You are on page 1of 26

*

**

***

Psicóloga, doutoranda do
Programa de Pós-Graduação em Psiquiatria e Saúde Mental – Universidade
Federal do Rio de Janeiro
– IPUB/UFRJ. Militar da
Marinha do Brasil, encarregada da Divisão de Saúde Mental e do Centro de
Dependência Química do
Hospital Central da Marinha. Artigo na revista Cadernos de Psicologia Social e do
Trabalho da USP: Os efeitos
das situações de trabalho na
construção do alcoolismo
de pacientes militares da
Marinha do Brasil. espindolahalpern@yahoo.com.
br. Endereço: rua Botucatu,
460, bloco 4, apartamento
206, Grajaú, CEP 20541340. Rio de Janeiro, RJ,
Brasil.
Doutora em Comunicação
UFRJ e professora colaboradora – IPUB-UFRJ.
ligialeite@invenciveis.com.
Endereço profissional: Universidade Federal do Rio
de Janeiro, Instituto de Psiquiatria, Avebuda Venceslau
Brás n. 71, fundos. Botafogo. CEP 22290-140. Rio de
Janeiro, RJ, Brasil. Projeto
de pesquisa em andamento: Drogas, Evasão Escolar,
Criminalidade: os Descaminhos na Adolescência e
suas Articulações com as
Questõs do Sujeito. Artigos:
Au coeur de La rencontre
et Du soin... Rapports dês
savoirs em matière de santé
dans lês bidonvilles de Rio
de Janeiro, A necessidade de
promoção da saúde mental
para a juven tude nas pósmodernidade, Walter matou
uma pessoa. Os impactos da
violência silenciosa para a
saúde mental em adoslecentes desafiliados na relação
com o mundo do trabalho.
Livros: Meninos de Rua – A
infância excluída no Brasil,
Les enfants de rue au Brésil – Mythes et Ideologies, A
razão dos invencíveis: meninos de rua – O rompimento
da ordem – 1554-1994, A
Magia dos Invencíveis – Os
meninos de rua e a Escola
Tia Ciata.
Doutor em Psiquiatria e
Saúde Mental – IPUB/
UFRJ e Professor Titular
da Faculdade de Medicina
UFRJ. Endereço profissional: Universidade Federal
do Rio de Janeiro, Instituto
de Psiquiatria, Avenida Venceslau Brás n. 71, fundos.

Elizabeth Espindola Halpern*
Ligia Maria Costa Leite**
João Ferreira da Silva Filho (in memoriam)***

Bebendo a bordo: tradição aprendida
O notório caráter multifacetado do alcoolismo permite
identificar que, além dos aspectos subjetivos que participam
da construção de seu quadro, existem fatores externos, como
os laborais, que se relacionam a uma cultura organizacional
e tradições que apoiam e estimulam o consumo de bebidas
alcoólicas. A observação de militares alcoolistas da Marinha
do Brasil que são pacientes do Hospital Central da Marinha,
permite examinar, a partir de suas histórias e relatos, em que
medida o seu alcoolismo foi sendo constituído a partir de uma
aprendizagem sobre o beber a bordo, desde o seu ingresso na
instituição naval, amparado pelas tradições navais. Verifica-se
a existência de uma maneira de beber, que se faz a partir de
modelos, geralmente em grupo, associada a uma dinâmica do
cotidiano laboral, produzindo um habitus alcoólico, ou seja,
um comportamento que é postural, gestual, como linguagem,
impregnado de sentido.
Palavras-chave: alcoolismo; militares; condições de trabalho;
cultura.

Botafogo. CEP 22290-140. Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Projetos de pesquisas em
que atuou: Organização do Trabalho e Saúde Menal, Avaliação de Serviços de
Saúde Mental, O princípio da Integralidade no SUS e a Política de Redução
de Danos para o Álcool: Diagnóstico e Análise da Integração da Rede de
Atenção Dirigida à População com Problemas Relacionados ao Uso Indevido
de Drogas e Integralidade na Rede SUS: o Caso dos CAPs Ads no Estado do
Rio de Janeiro. Artigos recentes:

A inclusão da subjetividade no
ensino da Psicopatologia, House and Street: Narratives of
Professional Identity Among Nurses, A narrativa na entrevista psiquiátrica: a história de trabalho na construção de
diagnóstico em saúde mental do trabalhador, Dominação,
Sáude Mental e Trabalho, Sociabilidade, Trabalho e Loucura, Organização do Trabalho, Turnos e Súde Mental. Livros:
Psicopatologia Hoje. Psicopatologia e trabalho. Pesquisa,
ensino e assistência, A Danação do Trabalho: Organização
do Trabalho e Sofrimento Psíquico.

152
Foi na Marinha que eu aprendi a beber. Sexta-feira “rola” uma caipirinha com
dobradinha. Sempre tem um evento, um “aniversariante do mês”... A gente
“dá duro”, mas depois eles patrocinam aquele churrasco com bebida à vontade.
(Paciente do CEDEQ).

O alcoolismo é um transtorno cujo caráter multifacetado de sua determinação é notoriamente reconhecido no meio científico e nas diferentes
esferas de atenção, tais como as ambulatoriais e hospitalares, bem como
entre os profissionais que desempenham ações profiláticas, preventivas
e de reabilitação. Porém, nas últimas décadas, observa-se que os estudos
quanto aos aspectos culturais não tiveram o devido destaque, sobretudo
quando contrastados à ênfase do discurso organicista, mais interessado
na identificação do alcoolista dentro das classificações nosológicas.
No entanto, a clínica ambulatorial vem demonstrando que o discurso
clássico da medicina oficial não consegue abarcar todos os meandros
do fenômeno do alcoolismo, fazendo-se mister que um olhar socioantropológico amplie as possibilidades de seu entendimento. Este olhar
viabilizaria uma visão para além dos aspectos eminentemente biológicos
e subjetivos do indivíduo acometido pelo álcool, incluindo uma questão
de suma relevância, a institucional, a saber, aquela que aponta para os
efeitos advindos das peculiaridades da organização na qual se encontram
inseridos. Entre estes efeitos, alguns se mostram nocivos ao trabalhador,
não apenas aqueles que são o resultado das condições laborativas adversas, fruto da lógica da produtividade e do lucro, características básicas
das corporações do mundo globalizado que prevalecem nos espaços
laborais. Adicionalmente, constata-se que a própria realidade cultural
institucional de efeitos mais insidiosos, mas não menos perceptíveis, são
capazes de afetar os trabalhadores de forma indelével. Acredita-se que
estes aspectos empresariais, de ação ao mesmo tempo objetiva e subjetiva,
agindo em conjunto, ao deixarem de levar em conta as singularidades
de cada trabalhador, são nocivos a ele. Em decorrência, esta lógica pode
motivar, muitas vezes, o alcoolismo, gerando, nesse sujeito, problemas
de ordem financeira, familiar, psicológica, enfim, em várias dimensões
que têm como eixo principal o sujeito que bebe.
Para enfrentar essa questão, a Marinha do Brasil (MB) criou o Centro
de Dependência Química (CEDEQ) do Hospital Central da Marinha
(HCM), onde são tratados, em regime ambulatorial, os militares que
ingressam no tratamento para o alcoolismo. A criação do CEDEQ, em
1997, foi um marco histórico que traduziu o início oficial das ações da MB
ligadas à dependência química, sendo uma iniciativa pioneira nas Forças
Armadas Brasileiras. Ações no âmbito primário e terciário passaram a ser
Antropolítica Niterói, n. 28, p. 151-176, 1. sem. 2010

153

empreendidas por outras Organizações Militares (OM) além do HCM:
os Núcleos do Serviço de Atenção Integrada ao Pessoal da Marinha (N-SAIPM), encarregados da prevenção primária, e a Unidade Integrada
de Saúde Mental (UISM), responsável pela desintoxicação. Embora
avanços significativos tenham sido alcançados desde então, a visão que
se tem ainda é estreita, restringindo-se às ações sobre o militar, sem levar
em conta o componente institucional que faz parte de sua engrenagem
mórbida. Então, para que se possa compreender em que medida a MB
participa da instalação do alcoolismo em militares, é preciso levar-se em
conta a noção de que o alcoolismo é um acontecimento construído social e
culturalmente dentro da instituição. Assim, a MB seria um dos elementos
em ação, não exatamente como causador, mas como um facilitador da
expressão da doença.
Penetrar no universo naval, a partir do relato dos pacientes do CEDEQ,
de modo a desvendar como esta facilitação ocorre, é o objetivo central
deste estudo. A análise recai então sobre o papel de componentes institucionais mantenedores de uma tradição, que estimula o beber a bordo,
conformando uma cultura naval que treina seus integrantes, em modos
e gestos de beber, configurando um habitus1 alcoólico,2 o qual serve como
código de acesso e de inclusão social ao grupo. Trata-se de uma tradição
que serve de escudo a qualquer tipo de informação a respeito dos perigos e malefícios do consumo do álcool durante a jornada do trabalho;
sobretudo em se tratando de atividades de risco, como o uso de equipamentos sofisticados e caros, que exigem a higidez em razão de tratar-se
de uma profissão que se relaciona diretamente com a defesa da Pátria.
Na realidade, o consumo pesado de álcool e o alcoolismo constituem
um problema significativo da vida do militar da MB, embora seja pouco discutido em função da tradição naval, inexistindo levantamentos
e pesquisas para se avaliar a sua dimensão. Deste modo, os militares
alcoolistas que se tratam no CEDEQ tornam-se uma fonte privilegiada
de análise para se compreender algumas características do militar e da
organização naval, reveladoras da ocorrência de um padrão nocivo de
consumo. Objetiva-se então colocar em evidência os fatores institucionais
que regem práticas e costumes relacionados ao beber no seu cotidiano
laborativo e que, no decurso do tempo, vão sendo internalizados, compondo um habitus alcoólico.
1

