reações para esta laje são calculadas abaixo:          L3  A laje L3 não tem nenhuma borda engastada. a de maior lado. portanto será do Tipo 2b.

. segue abaixo: 8 .Figura 2 .M.2 MOMENTO FLETOR Para calcularmos os momentos fletores utilizamos as tabelas elaboradas por BARES (1972) e adaptados por L.Reações das lajes nas vigas 2.4.

Tabela 3 .Tabela de Momentos Fletores 9 .

portanto é do Tipo 1. As reações para esta laje são calculadas abaixo:       10 . As reações para esta laje são calculadas abaixo:          L2  A laje L2 atende a mesma condição que a L1. L1  A laje L1 tem apenas uma borda engastada. As reações para esta laje são calculadas abaixo:          L3  A laje L3 não tem nenhuma borda engastada. a de maior lado. portanto será do Tipo 2b. Tipo 2b.

4. Esta regra é prática e não é descrita na NBR 6118. Foi adotada segundo orientação do livro Concreto Armado Eu te Amo.3 VERIFICAÇÃO DAS FLEXAS Para a determinação da deformação (flecha) nas lajes de edifícios.Ilustração dos momentos compatibilizados {  { {      11 .4 COMPATIBILIZAÇÃO DOS MOMENTOS Figura 3 .4. não iremos fazer a verificação das flechas. a espessura mínima das lajes é dada por .  L1:   L2:   L1:  Como os valores de estão acima ou iguais aos calculados inicialmente. 2.2.

41 8. determina-se o Ks em função do tipo de aço. através da fórmula: .24 10.04 6.25 REAÇÕES DE APOIO (kN/m) Rx R’x Ry 12. temos que determinar o Kc.9 0.19 6.19 17.30 1.58 2. através da tabela abaixo: 12 . DIMENSIONAMENTO DAS ARMADURAS 3.49 2.00 3.Tabela 4 .00 4.00 3.00 13.75 1.70 2.49 4.95 0.50 4.87 4.86 2.80 12.81 MOMENTOS FLETORES (kNm) Mx M’x My 11.41 1.00 13.87 7.Tabela Resumo 2 L1 L2 L3 CARACTERÍSTICAS (cm) lx ly d c h 5.08 1.74 16.00 3.00 AÇÕES (kN/m2) g q (g + q) 6.80 5. onde: Na sequência.27 16. com o KC e o fck adotado.1 ARMADURA PRINCIPAL Primeiro.50 7.50 6.49 5.00 7.24 10.00 1.48 3.45 5.

Tabela 5 .Tabela para determinação de KS 13 .

para determinar qual será a bitola adotada e calcular o espaçamento através da fórmula onde o é o diâmetro de 1 barra de aço.630 0.588 0.00 32.00 64.50 2.  ARMADURA DE APOIO (ANTIFISSURAÇÃO): 14 .90 22.260 1.00 45. e deve respeitar a relação .00 11.00 56.75 5.20 8.15 6. O fck adotado é de 25MPa e o aço é o CA-50.25 0.00 6.205 2.60 15.2 Com o valor de KS determinado.00 30.40 7. que é calculado através de: .00 12.00 6.00 4.00 15.00 16.75 10.00 12. O esquema de armação das lajes é:  ARMADURA POSITIVA: .00 20 2.315 0. Onde o para .520 2.784 0.00 50.25 2.75 18.25 12.50 4.00 35.764 1. lajes.05 25.196 0.00 4.176 1. calcula-se a área do aço (As).40 3.00 72.575 1. através da fórmula: Devemos ainda respeitar a área do aço mínimo.60 2. p/ pilares 25 4.568 1.60 2. Tabela 6 .50 3.00 1. devemos consultar a Tabela-Mãe para aços.00 Para determinar a quantidade de barras.16 0.30 8. em cm .150 8 0.20 4.00 5.  ARMADURA NEGATIVA: .60 6.80 1. Após determinar qual será a área do aço.5 1.00 14.00 48.890 2.00 10.45 12.20 28.50 Estruturas maiores.372 1.50 8.00 10 0.3 0.945 1.Tabela-Mãe para aços Diâmetro  (mm) Usos mais comuns Estribos Estribos.00 32 6.00 20. As unidades para os cálculos serão transformadas de metro para centímetro.50 Vigas e pilares 16 1.00 80.50 1.392 0.00 8.00 40.00 10.00 16.00 40.80 5.00 1.960 6.00 24.30 9.00 2.50 3.980 1. .00 4.25 7.50 3. vigas e pilares Área das Seções das barras AS (cm2) Peso linear (kgf/m) (10N/m) Número de barras 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 5 0.35 31.00 3.00 18.63 0.50 5.835 3.00 25. através da fórmula: .00 20. calcula-se .40 0.

