Para ajudá-lo a encontrar respostas claras e concretas às suas perguntas

CONHECER A ASTROLOGIA
A ASTROLOGIA OCIDENTAL

A interpretação dos 12 signos do Zodíaco
Estas primeiras interpretações proporcionam as características gerais de cada signo. Elas são, porém, aprofundadas ao longo desta obra.

ÁRIES
primeiro signo do Zodíaco (de 21 de março a 19 de abril) Áries é ativo, energético, entusiasta; olha para o futuro, manda e é audaz, às vezes cegamente. A pessoa nascida sob este signo dirige-se sempre para a frente. É o signo dos chefes, guerreiros e pessoas decididas. E também o signo dos pio­ neiros.

TOURO
segundo signo do Zodíaco (de 20 de abril a 20 de maio) Touro é sensato e tem os pés assenta­ dos na terra; é o signo da força tranqüila, do bem-estar, dos prazeres saudáveis e simples, da felicidade diária e do viver bem. Às vezes, tais características fazem do nascido sob este signo uma pessoa indolente, passiva e preguiçosa.

GÊMEOS
terceiro signo do Zodíaco (de 21 de maio a 21 de junho) Gêmeos é o signo do poder de adapta­ ção às circunstâncias mais variadas, da inteligência flexível e viva, da comu­ nicação, da eloqüência, da sociabilidade, mas também se pode caracterizar a pes­ soa nascida sob este signo como leviana, inconstante e influenciável.

CÂNCER
quarto signo do Zodíaco (de 22 de junho a 22 de julho) Câncer é o signo do sonho, da sen­ sibilidade, da doçura, da ternura, da imaginação e da memória tenaz que fixa e idealiza as recordações, acon­ tecimentos e sentimentos ocorridos no passado para se proteger contra as in­ certezas do futuro.

LEÃO
quinto signo do Zodíaco (de 23 de julho a 22 de agosto) Leão é o signo da ambição por ex­ celência, do feliz e radiante domínio das circunstâncias, das aparências, da necessidade de admiração, da aspi­ ração à supremacia, características que podem dar lugar ao orgulho e à tira­ nia.

VIRGEM
sexto signo do Zodíaco (de 23 de agosto a 22 de setembro) Virgem é o signo da ordem, da orga­ nização, da precisão, do espírito de ser­ viço, da preservação dos bens adquiri­ dos, da modéstia ou da humildade, que conduzem às vezes a pessoa nascida sob este signo a subvalorizar-se ou subva¬ lorizar os demais.

LIBRA
sétimo signo do Zodíaco (de 23 de setembro a 23 de outubro) Libra é o signo da justiça — isto é, capaz de uma justa divisão dos bens, direi­ tos e deveres —, da procura do equilí­ brio, da harmonia, características que podem levar a pessoa nascida sob este signo a responsabilizar-se por compro­ missos excessivos.

ESCORPIÃO
oitavo signo do Zodíaco (de 24 de outubro a 21 de novembro) Escorpião é o signo da paixão, dos im­ pulsos, do instinto, das forças psíquicas às vezes exaltadas, características que fa­ zem do nascido sob este signo uma pes­ soa idealista, extremista, indomável, às vezes excessivamente empírica, destru­ tiva ou autodestrutiva.

SAGITÁRIO
nono signo do Zodíaco (de 22 de novembro a 21 de dezembro) Sagitário é o signo da aventura, dos jogos da vida e da sorte, da expansão na­ tural, da alegria de viver, que às vezes fazem do nascido sob este signo uma pessoa que se deixa enganar, por ela mesma ou pelos outros, inconsciente ou pouco realista.

CAPRICÓRNIO
décimo signo do Zodíaco (de 22 de dezembro a 19 de janeiro) Capricórnio é o signo da vontade am­ biciosa, tenaz, lúcida, concentrada num objetivo único; do sangue-frio, do es­ pírito lógico, racional e friamente cal­ culista, características que fazem da pes­ soa nascida sob este signo um ser distante, insensível, hermético.

AQUÁRIO
décimo primeiro signo do Zodíaco (de 20 de janeiro a 18 de fevereiro) Aquário é o signo da liberdade indi­ vidual, mas também das preocupações sociais e humanitárias, da solidariedade, da cooperação, das idéias originais, que fazem do nascido sob este signo uma pessoa rebelde a qualquer disciplina, instável ou excêntrica.

PEIXES
décimo segundo signo do Zodíaco (de 19 de fevereiro a 20 de março) Peixes é o signo da receptividade psíquica, da intensa sensibilidade emo­ cional, anda em busca de fusão, da en­ trega, do amor absoluto, romântico, místico ou religioso, que fazem da pes­ soa nascida sob este signo um ser idea­ lista e irracional.

E possível adivinhar um signo astral sem se conhecer a data de nascimento?
Damos muito valor a este jogo de adivinhação. Com efeito, é bas­ tante freqüente tentarmos verificar os conhecimentos de um as­ trólogo pedindo-lhe que adivinhe o signo astral de uma pes­ soa pelo seu físico ou pelo seu comportamento. No entanto, não é tão simples acertar. É verdade que cada signo do Zodíaco tem suas características básicas, esquemáticas e típicas, mas não existe nenhum indivíduo que apresente todos os traços morfo­ lógicos e psicológicos de um signo puro. Para se compreender a complexidade de uma pessoa, os dados gerais pertencentes ao signo são insuficientes. Para determiná-lo, é preciso conhecer o conjunto de elementos singulares e presentes no seu mapa as­ tral, estabelecido a partir do local, dia e hora de seu nascimento.

Aries
Á
ries é o primeiro signo do Zodíaco. E um signo cardeal, masculino, o primeiro signo da Primavera. Começa no dia do equinócio de Primavera, no exato momento em que o Sol entre neste signo, e prolonga-se durante todo o período em que o atravessa, isto é, de 20 ou 21 de março a 20 ou 21 de abril, conforme os anos.
ESTAÇÃO: o começo da Primavera. Em relação à natureza, corresponde ao período do aparecimento e eclosão dos casulos, à subida imparável da seiva, durante o qual os dias se alongam e o Sol aquece a Terra. METAL: ferro. PEDRAS: ametista e diamante. SIGNO OPOSTO E COMPLEMENTAR Libra. CORRESPONDÊNCIAS ANATÔMICAS: a cabeça, os olhos, o rosto, o maxilar.

ELEMENTO: Fogo. É o fogo primordial, que está na origem da criação do mundo, é brasa incandescente do espírito, o fogo que ilumina instantaneamente.

REGENTE: Marte é o astro que o governa. COR: vermelha, mas atribuemlhe também as cores branca e vermelha das brasas, das faíscas e da alvorada. LOCAIS GEOGRÁFICOS: como países, a Alemanha, a GrãBretanha, o Japão, a Polônia e a Síria. As cidades do mundo que lhe correspondem são: Birmingham, Cracóvia, Florença, Marselha, Nápoles, Pádua e Saragoça. Uma região importante: Palestina. As relações entre o signo de Áries e os enclaves geográficos correspondem às suas datas de criação ou a acontecimentos importantes que lhes dizem respeito.

PALAVRAS-CHAVE: impulso para a vida, projeção para o futuro, potência energética, pulsação vital, aparecimento súbito no mundo visível,

nascimento, começo, iniciativa, audácia. Podemos dizer que Áries é um guerreiro, um herói, um pioneiro, uma guia, um chefe, um visionário.

CARACTEROLOGIA: temperamento ativo, instinto, agressivo, energético. Entusiasmo que não se detém perante as advertências; pouco receoso face aos riscos ou aos obstáculos que poderiam reter o seu caminho. Vontade de dar por realizados e de satisfazer os seus desejos imediatamente. Caráter colérico, emotivo, ansioso e extrovertido, que se traduz por uma constante necessidade de ação e pela impaciência, aspectos que são compensados por uma atitude moralista face à vida, às vezes exclusivista, intransigente ou, em certas ocasiões, até sectária.

Psicologicamente, o signo de Áries é um signo de ação. Entusiasmo cego, falta de perspicácia, precipitação, que levam a crises de desânimo, porém energicamente ultrapassadas por uma perpétua procura de afirmação pessoal. Áries necessita de uma luta, um combate, um objetivo e uma exteriorização de suas energias. 0 amor de Áries é um amor de arrebatamento, primário, instintivo e absoluto, que precisará sempre reativar sua paixão ardente e sublimar o objeto dos seus desejos cegos.

0 que é um regente?
Trata-se de um astro que tem seu trono ou domicílio (do latim domus: casa) em um signo do Zodíaco e com o qual é perfeitamente afim. De um astro diz-se que está em trono diurno ou noturno de um signo, a depender de manifestar livremente suas qualidades ou expressá-las com mais matizes ou maior discrição. Marte está no trono diurno do signo de Áries, do qual é regente e a quem governa, e no trono noturno de Escorpião.

SÍMBOLOS E MITOS RELACIONADOS COM ÁRIES Os chifres de Áries (o carneiro), em forma de espiral, simbolizam o impulso para a vida; o eterno começar ou o eterno renascer da vida, da luz, correspondentes ao princípio da Primavera no ciclo das estações. Por isso, o deus egípcio Amón, cujo templo foi erigido em Karnak, pertencente também ao deus de Tebas, era representado com cabeça e chifres de carneiro. Os sacerdotes e os escribas egípcios atribuíam-lhe o poder de trazer à luz as causas ocultas das forças secretas da vida. Tinha uma função de oráculo. O Amón grego, que Alexandre Magno venerava e consultava regularmente no santuário de Oásis, perto de Atenas, derivava do deus Amón do antigo Egito. Os gregos atribuíam-lhe virtudes semelhantes às de Zeus-Júpiter. Daí a analogia feita à vezes entre o trono, o relâmpago, a tormenta e o signo de Áries, que encontramos ainda no mito

de Thor, o deus germânico da tempestade, também em analogia com o signo de Áries. Na Bíblia, um carneiro é o animal sacrificado por Abraão, no lugar do seu filho, Isaac. Jesus, o cordeiro do sacrifício, volta a atualizar este mito na história cristã. Em latim, a palavra aries designava um artefato de guerra, com cabeça de carneiro, utilizado pelos Romanos para derrubar as portas das fortalezas inimigas e que hoje conhecemos com o nome de "aríete". Em Roma, oferecia-se um carneiro aos pais de um morto, em caso de homicídio por imprudência. Bele ou Beli, o deus supremo da luz dos Celtas, deriva talvez de Bel, deus babilônico da terra, nascido da deusa Suméria Belili, que presidia ao culto do nascimento e da vida. Em francês, este signo recebe hoje o nome de Bélier, provavelmente derivado do latim medieval belinus. Em holandês, com o termo bel-

hamel — de bel (sino) e hamel (carneiro) — designava-se o carneiro chefe de um rebanho, que se podia identificar por trazer um chocalho pendurado ao pescoço. Citemos finalmente o mito grego do tosão (lã) de ouro, que se vincula ao signo de Áries: para obter a coroa de Pelias (filho de Posêidon), Jasão decide desafiá-lo. O rei promete, então, que ele herdará seu reino se encontrar o tosão de ouro de um carneiro sagrado, com o qual conseguirá pôr fim à maldição que tinha caído sobre seu povo. Depois de longas provações, Jasão descobre o tosão de ouro. Em seguida, casa-se com Medeia, a sacerdotisa de Hécate, deusa feiticeira da juventude. Inspirando-se neste mito, costuma prever-se uma vida ativa, cheia de lutas, para as pessoas nascidas sob o signo de Áries.

0 que é um signo cardeal?
É o primeiro dos 3 signos do Zodíaco de cada estação. 0 grau zero e o começo de um signo cardeal coincidem sempre com um equinócio ou um solstício. Correspondências: — Áries com o equinócio de Primavera. — Câncer com o solstício de Verão. — Libra com o equinócio de Outono. — Capricórnio com o solstício de Inverno. Os 4 graus zero destes 4 signos do Zodíaco correspondem ao início de cada uma das 4 estações e formam juntos os 4 pontos cardeais.

Touro
T
ESTAÇÃO: Primavera. Na natureza, corresponde ao período do ano em que a terra já está verde, úmida e produtiva, e as plantas entraram em uma fase de floração.

ouro é o segundo signo do Zodíaco. É um signo fixo, feminino, o se­ gundo da Primavera, que coincide com o período natural da reprodu­ ção. O Sol entra neste signo em 20 ou 21 de abril e permanece até 20 ou 21 de maio, a depender do ano.

METAL: bronze. PEDRAS: alabastro, coral e ágata. SIGNO OPOSTO E COMPLEMENTAR: Escorpião. CORRESPONDÊNCIAS ANATÔMICAS: boca, garganta, pescoço, nuca, órgãos gus¬ tativos.

ELEMENTO: Terra. Trata-se da terra fecunda, com a quai todos os outros elementos estão em comunicação, a tal ponto que, neste período, mesmo os opostos ou incompatíveis se atraem e se associam.

REGENTE: Vênus, a Afrodite grega, deusa do Amor. COR: verde-claro, a cor dos prados e dos tenros rebentos que cobrem a terra na Primavera. LOCAIS GEOGRÁFICOS: como países, Grécia, Chipre, Irlanda, Irã, Rússia. Cidades que lhe correspondem: Dublin, Leipzig, Mântua, Nantes, Palermo, Parma. Regiões do mundo que rege: o Cáucaso e, mais especificamente, a Geórgia. As relações entre o signo de Touro e os enclaves geográficos correspondem às suas datas de criação ou a acontecimentos importantes que lhes dizem respeito.

PALAVRAS-CHAVE: comunhão com a natureza, paz, força, produtividade, senso comum, bem-estar, sensualidade, paciência, obstinação, fidelidade.

Touro é um realizador, um produto, um construtor, um trabalhador esforçado, realista e obstinado.

CARACTEROLOGIA: temperamento tranqüilo, estável, pacífico, mas possessivo e ciumento. Falta de curiosidade e de entusiasmo pelo desconhecido, devido a uma necessidade de segurança. Tendência para não confiar em nada contrário à natureza nem ao sobrenatural. Gosto pela vida concreta e material. Realismo primário e construtivo. Vontade paciente e obstinada dirigida a adquirir o necessário para o seu bem-estar. Caráter sangüíneo, sereno, sensual, muito sentimental, às vezes egoísta, mas altruísta quando se trata de pessoas queridas. Aspira à normalidade, à simplicidade, a um conformismo que por vezes se torna sectário ou pro-

tecionista. Espírito obstinado, racional e metódico. Assimilação lenta das convicções. Psicologicamente, este signo tenta dominar o seu meio, do qual consegue obter vantagens graças a grandes esforços. Pouca ambição, mas necessidade de ter e gozar de uma vida material. 0 apego aos bens materiais e aos prazeres deste mundo pode radicalizar-se na perseguição dos desejos. 0 amor de Touro é a manifestação de um coração entusiasta e a expressão de um impulso sensual irreprimível, que se materializa mediante uma união estabelecida em sã normalidade e desejo de perduração.

um caráter irônico e ligeiramente pejorativo, pois faz alusão a uma certa ingenuidade — traço de caráter que, por outro lado, está perfeitamente de acordo com o signo de Touro — ou a um tipo de vaidade, também não deixa de ser um elogio: o de ter nascido um sábio, como nasce o rei Touro com sua coroa com chifres. Dioniso, deus do vinho, da inspiração, dos gênios da terra e da fecundidade, foi freqüentemente representado com uma cabeça de touro, no alto de um carro enfeitado com parras, heras e fo­ lhas de figueira, rodeado de bacantes e de sátiros. Em Atenas, os jovens disfarçavam-se de bacantes e de sátiros para celebrar Dioniso. Em Roma, no ano 185 a. C , o Senado foi obrigado a proibir estas famosas festas em honra de Dioniso-Baco. Os mistérios dionisíacos ou bacanais, durante os quais as mulheres e os homens se entregavam à orgia e à embriaguez, eram realizados principal­ mente na Primavera.

SÍMBOLOS E MITOS ASSOCIADOS A TOURO O símbolo de Touro (a cabeça do animal com seus chifres) foi algumas vezes utilizado para representar o exercício do poder em um reino ou um império. Com efeito, os chifres, cuja forma faz lembrar uma meia-lua colocada horizontalmente, represen­ tam também a coroa de um rei ou de um imperador. Apesar do tempera­ mento tranqüilo e aprazível, e da ausência de ambição, características fundamentais deste signo, os símbolos da realeza ou de um poder temporal não lhe são alheios. Revelam a estabili­ dade, a continuidade, a persistência e, de certo modo, a perenidade de um estado de fato: o rei, nas sociedades primitivas e nas civilizações antigas, sempre teve uma natureza mais ou menos imortal, que o aproxima dos deuses.

Por outro lado, este símbolo foi empre­ gado para designar o Alef, a primeira letra do alfabeto hebraico, e que deu origem ao a minúsculo do nosso alfabeto. Ao inclinar-se 45 graus para a direita e ao perder uma das suas pontas, o símbolo do signo de Touro e do Alef (a cabeça com os respectivos chifres) transformou-se no a minúsculo. Não obstante, podemos alegar que Touro não é o primeiro signo do Zodíaco. N o entanto, é o primeiro signo de Terra e o primeiro signo fixo do Zodíaco. O mito de Dioniso-Baco está por várias razões relacionado com o signo de Touro: Dioniso veio da coxa de Zeus-Júpiter, à qual este o havia atado depois de tê-lo arrancado do peito de Sêmele, sua mãe, que caiu fulminada ao ver os raios que rodeavam o amante. Se a expressão francesa "julgar-se saído de Júpiter" tem hoje

0 que é um signo fixo?
Tal como seu nome indica, um signo fixo é um signo que fixa as características e os elementos dominantes da estação na qual se encontra. Revela força, potência, estabilidade, firmeza. No Zodíaco, um signo fixo continua a ser um signo cardeal e precede um signo mutável. É sempre o segundo signo de uma estação. Os quatro signos fixos são: — Touro, na Primavera — Leão, no Verão — Escorpião, no Outono — Aquário, no Inverno São sólidos pontos de ancoragem no Zodíaco. 0 nativo de um destes quatro signos tem mais facilidades para se fixar à personalidade que lhe corresponde de acordo com o signo, e também para se fixar na realidade material.

Gêmeos
G
ESTAÇÃO: Primavera. É o período do aparecimento das flores, dos frutos verdes e dos filhotes de animais. As abelhas e as borboletas sugam o pólen das flores. Os dias alongam-se. 0 ar é mais suave. Tudo nos empurra para a vida em comunicação com a natureza, para a despreocupação, para a leveza. ELEMENTO: Ar. Trata-se do ar carregado dos aromas primaveris, oriundos das ervas e das flores. É intocável, móvel, difuso, mas muito agradável e leve. Revela as características de Gêmeos.

êmeos é o terceiro signo do Zodíaco. Trata-se de um signo mutável (ver quadro na página seguinte) que fecha o ciclo primaveril e que corres­ ponde ao período da floração. O Sol entra neste signo em 20 ou 21 de maio. Permanece nele até 20 ou 21 de junho, a depender do ano.

METAL: mercúrio. PEDRAS: esmeralda e granada. SIGNO OPOSTO E COMPLEMENTAR Sagitário. CORRESPONDÊNCIAS ANATÔMICAS: mãos, braços e pulmões.

REGENTE: Mercúrio, o Hermes grego, o deus com asas nos tornozelos ou nas sandálias. COR: variadas. Na Primavera, a natureza exibe uma grande variedade de j cores, e este é o caso de Gêmeos.

LUGARES GEOGRÁFICOS: como países: Bélgica, Canadá, Baixo Egito, Estados Unidos e País de Gales. Cidades do mundo que lhe correspondem: Bruxelas, Londres, Melbourne, Metz, Nuremberg, São Francisco, Versalhes. As relações entre o signo de Gêmeos e os enclaves geográficos correspondem a seus dias de criação ou a acontecimentos importantes que lhes digam respeito.

PALAVRAS-CHAVE: intercâmbio, comunicação, adaptabilidade, agilidade, curiosidade, inteligência viva, nervosismo, sentido de relação muito desenvolvi-

do, inconformismo. 0 nativo de Gêmeos é um comunicador, um intermediário ou um mediador. Troca, transmite, informa, adapta, vende e joga.

CARACTEROLOGIA: temperamento melancólico, nervoso e emotivo, submetido a uma agitação mental que estimula sua curiosidade e sua inteligência, o que o leva a dispersar-se. Despreocupação e frivolidade que engendram muitas vezes um comportamento irresponsável. Tendência para jogar com sua vida mais do que para vivê-la, para não se levar a sério, para viver como um eterno adolescente. Identificação com o outro por mimetismo, por jogo ou com a esperança de descobrir sua verdadeira personalidade. Necessidade de simpatias, de contatos e intercâmbios variados. Caráter flexível, variável, adaptável,

influenciável. Espírito aberto, móvel, crítico, às vezes instável e indeciso. Sentido de humor. Eloqüente. Psicologicamente, este signo corresponde à integração social e de relações no seu meio natural, que favorece a busca de sua identidade. Mais do que qualquer outro signo, Gêmeos precisa do olhar dos outros para saber quem é. 0 amor de Gêmeos pertence mais à fantasia ou à imaginação do que à emoção. Não se deixa enganar pelos seus sentimentos, nem por aqueles que sentem por ele. Considera o amor como uma procura narcisista. É mais hábil para os jogos de amor do que para os compromissos afetivos.

^ - ^

MITOS RELACIONADOS COM GÊMEOS Gêmeos identifica-se, evidentemente, com os gêmeos do Zodíaco. Muitas ve­ zes é representado por duas crianças cuja semelhança é perfeita e que dão a mão carinhosamente. Esta imagem lembra-nos o décimo no­ no arcano do Tarô adivinhatório: o Sol. O fato de ser gêmeo cria uma certa ple­ nitude, em parte por nunca ter estado sozinho nem nunca vir a estar. Por ou­ tro lado, a possibilidade de crescer junto com um duplo de si mesmo é como ter o privilégio de ser o espectador de si próprio. Assim, trata-se mais de uma identificação com o duplo do que uma simples dualidade. De certo modo, pode-se dizer que o nativo do signo de Gêmeos normalmente é animado por uma vontade inconsciente de identifi­ car-se com outro para voltar a encontrar esta fusão primordial que conheceu com o seu gêmeo. Ora, esta ausência de di­ ferenciação entre ele e o seu outro eu, con­ trário e complementar,

mas não oposto nem contraditório, está perfeitamente representada pelo mito do andrógino: o ser dotado de dois sexos indiferenciados, parecidos com a Terra e o Céu antes de estarem separados, se­ gundo as conhecidas lendas cosmogô­ nicas universais. De fato, em todos os confins do globo terrestre, os mitos antigos da Criação são unânimes ao narrar que, no início dos tempos, existia um ser original ho­ mem e mulher, um andrógino, que foi dividido em dois seres independentes de grande semelhança: o homem e a mulher.

Por exemplo, segundo a cabala c dife­ rentes lendas judaicas, Adão, caráter masculino, era também "Adana" (Ada¬ mah), elemento feminino, muito antes de Eva ter sido extraída de sua costela e encarnado o feminino totalmente dife­ rente do masculino. O mito do andrógino encontra-se na len­ da dos Dióscuros (nome dos gêmeos Castor e Pólux, filhos de Leda). Segun­ do esta lenda, dos seus amores simultâ­ neos com seu marido Tindáreo e com Zeus transformado em cisne, Leda deu à luz dois pares de gêmeos: Castor e Clite-

mestra, cujo pai era Tindáreo, e Pólux e Helena, filhos de Zeus. Segundo a lenda, os quatro irmãos nasceram de dois ovos. Castor e Clitemestra, pelos seus genes humanos, tinham uma natureza instinti­ va, primária, terrestre; enquanto Pólux e Helena, pela sua origem divina, eram dotados de um caráter mais espiritual, puro, leve. Estas são características que encontra­ mos com freqüência nos nativos de Gêmeos, divididos entre o instinto e o espírito ou indo de um para outro con­ tinuamente.

0 que é um signo mutável?
É um signo que indica o final de uma esta­ ção e o início da seguinte. Podemos considerar, pois, que Gêmeos es­ tá em mutação, visto que a nova estação não aparecerá sem que se produzam pro­ fundas transformações na natureza. Deste modo, quando passamos do final da Primavera para o começo do Verão, ou seja, do signo de Gêmeos para o signo de Câncer, os frutos verdes (Gêmeos) ama­ durecem (Câncer). No zodíaco, um signo mutável é seguido sempre de um signo fixo e precede um signo cardeal. Repre­ senta o terceiro e último signo de uma estação. Os quatro signos mutáveis são Gêmeos, Virgem, Sagitário e Peixes. Se o signo de um indivíduo pertence a qualquer um dos mencionados e o Sol está situado nele, poderá ser considerado uma pessoa mu­ tante, no sentido de manifestar uma ne­ cessidade impetuosa de realizar as quali­ dades próprias de seu signo, empurrado por uma inquietude de evolução.

Câncer
C
ESTAÇÃO: Verão. 0 sol encontra-se em seu zênite, o ar está quente. A Terra tem sede, está em gestação. Nesta época, as águas quentes da superfície terrestre lembram as seivas nutritivas. Os frutos maduros, prestes a cair ou a ser colhidos. ELEMENTO: Água. Trata-se das águas-mães de onde toda a vida surge, do mar movido pela maré, das águas mornas dos regatos ou dos rios, sobre as quais se agitam os insetos em busca de , frescor. REGENTE: Lua, a deusa da noite e da fecundidade. COR: é ao mesmo tempo o branco da casca e o amarelo da gema do ovo. M m LUGARES GEOGRÁFICOS: como países: os da África do Norte e do Magrebe, Holanda, Ilhas Maurício, Nova Zelândia, Paraguai, Zimbábue. As cidades do mundo que lhe correspondem são Argel, Amsterdã, Berna, Cádis, Istambul, Gênova, Milão, Nova Iorque, Túnis, Veneza. As relações entre o signo de Câncer e os enclaves geográficos correspondem às suas datas de criação ou a acontecimentos importantes que lhes dizem respeito.

âncer é o quarto signo do Zodíaco. É um signo de Água, cardeal, femi­ nino; o primeiro signo do Verão, em associação com a época dos fru­ tos maduros. Começa no dia do solstício de Verão, em 21 ou 22 de junho, e termina no dia 22 ou 23 de julho, a depender do ano.

METAL: prata. PEDRAS: a pérola, a pedra lunar e a opala. SIGNO OPOSTO E COMPLEMENTAR: Capricórnio. CORRESPONDÊNCIAS ANATÔMICAS: seios, estômago, funções glandulares e digestivas..

V
PALAVRAS-CHAVE: doçura, receptividade, sensibilidade, exaltação dos sentidos, fecundidade, sonho, imaginação, criatividade, conservadorismo. 0 nativo

de Câncer é um poeta, um tradicionalista, um homem ou uma mulher infantil, um padrasto ou uma madrasta, um saudosista ou uma feiticeira.

CARACTEROLOGIA: temperamento passivo, sensível, posto na defensiva. Necessidade de ternura, de compreensão, de proteção. Recusa da agressividade devido à incapacidade de conservar o sangue-frio em uma situação de confronto. Natureza contemplativa, impressionável, caprichosa, com mudanças de humor e uma imaginação fértil. Caráter intuitivo, influenciável, que às vezes se mostra tenaz e obstinado nas suas escolhas e objetivos. Espírito sonhador, criativo, inspirado, nostálgico, angustiado, conservador. Falta-lhe sentido prático, compensado por uma abnegação maternal e uma doçura infantil cheia de encanto. Mostra muito apego ao seu

bem-estar, à sua comodidade, ao seu lar, à sua família, às suas raízes e ao seu passado. Psicologicamente, este signo corresponde ao nível da gestação e ao período da infância, carnal e sensitiva, com uma tendência para a fixação destes estados, os quais aspira sempre a reencontrar ou a preservar. 0 amor de Câncer tem sempre algo de um conto de fadas, com a sua princesa, o seu príncipe encantado, mas também com uma maldição a combater e monstros ameaçadores. É o amor puro das crianças, o amor maternal, o amor romântico, mergulhado em um sonho ideal e inacessível ou definitivamente parado em um rosto e em um nome.

^ ^ SÍMBOLOS E MITOS RELACIONADOS COM O SIGNO DE CÂNCER Prestemos atenção ao caranguejo, o animal com que se simboliza este signo do Zodíaco. Do mesmo modo que da palavra "festa" derivou "festejo", o termo "caranguejo" tem a sua origem na antiga palavra cangro, nome pelo qual nossos antepassados do século XII conheciam e chamavam este crustáceo. Por sua vez, cangro provém do latim cancer, cujo genitivo se declinava como
cancri.

Entre os Romanos da Anti­ güidade, a palavra cancer ser­ viu também para designar o caranguejo, para fazer re­ ferência às quentes regiões do Sul (pelas quais "pas­ sa" o trópico de Câncer) e para dar nome a um significado zodiacal. Em português, esta palavra conservou seus três significa­ dos durante a Ida­ de Média. Mas no início do Renascimen­ to, cerca de 1438, o ter­ mo passou a ser também utilizado para designar certos tipos de doença. Assim, devemos procurar a etimologia na palavra grega karkinos, que daria origem ao termo por­

tuguês "carcinoma". Entre os Gregos, com karkinos designava-se tanto o ca­ ranguejo, com suas pinças ou tenazes, como, por extensão, qualquer instru­ mento de tortura. Também em nume­ rosas ocasiões, a disposição das pinças articuladas do caranguejo foi relacionada com os braços de um compasso. O ca­ ranguejo é um animal que alterna o meio terrestre com o aquático, dotado de uma sólida carapaça protetora, de pinças bem desenvolvidas, potentes e cortantes e de um abdômen bastante re­ duzido. Empoleira-se nas rochas, vive ao ritmo das marés e da Lua. Mais do que ser agressivo, é defensivo e caminha de lado ou para trás. (Assinalemos que o caranguejo representa­ do no décimo oitavo arcano maior do Tarô adivinhatório, a Lua, mostra uma afinidade com este satélite, que os ho­ mens da Antigüidade não deixaram de revelar: como a Lua, o caranguejo anda tanto para a frente como para trás.) Por outro lado, quando tem uma presa, o caranguejo pre­ fere muitas vezes perder suas pinças do que soltá-la. Muitos destes elementos trazem à nossa mente o na­ tivo de Câncer, ao mesmo tempo frá­ gil e tenaz, sensível e meigo, mas cuja combatividade e força de inércia o levam muitas vezes ao fanatismo. Como já sabemos, os dois caracóis in­ vertidos e enlaçados que simbolizam o signo de Câncer fazem pensar nos rede­ moinhos, nos círculos da água e nas es­ pirais das conchas. Alguns viram nisso a representação de uma inversão do mo­ vimento solar, pois Câncer começa no dia do solstício de Verão, o qual anun­ cia o decrescer do dia e o prolongamen­ to das noites. Mas poderia tratar-se tam­ bém de duas luas crescentes enlaçadas, ou talvez de uma representação do mo­ vimento das ondas, da maré que sobe e desce ao ritmo da Lua, pois o signo de Câncer está em correspondência com os mitos relacionados com as águasmães originais, nutritivas, protetoras,

símbolos de toda a vida. Assim, como acontece com o caranguejo, tudo que está dentro de um invólucro, de uma casca, pertence ao campo deste signo, e o mesmo acontece com o útero, o feto, o óvulo e o casulo. Por fim, o medo do futuro, uma das características do signo de Câncer, gera a nostalgia do passado, das origens, um espírito meditativo, contemplativo, uma inspiração poética, uma imaginação artística, uma exaltação da memória. Devemos fazer aqui uma alusão a Mnemósine, a personificação mitológica grega da memória, que gerou nove filhas, fruto de nove noites de amor: as Musas! E... que fazem as Mu­ sas? Conferem aos deuses e aos homens doçura, dons e inspirações...

Leão
L
ESTAÇÃO: Verão. 0 Sol brilha, ilumina, domina. É a época mais quente do ano, a do trigo dourado, impregnado de sol, pronto para a colheita. A natureza das cores que se transformam, generosa, rica e abundante. Tudo é abundância.

eão, o quinto signo do Zodíaco, é um signo fixo, masculino, o segundo signo do Verão; coincide com a época do ano em que os frutos são abun­ dantes. O Sol entra neste signo em 22 ou 23 de julho e fica até 22 ou 23 de agosto, dependendo dos anos.

METAL: o ouro. PEDRAS: rubi, âmbar, Crisólito oriental. CORRESPONDÊNCIAS ANATÔMICAS: coração, coluna vertebral, plexo solar.

SIGNO OPOSTO E COMPLEMENTAR: Aquário.

ELEMENTO: Fogo. É o fogo ardente do Sol, gerador de vida na Terra. Mas dominado, utilizado. No entanto, não podemos nos expor a ele porque queima.

REGENTE: Sol, simbolizado por Apolo que conduz o carro do... Sol. , COR: amarelo-alaranjado dos amanheceres e dos raios de sol no Verão e amarelo-dourado do trigo. m LUGARES GEOGRÁFICOS: como países: Bósnia, França, Itália (especialmente Sicília), Romênia. As cidades do mundo que lhe correspondem: Bombai, Bristol, Chicago, Cremona, Damasco, Filadélfia, Praga, Roma. As relações entre o signo de Leão e os enclaves geográficos correspondem às suas datas de criação ou a acontecimentos importantes que lhe dizem respeito.

'^

PALAVRAS-CHAVE: domínio, força, generosidade, calor humano, sinceridade, confiança em si mesmo, ambição, ardor. A pessoa nascida sob o signo de Leão

aspira à supremacia, ao poder, a dirigir, a dominar. Não fica satisfeito estando em uma situação medíocre. Precisa ter um papel de primeiro plano.

CARACTEROLOGIA: temperamento ardente, apaixonado, dominador. Grande confiança em si mesmo, que às vezes o torna presunçoso. Sempre ambicioso, consegue com uma facilidade e uma simplicidade aparentes o que aos outros parece complicado ou impossível. Não tem capacidade de adaptação e sentido de oportunidade, que compensa com uma firmeza e vontade forte. Tende ao poder e tem um constante domínio de si mesmo. Caráter sincero, leal, autoritário, audaz e orgulhoso, magnânimo ou intransigente, dependendo das situações. Clara consciência de suas possibilidade e capacidades, e inclinação espontânea para as ex-

plorar e tirar partido de suas qualidades. Tendência até para se apropriar das riquezas exteriores das quais toma posse e com que se identifica sem complexos. Espírito inclinado para as grandes idéias, os sentimentos nobres e generosos, sensível aos conceitos e teorias que ele aplica e encarna com tanta perfeição que parecem uma criação sua. Necessidade de aparentar, de sentir-se amado, admirado, aceito. Gosto pelo luxo, conforto, abundância material. 0 amor de Leão é vivido como um sentimento recíproco, baseado em uma estima mútua indefectível. Muito possessivo, não deixa nenhuma margem de manobra ao outro.

^ ^

SÍMBOLOS E MITOS RELACIONADOS COM LEÃO Sempre considerado o rei dos animais, compreendemos que o Leão seja o símbolo solar de força, potência, sobe­ rania, realeza. Mais ainda, sua juba é muitas vezes comparada com o fulgor dos raios de Sol, o astro-rei. O leão é uma figura dominante no pan­ teão mitológico egípcio: Re ou Ra, deus do Sol, era representado através de um leão com um sol sobre a cabeça. "Anti­ gamente, sobre o obscuro oceano do deus N u n (o céu), no começo dos tem­ pos, apareceu o deus solar Ra, apode¬ rando-se da soberania do mundo. (...) A partir desse momento, reinou em paz por muito tempo na qualidade de rei tanto dos homens como dos deuses e nada nem ninguém ameaçou o seu do­ mínio, enquanto se manteve na plenai posse de suas forças", escreveu Adolf

Os "ruti", os leões do horizonte, guardiães do passado e do futuro, protegem o Sol durante o amanhecer e durante o ocaso. Erman-Hermann Ranke no seu trabalho sobre a civilização egípcia. Face a fa­ ce com este deus solar supremo repre­ sentado por um leão, encontrava-se Sejmet, a deusa da guerra e da medicina, representada neste caso por uma leoa. Denominada a deusa do Norte, visto que seu mais reputado templo se en­ contrava em Tebas, ao norte do Egito, atribuem a ela poderes prodigiosos de destruição e de regeneração, daí proce­ dendo a dupla natureza da deusa da guerra e da medicina. A propósito do Antigo Egito, evoque­ mos também Heliópolis, a cidade do Sol, onde se encontrava o "templo solar de Ramsés, rei de Heliópolis, na casa de Ra", recuperando esta fórmula sagrada, escrita em hieróglifos no san­ tuário de Ra. Mas em relação ao símbolo mitológico do leão, devemos remeter-nos sobre­ tudo à imagem da Esfinge, esse leão com cabeça humana e olhar perma­ nentemente posto no horizonte, por onde sai o Sol, como que lembrandonos que, se um dia não amanhecesse, o Sol não se anunciasse cada manhã, nenhuma forma de vida seria possí­ vel sobre a Terra. A Esfinge foi considerada um símbolo de regeneração, de força serena, de do­ mínio absoluto dos elementos da vida e da matéria. Outro mito relacionado com o Leão e a Esfinge é a Fênix. Esta ave de ori­ gem etíope, sagrada no Egito e cha­ mada pássaro Bennu, vivia mais tempo do que qualquer ser vivo. Quando notava que a morte se apro­ ximava, alcançava Heliópolis, a cidade do sol, para ali dar seu último suspiro. Segundo Heródoto (historiador grego do século I a. C ) , era-lhe atribuído o poder de renascer das cinzas depois de se ter consumido em uma fogueira. Daí nasceu a lenda mítica da Fênix, que renasce das cinzas. Encontramos uma simbologia seme­ lhante na época medieval: Cristo, mui­ tas vezes comparado com o leão, re­ presenta a sabedoria, a força controlada, o conhecimento, o poder e a justiça. Assim como a ave fênix renascia das cinzas, Jesus Cristo morreu crucificado e ressuscitou. Finalmente, a Força (décimo primeiro arcano maior do Tarô adivinhatório) está em harmonia com o signo de Leão, pois esta carta simboliza o triunfo da força dominada e contro­ lada da coragem e da verdade sobre todas as formas de violência, covardia e tirania.

A deusa Sejmet.

Virgem
V
ESTAÇÃO: final do Verão. Neste período de seca, a terra está árida e cansada depois de ter dado os seus frutos. Tem lugar a ceifa, armazenam-se as colheitas. 0 Sol declina, os dias tornam-se mais curtos. Revolve-se a terra para que esta respire e descanse. ELEMENTO: Terra. Trata-se da terra virgem, bruta, concentrada. Rica e ao mesmo tempo nua, deu os seus melhores frutos e, a partir de agora, descansa, purifica-se enquanto separamos o trigo do joio. REGENTE: Mercúrio, o inventor do alfabeto e do sistema de pesos e medidas. COR: o cinzento da terra seca e ,.jT da cinza, das brumas e do inconsciente, tão querido pelos nativos í j l deste signo. vE ZONAS GEOGRÁFICAS: como países e regiões: Brasil, Croácia, Iraque, Curdistão, Silésia, Tessália, Turquia, Virgínia. Cidades que lhe correspondem: Bagdad, Belém, Boston, Jerusalém, Los Angeles, Lyon, Paris, Toulouse. As relações entre o signo de Virgem e os enclaves geográficos correspondem às suas datas de criação ou a acontecimentos importantes que lhes dizem respeito.

irgem, sexto signo do Zodíaco, é um signo mutável, feminino, o terceiro signo do Verão: corresponde ao período da ceifa e ao armazenamento das colheitas. O Sol entra neste signo em 22 ou 23 de agosto e fica até 22 ou 23 de setembro, a depender do ano.

METAL: platina. I PEDRAS: jaspe, sílex e turmalina. SIGNO OPOSTO E COMPLEMENTAR: Peixes. CORRESPONDÊNCIAS ANATÔMICAS: baço, vesícula biliar, intestinos, região abdominal.

I

PALAVRAS-CHAVE: minucioso, serviçal, conservação, economia, reserva, discrição, necessidade de ordem e método, autodisciplina. 0 nativo de Virgem

é um discípulo ou um servidor perfeito, que se destaca nos trabalhos delicados que exigem habilidade manual, paciência e perspicácia.

CARACTEROLOGIA: temperamento tranqüilo, interiorizado, cuidadoso, amigo de poupar e economizar esforços. Sentido inato do presente imediato, com um grande interesse pelos detalhes práticos da vida material. Tendência para se fechar dentro de si mesmo, muito reservado. Não gosta de expressar seus sentimentos e emoções, mas ao mesmo tempo mostra-se muito serviçal, uma necessidade vital de ser útil e de justificar os seus atos. Caráter introvertido, sóbrio, disciplinado, moderado, escrupuloso, sem muita espontaneidade, tendendo ao complexo de culpa. Espírito crítico e autocrítico, cético, engenhoso, metódico, calculista, perspicaz, provido de um humor muito fino. Necessidade de viver e

agir em um âmbito muito determinado, de limites bem definidos. Sentido da organização, de comércio. Gosto pela análise, trabalhos de precisão, especialidade. Tende, por natureza, ao bem-estar. Os problemas e inquietudes, aparentemente digeridos e examinados, estão na origem de fortes somatizações que debilitam seu organismo. Arrastados por seus sentimentos, os nativos deste signo podem perder completamente a razão. Por outro lado, o pudor está sempre presente em suas relações afetivas. As dúvidas e a curiosidade poder tornar um pouco confusa sua fidelidade, que corresponde a uma necessidade de integridade e de segurança.

MITOS E SÍMBOLOS RELACIONADOS COM VIRGEM
O mito de Virgem é, antes de mais nada, o de Deméter-Ce¬ res, a deusa maternal da Terra, a fecundidade, os mistérios da vida, o semear e o trigo. As espigas ceifadas formam um tapete sobre o qual cami­ nha, ou um ramo que segura entre as mãos ou braços cru­ zados. Segundo a mitologia grega, o cultivo e a ceifa do trigo eram atribuídos a Deméter, ativida­ des que ela ensinou aos ho­ mens. O trigo, o grão, a fa­ rinha, o pão... estão carregados de uma riqueza simbólica e representam um ciclo mágico ou divino, próprio de mui­ tas crenças, cosmogonias e mitologias de todas as partes do mundo. Do trigo, dom dos deuses, fruto da grande deusa Terra-Mãe, mas também fruto do trabalho e labor do homem, se­ lecionamos o grão. O invólucro que o cobre é com freqüência comparado com o corpo que contém a alma. Este grão é selecionado para ser transformado em uma nova semente ou então par ser uti­ lizado como comida. Tanto em um caso como no outro, sofrerá uma transfor­ mação, uma metamorfose. Para que esta se cumpra, cabe a Virgem selecionar com parcimônia e discernimento. O grão de trigo nasce no seio maternal da Terra e a ela voltará para produzir uma nova semente, ou então para ser tritu­ rada, refinada e ser reduzida a farinha. A farinha será então regenerada com água. Em seguida, acrescenta-se o prin­ cípio ativo da levedura, sendo este tam­ bém com freqüência comparado com o princípio divino da alma. Finalmente, o pão será cozido. Do grão ao pão, pas­ sando pela farinha e a massa, compre­ ende-se a razão pela qual o homem fez analogia entre a preparação do pão, os mistérios da concepção e o nascimento, e os da transformação espiritual. O trigo e o pão são considerados sempre ali­ mentos de base, a comida essencial do

Deusa benfeitora, Deméter personifica a expansão da natureza e a fecundidade da terra que recompensa o trabalho do homem. Belém ("a casa do pão") onde a Virgem Maria — cujo nome hebraico é Miriam, que signi­ fica "a que eleva", o qual pode ser lido também Mi-Ram, isto é "a questão de identidade que se eleva ao seu ponto mais alto" — refugiou-se e deu à luz Jesus. Os astrólogos sempre atribuí­ ram ao signo de Virgem a pro­ cura da identidade que leva o ser a distinguir-se dos restantes, a tomar consciência de que é único, para se transformar deste modo em um ver­ dadeiro indivíduo. Sendo assim, o mito cristão da Virgem Maria não é tanto o milagre da virgin­ dade de uma mulher grávida, como o de uma matriz, o local de nascimento de um ser divino ou um homem-deus, cuja identidade foi elevada ao mais alto nível.

homem. N o entanto, não se conhece a origem do trigo. Atualmente empregase esta palavra, de origem latina, para fa­ zer referência ao gênero de plantas gra­ míneas a que pertence; para designar também cada um ou o conjunto de seus grãos, e por extensão tem o significado de "dinheiro, caudal". Tanto no cultivo do trigo como no fabrico do pão, a mão do homem é necessária. Todavia, o mis­ tério da criação do trigo é comparável ao da cria­ ção do homem. O fato do trigo poder ser transformado em um alimento essencial para o homem — o pão — com a mão, a ação, o poder do homem, tam­ bém podemos compa­ rá-lo com a transforma­ ção espiritual a que o homem se consagra pa­ ra se converter em um igual aos deuses ou mes­ mo em um deus. Aqui devemos fazer alusão ao mito cristão da mãe de Jesus, a Vir­ gem Maria. Suas quali­ dades parecem-se, em muitos aspectos, com os atributos do sexto signo do Zodíaco. Não esqueçamos que foi em

Libra
ibra é o sétimo signo do Zodíaco. É um signo cardeal, feminino, o pri­ meiro do Outono e corresponde ao período da justa divisão da colheita. O Sol entra neste signo no dia 22 ou 23 de setembro, ficando até 22 ou 23 de outubro, conforme o ano.

L

ESTAÇÃO: Outono. Leão recolhe os frutos da terra. Virgem armazena-os. Libra encarrega-se da distribuição com equidade. 0 ar hesita, vacila entre a seca e a umidade. A terra trabalhada descansa, à espera da próxima semeadura.

METAL: cobre. PEDRAS: diamante, quartzo e mármore. SIGNO OPOSTO E COMPLEMENTAR: Áries. CORRESPONDÊNCIAS ANATÔMICAS: orelhas e rins.

ELEMENTO: Ar. Ainda impregnado dos fogos do Verão, começa a carregar-se de umidade. As manhãs são frescas, as tardes ainda suaves. As folhas adotam diversos matizes coloridos.

REGENTE: Vênus, a Afrodite grega, deusa do amor. CORES: verde-pálido e todas as cores pastel do começo do Outono, cheias de matizes profundos e harmoniosos. ZONAS GEOGRÁFICAS: como países: Argentina, Áustria, China, i Alto Egito, Indochina, Tibete. Regiões: costa do Mar Cáspio, Savóia. Cidades: Copenhague, Frankfurt, Friburgo, Joanesburgo, Lisboa, Nottingham, Viena. As relações entre o signo de Libra e os enclaves geográficos correspondem às suas datas de criação ou a acontecimentos importantes a eles relacionados.

PALAVRAS-CHAVE: equilíbrio, harmonia, justiça e precisão, equidade, sociabilidade, refinamento, beleza. Todas as funções relacionadas com a justiça

dizem respeito, em maior ou menor grau, ao nativo de Libra. É também um esteta e um hábil diplomata.

CARACTEROLOGIA: temperamento equilibrado ou em busca de equilíbrio, da justa medida. Tendência para desconfiar de qualquer compromisso definitivo. Não admite relações de força. Sentido do poder, mas baseado em uma vontade sutil de impor sua lei respeitando as necessidades e sentimentos dos outros. Sentido inato da lei, concretamente da ordem social, mas com uma preocupação máxima de justiça e equidade. Natureza refinada, doce, compreensiva, delicada e afetuosa. Caráter calmo, sociável, amável, às vezes hesitante ou indeciso. Aspira à harmonia nas relações serenas baseadas no mútuo respeito e estima. Espírito crí-

tico, perfeccionista e susceptível, sensível à arte, aos adornos, à beleza plástica. Psicologicamente, este signo corresponde à tomada de consciência da independência e das opções que esta implica. A partir daí, é como se o nativo deste signo tivesse de se preparar para transformar-se em um ser independente, preservando ao mesmo tempo suas experiências. A procura do compromisso está sempre presente. Do mesmo modo, os preparativos para a ação predominam sobre a ação em si. No amor, exclui toda a relação passional. Seus sentimentos submetem-se ao seu espírito lúcido, ao seu sentido estético e à sua necessidade vital de harmonia.

planície de Enna, na Sicília. Ao perder sua filha, Deméter partiu à sua pro­ cura. Durante nove dias e nove noites, sem beber nem comer, sem tréguas nem descanso, segurando dois archo¬ tes com ambas as mãos correu o mundo à procura de Perséfone. N o dé­ cimo dia, encontrou Hélio, o Sol, que a informou do seqüestro. Furiosa, Deméter, a deusa maternal da terra fe­ cunda, decidiu exilar-se até que lhe de­ volvessem a filha, provocando a este­ rilidade da terra. Para acabar com este desastre, Zeus exigiu a Hades que pu­ sesse Perséfone em liberdade, o que ele fez imediatamente. Mas, por sua vez, Perséfone, durante o seqüestro, que­ brou o jejum obrigatório no Inferno O mito de Perséfone, que decide dividir sua vida em duas metades para o bem de todos, comendo um grão de romã, o que a deixou para sempre ligada a esse reino é o exemplo perfeito do que é capaz um nativo do signo de Libra. obscuro. alimentos terrestres. É, portanto, in­ Finalmente, chegou-se a um acordo: SÍMBOLOS E MITOS decisa e inconstante, superficial, aérea, Perséfone passaria a metade do ano no RELACIONADOS COM mas também sincera, exigente, sele­ Inferno e a outra metade com sua mãe. O SIGNO DE LIBRA Vênus, regente de Touro, também é tiva e exclusiva. Vive um pouco entre Por isso, as plantas brotam na Prima­ o regente de Libra. Em ambos os casos, dois mundos. Compara cada um deles vera, debaixo da terra, para subir até estamos falando de Afrodite, deusa do em sua balança. Tudo isso nos leva de o céu, e voltam a ser enterradas no Ou­ amor. Mas Vênus em Touro está as­ forma natural a outra figura mitoló­ tono durante a semeadura. sociado mais à natureza fecunda deste gica relacionada com o signo de Libra, Na hierarquia do Zodíaco, o signo de signo e à fase de reprodução que lhe cuja história é um magnífico exemplo Libra vem depois de Virgem, que se dos compromissos a que podem che­ relaciona com o mito de Deméter, e corresponde. N o signo de Libra, falamos da deusa gar os nativos deste signo. Referimo- precede o signo de Escorpião, em ana­ do amor puro, irresistivelmente bela, nos a Perséfone, filha de Zeus e De­ logia a Hades. Além disso, o signo de Libra começa com um vestido justo que seduzia os méter. Perséfone foi seqüestrada por seu tio no dia do equinócio do Outono, seis homens que dela se aproximavam. Além disso, os lendários despeitos de Hades, deus dos Infernos, do mundo meses depois do equinócio da Pri­ Afrodite e seu extremo sentido de subterrâneo e dos mortos, enquanto mavera, que coincide com a entrada do posse são características que corres­ colhia flores com algumas ninfas na Sol no signo de Libra. pondem mais ao nativo de Touro do que de Libra, sempre em busca de har­ Afrodite em um carro puxado por dois Eros. monia. Para a Vênus-Afrodite de Tou­ ro trata-se de fecundar, conservar, < comunicar com a natureza, de ter. A Vênus-Afrodite de Libra conjuga o verbo amar para ser ama­ da, viver, comungar com ela mesma e com os outros, ser. A atração pelos alimentos terrestres faz com que a Vê­ nus-Afrodite de Touro seja intensa­ mente sensual. Quanto à Vênus-Afrodite de Libra, esta aspira a saborear os alimentos es­ pirituais, sem renunciar por isso aos

Escorpião
E
ESTAÇÃO: Outono. As árvores perdem as folhas, a terra fermenta, aumenta a umidade, as camadas de nevoeiro são cada vez mais espessas. É a época da semeadura. Durante este período planta-se o melhor grão com o fim de se garantir uma melhor colheita para o ciclo seguinte. ELEMENTO: Água. Trata-se das águas estagnadas e opacas dos charcos, lagos pantanosos, lamaçais e lagoas, onde fervilha e agita a vida, mas também as dos poços e dos oásis..

scorpião é o oitavo signo do Zodíaco. É um signo fixo, masculino, o segundo signo do Outono que coincide com o período da semeadura. O Sol faz sua entrada neste signo a 22 ou 23 de outubro e fica até 21 ou 22 de novembro, de acordo com o ano.

METAL: ferro. PEDRAS: cornalina, hematita e topázio. SIGNO OPOSTO E COMPLEMENTAR: Touro. CORRESPONDÊNCIAS ANATÔMICAS: nariz, órgãos genitais, púbis, ânus e bexiga.

REGENTE: Marte ou Ares, deus da Guerra, e Plutão ou Hades, deus dos Mortos. A S S U A S CORES: o verde dos pigmentos minerais, o verde-esmeralda ; ' i ou verde-cobalto, por exemplo; mas j também o vermelho e o negro. \ é Z O N A S GEOGRÁFICAS: como países: Argélia, Marrocos, Noruega. Regiões: Baviera, Catalunha, Judéia. Cidades: Baltimore, Cincinatti, Fez, Liverpool, Newcastle e Washington. As relações entre o signo de Escorpião e os enclaves geográficos correspondem às suas datas de criação ou a acontecimentos importantes que lhes dizem respeito.

PALAVRAS-CHAVE: regeneração, instinto de vida e de morte, força destrutiva e poder criativo, inconformismo, paixão, impulso, curiosidade, experimentação, sentido do absoluto.

0 nativo do signo de Escorpião é um cirurgião de corpo e alma, um espeleólogo ou investigador paciente e tenaz, preocupado por chegar ao fim das coisas.

CARACTEROLOGIA: temperamento instintivo, impulsivo, agressivo, mas com muito sangue-frio. Intensa curiosidade estimulada por uma vontade de indagar a realidade até as suas raízes mais insuspeitas. Gosto acentuado pelos mistérios, segredos, enigmas por resolver, estudos e análises profundas. Vida psíquica muito intensa, como um formigueiro que lhe dá uma espécie de sexto sentido, uma resistência passiva indestrutível, uma vontade tenaz e agressiva para obter seus objetivos, aceitando riscos calculados. Caráter apaixonado, exigente, intransigente, rancoroso, selvagem,quenão suporta os meios termos nem os compromissos, sempre

muito determinado a ir até o fim, inclusive sacrificando-se a si próprio. Espírito penetrante, provocador, crítico, agressivo, maquiavélico. Gosta de encurralar seu interlocutor, de manobrar, intrigar, dominar intelectualmente sem que se note. Reações violentas ou brutais quando se trata de sentimentos ou quando o traem, o ferem ou o repelem. Ambição pouco aparente, interiorizada, mas essencial e algumas vezes até obsessiva. Para o nativo de Escorpião, o amor é visceral, absoluto, apaixonado, complexo, místico. Aspira a ser seduzido pelos sentidos e pelo espírito, a possuir o corpo e a alma do outro, dos quais se alimenta.

SÍMBOLOS E MITOS RELACIONADOS COM O SIGNO DE ESCORPIÃO O escorpião é um animal estranho, que com seu par de pinças dianteiras e seu ferrão venenoso, algumas vezes mor­ tal, nos faz pensar em uma verdadeira máquina de guerra ambulante. Diz-se dos nativos deste signo zodiacal, que tem como símbolo este aracnídeo das regiões quentes, que são muito resistentes e con­ tam com muitos recursos. Tanto assim que o escorpião possui quatro pares de pulmões e sua reputação de relativa in­ vulnerabilidade não precisa de demons­ tração. Diz-se inclusive que sobrevive às emissões radioativas, especialmente des­ truidoras. É um animal noturno, que vi­ ve nas regiões quentes. Para dar um exemplo, a espécie que se encontra nos desertos não se move até que haja uma temperatura ambiente de, no mínimo, 45° C, enquanto que a 20° C fica petri­ ficado de frio. Seu aspecto agressivo, seus movimentos furtivos, silenciosos, rápi­ dos, energéticos e seu veneno mortal, não fizeram propriamente dele um ani­ mal que desperte simpatias. Mas seu ca­ ráter lutador e corajoso levou os anti­ gos a fazerem dele o "portador da verdade", o que luta até o fim por uma

causa justa ou para que a verdade triunfe. Assim, antes do aparecimento da primei­ ra dinastia de faraós no Egito, ou seja, no início do IV milênio a. C , aproximada­ mente, um mítico rei egípcio, primeiro unificador do império, ficou conhecido pelo nome de Selek, o escorpião, e foi representado por este animal. Sua esposa Seltek, representada pela cabeça de Ísis ornada com um turbante de homem, co­ roada por um escorpião, era uma deusa adorada por uma importante comunida­ de de bruxas e curandeiros. Segundo uma lenda grega, Artemis, a irmã gêmea de Apolo — a Diana caça­ dora para os Romanos —, enviou um es­ corpião a Órion, o caçador gigante, que tinha tentado violá-la. O escorpião picou-lhe o calcanhar e o matou. Em re­ conhecimento pelo serviço prestado a Ártemis, o escorpião que lhe tinha per­ mitido saborear a vingança transformouse em uma constelação. Órion, depois de morrer, transformou-se também em constelação. Assim, desde então, Órion vai para o oeste e desce no horizonte quando aparece, ao leste, o Escorpião. A célebre fábula, de origem oriental, do escorpião que pede à rã que o ajude a atravessar uma corrente de água em suas costas, jurando-lhe por todos os grandes

deuses que não a picaria, mas que por fim a pica, afogando-se com ela, pode ser muito ilustrativa dos impulsos ins­ tintivos e irreprimíveis que sentem, al­ gumas vezes, os nativos deste signo. Não é um exemplo exagerado nem deve ser posto em dúvida. Com efeito, não há nenhum outro signo do Zodíaco que tenha qualidades, por um lado, tão lú¬ gubres e negativas e, por outro, tão lumi­ nosas e positivas. O signo de Escorpião simboliza as forças regeneradoras, princípio sem o qual a vida não poderia renovar-se. Ora, toda regeneração implica uma forma de morte ou destruição, embora esta não seja definitiva. E necessária para a re­ novação da vida. Assim, a simbologia e os mitos relacionados com o signo de Escorpião estão cheios de uma certa in­ tensidade que perturba a imaginação, para despertar as consciências ador­ mecidas. Aqui, na Terra, tudo tem um princípio e um fim. Mas um fim implica necessariamente outro princípio, já que, na realidade, nada morre nunca. Tudo se transforma. Este é o grande princípio da vida, que o signo de Escorpião conhece.
Representação de Artemis, deusa da caça, no seu carro, e de Órion, o caçador gigante.

Sagitário
S
ESTAÇÃO: final de Outono. A umidade e o frio aumentam na superfície da terra. Mas a terra soube preservar no seu seio um pouco do calor do Verão que favorece o crescimento das semeaduras, que são promessas de futuro. •

agitário é o nono signo do Zodíaco. É um signo mutável, masculino, o úl­ timo do outono e coincide com o período da primeira germinação. O Sol entra neste signo em 21 ou 22 de novembro e permanece até 20 ou 21 de dezembro, de acordo com o ano.

METAL: estanho. PEDRAS: turquesa, carbúnculo, lápis-lazúli. SIGNO OPOSTO E COMPLEMENTAR: Gêmeos. CORRESPONDÊNCIAS ANATÔMICAS: ancas, coxas e nádegas.

ELEMENTO: Fogo. Trata-se do fogo interior, secreto e sagrado, do fogo que surge às vezes da terra através dos vulcões, mas também o fogo que o homem produz e domina para se proteger do frio.

REGENTE: Júpiter-Zeus, deus supremo do Olimpo. CORES: azul-cobalto ou turquesa, mas também o amarelo-claro do fogo e o branco do relâmpago. y m

ZONAS GEOGRÁFICAS: como países: Arábia Saudita, Austrália, Espanha, Hungria, Madagascar. Regiões: Campanha, Colorado, Provença, Puy-deDôme. Cidades: Avignon, Budapeste, Colônia, Finisterra, Narbonne, Stuttgard, Toledo. As relações entre o signo de Sagitário e os enclaves geográficos correspondem a suas datas de criação ou a acontecimentos importantes que lhes dizem respeito.

PALAVRAS-CHAVE: otimismo, dinamismo, generosidade, sensatez, entusiasmo, boa O nativo de Sagitário é um aventureiro, um viajante que aspira a ampliar seu horizonte social vontade, exteriorização, expansão. geográfico ou espiritual.

CARACTEROLOGIA: temperamento dinâmico, didático, saudável, sereno, cheio de recursos energéticos. Aspira, de maneira mais ou menos consciente, a viver em novas condições, em um novo contexto, em um meio diferente ao qual se adaptará facilmente. Tende a simplificar as coisas, a vê-las sob um ângulo absolutamente otimista, às vezes ignorando ou ocultando os problemas. Gosta do contato físico com a natureza, da competição, da aventura, da exploração, das viagens. Necessidade de se sentir afastado, de exteriorizar-se, de unir-se ao que o rodeia e de desfrutar plenamente. Caráter simpático, generoso, jovial, honesto ou ingê-

nuo, como jogador, imoral, ávido de mudanças constantes, como também generoso, moralista e benévolo. No fundo, tem boa vontade. Espírito que foge das complicações, impregnado de certa filosofia de vida, às vezes religiosa, preocupado por mudar, renovar ou atualizar uma tradição, sem renegar nunca do passado. No amor, o nativo de Sagitário é muito carinhoso, afetuoso, expressivo, envolvente. Seu coração se acelera. Seus sentimentos são francos, leais, sem rodeios. Mas muitas vezes deixa-se levar pelos sentimentos, e sua necessidade de contato físico, corpo a corpo, torna-o às vezes muito exigente.

SÍMBOLOS E MITOS RELACIONADOS COM O SIGNO DE SAGITÁRIO
Sagitário significa "arqueiro, que luta com arcos e flechas". Se­ gundo a astrologia tradicional, os três decanatos do signo de Sagitário são representados com cen­ tauros: o primeiro com o dorso incli­ nado esticando seu arco e apontando a flecha para trás; o segundo dirigindo sua flecha para a frente; o terceiro, com o tórax inclinado ligeiramente para trás, e com a cabeça e o arco J orientados para o céu, preparado para lançar sua flecha às estrelas. Estas três direções simbolizam o passado, o porvir e a vida futura. Dão-nos uma visão da natureza tripla de Sagitário, psíquica e pulsátil, carnal e material, re­ ligiosa e espiritual, em co­ rrespondência com os três elementos que constituem o arco: o corpo do arco, a corda e a flecha. As pás do arco representam a parte in­ ferior e animal do centauro, a besta que dormita em Sagitário, cujo instinto se confunde com a terra. Assim, o Sagitário do primeiro decanato, que aponta a fle­ cha para trás, está orientado para os de­ sejos de vida e de morte, em relação com o signo do Zodíaco que o precede, Escorpião. A corda representa a tensão do desejo que permite projetar-se para o futuro, seguir em frente. Simboliza o dina­ mismo e o entusiasmo, duas qualidades inerentes aos nativos deste signo. Assim, o centauro que se encontra no segundo decanato de Sagitário dirige sua flecha para a frente, para o horizonte que quer franquear para ultrapassar seus limites e explorar um novo território. Finalmente, a flecha é o símbolo do des­ tino. Associa-se ao relâmpago e ao raio, atributos que pertencem a Júpiter, o astro regente deste signo. O relâmpago é a seta de fogo. Em relação a isto, as­ sinalemos que O Namorado, o sexto ar­ cano maior do Tarô adivinhatório, apre­ senta uma analogia com o signo de Sagitário. De fato, o anjo que sobrevoa

Cada um dos centauros desta imagem aponta seu arco para uma direção diferente. Representam os 3 decanatos de Sagitário. os três personagens representados neste arcano segura um arco com a mão e está pronto para lançar sua flecha. Este ar­ cano, que faz evidentemente alusão ao amor, é uma metáfora do que geral­ mente se chama uma "flechada". O raio, o relâmpago, a seta ou flecha... também é chamada "lança do destino". Assim, a noção de escolha, que ilustra este ar­ cano, refere-se ao destino. Enquanto a parte inferior do corpo do centauro é a de um animal, a parte su­ perior possui um caráter angelical. O centauro, que nos primórdios do tempo era um ser lendário e mítico as­ sociado a uma divindade da montanha e dos bosques, está simultaneamente em relação com as camadas mais profundas da natureza terrestre e com as zonas ele­ vadas ou superiores do mundo celeste.

Traz consigo a Terra e o Céu. O mito de Sagitário é, pois, o do centauro, metade homem e metade animal ou, mais exa­ tamente, metade anjo e metade besta. Como o anjo é uma divindade da na­ tureza e a besta se confunde com a pró­ pria natureza, o centauro se situa no co­ ração da vida terrestre e material. Sagitário significa "a flecha". Assim, ao lançá-la, manifesta capacidade e vontade de escolher o destino, dominar seus de­ sejos e atingir um objetivo que não é outro senão ele mesmo, o centro do seu ser. A palavra latina saggita (seta, flecha) deriva do verbo sagire, que significa per­ ceber rapidamente. Vivo como o relâm­ pago, Sagitário tem talento.

Capricórnio
C
ESTAÇÃO: Inverno. 0 frio penetra pouco a pouco na terra. Porém, a níveis mais profundos, as sementes trabalham, isolam-se, protegem-se. As árvores perderam suas folhas. Os animais hibernam. Os homens se refugiam para proteger-se do frio.

apricórnio é o décimo signo do Zodíaco. É um signo cardinal, feminino, o primeiro do inverno, que corresponde ao período em que as noites são mais longas que os dias. O Sol entra neste signo em 20 ou 21 de dezembro e fica até 19 ou 20 de Janeiro, de acordo com o ano.

METAL: chumbo. PEDRAS: âmbar, ônix. SIGNO OPOSTO E COMPLEMENTAR: Câncer. CORRESPONDÊNCIAS ANATÔMICAS: joelhos, pele, articulações, ossos e esqueleto.

ELEMENTO: a Terra. Trata-se da terra de aspecto austero e estéril, mas que guarda em seu seio as riquezas para o futuro. É uma terra fria e morta no exterior, mas quente e viva no interior.

REGENTE: Saturno-Crono, deus do tempo. CORES: todos os matizes de violeta e marrom, especialmente o violeta do cobalto, o marrom do cato ou o da sépia. ZONAS GEOGRÁFICAS: como países e regiões: Albânia, Afeganistão, Bósnia, Bulgária, Lituânia, Índia, Macedônia, México. Cidades: Bruxelas, Capri, Constanza, México D.F., Oxford, Port-Said.

As relações entre o signo de Capricórnio e os enclaves geográficos correspondem a suas datas de criação ou a acontecimentos importantes a eles relacionados.

PALAVRAS-CHAVE: prudência, perseverança, tenacidade, sangue-frio, pessoa realista, ambiciosa, consciente de seus deveres, capaz de assumir altas mentalidade lógica e racional, sensatez, disciplina. 0 nativo de Capricórnio é uma ou pesadas responsabilidades.

CARACTEROLOGIA: temperamento frio, ritmo e reflexos lentos, vitalidade restringida, compensada por um sistema de autodefesa muito elaborado, uma vontade de bastar-se consigo mesmo, de não contar com ninguém. Tendência à desconfiança em relação a tudo que é racional e coerente. Forte concentração no presente e rigorosa planificação do futuro, dedicando-se a uma ambição, uma finalidade única ou objetiva a longo prazo, para evitar qualquer imprevisto. Sentido do dever, da responsabilidade e da autodisciplina. Natureza dura, rígida, exigente, seletiva. Caráter introvertido, íntegro, sério, rigoroso, prudente, orgulhoso, tendente ao pessimismo, às vezes

egocêntrico, misantropo ou insensível aos sentimentos e necessidades dos demais, às vezes muito diplomático. Necessidade de ter convicções e certezas adquiridas com a experiência ou a assimilar princípios ou valores comprovados. Mente lógica, sagaz, lúcida, sintética, prudente, cética, estóica e racional. Psicologicamente, este signo corresponde à tomada de consciência da independência do eu, revelada pela faculdade de discernimento. Esta faculdade empurra o nativo deste signo a isolar-se para poder explorar todos os seus recursos interiores. Em amor, não é muito expansivo, porém

Atena, deusa da guerra, era protegida pela égide, a armadura de pele de cabra com a qual Zeus a presenteou. Sobre seu escudo figura a cabeça da Górgone Medusa. SÍMBOLOS E MITOS RELACIONADOS COM O SIGNO DE CAPRICÓRNIO "Capricórnio" e "cabra" têm uma etimo­ logia comum, do latim capra, feminino de caper que significa tanto "macho ca­ prino", como "cheiro penetrante dos so¬ vacos". Não é o macho caprino que foi eleito para simbolizar o signo de Capricórnio, mas sim a cabra de chifres. Segundo uma lenda da mitologia grega, Amaltéia, representada às vezes por uma cabra, amamentou e criou Zeus na ilha de Creta, para escondê-lo de Crono, seu pai cruel, porque devorava seus filhos. Para os gregos, a cabra era um animal es­ pantoso, criada por Hélio, o Sol. Quando Zeus, já adulto, lutou contra os Titãs, fa­ bricou para si uma armadura de pele desta cabra mítica. Esta transformou-se na égide, ou escudo de Zeus, forjado por Hefesto, deus do fogo. Primeiro, Zeus a doou a Apolo, e em seguida a Atena, sua filha, deusa da Guerra. A cabeça da Górgone Medusa, coberta de serpentes, objeto de terror e pânico, figurava no centro deste escudo mágico, que deixava invulnerável a todo aquele que o utili­ zasse para se proteger. Finalmente, como recompensa, Zeus doou um chifre de cabra a Amaltéia, sua ama de leite, pro¬ metendo-lhe que se cercaria eternamente com todas as flores e frutos da terra. Foi assim que foi criado a Cornucópia da abundância. Nesta lenda mitológica, en­ contramos todos os símbolos que figu­ ram na representação do signo de Capri­ córnio. De fato, quase sempre aparece em forma de animal híbrido — cabra com cauda de peixe ou monstro marinho — ou em forma de cabra cuja parte tra­ seira é representada por uma Cor­ nucópia da abundância. N o primeiro caso, tratase da cabra que poderíamos chamar ateniense, isto é, está em relação com a lenda de Atena e seu es­ cudo, em cujo centro fi­ gurava a cabeça da Gór­ gone Medusa. Com isso quiseram simbolizar o princípio de autodefesa do signo de Capricórnio: todos os

que a admiravam ficavam petrificados por seu aspecto horrível e aterrorizador. Da mesma forma, a lucidez dos nati­ vos de Capricórnio é, às vezes, terri­ velmente realista e implacável por sua lógica esmagadora. Entretanto, se às vezes a cabra tem uma cauda de peixe é também para evocar as qualidades es­ pirituais próprias deste signo. A cauda de peixe simboliza aqui as águas nutri­ tivas onde nasce o ser para elevar-se ao grau mais alto de espiritualidade, da mesma forma que a cabra que vive nas encostas das montanhas. N o segundo caso, a cabra cujos quartos traseiros está representado por uma Cornucópia da abundância, remete-nos ao favor que Zeus fez a Amaltéia. Assim, nos en­ contramos frente à riqueza potencial que este signo contém. De fato, a terra, no período do ano que coincide com Capricórnio, parece estéril, porém con­ tém em seu seio os grãos semeados, que são seguras promessas de uma colheita abundante, da qual este signo é guar­ dião. Não esqueçamos que o Sol entra em Capricórnio no solstício de inverno, momento que simboliza o anúncio da chegada ou renascimento do Sol. Não é por casualidade que neste dia nasceu o Menino Jesus, realidade ou mito, e durante muito tempo foi considerado o primeiro dia do ano, antes que esse co­ meçasse com o dia do equinócio da Primavera. A Cornucópia da abundância simboliza a prosperidade e a riqueza da natureza.

Aquário
A
ESTAÇÃO: Inverno. Nas regiões frias, os ventos varrem a superfície da terra coberta de gelo, enquanto o ar gelado penetra nas águas que se transformarão em gelo. Mas sobre a terra aparecem os primeiros sintomas de germinação e crescem as raízes.

quário é o décimo primeiro signo do Zodíaco. E um signo fixo, mas­ culino, o segundo do Inverno, e corresponde ao período do nascimento das raízes. O Sol faz sua entrada neste signo em 20 ou 21 de janeiro e fica até 19 ou 20 de fevereiro, de acordo com o ano.

METAL: chumbo. PEDRAS: safira, pérola negra. SIGNO OPOSTO E COMPLEMENTAR: Leão. CORRESPONDÊNCIAS ANATÔMICAS: pernas, tornozelos, calcanhares, nervos.

ELEMENTO: Ar. Trata-se do ar puro e frio do coração do inverno. Como indica o símbolo deste signo, ondula, vibra sobre a terra gelada, sob o efeito conjunto dos ventos gelados e da reverberação do Sol.

REGENTES: Saturno e Urano, ou então os deuses Crono e Urano, senhores do tempo e do céu. y CORES: cor da borra do vinho, todos os tons cinzentos ou prateados. ZONAS GEOGRÁFICAS: como países: Austrália, Chile, Gâmbia, Mongólia, Suécia, Vaticano, Venezuela. Regiões: Abissínia, Piamonte, Prússia. Cidades: Bremen, Hamburgo, Salzburgo. As relações entre o signo de Aquário e os enclaves geográficos correspondem ás suas datas de criação ou a acontecimentos importantes a eles relacionados.

PALAVRAS-CHAVE: independência, comunicação, solidariedade, humanismo, O nativo de Aquário é um ser de espírito livre e flexível, um trabalhador simpatia, progresso, originalidade. independente, um técnico ou um sábio.

CARACTEROLOGIA: temperamento impulsivo, nervoso, dinâmico, estimulado por excelentes reflexos. Grande rapidez de reação, de adaptação às circunstâncias mais diversas, de se apoderar de idéias, modas, valores em voga, de aproveitar as oportunidades. Gosto pela aventura do momento, o compromisso imediato, a novidade, a originalidade, as técnicas modernas, correntes ideológicas progressistas. Caráter independente, flexível, compreensivo, diplomático, tolerante, até mesmo permissivo, altruísta, sociável, fraternal, mas ao mesmo tempo instável, indomável, às vezes indisciplinado, insubmisso ou revolucionário, falho de amor próprio ou lealdade. Necessidade

de se sentir solidário com os outros, mas também de ser consolado e colaborar, manter numerosas relações de amizade, que dissimulam às vezes uma dificuldade de amar ou que compensam uma ausência de sentimentos exclusivos ou constantes. Espírito aberto, não conformista, apaixonado pela liberdade, curioso, aventureiro, inventivo, que cultiva a arte do paradoxo e sabe relativizar as situações. Gosta de surpreender, contradizer, fazer-se de advogado do diabo ou demonstrar através do absurdo. Ausência total de ambição, a não ser a de obter ou preservar a sua liberdade. Liberal ou libertino, indulgente, o nativo de Aquário é sinceramente solidário com os que ama.

SÍMBOLOS E MITOS RELACIONADOS COM O SIGNO DE AQUÁRIO Desta vez assistimos a uma reviravolta radical da situação. Quando observamos os símbolos que figuram neste signo, é a imagem o que salta à primeira vista. Trata-se quase sempre de um homem ou de uma mulher transportando uma ou duas ânforas ou urnas, das quais ele ou ela despejam o seu conteúdo: o "aquário" não é apenas o recipiente que contém a água, mas também, simboli­ camente, a pessoa que a verte. Por outro lado, vale a pena lembrar que o vocá­ bulo tem sua origem latina acqua. N o entanto, o termo latino vertere, de onde vem o verbo "verter", significava originalmente "girar ou fazer girar" e, cm sentido figurado, "comover", como

sinônimo de "emocionar", ou seja, co­ mover o espírito de alguém para in­ duzi-lo a reagir ou atuar sobre si mesmo. Este mesmo vocábulo vertere deu lugar também a "versátil", que ori­ ginalmente fazia alusão ao que gira fa­ cilmente, ao que é móvel. Finalmente, vertere derivado de verter, versum, sig­ nificava "girar, voltar, inverter", em sentido real ou figurado, e deu também "converter e conversar". Para sermos completamente exatos, assinalemos por fim que a palavra "vértebra" vem tam­ bém de vertere. Associando todos estes significados, podemos comprovar que os nativos de Aquário são vertebrados não apenas como ordem zoológica, mas também, e além disso, como pessoas que fundamentam suas inclinações im­ pulsivas com argumentos sólidos.

Aquário, portador de uma ânfora invertida.

Simbolicamente, o que verte a água in­ verte o curso das coisas. Esvazia o con­ teúdo de seu pensamento - represen­ tado pela ânfora ou pela urna -, de suas idéias, de sua inspiração —representa­ das pela água queflui—, ao longo de sua coluna vertebral, para comover, emo­ cionar, converter. Reúne as Águas Superiores c Inferiores, que foram se­ paradas no princípio dos tempos. O es­ pírito e a consciência do homem não re­ sidem cm seu cérebro? Por isso, esvaziando seu conteúdo ao longo da coluna vertebral, liberta-se dos elos da cadeia que compõem a árvore vertebral. Hulyah, em hebraico, significa tanto "vértebra" como "elo". Mas esta árvore é a que, desde agora, quer plantar suas raízes. Ao libertar seu espírito e sua consciência, coloca-se na situação do Enforcado, o décimo segundo arcano do Tarô adivinhatório, o do iogui mshirsh⬠sana, ou posição sobre a cabeça, também chamada pino. Entretanto, continua de pé. Pois é para o interior de si mesmo que se inverte, para onde verte o con­ teúdo de seu espírito e consciência para se converter em um ser livre de todas as amarras e criar nele próprio suas raí­ zes, não na terra maternal, mas em sua terra interior, nova. Esta inversão de valores é o que a tra­ dição hebraica chama "inversão das luzes". Produz-se no homem quando semeia um novo germe em sua terra interior e inferior para criar uma nova luz que libertará sua consciência. Para compreender o que significa "inversão" — onde vemos a tendência para o pa­ radoxo e a relativização dos nativos de Aquário —, é preciso imaginar que damos meia volta, embora não saindo do mesmo lugar e nosso rosto fica na parte de trás da cabeça, sem que nada cm nós tenha mudado. Em outras pa­ lavras, de frente, estaríamos de costas. N o entanto, nossa cara e nossas cos­ tas continuam a ser nossa cara e nossas costas. Nisto, Aquário é o homem-zo¬ díaco, isto é, o homem de pé no co­ ração do Zodíaco, que encaminha todos os seus componentes, que os di­ funde e os transmite.

Peixes
O
ESTAÇÃO: Inverno. Neste período do ano, as plantas que germinaram na Primavera atingem o primeiro estado da vida subterrânea. Sob o efeito do calor que chega lentamente, nos países frios a neve e o gelo passam a derreter, a terra fica mais úmida e receptiva. ELEMENTO: Água. Com o derretimento da neve, as águas avançam com vigor, renovando as camadas subterrâneas e regenerando as águas dos mananciais infiltradas pela lama. Os rios crescem e, às vezes, transbordam. REGENTES: Júpiter-Zeus, deus do céu, y Ne¬ tuno-Posêidon, deus do oceano. CORES: os diferentes tons de azul, verde e violeta, como o azul-marinho e o verde-água.

signo de Peixes é o décimo segundo e último signo do Zodíaco. E um signo mutável, feminino, o terceiro do inverno. Corresponde ao perío­ do do degelo nos países frios. O Sol entra neste signo em 19 ou 20 de feve­ reiro, permanecendo até 20 ou 21 de março, a depender do ano.

METAL: estanho. PEDRAS: água-marinha, coral, jade. SIGNO OPOSTO E COMPLEMENTAR: Virgem. CORRESPONDÊNCIAS ANATÔMICAS: pés, veias, glândula pineal ou epífise

<k£-~

ZONAS GEOGRÁFICAS: como países: Costa do Marfim, Gâmbia, Gana, Guadalupe, Guiana Francesa, Portugal, o Saara, Santo Domingo, Tunes. Regiões: Calábria, Normandia. Cidades: Alexandria, Santiago de Compostela, Ratisbona, Sevilha. As relações entre o signo de Peixes e os enclaves geográficos correspondem às suas datas de criação ou a acontecimentos importantes concernentes a eles.

PALAVRAS-CHAVE: receptividade, intuição, inspiração, emoção, comunhão, compaixão, bondade.

Seja qual for o papel que desempenhe ou o posto que ocupe, o nativo de Peixes tem altas aspirações. É idealista e inspirado.

CARACTEROLOGIA: temperamento emotivo, ansioso, confuso, porém repleto de recursos insuspeitáveis que podem dar-lhe muita força. Grande receptividade psíquica que lhe fornece uma sutil capacidade de adaptação às circunstâncias mais diversas, um dom natural para adivinhar os estados de ânimo e sentimentos das outras pessoas, antecipar os acontecimentos ou desfrutar as situações agradáveis. Aspirações espirituais ou místicas latentes e imaginação criativa potencialmente rica. Gosto pela arte relacionado tanto ao conteúdo quanto à forma, gosto pelo novelesco, pelo lirismo e pela poesia. Caráter impregnado de uma grande bondade natural, com-

passivo, compreensivo, terno, afetuoso, influenciável, impressionável. Espírito imerso na sensibilidade emocional, perceptivo, criativo, vítima de diferentes impressões que o fazem algumas vezes confuso ou incoerente e outras vezes genial e inspirado. Tendência a alimentar angústias irracionais, a refugiar-se no auto-engano, a fugir do contato ou do enfrentamento. Para compensar, sentido do desafio, do absoluto e da entrega; idealismo, necessidade instintiva de participar das alegrias e das dores dos demais, sentido inato de comunidade. No amor, o nativo de Peixes aspira a uma fusão carnal e espiritual total. Sublima os sentimentos.

^ - ^

SÍMBOLOS E MITOS RELACIONADOS COM O SIGNO DE PEIXES Assim como o caranguejo do signo de Câncer vive em ambientes aquáticos, em busca de um pouco de frescor, ou o caranguejo de mar, em analogia com o mesmo signo, vive nas praias, nas ro­ chas, na crista das ondas, na superfície do mar; ou o escorpião vive nas águas mornas da terra, nos charcos e lagoas, os Peixes precisam do oceano, do céu e do espaço. O oceano não é um enorme e esplêndido espelho que reflete a imen­ sidão do céu estrelado, aparentemente imutável mas em realidade sempre em movimento? O céu e o oceano poderão ser consi­ derados dois símbolos naturais do signo de Peixes. Com efeito, quando con­ templamos a superfície do oceano, não podemos nem imaginar as inúmeras correntes que o atravessam, nem a ri­ queza e a infinita variedade de formas de vida que existem nele. Igualmente, ao contemplar o céu, não fazemos idéia dos movimentos e atrações dos astros, a potência das massas e os elementos em jogo, as forças criadoras e destrui­ doras que operam a todo momento. Desta forma, entendemos melhor por­

que o signo de Peixes, último do Zodíaco, mas também o que precede o primeiro signo da Primavera, da re­ novação, da planta que sai da terra para girar em direção à luz, o sol e o céu, está associado ao caos primordial, à fase da vida intra-uterina que coincide com os últimos dias da gravidez, exatamente antes que a criança veja a luz do dia. Com efeito, todo nativo de Peixes nota que o dia vai chegar, que a luz está aí, muito próxima. Por este motivo, a pre­ monição, a arte de antecipar os acon­ tecimentos, o conhecimento intuitivo do desenvolvimento das circunstâncias são nele uma segunda natureza, um dom inato. Sabe situar-se melhor que ninguém nas correntes contínuas, nas ondas eternas do tempo que perpetua, no coração do que hoje chamamos o continuum espaço-tempo. Ao sim­ plesmente conhecer o começo, pres­ sente o final. E é por isso que lhe custa tanto viver o presente. Abundância, fecundidade, riqueza, mul­ tiplicidade, infinito, eternidade, o signo de Peixes é o da dissolução do múltiplo, da generosidade sem limites, a abertura total, a dissolução de tudo aquilo que divide e separa, isola e constrange, o da dilatação e da fusão.

Segundo Anaximandro - astrólogo e fi­ lósofo grego do século VI a. C , que afir­ mava que o universo era um conjunto caótico e indeterminado que continha em si todos os seus contrários -, o con­ sumo de peixe era proibido e era tabu em certas regiões da Ásia Menor, pois era venerado ao mesmo tempo como mãe e pai de todos os homens. Segundo uma velha lenda romana, ins­ pirada na mitologia grega porém que tem sua origem em fontes mais anti­ gas de mitos assírios, Tífon, o monstro nascido de Gaia, a Terra, metade animal, metade humano, cuja cabeça tocava as estrelas, surpreendeu a Cupido-Eros e a Vênus-Afrodite em seus jogos amo­ rosos. Para fugir do monstro, os aman­ tes lançaram-se à água e transformaramse em peixes. N o fundo do rio encontraram um ovo maravilhoso que levaram até a margem. Deste ovo nas­ ceu uma deusa de grande sabedoria, cuja fama não demorou a se espalhar, e que pôde interceder ante Júpiter-Zeus para que concedesse a imortalidade aos pei­ xes: desta forma nasceu a constelação dos Peixes. Detalhe de um mosaico romano do século III a. C.

Os astros

O Sol
O Sol, regente do dia, emissor da luz e da vida, é, naturalmente, o primeiro astro que aparece na hierarquia celeste.

É

o movimento do Sol, no interior do Zodíaco que, de grau em grau, ao longo dos dias e do ano, nos infor­ ma sobre a sua posição em um ou outro signo astrológico, no exato mo­ mento em que a criança, inspirando o ar da vida, grita pela primeira vez. Com efeito, a posição exata do Sol no interior do Zodíaco indica o signo natal ou solar. É a razão pela qual dizemos: "Nasceu sob o signo tal do Zodíaco". Se, por exemplo, alguém disser: "Nasci sob o signo de Gêmeos", isto signifi­ ca que no instante do seu nascimento o Sol transitava pelo signo de Gêmeos e que se encontrava em um dos 30 graus deste signo. Quando o Sol transita por um dos 12 signos do Zodíaco, ilumina. Este ilu­ minar revela e evidencia as qualidades do signo em questão. São as que se ma­ nifestam e se expressam espontanea­ mente neste período do ano.

Zodíaco e de o iluminar no mo­ mento do nascimento de um ser, não implica que as pessoas em questão possuam de forma inata todas as qualidades inerentes a este signo. Sem dúvida alguma que as pode adquirir na sua personalida­ de e explorá-las mais facilmente que outros. A sua vontade instintiva ope­ rará nesse sentido. Porém, ainda necessita da aprendiza­ gem, experimen­

tá-la e submeter-se a ela, para poder expressá-la. Por outro lado, se o astrólo­ go considera que o Sol está fixo no Zo­ díaco no momento do nascimento de um indivíduo, está enganado. De fato, ao longo do ano zodiacal, o Sol pros­ segue o seu trajeto no Zodíaco, ilumi­ nando todos os setores, todas as zonas do mapa celeste. Ao longo dos anos, volta a passar regularmente por cada um dos elementos inscritos no mapa astral.

O SOL NO MAPA ASTRAL
N o mapa astral, o Sol revela a expressão da vontade instintiva do indivíduo, isto é, o que quer espontaneamente e sem refletir. O signo astral no qual o Sol se situa informa sobre as afinidades e as rejeições que o nativo sente em prin­ cípio. A casa na qual está alojado indica em que setor, campo específico e am­ biente social aspira a expressar-se e a rea­ lizar a vontade instintiva do indivíduo. Os aspectos eventuais que forma com outros planetas na distribuição de um mapa celeste podem reforçar ou con­ trariar a expressão da dita vontade ins­ tintiva. N o entanto, o fato do Sol se situar forçosamente em um dos 12 signos do

AS QUALIDADES DO SOL: vontade, valor, força dominadora, autoridade, benevolência, generosidade. OS DEFEITOS DO SOL: fraqueza, covardia, arrogância dominadora, despotismo, intransigência, egocentrismo.

^ * * ^ É o que chamamos o trânsito do Sol, que articula o ritmo do amadure­ cimento da personalidade. Com efei­ to, o princípio do Sol é o de agrupar to­ dos os componentes da personalidade para os unificar. Todos os anos, numa determinada data, o Sol aloja-se nova­ mente no local exato onde estava situa­ do no instante do nascimento. O astró­ logo considera este regresso do Sol ao seu ponto de partida como uma espécie de renascimento para o indivíduo, que dá então início a um novo ciclo anual, chamado ciclo solar ou ano solar. Por­ tanto, o Sol reúne e sintetiza todas as qualidade do ser, todos os componen­ tes da sua personalidade. As perspecti­ vas da sua realização pessoal são revela­ das pela sua situação no Zodíaco dentro do mapa astral. FICHA DE IDENTIDADE ASTROLÓGICA DO SOL O Sol é a expressão da vontade instinti­ va do indivíduo, do ser realizado. N o mapa astral, o Sol indica freqüentemen­ te a presença de um homem, de um pai, de um marido, de um amante, de uma

0 Sol no Zodíaco
0 0 Trono do Sol está em Leão. É o regen­ te deste signo. Está em Exaltação em Áries, em Detrimento em Aquário e em Exílio em Libra. Sua deslocação diária é de aproxi­ madamente um grau. Sua evolução zodia­ cal tem a duração de um ano.

Trono

Exílio

Detrimento

Queda

influência masculina que o indivíduo exercerá ou experimentará. No mapa as­ tral de uma mulher, a localização infor­ ma sobre a natureza do seu lado mascu­ lino — não de virilidade, revelada pela presença de Marte, como se verá mais adiante —, mas sim, a expressão e a força da sua vontade de independência e de realização pessoal. O Sol está em analogia com o cérebro, o coração, o plexo, a coluna vertebral e o sistema cardiovascular. FICHA DE IDENTIDADE ASTRONÔMICA DO SOL O Sol gira sobre si mesmo em 25 dias, aproximadamente. Trata-se de uma estrela, a mais próxima da Terra. Sua temperatura na superfície é de cerca de 5512° C.

O Sol, regente de Leão, está relacionado com o sistema cardiovascular.

A distância entre o Sol e a Terra é de cerca de 147 milhões de quilômetros no periélio (ponto mais próximo entre o Sol e a Terra) e está a 151 milhões no afé­ lio (o ponto em que a órbita terrestre dista mais do Sol). A fotosfera é a cama­ da que vemos a olho nu. A cromosfera é uma esfera de cor em torno da fotosfera, unicamente visível quando há eclipses solares e sobre a qual se manifestam protuberâncias eruptivas muito parecidas a línguas de fogo. A coroa solar constitui a parte mais exter­ na do astro-rei. As manchas solares resultam da pertur­ bação da fotosfera. Elas põem em evi­ dência a atividade solar. Esta atividade tem uma duração de cerca de cem dias e produz-se segundo um ciclo que osci­ la entre sete e quinze anos.

Os astros

A Lua
A Lua recebe a luz do Sol e ilumina a noite. Na astrologia, a Lua é o astro da sensibilidade.

E

nquanto o Sol ilumina o signo no qual se encontra no momento do nascimento de um indivíduo, a Lua revela, no signo que atravessa, de que maneira e com que critérios iluminará as zonas escuras da consciência da pessoa em questão, pois a hora do dia ou da noite e, sobretudo, a face visí­ vel e a face oculta da Lua nos leva a uma zona luminosa ou escura. A situação da Lua no mapa astral tem muita importância devido à velocidade do seu movimento no Zodíaco. Os an­ tigos entenderam isto tão bem que os Árabes, os Hindus e os Chineses elabo­ raram um calendário zodiacal lunar di­ vidido em 28 casas, cada uma das quais correspondia a uma das 28 fases clássi­ cas da Lua durante o seu ciclo mensal em volta da Terra. A LUA NO MAPA ASTRAL De acordo com a sua posição, a Lua re­ vela a natureza e a expressão da sen­ sibilidade. Os cinco sentidos são os instrumentos que cada pessoa utiliza para perceber a realidade exterior. Assim, a Lua indica qual é o sentido privilegiado. Uma Lua localizada no signo de Áries, por exemplo, revela uma forte sensibilidade da visão que pode, em casos extremos, levar à ce­ gueira — tanto em sentido real como figurado — ou fazer do indivíduo um visionário, um iluminado, capaz de inspirações geniais. Ainda em Áries, a Lua revela uma exaltação cerebral que pode induzir à ansiedade e à im­ paciência, mas também ao entusiasmo e à espontaneidade. Metaforicamente, é possível dizer que o ser cuja Lua de nascimento está situada em Áries tem "a cabeça na Lua".

A posição da Lua no mapa astral permite também a leitura de dados da infância. N o entanto, a conclusão não é Lua = criancice. Sua posição informa inclusive sobre o período de recém-nascido de um indivíduo, durante o qual os sen­ tidos estão exaltados e a sensibilidade é primária e primordial, encontrandose em estado puro. Portanto, informa-nos sobre como viveu a infância e como percebeu o

mundo exterior; proporciona-nos da­ dos sobre a sua mãe, através da qual experimentou sensações anteriores às suas. A Lua nos mostra o ser recepti­ vo, aberto, dependente e, de certa for­ ma vulnerável, portanto, muitas vezes vítima das influências do mundo ex­ terior, sem as quais a consciência não poderia despertar, e nos informa sobre a sua adaptação e as formas de expres­ são que este adota.

AS QUALIDADES DA LUA: sensibilidade, doçura, intuição, receptividade, atitudes maternais, compreensão, flexibilidade, adaptabilidade. OS DEFEITOS DA LUA: humor inconstante, caprichos, irresponsabilidade, caráter infantil, dependência, candura, angústia.

^ ^

FICHA DE IDENTIDADE ASTROLÓGICA DA LUA A Lua revela as qualidades sensíveis de uma pessoa, a sua parte feminina, quer seja homem ou mulher, e informa sobre a natureza das relações que se mantêm com esta. É a mãe, a esposa, a irmã, a amiga, a filha. Revela também as vivências passadas, a nostalgia da infância, os comporta­ mentos infantis, a doçura e a ternura de um indivíduo, os seus sonhos, a sua in­ tuição. N o mapa astral de uma mulher, a lo­ calização da Lua é primordial, já que in­ forma sobre a arte e a maneira que tem de viver, bem ou mal, a sua feminili­ dade. N o mapa astral de um homem, a Lua informa sobre a natureza, a ex­ pressão e, em alguns casos, a persona­ lidade da mulher que procura, sobre a sua parte feminina e a sua forma de in­ tegrá-la na sua personalidade. A Lua rege o sistema linfático, o grande simpático, as glândulas e as funções di­ gestivas; pode favorecer ou refrear o fluxo sanguíneo. O peito e o útero da mulher são também regidos pela Lua.

A Lua no Zodíaco
0 trono da Lua é o signo de Câncer, do qual é regente. Está em exaltação em Touro, em detrimento em Capricórnio e em exílio em Escorpião. A sua passagem diária pelo Zodíaco é de aproximadamente 13 graus e a sua evolução zodiacal tem uma duração de pouco mais de 27 dias.

Trono

Exaltação

Detrimento

Exílio

A uma pessoa nascida em quarto cres­ cente corresponde um temperamento mais vivo, um sistema imunitário mais resistente e recursos vitais mais ricos do que aqueles próprios de uma pessoa nas­ cida em quarto minguante. FICHA DE IDENTIDADE ASTRONÔMICA DA LUA A Lua não é um planeta. E o satélite da Terra, em volta da qual gira a uma dis­ tância de 356.410 quilômetros quando está próxima (perigeu), e de 406.740 qui­ lômetros quando está afastada (apogeu). O intervalo de tempo entre duas passa­ gens da Lua pelo ponto vernal, chamado evolução trópica, tem uma duração de 27 dias, 7 horas, 43 minutos e 4,7 segun­ A Lua, regente de Câncer, tem relação com dos. As fases da Lua são lua nova, quarto crescente, lua cheia e quarto minguante. os gânglios e com o sistema linfático.

A lua nova está localizada entre o Sol e a Terra, a sua face oculta está orientada para esta última; na lua cheia a Terra está situada entre o Sol e a Lua, e a totali­ dade da Lua pode ser visto da Terra. Desde épocas remotas, os eclipses da Lua, que têm lugar quando a Terra se coloca entre o Sol e o nosso satélite, sempre pro­ duziu curiosidade e temor. Há milha­ res de anos, os astrônomos caldeus des­ cobriram que os eclipses se repetem exatamente em intervalos de 18 anos e 11 dias, período que equivale a 223 meses lunares, ao que deram o nome de "saros". A possibilidade de prever os eclipses gra­ ças ao conhecimento do saros conferiu prestígio àqueles antigos astrônomos.A partir da análise do pó lunar pode dedu­ zir-se que a Lua tem uma idade aproxi­ mada de cinco bilhões de anos.

Os astros

Mercúrio
Entre apreender e compreender há apenas uma pequena distância, que Mercúrio, o espírito, a inteligência, o intermediário, nos faz percorrer.

A

preender, aprender, compreender (que significam "captar pelo es­ pírito") e todos os derivados do verbo "prender" manifestam-se com Mercú­ rio, o Inteligente. A mão e o cérebro encontram-se em estreita relação. O fato de agarrar, prender, segurar, um objeto, um elemento do mundo exte­ rior, com a mão, constitui um ato de possessão. Como veremos, na astrologia, esta to­ mada de posse do mundo exterior e do seu ambiente natural é representada pela casa II, associada ao signo de Touro e seu regente, Vênus. A etapa seguinte, ou seja, a casa III, que está em asso­ ciação com o signo de Gêmeos e seu re­ gente, Mercúrio, consiste em distinguir um objeto ou um elemento do mundo exterior dos outros objetos ou elemen­ tos dos quais faz parte, para poder re­ conhecê-lo e estabelecer uma relação com ele. Deste modo, o homem atri­ buiu-lhe um nome, um símbolo e uma família de símbolos com os quais se re­ laciona, para poder encontrar o mundo exterior. Por exemplo, o fruto é um termo geral para designar produtos da terra e das ár­ vores. Mas um fruto é também uma ce­ reja, uma laranja, um morango, uma maçã, etc. Ao nomear cada um dos ele­ mentos que, juntos, configuram o mundo exterior, o homem definiu li­ mites indispensáveis que lhe permiti­ ram encontrar seu lugar e sua identi­ dade. Pode agir deste modo graças às qualidades reveladas por Mercúrio. MERCÚRIO NO MAPA ASTRAL Mercúrio indica a natureza e a expressão da inteligência do indivíduo, a atividade cerebral, a apreensão do mundo exte­

rior, a forma de relacionar-se com os ou­ tros. Atua sobre o cérebro, assim como Vênus atua sobre o coração, como ve­ remos mais adiante. Mercúrio é o es­ pírito (do latim spiritus, que significa sopro, ar, mas também respiração, ins­ piração e, em alguns casos, expiração). Ter espírito é estar vivo; e não tê-lo é morrer. Mercúrio está associado à mão, à agili­ dade manual, à destreza. A mão cria e

manipula o instrumento. Qualquer tra­ balho manual é uma prova de inteli­ gência. Em relação a estes, é importante salientar que o intelecto, a ferramenta dos intelectuais, é um produto e um componente da inteligência, nascida do espírito; como as funções do sono e da imaginação; se bem que as do sonho sejam reveladas pela Lua. Hermes-Mercúrio era o intermediá­ rio entre os deuses e os homens. Es-

QUALIDADES DE MERCÚRIO: inteligência, faculdades de adaptação e de compreensão, habilidade, engenho, espírito prático, comunicação, curiosidade, imaginação. DEFEITOS DE MERCÚRIO: instabilidade, nervosismo, mentalidade influenciável, propensão às evasivas, mentira, tagarelice, intelectualismo.

Estabelecia uma relação, uma co­ municação, contatos, intercâmbios, entre ambos. Intermediário, mediador, médium e remédio são palavras que têm uma raiz comum. O caduceu, em­ blema de Hermes-Mercúrio, é o sím­ bolo dos médicos e do comércio. De Mercurius (Mercúrio) provém também mercatus (comércio, tráfico), mercari (comprar, comercializar) e mercator (mercador). FICHA DE IDENTIDADE ASTROLÓGICA DE MERCÚRIO Mercúrio informa-nos sobre a natu­ reza da mente de um indivíduo, sobre a expressão da sua inteligência, do seu pensamento, que é a faculdade das suas capacidades mentais. Revela-nos tam­ bém as suas qualidades de compre­ ensão e de adaptação aos outros, às cir­ cunstâncias e ao mundo exterior. Mercúrio é o irmão, o primo, o amigo e, em geral, o outro, o interlocutor ou

Mercúrio no Zodíaco
O trono diurno de Mercúrio é o signo de Gêmeos e o trono noturno é o signo de Virgem. É regente destes dois signos do Zodíaco. Está ainda em exaltação em Virgem; em detrimento em Sagitário e em detrimento e em exílio em Peixes. Sua passagem diária é de 1 grau aproximadamente e sua evolução zodiacal é de um ano, como a do Sol.

Trono

Exaltação

Detrimento

Exílio

o duplo, o ser com o qual se identi­ fica ou do qual se distingue; é também o tipo de relação que estabelecemos com a dita pessoa. Na evolução de um ser, assim como a Lua representa a infância, Mercúrio re­ presenta a adolescência; ou seja, a ma­ neira como um indivíduo viveu, vive ou viverá a sua adolescência, que adoles­ cente foi, é ou será, de acordo com o momento do estudo do mapa astral. A fala, a escrita, a leitura, as artes gráfi­ cas, o comércio, a medicina, os jogos, são os campos de expressão natural de Mercúrio. O signo de Mercúrio associa-se à la­ ringe, aos pulmões, aos brônquios, às funções respiratórias, aos sistemas ner­ vosos central e autônomo, à mão e à glândula tiróide.

FICHA DE IDENTIDADE ASTRONÔMICA DE MERCÚRIO E o planeta do nosso sistema mais pró­ ximo do Sol. Sua superfície, coberta de crateras meteoríticas, apresenta muitos pontos em comum com a da Lua. Mercúrio gira em volta de si mesmo cm pouco menos de 59 dias (58 dias, 15 horas e 38 minutos, exatamente) e em volta do Sol em 88 dias, a uma distância calculada entre 46 milhões de quilômetros, aproximadamente, quan­ do está mais próximo, e mais de 69 mi­ lhões de quilômetros, quando está mais afastado. Sua atmosfera é muito tênue. Sua tem­ peratura na superfície é muito variável, conforme seja medida em sua face ilu­ minada pelo Sol (até 425° C) ou em sua face obscura (-170° C).

Mercúrio, regente de Gêmeos, está em relação com a mão.

Os astros

Vênus
Vênus a 'estrela da manhã', reina no céu dos nossos amores, dos nossos sentimentos, das nossas emoções e das nossas motivações.

O

amor tem múltiplas faces, que são de extremo valor quando se trata de revelar e de compreender as indicações descobertas pela presença de astros com qualidades tão sutis como as de Vênus. "Sem amor não somos nada", cantava Edith Piaf. Isto significa que sem Vênus, e o que este representa e simboliza na hierarquia dos astros, não existiríamos? Não podemos responder a esta pergunta sem assinalar que todos os componen­ tes da nossa personalidade são importan­ tes. Mas também não podemos deixar de observar que há algo, nos redemoi­ nhos emocionais que geram o amor em cada um de nós, que recorda os movi­ mentos constantes dos astros, das célu­ las, dos átomos, da luz e da vida na Terra e no universo. Por isso, tudo nos leva a responder que, efetivamente, sem a existência de Vênus não há salvação!

timo, de essencial e de muito pessoal, enquanto os desejos respondem mui­ tas vezes a solicitações próprias do mun­ do exterior. Em resumo, poderíamos deduzir que as qualidades reveladas por Vênus perten­ cem ao campo da alma, enquanto que as de Marte estão condicionadas pelo corpo físico. Naturalmente, ambas se revestem de igual importância. Não há componen­ te da nossa personalidade que não deva­ mos integrar e viver plenamente.

O próprio fato de dizer que experimen­ tamos sentimentos revela que, ao amar, nos experimentamos a nós mesmos e que deste modo aprendemos a conhe­ cer-nos. Esta faculdade pessoal que todos temos de sentir, experimentar e viver os nos­ sos sentimentos e emoções c que nos informa sobre a verdadeira e mais ínti­ ma natureza das nossas motivações, re­ velada pela posição de Vênus em nosso mapa astral.

VÊNUS NO MAPA ASTRAL Vênus nos informa sobre a natureza e a expressão dos nossos sentimentos, emoções e motivações. Aqui, cabe subli­ nhar a distinção entre as motivações de um ser, reveladas por Vênus, e seus de­ sejos, que são próprios de Marte, seus ímpetos, indicados pela situação de Plu­ tão, e seus impulsos, assinalados pela po­ sição de Urano. Movimento, mover, emotivo, emocio­ nar, emoção, remover e motivação, to­ dos estes termos têm uma raiz comum em latim: moveo, movi, motum, movere. O movimento é o grande princípio do mundo físico. Este é quem cria a vida. O que põe o indivíduo em movimento são suas motivações, suas emoções e seus sentimentos. Estes têm algo de ín­

QUALIDADES DE VÊNUS: amor, compreensão, carinho, encanto, motivação, beleza, harmonia, prazer, bem-estar. OS DEFEITOS DE VÊNUS: sentimentalismo, preguiça, passividade, vaidade, falta de moralidade, vida fácil, sensualidade.

^ ^

FICHA DE IDENTIDADE ASTROLÓGICA DE VÊNUS Vênus é o astro do amor sob todas suas formas. Tal como acabamos de ver, in­ forma sobre a natureza dos sentimen­ tos, das motivações e das emoções de um ser, mas também sobre sua sensuali­ dade, sua graça, seu encanto, sua beleza. Informa também sobre seus gostos, seu sentido de harmonia, as formas e as co­ res que aprecia, seus prazeres, sua sen­ sibilidade para as artes e seus dons po­ tenciais de expressão artística, seu refinamento, seu sentido estético, sua aspiração à felicidade, ao bem-estar. Vênus torna a pessoa sentimental, sociá­ vel, altruísta, humanista, fiel, possessiva, apaixonada, livre ou, ao contrário, de­ pendente. Indica o comportamento afe­ tivo, a faculdade de amar e fazer-se amar, o amor ao próximo, a doçura e as alegrias simples e naturais da vida, a necessidade de compreensão, de segu­ rança, de construção de relações agra­ dáveis e positivas.

Vênus no Zodíaco
0 trono diurno de Vênus é o signo de Touro. Seu trono noturno é o de Libra. É o planeta regente destes dois signos. Está em exaltação em Peixes, em detrimento nos signos de Escorpião e de Áries e em exílio no de Virgem. Sua passagem diária é de um grau e sua evolução zodiacal dura cerca de um ano.

Trono

Exaltação

Detrimento

Exílio

N o mapa astral de um homem, Vênus é a amante, a amiga, a mulher amada, a irmã. N o de uma mulher, pode ser também a irmã ou a amiga, mas sobre­ tudo a jovem que foi e a mulher-amante que é. Finalmente, Vênus indica tam­ bém o poder de sedução e de atração que um indivíduo é capaz de exercer so­ bre os outros para se deixar amar ou para atrair a sua atenção. Fisiologicamente, Vênus reina sobre o bom funcionamento do metabolismo, da circulação sangüínea, das funções re­ nais, da garganta e dos ovários. FICHA DE IDENTIDADE ASTRONÔMICA DE VÊNUS Vênus é o segundo planeta do sistema solar, situado entre Mercúrio e a Terra, a cerca de 110 milhões de quilômetros

Vênus, planeta regente de Touro e de Libra, está relacionado com a garganta.

do Sol. Depois dos dois astros lumino­ sos que são o Sol e a Lua, Vênus é o astro mais brilhante visto a partir da Terra. De fato, é o primeiro a aparecer no céu à noite, logo depois da Lua, e o último a desaparecer de manhã; por isso, também é chamado a estrela da manhã. Segundo os últimos cálculos, gira sobre si mesmo em 243 dias, em sentido con­ trário ao dos outros planetas. Sua evolu­ ção em volta do sol dura um pouco mais de 244 dias. U m dia cm Vênus eqüivale a 117 dias no nosso planeta. Está envolto em uma espessa atmosfera nublada, composta por gás carbônico e nitrogênio, que provoca um efeito es­ tufa em sua superfície. Sua temperatura é de cerca de 475° C, tanto de dia como de noite.