2

Bourdieu (2007) introduz o conceito de habitus relacionando-o à capacidade de uma determinada estrutura
social ser incorporada pelos agentes (indivíduos) por meio de disposições para sentir, pensar e agir. O conceito
de habitus alcoólico incorpora este conceito, aplicando-o a um padrão de comportamento, de atitudes e de
pensamentos, no qual o uso do álcool se faz de forma importante.
O conceito de habitus alcoólico foi elaborado pelo professor João Ferreira da Silva Filho – IPUB/UFRJ.

Antropolítica Niterói, n. 28, p. 151-176, 1. sem. 2010

154

Ressalta-se, ainda, a relevância de se investigar a posição social e institucional dos pacientes do CEDEQ e o impacto produzido pela bebida
na sua forma de ser, de agir, individualmente e em grupo, buscando,
a cada instante, re-descobrir e re-arranjar uma estratégia de vida, tanto
profissional, quanto pessoal. Por outro lado, admite-se que o álcool parece
proporcionar ao trabalhador uma estratégia de afiliação na instituição,
família e sociedade, bem como uma forma de identidade ou discurso,
possibilitando-lhe, ao mesmo tempo, fuga e encontro consigo mesmo.
Trata-se de um beber que lhe rouba a lucidez, o discernimento e o senso
crítico, e que, paralelamente, lhe assegura breves instantes de potência
e de intimidade após uma jornada de subjugação no trabalho.

Alcoolismo fabricado
Na trajetória da humanidade, observam-se diferentes formas pelas quais
o homem vem se relacionando com o álcool, em função dos aspectos
sociais, políticos, econômicos e culturais em vigor, os quais, agindo em
conjunto, determinam uma relação singular do sujeito com esta substância, estabelecendo os padrões e significados de seu consumo. Conforme
Venâncio (2005: 9) ressalta: “[...] a história do consumo de drogas e do
álcool não é linear. Longe disso, ela está sujeita a inesperadas rupturas
e insurgências.”
Na realidade, mudanças paradigmáticas ocorridas a partir de transformações na conjuntura política, padrões culturais e modos de pensamento
vigentes no mundo ocidental alteraram o significado do álcool na vida
das pessoas, conferindo o recente caráter de morbidade. Segundo Luz
(1988), isto foi viabilizado pela ação de certa racionalidade, cujos paradigmas fundamentais são oriundos da cosmologia renascentista, permitindo
a identificação de diversas doenças, que afetam, até os dias de hoje, as
práticas, os saberes e as instituições de saúde. O alcoolismo, por sua vez,
também é fruto desta construção, conforme Sáad (2001: 15) aponta:
A embriaguez como doença parece ter sido descoberta no século dezenove, mas […] tem suas raízes no século dezoito com a “perda da
capacidade de beber moderadamente”. A “descoberta da dependência”
está, historicamente, ligada ao século dezenove com os conceitos de
tolerância e abstinência, oriundos do século passado, mas deixa de ser
um problema relacionado ao clero e aos moralistas para ocupar um
lugar no “saber médico”.

Conforme consideram Silva Filho e Luce (2001), o alcoolismo, compreendido como uma toxicomania, é um fenômeno sociocultural importante.
Antropolítica Niterói, n. 28, p. 151-176, 1. sem. 2010

155

Para que se possa alcançar a plenitude de seu significado, não basta ater-se aos efeitos das drogas no organismo, ou ainda, às razões individuais
de seu consumo. Cruz e Ferreira (2001) salientam a importância de se
compreender as funções que as drogas desempenham na sociedade.
Trata-se, enfim, de um fenômeno de significados múltiplos, que incluem
as facetas biológicas, psíquicas e culturais, pintado com as cores disponíveis em cada enquadramento histórico, não como um episódio dado,
mas construído.

O berço de uma tradição etílica
As duras condições de vida e de trabalho no mar, tais como observadas
há cerca de 300 anos atrás, na Marinha Real inglesa, expunham os seus
tripulantes ao frio e à umidade severos, constrangimentos que serviram de ponto de partida para a criação de uma prática que previa a
distribuição de uma ração diária de rum aos marinheiros, objetivando
elevar o seu moral. Era uma Marinha que se organizava de um modo
sensivelmente distinto, na qual o uso de uniformes, por exemplo, somente foi introduzido em 1649. Na verdade, a Marinha concebida como
instituição, imbuída dos preceitos de hierarquia e disciplina, faz parte
de uma criação recente.
Na época das galeras, a Marinha tinha uma tripulação composta por
pescadores e mercadores, cidadãos, súditos e escravos, sem qualquer
experiência prévia no mar. Suas embarcações apresentavam limitações,
tais como a reduzida capacidade de armazenamento de água, que durava
poucos dias, a pequena resistência estrutural ao tempo, só conseguindo
navegar por cerca de oito meses, e, por fim, a extrema dependência do
porto com a finalidade de fazer reparos. Diante disso, os horizontes de
seus empreendimentos eram estreitados (Ministério da Marinha, 2007).
Na península Ibérica, por exemplo, até pouco antes do século XV, predominavam embarcações como as galés e galeotas, movidas a velas e a
remos, cujos remadores eram constituídos por homens livres, identificados aos trabalhos marítimos, e por presos, condenados pela justiça.
Nesses tempos, em Portugal como nos outros países europeus, o menor
delito era aproveitado para aumentar o número de remadores do Estado, além disso, já acrescido dos prisioneiros de guerra e dos escravos,
também acorrentados nos bancos das galés. (Prado Maia 1965: 4)

Defrontando-se com uma realidade marcada por adversidades em águas
hostis, atravessadas pelo movimento dos remos, cadenciado pelo soar
Antropolítica Niterói, n. 28, p. 151-176, 1. sem. 2010

156

do tambor, o álcool servia de bálsamo para suavizar a aspereza da vida
de bordo, sobretudo para matar a sede!
Pack (1982/1995) nos conta que a água e a cerveja eram as duas formas de
se aliviar a sede em pleno mar, até os idos de 1655, quando, na Jamaica,
o rum foi introduzido nos navios da Marinha Real inglesa, por ocasião
de um ataque àquela localidade. Eram tempos em que a conservação da
água era difícil, sobretudo por não se conhecer um método de destilação,
fazendo com que ela ficasse logo imprestável para o consumo, repleta
de algas. Por outro lado, seu reabastecimento era incerto, já que nem
sempre era possível alcançar algum porto para adquirir novas reservas.
A cerveja, por sua vez, azedava em poucas semanas, sobretudo pela sua
baixa qualidade. Neste cenário, surgiu o rum como a melhor solução, ao
oferecer a vantagem de permanecer doce e aceitável para o consumo,
por muito mais tempo, contribuindo significativamente para ampliar a
permanência do homem nos oceanos, em consonância com as ambições
expansionistas marítimas preconizadas pelo mercantilismo. Em razão da
inexistência de regulamentos padronizados ou de códigos de instruções
para a Marinha Real inglesa até 1731, cada comandante ditava as suas
próprias regras. Esta sistemática permitiu que muitos deles autorizassem
a distribuição diária de rum,3 ainda que efeitos perniciosos e fatais para
a saúde física e moral já fossem observados.
Ainda segundo o relato de Pack, em 1740, o almirante Edward Vernon
reformulou a prática da ração de rum, mandando adicionar limão, água
e açúcar ao rum – o grog –, introduzindo a cerimônia do Up Spirits, que
foi distribuído nos tempos de Nelson, ao som da flauta ou do violino.
O grog trouxe uma contribuição marcante à história do consumo de
bebidas alcoólicas nas embarcações, ao diminuir o risco de acidentes, os
enjoos e o consumo desenfreado, posto que horários para sua ingestão
foram estabelecidos, entre 10 e 12 horas da manhã e entre 4 e 6 horas
da tarde, visando o bom desempenho das atividades marinheiras, que
requeriam sobriedade. Contudo, as ordens de Vernon não foram absorvidas com prontidão, levando 16 anos para fazer parte do regulamento
intitulado The Regulations and Instructions Relating to His Majesty’s Service
at Sea, demora explicada pelas dificuldades de comunicação da época,
pouco confiáveis e lentas, restringindo suas instruções aos navios das
Índias Orientais. A ração diária de rum ficou conhecida como Nelson’s
blood, fazendo, desde então, parte da cultura, vida e imagem da Marinha
inglesa, influenciando outras Marinhas.
3

Correspondendo a cerca de ¼ ml de rum (half pint of rum).