Calculando o espaçamento:   A quantidade de aço necessária será:   O esquema de armação será:   Para os demais cálculos procedemos da mesma forma.    Adotaremos  . verificamos que para . que é o imediatamente inferior. podemos adotar . Consultando a Tabela 9. L1: ARMAÇÃO EM X     Consultando a Tabela 7. foi calculado anteriormente. . adotaremos e através dele se define que . Calculando o espaçamento:   A quantidade de aço necessária será:   15 .  O  . podemos adotar . verificamos que para . .  L1: ARMAÇÃO EM Y     Adotaremos e . Consultando a Tabela 8. e como é maior que o calculado será ele que adotaremos.

e como é maior que o calculado será o adotado. e como é maior que o calculado será ele que adotaremos. foi calculado anteriormente.O esquema de armação será:    L2: ARMAÇÃO EM X     Adotaremos e .  O  . portanto: A quantidade de aço necessária será:   O esquema de armação será:    L3: ARMAÇÃO EM X    Adotaremos  e .  . 16 . Os valores já foram calculados anteriormente. Os valores já foram calculados anteriormente. foi calculado anteriormente. portanto: A quantidade de aço necessária será:   O esquema de armação será:    L2: ARMAÇÃO EM Y     Adotaremos e  O .

 L1/L2: ARMAÇÃO EM X     Adotaremos e  O . Consultando a Tabela 10. e como é maior que o calculado será o adotado.2 ARMADURA DE ENGASTAMENTO O único engastamento que ocorre no projeto é entre a laje L1 e L2. foi calculado anteriormente.  . portanto: A quantidade de aço necessária será:   O esquema de armação será:   3. Os valores da bitola são os mesmos. foi calculado anteriormente. 17 . foi calculado anteriormente. verificamos que para esta área podemos adotar . Adotaremos . portanto: A quantidade de aço necessária será:   O esquema de armação será:    L3: ARMAÇÃO EM Y     Adotaremos e  O . Os valores já foram calculados anteriormente.  . O  . e como é maior que o calculado será ele que adotaremos.

O cálculo é feito através da fórmula: {  L1: { {   { Consultando a Tabela 11. a quantidade é dobrada. podemos adotar .Calculando o espaçamento:   A quantidade de aço necessária será:   O esquema de armação será:   3.3 ARMADURAS EM BORDAS APOIADAS Utilizada quando possui alguma borda apoiada. verificamos que para . Calculando o espaçamento:   A quantidade de aço necessária será:   O esquema de armação será:  {   {  { Como a área do aço é igual a anterior podemos adotar A quantidade de aço necessária será:   Como as duas bordas são apoiadas. portanto: 18 .

a quantidade é dobrada. portanto:  19 . portanto:  O esquema de armação será:    L3: {  {  { Como a área do aço é igual a anterior podemos adotar A quantidade de aço necessária será:   Como as duas bordas são apoiadas. O esquema de armação será:    L2: {  {  { Como a área do aço é igual a anterior podemos adotar A quantidade de aço necessária será:   O esquema de armação será:   {  {  { Como a área do aço é igual a anterior podemos adotar A quantidade de aço necessária será:   Como as duas bordas são apoiadas. a quantidade é dobrada.

50 16.55 2. portanto:  O esquema de armação será:   Tabela 12 .3 6.30 4.66 220.3 6.5 6.Tabela Resumo do Aço 2 TABELA RESUMO  (mm) Comprimento Total (m) Peso linear (kgf) Kgf +10% 6.50 0.92 27.50 69.3 42 25 17 25 7 10 32 26 50 17 50 14 20 Comprimento Unitário Total 5.3 8 12.97 1.04 70.32 25.18 257.30 282.3 6.3 6.50 12.76 2.70 157. a quantidade é dobrada.41 0.5 204.02 7.50 7.49 70.25 6.O esquema de armação será:  {  {  {  Como a área do aço é igual a anterior podemos adotar A quantidade de aço necessária será:   Como as duas bordas são apoiadas.20 Tabela 13 .92 56.93 8.10 6.31 1.50 7.04 1.41 0.73 643.30 1.Tabela Resumo do Aço 1 RELAÇÃO DAS BARRAS POSIÇÃO  (mm) Quantidade N1 N2 N3 N4 N5 N6 N7 N8 N9 N10 N11 N12 N13 8 8 8 8 8 8 12.50 157.71 20 .92 51.3 6.21 7.00 13.

Esquema de Armação 21 .Figura 4 .