Os astros

Marte
Todas as pessoas têm necessidade de afirmar sua vontade e expressar seu poder de ação. É Marte que leva a exteriorizar estas necessidades.
dupla natureza, luminosa e obscura, atribuída aos astros, e a Marte em particular, tem sua origem no choque de duas antigas culturas: a dos Sumérios procedentes do Norte do que hoje se conhece com o nome de Oriente Próxi­ mo, e a dos Arcadianos, vindos do Sul. Juntos, formaram a civilização mesopo­ tâmica. Talvez os sacerdotes-astrólogos da Antigüidade tivessem visto esta dupla natureza como uma espécie de fatalida­ de, boa e má ao mesmo tempo, inscrita no homem de maneira indelével desde o começo dos tempos. Apesar do pro­ gresso e das descobertas do século XX, não estamos ainda em condições de sus­ tentar com eles tal teoria. Mesmo quan­ do esta nos leva a uma pergunta que levanta numerosas polêmicas e paixões: como distinguir o inato do adquirido em um indivíduo? Como distinguir en­ tre o que pertence só a ele, o saído da própria essência de seu ser, e o que deve ao que o cerca, ao contexto natural e so­ cial, cultural em que se move? A posição de Marte em um signo pode ajudar a responder a estas perguntas. MARTE NO MAPA ASTRAL Com efeito, Marte revela a natureza e a expressão da capacidade de ação e afir­ mação de si mesmo. Mas quando por uma ou outra razão o poder de ação de uma pessoa é contrariado e a firmação de si mesmo impedida ou inibida, o re­ sultado é muitas vezes labaredas de rebe­ lião e violência. Marte rege dois signos do Zodíaco: representa o poder da ação (em Áries) ou então o instinto básico (em Escorpião). E o que permite a afir­ mação da vontade, revelada pela posição do Sol no signo. Também é o que ou­ torga a sensibilidade — manifestada pela

A

posição da Lua — expressiva, que esti­ mula nossos sentidos. Por exemplo, Marte estimula a visão nas pessoas de Áries, a pele e o gosto nas de Touro, etc. Isso é o que torna possível a inteligên­ cia empreendedora, a palavra e a comu­ nicação, embora estas sejam do domí­ nio de Mercúrio. O impulso e a energia que põem em marcha os mecanismos do pensamento e a linguagem provêm de Marte ou, mais exatamente, do que Marte simboliza. Os sentimentos tam­ bém não poderiam ser exteriorizados

sem esta força ativa e reativa, instintiva e subconsciente que se encontra dentro de nós. FICHA DE IDENTIDADE ASTROLÓGICA DE MARTE Em um signo, Marte implica as formas de expressão que o indivíduo adota para manifestar sua capacidade de ação, para se afirmar, para impor seus desejos e suas vontades. Obriga-nos igualmente a uma reflexão mais profunda sobre a relação Sol/Lua

AS QUALIDADES DE MARTE: ação, coragem, força, energia, iniciativa, entusiasmo, impulso, desejo, bom instinto. OS DEFEITOS DE MARTE: violência, cólera, imprudência, brutalidade, obsessão, desordem, egoísmo, cinismo.

*s*1^ Vênus/Marte, que são muitas vezes a referência para distinguir o as­ pecto masculino e feminino de todo o ser. Desde há séculos que Marte é con­ siderado a figura do guerreiro, sím­ bolo de virilidade, uma representação do homem "superior" graças à sua força física. Vênus, pelo contrário, é a mulher encarnada, imagem ao mesmo tempo da terra que nutre, pura, fér­ til e fecunda, e a da bela deusa, sedu­ tora, astuta, cortesã sagrada ou mulher-objeto. Mas além de ser misógina, esta interpretação, tão vulgarmente admi­ tida, é totalmente esquemática e apro­ ximativa. O sistema astrológico nos ensina que no interior de todos nós se produz uma mistura sutil de elementos con­ traditórios que, em combinação, tor­ nam possível não só uma explicação única e definitiva, como múltiplas in­ terpretações c matizes. Assim, antes

Marte no Zodíaco
0 trono diurno de Marte é o signo de Áries. Seu trono noturno é o signo de Escorpião. É o regente dos dois signos. Está em exaltação no signo de Capricórnio, em detrimento nos signos de Touro e Libra, e em exílio no signo de Câncer. Sua passagem diária é de 1/2 grau e sua evolução zodiacal dura 2 anos.

Trono

Exaltação

Detrimento

Exílio

de reduzir tudo à mera potência física do macho, temos que compreender o que Marte significa: a potência ener­ gética, o potencial de capacidade de ação que todos temos dentro de nós e que só está à espera de se exteriori­ zar, as forças vivas que conseguem gerar os movimentos e os atos, a fir¬ mação de nossa personalidade e tam­ bém de nossa vontade, de nossas convicções, de nossas ambições, a ex­ pressão de nossas motivações e de nos­ sos sentimentos.

FICHA DE IDENTIDADE ASTRONÔMICA DE MARTE
Marte é o quarto planeta do sistema solar, situado entre a Terra e Júpiter, a uma distância do Sol que varia entre 207 e 259 milhões de quilômetros. É chama­

Marie, regente de Aries e Escorpião, está em relação com a cabeça.

do o planeta vermelho, pois a partir da Terra é visto com esta cor. U m dia em este planeta dura 24 horas e 39 minutos. No equador, a tempera­ tura de sua superfície oscila entre -35° C e 24° C durante o dia. A noite, pode bai­ xar aos -80° C. Sua atmosfera apresenta muitas seme­ lhanças com a ionosfera terrestre. Mas sua ausência da camada de ozônio que filtra os raios ultravioletas do Sol ex­ clui a hipótese do desenvolvimento de organismos vivos, semelhantes aos que conhecemos na Terra. E tudo isso, apesar das fotografias trans­ mitidas recentemente pelas sondas es­ paciais norte-americanas que nos Informam sobre a existência de cama­ das de gelo e água sobre o solo mar­ ciano.

Os astros

Júpiter
Júpiter, denominado o Grande Benfeitor pelos antigos, ê o planeta que revela efetivamente o potencial de expansão e a alegria de viver de um indivíduo.

S

e quiséssemos realizar um retrato de um "jupiteriano" — isto é, do na­ tivo cuja personalidade apresenta mui­ tas analogias com Júpiter, que rege seu mapa astral —, o exemplo mais evidente seria o do camponês que mantém e faz prosperar o seu pedaço de terra, até o dia em que fica na cama durante várias semanas, para recobrar-se dos seus es­ forços e poder desfrutar plenamente dos bens obtidos. Os astrólogos viram sem­ pre em Júpiter um astro benfeitor, que favorece a expansão da personalidade e da plenitude do indivíduo.

Revela assim uma prodigalidade des­ considerada, lassitude, preguiça, inge­ nuidade, ou então sublinha de maneira excessiva certas fraquezas próprias do indivíduo, indicadas por outras confi­ gurações presentes no seu mapa astral. Sua natureza nunca pode considerarse de um ângulo negativo; mas, à força de tanto querer fazer as coisas bem ou fazer o bem, acaba por obter o efeito contrário.

FICHA DE IDENTIDADE ASTROLÓGICA DE JÚPITER E o planeta da felicidade, da alegria de viver, do bem-estar, do contato otimista e eufórico com o mundo exterior. Sob o efeito de Júpiter — ou seja, conforme sua posição no mapa astral em um signo, nas casas e nos aspectos —, compreen­ demos como uma pessoa se abre para o mundo e para a vida, tal como uma flor, se expande, se abandona.

JÚPITER NO MAPA ASTRAL Graças à posição de Júpiter no mapa as­ tral, compreendemos como um indi­ víduo consegue integrar-se com felici­ dade na vida. Assim sabemos como sua vontade (o Sol) consegue impor-se e brilhar com facilidade, sua sensibilidade (a Lua) ma­ nifestar-se livre e espontaneamente, sua inteligência (Mercúrio) desenvolver-se, seus sentimentos e motivações (Vênus) revelarem-se e expandirem-se, seu po­ der de ação (Marte) dar o melhor de si mesmo. Em outras palavras, Júpiter estimula e favorece a expressão natural dos astros que o precedem na hierarquia do Zo­ díaco, sintetizando de alguma maneira as qualidades próprias a eles. Júpiter é generoso, pródigo e prolífico, ou pelo menos revela estas qualidades quando se encontra em uma boa posição em um mapa astral. A proliferação e multiplicação são pró­ prias de Júpiter. Em princípio, exagera sempre, pelo bem dos outros, mas às vezes, certamente, ultrapassa os limites.

AS QUALIDADES DE JÚPITER: felicidade, alegria de viver, generosidade, sinceridade, equidade, prosperidade, plenitude, expansão, êxito. OS DEFEITOS DE JÚPITER: excesso, exagero, prodigalidade, ostentação, presunção, hipocrisia, puritanismo ou amoralidade.

^ a * í ^ Em princípio, Júpiter inclina para a bondade, a prosperidade, o prestígio, a generosidade, a paz, o consolo moral, material e afetivo, para a vida e a felici­ dade. A partir daí, você deve fixar-se atenta­ mente no signo que ocupa e no regente do signo em questão. Com efeito, Jú­ piter é sempre expansivo, o que faz é di­ fundir as qualidades do signo em que se encontra. Por exemplo, um Júpiter em Áries exalta o temperamento natu­ ralmente entusiasta, ativo, energético do nativo deste signo, quase até trans­ formá-lo em obcecado, agitado ou vio­ lento. A combinação Júpiter-Marte (re­ gente de Aries) pode, de fato, provocar estas obsessões, agitação ou violência nesta pessoa. Além disso, Júpiter informa-nos sobre o estilo de vida que um indivíduo es­ colhe, sua maneira de se expressar ver­ balmente, seu comportamento afetivo, etc. Por exemplo, Júpiter em Áries re­ vela um indivíduo dotado de uma elo­ quência sugestiva e persuasiva, com um certo gosto pelas tiradas poéticas, um

Júpiter no Zodíaco
O trono diurno de Júpiter é o signo de Sagitário. Seu trono noturno é Peixes. É o regente de ambos os signos. Está em exaltação no signo de Câncer, em detrimento nos signos de Gêmeos e Virgem, e em exílio no signo de Capricórnio. Sua passagem diária é de um minuto e sua evolução zodiacal, de 12 anos.

Trono

Exaltação

Detrimento

Exílio

Júpiter, regente de Sagitário, está relacionado com a circulação arterial.

comportamento afetivo impregnado de ternura e ligeiramente infantil. Neste caso, são certamente as qualidades da Lua (regente de Áries) as que se ma­ nifestam. Por outro lado, Júpiter em Capricórnio indica antes uma elocução medida, um grande poder de convicção e um comportamento afetivo sensato, sério ou sem manifestações gratuitas. São os princípios de Saturno (regente de Capricórnio) os que se manifestam. Finalmente, Júpiter é também o planeta do êxito, do prestígio, das eventuais honras. Com efeito, todos os matizes que acrescentamos às suas qualidades naturais não põem em dúvida seu as­ pecto de benfeitor e benéfico, já que, embora Júpiter empurre às vezes para os excessos ou exageros, graças a ele, se­ ja qual for a sua posição no mapa astral,

tudo se arranja e funciona a favor do in­ divíduo em questão. Júpiter está relacio­ nado com as funções do fígado, das glândulas supra-renais e da circulação arterial. FICHA DE IDENTIDADE ASTRONÔMICA DE JÚPITER E o sexto e maior planeta do sistema solar. Está situado a uma distância do Sol de entre 740 e 816 milhões de quilô­ metros, segundo a sua órbita. Seu período de rotação sideral é de 9 ho­ ras e 55 minutos, enquanto seu período de evolução sideral é de 11 anos e 315 dias exatamente. Em sua superfície só se pode ver uma atmosfera densa, com­ pacta, acidentada e colorida, composta essencialmente de hidrogênio, metano e amoníaco.

Os astros

Saturno
A razão do mais sábio é sempre a melhor. Esta poderia ser a moral de uma história contada por Saturno, senhor do tempo.
evemos sempre esperar que o fruto amadureça para ser colhido. U m fruto verde não tem sabor. O prin­ cípio da maturidade, que dá todo o seu gosto ao fruto, é semelhante a Saturno, astro que sofre, sem razão, de uma má reputação. Talvez seja porque quali­ dades como paciência, perseverança, tenacidade, domínio de si mesmo, sen­ satez, lucidez, capacidade de contem­ porizar, indulgência... e o fatalismo que se lhe atribuem não respondam às necessidades do homem e da mulher modernos, com tanta pressa de agir, forçando a realidade à sua maneira, se­ gundo suas decisões ou preocupações do momento, sem utilizar o tempo para compreender, refletir, e sobretudo, ser receptivos e atentos ao mundo tal como ele é, e não tal como gostariam que fosse. Saturno, em contrapartida, não se apressa. Desloca-se com muita lentidão no Zodíaco. Dá-lhe a volta em quase 30 anos. Dito de outro modo, no de­ curso de uma vida, não dá mais de três vezes a volta ao Zodíaco. N o mesmo pe­ ríodo de tempo, ou seja, 90 anos, a Lua teria completado mais de HOO evo­ luções zodiacais, e o Sol, 90! Assim ve­ mos porque os astrólogos da Antigüida­ de o viam sempre como o astro que preside à maturidade. Se tem uma reputação tão má é por­ que, evidentemente, lhe é associada muitas vezes a velhice e a morte, que nos lembram que o tempo passa ine­ vitavelmente. É verdade que a "maturidade" e a "morte" são, às vezes, conceitos asso­ ciados. Sigmund Freud realizou impor­ tantes estudos nesse sentido ao falar dos "jogos de palavras do inconsciente".

D

Neste mundo, tudo tem um princípio e um fim. Mas não podemos evitar an­ gustiar-nos pensando que tudo que nos rodeia se renova, transforma, regenera, enquanto nós envelhecemos e morre­ remos algum dia. Em uma de suas obras, Lawrence Durrell escreveu que "a presença da morte aviva sempre as experiências. É sua função ajudar-nos a meditar sobre esta coisa tão estranha que é o tempo".

SATURNO NO MAPA ASTRAL
Saturno, o senhor do tempo, revela por­ tanto a capacidade de amadurecer de um ser, a maneira como o tempo modela nele e para ele, como gerar, modelar e viver o seu tempo. Segundo sua posição no mapa astral, mede-se o grau poten­ cial de maturidade do indivíduo, o poder que o tempo exerce sobre ele, a capacidade de aprender com as suas ex­ periências, de aproveitá-las para

QUALIDADE DE SATURNO: prudência, paciência, ponderação, sensatez, perseverança, precaução, sentido do dever, rigor, lucidez. DEFEITOS DE SATURNO: egoísmo, dureza, desconfiança, frieza, indiferença, intransigência, fatalismo, rancor, esterilidade.

amadurecer, adquirir mais profundi­ dade e sensatez, para se integrar mais intensamente no presente. Os elemen­ tos próprios de Saturno fixam e con­ centram. A depender do caso, os prin­ cípios de fixação e estes poderes de concentração podem entorpecer, ofus­ car, enegrecer ou, pelo contrário, afinar, revelar ou limpar. U m dos grandes princípios da alquimia tinha como base os poderes de concentração de Saturno, acerca dos quais se acreditava que podia converter o chumbo em ouro. Assim, na tradição esotérica astrológica e al­ química, dizia-se que quando Saturno se unia a Plutão, o chumbo se trans­ formava em ouro. Atualmente, sabemos que quanto mais concentrado é um ponto luminoso, mais potente é o seu brilho. Este fenô­ meno corresponde muito bem às qua­ lidades de Saturno.

Saturno no Zodíaco
0 trono diurno de Saturno é o signo de signos de Câncer e Leão e em exílio em Capricórnio. Seu trono noturno é Aquá- Áries. Sua passagem diária é de alguns rio. É o regente de ambos os signos. Está segundos e sua evolução zodiacal aproem exaltação em Libra, em detrimento nos ximadamente 29 anos e meio.

Trono

Exaltação

Detrimento

Exílio

FICHA DE IDENTIDADE ASTROLÓGICA DE SATURNO Astro da maturidade e da maturação, da razão, da lucidez e do espírito lógico, Sa­ turno torna a pessoa estável, prudente, previdente, tenaz. Júpiter disse: ex­ pansão. Saturno diz: concentração. Se o ser só se expandisse, não teria peso nem medida. Saturno revela os limites im­ postos pela força da alma, o poder moral, o sentido do dever, o rigor intelectual, a capacidade de renunciar, de distanciarse, de não sofrer nem de ser uma vítima de si mesmo ou dos outros e das cir­ cunstâncias. O gosto pela ordem e pelo método, o espírito de síntese racional e calculista, Saturno, planeta regente de Capricórnio os juízos precisos, frios, objetivos e as e Aquário, está relacionado com os ossos. certezas são também do seu domínio.

N o aspecto corporal, Saturno associase aos ossos, dentes, cartilagens, baço e bexiga. FICHA DE IDENTIDADE ASTRONÔMICA DE SATURNO Sexto planeta do sistema solar, situado a 1500 milhões de quilômetros do Sol, Saturno tem a particularidade de estar rodeado por um amplo sistema de anéis. U m dia em Saturno equivale aproxi­ madamente a dez horas e meia do nosso tempo terrestre, enquanto que sua volta completa em torno do Sol dura 29 anos e 167 dias. Está imerso em uma atmos­ fera espessa, composta essencialmente por hidrogênio e hélio. A temperatura de sua superfície é de aproximadamente -180°.

Os astros

*"

Urano
Urano simboliza o espírito empreendedor e de independência queforça o indivíduo a distinguir-se dos seus semelhantes, a transformar-se em um ser livre.

A

o nos referirmos a Urano — da mesma forma que a N e t u n o e Plutão, os planetas seguintes na hie­ rarquia dos astros — , devemos escla­ recer alguns pontos. Com efeito, os as­ trólogos contemporâneos, ao longo de suas investigações tiram conclusões prematuras sobre o lugar que estes as­ tros ocupam e seu papel no Zodíaco. Foi desta forma que chegaram preci­ pitadamente à conclusão de que Urano era o regente ideal e perfeito de que Aquário precisava, não sendo Saturno suficiente, segundo eles, para reger este signo além do de Capricórnio. N o entanto, como já explicamos outras vezes, nada nos demonstra que os sa¬ certodes-astrólogos da Mesopotâmia, que estabeleceram a estrutura do Zodía­ co tal como a conhecemos hoje, não soubessem da existência de Urano, Ne­ tuno e Plutão no céu. Deste modo, se não os incluíram no Zodíaco não foi por negligência mas porque não tinham, se­ gundo eles, um papel predominante. Se­ te astros-deuses bastavam para reger os 12 signos do Zodíaco. Atualmente, a contribuição da psico­ logia para a análise, estudo e interpre­ tação de um mapa astral e o fato de contarmos com três novos astros, des­ cobertos recentemente, isto é, em 1781, 1846 e 1930 respectivamente, força-nos a refletir sobre o lugar destes no Zodíaco. Assim, se estamos experimentando as características fundamentais reveladas pelo Sol, a Lua, Mercúrio, Vênus, Mar­ te, Júpiter e Saturno desde há três mil anos, podemos dizer que as característi­ cas que dizem respeito a Urano, Netuno e Plutão ainda estão a ser estudadas. De nossa parte, consideramos Urano como

o astro que auxilia e agudiza a regên­ cia de Saturno no signo de Aquário. Mas, também pensamos que existem certos toques uranianos que não pode­ mos esquecer na natureza dos nativos de Virgem, cujo regente é Mercúrio, tal como no comportamento tanto instinti­ vo como, às vezes, impulsivo do nativo de Escorpião, cujo primeiro regente é Marte e o segundo Plutão.

URANO NO MAPA ASTRAL
Urano revela a expressão e manifestação da capacidade de decisão e o espírito in­ dependente de uma pessoa. Ambos estão intimamente ligados. Com efeito,

para adquirir determinada autonomia, o indivíduo tem de ter certa aptidão para se definir, tomar decisões firmes, algumas vezes bruscas. Por outro lado, para estar em condições de escolher ou tomar decisões que o ajudarão a mar­ car sua originalidade, estilo e singula­ ridade, deve demonstrar um certo es­ pírito independente. A capacidade de decisão manifesta-se muitas vezes sob a forma de impulso imediato, que per­ mite reagir e atuar de maneira oportuna, fazer exatamente o que se tinha de fazer e no momento exato. Devemos sublinhar aqui o sutil matiz que existe entre impulso, do domínio

QUALIDADES DE URANO: dinamismo, originalidade, independência, bons reflexos, sentido de oportunidade, solidariedade, progresso. DEFEITOS DE URANO: oportunismo, indisciplina, instabilidade, espírito revolucionário, impulsos irrefletidos, incoerência.

^ " " ^ de Urano, e ímpeto, do domí­ nio de Plutão. Enquanto o impulso tem um aspecto cerebral, implicando uma reflexão, recorrendo aos reflexos da memória e à inteligência, o ímpeto é instintivo, é a expressão ou mani­ festação de uma necessidade vital irre­ sistível. O ímpeto é primário, o impulso é se­ cundário. O primeiro é dificilmente controlável. É mais inibido ou contido do que controlado. O impulso, em contrapartida, pode ser reprimido, dominado e, poderíamos dizer, instrumentalizado, palavra esta que, etimologicamente, significa cons­ truir, reunir, regular, edificar com o pen­ samento. FICHA DE IDENTIDADE ASTROLÓGICA DE URANO Urano é o astro do impulso, do espí­ rito independente, da capacidade de decisão, da originalidade, singularidade e liberdade. Informa-nos sobre o di­ namismo potencial do indivíduo, so­

Urano no Zodíaco
0 trono diurno de Urano é o signo de Aquário, do qual é segundo regente, depois de Saturno. Seu domicílio noturno é Capricórnio. Está em exaltação no signo de Escorpião, em detrimento nos signos de Leão e Câncer e em exílio em Touro. Sua passagem diária é de aproximadamente 3 minutos e meio e sua revolução zodiacal de mais ou menos 80 anos.

Trono

Exaltação

Detrimento bre sua capacidade de aproveitar as oportunidades que se lhe oferecem, seu sentido de oportunidade, seus re­ flexos, sua habilidade manual, sua fa­ culdade de inovar, inventar, seu inte­ resse pelas idéias, pelas ciências e técnicas modernas. Urano associa-se ao sistema nervoso, aos reflexos mo­ tores e ao ritmo cardíaco. Com efeito, tudo aquilo que comporta ritmo, mo­ vimento constante, cadência, ciclos, evoluções — nos dois sentidos desta palavra: rotação completa de um astro ou corpo ao redor do seu eixo, ou então mudança repentina, transtorno brusco —, é o domínio de Urano. Não devemos esquecer que, na mitologia grega, Urano, que é a divindade que personifica o céu e os astros, é o pai de Crono, o tempo.

Exílio Ora, é evidente que as medidas do tempo foram criadas pelo homem ao observar os movimentos constantes e cíclicos dos astros ao redor da Terra. O tempo nasceu, portanto, do céu e dos astros. Aqui também, o mito combina realidade e verdade histórica. FICHA DE IDENTIDADE ASTRONÔMICA DE URANO Faz apenas pouco tempo que sabemos que Urano, tal como Saturno, está cer­ cado por nove anéis de matéria. Situado a três milhões de quilômetros do Sol, sua velocidade de rotação sideral é de 17 horas e leva aproximadamente 84 anos para dar a volta ao Sol. Sua tem­ peratura constante e média é de cerca de -220° C.

Urano, regente de Aquário, está relacionado com o sistema nervoso.

Os astros

Netuno
A consciência, a inspiração, a capacidade de transformação, o poder de mudar as coisas e de evoluir são qualidades atribuídas a Netuno.
a mesma forma que Urano, N e ­ tuno fornece informações com­ plementares aos dois signos astrológi­ cos que ele rege secundariamente com Júpiter: Sagitário e Peixes. O papel de Netuno em Sagitário é raramente des­ tacado, enquanto que, normalmente, a ele é atribuído um lugar preferencial no signo de Peixes, do qual se converte em regente principal. Na realidade, em Sagitário, o aspecto ex­ pansivo, generoso, otimista e tudo que une este signo ao mundo material são qualidades do domínio de Júpiter. Mas sua tendência para a aventura e a ex­ ploração e suas aspirações espirituais provêm do universo netuniano. Assim, as qualidades intuitivas e perceptivas, o gosto pela universalidade que mui­ tas vezes os nativos de Peixes possuem, são características próprias de Netuno. Ao passo que sua necessidade de con­ forto e fruição, às vezes exacerbada pela presença de Netuno, provém de Júpiter. Assim, enfrentamos dois astros que im­ plicam uma expansão (Júpiter) e uma ampliação (Netuno). A partir daí, po­ demos dizer que os dois signos regidos por estes astros são os mais generosos, mas também podem ser os mais exces­ sivos.

D

mapa astral nos informa sobre um es­ pírito superior do indivíduo e de sua vontade, demonstrada ou não, de ex­ plorá-la. Permite saber em que setor se posicio­ nará este espírito superior para incitar a pessoa a transformar-se e evoluir. As forças interiores e sutis que Netuno re­ vela dão ao indivíduo a oportunidade de sintetizar intuitivamente todas as suas qualidades, reunir todos os componen­

tes de sua personalidade para criar nele, ou à sua volta, algo de novo. Além disso, é preciso sublinhar que a presença de Urano, Netuno e Plutão em um mapa astral, além de revelar as características profundas do indivíduo, elucida tam­ bém sua receptividade e resistência às correntes coletivas. Assim, a partir dos elementos indica­ dos por Netuno, vemos como um ser entra em relação com os movimentos

NETUNO NO MAPA ASTRAL
Netuno é considerado o transformador do Zodíaco. Sua posição em um mapa astral nos informa sobre a capacidade de transformação de uma pessoa, ou seja, de sua capacidade de se adaptar às cir­ cunstâncias, de mudar com elas, dela próprio mudar, de evoluir. Netuno concede qualidades morais, psí­ quicas e espirituais excepcionais. Não seria falso dizer que sua situação em um

QUALIDADES DE NETUNO: capacidade de mudar a forma de pensar, de agir, de viver, receptividade psíquica, inspiração, fusão emocional. DEFEITOS DE NETUNO: ilusão, auto-sugestão, angústia, confusão de idéias e sentimentos, irrealidade, excesso.

de sua alma, se está ou não consciente disso, e como se situa em relação às correntes de pensamento, crenças, sentimentos e emoções que o rodeiam. FICHA DE IDENTIDADE ASTROLÓGICA DE NETUNO Netuno rege a inspiração, as aspirações superiores do espírito, assim como a ca­ pacidade de percepção que se manifesta graças a uma síntese e a um domínio perfeito, muitas vezes inconsciente, dos cinco sentidos. As qualidades próprias de Netuno re­ velam que existe em nós uma cons­ ciência mais profunda dos seres e das coisas que nos rodeiam, que podemos utilizar para nos transformarmos ver­ dadeiramente à medida que tudo muda e evolui à nossa volta. Em um mapa astral, estas qualidades de­ vem ser estudadas com atenção. Com

Netuno no Zodíaco
O trono diurno de Netuno é o signo de Peixes. Seu trono noturno é Sagitário. É o segundo regente de ambos os signos, cujo primeiro regente é Júpiter. Está em exaltação no signo de Leão, em detrimento no signo de Virgem e em exílio em Aquário. Sua passagem diária é de aproximadamente 2 minutos. Sua revolução zodiacal dura cerca de 165 anos.

Trono

Exaltação

Detrimento

Exílio

Netuno, regente de Peixes e Sagitário, está relacionado com os pés.

efeito, suas manifestações na vida mate­ rial são muito sutis, às vezes indescri­ tíveis, e muitas vezes estão longe de nos­ sas preocupações materiais e racionais. Prever, antecipar, conhecer intuitiva­ mente o fim desde o começo, compre­ ender o sentido profundo das circuns­ tâncias e dos acontecimentos, ter uma consciência clara do passar do tempo e do ciclo das metamorfoses, são o domí­ nio de Netuno. Netuno está associado ao comporta­ mento linfático sangüíneo, aos pés e às veias. Finalmente, devemos sublinhar, valendo-nos de uma imagem musical, que Netuno pode ser considerado a oi­ tava superior de Mercúrio, no sentido de que informa sobre as qualidades da mente superior de uma pessoa.

FICHA DE IDENTIDADE ASTRONÔMICA DE NETUNO Netuno é o oitavo planeta do sistema solar, situado entre Urano e Plutão, a aproximadamente 5504 milhões de quilômetros do Sol. Foi observado pela primeira vez pelo astrônomo alemão Johann Gottfried Galle, a 23 de setem­ bro de 1846. U m dia em Netuno equivale a 16 horas do nosso tempo terrestre, enquanto que seu período de rotação sideral tem uma duração de 164 anos e 280 dias. Sua temperatura máxima na camada de hi­ drogênio e metano que cobre sua at­ mosfera, observável a partir da Terra, parecer ser de -218° C. Segundo os últi­ mos estudos realizados, Netuno teria muitas semelhanças com Júpiter.

Os astros

Plutão
Plutão, o astro menos conhecido do sistema solar e também do Zodíaco, é chamado o Grande Formador, o Fundador, o Criador.
planeta Plutão só foi descoberto pelos astrônomos em 1930, isto é, há cerca de 70 anos. Imediatamente, os astrólogos viram neste astro que tem o nome do deus mitológico dos mundos subterrâneos e infernais, o regente do signo de Escorpião. Chegaram a esta conclusão demasiado depressa. Considerando que o período de revo­ lução zodiacal deste astro é de quase 248 anos, temos que esperar ainda muitas gerações para obter as primeiras con­ clusões acerca de sua presença nos 12 signos do Zodíaco. Quando Plutão apareceu pela primeira vez no telescópio de um astrônomo, en­ contrava-se no signo de Câncer. Atual­ mente, encontra-se em Sagitário, onde ficará até o ano 2007. Em seguida, de 2008 até 2023, isto é, durante dezesseis anos, ficará no signo de Capricórnio. Porém, temos que esperar até 2178 para que se situe outra vez onde foi desco­ berto. Ao falar de plutão, portanto, estamos apenas especulando. Da mesma forma que Urano e Netuno, este planeta for­ nece informações complementares às qualidades reveladas por Marte, regente de Escorpião. Podemos atribuir a Ura­ no (segundo regente de Aquário) as ca­ racterísticas que pertencem a Saturno (regente de Aquário) e que têm que ver com o espírito de independência deste signo; pode-se ver em Netuno (se­ gundo regente de Peixes, mas também, com certos matizes, de Sagitário) um poder de transformação, um sentido de metamorfose, qualidades que possui Júpiter (regente de Sagitário); da mesma maneira, vemos em Plutão (segundo re­ gente de Escorpião) um poder forma­ dor e criativo já representado por Marte

O

(regente de Escorpião, signo que coin­ cide com o período da semeadura, em correspondência simbólica com a noção de sacrifício com vistas a uma regene­ ração). PLUTÃO NO MAPA ASTRAL A presença de Plutão em um mapa as­ tral nos informa sobre a capacidade cria­ tiva de um indivíduo. Não nos referi­ mos aqui à criatividade no sentido artístico, mas sim à criação em estado

puro, ao ato criativo, isto é, vontade de engendrar ou realizar algo novo. A criação é, sem dúvida, um ato sagrado, mágico. Tem suas raízes no desejo de vida e morte, que leva a construir, pro­ duzir, fazer, criar, ou, inversamente, des­ truir, consumir, desfazer, desmanchar. Assim, a posição e a força de Plutão em um mapa astral permitem avaliar e com­ preender de que maneira o indivíduo em questão tende a explorar seu po­ tencial criativo para si mesmo e em sua vida.

QUALIDADES DE PLUTÃO: criatividade, bom instinto, intensidade psíquica, recursos vitais, magnetismo, capacidade de regeneração. DEFEITOS DE PLUTÃO: vontade de destruir, de dominar, duplicidade, mentira, farsa, influências nefastas, mitomania.

De fato, por seu aspecto forma­ dor, Plutão desestabiliza, perturba, mo­ lesta, move, põe em dúvida, não se sa­ tisfaz com o que existe. Este é também um dos princípios da criatividade: mu­ dar a ordem estabelecida para engendrar uma nova ordem. Em todos os mitos cosmogônicos dizse que o mundo surgiu de um caos inicial. Assim, simplificando um pouco, pode­ mos dizer que a presença do Sol em um mapa astral nos confronta com o ser já formado e completo, manifestando deste modo sua vontade instintiva. Mas, por outra parte, a presença de Plutão nos informa de um ser em for­ mação, de seus recursos psíquicos e vi­ tais, de sua capacidade de recomeçar e realizar uma verdadeira mutação em sua vida ou em si mesmo. Vemos a Plutão como um astro com al­ gumas características que denotam uma grande sutileza e não menor complexi­

Plutão no Zodíaco
0 trono diurno de Plutão é o signo de Escorpião. Seu trono noturno é o signo de Áries. Plutão é o segundo regente do signo de Escorpião. Está em exaltação no signo de Sagitário, em detrimento nos signos de Touro e Libra e em exílio no de Gêmeos. Sua passagem diária é de apenas 1 minuto e sua revolução zodiacal, de uma duração de 248 anos.

Trono

Exaltação

Detrimento

Exílio

dade, as quais é preciso canalizar e in­ tegrar com muita precaução no estudo e interpretação de um mapa astral.

FICHA PE IDENTIDADE ASTROLÓGICA DE PLUTÃO
Em um mapa astral, o signo onde Plutão está situado possui sempre uma grande intensidade. De fato, de uma maneira ou de outra, Plutão intensifica, con­ densa, concentra, ou, ao contrário, di­ vide, dispersa ou decompõe as quali­ dades do signo onde se encontra. Assim, Plutão representa a sede criativa, de poder, de potência, de posse, a von­ tade de ir até o fundo. Indica também o desejo de aprofundar, de saber, e representa, igualmente, os instintos primários, os desejos irrepri­

míveis, os atos repentinos, liberadores, criadores ou destruidores. Anatomi­ camente, o planeta Plutão está em ana­ logia com os testículos e os ovários, as­ sim como com o ritmo cardíaco (sístole e diástole)

FICHA DE IDENTIDADE ASTRONÔMICA DE PLUTÃO
Nono planeta do sistema solar, situado a uma distância que varia de 4,5 a 7,7 bilhões de quilômetros do Sol, Plutão é o astro menos conhecido. Supõe-se que sua superfície é coberta de gelo. Calcula-se seu período de rotação si­ deral em 6 dias, 9 horas e 18 minu­ tos, enquanto que seu período de re­ volução sideral gira em torno de 247 anos e 249 dias.

Plutão, segundo regente de Escorpião, está relacionado com os órgãos genitais.

Os pontos fictícios

Os Nodos da Lua
Os Nodos da Lua formam um eixo no Zodíaco e no mapa astral. As informações que nos revelam são importantes para descobrir a parte de destino e de livre arbítrio de um indivíduo.

E

mbora alguns astros sejam invisí­ veis a olho nu, não é possível negar que eles existam. Por outro lado, o que chamamos eixo dos Nodos lunares são na realidade pontos fictícios. Vale lem­ brar que o Zodíaco tampouco existe; trata-se de uma roda fictícia elaborada e ultimada por homens da Antigüidade e colocada na esfera celeste. Esta últi­ ma, considerada um prolongamento da esfera ou do globo terrestre, é fruto da imaginação, mas também de um es­ pírito teórico, prático e lógico dos nos­ sos antepassados. Além disso, fora das influências exercidas pelo Sol e pela Lua sobre certos fenômenos terrestres, não temos nenhuma prova tangível hoje em dia de que os astros também tenham influência sobre a Terra e seus habitantes. Portanto, o astrólogo, no momento de estabelecer e estudar um mapa do céu, não trabalha senão sobre hipotéticas influências astrais, sobre o aparecimento e a simultaneidade de certos fenômenos naturais, celestes ou terrestres, e suas analogias com os ca­ racteres e comportamentos humanos. Embora os pontos fictícios do eixo dos Nodos da Lua se baseiem em princí­ pios astronômicos fisicamente não re­ conhecíveis, não é por isso que seu in­ teresse do ponto de vista do astrólogo é menor. Podemos inclusive dizer que os dois se­ tores do Zodíaco c do mapa astral onde se situam os Nodos norte e sul são fun­ damentais para o estudo e interpretação de um mapa astral. OS NODOS NORTE E SUL NO MAPA ASTRAL A melhor ilustração do papel desem­ penhado pelo eixo dos Nodos norte e

sul em nossa vida é a imagem do arquei­ ro: o elemento que melhor ilustra o No­ do sul revela-se pelo próprio arco; o Nodo norte é o alvo, e o ser, evidente­ mente, é representado pela flecha. Outra imagem ilustrativa é o antigo pro­ vérbio chinês que diz que "a madeira é o destino do fogo". O que significa que o destino tem que ser utilizado, consu­ mido, queimado, para que o fogo exista; mas, também, que sem esse fogo a ma­

deira ou o destino não existiriam. Pode­ mos deduzir então que, dependendo da situação do eixo dos Nodos da Lua no mapa astral, obtemos leituras e inter­ pretações diferentes do destino de uma pessoa? Exatamente. O N o d o sul nos informa sobre nos­ sos hábitos, reflexos do comportamento, automatismos, tudo que nos obriga a agir, reagir, pensar, viver de uma certa maneira, a produzir sempre em nossa

INTERPRETAÇÕES DO NODO SUL: hábitos mentais, reflexos do comportamento, defeitos que tem que superar, circunstâncias esgotadoras, prementes, repetitivas. INTERPRETAÇÕES DO NODO NORTE: novas possibilidades, escolha, tomada de consciência, oportunidades, triunfos a obter, dons para explorar, livre arbítrio.

comportamento se manifestarão ime­ diatamente e mais facilmente. A p o ­ sição do N o d o norte em um signo informa sobre a escolha, as possibili­ dades e o livre arbítrio de que dispõe um indivíduo para adotar outras for­ mas de pensar e de se comportar; sua posição em uma casa nos fala de suas manifestações na vida real, material e social. Por exemplo, um Nodo norte situado no signo de Libra revela que o livre ar­ bítrio pode exercer plenamente, me­ diante as noções de equilíbrio interior, harmonia relacionai e valores de justiça, todos atributos deste signo. Se se en­ contrar na casa X, será no âmbito da vida social e profissional que o indivíduo ex­ plorará estas noções e valores, e se trans­ formará graças a eles. Finalmente, é importante assinalar que o eixo dos Nodos lunares é considera­ do um fator essencial na astrologia kár­ mica. FICHA DE IDENTIDADE ASTRONÔMICA DOS NODOS DA LUA Considerando que os Nodos lunares são fictícios, eles não são portanto vi­ síveis, razão pela qual as posições do Nodo norte do dia-a-dia — a partir das quais se deduz as do Nodo sul, pois é seu oposto exato — figura na última coluna das Efemérides. Estas posições são determinadas a par­ tir de pontos de interseção entre a ór­ bita lunar em torno da Terra e da eclíptica (o percurso aparente do Sol ao redor da Terra). Estes pontos formam um eixo que chamamos o eixo dos Nodos da Lua, eixo dos Nodos lunares ou eixo do Dragão. De fato, o N o d o norte, ou N o d o ascendente, na China chamase a Cabeça do Dragão, e o Nodo sul, ou Nodo descendente, chama-se a Cauda do Dragão. O eixo dos Nodos da Lua dá a volta ao Zodíaco em 18 anos e 6 meses apro­ ximadamente, deslocando-se ao mes­ mo tempo no sentido inverso ao dos astros no interior do Zodíaco.

Do arco ao alvo, o percurso da flecha representa a nossa evolução na Terra. vida as mesmas causas que, automati­ camente, produzirão os mesmos efei­ tos; a chamar ou atrair circunstâncias semelhantes e repetitivas que levam sis­ tematicamente a situações idênticas. Quanto ao N o d o norte, revela o enorme leque de possibilidades das quais o indivíduo dispõe para agir, rea­ gir, pensar, viver de uma certa maneira, modificar ou livrar-se dos reflexos e in­ fluências negativas, lançar-se em novas experiências, exercer sem restrições seu livre arbítrio. Este eixo confronta o homem antigo — representado pelo Nodo sul — e o homem novo — indicado pelo Nodo norte —, que todos nós possuímos em nosso interior. O percurso que a flecha da vida realiza para ir de um lado para outro (ou seja do arco para o alvo) não é mais do que o tempo que nos foi destinado para viver aqui em baixo e para nos realizar o mais harmoniosamente possível. FICHA DE IDENTIDADE ASTROLÓGICA DOS NODOS DA LUA A posição do N o d o sul em um signo explica os reflexos mentais e dos há­ bitos de comportamento do indivíduo; sua posição e m uma casa nos in­ forma sobre suas manifestações exis­ tenciais, ou seja, no mundo físico e ma­ terial. Por exemplo, um Nodo sul situado no signo de Áries indica um comporta­ mento ansioso e impaciente, agressivo e exclusivo. Se este Nodo sul se encontrar simulta­ neamente na casa IV, será no âmbito da família e do lar que estes reflexos do

Os pontos fictícios

A Lua negra
Da mesma forma que acontece com os Nodos lunares, a Lua negra não é um astro, razão pela qual existe uma divisão de opiniões entre os astrólogos em relação à mesma.

O

s adeptos da astrologia influen­ cial — a astrologia entendida co­ mo ciência baseada na influência dos astros — não dão nenhuma impor­ tância à Lua negra, pois trata-se apenas de um ponto fictício e não de um cor­ po celeste. N o entanto, os astrólogos tradicionais, sensíveis ao sistema complexo e coe­ rente estabelecido por nossos distantes antepassados — cujo princípio está ba­ seado nas analogias e coincidências entre certos fenômenos celestes e terrestres naturais — revelam sua importância no mapa astral. N o entanto, é importante sublinhar que os astrólogos, indepen­ dentemente de suas escolas e convic­ ções, estavam de acordo em levar em consideração outros pontos fictí­ cios, aos que davam gran­ de importância.

Trata-se das 12 Casas, às quais são atri­ buídas qualidades originais, embora tampouco sejam astros. Veremos portanto, de um lado, o papel essencial que a Lua negra desempenha na interpretação de um mapa astral e, por outro lado, comprovaremos que nossos antepassados já tinham compre­ endido perfeitamente, e portanto an­ tecipado, as pesquisas dos nossos psica­ nalistas modernos, sem tê-las codificado nem enunciado. A LUA NEGRA NO MAPA ASTRAL O que esta representa no mapa astral c ao mes­ mo tempo muito sutil c profundo. Sua interpretação exige, portanto, muita habi­ lidade e delicadeza. Não se trata de qualidades humanas comuns, reco­ nhecíveis entre as demais, nem se trata de critérios psicológicos flagrantes, corriqueiros, cujos meca­ nismos e, às vezes, origens e causas, são perceptíveis e com­ preensíveis hoje em dia. Com a Lua negra, abordamos as zonas mais escuras, mais inacessíveis do ser, as mesmas bases de sua per­ sonalidade, a parte sombria que temos e da qual não podemos escapar. A partir daí, compreenderemos que os astrólogos quase sempre ocultaram os valores e componentes da Lua negra, pois esta transmite uma verdade que choca, perturba e transtorna as cons­ ciências adormecidas. Tudo aquilo que tem origem neste ponto fictício gera

sempre uma tomada de consciência ne­ cessária; e, da mesma forma como existe na natureza humana a tendência a unirse, estabelecer-se ou conservar, nem sempre estamos preparados para com­ preender o que é revelado de nós mes­ mos. Somos freqüentemente movidos por uma grande curiosidade, um desejo de descobrir e compreender as coisas, mas quando nos vemos diante de uma dúvida, cobrimos nosso rosto, instin­ tivamente nos negamos a ver e a com­ preender tudo aquilo que é suscetível de turvar nosso equilíbrio e nosso con­ forto. Entretanto, as informações reve­ ladas pela Lua negra, de acordo com sua posição no mapa astral, nos forçam sem­ pre a nos questionar a nós mesmos. Da mesma forma, os trânsitos da Lua negra, que dá a volta ao Zodíaco em 9 anos, anunciam sempre acontecimentos e tempos difíceis de nossa vida, de acordo com o setor do Zodíaco ou do nosso mapa astral nos quais são produzidos. Mais exatamente, segundo sua posição no mapa astral, provoca crises, situações excessivas, transtornos psíquicos ou emocionais essenciais, revela as etapas últimas e inevitáveis que temos que franquear, as passagens obrigatórias, sem as quais a evolução não seria possível. Esta Lua fictícia é chamada "negra" por­ que absorve tudo. Nada pode resistir à sua ação. Com efeito, o negro, que sa­ bemos que não é uma cor, simboliza

tanto o vazio absoluto, o nada, a obs­ curidade total, como o excesso e a den­ sidade máxima. Se falamos de um vazio, temos que ocupá-lo com urgência, a risco de sermos absorvidos e precipi­ tados em sua direção. Trata-se de um ex­ cesso, suscetível a todo momento de transbordar e deixar-nos submergidos. Desta forma, é necessário reduzi-lo, ca­ nalizá-lo, aproveitá-lo oportunamente. Podemos afirmar que o lugar do mapa astral onde se encontra a Lua negra co­ rresponde a esta zona profunda do ser que tende a absorvê-lo inteiramente, concentrá-lo e atrai-lo completamente para si mesmo. Porém, mais cedo ou mais tarde, a pes­ soa será obrigada a tomar consciência de que está ocultando certas coisas essen­ ciais de si mesma, seja através de de­ terminadas circunstâncias ou aconte­ cimentos externos ou porque explodirão e se manifestarão em forma de crises psicológicas, patológicas ou emocionais cíclicas. FICHA DE IDENTIDADE ASTROLÓGICA DA LUA NEGRA A depender do signo do Zodíaco e da Casa onde se encontre, revelará uma to­ mada de consciência necessária e inevi­ tável das circunstâncias ou aconteci­ mentos trazidos pela mão do destino até que aquela se atualize. Indica também uma busca do absoluto, da verdade, da

Buraco negro, segundo um desenho de Bardin. autenticidade, uma sublimação lúcida, uma elevação da consciência, uma tendência a ir até o fim, uma recusa ca­ tegórica ou uma extrema fascinação. N o mapa astral de um homem, sua po­ sição nos informa sobre o que Carl Gustav Jung chamava sua anima, que poderíamos definir como sua imagem da mulher ideal, porém ao mesmo tem­ po é o componente feminino de sua personalidade. De maneira inversa, no mapa astral de uma mulher, dá indicações sobre seu animus, isto é, sobre a representação de seu homem ideal e o componente mas­ culino de sua personalidade. FICHA DE IDENTIDADE ASTRONÔMICA DA LUA NEGRA Em seu movimento elíptico em torno da Terra, a Lua forma um eixo. Seus dois extremos são chamados o perigeu — o ponto de sua órbita mais próximo à Terra — e o apogeu — ponto de sua ór­ bita mais afastado da Terra —. O peri­ geu da Lua não é fixo. Desloca-se 40 graus ao ano, aproximadamente. A par­ tir deste movimento aparente do peri­ geu da Lua, calculamos o deslocamento da Lua negra, cuja revolução zodiacal é realizada em 3.232 dias, isto é, quase 9 anos.

Os pontos fictícios

A Parte da Fortuna
A Parte da Fortuna revela a parte de alegria, felicidade, amores puros, inalteráveis e inesgotáveis que todos nós temos em nosso interior.
omo já dissemos em inúmeras oca­ siões, as fontes históricas conhe­ cidas da astrologia demonstram que esta antiga ciência foi fundada sob o prin­ cípio da observação e — dizemos atualmente — da compilação metódica de fenômenos celestes cíclicos e suas analogias com certos elementos da natureza e fatores humanos relacionados com os caracteres dos indivíduos, suas rela­ ções e seus comporta­ mentos. Hoje, não há nenhuma dúvida de que a nature­ za, o ambiente, a paisa­ gem e a época em que vivemos exercem uma influência sobre nós, nosso caráter nosso comportamento e in­ clusive nosso destino. Os homens da Anti­ güidade também eram perfeitamente conscientes disso. Sim­ plesmente, expressavam este estado de coisas através de critérios e crenças di­ ferentes dos nossos. Da mesma forma que em nossa época caímos com fre­ qüência na tentação de definir uma pessoa segundo os reflexos de com­ portamento, características, patologia c sintomas comuns a todos, em função dos princípios inerentes à ciência, os homens da Antigüidade, pelo menos alguns deles em certas épocas, caíram na tentação de reduzir os indivíduos a esquemas preestabelecidos e classifi­ cá-los segundo tabelas de referência que constituem o Zodíaco.

C

Entretanto, atualmente, quando fala­ mos de astrologia, nos limitamos em demasia a nos referir a esquemas que não são muito menos representativos

da riqueza interpretativa que oferece um mapa astral. Assim, olhando mais detidamente, des­ cobrimos que as preocupações, qualida­ des e defeitos de nos­ sos antepassados são muito semelhantes aos nossos. O que nos distingue deles não é a maneira de apreender o mundo e a vida mas sim a in­ terpretação que lhe da­ mos. UMA CIÊNCIA ESQUECIDA Obviamente, cada um de nós tem o direito de pensar que as bases da astrologia podiam ter sido constituídas anti­ gamente sobre uma ciência da qual se per­ deram todas as pistas históricas e, principal­ mente, o ângulo de vi­ são e interpretação que lhe dava corpo. De fato, temos uma tendência muito grande a acreditar que sabemos tudo ou quase tudo sobre o mundo que nos cerca. Conhecemos tudo tão bem que busca­ mos o desconhecido em outro mundo, nas distantes regiões extraterrestres. N o entanto, durante mais de dois mil anos, nos esquecemos que na Mesopo­ tâmia surgiu uma cultura muito avan­ çada e que ali se encontra o berço de nossa civilização. Poderíamos também sublinhar que, du­ rante milhares de anos, os homens vive­ ram ignorando a existência das células

A Parte da Fortuna no mapa astral é associado à Roda da Fortuna do Tarô adivinhatório.

encontraremos esta Parte. Assim, as in­ formações reveladas pelos citados pon­ tos do Zodíaco serão especialmente importantes para realizar uma correta interpretação. Deste modo, a posição da Parte da For­ tuna em um signo zodiacal e em uma Casa dá conta da porção da alegria, fe­ licidade, as circunstâncias favoráveis, por pouco que se tenha uma vontade (o Sol), uma sensibilidade (a Lua) e uma individualidade (ascendente) sãs, cen­ tradas e serenas. Se não for este o caso, os elementos fa­ voráveis, característicos e inerentes à Parte da Fortuna, serão suprimidos ou, mais precisamente, nós mesmos nos privaremos deles. FICHA DE IDENTIDADE ASTROLÓGICA DA PARTE DA FORTUNA A Parte da Fortuna não é um astro, por­ tanto, nada do que ela representa é de fácil interpretação e deve ser lido so­ mente no contexto de um mapa astral, nunca fora dele. Podemos falar de Mercúrio, sem que es­ teja integrado em um mapa astral, pois possui um significado por si só. Entretanto, a Parte da Fortuna indica um setor de harmonia, felicidade, beleza, alegria, amor, que correspondem a re­ alidades potenciais, que a pessoa cujo mapa astral estamos estudando poderá ou não aproveitar, segundo esteja ou não em tal fase consigo mesmo. É importante também compreender que tudo isso forma parte de cada um, que pode estar submetido a influências negativas ou opostas; mas, indepen­ dendo do que acontecer, permanece puro e intacto.

No Zodíaco do mapa astral desta ilustração, a Parte da Fortuna está situada a 0o de Gêmeos. e dos átomos. O sistema das Partes, na astrologia, nos faz supor que uma ciên­ cia baseada nos arquétipos e nas vi­ brações das ondas e dos números foi a verdadeira origem da criação do Zodíaco e de seu uso para fins que ao mesmo tempo foram espirituais para o indiví­ duo e úteis para a comunidade, e que hoje em dia chamaríamos fins educa­ tivos e práticos. A PARTE DA FORTUNA NO MAPA ASTRAL A Parte da Fortuna no mapa astral, cuja existência não depende de nenhum ele­ mento astronômico, certifica estes fa­ tores astrológicos aos quais não se pode atribuir nenhuma influência de cará­ ter físico. E, no entanto, quando fazemos a in­ terpretação de um mapa astral, nos cons¬ cientizamos sobre o valor dos significa­ dos das informações reveladas por sua posição.

A palavra "fortuna" é a mesma que uti­ lizamos no décimo arcano maior do Tarô adivinhatório, a Roda da Fortuna. Além disso, não seria falso dizer que a Parte da Fortuna é a Roda da Fortuna no mapa astral. Não é correto associá-la à sorte, isto é, às circunstâncias favoráveis. Na realidade sua posição exata em um mapa astral nos informa sobre as con­ seqüências imediatas, não dos atos do indivíduo em questão, mas sim de seu comportamento, do uso que faz de sua vontade, sua sensibilidade e sua indi­ vidualidade. A questão é saber se o indivíduo poderá Entendemos por individualidade o que, aproveitar esta parte de alegria e felici­ hoje em dia, os psicanalistas chamam dade que está nele e só a ele pertence, para primeiro evoluir e em seguida o "eu". compartilhá-la com os demais. Come veremos, para calcular a posição da Parte da Fortuna no mapa astral, é Deste modo, um indivíduo que con­ preciso levar em consideração as po­ seguir integrar plenamente seus ele­ mentos, revelados pela Parte da Fortuna sições do ascendente, da Lua e do Sol. A partir da cúspide ou angular da Casa I em seu mapa astral, estará sempre feliz e suas duas luminárias (a Lua e o Sol) e cheio de alegria.

As Casas do céu

O eixo das Casas I e VII
Um mapa astral possui doze Casas, que formam um total de seis eixos específicos. Os signos do Zodíaco compreendidos no eixo das Casas I e VU nos proporcionam importantes informações sobre a personalidade.

J

á conhecemos muitas coisas sobre as Casas. Sabemos, por exemplo, que em um mapa astral, cada uma tem um ponto de partida situado em um dos 360 graus do Zodíaco, chamado cús­ pide da Casa em questão. O nome de cúspide, de origem latina (cuspis), significa simplesmente "ponta". Assim, uma casa tem início em sua cús­ pide, cobre uma certa zona do Zodíaco e acaba na cúspide da Casa seguinte. Cada Casa tem outra Casa diametral­ mente oposta no Zodíaco. Podemos dizer que as 12 Casas do céu formam um total de seis pares de opostos com­ plementares e que cada par constitui um eixo a partir das cúspides das duas casas que o compõem: • eixo das Casas I e VII, cujas cúspides revelam as posições do ascendente e do descendente; • eixo das Casas II e VIII; • eixo das Casas III e IX; • eixo das Casas IV e X, cujas cúspides revelam as posições do Fundo do Céu e do Meio do Céu; • eixo das Casas V e XI e • eixo das Casas VI e XII. Se estes pares de Casas se apresentam através de eixos, não é para harmonizar ou simplificar a apresentação do mapa astral, mas porque sua disposição é o resultado dos cálculos efetuados se­ gundo um sistema complexo e coe­ rente. Tal sistema está fundamentado em uma visão e em uma interpretação do mun­ do, que era a dos nossos antepassados, de quem ainda hoje temos muito a aprender, como já salientamos em di­ versas ocasiões.

A CASA I Sua cúspide corresponde ao ascen­ dente, cuja importância já conhecemos. Mas temos todo o direito de pergun­ tar se as características do ascendente são as mesmas que as reveladas pela Casa I. A resposta é sim, mas com uma alte­ ração: se o ascendente e a zona coberta pela Casa I no Zodíaco do mapa astral nos informam igualmente sobre a ca¬ racterologia e o aspecto de um indiví­ duo, a cúspide Casa I ou ângulo do as­ cendente nos facilita informações mais específicas sobre a psique e o compor­ tamento de um ser; por isso está situado

a um grau exato do Zodíaco e em um decanato em particular, enquanto a Casa I cobre evidentemente vários graus ou, no mínimo, dois decanatos. Assim, quando nos interessamos pela expressão do eu, que contribui para o desenvolvimento do caráter e da perso­ nalidade do indivíduo e pela imagem ou aparência externa de uma pessoa, cujo mapa astral se calcula, devemos nos fixar na posição da cúspide da Casa I ou as­ cendente, no grau em que se encontra e o decanato onde se situa. Depois, fi¬ xamo-nos na zona do Zodíaco que cobre a Casa I. às vezes, esta cobre ape­ nas um signo do Zodíaco. É o caso de

Tomemos o exemplo do mapa astral de uma de nossas crianças do Zodíaco; cm concreto, uma menina Gêmeos nascida em 5 de junho de 1991. Tem o ascen­ dente a 24 graus do signo de Leão, en­ quanto a cúspide da Casa II se encon­ tra a 15 graus do signo de Virgem. Estamos aqui em presença de uma Casa I que abarca dois signos do Zodíaco. Por isso, para interpretar o ascendente, é ne­ cessário efetuar uma série de passos de­ terminados. Deste modo, para revelar as informações da Casa I em seu con­ junto, devemos levar em conta primeiro as informações da Casa I em Leão, em seguida as da Casa I em Virgem, e fazer uma síntese, depois observar muito atentamente no mapa astral as respec­ tivas posições do Sol, regente do signo de Leão, e de Mercúrio, regente do signo de Virgem, para compreender a complexidade e a verdadeira natureza do eu desta personalidade ainda em for­ mação, já que se trata de uma menina. um mapa astral onde, por exemplo, o ascendente está a 7 graus do signo de Câncer, e a cúspide da Casa II — fe­ chando o espaço coberto pela Casa I — se encontra situada a 23 graus deste mesmo signo. Nesse caso, para interpre­ tar o ascendente, devemos ter em conta: 1. o ascendente em Câncer, 2. o 97° do Zodíaco, ou seja, o 7 o do signo de Câncer, 3. o primeiro decanato de Câncer. Em seguida, para interpretar a Casa con­ tida cm um só signo do Zodíaco, neste caso Câncer, devemos levar em consi­ deração esta posição, c, claro, a do re­ gente do signo, a Lua. Porém, outras vezes, a zona que cobre a Casa I no Zodíaco de um mapa as­ tral, pode ocupar um, dois ou inclusive três signos. A CASA VII Para se obter todas as informações que esta casa é suscetível de revelar em um mapa astral, devemos agir exatamente da mesma maneira que expusemos em relação à Casa I, sabendo que, neste caso, a cúspide desta casa é o descen­ dente, o qual forma um eixo com o as­ cendente, situado em seu lado oposto.

A zona que cobre uma Casa no Zodíaco
Uma Casa, cujos limites são sua cúspide, — isto é, seu ângulo, situado em um grau preciso de um dos 12 signos do Zodíaco — e a cúspide da casa seguinte — situada também a um grau determinado de um dos 12 signos do Zodíaco —, raramente abarca um só signo do Zodíaco em um mapa astral. Na maioria das vezes, abrange dois signos, às vezes até três. No seguinte exemplo, observemos que: a Casa I está exclusivamente situada em Câncer; a CasaIIcomeça no final do signo de Câncer e se estende por uma parte do signo de Leão; a Casa III tem início no coração do signo de Leão e acaba no começo do signo de Virgem; a Casa IV cobre quase todo o signo de Virgem e invade quase todo o signo de Libra; a CasaVtem sua cúspide a 10 graus de Libra e se estende sobre quase todo o signo de Escorpião; a Casa VI está situada no final do signo de Escorpião, cobrindo integralmente o de Sagitário, para acabar no começo do signo de Capricórnio; a Casa VII tem seu ângulo situado a 7 graus de Capricórnio, e assim sucessivamente, até a Casa XII.

As Casas do céu

O eixo das Casas II e VIII
Na Casa II, o indivíduo diz: tomo, produzo, acumulo, conservo. Na Casa VIII, diz: jogo fora, destruo, semeio, disperso.
embremos que as 12 Casas de um mapa astral nos informam sobre a existência física, material e social de um indivíduo. Ao obter e interpretar as in­ formações inerentes às Casas nos sig­ nos do Zodíaco, aos regentes destas Casas e a seus astros e pontos fictícios, compomos um quebra-cabeças com in­ dicações sobre o que hoje chamamos a psicologia de um ser, isto é, sobre os comportamentos adquiridos e não ina­ tos, sobre a influência que exercerão nele os acontecimentos e o meio social, cultural, geográfico, os costumes e mentalidades que lhe cercarão desde sua mais tenra infância. Por isso que uma atenta leitura de tal informação, procedente dos elemen­ tos citados, requer uma "vidência dedutiva". Gra­ ças à associação, intuição, e dedução, segundo as po­ sições dos astros nas Casas, as Casas nos signos e o su­ til jogo de regências, o as­ trólogo sagaz obterá uma interpretação tão precisa, que revelará fatos e aconte­ cimentos concretos já pro­ duzidos na vida de um ser ou que puderam ter sido produzidos. Dissemos de forma correta: acontecimentos que pude­ ram ter sido produzidos, por paradoxo que pareça, pois quando falamos de as­ trologia, a fatalidade não existe. De fato o que entendemos por fatalidade designa qua­ se sempre fatos ou aconte­

L

cimentos adversos que padecemos sem poder evitá-los. N o entanto, o desen­ volvimento das circunstâncias e a lei de causa e efeito, que são quase sempre a origem de situações fatais, nunca se devem ao acaso e não funcionam sem nossa intervenção, direta ou indireta. Em outras palavras, isto significa que nossos atos, inclusive às vezes nossos pensamentos, desejos e sentimentos, formam, apesar de nós, correntes in­ visíveis que se transformam em ondas e que podem chegar a criar maremotos em nossa vida, no momento adequado. Estes fenômenos não são imprevisíveis. U m atento estudo de um mapa astral pode nos permitir compreender em que circunstâncias, segundo que mecanis­ mos de comportamento e em que momento um ser se sente inclinado a atuar ou a reagir de uma ou outra ma­ neira, criando ele mesmo uma situação que, vista desde fora e sem tentar compreen­ der as causas e origens, se atribuirá à fatalidade. Para conseguir isto, é preciso levar em conta, evidente­ mente, certo número de fa­ tores presentes no mapa as­ tral. Entre estes fatores são muito reveladores as Casas, sua si­ tuação nos signos, as posições de seus regentes, astros, pontos

Todo o adquirido, possuído e acumulado pertence ao domínio da Casa II.

fictícios e os trân­ sitos destes últimos, Nodos lunares e a Lua Negra parti­ cularmente. A CASA II Se o eixo entre a Casa I e a Casa VII pode ser resumido esquematicamente na fór­ mula "eu e os demais" — o "eu" revelado pela posição do ascendente no mapa astral e "os demais", ou mais exata­ mente minha relação com os demais, indicada pela si­ tuação do descendente —, o eixo da Casa II e da Casa VIII pode ser conjugado na pri­ meira pessoa singular do pre­ sente dos verbos tomar e jogar fora: "eu tomo e eu jogo fora". De fato, seja qual for sua si­ tuação no mapa astral, a Casa II nos informa sobre a inte­ gração ou a maneira como um ser se apropria de seu meio natural e, por asso­ ciação, de seus bens adqui­ ridos, seu haver e, por ex­ tensão, os frutos de seus esforços e seu trabalho, portanto seus benefícios, juros, ganhos, etc. "Tomar, ter, adquirir, ga­ nhar" são os verbos que o indivíduo da Casa II conjuga. Mas, de onde provém a necessidade de tomar, ter, adquirir, ganhar, possuir, acu­ mular e conservar? Não estamos justamente aí, no campo do instinto de sobrevivência e conser­ vação comum a todos os seres que, se­ gundo parece, compartimos também com o reino animal? A maioria das vezes, deve-se a uma an­ gústia básica e instintiva ante o desco­ nhecido, do despojo, a desapropriação, a morte. Não podemos esquecer que, no que se refere às 12 Casas, nos encontramos no domínio da existência individual, da qual acreditávamos, erroneamente que precedia ou suplantava a essência do ser. A origem etimológica de «existir»

II, destaca as tendências en­ frentadas, opostas e com­ plementares. A CASA VIII Neste caso o indivíduo já não toma, mas sim pode jogar fora c recusar ou então semear e sacrificar-se para uma colheita. Na Casa II, o indivíduo produz, se entrega, acu­ mula. Na Casa VIII, o ser destrói, se solta e se dispersa. Por isso, enquanto a Casa II está em relação com o instinto de sobrevivência e conser­ vação, a Casa VIII apresenta associações muito evidentes com o instinto e impulso de morte. Mas não é preciso apressarse em concluir que é exclu­ sivamente a casa da morte. Em primeiro lugar, repre­ senta a capacidade de um ser para desprender-se dos bens materiais e o que pa­ radoxalmente pode obter desprendendo-se deles. Na Casa II, satisfaz as suas próprias ne­ cessidades. É um pouco como um pás­ saro que não se preocupa em saber se encontrará algo para comer no dia se­ guinte. Desta forma, esta Casa se transformou também na casa das heranças, isto é, a casa dos bens que são obtidos sem ne­ nhum esforço. Mas de qualquer forma, no caso que exista uma herança (e sempre existe porque cada um de nós temos uma Casa VIII inscrita em nosso mapa as­ tral), é preciso compreender que tanto pode se tratar de bens materiais como espirituais. Mas o mais importante desta Casa não é que mostra o que se fará com as pos­ síveis heranças ou heranças potenciais, mas sim que nos faz bem visíveis o fato de herdar ou a própria natureza dos bens herdados.

Tudo que tem a ver com a destruição e a dispersão pertence à Casa VIII. era "estar de pé". Mais tarde, isto sig­ nificou «estar situado» antes de perder o significado de «mostrar-se, manifes­ tar-se». Onde estamos de pé, onde nos encon­ tramos, nos mostramos e nos manifes­ tamos na vida atual, senão em nossa vida física, material, social e existencial? É assim como coexistimos, cada um em seu lugar, desempenhando seu papel. Seguindo as tendências e características reveladas por cada uma das Casas, ve­ mos como um ser se mantém em seu lugar. Na etapa da Casa II, julgamos por­ tanto sua capacidade para integrar-se em seu meio natural, suas faculdades para adquirir e conservar, isto é, tomar. Por outro lado, na Casa VIII, que se en­ contra evidentemente no eixo da Casa

As Casas do céu

O eixo das Casas III e IX
Se nos aventurarmos um pouco, podemos dizer que na Casa III o indivíduo se comunica com os demais, enquanto que na Casa IX se comunica consigo mesmo.

A

qui estamos no eixo da comuni­ cação. Nunca este termo teve tanto sentido como hoje. De fato, "meios de comunicação, in­ formação" são palavras que, a partir de agora formam parte de nossa vida co­ tidiana. Em nossas sociedades moder­ nas, ninguém pode escapar. Tudo que está relacionado com os in­ tercâmbios falados ou escritos, intelec­ tuais, artísticos ou comerciais, as in­ formações transmitidas ou recebidas, a difusão do pensamento, das idéias, as crenças, as opiniões e as convicções, o saber e o conhecimento, seja transmi­ tido ou recebido, c, evi­ dentemente, a pedagogia, o ensino, a pesquisa, tudo possui uma relação com o eixo das Casas III e IX. Este é o caso de tudo que se relaciona, de perto ou de longe, com os deslocamen­ tos físicos no espaço, isto é, as viagens, as mudanças fre­ qüentes de residência, mas também com os passeios, as excursões, as explorações, os exílios e, por extensão, o estrangeiro ou os países longínquos, assim como os meios de transporte (o au­ tomóvel, o trem, o avião...; mas também andar a pé). O eixo das Casas III e IX nos permite, portanto, apreciar a curiosidade de ura ser, sua capacidade de comunicar, ouvir, aprofun­ dar, mudar, compreender e transmitir. Mede a impor­ tância que passa a ter o es­

tudo de um mapa astral, em uma época em que o poder da informação e dos instrumentos de comunicação passaram a ser iniludíveis. N o entanto, sobre este tema, convém fazer um esclarecimento sobre os ele­ mentos que revela: trata-se de indica­ dores preciosos da personalidade de um indivíduo. Para tomar consciência, retomemos os princípios básicos das Casas III e IX, tal como foram anunciados pelos anti­ gos astrólogos, em uma época em que, decididamente, a comunicação entre os seres era muito diferente. A CASA III Se na Casa II o indivíduo diz: "eu tomo, eu me apodero", na etapa seguinte, isto é, na Casa III, é lógico que diga: "eu compreendo". Simplesmente porque com­ preender revela o que faze­ mos com o que tomamos e que nos identificamos com isso ou que o identificamos. De fato, "compreender" sig­ nifica "estar com aquilo que se toma, que se prende". A partir do momento em que distinguimos uma coisa da outra, ou realizamos a es­ colha entre elas, nos identi­ ficamos com a coisa esco­ lhida.

Aprender, compreender, tomar posições, comunicar... pertencem ao domínio da Casa III.

"*ii**^ Para ilustrar nosso pro­ pósito, analisemos um exem­ plo que nos concerne a todos: dependendo do tipo de cul­ tura que temos, de nossos conhecimentos, do meio na­ tural em que crescemos e o meio social onde nos desen­ volvemos, assim serão nossas preferências, nossas crenças, nossas idéias e nossas con­ vicções. Mas, devemos admitir que já existiam e que outros já acre­ ditavam antes de nós. Assim, nós nos reconhecemos nelas e nos identificamos nelas; trans­ formaram-se para nós em há­ bitos de pensamento, exercem influência também sobre o modo de vida que escolhe­ mos, sobre nossos gostos, nos­ so estilo e, naturalmente, sobre nossos intercâmbios e nossas relações com os demais. Este é o grande princípio ori­ ginal da Casa III, como foi percebido pelos antigos astró­ logos: ela nos informa sobre a mentalidade de um indiví­ duo, de seus hábitos mentais e os reflexos de comporta­ mento que logicamente daí derivam. Acostumar-se, familiarizar-se, aclima­ tar-se, adaptar-se, iniciar-se instruir-se, atualizar-se ou deixar-se dominar pelas circunstâncias, é mais ou menos habi­ tuar-se. Podemos dizer que nos encon­ tramos, portanto, no domínio da men­ talidade, do comportamento mental de um ser e de seus usos, hábitos e costu­ mes pessoais. Neste contexto, por sua vez, ele comu­ nicará, experimentará, tomará partido de uma maneira mais ou menos confor­ mista, mas sem distanciar-se nunca de seu meio social natural, dentro do qua­ dro no qual se situa sempre a Casa III. A CASA IX Se queremos compreender como o in­ divíduo escapará de seu meio social na­ tural, vê-lo desenraizar-se, exilar-se, ex­

O espírito superior, o filosófico, o espiritual, o outro, o estranho, definem a Casa IX. patriar-se, ampliar seu horizonte, de­ vemos nos fixar na Casa IX, que logi­ camente vem após a Casa VIII. De fato, lembremos que no centro desta última, o indivíduo diz: "eu se­ meio ou eu disperso". Semear ou dispersar implica já uma abertura para outro lugar, o fato de que se saia dos caminhos trilhados, que se tome uma coisa ou que um ser se apo¬ dere dela, não mais para conservá-la mas sim para fazer um uso distinto dela. Na etapa da Casa IX, o indivíduo pensa de outro modo. Distingue-se por suas próprias con­ vicções que, talvez, não serão forço­

samente as que lhe prece­ deram. Aspira a confrontar-se com outros hábitos, outros cos­ tumes, outras mentalida­ des, a aprofundar ou expe­ rimentar idéias que tenha adotado ou recebido de seu meio social. Por isso, dependendo do signo em que se encontre, da posição do astro que do­ mina o mapa astral, even­ tualmente dos astros que a ocupem, a Casa IX nos in­ forma sempre sobre a ma­ neira como um indivíduo torna mais amplo seu ho­ rizonte geográfico, intelec­ tual, psicológico ou espi­ ritual. Se, por analogia, a Casa III é a casa das viagens curtas dos deslocamentos fre­ qüentes, as idas e vindas suscetíveis de manifestarse no cotidiano, a Casa IX é a casa das grandes via­ gens, as explorações e as aventuras. Do mesmo modo, en­ quanto que a Casa III nos adverte da natureza do espírito prático de um indivíduo, de seus hábitos e também de sua mentalidade, a Casa IX nos informa sobre a manifestação e a expressão de seu espírito superior. Também, sobre aquilo que o levará a especular, a abandonar certos hábitos e a adotar outros diferentes, estranhos ou estrangeiros. Na Casa III é onde o ser recebe e co­ munica as informações. Na Casa IX, estas mesmas informações vêm de outro lugar, talvez de si mesmo, de seu espírito superior e, em outros casos, de horizontes diferentes, filosóficos ou espirituais, por exemplo, e vão mais longe no espaço e no tempo. Resumindo e para concluir, diremos que na Casa III, o espírito do indiví­ duo tem raízes, enquanto que na Casa IX, está desarraigado.

As Casas do céu

O eixo das Casas IV e X
Na Casa IV, o indivíduo tem suas raízes. Na Casa X, tem as asas. A Casa IV nos informa sobre suas origens e a Casa X sobre seu provável futuro.

Q

uando estudamos um mapa as­ tral, não devemos nunca perder de vista que nos encontramos no cam­ po das probabilidades. N o decorrer de nossa existência, nos vemos diante de uma série de escolhas que orientam nossa vida em uma direção ou outra. Estas escolhas só dependem de nós mesmos e só correspondem a nós. N o entanto, é preciso saber que as cir­ cunstâncias nas quais elas nos encon­ trarão e os momentos nos quais elas nos serão impostas são legíveis em um mapa astral. Como veremos, temos à nossa dispo­ sição numerosos métodos de pesquisa que nos permitirão prevê-las Dissemos bem: prever e não "predizer". Em ter­ mos absolutos, podemos empregar tanto um como o outro verbo, indife­ rentemente. N o entanto, deram a "predizer" e principalmente a "predição" uma co­ notação pejorativa que acentua a fa­ talidade e nos deixa passivos e im­ potentes; como se um fato ou um acontecimento devesse produzirse ou manifestar-se inexoravel­ mente em nossa vida cm um momento ou outro, sem que fôs­ semos os responsáveis nem pu­ déssemos modificar. E evidente que não é assim que devemos abordar nem empregar a astrologia. Prever nos parece, por­ tanto, mais justo, mais apropriado, pois se trata de ver um fato ou um acontecimento ocasional, antes de que tenha lugar, e estar prevenido para pode antecipá-lo. Da mesma forma, dizer que, ao entrar no universo de um mapa astral — que é o reflexo da

personalidade de um ser —, entramos no campo das probabilidades , nos pa­ rece mais justo que fazer alusão às pos­ sibilidades. Pois o que é provável pode provar-se com os fatos e as circuns­ tâncias da vida do indivíduo em ques­ tão, mas também, e principalmente, com seus atos; enquanto uma possibi­ lidade não deixa de ser mais que uma eventualidade. Sabemos que aquilo que está inscrito em um mapa astral não é mais que a informação relativa à natu­ reza do ser e à estrutura de sua persona­ lidade. São as probabilidades — mais que as possibilidades — inerentes à vida do ser em questão que submetemos à análise. A CASA IV A partir de agora sabemos que a cúspide da Casa IV indica o Fundo do Céu, isto é, os fundamentos do ser. Por isso, a Casa IV é o lugar, o marco, o meio, a terra onde se enraizou, onde sua personali­ dade se estruturou, onde cresceu. N o entanto, hoje em dia, temos ten­ dência a pensar ou a crer que a in­ fância e a adolescência se acabam em uma idade certa, influenciados pelas observações médicas. Em nosso entender, nos parece que se o ser — seja o que seja, venha de onde vier e viva onde viva —, deixa fisicamente de se desenvolver e sai do período de crescimento, em uma determinada idade, para tornar-se adul­ to, também continua um crescimento menos visível, menos espetacular, em­ bora nem por isso menos fundamen­ tal e que talvez não tenha fim. Trata-se do crescimento psíquico e espiritual que se manifesta no decorrer de sua existência,

cia, a golpes, em forma de trans­ tornos e transformações, que o forçam a evoluir. A Casa IV nos informa sobras as condi­ ções deste crescimento, infantil antes de mais nada — como e em que meio fami­ liar, material, moral, social, cultural, o indivíduo em questão viveu e cresceu du­ rante sua infância —, e a maneira como, mais tarde, este tem lugar na idade adulta. Esta Casa é tanto um refúgio, um lugar de retiro, para onde voltar para retornar às raízes quando sentimos a necessidade, como um trampolim, um apoio, os fun­ damentos mesmos de sua existência e sua vida. Por esta mesma razão a assi­ milamos tanto às circunstâncias do co­ meço da vida — a infância c a juventude —, como às condições nas quais um ser viverá no final de sua vida. Assim, de certo modo, em um mapa as­ tral, a Casa IV é o lugar do princípio e do fim da vida. Este é o lugar do Z o ­ díaco onde crescem as raízes do ser, on­ de se torna adulta c igualmente ali onde regressa depois de ter desempenhado seu papel, ter cumprido sua tarefa ou seu destino. N o entanto, este retorno não é forçosamente uma peregrinação a um lugar onde vivemos nem uma re­

gressão, mas sim que pode tratar-se de um regresso ao ser, a suas origens pro­ fundas, humanas e espirituais. O cresci­ mento continua, mas já não é aparente. Não se mede com instrumentos cientí­ ficos. A CASA X Antes de empreender este regresso, o ser em questão deve merecer as asas. Pois, se na Casa IV encontra todas as re­ ferências de que necessita para trans­ formar-se em si mesmo — o qual, sem dúvida, nem sempre é tão simples, pois depende do meio e das condições nas quais viveu sua infância, do modo como as percebeu —, na Casa X corresponde a ele criar suas próprias referências, suas marcas, diferenciar-se de seus seme­ lhantes para adquirir uma independên­ cia moral e social, material também, ganhar sua liberdade e sair do ninho, como costumamos dizer. Para proceder da maneira mais serena e harmoniosa possível, deve ter sólidas raízes. Ou, se prefere, quanto mais profundas forem as raízes psicológicas, afetivas, morais, tanto melhor será o crescimento e mais facilmente sairá do ninho em um meio diferente do seu.

Se não for assim, ou cede à vertigem das alturas e, alimentando um complexo de superioridade, sempre quer elevar-se, dominar, reinar, triunfar social ou mate­ rialmente, ou não chega nunca a cum­ prir suas ambições e a crescer, por falta de confiança em si mesmo, de audá­ cia, de vontade, de valor. Mas é preci­ so compreender que o desejo, a vontade ou a necessidade de autonomia revela­ das pela Casa X não são as mesmas para todos. Seja como for, esta Casa nos in­ forma sempre sobre o grau de responsa­ bilidade de um ser, isto é, sua capacida­ de potencial de assumir seus atos e da importância que concede ao reconheci­ mento social e ao sucesso, que se tor­ nam então em uma espécie de símbo­ los ou recompensas que confirmam sua independência e sua realização. Onde, quando, como é ou será o indi­ víduo, se dependente ou desapegado de seu meio familiar, de suas origens, de suas raízes e se se transformará em um ser livre, independente, responsável ou, pelo contrário, irresponsável, influen­ ciável ou submetido às circunstâncias ex­ teriores e coletivas, estas são as preciosas informações que obtemos ao estudar as Casas IV e X em um mapa astral.

As Casas do céu

O eixo das Casas V e XI
Aqui nos encontramos face aos setores chamados do amor e da amizade, mas antes de chegar a esta conclusão seria bom perguntar-nos sobre a origem e a arte de amar.

E

s

freqüente ouvir-se dizer que o que distingue o homem dos demais animais é que o primeiro se sustenta sobre duas pernas e os demais sobre quatro patas; um fala enquanto os de­ mais só fazem emitir sons muito ca­ racterísticos ou gritar; o primeiro sorri, ri e chora, os outros não possuem estas faculdades. N o entanto, poderíamos acrescentar que o homem tem sentimentos, en­ quanto os outros animais contam so­ bretudo com seu instinto para saber o que é preciso fazer. E assim, embora os homens se empenhem em ver ou en­ contrar nos comportamentos de seus amigos selvagens, como são chamados, atitudes e reações afetivas tipicamente humanas. Em conseqüência, temos todo o direito a nos perguntar até que ponto nossos sentimentos estão em relação com nos­ sa inteligência, e se não há uma grande confusão no uso do verbo amar.

A CASA V, O AMOR, O SENTIMENTO E O DESEJO Por outro lado, como vimos graças às múltiplas situações de Vênus no Zo­ díaco, dispomos de uma paleta de emoções, de motivações e sentimen­ tos que confirmam que cada um de nós tem sua maneira de amar. N o entanto, enquanto Vênus revela a expressão e a manifestação das emo­ ções, motivações e sentimentos de um ser, é a Casa V em seu mapa astral que nos ensina em que contexto se mani­ festarão, de que maneira o indivíduo em questão os viverá em sua realidade social e material.

N o entanto, curiosamente, esta Casa é considerada tanto a que informa so­ bre o amor que sentimos por outra pessoa em particular, como a que ajuda a compreender os sentimentos que al­ guém sente por seus possíveis filhos. Alguns querem fazer pensar inclusive que, estudando com atenção a situação desta Casa no mapa astral do Zodíaco, podemos estabelecer com segurança se o ser em questão terá filhos ou não. Na realidade, com respeito a isso, deve­ mos levar em conta outros elementos do mapa astral. Além disso, sempre é bom sublinhar que em um mapa astral, da mesma for­ ma como as características essenciais e as bases da personalidade de um ser es­ tão presentes e podem ser lidas como em um livro aberto, nunca podemos sa­ ber de antemão o uso que ele ou ela fa­ rão de suas qualidades potenciais e pos­ sibilidades. Em conseqüência, devemos desconfiar sempre da interpretação defi­ nitiva ou fatalista que tenhamos a tenta­ ção de obter. Neste caso, devemos nos fixar prin­ cipalmente no fato de que o que atri­ buímos superficialmente ao amor, no que se refere a esta Casa, é, na verdade, a expressão prática e real de nossos sen­ timentos de posse, que poderíamos qualificar de egoístas porque sempre têm um sentido gratificante, valori¬ zante, exaltante para cada um de nós. Mas, os sentimentos dos quais trata­ mos aqui não são gratuitos. Resultam do desejo, da ânsia, da busca de con­ solo ou de reconhecimento admirativo, da necessidade de gostar e satisfazer, da sede de conquistar, dominar, pos­ suir, dos impulsos, etc. Assim, teríamos

mos a tentação de dizer que o amor de que falamos nesta Casa é do tipo do desejo, e que esta expressão particular e original do desejo é a ori­ gem de nossos sentimentos e não o contrário. A CASA XI, 0 AMOR E A AMIZADE O amor sensato, reflexivo, sereno, equilibrado, que nos torna generosos, be­ névolos e solidários, é o que comumente chama­ mos hoje em dia amizade. Mas não esqueçamos que o amigo ou amiga podem ser também o amante ou a amante, e que são os no­ vos princípios morais — que tiveram primeiro uma influência religiosa que escondemos —, isto é, nossos costumes atuais, que fazem do amigo um ser assexuado. Não era assim nas civiliza­ ções antigas, que foram a base da astrologia, onde o amor e a amizade se con­ fundiam, de maneira que eram indissociáveis na mente de nos­ sos antepassados. Podemos nos perguntar, mais uma vez, sobre o amor tal e como o concebemos e vivemos atualmente, principalmente quando observamos, por exemplo, que centenas de divórcios têm lugar nos países avançados e que esta guerra aberta entre dois seres, que no entanto estavam tão convencidos de se ama­ rem, afeta, portanto, a milhares de pes­ soas ao ano. Não existiria um mal-entendido, uma confusão em nossas mentes e nossos costumes no que se refere ao amor, tal como o enfocamos hoje em dia? An­ tigamente era muito diferente. Na mente e no coração de nossos ante­ passados, que estabeleceram o sistema astrológico, a Casa V era o universo de Eros, os instintos puros, os desejos e os prazeres sensuais. Enquanto que na

Casa XI, complementando suas ne­ cessidades vitais que não tinham nada de perverso, pois eram manifestações naturais do ser, encontravam uma es­ pécie de sublimação intelectual e espi­ ritual do amor, que dava ao ser a pos­

todas as características que se reve­ lam através da Casa V —, na Casa XI, nos encontramos no universo da es­ perança e dos projetos que levam o in­ divíduo a abandonar o presente, a in­ ventar seu futuro, a desprender-se do que o condiciona. Isto é, o impulsionam a rebelar-se con­ tra sua natureza ou contra tudo que seria suscetível de impedir-lhe ser o mesmo, de coagi-lo ou limitá-lo. Re­

sibilidade de expressar este acréscimo da alma que só pertence a ele e que o distin­ gue do reino animal. Por outro lado, como o ins­ tinto e o desejo estão sem­ pre relacionados com a to­ mada de posse, o fato de comprometer-se ou ser in­ dependente é também uma qualidade humana inerente à Casa V. N o entanto, as faculdades de inde­ pendência afetiva, moral, intelectual, social, a sede de liberdade, desta vez, são qualidades que se encontram na Casa XI. Da mesma forma, enquanto o apego implica uma certa forma de influência sobre o presente, e enquanto o desejo e o instinto são manifestações ins­ tantâneas, às vezes irreprimíveis para o ser, que o aproximam ao animal —

sumindo, poderíamos dizer que o eixo da Casa V e da Casa XI nos situa entre dois pólos do amor: o amor, desejo e prazer de um lado, e o amor, dom e li­ berdade por outro. Sabemos que o homem é um ser do­ tado de inteligência, mas também está dotado de amor. Entretanto, tanto um dom como o outro não servem de nada se não são cultivados. Parece que ainda falta muito por fazer na área da cultura do amor.

As Casas do céu

O eixo das Casas VI e XII
Bem-vindo ao universo do cotidiano, ao mundo dos hábitos: estamos falando da Casa VI. A uma viagem pelo desconhecido, pelo insólito: este é um convite da Casa XII.
a Casa VI, o indivíduo se encon­ tra desaparecido no coração das realidades cotidianas, da vida prática e material. Administra seu tempo. Cui­ da-se de si mesmo. Ocupa-se dos pe­ quenos detalhes da vida cotidiana. Toma medidas. Atua e reage metodi­ camente. Não deixa nada ao acaso. Submete-se a regras, a seus hábitos, re­ afirma-se. Vive com o mínimo, orga­ nizando-se de modo a que cada dia se pareça ao anterior, para não ter que cor­ rer nenhum risco nem experimentar nenhum perigo. Mas, se a Casa VI representa o habitual e o que está dentro das regras ou é mi­ nucioso, bem organizado, da autodis­ ciplina e do respeito a certas regras, de uma regra de vida em todo caso, po­ deríamos dizer que a Casa XII é a da ex­ ceção que confirma a regra. Leva-nos ao desconhecido do ser. É a menos material e mais espiritual das Casas, pois revela a abertura do indi­ víduo ao insólito, ao maravilhoso, a uma porta que permite ter acesso ao ra­ ro, único, excepcional nele. DA CASA VI À CASA XII Na Casa VI, o indivíduo está preso às pequenas coisas, aos detalhes da vida corrente e familiar. Na Casa XII, aban­ dona seus hábitos, tudo aquilo que o prende à vida real ou o retém prática ou materialmente. Por esta razão, a Casa XII às vezes tem uma reputação tão má em nossas so­ ciedades, nas quais a força dos costu­ mes se transformou em um dogma ao ponto de que somos capazes de tudo, antes de perder ou sacrificar nossos há­

N

bitos. Por acaso não há aqui algo de nar­ cótico, de uma droga cujo nome não ousamos pronunciar? De fato, alguns modos de vida, alguns costumes e al­ guns hábitos não têm os efeitos per­ versos de nos atar, de nos prender, de

nos reduzir a necessidades que muitas vezes em sua origem não o são verda­ deiramente, mas que criamos ou cria­ ram para nós para compensar a ausên­ cia de outras coisas mais essenciais das quais sentimos falta? Estas outras coisas, como a sede do abso­ luto, a angústia regeneradora e inerente ao ser, a sublimação, a superação do ser, o amor que não exige nada mas que in­ cita a dar tanto como a receber natu­ ral, instintivamente, sem refrear-se, sem limites, se encontram na Casa XII. Em nossas sociedades materialistas, nas quais o pragmatismo e a rentabilidade são lei, estes valores já não têm razão de ser. Encontram-se marginalizados ou foram esquecidos e abandonados. Só ouvimos falar deles no cinema, na televisão, nas novelas, para fazer-nos sonhar. Mas não é questão de educar as crianças a cultivar este tipo de prin­ cípios. E, no entanto...

^-^

A EMBRIAGUEZ E A DEPENDÊNCIA

Se, por exemplo, queremos entender como e por que um ser se acostuma ao tabaco ou ao álcool, é necessário es­ tudar com atenção as Casas VI e XII. A ansiedade daquele que se nega a se relaxar, que está impaciente, c inter­ vencionista, está sempre ocupado, nega-se a confiar em si próprio, fala

e atua muito, mas que no fundo não crê em nada, não ouve a ninguém e teme o fracasso, pode ser lida na Casa XII como um livro aberto. O fato de que um dia decida fumar, que adquira o hábito, que tenha ne­ cessidade de uma quantidade de ciga­ rros cada vez maior para «agüentar», e que este mau costume engendre nele doenças, problemas, dores, mal-estar, tudo isso se pode ler na Casa VI. Em conseqüência, quando sabemos que ainda um elevado número da popu­ lação mundial tem este hábito, o qual representa milhões e milhões de pes­ soas, podemos pensar que consiste em um problema que é fruto de um fenô­ meno social, de uma negligencia em

nossa educação — e não se trata de acusar à escola, mas sim às relações entre os adultos e as crianças —, de um esquecimento, de uma carência que certos seres mais que outros tratam de compensar. Isso podemos perceber no mapa astral de um indivíduo, ao observar atencio­ samente o eixo das Casas VI e XII. Mas, o fato de que a falta de conside­ ração desta sede de ab­ soluto e as angústias na­ turais que isso engendra — todas elas caracterís­ ticas legíveis na Casa XII — se tenha trans­ formado ela própria em um hábito, é produto do mau sistema de pen­ samento e de vida que temos. É necessário compreen­ der bem que esta sede do absoluto, da qual ne­ nhum de nós escapa, de uma maneira ou de ou­ tra, cada um a seu mo­ do, nos leva à deriva, a delirar e às vezes a soço­ brar. E um componente es­ sencial de nossa perso­ nalidade. Sem ela, não haveria superação, evo­ lução do ser. Da mesma forma, sem a ancoragem da realidade material, do dia-a-dia que permite adaptar-se às circunstâncias, fixar a atenção nos detalhes, ir ao es­ sencial para preservar-se, a sobre­ vivência do homem sobre a Terra não teria sido possível. Todas as características são, como tais, reveladas pela Casa VI. Para sentir-se plenamente realizado, o indivíduo tem tanta necessidade de in­ tegrar as qualidades da Casa VI como as da Casa XII. E necessário que experimente os limi­ tes, a ordem, a razão, que ponha suas marcas, que saiba até onde deve che­ gar, que duvide, se interrogue, se repri­ ma, se contenha, que se preserve.

Tudo isso é feito pela Casa VI. Mas é igualmente necessário que tenha a ex­ periência da loucura, do ir mais além de si mesmo, do abandono e da em­ briaguez, que sonhe, especule, que tenha fé em si mesmo, se abra para a vida, veja mais além das aparências, que saia do mundo cotidiano para par­ tir ao descobrimento do insólito. Tudo isto é feito na Casa XII.

0 eixo das Casas VI e XII e as doenças
Costuma-se dizer que o eixo das Casas VI e XII revela preciosas informações sobre a saúde do indivíduo. Bem, quando falamos de saúde, nos aludimos às doenças, mas que é uma doença? Para cada um de nós, trata-se de uma experiência única (Casa XII) e, no entanto, banal, comum (Casa VI). Mas, acontece que, por uma razão curiosa embora compreensível se refletimos sobre ela, para sair do cotidiano, do comum, diferenciar-se do próximo ou singula¬ rizar-se, o indivíduo "decide" ficar doente. Bem, ao estar doente se marginaliza, se autoriza a "deixar-se ir", a abandonar-se. E mais, quem não já se deu conta de como é o momento ao mesmo tempo mais intenso, mais agudo, mais cativante e também que se dilata, se intensifica, até fazer-nos perder toda noção de tempo, quando estamos realmente doentes, isto é, quando sofremos febres altas, por exemplo? Nestes momentos, podemos compreender até que ponto as noções de instante e de eternidade, de permanência e de fuga, que pertencem respectivamente à Casa VI e à Casa XII, são uma única e mesma coisa.

A interpretação dos decanatos

Os decanatos dos signos de Primavera
s astrólogos modernos ignoraram certos princípios da astrologia an­ tiga e tradicional. U m exemplo disso podem ser os decanatos. N o entanto, um exemplo muito elaborado dos de­ canatos permitiu aos astrólogos da An­ tigüidade e da Idade Média desenvolve­ rem uma perspicácia nas interpretações, atualmente raramente encontrada ape­ sar dos avanços, das pesquisas (cada vez mais profundas) e das contribuições da psicologia moderna. Tudo isto nos leva a salientar que, em astrologia, é bom integrar os princípios ou sistemas elaborados pelos antigos entre os elementos de reflexão ou de constatação mais recentes; mas, de ma­ neira alguma, devemos pôr em dúvida ou ignorar os primeiros antes de tê-los experimentado. Assim, para um astró­ logo, a melhor maneira de experimen­ tar tais princípios, estabelecidos há muitos séculos, às vezes há mais de três milênios, é simplesmente estabelecer, estudar e interpretar muitos mapas do céu, pois, da mesma forma como não existem no mundo dois seres iguais em tudo, também não encontramos dois mapas astrais que possam ser inter­ pretados de forma idêntica, mesmo que se trate de mapas astrais de gê­ meos, nascidos com um intervalo de apenas quinze minutos, por exemplo. As informações reveladas pelos 36 de­ canatos do Zodíaco, juntamente com as fornecidas pelos 12 signos do Zodíaco e seus regentes põem à nossa disposição valiosas indicações sobre a profunda psicologia de um ser e a ex­ pressão e manifestação de certas ca­ racterísticas de sua personalidade. Representação do horóscopo, procedente de um manuscrito de Heidelberg (século XV).

O

DECANATOS DE ÁRIES 1o decanato, de 0 a 10 graus, de 21 a 31 de março: ARDOR. O regente deste decanato é Plutão, o de Áries é Marte. Temos aqui uma combi­ nação Marte-Plutão idêntica à que en­ contramos no signo de Escorpião, cujo regente é Marte e, secundariamente, Plutão. É, portanto, um decanato de ardor, paixões, impulsos, atividades in­ tensas, mas também de rancor persis­ tente e de vingança. 2 o decanato, de 10 a 20 graus, de 1o a 11 de abril: CARISMA. O Sol é o regente deste decanato. O en­ contro com Marte, regente de Áries, dá lugar a uma exaltação. Aqui, predomi­

nam a necessidade de afirmar-se, de exercer um poder ou uma influência, de dirigir e projetar-se no futuro. Quem tiver o Sol ou o ascendente neste deca­ nato será dotado normalmente de um certo carisma. 3 o decanato, de 20 a 30 graus, de 12 a 20 de abril: PAIXÃO. Vênus, regente deste decanato, funde-se com Marte, regente de Áries. A partir deste momento, a vida amorosa e car­ nal passam a dominar. Os sentimentos são sempre exaltados e intensos. A pes­ soa se entrega de corpo e alma ao seu parceiro, sublimando-o. Aspira à fusão afetiva e sensual. São grandes as aspi­ rações espirituais.

OS DECANATOS DE TOURO 1o decanato, de 30 a 40 graus, de 21 a 30 de abril: SENSO COMUM. Mercúrio, regente deste decanato, sinto­ niza com as características de Vênus, re­ gente de Touro. A sensatez, o sentido prático, apego aos bens materiais, as idéias fixas, a necessidade de sentir-se se­ guro, a determinação serena de realizar seus desejos, vêem-se aqui reforçados. Para quem tiver o Sol ou o ascendente neste decanato, querer significará mui­ tas vezes poder. 2 o decanato, de 40 a 50 graus, de 1o a 11 de maio: FERTILIDADE. A Lua, regente deste decanato, im¬ pregnando-se das qualidades de Vênus, gera uma exaltação dos valores sen­ suais, afetivos e materiais. A vida amo­ rosa é portanto uma condição sine qua non de alegria. De qualquer forma, a atração pelo meio natural é tão forte que estimula a ambição, no sentido conservador, e torna o indivíduo pro­ dutivo e fértil. 3 o decanato, de 50 a 60 graus, de 12 a 20 de maio: REALISMO. A combinação de Saturno, regente deste decanato, e Vênus, regente de Touro, é encontrada na pessoa cujo Sol ou as­ cendente está situado nesta zona do Zodíaco, na realidade tangível e mate­ rial. A capacidade de realização, da força

física e/ou moral, o sentido do concreto, o realismo primário, a fidelidade aos seus sentimentos e convicções, vêemse aqui reforçados. OS DECANATOS DE GÊMEOS I o decanato, de 60 a 70 graus, de 21 a 31 de maio: INTUIÇÃO. Netuno, o planeta regente deste deca­ nato, estimula a inteligência própria de Mercúrio, regente de Gêmeos. Aqui, o caráter torna-se intuitivo, imaginativo, inspirado. As idéias elevam-se, o sen­ tido crítico é muito agudo e aumenta a atividade mental. O poder de dedução, as especulações in­ telectuais e o gosto pela arte estão sem­ pre presentes. 2 o decanato, de 70 a 80 graus, de 1o a 10 de junho: IDEALISMO. Marte, regente deste decanato, ativa a in­ teligência de Mercúrio, regente de Gê­ meos, que se torna agressivo. Quem tiver o Sol ou o ascendente nesta posição do Zodíaco aspirará a concretizar as suas idéias rapidamente. Muitas vezes tem um sentido crítico agudo, convicções idealistas, inconformistas, pelas quais milita c luta. 3 o decanato, de 80 a 90 graus, de 11 a 20 de junho: DISCERNIMENTO. O Sol, regente deste decanato, ilumina Mercúrio, regente de Gêmeos. Seu es­ pírito é luminoso. Provoca lucidez e cla­ rividência no ser cujo Sol ou ascendente se encontre nesta zona do Zodíaco. Mas, às vezes, qualidades como a inteligência desaparecem em benefício de uma von­ tade forte, egocêntrica e narcisista.

A interpretação dos decanatos

Os decanatos dos signos de Verão
A
posição do Sol no Zodía­ co, no momento do nascimento, é o que deter­ mina o signo. Dizemos por exemplo: nasci sob o signo de Leão ou sou Leão. Em função desta in­ dicação, podemos nos re­ meter às informações rela­ tivas a este signo do Zodíaco e fazer um rápido esboço da personalidade em questão, a partir dos elementos proporcio­ nados pelo fato do Sol se situar no signo de Leão. Evidentemente, o es­ tudo de uma personalidade não se re­ sume à expressão e manifestação de sua vontade reveladas pela posição do Sol. Mas podemos começar a descrevê-la, sem ter em conta as outras informações que lhe dizem respeito, inscritas em seu mapa astral e que nos informarão sobre suas engrenagens mais complexas. N o entanto, para aperfeiçoar desde o início esta nossa interpretação, podemos nos remeter aos três decanatos que cada signo põe à nossa disposição. Assim, dependendo do Sol se encon­ trar no primeiro, segundo ou terceiro decanato do signo de Leão, seu signi­ ficado será diferente. Em outras pala­ vras, um Leão do primeiro decanato não expressa nem manifesta sua von­ tade instintiva da mesma forma que um Leão do segundo ou terceiro decanato. Sendo o Sol o regente indiscutível deste signo, a natureza solar do nativo de Leão é reforçada, exaltada ou atenuada em função de onde se encontre o astro regente do decanato. O Sol em Leão no primeiro decanato, cujo regente é Saturno, estimula a ambição e autori­ dade próprias deste signo. N o segundo decanato, cujo regente é Júpiter, su­ blinha-se o aspecto generoso c expres­ matização e idealização do seu passado c seus sentimentos. 2.° decanato, de 100 a 110 graus, de 2 a 12 de julho: REVELAÇÕES. Mercúrio, regente deste decanato, está imerso na sensibilidade da Lua, re­ gente de Câncer. A inteligência c muito signi­ ficativa, curiosa, o que pode fazer com que destaque o ta­ lento ou então ceda à preguiça, à doçura contemplativa ou à dis­ persão. A pessoa que tiver o Sol ou as­ cendente neste decanato conta com muitos recursos, sua imaginação c fér­ til e sua consciência clara. 3.° decanato, de 110 a 120 graus, de 13 a 22 de julho: SENSIBILIDADE. A Lua, regente tanto deste decanato como de Câncer, sublinha evidente­ mente as qualidades naturais deste signo: doçura, sensibilidade, sonho, ne­ cessidade de ternura, de afeto, de pro­ teção, amor ao lar, apego ao passado, re­ ceio do futuro, medos irracionais, espírito meditativo e contemplativo, comportamento às vezes infantil ou lu­ nático.

OS DECANATOS PE LEÃO 1.° decanato, de 120 a 130 graus, de 23 de julho a 2 de agosto: EXTRE­ OS DECANATOS DE CÂNCER MISMO. 1.° decanato, de 90 a 100 graus, de 21 de junho a 1.° de julho: EMOÇÕES. Saturno, planeta regente deste decanato, A fusão de Vênus, planeta regente deste fixa a vontade ou o caráter do indivíduo decanato, e da Lua, satélite regente de que tenha o Sol ou ascendente neste Câncer, intensificam as qualidades lugar do Zodíaco sobre uma sede de emocionais, afetivas e sensuais relativas ambição e desejo constante de domínio. a este signo. As aptidões para dirigir e ter êxito são O ascendente ou o Sol neste decanato grandes, mas o risco de cair no despo­ revela uma pessoa hipersensível, sonha­ tismo, egocentrismo, autoritarismo, in­ dora, terna, amável, encantadora mas transigência ou orgulho levado ao ex­ angustiada, com tendência para a dramatização não são uma exceção. tremo

sivo da personalidade de um Leão. Finalmente, Plutão, regente do terceiro decanato, provoca uma inquietação no nativo de Leão, que ele compensa nor­ malmente com uma tendência exacer­ bada pelo poder. Tomamos o exemplo de Leão, mas será igual para os outros decanatos dos res­ tantes signos do Zodíaco, de modo que cada um lhe permitirá aperfeiçoar sua primeira interpretação, baseando-se ape­ nas na data de nascimento. Para fazê-lo, memorize os períodos dos decanatos e os astros que a eles correspondem.

2.° decanato, de 130 a 140 graus, de 3 a 12 de agosto: ORGULHO. A conjunção do Sol, regente deste de­ canato, exalta as qualidades próprias dos nativos de Leão: generosidade, calor humano, domínio acertado das cir­ cunstâncias. Mas o orgulho sofre uma verdadeira in­ flação e o desejo de ser admirado e aceito incita-o muitas vezes a fazer-se de grande senhor, a mostrar-se generoso, dispendioso e a viver acima de suas pos­ sibilidades.

3.° decanato, de 140 a 150 graus, de 13 a 22 de agosto: PODER. Plutão, o transformador, regente deste terceiro decanato, perturba o Sol, re­ gente deste signo. A personalidade do nativo deste decanato torna-se com­ plexa, mas ao mesmo tempo mais inten­ sa, graças a esta combinação de astros. Na maioria das vezes tem um profundo problema de identidade que compensa com um gosto exacerbado pelo poder. OS DECANATOS DE VIRGEM 1.° decanato, de 150 a 160 graus, de 23 de agosto a 1.° de setembro: HA­ BILIDADE. O Sol, regente deste decanato, entra em relação com Mercúrio, regente deste

signo, e estimula as faculdades de assi­ milação e análise do indivíduo que tenha o Sol ou ascendente neste decanato, assim como sua curiosidade e seu sentido do pormenor. A necessidade de ordem, organização e método é muito grande, mas a necessidade de justificar seus atos e motivações são maiores ainda. 2.° decanato, de 160 a 170 graus, de 2 a 13 de setembro: DIPLOMACIA. Vênus, regente deste decanato, modera o espírito crítico de Mercúrio, regente deste signo, e tira-lhe também seu rigor intelectual a favor dos prazeres sutis e refinados. O indivíduo com o Sol ou o ascendente neste decanato tem gran­ des dons diplomáticos, mas custa-lhe expressar seus sentimentos e emoções, por pudor ou timidez. 3.° decanato, de 170 a 180 graus, de 14 a 22 de setembro: ALTRUÍSMO. Mercúrio, ao mesmo tempo regente deste signo e deste decanato, reforça as qualidades naturais do nativo de Virgem, sobretudo a generosidade, a in­ teligência, a autocrítica, o poder de con­ centração sobre os detalhes práticos da vida material. N o entanto, são princi­ palmente a necessidade de sentir-se útil, a abnegação e o altruísmo os valores que predominam.

A interpretação dos decanatos

Os decanatos dos signos do Outono
ascendente é o eu c a aparência externa. Como acontece com o Sol, a posição do ascendente em um dos 36 decanatos do Zodíaco e, com maior motivo, em um dos três decanatos de um signo, revela características muito claras e precisas sobre a natureza e ex­ pressão do eu e a aparência externa de uma pessoa. Assim, saber que o ascendente se en­ contra no signo de Libra, por exemplo, é claramente uma indicação que nos permite descobrir a priori o comporta­ mento de uma pessoa ao longo de sua vida social e material. Mas se a posição da cúspide da Casa I se encontrar no primeiro, segundo ou terceiro decanato deste signo, disporemos de uma visão diferente da verdadeira natureza deste ascendente. No primeiro decanato, cujo regente é a Lua, a sensibilidade e a ne­ cessidade de harmonia ressaltam o nível da aparência e da maneira de apreender a realidade material e a vida social. N o segundo decanato, cujo regente é Saturno, a razão, a lucidez crítica e uma forma de intransigência, dissimulada sob certo formalismo, situam-se em um primeiro plano. N o terceiro decanato, regido por Júpiter, a sede de justiça, o sentido do compromisso e o apego aos valores éticos e estéticos são primor­ diais. Em cada caso, o ascendente con­ tinua a estar no signo de Libra. Mas sua posição em um dos decanatos revela matizes que não podemos desprezar. Aliás, se o ascendente, ou cúspide da Casa I, se encontra forçosamente em um dos três decanatos de um signo, o descendente ou cúspide da Casa VII, sempre situado no mesmo eixo, estará em um dos três decanatos do signo oposto. Aqui, as importantes infor­ mações que nos revela o descendente falam-nos das relações que o indivíduo

O

estabelece com os outros e com o mundo exterior. Por seu caráter oposto e complementar, as posições do ascen­ dente e descendente em um decanato irão nos permitir aperfeiçoar nossa in­ terpretação do mapa astral. OS DECANATOS DE LIBRA 1.° decanato, de 180 a 190 graus, de 23 de setembro a 2 de outubro: SO­ CIABILIDADE. A Lua, regente deste decanato, leva o indivíduo que tiver o Sol ou ascendente neste lugar do Zodíaco a procurar uma harmonia em suas relações e um aper­ feiçoamento externo. A necessidade de união, equilíbrio afetivo, perfeccio­ nismo, sociabilidade natural, apego aos valores formais, são aqui preponde­ rantes.