Antropolítica Niterói, n. 28, p. 151-176, 1. sem. 2010

157

Na Marinha brasileira do século XIX, a cachaça era a bebida predileta,
sendo fartamente disseminada entre marujos e oficiais. Segundo Greenhalgh (1998: 17):
Nas Forças Armadas, substituindo o vinho do período português, ela
constava da ração que se fornecia diariamente aos marinheiros. Em
pouco, esse hábito tornava-se vício e o abuso da medida vinha a ser
causa da maior parte dos atos de indisciplina que se produziam amiúde
a bordo dos navios e estabelecimentos militares e que chegavam, por
vezes, a assumir a gravidade da desordem e do motim.

Este autor também chama a atenção para o aumento do número de
adeptos após a Independência do Brasil, em especial de oficiais de patente, que eram acusados de “alcoolatria”, em razão do convívio com a
oficialidade (ébria) inglesa que havia sido contratada.
Inveterados alcoólatras eram mantidos nos quadros ativos da Marinha,
não só marinheiros e soldados, entre os quais o vício era generalizado,
mas também graduados, mestres, guardiões, patrões etc., que, não
raro, se embriagavam a bordo e até quando em serviço, sendo comum
virem de terra nesse estado. (Greenhalgh 1998: 17)

A Marinha Americana Continental, por seu turno, constituída para lutar
na Guerra da Independência, no século XVIII, também incorporou o uso
da ração de rum a bordo, a partir do convívio de alguns de seus homens
com os da Marinha Real inglesa. Porém, já em 1850, o Departamento
Naval americano questionou o uso de punições corporais, da mesma
forma que o das rações de álcool (spirit). Em 1862, o presidente Lincoln
promulgou uma lei abolindo a ração de grog na Marinha, esperançoso
de poder vir a tomar a mesma atitude drástica em relação ao consumo
de whiskey no Exército. Contudo, essa lei não conseguiu alcançar todas as
embarcações. Na prática, os oficiais só não podiam consumir as bebidas
mais fortes, que eram destiladas (spirituous liquors), podendo beber as
que eram fermentadas.
Inspirado pelo movimento da temperança, no início do século XX, o
secretário naval, John Long, baixou uma determinação proibindo a
venda de bebidas alcoólicas aos conscritos, nos navios ou nos portos.
Adicionalmente, em 1914, uma determinação foi realizada estabelecendo
que o consumo e a introdução de bebidas alcoólicas a bordo de qualquer embarcação, organização ou espaços militares seriam estritamente
proibidos, e os comandantes seriam responsabilizados diretamente pelo
cumprimento dessa ordem.
Antropolítica Niterói, n. 28, p. 151-176, 1. sem. 2010

158

Na Marinha inglesa, a prática do Nelson’s blood ainda perdurou até 1970,
quando o almirantado decidiu aboli-la por mostrar-se anacrônica diante
da realidade da Marinha moderna. Passou-se a exigir uma “cabeça limpa
e uma mão firme para operações e manutenção, não havendo espaço para
reações lentas e maus julgamentos”, como o almirante de esquadra Lord
Lewin of Greenwich prefaciou no livro do capitão James Pack.4 Percebia-se
que a ração diária de rum já não se mostrava compatível com a complexidade das tarefas e sofisticação dos equipamentos dos navios modernos,
providos de ar condicionado e de delicados instrumentos eletrônicos. A
busca pela segurança e eficiência da esquadra, composta de homens mais
bem educados e preparados, tornou-se uma meta. Pesquisas realizadas
com marinheiros embarcados revelaram que: quase todos os casos de
grave indisciplina ocorreram, geralmente, após a distribuição da ração
diária de álcool; um número alto de internações em Netley (um hospital
psiquiátrico) era relacionado ao uso de álcool; e, por fim, a quantidade
consumida estava sendo superior à estipulada, inclusive tendo sido constatado que garrafas estavam sendo guardadas nos armários.
Diante deste quadro, o capitão Pack tornou-se partidário de cortar de
uma vez só a ração de rum, sem deixar vestígios. No entanto, era preciso oferecer uma compensação para tal abolição, criando-se um fundo,
o Tot Fund (Fundo do Trago), que recebeu um depósito inicial de £ 2,7
milhões do Tesouro, como recompensa pela perda do rum, objetivando a criação de instalações recreativas e compra de equipamentos para
atividades como vela e pesca.
Na Marinha brasileira, somente quando os códigos militares passaram a
considerar a embriaguez como circunstância agravante para as faltas e
crimes militares, ao invés de atenuante, tal como era considerada, é que
medidas foram tomadas para eliminar seu consumo a bordo, evitando-se
as pesadas e gravíssimas consequências que vinham sendo observadas.

Cultura do trabalho naval e disponibilidade do álcool
A cultura do trabalho naval e a disponibilidade do álcool são dois aspectos que vêm sendo estudados por Ames e Cunradi (2004/2005), tendo
sido associadas aos problemas relacionados ao uso do álcool entre jovens
militares americanos na atualidade.
A cultura do trabalho refere-se às crenças compartilhadas e às práticas
grupais que influenciam o consumo do álcool, desenvolvidas por pessoas que trabalham juntas, conforme ficou demonstrado em algumas
4

Nelson’s blood: the story of naval rum.

Antropolítica Niterói, n. 28, p. 151-176, 1. sem. 2010

159

pesquisas. (Trice & Sonnenstuhl 1990; Ames & Janes 1992 citados por
Ames & Cunradi 2004/2005). Tais pesquisas revelaram que a cultura
organizacional militar pode representar um fator de risco para o uso
pesado do álcool. Este tipo de cultura foi considerado como fator capaz
de construir crenças entre os militares, como a de que existem certos
contextos que são aceitáveis para o consumo do álcool, incluindo rituais
de beber, antes, durante ou após o expediente, com colegas de trabalho.
Adicionalmente, este tipo de cultura permissiva ao uso do álcool pode
alimentar crenças sobre os modos de beber, como a quantidade a ser
ingerida, a demonstração pública dos efeitos do álcool, o envolvimento
em brigas, enfrentamento com supervisores, adormecer durante o expediente e trabalhar com “ressaca” (Ames, Grube & Moore 1997).
Ames et al. (2004) também estudaram a influência da cultura do trabalho
nas práticas do beber em várias bases militares da Marinha americana,
quando foi possível verificar a existência de rituais e de rotinas de beber,
bem como elementos do ambiente do trabalho que encorajam o consumo de álcool em serviço, em bases de terra e durante os licenciamentos
(deployment liberties), por ocasião do desembarque. Jovens marinheiros
percebem o consumo de álcool com seus colegas de trabalho, ainda que
durante a jornada de trabalho semanal, como um mecanismo apropriado para lidar com o estresse, o tédio, a solidão e a ausência de outras
atividades de lazer. Segundo eles, faz parte da tradição cultural naval o
beber pesado e o comportamento permissivo de beber após o expediente,
inclusive a liberdade de fazê-lo durante o licenciamento. Nestas ocasiões,
o beber permissivo e o beber até o ponto de alcançar a intoxicação não
são, necessariamente, vistos como inadequados ou passíveis de punição,
a menos que eles se encontrem intoxicados a ponto de não conseguirem
voltar para o navio na hora determinada (Ames & Cunradi 2004/2005).
Acredita-se que o fator chave que age como facilitador na cultura ocupacional, tanto no passado quanto na atualidade, é a pronta disponibilidade
do álcool a seus integrantes. A literatura confirma a clara relação entre
o fácil acesso, as altas taxas de consumo e os problemas reportados pelo
uso de álcool.
No que tange à disponibilidade física e social do álcool, ela pode influenciar o beber pesado e o uso abusivo entre jovens militares. A disponibilidade do álcool vem sendo apontada como um fator de risco para o
aumento do seu uso na população em geral (Gruenwald, Millar & Treno
1993) e nos locais de trabalho (Ames & Grube 1999).
Ames et al. (2004) apontam que os militares entrevistados da Marinha
americana reportaram que o álcool e as oportunidades para ingeriAntropolítica Niterói, n. 28, p. 151-176, 1. sem. 2010

160

-lo eram facilmente acessíveis, tanto nos portos estrangeiros, quanto
nas bases americanas dos EUA, assim como nos bares, nos quartéis ou
nos quartos dos hotéis próximos às bases militares. Moore et al. (2007)
também verificaram a existência de um profundo enraizamento das
tradições culturais que apoiam a disponibilidade física e social do álcool
nos ambientes de trabalho.
Entre os pacientes do CEDEQ, a cultura do trabalho naval e a disponibilidade do álcool podem ser observadas pelos seguintes relatos:
– No navio, a bebida “rola solta”. É liberada nas “cobertas” dos sargentos e suboficiais. Lá tem um frigobar. A bebida me ajuda a trabalhar
melhor, fico com mais disposição.
– No navio, a “skol” é liberada. Bebo todos os dias na hora do almoço:
doze latinhas, das onze a uma. O desânimo que sinto de manhã desaparece, à tarde fico legal!

