ISO 9001:2000 “Folder” da Qualidade –n.

03
Edital
Uma vez, Roberto Shinyashiki, psiquiatra e palestrante organizacional, relatou que, ao abrir a porta do seu sítio, encontrou um passarinho morto na sala e a janela com uma mancha de sangue. Após avaliar a situação ele percebeu que o passarinho entrou por uma fresta na janela e, ao se ver preso, ficou tentando sair batendo no vidro da janela até morrer. Apesar de tanta luta ele não percebeu a fresta por onde havia entrado e, focado na paisagem lá fora, ficou batendo no vidro inutilmente. Como disse Roberto é preciso saber atravessar as paredes do dia a dia. Como? Pelas portas e não batendo contra as paredes repetitivamente. Nos esforçamos demais, trabalhamos duro, alguns de nós fazem horas e horas extras e não obtemos resultados que condizem com esses esforços. Isso é fortemente desmotivante para qualquer profissional. Onde está então a porta para atravessarmos as paredes? Se continuarmos atacando os problemas sem identificar as causas dos mesmos continuaremos batendo nas paredes continuamente, pois não estamos descobrindo as portas, ou seja, as causas fundamentais dos nossos problemas. Precisamos cultuar o estudo dos problemas e não só sair resolvendo os mesmos. Precisamos separar nem que seja uma hora por dia para identificarmos nossos maiores problemas, identificar as suas causas, preferência reunindo a nossa equipe (isso vai motivá-los), elaborar planos rápidos de ação, delegar responsabilidades e autoridades para que esses planos sejam realizados. Estamos sempre escutando dos nossos colaboradores a reclamação de que são sempre os mesmos problemas, ano após ano e não se resolvem os mesmos. Porque? Porque continuamos batendo na parede com a porta bem ao lado. Só falta olhar para ela, identificá-la e sair por ali. Porque é tão difícil então? Falta comprometimento e envolvimento inclusive dos níveis mais altos de diretoria e nosso também? Vamos continuar batendo nas paredes até sangrar (o sangue da nossa empresa)? Carlos Filipe dos S. Lagarinhos Eng. Industrial Mecânico, Analista da Qualidade, autor de vários artigos sobre Qualidade, pós-graduação em Engenharia de Produção e Qualidade.

Um processo de análise e solução de problemas passaria por diversas etapas como Identificação, Observação, Análise, Plano de ação, Ação, Verificação, Padronização e Conclusão. Em cada etapa costuma-se usar várias ferramentas e, no fim, teríamos o uso de várias delas. Uma nova ferramenta chamada Diagrama de Árvore pode vir a substituir várias dessas ferramentas e é bem simples. Ela usa a teoria de sempre perguntar o porquê até se alcançar a causa fundamental. Vai abaixo um exemplo que pode ser usado em qualquer problema de qualquer contexto:
Problema Causas primárias Causas secundarias
Porquê? Porquê? Falhas na montagem 37 % Alto índice de defeitos na fabricação Defeitos Funcionais 29 % Montagem de conjuntos 27 % Montagem de componentes 10 %

Descobrir as causas, priorizar pelas mais significantes e sempre perguntar o porquê, não apenas resolver o problema, pois estaremos atacando o efeito e não a causa. Generalidades “Um dos problemas é que ao invés de aprender a entender o processo e eliminar as causas dos erros, existe uma conscientização em descobrir maiores e melhores testes para achar componentes defeituosos (porque não achar a causa dos defeitos em vez de investir nesses testes?). As empresas usualmente detectam falhas e erros e se parabenizam em ter resolvido o problema. Porém continuam apagando incêndios corrigindo os mesmos problemas eternamente. Todos os especialistas da Qualidade acreditam que 80% dos problemas da qualidade são causados pelo gerenciamento e menos de 20% pelos trabalhadores. As empresas gastam aproximadamente 25% do faturamento fazendo errado ou refazendo o que foi feito errado”. “Desenvolvendo um modelo de excelência de Gestão da Qualidade Total – Samuel K.M.HO and Christopher K.H. Fung”

Conhecimentos de Qualidade