2.° decanato, de 190 a 200 graus, de 3 a 13 de outubro: LIVRE ARBÍ­ TRIO. Saturno, regente deste decanato, con­ centra e focaliza todas as qualidades ine­ rentes ao signo de Libra com um único objetivo, o de encontrar o meio termo, o de atingir um equilíbrio perfeito e imutável. A noção de escolha é essen­ cial, vital e iniludível. O livre arbítrio terá um papel destacado na vida do in­ divíduo correspondente a esta confi­ guração. 3.° decanato, de 200 a 210 graus, de 14 a 22 de outubro: JUSTIÇA. A alegria de viver e a plenitude do in­ divíduo que tiver o Sol ou o ascendente situado neste setor, qualidades próprias de Júpiter, regente deste decanato, esti­ mulam sua generosidade, sua indul­ gência, seu sentido de compromisso e de justiça. A procura de valores éticos e estéticos é onipresente. Sua felicidade e seu equilíbrio dependem dela. OS DECANATOS DE ESCORPIÃO 1.° decanato, de 210 a 220 graus, de 23 de outubro a 2 de novembro: IM­ PULSOS. Marte é ao mesmo tempo regente deste decanato e deste signo, cujo segundo re­ gente é Plutão. Aqui o indivíduo se dis­ tingue por sua grande riqueza de re­ cursos psíquicos e vitais. Os impulsos são vivos, essenciais, as forças instinti­ vas predominam. A capacidade de ação é secreta, lúcida, tenaz e resistente. Exis­ te um grande potencial de criatividade. 2.° decanato, de 220 a 230 graus, de 3 a 11 de novembro: INCONFOR­ MISMO. Urano, regente deste decanato, dina­ miza a capacidade de ação e as forças ins­ tintivas reveladas respectivamente por Marte e Plutão, regentes deste signo, le-

levando assim o indivíduo a uma forte reivindicação da independência, do inconformismo, a sair do caminho habitual, lançar-se em experiências iné­ ditas ou estranhas. Os impulsos às vezes são perigosos. 3.° decanato, de 230 a 240 graus, de 12 a 21 de novembro: FORÇA PSÍ­ QUICA. Vênus, regente deste decanato, estimula ou exagera os sentimentos, motivações e forças psíquicas do indivíduo que tiver o Sol ou ascendente nesta zona do

Zodíaco. Possui um grande magnetis­ mo. A vida amorosa é sempre apaixo­ nada ou passional, rege-se pela sensua­ lidade intensa e pela sedução e poder mágico. OS DECANATOS DE SAGITÁRIO 1.° decanato, de 240 a 250 graus, de 22 de novembro a 1.° de dezembro: SABEDORIA. A conjunção de Mercúrio, regente deste decanato, com Júpiter e Netuno, re­ gentes deste signo, conferem ao indi­ víduo uma clara sabedoria e caráter de criança boa, de candura, boa fé e uma honestidade básica. Seu comporta­ mento face à vida é simples, natu­

ral, espontâneo e generoso. Tem tendên­ cia para fugir das complicações e tem altas aspirações. 2.° decanato, de 250 a 260 graus, de 2 a 11 de dezembro: AVENTURAS. A sensibilidade do indivíduo, revelada aqui pela Lua, regente deste decanato, é estimulada pela expansão e curiosi­ dade pelo desconhecido, qualidades próprias de Júpiter e Netuno, ambos regentes deste signo. Possui uma pro­ funda e sincera gentileza e gosta da aventura, das viagens e das relações ba­ seadas em uma camaradagem mútua. 3.° decanato, de 260 a 270 graus, de 12 a 20 de dezembro: CONHECI­ MENTO. Saturno, regente deste decanato, inclina o indivíduo que tiver o Sol ou ascen­ dente neste signo — o qual é regido por sua vez por Júpiter e Netuno — a for­ mar sólidas convicções, sempre bem ci­ mentadas. A partir daí, aspira a apro­ fundar seus conhecimentos, a abraçar uma causa comum ou a de­ dicar-se a uma obra huma­ nitária. Mas, às vezes peca por uma falta de equi­ líbrio interior ou por ser intransigente.

A interpretação dos decanatos

Os decanatos dos signos do Inverno
om exceção do Sol e do ascendente, também a Lua, Mercúrio, Vênus, Mar­ te, Júpiter, Saturno, Urano, Netuno, Plutão e os dois pon­ tos fictícios — o eixo dos No­ dos lunares e a Lua negra — se situam em diferentes deca­ natos. Com um matiz dife­ rente do oferecido pelo Sol e pelo ascendente, é importante ter em conta as informações reveladas pela posição de um astro em um ou outro deca­ nato, principalmente se for o regente ou o ascendente do signo. Por exemplo, um mapa astral que revela um Sol em Escorpião nos transporta ime­ diatamente para um estudo atento das posições de Marte e Plutão, regentes deste signo. Neste caso, os decanatos onde se situam Marte e Plutão enri­ quecem sua interpretação com abun­ dante informação complementar, nada desprezível. Com efeito, além das in­ dicações reveladas pela posição do Sol no mapa astral e o decanato deste signo, você disporá das que lhe oferecem as po­ sições dos dois regentes de signo e de­ canato. Ou seja, um total de seis ele­ mentos diferentes que, no começo e sem ter em conta as outras informações que você tirará do mapa astral, irão propor­ cionar-lhe informações sutis, detalhadas, e não menos enriquecedoras, embora muitas vezes contraditórias, sobre a forma de expressão natural e espontânea da vontade instintiva do indivíduo. Por isso, por sua grande velocidade de evolução zodiacal, devemos estar aten­ tos à posição da Lua em um signo e, principalmente, em um decanato. De fato, a Lua não se fixa no interior do Zodíaco, contrariamente ao que acon­

C

tece com os demais astros, particular­ mente com Júpiter, Saturno e princi­ palmente Urano, Netuno e Plutão. O ponto onde a Lua se encontra em um mapa astral é de grande interesse, tanto mais se nos lembrarmos que a Lua revela o caráter feminino, o potencial da doçura e da ternura de cada indivíduo. Fornece também valiosas informações sobre sua sensibilidade, isto é, sobre a expressão e a manifestação dos cinco sentidos. OS DECANATOS DE CAPRICÓRNIO 1.° decanato, de 270 a 280 graus, de 21 a 31 de dezembro: ORGANIZA­ ÇÃO. Júpiter, regente deste decanato, não che­ ga a dar todo o seu potencial porque está sob o controlo de Saturno, regente do signo. N o entanto, o sentido da ordem, do método, rigor intelectual, espírito de síntese e tenacidade estão presentes, as­ sim como uma tensão latente entre op¬ timismo e pessimismo que pode fazer do indivíduo uma pessoa ambivalente.

2.° decanato, de 280 a 290 graus, de 1.° a 9 de janeiro: PERSEVERANÇA. Sob a pressão de Saturno, re­ gente do signo de Capricórnio, Marte, regente deste decanato, revela que o indivíduo que ti­ ver o Sol ou ascendente neste setor se concentra em um obje­ tivo ou fmalidade únicos que não lhe escapam. Sua tenacida­ de, perspicácia e, às vezes, ex­ cessiva indiferença em relação aos sentimentos dos outros po­ dem dotá-lo de uma terrível eficácia. 3.° decanato, de 290 a 300 graus, de 10 a 19 de janeiro: VALOR. Saturno, regente deste signo, em con­ junção com Urano, regente deste deca­ nato, nos dá uma primeira impressão do signo de Aquário, cujos regentes são precisamente os dois astros acima men­ cionados. Esta posição determina um indivíduo pragmático, ambicioso, inde­ pendente e valoroso. Possui muitas ve­ zes qualidades manuais que favorecem os trabalhos que exigem uma certa ha­ bilidade. OS DECANATOS DE AQUÁRIO 1.° decanato, de 300 a 310 graus, de 20 a 30 de janeiro: ORIGINALI­ DADE. Vênus, regente deste decanato, domi­ nado por Saturno mas dinamizado por Urano, ambos regentes deste signo, faz com que o indivíduo que tiver o Sol ou ascendente nesta zona seja ao mesmo tempo lúcido e sério, por um lado, e compreensivo e indulgente, por outro. O comportamento amoroso é sempre original e as motivações vitais às vezes inconstantes.

2.° decanato, de 310 a 320 graus, de 31 de janeiro a 8 de feve­ reiro: INSPIRAÇÕES. A Lua negra, regente deste decanato, si­ tuado no universo de Saturno e Urano, regentes deste signo, exalta a sede de in­ dependência e liberdade intelectual, moral e afetiva da pessoa com o Sol ou ascendente situado nesta configuração. Sua imaginação é muitas vezes trans­ bordante, passa sem transição do sonho à realidade. Suas inspirações são muito vivas. 3.° decanato, de 320 a 330 graus, de 9 a 18 de fevereiro: UTOPIAS. Netuno, regente deste decanato, é ao mesmo tempo maltratado por Saturno e agitado por Urano, regentes deste sig­ no. Como conseqüência, trata-se de uma combinação muito sutil de ele­ mentos, que excita a curiosidade do in­ divíduo em questão, abre-lhe todos os campos de investigação e procuras possí­ veis, arrasta-o para planos e projetos utó­ picos, vanguardistas e, às vezes, geniais. OS DECANATOS DE PEIXES 1.° decanato, de 330 a 340 graus, de 19 a 29 de feve­ reiro: CLARIVIDÊN­ CIA. As qualidades de Saturno, regente deste decanato, têm proble­

mas para permanecer ou existir no mundo tão inconstante de Júpiter e Netuno, regentes deste signo. Assim, a lucidez e a razão (Saturno) ao serviço da generosidade (Júpiter) e da recepti­ vidade emocional (Netuno) podem de­ terminar um indivíduo muito inteligen­ te e clarividente, mas, ao mesmo tempo, angustiado e misantropo. 2.° decanato, de 340 a 350 graus, de 1.° a 9 de março: GRANDEZA DE ESPÍRITO. A dupla presença de Júpiter neste de­ canato e neste signo exalta as qualidades de Netuno, segundo regente deste sig­ no. Assim, a generosidade, a entrega, a magnanimidade, a grandeza de espírito,

as preocupações a nível espiritual, unem-se a uma sensibilidade intensa, a uma emotividade de adaptação e a dons de persuasão surpreendentes. 3.° decanato, de 350 a 360 graus, de 10 a 20 de março: RECEPTIVIDADE. Júpiter e Netuno, regentes deste signo, conferem a Marte, regente deste de­ canato, uma grande bondade. O indiví­ duo com o Sol nesta posição é espe­ cialmente intuitivo, receptivo e atento. Seus atos e iniciativas são sempre subli­ mes. É compreensivo, suscetível e apai­ xonado.

O Sol nos signos do Zodíaco (I)
O Sol em um mapa astral informa sobre a vontade instintiva de um indivíduo e sobre sua personalidade em curso de realização. Dependendo do signo do Zodíaco em que o Sol se encontre, estas categorias são expressas de uma maneira singular e original.

O

0 SOL E ÁRIES M

T O

0 SOL E TOURO M

Q O

0 SOL E GÊMEOS M

A vontade instintiva do indivíduo aspira à afirmação de si mesmo. A personali­ dade muitas vezes não tem o poder de concentração. E ansiosa, impaciente, tei­ mosa e pertinaz. Precisa de ação, exte­ riorização. É entusiasta e otimista; mas, como não demonstra ter discernimento, nem tampouco a capacidade para ava­ liar os obstáculos que se apresentam em seu caminho, é vítima de arrebatamen­ tos, seguidos de desespero. O homem de Aries é dotado de um temperamento ardente. Precisa continuamente de combustível pa­ ra queimar, ações para empreen­ der, lutar. É audaz, mas se revela também moralista e suscetível. A mulher de Aries c uma pessoa ce­ rebral, ativa, independente, impul­ siva e sentimental. Gosta de con­ quistar ou de ser conquistada. ^ Palavras-chave: afirmação de si mesmo, audácia, arro­ jo, projeção no futuro, atração pela conquista, valor, efusões entusiásticas, imprevisão, desespero, falta de perse­ verança ou inconstância.

A vontade instintiva aspira à calma, à tranqüilidade, à segurança material e moral, a viver em comunhão com a na­ tureza, tirando todas as vantagens possí­ veis. A personalidade expressa-se com simplicidade, com naturalidade, para aproveitar as alegrias e os prazeres saudá­ veis da vida. É muito sentimental, fiel, conservadora, ao mesmo tempo que au­ toritária e egocêntrica. Foge das com­ plicações. O homem de Touro é realista. Produz, constrói. Tem apego aos bens materiais que o tranqüilizam e lhe dão segurança. A mulher de Touro é altruísta, de­ sejosa de preservar seu bem-estar, muito carinhosa, dependente do seu meio, apegada às suas posses, ao seu conforto material. Palavras-chave: vida saudá­ vel e tranqüila, bem-estar ma­ terial e moral, simplicidade e naturali­ dade, senso comum; necessidade de adquirir, de possuir; precaução, previsão; realismo, instinto de conservação, secta­ rismo, egocentrismo, sentimentalismo.

A vontade instintiva procura sua própria identidade. A personalidade procura-se a si mesma e é animada por uma intensa curiosidade, que se abre ao mundo ex­ terior. É simpática, sociável, comunica­ tiva, inteligente. Adapta-se com facili­ dade a situações múltiplas e variadas. É sensível a todas as correntes de idéias e de pensamentos, mesmo que perma­ neça subjetiva e narcisista. Muitas vezes, mais do que viver a vida, joga com ela.

O A

homem de Gêmeos reconhecese ou perde-se nas idéias e senti­ mentos, e inclusive na vida dos ou­ tros. Vive através dos outros até que consiga viver sua vida. mulher de Gêmeos compensa sua agitação mental e sua viva curiosi­ dade afetiva a partir do seu caráter simpático e de sua sensibilidade, que possui uma certa dose de humor. g* Palavras-chave: simpatia, sociabilidade, poder de adap­ tação, inconformismo, sentido de hu­ mor, curiosidade, instabilidade, agitação mental, espírito crítico, nervosismo, nar­ cisismo egocêntrico.

O

O SOL EM CÂNCER

££ ©

0 SOL EM LEÃO

£\ ©

0 SOL EM VIRGEM

T[P

A vontade instintiva expressa-se através do filtro dos cinco sentidos do indiví­ duo e, portanto, através do filtro de sua sensibilidade. A personalidade está imersa na nostalgia do passado — de sua infância, concretamente, onde suas fa­ culdades sensíveis se encontravam exal­ tadas —. É doce, terna, receptiva, in­ tuitiva, carinhosa. Precisa ser protegida, ajudada. Às vezes é indolente.

A vontade instintiva do indivíduo brilha. Expressa-se e manifesta-se sem rodeios. A personalidade aspira ao feliz domínio das circunstâncias e de seu meio, a exer­ cer sempre um constante domínio de si mesma. E generosa, calorosa, autoritá­ ria, orgulhosa, exigente, às vezes in­ transigente e com mostras de exclusivi­ dade. Também é muito consciente de si mesma.

A vontade instintiva orienta-se para si mesma, o que implica em uma interro­ gação e às vezes até dobrar-se sobre si mesmo. A personalidade quer distin­ guir-se, singularizar-se. Estuda, analisa, mede, calcula, seleciona, discerne, or­ ganiza, critica e se autocrítica metodi­ camente. Precisa de ordem e de orga­ nização e concentra-se no presente. Preocupa-se em preservar-se e ser útil.

O homem de Câncer não possui O homem de Leão é ambicioso e O homem de Virgem possui um ca­ agressividade, que compensa com dominante. Tende a considerar ráter perfeccionista, céptico, me­ um hábil sistema de defesa. Exer­ que o mundo lhe pertence e que ticuloso. E muito apegado aos ce, no entanto, um poder moral, os outros só contam com ele. detalhes, à ordem, à moral, ao sen­ familiar ou político, que pode re­ f A mulher de Leão é mais gene­ tido do dever. Não consegue su­ sultar no estímulo de sua ambição. rosa, mas precisa sentir-se querida, portar o imprevisto. f A mulher de Câncer é uma mu¬ aprovada e admirada incondicio­ f A mulher de Virgem, muitas vezes lher-mãe e/ou uma mulher-me¬ nalmente. Seus sentimentos são dotada de um encanto sutil, é nina muito apegada ao lar, ao bemnobres e suas motivações sempre muito sentimental sob sua aparên­ estar, às suas raízes. essenciais. cia reservada. E muito solícita. Palavras-chave: doçura, ~ Palavras-chave: generosidade ~ Palavras-chave: espírito de n %3—itnf _ , ■ - . ■ . **' utw~ dade, calor humano, mag­ análise, sentido da medida ternura, memória, intuição, netismo, força moral, consciência de si certa e dos detalhes, sentido do concreto, natureza sonhadora, idealização e nos­ mesmo, nobreza, ambição, orgulho, do­ do dever, abnegação, sentido crítico e au­ talgia do passado, medo do futuro e do minação, intransigência, complexo de tocrítico, perfeccionismo, ceticismo, in­ desconhecido, tradicionalismo, angús­ superioridade. quietude moral, falta de sensibilidade. tia, comportamento infantil.

f

f

f

0 Sol e o ascendente nos signos
Diz-se muitas vezes que o ascendente ocupa um lugar preponderante em relação ao Sol que, recordemos, determina o signo natal ou solar. Diz-se também que, com a idade, as características reveladas pela posição do ascendente no mapa astral se acentuam em detrimento das indicadas pela situação do Sol, e portanto, do signo natal. Tudo isto é falso. Na realidade, e em resumo, temos que considerar que o Sol representa o ser e o ascendente, sua aparência. Que sejamos mais sensíveis à nossa aparência do que ao nosso ser durante nossa juventude, é compreensível. Por outro lado, vivemos em um mundo em que as exigências da vida social nos levam a reservar um lugar importante para nossa aparência. Mas se a aparência é uma manifestação e uma expressão do ser, o sentido inverso é falso. E mais: com a idade, e principalmente na idade madura, o ser transluz cada vez mais, e a aparência é apenas uma emanação do ser. Em todo o caso, seria lamentável que não fosse dessa maneira.

O Sol nos signos do Zodíaco (II)

O

O

SOL EM LIBRA

^

O

0 SOL EM ESCORPIÃO

TL T,

O

0 SOL EM SAGITÁRIO

/

O A

A vontade instintiva do indivíduo pro­ A vontade instintiva do indivíduo nasce cura o equilíbrio c a harmonia. Precisa nas profundidades de sua personalidade, manifestar-se em um contexto sereno, estimulando assim seu psiquismo, seus em um ambiente agradável. Em todas impulsos e suas forças regeneradoras. as coisas procura o equilíbrio, a medida Ao mesmo tempo apaixonado e capaz justa, uma avaliação lúcida dos ele­ de mostrar sangue-frio, expressa-se com mentos de que dispõe o nativo deste paixão, provocação, através de uma pro­ signo, nele c à volta dele, com o fim de cura inconformista do absoluto, um de­ estabelecer relações e intercâmbios se­ sejo muito forte de chegar ao fundo das renos com seu ambiente c com o coisas e até o final das situações. Nos na­ mundo exterior. A aspiração essencial tivos deste signo existe sempre um rico do nativo de Libra é fazer a melhor es­ potencial de criatividade. Cada qual fará colha possível. bom ou mau uso dele. homem de Libra tem muito en­ O homem de Escorpião é um ex­ canto, mas mostra-se com fre­ perimentador muito mais ambi­ qüência mais tenaz e apto para cioso e orgulhoso do que quer pa­ impor suas leis, seu sentido de recer. É permissivo, o que não ordem e de justiça do que gostaria impede que se mostre ávido de de aparentar. exercer um poder ou uma in­ fluência sutil sobre seu ambiente. mulher de Libra revela-se per­ mulher escorpião é sedutora, lú­ manentemente interessada em re­ f A cida e sensual. Tem instintos muito servar uma harmonia em suas rela­ desenvolvidos, uma intuição pe­ ções; mas é freqüente encontrar-se netrante, um temperamento apai­ dividida entre sua vida de mulher xonado. independente c sua dependência ^ Palavras-chave: inconfor­ no campo afetivo. mismo, espírito crítico agres­ ^ Palavras-chave: equilíbrio, sivo ou defensivo, lucidez instintiva, in­ harmonia, sentido de justiça, eleição, lucidez crítica, sentido da es­ clinação pelo risco calculado e pela tética, apego ao ponto de vista formal, provocação, grande curiosidade, astúcia, às regras, às leis, meticulosidade, per­ rancor, ciúme, manipulação, certa per­ versidade. feccionismo, indecisão.

f

f
f

A vontade instintiva do indivíduo ma­ nifesta-se de forma entusiasta, quente e generosa. Favorece o desenvolvimento da personalidade e aproveita todas as possibilidades de que dispõe para se re­ alizar. O comportamento do indivíduo é sereno, otimista, às vezes aventureiro, em um afã de expansionismo ou de acesso à felicidade. O caráter é jovial, ingênuo, de boa vontade, com uma clara tendência para simplificar as coisas e fugir de tudo o que poderia criar com­ plicações. O homem Sagitário pode mostrarse ou sob um conformismo ativo, aspirando a perpetuar os princípios e as convenções, ou então sob a aparência do aventureiro ou joga­ dor. A mulher de Sagitário é generosa
e conservadora ao m e s m o tempo, convencida de que, aconteça o que acontecer, t u d o na vida se arranja desde que o queiramos. «x Palavras-chave: felicidade, alegria de viver, desenvolvi­ m e n t o de si m e s m o , ingenuidade, boa vontade, generosidade ativa, jovialidade, tendência para o desafio e a competição, simplismo, conformismo, instabilidade, entusiasmo, otimismo, inocência, sín­ tese, pragmatismo.

©

O SOL EM CAPRICÓRNIO

^

O

0 SOL EM AQUÁRIO

^

O

0 SOL EM PEIXES

X

O

A vontade instintiva do indivíduo adota uma atitude defensiva e céptica. O ca­ ráter é prudente, desconfiado, paciente, tenaz. O nativo deste signo impõe uma distância lúcida em sua relação com os outros. Tende a desconfiar e é estóico. É dotado de um grande poder de con­ centração e de espírito de síntese. Pre­ domina nele a razão e não desanima fa­ cilmente. homem de Capricórnio é ambi­ cioso, orgulhoso e dirige-se para ura único objetivo, mediante o qual se dão todas as possibilidades de êxito. A mulher de Capricórnio é razoável, lúcida, constante, no entanto pode ser vítima de momentos de loucura e seus sentimentos são tenazes. Mas tanto um como a outra se mostram íntegros ao atingirem a idade ma­ dura. _ Palavras-chave: prudência, ** ,ja4r paciência, sabedoria, tenaci­ dade, lucidez, ambição, valor, rigor moral, sentido da lógica, dureza, or­ gulho, rejeição de todas as concessões ou de mudanças. .

O

A vontade instintiva do indivíduo está A vontade instintiva do indivíduo está orientada para a procura de sua inde­ ora estimulada, ora inibida, por uma agi­ pendência. A personalidade procura tação emocional intensa. A personali­ afastar-se do seu meio e dos princípios dade mostra-se inspirada, sensível, sen­ que lhe foram inculcados para lançar ra­ sual, receptiva, imaginativa. Aspira à ízes, criar seus próprios valores, afirmar fusão afetiva ou espiritual. Está animada sua liberdade de pensar e agir. O indi­ por um afã de absoluto, que converte víduo de Aquário possui um grande o indivíduo em um ser generoso até à poder de adaptação às circunstâncias abnegação, mas atormentado por uma mais diversas. É original, inconformista, angústia profunda, que o torna ao oportunista, curioso, indeciso e às vezes mesmo tempo indeciso e adaptável, ide­ imprevisível. alista, enfeitiçador e incompreensível. f O homem de Peixes é intuitivo e homem de Aquário é dinâmico, emotivo. Precisa acreditar, amar, audaz, disposto para as aventuras ou ser útil, sentir seu pensamento em novas experiências, sem arrogância comunhão com o ambiente. nem amor próprio, mas muito ape­ A mulher de Peixes é hipersensí­ gado à sua independência. vel, abnegada para com os que A mulher de Aquário é flexível, per­ ama, com a condição de que lhe missiva, compreensiva, emotiva, ofereçam bem-estar e segurança. livre em suas escolhas, mas mui­ /Ri Palavras-chave: receptivi­ tas vezes dependente do seu meio. dade, emotividade, inspi­ ~ Palavras-chave: independência r ração, intuição, pressentimento, imagi­ ^ ~ dência, espírito livre, solidá­ rio, inconformista, gosto pelas idéias nação, especulação, idealismo, abnegação, vanguardistas, faculdade de adaptação, poder de transformação, ansiedade, irre­ oportunismo, rebeldia, instabilidade, alidade, tendência para se deixar in­ fluenciar, dramatização. dispersão.

0 Sol e a Lua nos signos
Chamamos a estes astros luminosos porque o Sol é o astro do dia e a Lua o da noite. Se a posição do Sol em um mapa astral determina o signo natal (ou solar), a Lua não tem o mesmo privilégio. No entanto, as informações reveladas pela situação destes dois astros em um signo do Zodíaco têm a mesma importância. De fato, quer se trate do mapa astral de um homem ou de uma mulher, o Sol representa sempre o ser encarnado, em vias de realização, e a Lua a parte de receptividade, que favorecerá ou não a realização do ser em questão. A título de exemplo, não por ter o Sol em Libra, o sujeito beneficiará sistematicamente de todas as qualidades positivas deste signo. A posição do Sol no nascimento revela além disso que se deve experimentar a vontade instintiva tal como se revela no signo de Libra, ao mesmo tempo que se experimentam as qualidades próprias deste signo.

A Lua nos signos do Zodíaco (I)
A Lua em um mapa astral revela a natureza e a expressão da sensibilidade, mas também informa sobre como a mulher vive ou encarna sua feminilidade.

])

A LUA EM ÁRIES

T

3)

A LUA EM TOURO

Q D

A LUA EM GÊMEOS

XC

Os impulsos agressivos revelados por Marte, regente de Áries, estimulam e perturbam a sensibilidade. O indivíduo tende a afirmar-se através da sensibili­ dade, de forma que exalta seus sentidos, subindo-lhe facilmente à cabeça e às vezes até ofuscando-o. Assim, inclina-se rápida e naturalmente para as pessoas com entusiasmo, embora também seja sensível, susceptível e ví­ tima de desânimos repentinos quando se dá conta dos seus excessos ou erros. Às vezes, obstina-se sem razão ou decepciona-se imensamente.

O encontro da Lua com Vênus, regente deste signo, dá lugar a uma intensifi­ cação da sensualidade e do sentimen­ talismo do indivíduo. A sensibilidade é baseada nas alegrias e nos prazeres sau­ dáveis e naturais da vida, nos senti­ mentos, mas esta sensibilidade é bem mais passiva e pouco expressiva. Impele a pessoa a entregar-se afetivamente e, embora não o demonstre, será também muito exigente. Esta sensibilidade tornaa inacreditavelmente ingênua. Mas tam­ bém é particularmente rancorosa se se sentir traída.

As qualidades sensíveis da Lua, aqui no domicílio de Mercúrio, são perturbadas e estimuladas por uma agitação men­ tal que pode deixar o espírito ou o in­ telecto particularmente sensível e ima­ ginativo, sociável e comunicativo ou, ao contrário, endurecer a sensibilidade, desfazendo-se dela a favor do espírito crítico. Em ambos os casos, fica uma es­ pécie de alegria juvenil, um apurado sentido de humor, uma curiosidade des­ perta, uma necessidade de expressar sua sensibilidade através de suas idéias e vice-versa.

A

mulher com a Lua em Aries tem necessidade de se afirmar com clareza como mulher, às vezes de forma um tanto viril, mas sempre com calor e entusiasmo. N o fundo, sente-se igual ao ho­ mem e, na maioria das vezes, em sua vida afetiva, é mais ela que es­ colhe do que é escolhida.

A

mulher com a Lua em Touro é especialmente sensível às sen­ sações, ao bem-estar e à sua vida afetiva. E muito senti­ mental, maternal, muito sen­ sata e muito dedicada e unida aos seus. É fiel a si mesma e aos que a rodeiam e odeia tudo que for malsão.

A

mulher com a Lua em Gêmeos vive sua feminilidade de uma forma bastante narcisista. Aspira a ser independente, pelo menos intelectual e teoricamente. So­ ciável e simpática, gosta de jogar com seu encanto. N o entanto, não suporta a contradição e a ri­ validade em nenhum campo.

fp. Palavras-chave: sensibilidade ^ à flor da pele, imaginação ativa, independência, vivacidade, preci­ pitação, desânimo rápido.

ypN Palavras-chave: sensibilidade *■*' e sensualidade intensas mas passivas, sentimentalismo, imaginação prática, sensatez, rancor e preguiça.

/?^ Palavras-chave: sensibilidade ^ unida à inteligência, sociabi­ lidade, imaginação literária, curiosidade, atividade mental, instabilidade.

3)

A LUA EM CÂNCER

g>

3)

A LUA EM LEÃO

S\ 3)

A LUA EM VIRGEM

W

Neste caso, encontrando-se a Lua em seu domicílio, a sensibilidade é ex­ pressa plena e livremente. É freqüente esta configuração dar ao indivíduo ca­ racterísticas próprias do signo de Câncer que não só prevalecem sobre as de seu signo natal como são às vezes mais flagrantes do que em um verda­ deiro Câncer. De qualquer forma, pre­ dominam suas qualidades sensíveis. Necessita de ternura, afeto, proteção, compreensão e segurança. Sente uma profunda nostalgia de sua infância, ao ponto de manter atitudes infantis, que muitas vezes o tornam caprichoso e depressivo.

Neste caso, as qualidades lunares in­ tensificam-se pela presença do Sol, re­ gente deste signo. A sensibilidade é ra­ diante, calorosa; mas confunde-se com freqüência com a vontade do indivíduo, ao ponto deste tender, sem se dar conta, à auto-suficiência. Muitas vezes tem qualquer coisa de homem, que se impõe aos outros, mas sem estar necessaria­ mente consciente disso. Sua sensibili­ dade queima-se ainda com as chamas da vontade, o que dá lugar a dúvidas, prin­ cipalmente sobre sua identidade, que compensa com um certo gosto pelas aparências, a vaidade ou um desejo de sentir emoções especiais.

Presente no segundo domicílio de Mercúrio, a Lua já não se dispersa, pelo contrário, fixa-se nos detalhes práticos da vida material. Revela no indivíduo uma sensibilidade concentrada ou en­ cerrada no presente imediato, que a priori o proíbe de qualquer forma de en­ trega. No entanto, ao mesmo tempo que demonstra seu caráter de certa reserva ou timidez não fingidas, também não esconde uma natureza muito refinada, sempre em busca dos últimos limites, ou, ao contrário, pratica um desapego pensado e justificado de tudo o que se torna fraco ou dependente por culpa de sua sensibilidade.

A
/ps

mulher com a Lua em Câncer possui autênticas qualidades fe­ mininas de doçura, receptividade e premonição. E terna, afetuosa, maternal, às vezes angustiandose sem razão. Oscila entre a mu¬ lher-menina e a mulher-mãe, mas suas relações com as crianças e o universo infantil são sem dú­ vida privilegiadas.

A

mulher com a Lua em Leão está consciente de suas qualidades do poder de sua feminilidade e da influência que exerce sobre os outros. Surge-lhe às vezes um sentimento de superioridade ao competir com o homem, face ao qual jamais recuará. É ambiciosa. Tem necessidade de obter a apro­ vação dos outros.

A
/?^

mulher com a Lua em Virgem não consegue viver sua feminili­ dade serenamente, sem que in­ tervenha um sentimento de cul­ pa que a torna serviçal, entregue até à abnegação, mas também perfeccionista e ranzinza. Tem sempre receio de decepcionar e decepcionar-se. É muito mais sentimental do que aparenta.

Palavras-chave: hipersensibilidade, doçura, ternura, ima­ ginação transbordante, sonhadora, ati­ tudes infantis, passividade, suavidade.

fp. Palavras-chave: sensibilidade "** ua41^ expressiva que estimula o gosto pelo fausto e pelo belo, imaginação artística, orgulho, arrogância, egoísmo.

Palavras-chave: sensibilidade introvertida, reserva, meticu­ losidade, modéstia, imaginação prática, inquietude, hipocondria, sentido crítico.

A Lua nos signos do Zodíaco (II)

D

A LUA EM LIBRA

=í2=

})

A LUA EM ESCORPIÃO

\ ])

A LUA EM SAGITÁRIO

/

A
ypj,

A Lua, que neste caso se encontra no universo de Vênus, regente deste signo, revela o refinamento do indivíduo. N o entanto, este só se deixa levar por suas sensações caso se sinta em harmonia consigo mesmo, com os outros e com o contexto onde se insere. Os valores estéticos e formais são tão essenciais para ele, que se mostra perfeccionista ou pode ter tendência para fazer demasia­ das concessões para viver em um am­ biente harmonioso. Sua preocupação em preservar seu equilíbrio interior é constante, o que pode torná-lo mais exi­ gente e seletivo do que parece. Seu en­ canto e sociabilidade naturais fazem-no ganhar muitas simpatias. mulher com a Lua em Libra possui uma sensibilidade espe­ cialmente refinada, que a torna perfeccionista, lúcida e muito crí­ tica consigo mesma. Preocupase muito com seu aspecto, seu meio, a estética, a harmonia das relações que cria e cultiva. Tam­ bém está preocupada em encon­ trar um equilíbrio ideal na vivên­ cia de sua feminilidade.
Palavras-chave: sensibilidade

A
/^N

Imersa no mundo de Marte e Plutão, regentes deste signo, a Lua confere a este indivíduo uma sensibilidade má­ gica, turva e atormentada pelos impul­ sos essenciais e vitais. Uma sutil mis­ tura de instinto e lucidez estimula suas faculdades intuitivas, o que aumentará sua curiosidade sensual e intelectual, que o torna capaz de adivinhar os es­ tados de espírito em relação a ele. Domina sempre a necessidade de ser seduzido ou seduzir através dos sen­ tidos, assim como a busca de sensações especiais, intensas, insólitas ou des­ conhecidas. N o entanto, seu compor­ tamento, agradável e receptivo, esconde um grande sangue-frio diante de situa­ ções difíceis. mulher com a Lua em Es­ corpião possui uma sensuali­ dade intensa e misteriosa que a torna sedutora, atraente, magnética e irresistível. Vive sua condição de mulher de maneira instintiva e animal, ví­ tima de suas sensações, im­ pulsos e repulsas irreprimíveis e inexplicáveis.
Palavras-chave: sangue-frio,

Júpiter e, em segundo lugar, Netuno, regentes deste signo, aumentam as qua­ lidades sensíveis do indivíduo, que sente a necessidade de se expandir com ple­ nitude através delas. Sua alegria de viver, sua boa vontade, gentileza e generosi­ dade são componentes naturais de sua personalidade, assim como sua necessi­ dade de levar uma vida sã, serena e tran­ qüila. N o entanto, às vezes atormentase por inquietudes inefáveis, devido à sua necessidade tão natural de ampliar o âmbito e o horizonte de suas sen­ sações. Compensa-as dedicando-se a uma atividade física suscetível de pre­ encher seu desejo de espaço vital, de contato com a natureza, para sentir seu corpo viver e vibrar.

A

mulher com a Lua em Sagitário

** l i i a equilibrada, busca da har­ monia, imaginação refinada, sociabili­ dade, superficialidade, perfeccionismo.

\j, JkfeT sensualidade intensa, mag­ netismo, curiosidade, imaginação eró­ tica, rancor, inveja.

aspira a realizar-se de forma ge­ nerosa, ideal e plena através das qualidades sensíveis de sua fe­ minilidade que a fazem ser oti­ mista, expansiva, positiva. Por um lado, ela é atraída pela aven­ tura e, por outro, seu apego às normas; é ao mesmo tempo in­ dependente e conformista. jps Palavras-chave: sensibilidade **^ generosa, ingênua, benévola, imaginação vagabunda, gosto pela aven­ tura e o conforto.

])

A LUA EM CAPRICÓRNIO

^

3)

A LUA EM AQUÁRIO

22

D

A LUA EM PEIXES

K

«

N o domicílio de Saturno, regente deste signo, a Lua revela um indivíduo de sen­ sibilidade controlada ou inibida pela razão. A timidez esconde aqui uma es­ pécie de orgulho que não se atreve a dizer seu nome. A prudência e o ceti­ cismo limitam as sensações e principal­ mente sua expressão natural e espontâ­ nea. Por esta razão predominam as qualidades de ambição, lucidez, tena­ cidade, que integram o domínio de Saturno, o que faz com que este indi­ víduo tenha um caráter estável e sério, mas sem doçura, ternura, suavidade ou compreensão. Destacam-se ainda a ca­ pacidade de concentração e o sentido ló­ gico das coisas. A mulher com a Lua em Capri­ córnio é séria, friamente lúcida e às vezes despojada de suas qua­ lidades sensíveis, o que lhe pro­ voca frustração, inibindo assim a realização de sua feminilidade. Por outro lado, é equilibrada, meticulosa, mas às vezes ator­ mentada por uma melancolia se­ creta ou uma tristeza profunda que a tornam pessimista.

A combinação de Saturno e Urano, ambos regentes deste signo, dinamizam as qualidades sensíveis do indivíduo, in¬ troduzindo-as em todos os aspectos da vida. Assim, a sensibilidade é ao mesmo tempo controlada pela razão e subme­ tida a impulsos que a libertam de suas amarras. Flexível, compreensivo, tole­ rante, permissivo graças ao seu sentido inato do relativo e à sua faculdade de se imiscuir no âmago das coisas, este in­ divíduo é também sensível às idéias, pensamentos e convicções dos outros. N o entanto, enquanto essas faculdades fazem com que seja sociável e comu­ nicativo, é ao mesmo tempo influen­ ciável. A mulher com a Lua em Aquário aspira a viver de forma independente, a ser livre, mesmo 7 fW"^ que isso a afaste de sua feminilidade, que encarna com um ^ V \ não-conformismo e originali­ dade. Não tem nada de mulher submissa e resignada, mas é muito influenciável, de nervos frágeis, instável e impulsiva. «N Palavras-chave: sensibilidade " dinâmica, emotividade, ima­ ginação intuitiva, tolerância, originali­ dade, influenciabilidade, excentricidade, dispersão. [\P\

Júpiter e Netuno, regentes deste signo, entram em conjunção para exaltar as qualidades sensíveis do indivíduo. Revela-se hipersensível, muito recep­ tivo com os outros e seu contexto vital, é freqüente angustiar-se sem razão, ví­ tima de uma imaginação sonhadora e descontrolada que o induz a "auto-su¬ gestionar-se", a criar ilusões ou ali­ mentar medos irracionais, que esconde quase sempre por trás de um sorriso en­ cantador de boa pessoa. Sua sensibili­ dade está repleta de emoções felizes ou infelizes, que o induzem a exagerar suas alegrias ou a dramatizar seus desgos­ tos. E intuitivo, inspirado e possui às vezes um autêntico dom de premo­ nição.

A

mulher com a Lua em Peixes vive sua feminilidade com an­ gústia. Por esta razão aspira a ser protegida, amada, compreendida e sua grande habilidade para en­ contrar um contexto que lhe dê segurança e ao qual se adaptará. Falta-lhe sentido prático e de dis­ cernimento, mas é bastante in­ tuitiva e muito bondosa.

/ps Palavras-chave: sensibilidade Lft& ^"" ^ inibida ou controlada pela razão, falta de imaginação, prudência, melancolia, obstinação, frieza.

jp> Palavras-chave: sensibilidade Lfifi ** ' hiperemotiva, receptividade psíquica, imaginação lírica ou doentia, angústia, indolência, preguiça.

Mercúrio nos signos do Zodíaco (I)
Em um mapa astral, a posição de Mercúrio informa sobre a expressão e a manifestação da inteligência do indivíduo.

$

MERCÚRIO EM ÁRIES

T

$

MERCÚRIO EM TOURO

£)

£

MERCÚRIO EM GÊMEOS

H

Esta posição de Mercúrio revela que se trata de um indivíduo de espírito en­ tusiasta, lutador, apaixonado, mas a quem falta perseverança na expressão de seus pensamentos. Por esta razão tende a ter idéias fixas, a obstinar-se para, fi­ nalmente, mudar bruscamente de ponto de vista. O ideal é que possa passar, de forma imediata, das intenções, con­ cepções ou intuições fulgurantes aos atos. Do contrário, desanima-se ou co­ mete erros de apreciação por culpa da impaciência, ou porque encara as coisas a curto prazo. Pode mostrar-se muito curioso, desviar seu espírito para inú­ meros centros de diferentes interesses. Embora para ele alguns sejam mais in­ teressantes que outros, raramente se dá o trabalho de se aprofundar em alguns deles e tem dificuldades em se concen­ trar em uma mesma idéia. g* Palavras-chave: necessidade ^ de transformar suas idéias em fatos rapidamente, curiosidade ativa, espírito lutador, militante e idealista, in­ teligência visionária, inconstância ou in­ coerência intelectual, suscetibilidade.

Mercúrio neste signo nos mostra um indivíduo de sólida sensatez, de espírito prático e realista bem ancorado na rea­ lidade material. Seus reflexos intelec­ tuais quase sempre são lentos. Necessita de tempo para assimilar e compreender todos os dados de um problema, mas a compreensão é algo que traz dentro de si, pois do momento que tem a chave de um problema não o abandona nunca. Pode chegar até mesmo a ser cabeçadura e obstinado, recusando repetidas vezes qualquer reavaliação de suas idéias e convicções, ao ponto de não haver ma­ neira de fazê-lo ver que existem outras formas de enfocar as questões, além das que se aferra a defender. Gosta dos con­ ceitos simples, sem complicações, o que pode ser demonstrado, provado com fatos, idéias construtivas das que pode tirar algum proveito. ir* Palavras-chave: inteligência " prática, espírito materialista, lenta capacidade de reflexão, tranqüilo, capacidade de concentração que favo­ rece a realização das idéias, certezas in¬ quebrantáveis, obstinação.

Aqui, estando Mercúrio em seu domi­ cílio, a inteligência se destaca livremente neste indivíduo, que dá mostras de uma curiosidade intelectual aguçada, uma ex­ trema agilidade mental, e que em cer­ tos casos se caracteriza por uma ativi­ dade mental incessante, que usa com nervosismo. Possui um espírito crítico e sarcástico que o faz um permanente provocador. Sua distância natural atra­ vés do humor tende quase sempre a afastá-lo da realidade, como se fosse um privilegiado espectador de sua própria vida e de seus atos. Esta forma de in­ teligência cria em seu caráter uma es­ pécie de inconformismo intelectual, que nem sempre encaixa com seu estilo de vida. Em todo caso, é sociável, astuto, sagaz e, às vezes, muito hábil em sua ex­ pressão verbal ou escrita, em transmitir e comunicar. f^ Palavras-chave: inteligência ** brilhante, aguçada, curiosi­ dade intelectual, espírito crítico, cáus­ tico e satírico, mordaz sentido de humor, atividade mental, dispersão, in­ solência, nervosismo.

5

MERCÚRIO EM CÂNCER £ p

5

MERCÚRIO EM LEÃO

£\

5

MERCÚRIO EM VIRGEM

Tfl?

O indivíduo que tem Mercúrio situado neste signo de seu mapa astral possui um espírito sonhador, meditativo, con­ templativo, que estimula suas intuições, fazendo com freqüência referência à memória, excelente neste ser, como era de se suspeitar. Em conseqüência, tudo que se refere ao passado, tanto o seu como o da comunidade onde vive, lhe fascina profundamente. Assim, sua in­ teligência se fixa em suas lembranças. Submerge-se em suas emoções e sen­ sações, tirando delas uma autêntica ima­ ginação criativa ou fantasia descontro­ lada, irracional, um mundo próprio, um jardim secreto que não abre facilmente aos demais. De fato, sente a necessidade de sintonizar com os pensamentos dos outros. Às vezes, adota uma atitude mental defensiva e desconfiada, tradi­ cionalista c sectária. Palavras-chave: espírito sonhador, meditativo, inteli­ gência passiva, sensitiva e dispersa, ex­ celente memória e grande interesse pelo passado e pelas lembranças, criatividade, candura infantil e fanatismo. /«^

Em um mapa astral, quando Mercúrio está presente neste signo, tratamos com um indivíduo de espírito brilhante, claro, mas com freqüência sem profundidade. Não é que não dê mostras de um espí­ rito nobre e generoso, com elevadas as­ pirações intelectuais, mas suas faculda­ des mentais quase sempre estão a serviço de seu amor próprio ou são empregadas para valorizar suas próprias capacidades. De maneira que está freqüentemente bem equipado para apropriar-se das boas idéias dos outros, monopolizá-las, de­ fendê-las ou fazê-las suas com tanta con­ vicção que tende a se considerar seu autor. Gosta das grandes frases, dos belos discursos, dos efeitos de estilo e, princi­ palmente, ter a última palavra. Tem vontade de saber compreender, mas falta-lhe com freqüência humildade para consegui-lo. Palavras-chave: espírito brilhante, expressivo, domina­ dor, paternalista, idéias nobres e gene­ rosas, ambições intelectuais, falta de objetividade e espírito crítico, ponto de vista superficial. l^

Mercúrio, presente no segundo signo, do qual é regente, nos coloca diante de um indivíduo cujo espírito se concen­ tra nos detalhes práticos, imerso na re­ alidade material e moral da vida de cada dia. Utiliza suas faculdades cerebrais e todas suas pequenas células cinzentas para satisfazer sua necessidade de ordem, método, organização e análise, para re­ solver enigmas, buscar e encontrar o erro ou pôr em prática, ponto por ponto, suas teorias e idéias. Gosta tanto das pergun­ tas e dos problemas quanto das respos­ tas e das soluções. Sua grande capacidade de discernir agudiza seu espírito crítico e autocrítico. Em conseqüência é com freqüência tímido, introvertido, inquieto, meticuloso, perfeccionista ou maníaco, duvida de si mesmo e dos demais, assim como da vida em geral. É sério, porém possui certo humor de grande finura. Palavras-chave: espírito crítico e autocrítico, gosto para a análise, o estudo, a reflexão, inte­ ligência metódica, capacidade de dis­ cernimento, introversão, dificuldade para comunicar, dúvidas. «^

Mercúrio em Gêmeos e em Virgem
Mercúrio tem seus domicílios diurno e noturno em Gêmeos e em Virgem. Em outras palavras, em ambos os signos Mercúrio está em sua casa. No entanto. Mercúrio em Gêmeos orienta seu espírito para os outros para descobrir-se a si mesmo, como em um jogo de espelhos. Por outro lado. Mercúrio em Virgem centra seu espírito sobre si mesmo para diferenciar-se dos demais. Mercúrio em Gêmeos une e comunica. Mercúrio em Virgem divide e calcula.

Mercúrio nos signos do Zodíaco (II)

S

MERCÚRIO EM LIBRA

=2=

$

MERCÚRIO EM ESCORPIÃO

\ £

MERCÚRIO EM SAGITÁRIO •/

O indivíduo que tiver Mercúrio neste signo de seu mapa astral revela uma in­ teligência sutil, refinada, um espírito prático e crítico, seletivo e perfeccio­ nista. Nele, a noção de escolha é muito importante. Nunca toma uma decisão sem ter estudado todos os aspectos de um problema. Calcula profundamente os prós e os contras. Em todo tipo de circunstâncias, busca o meio termo, a justa solução do meio, a solução per­ feita. Em conseqüência, mostra-se sem­ pre sociável e simpático. O indivíduo com Mercúrio em Libra possui uma grande capacidade de abs­ tração que agudiza seu sentido crítico, sua objetividade e estimula sua facul­ dade de observação. N o entanto, às vezes peca por indecisão, outras por ser meticuloso em seu desejo de escolher o melhor. Pode se deixar in­ fluenciar pelas idéias ou opiniões dos demais. go Palavras-chave: mente refi­ nada, espírito seletivo e crí­ tico, gosto pela ética e pela estética, busca do ponto médio exato, sentido do termo intermediário, sociabilidade, meticuloso, formalismo, perfeccio­ nismo.

O indivíduo com Mercúrio situado nes­ te signo possui uma inteligência instin­ tiva que excita sua curiosidade, sua sede de conhecer e saber, de refletir e apro­ fundar, experimentar e indagar na rea­ lidade até suas raízes. Dá mostras de um espírito basicamen­ te inconformista, muitas vezes provo­ cador ou criador de complicações, e gosta de dizer mentiras para descobrir a verdade. Pode ser um estrategista aguçado e che­ gar a dividir para reinar através de sua inteligência, exercendo assim uma sutil influência em seu meio. É um destruidor de ilusões, que aspira a ir mais além dos falsos pretextos, ul­ trapassar o mundo das aparências, che­ gar até o fundo das coisas. Por isso, estes indivíduos manifestam um espírito rebelde ou se mostram des­ confiados e agressivos, pelo menos ver­ balmente. Palavras-chave: inteligência instintiva, espírito penetran­ te, inconformismo, curiosidade aguçada, busca do desconhecido, dom da premo­ nição, gosto pela estratégia, a exploração, crítica destruidora, recusa de qualquer concessão. ^

Mercúrio no signo de Sagitário nos situa diante de um nativo equipado com uma inteligência cheia de boa von­ tade, mas tingido de ingenuidade, ge­ nerosidade e possuidor de uma grande tolerância. Seu espírito tende mais para o simplista no sentido de que não é receptivo aos conceitos demasiado complexos nem às idéias complicadas. Por outro lado, está interessado em tudo que é suscetível de ampliar seu hori­ zonte cultural e social e pode favore­ cer sua necessidade de evasão e de aven­ turas, o interesse pelo mais alto. Seu espírito é, portanto, decididamente otimista, expressivo, epicúrio, disposto, aberto às idéias dos outros com a con­ dição de que os intercâmbios que sur­ jam a partir delas sejam simples e es­ pontâneos. Aprecia muito as relações de boa ca­ maradagem, porém às vezes o enganam. jffr Palavras-chave: inteligência cheia de boa vontade, espí­ rito cândido, ingênuo, otimista, às ve­ zes muito simplista, comportamento humano e generoso, recusa dos pro­ blemas e complicações, jogo duplo, en­ ganoso.

§ MERCÚRIO EM CAPRICÓRNIO
A inteligência do indivíduo que tem Mercúrio situado neste signo, em seu mapa astral, é regido pela razão e pelo sentido lógico. Em conseqüência as qualidades do es­ pírito tendem ao racionalismo. Esti­ mulam a lucidez, a capacidade de con­ centração, a faculdade de discernir, a perseverança, a seriedade e a tenacidade. Assim, neste espírito lógico, cético, cal­ culista, metódico e disciplinado, não resta muito espaço para humor e fan­ tasia. Por outro lado, as opiniões e convicções que este nativo adquire de forma lenta porém segura, depois de muita reflexão, são inquebrantáveis. N o entanto, de­ masiado rigor pode endurecer seu ca­ ráter, deixando-o frio e distante, in­ transigente e fatalista. ^ Palavras-chave: inteligência ** racional, espírito concreto, lúcido, cético, metódico, grande capa­ cidade de concentração, rigor moral, ra­ ciocínio lógico, intransigência, pessi­ mismo, fatalismo.

$

MERCÚRIO EM AQUÁRIO

^

S

MERCÚRIO EM PEIXES

H

Neste signo Mercúrio nos indica uma inteligência dócil, variável e dinâmica, a de um indivíduo que, de uma forma ou de outra, distingue-se sempre por sua maneira de refletir c pensar. De fato, estamos diante de um espírito relativista, apaixonado pelos paradoxos, abundante em pensamentos e idéias originais, as quais muitas vezes reivin­ dica e outras vezes levam-no a impli­ car-se, a militar e lançar-se em aven­ turas sociais, intelectuais ou culturais inovadoras e vanguardistas, a estudos, investigações ou experiências que saem do normal. Ao saber combinar a lógica, a intuição e concentração, situando-se em um plano completamente novo ou inédito, sua cu­ riosidade aguçada traduz-se às vezes em instabilidade mental. ^ Palavras-chave: inteligência ^ ^ adaptável c indomável, in­ tuitiva e lógica ao mesmo tempo, gosto pelo paradoxo e pela contradição, es­ pírito livre, curioso, instável ou rebelde, maquiavelismo, indisciplina.

A inteligência do nativo com Mercúrio situado no último signo do Zodíaco de seu mapa astral é essencialmente intui­ tiva e inspirada, algumas vezes enri­ quecida, outras vezes afogada em seus ataques sentimentais incontroláveis, nos quais cai permanentemente. Em conseqüência, nesta configuração, o espírito pode ser arrastado tanto por ondas de entusiasmo, fé e amor puros, imerso nas visões e justas intuições, como pode deixar-se levar, sem re­ sistência, por seus medos irracionais e sem fundamento, suas crises de melan­ colia, de tristeza e fatalismo. Na maioria das vezes vai de um extremo a outro, o que explica sua necessidade de ser compreendido, mas ao mesmo tempo amado c apreciado por suas idéias, o que lhe faz suscetível e temeroso. Palavras-chaves: inteligência intuitiva c inspirada, espírito secreto, romântico, necessidade de sen­ tir-se em sintonia intelectual e moral com os outros, dom de premonição, medos, angústias, ilusões. rf=çy

Pensar ou refletir?
"Pensar" e "pesar" têm uma etimologia comum em latim, pendem, que significava "pender, estar suspenso", enquanto que "re­ fletir" deriva de reflectere, que tinha o sentido de "encurvar" ou "curvar para trás". De modo que o fato de pensar implica uma suspensão, um estado de receptividade e abandono; por outro lado, refletir implica um retorno ou volta a si mesmo. Evidente­ mente, pensar e refletir pertencem ao domínio da inteligência, precisamente, de Mercúrio. No entanto, pensar nos remete às influências diretas ou indiretas da Lua e Netuno (Mercúrio em Cân­ cer ou em Peixes, por exemplo), enquanto que refletir está em re­ lação com as qualidades próprias de Saturno e Urano (Mercúrio em Capricórnio e em Aquário, por exemplo).

Vênus nos signos do Zodíaco (I)
Observando a posição de Vênus, o astro do amor, no mapa astral, o astrólogo está em condições de compreender como um ser vive seus sentimentos e quais são suas verdadeiras motivações, duas características que ninguém pode negar que são essenciais.

9

VÊNUS EM ÁRIES

T

9

VÊNUS EM TOURO

Q 9

VÊNUS EM GÊMEOS

J[

O indivíduo com Vênus neste signo em seu mapa astral projeta-se total­ mente no ser amado, pondo nele toda sua personalidade, jogando tudo, quase sempre com obsessão. E o faz subli­ mando seus sentimentos ou o ser ob­ jeto deles, ou então negando fazer qualquer concessão ou conflito de seus desejos imperiosos, impulsivos e pri­ mários. Suas emoções são muito ar­ dentes. Sobem-lhe à cabeça e conver­ tem-se com freqüência em idéias fixas. Suas motivações são espontâneas, ime­ diatas, fulgurantes, mas submetidas a ataques de entusiasmo seguidos de cri­ ses depressivas, decepções brutais e rupturas. Uma atitude como esta pode, evidentemente, provocar uma instabi­ lidade emocional ou também falta de constância. jFb Palavras-chave: amor à pri­ meira vista, sublimação dos sentimentos, motivações impulsivas, impetuosas, ardentes, inconstantes, en­ tusiasmos excitados e apaixonados, risco de instabilidade sentimental.

O indivíduo de Vênus situado neste signo em seu mapa astral tem motivos saudáveis e sentimentos simples e na­ turais. Possui uma natureza muito sen­ timental, um temperamento sensual e sôfrego. É basicamente fiel no amor, posses­ sivo. As emoções que sente em relação aos seres queridos podem torná-lo tei­ moso e ciumento. Em relação a eles, adota uma atitude que provém de uma mistura sutil de egocentrismo e de­ dicação. De fato, não suporta as mudanças e não sabe quebrar. Aspira a viver em condições confortáveis, a procurar uma segurança material que lhe per­ mitirá viver com toda a tranqüilidade. Pode ser emocionalmente muito vul­ nerável.
<p\ Palavras-chave: sentimen­

O indivíduo com Vênus situado neste signo em seu mapa astral tende a viver seus sentimentos com uma certa le­ veza, sem ser por isso infiel. Na rea­ lidade, gosta de entregar-se aos jogos do amor, flertar, gostar, de ser encan­ tador ou de viver relações que lhe per­ mitam não se comprometer totalmente e tirar assim proveito deste dom que possui, de ser ao mesmo tempo ator e espectador privilegiado de suas vá­ rias emoções e das reações que suscita. Procura-se quase sempre no olhar do outro. É mais hábil em fazer-se querer do que em querer. Racionaliza seus sentimentos e emoções a tal ponto que, às vezes, lhe custa entregar-se. Esconde também profundas frustra­ ções afetivas sob uma aparência de des­ preocupação. jfh Palavras-chave: sentimentos múltiplos, emoções ins­ táveis e variadas, gosto pelo jogo amo­ roso, encanto, necessidade narcisista de amar e ser amado, suscetibilidade, falta de escrúpulos.

tos muito saudáveis, natu­ rais, sensualidade, gula, motivações simples, comodidade, ingenuidade, sentimentalismo, ciúmes, muita pas­ sividade.

Ç

VÊNUS EM CÂNCER

<3 9

VÊNUS EM LEÃO

S\ 9

VÊNUS EM VIRGEM

HJ?

O indivíduo com Vênus situado neste signo em seu mapa astral mostra sen­ timentos ternos e afetuosos, mas não pode evitar ficar angustiado. Por isso tende a alimentar uma certa nostalgia de seu passado, especialmente emoções e sensações intensas que sentiu um dia, que gravou em sua memória para as idealizar sempre e que quer prolongar eternamente. Por isso, suas motivações raramente o projetam para o futuro. Na maioria das vezes faz referência ao seu passado e levam-no a sonhar, a viver simultaneamente com medo e com esperança. Às vezes, para ele, ale­ gria e sofrimento manifestam-se no mesmo momento. O indivíduo nunca consegue não fazer caso de seus senti­ mentos. Palavras-chave: grande necessidade de ternura e doçura compartilhada, sentimentos de temor; mas muito possessivos, sensualidade in­ tensa e apurada, vulnerabilidade, de­ pendência, incapacidade em desligar-se. «t)

O indivíduo com Vênus neste signo em seu mapa astral sente a grande ne­ cessidade de viver sentimentos nobres e generosos, amores que fujam do vul­ gar, relações um tanto exibicionistas ou relevantes. Quer conquistar ou ser conquistado, amado e admirado in­ condicionalmente. Gosta do fausto amoroso, das proezas, dos detalhes. A tal extremo que se deixa levar por este jogo ou abusar dele. Não suporta o fra­ casso amoroso; às vezes prefere re­ nunciar a uma relação a correr o risco de ser traído. De fato, mostra-se às vezes exclusivo e até tirânico com o ser amado. Por isso, suas motivações, evi­ dentemente, escapam do habitual, mas podem levá-lo a cometer excessos ou erros. Palavras-chave: sentimentos generosos, dominadores, exclusivos, leais, nobres, necessidade de amar, de admirar e ser amado e admi­ rado, motivações ambiciosas, falta de emoção e de sinceridade. «.

O indivíduo com Vênus neste signo em seu mapa astral é basicamente muito reservado na expressão de sus sentimentos, dos quais desconfia sem­ pre. Por isso, para acalmar suas incer­ tezas ou compensar sua tendência para analisar suas emoções e sensações sem parar, às que ainda não se entrega, deixa-se levar pelos excessos e pela de­ sordem amorosa, os quais, porém, não o satisfazem plenamente, pois mais cedo ou mais tarde não conseguirá evi­ tar seu grande sentimento de culpa. Assim, passa muitas vezes da sensatez à loucura amorosa sem transição. Por isso, parece metódico, organizado e in­ clusive seletivo na escolha de suas mo­ tivações, mas na realidade nunca está seguro de nada neste aspecto. ip. Palavras-chave: sentimentos discretos, subserviência, incertezas afetivas, ataques de loucura amorosa, sentimentos de culpa, in­ dulgência, incapacidade para mudar de comportamento.

Vênus e os escritores
Aqui estão as opiniões sobre o amor de alguns autores famosos, acerca dos quais lhe indicamos a posição de Vênus em seu mapa astral: Charles Baudelaire (Vênus em Áries): "0 que o amor tem de mal é que é um crime no qual não podemos evitar ter um cúmplice." Marguerite Yourcenar (Vênus em Câncer): "0 amor é um castigo. Castigam-nos por não termos conseguido continuar sozinhos." Marcel Proust (Vênus em Leão): "No amor, é mais fácil renunciar a um sentimento do que perder o costume." Paul Valéry (Vênus em Virgem): "0 senhor Teste, por outro lado, acha que o amor consiste em sermos tolos juntos."

Vênus nos signos do Zodíaco (II)

9

VÊNUS EM LIBRA

=2=

9

VÊNUS EM ESCORPIÃO

\ 9

VÊNUS EM SAGITÁRIO

/

O indivíduo que, em seu mapa astral, tem Vênus neste signo, é dotado de grande encanto, de uma graça sutil que sabe potenciar c revalorizar com acerto e que o torna muito atraente e muito agradável em sociedade. Suas motivações, como suas emoções, passam muitas vezes pelo filtro do seu espírito lúcido e seletivo, que pode re­ velar uma certa indecisão nas escolhas feitas por seu coração, mas também um considerável refinamento, justeza nos sentimentos e um sentido natural e be­ néfico da justiça, da equidade, de uma ética que se baseia em uma necessidade de equilíbrio afetivo e harmonia nas re­ lações. Por isso, para ele, a espera do amor é mais motivante que o próprio ato de amar e esta atitude o leva a ser perfec­ cionista ou idealista, mostrando-se in­ fluenciável ou inconstante em suas re­ lações amorosas. Palavras-chave: encanto, graça, muita sutileza, refi­ namento, sociabilidade, sentimento de justiça, lucidez afetiva, procura de re­ lações amorosas equilibradas e har­ moniosas, perfeccionismo, falta de es­ pírito de decisão, inconstância e infidelidade. fit,

O indivíduo que, em seu mapa astral, tem Vênus neste signo, tem sentimen­ tos intensos e atormentados pelos ím­ petos e pelas repulsas viscerais, instin­ tivas, incontroláveis. É o tipo de pessoa que ama, quer ou não quer, aceita tudo do outro ou rejeita-o como um todo sem poder explicá-lo. A permissividade amorosa vem para­ doxalmente em continuação à possessi­ vidade extrema. O indivíduo em ques­ tão ama sem julgar previamente. Faz uso do seu poder de sedução e encanto, tal­ vez por pena, pois os sentimentos apai­ xonados e suas relações passionais são acompanhados de uma certa ingenui­ dade e inocência. Sua sensualidade provocadora torna-o muito atraente, sua necessidade de fusão carnal e de posse fazem dele um ser ex­ clusivo e excessivo. Às vezes falta-lhe serenidade em sua vida amorosa, que é capaz de questionar inteiramente de um dia para o outro. Palavras-chave: sentimentos instintivos, relações apai­ xonadas, sensualidade intensa e pro­ vocadora, ímpetos e repulsas físicas incontroláveis, gosto pela sedução e in­ genuidade no amor, ciúme, rancor, vin­ gança. /p\

Quando, em um mapa astral, Vênus se encontra neste signo expansivo e ge­ neroso, trata-se de um ser de senti­ mentos simples, espontâneos, otimis­ tas, sem complicação. Este indivíduo aprecia a lealdade, a fran­ queza, as relações amorosas aprazíveis, tranqüilizantes, baseadas em uma con­ fiança total mútua. As emoções que sente são tão naturais, suas motivações são em si tão fáceis de compreender, que chega a duvidar de sua autenticidade ou então, precisamente, pecam pelo sim¬ plismo, ingenuidade ou credulidade. A nobreza de sentimentos e o coração aberto são, portanto, as grandes quali­ dades desta posição afortunada de Vênus. N o entanto, este indivíduo pode ter um certo gosto pela aventura ou pelo jogo duplo amoroso, que saberá dissimular perfeitamente, ou então pode ter ten­ dência para explorar os sentimentos dos outros em seu próprio interesse. Palavras-chave: generosidade, simplicidade e nobreza de sentimentos, integridade no amor, gosto por partilhar suas emoções, can­ dura amorosa, rejeição ou repulsa pelos problemas afetivos, necessidade de aventura, vida dupla. /Ph

9

VÊNUS EM CAPRICÓRNIO

^

9

VÊNUS EM AQUÁRIO

22

9

VÊNUS EM PEIXES

K

O indivíduo em cujo mapa natal Vênus se encontra neste signo governado por Saturno pode considerar-se um asceta do amor. Ama pouco, mas de uma maneira pro­ funda e duradoura. Na vivência de seus sentimentos, tanto como nas emoções que sente ou nas motivações que o ani­ mam, vai ao essencial: é céptico, tal­ vez melancólico ou pessimista, mas sempre sério e dono de si mesmo. Isso provem do fato de, nele, muitas vezes a razão ou a lucidez se imporem aos seus sentimentos e emoções. O indiví­ duo em questão não é demonstrativo, mas possui um profundo sentido de dever e dos seus compromissos de ordem afetiva. Levada ao extremo, esta configuração talvez enfrente uma inibição ou uma re­ jeição dos sentimentos, um comporta­ mento egoísta, desconfiado, frio, que dissimula uma profunda tristeza inte­ rior e, na pior das hipóteses, uma secura e uma dureza de coração. pr*\ Palavras-chave: sentimen­ tos escassos, profundos, se­ letivos, essenciais, tenazes, relações amo­ rosas duradouras, domínio das emoções, melancolia secreta, rejeição de todo o compromisso afetivo, frieza, dureza de coração.

Vênus nesta posição revela um ser em quem os sentimentos inconformistas e desenvoltos não excluem uma grande emotividade, uma necessidade de con­ solo e afeto. Esta configuração costuma apresentarse como a do amor libertino. Embora seja certo que torna o indivíduo audaz, surpreendente, original ou singular em sua maneira de amar, não implica menos uma forma de compromisso sutil, pro­ funda, infalível, tanto se a exprimir ou a manifestar de uma maneira paradoxal. Por isso, é fundamentalmente fiel aos seus afetos, mas, aos seus olhos, é na­ tural que sejam múltiplos e, talvez, si­ multâneos. São sempre acusados de to­ lerância, de mãos abertas, de indulgência, de solidariedade e permissividade. Sem dúvida que daqui resulta um cará­ ter muito emotivo ou, pelo contrário, desapegado de toda a espécie de emoção, que torna o indivíduo incoerente, ins­ tável ou hostil às obrigações em seu comportamento amoroso. Palavras-chave: impulsivi­ dade no amor, sentimentos dinâmicos, inconformistas, adaptáveis, permissivos, caráter simpático, indul­ gente com ele e com os outros, gosto pela aventura do momento, instabili­ dade afetiva. ^

Os sentimentos do indivíduo que tem Vênus no último signo do Zodíaco estão imersos em profundos e misteriosos re­ demoinhos emocionais que os inten­ sificam, os dilatam ou exaltam. De qualquer forma produz-se sempre uma sublimação de sentimentos, de emoções, dos impulsos amorosos, que o cegam ou o levam a dar uma dimensão pouco habitual, romântica, idealista ou talvez religiosa ou mística. Pode, por­ tanto, ter tendência para considerar o amor como um fim em si mesmo ou simplesmente para se apaixonar pelo amor. Neste caso, seu comportamento afetivo nem sempre é honesto pois, ape­ sar de si mesmo e em qualquer cir­ cunstância, quer fazer-se amar, mas muitas vezes falta-lhe discernimento na escolha dos seus pares. Daí que os riscos de desordem amo­ rosa ou sensual, de crises passionais, decepções sentimentais ou de fantas­ mas e auto-enganos sejam sempre pos­ síveis. g^ Palavras-chave: sentimen­ tos profundos, motivações idealistas, fusão amorosa e sensual, ro­ mantismo e sentimentalismo, negação de si mesmo, sede do absoluto, angús­ tia, desespero, excesso de sensibilidade, cegueira amorosa.

Marte nos signos do Zodíaco (I)
Marte em um mapa astral nos revela o poder de ação e de afirmação de um indivíduo. O espírito combativo, o desejo e a projeção face ao futuro são também o âmbito de Marte.

Cf

MARTE EM ÁRIES

^p

Cf

MARTE EM TOURO

Q

Cf

MARTE EM GÊMEOS

Marte está aqui no primeiro signo do Zodíaco que, simbolicamente, repre­ senta o entusiasmo do primeiro impulso face à vida e ao futuro. Por isso, o in­ divíduo que tem Marte em Áries revela certas características próprias do nativo deste signo: entusiasmo inicial, sem dú­ vida, mas também um temperamento audaz, ardente, impulsivo, impaciente, imprudente, estimulado por uma ne­ cessidade de ação interminável e que se recarrega sem cessar. Sente uma ne­ cessidade vital de reafirmação ao ponto de, se outros fatores inscritos no mapa astral do indivíduo em questão revelam que está contrariado ou impedido, suas forças energéticas se sobrecarregam e o consomem em fogo lento. Precisa fre­ qüentemente de continuidade em seus atos, é fundamentalmente individualista e não tem talento para equacionar os ris­ cos que corre. Palavras-chave: capacidade de ação, audaz, impulsivo e entusiasta, individualismo, reafirmação imediata de si mesmo, necessidade de ação, de representar o papel de chefe, suscetibilidade, crises de depressão, im­ prudências. g=iv_

Marte no domicílio de Vênus nos coloca em presença de um indivíduo dotado de uma certa força tranqüila, de uma capa­ cidade de ação serena, atento, constante, lento, realista, prudente mas muito per­ severante. Pode também revelar-se for­ temente obstinado, teimando com per­ tinácia, pode demonstrar um valor e uma paciência tais que consegue ultrapassar os obstáculos, vencer as dificuldades com o tempo. Possui todas as qualidades e todas as fraquezas dos teimosos a quem nada interessa, mas que nada querem compreender. Por isso, é muitas vezes importante fazê-los mudar de opinião. Sua auto-afirmação costuma passar por uma conquista ou uma realização na vida material e concreta. Só atua se se sentir seguro ou se for para obter uma maior comodidade. Por este motivo, é às vezes protecionista, intolerante e adota um modo de ação unilateral e inamovível. jr}> Palavras-chave: sã capaci­ dade de ação, sereno, cons­ trutivo, lento mas perseverante, força tranqüila, valor, paciência, capacidade de trabalho, bruscos ataques de ira, obs­ tinação pertinaz, intolerância, incapaci­ dade de mudança.

N o signo do Zodíaco em que Mercúrio é dominante, a presença de Marte supõe um feliz estímulo para as faculdades ce­ rebrais. U m indivíduo que corresponda a esta configuração possui boas quali­ dades para traduzir e transmitir ativa­ mente suas idéias, suas teorias e seus conceitos. Porém, já que sua capacidade de ação é cerebral, é mais dotado para se afirmar intelectualmente do que para se impor fisicamente aos outros, o que torna susceptível, mas também mais hábil de palavra do que de ação. Possui realmente sentido de discurso, de co­ municação ativa, da polêmica, c con­ segue ser muito persuasivo. Agrada-lhe ser verbalmente cortante, de réplica imediata e adora militar por ideais ou por ideologias. Não obstante, pode ser vítima de uma atividade cerebral inces­ sante, que se tornará muito desgastante pare seus nervos. Palavras-chave: capacida­ de de ação cerebral, enge­ nhoso, militante, auto-afirmação inte­ lectual, dom de persuasão, habilidade verbal, suscetibilidade para as questões de amor próprio, constância e, às vezes, obsessão. ff=is

Ç?

MARTE EM CÂNCER

S>

(f

MARTE EM LEÃO

£\ Cf

MARTE EM VIRGEM

jJJ?

Perdido no universo lunar deste signo sensível, a capacidade de ação do indi­ víduo que tem Marte em Câncer toma a forma de uma sutil atitude de auto­ defesa que também esconde bruscos movimentos de violência interiorizada. N o entanto, muitas vezes o indivíduo em questão evita recorrer à força para se afirmar ou, muito simplesmente, re­ nuncia. E necessário que se sinta em um contexto acolhedor ou em uma presença de certas pessoas ao seu redor para exer­ cer sua influência sobre as circunstân­ cias, agir, empreender, ousar. Compensa então o seu medo ou a sua negativa para atuar com uma tenacidade de uma in­ tensidade rara, com uma atitude feroz­ mente conservadora, negando-se obsti­ nadamente a toda a perspectiva de mudança, o que pode levar por sua vez ao fanatismo. E isto que o leva a ali­ mentar grandes rancores. jpfr Palavras-chave: capacidade *"" de ação temerosa, na defen­ siva, clara tendência para renunciar a afirmar-se, rejeição da luta, tenacidade, temperamento conservador e falta de energia.

Neste signo governado pelo Sol, Marte estimula a vontade instintiva do indi­ víduo, que se torna ativamente domi­ nante. Assim, nos encontramos face a um ser muito enérgico, franco, direto, para quem a capacidade de ação é fre­ qüentemente um modo de expressão preponderante da personalidade. Ao ter uma consciência exata do momento imediato no qual se sente espontânea e plenamente integrado, e que domina perfeitamente, atua do mesmo modo que respira, sua afirmação é nele evi­ dente e fácil. Por outro lado, não aceita nem por um só instante que se dis­ cuta o direito a impor-se aos outros, com uma segurança e uma generosi­ dade que não excluem certos excessos em forma de exibicionismo. Audaz, é às vezes presunçoso, sente predileção pela conquista, pelo triunfo e é muito exclusivo. jPh Palavras-chave: capacidade *** de ação enérgica, tempera­ mento ardente, audaz, exibicionista, or­ gulhoso, autoritário e suscetível, força que se impõe, impaciência, intran­ sigência.

N o segundo domicílio de Mercúrio, Marte indica que a capacidade de ação do indivíduo tem tendência para se fechar sobre si mesma e se abrir só em caso de absoluta necessidade. Isto é o que acon­ tece, pois nos encontramos na presença de um ser que detesta tanto os atos gra­ tuitos, como toda a perspectiva de mu­ dança em seu comportamento ou em seu modo de vida. Não é de estranhar que neste signo a auto-afirmação se revele, senão inibida, pelo menos retida, anali­ sada, e que o indivíduo sinta necessidade de justificar todos seus atos. Assim, antes de agir, calcula, avalia, suas possibilida­ des e espera o melhor momento; o que, no final das contas, o transforma em um indivíduo muito eficaz. Entretanto, é também muito crítico, muito exigente, perfeccionista e suscetível, até mesmo maníaco, repressivo ou depressivo. Às vezes, sofre de complexos de culpa.
IP^ ^ Palavras-chave: capacidade de ação útil, calculista, não

corre nenhum risco, temperamento conservador, depressivo, capacidade ou gosto pelos trabalhos de precisão, su¬ bestimação da afirmação de si mesmo.

Marte, o homem e o animal
No animal, a agressividade provém do instinto de sobrevivência. Não se pode guardar rancor ao gato por caçar pássaros, nem ao leão por devorar uma gazela. No homem, a agressividade pro­ vém também do instinto, mas é sublimada, canalizada ou repri­ mida pela inteligência; por isso, a depender do signo ou da casa que Marte ocupe no mapa astral do indivíduo, podemos definir numerosos temperamentos agressivos diferentes. Podemos fazer o mesmo com os animais? Certas pessoas quiseram ver as ca­ racterísticas, as atitudes reveladas pelos astros em nossos ami­ gos animais. Se no animal o instinto é forte, o espírito é fraco e muito influenciável. E embora possamos levantar o mapa astral de um animal e observarmos que tem Marte em Touro, em Leão ou Capricórnio, continuaria a ser muito influenciável. Não tem nada a ver com o homem.

Marte nos signos do Zodíaco (II)

Cf

MARTE EM LIBRA

:£=

Cf

MARTE EM ESCORPIÃO

\ Cf

MARTE EM SAGITÁRIO

/

Não devemos nunca subestimar a ca­ pacidade de ação seletiva, porém infi­ nitamente precisa e exigente, revelada por este Marte. De fato, embora se en­ contre em detrimento neste signo, nem por isso deixa de ser uma força tanto mais eficaz que escolhe o melhor mo­ mento para se manifestar. Por isso, o in­ divíduo que tem Marte nesta configu­ ração sabe refletir e conter-se antes de agir, mas possui também uma deter­ minação lúcida animada por um desejo profundo de impor sua lei, sua ordem e suas escolhas. Sob uma aparência de concórdia e de uma flexibilidade com­ preensiva, pode sustentar firmemente entre suas mãos a espada da justiça, cor­ tar definitiva e radicalmente, e mostrarse implacável. Sabe também exibir um certo rigor, mas nunca comete excessos, não provoca revoluções e espera reu­ nir todos os elementos de que precisa para tomar posições ou fazer aquilo que deseja. Porém, muitas vezes, esta atitude roça a indecisão crônica. Palavras-chave: capacidade de ação lúcida, razoável, se­ letiva, reflexiva, escolhe o momento adequado para agir, sentido ativo dajus¬ tiça, da lei, da ordem, decisão implacá­ vel ou indecisão crônica. g*s

Como no signo de Áries, Marte aqui es­ tá em casa. Mas encontra um apoio em Plutão, o segundo regente do signo de Escorpião, que lhe confere intensidade, uma força interior, lúcida e concentrada, que podem tornar terrível o indivíduo . Sua capacidade de ação revela-se então secreta. É aparentemente calmo e tran­ qüilo. Na realidade é calculista, provo­ cador, "experimentador" e temerário, só correndo riscos calculados. Sem sequer aparentá-lo, exerce uma forte influên­ cia sobre o que o cerca, quer por sua ca­ pacidade de sedução quer explorando os pontos fracos de cada um. As dificul­ dades, os obstáculos, as situações de crise, estimulam-no e levam-no a su­ perar-se, a testemunhar às vezes um valor de uma beligerância insuspeitável. Este indivíduo é capaz tanto da maior paixão como do mais extraordinário de­ sapego. Por isso, a depender das ações com as quais se depare, pode reagir muito duramente, com muito sanguefrio, ser incisivo e definitivo. p^ Palavras-chave: capacidade l fir ^ * de ação secreta, profunda, visceral, provocadora, audaz, gosto pelo risco calculado, força combativa, inte­ riorizada, resistente e tenaz, falta de fer­ vor, violência fria.

N o nono signo do Zodíaco, que é o da expansão natural e da realização do ser — características próprias de Júpiter (seu regente) —, Marte revela um indivíduo com capacidade de ação expansiva e ge­ nerosa, mas também primordial para a expressão de sua personalidade e de sua felicidade. A força e a agressividade do ser afetado por esta posição de Marte são estimuladas pela combatividade e pela competição. Sente sempre a necessidade de impor-se aos demais, de uma ma­ neira pouco excessiva ou sufocante para seu meio. Age com espontaneidade, en­ tusiasmo, ingenuidade, mas peca mui­ tas vezes por excesso de zelo. Por que­ rer fazer tudo bem ou fazer o bem, chega freqüentemente a obter o resul­ tado inverso do que esperava. Este na­ tivo sente predileção pelo esforço físico, esgota suas energias. Finalmente, é pro­ penso a complicar as coisas simples ou a não se distanciar o suficiente nas si­ tuações que implicam um compromisso de sua parte. (Rs Palavras-chave: capacidade ^ de ação expansiva, generosa, combativa, gosto pela competição e pelos esforços físicos, otimismo, ca­ rinho, imprevisível na ação, impaciên­ cia, idealismo ativo.

C f MARTE EM CAPRICÓRNIO

^

Cf

MARTE EM AQUÁRIO

22

Cf

MARTE EM PEIXES

X

N o signo governado por Saturno, Marte nos põe em presença de um in­ divíduo em quem a capacidade de ação ganha em determinação audaz, em perspicácia, em lucidez c em perseve­ rança o que perde em ardor, calor e agressividade. É um ser razoável que mede o peso e o alcance de seus atos, e aspira a obter um máximo de eficácia. É mais dotado para os esforços prolongados e contidos do que para os ímpetos apaixonados, oti­ mistas, ou ações imediatas. Põe-se mui­ tas vezes na defensiva, sendo discreto, prudente, resistente e particularmente obstinado, ao ponto de nunca ceder até ver satisfeitos seus desejos ou alcançar o objetivo pretendido. Por outro lado, sabe desligar-se de toda a preocupação de ordem sentimental e emocional, o que pode lhe conferir uma grande du­ reza, um comportamento inflexível e frio, mas tornando-o muito dono de si mesmo. Palavras-chave: capacidade de ação baseada na au­ todefesa, determinação tenaz, perse­ verança, perspicácia nas ações, justa avaliação de suas possibilidades, ação prudente e ação a longo prazo, dureza, indiferença, ambição implacável. _

Marte está animado, eletrizado por Urano, o segundo regente deste signo. Mas as energias ativas do indivíduo que tem este astro em seu mapa as­ tral são controladas pela razão, orga­ nizadas, dominadas pelos elementos próprios de Saturno, o primeiro re­ gente de Aquário. Por isso, o ser em questão revela uma certa habilidade manual ou técnica inventiva, através da qual expressa sua capacidade de ação. É fundamentalmente enérgico, mas sua força é mais nervosa que mus­ cular. É muito agitado, capaz de exe­ cutar, e bem, várias atividades ao mesmo tempo, de tomar decisões rá­ pidas, de agir imediata e oportuna­ mente, fazer o que é devido no m o ­ mento adequado. Possui muitas vezes excelentes reflexos. Pode, no entanto, mostrar-se indisciplinado, instável, im­ pulsivo e imprudente, ferozmente hos­ til a toda a autoridade, ou então pode apresentar opiniões intolerantes. jf^ Palavras-chave: capacidade " de ação dinâmica, habilidade manual e técnica, excelentes reflexos, sentido da oportunidade na ação, des­ gaste do sistema nervoso, desgaste de energia, indisciplina, ímpetos perigo­ sos.

N o signo onde Júpiter e Netuno exer­ cem seu domínio, Marte revela um in­ divíduo que tem tendência a sublimar sua capacidade de ação. Por isso, a ação torna-se para ele um fim em si mesmo, ou então aspira ao ato supremo. Com freqüência, isto faz com que ele re­ nuncie à ação. Na realidade, suas ener­ gias ou são exaltadas, ou então aniqui­ ladas ou inibidas pelos redemoinhos emocionais intensos que podem, no entanto, revelar-se de uma maneira completamente imprevista e adquirir proporções de uma violência rara, pri­ mária, devastadora, como um verda­ deiro maremoto, arrasando tudo à sua passagem. Assim, graças à sua grande bondade, à sua intuição, que guiam todos os seus atos, este indivíduo sente prazer no desafio. É capaz de realizar sonhos impossíveis. Mas, por outro lado, pode mostrar-se suscetível, ter re­ ações passionais incontroláveis ou fazer um péssimo uso de suas forças. jps Palavras-chave: capacidade %jz d a s r d e ação secreta, profunda, mergulhada na emoção, sublimação de seus atos, gosto pelo desafio, pelo sonho impossível, sede do absoluto, estranhos recursos energéticos, suscetibilidade do­ entia.

Júpiter nos signos do Zodíaco (I)
A depender do local no mapa astral onde estiver localizado, Júpiter nos informa sobre a natureza da capacidade de expansão do indivíduo, de sua alegria de viver e da plenitude de sua personalidade.

1+

JÚPITER EM ÁRIES

^

1|

JÚPITER EM TOURO

Q

1+

JÚPITER EM GÊMEOS

J[

O ardor e o entusiasmo inerentes a este primeiro signo da Primavera, quando toda a natureza olha para o futuro em um mesmo impulso, quando tudo as­ pira a sair à luz do dia e a nascer, convertem-se aqui em calor expansivo. De maneira que se pecar por impaciência, se lhe faltar astúcia e discernimento, já que arde de desejos de viver a vida sob todas as formas e de obter satisfação tão depressa quanto possível, o indivíduo em questão dá sempre testemunho de uma vitalidade ardente e apaixonada, de­ cididamente otimista. Suas qualidades residem em sua franqueza, em sua natu­ reza direta e leal, em seu comportamento sem rodeios, às vezes um pouco duro ou sem colorido e sem tato. Tende a ado­ tar uma atitude moralista e paternalista, às vezes autoritária, para compensar por seus excessos ou imoderações. ,C=N Palavras-chave: capacidade lAftr ^ ^ de expansão empreendedora, entusiasta, ativo, impaciente, vitalidade ardente e apaixonada, invasor, alegria fí­ sica de viver, comportamento paterna­ lista, autoritarismo, excessos, desejos violentos, falta de matiz, caráter extro­ vertido.

O indivíduo com Júpiter neste signo re­ vela uma capacidade de expansão sau­ dável e natural, conforme as capacidades próprias do signo de Touro. Expande-se, portanto, sensual e sentimentalmente. Sente o prazer e o bem-estar de forma carnal. É um epicurista, mas também um ser cujo instinto de posse e de conser­ vação estão exaltados. Tem uma neces­ sidade visceral de se sentir seguro ma­ terial e sentimentalmente. Por isso é fiel, estável, dependente, é muito apegado aos seres que ama, aos seus prazeres, a seus hábitos e a seus bens. Aspira à concór­ dia, à paz, a levar uma vida tranqüila, sem história. Às vezes torna-se egoísta, mos­ trando-se ingênuo. Ou então mostra-se sistematicamente ávido. Ou pode até ser vítima de sua gula, que o sujeita a suas necessidades tanto como a seus desejos desenfreados. Palavras-chave: a priori, capacidade de expansão saudá­ vel, serena, produtiva, forte sensuali­ dade, calor sentimental, contato carnal com os outros, apaixonado pela vida c pelos prazeres, necessidade visceral de segurança, credulidade, egoísmo, inveja, gula. «N

A capacidade de expansão do indivíduo com Júpiter situado neste signo do Zodíaco centra-se mais sobre si mesma em lugar de se orientar para o mundo exterior. Por isso, existe sempre algo de narcisismo tanto em seu comporta­ mento, como na expressão de sua alegria de viver, que é um pouco teatral, porém faltando-lhe às vezes autenticidade ou espontaneidade. Por outro lado, as qua­ lidades de sociabilidade c simpatia saem reforçadas, mas acabam freqüentemente com um palavreado exuberante, ou então são a expressão de uma raciona­ lidade excessiva que proíbe todo o aban­ dono real à alegria de viver, ao bem-estar ou à felicidade. Em compensação, o ser em questão pode mostrar-se superficial e mundano ou desenvolto e exibicio­ nista, ou até mesmo egocêntrico e muito crítico com os outros. Jr* Palavras-chave: capacidade ^r^ ' de expansão lúcida e narci­ sista, grande capacidade de adaptação, sociabilidade, humor jovial, simpatia na­ tural, caráter juvenil que vive cm uma eterna Primavera, egocentrismo, racio­ nalidade excessiva, falta de sinceridade, exuberância.

If

JÚPITER EM CÂNCER <5>

^

JÚPITER EM LEÃO

S\ ^

JÚPITER EM VIRGEM

T[P

Nesta configuração, estamos face a um indivíduo que, para se realizar plena­ mente, tem de conseguir entregar-se a suas qualidades sensíveis, a sua doçura, a sua sensualidade, mas também a sua ima­ ginação, a seus sonhos, e que, ao mesmo tempo, tem necessidade de proteção. É portanto, um ser que dá muita im­ portância à comodidade, e por isso pode ter tendência para a preguiça ou até para a passividade. N o entanto, possui um sutil poder de persuasão que lhe permite sempre obter dos outros o que quer ou o que necessita para viver em condições agradáveis e segura. Graças a seu encanto, a sua sutileza, a sua delicadeza e a seu re­ finamento, convence seu círculo para procurar o conforto, os prazeres e as ale­ grias que deseja. N o entanto, não está protegido contra as profundas crises de melancolia, de angústias irracionais, nem compensações bulímicas. Palavras-chave: capacidade de expansão sensível, su­ til, delicado, extremo refinamento, hábil força de persuasão, necessidade de conforto, imaginação errante, ten­ dência para sonhar grande, crises com­ pensatórias de melancolia, de bulimia ou de preguiça. fh

O indivíduo com Júpiter neste signo está convencido de que ele é o único dono de sua felicidade, mas também tem ten­ dência para julgar que a felicidade dos outros só depende dele. Por isso mos­ tra-se generoso, pródigo, mão aberta, com tendência pronunciada para os mí­ nimos detalhes e um comportamento não precisamente modesto. Porém seu sincero calor humano proporciona-lhe sempre numerosas simpatias. N o en­ tanto, espera acima de tudo obter um re­ conhecimento admirativo em troca de tudo o que faz. Nele, o desejo de agra­ dar é, portanto, primordial e necessá­ rio para ser feliz; de fato, está condicio­ nado pelos outros. Ao não suportar viver sozinho ou entregue a si mesmo, vive freqüentemente em eterna represen­ tação. Adora o êxito, as honras c a con­ sideração. Mas peca com freqüência por arrogância, e desperdiça suas forças. «s Palavras-chave: brilhante uaa ^ c a p a c i d a d e , ambição esti­ mulante, generosidade e pródigo às vezes em excesso, desejo de agradar e necessidade de reconhecimento ad­ mirativo, gosto pelos detalhes, arrogân­ cia, tendência para esbanjar suas forças ou seus meios.

A realização do indivíduo com Júpiter nesta posição é sempre contrariada, to­ lhida ou inibida por razões que, por outro lado, se revelarão em diferentes elementos inscritos em seu mapa astral. Conforma-se com pequenos prazeres, alegrias simples e modestas que sente em sua vida cotidiana, mas nunca con­ segue entregar-se a uma alegria de viver serena ou total. Para compensar isto, sua amabilidade, faculdade de precisão, ca­ pacidade de organização metódica, todas as qualidades inerentes ao signo de Virgem vêem-se reforçadas. No entanto, possui um complexo de inferioridade ou de culpabilidade que às vezes o torna calculista ou ruim, desconfiado ou, pelo contrário, ingênuo. É hábil para gerir, organizar, planificar e tem sempre a ne­ cessidade de se sentir útil. Subestimase, porém tem horror a ser subvalori­ zado. ,pN Palavras-chave: capacidade Ukftr ^ ^de expansão prudente, re­ servado, falta de entrega, amabilidade, sentido de ordem, de método, de or­ ganização, alegria de viver mais cerebral que física, complexo de inferioridade ou de culpabilidade, horror a ser subvalo­ rizado.

Júpiter nos signos do Zodíaco (II)

H

JÚPITER EM LIBRA

=Ü=

1|

JÚPITER EM ESCORPIÃO

% 1+

JÚPITER EM SAGITÁRIO

•/

O indivíduo que possui esta configuração não é demasiado expansivo. De fato, a presença de Júpiter neste signo nos per­ mite compreender que sua condição sine qua non para se desenvolver e ser feliz é encontrar um equilíbrio, compromissos perfeitos que o ajudarão a viver sempre em harmonia com seu meio e com os ou­ tros. Neste sentido, possui a arte de ava­ liar o que poderá ser mais útil ou favo­ rável ao seu bem-estar, com uma mistura de refinamento e justiça. Suas grandes qualidades são de ordem ética e estética. Possui um sentido inato da injustiça e um gosto preciso. Costuma adotar um es­ tilo elegante. Também sente uma atração muito pronunciada pelas formas e aparências, princípios e convicções. Sendo assim, pode dar a impressão de pouco substancial e de "superficial", sendo ao mesmo tempo seletivo e rigoroso. Além disso, por medo de tomar partido ou co­ meter uma injustiça, peca freqüente­ mente por indecisão. ^ Palavras-chave: capacidade ** de expansão seletiva, equili­ brada, fortes preocupações de ordem ética e estética, refinamento, gosto do ponto de vista formal, sentido inato da justiça, caráter rigoroso, lúcido, crítico, indeciso ou superficial.

O indivíduo que tem Júpiter neste signo intenso e instintivo sente a necessidade de se desenvolver de uma maneira vis­ ceral. Para ele é uma necessidade vital que pode impeli-lo a viver todo o tipo de ex­ periências para experimentar sensações diversas, fortes e estranhas. Por isso, dá com freqüência mostras de uma grande curiosidade experimental, em todos os âmbitos de sua vida. Além disso, para des­ frutar ou aproveitar plenamente as ale­ grias da existência, pode empregar meios inesperados, fora do comum, anticon¬ formistas ou provocadores, obscuros ou problemáticos. Seu instinto apurado es­ timula suas intuições e seus pressenti­ mentos, além do seu juízo crítico e de sua visão ao mesmo tempo lúcida e apaixo­ nada das coisas. Por outro lado, é fre­ qüentemente dotado de um grande poder de sedução muito sugestivo. E se adota um estilo ou um modo de vida total­ mente original e independente, não as­ pira menos a atrair os outros. /ps Palavras-chave: capacidade lAfer ^ ae expansão instintiva, es­ sencial, visceral, gosto pelas sensações fortes, qualidades intuitivas penetran­ tes, grande curiosidade, sensualidade in­ tensa, comportamento experimental às vezes pouco saudável.

Ao estar e m seu domicílio, pode dizerse q u e a pessoa tem tal configuração e m seu mapa astral, q u e a alegria de viver é nela u m a segunda natureza. C o m o n o caso de Lua e m Câncer, freqüentemente esta posição dá ao indivíduo caracterís­ ticas jupiterianas mais marcadas d o q u e as de u m verdadeiro nativo d o signo de Sagitário. Seja como for, mostra-se sem­ pre sob u m ângulo positivo, jovial, sim­ pático, expansivo. É otimista c distin­ gue-se por sua boa vontade natural e sua generosidade espontânea. C o s t u m a di­ zer-se que os seres que têm Júpiter neste signo são "bons". M e s m o sabendo q u e Júpiter permanece u m ano e m u m signo e que, durante doze meses, d e doze e m doze anos, todos os seres que nascem na Terra têm Júpiter e m Sagitário, não se pode chegar à conclusão de q u e todos nasçam bons. N o entanto, é certo q u e e m todos há sempre u m fundo de bon­ dade e de boa vontade q u e estará mais o u m e n o s marcado. Palavras-chave: capacidade de expansão positiva, confiada, didática, jovialidade, mate­ rialismo, tradicionalismo, caráter tran­ qüilo, boa vontade fundamental, oti­ mismo, lealdade, erros de juízo, imprevisão. /p*

I f JÚPITER EM CAPRICÓRNIO

^

^

JÚPITER EM AQUÁRIO

^

H

JÚPITER EM PEIXES

X

Diz-se que Júpiter não está demasiado confortável neste signo, pois o regente é Saturno, o qual, como sabemos, é con­ centrado, fixo e restritivo, às vezes mes­ mo inibido, ao passo que Júpiter aspira à felicidade e à alegria de viver, à inér­ cia, às vezes muito evidente. N o en­ tanto, da mistura destes dois astros, com qualidades aparentemente contraditó­ rias, resulta uma mescla surpreendente, por pouco que a pessoa em questão saiba encontrar um compromisso inteligente para pôr fim ao conflito latente entre a alegria de viver e a razão, que sente em seu interior. Assim, quando as quali­ dades inerentes e Júpiter estão ao ser­ viço de Saturno, o indivíduo experi­ menta raros prazeres, bem escolhidos; e quando as qualidades de Saturno ser­ vem as de Júpiter, sua alegria de viver é mais intensa, dado que está retida, controlada, pela razão. Aqui nos en­ contramos no âmbito da felicidade du­ radoura. Sem dúvida que os riscos de excesso de austeridade ou de intempe¬ rança são sempre possíveis. já, Palavras-chave: capacidade <\y, &&r de expansão realista, pru­ dente, perseverante, conflito latente entre a alegria de viver e a razão, comporta­ mento sério, grande poder de concen­ tração, gosto pelo saber, excesso de rigor.

Embora a expansividade natural do in­ divíduo esteja um pouco contida, su­ blinhada pela presença de Saturno, o primeiro regente de Aquário, sua alegria de viver não é menos revitalizada pela presença de Urano, o segundo regente deste signo. Podemos dizer que sua arte de aproveitar os prazeres da vida bene­ ficia da capacidade de concentração de Saturno — e assim nunca se perde —, mas também da dinâmica, da mobili­ dade c do oportunismo de Urano. As­ sim, se o indivíduo afetado por esta con­ figuração possui um grande poder de adaptação que lhe permite desfrutar do instante, da felicidade do momento, não está por isso menos consciente de seus desejos e de suas alegrias. E, se neces­ sário, é capaz de se distanciar, de exer­ cer o domínio. É desta forma que ex­ perimenta e manifesta sua vontade de se desenvolver com toda a inde­ pendência. Como pode ser rebelde a qualquer contrariedade, ostenta um in­ dividualismo excessivo, negando inte­ grar-se. ^ Palavras-chave: capacidade ** l4ft ^ de expansão dinâmica, opor­ tunismo, habilidade diplomática, força de persuasão, faculdade de adaptação e de abstração, caráter rebelde, utópico, atraído pela ilegalidade.

Sabemos que Júpiter é o primeiro regente de Peixes. N o entanto, a presença de Netuno, seu segundo regente, engendra freqüentemente uma exaltação das emo­ ções e da sensibilidade no indivíduo que tem Júpiter situado neste signo, em seu mapa astral. Por isso, aspira a viver e a ex­ perimentar as venturas e os prazeres ma­ ravilhosos, refinados, sutis, profundos. Esta preocupação pode manifestar-se ob­ sessivamente nele. Por outro lado, assim como tem tendência para exagerar suas venturas e prazeres, está também sujeito à dramatização ou ao excesso de sensi­ bilidade, que o podem tornar ciclotímico, passando, sem transição, do júbilo às lá­ grimas ou, simplesmente, chorar de ale­ gria. Muitas vezes é atormentado por um desespero profundo, uma angústia indi­ zível, que não se baseia em nada concreto salvo em seu estado de espírito. Compor­ ta-se às vezes de uma maneira infantil, egoísta ou talvez muito influenciável. E, por último, possui uma sutil capacidade de persuasão e de auto-sugestão que o ajuda a obter aquilo que deseja. (p> Palavras-chave: capacidade ^ de expansão sensual, recep­ tiva, tendência para a dramatização, mo­ vimentos emocionais instáveis (felizes e infelizes), excesso de sensibilidade, sutil capacidade de sedução.

Saturno nos signos do Zodíaco
Saturno informa sobre a capacidade de racionalização, de lucidez e de maturidade de um ser.
\ SATURNO EM ÁRIES T
O indivíduo que mostra esta configu­ ração em sua carta astral acha difícil con­ centrar-se e guardar certa continuidade em seus atos. Não possui, portanto, ma­ turidade, pois os movimentos violentos interiorizados, que tenta dominar, o as­ soberbam com freqüência e o levam a cometer atos irrefletidos, contra toda a razão. N o entanto, pode também ma­ nifestar uma forma de obstinação per­ tinaz em suas escolhas, em suas con­ vicções, em suas decisões ou cm seus próprios erros. _ Palavras-chave: capacidade de l A1 *^ * ~ concentração impulsiva e in­ termitente, fixada no presente e na ação imediata, mas não tem continuidade.

I7

SATURNO EM TOURO

Q

N o signo do qual Vênus é regente, Saturno fixa a pessoa em seus senti­ mentos, que são fatores essenciais para sua maturidade e sobre os quais con­ centra assim toda sua atenção. Sem dú­ vida, as qualidades conservadoras deste signo se vêem reforçadas pela presença de Saturno. Portanto, nos encontramos ante um ser muito realista, bem inte­ grado na vida material, razoável e sério, ansioso de reafirmar-se a longo prazo. jp. Palavras-chave: capacidade de concentração lenta e rea­ lista, força conservadora, grande neces­ sidade de segurança, realismo produ­ tivo, sólido sentido comum.

Palavras-chave: capacidade de concentração exaltada, ex­ cessiva ou inexistente, reflexão e luci­ dez ou dispersão mental, desdobra­ mento de personalidade.

/«,

^

SATURNO EM LEÃO

£}

*2

SATURNO EM CÂNCER

<g>

^

SATURNO EM GÊMEOS

A natureza dupla do signo de Gêmeos se vê reforçada e acentuada pela presença de Saturno neste signo. Assistimos assim a uma espécie de desdobramento da per­ sonalidade. O indivíduo sente uma pro­ funda dualidade, como se outra perso­ nalidade lúcida, crítica e fatalista se introduzisse nele para ocupar o lugar de sua verdadeira personalidade.

Metaforicamente, poderíamos dizer que Saturno representa aqui o indivíduo agradável e saboroso como um fruto maduro, ou verde e ácido como um fruto que se negasse a morrer. N o primeiro caso, desenvolve com fre­ qüência certas qualidades artísticas ou uma fantasia lúcida e criadora, estimu­ lante para sua imaginação e seu espírito, graças às quais o ser afetado por esta configuração adquire a maturidade. No segundo caso, fixa-se em estados in­ fantis, se obstina em comportar-se de uma maneira irresponsável, vive em seus sonhos, ou é propenso a uma me­ lancolia doentia que o deixa triste ou pessimista. «^ Palavras-chave: capacidade de concentração sensível, ins­ tável, talento para aliar o sonho e a ló­ gica, a imaginação e o realismo, neces­ sidade de proteção.

O indivíduo é muitas vezes autoritário e dominador. É ambicioso, decidido, lú­ cido, orgulhoso e totalmente desprovido de arrependimento e objetividade. Não conta com mais ninguém exceto con­ sigo mesmo, aborrece-se com o fracasso e a mediocridade, tem tendência a cul­ tivar um complexo de superioridade, mais ou menos forte dependendo do caso, que acaba por isolá-lo. gs Palavras-chave: capacidade de concentração dominadora e ambiciosa, vontade de poder, força de caráter, decidido e lúcido, orgulhoso.

h

SATURNO EM VIRGEM

T[P

O indivíduo que possui esta configuração em seu mapa astral concentra seu espí­ rito efixasua atenção no universo da vida material e prática do dia-a-dia. Isto pode conferir-lhe um potente espírito de aná­ lise, mas arrisca-se a refugiar-se em um mundo fechado, restringido, com limi­ tes bem definidos, certamente necessá­ rio para sua maturidade, porém restritivo e frustrante a longo prazo. N o entanto, esta frustração será muitas vezes mais sentida pelos demais que por ele mesmo.

Palavras-chave: capa­ cidade de concentração metódica, dom para esquadrinhar a re­ alidade em detalhe, espírito lógico.

h

SATURNO EM LIBRA

=2=

A lucidez e a seletividade próprias deste signo são fatores influenciados pela pre­ sença de Saturno. Por isso que, nesta po­ sição, estamos diante de um ser cujos sentimentos são tão lúcidos, que nunca se deixa levar totalmente por eles. Por outro lado, todas as suas qualidades de juízo são reforçadas e, por extensão, o sentido e o gosto pela justiça são exal­ tados. O nativo tende a desempenhar o papel duplo de juiz e jurado. «s Palavras-chave: capacidade de concentração lúcida, sele­ tiva, espírito crítico muito detalhado, sentido de justiça, profundidade de juízo, sólido equilíbrio interior.

Palavras-chave: capacidade de concentração, simplicidade, tendência à simplificação, gosto pela competição, boa vontade.

jp,

^ ^ SATURNO EM ESCORPIÃO %
O indivíduo em questão tende ao risco calculado, ao desafio e à provocação. Sua curiosidade instintiva engendra muitas vezes um mal-estar interior, uma insa­ tisfação profunda, latente, que o leva a não confiar nunca nas aparências. N o melhor dos casos, consegue dominar seus instintos, graças a seu poder de con­ centração e sua lucidez instintiva. Então pode chegar a ser razoavelmente ambi­ cioso, tenaz e muito eficaz. g* Palavras-chave: capacidade de concentração audaz, deci­ dido e perseverante, grande lucidez ins­ tintiva, gosto pelo risco e pela provocação.

SATURNO EM CAPRICÓRNIO

^

^

SATURNO EM SAGITÁRIO

/

Neste caso estamos diante de um ser se­ renamente realizado, cheio de boa von­ tade, dedicado, humanista, que gosta da aventura e da competição, mas atua e se comporta sempre corretamente, com integridade, franqueza, honestidade. Pode ser sectário, autoritário e intransi­ gente, tudo isso com indolência, inge­ nuidade e presunção. Estamos, portanto, em presença da personalidade típica de quem tem a mania de dar conselhos aos demais.

Neste caso, Saturno está em sua casa. Em conseqüência, pode expressar-se em estado puro. N o entanto, ao estudar o mapa astral do indivíduo em questão, nos perguntamos que fará com a luci­ dez de que dispõe, sua tenacidade na­ tural, sua ambição a longo prazo, sua perseverança, sua tendência inata a não contar com nada nem com ninguém, exceto ele mesmo, evidentemente. Estas são qualidades tipicamente saturninas, mas aparecem também em Capricórnio. E com freqüência fatalista, pessimista, céptico e possui uma maturidade pre­ coce em sua juventude, que o isola ou o frustra durante este período de sua vida. g* Palavras-chave: capacidade l ft ^ * de concentração intensa, te­ naz, ambicioso, espírito lógico, racional, céptico e frio, sistema de autodefesa muito elaborado.

visão lúcida e dinâmica do futuro em geral e de seu futuro em particular, o qual toma decididamente em suas mãos com ambição e perseverança. Seu sentido de oportunidade é muito mais agudo e eficaz pela mesma razão que é muito consciente das vantagens de que dispõe e das circunstâncias que se apresentam. Palavras-chave: capacidade ft ** ""^ de concentração, dinâmico, explorado no presente imediato, sentido do paradoxo e da oportunidade, cará­ ter individualista, singular.

h

SATURNO EM PEIXES

X

^

SATURNO EM AQUÁRIO

Neste caso Saturno também está em sua casa. Mas, como sabemos, suavi­ zou-se graças à presença de Urano, se­ gundo regente de Aquário. Por isso o indivíduo que tem Saturno em seu signo, em seu mapa astral, tem uma

Se este astro está em uma situação forte ou harmoniosa no mapa astral do indi­ víduo, este possuirá com freqüência a possibilidade de concentrar-se de uma maneira geral sobre suas faculdades in­ tuitivas e perceptivas, e tirar o melhor proveito delas. Sua lucidez se aproxima da clarividência, e esta se põe ao serviço de causas, ou é empregada com objeti­ vos nobres e generosos. Se não for assim, corre o risco de estar dividido por qua­ lidades contraditórias, que tanto o inci­ tam a uma excessiva dramatização como suscitam nele ataques de melancolia e de­ sespero incontroláveis c crônicos. «, Palavras-chave: capacidade de concentração visionária ou instável, dom da clarividência, visão dra­ mática ou fatalista da vida, caráter tanto entusiasta como pessimista.

Urano nos signos
Dependendo do signo do Zodíaco onde se encontre, Urano nos informa sobre a força de decisão do indivíduo, seu espírito de independência e o uso que faz de seu livre arbítrio. )# URANO EM ÁRIES qp
O indivíduo possui uma natureza en­ tusiasta, dinâmica, enérgica e impulsiva. Vive o momento projetando-se per­ manentemente no futuro. E incansável, sempre em busca de uma ação a em­ preender. Tem o sentido da decisão imediata, imprevista, o reflexo vital de um guerreiro que não se rende nunca. Sente a necessidade de ir em frente. E esta a razão pela qual, às vezes, derrota suas forças ou inventa obstáculos ou lutas imaginárias para si. g^ Palavras-chave: capacidade de decisão impulsiva, dinâ­ mica, projetada para o futuro, espírito de conquista, excelentes reflexos, mu­ danças de humor.