Segundo observações, constata-se que o álcool é a substância psicoativa
mais presente no dia a dia naval, fazendo parte da cultura marinheira.
Seu consumo pode até ser estimulado, desde que ocorra dentro dos códigos tacitamente estabelecidos, como se faz nos almoços às sextas-feiras,
acompanhando uma feijoada ou dobradinha, nos múltiplos coquetéis,
nas comemorações diversas, nas solenidades e nos fecha-ranchos (almoços
tradicionais). Na realidade, verifica-se que na instituição naval brasileira
existe uma postura ambivalente em ação, que afeta profundamente seu
contingente, por meio da qual os critérios relativos ao consumo do álcool
ficam à mercê da visão do comando de uma determinada unidade militar. Assim, ele ora é liberado, ora proibido, ora festejado, ora punido,
conforme expressa um paciente:
– Tudo depende! Se for autorizado pelo comando, tudo bem, pode beber, a bebida
é distribuída com fartura. Se o comandante proíbe, vira contravenção. A vida
do marinheiro é assim, com bebida. Pro oficial é a mesma coisa, só que eles
aprendem a etiqueta, não dão vacilo que nem a gente. Esperam a cerimônia
acabar, as autoridades sair pra se reunir lá na Praça d’Armas, sem ninguém
ficar vendo. Pra eles não pega nada!

Ele também pode ser autorizado de acordo com a antiguidade (o grau
hierárquico, muitas vezes associado ao tempo de serviço) do militar, sendo aceito se ele for graduado a partir de sargento, podendo existir um
frigobar nas cobertas (alojamentos) dessa categoria, com uso franqueado
durante o expediente. Porém, caso ele venha a ser menos graduado,
Antropolítica Niterói, n. 28, p. 151-176, 1. sem. 2010

161

poderá ser punido, exceção feita caso seu superior autorize o consumo,
extraoficialmente, a título de “incentivo”, para realizar as fainas (tarefas) navais: “Nas manobras cada um já leva a sua ‘etapa’ de bebida. No
intervalo todo mundo bebe. Se não beber, não dá pra continuar. O mais
‘antigo’ sabe, faz ‘vista grossa’.”
O estímulo para o consumo do álcool em eventos e festividades parece
relacionar-se com uma solução compensatória para ajudar os trabalhadores a superarem problemas ligados à desmotivação, ao sofrimento
mental, à fadiga, à inadaptação e à insatisfação; e isto sem que se tenha
de alterar as linhas básicas da organização do trabalho. A ação suavizante
também costuma ser empregada, como aponta Seligmann-Silva (1990),
com medidas contemporizadoras de especialistas em relações humanas,
tais como são oferecidas pelos Núcleos do Serviço de Assistência Integrada ao Pessoal da Marinha (N-SAIPM), constituídos de uma equipe
multiprofissional. Lidar com o alcoolismo a partir do alcoólico parece
ser uma saída mais fácil e mais acessível do que propor uma análise mais
ampla e profunda sobre os aspectos organizacionais envolvidos.
Na MB, o consumo do álcool a bordo é uma questão muito difícil de ser
debatida, fazendo parte da cultura marinheira. O uso leve e moderado
é bem aceito e não há uma percepção nítida de que ele possa sequer
gerar acidentes e incidentes no trabalho, quando consumido durante ou
após o expediente. Desconhece-se em que medida os bebedores, leves
e moderados, estão sujeitos a sofrer acidentes ou a provocar incidentes
(violência, acidentes, absenteísmo e a perda de produtividade) no trabalho (Fauske 1977 citado por Vaissman 2004). Na realidade, observa-se
que o uso abusivo do álcool e o próprio alcoolismo não são identificados
sob uma ótica médica, senão quando se encontram em estágio avançado,
tendo comprometido a vida do sujeito de forma ampla. Geralmente,
percebe-se que o militar “passou dos limites” ou que “abusou”, como se
fosse uma inabilidade circunstancial, circunscrita a uma determinada
ocasião, na qual ele não “soube” beber. Este “deslize” seria visto como
um fato isolado, ou ainda fazendo parte de uma “fase” ruim da vida,
após a qual tudo “voltaria ao normal”. Eis porque muitos deixam de
perceber a proximidade desse transtorno, dificultando ações preventivas
e educativas, pois não se sentem implicados no problema.
– Ele chega bêbado todo o dia, mas o encarregado gosta dele, dá conceito 5. Ele faz tudo “na marca”, “não deixa pegar nada.” Nunca deu
problema a bordo. Não quer se tratar de jeito nenhum. Ele é operador
de guindaste! (Paciente do CEDEQ).
Antropolítica Niterói, n. 28, p. 151-176, 1. sem. 2010

162

Alcoolismo e trabalhos marinheiros
Ao se constatar o quanto o alcoolismo tem um componente sociocultural
que o determina, seu aparecimento entre os militares da MB convida ao
exame do papel que a instituição naval tem em sua constituição. Pelos
relatos dos pacientes do CEDEQ, observa-se que, além de existir um
fácil acesso ao álcool e uma cultura organizacional que lhe é favorável,
o beber a bordo é considerado como uma tradição naval importante,
cultivada e ensinada. A sua perpetuação se faz de forma contínua e sutil
no cotidiano naval. Ela é transmitida de maneira direta e indireta, pela
ação grupal, através da difusão de crenças e de mitos, pela sua associação às práticas e aos costumes relacionados à execução de tarefas, e pela
sua inclusão mandatória em festejos e solenidades. É inquestionável a
presença de bebidas alcoólicas, fazendo parte compulsória de uma tradição naval que é vista como se fosse milenar. Segundo o relato de um
paciente: “Nas manobras cada um já leva a sua ‘etapa’ de bebida. No
intervalo todo mundo bebe. Se não beber, não dá pra continuar. O mais
‘antigo’ sabe, faz ‘vista grossa’.”
O consumo de bebidas alcoólicas no cotidiano do trabalho naval se mistura à execução das tarefas diárias que são peculiares desse universo,
podendo ser chamadas de trabalhos marinheiros. Alguns pacientes confirmam esta realidade:
– Os mais antigos costumam até liberar uma “branquinha” pra dar
aquele “incentivo” pra gente terminar a “faxina”. Têm horas que a
gente perde as forças e a cachaça dá aquela animação na galera.
– O pessoal que serve embarcado conhece o sistema da baldeação, da
limpeza do navio quando chega no porto, sabe?! É faxina pesada! Isso
acontece mesmo, na Marinha é assim que funciona, distribuem bebida
pra gente dar conta do recado...

A investigação quanto às condições em que são realizados os trabalhos
marinheiros auxilia o conhecimento sobre o universo no qual se inscreve
uma tradição de se consumir bebidas alcoólicas, comprometendo a sua
higidez. Determinados aspectos característicos da vida laboral marinheira parecem servir de esteio para a consolidação dessa tradição, na
medida em que são fonte de sofrimento psíquico e de desgaste mental,
ingredientes facilitadores da emergência do consumidor abusivo e do
alcoólico. Diante da incapacidade de cumprir com os trabalhos marinheiros de acordo com o preconizado, falhas vão sendo computadas
nos assentamentos do militar, ou melhor, em seus registros profissionais,
Antropolítica Niterói, n. 28, p. 151-176, 1. sem. 2010

163

distanciando-o, paulatinamente, do protótipo esperado de um bom
militar. Tal afastamento, por sua vez, facilita a sua aproximação ao copo,
como aponta outro paciente: “– Eu já parei de beber, mas qualquer coisa de errado que acontece eles acham que é por causa da bebida e me
perseguem de qualquer jeito. Acho melhor eu voltar a beber!”
Acorrentado a esse círculo vicioso, o trabalhador seria induzido a errar
ainda mais. Vulnerável, suas chances de adoecer de várias formas aumentariam, como se observa no caso do alcoolismo, sobretudo quando é
visto como o único ou o principal responsável pela ocorrência das falhas
no trabalho, segundo o ponto de vista tradicional. Por conseguinte, sua
avaliação profissional será norteada em função desses erros concebidos
como sendo exclusivamente seus, gerando uma preocupação justificada,
como a que um dos pacientes expressa a seguir:
– Eu queria pedir às senhoras pra ser desligado do CEDEQ. Eu gosto
muito daqui, tá me ajudando mesmo. Mas é por causa do conceito.
Eles baixaram meu conceito e eu preciso recuperar pra conseguir ser
promovido. Se eu continuar vindo pro CEDEQ, nunca vão aumentar
o meu conceito; vai prejudicar a minha carreira, sabe?!

Alguns estudiosos vêm se debruçando sobre o tema da psicopatologia
e psicodinâmica do trabalho, observando que determinadas condições,
processos e organização do trabalho são capazes de adoecer os trabalhadores, provocando sofrimento psíquico e desgaste mental, levando-os a
cometer falhas e expondo-os a riscos (McLean & Taylor 1958 citado por
Seligmann-Silva 1990; Araújo 1986 citado por Vaissman 2004; Dejours
1987; Silva Filho 1989; Rangel 1994; Seligmann-Silva 1995; Borges
1995; Lacaz 1996).
– É difícil pro “taifeiro” largar da bebida. Tenho que servir bebida no
“rancho”, no “gabinete” do diretor... É muita “latinha”, bebida “quente”,
tudo do bom e do melhor! Já pedi pra mudar de função, pra me afastar,
mas os “superiores” não entendem, dizem que não tem outro pra botar
no meu lugar. Falam que eu é que não sei beber. (Paciente do CEDEQ)

Constata-se que determinados padrões de produtividade e de comportamento se coadunam com os estabelecidos pela sociedade moderna
ocidental, que espera que seus integrantes participem do intenso movimento de produção, comércio e consumo. Caso contrário, aqueles que
demonstram impossibilidade de exercê-los serão expurgados. Neste
cenário, observa-se a dualidade que o trabalho oferece, propiciando crescimento e sofrimento, conforme Seligmann-Silva (1990: 218) esclarece:
Antropolítica Niterói, n. 28, p. 151-176, 1. sem. 2010

164
O trabalho é essa atividade tão específica do homem que funciona
como fonte de construção, realização, satisfação, riqueza, bens materiais
e serviços úteis à sociedade humana. Entretanto, o trabalho também
pode significar escravidão, exploração, sofrimento, doença e morte. A
escravidão, oficialmente abolida na maioria dos países do mundo atual,
deixava bem clara a delimitação entre os homens que eram donos do
poder e dos meios de produção e aqueles outros homens, utilizados
como ferramentas vivas na produção e no servir.

Baseado na visão hegeliana a respeito da igualdade entre linguagem
e trabalho, enquanto dicção da própria identidade, Silva Filho (1989:
6) estabelece: “Assim, o trabalho é linguagem, pois é uma forma de se
revelar e, inversamente, a linguagem é também trabalho, pois é uma
transformação da língua sobre a língua e, dessa forma, comunicação”. Se
trabalho é linguagem, a existência de problemas ou de falhas na esfera
do trabalho também poderá estar comunicando algum aspecto relevante sobre o trabalhador e seu local de trabalho, sobretudo se a questão
da falha humana for analisada, não pela ótica do seu comportamento,
mas da sua conduta. Por meio desse ponto de vista, leva-se em conta a
parte não visível da falha, tais como os motivos, os impulsos e os pensamentos que acompanham, precedem e seguem um comportamento.
Nessa perspectiva, altera-se não só a visão que se tem da falha. Também
a do trabalho e do trabalhador, passando a abarcar aspectos como sua
motivação e desmotivação, a cultura e os valores da empresa, em vez
de centrá-la sobre seu comportamento, avaliando-o e culpabilizando-o
como negligente ou incompetente (Dejours 2005).
Alguns exemplos de trabalhos marinheiros podem ser observados entre
aqueles que exercem certas especialidades mais operativas, realizadas
em navios, batalhões e em organizações militares ligadas à aviação naval
que, em razão de sua natureza, poderão gerar estresse e a busca de apoio
no álcool para relaxar. São especialidades que exigem a realização de
exercícios e manobras em ritmo intenso e extenuante, ocorrendo, muitas
vezes, de forma inopinada, ou seja, sem aviso prévio, obrigando o indivíduo a estar sempre em estado de prontidão, a realizar tarefas em dias
e horários variados, inclusive nos feriados e nos finais de semana. Com
isto, as jornadas de trabalho podem se estender sobremaneira, levando-o
a viver um isolamento, parcial ou total, dependendo da tarefa, afastando-o do meio social e familiar, muitas vezes envolvendo atividades de risco,
tais como as dos mergulhadores, aviadores, submarinistas e maquinistas.
Nesse contexto, a presença de bebidas alcoólicas se torna fundamental
para muitos militares, como relata um paciente:
Antropolítica Niterói, n. 28, p. 151-176, 1. sem. 2010

165
– Nas manobras, a gente forma o ‘time’ conforme a preferência do
grupo: se o pessoal bebe, todos os que entram têm que beber, pra ficar
tudo igual. Se eles usam droga, maconha, todos os que entram no ‘time’
têm que usar, pra não ficar diferente, entende?!

Outro aspecto intrínseco à vida militar refere-se à sistemática das movimentações do militar para diferentes organizações navais no território
nacional, afastando-o de sua família e cultura de origem, muitas vezes
durante toda a sua carreira. Este é um aspecto sobre o qual ele não parece
ter plena consciência quando decide ingressar na MB. Os pacientes do
CEDEQ relatam que seu conhecimento a respeito da instituição naval,
antes do ingresso, era nulo ou superficial, geralmente se atendo às imagens veiculadas na propaganda da mídia ou em palestras informativas,
mostrando cenas operativas realizadas nas manobras, navios e aeronaves,
bastante atraentes, sobretudo àqueles que disputam água e comida nas
regiões interioranas do país.
– Confesso que assim que entrei na Marinha, ainda garoto, eu pensava
que ia virar Almirante. Eu tinha muitas ilusões, muitos sonhos... Tá
difícil de virar sargento, sou cabo há um tempão! Imagina querer ser
almirante! Mas não sou só eu, não! Conheço muito “neguinho” que
também pensava como eu, achava que ia entrar na Marinha e ia virar
comandante, viajando pelo mundo. A realidade é diferente, a gente
tem que “ralar” muito aqui dentro, tem que pegar na vassoura, varrer
chão, fazer faxina! (Paciente do CEDEQ)

Ainda assim, mesmo com esses sonhos frustrados, a garantia de que terão
educação, abrigo, alimentação e salário é uma oferta irrecusável. Porém,
o dia a dia vai revelando mais do que o que foi exibido nos slides das
palestras ou nas propagandas televisivas, destacando-se o afastamento
da terra natal e o afrouxamento de laços culturais, muitas vezes fragilizando o sujeito que ingressou na MB com pouco mais de 17 anos de
idade. Inscritos nas escolas de aprendizes, localizadas nas regiões mais
próximas de suas moradias, muitos relatam que não se apercebiam de
que iriam, na sua totalidade, ser movimentados para outros distritos
navais, para outras regiões do país, muitas vezes, de forma definitiva. Ao
longo da carreira, as oportunidades para as movimentações são incertas,
facilitadas àqueles que, segundo a percepção dos militares do CEDEQ,
têm “QI” (quem indique). Ou seja, àqueles que têm “cocha” (padrinho,
protetor), embora exista regra oficial para obter-se a movimentação: ter
conceito 5 (corresponde ao maior valor dado a um praça na avaliação
semestral), pontuação para a carreira, tempo de embarque e ausência
de pontos perdidos. Contudo, diante da dificuldade de atender a todos
Antropolítica Niterói, n. 28, p. 151-176, 1. sem. 2010

166

esses critérios, a movimentação pode ir se tornando remota, ficando à
mercê da sorte, sobretudo por ser grande a chance de perder pontos,
atrelada às probabilidades maiores de se cometer falhas, inclusive de se
incorrer em contravenções disciplinares, conforme dispostas no Regulamento Disciplinar para a Marinha (Brasil, 1996). Diante da incerteza
de voltar às raízes originais, o militar tende a buscar apoio entre colegas
de farda, em muito facilitado pelo consumo grupal de bebidas alcoólicas.
Outra vertente dos trabalhos marinheiros que pode aproximar o militar do hábito progressivo de consumir bebidas alcoólicas refere-se à
sua posição na estrutura organizacional, bem como às repercussões e
significados que podem assumir em sua vida. Portanto, é preciso destacar que a totalidade dos pacientes do CEDEQ é constituída de praças,
isto é, de um grupo menos prestigiado da MB, composto de soldados,
marinheiros, cabos, sargentos e suboficiais, que fazem parte da base da
pirâmide da cadeia hierárquica.
Observa-se, pelos seus relatos, que poucos tinham pleno conhecimento
de que fariam parte desse grupo antes de seu ingresso na MB. Houve
um paciente que estava certo de que seria um almirante quando entrou
para a MB, até perceber que mal conseguia avançar na carreira, tendo
estagnado na graduação de cabo. No entanto, para muitos, diante da
pobreza e da falta de perspectivas de vida na terra natal, parece ser
irrelevante fazerem parte de grupo menos prestigiado da instituição
(ao qual cabe a realização de tarefas predominantemente relacionadas à
execução de serviços gerais, como limpeza), sobretudo quando são cabos,
marinheiros e soldados. Embora estudem em centros de instrução da MB
para obterem especializações, é rotineiro serem convocados a exercer atividades como lavar e varrer. Por sentirem que isto faz parte da dinâmica
institucional, muitos absorvem esta condição com bastante resignação.
Contudo, geralmente esperam progredir na carreira para se livrarem
destas faxinas (tarefas). Suas queixas, que lhes trazem sentimentos de
vergonha, se referem aos oficiais que, motivados pela necessidade de
afirmar seu poder de mando, fazem prevalecer o ditado: “Manda quem
pode e obedece quem tem juízo”. Assim, diminuem o militar menos graduado, ao ordenarem a execução de tarefas desnecessárias ou absurdas.
“Em estabelecimentos militares, o trabalho obrigatório com minúcias
evidentemente inúteis pode fazer com que os soldados sintam que seu
tempo e esforço não têm valor” (Sykes 1958 citado por Goffman 1961).
A esse respeito, um dos pacientes relatou o seguinte episódio: “– O
comandante, vendo que o grupamento já tinha terminado as faxinas
Antropolítica Niterói, n. 28, p. 151-176, 1. sem. 2010