#

URANO EM TOURO

Q

O gosto pela liberdade e pela necessi­ dade de inovar de Urano é moderado graças a este signo conservador. O in­ divíduo aspira assim a encontrar novas condições de vida, práticas e realistas, que lhe darão a máxima comodidade e segurança. E razoavelmente dinâmico. Seus reflexos são lentos. Não corre ris­ cos se não for estritamente necessário. Pode mostrar-se teimoso até os limites ou totalmente hermético com respeito a qualquer tipo de mudança. ^ Palavras-chave: capacidade de decisão prudente, sistemá­ tico, reflexos lentos, reações sadias, construtivas, força da inércia, oposição a mudanças.

moda, e dar-lhe um aspecto original. Seu caráter está repleto de inconfor­ mismo provocador, polêmico ou im­ pregnado de uma tendência ao jogo ou à competição. Pode também ser vítima de uma instabilidade intelectual, ou mostrar-se nervoso e agitado. ,~ Palavras-chave: capacidade '* Br de decisão intelectual, dina­ mismo cerebral, mobilidade psíquica, inconformismo, instabilidade mental, espírito de contradição.

ginação ativa, inibição ou deficiência de reflexos.

)#

URANO EM LEÃO

£}

$

URANO EM CÂNCER

2>

#

URANO EM GÊMEOS

I

A mente do indivíduo se dinamiza com excelentes reflexos que estimu­ lam sua curiosidade, a mobilidade de sua inteligência e sua liberdade de es­ pírito. Tem o dom de captar as idéias de seu tempo, que estão ou estarão de

A característica essencial deste indiví­ duo é sua integração no presente. To­ talmente filtrado pela nostalgia de seu passado, engendra uma incapacidade de projetar-se para o futuro. Estamos face a configuração típica da pessoa que não se sabe defender ou reagir em uma cir­ cunstância na qual estejam implicadas sua sensibilidade e seu dinamismo. Para compreendê-lo, utiliza um sistema sutil de autodefesa. i^ Palavras-chave: capacidade de decisão receptiva, conser­ vadora, autodefesa e desconfiança, ima­

O indivíduo aspira a dominar seus re­ flexos, a ser dono de seu livre arbítrio, a exercer sua capacidade de decisão de uma forma autoritária, a impor sua von­ tade de independência por iniciativas re­ pentinas. No entanto, nunca o consegue totalmente, pois tem a necessidade de que o aprovem, admirem seu gosto pela liberdade ou pelo fato de tê-la adquirido. Pode tornar-se rebelde contra toda dis­ ciplina, marginal, indomável ou faltarlhe coragem. fj> Palavras-chave: capacidade de decisão dominadora, mag­ nética, espírito de independência ori­ ginal e potente, rebelião, covardia.

)#

URANO EM VIRGEM

1^

Este indivíduo concentra sua capacidade de decisão no presente imediato c, ao explorar suas melhores capacidades, consegue adquirir sua independência e exercer seu livre arbítrio. Possui com freqüência uma viva curiosidade pelas

^ " ^ ciências c técnicas aplicadas ou uma boa habilidade manual. Seus re­ flexos podem ser de uma grande preci­ são e grande eficácia. Porém nunca reage ante nada. e^ Palavras-chave: capacidade de decisão metódica, calcula­ dora, habilidade manual, sentido de oportunidade, hermetismo com tudo que é novo, inédito, original.

#

URANO EM LIBRA

=2z

Neste signo, Urano passa a exprimir dúvidas. O indivíduo espera o melhor momento para reagir. Aspira a ser in­ dependente, mas sua lucidez o perturba e o limita até que, por fim, toma par­ tido radicalmente c impõe seu crité­ rio ou suas decisões. Mas vive com fre­ qüência sob a influência e seu meio ambiente e de suas circunstâncias, e custa adquirir ou exercer totalmente seu livre arbítrio. Às vezes se revela in­ transigente ou parcial. «, Palavras-chave: capacidade de decisão lúcida, rigorosa, dubitativa porém às vezes implacável, capacidade de captar o belo, intran­ sigência.

#

URANO EM ESCORPIÃO

fl^

O espírito de independência do indiví­ duo é inconformista, agressivo ou pro­ vocador. Possui um caráter experimental, o qual estimula sua curiosidade, seu in­ ventividade e seus reflexos, sustentados por uma temível lucidez e certo gosto pelo risco. Gosta de tentar o impossível, desafiar as proibições. Sente-se atraído por tudo que é estranho, insólito, dife­ rente. Pode ser selvagem, indomável e in­ submisso, cultivar um espírito de rebe­ lião sistemático ou pôr tudo em dúvida regularmente ao longo da vida. ^ Palavras-chave: capacidade ^ ^ d e decisão intuitiva, comba­ tiva, utilizando métodos não conven­ cionais, excelentes reflexos, vontade de independência irredutível.

ciativa e empresa que o faz dinâmico, audaz e otimista. Gosta da competição, dos desafios, das metas. Sente um vivo desejo de expansão, de exploração, de descobrimento. Se outras considerações nobres e ge­ nerosas não são reveladas em seu mapa astral, acredita rapidamente que tem permissão para tudo, pois é um auto­ didata e não aspira a impor suas decisões aos demais. jps Palavras-chave: capacidade de decisão dinâmica, otimista, espírito de iniciativa e empreendimento, caráter expansionista, agitação, sem ata­ duras nem limitações.

#

URANO EM AQUÁRIO

ÍSÍ

ff URANO EM CAPRICÓRNIO

^

Ao estar em seu domicílio, Urano pode dar o melhor de si mesmo e revelar um ser independente, individualista, pos­ suidor de um espírito original, dotado para o paradoxo, às vezes maquiavélico, capaz de atuar ou reagir antes que nin­ guém, antecipar os acontecimentos ou os comportamentos dos demais. É atra­ ído pelo novo, pelo inédito, vanguar­ dista ou utópico, mas também pode ser pragmático e lúcido ou habilmente de­ sonesto. gs Palavras-chave: capacidade de decisão dinâmica, espírito flexível, original, adaptável, oportunista, maquiavélico, excelentes reflexos, ins­ tabilidade crônica, caráter anárquico.

#

URANO EM SAGITÁRIO

J

A vontade de independência do indi­ víduo coincide com seu espírito de ini­

Urano neste signo, que leva o indivíduo a contar somente com ele mesmo, in­ cita o indivíduo a adquirir sua inde­ pendência com lucidez, tenacidade, sem trégua e nas condições exatas e preci­ sas que deseja. Está feito para empre­ endimentos ambiciosos e audazes a longo prazo, mas procura correr o me­ nor risco possível para conseguir seus objetivos. Não gosta muito do imprevis­ to, utiliza um sistema de autodefesa muito eficaz, que pode fazê-lo egocên­ trico, sectário, sem concessões. tp\ Palavras-chave: capacidade de decisão lúcida, tenaz, coe­ rente e eficaz, espírito de independên­ cia ambicioso e sem concessões, falta de flexibilidade.

)£(

URANO EM PEIXES

^

Encontramo-nos com freqüência com um ser que, de maneira latente ou evi­ dente, tem qualidades ou dons psíqui­ cos que são raramente encontrados. Sabe relativizar as coisas, tomar pers­ pectivas. N o entanto, seu espírito de independência se confunde e custa-lhe submeter-se aos contratempos. Em geral, segue a corrente do momento ou se deixa levar por ela. «^ Palavras-chave: capacidade de decisão realista, imprecisa ou sublime, capacidades psíquicas exa­ cerbadas, clarividência, espírito de sín­ tese imediata, caráter indisciplinado, an­ gustiado, passivo.

Netuno nos signos
Netuno nos informa sobre a natureza e expressão da capacidade de transformação do indivíduo e de sua receptividade psíquica. ty NETUNO EM ÁRIES T
O nativo tem a capacidade de se transformar muito rapidamente, precipita­ damente, de projetar-se repentina c in­ tuitivamente para o futuro, especular ativamente sobre os tempos que virão. Tem aquilo a que chamamos idéias lu­ minosas, as quais são no entanto efê­ meras c não consegue dominar. Sua maior inspiração é no momento de atuar. Tende a correr riscos despropor¬ cionados e a lançar-se em sonhos en­ tusiastas porém afortunados. », Palavras-chave: capacidade de transformação entusiasta, ime­ diata, dom da inspiração do momento, caráter visionário ou visão a curto prazo.

ty

NETUNO EM TOURO

Q
inacessível. Por isso sua curiosidade pode transformar-se em uma atividade mental e nervosa esgotante, tanto para ele como para os que lhe estão próxi­ mos, e pode dar lugar a um desequilí­ brio psíquico. /R, Palavras-chave: capacidade de transformação cerebral, imaginação limitada, psiquicamente influenciável, desequilíbrio. vel, intuitivo, influenciável pelos sen­ timentos alheios, caráter angustiado, medo da mudança.

A capacidade de transformação do in­ divíduo está baseada na realidade tangí­ vel, concreta, material. Só a explora em caso de absoluta necessidade, para lhe dar maior segurança ou para desfrutar mais intensamente dos prazeres da vida. De fato, sua sensualidade é muitas vezes desenvolvida, assim como seu gosto pelos pratos refinados ou pelos sabo­ res estranhos. As vezes, isto o leva a cometer excessos; seu apego aos bens deste mundo pode chegar a ser ilimitado. /» Palavras-chave: capacidade de transformação lenta, cons­ trutivo, útil, qualidades de esteta ou epi­ curista, guloso, rejeição a mudanças.

V

NETUNO EM LEÃO

S\

4J

NETUNO EM CÂNCER

g>

^

NETUNO EM GÊMEOS

K

O nativo move-se com uma grande cu­ riosidade que o empurra para todo tipo de experiências intelectuais, desenvolve sua imaginação, seu humor. Interessamlhe todas as correntes de pensamento, porém não se prende a nenhuma. Vai à procura da perfeição, do absoluto, do

As capacidades sensíveis e imaginati­ vas do indivíduo acentuam-se por mo­ vimentos emocionais muito inspirados, que lhe conferem certos dons de pre­ monição sutis ou flagrantes, conforme o caso, e desenvolvem seu gosto por sonhar. Possui uma surpreendente ca­ pacidade de adaptação, o que compensa sua ansiedade irracional e sua recusa fa­ nática pela mudança. Pressente ou sente os pensamentos dos outros, porém tende também à auto-sugestão. ^ Palavras-chave: capacidade de transformação hipersensí­

O nativo aspira a permanecer como dono das mudanças que se produzem ou vão se produzir em seu próprio ser ou em sua vida. Ao estar consciente das coisas que vão acontecer prepara-se para vivê-las ou confrontá-las. N o entanto, quando se manifestam e o apanham desprevenido, perde o sentido de direção. Então, ou mostra-se perspicaz, ou deixa-se enganar por ele mesmo e pelas circunstâncias, querendo dominá-las. F* Palavras-chave: capacidade de transformação fixa no pre­ sente imediato, clarividência, força de vontade, domínio ou pânico, incapaci­ dade para adaptar-se às mudanças.

ty

NETUNO EM VIRGEM

Ifl?

O indivíduo tem a intuição do detalhe re­ velador ou determinante e percebe antes de mais nada os sinais precursores das

mais pequenas mudanças do mo­ mento. Tem o dom de fixar-se nesse tipo de detalhes, mas isto pode transformálo em um perfeccionista, exigente, sem­ pre vivendo no medo da mudança. Tor­ na-se pouco construtivo ou conflituoso, e sempre inquieto sem razão. g* Palavras-chave: capacidade de transformação precisa, in­ tuição para o detalhe, aspiração à per­ feição, doente imaginário, inquietudes morais obsessivas.

^

NETUNO EM LIBRA

=C!=

É no contato com os outros que este in­ divíduo se transforma sem parar, de ma­ neira a encontrar uma harmonia na re­ lação ideal com as pessoas. É exigente em sua vida associativa ou de casal e procura a perfeição nesta matéria. Sua intuição pode ajudá-lo a encontrar os parceiros ideais, porém também pode prender-se a princípios demasiado formais, superfi­ ciais ou demasiado rigorosos, como acon­ tece freqüentemente com este signo. g* Palavras-chave: capacidade de transformação e de intuição orientada para os outros, relativa a eles, necessidade de uma ética, idealismo na hora de escolher parceiro.

4J

NETUNO EM ESCORPIÃO

%

Neste caso, o potencial emocional e in­ tuitivo do nativo está em seu instinto e vê-se estimulado por ele. Por isso que sua capacidade de ver para além das aparên­ cias, de adivinhar os desejos e os pensa­ mentos dos outros, está muito desenvol­ vida e ele a utiliza com freqüência. Possui uma curiosidade visceral, aspira a pro­ var todas as experiências, e às vezes gosta de rir-se dos hábitos, de desafiar as proi­ bições ou cometer excessos graves. F* Palavras-chave: capacidade de transformação instintiva, exerce um domínio quase mágico sobre os outros, grande curiosidade experi­ mental, excesso.

seu espaço vital. Por esta razão, pode ter, se não uma vocação religiosa, pelo me­ nos um grande interesse pela religião ou um gosto não menos pronunciado pelas viagens, as explorações, o estrangeiro. De fato, sua necessidade de expansão pode transformar-se no motor de sua vida, ou então pode passar a vida per­ seguindo sonhos impossíveis. p. Palavras-chave: capacidade ^ " " d e transformação expansiva, generoso, espiritual ou material, espírito moralista e idealista, espírito sonhador.

sentido de oportunidade. Possui fre­ qüentemente o dom de captar as as­ pirações inconscientes dos outros antes de mais ninguém, c sabe aproveitá-las oportunamente com fins humanitários ou então para si próprio. Porém, pode também tender a deixar-se levar, à las¬ situde da vida fácil, à insolência ou à anarquia. g* Palavras-chave: capacidade de transformação impulsiva, grande capacidade de adaptação, dom de captar e antecipar as idéias dos outros, natureza rebelde, espírito quimérico.

ty NETUNO EM CAPRICÓRNIO

^ ty NETUNO EM PEIXES X
Este nativo possui um potencial emo­ cional muito rico e intuitivo que lhe con­ fere o autêntico dom do duplo ponto de vista, que saberá mais ou menos utilizar corretamente. E evidentemente idealista, vai à procura do absoluto, porém tal ati­ tude pode criar nele uma ansiedade crô­ nica ou angústias irracionais que são sus­ cetíveis de perturbar seu equilíbrio psíquico. Tem sede de acreditar, de amar e ser amado infinitamente, mas nem sem­ pre sabe dar um sentido a suas aspirações. g* Palavras-chave: capacidade de transformação intensa, ab­ soluta, vivem cm sintonia com os outros e as circunstâncias, dom do duplo ponto de vista, influenciável, hiperemotivo.

Se o potencial emocional e intuitivo do indivíduo está dominado por Saturno, regente deste signo, nos encontramos diante de um indivíduo clarividente e dotado de uma visão subjetiva e obje­ tiva da vida. Se a razão é perturbada pelas influências de Netuno, nos encontra­ mos diante de uma pessoa vítima do desespero ou com crises de melancolia, que rejeita qualquer mudança. «, Palavras-chave: intensa capa­ cidade de transformação lúcida, clarividente, destruidor de ilusões, inte­ ligência subjetiva e objetiva, cinismo.

4^

NETUNO EM SAGITÁRIO

•/ ^ NETUNO EM AQUÁRIO %Z
A capacidade de adaptação do indiví­ duo está neste caso reforçada por seu

Este indivíduo aspira a transformar-se a si mesmo, a evoluir espiritualmente, ou então a ampliar seu campo de ação ou

Plutão nos signos
Plutão nos informa sobre a psique de um indivíduo, das forças que contém e que são ao mesmo tempo criadoras e destruidoras, ou seja, regeneradoras.
fr PLUTÃO EM ÁRIES T
É capaz de correr riscos, mostrar-se audaz, ser presa de impulsos ardentes, imediatos, regeneradores, que o con­ vertem em um ser muito eficaz nos seu atos, às vezes um pouco visionário. Pos­ sui uma agressividade primária, essen­ cial, vital, cega ou premente. Não recua diante de nada, pela simples razão de que ignora o perigo e está disposto a lançar-se de olhos fechados no desco­ nhecido e desafiar todos os obstáculos. p. Palavras-chave: forças psíquicas que se expressam de forma enérgica, ardente, violenta, audaz, lucidez, visão loucura.

"Ò"

PLUTÃO EM TOURO

(3
outras vezes totalmente estéril em con­ seqüência de partir em todas as direções, sem ficar nunca em um mesmo lugar. O indivíduo é então genial ou, ao contrá­ rio, limitado intelectualmente. Por outro lado, pode ser ambas as coisas simulta­ neamente, isto é, mostrar-se brilhante em um setor e inadaptado noutro. «j Palavras-chave: as forças psí­ quicas estimulam ou exacer­ bam as faculdades mentais, atividade in­ telectual criadora ou estéril, culto da personalidade. Palavras-chave: as forças psí­ quicas intensificam o sistema de autodefesa e a sensibilidade, sexto sentido, angústia, medo do desconhe­ cido e do futuro. **

Caiu na armadilha do imobilismo, do conservadorismo e da sede de segurança, características deste signo. Plutão, o re­ generador, nos revela neste caso um in­ divíduo que tem uma perspicaz sede de posse e manifesta-se através de uma na­ tureza egocêntrica, rejeitando tanto a concessão como o compromisso. A agressividade e o gosto pelo desconhe­ cido desaparecem em benefício de um protecionismo às vezes sectário, exa­ cerbado, da força da inércia ou de uma rejeição sistemática de toda a perspec­ tiva de mudança. /w, Palavras-chave: forças psí­ quicas estimuladas pela sensua­ lidade, empregadas com fins construtivos e que dão segurança, egocentrismo, força de inércia, protecionismo.

#■

PLUTÃO EM LEÃO

£|

-$-

PLUTÃO EM GÊMEOS

J[

Assistimos neste caso a uma espécie de proliferação de idéias que gera uma ati­ vidade mental constante, uma curiosi­ dade exacerbada e sempre insatisfeita, uma atividade cerebral incessante, às vezes cheia de acertos, fecunda, criativa,

A vontade instintiva do indivíduo é eclipsada pelas forças psíquicas que tenta sempre dominar, sem conseguir. Na maioria das vezes, quando as domina, caracteriza-se por um comportamento provocador e audaz, capaz de mudar os hábitos, os costumes e crenças, para re­ "Ò" PLUTÃO EM CÂNCER £ £ generá-los. Mas quando ele é a vítima, Tudo faz pensar que a presença de Plu­ sua sede de poder e sua busca do re­ tão reforça o sistema de autodefesa e au­ conhecimento não têm limites, tor­ toproteção do indivíduo. De fato, esta nando-se então exibicionista, domina­ configuração exalta a ansiedade pelo fu­ dor, indomável, maneira com a qual tenta compensar um verdadeiro pro­ turo, inerente a este signo, dando assim ao nativo um sexto sentido, um dom da blema de identidade. Palavras-chave: forças psí­ premonição mais ou menos complexo ^ quicas dominadoras, intensas, ou dominado, mas que o inquieta. Por isso vive a angústia do amanhã, teme o problemas de identidade, necessidade pior e não se atreve a acreditar na felici­ de se impor, de ter autoridade, sede de dade. Isso fará com que seja estéril ou poder, busca do absoluto, tendência para o exibicionismo. negativo se não estiver atento.

-gr

PLUTÃO EM VIRGEM

f[P

O problema de identidade corre o risco de se mostrar mais perspicaz e complexo do que na configuração precedente. De fato, se o nativo possui uma consciên­ cia perspicaz pelos detalhes que lhe con­ ferem o dom de saber desfrutar ou de aproveitar as mínimas coisas com uma arte sem igual, aquela gera muitas vezes dúvidas que lhe negam toda a perspecti­ va de paz moral ou interior. Para com­ pensar isso, sua necessidade de prever, calcular e sentir-se seguro torna-se mais forte. g* Palavras-chave: forças psí­ quicas utilizadas com fins con­ servadores, encerrado em si mesmo, um forte sentido do presente, extrema ne­ cessidade de preservação e segurança.

"5"

PLUTÃO EM LIBRA

zO=

-$-

PLUTÃO EM SAGITÁRIO

•/

-$■

PLUTÃO EM AQUÁRIO

22

Para este indivíduo, a escolha é quase uma questão de vida ou morte e a jus­ tiça um assunto de sobrevivência. Para clé, escolher é resolver, erradicar. Sua lucidez, seu sentido crítico, sua vontade de pôr tudo em dúvida para obter o equilíbrio perfeito, sua sede de verdade são tais que pode revelar-se implacá­ vel, chegando mesmo à obsessão ou ao perfeccionismo exacerbado. f^. Palavras-chave: forças psí­ quicas ao serviço do julga­ mento, sentido crítico, sede de justiça, perfeccionismo.

O indivíduo está particularmente cons­ ciente das qualidades de que dispõe, sua riqueza potencial, seu valor. Sente a ne­ cessidade de se realizar a todo custo c, para conseguir isto, está disposto a em­ pregar todos os meios possíveis. Apo­ dera-se do que considera sua prioridade com muita segurança. Tem um caráter expansionista, às vezes um pouco pe­ sado e inconformista. Pode ser também jogador, pelo puro gosto de jogar. (h. Palavras-chave: forças psí­ quicas ao serviço da expansão natural, consciência apurada c enfastiada de si mesmo, falta de escrúpulos.

O nativo aspira a viver experiências úni­ cas, extremas, momentos únicos. Ul­ trapassa as convenções. Sua capacidade psíquica, ao mesmo tempo agitada e concentrada cm um objetivo preciso, permite-lhe eliminar seus próprios de­ sejos ou necessidades, separar-se da re­ alidade, revelando-se extremamente pragmático. Quer se trate de construir ou de destruir, de criar ou de sacrifi­ car, faz tudo com muita desenvoltura. ^ Palavras-chave: forças psí­ quicas que exaltam a sede de independência e o individualismo, de­ senvoltura, "experimentalismo" e desa­ pego extremos.

~Ò" PLUTÃO EM ESCORPIÃO 1TL,
O nativo pode estar disposto a tudo para enfrentar uma situação completamente nova, poderíamos dizer virgem, em sua vida, seja de tipo material, psicológico ou espiritual, dependendo dos seus cen­ tros de interesse. Não sabe viver sem paixão e aspira a penetrar a realidade, os seres, a vida, até o mais profundo, a pôr tudo em dúvida para conseguir seus ob­ jetivos. Sua regra de vida é um pouco: ou tudo ou nada. jfR\ Palavras-chave: forças psí­ quicas ao serviço de seus ins­ tintos, recursos surpreendentes, com­ portamento extremista, disposto a tudo.

• f t PLUTÃO EM CAPRICÓRNIO

^ -5AQUÁRIO EM PEIXES X
O indivíduo vai instintivamente para o mais claro ou para o mais sombrio. Tanto pode ver melhor que os outros, como viver na máxima confusão. Sua receptividade psíquica é muito exacer­ bada, e se não consegue controlá-la, deixa-se submergir ou afogar nela. Por outro lado, se a domina, o ser é capaz da mais bela inspiração ou da maior clari­ vidência. ,~ Palavras-chave: forças psí­ quicas exacerbadas, clarividên­ cia, inspiração, superstição, fanatismo.

Como com Plutão em Câncer, mas com mais força, o sistema de autode­ fesa do indivíduo intensifica-se a ponto de incitá-lo a cortar com o mundo, te­ órica ou praticamente. Sua lucidez, sua tenacidade, sua dureza moral ou seu ra­ ciocínio lógico se reforçam. Desta ma­ neira, pode chegar à renúncia máxima, a ponto de omitir seus sentimentos e emoções. jp. Palavras-chave: forças psí­ quicas fixadas em um objetivo preciso, ambição extrema, rejeição de contatos e concessões.

Os Nodos lunares nos signos (I)
A posição de um Nodo em um mapa astral nos informa sobre os inconvenientes que devemos superar em nós mesmos e na vida, enquanto que o Nodo norte nos informa sobre as vantagens que precisamos explorar ou conquistar.
independência, forte per­ sonalidade, combatividade, papel de líder, valor, iniciativa, poder de ação, energia, luta. dependência, falta de confiança em si mesmo, necessidade dos outros, caráter influenciável, falta de fir­ meza, indecisão. tros, a relaxar-se, a aproveitar as coisas simples e boas da vida. É a via mostrada por o Nodo norte em Touro. serenidade, paz, vida cons­ trutiva, relações duradouras, continui­ dade nos atos, vida sadia, comunhão com a natureza. paixões, tensões, sus­ peitas, possessividade extrema, gosto pelo poder, tendência a destruir ou a au¬ todestruir-se.

0 NODO NORTE EM ÁRIES

E 0 NODO SUL EM LIBRA O Nodo sul em Libra revela um indi­ víduo que, por natureza, c muito de­ pendente, necessita estar de acordo com os demais, viver em harmonia com seu meio. Só se sente bem se é apreciado, consolado, apoiado. Daí que, com fre­ qüência, tenda a fazer demasiadas concessões para viver em paz com os outros, pois teme os conflitos, os en­ frentamentos e as lutas. As circunstân­ cias lhe favorecem e as relações com os demais são benéficas também, embora com a condição de que não se paralise nelas ou que não se apoie demasiado nelas. De fato, às vezes tem dificulda­ des para afirmar-se, impor-se como in­ divíduo com sua personalidade, suas idéias c convicções. É nesta direção que conduz o Nodo norte em Áries, que in­ dica que a via que deve seguir é a de sua independência de espírito e de vida. De maneira que poderá sempre associar-se, se desempenha o papel de líder, im­ pondo suas escolhas e decisões. Da mesma forma, na vida do casal, deverá estar sempre em guarda para preservar sua autonomia, sua independência e sua identidade.

0 NODO NORTE EM TOURO

0 NODO NORTE EM GÊMEOS

E 0 NODO SUL EM ESCORPIÃO O Nodo sul em Escorpião nos mostra um ser basicamente desconfiado c pou­ co construtivo, porque, por natureza, não pode viver sem paixão nem intensi­ dade, e que continuamente se sente ví­ tima de obscuras tensões interiores. N o entanto, seu sensível psiquismo o capa­ cita para adivinhar os estados de ânimo dos demais e perceber instintivamente a face oculta das coisas. Portanto, se se esforça em explorar seus dons inatos de maneira positiva, construtiva e segura, como indica a posição do Nodo norte em Touro, poderá adquirir uma certa serenidade profunda, pois saberá me­ lhor que ninguém que aqui embaixo nada é eterno. Porém, deve aprender a não estar mais em pé de guerra, a viver em paz consigo mesmo e com os ou­

E 0 NODO SUL EM SAGITÁRIO O nativo peca com freqüência pelo ex­ cesso de impaciência ou de uma von­ tade de expansão exacerbada ou cons­ tante que o deixa nervoso ou ambicioso. É isto que revela o Nodo sul cm Sagi­ tário em seu mapa astral, o qual o incita, apesar dele, a ampliar seu campo de ação, a sonhar com um horizonte lon­ gínquo onde poderia evadir-se, fugindo assim das contingências sociais, mate­ riais e relacionais. Com freqüência, tem dificuldades para comunicar-se, escutar simplesmente, dialogar. No entanto, o Nodo norte em Gêmeos o motiva a aprender a civilizar-se, por assim dizer, isto é, a ser mais atento com os demais,

"***" a privilegiar os contatos e as tro­ cas em todos os campos. Se souber ex­ plorar oportunamente suas qualidades humanas ou suas ambições intelectuais ou espirituais, reveladas pelo Nodo sul em Sagitário, então poderá transmiti-las a seu meio e se realizará plenamente. flexibilidade, capacidade de adaptação, gosto pelos contatos e pela comunicação, sociabilidade, inteligên­ cia, mobilidade. natureza selvagem, impaciência, evasão, intransigência, con­ vicções inquebrantáveis, agitação, sede insaciável de expansão.

o apóiem, o consolem ou lhe dêem se­ gurança. s: expressão livre, natural e espontânea da sensibilidade, da neces­ sidade de ternura, intuição, gosto pelos sonhos c pelo maravilhoso. orgulho, rigidez, ne­ gação de suas fraquezas, fatalismo, am­ bição sistemática, natureza fria e in­ sensível.

vontade, valentia, força moral, criatividade, entrega, grandeza de espírito, generosidade, potência, do­ mínio, vitalidade. instabilidade, desen­ voltura, falta de docilidade, indisciplina, oportunismo, falta de segurança e per­ severança, dispersão.

0 NODO NORTE EM VIRGEM 0 NODO NORTE EM LEÃO

0 NODO NORTE EM CÂNCER E O NODO SUL EM AQUÁRIO O nativo com o Nodo sul em Aquário em seu mapa astral revela-se de natu­ reza independente e paradoxal em seu comportamento. Distingue-se por sua grande desenvoltura, seu arraigado in­ conformismo, às vezes inclusive reso­ lutamente, e por seu agudo sentido das relações em geral e das amizades em particular. Daí que, embora preservando sua autonomia, tende a mostrar-se ex­ cessivamente disponível para os demais, atitude que esconde uma grande ne­ cessidade de consolo. De fato, o indi­ víduo que tem esta configuração com freqüência não se valoriza nem possui vontade. São estas as qualidades que deve adquirir, como nos indica o Nodo norte de Leão, que revela por outro lado que, potencialmente, esta pessoa é basi­ camente generosa, capaz de exercer um poder, uma supremacia em qualquer campo, de triunfar somente aprovei­ tando-se das circunstâncias, sem dúvi­ da alguma, mas também dominando-as só pela força de vontade.

E 0 NODO SUL EM CAPRICÓRNIO Em princípio, o indivíduo se encontra sob o domínio de seu caráter orgulhoso, de sua natureza rígida, sem concessões, e de uma tendência fundamental a con­ tar somente consigo mesmo, a descon­ fiar de todo o mundo. Tudo isso, subli­ nhado pela presença do Nodo sul em Capricórnio em seu mapa astral. Por causa de sua lucidez e de seu orgulho, pode chegar a ser pessimista, antipático, a ocultar-se tudo ou negar suas fraque­ zas. N o entanto, como indica o Nodo norte em Câncer, estamos ante um ser de grande sensibilidade, que deve apren­ der a expressar mais fácil e espontane­ amente sua doçura, sua necessidade de ternura, de fusão c de osmose com seu meio e com seu ambiente. Supomos que esconde uma profunda nostalgia de sua mais tenra infância, que às vezes o deixa melancólico e mais vulnerável do que aparenta, Quase sempre é, no co­ meço, difícil e se nega a que o ajudem,

E 0 NODO SUL EM PEIXES O nativo tende a deixar-se submergir ou ofuscar-se por suas emoções, que não consegue dominar. É o que indica o Nodo sul de Peixes, que revela tam­ bém que nos encontramos ante um ser hipersensível, impressionável e que as­ pira a uma profunda fusão emocional com os seres que ama. N o entanto, isso o faz vulnerável e com freqüência fa­ talista, pois tende sempre a temer o pior, tanto para ele como para os outros. N o entanto, consegue explorar sua imagi­ nação e intuições em proveito de certo sentido da medida e de sua capacidade de discernimento, todas elas tendências reveladas pelo Nodo norte de Virgem e que detém parcialmente. Poderá mos­ trar-se muito perspicaz, fazer escolhas úteis e concretas. capacidade de discerni­ mento, sentido do detalhe e da medida, organização, precisão, método, espírito de análise, escolhas seletas. hiperemotividade doentia, desespero, auto-ilusões, te­ mores irracionais, fatalismo, abandono, desânimo.

Jr

f

Os Nodos lunares nos signos (II)
terior, imparcialidade, sentido da idéia de compartilhar, acordo e união. Inconvenientes; impaciência, esbanja­ mento de suas forças, intransigência, in­ tervencionismo, agressividade, ansiedade. 0 NODO NORTE EM LIBRA tâncias ou os acontecimentos de sua vida o obrigarão a esta mudança. capacidade de transfor­ mação, sentido de mudança, instinto muito seguro, desapego, potentes re­ cursos que explorar. inconvenientes obstinação, possessi­ vidade, conformismo, apego aos bens materiais, oposição a mudanças, avidez.

E 0 NODO SUL EM ÁRIES O nativo cujo Nodo está situado no signo de Libra caracteriza-se por sua im­ paciência e sua constante necessidade de ação. Não pode evitar intervir em todo que passa ao seu redor, antecipar os de­ sejos, vontades, iniciativas dos demais, e de fazer cm seu lugar o que eles se­ riam capazes de fazer sem ele. Na rea­ lidade, não confia em ninguém. Quer controlar tudo. Está convencido de que é o único que sabe atuar com rapidez, que sabe o que tem que fazer c como deve ser feito. Na maioria das vezes é certo que possui bons recursos ener­ géticos, certa coragem ou um grande poder de ação. Por isso, o Nodo norte que se encon­ tra no signo de Libra, evidentemente, mostra-lhe o caminho do sossego que deve seguir, a idéia de compartilhar, a delegação e a paciência que deve ad­ quirir. De maneira que, com esta con­ figuração, estamos quase sempre ante uma pessoa ansiosa, que necessita apren­ der a encontrar um equilíbrio interior real, a reconciliar-se com sua confiança, a refletir antes de tomar uma decisão, fazer uma escolha ou decidir-se a atuar, o que o fará mais seletivo, mais eficaz e lhe dará a oportunidade de aproveitarse com naturalidade das circunstâncias, paciência, harmonia nas re­ lações, sentido da justiça, equilíbrio in­

0 NODO NORTE EM ESCORPIÃO

0 NODO NORTE EM SAGITÁRIO E O NODO SUL EM TOURO De saída, o indivíduo recusa sistemati­ camente a mudar de comportamento. Tem seus costumes muito enraizados, bem como seus valores, bens, a vida concreta e todos seus prazeres. Tem idéias fixas e se aferra a elas obstinada­ mente. Além disso, às vezes confunde coragem com obstinação. Tanto é assim que se enreda em seus próprios erros, excluindo toda a possibilidade de ques­ tionar-se pessoalmente. Tudo isso é o que nos indica a presença do Nodo sul no signo de Touro. Entretanto, a posição do Nodo norte em Escorpião, em seu mapa astral, sublinha que deve tender a uma transformação em profundidade. Isto significa que deve desprender-se dos valores que considera a menina dos olhos, para aproveitar outras qualida­ des que existem nele, principalmente psíquicas e instintivas, que tem poten­ cialmente, mas às quais teme ou recusa confiar. Efetivamente, quanto mais se resiste a esta necessidade de uma ver­ dadeira mutação interior, da qual é to­ talmente capaz, tanto mais as circuns­

E 0 NODO SUL EM GÊMEOS O nativo se parece ao fogo fátuo. E simpático e sociável, sem nenhuma dúvida, mas suas relações permanecem sempre superficiais. Interessa-se por tudo, mas não faz nunca nada seria­ mente e, principalmente, teme com­ prometer-se com um caminho e ir até o final de seus empreendimentos ou fazer uma escolha definitiva e mantêla. E curioso, porém desordenado, dis­ perso, nem sempre sincero. Todas estas tendências são reveladas pelo Nodo sul em Gêmeos. Por outro lado, seu Nodo norte indica que possui grandes pos­ sibilidades de abertura para o mundo e de expansão natural, por pouco que se aplique à tarefa de tomar uma única decisão que seja, em implicar-se com nobreza e grandeza em algo ambicioso, que parece feito para ele. compromisso, escolha, sen­ timentos nobres e generosos, autentici­ dade, opiniões pessoais, fidelidade.

^ • ^ dispersão, falta de profundidade, influenciabilidade, in­ disciplina, fraude, jogo duplo, falsas aparências. 0 NODO NORTE EM AQUÁRIO 0 NODO NORTE EM PEIXES

0 NODO NORTE EM CAPRICÓRNIO E 0 NODO SUL EM LEÃO E O NODO SUL EM VIRGEM O indivíduo cujo Nodo sul está em O nativo com o Nodo sul em Virgem Leão em seu mapa astral tem quase sem­ em seu mapa astral está atormentado por pre um gosto exacerbado pelas aparên­ um sentimento de culpa, que não lhe cias. Busca situações que dêem prestí­ deixa nem respirar. N o entanto, é in­ gio. Gosta de ser admirado. Pode chegar teressante destacar que tal sentimento a estar convencido de que tem razão vem de uma espécie de orgulho interior com respeito a tudo. Pode mostrar-se não admitido, que leva o indivíduo a entregue de corpo c alma aos que ama, mostrar-se muito exigente e perfeccio­ com a condição de obter de volta seu re­ nista consigo mesmo, mas também para conhecimento admirativo sem descul­ os demais. N o fundo, não tem fé em pas. Ambicioso, excessivo, mostra-se in­ nada nem em ninguém. Duvida de transigente e sem matizes, mas não é tudo. Não tem confiança em si mesmo, sempre tão valente c voluntarioso quan­ até o ponto que confunde obsequiosi¬ to quer transparecer. dade com servilismo. O caminho que Estas qualidades são às vezes tão for­ deve seguir para deixar de ser vítima tes, tão unilaterais, que deve tender ra­ de suas próprias críticas, que fazem dele pidamente àquelas reveladas pela pre­ o eterno insatisfeito, lhe é mostrado pelo sença do Nodo norte em seu mapa Nodo norte em Peixes: deve encontrar astral, isto é, para o espírito de solida­ esta fé em si mesmo, a fé que move riedade, de flexibilidade de caráter, o montanhas e que o indivíduo possui po­ poder de adaptação, a compreensão e a tencialmente. Deve recorrer a suas in­ tolerância. De fato, deve aprender im­ tuições, emoções e entregar-se a elas perativamente a desprender-se de si totalmente, sem nenhuma restrição. En­ mesmo para não ver tudo sistematica­ tão, desaparecerão todas as suas dúvidas mente através do filtro de seu eu. como por magia. intuição, inspiração, emo­ Vantagens: simplicidade, independên­ cia, dinamismo, gosto pelo paradoxo, ções intensas, capacidade de abandono, sentido de improvisação, capacidade de entrega, fé em si mesmo, nos demais e na vida. adaptação, permissividade. Inconvenientes orgulho, egocentris­ dúvidas, espírito crí­ mo, intransigência, vaidade, ambição, tico, perfeccionismo, rancores, inquiesuscetibilidade, necessidade de aparen­ tudes morais, falta de generosidade, cál­ tar, de causar sensação. culos.

E O NODO SUL EM CÂNCER N o signo de Câncer, o Nodo sul nos submerge no universo de um nativo que tende a se comportar como uma criança, embora sua infância tenha pas­ sado, durante tanto tempo quanto seja possível. Isto tem algo de encantador e atraente, mas a longo prazo pode ser pesado e desagradável para os que o cercam. De fato, o indivíduo tem necessidade de muita ternura, proteção e apoio, pois se deixa levar por sua natureza angus­ tiada, razão porque não consegue nun­ ca agir ou viver só. N o entanto, acon­ tece com freqüência que suas atitudes prementes em relação aos outros aca­ bam por isolá-lo. O Nodo norte em Capricórnio dita sua conduta e o motiva desta maneira a as­ sumir suas responsabilidades, a apren­ der a ter sangue frio para forçar-se a conquistar sua independência social, pública, afetiva e profissional. É capaz disso, mas quase nunca se atreve. N o entanto, se se contém, é possível conquistar um grande êxito. independência e êxito so­ cial, ambição pessoal, sangue frio, lu­ cidez, gosto pelas responsabilidades, sentido do dever. medos irracionais, necessidade de proteção, atitudes in­ fantis, falta de maturidade, medo das pessoas.

A Lua Negra nos signos (I)
Dependendo do mapa astral ser de um homem ou de uma mulher, a Lua Negra apresenta diferentes significados.
se para obter o que quer. O que explica que ela carregue consigo uma constante necessidade de ações, iniciativas, lutas e afirmação de si mesma. A LUA NEGRA EM ARIES Passar à ação representa um caráter ab­ soluto no nativo afetado por esta confi­ guração. Intensifica-se. Às vezes vai além dos desejos. Da mesma forma, a proje­ ção para futuro, a espontaneidade, as ini­ ciativas instantâneas são expressões es­ senciais do indivíduo que tem a Lua Negra em Áries. Se enfrenta a um obstáculo insuperável, que não pôde antecipar, suas crises de desânimo tornam-se excessivas e suas reações extremas. Sente-se desarmado, abatido e impotente. Deixa-se levar pela cólera e a violência expressivas e re­ pressivas. Assim, ao avaliar muito me­ lhor as conseqüências de seus atos, ao não deixar-se ofuscar por suas visões, ao canalizar sua impaciência e agressivi­ dade, o nativo conseguirá reconciliar-se consigo mesmo e atuar com grande efi­ cácia. o homem: traz consigo uma ima­ gem inconsciente e sublimada de mulher cativante, visionária, guer­ reira ou indomável, com caráter agressivo, que se ampara no homem que escolhe e o sacrifica, se for útil e neces­ sário. É esta visão gentil da mulher o que faz com que às vezes suas relações com ela sejam conflituosas. a mulher: inconscientemente, tem uma imagem do homem co­ mo guerreiro agressivo, impaciente ou violento, que toma o que tem à mão e que está disposto a sacrificar-

N

a mulher: quer ser de alguma forma o território, a propriedade e o reino do homem, quer que ele tenha traços de senhor, aos quais ela se submeterá de corpo e alma. É o que revela a potência de realização ma­ terial, sua fecundidade, sua sensualidade transbordante, sua sede de posse e seu carinho.

N

N

N

A LUA NEGRA EM TOURO O desejo de posse sempre está latente, mas dominante, obsessivo, inclusive estando em um segundo plano a perso­ nalidade do nativo. Por isso sua oposi­ ção obstinada às mudanças, ao desape­ go, à renúncia, sua extrema avidez e sua necessidade visceral de ter, acumu­ lar e conservar podem transformar-se de repente em seus contrários: cessão, despojo, abandono, perdas, pobreza, e miséria. De fato, a grande caracterís­ tica da personalidade revelada pela Lua Negra é uma espécie de força interior primária e primitiva contida em todos nós, que não pode se modificar nem se deformar. É preciso deixar-se absorver por ela. Mas, na Terra de Touro, seus princí­ pios se fixam, se reproduzem e proli­ feram. o homem: tem tendência a sa¬ cralizar a imagem da mulher ou, mais exatamente, a sacralizar o ato carnal pelo qual se une a ela para semear, fecundar e engendrar. Para ele é uma deusa da Terra que dá e toma a vida, que rege a vida e a mor­ te, que tanto pode ser fértil como esté­ ril, segundo a ame e honre como se de­ ve, ou não.

N

A LUA NEGRA EM GÊMEOS O nativo cuja Lua Negra está neste sig­ no em seu mapa astral, está confrontado a um autêntico problema de identidade, que o obriga a interrogar-se constante­ mente sobre si mesmo. Suas capacidades cerebrais são perigo­ samente exaltadas, engendrando uma confusão ou uma agitação mental, in­ clusive uma cisão da personalidade. A comunicação cm todas suas formas transforma-se em pouco tempo em um instrumento para a tomada de consciên­ cia de sua identidade, razão pela qual quase sempre estamos ante um ser que se dá muito bem com a palavra e a escri­ tura. Às vezes estão ausentes, negados, inibidos pelo indivíduo que recusa qual­ quer relação com o outro. Ou então se identificam com o outro, até anular sua personalidade. Em todo caso, este outro sempre supõe um problema para eles. o homem: para este indivíduo, a mulher é mais uma irmã que uma amante, quando não se trata de uma mulher com múltiplas faces,

N

com caráter variável, adaptável, de uma adolescência atrevida, inteli­ gente e sedutora. Tem os atrativos da fada boa ou os poderes da bruxa. É um pouco como o espelho de Branca de Neve ou o retrato de Dorian Gray do romance de Oscar Wilde: traidor e mortal. a mulher: para ela o homem é um personagem com múltiplas facetas, possuidor de todos os dons da natureza e da inteligên­ cia. É seu irmão, seu duplo, que lhe envia sua própria imagem sempre nova e gratificante. O que explica sua neces­ sidade de mudar de pele, de identidade e seus talentos como atriz, capaz de en­ carnar vários personagens.

N

Ele é paternalista, mas também influen­ ciável, enquanto não conseguir sair de seu ninho de sonhos. a mulher: espera o príncipe azul, inclusive quando já encon­ trou o homem de sua vida, que deve ser forte, protetor e realista. Imersa em um estado de melancolia, sonhos e angústias crê que um dia virão a buscá-la e a libertá-la, pois sente-se prisioneira.

um príncipe mau, dominador e ater­ rador. É a figura simbólica de suas exigên­ cias de vida, de sua recusa à mediocri­ dade e à imperfeição, de sua entrega e de seu orgulho.

N

A LUA NEGRA EM CÂNCER Não nos surpreenderá, neste caso, que prevaleçam os valores da mãe, a ma­ triz, do lar familiar e conjugal, mas tam­ bém do pai e da pátria; etimologicamen­ te, a pátria é o país do pai. Por isso o indivíduo está quase sempre marcado por seu passado, sua mais tenra infância, seu meio original, os quais estão fixados para sempre, mas que o afogam. Estamos no universo do claustrófobo, do indivíduo que não suporta ficar preso ou viver durante demasiado tempo no mesmo lugar. Mais cedo ou mais tarde, o nativo tentará cortar as amarras, de¬ senraizar-se, desfazer-se definitivamente de seu passado, ou as circunstâncias de sua vida o obrigarão a fazê-lo, pois se dá conta de que não está feito para viver eternamente limitado, em um mesmo molde. Por isso, precisa de constantes mudanças. o homem: cultiva uma imagem da mulher mãe ou da mulher me­ nina que anseia por proteção e se­ gurança, que tanto pode ser insa­ ciável e sufocadora como caprichosa e irresponsável.

N
N

A LUA NEGRA EM LEÃO O indivíduo com tal configuração está imerso cm uma quietude moral e uma falta de confiança em si mesmo que o empurram a buscar um reconhecimento admirativo, a aparentar, a exibir-se e im­ pressionar o seu meio. Busca as situa­ ções que destacam e as circunstâncias excepcionais. Mantém quase sempre o culto ao herói que lhe foi inculcado ou o modelo sobre o qual estruturou sua personalidade. N o entanto, seu sacri­ fício último se situa quase sempre ao nível de sua identidade, que aspira a des­ pojar-se de toda aparência enganosa. Ou então está em busca de um amor sem possessividade, puro, brilhante, sublime e cheio de entrega. Quer ser o único, di­ ferente, singular e a ter acesso à mais alta nobreza e à maior generosidade de co­ ração. o homem: cultiva a imagem da mulher mágica, magnífica, forte e orgulhosa à que quer dominar. N o entanto, a idealiza de tal ma­ neira que a faz mítica ou inacessível. Ela revela nele sua negação do amor ordinário, sua obsessão pelo fracasso, seu instinto de vida, sua criatividade essencial e seu complexo de superio­ ridade. a mulher: o homem é um herói, um ser estranho, excepcional, um conquistador, um cavalheiro de grande coração, sempre disposto a roubar para defender aos pobres, ou

N

N

A LUA NEGRA EM VIRGEM O indivíduo tende a recusar o presen­ te, o cotidiano, o mundo do trabalho, seu próprio bem-estar ou tenta viver de forma excepcional em todos os cam­ pos. De maneira que tanto se revelará to­ talmente desordenado, laxista e ina­ daptado à vida material c social, como maníaco, detalhista, perfeccionista, mesquinho, afogado entre mil e um pequenos detalhes práticos que o obri­ garão a viver cm um espaço limitado e um universo restringido. Para se dis­ tinguir, se colocará a si mesmo, in­ conscientemente, em uma situação de recusa. Por exemplo, perderá seu em­ prego ou cairá doente, pois reside nele uma aspiração à marginalidade c à di­ ferença. o homem: vê a mulher como a um ser estranho, enigmática, to­ talmente sensata e reservada, co­ medida, apagada, ou, ao contrá­ rio, com tendência a excessos, à falta de medidas e inclusive à loucura. Isto implica que ele mesmo sempre oscila entre uma integração serena e tranqüila e um espírito lógico e crítico exacer­ bado. a mulher: também cultiva a imagem secreta de um homem tanto sensato, como louco, às vezes excessivamente razoável e moderado, mas restritivo e frustrante, outras vezes incompreensível c des­ concertante. Revela sua necessidade visceral de pre­ servar-se, com ânsias de soltar as ama­ rras e indagar profundamente a reali­ dade.

A Lua Negra nos signos (II)
vencional, baseada em interesses mú­ tuos, excluindo totalmente o desejo e o amor. Como vemos, a Lua Negra em Escorpião não é nada generosa com seus afetados. A LUA NEGRA EM LIBRA Com esta configuração serão, eviden­ temente, a noção de harmonia e o prin­ cípio ético que vão aparecer exaltados ou negados c repelidos em bloco pelo indivíduo, que se transforma em um ser irritável, intransigente, parcial, juiz e júri ao mesmo tempo, ou que se inscreve mal na ordem estabelecida, vivendo fora das normas e da lei. Da mesma forma, poderá ir em busca da harmonia nas re­ lações e da estética mais perfeita, ou então renegará por completo o que se supõe que é belo, conforme os critérios e os cânones de beleza, adotando gostos no mínimo estranhos, raros e provo­ cadores. Mas existirá possivelmente no indivíduo em questão uma necessidade de harmonia nas relações ou uniões per­ feitas, que acabará por transformá-lo em um ser tão exigente e detalhado que, uma vez mais não poderá viver a asso­ ciação, o matrimônio ou a vida de casal com toda a serenidade. o homem: vê na mulher um ideal estético que poderá incitar-lhe a encontrar uma companheira de beleza física perfeita e inacessível, mas que terá sem dúvida o defeito de ser bastante superficial ou ter valores formais. a mulher: também é muito sen­ sível à beleza física do homem. Po­ rém está claro que ela a busca, a aguarda e a espera, mas no íntimo não deseja encontrá-la, pois teme seu pró­ prio desejo, que a obrigaria sem dúvida a tomar consciência dele e a escolher. A LUA NEGRA EM ESCORPIÃO De forma latente, e poderíamos dizer quase incômoda e inquietante, a pre­ sença das forças reveladas por esta Lua Negra tem tanta intensidade que o in­ divíduo afetado por esta configuração é tão resoluto que pode, em qualquer momento, levar as coisas ao extremo. Não é do tipo que se vangloria de suas intenções e de seus atos. Conforma-se com atuar quando lhe pa­ rece vital. Mas não tem nem medida nem moderação. Como dissemos em outras palavras, é muito decidido. Sua lucidez é às vezes perigosa, tanto para ele como para seus interlocutores, pois raramente fixa-se no que há de mais belo, nobre ou generoso no homem, mas sim em suas zonas mais obscuras, às vezes insuspeitas, ou que ele ignora. o homem: atrai-lhe a feiticeira, a mulher fatal, que se entrega até o infinito, sem complexos, para es­ colher melhor, dominar, a sedu­ tora irresistível, possuidora de todos os encantos, cuja sensualidade é inesque­ cível, porém mortal. Por tal razão sua vida amorosa está repleta de crises pas­ sionais, Na mulher: aspira a encontrar o diabo em pessoa ou, mais exatamente, um homem misterioso, dominador, manipulador, ousado e que se atribui todos os poderes. Esta idéia é tão forte nela, que com muita freqüência renuncia a toda perspectiva de amor em sua vida e a sacrificar-se, fazendo um contrato de união con­

N N

N

N

A LUA NEGRA EM SAGITÁRIO Quaisquer que sejam os demais fato­ res inscritos em seu mapa astral, o indi­ víduo cuja Lua Negra está presente nes­ te signo é fundamentalmente um ser selvagem, inadaptado à vida social, dis­ posto a desobedecer em tudo, a desafiar as proibições e a rebelar-se. Não suporta o conformismo, os lugares-comuns, a rotina, a monotonia e os valores esta­ belecidos. Mas quase sempre só atua assim aparentemente com relação ao comportamento. De alguma maneira, esconde bem seu jogo. Ou então ex­ pressa-se com tal naturalidade e tal sim­ plicidade, que não acreditamos nele de verdade. Até o dia em que abandona sua modesta vida tranqüila, sua comodida­ de, seus costumes, para partir para uma aventura e viver de forma totalmente in­ conformista. o homem: não nos surpreenderá saber que se envolve com uma ama­ zona, uma aventureira ou uma mu­ lher de caráter selvagem, indomá­ vel, duro e intratável. Ou então sonha com uma mulher mais inteligente que ele, socialmente inacessível ou, ao con­ trário, de uma classe social inferior. Ou por último, conhece a uma estran­ geira e, por ela, deixa o país, raízes e opta pelo exílio.

Na mulher: o homem ideal é um ser selvagem, brutal, primário, mas puro e belo, um homem sil­ vestre, da selva, do bosque ou da floresta, um aventureiro, um homem que vive deslocado, em outro mundo, ou em outro tempo, ou talvez em outro planeta.

N

N

A LUA NEGRA EM CAPRICÓRNIO Todos sabemos que o espírito lógico le­ vado ao extremo aprisiona e isola o ser que tem uma resposta para tudo e re­ cusa ter qualquer dúvida, fechando-se cm si mesmo, convencido de ter razão. Este é o risco que corre aquele ou aquela cuja Lua Negra se situa em Capricór­ nio. As noções de sacrifício e orgulho também representam um papel impor­ tante nele, mas principalmente devido a uma preocupação em distinguir-se. Por exemplo, quando se encontra no ápice de seu êxito social e profissional, tende a falhar ou pôr-se cm situação de ser recusado, em lugar de ter que fazer concessões ou ser posto em dúvida. o homem: sonha com a mais sen­ sata das mulheres, inteligente, co­ medida, reflexiva, admirável, ou ao contrário, com a mulher que beira a loucura para liberar-se do mundo ou da realidade. Mas a mulher iniciadora dos mistérios da vida também o fascina, uma mulher sagrada, que é mais venerada que amada. a mulher: para ela o homem é si­ lencioso, solitário e impenetrável. E um ermitão, um asceta, um velho sábio, um profeta com força, um ser singular, ou pelo menos um sábio, um professor, um médico ou um dignitário.

N

N

A LUA NEGRA EM AQUÁRIO Como conseguir uma espécie de li­ berdade absoluta, de independência total de espírito, de pensamento e vida supremas? É a pergunta que se faz constantemente o indivíduo cuja Lua Negra está neste signo em seu mapa astral. Não pode aceitar ser, nem viver, como todas as demais pessoas. Sente a neces­ sidade de afastar-se do rebanho e de se distinguir entre seus semelhantes. Tem horror a sentir-se prisioneiro, forçado, fechado; ou sempre teme estas con­ dições e tem repentinos ataques de re­ belião, periodicamente, durante toda sua vida. Às vezes dá a impressão de que sem­ pre está fugindo e que tenta evadir-se, razão pela qual muito freqüentemente semeia a desordem e a discórdia ao seu redor e em sua própria vida. o homem: seu ideal feminino é evidentemente uma mulher livre ou libertina. De maneira que, com ela, não corre o risco de sentir-se pressionado ou sufocado. Trata-se de uma mulher bela, inteligente, basica­ mente independente, isto é, inacessível. Vive fora da linha geral. Mas é uma in­ comparável inspiradora e uma perfeita musa. a mulher: o homem no qual pensa é rebelde, anarquista, fora da lei, indomável e irreprimível, que transgride o proibido, não por provocar, mas sim porque isto está em sua natureza. Para ela, ele é com­ pletamente ao contrário do marido for­ mal, mas no entanto tem algo de um ho­ mem transformado em um deus.

N

A LUA NEGRA EM PEIXES Nesta configuração estamos ante um in­ divíduo misterioso ou, ao menos, que gosta de ser misterioso. Quase sempre emite algo que enfeitiça, algo indefiní­ vel, inexplicável, que lhe deixa muito atraente mas que às vezes também in­ quieta. Sabemos que sabe mas não sa­ bemos o que sabe. Quer conhecer tudo, indagar a realidade em profundidade, resolver enigmas, conhecer a origem de tudo, ir até o fundo dos seres, desvelar sua psicologia e motivações profundas. Às vezes pode ser vítima de seus fan­ tasmas, sua imaginação transbordante e seus sonhos impossíveis. Em outros momentos, pode ser genial, com tudo o que isso implica de esgo¬ tante. E bem sabido que o gênio, quase sempre, é menosprezado porque per­ turba a ordem estabelecida e as idéias preconcebidas. o homem: a mulher é sublimada. Trata-se de uma grande sacerdo­ tisa, uma mulher com poderes misteriosos, de sensualidade fei­ ticeira, doce e absorvente ao mesmo tempo. De uma forma ou de outra, sempre está mais ou menos longe da re­ alidade, da qual se evade, mental e fi­ sicamente. a mulher: é o homem que vê, sabe, conhece, o que aos demais nos passa inadvertido. E ao mes­ mo tempo inquietante e atraente. Tem algo do extraterrestre, do místico iluminado, do mago que encanta, desse ser que se aproxima das fronteiras do possível. Com ele você pode encontrarse ou perder-se, mas não viverá como o resto do mundo.

N

A Parte da Fortuna nos signos (I)
A Parte da Fortuna, situada em um dos 12 signos do Zodíaco, permite compreender o sentido e o valor que um ser humano dá à felicidade, à alegria e também à sorte em sua vida.

A PARTE DA FORTUNA EM ÁRIES O indivíduo afetado por esta confi­ guração encontrará sua felicidade, evi­ dentemente, ao explorar as qualidades próprias deste signo de ação e de pro­ jeção imediata para o futuro. Quanto mais estiver em condições de tomar iniciativas, de avançar sem se preocu­ par com os obstáculos, de exteriori­ zar suas energias, de se afirmar, de agir espontaneamente, inclusive de repre­ sentar um papel de líder em seu campo ou contexto, mais feliz se sentirá. De fato, potencialmente, possui qualida­ des para representar um papel de guia. Estas qualidades serão identificáveis em seu mapa astral. Porém, em con­ creto, terá como objetivo transformarse em seu próprio guia, isto é, seguir seu instinto primário, puro e bruto, que o impele a obter dele sempre algo novo. A Parte da Fortuna neste signo possui certo carisma, como se uma chama invisível ardesse nele perma­ nentemente e, apesar dele, o rodeasse de uma auréola. Se chegar a ser cons­ ciente e dominar este ardor, presente nele, vemos que papel pode desem­ penhar e como pode encontrar sua fe­ licidade: indo onde ninguém antes dele esteve ou fazendo o que ninguém antes tinha ousado fazer. Dizer que a sorte sorri aos audazes é uma verdade já conhecida.

A PARTE DA FORTUNA EM TOURO O nativo com esta configuração em seu mapa astral encontrará sua felicidade e plenitude no ato do amor e da pro­ criação. N o entanto, não se trata do amor romântico, mas sim daquele que capta os sentimentos, que leva a cons­ truir as relações, a assentar sólidas bases em sua existência. Quanto à procriação, quer se trate de um nativo homem ou mulher, terá um valor simbólico muito forte. Às vezes dará mesmo sentido à sua vida. A tal ponto que sentirá sempre uma profunda alegria, toda vez que tiver a oportunidade de se inscrever na con­ tinuidade dos ciclos da vida, por exem­ plo, ao ter a possibilidade de continuar uma obra começada por outras pessoas antes dele e que poderá por sua vez con­ fiar a outros para a continuarem depois dele. Evidentemente, para ele o bemestar será sinônimo de existência sau­ dável, aprazível e tranqüila. Quanto mais aspire e encontre a simplicidade em seu modo de vida, tanto mais terá a possi­ bilidade de ser feliz. Por outro lado, o indivíduo que tiver esta configuração em seu mapa astral sa­ berá apreciar os prazeres sensuais c a boa comida, mas sem excessos, com uma arte consumada e uma finura excepcio­ nal. As qualidades de enólogo ou co­ zinheiro revelam quase sempre uma Parte da Fortuna em Touro.

A PARTE DA FORTUNA EM GÊMEOS A parte de sorte da qual o indivíduo be­ neficiará durante toda sua vida será tam­ bém, de certa forma, a armadilha que se lhe armará para perdê-la. Sua parte de sorte residirá cm sua grande capacidade para encontrar e compreender os ou­ tros. De maneira que, às vezes, acontece que o conjunto de um mapa astral nos situa perante uma pessoa pouco sociá­ vel, um misantropo ou, simplesmente, um introvertido. Ora, apesar disso, em qualquer caso, os outros parecem sen­ tir-se atraídos por ele, seja onde for. Isso identifica-se com uma Parte da Fortuna cm Gêmeos, já que o dom que foi ou­ torgado ao nosso nativo é o de estar em condições de se confrontar com o outro o mais freqüentemente possível para que tome consciência de seu papel na vida social e pública, das mensagens que deve transmitir e, resumindo, do que pode fornecer aos outros. Porém, não poderá fazê-lo até que encontre seu par­ ceiro ou parceira. De fato, estamos no universo dual de Gêmeos. Acaba sem­ pre por lhe passar em um momento ou outro de sua vida. Então, a máscara de seu mutismo ou de sua indiferença cai e ele adora dialogar, estudar, compre­ ender e trocar idéias ou pontos de vista, inclusive fúteis, simplesmente comu­ nicar seu saber, idéias, impressões, sen­ timentos, emoções.

A PARTE DA FORTUNA EM CÂNCER Existe, normalmente, uma felicidade vi­ vida durante a infância, no seio do lar dos pais, que deixará uma marca inde­ lével, uma recordação gravada para sem­ pre na memória do nativo, que será du­ rante toda sua vida fonte de inspiração e de bem-estar. Simplesmente, estamos na configu­ ração de quem teve o privilégio de viver uma infância feliz, sem preocu­ pações e em um clima afetivo perfeito, em um ambiente familiar e em con­ dições materiais privilegiadas. Desde há mais de um século, as investigações dos psicólogos destacaram e atualiza­ ram o papel primordial determinante que desempenha o que vivemos du­ rante a infância na formação do cará­ ter e da personalidade de um ser. A Parte da Fortuna situada neste signo indica quase sempre uma personali­ dade bem estruturada, já que será for­ mada em um molde ideal. Esta será a sorte do indivíduo afetado por tal configuração. Evidentemente, deverá estimá-la em seu justo valor.

e seus atos coincidirem exatamente, ou se poder ler em seu rosto como em um livro aberto, pois não existirá nenhuma diferença entre sua aparência exterior e sua vida interior. A pessoa com a Parte da Fortuna em Leão cm seu mapa astral parece sempre bela, mesmo que seus traços sejam ingratos ou se a vemos com um aspecto descuidado ou em seu pior dia. Com efeito, estamos no universo da força doce, da dominação feliz e tran­ qüila, da potência interior, aprazível e boa, da identidade que só tem de apa­ rentar para ser. Quem possuir esta parte de sorte e de felicidade que só tem de aparentar não tem de fazer mais do que mostrar-se digno dela.

A PARTE DA FORTUNA EM LEÃO Ser ou parecer? Eis a questão que se re­ petirá uma e outra vez de maneira ob­ sessiva durante a existência deste nativo, desde que não compreenda que sua sorte, seu privilégio, o dom dos deu­ ses que lhe foi outorgado ou o talento que possui se baseia em sua capacidade de realizar uma perfeita simbiose entre seu ser e seu parecer. Em outras palavras, conseguirá uma ver­ dadeira autenticidade que se revelará, por exemplo, no fato de suas palavras

A PARTE DA FORTUNA EM VIRGEM Reinar é servir e também é ser útil para dar um sentido à vida. Aquele ou aquela

cuja Parte da Fortuna estiver situada neste signo em seu mapa astral encon­ trará sua felicidade sendo útil. Bastará para ele quase sempre um de­ talhe insignificante, sem importância para tomar consciência do papel estra­ tégico e necessário que deve desem­ penhar, já que se souber explorar hábil e metodicamente todas as suas qualida­ des potenciais — reveladas pelos outros elementos inscritos em seu mapa astral do céu —, se tornará iniludível, indis­ pensável e vital para os que encontrar em seu caminho ou para os que fazem parte de seu meio. Sua capacidade de discernimento será sua melhor qualidade, mas saberá tam­ bém apurar e depurar tudo que escape ao domínio do espírito e da moral, en­ contrando verdadeiras satisfações ao fazê-lo. Por último, sua aguda consciência do presente lhe dará a oportunidade, pa­ radoxalmente, de ter uma visão sinté­ tica das coisas e cultivar certa forma de fé inteligente, que se alimentará de suas dúvidas e de suas perguntas.

A Parte da Fortuna nos signos (II)
A PARTE DA FORTUNA EM LIBRA
U m nativo cuja Parte da Fortuna está si­ tuada neste signo, em seu mapa astral, não só pode obter sua sorte e suas maio­ res alegrias do outro e dos demais, como também é nestes outros onde as vai en­ contrar. O outro, muitas vezes, é um ser complemento que chegará a conhecer e com o qual terá uma relação totalmente privilegiada. Nosso nativo não deveria ceder à tentação do perfeccionismo no que se refere a suas relações com os de­ mais ou simplesmente em sua vida de casal. De fato, sempre existe essa armadilha na Parte da Fortuna, que induz a levar tudo a um ponto culminante, sublime e ideal; mas, por isso mesmo, inacessí­ vel. Em outras palavras, o indivíduo re­ velado por uma Parte da Fortuna em Libra sempre pode tender a idealizar seu companheiro ou a vida do casal. Se o faz, encontrará uma decepção. Por outro lado, se se transforma a si mesmo no ar­ tesão desta perspectiva de fusão no outro, e com o outro, à qual aspira e que sente em seu interior, será muito feliz. Seu destino é poder viver no outro, com o outro, através dele, sentir-se rico a custo da riqueza interior do outro, dando-lhe a oportunidade de realizarse, expressar-se e dar o melhor de si mesmo. O indivíduo cuja Parte da Fortuna está neste signo, pode estabelecer uma re­ lação quase mágica, que transformará sua vida, através de uma pessoa à qual parecia predestinado; e por sua vez ele transformará a vida desta pessoa. No en­ tanto, isto não se reduz somente ao outro em particular, às vezes pode re­ ferir-se aos demais em geral. De fato, o indivíduo em questão pode demons­ trar tal compreensão e indulgência para os demais que estes irão até ele espon­ taneamente, sem que ele tenha que mover um só dedo. Ao tomar cons­ ciência da alegria que proporciona aos demais inconscientemente ou de que os demais se alimentam desta alegria, ele mesmo encontrará sua felicidade, posto que possui uma verdadeira harmonia in­ terior. Os demais sabem disso, sentem e pressentem. Por esta razão as pessoas vão até ele. Mas cabe a ele ser consciente disso. géticos para aliviar, cuidar, possivel­ mente curar, aos demais. Sua sorte tam­ bém consiste em poder encontrar a paz em si mesmo, ajudando aos demais a encontrar a própria, o que quase sem­ pre acontece quando se abre aos demais sobre seus sofrimentos físicos e morais, pois ajuda a pessoa a acabar com um combate físico e moral, com uma luta interior, que é a causa da dor.

A PARTE DA FORTUNA EM SAGITÁRIO
Ser simplesmente ele mesmo não é a melhor e mais nobre ambição do ho­ mem? É esta a sorte que está ao alcance da mão do nativo com a Parte da For­ tuna em Sagitário. De fato, conta com todas as oportunidades para chegar a ser um dia verdadeiramente o que no fundo é, sem artifícios nem floreios, goste ou não goste. Antes deste dia chegar, passa­ rá sem dúvida pela etapa da iniciação. Isto é, cruzará com um mestre, que tem que ser necessariamente um mestre espiritual, alguém que o porá no ca­ minho correto para ele. Em todo caso, mais cedo ou mais tarde, acabará por ganhar esta liberdade do homem igual a si mesmo, da mulher orgulhosa de ser o que é. Nem ele nem ela jamais expressarão sua liberdade em forma de reivindicação mas sim de revelação. A pessoa com a Parte da Fortuna presente neste signo encarnará a liberdade. Terá a sorte de ser fundamentalmente livre, e nada nem ninguém poderá jamais forçá-la, retê-la ou aprisioná-la.

A PARTE DA FORTUNA EM ESCORPIÃO
O indivíduo com a Parte da Fortuna neste signo em seu mapa astral sai em busca da sublimação de seus instintos, impulsos, desejos, prazeres e sentidos. Em um primeiro momento, aspira a ter sensações excepcionais, intensas, físicas e mentais. Em um segundo momento, pode ter preocupações místicas e espi­ rituais, mais que religiosas. Na verdade, sua busca consiste em vibrar com a má­ xima intensidade. Isto pode convertê-lo em um ser muito exigente sexualmente, e que aspira a uma autêntica fusão carnal, intelectual, sensual e espiritual com o outro, in­ clusive a fundir-se ou a anular-se nele. Sua sorte é possuir a capacidade de do­ minar seus formidáveis recursos ener­

uso inteligente de sua energia ativa para operar de forma independente, original e solidária, a sorte estará de seu lado. Da mesma forma, se decide ser uma pes­ soa douta em sua atividade, poderá ilu­ minar aos demais ou mostrar-lhes o ca­ minho; a felicidade não o abandonará jamais, pois sempre sentirá uma profunda alegria transmitindo e comunicando o que vê.

A PARTE DA FORTUNA EM CAPRICÓRNIO Neste caso, estamos no universo do pu­ ro desapego. De saída, o indivíduo, cuja Parte da Fortuna está inscrita neste signo no dia do nascimento, tem a sorte de ser capaz de ir ao essencial. Possui um ter­ ceiro olho lúcido que jamais o trai. Sem dúvida alguma, não o utilizará de saída, obviamente. Mas lhe servirá de guia, sem saber, durante a primeira metade de sua existência. E na maturidade será seu mestre. Também aprenderá pouco a pouco a fazer abstração das incerte­ zas da vida sensível e emocional, que sem dúvida não é sem atrativos, mas com freqüência é traiçoeira e ilusória. Saberá também dar um objetivo que irá mais além de si mesmo e que lhe ga­ rantirá uma espécie de continuidade em suas intenções e em seus atos, os quais lhe farão passar por uma pessoa sólida, bem estruturada e bem ancorada na rea­ lidade material. Mas só estará disposto a se despojar de tudo que for superficial, fútil e inútil aqui em baixo, pois sua sorte e sua maior parte de felicidade residem justamente no mais total desapego, em uma espécie de solidão iluminada.

A PARTE DA FORTUNA EM AQUÁRIO As palavras-chave do indivíduo cuja Par­ te da Fortuna está situada neste signo em seu mapa astral são: energia, dinamismo e luz. É desta forma que encontrará sua felicidade, entregando-se a todas as ex­ periências da vida, explorando todos os campos da realidade, partindo do desco­ brimento do que ninguém viu, ninguém detectou e ninguém apreendeu. Sua sorte será a de poder lançar-se na grande aven­ tura da vida, soltar amarras, sair de seu casulo familiar, social, educativo, econô­ mico, político, religioso e de relações. Para ele, nada será impossível por pouco que chegue até o final de suas loucas idéias, de seus insensatos projetos, de seus sonhos, que tem o poder de tornar reais. De forma que, quaisquer que sejam seus inconvenientes e adversidades, se faz um

A PARTE DA FORTUNA EM PEIXES A parte de sorte e felicidade do nativo com a Parte da Fortuna neste signo, do qual às vezes dizem reunir todos os de­ mais signos do Zodíaco, estará na fron­ teira do que os psicanalistas definem como os conceitos de "consciente" e "inconsciente". Portanto, aproveitando a capacidade de perceber uma dupla rea­ lidade, de ver simultaneamente o con­ teúdo e o continente de todas as coi­ sas, o fundo e a forma ao mesmo tempo, este indivíduo encontrará uma espécie de plenitude interior. Inefavelmente, e sem que isso seja refletido em seus atos ou em seu comportamento, aspirará a uma espécie de transcendência do pen­ samento. Por exemplo, será mais cons­ ciente que ninguém do tempo trans­ corrido, mas reconhecerá também a permanência das coisas. Quase sempre transmitirá o que percebe através do amor. Mas este amor não tem nada a ver com os sentimentos pessoais ou egoís­ tas. Trata-se da entrega pura e desinte­ ressada de quem, no fundo, sabe que tudo reúne os seres e que todos os seres somos parecidos.

Os astros nas Casas

O Sol nas Casas I a VI
O Sol nas casas revela em que setor da vida material e social se expressa a vontade do indivíduo.
a mesma forma como os astros nos signos nos informam sobre os componentes da personalidade de uma pessoa, os astros nas casas nos infor­ mam sobre suas expressões e manifes­ tações durante a existência e sobre sua vida social. De fato, ao criar a civilização, o homem criou uma nova condição: a existência social! Os astros nas casas referem-se essencialmente ao indivíduo social, às suas projeções, à sua integração, ao lugar que ocupa e ao papel que desempenha na vida em sociedade. Deste modo, o Sol nas casas revela em que setor da vida material e so­ cial o indivíduo ex­ pressa sua vontade

D

instintiva, que favorece a realização de sua personalidade.

0 SOL NA CASA I
A vontade instintiva e o eu, o ser e o as­ pecto, são um todo inseparável. O in­ divíduo em ques­ tão é muito sub­ jetivo, consciente de si mesmo, tanto primário como se­

cundário no seu comportamento e ati­ tude. Tem tanta necessidade de inde­ pendência que procura a admiração ou aprovação dos outros. Brilhante, sedu­ tor, muito presente na vida social e, às vezes, egocêntrico e arrogante. Beneficia de uma grande vitalidade que tem ne­ cessidade de exteriorizá-la. Acontece com freqüência que a coincidência entre a posição do Sol e a situação do ascen­ dente — que é, não nos esqueçamos, a cúspide da Casa I — exalta tanto as qua­ lidades do signo onde estão situados que relega para segundo plano as qua­ lidades do signo oposto, ado­ tadas pelo indivíduo em questão, em função dos casos.

**-*'

O SOL NA CASA II A vontade instintiva do indivíduo está focalizada na to­ mada de posse do seu meio na­ tural, com um desejo latente ou ^ ^ ■ ^ ^ admitido, conforme o caso, de exercer um poder ou influên­ cia sobre ele, de resplandecer e apro­ veitar-se plenamente dele. Deste modo, quase sempre sabe tirar partido das circunstâncias que se apre­ sentam no seu meio e dos meios de que necessita. Preocupa-se também em pre­ servar-se, em ter segurança. Isto pode, sem dúvida, incliná-lo para um certo conformismo ou torná-lo dependente de certos hábitos na sua vida material e social: então confunde coragem e obs­ tinação, rejeitando qualquer perspec­ tiva ou possibilidade de mudança. Pode mostrar-se poupado, prudente, sagaz, muito calculador, ou pródigo e gastador para esbanjar seus bens e energias.

O SOL NA CASA III A vontade ins­ tintiva da pes­ soa se manifesta e se expressa de forma espontânea, de forma natural no seu meio social e público, onde se des­ taca, impregnado de certo calor humano e de um sentido inato da comunicação e intercâmbios, que suscitam numero­ sas simpatias. Por isso, o indivíduo em questão orienta-se freqüentemente para uma atividade que lhe dará oportuni­ dade de desempenhar um papel social, fazer contatos, trocar idéias, manter re­ lações tão ricas quanto variadas. Sua so­ ciabilidade, seu espírito prático e astuto são inegáveis. N o entanto, às vezes é influenciável e instável ou, ao contrário, prisioneiro de seus costumes, idéias, convicções fe­ chadas, sem uma mentalidade aberta nem generosidade.

0 SOL NA CASA IV A vontade instinti­ va do indivíduo está integrada com muita na­ turalidade no seu meio fami­ liar, em cujo seio se destaca e manifesta com freqüência certo domínio. Por ex­ tensão, a preocupação em constituir um lar, em desempenhar o papel de chefe de família, em ver-se no centro de todas as situações está sempre latente no in­ divíduo, que aspira a sentir-se seguro, reproduzindo ou criando um esquema que já conheceu durante sua infância ou que injustamente não pôde ter. Por este motivo, mostra-se às vezes ca­ seiro, conformista, nostálgico ou então suas relações familiares ocupam um es­ paço demasiado grande em sua vida, ini­ bindo seu espírito independente e blo­ queando sua realização pessoal. Quase sempre, o interesse por suas origens, sua pátria e seu lar é mais ou menos pro­ nunciado. O SOL NA CASA V A vontade ins­ tintiva do indi­ víduo baseia-se na alegria de viver e no amor. Daí re­ velar-se muitas vezes um grande apaixonado da vida e de seus prazeres. Possui uma energia vital ex­ traordinária, calorosa, generosa, e um rico potencial de criatividade, sente uma

necessidade profunda e essencial de se exteriorizar, amar, criar, produzir e gozar a vida. Dá, portanto, muita importância a seus sentimentos, tanto às pessoas que os suscitam como ao que os outros sen­ tem por ele. Pode ter tendência para se mostrar exuberante, vaidoso, abusar de suas forças ou desperdiçar suas energias. Uma ou mais crianças e suas relações com elas terão com freqüência grande importância em sua vida. Por extensão, produzir e criar também é conceber. O SOL NA CASA VI A vontade ins­ tintiva do indi­ víduo aspira a integrar-se har­ moniosamente na vida do dia a dia, con­ centrando-se no presente imediato, com uma consciência aguda dos detalhes prá­ ticos e materiais. Nesta configuração, o indivíduo conhece suas limitações ou então as impõe a si mesmo para se de­ dicar a uma tarefa concreta. De fato, tem necessidade de se sentir útil. É íntegro, consciencioso, entregando-se até à ab­ negação. Muito dependente de seu bemestar e do bem-estar dos outros, desta­ ca-se com freqüência em profissões relacionadas com a saúde. N o entanto, às vezes estagna na rotina e na mono­ tonia até se sentir frustrado em um meio restrito, com possibilidades limitadas. Pode ser que lhe falte confiança em si mesmo ou que se deixe sufocar por múl­ tiplas e pequenas preocupações que, na realidade, em nada lhe dizem respeito.

Os astros nas casas

O Sol nas CasasVIIa XII
A posição do Sol nos informa sobre a natureza e expressão da vontade instintiva do indivíduo. Por isso, o estudo de sua situação nas casas deve merecer toda nossa atenção.

O

Sol nos informa sempre sobre o campo privilegiado da expressão natural da vontade, mas também do âmbito em que o ser brilhará espon­ taneamente, do setor da vida social no qual se sentirá como em sua casa, dando o melhor de si mesmo e utilizando todo o que necessita para existir, viver e re­ alizar-se.

0 SOL NA CASA VII
A vontade instintiva do indivíduo pro­ jeta-se sobre

os outros, e sobre outro indivíduo em particular. A pessoa tem necessidade de se sentir integrado no meio ou contexto em que evolui, de estar cercado de pes­ soas, aceito e apoiado. Gosta de cola­ borar, de participar, de se associar, de trabalhar em equipe. Aspira a exercer uma influência mais ou menos marcada sobre os demais, a depender do signo em que o Sol se encontre e os aspec­ tos que receba. Paradoxalmente, quan­ do está entre os outros, sente-se livre

ou independente. Esta posição pode ser presságio de uma união que terá um papel muito importante em sua vida. Pode ficar muito dependente, influen­ ciável, maleável, incapaz de assumir-se ou bastar-se a si mesmo. Também é, às vezes, o signo da procura do parceiro ideal, do qual tem necessidade para se realizar.

0 SOL NA CASA VIII
A vontade instintiva do indivíduo aspira ao mais profundo

desapego. De fato, enquanto a Casa II é a do apego e da tomada de posse do seu meio natural, a Casa VIII, ao con­ trário, revela suas qualidades opostas: de­ sapego, rejeição e desapontamento. Por isso, ao longo de sua vida, e porque faz parte dele, de sua psicologia e do papel existencial que tende a desempenhar, o indivíduo afetado por esta configuração é obrigado pelas circunstâncias a aban­ donar definitivamente seu meio natural, a deixar, perder ou abandonar os bens que adquiriu normalmente, a menos que não tome ele mesmo a iniciativa para isto, muitas vezes contra o que se espera dele. Pode também exilar-se, optar por viver uma vida em condições precárias, uma total renúncia ou até um habitat di­ ferente do seu. Finalmente apresenta, com freqüência, qualidades psíquicas surpreendentes. 0 SOL NA CASA IX A vontade instintiva leva o indivíduo à aventura, à exte­ riorização, a ex­ plorar, a sair de seu âmbito social habitual para ampliar seu limites e seu horizonte, viver experiências desconhe­ cidas ou partir para um contexto total­ mente diferente daquele onde cresceu e evoluiu. Por extensão, os países estrangeiros podem ter um papel importante em sua vida, seja por que terá tendência a via­ jar muito ou porque procurará o con­ tato com pessoas que tenham costumes, culturas e mentalidades diferentes dos seus ou dos que lhe são chegados, ou então porque decidirá, mais cedo ou mais tarde, viver no estrangeiro ou terá oportunidade para isso. De qualquer forma, sua vontade instintiva tende para a expansão intelectual, social, financeira, geográfica, etc. Às vezes, esta procura incessante de outros lugares pode con­ vertê-lo em um ser instável.

0 SOL NA CASA X A vontade instin­ tiva do indivíduo volta-se para a procura de sua independência e certo reconheci­ mento social. A necessidade de se mos­ trar, de ter prestígio, de impor sua supremacia e sua personalidade está sempre latente na pessoa que tenha esta configuração. Às vezes, trata-se de uma necessidade essencial e vital que pode converter-se no próprio motor de sua existência social. N o mapa as­ tral de uma mulher, esta posição revela muitas vezes a presença de um pai com forte personalidade ou a procura de um homem brilhante e admirável. N o de um homem, a necessidade de ter um papel social impõe-se sempre. N o entanto, esta situação do Sol não anun­ cia sistematicamente o êxito social, mas uma vontade de se destacar, de se dis­ tinguir e de ser singular. Em contra­ partida, a ambição e o medo do fra­ casso podem predominar em sua existência. O SOL NA CASA XI A vontade ins­ tintiva dos indi­ víduos aspira a dar com um equilíbrio psicoló­ gico, moral, interior e social. Aqui, a pessoa já não procura ser independente; basicamente não o é. É portanto adaptável, com­ preensiva, não conformista, mas pode mostrar-se igualmente indisciplinada, indomável, rebelde. N o entanto, é raro que chegue a tais extremos, visto que aspira sempre ao ponto médio e à me­ dida certa. Tem um dom natural para avaliar com precisão, e até às vezes an­ tecipar as circunstâncias e os aconte­ cimentos de sua vida com pragma­

tismo. Na maioria das vezes, desen­ volve-se em um âmbito de relações ricas e variadas, no qual se destaca. Se o Sol no mapa astral estiver em uma si­ tuação difícil, o equilíbrio do indiví­ duo em questão pode ser precário, ins­ tável, ou então não estará a salvo de crises psicológicas. O SOL NA CASA XII A vontade ins­ tintiva do indi­ víduo aspira ao sublime. A pes­ soa que tiver o Sol ^^ÊÊt^ nesta posição tem tendência para se despojar das contingências materiais, das obri­ gações sociais e existenciais, para se abs­ ter delas ou às vezes para até mesmo fugir delas. Quase sempre deseja trans­ formar-se profundamente, converterse em outro, adquirir força moral ou aproveitar plenamente sua força inte­ rior latente. Acontece muitas vezes que, na primeira parte de sua vida, decide viver retirado, isolado, ou então re­ nuncia a impor a sua vontade. N o en­ tanto, as dificuldades ou adversidades em que se encontrará, bem como sua tendência para os mistérios, as investi­ gações secretas, a vida espiritual ou o conhecimento profundo dos outros, in­ citam-nos muitas vezes a dar mostras de abnegação. Mas seu caminho na vida social e de relações permanece sempre um pouco solitário.

Os astros nas Casas

A Lua nas Casas I a VI
A Lua nas Casas revela a parte da vida social através da qual o indivíduo expressa sua sensibilidade.

A

posição da Lua em um dos 12 sig­ nos do Zodíaco informa sobre a natureza e a expressão da sensibilidade. Mas sua situação em uma das 12 casas nos informa sobre esta parte privile­ giada da expressão. Por outro lado, a de­ pender de se tratar de um mapa astral de um homem ou de uma mulher, a sensibilidade será expressada de ma­ neiras diferentes.

A LUA NA CASA I
O indivíduo dá mos­ tras de sua sensibili­ dade. Tem muitas vezes um caráter terno, doce, mais ou menos sensível, dependendo, claro, do signo onde estiver a Lua. Assim, pode ser in­ tuitivo, imaginativo, influenciável, lu­ nático, caprichoso ou infantil, a de­ pender do caso. Às vezes vemos uma verdadeira obsessão pela infância, que pode dar lugar a uma personalidade de mulher-menina ou, no caso de um homem, uma atração pelas mulheres deste tipo. Em ambos os casos, têm sempre encanto, bem como o dom de serem simpáticos com os outros. N o mapa astral de um homem, é de es­ perar que uma mulher ocupe um lugar predominante na sua vida. Com efeito, sua individualidade irá desenvolver-se através dela. No de uma mulher, esta po­ sição reforça ou exalta sua feminilidade. Aposição da Lua nos informa principalmente sobre as vivências do indivíduo durante sua infância.

^ - ^

A LUA NA CASA II O indivíduo integrase em seu limite social através de sua sensibilidade, doçura e sensuali­ dade. Estamos diante de uma pessoa po­ tencialmente unida aos bens materiais ou que corre o risco de ser muito dependente. For isso põe todas suas qualidades sensíveis ao ser­ viço da obtenção de sua comodidade material, sensual e moral. O indivíduo dará mostras de certas intuições neste campo e de uma grande capacidade de tirar proveito delas. Mas peca por ser pouco prudente, é desgovernado e tende a esbanjar seus bens. Se se tratar de um homem, é de esperar que o atraiam as mulheres gastadoras ou mais ricas que ele. Se se tratar de uma mulher, saberá satisfazer suas necessi­ dades e assumir suas capacidades fi­ nanceiras. A LUA NA CASA III Este indivíduo gosta das relações cheias de cumplicidade e refinamento, ba­ seadas em profun­ das afinidades e numa conivência real. Tenta mais ou menos reencontrar ou ampliar as relações que conheceu durante sua infância. Este in­ divíduo é muito sensível ao meio social cm que se desenvolve, mas às vezes sente-se dominado, ferido ou incom­ preendido, o que lhe dá um humor al­ ternado ou caprichoso. E com fre­ qüência influenciável, guiado pelas modas, pelas idéias que estão no ar. É muito possível que possua habilidades manuais e que se interesse pelas artes plásticas ou pelo artesanato. N o mapa astral de um homem, existe uma forte presença de uma irmã ou de uma autên­ tica procura da alma gêmea, que pode­ ríamos traduzir por uma busca sem fim e uma instabilidade afetiva e de relação com as mulheres. N o de uma mulher,

a forte presença de uma irmã também é freqüente. Ressalta igualmente o desejo de seduzir e o gosto pelo jogo amoroso. A LUA NA CASA IV O indivíduo é e per­ manece especial­ mente sensível durante toda sua vida, no seu am­ biente social, raízes e origens. Sente a necessidade de estar rodeado pelos seus. Uma vez adulto, constrói muito cedo um lar, onde en­ contrará a mesma segurança afetiva e a mesma comodidade. Por extensão, esta configuração anuncia às vezes uma tendência para a vida em comum ou para a política ao estar a Lua e a Casa IV em analogia com o signo de Câncer. Se se tratar de um homem, este pro­ curará uma esposa maternal, uma mu­ lher caseira que cuidará dele e lhe dará toda a ternura e o afeto de que neces­ sita. N o caso de uma mulher, faz-nos pensar na imagem da mulher caseira mas também numa mulher que tem um papel de mãe em sua vida social ou pro­ fissional, uma chefe ou empresária.

A LUA NA CASA V O indivíduo c espe­ cialmente sensí­ vel aos prazeres e sua sensuali­ dade é mais ou menos intensa, dependendo de onde a Lua se encontrar, mas predominando sempre. Seu amor pelas crianças é também muito forte. N o mapa astral de um homem, esta configuração revela muitas vezes autên­ ticas qualidades maternais e pedagógi­ cas. Por outro lado indica também um amor romântico em sua vida, ou vários, sempre a depender de onde se encon­ tre a Lua e os aspectos que esta recebe. N o mapa astral de uma mulher, o amor pelas crianças está também presente, mas sua vida amorosa se situa quase sempre à frente de tudo. É sensual, se­ dutora, entrega-se, é exclusiva e senti­ mental. Finalmente, tanto no homem como na mulher, esta configuração pode revelar uma imaginação criativa.

A LUA NA CASA VI A sensibilidade do indivíduo é per­ cebida nos pe­ quenos detalhes da vida material. Nunca deixa nada ao acaso. Inca­ paz de suportar os problemas, tem tendência para poder di­ rigir e organizar tudo. Sua saúde pode ser debilitada pelo mesmo fato de ser tão sensível às pequenas mudanças da vida ou às contrariedades que sofre. Tem um temperamento psicossomático muito pronunciado. Durante sua infância, pode ter sofrido distúrbios de saúde que, em adulto, podem transformá-lo em uma pessoa nervosa, ansiosa e instável. N o mapa astral de um homem, vemos uma tendência para interessar-se por uma mulher modesta, reservada, fechada em sua vida cotidiana. No de uma mu­ lher, esta tem sempre necessidade de se A Diana caçadora da mitologia é uma das sentir ou se tornar útil. É bastante per­ feccionista. representações da Lua.

Os astros nas Casas

A Lua nas Casas VII a XII

A LUA NA CASA VII A sensibilidade orienta-se para o mundo exterior e, em geral, para os ou­ tros. Favorece a capaci­ dade de adaptação do indivíduo às si­ tuações e às circunstâncias conseqüentes de sua vida social e pública. Sua intuição ou qualidades receptivas permitem-lhe compreender, e às vezes até adivinhar, os outros; mas sua imaginação também pode induzi-lo a criar ilusões sobre eles. Por esse motivo, suas relações exterio­ res são instáveis ou mudam com fre­

qüência. Por outro lado, sua necessidade de se associar pode transformá-lo em uma pessoa muito influenciável. N o mapa astral de um homem, esta configuração revela muitas vezes que uma mulher desempenhará um papel muito importante em sua vida e que terá tendência para se apoiar em uma mulher que o amparará em qualquer circunstância. N o de uma mulher, in­ dicará que em sua vida associativa existe a necessidade de exercer uma influên­ cia sobre os outros ou sobre um homem mais fraco do que ela.

A LUA NA CASA VIII O indivíduo nunca consegue alhear-se totalmente da reali­ dade tangível e material, viver a mudança com toda a serenidade ou aceitá-la, afastar-se de seu âmbito na­ tural ou adquirir uma autêntica auto­ nomia moral e afetiva, devido à sensi­ bilidade que exerce uma importante influência sobre as camadas mais pro­ fundas de sua personalidade. Portanto, é especialmente receptivo para com os demais e o meio onde se movimenta, muito influenciável pelas circunstâncias

^ * ^ e acontecimentos que o rodeiam, muito embora não o afetem direta­ mente. Sofre com freqüência da in­ fluência mágica, visceral, imperceptível porém forte, de uma mãe ausente ou, em caso de ainda estar presente em sua vida, esta intervém, à distância, tanto em seus atos como em seus pensamentos, mesmo sem ele querer. N o mapa astral de um homem esta con­ figuração revela que uma mulher exer­ cerá sobre ele um verdadeiro fascínio. Dependerá dela, sensual e psiquica­ mente. N o de uma mulher, indica um psi­ quismo muito receptivo, capaz de adi­ vinhar os estados de espírito ou as in­ tenções dos outros. A LUA NA CASA IX O indivíduo mostra altas aspirações e quase sempre tem sonhos am­ biciosos. É sen­ sível a tudo o que seja suscetível de ampliar seus horizon­ tes de relações sociais e in­ telectuais, ou simplesmente geográficos, conforme sua natureza e preocupações. Por esta razão, nunca permanece indi­ ferente perante as idéias nobres, gene­ rosas, elevadas. Pode revelar uma cu­ riosidade natural ou uma receptividade inata em relação às investigações de ordem espiritual ou religiosas. N o en­ tanto, neste campo, tem mais senti­ mentos para estes assuntos do que von­ tade de exercer uma busca ativa nesse sentido. Chega mesmo a mudar de opi­ nião, crenças ou convicções ao entrar em contato com outros. No mapa astral de um homem, trata-se quase sempre da configuração do re­ encontro com uma mulher estrangeira ou proveniente de um meio diferente do seu. No de uma mulher, indica quase sem­ pre, com maior ou menor intensidade, uma necessidade de partir, de se afas­ tar do seu meio social habitual, de en­ frentar experiências desconhecidas.

A LUA NA CASA X As circunstâncias de acontecimentos e ordem coletiva que se dão parti­ cularmente na vida social e profissional do indiví­ duo exercem uma pro­ funda influência no seu comportamento e destino. Por isso nunca consegue afas­ tar-se do seu ambiente nem virar as cos­ tas para adquirir sua independência. Sente a necessidade de ser apreciado, es­ timado, consolado e reconfortado pelo seu meio e âmbito social, onde se mo­ vimenta e supõe que deve realizar-se por si mesmo, sem nenhum apoio. N o mapa astral de um homem, assim como no de uma mulher, indica uma forte influência da mãe, a presença ob­ sessiva de sua imagem, como uma es­ pécie de uma referência constante. N o de um homem, isto pode inibir sua capacidade de independência. Nunca se sentirá realmente livre. Será muito di­ fícil evitar as influências exteriores. Em contrapartida, a mulher desempenha um papel de destaque em sua vida so­ cial e profissional, mas sua situação será afetada por numerosas mudanças que se produzirão à sua volta. A LUA NA CASA XI Devido às suas qua­ lidades de sensibi­ lidade, este indi­ víduo conseguirá encontrar o seu próprio equilíbrio interior; mas por causa dessas mesmas qualidades correrá também o risco de perdê-lo ou de não possui-lo. De qualquer forma, tem o dom de cul­ tivar relações de amizade e cumplici­ dade, múltiplas e variadas, com pessoas provenientes de meios sociais e cultu­ rais muito diferentes. Possui a arte de se adaptar aos outros, de compreendê-los, de captar suas idéias, crenças, moti­ vações, abstraindo-se das suas. Aspira sinceramente a entabular relações e ami­

zades espirituais. N o entanto, às vezes perde-se em um torvelinho de relações sem consistência ou deixa-se influen­ ciar pelas convicções dos outros. N o mapa astral de um homem, existe quase sempre uma procura da alma gêmea, da amiga amante e cúmplice dos seus sonhos e projetos. N o de uma mulher, é tão forte sua pro­ cura do equilíbrio interior e sua capa­ cidade de sonhar que corre o risco de debilitar seu caráter, de se decepcionar ou de se desiludir. A LUA NA CASA XII A sensibilidade do indivíduo é quase sempre secreta e misteriosa, o que lhe dá um grande encanto, muitos e profun­ dos recursos interio­ res, que mantêm sua força moral e resistência, assim como sua ca­ pacidade de recuperação. Muito a con­ tragosto, é capaz de notar a evolução dos acontecimentos e circunstâncias de sua vida, às vezes até mesmo antes de se ma­ nifestarem. Mais do que intuição, tratase de uma receptividade sobrenatural diante das pessoas e das coisas, que se traduz em uma autêntica visão dupla dos fatos. N o mapa astral de um homem, esta configuração confere-lhe uma sensi­ bilidade quase feminina, que se encaixa mais ou menos bem na estrutura de sua persona­ lidade. N o mapa astral de uma mulher, quase sempre re­ vela um pronun­ ciado gosto pela so­ lidão, uma tendência para alimentar angús­ tias irracionais, mas também re­ vela um autên­ tico dom da pre­ monição.

i

Os astros nas Casas

Mercúrio nas Casas I a VI
A posição de Mercúrio em uma Casa revela em que setor da vida material, pública e social se expressará a inteligência do indivíduo.
ependendo de onde se encontra o signo do Zodíaco, Mercúrio nos informa sobre a expressão e manifes­ tação da inteligência. Esta expressão e manifestação impreg­ nam-se das qualidades inerentes ao signo onde se situe Mercúrio. O mesmo servirá para sua posição em uma das 12 casas. N o entanto, precisamos sublinhar que não devemos sobrestimar as tendên­ cias que nos revelam as situações dos astros nas casas, visto que refletem muito mais os traços superficiais de ca­ ráter e os reflexos de comporta­ mento do que as características da psicologia profunda de uma pessoa.

D

É óbvio que têm igualmente sua im­ portância, mas não significam nada se não se tentar compreender o que as ex­ plica ou justifica. Sendo assim, ao interpretar um mapa astral, quando analisar a posição de Mercúrio em uma casa, nunca esqueça de levar em consideração o regente do signo onde se encontra e a situação do referido regente no signo e na casa.

MERCÚRIO NA CASA I A inteligência, o eu e a aparência consti­ tuem um todo, o que explica que o indivíduo, em princípio, esteja in­ telectualmente em contato com a vida ma­ terial e o mundo exterior, que aprenda mediante sua inteligência, revelada pelo signo do Zodíaco onde Mercúrio se encontrar. É de natureza curiosa, possui um caráter flexível, adaptável; boas faculdades cerebrais que favo­ recerão seguramente o bom desenvolvimento de sua per­ sonalidade.

"*Sa"B*^ Sua mentalidade aguçada incita-o a captar as idéias dos outros, a reagir imediatamente face a elas. Por esta razão, pode mostrar-se instável em suas con­ vicções, mudar freqüentemente de idéias ou de centro de interesses, mos­ trar-se falador, ansioso, nervoso. Mas tudo o que estiver relacionado com os intercâmbios e a comunicação será um terreno privilegiado para ele. MERCÚRIO NA CASA II É o que chamamos a configuração do ho­ mem que se fez a si próprio. Isto não signifi­ ca que Mercúrio, ¥ nesta posição, re­ vele sistematicamente uma mulher ou um ho­ mem de negócios, mas podemos estar certos de que o indivíduo afetado por esta configuração tenderá a tomar posse do seu meio natural de forma intelec­ tual ou inteligente. Em outras palavras, aproveitará suas faculdades mentais e sua habilidade intelectual para satisfazer seus desejos. Possui a arte de se adap­ tar às circunstâncias para tirar algum proveito, com um agudo sentido dos próprios interesses, que quase sempre passam à frente dos interesses dos ou­ tros. Pode ser astuto, arrevesado ou ma­ quiavélico em assuntos de dinheiro.

MERCÚRIO NA CASA III Trocar idéias e comu­ nicar é tão evidente neste indivíduo, e utiliza com tanta facilidade estes dois conceitos, que com ? ele é normal nos es­ quecermos que, para transmitir algo, é preciso ter algo para dizer, para comunicar. De maneira que, às vezes, basta-lhe fazer o papel de me­ diador, intermediário, pedagogo; mas pode mesmo ser brilhante nas ativida­ des que requerem talento de orador ou autor. De fato, a fala e a escrita ocupam um primeiro lugar em sua existência, quer porque as utiliza quer porque é muito sensível a elas. É uma mulher ou um homem com contatos, que às vezes não possui profundidade nem conti­ nuidade em seus intercâmbios, nem tampouco em suas idéias. MERCÚRIO NA CASA IV Como podemos ima­ ginar, a inteligência do indivíduo ma­ nifesta-se e con­ centra-se no âm­ bito do seu meio pr' familiar em primeiro lugar e, em segundo lu­ gar, no seu lar. Esteve quase sempre cercado de um contexto familiar inteligente, ou então onde a inteligência ocupava um lugar considerável, e isso será refletido em sua existência. Sendo assim, aspira a viver em um am­ biente alegre, animado, agradável, às vezes até a mudar-se com freqüência, visto ter uma necessidade constante de mudar de ares, justamente em seu âm­ bito de vida. Evidentemente, as relações com os pais, irmãos e irmãs podem de­ sempenhar um papel importante ao longo de sua vida, ou podem ser difíceis e complicadas. De qualquer forma, nunca se afastará deles totalmente e será muitas vezes perseguido por eles, em forma de preocupações, durante toda sua existência.

MERCÚRIO NA CASA V O indivíduo tende aos prazeres ou à racionalização dos seus sentimentos. Tanto em um ca­ so como no outro, tal fato pode esti­ mular sua imaginação e também torná-lo produtivo em todos os campos próprios de Mercúrio: na es­ crita ou nos trabalhos literários, nos in­ tercâmbios e no comércio, principal­ mente na arte assim como no lazer. Porém, Mercúrio nesta casa dá lugar a fantásticos pedagogos. De fato, a Casa V, ao estar em analogia com as crianças, faz com que esta configuração indique uma inteligência inclinada para o mundo da infância e da adolescência, daí que o indivíduo em questão tenha certo talento para comunicar seus con­ hecimentos ou idéias aos jovens. Além disso, as relações com seus próprios fi­ lhos serão sempre uma fonte de enri­ quecimento para ele. Será seu cúmplice. MERCÚRIO NA CASA VI A inteligência do in­ divíduo concen­ tra-se na vida co­ tidiana, que é capaz de enfren­ tar com muito ânimo, mas mos­ trando-se às vezes ner­ voso e suscetível. Em suas ocupações é normal ser desarrumado e instável, principalmente se estas não tiverem in­ teresse algum para ele. Em conseqüên­ cia, pode mudar de ocupação antes de encontrar seu lugar. Em contrapartida, se suas atividades o motivarem, tem ca­ pacidade para assumir trabalhos delica­ dos, que exigem muita atenção, onde demonstrará seu espírito de análise e gosto pelo estudo, seu caráter obediente e sentido de organização. Seu ponto fra­ co é a saúde, especialmente os pulmões e o sistema nervoso. Possui um espírito crítico e autocrítico que podem fazêlo cair no perfeccionismo e convertê-lo em uma pessoa cheia de picuinhas.

Os astros nas casas

Mercúrio nas casas VII a XII
o que se refere a Mercúrio não nos cansaremos de destacar sufi­ cientemente o lugar preponderante que ocupa em um mapa astral e, em con­ seqüência, a importância das qualida­ des que revela. De fato, a expressão de nossas faculdades cerebrais, seu fun­ cionamento, seu estilo, o que podemos definir como a mentalidade de um in­ divíduo — isto é, sua atitude mental face à vida —, são totalmente revela­ dores de um caráter profundo que todos temos dentro de nós que, ob­ viamente, estará menos ou mais defi­ nido dependendo do caso. Para ser in­ teligente não basta aproveitar-se de um espírito brilhante, nem de ser sociá­ vel e comunicativo, características pró­ prias de Mercúrio. As qualidades do es­ pírito muitas vezes podem revelar-se de forma primária ou frustrada, sem que se altere a inteligência da vida que leva o indivíduo a estar em sintonia com o que rodeia. A inteligência não é exclusiva dos que se dedicam aos livros ou aos estudos. Não se deve confundi-la com os re­ flexos intelectuais. De fato, o intelecto é um pouco como um músculo que se pode reforçar, estimular ou moldar à vontade. Utilizamos quase sempre o in­ telecto, que é um produto ou instru­ mento da inteligência, para reforçar o nosso eu — revelado pela posição do ascendente no mapa astral —, enquanto a inteligência pura apenas pode ser tri­ butária de um só eu; expressa-se atra­ vés da vontade instintiva, revelada pela posição do Sol no mapa astral. Quando o intelecto se une ao instinto, estamos diante de a inteligência.

N

A manifestação do espírito é expressa através das qualidades próprias de Mercúrio: a inteligência, a compreensão, a aceitação, a imaginação...

MERCÚRIO NA CASA VII Mercúrio, situado na casa da união e das associa­ ções, poderia ser resumido aqui a uma procura de um par­ ceiro que, no mapa as­ tral, tivesse uma forte presença ou predomínio deste astro. Sc alguma vez for este o caso, esta posição na realidade revela, principalmente, contatos inteli­ gentes com o mundo exterior e os ou­ tros, ou estabelecidos segundo certos va­ lores, princípios e qualidades próprias da natureza de Mercúrio no mapa as­ tral. Assim, o indivíduo em questão as­ pira a estabelecer contatos e intercâm­ bios estimulantes e enriquecedores com o que o cerca. Sabe adaptar-se às idéias dos outros, conservando ao mesmo tempo um espírito crítico e convicções pessoais. Em certas ocasiões é influen­ ciável ou exageradamente lúcido, mas sabe encontrar o meio termo. MERCÚRIO NA CASA VIII Trata-se de uma configuração mui­ to sutil que os as­ trólogos moder­ nos, demasiado fascinados pelos * conceitos psicológi­ cos, definiram como aquela que revela uma mentalidade mórbida, devido às análises que existem entre a referida casa e a morte. Na realidade, esta casa não é a da morte, mas a da atitude face à morte, a capa­ cidade de desapego que um indivíduo possui e, no caso de um Mercúrio na Casa VIII, da atitude mental e do dis­ tanciamento intelectual de um indiví­ duo face à morte, mas também face à vida. Neste caso, o gosto pela investi­ gação, pela exploração, a aspiração de transformar-se em si mesmo ou de evo­ luir aproveitando sua curiosidade inte­ lectual pressagiam grandes mudanças na mentalidade do indivíduo ao longo da vida.

MERCÚRIO NA CASA IX A presença de Mer­ cúrio nesta casa revela tratar-se de um indiví­ duo que, de for­ ma muito latente, possui elevadas aspirações. Estas po­ dem manifestar-se tanto no domínio dos estudos, em uma certa ambição in­ telectual, como na especulação reli­ giosa ou espiritual, ao serviço de uma causa nobre e generosa, social e útil. Pode tratar-se também de uma viva ne­ cessidade de aventuras intelectuais ou de uma tendência para ampliar seu ho­ rizonte social, geográfico — aprovei­ tando suas faculdades cerebrais —, tendência reforçada por uma grande capacidade de adaptação às mais di­ versas mentalidades. Porém há m o ­ mentos em que existe o risco de se dei­ xar moldar pelas opiniões ou hábitos dos outros e de não ter uma suficiente perspectiva intelectual. MERCÚRIO NA CASA X Seja qual for a si­ tuação de Mer­ cúrio no mapa astral, nesta casa indica sempre um indivíduo v que adquirirá sua independência social e profissional graças às qualidades ou vir­ tudes de sua inteligência, certamente re­ veladas pelo signo que ocupa. É uma configuração propícia às profissões li­ berais, ao comércio, aos negócios ou a todas as atividades que requeiram a in­ teligência do indivíduo com vista aos domínios próprios de Mercúrio: a es­ crita, a transmissão oral, a comunicação, a pedagogia, a política, o teatro e as artes cênicas, etc. Se possuir um espírito forte, o indivíduo em questão poderá desta­ car-se por sua inteligência, exercer uma influência sobre seus contemporâneos. Se não for este o caso, será uma espé­ cie de receptor-emissor de idéias dos ou­ tros.

MERCÚRIO NA CASA XI Graças à flexibili­ dade e à agilidade de sua inteligên­ cia, o nativo que tiver a referida configuração conseguirá ter sempre um equilíbrio interior. N o entanto, se, por diferentes razões, reveladas por outros elementos inscri­ tos em seu mapa astral, seu espírito en­ fraquecer ou for influenciável, seu equi­ líbrio interior, psicológico e moral ficará debilitado. Em ambos os casos, estamos diante de um autodidata, cuja inde­ pendência de espírito e originalidade de pensamento se destacam sempre. Esta independência e originalidade podem levar a uma indisciplina, a uma revo­ lução, a um não-conformismo do qual se vangloria; atitudes rebeldes face à vida, uma recusa de viver e pensar como todo o mundo, um gosto pela contra­ dição, um caráter tolerante ou dema­ siado permissivo. MERCÚRIO NA CASA XII O indivíduo com Mercúrio situa­ do na Casa XII aspira ao subli­ me. Possui um espírito profundo e inspirado, mas secreto, discreto ou introvertido. N e m sem­ pre consegue expressar o que percebe, sente ou compreende, deixando-se levar por suas emoções ou conver­ tendo-se a si mesmo na vítima de seus fantasmas ou sonhos. Não raramente é vítima de uma amargura extraordi­ nária ou pode revelar-se suscetível se não se sentir apreciado ou querido por suas idéias. Tende a fugir da mesmice da vida cotidiana, a deixar-se levar por sua imaginação, a adotar uma atitude exageradamente crítica, agressiva, de­ primente em relação aos outros e à vida. Para ser positivo e ter uma atitu­ de otimista, precisa de se entregar a uma qualquer vocação.