167

cedo, mandou jogar todo o lixo no pátio pra gente varrer, pra ninguém
ficar ocioso.”
Estudos revelam que processos de dominação-sujeição, como os observados no âmbito do trabalho naval, são capazes de conduzir ao alcoolismo,
por gerarem sofrimento psíquico. Estes processos podem afetar a própria
identidade do sujeito, dando margem à irrupção de uma alienação e à
automatização do trabalhador, potencializando o surgimento de alterações psicopatológicas relacionadas com a perda da autonomia e com a
extirpação de desejos e esperanças. Trata-se de uma espécie de mutilação
do eu, que tende a ocorrer entre os indivíduos que se encontram nas
chamadas instituições totais, propostas por Goffman (1961).
A instituição total pode ser definida como um local que é, ao mesmo
tempo, residência e trabalho, onde um grande número de indivíduos
em situação semelhante, exercendo atividades em conjunto, encontra-se separado da sociedade por algum tipo de barreira: um muro alto,
um pântano ou arame farpado. Seu aspecto central geralmente se relaciona com a ruptura das fronteiras que separam a vida particular da
profissional. Realizam-se no mesmo local os diferentes aspectos da vida,
sob uma única autoridade, em horários impostos, de acordo com um
sistema de regras, obedecendo a um plano racional único, supostamente
concebido para ir ao encontro aos objetivos oficiais da instituição. Um
fato básico que também se observa é o exercício do controle de muitas
das necessidades humanas pela organização.
– A gente se acostuma, né?! Fazer o quê?! O pessoal lá em casa já sabe
da vida no quartel. O serviço é dois por um, às vezes nem adianta ir
pra casa, sai caro! O jeito é dormir por lá mesmo e voltar pra casa no
final da semana. (Paciente do CEDEQ).

Quartéis e navios são exemplos desse tipo de instituição, sendo que
suas barreiras são erigidas, preferencialmente, pelos regulamentos que
estabelecem formas culturais de agir, de ser e de pensar. Nessas instituições, prevalece a vigilância exercida pelo grupo dos controladores (os
superiores hierárquicos) sobre o grupo dos controlados (os inferiores
hierárquicos), fazendo vir à tona o desvio da homogeneidade de comportamentos e gestos do grupo controlado, que sobressai ao olhar atento
do supervisor. Nessa dinâmica, torna-se possível a identificação do infrator, acentuando-se a divisão básica entre controladores e controlados,
acirrando as concepções estereotipadas que fazem uns sobre os outros,
animadas por sentimentos antagônicos, hostis e limitados, ou ainda,
por sentimentos de apatia e resignação, aumentando a distância social
Antropolítica Niterói, n. 28, p. 151-176, 1. sem. 2010

168

entre eles. Tais características determinarão a incompatibilidade entre
as instituições totais e a vida particular, sobretudo no nível familiar. Elas
criam e sustentam uma tensão entre o mundo doméstico e o institucional,
servindo de força estratégica para controlar os sujeitos.
Controlados, geralmente esses indivíduos não têm uma atitude de queixa,
como se observa entre os pacientes do CEDEQ. É mais comum a presença
de um sentimento de culpa ou de embaraço ao formularem qualquer
comentário crítico à MB, como se fosse uma traição à “Marinha-mãe”,
que os acolhe, alimenta e abriga. “A Marinha é boa, o sistema é que é
mau!”, manifestam. A percepção de que as condições laborais expõem
o trabalhador naval a riscos, colaborando para o uso abusivo do álcool e
para a instalação do alcoolismo, é nublada. Talvez pelo forte sentimento
de gratidão que os acompanha desde quando eram jovens, sendo-lhes
mais confortável absorverem toda a culpa pela sua condição. É possível que esse sentimento aponte para a existência de um eu silenciado,
conformado, enquadrado nos parâmetros institucionais desde o seu
ingresso na MB.
Ao ingressar na instituição total, o sujeito traz concepções a seu respeito,
que possibilitaram algumas disposições sociais estáveis no seu mundo doméstico. Porém, após seu ingresso, ele é imediatamente despido do apoio
recebido por essas disposições, passando, segundo Goffman (1961), por:
[...] uma série de rebaixamentos, degradações, humilhações e profanações do eu. O seu eu é sistematicamente, embora muitas vezes não
intencionalmente, mortificado. Começa a passar por algumas mudanças
radicais em sua carreira moral, uma carreira composta pelas progressivas
mudanças que ocorrem nas crenças que têm a seu respeito e a respeito
dos outros que são significativos para ele. (24)

Para que tal mortificação ocorra, o sujeito atravessa processos relativamente padronizados, constatados nas organizações militares, embora
os de mortificação do eu não sejam tão acentuados como em outras
instituições totais, como penitenciárias e manicômios.
Na vida militar também há uma barreira que se coloca entre os dois
mundos, doméstico e institucional, assinalando a primeira mutilação do
eu, pois um horário que possa garantir ao indivíduo resguardar o seu eu
civil é incerto. Ele vivencia um despojamento do papel, ou melhor, a vida
do sujeito é perpassada em todas as suas esferas pela vida institucional,
fato acirrado quando ele rompe, parcial ou totalmente, com os papéis e
pessoas do mundo privado.
Antropolítica Niterói, n. 28, p. 151-176, 1. sem. 2010

169
– No navio, é direto, não tem hora pra “baixar terra”. Se o Comandante
decide que o navio vai sair, não importa se ele acabou de atracar. Na
hora do “licenciamento”, quando eu saio do navio, eu já tô “carimbado”,
decidido a beber! (Paciente do CEDEQ)

Isto pode ser observado nos processos de admissão à vida militar, ao
mesmo tempo como despedida e começo. Por meio deles, os sujeitos
deverão atender aos critérios da seleção, de acordo com um perfil profissional e pessoal estabelecidos, incluindo provas teóricas, exames de
saúde, testagem psicológica e de aptidão física.
Os processos de admissão talvez pudessem ser denominados “arrumação” ou “programação”, pois, ao ser “enquadrado”, o novato admite
ser conformado e codificado num objeto que pode ser colocado na
máquina administrativa do estabelecimento, modelado suavemente
pelas operações de rotina. (Goffman 1961: 26)

Após o ingresso, nas escolas de formação de militares, os novatos passam
por uma série de experiências que têm por finalidade a criação de um
grupo unificado e homogêneo. Esse objetivo é facilitado pelo uso de
uniformes, com o cumprimento de um período de isolamento (parcial
ou total), com a submissão a testes de obediência, mudanças na aparência
pessoal (corte de cabelo), além de outras formas de “iniciação”.
Enfim, a vida aquartelada naval parece propiciar condições facilitadoras
do ingresso das bebidas alcoólicas em suas vidas, tendo como porta de entrada a própria fragilidade do sujeito, cujo eu vai sendo progressivamente
minimizado, de forma sutil, a partir de seu ingresso na carreira militar.
Somada à aprendizagem de uma tradição favorável ao seu consumo, as
chances de um militar desenvolver o alcoolismo são maximizadas. Essa
cultura, mesmo que não explícita, parece ter raízes em outras experiências fora do território nacional, que serviram de modelo e justificativa
para a sua manutenção e que teriam sido absorvidas na MB, como foi
demonstrado anteriormente, ao se discorrer sobre a tradição da distribuição do grog nos navios ingleses.

Desenvolvendo o habitus alcoólico a bordo
Conforme venho demonstrando, a emergência do desgaste mental e do
sofrimento psíquico, oriundos da realização dos trabalhos marinheiros,
somados à existência de uma cultura de trabalho naval e da fácil disponibilidade de bebidas alcoólicas provocam o surgimento de um habitus
alcoólico.
Antropolítica Niterói, n. 28, p. 151-176, 1. sem. 2010

170

Segundo Bourdieu (1992), o habitus se refere a uma disposição que vai
sendo incorporada, quase postural, permitindo a interiorização das
estruturas do mundo social. O habitus alcoólico, por sua vez, seria um
tipo de tradição oral que vai sendo incorporada, amparada por crenças
e mitos relacionados à associação do uso do álcool à virilidade e à alegria, pesadamente veiculada pela mídia. Entre os militares, pacientes
do CEDEQ, constata-se que determinados padrões de comportamento
relacionados ao ato do beber vão sendo incorporados, passando a fazer
parte do ser do indivíduo, relacionados ao universo da organização
naval, tendo como suporte uma cultura marinheira favorável ao uso do
álcool. O habitus alcoólico vai sendo assimilado pelo sujeito desde o seu
ingresso na vida militar, facilitado por processos de des-pessoalização. Ou
seja, verifica-se o quanto ele não tem a sua individualidade garantida
na organização, aspecto que é revelado pelos pacientes do CEDEQ nas
sessões de psicoterapia, conforme comentário anterior.
Desse modo, o habitus alcoólico vai sendo progressivamente sedimentado
entre os militares, fruto de aspectos que são idiossincrásicos da vida e
cultura navais, associado às práticas do beber coletivo, modos, gírias,
piadas e trejeitos. Nessa dinâmica, um contingente de adeptos vai sendo
então treinado a beber no decorrer da carreira, muitos deles chegando
a desenvolver a dependência química. São padrões de consumo que vão
sendo elaborados no grupo, em conjunto, como aponta Velho (1998).
É um consumo que não se esgota em função dos efeitos fisiológicos
produzidos pela ingestão da substância, mas está entranhado nas vidas
desses militares, como demonstram a seguir:
– Foi na Marinha que eu aprendi a beber. Durante o serviço, eu começo
a beber na imaginação! Fico ansioso pra sair com os “campanhas”, a
gente ri, melhor do que ir pra casa, dá de cara com a “D. Maria”!
– Sexta-feira “rola” uma caipirinha com dobradinha. Sempre tem um
evento, um “aniversariantes do mês”... A gente “dá duro”, mas depois
eles patrocinam aquele churrasco com bebida à vontade. A diversão da
gente é essa, churrasco, bater uma “bolinha”, depois beber uma “gelada”! Não conheço outra diversão. Ainda tenho dez anos de Marinha.
É com o apoio dos amigos que eu consigo chegar lá.

Ao discutir sobre o uso de drogas, Young (1971) ressalta a existência de
relação dialética entre o estado subjetivo do indivíduo e os efeitos psicotrópicos objetivos da droga, por meio da qual se destacaria a maneira
como os consumidores interpretam as mudanças orgânicas que vivem,
em conformidade com as noções subjetivas do que se passa com eles.
Antropolítica Niterói, n. 28, p. 151-176, 1. sem. 2010

171

Tais noções são aprendidas em grupo, ou melhor, consumidores passam
a ser socializados no uso de uma substância como o álcool. Velho (1998:
79) observou essa situação entre indivíduos que consumiam maconha.
Verificou que havia “[...] a orientação de indivíduos mais experimentados que são não só capazes de transmitir técnicas, mas de interpretar
as sensações físicas que os iniciantes estão sofrendo”. Acredita-se que
uma aprendizagem nesses moldes encontre-se em ação no caso do álcool, evidenciando a existência de um habitus alcoólico. Na realidade,
verifica-se que ambos, o habitus alcoólico e a tradição do beber naval,
reforçam-se mutuamente, registrando na mentalidade do contingente
naval, percepções simpáticas ao consumo e selando o destino fatal de
muitos militares, marcados por um condicionamento sutil e eficaz, de
difícil reversão. “– A cada dia tenho uma briga pra não recair. Eu admiro quem sabe beber, é tão bonito! Eu vim pro CEDEQ pra aprender a
beber” (Paciente do CEDEQ).

Considerações finais
Neste artigo, refleti sobre a tradição aprendida e apreendida, assimilada
graças a uma tradição e cultura navais que sustentam determinadas práticas e crenças relacionadas ao consumo de bebidas alcoólicas, dentro e
fora das organizações da MB. Em seu nome, qualquer questionamento
emudece, ao som da solene declaração de que “beber é uma tradição
naval” e ponto final (sem vírgula ou ponto e vírgula). Evidencia-se a presença de uma crença “blindada”, sem abrir espaço para qualquer reflexão
ou questionamento. Por ser um costume amplamente incorporado, o
consumo passa a ser naturalizado, quase compulsório, alçado ao status
de modelo universal, aplicável a todas as Marinhas, em todos os tempos
planetários. “O marujo bebe, sempre bebeu e assim permanecerá: bebendo”, sentenciam em todos os recantos da MB. Crenças protegidas contra
ressalvas, sua difusão fica garantida com o silêncio tácito na existência da
inquebrantável, inquestionável e sacrossanta tradição, fortalecida pelas
práticas cotidianas relacionadas ao beber e pelas crenças reafirmadas.
O estímulo ao consumo de bebidas alcoólicas se consolida em ações e
conceitos decantados em uníssono, pelo indivíduo, pelo treinamento e
pela sociedade na qual ele se encontra inserido; reforçados por uma força
sobrenatural ou procedimentos mágicos prometidos pela mídia, criando
mitos que conferem ao álcool atributos viris, de sucesso e de alegria, fazendo elogio ao pressuposto espírito bem brasileiro da descontração. Uma
magia que se busca para facilitar relacionamentos, associações, aprendizagem de códigos grupais, na forma de trejeitos, gírias e brincadeiras.
Antropolítica Niterói, n. 28, p. 151-176, 1. sem. 2010

172

Atos sociais que dão contornos palpáveis ao chamado espírito de “copo”.
No entanto, a partir do momento em que o indivíduo é visto como consumidor excessivo, dotado de comportamentos desviantes, acusado por
falhas, evidenciando o surgimento de um consumo patológico, a eficácia
almejada – para ser um bálsamo para a dor, ânimo para o trabalho e ponte de ligação entre colegas – perde seu valor diante dos inconvenientes
provocados. Consequentemente, a aplicação de medidas de exclusão se
torna imperativa, não do álcool, mas do indivíduo que não soube beber
dentro das regras tacitamente estabelecidas e de normas congruentes.
Ainda que não se conheça numericamente a extensão do problema das
drogas na MB e, em particular, do alcoolismo, os relatos dos pacientes
evidenciam que a instituição naval reproduz uma cultura que é simpática
e favorável ao consumo do álcool. Por meio dos seus relatos, foi possível
verificar que o álcool é a substância psicoativa mais presente no dia a dia
naval, fazendo parte da cultura marinheira, condição de entrosamento,
de adaptação e, paradoxalmente, de exclusão.
Adicionalmente, ao longo deste texto, buscou-se entender de que forma o beber a bordo pode se transformar em uma tradição aprendida.
Como principais razões, destacaram-se os seguintes aspectos: a constatação da existência de uma cultura e tradições que sustentam hábitos e
práticas que apoiam seu consumo, criando oportunidades de beber e
disponibilizando bebidas alcoólicas. Amparadas por normas favoráveis
que apoiam crenças em prol do consumo, inclusive no ambiente de
trabalho, perpetuam falsas concepções sobre o hábito de beber e sobre
o alcoolismo, alimentando mitos e consolidando distorções perceptivas,
obviamente a favor de seu consumo. Incutido de forma insidiosa desde
o ingresso do jovem militar na organização naval, o habitus alcoólico vai
sendo disseminado, compartilhado e reproduzido pelos militares no seu
cotidiano, treinando-os a pensar e a se comportar em torno da permanente reedição de práticas etílicas. A existência de políticas ambivalentes
parece reforçar a propagação desta forma de agir, ao implementar a “lei”
de forma relativizada, inconstante, à mercê dos interesses em jogo, dos
juízos das autoridades, dos afetos e desafetos, sobretudo incidindo mais
duramente sobre o grupo dos praças.
Por conseguinte, os pacientes do CEDEQ possibilitaram o conhecimento
de uma dinâmica – mórbida – que se instala profundamente na forma de
um habitus alcoólico, com a parceria institucional, não por força exclusivamente de mecanismos subjetivos, mas por um tipo de idiossincrasia
social, expressa em âmbito corporativo, abençoado e endossado pela
cultura e tradição naval etílica. O conhecimento desta mecânica, que até
Antropolítica Niterói, n. 28, p. 151-176, 1. sem. 2010

173

então se fazia invisível, inaudível e imperceptível, se configura em um
passo básico e, ao mesmo tempo, fundamental para reverter a perene
fabricação de gerações de bebedores navais. Enquanto isto, a proliferação
de adictos impera, trazendo consequências nefastas para uma boa parcela
do contingente naval, na forma de óbitos, desenvolvimento de outras
patologias correlatas, perdas em todas as esferas da vida do sujeito e da
instituição naval, erros cometidos no cotidiano da vida militar, e, por
fim, colocando em risco vidas e equipamentos.
Mudar esta tradição e cultura pressupõe, em primeiro lugar, resgatá-las
do silêncio tácito, ou ainda, da cegueira coletiva, que as mantêm reféns
das ilusões etílicas, compulsivas em arrebanhar neófitos. Implica ainda
a dissolução das quimeras prometidas pelas alegrias fugazes dos efeitos
alcoólicos, liberando seus cativos, cujas vidas lhes foram usurpadas. A
cada gole entornado, uma gota de vida se esvai, drenando seus recursos
pessoais, profissionais e financeiros, em uma transfusão progressiva e
implacável, restando-lhes, nesta simbiose, uma existência anestesiada, um
“eu ébrio”. Por outro lado, reformular esta tradição e cultura pressupõe a
conscientização de que o habitus alcoólico é uma construção institucional
distinta da concepção tradicional linear e objetiva de doença. O habitus
alcoólico afeta o sujeito de forma integral, cooptando o contigente naval
indiscriminadamente, sobretudo os grupos minoritários, estigmatizados,
discriminados, ou seja, o grupo dos praças, justamente aqueles que vivem a ambivalência institucional e que buscam tratamento no CEDEQ.
Somente com a conscientização de que o beber a bordo faz parte de
uma tradição aprendida e que pode, pouco a pouco, ser desaprendida,
é que uma política com ações preventivas e profiláticas no meio laboral
poderá ser implementada, assegurando a higidez de seu contingente.