Os astros nas Casas

Vênus nas Casas I a VI
Dependendo da casa que ocupe, Vênus nos informa sobre os sentimentos de uma pessoa vividos em sua vida social e material.
a hierarquia celeste, Vênus vem logo depois de Mercúrio. Deve­ mos deduzir que o primeiro é superior ao segundo? Não, pois esta não é a mecânica do pensamento astrológico. Ainda mais quando, antigamente, Vê­ nus não figurava na quarta posição na hierarquia planetária, depois do Sol, da Lua e de Mercúrio, mas sim em segun­ do lugar, depois de Saturno e antes de Júpiter. Saturno representava a estagna­ ção ou a concentração extrema na ma­ téria, Vênus seguia-o logicamente re­ velando que a alma, representada pelo círculo no símbolo de Vênus, es­ tá unida à Terra e à matéria, re­ veladas pela cruz deste mesmo símbolo. Esta

N

cruz também é uma imagem do corpo humano ou da árvore da vida, a cujo tronco estamos todos ligados, pois se trata do nosso tronco comum. Che­ gados a este estágio, o espírito ainda não se manifestou. Só estamos no se­ gundo grau de evolução do ser. Esta é a razão pela qual os sentimentos e motivações, revelados por Vênus, têm sempre um caráter primário e não são constantemente saudáveis e serenos;

não esqueçamos que os ciúmes, a cóle­ ra, a inveja, o ódio, o desdém, o des­ prezo, o egoísmo e a angústia são tam­ bém sentimentos. VÊNUS NA CASA I Quanto mais perto Vê­ nus estiver do ascen­ dente, ou seja, mais próximo da cúspide da Casa I no mapa astral, tanto mais os ^f sentimentos do indivíduo — cuja natureza é revelada pelo signo que Vênus ocu­ pa — terão um lugar privile­ giado em sua vida pública, so­ cial e material.

" ^ ■ ' ^ De fato, a tendência será para que prevaleçam sistematicamente estes as­ pectos. Com o fim de saciar sua grande necessidade de amor, será encantador, simpático, atraente ou interessante. Além disso, ao estar o ascendente em re­ lação com o aspecto e a aparência fí­ sica, o gosto pelo belo, o sentido de har­ monia, a necessidade de seduzir, e às vezes, a pura beleza plástica estão mui­ tas vezes presentes nestas configuração. VÊNUS NA CASA II Ao apresentar certas analogias com o signo de Touro, a Casa II, cujo re­ gente é Vênus, encontra-se muito ^ confortável nesta po­ sição, revelando um in­ divíduo que se integra em seu meio na­ tural de forma sentimental, afetiva e sensual. N o amor, sente a necessidade de se sen­ tir seguro a qualquer preço, de se con­ centrar, de desfrutar plenamente dos sentimentos que tem e dos que nota que os outros têm por ele. Às vezes, mostrase calculista. Neste caso, seus senti­ mentos podem ser interesseiros. O u então, ao contrário, tornam-no impre­ visível, com uma sede de prazeres que o fazem viver acima de suas possibili­ dades. Então comete imprudências ou erros de juízo de caráter financeiro. VÊNUS NA CASA III O indivíduo é pos­ suidor de senti­ mentos sinceros e profundos, ou en­ tão um pouco su­ perficiais, instáveis, em relação aos que lhe são próximos. De qualquer forma, tem necessidade de estabelecer intercâmbios afetivos e fra­ ternais no meio social onde se movi­ menta. Gosta de estabelecer relações pri­ vilegiadas, baseadas em sólidas afinidades, mas às vezes falta-lhe constância e fide­ lidade. Dotado de uma boa sociabilidade,

deixa-se seduzir facilmente e pode levar uma vida amorosa dupla. Seu coração tem tendência para ir de flor em flor. Gosta de gostar, adora o flerte. Mas no momento de ficar aqui ou ali, não se de­ cide. Sentimentalmente é, portanto, muito influenciável ou instável. VÊNUS NA CASA IV Neste setor, Vênus nos revela um in­ divíduo muito unido sentimen­ talmente ao seu ambiente familiar natural, dependendo inclusive dele. Quando criança tentou ser o pólo de atração ex­ clusivo dos sentimentos dos pais ou ocupou este espaço espontaneamente. Sendo adulto, aspira a criar um lar con­ fortável, a viver em condições agradá­ veis e também, neste caso, a ser o cen­ tro de todas as atenções afetivas dos que lhe são próximos. No entanto, isso pode torná-lo suscetível, vulnerável ou an­ gustiado, pois o mínimo desgosto pode lhe provocar sentimentos cruéis, doen­ tios ou revelar uma forte somatização. VÊNUS NA CASA V O astro do amor na casa dos amores e ^ dos prazeres é evi­ dentemente uma situação privile­ giada. Razão pela qual a astrologia tra­ dicional considera esta configuração como a do "grande amor" possível no destino do nativo. Mas juntamente com esta afirmação obrigada, é óbvio que o indivíduo em

questão, dotado sem dúvida de uma natureza muito agradável e simpática, dá uma importância primordial em sua vida aos sentimentos e aos prazeres, que prevalecem sobre qualquer outra consideração. A tal ponto que muitas vezes tende a cometer excessos neste campo. Também estão presentes ou­ tras características próprias do indi­ víduo pertencente a esta configuração, como o grande amor que sente pelas crianças e um sentido inato do esté­ tico. VÊNUS NA CASA VI O nativo aspira sim­ plesmente a integrar-se de forma tranqüila, serena e sentimental na vida de todos os dias. Gosta do amor e dos prazeres quotidianos. Vive em um meio muito bem definido. Tem tendência para planificar ou mostrar uma extrema reserva neste campo. Por outro lado, sente uma necessidade vital de estar motivado por suas ocu­ pações. Deseja trabalhar em condições agradáveis e cômodas. Uma contrarie­ dade ou mal-estar no âmbito de suas ati­ vidades ou uma decepção sentimental podem ter conseqüências nefastas para sua frágil saúde. Às vezes duvida de seus sentimentos e dos que os outros têm por ele.

Sentimento ou afeto?
Etimologicamente, o sentimento é a ação de sentir, enquanto o afeto deriva do verbo fazer, que originariamente sig­ nificava "pôr", "colocar". Em latim, fa¬ cere empregava-se por exemplo no sacrum facere ("pôr ou colocar um sacrifício" no altar). É daí que vem a ex­ pressão "fazer um sacrifício". Desta ma­ neira, o afeto é uma atitude que resulta de uma influência que sofremos ou que nos incita a fazer um sacrifício, en­ quanto o sentimento é uma ação que deriva de uma motivação pessoal.

Os astros nas Casas

Vênus nas Casas VIIa XII
VÊNUS NA CASA VII Na Casa da união e da associação, Vê­ nus nos situa diante de um ser que, obviamen­ te, não poderá as­ sociar-se nem unirse sem a intervenção dos seus sentimentos. É portanto, uma configuração totalmente adequada à união amorosa ou ao casamento por amor. Gosta de cultivar relações muito sentimentais com os demais. Custa-lhe rodear-se de pessoas das quais não gosta ou pelas quais não se sente amado. Inclusive, procura sistematica­ mente o afeto dos outros. A tal ponto que consegue provocar desequilíbrios em sua personalidade ou complicações de tipo afetivo em suas relações com os outros. VÊNUS NA CASA VIII Vênus não está mui­ to confortável nes­ ta Casa que repre­ senta o desapego. De fato, é muito difícil para este in­ divíduo conseguir desligar-se sentimental­ mente de seu meio do que o rodeia, tal como esta configuração indica. Daí que seja naturalmente sensível e compassivo com aqueles que sofrem um distancia­ mento afetivo ou de outro tipo, com os que não têm raízes ou estão no exílio. Assim, o indivíduo sente com dor a ausência de amor e vive sempre sob este medo ou de ser realmente confrontado com uma situação assim. Além disso, esta posição de Vênus revela com fre­ qüência uma proteção providencial, embora seja possível que consinta algum sacrifício por razões afetivas.

O astro do amor nas Casas nos informa sobre as emoções e os sentimentos dos seres. (Desenho da escultura de Rodin: O Beijo;.

VÊNUS NA CASA IX Em princípio, este indivíduo preten­ de alargar seus horizontes atra­ vés de seus senti­ mentos vividos mas também, claro, através das emoções que sente e as motivações que o ani­ mam. Daí poder amar ou ser amado fora de seu contexto habitual, afastado do seu meio social, ou ser amado por uma pessoa de uma classe social dife­ rente da sua, ou estrangeira. Nele, o amor pode também associar-se às via­

gens ou à aventura, tal como esta Casa indica. Além disso, costuma ter um profundo e espontâneo interesse pelas questões humanitárias, onde pode mostrar preocupações filosóficas de ca­ ráter humanista. VÊNUS NA CASA X Normalmente, gra­ ças às qualidades próprias de Vênus das quais goza, o indivíduo que está sob esta configuração costuma agra­ dar aos outros e desper­ tar seu interesse. N o entanto, estas

" ^ " ^ ^ mesmas qualidades não lhe bas­ tam para adquirir uma total inde­ pendência em sua vida social e profis­ sional, exceto se exercer uma atividade artística com a qual possa se consagrar. Muitas vezes, compensa esta dificuldade de autonomia com uma aspiração a viver amores extraordinários, a subir social­ mente aproveitando-se dos sentimen­ tos que inspira nos outros ou preser­ vando sempre suas boas relações com as pessoas que o rodeiam. VÊNUS NA CASA XI Situado na Casa das amizades, o astro do amor induz quase sempre o indivíduo a culti­ var relações de amor-amizade em seu meio. De maneira que seus amores se transformam mui­ tas vezes em amizades ou suas relações de amizade podem chegar a ser amo­ rosas. N o entanto, esta configuração re­ vela também uma dificuldade para en­ tregar-se a fundo a um único amor ou uma tendência para privilegiar as uniões amistosas, em detrimento de sua vida sentimental. As motivações também são numerosas e variadas e os projetos múl­ tiplos. Porém, uma decepção amorosa pode ter conseqüências nefastas em seu equilíbrio..., ou o amor pode conver­ ter-se na condição sine qua non do seu equilíbrio psicológico ou moral. VÊNUS NA CASA XII Nesta Casa, o astro sente-se isolado e mortificado..., ou então intensifi­ cam-se suas qua­ lidades. Por esta razão o indivíduo tende a renunciar ao amor, a distanciar-se de seus senti­ mentos e da vida afetiva em geral, ou ainda passar a sublimar seus senti­ mentos, a idealizar seus amores e darlhes uma dimensão romântica, mística ou espiritual.

N o entanto, tanto em um caso como no outro, existe uma marcada incli­ nação para se deixar ofuscar, para se deixar levar por seus sentimentos e emoções, causa desta renúncia extrema

ou desta procura do absoluto. O que fica claro é que não pode amar como toda a gente e que aspira, consciente ou inconscientemente, a encontrar outra dimensão no amor.

Vênus nas Casas e a saúde
pode levar a pessoa a cair em um estado mórbido ou depressivo. Na Casa V: em caso de choque emo­ cional, existem muitas vezes desloca­ mentos de vértebras, que podem ser a causa de dores dorsais ou de enxaque­ cas. Depois de uma decepção afetiva, as emoções são contidas e bloqueadas na região do diafragma. Na Casa VI: as dores de estômago e a obstinação são os sintomas mais fre­ qüentes no caso de choque emocional. Uma decepção afetiva pode provocar anorexia ou depressão. Na Casa VII: um choque emocional pode ocasionar um bloqueio na região das vér­ tebras lombares ou uma disfunção dos rins. Uma decepção afetiva implica um desequilíbrio profundo. Na Casa VIII: a rejeição de todo o con­ tato físico, protuberâncias ou uma infecção de origem desconhecida são sintomas que podem ser causados por um choque emo­ cional ou uma decepção afetiva. Na Casa IX: são conseqüência de um choque emocional ou decepção afetiva um bloqueio dos quadris ou da pélvis. Serão freqüentes as quedas devidas à impaciência ou ao nervosismo. Na Casa X: os herpes e todos os sin­ tomas relativos à pele são freqüentes no caso de um choque emocional. Uma de­ cepção afetiva pode derivar em sinto­ mas de uma doença crônica latente. Na Casa XI: um choque emocional pode ser a causa de certos problemas psíqui­ cos ou psicológicos que fazem com que a pessoa fique nervosa, instável ou in­ quieta. Uma decepção afetiva tem os mesmos efeitos. Na Casa XII: para aquele que se deixa levar pelas emoções não será difícil ter um choque emocional. Provocam-lhe males estranhos e sintomas muito difíceis de diagnosticar. Uma decepção afetiva terá também as mesmas conseqüências.

Ao revelar a natureza das emoções e dos sentimentos de um ser, Vênus está re­ lacionado sutilmente com seu equilíbrio e bem-estar. Fornece-nos especialmente informações sobre o que chamamos psi¬ cossomatização, cujo princípio, definido por Hipócrates, defende que certos malestares ou doenças orgânicas provêm das emoções muito fortes, dos confli­ tos interiores e dos conflitos exterio­ res. As posições de Vênus nas 12 Casas dão informações muito valiosas em re­ lação a este aspecto. Na Casa I: os choques emocionais po­ dem ser a causa das dores de cabeça, en­ xaquecas crônicas e tensões nos mús­ culos do rosto. Uma decepção afetiva pode provocar problemas latentes na vista. Na Casa II: no caso de uma decepção afetiva ou choque emocional, é fre­ qüente ficar-se afônico ou ter a sensação de nó na garganta. Outro sintoma que pode ter a mesma causa são as aftas. Na Casa III: os choques emocionais põem-no nervoso, febril, suscetível, epi­ dérmico ou alérgico. Podem provocar problemas respiratórios. A decepção afe­ tiva pode derivar em uma natureza as­ mática latente. Na Casa IV: os sintomas que advêm quase sempre de um choque emocional são os problemas digestivos e os ata­ ques de fígado. Uma decepção afetiva

Os astros nas Casas

Marte nas Casas I a VI
Marte nas diferentes Casas revela em que setor da vida material e social o indivíduo expressará e manifestará seu poder de ação.
a maioria das vezes, agressividade é sinônimo de violência. A ex­ pressão "sentir-se agredido" tem sem­ pre uma conotação pejorativa. U m ser agressivo é um ser desequili­ brado, anti-social, desagradável. N o en­ tanto, é interessante tentar compreender como um indivíduo, aparentemente igual aos outros, se torna agressivo. Em astrologia, a situação de Marte em um mapa astral é muito ilustrativa quanto a esta questão. Assim, dependendo da Casa em que Marte se encontre, este planeta revela em que setor da vida social se ex­ pressará e manifestará a agres­ sividade. Porém, não po­

N

demos esquecer que a agressividade é sempre uma afirmação do eu, contra­ riada ou inibida, que, por múltiplas razões, não se pode expressar espontâ­ nea ou naturalmente. De fato, cada um de nós precisa exer­ cer o seu domínio sobre a realidade ma­ terial, impor suas escolhas e sua von­ tade. Quando não somos assim, damos a im­ pressão de falta de personalidade, de consistência, de força.

Este empreendimento implica sempre uma certa forma de violência que pode ser construtiva. Só quando é destrutiva, falamos de agressividade. Podemos dizer que os elementos revelados pela situação de Marte no mapa astral nos informam sempre do estilo que um indivíduo adota para se apropriar do mundo exte­ rior, impor sua opções, suas idéias, sua vontade, exercer seu poder sobre as cir­ cunstâncias e os acontecimentos. Quer seja o reflexo de certas formas de agres­ sividade ou de uma saudável afirmação de si mesmo, Marte é o indicador da ca­ racterística do ser, da marca ou do ves­ tígio que deixa na vida mate­ rial e social.

às vezes desanima e falta-lhe conti­ nuidade em seus atos, podendo mos­ trar-se ávido ou ter exigências despro­ porcionadas. MARTE NA CASA III O indivíduo em questão tem ten­ dência a conside­ rar que seu meio social natural não lhe pertence ou então que foi afas­ tado ou expulso dele e, em conseqüência, deve conquistá-lo. Por isso sente a necessidade constante de se impor à atenção do outro através de seus atos ou do seu poder de ação, ou inclusive exercer uma influên­ cia constante sobre os outros. Possui a arte de traduzir imediatamente suas idéias em atos. Pode mostrar um espírito de rebelião, militar a favor de uma causa social ou ideológica, ou sim­ plesmente lutar em seu próprio pro­ veito. Gosta de polêmica, das discussões, mas às vezes chega mesmo a não ter tato, a ter propósitos agressivos, a ser verbal­ mente brusco e brutal. MARTE NA CASA IV Basicamente por ou­ tras razões que se­ rão reveladas pelo conjunto do ma­ pa astral, trata-se de um indivíduo que, como não pode adquirir uma indepen­ dência total, expressa e concentra seu poder de ação no âmbito da vida familiar, em cujo seio deseja ar­ dentemente exercer seu poder e imporse permanentemente. Com freqüência, esta configuração é a do cabeça do casal, mas, por extensão, pode ser também a de um diretor de empresa ou a de um líder político. É como se o nativo tivesse necessidade de conquistar seu meio original, de afir­ mar-se nele, de tê-lo na mão, de inter­ vir nele, ou então de exercer seu poder físico e agressivo neste ponto, que lhe

confere segurança, que constitui seu meio natural. MARTE NA CASA V Como o poder de ação e a capacida­ de energética do indivíduo se en­ contram aqui no setor que se atri­ bui tradicionalmen­ te à vitalidade, esta­ mos em presença de um ser com temperamento ardente, cria­ tivo, produtivo, entusiasta e, sem dú­ vida, muito enérgico. Por outro lado, mostra-se muitas vezes apaixonado, ex­ cessivo c às vezes deixa-se cegar por seus desejos sem se preocupar com os deles. Pode mostrar-se muito posses­ sivo, inclusive exclusivista. N o entanto, sua energia transbordante manifesta-se às vezes de forma intermitente e pode sofrer quebras bruscas de vitalidade, pois tem tendência para desperdiçar suas forças ou não saber medir seus li­ mites. MARTE NA CASA VI Marte neste setor é próprio de um in­ divíduo que ne­ cessita agir util­ mente, em um âmbito de limites muito bem defini­ dos. Odeia os atos gratuitos. É minucioso, mas tende a subestimar seu poder de ação, ou então sente-se limitado ou re­ primido e parece comportar-se como se passasse o tempo querendo libertar-se de problemas ou doenças imaginárias. É enérgico no âmbito de sua vida quo­ tidiana ou no de suas ocupações, mas tem tendência para desanimar, para re­ nunciar diante de desafios ou obstácu­ los, ou então a exagerar as dificuldades. Desta forma, pode agir ou reagir de um modo incoerente ou desordenado, para resolver múltiplos pequenos problemas usando meios demasiado grandes, o que o deixa esgotado moral e fisicamente.

MARTE NA CASA I Afirmar-se, imporse, dominar a rea­ lidade, é a forma de agir do indiví­ duo que tem este planeta na Casa I, , e isto de maneira tanto mais acentuada quanto mais próximo Marte se encontrar do ascendente, isto é, da cúspide deste primeiro setor. Tudo acontece como se seu poder de ação e seu eu fossem um só. E dinâmico, com­ bativo, ardente, reivindicativo ou agres­ sivo, a depender do signo que este astro esteja ocupando. Sente sempre a neces­ sidade de agir, de intervir, de tomar par­ tido, de avançar de uma maneira que pode ser insistente e opressiva para os outros, mas que dificilmente pode con­ ter. Para ele, a ação, é uma finalidade em si mesma. MARTE NA CASA II O poder de ação do indivíduo está cen­ trado em seu meio natural, no qual se concentra e fixa todas as suas energias para obter e apropriar-se de tudo que deseja. Exerce assim, um domínio imediato sobre os bens materiais que tem ao alcance da mão, ou então dá o melhor de si mesmo para conquistar uma coisa, ou adquirir uma situação material invejável. Mas nunca age assim sem introduzir uma noção de desafio. Gosta da luta, do combate ou de utilizar o dinheiro como instrumento de poder. Pode ser produtivo e eficaz neste âmbito, mas

Os astros nas Casas

Marte nas Casas VII a XII
MARTE NA CASA VII N o contato com os outros, o indiví­ duo exterioriza sua capacidade de ação, impõe sua força, afirma-se. r Por isso, procura sempre estabelecer re­ lações estimulantes com seu meio am­ biente ou então gosta de posicionar-se como ascendente sobre seus compa­ nheiros. Nesta configuração, encontra­ mos um indivíduo com propensão para as relações de forças, que procura a emulação para revelar ou impor sua in­ fluência, ou seja, um indivíduo que as­ pira a associar-se com um ser forte que o estimulará e apoiará fisicamente em todas as circunstâncias. No entanto, cor­ re sempre o risco de estabelecer relações de forças, lutas, conflitos com seus com­ panheiros e sócios, mas também re­ lações de golpes de Estado e rupturas. MARTE NA CASA VIII Tradicionalmente, Marte nesta Casa é considerado a confirmação de um grande poder de regeneração, de uma verdadeira força de ressurreição. É certo que o indivíduo cm questão costuma possuir muitos recursos e está prepa­ rado para não ser afetado pelas cir­ cunstâncias difíceis ou as situações de­ sesperadas. Chega mesmo a atrair ou suscitar inconscientemente as referidas situações para experimentar seus re­ cursos e provar a si mesmo que con­ segue forçar os limites. É assim que nos deparamos com um indivíduo provo­ cador, amante das situações de crise, dos estados de emergência ou das cir­ cunstâncias extremas, nas quais pode manifestar seu sangue-frio, sua força física, seu desejo ardente de fazer trans­ formações radicais e definitivas. MARTE NA CASA IX O indivíduo que tem Marte nesta Casa, no seu mapa as­ tral, está constan­ temente à procu­ ra de aventuras novas, ou sempre disposto a lançar-se em novas explorações. Sente a necessidade de ampliar fisicamente seus horizontes c seu campo de ação. Por isso, adora a competição, a proeza desportiva, o de­ safio, a aposta impossível, a conquista, as viagens, tudo que lhe possa propor­ cionar a ocasião de sair ativamente de seus limites. Também pode militar por uma causa humanitária ou ideológica. Possui com freqüência um temperamento ardente, impaciente, selvagem, indomável. Peca talvez por excesso de entusiasmo e por uma precipitação que o levam a correr riscos inúteis ou a lançar-se em aven­ turas perigosas.

MARTE NA CASA X Situado na Casa da independência so­ cial e material, Marte põe-nos em presença de um indivíduo que, em princípio, parte à conquista de sua auto­ nomia, que costuma impor a razão aos tropeções, de uma forma muito impul­ siva. Em qualquer dos casos, consegue isto graças a seus atos, alcança o topo ou atinge o êxito e o triunfo. Aspira tal­ vez a representar o papel de chefe, de patrão ou de líder no seu âmbito. N o entanto, já observamos que esta configuração dissimula às vezes um obscuro sentimento de impotência — compensado por uma influência agres­ siva exercida sobre o meio social e profissional —, pelo que é muito ne­ cessário procurar a origem ou a causa em outros elementos inscritos no mapa astral. MARTE NA CASA XI Quando Marte se encontra nesta Casa, a do equi­ líbrio psicológi­ co e moral do indivíduo, revela sempre que a ne­ cessidade de afirma­ ção e a capacidade de ação do indivíduo em questão põem em perigo, em suas manifestações, o equilíbrio interior, que se torna então precário. Para evitar esses riscos, tem tendência para estabelecer contatos de amizade vivificantes e estimulantes, que o ajudarão a canalizar suas velei­ dades ou suas reivindicações de inde­ pendência, devidas com freqüência à sua falta de segurança ou à sua tendên­ cia para delapidar suas energias ou es­ forços. De fato, inclina-se para a dis­ persão. Porém, pode também revelar-se energicamente como uma pessoa oportunista ou capaz de realizar si­ multaneamente diversas atividades,

Marte e a saúde
Além de elucidar a capacidade de ação e de afirmação de um indivíduo, Marte nos informa sobre sua energia, seu temperamento e sobre o uso que faz deles. Os elementos que revela são aqueles que exercem uma ação purificadora no organismo ao queimar os detritos, depurar o sangue e limpar a bílis ou atiçar o fogo salvador da febre. Deste modo, a posição de Marte nos informa sobre as prováveis escaladas ou explosões de violência de que um indivíduo é capaz, os quais domina mais ou menos bem, dependendo do seu caráter e do seu comportamento, mas que podem fazê-lo cometer imprudências. Por isso, os acidentes ou os traumatismos costumam ser devidos ao mau uso de suas forças ou então ao desperdício de sua energia. As fraturas, as queimaduras, as quedas, as rupturas musculares, as feridas, são portanto do domínio de Marte, mas também as inflamações e as erupções cutâneas. Além disso, Marte apresenta fortes analogias com os olhos; indica com freqüência numerosas deficiências dos órgãos da vista. Quando Marte é dominante no mapa astral de uma pessoa, as dores de cabeça, os estados febris ou as subidas de temperatura não são raros. Por outro lado, quando Marte é fraco no mapa astral, existem riscos de anemia, de estados depressivos, crises de desânimo ou de disfunção orgânica. 0 órgão afetado será aquele que estiver em analogia com o signo e/ou a Casa nos quais Marte está situado no mapa astral do indivíduo.

empreendimentos ou projetos até a sua conclusão. MARTE NA CASA XII Quando Marte está situado na Casa que revela o comportamento diante da prova e da capacidade de superação, pode­ mos esperar o melhor ou o pior. O indivíduo com semelhante configuração aspira sempre a sublimar seus atos e seus de­ sejos. Por conseguinte, ou dá o melhor de si mesmo na ação, ultrapassa desa­ fios impossíveis, realiza proezas ou obtém resultados grandiosos, ou re­ nuncia e desanima face aos obstáculos e as dificuldades ou, por último em­ prega sistematicamente meios despro¬ porcionados ou extremos para resol­ ver os problemas. Freqüentemente, os desafios o estimulam e animam, como

acontece com Marte na Casa VIII, nesta Casa revela um ser que, incons­ cientemente, necessita de provas para se afirmar e ter uma maior segurança ou para manifestar sua capacidade de ação no grande dia.

Os astros nas Casas

Júpiter nas Casas I a VI
A depender da Casa onde se encontra, Júpiter nos informa sobre a vida material e social, em cujo setor o indivíduo expressa e manifesta sua alegria de viver e sua realização.
JÚPITER NA CASA I O otimismo, a ani­ mação, a alegria de viver contagiante: isto é o que o in­ divíduo que pos­ sui esta configu­ ração em seu mapa astral expressa natural e espontaneamente. É simpático, alegre, expansivo, radiante, jovial e ingênuo ao mesmo tempo, sem complicação, talvez até simplista ao extremo, igno­ rante do mal ou das dificuldades ou negando-se sistematicamente a vêlas. Esta boa atitude é certa­ mente um fator de sorte em sua vida, mas inclinao para uma visão limitada ou confor­ mista da vida e das realidades. Se é ge­ neroso e cheio de boa vontade, chega a pecar por prodigalidade indiscrimi­ nada, excesso em todos os domínios dos prazeres, da comunidade, das sa­ tisfações. N o entanto, o aspecto amá­ vel de sua personalidade exclui os compromissos profundos e a gula pode ser talvez o sintoma de uma frus­ trada alegria de viver. JÚPITER NA CASA II N o centro do seu meio natural, o in­ divíduo tem em princípio todas as oportunidades para se abrir às melhores condições. Por esse motivo, sabe naturalmente tirar proveito do seu con­ texto e obter todas as vantagens de que necessita para ser feliz e viver confor­ tavelmente. Possui a arte de atrair o dinheiro e as riquezas para si. Porém... se saberá conservá-los ou fazê-los frutificar, isso é outra questão e outros fatores inscritos em seu mapa astral irão nos

Ssmsr

informar sobre esse tema. Sem dúvida que Júpiter nesse setor o leva à prodigalidade, a viver acima de suas possibilidades, a gastar sem maiores considerações, a ter ambições finan­ ceiras insensatas ou a fazer previsões erradas e de pouco sentido. Por outro lado, não é uma insensatez pensar que o indivíduo que tem Júpiter na Casa II às vezes gosta de brincar com seus lu­ cros ou dividendos.

tomar posse do lugar em que se encon­ tra e a ocupá-la fisicamente. Isso explica o comportamento paternalista c prote­ cionista que adota para com seu meio e para com os outros em geral. É evidente que a necessidade de viver em um meio e em condições confortáveis seja pres­ sentida nele. Mas, por esta mesma razão, se outros elementos em seu mapa astral revelarem que tem dificuldades para en­ contrar o que necessita neste âmbito de sua vida, pode inibir sua vitalidade. JÚPITER NA CASA V Situado no setor da energia vital e da criatividade, Jú­ piter põe-nos em presença de um indivíduo com uma vitalidade ex­ pansiva, transbordan­ te, generosa, calorosa, em­ bora às vezes um pouco invasora ou exuberante. Por outro lado, as alegrias e os prazeres da vida são nele preocu­ pações constantes, a ponto de algumas vezes desenvolver ou realizar uma ati­ vidade relacionada com os prazeres ou com o ócio. Sabe contagiar os outros com sua alegria de viver. É cordial, oti­ mista, didático, muito afetuoso com as crianças. N o entanto, chega às vezes a

adotar um comportamento egocêntrico, um modo de vida hedonista ou epicu­ rista, preferindo sua comodidade e ne­ cessidade de gozar a vida a qualquer outra situação. Pode também revelar-se bulímico ou perpetuamente insatisfeito. JÚPITER NA CASA VI Situado na Casa da vida cotidiana, Jú­ piter revela um ser que expressa e manifesta sua alegria de viver no dia-a-dia, sabe ex­ perimentar o prazer ou as grandes satisfações a partir de ex­ cessos, possui a arte ou o dom de ador­ nar sua comodidade nos mínimos de­ talhes. Por outro lado, demonstra a mesma boa disposição no âmbito de suas atividades profissionais, no cen­ tro das quais sente a necessidade de se integrar com alegria e sem compli­ cações. É a própria configuração do in­ divíduo que desenvolve em seu tra­ balho. Sabe encontrar soluções práticas para seus problemas ou ajudar os ou­ tros a superar os seus. Às vezes sentese confinado ou limitado no meio em que evolui. Mas em todo o caso, não comete excessos, goza de um estado de saúde privilegiado.

JÚPITER NA CASA III O indivíduo que tem Júpiter nesse setor sente a necessi­ dade de se desen­ volver em um meio social e de relações agradável e simpático. O que se po­ derá converter em uma condição fun­ damental em sua vida, a ponto das frus­ trações neste âmbito poderem ser a origem de certos desequilíbrios de ordem psicológica. Possui um caráter social e simpático, mas falta-lhe às vezes discernimento, objetividade, distância na escolha das suas relações ou nos juí­ zos que faz sobre os outros. Ás vezes en­ tusiasma-se além do razoável por ide­ ais, ou então faz uma interpretação muito conformista das coisas. Outras vezes, aspira a alargar seus horizontes social e cultural, mas sempre com a in­ tenção de tirar algum partido ou usu­ fruir de algo, raramente com a intenção de explorar, fazer descobertas ou apro­ fundar suas idéias. JÚPITER NA CASA IV Nesta posição, Júpiter indica que o indivíduo se en­ contra, em princí­ pio, muito bem em sua Casa, isto é, no âm­ bito de seu meio familiar natural, onde suas raízes se desenvolvem plenamente. Por este motivo, tenderá, durante toda sua vida, a sentir-se um pouco em toda a parte como em sua própria Casa, a

Júpiter, o bem-estar e a felicidade
0 bem-estar e a felicidade estão tão intimamente relacionados em nossas mentes, que tendemos a pensar que sentir-se bem, gozar de boa saúde, estar saudável de corpo e espírito é o mesmo que ser feliz, desenvolvido, satisfeito, a ponto do bem-estar da alma e do coração se assemelharem ao fato de ter uma mente saudável em um corpo saudável. No entanto, se o bem-estar e a felicidade se originam de uma mesma aspiração comum, cada um tem o seu modo de compreendê-los e de ter acesso a eles. É isto que nos revela a presença de Júpiter em um mapa astral. E, se observamos bem as coisas, não podemos confundir o que entendemos por bem-estar. por um lado, e felicidade, por outro. Muitas vezes, em nossas sociedades modernas, a procura do bem-estar tem origem em uma aspiração de felicidade insatisfeita ou sempre inatingível, pois confundimos a alegria da alma, do coração e do espírito com as satisfações dos sentidos ou com o saciar a fome, a sede, as necessidades e os desejos. Mas estar saciado não quer dizer ser feliz. Por isso, se Júpiter em um mapa astral nos informa sobre a capacidade de um ser para encontrar a felicidade, isso não significa que realmente a encontre, pois provém tanto de uma realização do ser e de uma plenitude interior, como de uma autêntica alegria de viver e de ser.

Os astros nas Casas

Júpiter nas Casas VlI a XII
JÚPITER NA CASA VII O indivíduo que tiver esta posição em seu mapa as­ tral terá sucesso na esfera da união e da asso­ ciação. Assim, tem tendência para esperar do outro, amante, amigo ou colega, que este lhe dê a oportunidade de desen­ volver sua personalidade com prazer. Da mesma forma, terá freqüentemente tendência para se associar, em todos os campos de sua vida, especialmente em sua vida ativa e profissional. Evidente­ mente pode revelar-se felizardo neste aspecto pois, por natureza mostra uma confiança espontânea e agradável nos outros, que atrai a simpatia e lhe dá muitas vezes a oportunidade, ao longo de sua vida, de encontrar seres que se dêem bem com ele. É evidente que, se­ gundo as qualidades próprias de Júpiter, peque às vezes por excesso de otimismo ou de credulidade no que se refere aos seus companheiros. Porém, isto nunca tem graves conseqüências para ele, já que nesta posição Júpiter desempenha um papel verdadeiramente benéfico. JÚPITER NA CASA VIII Trata-se de uma con­ figuração singular que revela um ser favorecido por uma prote­ ção providencial que freqüentemen­ te se atribui à mera sorte, mas não se trata senão da ex-

As características de Júpiter nas Casas VII a XII são o êxito social, a felicidade, a alegria de viver.

expressão de uma curiosidade insa­ dos de uma missão. Entretanto, às ve­ zes produz o efeito contrário: sectaris­ ciável em um indivíduo para quem o mo, rejeição de tudo que seja estran­ desenvolvimento afortunado de sua geiro ou diferente, autoritarismo personalidade, de sua realização e de moralizador. seu bem-estar coincidem com uma as­ piração a renovar-se, a desligar-se das condições que o fazem ou faziam sen­ JÚPITER NA CASA X tir-se feliz, a priori. E como as quali­ Neste caso, o indiví­ dades de Júpiter favorecem a alegria de duo tem de adqui­ viver c não a indiferença, o indivíduo rir uma indepen­ em questão pode sentir-se inclinado a dência total em desfrutar a vida fora dos caminhos ha­ sua vida social e bituais, desafiando as proibições, ou a material, para estar apoiar-se demasiado nos outros ou em condições de se ainda a deixar-se arrastar por eles. Tal­ realizar plenamente e vez alimente medos injustificados que de encontrar sua felicidade. Não nos podem alterar sua alegria de viver. surpreenderá se em princípio se mos­ Finalmente, ao estar definida esta con­ trar ambicioso, às vezes até se o expres­ figuração com a dos benefícios que sar de forma tardia. Porém mais cedo ou provêm da morte, serão freqüentes as mais tarde, aspira ao êxito, ao sucesso, a heranças ou as grandes mudanças na chegar ao topo. Evidentemente que é vida, que a maioria das vezes são be­ preciso analisar este êxito ou triunfo no néficas. âmbito das preocupações do indivíduo em questão. JÚPITER NA CASA IX Não se trata necessariamente de um su­ Se levarmos em con­ cesso brilhante, estrepitoso, extraordi­ ta as associações nário. Mas podemos afirmar que aquele reveladas pelas que tiver Júpiter neste setor em seu combinações en­ mapa astral, que também revela outras tre as Casas e os qualidades ou dons em um campo par­ signos do Zodía­ ticular, conhecerá o sucesso cm um mo­ co, a Casa IX está mento ou outro. Por outro lado, assim em relação evidente como desfruta da independência, tem com o nono signo, Sagitário. Por isso, freqüentemente um comportamento sabendo que Júpiter é o regente do re­ paternalista, protetor e benfeitor em re­ ferido signo de Outono, sua presença lação àqueles que o cercam. Às vezes na Casa IX em um mapa astral é pró­ corre simplesmente o risco de se mos­ pria de um ser que aspira espontane­ trar demasiado otimista na conquista de amente a realizar-se ampliando seus sua independência, em seu desejo de ex­ horizontes intelectual, social e geo­ pansão ou de sucesso. gráfico, dependendo do caso ou da na­ tureza de suas preocupações. Nele, a JÚPITER NA CASA XI necessidade e a sede de expansão são Neste setor, Júpiter sempre predominantes, a aspiração de nos mostra um in­ sair do seu meio social natural é muito divíduo que só po­ forte. de ser plenamen­ te feliz quando Esta configuração é freqüente nos seres tiver projetos entre que se estabelecerão no estrangeiro ou as mãos. Na melhor que viajarão com freqüência por razões das hipóteses, estamos profissionais ou pelo simples gosto de diante de um criador com talento, um explorar, de descobrir ou de aventura. inovador que trabalha em benefício do Podemos encontrá-la também em conforto ou do bem-estar da comuni­ emissários, diplomatas ou encarrega­

dade. Na pior das hipóteses — embora isto não tenha nada de pejorativo, visto não se tratar de um elemento negativo ou perigoso da personalidade —, ocupa seu tempo fazendo castelos de areia, ela­ borando projetos pouco claros, inve­ rossímeis, extravagantes, irrealizáveis ou que se nega a concretizar, por medo de se decepcionar com sua realização ou por não se achar à altura das suas idéias ou sonhos. Porém, em todo caso, o ser em questão é simpático, compreensivo, condescen­ dente, sinceramente solidário. Por isso faz numerosos amigos, aos quais será ou não fiel, a depender do signo em que Júpiter se encontrar. JÚPITER NA CASA XII Esta posição de Júpi­ ter no mapa astral revela freqüente­ mente um indiví­ duo mais parado­ xal aos olhos dos outros do que aos seus próprios olhos. De fato, para se sentir feliz ou realizado necessita de certo isolamento ou de uma forma de solidão. Em conseqüência, gosta de estar sozinho, entregue a si mesmo, já que é assim que consegue repor e fazer crescer nele um profundo bem-estar. Tal estado de espírito é di­ fícil de compreender em um mundo onde tudo incita a agrupar-se ou a viver juntos. N o entanto, é assim que ele vive as coisas. Gosta de solidão, o que não significa necessariamente que estará so­ zinho, mas simplesmente que tem ne­ cessidade de se isolar com certa fre­ qüência. Às vezes pode ter tendência para omitir totalmente as alegrias e os prazeres da vida, para não necessitar deles para ser feliz. Evidentemente tais características, agravadas por outras con­ figurações semelhantes no mapa astral (como Saturno nas Casas I, VI ou XII, por exemplo), podem dar lugar a tem­ peramentos hipocondríacos, misantro¬ pos, apáticos ou associais. Mas isto ra­ ramente acontece. Este é o sinal de uma proteção providencial ao longo da vida.

Os astros nas Casas

Saturno nas Casas I a VI
Contrariamente à moral da célebre fábula de La Fontaine, com Saturno não é a razão do mais forte que vence, mas sim a do mais sábio e a do mais razoável, pois cada casa do céu tem sua razão de ser.
SATURNO NA CASA I Quanto mais pró­ ximo Saturno está do ascendente ou cúspide da Casa I mais influência e peso suas caracte­ rísticas têm na inter­ pretação do mapa astral. Nesta situação, Saturno revela que uma espécie de sombra de lucidez crítica ou de distanciamento lúcido se estabelece entre o indivíduo e os outros. Por isso, pode dar a impressão de ser duro, frio, não confiar em ninguém, nunca se "deixar levar". De fato, tem tendência para impor a si próprio uma disciplina muito severa, obrigações que não lhe permi­ tirão deter-se. Vive com o receio de não ter feito tudo o que deveria. É perfec­ cionista e ranzinza, talvez ao extremo, c muito razoável, muito lúcido, e tanto assim é que nunca faz concessões a nin­ guém, nem sequer a ele mesmo. Ar­ risca-se a viver sob tensão e, em com­ pensação, a ser vítima de depressões. SATURNO NA CASA II O indivíduo exerce sua influência em seu meio natural de uma maneira racional, restriti­ va, lúcida, razoável e calculista. Calcula fria c logicamente os meios e as oportunidades de que dispõe, para as explorar o melhor possível ou viver com um máximo de segurança. Encontramo-nos face a um ser pru­ dente, poupado, previdente. N o âm­ bito das finanças, a pessoa em questão costuma ver aumen­ tar lentamente seus ganhos,

nhos, mas de uma forma constante e duradoura. Por outro lado, salvo ele­ mentos contrários inscritos em seu mapa astral, suas conquistas ou bens ra­ ramente serão questionados. Entretanto, não se deve esperar uma si­ tuação financeira próspera ou confor­ tável em tal configuração. Simples­ mente porque o próprio indivíduo tem tendência a adotar um comportamento carente de espontaneidade, de simpli­ cidade, de generosidade em relação aos seus pertences, o dinheiro e seu meio natural. SATURNO NA CASA III Esta posição de Saturno é a capa­ cidade de con­ centração, que permite ao in­ divíduo fixar sua atenção sobre pro­ blemas complexos, cálculos de precisão, estudos compli­ cados, investigações sérias e profundas. Confere-lhe, portanto, a reflexão, a se­ riedade, a lucidez, também a lógica, qualidades estas que forçam ou esti­ mulam sua faculdade de discerni­ mento. E, de fato, é um ser que não se fia nas aparências, que é seletivo em seus intercâmbios e em suas relações, e que emite juízos medidos e acerta­ dos. N o entanto, seus contatos com os demais são bastante frios e rígidos. Não é propenso a fazer concessões, embora tenha certo jeito para a diplomacia. Porém, em conjunto, não se sente de­ masiado à vontade nas relações huma­ nas. Pode mesmo ser tímido, atrapa­ lhado, inepto em seu meio social, como que para dissimular um orgulho pro­ fundo que não o torna nada sociável. Por último, costuma ser mais ambi­ cioso do que aparenta.

SATURNO NA CASA IV O indivíduo que tem Saturno si­ tuado na casa do lar paterno, em seu mapa astral, sente-se, por ra­ zões pessoais ou circunstanciais, só ou isolado no seio do seu meio familiar; ou então dá mostras de uma maturi­ dade precoce que o conduz natural­ mente a exercer uma autoridade no âmbito de sua vida familiar. Encon­ tramo-nos na configuração típica de quem representa desde muito cedo um papel de adulto responsável, mas que, de fato, pode ter estado, ou sente-se, frustrado com sua infância. Por con­ seguinte, sabe assumir perfeitamente bem suas responsabilidades e seu dever em seu próprio lar, onde representa um papel de cabeça de família sério, constante e fiável. N o entanto, sentese praticamente sempre sozinho em seu círculo, e pode mesmo ter tendên­ cia para procurar o isolamento, para viver como um eremita, bastando-se a si próprio. Por outro lado, a casa IV nos informa do começo e do fim da vida, e esta situação de Saturno anuncia fre­ qüentemente uma solidão no final da vida, escolhida pelo indivíduo ou im­ posta pelas circunstâncias. SATURNO NA CASA V Na casa dos amores e dos prazeres, Sa­ turno torna o in­ divíduo excessi­ vamente seletivo no tocante às es­ colhas do coração, mas também tenaz, constante, fiel, exclusivo, muito exi­ gente, restritivo diante dos prazeres da vida. Não se abandona facilmente e nunca ultrapassa os limites do Come­ dimento. E ainda muito céptico a pro­ pósito dos sentimentos que experimenta ou lhe demonstram, não sendo dema­ siado expansivo. Chega a conceber juí­ zos muito duros sobre este assunto, ou

às vezes mesmo a renunciar a viver re­ lações amorosas banais, vulgares, apro­ ximativas ou insatisfatórias aos seus olhos. Pode também fazer total abs­ tração de todos os impulsos afetivos es­ pontâneos. Pelo contrário, quando ama, é para toda a vida. Carece freqüente­ mente de vigor vital, mas está cons­ ciente disso. Sabe economizar e pre­ servar-se. E, para finalizar, c também severo em relação aos filhos, se os tiver, mas os tem sempre presentes. Suas re­ lações com eles são melhores quando atingem a idade adulta. SATURNO NA CASA VI O indivíduo que tem Saturno nesta casa em seu mapa as­ tral aborda a vida cotidiana de ma­ neira lúcida e ra­ cional. Possui um sentido inato da orga­ nização, pois sabe tirar os melhores proveitos. Possui também o sentido da ordem, do método, um gosto pela aná­ lise e o trabalho bem feito. E sério, ri­ goroso e nunca deixa nada ao acaso. Geralmente tem uma entrega muito grande ao trabalho. Na realidade, de­ monstra a todo momento para si mesmo uma disciplina, um rigor e uma exigência, que fazem dele um traba­ lhador obstinado, tenaz, infatigável, que nunca desanima, capaz de cumprir as tarefas mais delicadas e difíceis. Por isso, apesar de certa introversão ou de uma discrição natural, é mais ambi­ cioso do que aparenta, e graças a seu trabalho consegue triunfar com o tempo. N o entanto, certa capacidade de concentração exercida em sua vida cotidiana faz com que corra o perigo de se isolar, de se converter em um mi­ santropo austero, inacessível, severo, com caráter pouco sociável. Por outro lado, sua excessiva severidade crítica e autocrítica pode ser a origem de pro­ blemas crônicos de saúde, que apare­ cem regularmente no decorrer de sua vida e que muitas vezes não consegue impedir.

Os astros nas Casas

Saturno nas Casas VII a XII
SATURNO NA CASA VII Situado na Casa que atribuímos tradi­ cionalmente à união e às asso­ ciações, Saturno revela aqui um in­ divíduo que aborda estes âmbitos racional, razoável c seriamente. É seletivo na es­ colha de seus companheiros ou cola­ boradores, ou simplesmente das pes­ soas com quem cria laços. Raras vezes estabelece alianças, mas é constante em suas decisões a este respeito. Esta configuração pode ser igualmente en­ contrada no mapa astral de um ser que tem necessidade de apoiar-se em al­ guém mais forte, mas sábio ou mais razoável que ele e que se põe de acor­ do voluntariamente com uma pessoa, se não mais adulta, pelo menos mais madura que ele. N o entanto, da mes­ ma forma como quando está na Casa I, às vezes Saturno na Casa VII implica também que uma tela de lucidez crí­ tica se instala entre o indivíduo em questão e os demais, com o risco de fazê-lo distante, frio, insensível e in­ transigente, ou ressentido como tal. Neste caso, será sistematicamente suspicaz, desconfiado ou estará em uma posição defensiva. SATURNO NA CASA VIII Nesta Casa, o desa­ pego com respeito a seu meio natu­ ral e os bens ma­ teriais tem lugar racional, fria e lo­ gicamente. Podemos achar-nos diante de um ser capaz do maior sangue-frio, disposto a perder ou disposto a renunciar a seus bens, a suas relações sem escrúpulo, sem arrepen­ dimento e sem a menor dificuldade. Esta configuração é às vezes a de uma força física e uma resistência surpreen­ dente em um indivíduo que se reafirma, se reagrupa ou se regenera com lentidão, porém com segurança. Do mesmo modo, quando acha neces­ sário, sabe romper, cortar, virar a página com grande sangue-frio e decisão. Entretanto, Saturno revela às vezes os excessos inversos em forma de rejeição sistemática ou aferrando-se a ele, de uma determinação fria e implacável a obter alguma coisa ou satisfazer seus de­ sejos, apesar do perigo, das necessida­ des ou o bem-estar dos demais.

Saturno nas Casas pode ser o espírito lógico e racional, porém também o isolamento, a introspecção.

SATURNO NA CASA IX Se o indivíduo expe­ rimenta a necessi­ dade de ampliar seu horizonte in­ telectual, social, de relação ou ge­ ográfico, sempre é por sólidas e sérias ra­ zões, porém nunca por fantasia ou cu­ riosidade. De fato, Saturno nesta po­ sição é restritivo neste sentido. Não incita à abertura ao mundo e aos de­ mais, inclinando as pessoas ao secta­ rismo e ao ceticismo. Revela com fre­ qüência um indivíduo que possui firmes convicções, que o fazem her­ mético às idéias e opiniões dos outros. E se se lança aos estudos e à filosofia, não o faz a meio termo. Pode, em con­ seqüência, apoiar-se em seu âmbito, graças à sua seriedade, seu espírito de síntese clarividente, sua ambição inte­ lectual. Da mesma forma, se viaja, é sempre com um bom motivo ou um propósito preciso. Por último, espiritualmente é capaz do maior desapego, de uma renúncia total aos pensamentos ou atividades úteis. Porém, como sua posição não é espi­ ritual ou não é sensível a este gênero de investigações, seu comportamento acaba sendo austero e seu rigor moral, muito estrito. SATURNO NA CASA X Como acontece na Casa I, quanto mais próximo es­ tá Saturno da cús­ pide da Casa VII, isto é, no Meio do Céu, mais o in­ divíduo se revelará ambicioso e decidido a ad­ quirir uma independência social e pro­ fissional contando apenas consigo mesmo, com tenacidade e talvez com uma perseverança que poderá se apro­ ximar do arrivismo. É a configuração típica da pessoa que co­ mumente dizemos que se fez a si mesma, porém que, pelos mesmos mo­

tivos, se arrisca a perder tudo. De fato, tem tendência a isolar-se em sua si­ tuação. E um ser de um poder solitário, cuja atenção se cristaliza de tal modo nos propósitos que se fixa e na ambição que deseja cumprir, que se abstrai comple­ tamente de qualquer outra consideração. Porém, quando aspira a estabelecer uma situação estável e duradoura e a encon­ trar-se em uma situação sólida ou imu­ tável, os fatos — e o fato de que costuma ser desconfiado ou dominante —, os demais ou as circunstâncias podem aca­ bar por desestabilizá-lo, pois sabemos que a razão e a lógica não bastam para chegar ao topo e ali permanecer. SATURNO NA CASA XI Situado na Casa do equilíbrio psicoló­ gico e moral, Sa­ turno revela um indivíduo razoá­ vel, que se cimen­ ta em seu espírito lógico e racional para tirar partido de suas experiências vivi­ das e adquirir, com os anos, certa filo­ sofia de vida. O ser que tem Saturno situado nesta Casa em seu mapa astral é dotado de certa sabedoria, pelo menos potencial­ mente, ou sentirá certo interesse pelas reflexões, pensamentos, aforismos dos sábios ou dos filósofos. Sem dúvida, é particularmente seletivo e exigente na

escolha de suas relações e amigos, que seleciona escrupulosamente. Encantalhe manter intercâmbios profundos, sé­ rios, duradouros, com pessoas fiáveis. Ás vezes faz uso de uma severidade crí­ tica intratável com respeito a eles, com o que corre o risco de se isolar, como acontece às vezes com Saturno. Por outro lado, só contempla ou con­ cebe planos e projetos a longo prazo. Fica horrorizado com as visões a curto prazo. De face ao futuro, por exemplo, adota uma destas duas atitudes extre­ mas: ou bem encara o assunto ou o es­ tuda metódica e logicamente, até o ponto de tornar-se clarividente, ou re­ jeita sistematicamente toda a perspec­ tiva e se desinteressa. SATURNO NA CASA XII Esta é a configuração típica da solidão e do isolamento. É certo que o ser que tem Saturno nesta posição em seu mapa astral, por escolha ou por neces­ sidade, vive freqüentemente na solidão ou tem tendência a isolar-se do mundo, a viver como um recluso, a renunciar à vida social e mundana, a entranhar-se em si mesmo. Porém aqui, contrariamente à situação de Júpiter na Casa XII, não coincide com nenhuma destas coisas. Encontramonos face a um indivíduo com um ca­ ráter misantropo mais ou menos mar­ cado, que não tem demasiado interesse pelo próximo ou não lhe presta dema­ siada atenção, seja ou não manifesto. Na verdade, a única razão nobre e ge­ nerosa, por assim dizer, suscetível de incitá-lo a isolar-se deste modo, será evidentemente uma tomada de cons­ ciência espiritual, uma introspecção de ordem espiritual que conduzirá o ser em questão a superar, a sentir uma mo­ tivação sobre-humana. É isso que acon­ tece às vezes, embora seja bastante raro. Portanto, podemos considerar que com relação a este indivíduo, isto pode sem­ pre acontecer.

Os astros nas Casas

Urano nas Casas
Urano nas Casas nos informa sobre o setor da vida material e social onde o indivíduo expressará e manifestará sua capacidade de decisão, dinamismo e independência.
URANO NA CASA I Quanto mais perto Ura­ no estiver da cúspide desta Casa, e quan­ to maior espírito de independência e de originalidade tiver, mais se intensificarão no indivíduo o inconfor­ mismo, o sentido do paradoxo, a força de decisão dinâmica, impulsiva, desen­ volta, o poder de adaptação e de origi­ nalidade. Evidentemente, estas carac­ terísticas tipicamente uranianas estão mais ou menos marcadas conforme o signo onde Urano esteja situado. Em todo caso, o indivíduo é muitas vezes imprevisível, instável e indomável. Custa-lhe aceitar as obrigações. URANO NA CASA II O indivíduo é fre­ qüentemente mui­ to dotado para dominar qual­ quer ocasião no momento que lhe permitir tirar o me­ lhor proveito das van­ tagens que possa obter do seu meio na­ tural. Possui assim um grande poder de adaptação às circunstâncias mais varia­ das, que tornam este indivíduo apto para suscitar as oportunidades, espe­ cialmente financeiras, evidentemente, atraí-las para ele, para pressenti-las, an­ tecipá-las e encontrar-se no lugar indi­ cado e no momento adequado. Porém, é uma pessoa totalmente imprevisível e seus ganhos ou lucros costumam per­ manecer precários, muito instáveis, pas­ sando por altos e baixos durante toda sua vida. URANO NA CASA III A capacidade de de­ cisão e de poder de adaptação estão, neste caso, mer­ gulhados no co­ ração da vida pú­ blica e social. Esta posição de Urano revela um indivíduo muito dotado para os con­ tatos humanos, os intercâmbios. Tem a capacidade de captar as idéias que estão no ar, de apropriar-se delas, de transmitilas, e possui um espírito conformista, de grande curiosidade intelectual. Tem gosto pela inovação, pelo conceito ori­ ginal e vanguardista, mas às vezes fica nervoso, é extrava­ gante c rejeita qualquer com­ promisso. URANO NA CASA IV É no âmbito de sua vida familiar e de seu lar que o indi­ víduo exerce seu dinamismo e sua força de decisão. Tradicionalmente, considera-se esta po­ sição como nomadismo, pois virtual e praticamente, este ser é instável, inde­ pendente, sem tréguas e vai em busca de novas raízes, ao ter perdido as suas há muito tempo. Também é verdade que, muitas vezes, abandona o ninho fami­ liar bastante cedo e da noite para o dia, para, em seguida, escolher condições de vida originais e parti­ culares.

URANO NA CASA V Urano, ao estar si­ tuado na Casa da energia vital, põenos em presença de um ser mais dinâmico e nervo­ so do que enérgico. Seu vigor revela-se afi­ nal frágil e instável, pode ter tendência para fazer um mau uso de suas forças, para ser impulsivo ou para se atirar em experiências estranhas, originais, inédi­ tas. A seus sentimentos também não falta originalidade, já que lhe custa estabili­ zar-se e muitas vezes movimentar-se mais por considerações eróticas do que afetivas. Por isso leva uma vida amo­ rosa que podemos qualificar de aven­ tureira, movimentada e tumultuosa. URANO NA CASA VI Este indivíduo sente a necessidade de manifestar seu di­ namismo e ex­ pressar sua capa­ cidade de decisão no âmbito de sua vida cotidiana. Pode, assim, sentir a necessidade ser dono de todos seus momentos e mostrar-se fe­ rozmente independente, recusando sub­ meter-se a qualquer obrigação ou dis­ ciplina. Sente-se mais à vontade nas atividades que lhe dão a oportunidade de viajar muitas vezes e de ser seu pró­ prio chefe. Além disso, pode ser que tenha alguns dons para tudo que per­ tence ao campo da técnica ou tecnolo­ gia. Pode destacar-se consideravelmente por suas qualidades manuais.

URANO NA CASA VII O indivíduo com Ura­ no nesta Casa possui a melhor arte de se adaptar aos outros e às circunstâncias, e ao mesmo tempo é também fundamen­ talmente independente. Desta forma, paradoxalmente, se se unir ou associar, será para se libertar de cer­ tas obrigações ou para ser mais livre no momento de agir. De outro modo, pode viver muitas vezes em hostilidade. URANO NA CASA VIII Em geral, o indivíduo que tem esta confi­ guração desliga-se de um dia para o outro do seu meio natural, ou então passa as páginas da sua vida de maneira im­ pulsiva, desenvolta e definitiva. Ao ter al­ gumas qualidades psíquicas exacerbadas, às vezes sente-se ansioso, impaciente, nervoso, porque pressente ou antecipa conscientemente acontecimentos futu­ ros, em especial os que estão relaciona­ dos com mudanças importantes para ele ou para seu meio. Em algumas ocasiões, suas faculdades cerebrais e seu equilíbrio são perturbados por causa disso. URANO NA CASA IX N o setor de tudo que está relacionado com o ser e com seu mundo exte­ rior e longínquo, Urano converte o indivíduo em um ser muito impaciente por ampliar seus horizon­ tes intelectual, público, social ou geo­ gráfico. Estamos aqui diante da con­ figuração típica do autodidata, do inovador, do reformador, do explorador, do descobridor, ou seja, do revolucio­ nário. Aspira a sair do caminho, a viver de forma original, partir, viajar. O amor pela liberdade, a sua em particular, pode converter-se em sua norma de vida.

URANO NA CASA X Nesta Casa, a Casa da independência so­ cial e profissional, Urano pode ter efeitos imprevisí­ veis e perversos. Sem dúvida que a vontade de independên­ cia e a força de decisão estão reforça­ das e dirigidas para uma certa forma de êxito e uma situação profissional inde­ pendente. No entanto, os êxitos não são nada estáveis, e podemos considerar que a posição social, por mais brilhante que pareça, nunca chega a adquirir ou é de­ finitiva. URANO NA CASA XI Este ser encontra seu equilíbrio interior expressando e ma­ nifestando sua for­ ça de decisão e seu dinamismo, e so­ bretudo ao adquirir sua independência. Por isso não o consegue. É instável, reivin¬ dicativo, nervoso, ansioso, passa de um projeto ou de uma idéia para outra sem terminá-los. Por outro lado, é muito do­ tado para iniciar e cultivar amizades ori­ ginais, enriquecedoras, estimulantes e integrar-se em círculos sociais variados. URANO NA CASA XII O indivíduo tem uma maneira muito ori­ ginal de reagir face às dificuldades. Aborda o desco­ nhecido e o insó­ lito com grande cu­ riosidade, sob um novo ponto de vista. Às vezes é um precursor, mesmo que seus traba­ lhos permaneçam secretos. De fato, em­ bora seja sinceramente solidário, nem por isso expressa menos sua vontade de independência e singularidade, tentando sempre manter um poder efetivo no que faz ou encontrando na solidão sua maneira de distinguir-se de seus se­ melhantes.

Os astros nas Casas

Netuno nas Casas
A situação de Netuno em uma das 12 Casas do céu nos informa sobre a arte e a maneira que um ser tem de perceber a vida social e material, e transformar-se dentro dela.
NETUNO NA CASA I O indivíduo tem ao mesmo tempo uma percepção muito pessoal, in­ tuitiva, sensível e imaginativa da vida social e material. Seu eu tende a dilatar-se; suas emoções, a afogá-lo, ou às vezes, a ofuscá-lo, gerando auto-ilusões que o incitam a deformar a realidade. Possui certos dons de premonição mas, com ele, é muitas vezes difícil saber o que há de verdadeiro ou de falso, a ponto de suas angústias e sonhos se confundirem com o mundo das aparências. Suas as­ pirações são elevadas, mas toma freqüentemente seus so­ nhos por realida­ des. NETUNO NA CASA II O indivíduo tem a arte de pressentir intui­ tivamente os bons negócios ou as oportunidades, as possibilidades, os meios de que dispõe ou que se lhe oferecem por sua situação social ou material, para assim tirar o máximo proveito e vanta­ gens. Por isso pode ter alma de grande especulador, pode estar vivendo às cus­ tas de outra pessoa, que poderá propor­ cionar-lhe toda a comodidade a que as­ pira, ou sabe deixar-se levar pelas ondas e pelas correntes. Neste caso, sua si­ tuação, especialmente a financeira, será com freqüência instável e vaga, mas às vezes mui­ to próspera. NETUNO NA CASA III O indivíduo aspira a ter contatos e in­ tercâmbios basea­ dos exclusivamen­ te em afinidades de eleição. Imaginativo, inspira­ do e receptivo com os outros, procura a fusão com os que lhe são próximos ou com as pessoas com quem se dá normalmente. Daí que se deixe influenciar facilmente por ele ou viva através deles. Gosta de cultivar o mistério, de entregar-se à sorte, e corre às vezes o risco de se deixar levar por si­ tuações duvidosas. Ou, pior ainda, anda em más companhias. Finalmente, tende a complicar as coisas sem razão. NETUNO NA CASA IV O indivíduo com Netuno nesta Casa vive sua família e seu lar sob o signo da metamorfose, da mudança e das transformações cons­ tantes. Suas relações com o meio familiar estão cheias de ide­ alismo. Paradoxalmente, isto pode con­ duzir a um certo deixar-se levar em sua vida, ou no dia-a-dia no seu meio. De­ fine-o o bom gosto pela vida boêmia, errante ou itinerante, a necessidade de evasão, de viver em condições total­ mente diferentes ou fundir-se em uma tribo, em um clã, em um grupo com o qual se identifique.

***^

NETUNO NA CASA V Este indivíduo aspira ao amor sublime, ideal. Compraz-se em mudar ou em transformar o ser que ama através dos sentimentos que o in­ vadem ou que sente por ele. Por isso, vai em busca de prazeres estranhos, sutis, profundos, intensos. Seus sentimentos e sensações estão de tal forma cheios de uma carga emocio­ nal e de uma sede de absoluto, que o in­ vadem, o afogam, o ofuscam, fazendo com que tenha às vezes tendência para os grandes amores românticos, excessi­ vos e sucessivos. Sua força vital é con­ fusa, instável, em movimento, frágil. Mais do que outra coisa, tem tendên­ cia para psicossomatizar seus estados, sobretudo quando é vítima de uma de­ cepção afetiva.

com outra pessoa em particular, que o torna influenciável, exigente e depen­ dente. Por isso, com freqüência, cons­ trói castelos no ar, engana-se ou é atraiçoado. Mostra sua dedicação, total e desinteressada, em relação ao outro, vivendo ao capricho das circunstâncias. NETUNO NA CASA VIII Na maioria das vezes, o indivíduo conse­ gue desligar-se do seu meio natural, romper suas ca­ deias, ser menos de­ pendente... interior ou psicologicamente. Sua grande receptividade psíquica conferelhe um verdadeiro dom de premonição. Explora-o então para se adaptar melhor às circunstâncias em que se encontra, e tira proveito disso. E definido por sua busca do absoluto, sua necessidade de ver mais além e sua crença mais profunda de que os outros lhe conferem um encanto misterioso que o torna muito atraente. NETUNO NA CASA IX Tanto na teoria como na prática, o indiví­ duo aspira a soltar amarras, a evadirse, a ampliar seus horizontes, a viver em condições dife­ rentes das que sempre conheceu. Por outro lado, possui o dom da adaptação aos costumes e mentalida­ des mais diversos. Ou então movemno elevadas aspirações, que o levam mais cedo ou mais tarde a abandonar os limites em que vive e transpor suas fron­ teiras. Humanista ou utópico, religioso ou aventureiro, inventa outra realidade.

condições que nem sempre se adaptam à realidade. Terá, portanto, decepções ou irá deixar-se influenciar ou levar pelas circunstâncias, que tanto o favore­ cerão como o prejudicarão. Considera­ ções de tipo coletivo, uma certa entrega próxima da abnegação ou uma forma de ingenuidade impedem-no às vezes de adotar uma situação autônoma ou triun­ far em sua vida social e profissional. NETUNO NA CASA XI O indivíduo vive em um mundo de so­ nhos, esperanças, entregue aos mais belos e aos mais utópicos projetos, inacessíveis tanto uns como os outros. Dada tal característica, pode revelar-se um criador genial, mas para isso é neces­ sário que outros elementos estejam pre­ sentes em seu mapa astral, através dos quais alcance a capacidade de concre­ tizar suas idéias e aí se convertam nos motores de sua vida. Seu equilíbrio psi­ cológico e moral é vago, frágil, in­ fluenciável, especialmente por seus ami­ gos. Suas relações nem sempre são dignas de confiança. De sua pessoa emana um não sei que de mágico, fas­ cinante, inefável e muito atraente.

NETUNO NA CASA VI O indivíduo tem, mais ou menos sempre, a sensação de viver em um aquário ou em um meio social dentro do qual se sente sufocado. Aspira a lançar-se no oceano, a conhecer os grandes espaços, a viver em condições excepcionais. A vida cotidiana sufoca-o e aborrece-o. Quer viver em cada dia momentos excepcionais. Fica desarmado diante dos problemas e das vicissitudes da vida cotidiana, ou é in­ capaz de fazer-lhe frente. Sua saúde pode debilitar-se terrivelmente por isso e ser precária. Os sintomas que apresenta são muitas vezes difíceis de diagnosticar. NETUNO NA CASA VII O indivíduo aspira a as­ sociar-se de forma ideal e perfeita com os outros ou a unirse a alguém que ten­ derá a sublimar. Sen­ te uma necessidade de fusão com seu meio, e

NETUNO NA CASA XII O indivíduo possui o dom de se adaptar às circunstâncias mais penosas, transfor­ mar-se interior­ mente ou evadir-se da realidade, a ponto de chegar a fugir dela, de se tornar inacessível, de viver em um mundo que só a ele per­ tence. Pode ser um indivíduo místico, NETUNO NA CASA X A independência so­ romântico, inspirado, sonhador, imagi­ nativo, entregue a uma causa ou aos ou­ cial e material à qual aspira o indi­ tros, ou então tornar-se um ser atípico, víduo com Netuno associai, inacessível, marginal. Muito emotivo, tanto é capaz da maior clari­ no nesta Casa está cheia de idealismo. vidência como da mais absoluta falta de discernimento. Deseja triunfar em

Os astros nas Casas

Plutão nas Casas
A situação de Plutão em cada um das Casas no mapa astral nos informa sobre o setor da vida na qual o nativo exerce seu poder criativo, destruidor ou regenerador.
PLUTÃO NA CASA I
Quanto mais perto Plutão estiver do as­ cendente, melhor revelará uma in­ quietude funda­ mental, dúvidas P constantes no nativo afetado por esta configu­ ração, que tem um sentimento de incer­ teza com relação à sua personalidade. De fato, não pode evitar questionar-se a toda a hora, o que, em compensação, o induz a comportar-se de maneira exuberante ou exibicionista, tentando atrair a atenção a todo custo, a querer obter dos outros tudo que não consegue realizar por si mesmo. Pode ser egocêntrico, porém possui tam­ bém um certo magnetismo, do qual nem sempre tem consciência.

PLUTÃO NA CASA HI
Com freqüência, é através de seus con­ tatos e intercâm­ bios, no âmbito de suas relações so­ ciais, onde o indivíduo tenta exercer uma influência inefável porém constante ao seu redor, tenta se­ duzir, convencer, dominar. De vez em quando, sente necessidade de ter relações estimulantes, enriquecedoras com os ou­ tros e sente-se atraído por seres estra­ nhos, experiências fora do comum, aven­ turas intelectuais um pouco exóticas ou francamente subversivas. Pode possuir também uma mentalidade maquiavélica ou perversa ou ser vítima de um excesso de idéias que perturbam seu equilíbrio.

PLUTÃO NA CASA IV
Esta situação de Plutão revela freqüente­ mente uma pessoa que viveu suas re­ lações familiares de uma maneira passional ou paradoxal, que pode ter tido a ten­ tação de seduzir um de seus pais, de con­ verter-se no centro das atenções de toda a família e, para consegui-lo pode ter-se comportado de uma forma estranha, in­ conformista ou provocadora. É prová­ vel um corte definitivo com suas raízes, assim como a vontade de fazer renascer uma situação familiar destruída ou um lar devastado sobre bases completamente novas. É também a configu­ ração dos que recons­ troem uma Casa antiga.

PLUTÃO NA CASA II
Contra si mesmo, o indivíduo adota uma atitude ex­ cessiva ou passio­ nal com respeito ao seu meio natu­ ral. Renega-o abso­ lutamente, cortando suas amarras da noite para o dia, seus laços ou relações com ele, ou então exa­ tamente ao contrário, tenta dominá-lo, explorando todas suas formas, tirando dele recursos insuspeitos. Por esta razão, com uma configuração destas em um mapa astral, ou pasmamos face a um indivíduo absolutamente distante ou indiferente aos bens materiais e às posses, ou então trata-se de um nativo ávido por vencer, disposto a tudo para satisfazer seus caprichos ou ambições.

PLUTÃO NA CASA V O nativo é freqüente­ mente exibicionista ou provocador em sua vida sentimen­ tal. Pode igual­ mente mostrar-se maquiavélico sem concessões. Em todo o caso, seus amores nunca são desapai­ xonados, nem estão despojados de uma vontade, fora do comum, de ser sedu­ zido ou seduzir. Muitas vezes, possui um forte potencial de criatividade e uma vitalidade cheia de recursos. Estabelece também relações passionais, porém ex­ cepcionais, com seus filhos que, de uma forma ou de outra, têm um lugar muito importante em sua vida. PLUTÃO NA CASA VI É um indivíduo que as­ pira a viver expe­ riências em sua vida cotidiana. Tem a arte de perceber e aproveitar, com grande precisão e não menor intensidade, os pequenos prazeres da vida diária. É atraído pelos mistérios, os enigmas, e possui um excelente instinto analítico. Corre porém o risco de criar maus hábitos que destroem seu orga­ nismo, ou de passar a vida em lutas e conflitos cotidianos, para resolver pro­ blemas ocasionais por sua retorcida ima­ ginação. PLUTÃO NA CASA VII O nativo tenta seduzir, exercer um verda­ deiro fascínio so­ bre seu parceiro ou pessoas com as quais se associa. Alia-se igualmente com uma ou várias pes­ soas que saem do comum, que não vivem como todo o mundo, que satis­ farão seu gosto pela provocação, que ini­ cia relações passionais, sem parar de questioná-las tanto na união como na

associação, baseadas em relações de força e poder que revelam então sua incons­ ciente dificuldade em acreditar no outro. PLUTÃO NA CAS A VIII Este indivíduo exerce uma espécie de fas­ cínio inefável à sua volta. De fato, pos­ sui, pelo menos potencialmente, recursos energéticos surpreendentes que lhe conferem uma forma de magnetismo muito atraente, e que podem ter efeitos destruidores ou regeneradores e curati­ vos, segundo o uso que faça deles. Custa-lhe viver calmamente em seu meio natural ou social e por isso sente uma necessidade vital de cortar defini­ tivamente com ele. Adota então um comportamento provocador e "experi¬ mentalista", tentando sempre ultrapas­ sar os limites, incluindo os seus. PLUTÃO NA CASA IX O nativo, atraído pelo desconhecido em to­ das as suas formas, está disposto a lan­ çar-se em novas ex­ periências estimu­ lantes, a natureza das quais será revelada atra­ vés de outros elementos inscri­ tos em seu mapa astral. Em todo caso, é sempre sua viva curiosidade que o induz a especular, aventurar-se, ampliar seus horizontes sociais ou geográficos, aban­ donar seus costumes da noite para o dia para adotar novos hábitos ou um novo modo de vida. Evidentemente, como sucede sempre com Plutão, pode ser provocador ou destruidor. PLUTÃO NA CASA X O indivíduo não pode pensar em adquirir uma independên­ cia social e profis­ sional, sem estar em condições de exercer um poder,

um domínio, uma supremacia qual­ quer, se não for de forma paradoxal e inconformista. Para ele não é uma questão de triunfar, mas sim de ter acesso a determinada posição, através de meios que fogem do normal ou por razões ou motivações excepcionais. Gosta de conflitos, de impressionar, aborrecer, impor-se e questionar tudo. Às vezes é tão idealista nesta campo que prefere renunciar às suas próprias am­ bições. PLUTÃO NA CASA XI O equilíbrio do indi­ víduo baseia-se em suas forças psíqui­ cas e em seus re­ cursos energéticos misteriosos, po­ rém inesgotáveis. Gosta de se implicar em projetos, conceitos ou idéias que podem parecer impossíveis de realizar. No en­ tanto, estes não podem ser mais do que teóricos ou totalmente utópicos. Procura amizades estranhas, relações mutua­ mente estimulantes ou enriquecedoras. Sente-se atraído ou capaz de atrair até mesmo desconhecidos. Também é sen­ sível às experiências insólitas e pode pos­ suir um espírito rebelde. PLUTÃO NA CASA XII O nativo aspira sem­ pre, de forma mais ou menos clara, a abandonar a vida cotidiana, para en­ frentar o desco­ nhecido, viver expe­ riências, momentos inesquecíveis, ir até o mais profundo de si mesmo, ou o mais longe possível das contingências so­ ciais e materiais. Mais que inconfor­ mista, é incapaz de cingir-se a certos costumes, de viver como todos os de­ mais, de forma vulgar e banal para ele. Inconscientemente, provoca grandes infortúnios ao longo de sua vida, para viver das formas mais diferentes ou in­ tensas.

Os pontos fictícios nas Casas

Os Nodos lunares nas Casas (I)
O Nodo lunar Norte é como uma porta aberta; o Nodo Sul, como uma porta fechada. As Casas onde estes se encontram nos revelam em que setores se manifestam tais aberturas ou obstruções.
0 NODO NORTE NA CASA I 0 NODO SUL NA CASA VII O Nodo Norte na Ca­ sa I indica que o indi­ víduo deve aprender a ousar pôr-se à frente das coisas, a impor seus critérios, desejos e von­ tades, quando os ele­ mentos revelados pelo Nodo Sul na Casa VII o induzem a deixar-se levar pelos outros ou pelas circunstâncias. Sua necessidade de associar-se ou unir-se, de colaborar, ameaça causar-lhe prejuízos, travá-lo, inibir seu espírito de iniciativa, impedir que aja de forma pessoal, original e in­ dependente. Por isso, é importante que possa fazer em todos os momentos seu próprio juízo, dar sua opinião sem medo de surpreender quem o cerca ou a de­ marcar-se do seu meio. Deve mostrarse mais firme, mais determinado em suas decisões e escolhas, e não deixar-se influenciar pelos outros. Contará sem­ pre com simpatias e terá aliados, mas se se apoiar demasiado neles deixará de existir. Por último, deve aproveitar as ocasiões que os outros e as circunstân­ cias lhe oferecem para estar em con­ dições de cumprir suas próprias von­ tades e desejos. tuações ambíguas, pro­ blemáticas, passionais ou inseguras, com a in­ tenção de se convencer de que tem razão ao adotar uma atitude de­ fensiva ou ao não acre­ ditar nelas. N o entan­ to, deve aprender a não ter maus pensamentos c ousar ser construtivo, produtivo, simples, sau­ dável c espontâneo. É nesta direção que o leva o Nodo Norte presente na Casa II, que indica, ao mesmo tempo, um dom inato para ganhar a vida e aproveitar o melhor de todos os ele­ mentos que se lhe podem oferecer atra­ vés do seu meio natural.

0 NODO NORTE NA CASA II 0 NODO SUL NA CASA VIII O Nodo Sul na Casa VIII revela mui­ tas vezes um indivíduo sem confiança em si mesmo e com tendência para sus­ peitar que os outros têm segundas in­ tenções. Assim, adota uma atitude pou­ co construtiva com os outros e face à vida. N o fundo, hesita sempre em im­ plicar-se, comprometer-se em cons­ truir, acreditar, amar, com medo de ser desapossado, roubado, traído, rejeitado, abandonado. Porém, ao ser ele mesmo desconfiado, angustiado, provoca si­

0 NODO NORTE NA CASA III 0 NODO SUL NA CASA IX A posição do N o d o Sul na Casa IX nos anuncia muitas vezes um ser de natureza selvagem, indomável que, de início, e principalmente durante sua juventude, não faz muitos esforços para estabelecer relações sociais. Muito independente, muito idealista, aspira a viver em condições simples, puras, a

que as relações com os outros sejam verdadeiras e espontâneas. So­ nha em partir, evadir-se, viajar. Tem sede de grandes espaços, aventuras, li­ berdade. Quer que o compreendam ou que seja notado, pois é incapaz de falar de si mesmo e não sabe ouvir os ou­ tros. Por isso deve aprender a comunicar, ou mais exatamente a dialogar, como cla­ ramente nos indica seu Nodo Norte na Casa III. De fato, o sentido do diálogo implica, por um lado, que cada um saiba ex­ pressar-se, dizer o que tem a dizer e, por outro lado, ter a paciência, a humildade e a curiosidade de ouvir o que o outro tem para comunicar. Mas, a priori, o na­ tivo que tem o Nodo Sul na Casa IX não conta com esta paciência, nem mesmo o suficiente para parar dois mi­ nutos para explicar certas coisas que sabe que lhe interessaria dizer. Estamos diante de um ser que deve aprender a falar e a ouvir.

sólidos fundamentos, tanto no plano moral, psicológico ou espiritual como no material. A ponto de, no caso de má sorte, poder ver-se totalmente sem nada. De maneira que seu Nodo Norte na Casa IV revela que deve aprender a cul­ tivar o sentido de família e de tudo aquilo que poderia ser suscetível de conferir bases sólidas à sua vida.

0 NODO NORTE NA CASA VI 0 NODO SUL NA CASA XII
O Nodo Sul na Casa XII situa-nos diante de um ser com tendência para se abstrair do mundo e da realidade, para se isolar, para se encontrar sozinho, en­ tregue a si próprio, seja porque lhe falta confiança em si mesmo, seja porque o mundo lhe dá medo, ou então porque tem tendência para desanimar facil­ mente diante do mínimo obstáculo que lhe surja no caminho, face à mínima di­ ficuldade que encontre. Em todo caso, não gosta de lutar ou falta-lhe perse­ verança. Mas, na realidade, precisa so­ bretudo de discernimento, porque so­ zinho, entregue a si mesmo, deixa-se levar muitas vezes pelos seus fantasmas e ilusões e aumenta seus problemas até se convencer de que são efetivamente insuperáveis. Assim, pode chegar a ser fatalista, desesperado, passivo e resig­ nado. Porém, possui uma riqueza que infelizmente os outros não têm: a fé. Então, se souber explorá-la correta­ mente, já não se deixa levar pelas co­ rrentes emocionais e seus fantasmas, mas adquire o realismo do presente, o sentido da organização, os limites que lhe permitem pôr cada coisa em seu lugar, traçar etapa por etapa objetivos al­ cançáveis. Em conseqüência disso será mais perseverante, terá mais coragem e será mais eficiente. De qualquer forma, esta é a via que lhe mostra o Nodo Norte na Casa VI.

0 NODO NORTE NA CASA V 0 NODO SUL NA CASA XI
De certa forma, podemos dizer que quem tiver o Nodo Sul na Casa XI em seu mapa astral parte com uma dura des­ vantagem: atrair a simpatia dos outros. Por isso ele faz numerosos amigos e re­ lações, evolui de um círculo relacionai para outro. O que muito se gosta nele é sua permissividade, seu sentido do re­ lativo, a flexibilidade de seu caráter, seu dom de perdoar. Porém, estas qualida­ des escondem, apesar de tudo, uma la­ mentável tendência para se aproveitar dos outros e das circunstâncias que o levem a fazer o que jamais conseguiria sozinho, já que o que muitas vezes re­ vela esta posição do eixo dos Nodos lu­ nares é uma falta de audácia e vontade, uma necessidade de viver, colaborar e participar com os outros esperando re­ ceber em contrapartida ânimos e con­ solo. Existe no indivíduo que tem esta configuração em seu mapa astral uma fastidiosa tendência para utilizar os ou­ tros, quer contra estes quer sem que eles saibam, mas também uma dificuldade em amar, criar, produzir uma coisa única e pessoal por si mesmo, em impor os seus próprios limites, ter seu próprio e único estilo. O Nodo Norte na Casa V indica que o nativo deve descer das nuvens, es­ quecer seus projetos muitas vezes fa­ bulosos mas em estado embrionário, para entrar no mundo concreto e de sua realização.

0 NODO NORTE NA CASA IV 0 NODO SUL NA CASA X
É óbvio que um Nodo Sul situado em uma Casa X, em um mapa astral, nos revela um indivíduo com tendência para dar muita importância à sua vida social e profissional. Mesmo sabendo ser independente, pelo menos no as­ pecto material e das relações, no meio em que se desenvolve, situa-se de saída acima dos outros, das massas, da cole­ tividade. Inconsciente ou deliberada­ mente, tem uma confiança em si mesmo muito próxima do complexo de superioridade. Sua sede de ambição pode ser insaciável; seu orgulho, sem concessão. Por isso, corre o risco de omitir outros valores muito mais cons­ trutivos e duradouros como, por exemplo, um lar, uma família ou, sim­ plesmente, um habitat que irá adqui­ rir. Por isso, esquece-se de construir

Os pontosfictíciosnas Casas

Os Nodos lunares nas Casas (II)
0 NODO NORTE NA CASA VII 0 NODO SUL NA CASA I bens c prazeres, de­ pende fisicamente dos seres e das coisas, é in­ capaz de ceder, de per­ der algo, de romper ou de aceitar serenamente as mudanças em sua vi­ da. Porém, é precisa­ mente o que o Nodo Norte na Casa VIII o incentiva a cultivar: a capacidade de viver sem pensar no amanhã, de compreender que cada dia é um novo dia, que tudo tem um fim, mas que todo o fim gera um princípio. N o entanto, muitas vezes custa-lhe abandonar seus hábitos, e com freqüência são as circunstâncias ou os acontecimentos de sua vida que o for­ çarão a mudar.

O nativo em cujo ma­ pa astrológico existe uma configuração des­ te tipo é muitas vezes incapaz de se abstrair de si mesmo e faltalhe totalmente a obje­ tividade em suas re­ lações com os outros. Precisa sempre imporse, dominar as situações, agir, inter­ vir em tudo o que acontece à sua volta. Ocupa-se e envolve-se com tudo, está convencido, no fundo, de que não se pode fazer nada sem ele. Transborda energia. Gosta das relações de força, das lutas, da ação, mas não consegue parar, não conhece seus limites e abusa com freqüência de suas forças. Ansio­ so, impaciente, corre o risco de se lan­ çar no escuro ou de criar ele mesmo situações inextricáveis. Estas são as in­ dicações que nos dá o Nodo Sul na Casa I. Entretanto, o Nodo Norte na Casa VII nos informa sobre suas capacidades de se moderar, de ser mais justo, mais tranqüilo, mais aberto, mais seletivo e também mais exigente. Por exemplo, se põe sua audácia e seu entusiasmo ao serviço da justiça ou da distribuição justa do que por direito corresponde a cada um, ou aplica o melhor de si

mesmo ao serviço de um ideal, de uma arte ou de uma obra coletiva ou social, se realizará plenamente, sendo natu­ ralmente o chefe de uma empresa rea­ lizada em comum.

0 NODO NORTE NA CASA VIII 0 NODO SUL NA CASA II A presença do Nodo Sul na Casa II mos­ tra-nos um ser ávido por possuir, por sentir segurança. Seja porque lha falta­ ram muitas coisas durante sua infância ou, pelo contrário, porque foi uma criança mimada, que adquiriu esse cos­ tume c a quem nunca faltou nada, tende a servir-se primeiro, sem se preocupar com os outros. Para ele, ser equivale a ter. Apegado à vida material, acumula

0 NODO NORTE NA CASA IX 0 NODO SUL NA CASA III O indivíduo com o Nodo Sul na Casa III tem muita tendência para viver li­ mitado em seu meio social natural, para conviver sempre com as mesmas pessoas, para referir-se sempre aos mesmo critérios, sendo vítima de uma curiosidade exacerbada, mas limitada, já que é verdade que lhe interessa tudo, mas sem aprofundar em nada, de maneira muito superficial e sem ir

ao fundo das idéias. Sua notável capacidade de adaptação responde a uma necessidade de se sentir conforme com as expectativas dos outros em re­ lação a ele, ou à idéia que os outros fazem dele. Daí que muitas vezes este indivíduo se converta no que seu meio quer que seja, mas ao fazê-lo, acaba por ter verdadeiros problemas de identi­ dade. O Nodo Norte na Casa IX mostra a via de uma abertura para os mais vastos e belos horizontes, e dita que deve sol­ tar suas amarras para enfrentar o des­ conhecido, os hábitos e costumes di­ ferentes dos seus, de maneira que possa aprofundar e relativizar suas idéias e juí­ zos. Então o indivíduo terá de demons­ trar seus dotes de comunicador a ser­ viço de um ideal nobre e generoso, que lhe permita assim afirmar sua identidade de uma maneira mais original e incon­ formista.

pessoal, social, profissional e material, ganha à força.

0 NODO NORTE NA CASA XII 0 NODO SUL NA CASA VI Estamos na presença de um indivíduo que duvida de si mesmo e com falta de confiança em si próprio. Por esta razão, tende a impor-se limites, obrigações, a viver em um círculo reduzido, a assu­ mir com muita abnegação pequenas ta­ refas cotidianas sem glória, tendo a sen­ sação de não ser estimado como deveria, segundo ele, em contraste com todos os serviços que presta aos outros. Mas, co­ mo não pode evitar culpar-se, continua a ser subserviente. Esta atitude esconde muitas vezes uma espécie de orgulho inibido, que o torna excessivamente exi­ gente e susceptível consigo mesmo pois quer ser irrepreensível para os outros. Entretanto, ao ser assim, acaba por gerar nele uma amargura que o torna crítico e insatisfeito, incapaz de se deixar ir. Ora, enquanto em seu mapa astral o Nodo Sul na Casa VI revela esta reserva fundamental, o Nodo Norte na Casa XII mostra-lhe uma via potencial de abandono e, poderíamos dizer, de fé em si mesmo, à qual pode ter acesso se qui­ ser dar rédea solta a suas emoções e ocupar-se mais generosamente dele. Assim, deve aprender a acreditar em suas possibilidades, a encontrar essa confiança em si mesmo que a clé, in­ felizmente, lhe falta e o impede muitas vezes de ser feliz ou o torna doen­ te sem razão.

0 NODO NORTE NA CASA XI 0 NODO SUL NA CASA V O indivíduo aspira antes de mais nada a amar e a ser amado incondicional­ mente. Seus sentimentos convertem-se então nos motores de sua vida, em sua razão de ser, e não consegue fazer nada sem amor. N o entanto, ao fazer-se amar, chega muitas vezes a fazer demasiadas coisas ou deixar-se enganar pelas aparên­ cias. De fato, não lhe basta amar ou ser amado, mas quer além disso que se sai­ ba. Por isso, há algo de exibicionista em sua atitude, ou em sua procura de reco­ nhecimento, de admiração, uma von­ tade de subir socialmente graças a suas relações amorosas, que podem fazer dele um ingênuo. Tudo isto é próprio de um ser mais ou menos exclusivo ou egoísta — o que nos indica o Nodo Sul na Casa V de seu mapa astral —, quando, além disso, é potencialmente capaz de entregar-se aos outros de uma maneira muito mais desinteressada, como revela o Nodo Norte na Casa IX. Então teria de orientar-se para as companhias mais serenas, equilibradas, solidárias, ba­ seadas cm uma saudável cumplicidade e simpatia recíprocas e espontâneas, como as relações de amizade, por exemplo.

0 NODO NORTE NA CASA X 0 NODO SUL NA CASA IV Em princípio, o indivíduo tende a en­ cerrar-se em si mesmo, a proteger-se ex­ cessivamente contra todas as incerte­ zas da vida social, pública ou material. Por isso procura o apoio de valores se­ guros que funcionem, pelo menos para ele, ou de seres que pareçam mais for­ tes que ele. Na maioria das vezes, a existência e a solidão amedrontam-no. Ao mesmo tempo, está muito ligado ao seu meio familiar, mas este acaba por sufocá-lo porque se torna demasiado dependente. Tudo isso é sublinhado pela presença do Nodo Sul na casa IV em seu mapa astral. Entretanto, o Nodo Norte na Ca­ sa X indica grandes possibilidades de triunfo pessoal, se o nativo se atrever a tirar proveito de suas qualidades, a to­ mar posição, a envolver-se em uma si­ tuação a longo prazo, que lhe permita adquirir uma autêntica independência

Os pontosfictíciosnas Casas

A Lua Negra nas Casas (I)
A depender da Casa ocupada pela Lua Negra no mapa astral, esta absorve e concentra todas as energias psíquicas e inconscientes do ser em um setor concreto de sua existência.
A LUA NEGRA NA CASA I
A pessoa cuja Lua Negra estiver situada nesta casa, que está relacionada com a aparência — isto é, o comportamento exterior, o eu, a aparência física —, pos­ sui quase sempre um magnetismo, uma espécie de fascínio sobre os outros, na maioria das vezes involuntariamente. Indaga sempre o desconhecido. Tem ânsia por descobrir, saber, conhecer o que não está escrito, o escondido, o se­ creto, o misterioso, o oculto no mais profundo do ser, quer adivinhar os es­ tados de espírito dos outros, sacar seus interlocutores à primeira vista, desco­ brir suas fraquezas, exercer seu olhar lú­ cido, penetrante, às vezes desapiedado, quase sempre para proteger-se ou tor­ nar-se inacessível, insondável e impe­ netrável. De fato, o homem ou a mul­ her com esta configuração em seu mapa astral põe desde o começo uma distân­ cia entre os outros e ele ou ela; o homem, porque a mulher, sua magia, sua doçura e sua beleza causam-lhe re­ ceios; a mulher, porque teme o homem, sua força, seu poder e seu desejo. De maneira que o homem pode mostrarse receoso, desconfiado, falsamente in­ diferente ao olhar da mulher, ou a mu­ lher pode revelar-se altiva, selvagem ou castradora em relação ao homem. Mas um e outra são muito sedutores e muito atraídos por uma pessoa do sexo oposto, que se caracteriza pela A forte personalidade, seu ca­ ráter difícil, mas muito Á marcado. Poderá deixarse dominar por esta i pessoa, pelo menos durante um certo tem­ po. De certa forma, poderíamos dizer que a utilizará, evidente­ mente, sem que ela o saiba, para tomar cons­ ciência de sua própria força, de seu próprio poder inconsciente que, sem qualquer dúvida, exerce sobre os outros.

A LUA NEGRA NA CASA II
A presença da Lua Negra em um setor concreto da vida material e social revela quase sempre atitudes extremas ou ex­ tremistas por parte do indivíduo em questão. Por isso, o estar presente nesta casa diz respeito a um ser que, mais cedo ou mais tarde, em sua existência, corre o risco de rejeitar radical ou de­ finitivamente todas as suas posses, de sacrificá-las e de se encontrar despido de tudo. Ou então, pelo contrário, es­ taremos face a um ser para quem a

posse de bens materiais se converterá em uma verdadeira obsessão. Por isso, o nativo poderá revelar-se absoluta­ mente hermético a toda a perspectiva de mudança, transformação ou evo­ lução em sua vida material e moral, afe­ tiva e social, ou então, ao contrário, ne­ gará por completo todos os princípios, os costumes, as experiências de seu meio natural e recusará sistematica­ mente a construir. Também poderá re­ velar-se terrivelmente egocêntrico ou, ainda mais, encontrar-se, mesmo que não queira, em situações durante as quais perderá todos os meios ou todos os seus bens.

A LUA NEGRA NA CASA III
Situada no setor do espírito prático e das relações com o meio social, a Lua Negra revela um ser basicamente crítico, cép­ tico e inconformista, cujo comporta­ mento anti-social resulta quase sem­ pre de uma rejeição ao outro, a qual vem de uma incapacidade de ver-se e acei­ tar-se tal como é. De maneira que os in­ tercâmbios e os contatos que o nativo estabelece com os outros nunca são ino­ fensivos. De fato, é confrontado com um verdadeiro problema de identidade que pode levá-lo a inventar uma perso­ nalidade ou um personagem. Na me­ lhor das hipóteses, é uma magnífica configuração para um romancista, que cria precisamente personagens de ficção. Mas, no pior dos casos, podemos ter uma pessoa que desempenha múltiplas atividades, várias vidas ao mesmo tempo, que se divide, dispersa, se in­ teressa por tudo, se perde nas idéias dos outros, que é vítima de uma confusão mental, de um delírio ou de quem já não sabe quem é. Acontece também, às vezes, que sua rejeição aos outros se caracteriza por uma ausência de comu­ nicação, um mutismo ou uma inte­ rrupção da palavra. Então, é porque se decidiu pelo silêncio.

De qualquer forma, custa ao indivíduo estabelecer-se, criar suas próprias raízes ou viver durante muito tempo no mes­ mo lugar. Sente a necessidade vital de romper definitivamente com seu pas­ sado para representar um papel social novo, independente, que não tenha nada a ver com convenções e tradições. Se ele próprio construir uma família ou um lar será sobre bases e valores com­ pletamente novos, segundo princípios e critérios totalmente diferentes dos conhecidos, ou apoiado nos que seu ca­ ráter moldou durante a infância. E se durante sua existência é obrigado a sa­ crificar bens familiares ou imobiliários, no fim das contas ficará profundamente aliviado.

A LUA NEGRA NA CASA VI
O nativo com a Lua Negra situada nesta casa em seu mapa astral não con­ segue integrar-se na vida cotidiana de forma normal, ordinária e razoável. O cotidiano aborrece-o e aspira pro­ fundamente escapar dele. Pode reve­ lar-se totalmente inadaptado para a vida social e material, no que ela tem de mais simples e rotineira. Assim, mostra muitas dificuldades para se in­ tegrar serenamente no mundo do tra­ balho, exceto se exercer uma atividade fora do comum, o que acontece com um ser com a Lua Negra encontran­ do-se nesta configuração em seu mapa astral. Esta Casa está relacionada com o bem-estar e a saúde, não sendo raro que a pessoa em questão exagere e fique gravemente doente antes de se conformar em viver como todas as pessoas ou por estar na sombra da ro­ tina. Em astrologia médica, esta po­ sição na Lua Negra deve ser estudada com muita atenção, já que é total­ mente reveladora de sintomas parti­ culares e estados depressivos fre­ qüentes. Na melhor das hipóteses, o indivíduo poderá interessar-se pelos problemas que os outros contam para se incluir na vida cotidiana e no mundo do trabalho. Todos os campos que têm a ver com os cuidados e a me­ dicina poderão também apaixoná-lo, mas se sentirá mais atraído pela ho­ meopatia do que pela alopatia, por exemplo. Poderá, assim, revelar dons para realizar diagnósticos completa­ mente excepcionais. Potencialmente, possui qualidades ine­ gáveis para explorar a realidade até às suas raízes, dissecar, analisar, resolver enigmas ou mistérios indecifráveis, fixar sua atenção em um problema concreto. Todas elas, qualidades ne­ cessárias para se tornar um bom ci­ rurgião.

A LUA NEGRA NA CASA V
O indivíduo com a Lua Negra situada nesta casa no mapa astral nunca tem sen­ timentos banais nem comuns. Para ele, o amor é uma experiência inicial e única que implica grande sacrifício e despre­ ocupação. Quer fazer-se amar e ele pró­ prio ama de maneira excepcional, o que o leva muitas vezes a rejeitar as chama­ das relações amorosas tradicionais ou convencionais. Por outro lado, tanto no homem como na mulher, existe uma rejeição in­ consciente às crianças, ao parto e à criação. Também neste caso, a necessi­ dade de criar algo totalmente excep­ cional pode convertê-lo em estéril. Inconscientemente, autoproíbe-se de criar ou gerar. Por último, pode haver uma recusa sis­ temática destes mesmos prazeres, se não forem fora do comum ou não se sentirem de forma excepcional por al­ guma razão. O nativo tem motivações essenciais. Experimenta sentimentos raros, profundos e intensos. Leva sem­ pre suas sensações ao extremo ou então não existem.

ÊÊÊB^ÊÊk
A LUA NEGRA NA CASA IV
Esta posição da Lua Negra no mapa as­ tral destaca quase sempre um fato que o marcou, o qual se produziu na vida do nativo em sua primeira infância: ausên­ cia do pai ou da mãe, perda prematura de um ou outro, corte com seu meio fa­ miliar ou rejeição precoce do próprio ou de uma das duas figuras parentais.

Os pontos fictícios nas Casas

A Lua Negra nas Casas (II)
A LUA NEGRA NA CASA VII Se consideramos a Casa I como a que representa o eu, aquela onde o indiví­ duo diz "eu", temos toda a razão para considerar a casa oposta e complemen­ tar como o domicílio do outro ou, mais exatamente, a idéia que a pessoa em questão faz do outro. Ora, nunca podemos nos esquecer que a Lua Negra revela as características fun­ damentais do ser, condicionando quase sempre seu comportamento, sem que a pessoa o saiba. N o entanto, ao longo de sua vida, ma­ nifestam-se com tal constância, que se convertem em instrumentos valiosos e, poderíamos dizer, evidentes e úteis para certas conscientizações. Não queremos falar de atitudes e reflexos inconscientes no sentido psicanalítico do termo, já que tivemos a oportunidade de observar que o indivíduo nunca os ignora. Trata-se antes de mais nada de forças psíquicas essenciais que o levam a agir de uma certa maneira, a viver determina­ das circunstâncias, a conhe­ cer certas pessoas em lugar de outras, até que esteja consciente de suas decisões, desejos, pro­ jeções e atos. Sem dúvida que se o ser em questão não integra as forças em sua vida, estas podem tender a in­ fluenciá-lo, mesmo contra sua vontade. Podemos então admitir que as relegou para seu inconsciente. Mas a priori não é este o caso. Por isso, é surpreendente constatar que o indivíduo com a Lua Negra na Casa VII procura quase sem­ pre uma revelação no outro, no seu par ou alter ego. Pousa seu olhar então em um ser com caráter intenso, marcado e forte, com quem viverá uma relação passional. Ao mesmo tempo, acontece muitas vezes que recusa viver a união, a vida de casal, bem como a associação dentro das normas. Há nele uma ten­ dência para a rejeição de toda a pers­ pectiva de dependência, desejando-a ao mesmo tempo. Escolherá uma com­ panheira ou companheiro que será o oposto a ponto de pô-lo em uma si­ tuação totalmente reveladora de sua re­ jeição visceral do outro. Por isso sua vida de casal e suas relações com os ou­ tros estão quase sempre cheias de cri­ ses ou rupturas, até que tome cons­ ciência que o outro, seja quem for, é o instrumento da reconciliação consigo mesmo.

A LUA NEGRA NA CASA VIII O indivíduo com a Lua Negra nesta Casa em seu mapa astral aspira ao de­ sapego absoluto. É uma configuração que revela quase sempre uma dificul­ dade fundamental para se integrar se­ renamente na vida material, pois in­ dica uma rejeição latente, mais visceral, de toda a posse. Possuidor de uma mentalidade obsessiva, o nativo . nunca consegue estar em paz ^V nem com os outros nem consigo mesmo. Aspira a uma fu­ são com o outro, profunda, essencial, mas não consegue vivê-la de forma serena e tranqüila, sem considerar uma destruição ou uma ex­ posição da causa funda­ mental e completa dos valores que lhe foram in­ culcados. Tenta algo novo, ' mas nunca o encontra à sua volta. Deste modo, suscita ou provoca situações extremas, cir­ cunstâncias difíceis, que o obrigarão a ir até o fim de si mesmo, de suas

forças e de seus recursos. O na­ tivo desta casa, que é associada com a morte, ao viver uma experiência tão única e iniciática, pode ter uma atitude suicida latente. Também pode ser que a morte de certas pessoas do seu meio tenha uma influência primordial sobre seu desenvolvimento pessoal.

A LUA NEGRA NA CASA IX A Lua Negra situada neste setor apre­ senta-nos um ser que, de uma forma ou de outra, tentará distinguir-se, sair dos caminhos trilhados, opor-se de iní­ cio às idéias recebidas, aos tópicos, às convicções e até ao saber. Mas o con­ trário também é possível. Neste caso, encontraríamos um nativo preocupado em superar os limites dos conheci­ mentos adquiridos por seus congêne­ res, em busca de uma verdade mais pura, essencial e absoluta. Assim, pode existir nele uma recusa sistemática de sair de suas fronteiras, para o estran­ geiro, para tudo que existe fora dos li­ mites em que vive; ou, pelo contrário, terá tendência para se evadir, para par­ tir para a aventura, para procurar um mundo desconhecido ou perdido, uma ilha deserta que ainda ninguém pisou, de expatriar-se, se é que as circunstân­ cias a isso o obrigam. Trata-se quase sempre, neste caso, de uma configu­ ração de exílio.

pendência paradoxal. Prefere quase sem­ pre renunciar a uma situação do que sa­ crificar sua integridade, suas convicções e sua independência de espirito. N o fundo, sua sede de poder c de supre­ macia é tanta que não suporta que os ou­ tros exerçam sobre ele a mínima in­ fluência. Uma vez mais, o nativo põe-se muitas vezes em situação de crise ou re­ jeição, no âmbito de sua vida social, pois no seu íntimo se sente marginal, dife­ rente e indiscutível. Possui quase sem­ pre um certo carisma que faz dele um líder potencial. N o entanto, seu gosto pelo poder solitário e absoluto é tal que acaba sempre por isolar-se e por en­ frentar uma série de circunstâncias que o forçarão à marginalidade, no momento em que chega ao auge de sua carreira, de suas possibilidades ou de sua capa­ cidade. Citemos os exemplos de Charles de Gaulle e François Mitterrand, dois es­ tadistas franceses de carisma indiscutí­ vel, ambos nascidos sob o signo de Escorpião com ascendente no signo de Libra e que tinham a Lua Negra em Leão e na Casa X em seus respectivos mapas astrais.

de amizade. Por isso, deve estar cons­ ciente de sua exigência, pois quase sempre é ele quem cria o vazio à sua volta. N o campo das idéias e dos pro­ jetos, que também é o desta Casa, re­ vela-se tão perfeccionista que se au¬ toproíbe muitas vezes de levar a bom termo os planos que sabe elaborar tão bem. No fundo, está atormentado pelo medo do fracasso e teme comprome­ ter-se até o fim em um caminho ou em uma criação. Assim, em um mapa astral onde a Casa V está carregada, por exemplo, ao re­ velar um grande potencial de criativi­ dade, a presença da Lua Negra na Casa XI pode transformar o indivíduo em questão em um ser estéril.

A LUA NEGRA NA CASA XII Em termos absolutos, o indivíduo cuja Lua Negra foi fixada nesta Casa no seu nascimento vai em busca do impossí­ vel, da inacessível estrela de um poeta ou de um místico. Provavelmente é em si mesmo, onde deve procurá-la e en­ contrá-la. Mas antes de chegar a este ponto, indaga os mistérios da vida, pe­ netra na consciência dos outros, quer conhecer a verdade c não consegue con­ formar-se com as aparências. Vive a so­ lidão como uma experiência iniciática. Às vezes, com o objetivo de superá-la provoca inconscientemente circuns­ tâncias extremas, adversas ou dramáti­ cas, ou vai em frente, entregando-se a uma causa nobre e generosa, a seres de­ sarmados ou que sofrem. N o entanto, a Lua Negra na Casa XII pode indicar simplesmente uma rejeição da realidade, uma tendência para querer fugir de todos, da vida social e dos outros, para se isolar, colocar-se cm uma situação de entrega a si mesmo, para se movimen­ tar na sombra, em segredo, para fazer buscas essenciais, para descobrir pos­ sivelmente uma verdade diferente.

A LUA NEGRA NA CASA XI Sem dúvida que é o equilíbrio psico­ lógico e moral do indivíduo que aqui se questiona. Neste nível, aspira a uma harmonia perfeita que o torna particu­ larmente exigente e seletivo em suas relações. Com ele a amizade se trans­ forma em algo raro, em uma expe­ riência excepcional. As pessoas que es­ colhe para amigas são encontradas ao acaso. Se se sente ferido, decepcionado ou traído, renuncia definitivamente, de um dia para o outro, à companhia das pessoas que agora, a seus olhos, são in­ dignas de manter relações com ele. Às vezes, tem a impressão de que um des­ tino injusto o proíbe de cultivar laços

A LUA NEGRA NA CASA X Neste caso, a rejeição marcada por se in­ tegrar na vida social e profissional de forma normal e convencional impõe-se como uma realidade flagrante no indi­ víduo que aspira a adquirir uma inde­

Os pontosfictíciosnas Casas

A Parte da Fortuna nas Casas (I)
A Parte da Fortuna é a parte de felicidade, bem-estar, harmonia e sorte que um ser tem no seu interior. Consoante a Casa em que se situe, descobrimos em que sector da vida material e social encontra a sua máxima expressão.

A PARTE DA FORTUNA NA CASA I
Dependendo da situação deste primeiro setor no mapa astral, podemos ver cla­ ramente como um ser se individualiza, ou seja, se transforma em um indiví­ duo de pleno direito. Por isso que, quando a Parte da Fortuna está nele, podemos supor que o indivíduo em questão aspira a certa plenitude, que deseja juntar todos os componente de sua personalidade, todas as suas qua­ lidades e todas as suas forças em um único objetivo: o de se realizar. Em ou­ tras palavras, reivindicará seu direito à sua parte de felicidade, deverá con­ seguir os meios para ter acesso a ela ou, então, em um mundo onde quase sem­ pre é mais cômodo viver na esperança e no medo, se dedicará a ser feliz con­ tra ventos e marés. De fato, conhecer a felicidade implica quase sempre, c si­ multaneamente, o medo de perdê-la, razão pela qual muitos de nós, embora sinceramente aspirando a ela, nos re­ cusamos a oportunidade de obtê-la ou a vivê-la. Mas, o nativo com a Parte da Fortuna na Casa I deveria ter experiên­ cia da felicidade, do contrário nunca será realmente o mesmo. Terá ou não terá sorte, mas tem nele todas as vantagens para ser feliz.

A PARTE DA FORTUNA NA CASA II
O indivíduo com este ponto fictício em seu mapa astral encontrará sua plena realização integrando-se em seu meio natural, isto é, aproveitando har­ moniosamente todos os elementos que se oferecerão no meio em que ele vive. Claro que terá de se mostrar pro­ dutivo e generoso e aprender a utili­ dade das coisas e explorar seu aspecto prático e agradável. C o m o sabemos que esta Casa está relacionada com os lucros e os ganhos obtidos com o tra­ balho, tendemos portanto a acreditar que estes serão consideráveis. Na rea­ lidade, é certo que o nativo poderá be­ neficiar-se de uma situação próspera, por pouco que explore todas as suas qualidades, que não abuse de suas ap­ tidões, que aproveite seu conforto para desenvolver seu bom senso, entrega, realismo e natureza tranqüila c sau­ dável. Por outro lado, se cair na avi­ dez, na cobiça, na ambição e na inveja, ou seja, se fizer uso indevido de sua sorte neste campo, esta sorte o fará so­ frer muito. Recordemos sempre que a fortuna não é sinônimo de algo positivo, sendo boa ou má conforme o caso, dependendo do uso que se faça dela.