Abstract
The notorious multifaceted character of alcoholism enables the identification
of certain aspects besides the subjective ones that take place in the determining
processes of this condition, the external factors, such as the ones concerning labor
itself. Those are related to a cultural aspect of the organization and its traditions
that support and stimulate alcohol consumption. The observation of alcoholic
militaries from the Brazilian Navy, who are patients at the Navy Central Hospital
(Hospital Central da Marinha), allows the exam, from their histories and reports,
at which extend their alcoholism has been constituted based upon their learning
on how to drink on board, since their entrance in the navy institution, supported
by navy traditions. It can be observed the existence of a way of drinking that is
based on role models, generally in groups, associated to daily working dynamics’
Antropolítica Niterói, n. 28, p. 151-176, 1. sem. 2010

174
basis, producing an alcoholic habitus, that is, a sort of behavior that is postural,
gestural, like a language, full of meaning.
Keywords: alcoholism; military personnel;working conditions; culture.

Referências
AMES, Genevieve M., GRUBE, Joel W. e MOORE, Roland S. 1997.
“Relationship of Drinking and Hangovers to Workplace Problems: an
Empirical Study”. Journal of Studies on Alcohol, 58(1): 37–47.
AMES, Genevieve M. e GRUBE, Joel W. 1999. “Alcohol Availability and
Workplace Drinking: Mixed Method Analyses”. Journal of Studies on
Alcohol, 60(3): 383-393.
AMES, Genevieve M., CUNRADI, Carol B. e MOORE, Roland S. 2004.
“A Longitudinal Study of Drinking Behavior Among Young Adults in
the Military”. Paper presented at the Research Society on Alcoholism Annual
Scientific Meeting, Vancouver, BC, June.
AMES, Genevieve M. e CUNRADI, Carol B. 2004/2005. “Alcohol Use
and Preventing Alcohol-related Problems Among Young Adults in the
Military”. Alcohol Research & Health, 28(4): 252-257.
BORGES, Luiz Henrique. 2000. “Trabalho em Processos Repetitivos:
Sociabilidade, Sofrimento Psíquico e Lesões por Esforços Repetitivos
(L.E.R.)”. In: Organização do Trabalho e Saúde Mental. (Cadernos IPUB).
Rio de Janeiro: IPUB/UFRJ. pp. 67-80.
BOURDIEU, Pierre. 1992. A Economia das Trocas Simbólicas. São Paulo:
Perspectiva.
_______. 2007. O Poder Simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.
CRUZ, Marcelo Santos e FERREIRA, Salette Maria Barros. 2001.
“Determinantes Socioculturais do Uso Abusivo de Álcool e Outras
Drogas: uma Visão Panorâmica. In: M. Cruz e S. Ferreira (org.). Álcool
e Drogas: Usos, Dependência e Tratamentos. Rio de Janeiro: Edições IPUB/
CUCA. pp. 95-114.
DECRETO n. 88.545. (1983, 26 de julho de 1983). Aprova o
Regulamento Disciplinar para a Marinha e dá outras providências. Serviço
de Documentação da Marinha. Rio de Janeiro, RJ, artigo 7o.
DEJOURS, Christophe. 1987. A Loucura do Trabalho: Estudo de
Psicopatologia do Trabalho. São Paulo: Oboré Editorial.
________. 2005. O Fator Humano. Rio de Janeiro: Editora FGV.
Antropolítica Niterói, n. 28, p. 151-176, 1. sem. 2010

175

GOFFMAN, Erving. 1961. Manicômios, Prisões e Conventos. São Paulo:
Editora Perspectiva. S.A.
GREENHALGH, Juvenal F. L. 1998. Presigangas e Calabouços ou Prisões
da Marinha no Século XIX. Rio de Janeiro: Serviço de Documentação da
Marinha.
GRUENWALD, Paul J., MILLAR, Alex B. e TRENO, A.J. 1993. “Alcohol
Availability and the Ecology of Drinking Behavior”. Alcohol Health &
Research World, 17(1): 39–45.
LACAZ, Francisco Antonio de Castro. 1996. Saúde do Trabalhador; um
estudo sobre as formações discursivas da academia, dos serviços e do movimento
sindical. Tese de Doutorado, Faculdade de Ciências Médicas, Universidade
Estadual de Campinas, São Paulo, Brasil.
LUZ, Madel Terezinha. 1988. Natural, Racional, Social: Razão Médica e
Racionalidade Científica Moderna. Rio de Janeiro: Campus.
MINISTÉRIO DA MARINHA. (2007). Guia para estudos de estratégia –
EGN-304B, 207p. Rio de Janeiro: Escola de Guerra Naval.
MOORE, Roland S., AMES, Genevieve M. e CUNRADI, Carol B.
2007. “Physical and Social Availability of Alcohol for Young Enlisted
Naval Personnel in and Around Home Port”. Substance Abuse Treatment,
Prevention, and Policy. 2(17), June 30.
PACK, James. 1982/1995. Nelson’s Blood: the Story of Naval Rum. Stroud:
Alan Sutton Publishing.
PRADO MAIA, João do. 1965. A Marinha de Guerra do Brasil na Colônia
e no Império (Tentativa de reconstituição histórica). Rio de Janeiro: Livraria
José Olympio Editôra.
RANGEL, Maria Lígia. 1994. “Risco e Saúde nos Locais de Trabalho”.
In: Physis: Revista de Saúde Coletiva. Rio de Janeiro: Relume Dumará,
IMS-UERJ. 4(1): 133-145.
SÁAD, Ana Cristina. 2001. “Tratamento para Dependência de Drogas:
uma Revisão da História e dos Modelos”. In: M. Cruz e S. Ferreira (org.).
Álcool e Drogas: Usos, Dependência e Tratamentos. Rio de Janeiro: Edições
IPUB/CUCA. pp. 11-32.
SELIGMANN-SILVA, Edith. 1990. “Saúde Mental e Trabalho”. In:
S. Tundis e N. Costa (org.). Cidadania e Loucura: Políticas de Saúde Mental
no Brasil. Petrópolis: Editora Vozes/ABRASCO. pp. 217-287.

Antropolítica Niterói, n. 28, p. 151-176, 1. sem. 2010

176

_________. 1995. “Psicopatologia e Psicodinâmica no Trabalho”. In: R.
Mendes. (org.) Patologia do Trabalho. Rio de Janeiro: Editora Atheneu.
pp. 287-310.
SILVA FILHO, João Ferreira da. 1989. Saúde Mental e Trabalho. Tese de
Doutorado, Instituto de Psiquiatria – IPUB, Universidade Federal do
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
SILVA FILHO, João Ferreira da e LUCE, Cristina. 2001. “O Declínio do
Pai, a Mimesis e a Toxicomania”. In: M. Cruz e S. Ferreira (org.). Álcool
e Drogas: Usos, Dependência e Tratamentos. Rio de Janeiro: Edições IPUB/
CUCA. pp. 63-76.
VAISSMAN, Magda. 2004. Alcoolismo no Trabalho. (Coleção Loucura XXI).
Rio de Janeiro: Editora Garamond Ltda.
VELHO, Gilberto. 1998. Nobres & Anjos: um Estudo de Tóxicos e Hierarquia.
Rio de Janeiro: Editora Fundação Getulio Vargas.
VENÂNCIO, Renato Pinto e CARNEIRO, Henrique. 2005. Introdução.
In: R. Venâncio e H. Carneiro (org.) Álcool e Drogas na História do Brasil.
São Paulo: Alameda; Belo Horizonte: Editora PUCMinas.
YOUNG, Jock. 1971. The Drugtakers: the Social Meaning of Drug Use.
London: Paladin.

Antropolítica Niterói, n. 28, p. 151-176, 1. sem. 2010