A PARTE DA FORTUNA NA CASA III
Pensar, refletir, aprender, discernir, compreender, aprofundar, comunicar e transmitir são os pontos de harmo­ nia que o indivíduo, com a Parte da Fortuna nesta Casa, deve aproveitar ao máximo de suas possibilidades para realizar. De fato, é indispensável que se empe­ nhe a fundo em fazer-se compreender por seus congêneres, em fornecer idéias, sugestões, conselhos e ensina­ mentos de que necessite. Ao mesmo tempo, está igualmente em condições de desenvolver suas capaci­ dades de escuta, adaptação, imaginação e curiosidade, que lhe trarão todas as vantagens para se transformar no ser mais sociável e mais compreensivo que existe. N o entanto, terá de forjar suas pró­ prias idéias. De fato, ao dispor quase sempre de dons ou talentos diversos, mas particularmente para escrever, falar e utilizar sua inteligência, a ex­ pressão de suas próprias reflexões e opiniões lhe dará múltiplas satisfações. Se se aplicar com afinco nesta tarefa durante sua vida, poderá dizer que terá cumprido plenamente sua missão nes­ te mundo.

A PARTE DA FORTUNA NA CASA IV
Esta Casa foi quase sempre conside­ rada pelos astrólogos como a que re­ vela as condições em que um indiví­ duo vive do princípio ao fim de sua existência. Ao estar cm correspon­ dência com a família e o lar, vemos efe­ tivamente os laços que o unem à sua formação e à sua educação. Não se trata propriamente de falar do princípio da vida, mas sim dos prin­ cípios do indivíduo em sua vida social c material. Em outras palavras, estu­ dando esta Casa, vemos como o nativo criou suas próprias raízes, os próprios fundamentos de seu ser e de sua exis­ tência. A Parte da Fortuna nesta Casa indica, portanto, como o ser em questão terá todas as possibilidades e todas as opor­ tunidades de assentar bases sólidas e felizes para construir sua vida. Isto ele o fará durante sua infância, que viverá em um âmbito familiar privilegiado, pelo menos para ele — isto é, que lhe dará tudo que necessite para que se possa realizar plenamente c ter um bom ponto de partida na vida — ou então formando ele mesmo um lar c

uma família, que serão os maiores fa­ tores de êxito, plenitude e realização pessoais. Acontece freqüentemente que, com esta configuração, o nativo tem uma relação completamente pri­ vilegiada, uma vez mais, com um dos seus pais, que durante toda sua vida será um apoio, uma referência ou uma indicação infalível.

A PARTE DA FORTUNA NA CASA V
De uma forma ou de outra, mais cedo ou mais tarde, o indivíduo terá algo a criar. De fato, é no ato da criação que tem mais probabilidades de se realizar e ser feliz. N o entanto, ao ser a criação em essência um ato de amor puro, espon­ tâneo e desinteressado, às vezes terá di­ ficuldades de decidir-se, ou sucumbirá à tentação de se identificar com suas obras e já não viver mais a não ser atra­ vés delas. É assim que quase sempre o nativo cuja Parte da Fortuna se situa nesta Casa em seu mapa astral vive sem­ pre mais ou menos com a angústia de ser estéril, de ver como seca a sua fonte de criatividade ou de já não estar à altura de seus sonhos tornados realidade. Tam­ bém é a atitude que pode ser adotada nor

uma mulher com seus próprios filhos, mostrando-se perfeccionista e exigente com eles, ou tendo um filho mais avan­ çado e que a fará recear, apesar de todos os seus esforços, não estar à altura como mãe. Entretanto, este filho será sua ver­ dadeira riqueza. Em resumo, pode-se afirmar que dedi­ cando-se a uma causa, um amor, uma criação ou um filho, o nativo encontrará certa plenitude, suas maiores alegrias e sua felicidade. Poder amar ou criar sem se identificar com o ser amado ou com a obra criada, sem se apropriar deles, será a chave de seu êxito e de sua realização pessoais.

A PARTE DA FORTUNA NA CASA VI
A consciência do presente, da vida do dia-a-dia, das tarefas cotidianas, dos pe­ quenos trabalhos, da atividade manual ou intelectual que requerem atenção, precisão e seriedade, da afabilidade e do gosto pelo bem-estar implicam ou­ tras tantas fontes de alegrias potenciais e áreas de realização própria para o in­ divíduo cuja Parte da Fortuna se situa nesta Casa em seu mapa astral. Quais­ quer que sejam os centros de interesse, preocupações, motivações e obrigações que deverá atender, terá sempre de simplificar as coisas, torná-las úteis, práticas, fáceis, agradáveis e autênti­ cas. Disporá de um talento real para fazê-lo. Mesmo assim, ao prestar mil e um favores aos outros para tornar suas vidas mais simples, para libertálos de seus pequenos males ou de seus grande problemas — que freqüente­ mente não são assim tão graves —, se sentirá mais leve, mais livre e mais feliz, já que saberá quando e como é útil aos outros, terá a confirmação de que sua vida tem um sentido e uma verdadeira razão de ser, para o que, temos que admitir, nem todas as pes­ soas estão equipadas.

Os pontos fictícios nas Casas

A Parte da Fortuna nas Casas (II)
entre os seres, e que só eles podem tecê-lo, estreitá-lo e torná-lo indestru­ tível.

A PARTE DA FORTUNA NA CASA VII
Se tomarmos o significado desta Casa e o sentido deste ponto fictício ao pé da letra, chegaremos a dizer que a sorte virá do outro e dos outros. Na verdade, é quase isso, pois se a felicidade e a ple­ nitude não vierem ou não dependerem dos outros ou de outro em particular, por que razão teríamos de estar ama­ rrados pela união, o casamento, pela vida em comum, pelas relações, cola­ borações, associações, acordos privile­ giados com os outros? N o entanto, a grande qualidade potencial do indiví­ duo que possui a Parte da Fortuna nesta posição em seu mapa astral é, princi­ palmente, entregar-se a agir para os outros c com os outros em qualquer circunstância. Suas qualidades de me­ diador também são grandes e podemos estar certos de que fará todo o possí­ vel para contentar e satisfazer os outros, pelo menos em seu meio, seu parceiro ou seu cônjuge em particular. Pode ainda representar um papel importante e protetor, em caso de litígio e conflito entre certas pessoas com as quais se re­ laciona ou não, ou com as quais está as­ sociado ou não. De fato, não consegue intrinsecamente evitar sentir-se afetado, direta ou indiretamente, pelos laços mais sutis, profundos, reais ou fictícios, que unem os seres entre si. Este fato afeta-o sinceramente. Tem a intuição segura de que existe um laço invisível

A PARTE DA FORTUNA NA CASA VIII
Para este ponto fictício, estar situado nesta Casa é uma posição curiosa, pois se abordarmos o setor VIII de um ponto de vista do comportamento face à morte, que é um de seus significados — e não sob o da Casa da morte, como se diz freqüentemente sem razão —, existe a tentação de deduzirmos que o indivíduo afetado por tal configu­ ração em seu mapa astral não será feliz até o instante de sua morte ou, mais exatamente, terá um comportamento feliz face à morte. Na realidade, é ao mesmo tempo mais simples e complexo do que tudo isso. Para compreender em sua totalidade o sentido desta posição da Parte da For­ tuna, é necessário que nos remetamos às características da Casa II e às da Casa VIII, que se lhe opõe, e portanto é sua complementar. Recordemos que a Casa II é, entre outras coisas, a dos lu­ cros e dos bens adquiridos graças ao trabalho e ao suor do rosto, ao passo que a Casa VIII é a dos benefícios ou dos bens herdados. Por outro lado, a Casa II é a do apego aos bens deste mundo e a seus costumes, enquanto a Casa VIII é a do desapego, o corte do cordão umbilical que nos une a tudo

que é conforme, normal, duradouro, constante e imutável. Graças a estas in­ dicações, podemos concluir que a Parte da Fortuna na Casa VIII quase sem­ pre dá ao indivíduo em questão a sorte de lhe outorgar bens, benefícios e lu­ cros, provenham eles dos outros ou das próprias circunstâncias. Mas, além dis­ so, podemos também garantir que sen­ tirá uma verdadeira alegria em desligarse de tudo que não seja absolutamente vital, necessário e imprescindível para ele e para sua vida. Suas idéias, crenças, valores ou con­ vicções, então, se revelarão totalmente pessoais, originais, singulares e fora do comum.

jBÊk.
A PARTE DA FORTUNA NA CASA IX
Mesmo sem conhecê-lo, fará seu lema o verso do poema de Arthur Rimbaud: "A verdadeira vida está em outra parte." Mais cedo ou mais tarde, na teoria ou na prática, terá a oportunidade de ter acesso a uma verdadeira e profunda ple­ nitude ampliando, seus horizontes, saindo de seus limites ou fronteiras, su¬ perando-se a si mesmo. Provavelmente procurará durante muito tempo, e em outra parte, novos pontos de referência, mentalidades diferentes, modos de vida e de pensamento mais verdadeiros, mais autênticos, paisagens maravilhosas, te­ rras longínquas por explorar; mas, no final das contas, sua verdadeira busca

será a sabedoria. Ora, esta sabe­ doria só se encontra em si mesmo. Sendo assim, acabará sempre por voltar a si mesmo, regressará para transmitir uma última mensagem e descobrir que tudo estava nele próprio, ao alcance de sua mão, momento em que já terá de­ corrido toda sua vida. Embora o astró­ logo saiba o que ele sabe, graças à pre­ sença da Parte da Fortuna situada nesta Casa em seu mapa astral, quase sem­ pre terá de correr, visto que se não co­ rrer fisicamente para cumprir sua busca, nunca encontrará a sabedoria. É neces­ sário animá-lo a fazê-lo; mas, princi­ palmente, sem lhe anunciar que no final voltará ao ponto em que se encontra. Aqui convém advertir que o astrólogo nunca deve ser intervencionista. Deve limitar-se a transmitir sua leitura e sua interpretação de um mapa astral.

A PARTE DA FORTUNA NA CASA XI A PARTE DA FORTUNA NA CASA X
A Parte da Fortuna situada nesta Casa revela um indivíduo que se encontra em plena harmonia consigo mesmo, de­ sempenhando um papel de destaque e de primeiro plano em sua vida social. Expor-se, tomar e assumir pesadas res­ ponsabilidades, realizar uma vocação, envolver-se em uma missão social, er­ guer o estandarte bem alto, trará sem­ pre êxito e o fará feliz com a condição de que possa continuar a ser honesto, correto e íntegro, pois, ao mínimo des­ vio ou inconveniência, corre o risco de perder todos os benefícios do que teria adquirido graças unicamente aos seus méritos. Nesta configuração, assistimos quase sempre à manifestação de uma sede de honestidade e de verdade levada ao extremo. E esta a situação na qual o indivíduo às vezes poderá se compor­ tar de maneira exagerada em relação a este assunto, até que tenha compreen­ dido que o que tem por verdadeiro ou falso é quase sempre subjetivo. Este indivíduo encontrará sua felicidade e o ponto de harmonia que lhe permiti­ rão vibrar ao som do mundo que o ro­ deia. Também vislumbrará o seu futuro, que já conhece, ao distinguir-se de seus semelhantes, ao singularizar-se e ao afir­ mar sua originalidade. De fato, poten­ cialmente, o indivíduo cuja Parte da For­ tuna está situada na Casa XI é um visionário. Sabe intuitivamente o que acontecerá amanhã e, por pouco que se aplique e por pouca atenção que dê às suas impressões, às suas especulações in­ telectuais espontâneas e às suas deduções intuitivas, poderá fazer revelações, mar­ car um achado, apontar um princípio ou um fenômeno que terá passado desper­ cebido para todas as pessoas e que pos­ sivelmente mudará sua vida ou a daque­ les que lhe são chegados. Pelo mesmo fato de que os visionários não são to­ mados muito a sério, se sentirá segu­ ramente deslocado durante grande parte de sua vida. Mas se perseverar e for tenaz, acabará por se fazer ouvir, e os ou­ tros compreenderão quanta razão tinha.

A PARTE DA FORTUNA NA CASA XII
A felicidade pode coabitar com a so­ lidão, a introspecção, o retiro do mundo e a reclusão? Quase sempre nos parece estranho, pouco convencional e até as­ sociai e, no entanto, é uma situação pos­ sível. Existem muitos indivíduos que aspiram isolar-se para mergulhar em si mesmos e se lançarem à descoberta de suas riquezas interiores. E o caso do indivíduo cuja Parte da For­ tuna se situa na Casa XII. N o entanto, isso exclui qualquer forma de egoísmo de sua parte. Às vezes, inclusive, nin­ guém suspeitará de que tem uma vida interior tão rica. Ele mesmo necessitará de um certo tempo antes de se dar conta de seu dom: o de nunca desesperar e estar em condições de se regenerar em suas emoções, fazendo total abstração dos outros e da vida exterior. N o entanto, quando esta pessoa tiver tomado consciência de sua força, po­ demos dizer que terá acesso à autêntica plenitude que, quase sempre, o com­ prometerá a fazer com que o próximo beneficie disso.

As Casas nos signos do Zodíaco

A Casa I e a Casa VII (I)
A cúspide da Casa I, ou ascendente, é o ponto do Zodíaco onde o Sol nasce e sobe até seu zênite. A cúspide da Casa VII, ou descendente, é o ponto do Zodíaco onde o Sol se põe e desaparece na escuridão.
A CASA I OU ASCENDENTE NOS SIGNOS A Casa I ou ascendente nos mostra a aparência, o aspecto físico, a morfologia do indivíduo, mas também a expressão de seu caráter, de seu eu, de seu indivi­ dualismo. Com a idade, surge o verda­ deiro rosto do indivíduo. Assim, são os dados da Casa I e o as­ cendente que nos informam sobre o rosto interior — isto é, psicológico e moral — de um ser, e seu rosto exterior (seu físico) que se confundem cada vez mais com o passar do tempo c com as experiências vividas. Ainda assim, não devemos pensar que as informações procedentes dos ascen­ dentes são ou serão mais importantes que as indicadas pelo Sol; em todo caso, cada elemento da roda zodiacal tem sua própria importância.

Asc. em ^

A Casa I ou ascendente em Touro O eu: necessidade de segurança, de adquirir, de possuir, conser­ var. Caráter tranqüilo, ponderado, sentimental, sensual, paciente, estável,fiel,porém também ingênuo, cré­ dulo, ciumento, rancoroso, obstinado. A aparência: constituição robusta, vitali­ A Casa I ou ascendente em Leão dade sadia, corpo maciço, pele sensível, O eu: necessidade de ser reco­ nhecido, admirado, de domi­ pescoço forte, tronco largo, altura mé­ dia. nar, de impor-se aos demais. Caráter franco, leal, idealista, ge­ neroso, expressivo, magnético, ambi­ cioso, mas também orgulhoso, intran­ sigente ou tirano. A Casa I ou ascendente em Gêmeos A aparência: constituição imponente, O eu: necessidade de contatos, corpo forte, vitalidade energética, rosto mudanças, relações estimulan­ ovalado com traços marcados, olhar tes. Caráter adaptável, flexível, claro e brilhante, físico agradável e atra­ sociável, de humor estável, inteli­ ente, preocupa-se com o aspecto. gente, mas ao mesmo tempo irritável, in­ saciável. A aparência: constituição nervosa, corpo delgado, longilíneo, braços longos, tórax pequeno, ombros frágeis, rosto simpá­ A Casa I ou ascendente em Virgem tico, olhar malicioso, aspecto vivo. A Casa I ou ascendente em Aries O eu: necessidade de ordem, de O eu: necessidade de se afirmar, método, de organizar, planifide se exteriorizar, de se proje­ car e prever. Caráter introver­ tar para o futuro. Caráter oti­ tido, reservado, pudico, reflexivo, mista, ativo, energético, ambicioso, prudente, discreto, calculador, mas tam­ valente, impaciente, suscetível, descon­ A Casa I ou ascendente em Câncer bém maníaco, céptico ou egocêntrico. fiado, irritável. O eu: necessidade de doçura, A aparência: constituição sadia porém de­ A aparência: constituição vigorosa, corpo compreensão, cumplicidade, bilitada pelo medo obsessivo de doenças, delgado e musculoso, rosto magro, consolo. Caráter temeroso, tí­ corpo esbelto, rosto ovalado, lábios fi­ nos, barbicha pontiaguda, altura media­ maçãs do rosto salientes, bonita denta­ mido, sensível, sonhador, mais na, mãos bonitas. dura, olhos claros, nuca forte. tenaz do que parece, mas também fan­

tasioso, lunático e, às vezes, mostra falta de vontade. A aparência: constituição fraca, o corpo, o rosto e os membros são arredondados, pele de bebê, olhar doce e sonhador, gu­ loso, peito forte.

Asc. em ^

Asc. em yC

Asc. em ^

Asc. em fig

Asc. em ǧ

A CASA VII OU DESCENDENTE NOS SIGNOS
A cúspide da Casa VII sempre está si­ tuada exatamente no lado oposto ao signo astrológico onde se encontra o eixo da Casa I. Assim, a Casa VII (descendente) de uma pessoa que tenha a Casa I (as­ cendente) situada a 20 graus do signo de Áries, se situa sistematicamente a 20 graus do signo de Libra, isto é, no grau 200 do Zodíaco. Se a Casa I revela a expressão do eu e da aparência externa do indivíduo, a Casa VII nos informa sobre a capaci­ dade de adaptação deste ao mundo ex­ terior, ao meio, de associar-se e unirse aos demais. O eixo ascendente/descendente é, por­ tanto, primordial pois define a relação do "eu com os outros" das pessoas.

Desc. em ^
A Casa VII ou descendente em Touro Necessidade de tranqüilidade, segurança, paz, calma, sereni­ dade em seus contatos com o mundo exterior. Fidelidade, esta­ bilidade e sentimentalismo nas uniões e associações. As relações com o meio e os demais são simples, afetivas, sem com­ plicação, baseadas em uma busca mútua de bem-estar ou vantagens materiais.

Nas uniões e associações este indiví­ duo procura apoiar-se em uma pessoa forte, que dê segurança. As relações são suaves, cúmplices com o meio e os demais. Às vezes mostra uma ingênua credulidade, confiança mal posta ou um comportamento in­ fantil com os demais.

Desc. em rÇ^
A Casa VII ou descendente em Leão

Desc. em *W
A Casa VII ou descendente em Gêmeos Necessidade de intercâmbios, movimento e grande capacidade de adaptação às circunstân­ cias e situações mais variadas nos contatos com o mundo exterior. Vive a união e a associação de maneira des­ preocupada e leve. As relações com o meio e os demais são baseadas na sim­ patia recíproca, afinidades intelectuais ou interesses comuns. o mundo exterior. A união e a associação sempre se rela­ cionam à idéia de prestígio no espírito de Leão. As relações com o meio e com os demais são aproveitadas, ambiciosas, que permitem favorecer sua evolução pessoal ou ascensão social.

Desc. em ^f
A Casa VII ou descendente em Áries Necessidade de impor seus de­ sejos e sua vontade nos contatos com o mundo exterior, na união e na associação. Rela­ ções estimulantes e energéticas com seu meio e com os demais. Às vezes, rela­ ções de força, emulação, competição nos intercâmbios. Entusiasmo acompanha­ do de desânimo nos compromissos, contratos ou acordos.

Desc.em m?
A Casa VII ou descendente em Virgem Em seus contatos com o mundo exterior tem necessidade de simplicidade, de renúncia, de reflexão e de tomar precauções. Comportamento modesto, que desapa­ rece na união e associação ou na busca de um companheiro reservado. Escolhe cuidadosa e habilmente as relações com o meio e os demais.

Desc. em gg
A Casa VII ou descendente em Câncer Necessidade de ternura, compreensão, comodidade e con­ solo em seus contatos com o mundo exterior.

A Casa I ou ascendente em Sagitário O eu: necessidade de expandirse, de viver a vida. Caráter oti­ Asc. em £L mista, jovial, bonachão, cheio de boa vontade, demonstrativo, independente, dividido entre a preser­ A Casa I ou ascendente em Libra O eu: necessidade de encontrar vação de sua tranqüilidade e sua ne­ um equilíbrio perfeito, ideal, o cessidade de aventuras e tendência ao ;• justo termo médio em todas as risco. • coisas. Caráter justo, firme, fran­ A aparência: constituição ágil e despor­ co,flexível,compreensivo, sociável, amá­ tiva, corpo musculoso, sempre dá a im­ vel, muito dependente, influenciável, in­ pressão de uma pessoa grande, pernas longas, torso desenvolvido, rosto ova­ deciso. A aparência: constituição delgada, bonita lado e jovial, bonita cabeleira clara e silhueta cheia de encanto, corpo har­ olhos igualmente claros. monioso, rosto amável, agradável, sim­ pático, olhos escuros muito vivos e mãos longas.

A CASA I OU ASCENDENTE NOS SIGNOS

Asc. em y ^

Asc. em

^

A Casa I ou ascendente em Aquário O eu: necessidade de sentir-se independente, de distinguirse, de viver em simpatia e inte­ ligência positiva. Caráter flexível, tolerante, solidário, altruísta, adaptável, original, inventivo, impressionável, mu­ tável, instável, impaciente, impulsivo, re­ belde, anárquico. A aparência: constituição debilitada pelas tensões nervosas, corpo bem propor­ cionado, mais para o delgado, ágil, ex­ tremidades delgadas, rosto de traços marcantes, muito móvel, olhos vivos, brilhantes e cabelos escuros.

Asc. em^/§

Asc. em

^

A Casa I ou ascendente em Capricórnio A Casa I ou ascendente em Peixes O eu: necessidade de estabele­ O eu: necessidade de compre­ cer uma distância lúcida entre ensão, fusão, de abandono, de­ ele e os demais. Caráter com dicação, consolo. Caráter re­ A Casa I ou ascendente em Escorpião muito sangue frio, lúcido, ambi­ ceptivo, intuitivo, imaginativo, O eu: necessidade de seduzir, exercer um poder sutil e uma cioso, perseverante, prudente, realista, inspirado, generoso, hipersensível, muito duro consigo mesmo bem como com os emotivo, muito sentimental, fraco, indo­ fascinação sobre os demais. Caráter instintivo, lutador, posses­ demais, egoísta, impermeável aos sen­ lente, preguiçoso, influenciável, tendên­ cia a ter ilusões. sivo, energético, sem concessões, cheio timentos dos demais. A aparência: constituição e pele frágeis A aparência: constituição debilitada por de recursos, provocador, maquiavélico. A aparência: constituição resistente, corpo que compensa com um grande sistema uma vaga vitalidade e vulnerabilidade tônico, estatura pequena, pele grossa, imunitário. Corpo rígido, falta de flexi­ ante os vírus. Corpo cheio, pele suave, rosto anguloso, cabeleira abundante, on­ bilidade nas articulações e nos múscu­ rosto redondo e afável, olhos azuis ou dulada ou eriçada naturalmente, olhar los, ar austero ou primário, olhos c ca­ claros, profundos, mãos delgadas porém belos negros. torpes. penetrante e nariz proeminente.

Asc. em |T|y

A CASA VII OU DESCENDENTE NOS SIGNOS

relações fraternais, grupos, associações, comunidades. Às vezes excesso de oti­ mismo ou ingenuidade em relação a tais associações.

mar, a deixar-se influenciar ou criar ilu­ sões. Necessidade de sentir-se sempre útil para os demais.

Desc. em £L_
A Casa VII ou descendente em Libra O indivíduo tem necessidade de integrar-se em um contexto harmonioso, de manter um equilíbrio afetivo em sua vida so­ cial, de viver em um meio agradável, con­ fortável, muito refinado. Na maioria das vezes é na união e na associação onde en­ contrará seu equilíbrio. Comportamento seletivo, ao mesmo tempo condescen­ dente e exigente com suas relações e seu meio. Tendência a embarcar em grandes compromissos ou a ser intransigente e idealista.

Desc. em ~\fè
A CasaVIIou descendente em Capricórnio Necessidade de estabelecer relações sérias, que dão segu­ rança, reconfortam, são estáveis e duradouras. União ou asso­ ciação única, baseada em laços profun­ dos, indefectíveis. Tendência a ser des­ confiado, céptico, lúcido, muito seletivo, exigente e à defensiva em suas relações com o meio. Ás vezes, desilusão nas re­ lações com os demais, devido a uma falta de espontaneidade ou generosidade.

Alguns esclarecimentos sobre o eixo ascendente-descendente
Devemos compreender que existe uma estreita relação entre as informações re­ veladas pela posição do ascendente no mapa astral e as indicadas pelo des­ cendente, que se opõe. De fato, os dois signos ocupados pelos dois ângulos deste eixo são forçosa­ mente signos opostos; portanto, com­ plementares. Por exemplo, se alguém tem o ascen­ dente em Leão, terá o descendente no signo de Aquário. Portanto, as qualidades a valorizar re­ veladas pelo ascendente Leão nunca po­ derão ser levadas em conta sem as reve­ ladas pelo descendente Aquário, e vice-versa. Assim, compreendemos facilmente que a necessidade de reconhecimento e ad­ miração própria do ascendente Leão induz a estabelecer relações gratifican­ tes com o mundo exterior ou a asso­ ciações baseadas em uma admiração re­ cíproca; tudo isso são informações provenientes do descendente Aquário. Da mesma forma, entendemos que o ca­ ráter franco, leal e o magnetismo do as­ cendente Leão forçam a simpatia do meio em que se encontra e suscitam re­ lações variadas e dinâmicas, como está indicado no descendente Aquário.

Desc.em |TL*

Desc. em fâ

A Casa VII ou descendente em Escorpião A Casa VII ou descendente em Aquário Necessidade de estabelecer reNecessidade de estabelecer re­ lações dinâmicas, variadas, gra­ lações intensas, apaixonadas, tificantes e desenvoltas. União baseadas em profundas afini­ ou associação baseadas em uma dades e uma grande curiosidade intelectual. União ou associação esti­ espécie de liberdade mútua e admiração mulantes, inspiradas por uma sede de recíproca. As relações com o meio estão fusão instintiva e sensual e uma neces­ impregnadas de originalidade e amorsidade mútua de posse. Relações anti¬ amizade. Grande capacidade de adap­ conformistas com o meio em que vive, tação aos demais e às circunstâncias. induzidas por uma grande necessidade Gosta de associar-se com seus amigos. de seduzir e ser seduzido. Relações às Agudo sentido da fraternidade e soli­ vezes complicadas, tortuosas e ator­ dariedade. mentadas com os demais.

Desc. em Desc. em J^
A Casa VII ou descendente em Sagitário Necessidade de plena expan­ são, de desfrutar mutuamente da vida e suas vantagens, de ser feliz e sem problemas em seus contatos com o mundo exterior. União ou associação com base em uma boa in­ teligência e camaradagem. Tendência às

^

A Casa VII ou descendente em Peixes Necessidade de estabelecer relações sutis, sensíveis, profun­ das, inspiradas. União ou asso­ ciação baseadas em afinidades seletivas, uma fusão amorosa e sensual intensa. Dificuldade para encontrar uma serenidade real em suas relações com o meio, devido a uma tendência a subli­

As Casas nos signos do Zodíaco

As Casas II e VIII,

III e IX
em Virgem: prudência, pre­ visão c economia no que se refere aos contatos com seu meio natural, que este nativo administra e preserva. em Libra: o indivíduo aspira a utilizar seu meio natural com justiça, equidade e a des­ frutá-lo de uma maneira sa­ dia c equilibrada. em Escorpião: este nativo man­ tém relações passionais com seu meio natural, que tenta possuir a qualquer preço. em Sagitário: o indivíduo faz espontaneamente com que seu meio evolua c prospere, de forma a fazê-lo confortável. em Capricórnio: o nativo ado­ ta um comportamento res­ tritivo, céptico, lúcido e cal­ culador com respeito a seu meio natural. em Aquário: o indivíduo apro­ veita as circunstâncias que seu meio natural lhe oferece e aspira a liberar-se dele. em Peixes: o nativo utiliza sua intuição para pressentir, avaliar e dominar suas oportunidades em seu meio natural. A CASA VIII NOS SIGNOS em Aries: o indivíduo possui uma capacidade de desapego e regeneração enérgica ou vo­ lúvel. em Touro: este nativo tem re­ cursos energéticos sadios, um instinto potente, porém re­ pele o desapego. em Gêmeos: a capacidade de regeneração do indivíduo é es­ timulada graças à curiosidade e sua tendência às mudanças. em Câncer: tem uma frágil capacidade de regeneração. Qualquer perspectiva de de­ sapego provoca-lhe angústia. em Leão: tem uma alma forte, um psiquismo potente, gran­ de magnetismo, uma grande capacidade de regeneração. em Virgem: este nativo tem tendência a inibir sua capaci­ dade de regeneração, a justi­ ficar seu medo às mudanças. em Libra: a capacidade de re­ generação do indivíduo está baseada em seu equilíbrio, que valoriza com lucidez.

E

xceto o ascendente ou Casa I, e o descendente ou Casa VII, seu oposto, a posição das outras dez Casas nos signos do Zodíaco contém um significado determinado. A CASA II NOS SIGNOS em Aries: o nativo se inte­ gra ativamente em seu meio natural, com o entusiasmo e as crises de desânimo pró­ prios deste signo. em Touro: integra-se com serenidade em seu meio na­ tural, do qual raramente este nativo se separa. Necessidade de comodidade material e moral. em Gêmeos: a inteligência, o espírito prático e a sociabili­ dade deste nativo favorecem a integração em seu meio. em Câncer: na hora de inte­ grar-se em seu ambiente natu­ ral tem um comportamento influenciável e lunático. Gran­ de necessidade de segurança. em Leão: integra-se em seu meio de forma brilhante e absoluta, e o considera como propriedade exclusiva sua.

em Escorpião: este nativo tem um poder de regeneração po­ tente, uma grande faculdade de indiferença e rechaço. em Sagitário: o nativo possui uma capacidade de regenera­ ção generosa; frágil capaci­ dade de despreocupação. em Capricórnio: a capacidade de regeneração deste nativo é lenta mas tenaz e lhe dá um poder de resolução frio. em Aquário: a capacidade de regeneração é impulsiva c imprevisível. Despreocupase com grande facilidade. em Peixes: este nativo tem uma vaga capacidade de regene­ ração, mas tem recursos in¬ suspeitáveis e surpreendentes. A CASA III NOS SIGNOS em Aries: comportamento impulsivo, fantasioso, oti­ mista e suscetível no meio social onde este nativo tenta fazer um lugar para si. em Touro: em seu meio so­ cial, o indivíduo estabelece relações tranqüilas e sadias. Busca nelas a calma. em Gêmeos: cm seu meio so­ cial, utiliza seu espírito prá­ tico c crítico, sua sociabili­ dade natural e curiosidade. em Câncer: o indivíduo, cm seu meio social, contrai re­ lações cheias de doçura. Nelas sente-se como uma criança. em Leão: em seu meio social, o nativo busca a aprovação e admiração dos demais ou tenta dominá-los.

em Virgem: o indivíduo é tí­ mido, reservado e crítico com respeito aos demais. Fala pouco; julga seu meio social. em Libra: este nativo é muito seletivo mas cultiva relações harmoniosas e equilibradas em seu meio social. em Escorpião: o indivíduo dá mostras de uma viva curiosi­ dade por seu meio social, um espírito lúcido, penetrante c inquisidor. em Sagitário: este nativo tem o dom de manter contatos agradáveis, fraternais em seu meio social; é ingênuo. em Capricórnio: em seu am­ biente social, o indivíduo é céptico, distante, realista, às vezes solitário e na defensiva. em Aquário: este nativo tem contatos múltiplos e variados cm seu meio social. Nele mos­ tra-se muito independente. em Peixes: o indivíduo é mui­ to receptivo em seu meio so­ cial. Tanto pode sentir-se rela­ xado c feliz como angustiado. A CASA IX NOS SIGNOS em Aries: o nativo aspira ati­ vamente a ampliar seu hori­ zonte. Seu espírito superior é mais volúvel que profundo. em Touro: o indivíduo tende pouco a ampliar seus hori­ zontes. Seu espírito superior é realista e prosaico. em Gêmeos: o nativo sente muita curiosidade em am­ pliar seus horizontes, mas se dispersa para outras direções.

em Câncer: o indivíduo sofre ante qualquer perspectiva de ampliar seus horizontes. Seu espírito superior é medita­ tivo. em Leão: sua ambição leva o nativo a ampliar seus hori­ zontes. Seu espírito superior pode ser brilhante, mas tam­ bém superficial. em Virgem: as dúvidas impe­ dem que o indivíduo amplie seu horizonte. Seu espírito superior está a serviço de seu espírito analítico. em Libra: quando o indivíduo abre seu horizonte e seu es­ pírito, sempre é com a fina­ lidade de obter uma maior harmonia e justiça. em Escorpião: estimulado por sua curiosidade, o nativo não pára de ampliar seu hori­ zonte. Seu espírito superior é muito inconformista. em Sagitário: o gosto pela aventura e as viagens empur­ ra o indivíduo a ampliar seu horizonte. Seu espírito supe­ rior é generoso. em Capricórnio: o nativo ne­ cessita de uma boa razão para ampliar seus horizontes. Seu espírito superior é lúcido e sintético. em Aquário: o indivíduo am­ plia sem cessar seu horizonte com seus projetos e idéias originais. Seu espírito supe­ rior não é conformista. em Peixes: o nativo amplia seu horizonte de forma in­ tuitiva e espiritual. Seu espí­ rito superior dá mostras de uma grande profundidade.

As Casas nos signos do Zodíaco

A Casa IV e a Casa X
E
m um mapa astral, a Casa IV está si­ tuada no signo onde nascem as raí­ zes do indivíduo, onde se encontram os próprios fundamentos de sua vida. A Casa X, na parte oposta deste eixo, revela as condições em que adquirirá e viverá sua independência social e ma­ terial. A CASA IV NOS SIGNOS em Aries: relações familiares apaixonadas e passionais. Ne­ cessidade de se sentir o se­ nhor da casa, o chefe de fa­ mília, de dominar ativamente seu ambiente e os seus. Entusiasmos e de­ cepções freqüentes no seio do seu lar. em Touro: profundo apego sentimental à sua família. Ne­ cessidade de amor, comodi­ dade material e moral, tran­ qüilidade. Apego à vida cotidiana, que dá segurança ao lar. Comportamento con­ servador, caseiro. Gosto pela propriedade. em Gêmeos: grande capacidade de adaptação ao seu meio fa­ miliar, mas lucidez crítica em relação ao mesmo. Necessi­ dade de viver em um ambiente agradá­ vel, onde reine um clima de despreocu­ pação, de estabelecer relações inteligentes, variadas. Às vezes, instabilidade no lar. em Câncer: o ambiente fami­ liar é considerado um con­ fortável ninho protetor. N e ­ cessidade de viver em um ambiente agradável, refinado, de criar uma célula familiar. Apego visceral ao seu passado. Às vezes, gosto pronun­ ciado pela história.

em Leão: tendência natural e instintiva para tomar posse do seu meio familiar, para se destacar nele e dominá-lo. Necessidade de ser o centro das aten­ ções no seio de seu lar. Gosto pelo luxo e prestígio em tudo que se refere ao seu habitat. em Virgem: o meio familiar é considerado e sentido com muita reserva ou simplici­ dade. Necessidade de viver em condições modestas mas seguras, em um ambiente de limites bem definidos e de se sentir útil nele. No seu lar, prima por um sentido prático de arrumação e de economia. em Libra: no seio da família estabeleceram-se relações har­ moniosas. Por extensão, ne­ cessidade de viver em um clima de bom entendimento. O lar é vi­ vido como algo necessário para seu equilíbrio. Grande refinamento em tudo que se refere ao seu ambiente.

em Escorpião: o ambiente fa­ miliar e paterno é vivido de forma apaixonada ou exces­ siva. Necessidade de exercer uma influencia sobre as pessoas mais chegadas, adotando um comportamento inconformista e provocador. Às vezes, mudança radical no lar. em Sagitário: o meio familiar é considerado um lugar pri­ vilegiado, transbordante de certa alegria de viver. Neces­ sidade de criar um lar aberto, feliz, com base em modelos conservadores. Com­ portamento didático e moralizador cm relação às pessoas que lhe são chegadas. em Capricórnio: lucidez pre­ coce ou sensação de isola­ mento no seio do seu meio familiar. Viva necessidade de seriedade, de viver com tranqüilidade, sobre bases sólidas, mas o senso do de­ ver e da responsabilidade faz com que seja mais fiel e esteja mais ligado ao seu lar do que parece.

| em Aquário: em seu ambien­ te familiar o que predomina é a originalidade e a improvisação. Necessidade de dina­ mizar seu lar e seu meio, de viver em condições que fujam do normal. Com muita freqüência, espírito rebelde com tudo que se refere às obrigações fami­ liares, mas atitude serviçal e solidária com os seus. em Peixes: grande recepti­ vidade quanto ao seu meio familiar e dificuldade em des­ ligar-se totalmente dele. Con­ fusão, incerteza, grande sentimenta­ lismo, emoções fortes em seu lar. Tendência para dramatizar as situações familiares. A CASA X NOS SIGNOS em Aries: falta de perseve­ rança na conquista de sua independência. Êxitos in­ constantes obtidos à base de ímpetos de entusiasmo. Sua situação so­ cial está sempre na corda bamba. em Touro: a conquista da in­ dependência coincide com sua necessidade de segurança material. Vontade de obter uma situação estável, de se situar em sua vida social e profissional de uma vez por todas. em Gêmeos: adquire a inde­ pendência graças à sua inte­ ligência ou sociabilidade, mas continuará sempre a ser in­ fluenciável. A situação social é instá­ vel, mutante, mas as possibilidades de êxito são variadas. em Câncer: a necessidade de compreensão e de populari­ dade bloqueia sempre a con­ quista de sua independência. A situação social corre o risco de ser pre­ cária ou submetida a influências externas. O êxito pode ser considerável.

em Leão: a conquista da in­ dependência baseia-se total­ mente em sua necessidade de que gostem dele, de aparen­ tar, dominar, obter um reconhecimento admirativo, de orgulho e ambição. A si­ tuação social é brilhante e o êxito está sempre em destaque. em Virgem: a conquista de in­ dependência baseia-se por completo em seu espírito cal­ culista e lógico, mas impreg­ nada de certa reserva. Considera sua si­ tuação social como um campo de ação de limites bem definidos, onde o êxito é obtido por mérito próprio. em Libra: a independência é adquirida com a ajuda da mi­ nuciosa avaliação das circuns­ tâncias e dos meios disponí­ veis. A situação social deve ser a mais equilibrada e saudável possível. O su­ cesso será uma conseqüência normal. em Escorpião: a conquista da independência coincide com a vontade de sair do caminho já marcado, de não triunfar como todas as pessoas. A situação social pode ser duvidosa ou submetida a in­ fluências negativas. O sucesso tem sem­ pre um caráter inconformista.

em Sagitário: a necessidade de expansão, ambição natu­ ral e também certo gosto pelo jogo estimulam a conquista da independência. A situação social é cô­ moda e cheia de possibilidades. Os êxi­ tos chegam, em parte, graças às cir­ cunstâncias favoráveis. em Capricórnio: a conquista da independência está em função da ambição pura e dura. Realiza-se de forma bastante lógica e racional. A situação so­ cial e o sucesso pessoal se apresenta sem­ pre a longo prazo, mas não é impossí­ vel consegui-los. em Aquário: o sentido da oportunidade favorece a con­ quista da independência. N o entanto, está sempre presente a necessidade de agir livremente em seu meio social, de não ter de prestar con­ tas a ninguém. Não persegue o êxito ou o prestígio. em Peixes: a conquista da in­ dependência coincide com a necessidade de satisfazer suas aspirações profundas e eleva­ das. A situação social é com freqüên­ cia frustrante ou instável. N o entanto, o sucesso pode ser surpreendente.

Breve resumo do significado das Casas astrológicas
A Casa I ou ascendente revela a expressão A Casa VIII revela a expressão do instinto do indivíduo. de vida e morte do indivíduo. A Casa VII revela a capacidade de adap­ A Casa III revela as relações do indivíduo tação do indivíduo em relação aos outros. com seu meio social habitual. A Casa II revela a expressão do instinto A Casa IX revela o potencial de inte­ de conservação do indivíduo. ligência superior do indivíduo.

As Casas nos signos do Zodíaco

A Casa V e a Casa XI
A
Casa V é a do amor único, exclu­ sivo e a da energia vital, enquanto a Casa XI, sua oposta, está relacionada com os sentimentos serenos, modera­ dos e o equilíbrio interior. A CASA V NOS SIGNOS em Aries: a energia vital é abundante, impetuosa, sub­ metida a impulsos entusias­ tas e a fases depressivas que se superam com rapidez. A criatividade é expressada esponta­ neamente, mas sem continuidade. O amor é sentido como uma manifes­ tação da personalidade, impulso ime­ diato, cego, absoluto. em Touro: a energia vital é pura, sadia, lenta. Evitam-se os excessos, exceto os que têm lugar por causa da gula. Forma de criatividade produtiva, cons­ trutiva ou útil. O amor é vivido den­ tro das normas das relações senti­ mentais, onde a fidelidade mútua é condição sine qua non. em Gêmeos: a energia vital é m u i t o mais nervosa que dinâmica. Com freqüência estimula a atividade cere­ bral. A criatividade se manifesta rica, cheia de cores, variada, mas instável ou dispersa. O amor é sentido como a expressão da busca narcisista de outro eu. em Câncer: a energia vital está submetida às influências exteriores. Revela com fre­ qüência um temperamento ciclotímico. A criatividade é inspirada, sonhada, inibida ou estimulada pela imaginação. O amor é vivido mediante uma busca da fusão terna e sensual com o outro. em Leão: a energia vital é ge­ nerosa, expressiva, ardente, sadia. A brilhante criativi­ dade pode se revelar como um elemento essencial de sua perso­ nalidade. O amor é expressado com nobreza e dedicação. A necessidade de amar, de admirar e de ser querido e es­ timado, é vital. em Virgem: a energia vital é sóbria em sua expressão, às vezes medida ou inibida. A criatividade é utilizada para fins práticos ou úteis, concentrada nos detalhes da vida material. O amor é expressado com muita reser­ va sem claras nem evidentes manifesta­ ções. Pode ser calculador ou excessiva­ mente racional. em Libra: a energia vital é equilibrada, aproveitada com parcimônia e sem excesso. A criatividade é com freqüên­ cia submetida a critérios de ordem se­ letiva e estética, que podem ter como conseqüência um gosto muito fino pela beleza. O amor é vivido como uma busca de relações harmoniosas. em Escorpião: a energia vital é secreta, misteriosa, porém cheia de recursos e força. A criatividade é intensa, esti­ mulada pela curiosidade, a sensualida­ de e os impulsos às vezes geniais. O amor é apaixonado, violento, atormen­ tado, exaltado pelo impulso dos senti­ dos e o afã de posse. em Sagitário: a energia vital é generosa, espontânea, ex­ pansiva e ao mesmo tempo serena. Necessita exteriori¬ zar-se. A criatividade está a serviço da

alegria de viver e a vontade de mu­ dança. O amor é vivido como uma ex­ pressão simples, natural e aberta. em Capricórnio: o espírito lógico e racional controla a energia vital. Está concentra­ da, contida, introvertida. A criatividade também se vê submetida ao espírito lógico e à lucidez. Está, igualmente, sob controle. O amor, des­ pojado de toda expressão inútil, pode no entanto revelar-se positivo. em Aquário: a energia vital c dinâmica, impulsiva, algu­ mas vezes surpreendente, outras vezes instável ou es­ banjada. A criatividade adota sempre aspectos repletos de originalidade, não conformistas ou oportunistas. O amor é vivido no presente imediato, com toda a liberdade, de forma desenvolta. em Peixes: a energia vital é confusa e flutua, porém é cheia de recursos profundos e insuspeitos. A criatividade é de uma grande riqueza, transbordan­ te, inspirada, às vezes notoriamente fe­ cunda e lírica. N o amor, vive-se a bus­ ca do absoluto e sente-se como uma fusão total com o outro. A CASA XI NOS SIGNOS em Áries: o equilíbrio interior é quase sempre precário, pois se busca de forma ingênua e impulsiva. As relações amistosas são ardentes, enér­ gicas, em transformação. Os projetos são empreendidos com entusiasmo. em Touro: o equilíbrio inte­ rior depende completamen­ te da segurança material e afetiva. As relações amistosas se estabelecem de igual modo sobre bases afetivas. Os projetos são elaborados e concretiza­ dos com lentidão.

r

em Gêmeos: o equilíbrio in­ terior se baseia no espírito prático ou na flexibilidade mental. As relações amisto­ sas são múltiplas e variadas, cm trans­ formação e agradáveis. Os projetos são mais teóricos que efetivos. em Câncer: a influência dos demais e as circunstâncias debilitam seu equilíbrio inte­ rior. As relações de amizade são expressadas mediante uma busca de afinidades eletivas. Os projetos são es­ cassos, utópicos ou confusos. em Leão: o equilíbrio inte­ rior repousa sobre a nobreza de coração e uma vontade de autocontrole. As relações têm prestígio, valorizam e são gratifi­ cantes. Os projetos são ambiciosos ou grandiosos. em Virgem: o equilíbrio in­ terior implica uma preser­ vação de sua identidade. As relações de amizade são es­ cassas, porém valiosas e submetidas ao espírito crítico. Os projetos são sele­ cionados e realizados escrupulosamente. em Libra: o equilíbrio inte­ rior só se adquire mediante sutis compromissos. As re­ lações de amizade são refi­ nadas, baseadas em uma estima mútua. Os projetos são elaborados durante lon­ go tempo e com muita certeza.

em Escorpião: o equilíbrio in­ terior é posto em dúvida com freqüência, vítima dos im­ pulsos instintivos. As relações amistosas são estimulantes e enrique­ cedoras. Os projetos são audazes. em Sagitário: o equilíbrio in­ terior implica encontrar um acordo entre a necessidade de aventura c uma vida tran­ qüila. As relações de amizade são vi­ vidas em um espírito de camaradagem. Os projetos são otimistas. em Capricórnio: o equilíbrio interior se baseia em um sis­ tema hábil de autodefesa. As relações amistosas são vivi­ das com grande desconfiança. Os pro­ jetos são elaborados com rigor e sem­ pre são realizados a longo prazo. em Aquário: o equilíbrio in­ terior se baseia no dinamis­ mo, na força de decisão e na capacidade de adaptação. As relações de amizade são ricas. Os pro­ jetos são numerosos, e são realizados muito rapidamente. em Peixes: os altos e baixos emocionais perturbam o equilíbrio interior. Às vezes, a busca do equilí­ brio é idealista ou espiritual. As re­ lações de amizade são estranhas, con­ fusas e inquietantes. Os projetos são maravilhosos, mas às vezes irreais.

Breve resumo do significado das Casas astrológicas
A Casa I ou ascendente revela a ex­ pressão do indivíduo. A Casa VII revela a capacidade de adap­ tação do indivíduo com respeito aos de­ mais. A Casa II revela o instinto de conservação do indivíduo. A Casa VIII revela a expressão do instinto de vida e morte do indivíduo. A Casa III revela as relações do indivíduo com seu meio social habitual. A Casa IX revela o potencial de inte­ ligência superior do indivíduo. A Casa IV revela as bases da existência do indivíduo. A Casa X revela a expressão da vontade de independência social e existencial do indivíduo. Você pode também consultar a ficha n.° 7, da seção "Descobrir a Astrologia", onde encontrará uma apresentação das Casas.

As Casas nos signos do Zodíaco

A Casa VI e a Casa XII
A
Casa VI nos informa sobre a vida cotidiana, a inserção no mundo do trabalho, o bem-estar e a saúde, ao passo que a Casa XII é a da superação de nós mesmos, da atitude perante a adversi­ dade. A CASA VI NOS SIGNOS em Áries: necessidade de afir­ mar-se a cada momento do dia, de impor-se aos outros na vida cotidiana, de exterio­ rizar suas energias. O indivíduo terá tendência para problemas oftalmológi¬ cos e acessos de febre. em Touro: no dia-a-dia, vida tranqüila, aprazível e segura. Necessidade de tranqüilidade na vida cotidiana. Indivíduo amante dos costumes. É um excelente artesão, um trabalhador corajoso. Seus pontos fracos são a garganta, o sistema digestivo e intestinal e o fígado. em Gêmeos: tendência para uma certa frivolidade, mas grande capacidade de adap­ tação à vida diária. Este indi­ víduo é sociável, comunicativo, às vezes superficial no cotidiano. Gosta de mudar de ocupação. Suas vias respiratórias são fracas e o sistema nervoso deficiente. em Câncer: o comportamen­ to na vida diária é ansioso, ca­ prichoso, influenciável. Este indivíduo aspira a que os ou­ tros se ocupem dele nos pequenos cui­ dados da vida diária, onde às vezes se mostra sonhador ou descuidado. É pro­ penso a problemas glandulares e a dores de estômago.

em Leão: necessidade de se impor, dominar ou dirigir no cotidiano. Este indivíduo as­ pira a fazer algo de espetacu­ lar ou de destaque. Pode ser vítima de hipo ou hipertensão, arritmia ou proble­ mas cardiovasculares. em Virgem: grande preocu­ pação em preservar seu bemestar e sua saúde, assuntos a que este indivíduo presta muita atenção. Sua vida do dia-a-dia é muito organizada. É solícito e hábil no momento de executar tarefas ou traba­ lhos delicados. E propenso a problemas digestivos e à depressão. em Libra: o indivíduo possui a arte de avaliar com correção os elementos e meios de que dispõe no dia-a-dia. É sensí­ vel às regras c aos princípios, é bom di­ plomata e psicólogo. Seus pontos fracos são os rins, o sistema urinário e às vezes sofre vertigens.

em Escorpião: tendência para adotar uma atitude provoca­ dora e inconformista na vida de todos os dias. Este indiví­ duo é corajoso, repleto de recursos. Tem gosto pelo risco na vida cotidiana. É muito resistente, mas propenso a pro­ blemas ou doenças psicossomáticas. em Sagitário: a necessidade de expressar sua alegria de viver no dia-a-dia. Comportamen­ to jovial no cotidiano. Indiví­ duo que gosta das atividades indepen­ dentes que lhe darão a oportunidade de se exteriorizar. Desfruta de boa saúde, mas pode sofrer reumatismos. em Capricórnio: tendência para adotar um comporta­ mento céptico, austero e de­ safiador no dia-a-dia. Sentido de ordem, organização, dever e respon­ sabilidade na vida cotidiana. Este indi­ víduo tem uma pele frágil e pode sofrer de mal-estares ou doenças crônicas.

em Aquário: na vida coti­ diana, desenvoltura, sentido inato do compromisso e dom da oportunidade. Este indi­ víduo aspira a exercer uma atividade independente, liberal. Às vezes é ins­ tável em sua vida diária. Pode sofrer de doenças nervosas e quedas bruscas da energia vital. em Peixes: busca do sublime e do excepcional na vida coti­ diana. É um indivíduo a quem custa adaptar-se a uma vida limitada ao dia-a-dia. Tem elevadas aspirações. É idealista. Sente necessidade de dedicar-se a qualquer coisa ou ter uma vocação. É propenso aos problemas cir­ culatórios, de veias e de gânglios. A CASA XII NOS SIGNOS em Áries: a este indivíduo não falta ousadia nem audácia, mas sim a constância perante as adversidades. Aspira a su­ perar-se, mas é bastante impaciente. Às vezes utiliza meios desproporcionados para conseguir seus objetivos. em Touro: o indivíduo dá mostras de paciência c de for­ ça moral perante as adversi­ dades. Mas, de início, recusa qualquer tipo de mudança. Tem tendên­ cia para reproduzir os mesmos esque­ mas e conservar as mesmas convicções durante toda a vida. em Gêmeos: este indivíduo enfrenta as adversidades com despreocupação e frivolidade. Possui uma grande capaci­ dade de abstração e um sólido sentido de humor. Para se superar, arranja forças graças à sua inteligência. em Câncer: o indivíduo está desarmado perante as adver­ sidades da vida. Necessita de ajuda, apoio, sustento. Tende a dramatizar. Falta-lhe objetivi­

dade. No entanto, sabe às vezes tirar par­ tido de suas experiências ou lições do passado, atrás das quais se refugia. em Leão: este indivíduo dá mostras de uma autêntica força de espírito diante das ad­ versidades, ou então ignoraas e pode inclusive escondê-las. Aspira à perfeição, mas falta-lhe profundidade. Acaba por isolar-se, convencido de que só pode contar consigo mesmo. em Virgem: este indivíduo adota uma atitude resignada, metódica, calculista perante as dificuldades e adversida­ des, que quase sempre subestima. Seus pontos de vista são muito objetivos, mas é capaz da maior abnegação. em Libra: este indivíduo de­ monstra uma lucidez crítica e uma objetividade perante as adversidades e dificuldades. Hesita muito antes de agir, mas sabe re­ solver um assunto quando é preciso. Muitas vezes aspira a encontrar o equi­ líbrio ideal. Nunca se conforma com o pior nem com o melhor. em Escorpião: com freqüên­ cia e contra sua vontade, este indivíduo provoca as adver­ sidades e dificuldades para avaliar sua força interior, sua resistência

e superar seus limites. É valente e lu­ tador. Nunca se rende. Possui recur­ sos inimagináveis. em Sagitário: este indivíduo encara as adversidades com muito boa vontade mas, no fundo, nunca aceita as con­ seqüências. Tal atitude torna-o pouco apto para resolver problemas. em Capricórnio: este indiví­ duo espera sempre encontrar adversidades e dificuldades que, segundo ele, fazem parte da vida. Está, portanto, preparado para elas e sabe enfrentá-las com sangue-frio e lucidez. Só acredita nele próprio. em Aquário: perante as adver­ sidades, este indivíduo pos­ sui a arte de dar a volta às si­ tuações, evidentemente a seu favor, e levar a sua avante, contra o que todos esperam dele. Sabe preservar uma espécie de independência moral que o torna tolerante. em Peixes: de início, este in­ divíduo parece desarmado pe­ rante as adversidades e difi­ culdades, que muitas vezes pressente, mas que ao mesmo tempo dra­ matiza. No fim, os recursos que lhe per­ mitem superá-las e enriquecer-se inte­ riormente saem do seu próprio interior.

Breve revisão do significado das Casas astrológicas
A Casa I ou ascendente revela a expressão A Casa IX revela o potencial de intedo indivíduo. ligência superior do indivíduo. A Casa VII revela a capacidade de adap- A Casa IV revela as bases da existência do tação do indivíduo em relação aos outros. indivíduo. A Casa II revela a expressão do instinto de conservação do indivíduo. A Casa X revela a expressão da vontade de independência social e existencial do indivíduo.

A Casa VIII revela a expressão do instinto de vida e morte do indivíduo. Também pode remeter-se à ficha 7 da seção "Descobrir a Astrologia", onde faA Casa III revela as relações do indivíduo zemos uma apresentação detalhada das com seu meio social habitual. Casas.

Os regentes das Casas

O regente da Casa I nas Casas
O regente das Casas, presente em cada uma das 12 Casas, revela valiosas informações que lhe permitirão afinar e precisar a síntese de suas interpretações.
0 REGENTE DA CASA I NA CASA I Aqui nos encon­ tramos ante uma forte personalida­ de. As característi­ cas, reveladas pelo astro que desem­ penha o papel de regente, tanto do signo como da Casa na qual está situado, são muito determi­ nadas. Se se trata por exemplo de Vênus a pessoa afetada antepõe os sentimen­ tos e as motivações, mas também pode possuir muito encanto e inclusive uma grande beleza. Se se trata de Marte, a determinação ativa do indivíduo está onipresente na expressão de sua per­ sonalidade. Podemos dizer, conseqüen­ temente, que esta Casa tem cada uma das expressões do nativo, que através de suas qualidade se integra com natu­ ralidade na vida social. 0 REGENTE DA CASA I NA CASA II Espontaneamente, o indivíduo neces­ sita integrar-se em seu meio natural e aproveitar as vanta­ gens que este lhe oferece. Dá uma grande importância ao fato de recolher os frutos de seus esforços, obter os lu­ cros, os benefícios e aquisições explo­ rando suas qualidades, competências e seu saber fazer. Também precisa segu­ rança e conservar os bens que adquiriu. Pode demonstrar certa habilidade em tudo que tem a ver, direta ou indireta­ mente, com o mundo das finanças. Às vezes, é muito bom para "fazer di­ nheiro" como dizemos popularmente. 0 REGENTE DA CASA I NA CASA III O nativo possui ex­ celentes atitudes para integrar-se com felicidade em seu meio social e natural, assim co­ mo em qualquer meio social e público que lhe convenha. Mas também pode possuir um grande poder de adaptação mental, que lhe per­ mite integrar-se em todos os meios. Manifesta, obviamente, certos gostos e talento para aprender, compreender, estudar, ensinar, descobrir, transmitir e comunicar. Também pode demons­ trar um sólido espírito prático ou estar muito unido a seus hábitos, a certas formas de pensar, a costumes ou a princípios. 0 REGENTE DA CASA I NA CASA IV Evidentemente, em seguida pensamos no interesse es­ pontâneo que o nativo pode trazer para sua família, suas raízes, suas origens, seu país natal e as tradições mais próximas. E é certo que é muito sensível a tudo que se refere ao lar fami­ liar, ao passado, à história, mas também à casa e todas as artes que têm a ver com ela, a decoração e a arquitetura, por exemplo, e inclusive os imóveis, o solo, a terra e os terrenos, o meio ambiente (hoje em dia se fala de ecologia). Às ve­ zes, revela-se sectário e sedentário, vi­ vendo como um recluso ou confinado em sua casa. 0 REGENTE DA CASA I NA CASA V Neste caso, outros elementos inscri­ tos no mapa astral nos permitirão sa­ ber em que senti­ do é preciso orien­ tar a interpretação. De fato, o nativo está antes de mais nada preocupado com os prazeres da vida, o lazer e as distrações. Mas também pode estar interessado pelo Amor (com A maiúsculo), que se torna então a mo­ tivação essencial de sua existência. Tam­ bém pode tratar-se do amor às crianças, aos que consagra um verdadeiro culto e que serão a condição sine qua non de sua felicidade. Por último, uma criação artística poderá desempenhar um grande papel em sua vida, que deverá cumprir mais cedo ou mais tarde. Mas, evidentemente, todas estas características não são incompa­ tíveis entre elas.

^ " " ^ Pode-se perfeitamente amar a um ser único, entregar-se a seus filhos, criar algo para ele ou para eles, e tudo isso com alegria e prazer. Esta configuração inclusive pode ser a da pura sorte. 0 REGENTE DA CASA I NA CASA VI O indivíduo se in­ tegra com facili­ dade no quadro de sua vida diária e suas atividades e ocupações cotidia­ nas, mais concre­ tamente em seu trabalho. Gosta de ser útil, fazer favores, dedicar-se a tarefas, por mais modestas que sejam. Por outro lado, esta configuração é muito prática para revelar as indicações relativas à saúde do nativo e especialmente tudo que se refere aos reflexos e comparti­ mentos psicossomáticos. Mas a pessoa em questão pode também estar moti­ vada para trabalhar em um contexto médico ou exercer uma profissão na área da saúde. 0 REGENTE DA CASA I NA CASA VII Neste caso, é de se esperar que um companheiro ou uma companheira, ou um namorado ou namorada, ou um cônjuge de­ sempenhe um papel decisivo na vida do nativo. Às vezes, basta estudar as carac­ terísticas deste regente, reveladas por sua posição no signo, na Casa e os eventuais aspectos que forma ou recebe, para ter uma idéia de sua personalidade de casal em questão. Em geral, esta configuração é também a de uma grande sociabilidade e a das qualidades naturais para se ga­ nhar os favores dos demais.

0 REGENTE DA CASA I NA CASA VIII
Para este nativo, as portas da percep­ ção psíquica estão totalmente abertas. Saberá aproveitar suas virtudes, re­ cursos e riquezas? Outros elementos inscritos no mapa as­ tral nos informarão sobre isso. Se é este o caso, terá dons para ajudar ou aliviar aos demais, terá poderes terapêuticos, por exemplo, ou a capacidade de adi­ vinhar os estados de ânimo ou os se­ gredos dos demais. N o caso contrário, as crises, as mudanças e as mutações ne­ cessárias se transformarão em idéias fixas e obsessões para ele. 0 REGENTE DA CASA I NA CASA IX O nativo dá muita importância aos estudos de alto nível e às grandes viagens, às explo­ rações e às aventu­ ras exaltadas. Além disso pode dedicar-se a mais de uma delas ao mesmo tempo. Se, por diver­ sas razões, que estarão obviamente jus­ tificadas por outros elementos inscritos em seu mapa astral, não tivesse esse gosto pelos estudos ou pelas viagens sob uma forma ou outra, é de se esperar que ganhe a liberdade distinguindo-se e afas­ tando-se de seu meio e seu ambiente. 0 REGENTE DA CASA I NA CASA X De uma forma ou de outra, o indiví­ duo em questão é motivado por uma ambição ou uma sede de indepen­ dência que o em­ purra a obter um sucesso que será mais ou menos brilhante, segundo o caso, mas sempre certo. N o entanto, ao se tra­ tar do regente da Casa I, a pessoa em questão conseguirá o sucesso, o pres­

tígio e o triunfo a que aspira, unicamen­ te por si mesma. Ás vezes, sacrifica seus outros centros de interesse ou preocupações no altar de suas ambições. 0 REGENTE DA CASA I NA CASA XI O nativo tende a viver de sonhos, de idéias, de proje­ tos e de esperan­ ças. Quase sempre é brincalhão, inte­ ligente, dinâmico e social. Atrai numerosas simpatias e faz com freqüência muitos amigos. Gosta dos outros, com os quais se sente espontaneamente solidário e dos quais aprecia acercar-se. Precisa da partici­ pação ativa deles e também de seu con­ solo. Por outra parte, é muito dotado para elaborar, ou criar conceitos ori­ ginais e inéditos. Interessa-se também pela técnica e além disso pode ser muito bom em todos os trabalhos ma­ nuais. 0 REGENTE DA CASA I NA CASA XII O nativo revela quase sempre uma solidão pouco co­ mum. Aprecia a vida retirada, iso­ lada, para refletir, meditar, criar e in­ vestigar a realidade em profundidade, desvelar tudo que está escondido, de­ cifrar os mistérios, sondar a alma dos demais, questionar-se a si próprio para avançar ou superar-se. Pode viver de maneira totalmente marginal ou entre­ gar-se a uma causa nobre. Neste as­ pecto, a situação do astro regente do signo e da Casa em questão será muito reveladora.

Os regentes das Casas

O regente da Casa II nas Casas
0 REGENTE DA CASA II NA CASA I
O indivíduo afeta­ do por esta confi­ guração se distin­ guira na forma de integrar-se em seu meio natural, ao realizar aquisições pessoais ou, simplesmente, ganhando a vida com seus próprios meios. Se con­ sideramos a Casa I como a Casa das apa­ rências, deduzimos que concede mui­ ta importância aos bens materiais em sua vida social. Se o analisamos do ponto de vista do eu, nos encontramos quase sempre com um ser egocêntrico, ávido de presentear-se com satisfações e de possuir. 0 REGENTE DA CASA II NA CASA II A natureza c as qualidades do astro regente desta casa revelam as condi­ ções nas quais a pessoa em questão se integrará em seu meio natural, aproveitando todas as qua­ lidades que este astro oferece. Se se trata de Marte, por exemplo, será principal­ mente graças a seu poder de ação o mo­ tivo pelo qual obterá algum sucesso fi­ nanceiro ou adquirirá bens materiais. Se se trata de Vênus, obedecerá, em maior medida, a seu encanto natural aquele que realizar alguma atividade artística ou, simplesmente, devido aos sentimen­ tos que este planeta suscita, obterá se­ melhantes resultados. 0 REGENTE DA CASA II NA CASA III O motivo pelo qual o indivíduo em questão se in­ tegra em seu meio natural e adquire bens materiais de­ ve-se, quase sem­ pre, à sua inteligência prática, sua grande capacidade de adaptação, sua sociabili­ dade ou seu sentido inato da comuni­ cação. O meio social e público no qual evo­ lui tem também um papel primordial neste campo. No entanto, segundo a na­ tureza do astro regente em questão, evi­ dentemente, o indivíduo corre o risco de ser influenciado por seu meio ou li­ mitado em suas aquisições por seus pró­ prios hábitos. Mas esta configuração é quase sempre excelente para todas as pessoas que exercem atividades comer­ ciais. 0 REGENTE DA CASA II NA CASA IV Vemos esta confi­ guração com fre­ qüência no mapa astral do indivíduo que explora ou gestiona bens fa­ miliares, imobiliá­ rios ou bens de raízes, o que exerce uma atividade lucrativa familiar ou em um domínio relevante da Casa IV: casa, ha­ bitat, decoração, arquitetura, construção, etc. Às vezes, a pessoa em questão tam­ bém assume totalmente em solitário a manutenção de sua família e seu lar.

0 REGENTE DA CASA II NA CASA V
O indivíduo em questão se arma de uma imaginação transbordante para adquirir bens. Os lucros que obtém podem proceder de atividades artísticas ou criativas, que têm a ver com o lazer, os prazeres, os espetáculos, mas igualmente com tudo que se refere às crianças. Algumas vezes também o regente da Casa II na Casa V indica a sorte no jogo ou um gosto pronunciado pela especu­ lação e as inversões financeiras auda­ zes ou arriscadas. Além disso, é a con­ figuração daqueles a quem o amor deixa generosos, inclusive pródigos, materia­ lizando totalmente a idéia de que "quan­ do se ama, nada importa". 0 REGENTE DA CASA II NA CASA VI É exclusivamente através do trabalho que o indivíduo adquire todo o ne­ cessário para sua própria subsistên­ cia e manutenção. Tende a acumular, pois vive quase sempre com o medo ou o temor de que lhe falte algo. Pode che­ gar a ser um excelente gestor, um bom contador, investidor e previsor. Tanto os pequenos trabalhos subalternos co­ mo as atividades relacionadas com a saúde são quase sempre fontes de lucro para ele.

O REGENTE DA CASA II NA CASA VII Algumas circuns­ tâncias felizes ou desgraçadas po­ dem transformar em instável a si­ tuação financeira da pessoa com esta configuração em seu mapa astral. Mas, por outro lado, seus lucros provêm quase sempre de um contrato ou uma obra empreendida em equipe. Por outro lado, pode acontecer também que o re­ gente da Casa II na Casa VII sublinhe a importância dos bens materiais obti­ dos ou adquiridos pelo cônjuge da pes­ soa em questão. Por último, é preciso destacar que os riscos de conflitos ou problemas por questões de dinheiro são possíveis. 0 REGENTE DA CASA II NA CASA VIII Nesta configura­ ção, nos encontra­ mos ante um ser que se sente quase sempre dividido entre seu desejo de desprender-se ra­ dical e definitivamente de seu meio na­ tural e, por outro lado, as possibilidades que este meio lhe oferece para tirar pro­ veito e beneficiar-se, a menos que seu meio traga este proveito naturalmente, em forma de herança, doações ou le­ gados, e que isto lhe impeça afastar-se dele. Pode tratar-se também de um indi­ víduo com faculdades psíquicas total­ mente excepcionais, as quais aproveita­ rá para obter alguns benefícios, que não serão poucos, ou que saberá obter orça­ mentos, créditos ou empréstimos ne­ cessários para satisfazer e cum­ prir seus desejos e ambições.

O REGENTE DA CASA II NA CASA IX O indivíduo afe­ tado por esta con­ figuração pode ter a oportunidade de abandonar sua pá­ tria para adquirir lucros ou bens ma­ teriais. Naturalmente, em conseqüên­ cia, tudo que estiver relacionado com viagens, comércio internacional, in­ tercâmbios entre povos e nações, assim como a diplomacia, a política econômica ou as altas finanças, estão em relação com esta posição do regente da Casa II na Casa IX. Por outro lado, pode tam­ bém estar em relação com benefícios ou ganhos gerados por uma atividade li­ beral, científica ou de professorado. Por último, às vezes anuncia certa ambição financeira ou uma possibilidade de ex­ pansão da situação material do nativo no futuro. 0 REGENTE DA CASA II NA CASA X Para a pessoa com esta configuração em seu mapa astral é indispensável ad­ quirir uma total independência fi­ nanceira. Neste campo, o indivíduo afetado não quer de­ ver nada a ninguém, quer sentir-se total­ mente autônomo e dono da situação. Pode revelar-se muito ambicioso com respeito a este assunto, mas seus suces­ sos ou fracassos serão sempre propor­ cionais ao crédito, bom ou mau, que obterá em sua situação pro­ fissional. Deste modo, se outros elementos do ma­ pa o confirmam, seu êxito finan-

ceiro pode ser muito importante, en­ quanto não duvide em aplicar-se a fundo nesta direção.

0 REGENTE DA CASA II NA CASA XI
O risco que a pes­ soa afetada por es­ ta configuração ge­ ralmente corre é o de envolver-se em muitos projetos ou loucas espe­ culações financeiras, que transformarão sua situação em instável e insegura. N o entanto, pode ter também traços de in­ teligência neste aspecto e tirar proveito ou beneficiar-se de uma inovação, de uma especialização ou de um talento original. Por outro lado, acontece com freqüência que, de uma forma ou de outra, seus amigos ou parentes estão de­ sempenhando um papel importante em seus assuntos de dinheiro. 0 REGENTE DA CASA II NA CASA XII Com esta configu­ ração em seu ma­ pa astral, o indiví­ duo possui uma destacada intuição em tudo que se re­ fere aos assuntos de dinheiro, porém não possui a habi­ lidade, conhecimento ou vontade para explorá-la sem ajuda. Necessita, por­ tanto, conselhos, apoio e ser respaldado nesse aspecto. De maneira que nos en­ contramos ante dois casos extremos: uma pessoa que não tem nenhum sen­ tido da realidade material e financeira e que portanto tende a deixar-se levar neste campo; ou então, um ser capaz de fazer fortuna operando em segredo ou manobrando habilmente na sombra.

Os regentes das Casas

O regente da Casa III nas Casas
0 REGENTE DA CASA III NA CASA I O espírito prático do indivíduo tem grande importân­ cia em seu com­ portamento e na aparência que dá de si mesmo. Por isso a põe sempre à mostra. A força do costume e o apego a seu meio social também são características desta posição. Evidentemente, o ser em questão tem quase sempre facilidade para comunicar suas idéias e é mais de natureza sociá­ vel. N o entanto, corre o risco de mos­ trar-se influenciável, instável, vítima de uma curiosidade incessante ou de uma agitação tanto mental como nervosa. 0 REGENTE DA CASA III NA CASA II O espírito prático põe-se a serviço da integração no meio social e a aquisição de lucros, receitas ou benefícios. Esta posição resul­ ta muito favorável para as atividades co­ merciais lucrativas, mas igualmente para as vantagens de uma profissão intelec­ tual, literária ou relacionada com o mundo da comunicação. O indivíduo em questão pode se bene­ ficiar também de muitas fontes de re­ ceitas durante toda sua vida profissional, mas seus lucros podem ter altos e bai­ xos, ou também depender das boas ou más relações que manterá com seu meio social. 0 REGENTE DA CASA III NA CASA III Embora não exis­ tam outros com mais espírito prá­ tico que este indi­ víduo, por mais sentido comum e pragmatismo que tenha, não está isento da permanente in­ fluência de seu meio social e seus pa­ rentes mais próximos. Por outro lado, sempre custa muito adaptar-se ou evo­ luir em outro meio que não seja o seu, e se estanca facilmente em seus costu­ mes. De maneira que, tem que se des­ locar com freqüência, nunca sairá de seu território ou de seu país. Por último, pode ter muito interesse pelos estudos. 0 REGENTE DA CASA III NA CASA IV O espírito prático do indivíduo toca tudo que esteja re­ lacionado com seu lar, a vida familiar e tudo que se re­ fere, de perto ou de longe, à residência. Na pessoa com tal configuração em seu mapa astral, en­ contramos certa habilidade para explo­ rar as possibilidades que lhe oferecem suas origens para criar sólidos funda­ mentos em sua existência e tentar en­ contrar uma segurança material. Por outro lado, esta posição indica certo in­ teresse pelo país natal, assim como, às vezes, preocupações no âmbito político. Mas, então, neste campo, as idéias do nativo são mais para conservadoras. 0 REGENTE DA CASA III NA CASA V O indivíduo quase sempre possui ta­ lento para a peda­ gogia ou como educador, ao mes­ mo tempo que seu espírito prático to­ ca tudo que está relacionado com o uni­ verso das crianças, em analogia com a Casa V, assim como tudo que está rela­ cionado com os jogos, o lazer e a criação. Dá mostras de um espírito, simpático e possui a arte de encontrar fórmulas se­ dutoras. Gosta de mostrar preocupação, enquanto é, ao mesmo tempo, realista e aspira a unir o útil ao agradável. 0 REGENTE DA CASA III NA CASA VI O espírito prático toca tudo que está relacionado com o universo da vida cotidiana e as ati­ vidades. Por isso, reforça-se e fixa-se em múltiplos detalhes míni­ mos da vida material e do dia-a-dia. O indivíduo tem um agudo sentido dos detalhes. É prudente e previsor. Preo­ cupa-se muito também com seu bemestar. Trata-se de um ser muito preo­ cupado com sua saúde, que atua de forma preventiva a este respeito, que de­ fende os produtos naturais, os regimes dietéticos e se interessa pela ecologia. N o entanto, pode chegar a ser dema­ siado protecionista e sentir-se afogado em seu meio social.

O REGENTE DA CASA III NA CASA VII O indivíduo ex­ plora muito habil­ mente seu espírito prático nos âmbi­ tos relacionados com associações, colaborações e a união marital. A busca da harmonia em suas relações, ou a preocupação por pre­ servar certo equilíbrio intelectual e moral com as pessoas que normalmente freqüenta em seu meio social, também se destaca por esta posição. O indivíduo coincide quase sempre com os demais graças às idéias que têm em comum. Não tenta distinguir-se de seus seme­ lhantes mentalmente, pelo contrário, tenta parecer com eles. Às vezes mos­ tra-se demasiado dependente do que pensam os demais. 0 REGENTE DA CASA III NA CASA VIII O grande espírito prático deste indi­ víduo aspira a sair do rebanho para encontrar outros recursos e supor­ tes de reflexão e de aplicação de seu pensamento. Com fre­ qüência, está repleto de recursos, em­ bora nem sempre seja construtivo, pois é exageradamente crítico. Quanto ao destino, esta posição revela um ser pre­ ocupado por uma herança ou obcecado com a idéia de cortar com seu meio so­ cial sem consegui-lo, chegando a os­ tentar uma atitude mental contraditó­ ria ou provocativa, fonte de polêmicas.

0 REGENTE DA CASA III NA CASA IX O espírito prático do indivíduo as­ pira a sair de seu meio social, a am­ pliar seu horizon­ te, tanto intelectual como geográfico. N o primeiro caso, se lançará de cabeça nos altos estudos; no segundo caso, o indivíduo tentará encontrar a oportu­ nidade e os meios para realizar gran­ des viagens ou se interessará pelos idio­ mas estrangeiros. Esta posição também é propícia para as atividades e transações comerciais com ou no estrangeiro. N o entanto, em vez de se adaptar a cos­ tumes diferentes, tem mais tendência a levar consigo seus próprios hábitos e a defender suas idéias e convicções. 0 REGENTE DA CASA III NA CASA X Seu espírito prá­ tico é o instru­ mento deste indi­ víduo para obter sua independência ou uma situação social e profissio­ nal que lhe dê a oportunidade de anun­ ciar suas idéias. Quase sempre triunfa em seu meio social habitual. Possui certo talento para estabelecer um plano profissional. Na maioria das vezes, suas qualidades intelectuais favorecem seu êxito. N o entanto, pode sofrer por não ter um espírito livre ou por ser dema­ siado dependente de seu meio social ou de suas relações habituais.

0 REGENTE DA CASA III NA CASA XI O espírito prático do indivíduo se orienta para tudo que é original e in­ conformista. Por outro lado, por ter um espírito pro­ pício à elaboração de planos e proje­ tos, não sem um certo pragmatismo, às vezes possui um verdadeiro dom para o desenho. Faz amigos com facilidade e estabelece relações em seu meio so­ cial habitual. Seus passos e seus pequenos desloca­ mentos ocasionam quase sempre en­ contros oportunos durante toda sua vida. Independentemente de seus laços com seu meio social e com as pessoas mais chegadas, mantém sempre um es­ pírito livre e singular.

0 REGENTE DA CASA III NA CASA XII O espírito prático deste indivíduo as­ pira ao sublime, mas às vezes é de­ masiado realista ou se mostra dema­ siado presa de seus hábitos para conse­ guir ter acesso a ele. Tem, no entanto, um gosto pronunciado pelos mistérios, por tudo que está oculto, pelos estudos e tra­ balhos solitários. É também bastante mis­ terioso, pouco comunicativo, mas hábil para compreender aos demais com meias palavras. Às vezes tem más idéias ou então inventa para si um universo de pensa­ mentos e convicções à sua medida.

Os regentes das Casas

O regente da Casa IV nas Casas
0 REGENTE DA CASA IV NA CASA I O eu do indivíduo afetado por esta configuração se es­ tabelece em seu núcleo familiar, o meio natural em que nasceu e cres­ ceu. É também neste setor de sua vida que se individualiza e expressa sua aparência. Por isso que, muitas vezes, lha falta inde­ pendência. Possuidor de um caráter ca­ seiro, protecionista e conservador, tem tendência para o recolhimento, evita a luta e às vezes esquece-se de afirmar sua personalidade. Por outro lado, está mui­ to ligado a seu passado, a sua família, a seu lar, e vive muito absorvido pela aqui­ sição de bens materiais e imobiliários. 0 REGENTE DA CASA IV NA CASA II Poderíamos dizer que se trata de uma configuração quase esquemática ou ca¬ ricaturesca, astro­ logicamente falan­ do, do proprietário ou do indivíduo que exerce uma ativi­ dade lucrativa no setor imobiliário, da gestão de bens, do notariado ou de uma empresa familiar visto que, como o re­ gente da Casa IV na II, a família pode prever uma fonte de ganhos ou lucros. De fato, tudo acontece como se o in­ divíduo se integrasse em seu meio na­ tural através de seu meio familiar ou de suas origens. 0 REGENTE DA CASA IV NA CASA III As relações que o nativo estabelece em seu meio so­ cial passaram pelo filtro, são definidas ou influenciadas por aquelas que cultivou em seu meio familiar, especial­ mente com seus irmãos, irmãs, primos, primas, tios e tias. Por isso, lhe falta com freqüência o es­ pírito de independência ou tenha de produzir os esquemas vividos em sua infância, reflexos de comportamento e costumes herdados do meio familiar em que esteve inserido durante seus anos de juventude. É portanto, influenciá­ vel e às vezes faltam-lhe convicções pes­ soais. 0 REGENTE DA CASA IV NA CASA IV É uma figura típica no mapa astral de um ser caseiro e sedentário, às ve­ zes mesmo con­ servador, com ten­ dência para viver sempre no medo do amanhã, tentando proteger-se e preservar-se do mundo ex­ terior. Muito ligado a seu meio familiar, a suas origens, a seu país natal, a seu lar, não é um indivíduo muito sociável; é bas­ tante tímido e fechado em si mesmo, exceto, claro, se outros elementos ins­ critos em seu mapa astral demonstra­ rem o contrário. 0 REGENTE DA CASA IV NA CASA V Este nativo encon­ tra quase sempre o amor, e ao mesmo tempo constrói um lar, no contexto de algumas relações em torno de seu meio familiar e, com certeza, em seu país natal, inclusive era sua região natal ou onde viveu durante sua infância. Mui­ tas vezes relaciona todos os prazeres com sua vida familiar e também mostra, na­ turalmente, devoção pelas crianças. Por outro lado, revela quase sempre que seu equilíbrio energético e vital se baseia to­ talmente em uma vida familiar feliz e har­ moniosa, a qual, como podemos supor, pode fazer com que seu equilíbrio resulte precário ou frágil. 0 REGENTE DA CASA IV NA CASA VI O indivíduo pode ter a oportunidade ou vontade de exercer uma ativi­ dade profissional em seu meio fa­ miliar. N o mapa astral de uma mulher, esta configuração é quase sempre a da dona de casa. É de esperar que as condições que o indiví­ duo possui em sua vida diária influen­ ciem bastante seu bem-estar. Por outro lado, o regente da Casa IV na VI indica uma forte herança patológica familiar e muitas possibilidades de ter os mesmos problemas de saúde de seus pais ou ou­ tros antepassados.

0 REGENTE DA CASA IV NA CASA VIII Por razões que nos revelarão outros elementos do seu mapa astral, o in­ divíduo será sem dúvida levado a abandonar de for­ ma repentina sua família e seus pais, sua região natural ou seu lar. Esta configuração indica efetivamente que uma mudança radical, que tem a ver com um destes setores, tem mui­ tas probabilidades de se realizar no fu­ turo. Mas trata-se também da confi­ guração do herdeiro, especialmente no que diz respeito a eventuais bens imo­ biliários familiares.

estão sempre condicionadas pelo con­ texto em que ele viveu sua infância e adolescência. O regente da Casa IV na X encontrase com freqüência no mapa astral do homem ou da mulher que se dedicam à política, ou no daqueles que foram obrigados a seguir uma via determinada por um pai ou uma mãe de forte per­ sonalidade. 0 REGENTE DA CASA IV NA CASA XI O indivíduo que desfruta desta con­ figuração estabe­ lece relações e faz amizades através de seu meio fami­ liar. Também é neste contexto e no de seu lar que en­ contra seu equilíbrio psicológico ou moral. A este respeito, revela-se particular­ mente solidário com os membros de sua família. Neste caso, estes podem ajudá-lo ou dar-lhe apoio moral ou material para a realização de seus projetos ou de suas iniciativas originais. Por outro lado, em seu meio familiar a originalidade quase nunca está ausente. 0 REGENTE DA CASA IV NA CASA XII O indivíduo tende a se isolar no seio de sua família ou do seu lar, a viver como um misan­ tropo ou a refu­ giar-se em seu am­ biente familiar cada vez que é posto à prova ou enfrenta dificuldades. N o en­ tanto, esta configuração também pode revelar um ser que enriqueceu espiri­ tualmente de forma profunda durante sua infância e que conserva nele nu­ merosos recursos interiores, secretos e misteriosos. Este indivíduo tem também a capaci­ dade de se refugiar e de se regenerar a si mesmo.

0 REGENTE DA CASA IV NA CASA IX
Em primeiro lu­ gar, trata-se da tí­ pica configuração que se encontra com muita fre­ qüência no indiví­ duo que, por ra­ zões familiares ou inerentes à situação do seu país de origem, se vê na obrigação de emigrar ou de se isolar; e, quase sem­ pre, com toda sua família. Assim, pode indicar uma situação fa­ miliar aberta ao mundo exterior ou cir­ cunstâncias que levem ao indivíduo em questão a mudar muitas vezes de local de residência, especialmente para o es­ trangeiro. Por último, o seu meio fa­ miliar ou o seu lar podem ser a causa de uma vocação filosófica, docente ou re­ ligiosa. 0 REGENTE DA CASA IV NA CASA X O meio familiar deste indivíduo in­ tervém quase sem­ pre na escolha de sua carreira, bem como em sua evo­ lução. Porém, as opções de vida profissional e social dele

O REGENTE DA CASA IV NA CASA VII É quase sempre no contexto do seu meio familiar ou de suas origens que o indivíduo afetado por esta configu­ ração se inicia ou estabelece laços duradouros. Ou então pode ser que sua família exerça uma im­ portante influência nestes campos. Por isso, casa-se sempre com a intenção de fundar um lar, embora também indique que seu cônjuge provém de uma famí­ lia que representará um papel prepon­ derante em sua vida. Por último, o re­ gente da Casa IV na Casa VII anuncia que o parceiro da pessoa em questão es­ tará muito presente no lar ou que terá uma grande influência desempenhando o papel de chefe de família, quer se trate do mapa astral de um homem ou de uma mulher.

Os regentes das Casas

O regente da Casa V nas Casas
0 REGENTE DA CASA V NA CASA I Além de indicar uma excelente vi­ talidade na pessoa em questão, o re­ gente da Casa V na Casa I é a configu­ ração de um ser de caráter agradável e alegre, muito sensí­ vel a todos os prazeres da vida. Alguém que se faz querer e cujos sentimentos ocupam um lugar muito importante em sua vida, uma vez que prevalecem sem­ pre nele e, de alguma forma, fazem parte do seu aspecto. Também sente amor pelas crianças e, inclusive, pode reve­ lar dotes de educador, possuindo uma certa criatividade e aptidão para o exer­ cício de alguma atividade artística. 0 REGENTE DA CASA V NA CASA II Se interpretarmos de uma forma me­ tódica c esquemá­ tica os significados destas duas Casas, deduziremos que o indivíduo com esta configuração em seu mapa astral exerce uma atividade artística ou cria­ tiva que funciona como uma fonte de lucros ou ganhos, possui vitalidade pro­ dutiva e pode ganhar a vida em todas as áreas relacionadas com a educação, a pedagogia e as crianças. N o entanto, terá tendência para misturar os assuntos de dinheiro ou para tirar proveito de uma atividade relacionada com o lazer e os prazeres. 0 REGENTE DA CASA V NA CASA III O espírito prático da pessoa parece orientado para os prazeres, para as crianças c, certa­ mente, também para o amor. Gos­ ta de evoluir ambientado em relações agradáveis, simpáticas, nas quais reúne um bom ambiente. Pode revelar-se sentimentalmente instável ou, sim­ plesmente, ter uma certa facilidade para iniciar várias relações, baseadas no afeto mútuo e sincero. Esta configu­ ração é, às vezes, a de uma relação pri­ vilegiada com um irmão ou irmã, primo ou prima. Por último, indica também relações amorosas epistolares e um forte gosto pelas histórias e ro­ mances de amor. 0 REGENTE DA CASA V NA CASA IV Em primeiro lu­ gar, é no seio fami­ liar e, mais tarde, no seu lar, que o indivíduo obterá os recursos ener­ géticos e manifes­ tará sua vitalidade. Estará sentimental­ mente muito unido a seus pais e mais tarde a seus filhos. Os laços afetivos pais-filhos, revelados por esta configuração, às vezes são tão essenciais que vemos quase sempre uma psicossomatização imediata do indiví­ duo em questão, a partir do momento em que sofre a mínima frustração ou que é vítima da menor decepção neste campo. Por outro lado, pode demons­ trar também uma certa criatividade em todas as áreas domésticas: decoração, ar­ quitetura, etc. 0 REGENTE DA CASA V NA CASA V Nesta configura­ ção, todas as quali­ dades próprias da Casa V se vêem re­ forçadas, repisadas e, às vezes mesmo exageradas. Assim, o amor corre o risco de ser uma con­ dição sine qua non na vida do indivíduo, o qual não pode viver sem amar nem sem ser amado. Para tal, sua entrega pode não tem limites. Mas é possessivo e exigente. Ou então, seu amor pelos filhos passa à frente de tudo e assume um caráter de exclusividade. Também se revela um pouco egocêntrico, devido a estar muito absorvido pelos prazeres e alegrias da vida, dos quais nunca se priva. 0 REGENTE DA CASA V NA CASA VI O indivíduo em questão vive o amor pelo dia-adia, a não ser que o amor, o trabalho, suas atividades e suas ocupações co­ tidianas não tenham uma causa comum ou formem um bloqueio em sua vida. Em tal caso, por amor e dedicação, pode estar ao serviço da pessoa que ama e va-

valoriza. Mas precisa sempre de uma atividade artística, o que suporá um motivação. Também pode se revelar golpe de sorte cm seu destino. muito criativo, tanto na vida cotidiana 0 REGENTE DA CASA V como no trabalho. No entanto, pode ser NA CASA IX levado a exercer uma atividade em que esteja em contato com as crianças. Na A experiência sen­ área do bem-estar e da saúde, que se as­ timental e as rela­ socia à Casa VI, é possível que o indi­ ções amorosas do víduo cometa excessos, provocados pe­ indivíduo levamlos prazeres e alegrias da vida. Estes no freqüentemen­ excessos podem ser a causa de distúr­ te a ampliar seus bios e mal-estar. horizontes sociais, geográficos e intelectuais. Ama ou é 0 REGENTE DA CASA V amado por um estrangeiro ou por um NA CASA VII ser de condição social mais elevada que - É fácil deduzir que a sua, intelectualmente brilhante on pro­ tal configuração é eminente. Também poderá ter interesse a do casamento pe­ ou dedicar-se a atividades de lazer rela­ lo amor. Pelo me­ cionadas com viagens, estudos, ou com nos, é freqüente­ uma comunidade religiosa, científica ou filosófica. Por último, esta configuração mente significativa neste sentido. Mas é às vezes a de uma criança nascida no também significa bom augúrio para estrangeiro ou a de uma adoção. tudo que se refira a contratos, acordos, associações e colaborações em todas as 0 REGENTE DA CASA V áreas da vida. N o entanto, pode tornar NA CASA X o indivíduo demasiado dependente de Apenas uma ativi­ dade artística ou a seu companheiro on dos outros no que diz respeito aos prazeres e alegria da exploração de um vida. dom, de um talen­ to ou de uma for­ ma de expressão 0 REGENTE DA CASA V original permitirão NA CASA VIII ao indivíduo com esta configuração ad­ Quase sempre diz respeito à configu­ quirir uma independência social e con­ seguir um certo êxito. Se assim não for, ração do ímpeto irreprimível do tudo indica que isso só será possível atra­ amor, mas tam­ vés da experiência sentimental ou con­ bém da rejeição dicionado por sua vida amorosa. Mas, categórica, defini­ sendo assim será sempre de forma in­ tiva c, por outro lado, impulsiva. O in­ completa. divíduo ama repentinamente e acaba tudo da mesma maneira, muitas vezes 0 REGENTE DA CASA V NA CASA XI pelas mesmas razões. N o entanto, tam­ Pela mesma razão bém existe o risco de se transformar no escravo ou na vítima de uma relação. de ambas as Casas serem opostas no A não ser que as circunstâncias obri­ Zodíaco e no ma­ guem a pessoa em questão a afastar-se, a desligar-se ou a ver-se separada do ser pa astral, existe o amado. Dadas determinadas caracterís­ risco de uma certa ticas próprias desta Casa, podemos con­ antinomia entre a siderar que a vida sentimental do indi­ posição deste astro e a Casa que rege. víduo será objeto de uma herança ou de De fato, parece que o equilíbrio psico­

lógico e moral do indivíduo em questão depende totalmente dos seus sentimentos e relações amorosas. As­ sim, à mínima desorganização nesta campo, seu equilíbrio pode ser pertur­ bado ou posto em causa. N o entanto, é uma excelente configuração para tu­ do que diz respeito às relações com as crianças. O indivíduo pode mostrar um excepcional talento como educa­ dor. N o entanto, o ser cm questão po­ de não conseguir diferenciar seus amo­ res de suas amizades, pode cultivar amizades amorosas ou encontrar o amor em seu círculo de relações ou de amigos. 0 REGENTE DA CASA V NA CASA XII É a configuração típica dos amores secretos e ocultos, da vida amorosa dupla, dos conta­ tos. O indivíduo em questão tanto pode entregar-se aos prazeres proibidos, como colocar seu equilíbrio vital em pe­ rigo. Mas, às vezes, trata-se simples­ mente de uma forte tendência do ser em questão para sublimar seus senti­ mentos ou aspirar viver amores fora do comum. Por último, acontece que a Casa V na XII revela que o indivíduo é uma criança peculiar ou que será a mãe ou o pai de uma criança peculiar.

Os regentes das Casas

O regente da Casa VI nas Casas
0 REGENTE DA CASA VI NA CASA I O indivíduo afeta­ do por esta confi­ guração tende a vi­ ver em um meio fechado. Pode sen­ tir-se realizado no contexto de suas atividades habituais, em um meio profis­ sional que dá segurança, preferentemen­ te sempre o mesmo, pois gosta da ro­ tina, da monotonia, fazer favores ou sentir-se útil. Não conhece o ato gra­ tuito. E, com freqüência, perfeccionista e às vezes cria para si mesmo obrigações de tanto querer mostrar-se irrepreensí­ vel ante os demais. Evidentemente, pre­ ocupa-se muito com seu bem-estar e sua saúde. Pode atuar em um contexto re­ lacionado com a medicina. 0 REGENTE DA CASA VI NA CASA II Certamente, o in­ divíduo obterá lu­ cros financeiros e benefícios, exclusi­ vamente através de seu trabalho. O di­ tado segundo o qual quem semeia colhe é ideal para ele. Mas tampouco faz algo por nada. A ne­ cessidade de sentir-se seguro é uma necessidade vital. Todas as atividades re­ lacionadas com o bem-estar e a saúde podem ser para ele uma fonte de van­ tagens nada desprezíveis. N o entanto, também existe a possibilidade de que seus recursos se vejam interrompidos por uma razão de saúde. 0 REGENTE DA CASA VI NA CASA III O indivíduo tem muito apego a seus costumes. Às vezes, nem le­ vanta a possibili­ dade de evoluir em outro meio que não seja o seu. Pode ver-se levado a exer­ cer atividades com alguns de seus mais próximos, ou então trabalhará em um âmbito relacionado com a Casa III: co­ municação, publicação, ensino, etc. Também pode sentir-se atraído pelos es­ tudos de medicina. N o entanto, quase sempre demonstra certa estreiteza de visões, embora possua um excelente es­ pírito prático. E propenso a fraquezas pulmonares e ao cansaço mental. 0 REGENTE DA CASA VI NA CASA IV O indivíduo ne­ cessita viver dentro de um contexto seguro e sadio, mas com freqüên­ cia sente-se fe­ chado em seu lar ou no seio de sua família. Parece que sua vida cotidiana se reduz a preocupar-se e ocupar-se de sua residência e de sua fa­ mília. E serviçal e caseiro, ou então deixa-se absorver totalmente pelas ta­ refas do lar. N o entanto, esta configu­ ração é também a das pessoas que exer­ cem uma atividade em seu domicílio ou no âmbito relativo à Casa IV: arquite­ tura, decoração de interiores e todos os trabalhos relacionados com o habitat. 0 REGENTE DA CASA VI NA CASA V Podemos afirmar em concreto que a vida cotidiana da pessoa em questão está dedicada aos amores, às crianças ou a uma atitude criativa que sabe aproveitar em qualquer atividade artística, revelada por outros elementos inscritos no mapa astral. Também se trata da configuração da pes­ soa que exerce uma atividade relacio­ nada com o lazer e os prazeres. No en­ tanto, o tom vital do indivíduo em questão é cada vez mais restringido ou limitado, e os excessos são imediata­ mente prejudiciais para seu bem-estar e sua saúde. 0 REGENTE DA CASA VI NA CASA VI O indivíduo dá uma importância capital à sua vida cotidiana. Possui quase sem­ pre um agudo sen­ tido dos detalhes e da organização. Porém, curiosamente, este comportamento se deve muitas vezes a uma insatisfação profunda ou a excessos escondidos, seguramente reve­ lados por outros elementos inscritos cm seu mapa astral. Então, atua como se se reprimisse de tudo, por medo de deixarse lançar, porque duvida de si mesmo e de tudo. Assim é como pode chegar a so­ frer mal-estares ou sintomas crônicos que desaparecerão de um só golpe.

^ ^

O REGENTE DA CASA VI NA CASA VII O indivíduo jamais exerce uma ativi­ dade na qual não se relaciona estreita e constantemente com outras pes­ soas, às quais pode ser útil, com as quais tem afinidades ou com as que se envolveu. Tem a neces­ sidade de ser útil, de ajudar aos demais, mas também de sentir-se apoiado por eles em tudo que faz. Às vezes, tratase de alguém que trabalha com seu côn­ juge ou cujas atividades estão ao serviço da comunidade ou de uma associação. Também pode ser que se alie com um ser que não forme parte de seu meio so­ cial. Finalmente goza com freqüência de um bom equilíbrio vital.

0 REGENTE DA CASA VI NA CASA VIII É a típica configu­ ração da indivíduo que herda uma si­ tuação ou um tra­ balho. N o entan­ to, já observamos do mesmo modo que deixa pressagiar certa ambigüidade nas atividades. Suas ocupações podem ser também das que convertem os seres em pessoas excluídas ou marginais. Em todo caso, há sempre um certo incon­ formismo no exercício de seu trabalho. N o plano do bem-estar e da saúde, o in­ divíduo em questão se beneficia de al­ guns recursos vitais misteriosos e de grande riqueza, porém pode tender a abusar deles. 0 REGENTE DA CASA VI NA CASA IX Sem nenhuma dúvida, em alguns dos I âmbitos relativos à Casa IX é onde o ! indivíduo exercerá ! sua atividade: viagens, estudos, co­ mércio internacional, etc. Da mesma forma, não serão raros os empregos re­ lacionados com o estrangeiro. Mas, por outro lado, o ser em questão aspira quase sempre a ampliar o horizonte de sua vida cotidiana, a mudar seus costumes, in­ clusive a não viver a rotina dos demais. Pode viajar por causa de seu trabalho, porém pode ser que o faça também por motivos de saúde, embora normalmente goze de um bem-estar sadio c natural. 0 REGENTE DA CASA VI NA CASA X Evidentemente, graças a seu tra­ balho e às ativida­ des que exerce na vida cotidiana, o indivíduo afetado por esta configu­ ração alcança certa independência ou obtém um sucesso social e profissional

em seu setor. Suas qualidades profis­ sionais quase sempre são apreciadas e reconhecidas. No entanto, existe o risco de que sua ascensão se veja freada de­ vido à sua saúde. Ou então de que seu sucesso se veja limitado pelo contexto no qual trabalha, em cujo caso sempre sentirá certa insatisfação. 0 REGENTE DA CASA VI NA CASA XI Esta configuração, generalmente de bom augúrio, in­ dica que a pessoa em questão goza de uma saúde har­ moniosa ou de um bom equilíbrio vital. Por outro lado, o indivíduo em questão entabula quase sempre boas relações e faz amigos no contexto de suas ativi­ dades cotidianas e habituais. Seus projetos, relacionados com suas ocupações, têm todas as possibilidades de realizar-se. Devemos dizer que na maioria das vezes mostra-se muito seletivo, tanto na escolha de suas relações e seus ami­ gos como na dos projetos aos quais se dedica. 0 REGENTE DA CASA VI NA CASA XII Com esta configu­ ração, não lhe fal­ tarão as adversida­ des no referente à saúde. N o entanto, te­ mos que matizar sempre esta interpretação, tendo em conta que, por um lado, o indivíduo em questão tende a sublimá-las ou a superálas e, sobretudo, por outro lado, que está naturalmente chamado a sair do con­ texto que a Casa VI impõe: vida coti­ diana, trabalho, saúde. Por isso, pode escolher, dedicar-se a uma atividade que sai do comum, que lhe levará talvez ao isolamento, mas que ao mesmo tempo também pode lhe trazer numerosas sa­ tisfações.

Os regentes das Casas

O regente da Casa VII nas Casas
0 REGENTE DA CASA VII NA CASA I
Tudo que tem a ver com o âmbito das associações, dos acordos, dos contratos, etc, de­ sempenha um pa­ pel predominante na vida do indivíduo. Podemos mesmo considerar que uma união será uma condição sine qua non em sua existência; mas, ao mesmo tempo, se mostrará muito dependente do seu companheiro e não poderá fazer nada sem a colabo­ ração, o acordo ou a aprovação dos ou­ tros. Necessita quase sempre fazer parte de uma comunidade, na qual se inte­ gre harmoniosamente ou com a qual se identifique. 0 REGENTE DA CASA VII NA CASA III É em seu meio social ou entre al­ guns de seus pa­ rentes que o in­ divíduo com esta configuração em seu mapa astral faz alianças e se associa com outros. Escolhe quase sempre um companheiro do mesmo meio que ele. Sua inteligência prática é muito hábil na elaboração de contratos e acordos baseados em inte­ resses mútuos. Suas relações com os ou­ tros são quase sempre agradáveis e pri­ vilegiadas, mas normalmente tende a seguir os mesmos modelos de atitude, idéias e convicções que os do seu pró­ prio meio. 0 REGENTE DA CASA VII NA CASA V É uma das confi­ gurações típicas da união que se baseia em pro­ fundos c recípro­ cos sentimentos ou, simplesmen­ te, diz respeito a um casamento por amor. Podemos estar quase certos de que desta união nascerão um ou dois filhos, e isso terá muita impor­ tância na vida do nativo com esta configuração em seu mapa astral. Mas, por outro lado, esta combina­ ção revela contratos, acordos, asso­ ciações possíveis para o indivíduo em questão em todos os âmbitos reservados ao lazer e aos prazeres.

0 REGENTE DA CASA VII NA CASA II O ser em questão integra-se em seu meio natural e pro­ duz suas próprias riquezas através da associação. Os lu­ cros, receitas e fru­ tos de suas atividades pessoais depen­ dem do contexto em que ele evolui, dos outros e de suas associações ou contra­ tos. Pode também não possuir autono­ mia financeira ou então depender to­ talmente de seu companheiro neste âmbito ou, mais ainda, realizar uma união interesseira.

0 REGENTE DA CASA VII NA CASA IV Se compreender­ mos esta combina­ ção de forma bá­ sica, deduziremos que a pessoa em questão se alia com sua família. De fa­ to, associa-se muitas vezes com mem­ bros de sua família, inclusive une-se com uma pessoa que se movimenta em seu contexto familiar ou entra cm uma grande família devido ao seu casamento. Pode também existir um acordo fami­ liar importante relacionado com bens imobiliários ou uma herança importante.

0 REGENTE DA CASA VII NA CASA VI É raro que o indi­ víduo não encontre uma oportunidade de associar-se no âmbito de suas ati­ vidades ou ocupa­ ções habituais. Por outro lado, não considera a possibilidade de trabalhar sem antes ter firmado um contrato regulamentar. Também poderá unir-se a alguém de condição ou meio social inferiores ao seu. É solícito, mas tende a precisar demasiado dos outros em sua vida diária para nunca poder ficar sozinho.

O REGENTE DA CASA VII NA CASA VII Neste caso, a im­ portância do papel que desempenham a união e a asso­ ciação na vida do nativo vê-se re­ forçada. Não con­ cebe sua vida sem partilhá-la com al­ guém em particular, sem estar em relação constante com os outros em geral. Poderíamos dizer que precisa dos demais para poder ser ele mesmo. Por isso falta-lhe quase sempre livre arbí­ trio, é influenciável e não suporta as si­ tuações de crise e de ruptura. O que não impede que seja bastante equilibrado. 0 REGENTE DA CASA VII NA CASA VIII A longo prazo, esta configuração ad­ verte do final de uma união, de uma associação ou de um contrato, muitas vezes de­ vido a circunstâncias alheias, mais do que por vontade do nativo... a menos que ele próprio decida romper de re­ pente, ou que ache útil para seu desen­ volvimento pessoal não depender mais de ninguém. Pode ser também que o in­ divíduo cm questão tenha um com­ panheiro com uma situação financeira acomodada, da qual se aproveitará.

0 REGENTE DA CASA VII NA CASA IX Todos os âmbitos relacionados com a união e associação estão relacionados com o distante ou o estrangeiro. Por isso, este nativo pode ter a oportunidade de se unir a um companheiro de um país diferente do seu, ou que seja intelectual ou social­ mente brilhante. Suas escolhas neste ter­ reno poderão também ser guiadas por critérios filosóficos ou religiosos. Por úl­ timo, poderá firmar contratos impor­ tantes com o estrangeiro, em especial re­ ferente a suas atividades profissionais. 0 REGENTE DA CASA VII NA CASA X Paradoxalmente, através da união ou da associação, o indivíduo em questão consegue obter a indepen­ dência em sua vida social e, pelo menos, em sua vida pro­ fissional. Por outro lado, um contrato ou um acordo importante podem supor para ele a origem de um êxito pessoal ou de um triunfo. Por último, seu com­ panheiro e seu meio social podem potenciar sua carreira profissional, sua ascensão, o cumprimento de suas am­ bições e metas.

0 REGENTE DA CASA VII NA CASA XI Esta configuração revela em primei­ ro lugar que, qual­ quer que seja o setor das suas ati­ vidades, o indiví­ duo terá tendência para se associar com os seus amigos para empreender e fazer o que deseja ou para favorecer a materialização dos seus pro­ jetos através das suas relações. Sociá­ vel, comunicativo, solidário, nunca pode fazer nada sem a participação dos outros. É possível que se una a algum dos seus amigos ou que se case com uma pes­ soa que de seu círculo de relações. 0 REGENTE DA CASA VII NA CASA XII Esta configuração revela muitas ve­ zes uma união oculta ou fora do vulgar, ou acordos e contratos miste­ riosos. Por outro lado, destaca o fato de que, quaisquer que sejam as adversidades ou dificul­ dades do nativo, gozará sempre da ajuda providencial do próximo ou de seu companheiro. Nunca estará sozinho. Poderá também associar-se a um ser misterioso, inconformista, com o qual se enriquecerá tanto intelectual como espiritualmente.

Os regentes das Casas

O regente da Casa VIII nas Casas
0 REGENTE DA CASA VIII NA CASA I N o indivíduo com esta configuração no mapa astral, o desejo de cortar com seu meio na­ tural, de romper, de viver em condições totalmente diferentes daquelas que pode conhecer ou que lhe ensinaram, é uma constante de sua personalidade. Seu ins­ tinto de vida e de morte é muito forte. Seu poder de regeneração não é menos poderoso. Além disso, quase sempre possui a arte de se encontrar em cir­ cunstâncias que lhe permitirão herdar uma situação para a qual não parecia, no entanto, estar predestinado. 0 REGENTE DA CASA VIII NA CASA II É freqüente acon­ tecer que o indiví­ duo cujo mapa as­ tral apresenta esta configuração tenha que se confrontar com uma dualida­ de constante e uma atitude totalmente ambígua nas suas relações com os bens, posses e dinheiro. De fato, pode mos­ trar-se ávido neste terreno, tentando aproveitar-se dos outros e de todas as ocasiões que se lhe oferecem. Mas da mesma forma, é totalmente possível que se revele apto para sacrificar todos os seus bens, para se desligar deles, para viver sem rendimentos nem lucros. N o entanto, quase sempre predomina seu instinto de sobrevivência. 0 REGENTE DA CASA VIII NA CASA III É a configuração típica do indivíduo que se nega a pen­ sar como todas as pessoas, que tende a rejeitar ou a pro­ testar contra as idéias dos outros, especialmente as do seu meio social, ou a desligar-se delas para adotar ou herdar convicções ori­ ginais e inconformistas. Por outro lado, pode sentir-se atraído pela investigação, pela busca, pelas experiências. Seu espírito prático é dominado pelo instinto e suas relações com seu meio social são também muito instintivas. No entanto, sua curiosidade, sempre insa­ tisfeita, pode ser a causa de uma dis­ persão de suas faculdades mentais. 0 REGENTE DA CASA VIII NA CASA IV Quando o regente da Casa VIII se en­ contra na Casa do lar e da família no mapa astral, o in­ divíduo tem ten­ dência para se de­ marcar ou para cortar com seu meio familiar ou de origem. Porém pode tam­ bém ter vontade de ser seu centro e exercer um poder sutil ou uma in­ fluência absoluta. N o entanto, qualquer que seja sua atitude face ao lar, devemos destacar o fato de que necessita dele de forma visceral, visto que em seu seio é onde quase sempre regenera e encontra recursos para se repor na vida. 0 REGENTE DA CASA VIII NA CASA V O indivíduo afeta­ do por esta confi­ guração distinguese quase sempre por possuir uma intensa criativida­ de, estimulada por uma viva curiosidade e uma necessidade visceral de produzir qualquer coisa de novo, nunca visto ou mostrado. Por outro lado, desfruta de uma intensa vi­ talidade também repleta de recursos e reforçada por uma capacidade regene­ rativa surpreendente. N o amor, vive freqüentemente relações que saem fora do comum e que têm al­ go de desafio ou de inconformismo. As relações com seus filhos são passionais. 0 REGENTE DA CASA VIII NA CASA VI Este regente pre­ sente nesta Casa revela um indiví­ duo particular­ mente dotado para gozar intensamen­ te a vida cotidiana. N o entanto, integra-se sempre na vida de todos os dias com uma mistura de instinto e de desapego que freqüente­ mente o incita a viver de maneira in­ conformista. Aprecia ainda os trabalhos marginais ou que saem do vulgar. Tem uma concepção totalmente pessoal e original de bem-estar. Em caso de ter problemas de saúde, mesmo graves, pode curar-se de forma espetacular e contra todas as expectativas.

w

O REGENTE DA CASA VIII NA CASA VII A pessoa afetada por esta configura­ ção tenta dominar seu companheiro, exercer uma in­ fluência sutil no próximo, talvez porque, a priori, se sente apta para se des­ ligar dos outros, do seu ambiente, assim como das suas relações exteriores. Por outro lado, não é raro que a longo prazo corte ou rompa de repente todos os laços ou uniões anteriores. Por isso não é muito construtiva em suas associações ou na união sentimental. 0 REGENTE DA CASA VIII NA CASA VIII Nesta configura­ ção, este regente está evidentemen­ te em si mesmo. Por isso, todos os significados reve­ lados pelo astro em questão, presente nesta Casa, em função do signo que ocupa e dos aspec­ tos que forma com os restantes astros, vêem-se reforçados por esta posição. Predominam, no indivíduo afetado, as noções de desapego, instinto de vida e de morte e de capacidade de rege­ neração, de intensos recursos psíquicos.

0 REGENTE DA CASA VIII NA CASA IX O indivíduo tem tendência para ir além de seus limi­ tes do saber, do conhecimento ou das crenças que suscitam seu má­ ximo interesse. Pode comportar-se da mesma forma tanto com as fronteiras geográficas, como com as regras sociais. Deste modo, chega mesmo a manifes­ tar um espírito rebelde, provocador ori­ ginal ou fanático, ou a manter con­ vicções inconformistas. 0 REGENTE DA CASA VIII NA CASA X Diz-se várias vezes que esta configu­ ração é típica do indivíduo que her­ da uma certa po­ sição ou uma si­ tuação social de primeiro plano ou de prestígio. Isto pode acontecer especialmente nos in­ divíduos que escolhem ter uma ativi­ dade pública ou desempenhar um papel social. Mas também pode revelar a re­ jeição de toda a normalidade na vida so­ cial e profissional, um profundo desa­ pego pelo respeito ou, pelo contrário, uma ambição desproporcionada.

0 REGENTE DA CASA VIII NA CASA XI O indivíduo aspira a cultivar relações estimulantes, enri­ quecedoras, que saem fora do co­ mum, às vezes mesmo marginais. Porém, por outro lado, esta configu­ ração indica que seu equilíbrio psico­ lógico e moral pode ser transtornado por tensões psíquicas, uma curiosidade insaciável e uma tendência para ter ex­ periências perigosas. 0 REGENTE DA CASA VIII NA CASA XII Esta se trata de uma configuração às vezes inquie­ tante e misteriosa. De fato, o indiví­ duo em questão experimenta uma tal necessidade visceral de se regene­ rar que, freqüentemente, sem estar consciente plenamente disso, ele mesmo provoca crises, rupturas, às vezes mesmo dramas em sua vida, para demonstrar que é capaz de vencê-los, de ultrapassá-los c de se superar a si mesmo. Além disso, tudo que tem a ver com o mundo dos mistérios e dos se­ gredos fascina-o e enfeitiça-o.

Os regentes das Casas

O regente da Casa IX nas Casas
0 REGENTE DA CASA IX NA CASA I De uma maneira ou de outra, o in­ divíduo com esta configuração aspira ampliar seus hori­ zontes intelectual, social ou geográfico e dedica seus esforços para isso. Para fazê-lo, empregará os meios indicados pelas características do astro que rege a Casa IX do seu mapa astral e que se en­ contra perto do ascendente. Quanto a isso, devemos precisar que, quanto mais próximo este astro está do ascendente, mais é fundamental o que revela neste sentido, tanto no comportamento como no destino do ser afetado. 0 REGENTE DA CASA IX NA CASA II É sobretudo no campo dos seus lu­ cros, dos bens que adquire graças ao seu trabalho e aos seus esforços, que o indivíduo afetado por esta configuração aspira uma ex­ pansão. Na prática, às vezes indica re­ cursos que provêm do estrangeiro. Ou­ tras vezes, trata-se de uma vontade do ser em questão de se integrar no seu meio natural, ampliando-o de forma geográfica, intelectual ou material. A ori­ gem dos seus lucros pessoais poderão ser uns estudos de alto nível, o domínio de um saber ou de uma ciência. 0 REGENTE DA CASA IX NA CASA III A presença do re­ gente da Casa IX nesta Casa equi­ vale à união entre o espírito prático, revelado pela Casa III, e o espírito su­ perior da Casa IX. Por isso, podemos deduzir que o indivíduo em questão tenta encontrar aplicações práticas e téc­ nicas de um saber, de uma ciência, in­ clusive de uma ideologia ou religião. Pode se revelar um excelente pedagogo. Além disso, também pode conviver com ou rodear-se de estrangeiros no seu meio social habitual. 0 REGENTE DA CASA IX NA CASA IV O nativo com esta configuração ma­ nifesta quase sem­ pre uma ambição no seu contexto familiar ou então, para além do fato de às vezes esta configuração ser sim­ plesmente a daquele indivíduo, cujo lar e família estão no estrangeiro, as­ pira viver em condições amplas, ge­ nerosas, abertas à vida e ao mundo. Por outro lado, às vezes, ele mesmo viveu em um meio familiar original onde dominavam a inteligência e a cul­ tura. Por último, este regente nesta Casa indica também um habitat em constante expansão. 0 REGENTE DA CASA IX NA CASA V Tanto na sua vida amorosa como nas relações com os seus filhos, se é que os tem, o in­ divíduo em ques­ tão mostra-se am­ bicioso e expansivo. Aspira assim amar ou ser amado por uma pessoa que é su­ perior a ele, intelectual ou espiritual­ mente, ou simplesmente por um es­ trangeiro. Também pode ter um ou dois filhos brilhantes ou que ele os levará a ser. Por último, gosta das viagens, das explorações, das descobertas e das aven­ turas. 0 REGENTE DA CASA IX NA CASA VI O indivíduo em questão aspira aci­ ma de tudo am­ pliar os seus hori­ zontes para além da vida cotidiana. Tal como podemos imaginar, nem sempre é fácil conseguilo. A menos que exerça uma atividade que lhe dê a oportunidade de viajar ou de mudar de cidade ou de país com fre­ qüência ou então que esteja, direta ou indiretamente, relacionada com o estrangeiro. Caso contrário, quase sempre vive com o sentimento de se encontrar cm condições restritas e li­ mitadas, mal adaptadas às suas próprias aspirações.

È 5

O REGENTE DA CASA IX NA CASA VII Mais uma vez, se levarmos esta configuração ao pé da letra, estamos quase sempre pe­ rante a união ou a associação com o estrangeiro. O indivíduo em questão poderá, portanto, escolher um com­ panheiro estrangeiro ou de um meio so­ cial ou cultural mais elevado que o seu ou que se revelará brilhante intelectual ou espiritualmente. Também pode che­ gar a aliar-se a estrangeiros, assinando contratos com países distantes.

-^

0 REGENTE DA CASA IX NA CASA IX De forma talvez mais flagrante na configuração do regente IX na Casa I, o indivíduo em questão dedica-se a ampliar os seus horizontes intelectual, social ou geo­ gráfico. Tem grandes objetivos, idéias ambiciosas e elevadas, aspirações filo­ sóficas ou humanitaristas que não finge. Quer sempre chegar mais longe e, mui­ tas vezes, consegue-o. 0 REGENTE DA CASA IX NA CASA X O indivíduo afe­ tado por esta con­ figuração mostra com freqüência grandes ambições quanto à sua as­ cenção social. Quer que o êxito lhe dê a oportunidade de ampliar os seus horizontes, de sair do seu contexto, de aceder à sua inde­ pendência para viver em condições mais amplas e vastas, quase sempre mais ricas em possibilidades do que as conheceu na infância. Olha alto c longe e não pára até alcançar o objetivo. O seu êxito tanto pode estar no campo das ciências e do conhecimento como no da diplomacia ou da política.

0 REGENTE DA CASA IX NA CASA XI O indivíduo que tem esta configu­ ração no seu mapa astral tem grandes ilusões. Além dis­ so, sonha alto e possui grandes projetos. Para saber se irá realizá-los ou obter meios para desenvolvê-los, de­ penderá da natureza deste regente c da sua situação no mapa astral. Por outro lado, muitas vezes deseja evoluir em um círculo social ou de amizades intelec­ tual ou espiritualmente elevado ou bri­ lhante. 0 REGENTE DA CASA IX NA CASA XII O ser cujo regente da Casa IX se en­ contra na Casa XII do seu mapa astral deseja, acima de tudo, ampliar os seus horizontes no âmbito espiritual ou artístico, aprofun­ dar nas idéias ou no conhecimento. É quase sempre a configuração de quem viaja mentalmente, mas que às vezes vai muito mais longe e chega a uma pro­ fundidade maior que qualquer um. Também se trata de um exílio volun­ tário ou escolhido para se consagrar a um ideal, a uma obra ou a uma vocação.

0 REGENTE DA CASA IX NA CASA VIII O indivíduo com esta configuração no mapa astral se distingue muitas vezes pelo seu espí­ rito inconformista, pelas suas idéias às vezes revolucionárias ou por uma cren­ ça, uma ideologia, que pode ser perigosa. De fato, pode ter tendência para pôr em dúvida grandes princípios ou então para aproveitar os seus conhecimentos ou o seu saber para se separar do seu meio na­ tural, até mesmo romper com ele. Por outro lado, pode ir para muito longe sem nunca mais voltar.

Os regentes das Casas

O regente da Casa X nas Casas
0 REGENTE DA CASA X NA CASA I Para adquirir a sua independência ou poder triunfar so­ cial e profissio­ nalmente, o indi­ víduo afetado por esta configuração sabe que só deve — ou só quer, depen­ dendo do caso — contar consigo mes­ mo. Portanto, somente graças às suas qualidades pessoais, competências, mé­ ritos e à sua capacidade de se colocar à frente ou de se afirmar, conseguirá atin­ gir os seus objetivos. Não irá se en­ contrar enquanto não tiver obtido um certo reconhecimento social e profis­ sional. 0 REGENTE DA CASA X NA CASA II Para o indivíduo que tem esta con­ figuração no seu mapa astral, não há independência sem êxito social e finan­ ceiro em jogo. Quase sempre atinge os seus objetivos aproveitando as possibilidades que lhe são oferecidas através do seu meio na­ tural. Os lucros que acaba de adquirir lhe valem um certo reconhecimento e o colocam em uma situação de primeiro plano. Por outro lado, é muito sensí­ vel à estima ou à admiração que possa suscitar.

0 REGENTE DA CASA X NA CASA III
O meio social do indivíduo afetado por esta configu­ ração exerce uma grande influência social e profissio­ nal. Quase sem­ pre isto o torna duvidoso, não sabe que partido tomar, que caminho seguir para se orientar e triunfar. Depende muito das idéias, da opinião, do juízo dos outros e no que se refere a ele, que condicionam as suas escolhas e de­ cisões. N o entanto, pode ter um êxito brilhante em todas as profissões rela­ cionadas à comunicação e ao in­ tercâmbio. 0 REGENTE DA CASA X NA CASA IV O indivíduo afe­ tado por esta con­ figuração não che­ ga a atingir uma total independên­ cia social e profis­ sional, pois para o fazer, necessita sempre que o apóiem, que o rodeiem, que o aprovem e o consolem. Seu meio familiar exerce uma grande influência e um certo domínio sobre ele. Só poderá triunfar neste contexto ou no do seu patrimônio, do seu país ou da sua pátria. Por isso, às vezes en­ volve-se com a política.

0 REGENTE DA CASA X NA CASA V Nesta configura­ ção, o indivíduo em questão não consegue adquirir a sua independên­ cia social sem ser amado ou admi­ rado incondicionalmente. Quer obter a unanimidade. Quase sempre tem êxito nos campos relacionados com os prazeres, lazer, artes, decoração e, às vezes, ate mesmo a infância. A menos que o amor se converta no motor do seu êxito, este será frágil, in­ certo e aleatório durante toda a sua vida. 0 REGENTE DA CASA X NA CASA VI É evidente que, com esta configu­ ração no mapa as­ tral, o ser em ques­ tão adquire a sua autonomia e con­ segue um certo êxito social e profissional somente com o seu trabalho. Sendo assim, os seus triunfos são obtidos de forma laboriosa, mas quase sempre revelam-se dura­ douros e merecidos. Contudo, às vezes sente-se subestimado ou infravalorizado pelas tarefas que desempenha ou sente que trabalha em um meio fechado, que não lhe permite triunfar plenamente.

O REGENTE DA CASA X NA CASA VII Para triunfar social e também profis­ sionalmente, o in­ divíduo afetado por esta configu­ ração necessita de se associar. Por este motivo, nunca consegue adquirir uma independência total, visto que necessita de uma participação e da colaboração dos outros o de se ligar a eles para subir cada um dos degraus. Às vezes, uma aliança ou um casamento desempenham um papel muito importante na sua car­ reira profissional. Pode também pertencer a uma hierarquia. 0 REGENTE DA CASA X NA CASA VIII Trata-se de uma configuração mui­ to estranha que in­ dica que, de forma consciente ou não, a pessoa em ques­ tão tem tendência para destruir as suas próprias perspec­ tivas ou as suas oportunidades de êxito social ou profissional. As vezes coloca o pé em falso neste campo em uma si­ tuação de rejeição. É como se quisesse adquirir a sua independência cm função de outros critérios diferentes dos ad­ mitidos por todos e, cm conseqüência, de forma inconformista.

0 REGENTE DA CASA X NA CASA IX Para triunfar tanto no aspecto social quanto no profis­ sional, ou adquirir a sua independên­ cia, o indivíduo em questão sai dos ca­ minhos habituais e amplia os seus ho­ rizontes intelectual, social ou geográfico. Pode ter êxito no estrangeiro, triunfar em uma missão delicada, humanitária, diplomática ou religiosa, revelar-se bri­ lhante em uma carreira universitária, li­ terária ou científica. Também pode es­ colher um caminho dedicado à evasão ou à exploração em todas as suas formas. 0 REGENTE DA CASA X NA CASA X Quando o regente da Casa X está na sua própria Casa no mapa astral, indica que o indi­ víduo afetado por esta configuração adquire a sua independência com muita facilidade. Pode-se dizer que cai pelo seu próprio peso. Quase sempre terá êxito social e pro­ fissional no seu setor. Também obtém sucesso merecido com naturalidade, aparentemente sem es­ forço, mas nem sempre é assim.

0 REGENTE DA CASA X NA CASA XI É quase sempre devido aos seus amigos, ao apoio do seu círculo de amizades e, às ve­ zes, favores de personalidades in­ fluentes bem situadas, que o ser em questão alcança a sua independência e consegue um êxito social e profissional. Poderíamos dizer que se trata da con­ figuração típica do acomodado, o que não exclui, por outro lado, as qualida­ des e os méritos do ser em questão, que certamente serão revelados por outros elementos do mapa astral. 0 REGENTE DA CASA X NA CASA XII O indivíduo afe­ tado por esta con­ figuração quase sempre adquire a sua independência ou obtém um êxito social e pro­ fissional fazendo uma obra útil, com de­ dicação e abnegação ou através de meios estranhos e misteriosos ou exercendo trabalhos secretos. Porém, com fre­ qüência obtém um reconhecimento tar­ dio ou até póstumo, das suas qualida­ des e méritos. De fato, durante a sua vida, não tem tendência para perseguir o êxito.

Os regentes das Casas

O regente da Casa XI nas Casas
0 REGENTE DA CASA XI NA CASA I O indivíduo afe­ tado por esta con­ figuração tenta, acima de tudo. distinguir-se dos seus semelhantes, singularizar-se. Adota um comportamento original e pontos de vista que fogem ao habitual. Vive muito nos projetos, mas experi­ menta grandes dificuldades para realizálos sozinho, sem a ajuda ou participação dos outros. De caráter simpático e muito sociável, possui a arte de fazer amigos, de se adaptar às circunstâncias e apro­ veitar todas as oportunidades que lhe surgem, às vezes sem escrúpulos e com algum descaramento. 0 REGENTE DA CASA XI NA CASA II I É com freqüência e, graças à ajuda ou ao apoio dos seus amigos ou ainda ao favor de relações influentes, que o indivíduo com esta configuração no seu mapa astral con­ segue ganhar a vida e produzir a sua pró­ pria riqueza. Deseja encontrar um equilíbrio neste terreno, mas muitas vezes faz mais projetos para tirar um único proveito ou vantagens de deter­ minadas circunstâncias do que os que finalmente realiza. Às vezes, custa-lhe viver de uma ma­ neira constante e estável no seu meio natural. 0 REGENTE DA CASA XI NA CASA III O ser afetado por esta configuração caracteriza-se pela sua mentalidade singular, pelas suas idéias originais, in­ ventivas, fora do comum, pelo seu talento de criador e pelo seu interesse por tudo o que se re­ vele inconformista. Está freqüentemente rodeado de numerosas relações e com facilidade faz amizades. Porém, falta-lhe constância nas suas idéias, nos seus pro­ jetos, assim como, por outro lado, nas suas relações. Percebe todos os assun­ tos, embora muito raramente os apro­ funde, a menos que outros elementos no seu mapa astral indiquem o contrá­ rio. Por último, às vezes torna-se amigo de um parente, como de um primo ou de um irmão. 0 REGENTE DA CASA XI NA CASA IV Este nativo cresce muitas vezes em um contexto fami­ liar onde está acos­ tumado a realizar projetos. Os seus pais encontram-se rodeados de amigos ou inseridos em um vasto círculo social. Na idade adulta terá tendência para reproduzir o mesmo es­ quema. Também através do seu meio fa­ miliar pode fazer amizades em um grupo social ou político, pois não es­ queçamos que a Casa IV está relaciona­ da com a pátria. 0 REGENTE DA CASA XI NA CASA V O indivíduo que tem esta configu­ ração no seu mapa astral sente-se com freqüência dividi­ do entre o amor e a amizade. As ve­ zes, confunde a tal ponto ambos sen­ timentos que facilmente se tornará ami­ go de um ex-amante ou um dos seus amigos pode se transformar de forma súbita em objeto dos seus sentimentos mais profundos e exclusivos. Por outro lado, a sua energia vital encontra-se quase sempre bem equilibrada, sendo muito difícil cometer excessos. Por úl­ timo, a longo prazo, pode chegar a pro­ duzir uma criação original ou materia­ lizar um projeto muito importante para ele. Levando esta configuração ao pé da letra, podemos dizer que, com ela, os sonhos se convertem em realidade. 0 REGENTE DA CASA XI NA CASA VI É no âmbito das suas ocupações ha­ bituais e da sua vi­ da cotidiana que o ser afetado por esta configuração faz amizades. N o en­ tanto, na maioria das vezes, o seu círcu­ lo social é bastante restrito. O seu bemestar e a sua saúde saem beneficiados de um bom equilíbrio, motivo pelo qual nunca comete excessos. Por último, não consegue exercer nenhuma atividade sem a ajuda ou a participação dos outros.

O REGENTE PA CASA XI NA CASA VII É a configuração característica do in­ divíduo que casa com um dos seus amigos ou que en­ contra o seu futuro cônjuge no seu cír­ culo social de amizades. Uma associação ou colaboração com amigos também de­ ve ser considerada em outros terrenos, por exemplo, no dos negócios. Por ou­ tro lado, os amigos e as relações sempre exercem uma grande influência sobre ele. 0 REGENTE DA CASA XI NA CASA VIII Os amigos ou re­ lações do indivíduo afetado por esta configuração po­ dem ser a causa do seu desapego com o seu meio familiar natural, ou talvez lhe permitam herdar uma situação. Existe a possibilidade de mudanças profundas e radicais nas rela­ ções com os seus amigos, a longo prazo, devido a rupturas ou, por exemplo, a morte prematura de um deles.

0 REGENTE DA CASA XI NA CASA IX O círculo social ou de amizades do indivíduo afetado por esta configu­ ração permite-lhe com muita fre­ qüência ampliar os seus horizontes social, intelectual ou geo­ gráfico. Pode fazer amizade com um dos seus conhecidos estrangeiros ou fazer parte de um grupo humanitário, filosó­ fico ou religioso. 0 REGENTE DA CASA XI NA CASA X O indivíduo afeta­ do por esta con­ figuração adquire a sua independên­ cia social e con­ segue um eventual êxito profissional ou um reconhecimento das suas qua­ lidades e méritos com o apoio ou a ajuda dos seus amigos e de certas pessoas influentes que fazem parte do seu círculo social. Pode ter um grande projeto na sua vida ou uma vocação.

0 REGENTE DA CASA XI NA CASA XI Esta configuração não faz mais do que reforçar a im­ portância das ami­ zades e das relações na vida do indiví­ duo em questão. Quase sempre, necessita participar e se sentir solidário com os outros nas suas idéias e nas suas empresas. A ponto de conseguir abstrair as suas ou colocá-las em segundo plano. U m amigo repre­ senta um papel importante na sua vida. 0 REGENTE DA CASA XI NA CASA XII O indivíduo afeta­ do por esta confi­ guração mantém relações de amizade secretas, cheias de um certo mistério ou discrição. Tem quase sempre projetos idealistas. Baseia o seu equilíbrio psicológico e moral em recursos sutis e profundos. Pode se sen­ tir atraído por uma comunidade mística com vocação religiosa ou dedicada a in­ vestigações ou trabalhos secretos.

Os regentes das Casas

O regente da Casa XII nas Casas
0 REGENTE DA CASA XII NA CASA I Nesta configura­ ção tudo depende da natureza e das qualidades do as­ tro que rege a Casa XII. Tratan­ do-se do Sol, de Mercúrio, Vênus, Marte, Urano ou de Plutão, predominam as características próprias da Casa. Assim, o indivíduo tenta indubitavelmente afirmar-se atra­ vés de meios pouco freqüentes ou que saem do normal, mas a sua personali­ dade, impregnada de uma mistura de originalidade e discrição, até mesmo de mistério e segredo, permanece marcada. N o entanto, tratando-se da Lua, de Jú­ piter, Saturno ou de Netuno, mostra uma tendência para se isolar, viver re­ tirado, para renunciar à vida normal e à felicidade. Aspira, então, dar outra di­ mensão à sua vida, mais profunda, mais interior que o exterior ou social. 0 REGENTE DA CASA XII NA CASA II O indivíduo afe­ tado por esta con­ figuração freqüen­ temente ganha a vida através de meios discretos ou misteriosos, pro­ duz a sua própria riqueza ou explora as possibilidades que lhe são oferecidas no seu meio natural. Às vezes, exerce uma atividade lucrativa solitária ou dentro de um contexto que lhe proporciona a oportunidade de se entregar aos outros. 0 REGENTE DA CASA XII NA CASA III M H R M | Os pontos de inte­ resse da pessoa cm questão orientamse para tudo o que seja misterioso, pa­ ra os estudos e tra­ balhos realizados em segredo, em solidão ou isolada­ mente. O seu espírito tem uma natureza mais meditativa e contemplativa que prática, e tenta sair do marco do entendimento habitual aprofundando as idéias. Tam­ bém gosta de conviver com seres qua­ lificados de marginais, porque não vivem ou não sentem da mesma ma­ neira que os outros, podendo mesmo a vir a renunciar ao seu próprio meio social. 0 REGENTE DA CASA XII NA CASA IV Trata-se muito fre­ qüentemente de uma configuração da pessoa caseira, do ser que teme o mundo exterior ou que não gosta da vida em sociedade, que tem tendên­ cia a se isolar em si mesmo, para fugir dos outros. Mas, às vezes, também é a configu­ ração do indivíduo que se sente iso­ lado, incompreendido ou desconfor­ tável no seio do seu próprio meio familiar, por razões que serão revela­ das através de outros elementos ins­ critos no seu mapa astral. 0 REGENTE DA CASA XII NA CASA V Esta configuração indica que o indi­ víduo em questão carece de vitali­ dade ou que esta é vaga, estranha. N o entanto, também é capaz de obter recursos de vitalidade surpreendentes, isolando-se, fazendo uma cura, por exemplo. Por outro lado, possui um poder criativo misterioso c uma grande profundidade; às vezes, até mesmo uma inspiração ou um lirismo surpreendentes. Pode se revelar muito prolífico. Os seus amores e os seus pra­ zeres também têm uma conotação de mistério e ocasionalmente pode se aban­ donar aos excessos neste campo. Por úl­ timo, segundo a astrologia tradicional, a dita configuração indica que o indi­ víduo em questão é filho natural ou que ele próprio terá um filho natural. 0 REGENTE DA CASA XII NA CASA VI Esta configuração deve ser estudada com muita precau­ ção, visto que re­ vela com freqüên­ cia uma saúde fraca, quase sem­ pre devido a uma psicossomatização muito ativa em um indivíduo que nunca consegue se adaptar com sereni­ dade à vida cotidiana, que procura sair do marco habitual do dia-a-dia e que, às vezes, em compensação, se abandona a excessos prejudiciais ao seu bem-estar.

O REGENTE DA CASA XII NA CASA VII O indivíduo afe­ tado por esta con­ figuração está uni­ do a alguém de caráter secreto ou de comportamen­ to misterioso; ou então pode chegar a se casar no maior segredo. As suas relações exteriores c as associações também estão impregnadas de mistério. Às vezes, pode se sentir atraído por uma organização filosófica, filantrópica ou religiosa. 0 REGENTE DA CASA XII NA CASA VIII Esta configuração quase sempre é a de um indivíduo basicamente mar­ ginal ou não adap­ tado à vida social. O seu fascínio pelo mistério ou a sua vontade de dar uma dimensão mais profunda e mais intensa à vida é estimulada por uma viva cu­ riosidade e um desejo de ter experiên­ cias que às vezes podem fazê-lo correr certos riscos. N o entanto, é capaz de possuir uma grande força ou resistên­ cia física e é detentor de um poder de regeneração fora do comum. 0 REGENTE DA CASA XII NA CASA IX Intelectualmente, fisicamente e geo­ graficamente, o indivíduo afetado por esta configu­ ração aspira soltar as amarras, explo­ rar em profundidade as áreas desco­ nhecidas do saber, do conhecimento, da realidade, da Terra e, inclusive, tam­ bém do universo. Tudo o que está oculto ou é misterioso, o fascina e quer vê-lo de perto para saber de que se trata. Para o conseguir, pode sentirse obrigado a isolar-se ou a retirar-se do mundo.

0 REGENTE DA CASA XII NA CASA X Quando o indiví­ duo afetado por esta configuração se encontra só ou quando se vê obri­ gado a se superar, quase sempre al­ cança o topo na sua vida social e pro­ fissional, adquire o bastão do poder ou, simplesmente, obtém a sua indepen­ dência. Porém, às vezes também renun­ cia ao êxito e ao triunfo. 0 REGENTE DA CASA XII NA CASA XI O indivíduo afe­ tado por esta con­ figuração com fre­ qüência tende a iniciar relações se­ cretas ou miste­ riosas, a cultivar

amizades não menos misteriosas ou a fazer parte de um círculo social, de uma comunidade que partilhe as mesmas motivações, crenças ou ideais. Além disso, um dos seus amigos também pode chegar a ter um papel importante na sua evolução pessoal. 0 REGENTE DA CASA XII NA CASA XII O ser afetado por esta configuração possui um fascínio desmedido pela solidão, uma von­ tade incontrolável de se fechar em si mesmo, pelas suas investigações secre­ tas ou pelos estudos misteriosos. Também pode ter aspirações idealistas, dar mostras de entrega ao ponto de ab­ negação, renunciar à vida social ou ma­ terial c, inclusive, ao mundo, por pura vocação.

Os aspectos

Os significados dos aspectos
Todo o sentido da natureza e do significado de um aspecto existe em função das características dos astros que o formam. Mas é bom conhecer as interpretações puras e complementares.
enéfico ou maléfico? É a pergunta que sempre é levantada ao se falar de um aspecto. Na realidade, cada as­ pecto tem efeitos tanto negativos como positivos, em função das situações dos astros que o formam em um mapa as­ tral e das qualidades e características inerentes a tais astros. De maneira que dizemos, de forma comum e esquemática, que o trígono e o sextil são os aspectos bons, enquanto que a quadratura e a oposição são os as­ pectos maus, e que as conjunções são aspectos de indicações moderadas, em­ bora não acreditemos que seja algo um pouco mais complexo. U m trígono que, de fato, reforça um enriquecimento mútuo entre dois as­ tros, também pode indicar valores tão adquiridos pelo ser em questão e tão integrados no quadro de sua persona­ lidade, que podem ter uma tendência a passar ignorados, não aproveitados adequadamente e não cultivados. Em tal caso, o que definiríamos então como um bom aspecto acaba por ter efeitos perversos ou negativos sobre a pessoa em questão, no sentido em que revela certa passividade, uma complacência ou uma auto-satisfação. Da mesma forma, diz-se de uma quadratura que

B

atrai nossa atenção sobre intensas tensões que existem entre dois astros, refletindo então um clima de tensões próprias das qualidades dos astros im­ plicados no indivíduo do qual estuda­ mos o mapa astral. N o entanto, pude­ mos observar que tais tensões podem ser sadias e, portanto, positivas no sen­ tido cm que impulsionam o indivíduo a evoluir, a não relaxar nos lauréis, até mesmo a distinguir-se de seus seme­ lhantes. Obviamente, não devemos es­ quematizar tais interpretações. Mas, em conjunto, podemos dizer que em cada aspecto há algo negativo e algo positivo. Por isso, ao apresentar-lhe os signifi­ cados fundamentais dos aspectos maio­ res, lhe damos uma interpretação pura e outra complementar. Cabe a você, ao estudar o mapa astral, julgar a maneira de interpretar cada um desses aspectos. Mas nunca perca de vista que um as­ pecto não pode ser considerado de forma isolada. Só adquire seu sentido pleno se o integramos e relacionamos em todas as informações reveladas pelos astros, os pontos fictícios, as cús­ pides e as Casas do mapa astral. Ao es­ tudar os aspectos, utilize sempre seu espírito de síntese. Sem ele, você jamais poderá interpretar um mapa astral.

OS SIGNIFICADOS DOS ASPECTOS MAIORES

{q/

A CONJUNÇÃO

Interpretação pura: indica uma fusão entre as qualidades dos dois astros afe­ tados que se combinam com harmo­ nia e se valorizam umas às outras, ou então, simplesmente se somam para dar um resultado surpreendente, for­ te e intenso. Mas, tanto em um caso como no outro, estamos sempre em presença de um incremento das qua­ lidades e das forças, às vezes comple­ mentares, outras vezes contraditórias. Interpretação complementar: tanto se estas forças se enriquecem como se se anulam, é de esperar que as carac­ terísticas inerentes aos dois astros em questão estejam tão acentuadas que, neste contexto, se transformam em um componente fundamental no ser em questão que, segundo o caso, vive mais ou menos bem.

<b
0 SEXTIL

Interpretação pura: aqui estamos ante um enriquecimento mútuo entre dois astros, cujo objetivo está mais valori­ zar-se e estimular-se um ao outro que

harmonizar. De maneira que cada um dos dois componentes da perso­ nalidade revelados por estes astros con­ servam suas características que se re­ forçam, se excitam e se dão apoio umas às outras de uma maneira feliz. Interpretação complementar: no en­ tanto, qualidades assim, sobre as quais o indivíduo sempre pode apoiar-se, às vezes correm o risco de fazê-lo pre­ sunçoso, muito confiante de seus meios e suas possibilidades. O u então se conformará em vivê-las ou em­ pregá-las em um círculo restringido, sempre o mesmo, revelado pelas casas nas quais se encontram os dois astros em questão em seu mapa astral.

0 TRÍGONO A QUADRATURA
Interpretação pura: neste caso, os dois astros afetados sempre se "comple­ mentam", se utilizam um ao outro. Por isso as características próprias de cada Interpretação pura: este aspecto reflete um deles harmonizam plenamente, uma tensão latente, mas sempre pre­ engendrando desta vez um estado de sente, no ser em questão, cuja natureza é revelada pelas características dos dois satisfação e plenitude no indivíduo em questão. Quando falamos das qualida­ astros que o formam. Para a pessoa em questão não é possível abstrair-se delas. des de um ser, com freqüência nos re­ Devemos, portanto, buscar no seu mapa ferimos ao que nos indica este tipo de astral as informações que nos permi­ aspecto. tirão compreender como a resolvere­ Interpretação complementar: os dons ou mos ou a suprimiremos. qualidades de um indivíduo, por mais Interpretação complementar: no entanto, brilhante que seja, não são muito úteis e justamente porque engendra com fre­ se este não faz nada. Mas, pelo mesmo qüência um mal-estar inegável, esta fato de que as tendências naturais in­ tensão pode se revelar saudável para o dicadas por estes astros em trígono ser em questão, pelo mesmo fato de estabelecem relações lineares, sem ne­ que o obriga a manter-se alerta, com nhuma aspereza, estas podem inclinaro fim de compensá-la ou acalmá-la. De lhe à passividade, pois, para que este as­ fato, ao sentir-se com freqüência in­ pecto seja realmente positivo, a pessoa satisfeito, tenta encontrar um consolo em questão deve cultivar e aproveitar ou um equilíbrio e, ao fazê-lo, evolui. as qualidades reveladas.

A OPOSIÇÃO

Interpretação pura: é um aspecto que, como seu nome indica, põe as duas forças em oposição. Revela, portanto, uma incompatibili­ dade fundamental entre as caracterís­ ticas inerentes do ser em questão e re­ veladas pelos dois astros presentes, os quais não coincidem e, com freqüên­ cia, o incitam a adotar comportamen­ tos diferentes. Isso pode chegar a pro­ vocar no indivíduo uma espécie de ruptura e tensão perpétuas. Interpretação complementar: em todo o caso, tendo a possibilidade de viver em dois níveis ou registros diferentes, ou de ter uma escolha entre duas ati­ tudes, o indivíduo em questão tam­ bém pode ver-se enriquecido pelo fato de ser capaz de viver duas experiências em vez de uma, de fazer uma espécie de desdobramento e seguir sendo o mesmo como se não tivesse havido nenhuma mudança.

Os aspectos

As conjunções do Sol
O Sol integra a natureza do astro com o qual está em conjunção, impregna-se dele, condiciona-o ou esconde-o. A vontade instintiva do indivíduo apresenta, portanto, as qualidades próprias deste astro.
CONJUNÇÃO SOL-MERCÚRIO
Se Mercúrio vier em seguida ao Sol no Zodíaco, a inteli­ gência do indivíduo passa para segundo plano. Sua vontade ins­ tintiva é sempre mais forte do que seu espírito. Por outro lado, se Mercúrio preceder o Sol, sua vontade instintiva está a serviço de sua inteligência. Pode demonstrar um espírito verdadeira­ mente brilhante e comunicativo. Mas se a conjunção for perfeita, de mais ou menos um grau, as faculdades mentais da pessoa afetada correm um grande risco de se 1 queimarem ou então de serem consumidas pelo Sol, e por sua von­ tade instintiva de ocultar sua inteligência. muito afetuoso. Se o Sol e Vênus esti­ verem em conjunção perfeita, de apro­ ximadamente um grau a mais ou a menos, o indivíduo se revela muito emotivo, influenciável, sentimental, sen­ sual e aspira à harmonia e ao bem-estar. Às vezes esta conjunção é sinal de grande en­ canto, poder de se­ dução, inclusive de j uma grande beleza 1 física e de uma certa proteção, devido ao ca­ ráter benéfico de Vênus.

CONJUNÇÃO SOL-LUA
Astronomicamente, o momento em que o Sol e a Lua se en­ contram no mesmo grau do Zodíaco cor­ responde à Lua Nova. É preciso ter em conta a posição da Lua em relação ao Sol. Em um mapa astral, se a Lua vier em seguida ao Sol, a Lua Nova ainda não apareceu. Por outro lado, se esta o precede no Zodíaco, o nascimento ocorreu mesmo depois da Lua Nova. Esta nuança tem sua im­ portância na interpretação que se dá a esta conjunção. N o primeiro caso, o in­ divíduo está quase sempre muito ligado à sua comodidade, ao seu conforto, ao seu passado, à sua família e às suas raízes. N o segundo caso, olha totalmente para o futuro. Quando a conjunção é perfeita, de aproximadamente um grau, estamos diante de uma personalidade ambivalente, que pode revelar uma tendência esquizofrênica latente.

CONJUNÇÃO SOL-MARTE
Se Marte seguir o Sol no mapa astral, a *- vontade instintiva é apoiada, sustentada e reforçada pelo poder de ação, próprio deste astro. O indivíduo encontra nele a capacidade de agir para obter o que quer; mas, às vezes, sua agressividade e sua necessidade de auto-afirmação obscurecem ou alteram sua vontade. Por outro lado, se Marte preceder ao Sol, são a agressividade e o poder de ação que dominam em detrimento da vontade, logo o indivíduo tem algumas dificuldades em dominar seus atos. Se a conjunção for perfeita, de um ou dois graus mais ou me­ nos, a vontade tornase audaz, enérgica e prevalece o desejo de se impor aos outros, de agir.

CONJUNÇÃO SOL-VÊNUS
Se Vênus aparecer de­ pois do Sol no mapa astral do indivíduo, este se revela muito dependente dos seus sentimentos e de suas emoções, que prevalecerão durante toda sua existência. Se Vênus preceder ao Sol, os sentimentos e as emoções são a ponta de lança do indi­ víduo, a condição sine qua non de sua vida. Possui sempre um caráter jovial, agra­ dável, simpático, encantador, sociável e

^ ^

CONJUNÇÃO SOL-JÚPITER

Nesta configuração, quer Júpiter preceda ou venha depois do Sol não tem muita importância. De fato, tanto em um caso como no outro, assistimos a uma espécie de fusão da vontade instintiva c da capa­ cidade de alegria de viver e da expansão natural do indivíduo. É este, pois, o as­ pecto da felicidade, da realidade es­ pontânea e natural da personalidade, da bondade, do otimismo e da jovialidade. Apenas a conjunção perfeita, de mais ou menos um ou dois graus, gera um excesso de confiança em si mesmo. Então, estaremos perante uma natureza presunçosa ou diante de uma sobre¬ valorização das qualidades reveladas pela posição do Sol no mapa astral no signo e na Casa. Em todo caso, este as­ pecto é a segurança de uma proteção provi­ dencial na vida, um fator de sorte, de plenitude, de bem-estar, ' às vezes até de con­ forto material obtido sem esforço. CONJUNÇÃO SOL-SATURNO Mais uma vez, o fato de Saturno vir em seguida ou antes do Sol não muda nada na natureza deste as­ pecto, que revela uma fusão entre a vontade ins­ tintiva e a razão, a qual gera com fre­ qüência tensões ou insatisfações la­ tentes no indivíduo cujo instinto é permanentemente controlado pela ra­ zão. Quanto mais próximo estiver Sa­ turno do Sol no mapa astral, mais isto se confirma. O ser em questão dá quase sempre mostras de uma maturidade precoce que frustra sua infância, sua espontaneidade, e que revela um ca­

ráter introvertido, rigoroso, lúcido e ra­ zoável. Fisicamente, parece quase sempre mais velho do que é, . principalmente du­ rante os primeiros i trinta anos de sua vi­ da. Pode ter tendência para doenças crônicas. CONJUNÇÃO SOL-URANO Quando o Sol pre­ cede a Urano, o di­ namismo e a força de decisão revelados por este astro põemse ao serviço da vontade instintiva do indivíduo, cujas reações e reflexos são excelentes. Tem quase sem­ pre o dom de saber adaptar-se às cir­ cunstâncias e de aproveitar todas as oportunidades que se lhe apresentam. Por outro lado, quando Urano precede ao Sol no mapa astral, o ser em questão revela-se impulsivo, instável, muito in­ dependente, até mesmo indomável e in­ disciplinado. A conjunção perfeita, de aproximadamente um ou dois graus, joga com freqüência a favor das qualidades de Urano e em detri­ mento das do Sol, fa­ zendo com que a ca­ pacidade de decisão e os impulsos se sobre­ ponham à vontade instintiva. CONJUNÇÃO SOL-NETUNO Tanto se vier antes como depois do Sol, quanto mais próxi­ mo Netuno estiver deste astro luminoso, tanto mais a vontade instintiva se impregna da receptividade física revelada por este astro. Então, o indivíduo é vítima de uma inquietação indizível, de uma angústia calada que pode ter um caráter metafísico ou es­

piritual no melhor dos casos, fazendo finca-pé em elevadas aspirações, mas que também pode produzir excessos, desvios de todo tipo para compensar uma sede do absoluto e de fusão, sem­ pre insatisfeita. Os sentidos podem estar exaltados, a imaginação ser transbor­ dante ou delirante, as faculdades men­ tais vítimas de uma agitação incessante, conforme o signo e a Casa que o Sol e Netuno ocupem. Mas, às vezes, ainda que a vontade do in­ divíduo seja forte, sustenta-se de forma brilhante e magnífica graças à inspiração e à intuição, duas qualidades de Netuno. CONJUNÇÃO SOL-PLUTÃO Quase sempre, as características plu­ tonianas perturbam, desorganizam ou transtornam a von­ tade instintiva do indi­ víduo. O fato de Plutão preceder ou vir depois do Sol não muda nada. Na área da saúde, este aspecto é quase sempre revelador de um problema cardíaco la­ tente, de hipotensão ou hipoglicemia. N o entanto, o ser em questão possui re­ cursos energéticos de uma riqueza ex­ cepcional. Pode mesmo chegar a ser como a fênix que renasce das cinzas. Às vezes, quando a conjunção é perfeita, de cerca de um ou dois graus a menos, Plutão oculta o Sol, revelando então um temperamento impulsivo e passional extremo, uma força magnética e ins­ tintiva intensa, um grande poder de se­ dução e uma vontade de poder ou de domínio que compensa uma inquie­ tação fundamental, produzida por um autêntico problema de identidade, de dúvidas constantes, e um estado de ten­ são e aflição perma­ nente.

Os aspectos

As quadraturas do Sol
As quadraturas do Sol revelam os pontos de tensão que bloqueiam ou se opõem à expressão natural e espontânea da vontade instintiva do indivíduo.

QUADRATURA SOL-LUA Este aspecto indica um clima de tensão entre a vontade instintiva e a sensibilidade, que não coincidem, ou se manifestam de duas maneiras diferentes, as quais não conseguem estar em harmonia uma com a outra. Por isso, quando o indivíduo afe­ tado quer instintivamente algo, é quase sempre em detrimento do que sente ou do que experimenta; ou então, a expressão de sua sensibilidade e de seus sentidos não encontra nenhum apoio em sua vontade. Assim, as relações homem-mulher ficam complicadas. No mapa astral de uma mu­ lher, dependendo da Lua e do Sol se encontrarem na posição predominante no mapa do céu, esta quadratura reve­ lará que sua parte feminina ameaça ex­ pressar-se contra sua vontade ou então sua vontade pode inibir o que experi­ menta com sua feminilidade. N o mapa astral de um homem, quase sempre é a vontade que frustra a sensibilidade, a menos que uma Lua forte revele uma in­ tensa sensibilidade, a qual não se integra harmoniosamente em sua personalidade.

QUADRATURA SOL-MERCÚRIO Neste caso são a vontade instintiva do indivíduo e sua inteligência que se en­ contram sob tensão, uma se expressando em detrimento da outra. Isso pode gerar certa confusão mental, uma dificuldade para conceitualizar seus atos, para con­ centrar-se ou fixar objetivos claros e pre­ cisos ou, inclusive, uma dispersão, quer seja da vontade ou das faculdades men­ tais. O indivíduo em questão atua às vezes sem razão, não sabe o que quer ou tem idéias ou convicções que não coin­ cidem com o que realmente deseja.

QUADRATURA SOL-MARTE A vontade instintiva do indivíduo e seu poder de ação se encontram em eterno conflito, que ele experimenta como uma espécie de complexo latente de cas­ tração. Se o Sol figura com força no mapa astral, o ser em questão terá sem­ pre um obscuro sentimento de im­ potência, não conseguindo atuar para expressar ou satisfazer sua vontade. Se é Marte o forte em seu mapa astral, terá tendência a repentinos ataques de violência, a reagir violentamente sem raciocinar, a atuar de maneira inopor­ tuna, a reclamar algo ou a comportar-se de forma volúvel. Tanto em um caso como no outro, não possui tato nem au­ tocontrole, sensatez nem coerência em seus atos. Este aspecto revela quase sem­ pre um temperamento passional latente e, às vezes, atitudes infantis.

QUADRATURA SOL-VÊNUS A tensão que aqui se revela entre a von­ tade e os sentimentos cria uma vulne­ rabilidade emocional e uma confusão nas motivações do indivíduo. Este tem dificuldades para determinar seus sen­ timentos. É instável, inábil ou se en­ contra eternamente insatisfeito com suas relações amorosas. Às vezes ama, apesar de si mesmo, ou atua sem levar em conta o que sente.

QUADRATURA SOL-JÚPITER A vontade instintiva do indivíduo, sua alegria de viver e seu potencial expan­ sivo não coincidem. Assim, você tem

a impressão de que sua felicidade é incompatível com sua vontade ou que o que você quer jamais o fará feliz. Para compensar esta insatisfação latente e si­ lenciosa, tende quase sempre ao exagero. Então, a posição de Júpiter no signo e na Casa terá que ser estudada com atenção, pois revelará o campo no qual chegara a tirar as coisas de lugar. Igual­ mente, para ocultar sua incapacidade de expansão serena e harmoniosa, tende a complicar tudo ou também a mostrarse excessivo e imoderado, como restri­ tivo e moralizador, proibindo-se qual­ quer negligência, qualquer abandono e, ao mesmo tempo, proibindo-o também aos demais. Este aspecto se acentua prin­ cipalmente em torno dos 30 anos c se revela plenamente aos 40 anos, podendo então provocar uma ávida sede de feli­ cidade e de desfrute ou, ao contrário, uma recusa ao bem-estar e à alegria de viver.

çam influências sobre ele. Por isso, não consegue realmente submeter-se a uma autodisciplina, nem ser fiável, sério, constante c perseverante.

QUADRATURA SOL-SATURNO Mais que uma tensão, este aspecto re­ vela uma incompatibilidade entre a von­ tade instintiva, por um lado, e o poten­ cial de maturidade de um indivíduo, por outro. Com a idade, esta tensão é tra­ duzida em um verdadeiro conflito in­ terior, psicológico e moral entre o ins­ tinto e a razão. Por isso, o indivíduo adota, apesar de si mesmo, um com­ portamento totalmente irracional, que alterna com atitudes rigorosas, reser­ vadas e inibidoras. A maioria das vezes, com a maturidade, seu caráter se enri­ jece, passa a ser austero, severo, intran­ sigente e intolerante. Por outro lado, esta quadratura Sol-Saturno implica quase sempre conflitos com a figura do pai e, mais adiante, com a autoridade em todas as suas formas, porque o indiví­ duo em questão não suporta que exer­

QUADRATURA SOL-URANO Este aspecto revela quase sempre que a vontade instintiva do indivíduo não recebe nenhum apoio, nenhum estí­ mulo por parte de sua força de decisão e que, conseqüentemente, se expressa e se manifesta apesar de si mesmo e con­ tra toda razão. Este aspecto deve ser es­ tudado com muita atenção porque re­ calca uma dissociação nos reflexos e em todo o sistema de autodefesa natural do indivíduo. O ser deve temer pelos pro­ blemas nervosos ou cardíacos, pelo fato mesmo de que o indivíduo tende a per­ QUADRATURA SOL-PLUTÃO der energia e dinamismo (Urano) ou vi­ Neste caso têm lugar verdadeiras ma­ talidade e vontade (Sol), isto é, a ter nifestações de forças obscuras, irracio­ bruscas reações ou a permitir ser do­ nais e interiorizadas, que se estabelecem minado pela agitação, a impaciência ou no fundo do indivíduo, evidentemente a seus impulsos. N o entanto, observa­ entre sua vontade instintiva e seus re­ mos que, a longo prazo, este aspecto cursos psíquicos, impulsivos e regene¬ pode levar a pessoa afetada a concentrar- radores. As manifestações sutis porém se mais em seus reflexos a canalizá-los intensas deste aspecto são com fre­ ou a controlá-los melhor. Em todo caso, qüência pouco aparentes em seu com­ no ser em questão subsiste sempre um portamento. No entanto, revelam o ris­ fundo de indecisão, uma falta de auto­ co de uma incapacidade para saber nomia e uma dificuldade para singularizar-se. dominar-se, conter-se, reter-se ante a presença de fenômenos de atração e de repulsa incontroláveis, que fazem suas relações extremas e passionais, criando então uma sensação de impotência para expressar e impor sua vontade. Estamos ante uma personalidade que é vítima de suas constantes dúvidas, de uma insa­ tisfação obsessiva e que, para compen­ sar, se revela perfeccionista e pouco construtiva. QUADRATURA SOL-NETUNO A vontade instintiva do indivíduo e seu poder de transformação, revelado pela posição de Netuno cm seu mapa astral,

nunca conseguem equilibrar-se e ins­ crever-se com harmonia no esquema da personalidade. Desta forma, ao ser afe­ tado por este aspecto custa-lhe muito adaptar-se às mudanças, a mudar a si mesmo, a transformar-se quando as cir­ cunstâncias o obrigam. Temendo estas perspectivas em sua vida e sentindo-se incapaz de enfrentá-las, teme o pior e tende a alimentar angústias irracionais ou injustificadas. Para compensar suas inquietudes, deixa-se levar com fre­ qüência pelos excessos sensuais ou por descontroles emocionais. Dá mostras de uma imaginação trans­ bordante e totalmente irreal, ou então leva uma vida confusa, secreta e oculta.

Os aspectos

Os trígonos e os sextis do Sol
Quando o Sol se encontra em trígono ou em sextil com um astro, suas qualidades e a natureza do astro em questão harmonizam-se e complementam-se.
SEXTIL Segundo as posições do Sol e de Mer­ cúrio no mapa astral, a vontade instin­ tiva estimula e reforça a inteligência ou o espírito postos ao serviço da vontade. Em todo caso, o indivíduo em questão possui quase sempre um espírito claro, idéias coerentes e uma inteligência prá­ tica. Não existem diferenças entre o que pensa, o que é e o que quer.

SOL-LUA TRÍGONO Este aspecto está presente em um ser que estabelece relações harmoniosas com o sexo oposto, sendo complemen­ tares à sua vontade instintiva e à sua sen­ sibilidade, que se inscrevem de maneira equilibrada no esquema de sua perso­ nalidade. O fato de revelar um profundo equilíbrio interior será de grande con­ solo para toda sua vida. SEXTIL Neste caso também as relações homemmulher são vividas harmoniosa e sere­ namente, e o indivíduo beneficia de um sutil equilíbrio interior.

SOL-MERCÚRIO TRÍGONO Não existe, já que Mercúrio nunca se afasta mais de 90° do Sol.

SOL-VÊNUS TRÍGONO Também não existe, pois, tal como Mer­ cúrio, Vênus nunca se afasta mais de 90 ou 95° do Sol. SEXTIL Aqui encontramos algumas caracterís­ ticas reveladas pela conjunção Sol-Vênus. Estamos, portanto, perante uma pessoa de caráter agradável, encantador, sempre de bom humor, com uma serena con­ fiança em si mesmo e, claro, que concede um lugar importantíssimo aos seus sen­ timentos. Mas, ao contrário da conjun­ ção, com este aspecto não há risco de vulnerabilidade emocional. De fato, a vontade instintiva do indivíduo, seus sen­ timentos e motivações reforçam-se uns aos outros e harmonizam-se plenamente.

SOL-MARTE TRÍGONO A vontade instintiva do indivíduo e seu poder de ação se sustentam e se esti­ mulam harmoniosamente. Por esta razão, acha muito fácil agir para obter o que quer. É o aspecto de um ser com um temperamento enérgico e audaz. SEXTIL Neste caso, põe quase sempre sua ca­ pacidade de ação a serviço da vontade instintiva. Então o indivíduo tem o dom de saber, a partir do momento em que sabe o que quer, como obter o que pro­ cura. É o aspecto de uma pessoa de ação, empreendedora, que sabe afirmar sua vontade e impor suas opiniões e decisões.

SOL-JÚPITER TRÍGONO É um aspecto maravilhoso que, esque­ matizando um pouco, se poderia definir

nir como o da bondade e da alegria de viver. Mas, claro, para que estas se ma­ nifestem plenamente é necessário levar em conta as posições do Sol e de Jú­ piter nos signos e nas Casas do mapa astral. Porém, em geral, a vontade instintiva do indivíduo e seu poder de expansão, e conseqüentemente sua alegria de viver, estabelecem intercâmbios harmoniosos e serenos nele que favorecem a reali­ zação de sua personalidade. Encon­ tramo-nos, portanto, diante de um ser de natureza feliz, otimista, generoso, cheio de boa vontade, que suscita de forma natural numerosas simpatias. O ser em questão ama a vida e esta o re­ compensa. SEXTIL As qualidades reveladas por este aspecto se parecem muito com as indicações do trígono. A feliz e serena realização da personalidade é então uma vantagem va¬ liosíssima que lhe proporcionará sorte nos domínios revelados pelos signos c pelas Casas nas quais o Sol e Júpiter se situam.

turninas que se manifestam de forma mais sutil, quase sempre imperceptível, na expressão da vontade do indivíduo em questão, o que demonstra então sua personalidade conscienciosa, razoável, sagaz e equilibrada.

SOL-SATURNO TRÍGONO A razão, a lucidez e o potencial de ma­ turidade do ser estão em harmonia e em relação com sua vontade instintiva. Es­ tamos diante de alguém que, em qual­ quer circunstância, se mostra razoável e equilibrado, sério, estável e ponderado. Este aspecto revela quase sempre uma alma forte, muita coragem face às ad­ versidades da vida, que sempre conse­ guirá vencer. Aprende com seu erros e experiências. Amadurece e envelhece bem. SEXTIL Este aspecto se parece bastante com o trígono, exceto pelas características sa­

SOL-URANO TRÍGONO A vontade instintiva do indivíduo dina­ miza-se pelo apoio incondicional de Urano, isto é, por sua capacidade de de­ cisão. Prefere passar à ação de forma ime­ diata e impulsiva. Não se detém diante de nenhum obstáculo. Tem excelentes reflexos e um sentido inato de oportu­ nidade. Sabe, portanto, agir e reagir opor­ tunamente, o que lhe permite muitas vezes antecipar-se ou surpreender pelo seu espírito de iniciativa. Seu comporta­ mento é original, paradoxal, e tem ne­ cessidade de uma certa independência na expressão de suas vontades. SEXTIL Vemos neste aspecto a mesma atitude nos atos e nos reflexos revelada pelo as­ pecto precedente. Mas, neste caso, o sentido da oportunidade transformase em oportunismo e a vontade de in­ dependência é muito mais forte, mesmo que adote meios sutis ou fora do vul­ gar para se expressar.

são secretas e, muitas vezes estão inte­ riorizadas. Porém, revela uma imaginação fe­ cunda, uma vontade instintiva e ins­ pirada, iluminada, que aspira a trans­ formar-se, a evoluir, a abrir-se a tudo que o rodeia ou a reunir em si mesmo o que percebe e experimenta do mun­ do exterior. Por isso, tais característi­ cas, às vezes, podem transformar o in­ divíduo em questão em um ser muito passivo, que se contenta em entregarse nessa plenitude interior que sente ou que intui. SEXTIL Apresenta as mesmas características que o trígono Sol-Netuno, mas com este aspecto as relações entre a vontade instintiva, a capacidade de transfor­ mação e as faculdades receptivas do in­ divíduo são muito mais serenas e equi­ libradas. Os riscos de passividade ou de auto-engano desaparecem então, em benefício de uma positiva capacidade de adaptação às mudanças durante a existência.

SOL-NETUNO TRÍGONO E um aspecto sutil cuja apreciação nem sempre é fácil, pois suas manifestações

SOL-PLUTÃO TRÍGONO Apesar do caráter harmonioso deste aspecto, as forças físicas e impulsivas em relação com a vontade instintiva transtornam esta última, dando lugar a dúvidas secretas, a uma surda in­ quietação no indivíduo que, para com­ pensá-las, desenvolve seu poder de se­ dução e de domínio ou se comporta de uma forma egocêntrica, exuberante e exibicionista. SEXTIL Por outro lado, com este aspecto, es­ tamos diante de um indivíduo que pos­ sui excelentes recursos e que sabe apro­ veitá-los sem se exceder e sem abusar dos mesmos.

Os aspectos

As oposições do Sol
OPOSIÇÕES SOL-MERCÚRIO E SOL-VÊNUS Tanto astrológica como astronomica­ mente, estas oposições são impossíveis porque Mercúrio e Vênus nunca se afas­ tam mais de 90° do Sol, aproximada­ mente. OPOSIÇÃO SOL-LUA Este aspecto eqüivale, astronomica­ mente, ao momento do plenilúnio. Re­ vela quase sempre uma ambivalência que pode engendrar uma cisão da per­ sonalidade, da vontade e da sensibili­ dade, ao não coincidir e expressar-se cada uma segundo seus próprios cri­ térios, independentemente uma da outra. N o entanto, se as posições do Sol e da Lua estão bem equilibradas no mapa astral, tal ambivalência pode tra­ duzir-se em uma dupla natureza, isto é, que a vontade e a sensibilidade se ex­ pressam sempre em separado, mas esta divisão pode permitir ao indivíduo jogar com dois registros complementares, às vezes inclusive simultâneos. Em todo caso, este aspecto — que além disso in­ dica que o ser em questão teve quase sempre uma experiência de seu pai (o Sol) e de sua mãe (a Lua) como dois seres muito diferentes, inclusive opos­ tos (é um aspecto que vemos com fre­ qüência no mapa astral de uma criança cujos pais se divorciaram) — revela uma personalidade de caráter decidido, que se exibe na vida, igual ao que a Lua cheia faz no céu. OPOSIÇÃO SOL-JÚPITER Trata-se uma vez mais de um aspecto bastante forte, que toma forma ou cujas características se manifestam entre os 29 e 35 anos, com seu ponto crucial nos 33 anos. A vontade instintiva, a alegria de viver e o poder de expansão natural do in­ divíduo entram em choque. O que de­ seja nunca consegue fazê-lo realmente feliz. Ou então, quando se sente reali­ zado, é contra sua vontade. Esta situação provoca com freqüência uma espécie de mal-estar e insatisfação obsessiva e la­ tente, que podem incitá-lo a não saber o que quer, mas a desfrutar da vida, ape­ sar de tudo, e quase sempre em excesso, se for arrastado por Júpiter ou, ao con­ trário, a resignar-se a não poder ter acesso à felicidade, se for o Sol que es­ tiver em posição de influência. N o en­ tanto, especifiquemos que, às vezes, este aspecto pode revelar uma personalidade muito contrastada e, graças a isso, de grande riqueza. Este é o caso do ser que consegue expressar sua vontade e sua felicidade de duas maneiras totalmente diferentes, mas, apesar de tudo, com­ plementares.

O astro que se encontra em oposição com o Sol no mapa astral revela uma luta interior entre a natureza deste astro e a vontade instintiva do indivíduo, dando lugar, possivelmente, a uma dissociação ou a uma dupla natureza.

OPOSIÇÃO SOL-MARTE Trata-se de um aspecto muito forte que é preciso ser estudado com muito tato e atenção, para se descobrir como ele está inscrito na personalidade. De fato, revela um verdadeiro enfrentamento in­ terior, uma luta interna no indivíduo em questão, entre sua vontade instintiva, por um lado, e seu poder de ação, por outro. O que significa que, quando quer algo, seu poder de ação se opõe a ele de forma natural e apesar de si mesmo. Da mesma forma, pode também atuar contra sua vontade. Por isso, seu com­ portamento é, com freqüência, ciclotí­ mico, infantil, intermitente, incoerente e sofre uma falta de coordenação em seus atos, que pode chegar a ser bastante inquietante, imprimindo assim um sen­ timento obscuro de impotência. Às vezes, um astro que se encontra ao mesmo tempo em sextil e em trígono com o Sol e Marte nos ajuda a com­ preender como o ser em questão pode compensar esta separação entre sua von­ tade e seu poder de ação.

OPOSIÇÃO SOL-SATURNO Desta vez é entre os 43 e 49 anos que este aspecto se desenvolve plenamente, indicando no indivíduo um enfrenta­ mento entre a vontade e a razão. Mais exatamente, definimos esta opo­ sição como uma luta intensa entre o ins­ tinto (Sol) e a razão (Saturno), que se traduz em uma verdadeira cisão da per­ sonalidade. Por isso, na maioria das vezes, se com­ porta de forma involuntária, instintiva, totalmente irracional, em detrimento da sensatez, através dos elementos reve­ lados pela posição do Sol no mapa as­ tral no signo e na casa. Ou, ao contrário, adota uma atitude ex­ tremamente lúcida e fria, austera e rí­ gida, inibidora tanto para ele como para os demais. São as qualidades de Sa­ turno, que se expressam nele de forma unilateral e sistemática. Da mesma forma que a quadratura Sol-Saturno, este aspecto revela um repúdio, uma negativa ante a autoridade em todas as suas formas que, nesta ocasião, pode ser aberta e declarada de forma franca, clara e dura.

decisão, seus reflexos. De fato, uma vez mais o ser afetado por este aspecto ex­ perimenta um obscuro sentimento de impotência nas lutas da vida, pois se sente desprovido de mecanismos de au­ todefesa, não sabe reagir oportunamente e tende a receber golpes. É o típico as­ pecto da pessoa que sente pânico ante uma situação imprevista ou imprevisí­ vel, que não possui domínio de si mesmo, que tem poucos reflexos, o que pode pôr-lhe em perigo em algumas cir­ cunstâncias. E claro, este enfrentamento entre o ins­ tinto (Sol) e o impulso (Urano) provoca também uma indecisão, uma incerteza interior, uma debilidade psicológica, uma incapacidade para aproveitar as boas oportunidades.

completo com respeito à sua pessoa ou à sua vida, o que provoca certa con­ fusão mental ou uma debilidade de ca­ ráter.

OPOSIÇÃO SOL-URANO Este aspecto apresentaria algumas se­ melhanças com a oposição Sol-Marte, se não fosse porque desta vez se trata de uma luta interior entre a vontade ins­ tintiva do indivíduo e sua capacidade de

OPOSIÇÃO SOL-NETUNO Neste aspecto já não se trata realmente de um enfrentamento, mas sim de um desgaste latente, um esgotamento in­ quietante, que se produz no interior do ser em questão, de forma sutil, quase in­ falível, entre as qualidades reveladas por ambos os astros, isto é, a vontade e o ins­ tinto (Sol), por uma parte, e a recepti­ vidade e o poder de transformação (Ne­ tuno), por outra. O indivíduo vive então em uma cons­ tante impressão de insatisfação, porque experimenta coisas contra ou apesar de sua vontade, ou porque jamais consegue transformar suas aspirações em realidade. Ou então, atraído por sua necessidade de mudar, transformar-se, evoluir à mercê das circunstâncias ou dos acon­ tecimentos de sua vida, tem o senti­ mento de que ainda não conseguiu rea­ lizar-se. Por isso, sofre com freqüência a sen­ sação de ser imperfeito ou de estar in-

OPOSIÇÃO SOL-PLUTÃO As forças psíquicas, criadoras e rege­ neradoras (Plutão) se opõem neste caso à vontade instintiva (Sol), levando o in­ divíduo a uma espécie de jogo de es­ pelhos que deformam, que provocam dúvidas, inquietações morais, transtor­ nos de identidade e uma confusão in­ telectual. O ser afetado por este aspecto nunca pode se sentir satisfeito do que é, do que faz ou do que cria. É exces­ sivamente perfeccionista e, por isso, pouco construtivo, podendo chegar in­ clusive a ficar estéril ou impotente. N o entanto, segundo as situações do Sol e de Plutão nos signos e nas Casas do mapa astral, este aspecto pode ter efei­ tos positivos e empolgantes, no sentido de que a personalidade sempre está em movimento, põe-se continuamente em dúvida e, assim, encontra sempre novas vias e novos recursos na vida. Mas uma atitude deste tipo poderá revelar-se de todas as formas, esgotadora e desgas­ tante.

Os aspectos

As conjunções da Lua
A Lua em conjunção com outro astro pode indicar, por um lado, uma fusão das qualidades sensíveis e as reveladas pelo astro em questão e, por outro lado, uma incompatibilidade entre ambos.
CONJUNÇÃO LUA-SOL Veja o texto «Conjunção Sol-Lua», na seção As conjunções do Sol. CONJUNÇÃO LUA-MERCÚRIO A fusão da sensibili­ dade (Lua) e da in­ teligência (Mercú­ rio) revela uma imaginação e uma curiosidade muito vi­ vas, assim como uma espécie de ativi­ dade mental incessante, que pode ser esgotante para o indivíduo em questão. De fato, é como se nunca pudesse dei­ xar de pensar, refletir ou especular. Assim, se este aspecto não recebe o apoio de um astro restritivo e coerente, como Saturno em trígono ou em sextil com a Lua e Mercúrio, por exemplo, o es­ pírito do ser em questão quase sempre vai se expressar de forma confusa e de­ sordenada. Não possui poder de concentração. É fantasioso imprevisível e suscetível. Por outro lado, se está equilibrado no con­ texto do mapa astral, esta conjunção pode im­ plicar um espírito hábil, muito inspi­ rado, imaginativo c coerente. CONJUNÇÃO LUA-VÊNUS Neste caso, nos en­ contramos ante uma fusão da sensibili­ dade (a Lua) e as emoções, sentimentos e motivações (Vênus). Esta se refere a um ser de comporta­ mento sentimental, emotivo terno, afe­ tuoso e compreensivo. N o entanto, o signo no qual se situa esta conjunção tem grande importância. De fato, em Câncer, por exemplo, os valores sensí­ veis e emotivos são exaltados, enquanto que em Escorpião serão sensualmente intensificados e, em Virgem ou Capri­ córnio, entre outros, serão retidos. Existe o perigo de que suas qualidades sensíveis e afetivas deixem o indiví­ duo influenciável, vulnerável e depen­ dente, já que sua neces­ sidade de ser amado se mostra quase sempre mais forte que sua capacidade de amar. CONJUNÇÃO LUA-MARTE Quando estes dois as­ tros entram em con­ junção, nenhuma fu­ são é possível entre eles, pois suas caracte­ rísticas não são bastante compatíveis como para harmonizar. Na verdade, este aspecto quase sempre in­ dica que o indivíduo em questão se mostrará desconfiado, tímido e receoso em seu comportamento, e, concreta­ mente, em suas relações com as pessoas do sexo oposto. De fato, seu poder de ação c sua agres­ sividade (Marte) perturbam ou trans­ tornam sua sensibilidade (Lua) que fica agitada, impulsiva, incoerente e passa a ser suscetível, sem tato nem equilíbrio interior. N o mapa astral de uma mulher, esta conjunção indica que tende a adotar um comportamento vi­ ril, isto é, que tem reações ou atitudes mais masculinas que femininas. CONJUNÇÃO LUA-JÚPITER A fusão da sensibili­ dade (Lua) e a ale­ gria de viver (Júpi­ ter) tem lugar com freqüência em bene­ fício dos valores sensí­ veis, a sensualidade, a doçura, a ternura e todas as qualidades próprias da Lua. N o entanto, a risco de parecermos es­ quemáticos, podemos dizer que a pes­ soa com este aspecto em seu mapa as­ tral é gentil, sem conotações pejorativas. De fato, é compreensiva, simpática, ale­ gre, sociável, cheia de boa vontade, oti­ mista, às vezes tão ingênua que não sabe ver o mal, nem mesmo indagar-se sobre ele. Não há nela um mínimo de malí­ cia, de maldade, nem ambigüidade, ex­ ceto, evidentemente, se outros ele-

*e"^relementosde seu mapa astral o indi­ cam. Sua franqueza e sinceridade po­ dem ser desconcertantes. N o entanto, comportando-se deste modo, o ser com esta configuração se trans­ forma no alvo de to­ dos os enganos, pois prescinde de lucidez e espírito crítico.

CONJUNÇÃO LUA-SATURNO
Quase nunca pode­ mos falar realmente de fusão a propósito deste aspecto, pois ' Saturno estabelece, inibe ou afoga as qua­ lidades sensíveis do ser em questão. N o melhor dos casos, esta conjunção indica uma grande firmeza de espírito, sanguefrio, uma consciência precisa e lúcida das sensações e a capacidade de dominálas e não ser sua vítima. O ser é fre­ qüentemente razoável. Nunca se excede no tocante à sensibilidade. Mas, ao mesmo tempo, sente sempre uma frus­ tração latente, pois controla ou se con­ tém sistematicamente para não deixarse levar por suas sensações. Por isso, nele a imaginação, a intuição, inclusive cer­ tos prazeres, podem ser inexistentes. Para compensar isto, e inclusivo se é muito inábil a este respeito, tem com freqüência uma excessiva necessidade de ternura, doçura e pequenas atenções. Às vezes, encontramos este aspecto no mapa astral de um ser que experimentou algu­ ma frustração duran­ te sua infância.

do indivíduo em questão quase sempre aparece perturbada, dinamizada, pode­ ríamos dizer que eletrizada, por sua ca­ pacidade de decisão e por seus impulsos. Enquanto isto o deixa flexível e com­ preensivo com os demais, tolerante e permissivo, não por isso fica funda­ mentalmente menos indeciso e in­ fluenciável. Seus reflexos são incoeren­ tes e ineficazes. Reage a contratempo ou não consegue reanimar-se pois se en­ contra paralisado por as sensações. Para compensar, adota um comportamento agitado e esgotador, tanto para ele como para os demais.

CONJUNÇÃO LUA-PLUTÃO
Se existe a fusão en­ tre as qualidades sensíveis (Lua) e as forças psíquicas ^ (Plutão) sempre é em benefício destas últimas. Por esta razão, podemos deduzir, a par­ tir da presença deste aspecto em um mapa astral, que o indivíduo em questão terá uma sensibilidade tipicamente plu¬ notiana, qualquer que seja o signo nele que tal conjunção se produza. Assim, suas qualidades sensíveis são muito pró­ ximas àquelas reveladas pelas interpre­ tações da Lua em Escorpião. Tendo mostrado este matiz, a influência de Marte, primeiro regente deste signo, é inexistente. A sensibilidade se encon­ tra, portanto, relacionada com os ins­ tintos, e o psiquismo está à flor da pele. Deste modo, a sensualidade sai reforçada, intensificada, revelando-se inclusive às vezes um elemento essencial da per­ sonalidade do indivíduo que tiver esta configuração em seu mapa astral. Tal in­ divíduo possui com freqüência um sexto sentido e adivinha os estados de ânimo dos demais, assim como o estado de espírito, bom ou mau, no qual se en­ contram em relação a ele, antecipando os desejos e as reações dos demais, evi­ dentemente, para seu próprio proveito. Por outro lado, apesar de sua forte sen­ sualidade, possui sangue-frio e é com freqüência muito per­ missivo, mas, para­ doxalmente, sem concessões frente i às debilidades dos ' demais.

CONJUNÇÃO LUA-NETUNO
Da mesma forma que a conjunção Lua-Vê­ nus, a fusão entre es­ tes dois astros é total, perfeita e absoluta. E como se Netuno, o transformador desenvolvesse e modi­ ficasse constantemente as qualidades sensíveis do indivíduo em cujo mapa as­ tral está presente este aspecto. Por isso revela-se hipersensível, hiperemotivo, muito imaginativo, receptivo e intuitivo da cabeça aos pés. As vezes, afogado entre mil e um pressentimentos e im­ pressões que não consegue canalizar, nem formular, nem justificar, alimenta medos irracionais e se deixa afundar por suas angústias, sobretudo quando este aspecto se inscreve no contexto de um mapa astral no qual os valores sensíveis e emotivos se destacam. Entretanto, se o mapa astral do indiví­ duo em questão indica, além disso, que se apóia em sólidos valores racionais, esta conjunção revela uma autêntica imagi­ nação criadora, uma percepção exata e perspicaz dos seres e das coisas, e um pro­ fundo e misterioso equilíbrio interior.

CONJUNÇÃO LUA-URANO
Tampouco neste caso podemos assistir a uma fusão das quali­ dades lunares e ura­ nianas. A sensibilidade

Os aspectos

As quadraturas da Lua
As quadraturas da Lua com os outros astros revelam os pontos de tensão que existem no indivíduo entre sua sensibilidade e algum elemento de sua personalidade.
e o poder de ação. Por isso, quando o indivíduo em questão atua, quase sem­ pre o faz sem levar em consideração o que sente. Por isso comete erros. Por outro lado, não consegue traduzir em ações o que sente. Em conseqüência, acaba por ficar desconfiado, suscetível e receoso. Este aspecto pode também revelar um obscuro complexo de infe­ rioridade, que tende a endurecer o ser em questão, a complicar suas relações com o sexo oposto, fazendo-as confli­ tuosas, cheias de agressividade ou de competitividade.

QUADRATURA LUA-SOL Veja o texto «Quadratura Sol-Lua» na seção As quadraturas do Sol.

QUADRATURA LUA-MERCÚRIO As tensões reveladas por este aspecto se referem, por um lado, à sensibilidade do indivíduo e, por outro, a sua inte­ ligência. Estes dois elementos da pessoa nunca coincidem, ao expressar-se quase sempre um em detrimento do outro. Se c a Lua que domina, sua fantasia é trans­ bordante e sua imaginação não tem freios. Se Mercúrio é o mais forte, seu espírito se mostra basicamente prático e, então, para refletir, adormece todas as suas faculdades sensíveis. Em todo caso, quase sempre é suscetível, sensível e pouco sociável. Não tem humor nem tato. As relações com seu ambiente em particular, e com os demais em geral, são difíceis.

QUADRATURA LUA-VÊNUS Por razões fáceis de entender, os dois elementos da personalidade revelados pela Lua e por Vênus, isto é, a sensi­ bilidade, por uma parte, e as emoções e os sentimentos, por outra, são afins. Por isso, quando aparece este aspecto, destaca-se o fato de que existe um clima de tensão entre estas duas facul­ dades do indivíduo em questão e ob­ servamos com freqüência uma insta­ bilidade e uma indecisão fundamental em sua vida amorosa. É como se não tivesse nunca certeza de amar ou de ser amado. De fato, o que sente não coin­ cide com suas emoções; e seus senti­ mentos nunca entram em sintonia com seus sentidos ou sua sensualidade. Em conseqüência, tem muitas vezes difi­ culdade para viver com serenidade suas relações afetivas.

QUADRATURA LUA-MARTE As tensões reveladas por este aspecto são muito vivas e devemos prestar muita atenção a elas. De fato, indicam uma in­ compatibilidade entre a sensibilidade

QUADRATURA LUA-JÚPITER Embora Júpiter seja um astro de repu­ tação positiva e alentadora, não é pre­ ciso minimizar a importância deste as­ pecto quando aparece em um mapa astral. De fato, as tensões resultantes das más relações entre a sensibilidade do in­ divíduo e a alegria de viver podem ser reveladoras de uma tendência marcada a complicar sempre as coisas, ou então a dar mostras de otimismo ou de pes­ simismo inoportunamente. Isto obe­ dece ao fato de que o que ele sente nunca supõe uma fonte de alegria e de prazer para ele, c que, quando se abre ou se deixa ir, o faz sem levar em conta sua sensibilidade ou apesar dela. Por isso, uma vez mais, pode mostrar-se ca­ prichoso ou indeciso.

QUADRATURA LUA-SATURNO Como já podemos suspeitar, muitas ve­ zes é Saturno, isto é, a razão c a luci­ dez do indivíduo, que se sobrepõe à sua sensibilidade. Em outras palavras, seu espírito racio­ nal tende a perturbar, inclusive inibir seus sentidos e sua doçura natural. Po­ rém, isto provoca fatalmente frus­ trações profundas na pessoa em ques­ tão, exceto se, por outro lado, a Lua mantém trígonos ou sextis com astros cujas qualidades são afins às suas, es­ pecialmente Vênus e Júpiter. Em tal caso, o ser afetado consegue ter um sutil equilíbrio entre estas duas tendên­ cias que, no entanto, não coincidem nele. Isto não quer dizer que não sinta sempre uma forma de insatisfação la­ tente.

QUADRATURA LUA-URANO Desta vez são a sensibilidade e a capa­ cidade de decisão que não coincidem. As tensões reveladas por este aspecto são com freqüência muito perturbadoras para o ser em questão, pois sente cer­ tas coisas sem conseguir se decidir a ex­ pressá-las ou a atuar imediatamente para aproveitá-las. Ou então, quando toma uma decisão, o faz sem levar em con­ sideração o que sente ou experimenta. Por isso, comporta-se de maneira im­ pulsiva c irrefletida, atrevida e extrava­ gante, infantil e caprichosa. É o típico aspecto da pessoa que não percebe as oportunidades, que não as vê se apro­ ximar ou que reage demasiado tarde. Da mesma forma, seus reflexos não são bons c normalmente entra em pânico ante uma situação imprevista.

QUADRATURA LUA-NETUNO Este aspecto mostra características e tensões muito sutis, presentes no indi­ víduo em questão, que não são forçosa­ mente reveladas por seu comportamen­ to. De fato, como podemos imaginar, sua sensibilidade não coincide com sua capacidade de transformação. O resul­ tado é a falta de imaginação, incapaci­ dade para aceitar as mudanças em sua vida ou para adaptar-se a elas ou, sim­ plesmente, uma tendência a alimentar medos ou angústias irracionais, porque suas capacidades receptivas, por outro lado, funcionam sem levar em conta o que sente ou experimenta.

QUADRATURA LUA-PLUTÃO Uma vez mais, as tensões interiores re­ veladas por este aspecto são sutis, se­ cretas c pouco perceptíveis no com­ portamento da personalidade afetada. Mas o que diferencia este aspecto do precedente e do resto das quadraturas da Lua é que esse conflito latente entre a sensibilidade e as forças psíquicas, cria­ doras e instintivas do indivíduo, pode jogar a seu favor. De fato, sente que deve desconfiar do que dita seu instinto e seus impulsos. Por isso, fica prudente e pode inclusive dar mostras de uma fir­ me sensatez, sabendo que seu instin­ tos e seus impulsos, pelos quais não se deixa enganar, não respondem a neces­ sidades reais nem lhe oferecem nenhu­ ma sensação agradável.

Os aspectos

Os trígonos e os sextis da Lua
Quando a Lua está em trígono ou em sextil com outro astro, a sensibilidade do indivíduo afetado vê-se estimulada ou reforçada pelas qualidades do astro em questão.
inteligência estará a serviço da sensibi­ lidade. Se for Mercúrio que estiver em melhor posição no mapa astral, será o contrário: a sensibilidade dependerá da inteligência (por exemplo: Mercúrio em Gêmeos, em trígono com a Lua em Libra). Além disso, esta observação é vá­ lida para todos os trígonos da Lua. SEXTIL Este aspecto apresenta características semelhantes às reveladas pelo trígono, porém destaca o caráter compreensivo, agradável, aberto, tolerante e, princi­ palmente, terno e afetuoso do indiví­ duo em questão.

LUA-SOL TRÍGONO E SEXTIL SEXTIL Veja o texto "Trígono e sextil Sol-Lua", no capítulo Os trígonos e os sextis do Sol. Este aspecto é mais equilibrado do que o trígono entre a Lua e Mercúrio ao in­ dicar que a sensibilidade ou a inteli­ gência nunca levam vantagem uma sobre a outra. N o entanto, revelam um espírito mais prático do que imaginativo e muita sensatez.

LUA-MERCÚRIO — TRÍGONO A sensibilidade e a inteligência do in­ divíduo coincidem, enriquecem-se e es­ timulam-se plenamente. Sabe, portanto, empregar seus sentidos para compreen­ der ou utilizar seu espírito para sentir as coisas. Por isso, seu espírito prático vê-se reforçado. Este aspecto revela quase sempre um bom equilíbrio psicológico e moral, muita sensatez e uma grande sociabilidade natural. No entanto, é im­ portante observar em que signos a Lua e Mercúrio se encontram. De fato, se a Lua estiver em uma posição de força ou exaltação (por exemplo: Lua em Câncer, em trígono com Mercúrio em Peixes), a

LUA-VÊNUS TRÍGONO Podemos considerar que o ser afetado por este aspecto é muito dotado para a vida afetiva em geral e as relações amo­ rosas em particular. Em todo caso, sua sensibilidade e suas emoções expressamse de forma serena e equilibrada. Por isso, deseja viver seus sentimentos com toda a simplicidade. Tem bom gosto, é refi­ nado, possui a arte de viver em condições agradáveis. E claro que é sentimental­ mente receptivo e atento aos outros.

LUA-MARTE -TRÍGONOAlém do fato deste aspecto indicar sem­ pre um temperamento vivo no indiví­ duo em questão, devemos ser muito cautelosos, pois as relações Lua-Marte e, conseqüentemente, sensibilidade-po¬ der de ação, nunca são simples. Sendo assim, os movimentos agressivos de Marte perturbam sempre, em maior ou menor medida, a necessidade de doçura própria da Lua, inclusive quando ambos os astros mantêm boas relações, como é este o caso. Por isso, a pessoa em questão é quase sempre um pouco pre­ sunçosa, pois sua capacidade de ação a torna segura do que sente ou experi­ menta. SEXTIL Neste caso também destaca-se o tem­ peramento vivo, mas manifesta-se de

forma muito mais harmoniosa. De fato, neste aspecto, mais do que no precedente, a sensibilidade do indiví­ duo acalma e harmoniza seu poder de ação.

sensibilidade nele e revela um excelente equilíbrio interior. Se, por outro lado, Mercúrio estiver em uma boa posição no mapa astral, este aspecto pode indi­ car uma verdadeira firmeza. SEXTIL Apresenta características idênticas às re­ veladas pelo trígono entre estes dois as­ tros, mas neste caso destaca-se a sen­ satez prática, lógica e metódica.

qualidade excepcional: a de se refugiar em si mesmo para tirar partido de seus profundos recursos imaginativos e do seu poder de adaptação e de transfor­ mação. É quase sempre, portanto, muito imaginativo, porém também é intuitivo, inspirado e provido de um profundo equilíbrio interior que lhe permite abs­ trair-se do mundo e dos outros sem­ pre que quer. SEXTIL Este aspecto indica qualidades idênticas reveladas pelo trígono entre estes dois astros: intuição, inspiração e um exce­ lente equilíbrio interior. No entanto, são menos flagrantes do que no aspecto pre­ cedente. Quase sempre misturam-se no esquema da personalidade.

LUA-JÚPITER TRÍGONO Trata-se de um aspecto muito bonito que revela que, no indivíduo em ques­ tão, a sensibilidade e a alegria de viver coincidem perfeitamente. Conseqüen­ temente, indicam caráter agradável, compreensivo e benévolo, um bom hu­ mor estável, uma sensualidade natural, todas elas qualidades que atraem a sim­ patia dos outros e fazem com que a pes­ soa em questão seja muito atraente. SEXTIL Este aspecto revela que a sensibilidade do indivíduo se encontra em condições de se realizar plenamente, sem restrição alguma. Encontra-se com freqüência em seres dos quais temos tendência para di­ zer, normalmente, que são "boas pessoas" e, realmente, é disto que se trata aqui.

N

rrJ

LUA-URANO TRÍGONO Encontramo-nos ante uma configuração que apresenta algumas semelhanças com o trígono Lua-Marte no sentido em que a capacidade de decisão, própria de Ura­ no, às vezes adultera as qualidades luna­ res sensíveis. Logo, este aspecto revela um indivíduo de caráter compreensivo e tolerante mas, às vezes, demasiado per­ missivo, influenciável, ou com refle­ xos perturbados pela sensibilidade. SEXTIL Este aspecto é muito mais harmonioso do que o precedente. Revela, portanto, que o indivíduo conhece muito bem as decisões que deve tomar, sabe tomálas no momento oportuno e reagir tam­ bém em devido tempo.

LUA-PLUTÃO TRÍGONO As boas relações entre a sensibilidade e as forças psíquicas do indivíduo esti­ mulam ao máximo suas qualidades in­ tuitivas e instintivas. N o entanto, apro­ veita-as quase sempre para seduzir, para convencer, para captar a atenção, às vezes mesmo para manipular os outros, adivi­ nhando seus estados de espírito, seus de­ sejos ou suas necessidades ocultas. SEXTIL Com este aspecto, encontramo-nos ante um indivíduo que aproveita sua sensibi­ lidade c suas forças psíquicas de uma forma mais harmoniosa, mas sua forma persuasiva e seu poder de sedução e su­ gestão permanecem muito vivos.

LUA-SATURNO TRÍGONO A sensibilidade e o potencial de lucidez, juntamente com o da maturidade, deste indivíduo apóiam-se mutuamente. Por isso, quase sempre é a razão que pre­ domina e controla a sensibilidade do in­ divíduo em questão, o que exclui, por­ tanto, toda a possibilidade de excesso de

LUA-NETUNO TRÍGONO Trata-se de um aspecto maravilhoso que revela no indivíduo em questão uma

Os aspectos

As oposições da Lua
Quando a Lua se encontra em oposição com um astro no interior do Zodíaco do mapa astral do indivíduo em questão, este aspecto revela uma divisão ou incompatibilidade entre a sensibilidade e as características indicadas por este astro.
um ponto de entendimento, nenhuma expressão comum. Se a Lua dominar o mapa astral, então comporta-se de uma forma caprichosa, infantil, irres­ ponsável, instável, susceptível, às vezes totalmente irracional e ilógica. Por outro lado, se for Marte que dominar, seu comportamento é completamente imprevisível, provocador, receoso. Pode inclusive sentir um prazer ma­ licioso em fazer sistematicamente o contrário do que lhe é pedido. Tanto se se tratar de um mapa astral mascu­ lino como de um feminino, este as­ pecto revela sempre relações muito complicadas com as mulheres.

OPOSIÇÃO LUA-SOL Veja o texto "Oposição Sol-Lua" em As
posições do Sol.

OPOSIÇÃO LUA-MERCÚRIO Neste caso a sensibilidade e a inte­ ligência do indivíduo não só não coin­ cidem como também se confrontam permanentemente no interior de si mesmo. Por isso, existe nele uma ambivalência natural entre o que sente e o que pensa, isto é, entre a emoção e a razão; suas sensações e suas idéias nunca funcio­ nam no mesmo registro. Isto provoca, conseqüentemente, uma instabilidade, uma falta de continuidade em seus pensamentos, uma grande dificuldade para se adaptar ao seu meio social na­ tural e a todo o contexto alheio ao seu. As relações com os que o rodeiam são também problemáticas, porque nunca consegue comunicar com clareza o que se sente. Isto torna-o suscetível e des­ confiado.

OPOSIÇÃO LUA-VÊNUS Este aspecto revela que, no indivíduo em questão, os dois pólos da sensibilidade e suas sensações, por um lado, e suas mo­ tivações e emoções, por outro, tendem a expressar-se cada um para seu lado, às vezes sem levar em conta a outra parte ou mesmo em detrimento da mesma. Por isso, estando suas emoções restrin­ gidas por sua sensibilidade, tende a su­ blimar seus sentimentos, a idealizar o ser amado. Mas, ao mesmo tempo, pela mesma razão que suas sensações não têm nada a ver com seus sentimentos, en­ contra-se imerso em uma incerteza cons­ tante, e alimenta com freqüência o com­ plexo de ser um pouco querido. Tanto assim é que falta lucidez em suas esco­ lhas de parceiro ou que, contra sua von­ tade, põe seus olhos em um ser que não lhe corresponderá como deseja.

OPOSIÇÃO LUA-JÚPITER Muitas vezes temos tendência para su­ bestimar os aspectos para com Júpiter, pois este astro tem a fama, um pouco sobrevalorizada, de ser muito bené­ fico. É certo que, quando os pólos da sensibilidade e a alegria de viver se confrontam no indivíduo em questão, o que revela este aspecto não tem muita importância. N o entanto, este indivíduo, ao não conseguir gozar de

OPOSIÇÃO LUA-MARTE A sensibilidade do indivíduo e sua ca­ pacidade de ação não encontram nem

suas sensações ou, mais exata­ mente, ao expressar-se à parte de suas alegrias e da manifestação de seu po­ tencial de expansão, revela-se no final ingênuo e influenciável, fraco e in­ constante. O que sente e experimenta não o torna realmente feliz e sua feli­ cidade não o satisfaz de um ponto de vista sensível.

OPOSIÇÃO LUA-SATURNO Quando a sensibilidade e a razão se opõem em um ser, muitas vezes são as características reveladas por Saturno, ou seja, as faculdades do espírito ra­ cional, que ganham vantagem, em de­ trimento dos valores sensíveis próprios da Lua. Assim, a doçura, a ternura, a imaginação e a fantasia, todas elas qua­ lidades tipicamente lunares, são as que sairão perdendo enquanto seu com­ portamento rigoroso, rígido, austero, sua lucidez, às vezes sua dureza, que são qualidades normalmente atribuí­ das a Saturno, saem ganhando. N o mapa astral de um homem, à vezes trata-se da configuração do misógino; no de uma mulher, trata-se de uma di­ ficuldade para viver com serenidade com equilíbrio a sua feminilidade e às vezes até uma desconfiança total das outras mulheres.

em um caráter indeciso, de maus re­ flexos, em uma falta total de sentido de oportunidade e, sobretudo, quando a Lua está em uma situação de força no mapa astral, em um comportamento ca­ prichoso e incoerente. Reage quase sempre inoportunamente, visto que seu dinamismo não consegue apoiar-se em sua sensibilidade. Assim, às vezes, sente que deve reagir, mas não o consegue. Mais uma vez, indica uma fraqueza de caráter, um comportamento pouco ra­ zoável ou uma falta de autodefesa, de força e de decisão.

Netuno no mapa astral. Na prática, esta posição traduz-se em uma falta de equi­ líbrio interior, sua sensibilidade proi­ bindo-o de se adaptar às circunstâncias e a seus estados de espírito ou impe­ dindo-o de evoluir. E isto, muitas vezes, é susceptível de induzi-lo a um per­ pétuo descontentamento.

OPOSIÇÃO LUA-URANO O confronto entre a sensibilidade e a capacidade de decisão traduz-se com freqüência, no indivíduo em questão,

OPOSIÇÃO LUA-NETUNO Pelo mesmo motivo que põe Netuno em relação com os distúrbios emocio­ nais sutis e interiorizados, as caracte­ rísticas que nos indicam que este as­ pecto está presente no mapa astral de um ser são também sutis e delicadas de interpretar. De fato, trata-se de um confronto evidente entre os dois pólos da sensibilidade: sua sensibilidade pu­ ra, por um lado, indicada pela posição da Lua, e sua sensibilidade emocional, por outro, revelada pela situação de

OPOSIÇÃO LUA-PLUTÃO Neste caso são as qualidades sensíveis por um lado, e as forças psíquicas, por outro, o que se confrontam no interior do indivíduo em questão, de forma sutil e interiorizada. N o entanto, esta oposição pode ter efeitos perversos em um comporta­ mento, no sentido de que muitas vezes indica inibições muito fortes da sen­ sualidade, impulsos incoerentes e irre­ primíveis, que provocam um caráter introvertido, misterioso, às vezes sub­ metido a excessos ou a crises de sen­ sibilidade. Esta, ao nunca conseguir sair de seu psiquismo, provoca que sua força de regeneração se veja inevita­ velmente restringida e suas capacida­ des diminuídas.

Os aspectos

As conjunções de Mercúrio
Dependendo da natureza do astro com o qual Mercúrio se encontra, suas qualidades serão concentradas, intensificadas, dinamizadas ou absorvidas por este astro.
CONJUNÇÃO MERCÚRIO-SOL
Ver o texto "Conjunções Sol-Mercúrio no capítulo As conjunções do Sol.

CONJUNÇÃO MERCÚRIO-JÚPITER
Quando estes dois astros se encontram em conjunção, es­ tamos quase sempre ante uma espécie de fusão entre a inteligên­ cia e a alegria de viver, que se efetiva principalmente em benefício das qua­ lidades jupiterianas de expansão, bemestar, euforia e otimismo. Por isso, as fa­ culdades cerebrais do indivíduo em questão ficam ligeiramente debilitadas. Não gosta das complicações. Pode in­ clusive revelar-se simplista ou simpli¬ ficador ao máximo, a ponto de, por exemplo, rejeitar categoricamente os problemas ou de, quer por excesso de ingenuidade ou por puro e simples re­ púdio, negar seus erros, suas fraque­ zas ou as dos outros. Podemos dizer, sempre, que sua alegria de viver adormece ou eclipsa sua inteligên­ cia, o que, por outro j lado, não impede ] que goste muito de falar.

CONJUNÇÃO MERCÚRIO-LUA
Veja o texto "Conjunção Lua-Mercúrio no capítulo As conjunções da Lua. CONJUNÇÃO MERCÚRIO-VÊNUS Para que este aspecto sublinhe realmente o fato de nos encon­ trarmos ante um indivíduo provido de um espírito prá­ tico, não é necessário que ambos os astros estejam demasiado próximos um do outro. Em caso de fusão ou conjunção muito próxima, a um grau por exemplo, ou é a inteligên­ cia que se expressa e se afirma em de­ trimento das emoções — se se produzir em um signo e/ou em uma Casa que re­ força as qualidades de Mercúrio —, ou então serão os sentimentos que se ma­ nifestam sem nenhuma inteligência nem discernimento — se a posição deste as­ pecto revelar um predomínio das ca­ racterísticas de Vênus. Do contrário, trata-se do aspecto dos sen­ timentos razoáveis e ponderados e de uma inteligência benévola, curiosa, cheia de sen­ satez.

CONJUNÇÃO MERCÚRIO-MARTE
Qualquer que seja a esfera de Mercúrio e Marte em conjun­ ção no mapa astral, este aspecto indica uma inteligência ativa, uma necessidade de encontrar aplicações imediatas e concretas para suas idéias, a necessidade de traduzir seus pensa­ mentos, convicções e opiniões em atos. É o típico aspecto do militante, de quem luta para defender suas idéias, sua causa, inclusive uma causa comum. Em todo o caso, no indivíduo em questão existe uma necessidade crucial de se afirmar através de sua inteligência, de fazer pre­ valecer suas idéias, de reivindicar ou às vezes revelar-se, pois o encontro de Marte, simbolizando o poder de ação, e de Mercúrio, representando a inte­ ligência, mas também a fala e a escrita, pode ser a origem de uma vio­ lência verbal ou re­ velar dotes de pole­ mista.

CONJUNÇÃO MERCÚRIO-SATURNO
Neste caso, encontra­ mo-nos ante uma fu­ são da inteligência e da razão, cujos efei­ tos não deixam de ter interesse, mesmo se ti­ verem tendência a endurecer o caráter

do indivíduo com este aspecto em seu mapa astral. N o entanto, se os ou­ tros elementos indicarem muita sensi­ bilidade e emoção no ser em questão, esta conjunção pode ser sinal de um rigor que será muito útil no seu equilí­ brio psicológico e moral. Visto que o encontro entre Mercúrio e Saturno re­ velar sempre boas faculdades de con­ centração, um sentido inato da reflexão e da dedução, quase sempre correta, porque foi elaborada e longamente questionada, um bom espírito de aná­ lise e de síntese, uma mente lúcida, crí­ tica e lógica ao mesmo tempo. Este as­ pecto chega mesmo a destacar a importância que desem­ penhará a inteligência, o conhecimento e a cultura no desenvol­ vimento da persona­ lidade do indivíduo em questão. CONJUNÇÃO MERCÚRIO-URANO As qualidades pró­ prias de Mercúrio e Urano são total­ mente compatíveis e complementares. É o que podemos chamar um bom aspecto, que indica que o in­ divíduo em questão é provido de um es­ pírito dinâmico, desenvolto, que reage, flexível, compreensivo, disponível, in­ conformista, original, curioso, aberto a todas as reflexões, idéias, todas as cor­ rentes do pensamento e de opinião. Sabe captar as idéias que estão na moda ou em voga, relativizar as coisas, inver­ ter os valores, pelo próprio fato de pos­ suir um grande poder de abstração men­ tal. Não pensa como todas as demais pes­ soas, mas seus bons reflexos intelectuais permitem-lhe adap­ tar-se às mais variadas mentalidades e manei­ ras de ser.

CONJUNÇÃO MERCÚRIO-NETUNO Este aspecto deve ser estudado com muita atenção e precaução no âmbito da perso­ nalidade. Com efei­ to, se suas qualidades mercurianas não fizerem mais do que nadar na receptividade de Netuno, o in­ divíduo afetado por esta configuração é provido de uma inteligência inspirada, intuitiva e instintiva ao mesmo tempo, podendo transformar-se e desenvolverse em profundidade. Por outro lado, se Mercúrio for absorvi­ do por Netuno ou se se afogar nele, o ser em questão vê como seu espírito lú­ cido é perturbado pelos seus distúrbios emocionais que o submergem, o ofus­ cam e afogam sua inteligência. Então, corre o risco de ser vítima de seus fan­ tasmas, de fazer ilusões, de cometer vários erros de julgamento e tor­ nar-se muito influen­ ciável.

CONJUNÇÃO MERCÚRIO-PLUTÃO Desta fusão entre a in­ teligência e as forças psíquicas instintivas resulta quase sempre uma mistura do mais puro metal, revelando desta forma o indivíduo provido de um espírito, se não puro, pelo menos dis­ posto a despojar-se de todos os florea­ dos, preocupado em ir ao essencial, em indagar na realidade até suas raízes sem perder tempo com as especulações nem detalhes. Por isso, o ser em questão possui quase sempre uma mentalidade de experi­ mentador, provocador, lutador, in­ quieto, que mente para apurar a ver­ dade, vítima de dúvidas e incessantes perguntas, capaz de pôr em dúvida, de repente, suas próprias idéias e con­ vicções, de rejeitá-las to­ talmente para adotar uma maneira de pen­ sar e de viver total­ mente diferente.

Os aspectos

As quadraturas de Mercúrio
indivíduo em questão possuirá, evi­ dentemente, uma grande inteligência mas não saberá como empregar suas boas idéias ou suas boas intenções. Se for Marte o planeta que estiver na po­ sição de força, agirá freqüentemente, apesar de sua sensatez, contra tudo que é razoável, ou então considera a ação como um fim em si mesmo.

Quando Mercúrio se encontra em quadratura com um astro, a inteligência e as qualidades reveladas pela natureza deste astro contradizem-se, indicando assim tensões efrustração no indivíduo em questão.

QUADRATURA MERCÚRIO-SOL Veja o texto "Quadratura Sol-Mercúrio" em As quadraturas do Sol.

QUADRATURA MERCÚRIO-LUA Veja o texto "Quadratura Lua-Mercú­ rio" em As quadraturas da Lua. QUADRATURA MERCÚRIO-VÊNUS Este aspecto não existe, pois assim como nas quadraturas Sol-Mercúrio e SolVênus, Mercúrio e Vênus nunca se afas­ tam mais de 80 graus no interior do Zo­ díaco, e sabemos que são necessários 90 graus de separação para formar uma quadratura. Sendo assim, entre estes dois astros só as conjunções e os sextis são possíveis.

QUADRATURA MERCÚRIO-MARTE Este aspecto indica que existe, senão um antinomia, pelo menos uma incompa­ tibilidade entre a inteligência do indi­ víduo e sua capacidade de ação, pois nunca funcionam em uníssono. Na prá­ tica, isto implica que nunca chega a tra­ duzir em atos suas idéias ou intenções, quer sejam boas quer más. Daí que, fre­ qüentemente, surja um sentimento de impotência que o caracteriza, uma di­ ficuldade maior para agir tal como ele o entende, às vezes até uma diferença fla­ grante e, evidentemente, incoerente, entre o que pensa e o que diz, por um lado, e o que faz, por outro. Por nunca conseguir realizar aquilo em que acre­ dita ou aquilo que sabe, manifesta ha­ bitualmente um espírito rebelde ou anárquico, inclusive de contradição sis­ temática, que esconde sua incapacidade para materializar suas idéias e que com­ pensa a frustração esgotadora que ex­ perimenta. Sendo assim, suas tensões resolvem-se quase sempre com polê­ micas ou reivindicações incessantes, que não tornam seu caráter muito simpático. Transformam-se em uma tendência para discutir constantemente por tudo e por nada, geralmente por motivos fúteis, sempre com grande nervosismo, pro­ duto de sua natureza sensível e suscep­ tível. Se, por outro lado, Mercúrio se re­ velar bem cercado no mapa astral, o

QUADRATURA MERCÚRIO-JÚPITER Neste caso, a inteligência e a alegria de viver do indivíduo em questão são os elementos que não combinam. Pode­ mos deduzir que nunca usufrui re­ fletindo, pensando, criando, e que seu espírito nunca chega a abrir-se e ex­ pandir-se. Não suporta os problemas de nenhum tipo e tende constantemente a simplificar ou a esquematizar tudo. Por isso, quase sempre exagera e dramatiza as dificuldades com que se confronta, complica as coisas mais banais e sim­ ples, quando, por outro lado, como já dissemos, olha os seres e as coisas de forma simplista ou simplificadora.

QUADRATURA MERCÚRIO-SATURNO Este aspecto indica que a inteligência do indivíduo não recebe nenhum apoio por parte de sua razão nem do seu po­ tencial de maturidade. Experimenta, portanto, grandes dificuldades para se concentrar, raciocinar, seguir um pro­ cesso lógico, deduzir ou concluir, ex­ trair lições de suas percepções mentais ou intelectuais. Muitas vezes sofre mesmo de uma dispersão de suas fa­ culdades cerebrais e, conseqüente­ mente, falta-lhe objetividade, tolerân­ cia, compreensão e profundidade de julgamento.

QUADRATURA MERCÚRIO-NETUNO Neste aspecto são possíveis duas inter­ pretações. Com a primeira, nos encon­ tramos ante um indivíduo cuja inte­ ligência é totalmente hermética a toda especulação propriamente netuniana, a qualquer sonho e a qualquer imagi­ nação, mas que, por isso mesmo, rejeita também categoricamente qualquer evo­ lução do pensamento ou transformação de idéias. Não vale a pena esperar que mude de espírito nem de mentalidade durante toda a sua vida, embora, por outro lado, demonstre um grande realismo. Com a segunda interpretação, o indivíduo em questão adota um comportamento men­ tal totalmente imprevisível. Suas idéias são vagas, instáveis, incoe­ rentes e o tornam susceptível, princi­ palmente quando se questionam suas opiniões ou convicções pessoais, mui­ tas vezes idealistas e nebulosas.

QUADRATURA MERCÚRIO-PLUTÃO Trata-se da única quadratura entre estes dois astros da qual podemos dizer que é do máximo interesse para o indivíduo, embora indique tensões entre a inte­ ligência e as forças psíquicas da pessoa. Com efeito, é como se intelectualmente desconfiasse de seus instintos e de seus impulsos. Por isso, mostra-se prudente, negando-se qualquer excesso ou des­ controle. E óbvio que, por outro lado, duvida de sua inteligência, de suas idéias, ou então às vezes tem a sensação de se encontrar tomado por uma confusão mental, de uma proliferação de pensa­ mentos que não controla. No entanto, a impressão que tem por não se achar em condições de traduzir em realidade o que seu instinto lhe dita, torna-o extrema­ mente inquieto ao confrontar-se com si­ tuações claras e concretas, c faz com que se mostre honestamente meticuloso e escrupuloso em qualquer circunstância.

QUADRATURA MERCÚRIO-URANO Quando a inteligência e a capacidade de decisão de um indivíduo não combi­ nam, podemos deduzir, fácil e natural­ mente, que suas idéias e seus pensa­ mentos flutuarão em uma constante indecisão, que o impede de tomar po­ sições ou partido, fazer escolhas e ter idéias pessoais e originais. Por outro lado, este aspecto sublinha também, com freqüência, se não um bloqueio das faculdades cerebrais, ao menos escassos reflexos mentais, que podem gerar dis­ túrbios na fala ou na comunicação. Perde suas faculdades no momento em que tem de se expressar ou responder. Também acontece que algumas idéias, opiniões ou convicções afirmadas pelos outros o indignam, mas não consegue expressá-lo de outra maneira a não ser demasiado tarde, depois de uma batalha.

Os aspectos

Os trígonos e os sextis de Mercúrio
Estes aspectos realçam, reforçam ou estimulam a inteligência do indivíduo, qualquer que seja o astro com que Mercúrio se encontre em trígono ou em sextil.
mais de 80° um do outro no interior do Zodíaco. SEXTIL Este aspecto indica que o indivíduo em questão dispõe de um bom equilíbrio afe­ tivo e moral. De fato, a sua inteligência MERCÚRIO-SOL e as suas emoções mantêm relações har­ TRÍGONO E SEXTIL moniosas e serenas. O seu espírito prá­ Veja o texto "Trígono e sextil Sol-Mer­ tico é reforçado e os seus sentimentos são cúrio", na seção Os trígonos e os sextis do razoáveis c benévolos. As suas relações amorosas quase sempre são baseadas em Sol. profundas afinidades, pontos de interesse comuns e uma compreensão mútua. SEXTIL Mais uma vez, a inteligência e o poder de ação do indivíduo são estimulados com alegria e expressados de forma perfeitamente harmoniosa. Assim, é capaz de refletir à medida que vai agindo, de pensar ao mesmo tempo que toma decisões, de pôr rapidamente em prática as suas idéias e, quase sem­ pre, o que diz corresponde exatamente àquilo que faz.

MERCÚRIO-LUA TRÍGONO E SEXTIL MERCÚRIO-MARTE Veja o texto "Trígono e sextil Lua-Mer­ TRÍGONO cúrio", na seção Os trígonos e os sextis da Lua. Nesta configuração, o poder de ação re­ velado por Marte reforça e estimula a inteligência do indivíduo em questão, que em tal caso terá muito talento para transformar as suas idéias em atos. Passa facilmente da concepção à realização ativa das suas idéias. Quase sempre pos­ sui um espírito combativo e militante e não hesita quando precisa lutar para defender aquilo que acredita. N o en­ MERCÚRIO-VÊNUS tanto, não age a não ser que tenha uma TRÍGONO Este aspecto não existe. Efetivamente, boa razão para o fazê-lo. Os atos gra­ Mercúrio e Vênus nunca se afastam tuitos o aborrecem.

MERCÚRIO-JÚPITER TRÍGONO Este aspecto revela que se estabelecem trocas muito harmoniosas entre a in­ teligência e o poder de expansão por um lado e a alegria de viver do indivíduo em questão, por outro. Estes, conferem-lhe desta forma, uma grande facilidade de expressão e elo­ qüência e, às vezes, autênticos dotes de orador. Além disso, assimila muito bem as idéias c os conceitos e, por sua vez, tem muito talento para transmiti-los, tentando simplificá-los ao máximo, torná-los claros, inteligíveis e acessíveis para todos. Também pode ter dotes em potencial para a pedagogia.

SEXTIL E o aspecto da alegria que um indivíduo sente ao aprender, compreender, con¬ ceitualizar, refletir, trocar idéias, opi­ niões, pontos de vista, assim como ao comunicar abertamente o seu saber ou o seu conhecimento. MERCÚRIO-URANO -TRÍGONO A capacidade de decisão do indivíduo afetado por essa configuração reforça, estimula e dinamiza a sua inteligência. Este aspecto pode assim transformar-se no eixo fundamental da sua personali­ dade c inteligência (ou a todos os va­ lores inerentes ao espírito), tornandose no seu cavalo de batalha. O seu espírito revela-se inconformista, às vezes até mesmo rebelde ou ma­ quiavélico por mero divertimento. Gosta de se fazer de advogado do diabo, semear a contradição, lutar em defesa de causas perdidas. É muito dotado para relativizar as si­ tuações, os problemas, as idéias, inver­ ter os valores, questionar-se. Além disso, é provido de um espírito muito flexível e curioso que o torna compreensível, tolerante, mas também muito imprevisível. SEXTIL Trata-se também do aspecto que revela uma inteligência dinâmica, um espírito curioso e muita flexibilidade e tolerân­ cia no indivíduo em questão.

Isto confere-lhe uma imaginação no­ tável, uma mente inspirada, um espírito capaz de adaptar-se a idéias ou concei­ tos elevados e, inclusive, a aspirações idealistas, espirituais ou míticas ou dons de clarividência. SEXTIL Mais uma vez, estabelecem-se trocas sutis c harmoniosas entre a inteligên­ cia do indivíduo e as suas emoções pro­ fundas, revelando um ser intuitivo, ima­ ginativo, inspirado sem que por isso perca a noção da realidade e da medida.

MERCÚRIO-SATURNO TRÍGONO Saturno, neste caso, revela que apóia a inteligência do indivíduo, tornando-a séria, razoável, lúcida e dotando-a de um excelente poder de concentração que permite que o seu espírito se fixe em problemas concretos. Sabe transmitir julgamentos profundos e justos, mesmo que às vezes não sejam piedosos, sobre os seres e as coisas. Demonstra muito sangue-frio, tanto intelectual como moral. Possui a arte de encontrar so­ luções racionais e lógicas para os pro­ blemas que lhe surgem. Por outro lado, sente muito apego às suas convicções, que defende com grande determinação e muita segurança. SEXTIL Este aspecto revela que o indivíduo em questão possui uma inteligência lúcida, seletiva e que é muito hábil para emi­ tir bons julgamentos. Trata-se quase sempre de um conselheiro valioso, de um ser que aspira, razoável c logica­ mente, dar sentido à sua vida.

MERCÚRIO-PLUTÃO TRÍGONO Neste caso são as forças secretas, psí­ quicas e instintivas que reforçam a in­ teligência do indivíduo em questão. Assim, revela-se quase sempre muito consciente das vantagens ou qualidades de que dispõe, inspira muita confiança nas suas idéias e, sobretudo, no seu juízo, evidentemente. Possui um espírito penetrante, crítico e cáustico, às vezes até provocador e muito eficaz, uma vez que vai sempre até o fim e não se importa em arriscar. SEXTIL Este aspecto nos mostra um ser de convicções firmes e tenazes. A sua in­ teligência é reativada e regenerada inces­ santemente, graças a uma viva curio­ sidade que nunca é superficial, mas penetrante e sustentada por uma ne­ cessidade instintiva de expressar as suas idéias ou conceitos, principalmente aqueles que saem fora do normal.

MERCÚRIO-NETUNO TRÍGONO Este aspecto mostra que a inteligência do indivíduo está em contato perma­ nente com o seu poder de transfor­ mação, as suas emoções profundas e as suas intuições.

Os aspectos

As oposições de Mercúrio
Quando Mercúrio se encontra em oposição com um astro em um mapa astral, a inteligência do indivíduo em questão e as qualidades reveladas por este astro são as que se enfrentam nele.
OPOSIÇÃO MERCÚRIO-SOL Este aspecto não existe. Veja o texto "oposição Sol-Mercúrio" na seção Ás oposições do Sol. será a opção tomada pelo indivíduo afetado por esse aspecto, é necessá­ rio estudar atentamente as posições de Mercúrio e Júpiter nos signos e nas Casas, assim como as regências de ambos os astros. N o primeiro caso, tende a ser descrente, a querer expli­ car tudo, a dar conselhos sem que nin­ guém lhe tenha pedido nada. N o se­ gundo caso, dá uma interpretação simplista das coisas e escapa desde o momento que surge uma situação complexa ou anormal. Em algumas ocasiões, sabe ou nota que está limi­ tado intelectualmente, gerando para si um complexo de inferioridade era re­ lação às idéias dos demais.

OPOSIÇÃO MERCÚRIO-LUA Este aspecto não existe. Veja o texto "oposição Lua-Mercúrio" na seção As oposições da Lua. OPOSIÇÃO MERCÚRIO-VÊNUS Este aspecto não existe. De fato, Mer­ cúrio e Vênus nunca se distanciam mais do que 80° um de outro no in­ terior do Zodíaco.

sua capacidade de ação, que se en­ frentam nela permanentemente, dei­ xando-a incapaz de materializar a suas idéias e intenções. O que pensa nunca se parece aos seus atos ou atua de forma irracional e, inclusive, impul­ siva. Tal incoerência e disfunção entre a inteligência e a capacidade de ação podem gerar problemas de compre­ ensão e comunicação, torpeza ou transtornos da palavra. Assim, para compensá-lo, o indivíduo com esta configuração no seu mapa astral pode alimentar idéias fixas ou adotar uma forma de agir unilateral, mas também pode desenvolver magníficas faculda­ des intuitivas, receptivas ou imagina­ tivas, que serão reveladas pelas po­ sições da Lua e Netuno.

OPOSIÇÃO MERCÚRIO-MARTE Se a quadratura entre estes dois as­ tros muitas vezes revela um obscuro sentimento de impotência e, para um indivíduo que tem dificuldades em traduzir as suas idéias em ações ou em expressar de forma clara, direta e sim­ ples o que pensa, com este aspecto existe uma flagrante incompatibilidade entre o espírito da pessoa afetada e a

OPOSIÇÃO MERCÚRIO-SATURNO Neste caso, a inteligência do indivíduo e a sua capacidade de concentração e de amadurecimento são os elemen­ tos enfrentados. As tensões geradas por esse conflito entre a mente e o espírito racional demonstram um complexo de inferioridade muito mais grave que aquele que também encontramos na

OPOSIÇÃO MERCÚRIO-JÚPITER É o aspecto típico de quem mostra tendência a complicar tudo ou a sim­ plificar ao máximo. Para saber qual

oposição Mercúrio-Júpiter. De fato, a oposição Mercúrio-Saturno in­ dica quase sempre uma verdadeira ini­ bição das capacidades cerebrais, uma confusão mental, bloqueio na ex­ pressão das idéias ou dos pensamentos íntimos, às vezes, uma incapacidade fundamental para comunicar-se. É possível que a inteligência do indiví­ duo com este aspecto no seu mapa as­ tral tenha sido afrontada desde a infân­ cia. Em todo o caso, os seus conflitos com a autoridade sob todas as suas for­ mas sempre estão latentes. Dessa forma, não suporta que lhe influen­ ciem, que lhe imponham regras e dis­ ciplina. Porém, principalmente, nunca consegue seguir os passos de um ra­ ciocínio lógico e é muito difícil fazerlhe entrar em razão.

OPOSIÇÃO MERCÚRIO-URANO Nesse caso, tratam-se de vivas tensões geradas por uma incompatibilidade fla­ grante — ou, pelo menos, que a pessoa sinta como tal — entre a sua inteligên­ cia, por um lado, e a sua força impul­ siva por outro. De qualquer forma, isto perturba os seus reflexos mentais, o torna completamente incoerente ou ex­ travagante intelectualmente, passando de um extremo a outro sem nunca ex­ perimentar ou aplicar o que pensa ou concebe. As suas capacidades cerebrais encontram-se submetidas a uma des­ continuidade e instabilidade constan­ tes que o incitam então a manifestar o espírito de revolta ou de contradição sistemático, mas totalmente injustifi­ cado, ou os submergem em uma total indecisão que o torna incapaz de apro­ veitar as boas oportunidades, de agir ou reagir de improviso quando necessário.

OPOSIÇÃO MERCÚRIO-NETUNO Quando o indivíduo vê que Mercúrio c Netuno se afastam mutuamente no seu mapa astral, significa que está imerso em uma dualidade, que pode ser preju­ dicial para as suas capacidades cerebrais e influir muito no seu comportamento e na sua mentalidade. De fato, por um lado pode se deixar levar pela fantasia, revelando idéias descontroladas e in­ coerentes; por outro lado, pode se mos­ trar intransigente e rigoroso, recusando qualquer concessão aos sonhos e à ima­ ginação. Por isso, o seu espírito tanto é o de um ser muito instável e sem re­ alismo como o de um indivíduo cético e desencantado. Porém, em ambos os casos, há uma falta de continuidade no seu pensamento c no seu comportamento que o torna muito suscetível, mais influenciável do que parece e caprichoso.

OPOSIÇÃO MERCÚRIO-PLUTÃO Este aspecto revela que a inteligência do indivíduo e as suas forças psíquicas e instintivas se desassociam em vez de defrontar-se. Na verdade, a primeira é sutilmente perturbada pelas segundas, mesmo que o ser em questão esteja atormentado por uma curiosidade às vezes doentia, sempre insaciável, que muitas vezes o torna perfeccionista, nunca satisfeito do que pensa ou do que faz. Para compensar esta tensão mental, dá provas de uma grande fan­ farronice ou possui uma ambição in­ telectual desmedida, exacerbada, com­ bativa e muitas vezes competitiva. Deve-se considerar que, com este as­ pecto, sempre são possíveis os riscos de saturação cerebral, confusão men­ tal e até crise de loucura.

Os aspectos

As conjunções e as quadraturas de Vênus
Vênus, em conjunção com um astro, impregna-se com freqüência de suas qualidades, enquanto que, em quadratura com este mesmo astro, vê-se ligeiramente frustrado por ele.
CONJUNÇÃO VÊNUS-SOL Veja o texto «Conjunção Sol-Vênus» na seção As conjunções do Sol. CONJUNÇÃO VÊNUS-LUA Veja o texto «Conjunção Lua-Vênus» na seção AS conjunções da Lua. CONJUNÇÃO VÊNUS-MERCÚRIO Veja o texto «Conjunção MercúrioVênus» na seção As conjunções de Mercúrio. CONJUNÇÃO VÊNUS-MARTE Com este aspecto, embora a capacidade de ação pareça dominar os sentimentos, em realidade, o indivíduo em questão quase nunca atua sem levá-los em consideração. Por isso, seus atos podem ser guiados por suas emoções. Da mesma forma, necessita estar motivado para atuar e, às vezes, renunciar a fazê-lo por considerações sentimentais e afetivas. CONJUNÇÃO VÊNUS-JÚPITER Trata-se do típico aspecto do caráter vital, alegre, simpá­ tico, de sentimentos simples, generosos e espontâneos. Indica que nos encontramos ante um ser cuja natureza é tão positiva que por força atrai a sorte ou parece sempre estar equipado de uma espécie de proteção providencial que lhe protege contra qualquer con­ seqüência grave ou dramá­ tica nas adversidades e dificuldades. CONJUNÇÃO VÊNUS-SATURNO Os sentimentos do indiví­ duo são submetidos ao po­ der de maturidade, mas tam­ bém ao espírito crítico e lúcido, próprio de Saturno. Por isso, o ser cm questão é, com freqüência, sério, profundo, con­ trola seus sentimentos c emoções per­ manentemente. Mas, às vezes, não tem espontaneidade e é seletivo, exigente, prudente em suas relações amorosas, ao mesmo I tempo tenaz e fiel. CONJUNÇÃO VÊNUS-URANO A capacidade de decisão di­ namiza e reativa permanen­ temente os sentimentos do indivíduo com esta configuração esti­ mulando sua curiosidade, sua necessi­ dade de aventura e novidade. Por isso, vive suas relações amorosas com desen­ voltura, se mostra compreensivo, in­ clusive permissivo, cm relação aos senti­ mentos dos demais ou a seu comporta­ mento amoroso. Quase sem­ pre se sente melhor em uma união livre que em uma re­ lação ortodoxa de casal. CONJUNÇÃO VÊNUS-NETUNO Neste caso, assistimos a uma autêntica fusão de sen­ timentos e emoções profun­ das. Assim, refere-se ao aspecto da busca do amor absoluto, sublime, fora das normas, idealizado, porém também à impregnação de uma grande sensuali­ dade que chega às vezes ao excesso. O indivíduo cm questão se deixa ofus­ car pela intensidade que dá a suas emoções amorosas, conven­ cido de que poderá trans­ formar sua companheira ou fazer-se amar por ela tanto quanto ele a ama. CONJUNÇÃO VÊNUS-PLUTÃO É o aspecto do sedutor ou sedutora, que desta manei­ ra indica que o indivíduo em questão alimenta, sem dúvida, um com­ plexo que compensa desta maneira, e que se revela através de outros elementos ins­ critos, evidentemente, em seu mapa astral. Gosta de exer­ cer certa fascinação sobre suas companheiras.

QUADRATURA VÊNUS-SOL Veja o texto «Quadratura Sol-Vênus» na seção A? quadraturas do Sol.

QUADRATURA VÊNUS-JÚPITER Pelo fato destes dois astros terem um ca­ ráter mais propenso ao benéfico, quando se encontram nesta situação no mapa as­ tral indicam que nos encontramos ante um ser com tendência a exagerar tudo, tanto em sua vida sentimental como em suas alegrias, mas também por isso mes­ mo, e ao contrário, em suas dores e de­ cepções, nunca consegue questionar-se o que sente.

rosa. Quase sempre perde todos seus meios quando entra em relação com uma pessoa que suscita verdadeiros e profun­ dos sentimentos nele, mas corre o risco de deixar-se seduzir ou de aceitar um ser com um caráter mais forte que ele, de deixar-se escolher, de certa forma, sem amar realmente à companheira/o em questão. É o aspecto de um mal-entendi­ do amoroso, causado por uma hiperemo­ tividade doentia que faz com que a pes­ soa enamorada perca seus papéis.

QUADRATURA VÊNUS-LUA Veja o texto «Quadratura Lua-Vênus» na seção As quadraturas da Lua. QUADRATURA VÊNUS-MERCÚRIO Esta quadratura não existe QUADRATURA VÊNUS-NETUNO Este aspecto indica uma falta de coe­ rência, certa confusão, uma instabilida­ de fundamental na experiência dos sen­ timentos do indivíduo em questão, provocados por uma insatisfação afetiva profunda, que, por sua vez, engendra estados melancólicos, os quais tenta compensar levando-o a cometer erros em sua vida sentimental.

QUADRATURA VÊNUS-MARTE Semelhante à conjunção destes dois as­ tros (veja o verso), neste caso nos en­ contramos ante um ser que não pode viver seus sentimentos sem paixão. Mas, enquanto que no primeiro aspecto os sentimentos são estimulados pelo poder de ação, neste se mostram com fre­ qüência conflituosos e tensos. Então passa a existir uma in­ compatibilidade entre a capacidade de ação da pessoa afetada e a natureza de seus sentimentos.

QUADRATURA VÊNUS-SATURNO Este aspecto nos põe ante um ser com tendência a inibir seus sentimentos, com falta de espontaneidade com respeito a este tema e que se nega sistematica­ mente a deixar-se ir ou a abandonar tudo. Chega até mesmo a renunciar a seus sentimentos sem estar, evidente­ mente, satisfeito de tal comportamento. Por isso, as frustrações são previsíveis.

QUADRATURA VÊNUS-URANO Este aspecto indica tensões entre os sen­ timentos e a capacidade de decisão, que podem fazer do indivíduo em questão um ser indeciso em sua vida sentimental, in­ capaz de realizar uma boa escolha amo­

QUADRATURA VÊNUS-PLUTÃO Este aspecto revela a um ser cujos sen­ timentos são secretos, introvertidos, submetidos a profundas incertezas. Pode mostrar-se pudico, tímido, às ve­ zes até mesmo inibido, que duvida tanto dos sentimentos que experimenta como dos que sentem por ele.

Os aspectos

Os trígonos, os sextis e as oposições de Vênus
Quando Vênus se encontra em sextil ou em trígono com um astro, significa que os sentimentos e as emoções do indivíduo são constantes, estimulados ou equilibrados. Mas, quando está em oposição com outro astro, estes são contrários ou não estão em harmonia.
OS TRÍGONOS E OS SEXTIS Com relação a Vênus, estes dois aspec­ tos têm efeito semelhantes. A única diferença é que os revelados pelo sextil são muito menos flagrantes e mais sutis que aqueles indicados pelo trígono. dadeira alegria de amar, de compartir com os outros e de dar.

VÊNUS-SOL TRÍGONO E SEXTIL O trígono não existe. Para o sextil, veja Os sextis de Sol-Vênus.

VÊNUS-MARTE TRÍGONO E SEXTIL Com um destes dois aspectos, estamos ante um indivíduo que aspira a viver seus sentimentos de uma maneira tão simples e sadia quanto os sente e que os expressa com grande espontaneidade. Foge das complicações. Sua vida amo­ rosa é praticamente sempre natural. Suas emoções são estimuladas por seu poder de ação.

VÊNUS-SATURNO TRÍGONO E SEXTIL O indivíduo afetado por um destes dois aspectos aspira a estabelecer e a cultivar, durante toda sua vida, relações senti­ mentais, em particular, e afetivas, em geral, equilibradas, serenas e estáveis. É um indivíduo muito seletivo na escolha dos que ama, seu coração raramente se inflama; é fiel a suas tendências e com­ promissos.

VÊNUS-LUA TRÍGONO E SEXTIL Com referência a estes aspectos, veja Trígonos e Sextis de Lua-Vênus.

VÊNUS-MERCÚRIO TRÍGONO E SEXTIL O trígono não existe. Para o sextil veja Os sextis de Mercúrio-Vênus.

VÊNUS-JÚPITER TRÍGONO E SEXTIL Quando um destes dois aspectos se en­ contra presente no mapa astral de uma pessoa é em geral reconhecido como o aspecto da sorte, simplesmente porque afeta a um indivíduo de caráter muito agradável, otimista e feliz, equipado de uma natureza generosa e conciliadora. Este ser está sinceramente convencido de que, na vida, tudo acaba por solu­ cionar-se. Por isso, são suas boas dis­ posições naturais que atraem a sorte ao longo de sua vida, pois sente uma ver­

VÊNUS-URANO TRÍGONO E SEXTIL Estes dois aspectos têm muitos pontos em comum com a conjunção VênusUrano e apresentam, portanto, as mes­ mas características. Por outro lado, podemos acrescentar que, às vezes, o trígono e o sextil in­ dicam qualidades manuais e técnicas nas atividades artísticas ou artesanais, assim como uma amplitude de inte­ resses na vida sentimental.

OPOSIÇÃO VÊNUS-MERCÚRIO Este aspecto não existe.

VÊNUS-NETUNO TRÍGONO E SEXTIL Estes aspectos são reveladores de um comportamento amoroso idealista. Afe­ tam a um indivíduo que aspira a amar e a ser amado até o infinito, que sublima seus sentimentos e suas emoções e que está convencido de que, graças aos sen­ timentos que experimenta e que suscita no outro, conseguirá transformar este outro c, por sua vez, metamorfosear-se a si próprio. Não pode viver sem amor, mas custa viver sua vida amorosa com se­ renidade.

OPOSIÇÃO VÊNUS-MARTE São os sentimentos e o poder de ação do indivíduo que estão permanentemente em confrontação, revelando uma falta de simplicidade na experiência e na ex­ pansão dos sentimentos. Caracteriza-se por um temperamento exclusivo, im­ paciente, às vezes volúvel, sempre exi­ gente e com tendência a cultivar relações amorosas passionais e pouco constru­ tivas.

OPOSIÇÃO VÊNUS-URANO O indivíduo com este aspecto presente em seu mapa astral está imerso em pro­ fundas incertezas afetivas e sentimen­ tais, que o deixam hiperemotivo, instá­ vel, impulsivo, incoerente, indeciso, dubitativo, incapaz de expressar o que sente cm um momento dado, perdendo quase sempre o controle quando se trata de seus sentimentos. Então, compensa suas frustrações secretas adotando um comportamento amoroso desenvolto e inconformista.

VÊNUS-PLUTÃO TRÍGONO E SEXTIL O indivíduo afetado por um destes dois aspectos possui um grande poder de se­ dução, menos ou mais evidente segundo a natureza dos signos nos quais Vênus e Plutão se situem cm seu mapa astral. Em todo caso, sente uma necessidade visceral de exercer uma espécie de fas­ cinação sensual sobre os demais, de se­ duzir e ser seduzido. AS OPOSIÇÕES OPOSIÇÃO VÊNUS-SOL Este aspecto não existe, do mesmo mo­ do que também não há uma oposição Sol-Vênus.

OPOSIÇÃO VÊNUS-JÚPITER Este aspecto indica que os sentimen­ tos e a alegria de viver se expressam em dois níveis, segundo dois modelos to­ talmente diferentes, que coexistem nele sem se harmonizarem. Entretanto, há um laço entre eles, apesar de serem opostos. Por isso, a falta de serenidade e equilíbrio afetivo revelada por este as­ pecto, quando é dominante, pode reve­ lar-se de grande riqueza em um ser que sabe o que significa amar c ser feliz.

OPOSIÇÃO VÊNUS-NETUNO Por falta de lucidez e constância, ou por culpa de um desequilíbrio interior, o in­ divíduo afetado por esta aspecto gasta seu tempo em perseguir amores im­ possíveis. E instável, inquieto, vítima de uma angústia perpétua que não lhe per­ mite amar com simplicidade e com toda serenidade. N o amor, experimenta, quase sempre sem perceber, um pra­ zer malévolo em busca de complicações.

OPOSIÇÃO VÊNUS-LUA Consulte o texto «Conjunção LuaVênus» na seção referente à As conjunções da Lua.

OPOSIÇÃO VÊNUS-SATURNO Este aspecto revela que o indivíduo é ví­ tima de profundas frustrações senti­ mentais e emocionais, em favor de sua lucidez e seu espírito racional. De ma­ neira que, com freqüência, as compensa dando mostras de uma sistemática am­ bição, que não exclui um sentimento de culpabilidade e uma forma de ingenui­ dade amorosa totalmente paradoxal.

OPOSIÇÃO VÊNUS-PLUTÃO Também neste caso, o indivíduo se sen­ te ou se crê mal amado. Jamais conse­ gue fixar seus sentimentos de uma vez por todas. Isto engendra nele uma in­ quietude que faz com que ele suspeite dos demais, deixando-o na defensiva. Às vezes, pode até esconder seus pró­ prios excessos por trás de proibições ou tabus que o transformam em um fin­ gido, exclusivo e intransigente.

Os aspectos

As conjunções e as quadraturas de Marte
Marte em conjunção com um astro às vezes dinamiza, estimula a expressão natural das qualidades inerentes a este. Em quadratura com um ou outro astro, revela tensões maiores e reações excessivas no indivíduo afetado.
CONJUNÇÃO MARTE-SOL Veja o texto «Conjunção Sol-Marte» na seção As conjunções do Sol. CONJUNÇÃO MARTE- LUA Veja o texto «Conjunção Lua-Marte» na seção AS conjunções da Lua. CONJUNÇÃO MARTE-MERCÚRIO Veja o texto «Conjunção MercúrioMarte» na seção As conjunções de Mercúrio. CONJUNÇÃO MARTE-VÊNUS Veja o texto «Conjunção Vênus-Marte» na seção As conjunções de Vênus. CONJUNÇÃO MARTE-JÚPITER Devido a Marte estimular as qualidades expansivas de Júpiter e Júpiter exaltar o po­ der de ação próprio de Marte, o indivíduo afetado possui um excesso de confiança em si mesmo que o faz em­ preendedor, audaz, entusiasta e pre­ sunçoso. Tende a impor-se de forma pesada e autoritária. Adota um com­ portamento moralista. Tem a mania de ocupar-se de tudo, de querer fazer tudo melhor que os demais. j ..CONJUNÇÃO MARTE-SATURNO CONJUNÇÃO MARTE-NETUNO A capacidade e ação do in­ divíduo é estimulada por sua intuição, o que pode dei­ xá-lo particularmente eficaz em suas ações, ou então afogá-lo em seus trans­ tornos emocionais, inibido pelos medos irracionais ou injustificados; neste caso atua sem nenhum sentido, não alcança seu objetivo, está confuso, indeciso e ataca às cegas. Tende a sublimar seus atos ou, para agir, precisa ter motivações elevadas ou entregar-se a uma causa. Às vezes, pode revelar-se idealista ou fa­ nático. Saturno fixa e concentra o poder de ação do indivíduo que, conseqüentemente tende, muitas vezes, a lançar-se a um objetivo único que nada nem ninguém poderá im­ pedir que alcance. Por outro lado, Marte perturba a maturidade de Saturno. Por isso, se o indivíduo sabe mostrar-se firme, decidido, intransigente, sem concessão na hora de atuar, raramente aprende as lições de suas dificuldades, adversi­ dades ou fracassos. Por isso adota uma espécie de ação unilateral. CONJUNÇÃO MARTE-URANO Neste caso nos encontramos diante de um ser impulsivo, muito ativo, que tende a con­ siderar a ação como um fim em si mes­ mo. Que este aspecto apareça no mapa astral de um homem ou de uma mu­ lher implica um complexo de virilidade muito determinado. De fato, o indivíduo em questão possui um acréscimo de energia ativa e de vitalidade, que lhe força a um compromisso físico. A necessidade de atuar lhe é imposta permanentemente. Não pode evitá-lo. Com este aspecto, sempre são de temer os riscos de imprudências e acidentes.

CONJUNÇÃO MARTE-PLUTÃO

Esta conjunção, que reúne os dois regentes do signo de Escorpião, apresenta muitas características em relação com o oitavo signo do Zodíaco. Assim, o indivíduo afetado por este as­ pecto possui uma intensa criatividade, uma forte decisão, uma grande confian­ ça em si mesmo e, sistematicamente, em seus atos, que pode deixá-lo impla­ cável. Seus impulsos são irreprimíveis e, às vezes, está disposto a cor­ rer qualquer risco. Gosta da luta, dos combates e dos de­ safios.

QUADRATURA MARTE-SOL Veja o texto «Quadratura Sol-Marte» na seção As quadraturas do Sol.

QUADRATURA MARTE-LUA Veja o texto «Quadratura Lua-Marte» na seção As quadraturas da Lua.

QUADRATURA MARTE-JÚPITER O indivíduo em questão se caracteriza por uma falta de organização, prudên­ cia, previsão e perseverança. Quase sem­ pre atua de forma incoerente e desor­ denada. Passa sem parar por fases que levam do entusiasmo desconsiderado ou irrefletido ao repentino desânimo. Isto não o impede de fazer de despreocu­ pado e engana adotando uma atitude moralizadora e sentenciosa com respeito a seu ambiente.

Rende-se. Renuncia à agressividade ou a decidir-se. Tem enormes dificuldades em decidir a atuar ou a reagir. N o en­ tanto, este clima de tensão e esta sen­ sação de impotência em que se encon­ tra imerso podem levá-lo a ter reações violentas, bruscas, imprevisíveis, peri­ gosas tanto para sua segurança como para a segurança dos demais.

QUADRATURA MARTE-MERCÚRIO Veja o texto «Quadratura MercúrioMarte» na seção As quadraturas de Mercúrio.

QUADRATURA MARTE-SATURNO Este aspecto revela que a capacidade de ação e concentração, reflexão, amadu­ recimento do indivíduo é bloqueado de várias formas. Por isso, muitas vezes, atua de modo violento ou irrefletido, pois sua força não tem freio e, simul­ taneamente, é totalmente desprovido de compreensão, flexibilidade, moderação e se obstina em seus próprios erros, con­ vencido de que tem razão.

QUADRATURA MARTE-NETUNO Este aspecto indica uma inibição da ca­ pacidade de ação, devido a que está em conflito permanente com os transtor­ nos emocionais do indivíduo. Assim, mostra-se muitas vezes volúvel, mas lhe custa muito alcançar os objetivos que se propõe, pois é vítima de angústias irra­ cionais que o perturbam. Isto pode deixá-lo então suscetível, impulsivo ou colérico, c às vezes até mesmo inclinálo a acreditar que todos têm problemas com ele.

QUADRATURA MARTE-VÊNUS Veja o texto «Quadratura Vênus-Marte» na seção As quadraturas de Vênus.

QUADRATURA MARTE-URANO O freio que um planeta exerce sobre o outro, o poder de ação e a capacidade de decisão deixam o indivíduo incapaz de defender-se, de devolver golpe por golpe ou de reagir no momento oportuno.

QUADRATURA MARTE-PLUTÃO A capacidade de ação c das forças psí­ quicas e ocultas do indivíduo cm ques­ tão se opõem mutuamente. Estas últi­ mas empurram a capacidade de ação a um ponto de sentimento de impotên­ cia que, a longo prazo, pode esgotá-lo, frustá-lo c impossibilitá-lo. Então, para compensar, pode adotar um compor­ tamento provocador, uma atitude de­ safiante e algo caprichosa, enfrentar ris­ cos irrefletidos e perigosos para sua própria segurança, ou até mesmo mos­ trar-se exclusivo, intemperante e ob­ sessivo.

Os aspectos

Os trígonos, os sextis e as oposições de Marte
Marte em trígono ou em sextil com um astro se vê apoiado, reforçado ou moderado por este: mas em oposição, indica inibições e tensões no indivíduo em questão.
TRÍGONOS MARTE-SOL, MARTE-LUA, MARTE-MERCÚRIO, MARTE-VÊNUS Veja os trígonos do Sol, da Lua, de Mercúrio e Vênus com Marte em suas seções correspondentes. que espera o momento ideal ou o me­ lhor meio para conseguir seus fins e al­ cançar seu objetivo. Sabe passar à ação correndo os mínimos riscos.

TRÍGONO MARTE-JÚPITER Este aspecto aparece no mapa astral de um ser dinâmico, empreendedor, que precisa exteriorizar-se, provido de uma grande confiança em si mesmo, que pode deixá-lo às vezes presunçoso ou tão seguro de ter razão que fica desa­ gradável. N o entanto, os atos e as ini­ ciativas que empreende são quase sem­ pre premiados com êxitos e estes se revelam generosos e em ascensão.

TRÍGONO MARTE-URANO Este aspecto sublinha e exalta o poder de ação do indivíduo em questão, que agora se revela dinâmico, impulsivo, às vezes violento e audaz até a inconsciência. Na maioria das vezes, nos encontramos em presença de um ser que está cheio de energia e sente uma necessidade pre­ mente de exteriorizá-lo. Gosta da luta, de esportes, de desafios, de proezas, ati­ vidades e compromissos físicos. Peca pe­ la impaciência e pode mostrar-se muito indisciplinado.

TRÍGONO MARTE-PLUTÃO Trata-se de um aspecto que revela uma força não puramente física ou muscular, mas sim com grandes recursos energé­ ticos que deixam o indivíduo em questão muito resistente. Sendo assim, adora a ação, as situações arriscadas que lhe darão a oportunidade de experimentar seus próprios limites e superá-los. Mostra muitas vezes dominador e muito ávido de satisfazer seus desejos de poder. SEXTIS MARTE-SOL, MARTE-LUA, MARTE-MERCÚRIO, MARTE-VÊNUS Veja os sextis do Sol, da Lua, de Mer­ cúrio e de Vênus com Marte em suas seções correspondentes.

TRÍGONO MARTE-SATURNO A capacidade de ação do indivíduo que tem um trígono Marte-Saturno em seu mapa astral se encontra sob o controle de Saturno, isto é, da razão e do espírito racional. Nunca devemos subestimar tal configuração, que revela um ser muito eficiente em seus atos, prudente, clari­ vidente, que sabe não se apressar, mas

— TRÍGONO MARTE-NETUNO — Este indivíduo é capaz de grandes ações, deixando-se guiar por suas intuições, as quais lhe permitem atuar sem excesso, com clarividência e eficácia; porém tam­ bém pode deixar-se levar por suas emo­ ções e se transforma em um idealista, um fanático, às vezes perigoso, tanto para ele como para seu ambiente.

i

SEXTIL MARTE-JÚPITER As qualidades reveladas por este aspecto são parecidas às do trígono destes astros, com a única diferença de que agora, o indivíduo em questão nunca cai em ex­ cesso ou na presunção. É empreende­ dor, seguro de si, mas de nenhuma ma­ neira ostentoso.

duo afetado por este aspecto. Por não sentir nenhuma inibição, nenhum freio, nenhum limite, não retrocede ante nada para atuar ou obter o que deseja, an­ seia ou quer. SEXTIL MARTE-SATURNO A capacidade de ação do indivíduo e seu espírito racional, seu potencial de matu­ ridade, se equilibram harmoniosamente. Sempre sabe o que faz. É justo, reto e de uma grande eficácia em seus atos. Al­ cança sempre seu objetivo, porém não se orgulha disso. É discreto, prudente, re­ fletivo, muito seguro do que deve dizer. OPOSIÇÕES MARTE-SOL, MARTE-LUA, MARTE-MERCÚRIO, MARTE-VÊNUS Veja as oposições do Sol, da Lua, de Mercúrio e Vênus com Marte em suas seções correspondentes. OPOSIÇÃO MARTE-URANO É um aspecto que pode indicar uma dis­ função nos reflexos, uma falta de au­ todefesa, até mesmo de deficiências imunitárias. Em seu comportamento, o ser afetado é indeciso, indeterminado e inábil. Pode tender a receber golpes sem reagir ou, se o faz, é com atraso e sem nenhuma eficácia. Às vezes, pode fazer movimentos em falso ou ser vítima de seus atos não realizados ou de aciden­ tes.

SEXTIL MARTE-URANO Da mesma forma que o trígono MarteUrano, este aspecto destaca o dina­ mismo ativo, do qual o indivíduo em questão dá mostras. No entanto, em um caso assim, este se revela muito mais equilibrado, moderado, justo, menos sujeito a sobressaltos agressivos.

OPOSIÇÃO MARTE-JÚPITER O indivíduo tende a atuar sem alegria ou jamais consegue dar-se a oportuni­ dade de ser feliz e realizar-se, pois a na­ tureza de sua capacidade de ação e a de seu potencial de expansão se defrontam permanentemente nele. Por isso, é ingê­ nuo, excessivo, desmedido ou bulímico, não sabe mostrar-se discreto, não pos­ sui nenhum tato e pode dar mostras de um total descontrole para satisfazer seus desejos.

SEXTIL MARTE-NETUNO O indivíduo sempre necessita crer em seus atos, quaisquer que sejam. Por isso, jamais atua sem uma boa razão. Des­ confia de suas intuições para obter o melhor resultado, às vezes até mesmo para superar-se, empreender ações no­ táveis. Tem fé no que faz.

OPOSIÇÃO MARTE-NETUNO As emoções do indivíduo perturbam sua capacidade de ação e o deixa confu­ so, ineficaz, com tendência a atacar às cegas, a mostrar-se caprichoso e, final­ mente, bastante covarde. Mas, às vezes, seu tipo de ação se reduz totalmente a um comportamento unilateral que nunca muda. Tanto a primeira como a segunda atitude o deixam ansioso, in­ satisfeito e podem debilitar seus recur­ sos energéticos.

OPOSIÇÃO MARTE-SATURNO O enfrentamento entre o poder de ação do indivíduo e seu espírito racional é so­ lucionado nele com uma atitude de desânimo e de fatalismo, que o incita muitas vezes a render-se, a renunciar à luta ou ao compromisso, encontrando boas razões para não atuar. É um pouco o aspecto do estoicismo, do tipo que pode acabar se transformando em im­ passível ou indiferente.

SEXTIL MARTE-PLUTÃO Como no caso do trígono, a necessidade de impor sua força, seu poder, seu do­ mínio sempre está presente no indiví­

OPOSIÇÃO MARTE-PLUTÃO A priori, as tensões resultantes da in­ compatibilidade entre a capacidade de ação do indivíduo e suas forças ins­ tintivas são compensadas por uma es­ pécie de status quo adotado. N o entan­ to, tem também gosto pela provocação e pode possuir uma dupla personalida­ de, uma atuando à luz do dia, sincera­ mente, e a outra em segredo, na som­ bra, hipocritamente.

Os aspectos

As conjunções e as quadraturas de Júpiter
Júpiter em conjunção com um astro amplia ou exalta as qualidades deste astro. Mas quando se encontra em quadratura, o astro e ele se opõem mutuamente, revelando tensões no nativo em questão e uma tendência a complicações.
a expansão natural e o otimismo, e os que ressaltam de Saturno, como a razão, o potencial de maturidade, a faculdade Veja o texto «Conjunção Sol-Júpiter» de discernimento ou a lucidez, preva­ na seção As conjunções do Sol. lecessem, de certa forma, no nativo afe­ CONJUNÇÃO tado por este tipo de aspecto. De ma­ JÚPITER-LUA neira que esta pessoa se revela bastante ciclotímica tanto cm seu caráter como Veja o texto «Conjunção Lua-Júpiter» em seu comportamento, passando da na seção As conjunções da Lua. euforia à austeridade sem transição, ou CONJUNÇÃO de uma atitude restritiva e séria a um JÚPITER-MERCÚRIO comportamento expansivo c agradável. Quase nunca consegue realizar-se ple­ Veja o texto «Conjunção Mercúrio-Jú­ namente. Sempre se tem a impressão de piter» na seção As conjunções de Mercúrio. que algo o impede de ser feliz. N o en­ CONJUNÇÃO tanto, tampouco consegue ser tão sério JÚPITER-VÊNUS e tenaz como desejaria nos fazer crer. Os únicos traços revelados por este as­ Veja o texto «Conjunção Vênus-Júpi­ pecto são os do sentido moral ter» na seção As conjunções de Vênus. irrepreensível e da integri­ CONJUNÇÃO dade sem fissuras do indi­ JÚPITER-MARTE víduo em questão. Veja o texto «Conjunção Marte-Júpi­ ter» na seção As conjunções de Marte. CONJUNÇÃO JÚPITER-SATURNO Este aspecto é o único que desmente o que sublinha­ mos no começo com respeito às conjunções de Júpiter. De fato, Jú­ piter não tem sobre Saturno um efeito de ampliação ou exaltação das qualida­ des inerentes ao astro da maturação. Tudo acontece como se os fatores pró­ prios de Júpiter, isto é, a alegria de viver, CONJUNÇÃO JÚPITER-URANO Neste caso, a capacidade de decisão do indivíduo afetado por este aspecto está muito exaltada por seu poder de expansão na­ tural e sua alegria de viver. O que signi­ fica, na prática, que nos encontramos diante de um indivíduo empreendedor, dinâmico, sempre disposto a se lançar com entusiasmo nas mais atrevidas aven­ turas. Além disso, possui um sentido inato da organização imediata e improvisada CONJUNÇÃO JÚPITER-SOL e um grande poder de con­ vicção que lhe permite obter mais ou menos tudo que quer. CONJUNÇÃO JÚPITER-NETUNO Aqui, a receptividade emo­ cional se amplia graças ao poder de expansão natural do indivíduo. N o entanto, às vezes, sua alegria de viver se afoga em seus transtornos emocionais, o que ex­ plica que é capaz da maior exaltação oti­ mista, porém também do mais pro­ fundo desespero. Sendo assim, este aspecto se encontra muitas vezes nos seres que podem até mesmo chegar a se perder em uma busca desenfreada de prazeres e gozos da vida, porém sempre com um re­ finamento levado ao ex­ tremo. CONJUNÇÃO JÚPITER-PLUTÃO E preciso sempre desconfiar do que nos indica este aspecto presente cm um mapa as­ tral, visto que, em seu caso, Júpiter tende claramente a exaltar as qualidades plutonianas de for­ ma muito ambígua, pois o ser cm ques­ tão não pode desejar sua realização sem que, também plena e simultaneamente, c principalmente em plena luz do dia,

se realizem suas forças instintivas secretas, psíquicas, cuja natureza não é necessariamente positiva. Por isso, o ser em questão se revela muitas vezes muito seguro de si mesmo, muito consciente de suas forças, de seus meios, ^ de seu valor do poder ou da Jifcâ influência que pode exercer L CPMjk? sobre os demais. ^^■w»*"

mida, indecisa e angustia-se sem razão com a crença de não estar à altura das circunstâncias.

QUADRATURA JÚPITER-MARTE Veja o texto «Quadratura Marte-Júpi­ ter» na seção As quadraturas de Marte. QUADRATURA JÚPITER-NETUNO Neste indivíduo, não só o poder de ex­ pansão e a capacidade de receptividade não coincidem, como se prejudicam mutuamente. Assim, às vezes, é vítima de crises de desespero ou de melanco­ lia, quando teria desejos de ser feliz e despreocupado. Isso cria nele uma espécie de insatis­ fação profunda, irracional, que o deixa influenciável e vulnerável. Para com­ pensar, tende a deixar-se levar pelos ex­ cessos sem moderação. Mostra-se in¬ temperante, porém tenta justificar sua atitude pois não pode aceitar culpabi¬ lizar-se. Seu comportamento é, às vezes, infantil.

QUADRATURA JÚPITER-SOL Veja o texto «Quadratura Sol-Júpiter» na seção As quadraturas do Sol.

QUADRATURA JÚPITER-LUA Veja o texto «Quadratura Lua-Júpiter» na seção As quadraturas da Lua.

QUADRATURA JÚPITER-SATURNO Esta dualidade à qual fizemos alusão quanto à conjunção Júpiter-Saturno (ve­ ja a seção) transforma-se aqui em in­ compatibilidade manifesta entre a ale­ gria de viver, por um lado, e o espírito racional, por outro. As tensões laten­ tes reveladas agora engendram no in­ divíduo afetado por este aspecto uma di­ ficuldade fundamental para ser feliz. Mas, esta dificuldade não é outra coisa senão ele mesmo.

QUADRATURA JÚPITER-MERCÚRIO Veja o texto «Quadratura Mercúrio-Jú­ piter» em As quadraturas de Mercúrio.

QUADRATURA JÚPITER-VÊNUS Veja o texto «Quadratura Vênus-Jú­ piter» na seção As quadraturas de Vênus.

QUADRATURA JÚPITER-URANO Este aspecto nos indica que a capaci­ dade de decisão e o dinamismo do na­ tivo, por uma parte, e seu poder de ex­ pansão e sua alegria de viver, por outra, se perturbam mutuamente, engendran­ do nele novas tensões, indecisões, maus reflexos e medos que o impedem de aproveitar as boas ocasiões ou de reagir oportunamente quando deveria ou po­ deria fazê-lo. Na realidade, o indivíduo é quase sempre desprovido de confiança em si mesmo, de espírito de iniciativa e de empreendimento. É uma pessoa tí­

QUADRATURA JÚPITER-PLUTÃO Oculta, secretamente — poderíamos in­ clusive dizer insidiosamente sem cair no exagero —, as forças instintivas do indivíduo cujo mapa astral contém este aspecto, e que contrariam ou inibem sua capacidade de expansão e sua ale­ gria de viver. Para superar suas inibições, busca-as com meios duvidosos ou desonestos, que lhe darão a oportunidade de des­ frutar a vida, apesar de tudo. Ao fazer isso, estabelece um duplo jogo e tenta atrair a atenção para ele, adular servil­ mente, inclusive exibir-se. E quase sem­ pre desprovido de discrição, de tato ou de lealdade.

Os aspectos

Os trígonos, os sextis e as oposições de Júpiter
Júpiter em sextil ou em trígono com um ou vários astros indica que a capacidade de expansão está muito integrada na personalidade do indivíduo em questão. No entanto, em oposição a um astro, revela uma dissociação e, às vezes, uma dupla personalidade.
TRÍGONOS JÚPITER-SOL, JÚPITER-LUA, JÚPITER-MERCÚRIO JÚPITER-VÊNUS, JÚPITER-MARTE Veja os trígonos do Sol, da Lua, de Mercúrio, Vênus e Marte com Júpiter. grande espírito de empreendimento, que se atrevem e se adiantam. De fato, revela que estamos ante um ser dinâmi­ co, que com certeza possui não só o dom de aproveitar as ocasiões e benefi­ ciar-se das circunstâncias, como tam­ bém o de provocar as oportunidades, de certo modo tomar a dianteira para pro­ duzir ou realizar algo em que todas as pessoas pensavam há algum tempo, mas que, no entanto, ninguém tinha se atre­ vido a realizar antes dele. Possui tam­ bém excelentes reflexos. N o entanto, às vezes, sua força de decisão, revelada evi­ dentemente por Urano, é amplificada por sua alegria de viver e seu otimismo. De modo que também pode cometer erros de avaliação. Por outro lado, como dissemos, possui bons reflexos e um sentido inato da oportunidade, atua sem desânimo, adap­ ta-se às circunstâncias, retifica o rumo em plena marcha se for necessário, mas sempre sai com as suas e acaba al­ cançando seus objetivos. Tudo isso com a alegria e o bom humor próprios de Jú­ piter. junção Júpiter-Netuno. De maneira que o indivíduo afetado por esta configu­ ração é sempre motivado pelas mesmas aspirações de desfrutar infinitamente, de forma ao mesmo tempo sutil e in­ tensa, dos prazeres da vida, porém man­ tém um sentido das proporções e é quase sempre muito refinado. Tem muita imaginação que sabe pôr ao ser­ viço de uma atividade expansiva ou que o realiza como indivíduo. Sublinhemos que este aspecto está muitas vezes pre­ sente nos grandes cozinheiros, modis¬ tas ou artistas que sabem unir o bom gosto e a qualidade do conteúdo. Tam­ bém a encontramos nos seres dotados da capacidade para especular intelectual ou materialmente.

—TRÍGONO JÚPITER-SATURNO— Trata-se de um excelente aspecto que re­ vela que a capacidade de expansão e a alegria de viver, por um lado, e a capa­ cidade de concentração e o espírito ra­ cional, por outro, se complementam perfeitamente. Esta configuração plane­ tária pode ser considerada como o sinal de um caráter forte, muito seguro, com um bom equilíbrio, uma personalidade bem estruturada, que une o otimismo e o espírito de empreendimento com for­ ça calculada c fria determinação. Como o vinho, o ser afetado por este aspecto melhora ao envelhecer. Assume suas responsabilidades com alegria.

TRÍGONO JÚPITER-URANO — Este aspecto é encontrado quase sempre presente nos indivíduos que têm um

— TRÍGONO JÚPITER-NETUNO — Existem muitos pontos em comum entre as indicações proporcionadas por este astro e as que são inerentes à con­

TRÍGONO JÚPITER-PLUTÃO Para estudar este aspecto, é preciso ob­ servar com atenção as posições dos dois astros afetados no signo e na casa, e de­ duzir qual dos dois serve ao outro ou dele se sustenta. Se é Plutão, as forças criadoras e instintivas do indivíduo re­ forçam sua capacidade de expansão, in¬ suflando-lhe curiosidade, uma força e uma alegria criativas excepcionais. Sente então a imperiosa necessidade de criar, produzir, gerar, expressar-se, tomar po­ sições, de comunicar ou impor suas

idéias, opiniões e convicções ori­ ginais. Por outro lado, se c Júpiter que sustenta Plutão, o ser cm questão pos­ suirá um sentido do poder exacerbado. Não retrocede ante nada para imporse aos demais ou conseguir seus obje­ tivos. Estabelece, com freqüência, re­ lações de força com os demais, que o estimulam. Tem tendências à megalo­ mania. SEXTIS JÚPITER-SOL, JÚPITER-LUA, JÚPITER-MERCÚRIO, JÚPITER-VÊNUS, JÚPITER-MARTE Veja os sextis do Sol, da Lua, de Mer­ cúrio, Vênus e Marte com Júpiter.

- SEXTIL JÚPITER-PLUTÃO As informações reveladas por este as­ pecto são completamente parecidas às do trígono Júpiter-Plutão. OPOSIÇÕES JÚPITER-SOL, JÚPITER-LUA, JÚPITER-MERCÚRIO JÚPITER-VÊNUS, JÚPITER-MARTE Veja as oposições do Sol, da Lua, de Mercúrio, Vênus e Marte com Júpiter.

dade de decisão dá lugar a uma tendên­ cia a passar por altos e baixos c que, uma vez mais, engendra uma espécie de des­ dobramento da personalidade. Atua ou reage quase sempre com atraso, se ace­ lera ou se desanima facilmente, é des­ provido de discernimento ou adota um comportamento infantil.

-SEXTIL JÚPITER-SATURNOAs informações reveladas por este sex­ til são totalmente semelhantes às reve­ ladas pelo trígono Júpiter-Saturno.

OPOSIÇÃO JÚPITER-SATURNO Este aspecto revela uma verdadeira cisão da personalidade, uma ambivalência fundamental da natureza em um ser que tanto está contente como está triste, que se levanta alegre pela manhã e que à noite vai dormir desesperado; às vezes mostra-se fantasioso, irreal, infantil e imprudente; outras vezes austero, se­ vero e restritivo.

OPOSIÇÃO JÚPITER-NETUNO Para compensar sua insatisfação ou seu descontentamento latente, suas crises de desespero ou de melancolia, sua visão pessimista da vida, sua incapacidade para aproveitar as mudanças ou as evoluções que podem ser produzidas nele ou em sua vida, o indivíduo afetado por este aspecto tende a deixar-se levar pelos ex­ cessos.

SEXTIL JÚPITER-URANO As informações reveladas por este as­ pecto são semelhantes às do trígono Jú­ piter-Urano, com a única exceção de que, neste caso, o indivíduo tende muito menos a se lançar a um empreendi­ mento sem refletir. Seu dinamismo, sempre tão expansivo, é mais moderado e está melhor canalizado.

OPOSIÇÃO JÚPITER-URANO O enfrentamento entre a alegria de viver do indivíduo em questão e sua capaci­

OPOSIÇÃO JÚPITER-PLUTÃO Existem muitos pontos em comum entre este aspecto e a quadratura Júpi­ ter-Plutão. N o entanto, aqui, a falta de honestidade pode transformar-se em uma norma de vida ou mentalidade. O indivíduo se revela mentiroso e deso­ nesto. Engana sobre sua verdadeira per­ sonalidade. Trai os demais e se engana a si mesmo. É desprovido de franqueza, de sinceridade e de espontaneidade. Joga um jogo duplo.

SEXTIL JÚPITER-NETUNO As informações reveladas por este as­ pecto são completamente parecidas às do trígono Júpiter-Netuno.

Os aspectos

As conjunções, os sextis, as quadraturas, os trígonos e as oposições de Saturno
Em conjunção com um astro, Saturno fixa ou concentra suas qualidades; em sextil e em trígono, as apóia e reforça; em quadratura ou oposição, as inibe ou isola.
CONJUNÇÃO SATURNO-SOL Veja "Conjunção Sol-Saturno". CONJUNÇÃO SATURNO-LUA Veja "Conjunção Lua-Saturno". CONJUNÇÃO SATURNO-MERCÚRIO Veja "Conjunção Mercúrio-Saturno". CONJUNÇÃO SATURNO-VÊNUS Veja "Conjunção Vênus-Saturno". CONJUNÇÃO SATURNO-MARTE Veja "Conjunção Marte-Saturno". CONJUNÇÃO SATURNO-JÚPITER Veja "Conjunção Júpiter-Saturno". A fusão entre o espírito racio­ nal da pessoa e sua receptivi­ dade nunca será total. Por con­ seguinte, pode ser capaz de exercer seu poder de concentração sobre suas emo­ ções e percepções — neste caso pos­ sui uma perspicácia ou um espírito pro­ fundo, inspirado e especulativo —, mas pela mesma razão corre o risco de ver inibidas também estas capacidades. Ocasionalmente os efeitos motores de suas emoções transtornam sua razão, engendrando neste caso uma falta de maturidade ou um , comportamento infantil. CONJUNÇÃO SATURNO-PLUTÃO A fusão do espírito racional e as forças instintivas do indiví­ duo deixam sua personalidade intensa e engendram uma verdadeira força psíquica. Por isso, c capaz tanto do melhor como do pior. É muito cria­ tivo, mas está disposto a em­ pregar todos os meios possí­ veis para lograr seus objetivos. QUADRATURAS SATURNO-SOL, SATURNO-LUA, SATURNO-MERCÚRIO SATURNO-VÊNUS, SATURNO-MARTE,
SATURNO-JÚPITER

CONJUNÇÃO SATURNO-URANO O espírito racional do indiví­ duo e sua capacidade de deci­ são se apóiam mutuamente, o primeiro reforçando a segunda, a segun­ da dinamizando e estimulando o primei­ ro. Este aspecto indica uma confiança fo­ ra do comum em si próprio, um ser que segue seu caminho con­ tra ventos e tempestades e que " sempre consegue alcançar seu objetivo. CONJUNÇÃO SATURNO-NETUNO

Veja as quadraturas "Sol-Saturno", "Lua-Saturno", "Mercúrio-Saturno", "Vênus-Saturno", "Marte-Saturno" e "Júpiter-Saturno".

QUADRATURA SATURNO-URANO A incompatibilidade entre o espírito ra­ cional e a capacidade de decisão, reve­ lada por este aspecto, cria tensões pe­ rigosas para o equilíbrio do indivíduo. De fato, para compensar suas dúvidas ou sua indecisão, tende a atuar ou a rea­ gir contra toda razão, com arrogância e sem tomar nenhuma precaução.

QUADRATURA SATURNO-NETUNO O indivíduo, neste caso, é vítima de uma surda e obsessiva inquietude, que lhe dá a sensação de encontrar-se dividido entre o que está permitido e o que está proi­ bido, sem saber nunca que partido to­ mar, que escolha realizar, o que final­ mente acaba tornando-o egocêntrico.

TRÍGONO E SEXTIL SATURNO-NETUNO O espírito racional e a capacidade de transformação do indivíduo se reforçam e estimulam mutuamente, o que lhe con­ fere um espírito lúcido, perspicaz, crítico e autocrítico implacável, julgamentos se­ guros e um grande poder de concentração sobre problemas árduos e complexos.

e periodicamente, autoritário, inflexí­ vel, intransigente e obstinado quando se encontra sob a influência de Saturno, ou impulsivo, indomável e imprevisí­ vel, quando são as qualidades de Urano que se manifestam através dele. Em todo caso, custa-lhe muito encontrar um equilíbrio entre estas duas tendên­ cias extremas. Não forma parte de sua natureza aceitar os compromissos, os acordos ou os meios-termos.

QUADRATURA SATURNO-PLUTÃO O espírito racional e as forças instinti­ vas do indivíduo se inibem mutua­ mente, engendrando dúvidas, falta de confiança em si mesmo, excessiva ten­ dência à introversão e incapacidade para julgar objetivamente. TRÍGONOS E SEXTIS SATURNO-SOL, SATURNO-LUA, SATURNO-MERCÚRIO, SATURNO-VÊNUS, SATURNOMARTE, SATURNO-JÚPITER Veja os trígonos e os sextis de "Sol-Sa­ turno", "Lua-Saturno", "Mercúrio-Sa­ turno", "Vênus-Saturno", "Marte-Sa­ turno" e "Júpiter-Saturno".

TRÍGONO E SEXTIL SATURNO-PLUTÃO Este aspecto indica uma forte ambição no indivíduo em questão, apesar da qual nunca cai em excesso. Por outro lado, tem com freqüência um grande sentido de ordem e de organização e exerce um certo poder, ou um sereno domínio de si mesmo, que o permite alcançar seus objetivos com muita firmeza. OPOSIÇÕES SATURNO-SOL, SATURNO-LUA, SATURNO-MERCÚRIO SATURNO-VÊNUS, SATURNOMARTE, SATURNO-JÚPITER Veja as oposições "Sol-Saturno", "LuaSaturno", "Mercúrio-Saturno", 'VênusSaturno", "Marte-Saturno" e "JúpiterSaturno".

- OPOSIÇÃO SATURNO-NETUNO Este aspecto revela que o indivíduo tende a mostrar-se cm princípio muito razoável, sensato, sério, rigoroso, em­ bora, em realidade, também corre o risco de atuar de uma maneira com­ pletamente aberrante e incoerente. Isso se deve a que seu espírito racional c suas emoções nunca coincidem, o primeiro sempre perturbado por estas últimas. Não podemos confiar neles.

TRÍGONO E SEXTIL SATURNO-URANO O espírito racional e a capacidade de de­ cisão do indivíduo se equilibram e se harmonizam perfeitamente. Está, por­ tanto, muito seguro de si, de suas esco­ lhas e suas opiniões. Amadurece suas decisões durante longo tempo, mas uma vez tomadas, vai até o final e nada pode parar-lhe. É pragmático, decidido, tenaz e perseverante.

— OPOSIÇÃO SATURNO-URANO — Estabelece-se uma cisão no indivíduo, que não consegue aproveitar harmo­ niosamente nem seu espírito racional, nem sua lucidez, por um lado, nem sua capacidade de decisão e seu dinamismo, por outro. Por esta razão, é, simultânea

— OPOSIÇÃO SATURNO-PLUTÃO — Muitas vezes, a criatividade do indiví­ duo é que recebe as conseqüências deste conflito, psicologicamente esgotante, entre seu espírito racional e suas forças instintivas e emocionais. Por isso, para compensar estas tensões ou insatisfações latentes, tende a cultivar a ambigüidade, mostrando-se extremamente rigoroso, crítico e severo, tanto consigo mesmo — ao menos aparentemente, pois trai a si mesmo —, quanto com respeito aos demais. Ao contrário, é também capaz de mostrar-se demasiado permissivo, indulgente, relaxado c totalmente de­ sordenado. N o fundo, nunca está se­ guro de suas convicções, mas muitas vezes o esconde e nos engana facil­ mente.

Os aspectos

Os aspectos de Urano, de Netuno e de Plutão
CONJUNÇÕES URANO-SOL, URANO-LUA, URANO-MERCÚRIO, URANO-VÊNUS URANO-MARTE, URANO-JÚPITER, URANO-SATURNO Veja as conjunções de Urano com o Sol, a Lua, Mercúrio, Vênus, Marte, Júpi­ ter e Saturno. CONJUNÇÃO URANO-NETUNO Este aspecto revela que as fa­ culdades mentais e intelectuais do indi­ víduo em questão são ou muito eleva­ das, abertas às grandes idéias filosóficas, religiosas ou místicas, ou totalmente confusas e incoerentes. De fato, se este aspecto não está apoiado em valores for­ tes e rigorosos, como os que Saturno indica, por exemplo, no mapa astral, o nativo tende a deixar-se influenciar, im­ pressionar ou levar pelas grandes co­ rrentes coletivas da época sem conseguir discernir o verdadeiro do falso, nem o mau do bom. CONJUNÇÃO URANO-PLUTÃO Este aspecto revela que es­ tamos ante um ser que é ou se torna to­ talmente hermético às opiniões alheias. De fato, a fusão de sua capacidade de de­ cisão de seu dinamismo e de seu espí­ rito de independência, por um lado, e de suas forças instintivas, por outro, faz dele um ser completamente seguro de si mesmo, indomável, rígido e lutador. Aferra-se ao que sabe e não dá seu braço a torcer. SEXTIS E TRÍGONOS URANO-SOL, URANO-LUA, URANO-MERCÚRIO, URANO-VÊNUS, URANO-MARTE, URANO-JÚPITER, URANO-SATURNO Veja os sextis e trígonos de Urano com o Sol, a Lua, Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter e Saturno. tendência a confiar somente em suas idéias e convicções ao atuar e empre­ ender algo. Por isso é muito eficaz atuando tanto para o melhor como para o pior, dependendo do caso. De fato, possui a arte de fazer abstração de qual­ quer consideração que não seja a sua ou que seria suscetível de desviar-lhe de seu objetivo. QUADRATURAS URANO-SOL, URANO-LUA, URANO-MERCÚRIO, URANO-VÊNUS, URANO-MARTE, URANO-JÚPITER, URANO-SATURNO Veja as quadraturas de Urano com o Sol, a Lua, Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter e Saturno.

SEXTIL E TRÍGONO URANO-NETUNO Este aspecto indica um verdadeiro ta­ lento artístico no indivíduo em questão ou, ao menos, uma forte atração pelas artes ou grandes preocupações neste campo, pelo qual manifesta um gosto pronunciado desde muito cedo. Pode possuir, portanto, um dom inato, ter uma motivação, uma paixão ou uma vo­ cação artística. Deve-se levar em conta este aspecto no mapa astral de uma criança, pois pode indicar uma verda­ deira vocação.

SEXTIL E TRÍGONO URANO-PLUTÃO Da mesma forma que a conjunção Urano-Plutão, este aspecto está presente no mapa astral de um ser com uma

QUADRATURA URANO-NETUNO Este aspecto revela que o nativo nunca consegue reagir de forma coerente nem aproveitar as oportunidades que lhe per­ mitiriam transformar-se ou evoluir, ou que às vezes se compraz com uma total indecisão que não pode, evidentemente, satisfazê-lo, pois, no fundo, como todas as pessoas, aspira a evoluir. Comete erros de julgamento, mas de boa fé, pois se autoconvence de que tem razão e ninguém consegue que mude de opi­ nião. E extremamente teimoso. Por isso toma decisões equivocadas apesar de sua confiança em si mesmo e contra todo sentido comum.

divíduo estimulam fortemente sua in­ teligência criadora. Por isso que se in­ teressa por tudo que é novo, inédito, original, diferente e irracional. AS QUADRATURAS DE NETUNO Veja as quadraturas de Netuno com o Sol, a Lua, Mercúrio, Vênus, Marte, Jú­ piter, Saturno e Urano.

QUADRATURA URANO-PLUTÃO As tensões reveladas por este nefasto aspecto podem ter efeitos perversos e imprevisíveis no ser em questão. De fato, indica que nele ainda restam res­ caldos de violência ou que, de vez em quando, acredita que pode fazer o que quiser, sem sentir nenhum calafrio nem nenhum limite. N o entanto, visto de tora, dá a sensação de que é tran­ qüilo, distante, fleumático e impassí­ vel. Mas não devemos confiar nele, pois é capaz de reações e de paixões ex­ plosivas. OPOSIÇÕES URANO-SOL, URANO-LUA, URANO-MERCÚRIO, URANO-VÊNUS, URANO-MARTE, URANO-JÚPITER, URANO-SATURNO Veja as oposições de Urano com o Sol, a Lua, Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter e Saturno.

OPOSIÇÃO URANO-PLUTÃO As informações reveladas por este as­ pecto são semelhantes às da quadratura Urano-Plutão, com a única diferença de que aqui o nativo tende mais à in­ troversão que ao comportamento fleu­ mático. Obstina-se na luta e deixa-se levar pelo entusiasmo da ação sem saber parar. AS CONJUNÇÕES DE NETUNO Veja as conjunções de Netuno com o Sol, a Lua, Mercúrio, Vênus, Marte, Jú­ piter, Saturno e Urano. CONJUNÇÃO NETUNO-PLUTÃO Esta fusão tão sutil entre as forças receptivas e psí­ quicas do indivíduo excita sua curio­ sidade para além de qualquer medida. A espreita das novidades, de descobri­ mentos originais, está disposto a ten­ tar as experiências mais estranhas e insólitas, inclusive perigosas, para trans­ formar-se, evoluir, experimentar sen­ sações raras, viver aventuras extraor­ dinárias e alcançar o sublime. OS SEXTIS E OS TRÍGONOS DE NETUNO Veja os sextis e os trígonos de Netuno com o Sol, a Lua, Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter, Saturno e Urano.

QUADRATURA NETUNO-PLUTÃO As tensões de ordem emocional reve­ ladas por este aspecto são muito frus­ trantes para o nativo, que tem a sen­ sação de que algumas forças secretas o impedem de evoluir. Nele, tudo acontece como se o processo de evo­ lução tivesse se detido a meio caminho. AS OPOSIÇÕES DE NETUNO Veja as oposições de Netuno com o Sol, a Lua, Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter, Saturno e Urano.

OPOSIÇÃO URANO-NETUNO Este aspecto apresenta muitas analogias com a quadratura Urano-Netuno. De fato, neste caso, o indivíduo cm questão também tende a permanecer indeciso, duvidoso ou passivo durante muito tempo para, finalmente, tomar uma decisão im­ pulsiva arbitrária, incoerente ou irrefle­ tida, emaranhando-se com os erros e contra toda argumen­ tação.

OPOSIÇÃO NETUNO-PLUTÃO Este aspecto revela que a receptividade do indivíduo não se manifesta de acordo com suas forças instintivas e psíquicas. Sente-se sempre dividido entre o que pressente e o que gostaria de obter de si mesmo e dos demais, por um lado, e suas reações instintivas incontroláveis que o empurram a intervir de maneira excessivamente violenta e radical, por outra. OS ASPECTOS DE PLUTÃO Para todos os aspectos de Plutão, veja as partes correspondentes desta seção.

SEXTIL E TRÍGONO NETUNO-PLUTÃO Este aspecto indica que o poder de trans­ formação e as forças instintivas do in­

Os aspectos

As conjunções da Lua Negra
ecomendamos anteriormente que não devemos indicar os aspectos da Lua Negra em um mapa astral para evitar qualquer confusão entre os as­ pectos reais que formam os astros entre eles e os que podem ser deduzidos de alguns astros e os pontos fictícios. Porém, nunca dissemos que tais as­ pectos tinham uma importância se­ cundária, mas sim que, por se tratar de pontos fictícios, não podemos lhes dar tanto crédito como aos aspectos entre os astros. N o entanto, a experiência nos de­ monstrou que os aspectos da Lua Negra são muito úteis para a boa com­ preensão da psicologia profunda de um indivíduo e que é bom levá-la em conta quando estudamos um mapa astral, se consideramos que muitos dos pontos inerentes a esta psicologia muitas vezes têm repercussões ou conseqüências importantes sobre seu comportamento, seus atos e os acontecimentos de sua vida. CONJUNÇÃO LUA NEGRA-SOL Embora este aspecto tenha sido quase sempre definido co­ mo o da ausência ou repúdio do pai, em nossa opinião pode ser que se trate mais provavelmente de uma ocultação ou uma intensificação da consciência e da vontade do nativo, pois, de nossa parte, consideramos Sa­ turno como representação da figura e da autoridade paternas. Por isso, a per­

R

CONJUNÇÃO LUA NEGRA-MERCÚRIO Este aspecto indica muitas vezes uma espécie de desequi­ líbrio das capacida­ des mentais do na­ tivo, que tanto podem estar inibidas — o que pode ser tradu­ zido por uma repúdio a aprender, com­ preender ou comunicar-se com total normalidade — como intensificadas. Assim, estamos ante um ser vítima de uma ativi­ dade cerebral inces­ sante, provido de uma mentalidade obsessiva. CONJUNÇÃO LUA NEGRA-VÊNUS O nativo afetado por este aspecto, por não poder viver o amor de uma forma serena, aspira a encontrar uma motivação mais essencial e exaltante para experimentar senti­ mentos que muitas vezes extrapolam os limites do normal. Isto pode induzilo a tentar todas as experiências amo­ rosas ou, por outro lado, pode inci­ tar-lhe a cultivar uma idéia fixa, isto é, sentir-se atraído, ou atrair a seres muito semelhantes ou idênticos. N o entanto, por esta razão, nunca con­ segue crer por completo, de uma ma­ neira cega, no amor, nem mostrar-se construtivo em uma relação.

sonalidade está sempre equipada de certo carisma e a vontade tem algo de intratável e irredutí­ vel que nunca de­ vemos subestimar quando nos depa­ ramos com este aspecto no mapa astral. CONJUNÇÃO LUA NEGRA-LUA Além de revelar com­ plicações nas relações mãe-filho, anuncia também problemas para a pessoa nativa — quer se trate de homem ou de mulher — cm sua re­ lações com as mulheres. O mais im­ portante deste aspecto e o que deve­ mos reter é uma acérrima inibição da sensibilidade ou, ao contrário, uma exaltação desta que se transforma em doença, submergindo o ser em questão em um estado espectral quase permanente, que o leva à autosugestão.

Este aspecto, co­ mo podemos com­ provar claramente, > não está tão longe 1 do chamado amor impossível. CONJUNÇÃO, ~ LUA NEGRA-MARTE Nunca devemos mi­ nimizar este aspecto que, muitas vezes, revela uma agressivi­ dade contida, uma violência surda, da qual ainda restam alguns rescaldos, mas que pode mostrar-se devastadora. De fato, o ser afetado por este aspecto tende mui­ tas vezes a subestimar suas forças, seu poder, ou, quando estas forças são con­ trariadas, elas engendram tensões pro­ fundas. Então, o resultado pode pro­ vocar temíveis ataques de violência, sem limite nem freios, porém também ações bri­ lhantes ou o êxito de empreendimentos e apostas impossíveis. CONJUNÇÃO LUA NEGRA-JÚPITER Com o nativo afetado por este aspecto, tem-se sempre a sensação de que a fe­ licidade e, neste caso, sua felicidade, não pode existir sem crises, sem ser posta em dú­ vida, sem acesso a uma independência na vida c no pensamento. De fato, pa­ rece como se o indivíduo tivesse a im­ pressão de que ser feliz equivale a ser dependente, fraco desprovido de toda proteção. Por isso, nega-se a ser feliz, a realizar-se plena e sim­ plesmente, e busca ca­ minhos pouco fre­ qüentes para fazê-lo, desafiando as proibições, os princípios, as regras ou as leis.

CONJUNÇÃO LUA NEGRA-SATURNO Aqui nos encontra­ mos frente a uma verdadeira repulsa da autoridade que, obviamente, pode re­ sultar do repúdio da imagem do pai, embora não necessa­ riamente. Mas também podemos estar ante um nativo que tenta singularizarse a todo custo, que se nega a amadu­ recer ou envelhecer, ou que, ao con­ trário, se vê mais maduro e mais sensato que ^ S qualquer outro; embora, no fundo não i \W/-. queira depender de \ \ ' nada nem de ninguém e, por isso, tenha ^ B B ^ ^ às vezes reações infantis. CONJUNÇÃO LUA NEGRA-URANO Do mesmo modo que a conjunção Lua Negra-Marte, este aspecto pode indicar uma inibição dos reflexos que revela um mal sistema de autodefesa. Por isso, geralmente, o nativo é suscetível de ter reações descontroladas, de não ser dono de seus próprios atos e de estar mais que ninguém, sujeito aos atos frustrados c aos acidentes. E, por outro lado, tende também a viver fora das normas, de for­ ma marginal, para­ doxal, excêntrica ou insensata.

CONJUNÇÃO LUA NEGRA-NETUNO É o aspecto do nativo que confunde an­ gústia com pressen­ timento, imaginação e realidade. Quase sempre é vítima de seus fantasmas e ilusões, em virtude do que pode mostrar-se de repente fatalista ou desesperado, presa de suas emoções, que o submergem ou ofuscam e lhe fazem perder a noção de realidade. N o entanto, se possui um bom equilíbrio, o indivíduo afetado por este aspecto será capaz de ter acesso a uma supra-realidade ou dar mostras de ge­ nialidade. CONJUNÇÃO LUA NEGRA-PLUTÃO O ser afetado por este aspecto tende a perder qualquer noção de limites e de proibição. Por isso, embora se sinta capaz de mostrar-se excessivamente lú­ cido e prudente, é audaz para ir até o fim de todo o possível ou permitido, inclusive mais além, c, conseqüente­ mente, é capaz de chegar até o me­ lhor ou o pior. De fato, quando é ví­ tima de um impulso ir­ reprimível que para ele equivale a uma necessidade vital e obsessiva, nada nem ninguém parece po­ der controlá-lo.

Os aspectos

Os trígonos e os sextis da Lua Negra
Quando a Lua Negra forma um destes dois aspectos com um astro, aproveita as qualidades inerentes de tal astro para revelar e manifestar as suas com maiorforça.
signo e pela Casa que a Lua ocupa cm seu mapa astral, vêem-se intensificadas. Conferem-lhe uma espécie de caráter mágico, que se manifesta através da fa­ culdade de perceber, sentir e experi­ mentar emoções com uma espécie de intuição lúcida próxima à clarividência, e de integrar nele os componentes sen­ síveis e emocionais de suas personali­ dades de forma vital e absoluta, sem freio nem moderação. Nele, as noções de alma c feminilidade são realidades fí­ sicas e carnais.

LUA NEGRA-SOL TRÍGONO E SEXTIL Quando um destes aspectos aparece em um mapa astral, o ser em questão pos­ sui a vontade inquebrantável de chamar a atenção de forma paradoxal ou que sai do normal. Muitas vezes tem uma cons­ ciência muito aguda de sua identidade, o que o distingue de seus semelhan­ tes. Nega-se a fazer a mínima concessão a si próprio e a ser visto, considerado e compreendido de forma diferente à idéia e a visão que ele tem de sua pes­ soa. É especialmente seletivo c exigente na escolha de suas relações. Às vezes, apesar de si mesmo, obriga ao outro a não mentir para si e não enganar a si próprio.

LUA NEGRA-LUA TRÍGONO E SEXTIL A natureza e as qualidades da sensibi­ lidade do ser afetado por um destes as­ pectos, revelados, obviamente, pelo

LUA NEGRA-MERCÚRIO TRÍGONO E SEXTIL A maior vantagem com que sai bene­ ficiado o indivíduo cuja Lua Negra se encontra em uma destas duas situações em seu mapa astral consiste no dom inato de aproveitar sua inteligência e suas capacidades mentais como puros instrumentos. Embora seja vítima de uma espécie de atividade cerebral cons­ tante, nunca se equivoca com relação a seus pensamentos; portanto, estes não o governam. É capaz de distanciar-se deles e de manter certa perspectiva ante todas as regras do saber. Sua curiosidade intelectual está muito viva, mas não a considera um fim em si.

LUA NEGRA-VÊNUS TRÍGONO E SEXTIL Para o indivíduo no qual aparece um destes dois aspectos no mapa astral, o amor é uma vocação autêntica. Em outras palavras, isto significa que suas aspirações sentimentais são conside­ ravelmente mais elevadas que o nor­ mal, que busca certa pureza ou trans­ parência c uma forma de verdade na experiência dos sentimentos através das emoções que sente. Nunca se con­ forma com relações banais ou co­ muns. N o entanto, não há nele nen­ huma sublimação ou idealização, mas sim uma vontade ferrenha de fazer possível o que, para os demais, no campo do amor, muitas vezes parece impossível de obter ou realizar.

assim, sob uma aparência de normali­ dade, cm qualquer momento pode sair de seus limites habituais c reagir de forma surpreendente, incompreensível e excessiva.

LUA NEGRA-MARTE TRÍGONO E SEXTIL Para o indivíduo que tem Marte no trí­ gono ou sextil com a Lua Negra, a afir­ mação de si próprio não é algo de pe­ quena importância. Seu poder de ação pode revelar-se de uma eficácia temível, qualquer que seja o setor no qual se ma­ nifeste, até o ponto em que o ser em questão não concebe o ato gratuito. Impõe-se com mais força e intensidade que poder, mas é capaz de obter resul­ tados extraordinários, do mesmo modo que sabe ignorar qualquer consideração diante da tentativa de alcançar seu ob­ jetivo.

LUA NEGRA-SATURNO TRÍGONO E SEXTIL O rigor moral, o espírito lógico e racio­ nal, e a lucidez, saem reforçados por estes aspectos e inclusive, às vezes, são leva­ dos ao extremo. Por isso, o ser cujo mapa astral mostra Saturno ou a Lua Negra em um destes dois aspectos revela-se de uma dureza e uma exigência implacá­ veis, tanto consigo mesmo quanto com os demais. Nunca devemos subestimar uma configuração deste tipo, pois mui­ tas vezes indica que estamos ante um in­ divíduo intratável, de uma tenacidade que o transforma em um ser pertinaz, certamente, mas também em um ser in­ flexível, embora outros fatores em seu mapa astral nos revelariam um caráter flexível ou uma natureza doce.

LUA NEGRA-NETUNO TRÍGONO E SEXTIL Quem tiver a Lua Negra em trígono ou em sextil com Netuno em seu mapa as­ tral será um ser inspirado. Qualquer que seja o uso que ele fizer desta inspiração, esta vai ser diferente da média. Con­ cede-lhe uma imaginação, mas também um poder de transformação e de adap­ tação excepcionais, que permitem cap­ tar, apesar de sua maneira de ser, pen­ samentos e emoções que ele mesmo e os demais expressam e sentem, isto é, permitem dar-lhe uma forma ou uma expressão originais, comunicá-los e transmiti-los aos demais.

LUA NEGRA-JÚPITER TRÍGONO E SEXTIL Se observarmos Júpiter a partir do ân­ gulo do estilo que um ser adota para ex­ pressar sua alegria de viver e expandirse, deveremos considerar a presença de qualquer destes dois aspectos em seu mapa astral como o indicador de um in­ conformismo anunciado. De fato, ne­ nhum dos critérios que, em geral, são os da felicidade — êxito, fortuna, pres­ tígio, honra, por exemplo — é o seu. As­ pira a uma felicidade mais simples, mais livre, mais autentica, despojada de toda dependência ou reconheci­ mentos exteriores. Para o indi­ víduo em questão, ser feliz sig­ nifica ser ele mesmo. Tudo mais lhe parece fútil e insigni­ ficante.

LUA NEGRA-URANO TRÍGONO E SEXTIL N o caso de um nativo afetado por um destes dois aspectos temos duas opções: ou estamos ante um indivíduo que aceita viver sua diferença, distinguir-se de forma flagrante de seus semelhan­ tes e nunca viver como todas as demais pessoas, de maneira que se trata de al­ guém basicamente original, singular, marginal, paradoxal de todos os pontos de vista, ou então esta­ mos ante um indivíduo que se nega a estabelecer sua diferença, quando tudo nele o empurra ou o convida a isso, que, em um caso

LUA NEGRA-PLUTÃO TRÍGONO E SEXTIL Trata-se de um dos aspectos mais mis­ teriosos que existem, porque afeta a forças secretas, inerentes ao ser em questão, e que não são necessariamente visíveis, reveladas e mensuráveis. O certo é que, de uma forma ou de outra, em um momento ou outro de sua vida, o indivíduo se deparará com uma de­ cisão essencial, fundamental para toda sua existência: despojar-se de tudo o que é vão e inútil em si mesmo ou exer­ cer um fascínio e um poder sobre os de­ mais.

Os aspectos

As quadraturas e as oposições da Lua Negra
A
s tensões interiores de um ser, re­ veladas por uma quadratura ou uma oposição entre a Lua Negra e um astro em seu mapa astral, são bastante semelhantes, salvo que na quadratura, muitas vezes, são aparentes, porém mais radicais; enquanto que na opo­ sição são mais flagrantes, porém menos intensas. Em todo caso, devemos estudá-las com muita atenção e precaução, sem cair ja­ mais na tentação de "ensombrear" a ta­ bela do mapa astral com o pretexto de que aparece em um ser uma ou outra dificuldade de comportamento. Nor­ malmente dizem que temos os defei­ tos de nossas qualidades e vice-versa. Poderíamos dizer também que em nos­ sas dificuldades estão nossas vantagens. Quanto à Lua Negra e às quadraturas ou oposições que forma com outros as­ tros, poderíamos dizer que os pontos de tensão que revelam são também pontos potenciais de liberação, que o indivíduo pode empregar para evoluir ou, sim­ plesmente, para dar-se a oportunidade de ser plenamente ele mesmo. Para aju­ dar ao ser em questão a tomar cons­ ciência do que nos revelam com relação à sua intimidade, é necessário abordar estes aspectos levando em consideração as premissas anteriores. LUA NEGRA-SOL QUADRATURA E OPOSIÇÃO N o ser afetado por um destes aspectos existe muitas vezes um repúdio a exer­ cer sua vontade e, de certa forma, uma negação de sua consciência para ser um indivíduo completo. Concretamente, isto se expressa no nativo mediante uma falta de confiança em si mesmo, uma di­ ficuldade fundamental para saber o que quer e, quando descobre, conseguir os meios para obtê-lo. Se Saturno é forte em seu mapa astral, então tenta com­ pensar sua falta de vontade através de uma espécie de autoritarismo ou de rigor moral. Ou tende a recorrer à au­ toridade. Precisa que decidam por ele, necessita um guia, submeter-se a uma vontade superior. prejudica a imagem que se faz da mulher e, em conseqüência, gera difi­ culdades em suas relações com as mu­ lheres. De fato, a mulher para ele sem­ pre será um universo desconhecido e estranho, às vezes inclusive hostil. Assim é como percebe o mundo das mulheres, e como quase sempre se en­ contra com muitos problemas ou fra­ cassos em suas relações com as mu­ lheres. Quanto à mulher com um destes dois aspectos em seu mapa astral, custa-lhe viver serenamente como tal. É sua pró­ pria feminilidade o que a inquieta. In­ terroga-se muito sobre seu papel de mulher. De fato, não quer por nada no mundo representar o papel social de mãe e esposa, por exemplo, inclusive se outros fatores cm seu mapa astral in­ dicam que possui numerosas qualida­ des para sê-lo. De forma inefável ou manifesta, nega-se a entrar em um es­ quema social de mulher. N o entanto, por razões óbvias nunca chegará a ser um homem. Podemos, portanto, ima­ ginar as tensões que isto pode criar nela, e é preciso estudar com atenção, em seu mapa astral, os demais parâ­ metros que nos informam sobre os meios que possui para resolvê-las e li­ berar-se delas.

LUA NEGRA-LUA QUADRATURA E OPOSIÇÃO Ao homem com um destes aspectos em seu mapa astral custa muito integrar em si mesmo os valores sensíveis e emo­ cionais revelados pela Lua. Este fato

LUA NEGRA-MERCÚRIO QUADRATURA E OPOSIÇÃO Estes aspectos se caracterizam por um espírito crítico, cáustico, acerbo, sem ré­ plica, um distanciamento através do humor, uma lucidez intelectual e certo gosto pela zombaria. O nativo em ques­ tão é, com freqüência, um ser silencioso que se nega a pensar como todo mundo mas que, no fundo, duvida muito sobre o que pensa.

ação para distinguir-se de seus seme­ lhantes, lançar ou aceitar desafios, às vezes insensatos, que podem suscitar a violência em torno dele. Diríamos hoje que, inconscientemente, tudo acontece como se colocasse a si mesmo em uma situação de ser repudiado ou agredido, sem querer utilizar sua força, ou repre­ sentando o papel da vítima que con­ sente.

LUA NEGRA-URANO QUADRATURA E OPOSIÇÃO Poderíamos resumir estes dois aspectos cm um repúdio a admitir ou ver o pe­ rigo. O nativo tende a se deixar tentar ou a acreditar-se invulnerável. Não deve nos surpreender, portanto, se se expõe, mais que ninguém, a ações fracassadas.

LUA NEGRA-VÊNUS QUADRATURA E OPOSIÇÃO O ser afetado por um destes aspectos não acredita no amor. O u então, se acaso acontece, nega-se a amar e a viver uma relação amorosa duradoura ou profunda. Por isso, comporta-se de maneira desaconselhável ou então faz todo o possível para não ser amado.

LUA NEGRA-JÚPITER QUADRATURA E OPOSIÇÃO Poderíamos dizer que estes aspectos são perversos, não porque o ser afetado seja assim, mas porque forças ocultas lhe pro­ íbem de ser feliz. Por outro lado, nega-se a que os demais o afaguem, o honrem ou o façam feliz. Isto faz com que seu com­ portamento social seja difícil, embora não deixe por isso de possuir interesse.

LUA NEGRA-NETUNO QUADRATURA E OPOSIÇÃO O ser afetado por um destes dois as­ pectos não somente deixa-se levar to­ talmente por suas emoções, como que se embriaga com elas, gostando de am­ pliá-las, expandindo seus limites. De­ vemos então nos perguntar o que faz com elas: São para ele uma fonte de ins­ piração maravilhosa?... Ou talvez uma incitação à deriva e à corrupção?

LUA NEGRA-MARTE QUADRATURA E OPOSIÇÃO Trata-se de aspectos muito curiosos, que revelam, por assim dizer, comporta­ mentos de "efeito bumerangue". Efe­ tivamente, o indivíduo em questão em­ prega com freqüência sua capacidade de

LUA NEGRA-SATURNO QUADRATURA E OPOSIÇÃO Tanto em um caso como no outro, existe uma negativa, inclusive um re­ púdio puro e simples a qualquer forma de autoridade. O nativo é um insub­ misso. É indomável, indisciplinado ou rebelde. Este comportamento pode en­ gendrar uma verdadeira desordem moral, depressão mas também, às vezes, extraordinárias tomadas de consciên­ cia ou gestos de grande lucidez.

LUA NEGRA-PLUTÃO QUADRATURA E OPOSIÇÃO As tensões reveladas por um destes as­ pectos são intensas porém silenciosas, muito interiorizadas e, com freqüência, levadas ao extremo. O indivíduo, capaz de desafiar todas as proibições, não teme nada nem ninguém.

ão precisamos indicar a conjunção de um astro como o Nodo norte ou sul da Lua em um mapa astral; po­ demos identificá-la com uma simples observação. Contudo, embora os demais aspectos que eventualmente formam um astro com o eixo dos Nodos da Lua são de uma importância secundária, a con­ junção de um astro com o Nodo norte ou sul da Lua é de uma importância primordial e deve-se estudá-la com muita atenção. De fato, se consideramos o Nodo norte a porta que se abre c se fecha, deduzi­ mos que toda vez que um astro entra em conjunção com o Nodo norte rea­ firma as vantagens que um ser dispõe para evoluir graças às qualidades reve­ ladas por tal astro. Então já tem con­ dições de explorá-las. Em troca, quando está em conjunção com o Nodo sul, os defeitos são re­ forçados. Por isso, as qualidades ine­ rentes ao astro em questão são suscetí­ veis de fazer retroceder ao nativo, de impedi-lo de evoluir, acentuando as suas más inclinações.

N

CONJUNÇÃO NODO SUL-SOL A vontade do nativo se opõe à sua evolução. Sempre se ex­ pressa da mesma forma, nos mesmos critérios e sempre repete os mesmos erros. E plenamente consciente disso, mas, mes­ mo assim, não é o suficiente j para fazê-lo mudar de atitude ou de comportamento. CONJUNÇÃO NODO NORTE-LUA O nativo pode usar a sensibi­ lidade, as emoções e a ima­ ginação para favorecer a sua evolução. A sua espontaneidade e a sua ingenuidade, o seu gosto por sonhar e de se maravilhar po­ derão ser, nesse caso, quali­ dades valiosas. CONJUNÇÃO NODO SUL-LUA O nativo tende a deixar ser in­ fluenciado pela sua sensibili­ dade ou a cair na cilada das suas emoções e sensações. Estas o tor­ nam vulnerável, fraco e de­ pendente. Muitas vezes não se sente capaz de se aceitar sozinho.

CONJUNÇÃO NODO NORTE-MERCÚRIO O nativo sempre consegue evoluir aproveitando as qua­ lidades da sua inteligência e mostrando-se sociável e comunicativo. Teoricamente, é muito cons­ ciente do que deve fazer para mudar. Na prática, não está | tão seguro. CONJUNÇÃO NODO SUL-MERCÚRIO As idéias ou a mentalidade do nativo muitas vezes são con­ trárias à sua evolução. É tão hábil encontrando boas razões para ser como é, que não faz nenhum esforço para mudar ou evoluir. CONJUNÇÃO NODO NORTE-VÊNUS A chave da evolução do nativo é o amor que dá e que recebe. Se chega a realizar as suas mo­ tivações, entrega-se às suas emoções, cultiva o seu poder de amar e encontra tudo o que neces­ sita para poder liberar-se das suas atitudes erradas. CONJUNÇÃO NODO SUL-VÊNUS As armadilhas do amor não deixarão de induzir o nativo ao erro. Muitas vezes cairá

CONJUNÇÃO NODO NORTE-SOL A vontade do nativo supõe uma qualidade valiosa. Ajudalhe a saber exatamente em que sentido deseja evoluir e como pode se desfazer das suas más atitudes de comportamento. A sua consciência muitas vezes j melhora com a idade.

nelas antes de perceber que, neste terreno, repete sempre os mesmos erros ou | situações. CONJUNÇÃO NODO NORTE-MARTE Nesta configuração, graças à sua capacidade de ação e impondo-se, o nativo evolui para e por si mesmo. Com freqüência, tanto os seus atos como suas ações são mais evoluídos que ele mesmo e o levam a progredir. CONJUNÇÃO NODO SUL-MARTE É a típica configuração do nativo que não faz o que diz, o que pensa ou se vê de uma forma, mas que age contra o que acredita e predica. Deve aprender a desconfiar dos seus atos. CONJUNÇÃO NODO NORTE-JÚPITER A generosidade, a boa von­ tade, o potencial de expansão e de alegria de viver do nativo são os melhores instrumentos para seu desenvolvimento e evolução pessoal. Quanto mais se abre ao mundo e à vida, mais dá a oportunidade de ser ele mesmo. CONJUNÇÃO NODO SUL-JÚPITER Muitas vezes o nativo em questão se revela muito con­ formista, voluptuoso ou, sim­ plesmente, ingênuo para acreditar que c necessário ou importante evoluir. Razão pela qual se conforma em ser como é, sem pergun­ tar-se se equivoca-se ou se está certo.

CONJUNÇÃO NODO NORTE-SATURNO Como podemos imaginar, quase sempre é na idade ma­ dura que o nativo consegue evoluir. O faz metodicamente, apren­ dendo com as suas experiên­ cias passadas, com sensatez e humildade e adotando como guia uma certa filo­ sofia de vida. CONJUNÇÃO NODO SUL-SATURNO O nativo não só se nega a evoluir como se prende obs­ tinadamente aos seus erros c comportamentos equivocados. Nor­ malmente é muito difícil fazer com que seja racional, visto que está convencido de estar certo. CONJUNÇÃO NODO NORTE-URANO O indivíduo evolui aprovei­ tando as qualidades da sua capacidade de decisão e do seu poder de adaptação. Na maioria das vezes progride muito rápido e às vezes muda de modo repentino e total seu com­ portamento. CONJUNÇÃO NODO SUL-URANO O apaixonado espírito de in­ dependência ou de rebeldia, assim como o seu caráter in­ domável ou a falta de disciplina são os três fatores que podem impe­ dir que este nativo evolua. É muito independente e nunca duvida de si mesmo.

CONJUNÇÃO NODO NORTE-NETUNO As percepções extra-senso­ riais, as aspirações, a intuição e o poder de transformação fa­ vorecem a evolução profunda e espi­ ritual do nativo. N o entanto, as suas mudanças nem sem­ pre são visíveis, mas são fun­ damentais. CONJUNÇÃO NODO SUL-NETUNO O nativo tende a ter ilusões ou a enganar a si mesmo. Quase sempre se ofusca ou se deixa influenciar por transtornos emo­ cionais que o proíbem de mo­ dificar qualquer aspecto no seu comportamento. Muitas vezes gosta de se fazer passar por vítima. CONJUNÇÃO NODO NORTE-PLUTÃO O nativo desta configuração muda por completo em um momento da sua vida. Às vezes é tão espetacular que pode até mudar fisicamente. Em qual­ quer caso, as suas forças psí­ quicas são de grande valor no momento de evoluir. CONJUNÇÃO NODO SUL-PLUTÃO Às vezes o nativo desta con­ figuração experimenta certa complacência provocando si­ tuações que o conduzirão a re­ petir sempre os mesmos erros. Tende a pensar ou acreditar que nada ou nin­ guém muda jamais.

Os aspectos

As conjunções da Parte da Fortuna
este caso também é inútil desta­ car graficamente uma conjunção da Parte da Fortuna com qualquer astro presente no mapa astral; fica evidente. De fato, ao observarmos um mapa as­ tral, vemos imediatamente se um astro está muito perto da Parte da Fortuna. Então, por que considerarmos as con­ junções desse ponto fictício com os as­ tros e não os demais aspectos? Justa­ mente por que a Parte da Fortuna é apenas um ponto fictício e um astro não pode estar em sextil, trígono, qua­ dratura ou oposição em relação a um ponto fictício como a Parte da Fortuna. Por outro lado, quando nos encontra­ mos diante de uma conjunção, é como se a Parte da Fortuna absorvesse lite­ ralmente as qualidades reveladas por tal astro. Portanto, não só devemos interpretá-la em função do signo e da Casa nos quais se encontra, mas também em relação à natureza do astro em questão.

N

Pode, inclusive, exercer uma influência pes­ soal quase contra a sua vontade. É de natureza feliz e con­ fiante. Tem a sensação de que a vida lhe sorri.

CONJUNÇÃO PARTE DA FORTUNA-LUA O ser que tem esse as­ pecto representado no seu mapa astral vive de forma sere­ na e privilegiada em relação a tudo o que se re­ fere ao âmbito da Lua: sensibilidade, emoção, inspiração, memória, imagi­ nação, ternura e as relações com as mu­ lheres e as crianças. Costuma possuir uma relação excepcional com sua mãe ou ser uma mulher com um comportamento fora do comum. Se for mulher certa­ mente chegará à ple­ nitude utilizando a sua feminilidade.

possui facilidade para tudo o que se re­ fere à compreensão, à reflexão, ao en­ tendimento, à assimilação de conheci­ mentos e do saber, à comunicação, à expressão e à palavra ou à escrita. O seu espí­ rito não carece de certa originalidade e possui o dom de a¬ prender e transmitir com alegria e prazer.

CONJUNÇÃO PARTE DA FORTUNA-VÊNUS Por motivos óbvios, o nativo afetado por es­ ta configuração tende a provocar uma gran­ de inveja. De fato, possui o dom de amar e de ser amado. Inclusive, pode­ mos considerar que é mais evoluído que os seus semelhantes no que se refere à experiência dos seus sentimentos. É ex­ tremamente atento com os demais e às vezes sabe se entregar com uma es­ pontaneidade e um de­ sinteresse que nos sur­ preendem. Não exige nada, mas dá exemplo amando da mesma forma que respira.

CONJUNÇÃO PARTE DA FORTUNA-SOL É um bom aspecto que destaca uma excep­ cional capacidade de realização dos pró­ prios desejos e de cumprimento da própria vontade. N o entanto, isso não significa que o indivíduo afetado por esta confi­ guração saiba o que quer, mas implica que conta com mais vantagens que qual­ quer outro para satisfazer a sua vontade. Quase sempre possui um certo carisma.

CONJUNÇÃO PARTE DA FORTUNA-MERCÚRIO Neste caso, estamos diante de um indiví­ duo cuja inteligência é, senão brilhante, ao menos clara e bené­ vola. Quase sempre

CONJUNÇÃO PARTE DA FORTUNA-MARTE Os atos do indivíduo afetado por esta configuração distin­ guem-se por sua clareza, franqueza e ausência de agressivi­ dade, de fato, não tenta impor-se, mas atuar com justiça e verdade, fazendo o que deve fazer. N o entanto, fica muito feliz atuando e, sem dúvida, é a razão pela qual tudo lhe sai bem. Em caso de dificuldade ou adversidade, seus atos costumam sal­ var a sua situação co­ mo se lhe fosse sufi­ ciente atuar para conseguir resolver todos os problemas.

CONJUNÇÃO PARTE DA FORTUNA-SATURNO Não seria falso afir­ mar que o nativo afe­ tado por este aspecto costuma dar a im­ pressão de ser muito sensato, um indivíduo que adquiriu uma grande experiência e uma sabedoria excepcional da vida desde a sua infância. Por isso, pergun­ tamos de onde adquiriu tamanha ex­ periência. Somente de si mesmo, pois é auto-suficiente por natureza, amando a solidão e sentir-se um ser único com certa alegria interior. A idade avançada cai-lhe perfeitamen­ te bem.

CONJUNÇÃO PARTE DA FORTUNA-NETUNO O nativo em questão é um ser inspirado. Distingue-se dos seus semelhantes por ter fé. Não acre­ dita em algo em particu­ lar, mas é fundamentalmente confiado e crente, com um pressentimento da inexorável passagem do tempo, dos vín­ culos entre o passado o presente e o fu­ turo, e um dom inato para reunir. Além disso, possui o dom de nunca permane­ cer em um mesmo estado.

CONJUNÇÃO PARTE DA FORTUNA-PLUTÃO CONJUNÇÃO PARTE DA FORTUNA-JÚPITER Esse aspecto demons­ tra um ser que possui uma rara aptidão para a felicidade. Temos a sensação de que ape­ nas tocando-o tudo se re­ solverá. Esse é o motivo pelo qual sus­ cita tanta simpatia, até mesmo se esta conjunção não for suficiente para con­ vertê-lo em um indivíduo excepcional. N o entanto, é evidente que a sua boa vontade e a sua alegria de viver são dois fortes componentes da sua personalidade que, de certa forma, lhe tra­ zem sorte, servindolhe de uma grande proteção providencial. CONJUNÇÃO PARTE DA FORTUNA-URANO O indivíduo com este aspecto presente no seu mapa astral cos­ tuma deparar-se com ocasiões e circunstân­ cias excepcionais, que po­ dem transformar a sua vida de forma re­ pentina e feliz. Deve-se destacar que possui um dina­ mismo e uma mobilidade interior que favorecem a sua capacidade de adaptação, aguçam as suas aptidões naturais de per­ cepção e permitem-lhe, de uma forma geral, antecipar-se aos acon­ tecimentos. Quase sempre sabe o | que ocorrerá. O ser afetado por esta configuração costu­ ma possuir um ins­ tinto infalível, um espírito penetrante, não necessariamente evo­ luído intelectualmente, mais hábil para compreender, ver e indagar a realidade com profundidade. Tem uma grande necessidade de autenticidade e, para ele, a mentira e as concessões a uma certa normalidade são incompatíveis com a felicidade. Este indivíduo quase sempre possui o dom de en­ contrar o que escapa aos demais. Precisa­ mente, é possível que descubra um filão, um tesouro, uma fórmula, etc.

As Efemérides. Y .da Lua Negra
De 1 de janeiro de 1935 a31dedezembrode1949
1935
Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro de 07° de Leão a 17° de Leão de 17° de Leão a 0° de Virgem de 01° de Virgem a 09° de Virgem de 10° de Virgem a 10° de Virgem de 09° de Virgem a 03° de Virgem de 03° de Virgem a 28° de Leão de 28° de Leão a 01 ° de Virgem de 01° de Virgem a 12° de Virgem de 12° de Virgem a 25° de Virgem de 25° de Virgem a 03° de Libra de 04° de Libra a 02° de Libra de 02° de Libra a 25° de Virgem j Janeiro Fevereiro Março Abril ! Maio i Junho | Julho i Agosto j Setembro { Outubro j Novembro I Dezembro

1937
de 19° de Escorpião a 14° de Escorpião de 14° de Escorpião a 08° de Escorpião de 08° de Escorpião a 08° de Escorpião de 08° de Escorpião a 17° de Escorpião de 18° de Escorpião a 01° de Sagitário de 02° de Sagitário a 11° de Sagitário de 11° de Sagitário a 12° de Sagitário de 12° de Sagitário a 06° de Sagitário de 06° de Sagitário a 01° de Sagitário de 0° de Sagitário a 02° de Sagitário de 02° de Sagitário a 13° de Sagitário de 13° de Sagitário a 27° de Sagitário | Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro

1939
de 23° de Capricórnio a 06° de Aquário de 07° de Aquário a 17° de Aquário de 18° de Aquário a 21° de Aquário de 21° de Aquário a 16° de Aquário de 16o de Aquário a 10° de Aquário de 10° de Aquário a 09° de Aquário de 10° de Aquário a 18° de Aquário de 18° de Aquário a 01° de Peixes de 02° de Peixes a 12° de Peixes de 12° de Peixes a 14° de Peixes de 14° de Peixes a 08° de Peixes de 08° de Peixes a 02° de Peixes

1936
Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro de 25° de Virgem a 21 de Virgem de 21° de Virgem a 26° de Virgem de 26° de Virgem a 09° de Libra de 10° de Libra a 21° de Libra de 22° de Libra a 27° de Libra de 27" de Libra a 23° de Libra de 23° de Libra a 17° de Libra de 16° de Libra a 14° de Libra de 14° de Libra a 21° de Libra de 21° de Libra a 04° de Escorpião de 05° de Escorpião a 16° de Escorpião de 17° de Escorpião a 20° de Escorpião | Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro

1938
de 27° de Sagitário a 05° de Capricórnio de 05° de Capricórnio a 04° de Capricórnio de 03° de Capricórnio a 26° de Sagitário de 26° de Sagitário a 22° de Sagitário de 22° de Sagitário a 27° de Sagitário de 28° de Sagitário a 09° de Capricórnio de 10° de Capricórnio a 22° de Capricórnio de 22° de Capricórnio a 29° de Capricórnio de 29° de Capricórnio a 26° de Capricórnio de 26° de Capricórnio a 19° de Capricórnio i Janeiro Fevereiro Março Abril j Maio • Junho , Julho ! Agosto Setembro Outubro Novembro I Dezembro

1940
de 02° de Peixes a 04° de Peixes de 04° de Peixes a 15° de Peixes de 15° de Peixes a 28° de Peixes de 29° de Peixes a 06° de Áries de 07° de Áries a 06° de Áries de 05° de Áries a 29° de Peixes de 29° de Peixes a 25° de Peixes de 25° de Peixes a 28° de Peixes de 29° de Peixes a 10° de Áries de 10° de Áries a 23° de Áries de 24° de Áries a 0° de Touro de 0° de Touro a 27° de Áries

Novembro de 19° de Capricórnio a 16° de Capricórnio Dezembro de 16° de Capricórnio a 22° de Capricórnio

1941
Janeiro
!

1944
| Janeiro Fevereiro Março Abril | Maio
!

1947
j Janeiro Fevereiro Março Abril i Maio 1 Junho j Julho í Agosto | Setembro Outubro Novembro i Dezembro de 02° de Capricórnio a 11° de Capricórnio de 11° de Capricórnio a 12° de Capricórnio de 11 ° de Capricórnio a 05° de Capricórnio de 05° de Capricórnio a 0° de Capricórnio de 0° de Capricórnio a 02° de Capricórnio de 03° de Capricórnio a 13° de Capricórnio de 13° de Capricórnio a 26° de Capricórnio de 27° de Capricórnio a 05° de Aquário de 05° de Aquário a 04° de Aquário de 04° de Aquário a 28° de Capricórnio de 27° de Capricórnio a 23° de Capricórnio de 23° de Capricórnio a 27° de Capricórnio

de 27° de Áries a 20° de Aries de 20° de Áries a 17° de Áries de 17° de Áries a 24° de Áries de 24° de Áries a 07° de Touro de 07° de Touro a 19° de Touro de 19° de Touro a 23° de Touro de 23° de Touro a 19° de Touro de 19o de Touro a 13o de Touro de 12° de Touro a 11° de Touro de 11° de Touro a 19° de Touro de 19° de Touro a 02° de Gêmeos 03° de Gêmeos a 14° de Gêmeos

de 13° de Leão a 21° de Leão de 21° de Leão a 04° de Virgem de 05° de Virgem a 15° de Virgem de 16° de Virgem a 17° de Virgem de 17° de Virgem a 12° de Virgem de 12° de Virgem a 06° de Virgem de 06° de Virgem a 06° de Virgem de 07° de Virgem a 16° de Virgem de 16° de Virgem a 29° de Virgem de 0° de Libra a 09° de Libra de 10° de Libra a 10° de Libra de 10° de Libra a 03° de Libra

Fevereiro Março Abril

j Maio [ Junho j Julho | Agosto
1

Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro

Setembro

I Outubro | Novembro ; Dezembro

1942
j Janeiro Fevereiro Março Abril ! Maio I j Junho \ Julho i Agosto
:

1945
j Janeiro Fevereiro Março Abril j Maio ! Junho ' Julho i Agosto • Setembro I Outubro I Novembro I Dezembro de 03° de Libra a 28° de Virgem de 28° de Virgem a 01° de Libra de 01° de Libra a 13° de Libra de 13° de Libra a 26° de Libra de 26° de Libra a 03° de Escorpião de 03° de Escorpião a 02° de Escorpião de 02° de Escorpião a 25° de Libra de 25° de Libra a 21° de Libra de 21° de Libra a 25° de Libra de 26° de Libra a 08° de Escorpião de 09° de Escorpião a 21° de Escorpião de 21° de Escorpião a 27° de Escorpião j Janeiro Fevereiro Março Abril í Maio I Junho Julho ] Agosto ; Setembro I Outubro i | Novembro I Dezembro

1948
de 27° de Capricórnio a 10° de Aquário de 11° de Aquário a 22° de Aquário de 23° de Aquário a 28° de Aquário de 28° de Aquário a 25° de Aquário de 25° de Aquário a 18° de Aquário de 18° de Aquário a 16° de Aquário de 16° de Aquário a 22° de Aquário de 23° de Aquário a 05° de Peixes de 06° de Peixes a 17° de Peixes de 18° de Peixes a 22° de Peixes de 22° de Peixes a 17° de Peixes de 17° de Peixes a 10° de Peixes

de 14° de Gêmeos a 15° de Gêmeos de 15° de Gêmeos a 10° de Gêmeos de 09° de Gêmeos a 04° de Gêmeos de 03° de Gêmeos a 05° de Gêmeos de 05° de Gêmeos a 15° de Gêmeos de 16° de Gêmeos a 29° de Gêmeos de 29° de Gêmeos a 08° de Câncer de 08° de Gêmeos a 08° de Câncer de 08° de Câncer a 02° de Câncer de 02° de Câncer a 27° de Gêmeos de 27° de Gêmeos a 29° de Gêmeos de 0° de Câncer a 11° de Câncer

Setembro Outubro

| Novembro i Dezembro

1943
Janeiro ' Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho I Agosto ! Setembro i Outubro (Novembro Dezembro de 12° de Câncer a 25° de Câncer de 26° de Câncer a 02° de Leão de 02° de Leão a 29° de Câncer de 29° de Câncer a 22° de Câncer de 22° de Câncer a 19° de Câncer de 19° de Câncer a 24° de Câncer de 25° de Câncer a 07° de Leão de 07° de Leão a 20° de Leão de 20° de Leão a 25° de Leão de 25° de Leão a 22° de Leão de 21° de Leão a 15° de Leão de 14° de Leão a 12° de Leão j Janeiro Fevereiro Março Abril i Maio j Junho \ Julho Agosto Setembro Outubro Novembro I Dezembro

1946
de 27" de Escorpião a 23° de Escorpião de 22° de Escorpião a 16° de Escorpião de 16° de Escorpião a 14° de Escorpião de 14° de Escorpião a 21° de Escorpião de 22° de Escorpião a 05° de Sagitário de 05° de Sagitário a 16° de Sagitário de 16° de Sagitário a 20° de Sagitário de 20° de Sagitário a 15° de Sagitário de 15° de Sagitário a 09° de Sagitário de 08° de Sagitário a 08° de Sagitário de 08° de Sagitário a 17° de Sagitário j ! | j Janeiro Fevereiro Março Abril ! Maio I Junho : Julho i Agosto ; Setembro I Outubro Novembro Dezembro

1949
de 10° de Peixes a 10° de Peixes de 10° de Peixes a 18° de Peixes de 19° de Peixes a 02° de Áries de 03° de Áries a 12° de Áries de 13° de Áries a 14° de Áries de 13° de Áries a 08° de Áries de 08° de Áries a 02° de Áries de 02° de Áries a 03° de Áries de 04° de Áries a 13° de Áries de 14° de Áries a 27° de Áries de 28° de Áries a 06° de Touro de 07° de Touro a 06° de Touro

de 17° de Sagitário a 01° de Capricórnio,

As Efemérides :Yda Lua Negra
De1dejaneirode 1950a31dedezembrode1964

1956

-As Efemérides da Lua Negra
De 1 de janeiro de 1965 a31 dedezembrode 1979

1971

.

' As Efemérides. Y da Lua Negra

m *

De 1dejaneirode1980 a 31 dedezembrode 1994

1986

As Efemérides Y da Lua Negra
De 1 dejaneirode 1995 a31de dezembro de 2009

2004

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful