You are on page 1of 17

CAUSAS QUE ALIMENTAM A CRIMINALIDADE

Jose Vilsemar Silva1
Resumo: A criminalidade vem recrudescendo cada vez mais e nesse contexto, o interesse do
presente trabalho é fazer um estudo especifico de cinco causas relacionadas com o aumento
da criminalidade gerado pela violência. Como resolver o problema da violência propagada
por essas causas como geradora do crime na sociedade brasileira? Como essas causas
acabam contribuindo para a formação desse quadro social deletério? A abordagem utilizou o
método dialético e a técnica utilizada foi a pesquisa bibliográficos. Quanto aos fins, a
pesquisa classifica-se como exploratória e descritiva. Os resultados demostram que as causas
estudadas possuem uma grande influência no recrudescimento da violência, a qual reproduz
diversos tipos de crimes contra a sociedade. A solução apontada seria uma mudança
substancial no combate efetivo à corrupção, na educação de qualidade, na socialização de
qualidade das crianças junto às famílias, no retorno da eticidade e moralidade dos setores
públicos contaminados pelos vírus da corrupção.
Palavras-Chave: corrupção, sociedade, violência, criminalidade, globalização.

INTRODUÇÃO

O tema proposto, Criminologia: violência como geradora do crime na sociedade, foi
escolhido pelo acentuado recrudescimento da violência observada, nas últimas décadas, a
níveis alarmantes. As incivilidades e crimes espalham-se pelas grandes e médias metrópoles e
alcançam até mesmo as pequenas cidades rurais. As estatísticas não deixam enganar, o
aumento é substancial, ano após ano, década após década.
Fica visível que as medidas tomadas pelos sucessivos governos não estão surtindo os
efeitos desejados. De pouco estão adiantando as medidas que visem apenas combater as
1 Bacharel em Direito pela UEPG/PR, profissionalização em Criminologia e
Vitimologia pela COGNOS/PORTUGAL.

nesse sentido. Os números são preocupantes e. 13.. criando um estado permanente de medo na população. Por detrás destes números estarrecedores. envolvido numa guerra contra o crime. Em 2003. além dos assassinatos. pois as estatísticas mais atualizadas de 2003 a 2014 revelam que temos em nosso país uma média que se aproxima dos 60. estudos mostram a existência de inúmeras causas sociais. quando a taxa chegou a 28. houve 51.consequências de algo que requer um estudo bem mais aprofundado e ações bem mais corajosas.2 . a taxa saltou para 22. p. o interesse do presente trabalho é fazer um estudo especifico de cinco causas relacionadas com o aumento da criminalidade gerado pela violência. os resultados dessas cifras mencionadas se fazem sentir dentro da nossa sociedade. as quais realmente possam efetivamente combater as raízes dos problemas que geram crimes tipificados e outros a serem ainda tipificados pelo legislador. Em 1990. intrinsecamente. Por analogia.600 pessoas foram assassinadas". de acordo com o site eletrônico Veja.e taxa de 11.9.043 homicídios no Brasil".] todas as 24 guerras que ocorriam no planeta mataram 40 mil pessoas.ano em que foram registrados 31. Outrossim. as quais procuram combater. outros inúmeros crimes em uma ciranda sem fim. demagogicamente. 49.989 assassinatos.000 assassinatos anuais. Santos (2009. apenas os efeitos. em 1980. algo superior às mortes das guerras espalhadas pelo mundo. Neste sentido. com diversas causas modernas advindas com a globalização e outras históricas ligadas a exploração violenta das massas deserdadas pelo Estado nos últimos séculos. 21) comenta que no ano de 2002 "[. o que nos levam as seguintes perguntas: como resolver o problema da violência propagada por essas cinco causas como geradora do crime na sociedade brasileira? Como essas causas acabam contribuindo para a formação desse quadro social deletério? . Essas causas não estão sendo combatidas devidamente pelas autoridades.. visto que temos dezenas de milhares de assassinatos a cada 12 meses no Brasil. No mesmo ano. o ponto chave desses atos violentos e dos crimes gerados está ligado.Com: "O país teve. Nesse contexto. as quais alimentam.910 homicídios .7. tornando-o um dos países mais violentos do mundo. no Brasil.

a pesquisa classifica-se como exploratória e descritiva. o trabalho permitirá fazer uma reflexão sobre as informações apuradas se realmente elas estão interferindo sobre o processo de violência. Assim poder desenvolver uma visão bem mais abrangente com relação a essas causas abordadas no presente trabalho e que ajudará a sinalizar possíveis caminhos em busca de soluções que poderão ajudar a diminuir as vitimizações e revitimizações entre as cidadãs e cidadãos afetados pela absurda violência criminal diária. a quarta seção discorre sobre o fator da globalização do crime. aceitável para a sociedade. na pesquisa de dados bibliográficos oriundos de revistas. paulatinamente.É importante localizar as causas. sobre os crimes e incivilidades em nossa sociedade. no contexto geral deste trabalho. a primeira seção enfoca alguns apontamentos sobre Criminologia. neste trabalho. É importante gizar novamente que as incivilidades já ocorrem a qualquer horário do dia em todas as classes sociais. a terceira seção aborda o fator midiático televisivo como influenciador da violência. Quanto aos fins. além de levar o descrédito nas autoridades e gerando um estado de anomia preocupante em muitas regiões. Destarte. enfraquecidos e voltem para um grau. a sexta seção expõe a corrupção infiltrada na máquina republicana e a sétima seção aborda a Conclusão do trabalho. além de analisar as causas que interferem como fatores determinantes para o crescimento da violência na sociedade brasileira. causas geradoras do crime e criminologia. apontar soluções e pressionar as autoridades para que possam. Por conseguinte. 1. Ainda. a segunda seção sobre a influência do Período Colonial como causa da violência de gênero. O método de abordagem é o dialético. ou seja. BREVES APONTAMENTOS SOBRE CRIMINOLOGIA . Torna-se importante localizar e apontar soluções para que os efeitos sejam. a metodologia utilizada está centrada na compilação. combater esses fatores reais da criminalidade e da violência. sem o menor constrangimento. trabalhos científicos. humanamente. de obras literárias e internet que versem sobre violência. efetivamente. a quinta seção focaliza a desestruturação da família.

2. a Criminologia na sua caminhada em busca das respostas que possam minimizar ou até mesmo erradicar o fator criminalidade possui métodos próprios. por conseguinte. a Criminologia está centrada na conduta criminosa do homem. a natureza e a personalidade do homem. a seguir. A violência era uma constante no período colonial. além dos fatores (causas) que alimentam a criminalidade. a fim de que as causas possam ser eliminadas.O atual momento crítico que a sociedade está atravessando. a sua conduta criminosa e refletir nas causas que motivam toda essa criminalidade. . Para tanto. além das suas origens. Como ciência-humano social. procurando observar o seu âmago. 13) argumenta: "Para o conter sem atentar contra os nossos valores é preciso estudá-lo e conhecê-lo. Procura dispor soluções adequadas para o combate a violência e a criminalidade. A INFLUÊNCIA DO PERÍODO COLONIAL COMO CAUSA DA VIOLÊNCIA DE GÊNERO. evitando desvalorizá-lo. Neste sentido Custon (2002. Com efeito. com o recrudescimento da violência e dos crimes daí originados. bem como os remédios apropriados e preventivos. das inúmeras causas que alimentam a criminalidade em nosso país. faremos uma análise sucinta de cinco causas que provocam a violência e. 2008). bem como a sensação de periculosidade entre as classes sociais da sociedade. (JUNIOR. torna a Criminologia uma ciência de extrema importância no problema criminal. É para responder a esta necessidade de análise e de conhecimento que a criminologia existe". a criminalidade. Estuda os efeitos deletérios da criminalidade. a intensidade de penetração dentro da sociedade. A subjugação da mulher pelo homem era através de formas violentas ou sutis. p. uma posse e nas colônias portuguesas não seria diferente. não passando de um objeto. A subjugação dos povos autócnes e a escravização faziam parte do modelo capitalista patriarcal europeu imposto ao mundo. ou seja. porém também se utiliza de dados fornecidos por outras Ciências nos pontos em que satisfaz o objeto principal da sua existência.

uma reflexão feita por Gautier (2004. Em função desse papel a mulher foi devastada e desgastada. ainda hoje. seguido pela mulher branca. Outrossim. para o violento sistema colonialista europeu. principalmente sobre os povos de pele escura e inclusive sobre as próprias mulheres brancas. um objeto. às mestiças e às brancas. mas também como meio de produção e de reprodução. eram vistas pelo sistema patriarcal como meras reprodutoras de mão de obra e a violência contra elas era de praxe. o asiático num nível intermediário. 670). pelo homem branco. o homem branco era o ser que deveria predominar sobre tudo e todos. nas mãos do patriarca do sistema colonialista europeu. que imagina uma árvore genealógica da espécie humana na qual o negro se situaria lá embaixo. Rit. p. 9) consegue muito bem expor a realidade da situação de violência a que os povos dominados. Essa violência praticada no Período Colonial ainda possui ramificações dentro da nossa sociedade. sobre o colonialismo de 1840. que tenta manter a mulher como uma espécie de objeto. produzindo inúmeros danos em suas vítimas [. Por essa analogia fica estampada que a violência contra mulheres. Nesse sentido. . tendo as mulheres sua sexualidade abusada ou controlada conforme os imperativos da colonização. Isso foi válido não apenas em relação às índias.. O controle. mas também em relação às negras. mesmo diante de muitos avanços com relação aos direitos das mulheres. Esse sistema não aceitava qualquer tipo de cultura e pensamento que fosse contrário ao pensamento ideológico colonialista.Por outro lado. não importava a cor da pele. e. principalmente no imaginário masculino. está a influenciar a agressividade. Nesse período as mulheres ocupavam uma posição de subalternidade. lá no alto. Ainda. p. os estímulos e os influxos das mulheres foram relacionados ao seu papel de reprodutora de braços e de transmissoras de valores em função do interesse de colonização. sempre submissa aos seus interesses. como propriedades. o qual. senão vejamos: A mulher e a terra eram metáforas uma da outra não só no sentido da exploração sensorial e sexual. Cagliari e Da Costa (2009. a violência e o crime. e que ocorre até nos dias de hoje. 7) aborda tal perspectiva: A violência praticada contra a mulher possui aspectos históricos determinados pela cultura machista que considera a mulher como uma propriedade do homem. senão vejamos: Essa ação “civilizadora” é inseparável do darwinismo social. principalmente as mulheres eram submetidas no período colonial. nas mãos do sistema colonialista europeu.. deixa bem caracterizado o pensamento da época. Lacerda (2010.]. p.

acaba sendo aplicado ao sexo feminino. na qual a mulher continua sendo alvo de agressões. centrado em raízes atávicas.3 homicídios em cem mil mulheres durante o período situado entre 2006 e 2010 (WAISELFIZS. a qual ainda vem influenciando. que as consequências dessa violência. ocupando. como se observa. Assim. O FATOR MIDIÁTICO TELEVISIVO COMO FOMENTADOR DA VIOLÊNCIA . O Brasil apresenta uma taxa de 4. muitos homens continuam vendo o sexo oposto como uma propriedade. a violência contra elas recrudesce cada vez mais. a 7ª posição. Por outro lado. no momento em que se sentem contrariados. 2008. achando que elas devem de ser submissas a lascívia de muitos e aos mais variados interesses dos seus pretensos donos. 3.4 homicídios em cem mil mulheres. em menor graduação. p. os tipos de agressões mais característicos enfrentados na atualidade podem "ser definidos em cinco pontos importantes: violência física. sutil ou não. no entanto há outras causas mais modernas que interferem no aumento da violência e que atingem a todos de modo geral como veremos a seguir.Mesmo com leis mais protetivas criadas pelo Estado para dissuadir a violência e dar mais proteção à mulher. Portugal ocupa a 72ª com apenas uma taxa de 0. Insta reafirmar. No imaginário coletivo masculino. violência moral e violência patrimonial" (NETO. p. continuam sólidas dentro da nossa sociedade moderna. entre 84 países. Como se não bastasse. como já visto. com assassinatos de milhares de mulheres a cada 12 meses. E. a atual conjuntura social da atualidade. violência psicológica. Enfim. 16). 80). a violência de gênero chegou a um ponto que transformou o Brasil em um dos países mais violentos. oriunda do período colonial. algum tipo de violência. não restam mais dúvidas de que grande parte da violência cometida contra as mulheres contém reminiscências do passado colonial patriarcal como uma das causas principais da violência de gênero. violência sexual. fica comprovada a existência de uma causa histórica.

de 15 a 29 anos. Paulo Alcides Amaral Salles. até mesmo com enxertos de mensagens subliminares em suas programações.. quando atinge a faixa etária dos 16 anos aos 22 anos. Juiz manda retirar clipe do ar e indenizar telespectadores (2002). [. Para Férres (1998.Já o fator midiático televisivo é tido. atrai e socializa. concedeu liminar a pedido do Ministério Público.]. notoriamente. especialmente.] o número de horas que um adolescente com idade média de 14 anos fica diante da televisão. além de influenciar em mudanças nos bons costumes. Porém a televisão também pode ser considerada um veículo que acaba influenciando a propagação da violência.. porque o público alvo é o jovem. Outrossim.. conforme a conclusão de inúmeros pesquisadores desde o seu advento. empresa ligada ao Grupo Abril.. Nenhum outro meio de comunicação na história havia ocupado tantas horas da vida cotidiana dos cidadãos... os autores verificaram que [. por si só. o artigo publicado na revista eletrônica Consultor Jurídico intitulado: MTV condenada. [. que realmente há uma conexão com a violência e crimes. a qual. consistentes em cenas de sadomasoquismo". aduz o seguinte: A MTV Brasil. Nesse sentido: Depois de cuidadoso tratamento estatístico. por essa linha de pensamento: . As crianças são as mais vulneráveis já que passam horas e mais horas em frente a uma telinha. através de pesquisas fundamentadas. principalmente entre jovens. O juiz afirmou que a "manutenção da publicidade poderá causar danos irreparáveis às pessoas. (VARELLA. desenhos infantis. está significativamente associado à prática de assaltos e à participação em brigas com vítimas em crimes de morte mais tarde. tais como novelas. [. ela acaba servindo como uma espécie de "babá eletrônica".. Ainda. p.] Os promotores alegaram que a exposição de propaganda abusiva e clandestina feita pela MTV afeta toda a coletividade. Além disso. A mídia televisiva deixa transparecer. que assistem à programação". para milhares de cidadãos e cidadãs. é notório que mensagens de violência são constantemente empregadas pela mídia televisiva. como um veículo altamente socializador. deve retirar do ar um clipe institucional em que são veiculadas "mensagens subliminares. filmes. 2002). em especial aos menores. 13): A televisão é o fenômeno social e cultural mais impressionante da história da humanidade. É o maior instrumento de socialização que jamais existiu.] O juiz da 12ª Vara Cível de São Paulo. e nenhuma havia demonstrado um poder de fascinação e de penetração tão grande. Essa mídia televisiva seduz..

que versavam sobre violência e suas causas. As pesquisas das últimas décadas reforçam que a mídia televisiva tem a capacidade de influenciar atos de incivilidades entre jovens e adultos e requer um controle mais apurado em suas programações."O estudo global da UNESCO. . Os empecilhos burocráticos para a entrada de pessoas em outros países foram diminuídos. as fronteiras internacionais se tornaram bem mais permeáveis com a ampliação do processo de globalização capitalista. de 1999. acabasse sendo beneficiado para expandir os seus negócios ilegais. O FATOR DA GLOBALIZAÇÃO DO CRIME Outro fator (causa)..] a burla da consciência e da racionalidade” (FÉRRES. 2004). tornando-se em uma das causas que está a influenciar a conduta violenta e até mesmo em crimes e suicídios entre o elo mais fraco da sociedade humana. enfatizou o que outras pesquisas internacionais e nacionais já haviam apontado: a violência na tela exerce forte atração sobre as crianças e elas tendem a reproduzir o comportamento de seus heróis na vida real". Tal fenômeno foi fortalecido com o fim da Guerra Fria. sendo comum a prática de corromper governos fragilizados. o modus vivendi vem sendo. 4. alterado. refere-se à globalização do crime. desde “[. p. (RANGEL. não bastando apenas argumentar que os pais têm a responsabilidade de impedir que seus filhos assistam determinados programas.. desde o advento da mídia televisiva. 35). As transações financeiras e de bens em geral foram ampliadas de maneira imensurável entre todos os países do mundo. concluiu que o fator midiático televisivo tem papel preponderante entre as inúmeras causas que impelem a um comportamento hostil ou a atos de transgressão. p. ou seja. instituições como a National Comission on the Causes and Prevention of Violence chegou à conclusão. Infelizmente. paulatinamente. 83) Inclusive. Isto tudo têm permitido que o crime organizado. antes restrito a determinadas regiões. não menos importante. como é o caso do Brasil. após verificar inúmeros trabalhos científicos. Sendo assim. (UNICEF. principalmente para países fragilizados pela corrupção. as crianças e os adolescentes.

Contratam especialistas para orientá-los pelo labirinto complexo e em constante mudança dos assuntos legais. Robinson (2001. [. de molde que inexistem leis. Insta gizar as palavras do Exmo. 19) aduz o seguinte: [. a própria tecnologia da informática tem favorecido e muito o surgimento de novas modalidades de crimes virtuais prontamente aproveitados pelas máfias globalizadas.Na esteira da evolução dessas organizações criminosas. Além disso. Desembargador de Justiça Aquino (2010): Ressalte-se que a criminalidade organizada. Outrossim. 2010). que punam delitos cometidos através da informática cometidos num país. p.. entre os diversos crimes praticados por essas organizações criminosas citaremos.] as organizações criminosas transnacionais abordam a logística. Por outro lado.] Aprenderam a estabelecer e manter redes de empresas de fachada. mas consumado em outro. Sr. se difundiu mundialmente e a legislação para coibir infrações dessa estirpe estancou no tempo e no espaço. 145) faz os seguinte comentário: "Os países industrializados continuam desinteressados dessa indústria bandida porque as mortes resultantes do uso de medicamentos falsificados ocorrem primordialmente no mundo em desenvolvimento". na média em que é quase impossível um governo nacional combater as grandes rede da organização criminosa sem ter acesso e tampouco controle sobre todas as áreas que os sacripantas [sic] agem. em razão do avanço tecnológico. o Brasil desponta como um dos maiores produtores do mundo na fabricação de medicamentos falsificados e não sofre qualquer retaliação internacional (NAPOLEONI. pois a criação de leis para a tipificação desses crimes segue um processo extremamente lento e que pode levar anos de debates. a negociar preços. p. Hoje. principalmente em países fragilizados por uma corrupção endêmica como a existente no Brasil. criar cronogramas de pagamentos e instilar em tudo isso uma filosofia que leva em conta desenvolvimentos futuros de mercado.. o professor Forgione (2011. de forma global.. o problema grave dos medicamentos falsificados que despontam em países subdesenvolvidos ou em vias de desenvolvimento. 293 e 294) denuncia uma colonização por parte de máfias italianas em diversos países e aponta algumas cidades brasileiras com a . p. Além disso.. gestão de pessoal e contabilidade de maneira profissional. das técnicas de marketing e todos os aspectos das finanças. Napoleoni (2010. decidir métodos de entrega. Eles pesquisam e desenvolvem novos produtos. a título de exemplo.

A DESESTRUTURAÇÃO FAMILIAR . o Legislativo Federal transformou-se numa “cosa” para poucos privilegiados. entre outras. 27). 2010. 5.presença dessas poderosas corporações criminosas. tráfico de extração criminosa de órgãos. 27). tais como o Primeiro Comando da Capital (PCC). senão vejamos: Ainda no Brasil. a globalização do crime é uma das mais nefastas causas. E os parasitas de colarinho branco. todas essas organizações criminosas atuam em solo brasileiro no lucrativo e violento tráfico de crianças e mulheres para escravidão. Ainda mais. brilham nas conquistas de verbas orçamentárias. organizações criminosas brasileiras.. em sede de habeas corpus. tráfico de exploração sexual. que usam métodos mafiosos. Família do Norte (FN). de pessoas etc. Como se não bastasse. acesso a fundos de pensão etc. parcerias. para a soltura de narcotraficantes ou paralisação de processos criminais por falta de justa causa” (MAIEROVITCH. de armamento. os quais se tornaram uma verdadeira praga a ser combatida. participam do tráfico de drogas. (MAIEROVITCH. a influência perniciosa dessas máfias se faz sentir dentro do próprio Legislativo Federal. Cosa Nostra e ‘Ndranghta. É importante frisar que no território brasileiros “existem denúncias e processos sobre a venda de decisões liminares. Enfim. privatizações. concessões. Por outro lado. com prejuízos imensuráveis para toda a sociedade brasileira e para a própria democracia. a qual vem sendo timidamente combatida a nível de Brasil. pelas organizações criminosas conhecidas como Camorra. terceirizações. Comando Vermelho (CV). Cidades como Rio de Janeiro. 2010. p. além de provocar estragos imensuráveis a nível econômico e social. p. em uma estreita ligação com as máfias internacionais situadas em nossas fronteiras pouco guarnecidas pelo Estado. fortaleza e Brasília servem como entreposto e mercado consumidor. tráfico de armamentos e tráfico de drogas.

Outro detalhe. Santos (2009. viviam em famílias monoparentais". Por esse caminho: “O grau de delinquência de uma comunidade é diretamente proporcional ao número de famílias monoparentais. como ocorre com os filhos de pais divorciados". FERNANDES. em que os filhos são criados só pelo pai ou pela mãe” (Tulio Kahn apud VERGARA. mas também alcança as camadas mais privilegiadas.Outra causa geradora do crime. em 1999. ou seja. em tempos de globalização. p. as quais. sem limites. Nos dias atuais a situação apenas recrudesceu. ou simplesmente os deixam sozinhos. . p. a qual implica no aumento da violência e da criminalidade. Para alguns autores as pesquisas fundamentadas não deixam dúvidas: "Grande também é o número de jovens autores de atos antissociais oriundos de lares desfeitos. hoje estão corroídas e afetam principalmente as crianças. 352). p. Tal fato atinge principalmente as camadas mais pobres da população. não menos importante. cada vez mais cedo entram para o mundo das drogas e do crime. 92). são os filhos de famílias monoparentais que apresentam um alto índice de delinquência. Outrossim. por sua vez. (FERNANDES. Realmente. Grande parte dos profissionais da saúde mental. comungam a ideia de que os liames estabelecidos na infância do cidadão e cidadã junto às famílias são fundamentais para a formação da personalidade (RAUTER. 67): “A desestruturação familiar. 67) argumenta que "61% dos menores internados na Febem. o que pode influenciar na prática de atos de incivilidades. 2003. muitas famílias monoparentais não conseguem manter uma estrutura sólida de valores básicos para a socialização dos seus filhos. 2010. os pais. representa um fator mais decisivo do que a pobreza para a criação de um delinquente em potencial”. Para Santos (2009. independentemente da posição que professam. para o sustento das famílias. As virtudes que outrora impulsionavam as famílias. tão importante quanto às demais já citadas é a desestruturação familiar. Muitas dessas crianças e adolescentes se tornam vítimas fáceis para a iniciação ao crime. p. se obrigam a ficar cada vez menos com os filhos. Portanto. 2002). ampliando ainda mais a insegurança que hoje a sociedade vive e com poucas perspectivas de melhora. os liames familiares estão sendo deteriorados a olhos vistos.

o que há é uma epidemia de impunidade. fruto de uma anomia perniciosa e de uma omissão imperdoável das instituições responsáveis pela aplicação da lei e pela persecução criminal. uma causa de suma importância. além de colocar em cheque o próprio sistema democrático. insta gizar. p. provoca falência social e administrativa irremediável. Faz com que se perca o senso de moralidade e de ética. O escritor Habib (1994. Funciona em todo o organismo e nos círculos aliados. além de induzir os seus agentes públicos e o povo a praticarem mais atos de incivilidades dentro da sociedade. .6. 320): A corrupção é a mais potente e destruidora arma do Estado. que possuem a seu favor dezenas de advogados regiamente pagos e dezenas de recursos judiciais que postergam a sentença condenatória por anos ou simplesmente acabam prescrevendo. 97) já aduzia em sua obra: Forçoso é reconhecer-se que. Provoca reflexos negativos na economia e na segurança pública. as palavras do escritor Mir (2004. Tudo isto induz a uma variedade de crimes violentos. A CORRUPÇÃO INFILTRADA NA MÁQUINA REPUBLICANA Por fim. vem a ser a corrupção dentro da máquina administrativa republicana. Serve-se dela para impedir o acesso às oportunidades e a distribuição lógica das riquezas do país. muitos crimes acabam sendo banalizados e a impunidade é gritante. transnacionais. os prejuízos trazidos pela corrupção enfraquece cada vez mais a estrutura republicana. se descontrola a curto. de governantes de mau caráter. dos partidos políticos e até mesmo de máfias internacionais que contam com a facilidade de corromper autoridades brasileiras em todos os escalões. Por esse contexto. Assim. o qual se torna manipulável e condicionado a interesses mesquinhos de muitos banqueiros. antes de se poder dizer que há uma epidemia de corrupção. gerando assim uma violência cada vez mais crescente. p. Neste sentido. médio e longo prazo. principalmente para as camadas economicamente mais abastadas. gerando descrédito e criando regiões com um crescente estado anômico.

além de uma delas estar historicamente ligada com a violência de gênero. Entre as causas especificadas. No quesito da criminalidade oriunda da globalização fica estampado que as novas tecnologias advindas com a modernidade. a mídia televisiva carece de uma maior fiscalização governamental urgente no que tange a manipulação das emoções em detrimento da razão. além da ampliação do livre mercado. Já a causa criminológica provocada pelo fator midiático televisivo. verifica-se que as causas especificadas neste trabalho estão todas interligadas. Outrossim. Os números indicam um crescimento. com farta fundamentação. pode provocar mudanças de comportamento. além de manipular emoções em detrimento da razão. o Estado. apesar de muitos não concordarem com essa possibilidade. provando que apenas leis não serão o suficiente para estancar esse crescimento deletério de violências generalizadas contra a mulher. a violência de gênero. ampliando ainda mais as suas organizações criminosas e tornandoas uma espécie de parasitas que enfraquecem cada vez mais o seu hospedeiro. os quais incita jovens há atos de incivilidade. ainda não foram suficientemente restritivas para o cometimento de crimes advindos da violência. Todas elas alimentam a violência e apesar das medidas tomadas pelo legislador a violência e o crime alcançam patamares nunca vistos. .CONCLUSÃO Por todos os aspectos vistos. principalmente entre jovens em plena formação social e cultural. as pesquisas colocam em cheque os de posicionamento contrário. com leis que facilitaram ainda mais esse processo acabaram fortalecendo as máfias locais que passaram a atuar a nível internacional. alterando inclusive costumes salutares no seio familiar. ou seja. atingindo pobres e abastados no quesito da violência e da criminalidade. De fato a “telinha de TV”. um controle mais acirrado sobre a propagação da violência através de programas. apesar da tentativa do legislador em ampliar o rol de leis e normas.

nos setores da inteligência. a própria democracia. Outrossim. pois o crime está instalado em inúmeros partidos republicanos. o qual já deu provas de como colocar o Estado de joelhos. além do surgimento de organizações internas do crime organizado. talvez a maior das causas criminológicas é exatamente o fator da corrupção. principalmente dentro dos três poderes da República. Outrossim. Uma das provas demonstra que nas famílias monoparentais. Outra mudança essencial para pôr fim ao recrudescimento da criminalidade seria o combate a concentração de rendas e uma transformação do sistema atual eleitoral político que domina o Brasil. na socialização de qualidade das crianças junto aos seus genitores. pessoas e drogas. no retorno da eticidade e da moralidade dos setores públicos contaminados pelos vírus da corrupção. para que se possa reduzir os números da violência será necessário um investimento pesado em todos os poderes estatais (municipais. muitas vezes gratuita. causando inúmeros malefícios em sua prole. vem sendo desgastada e vergastada em seus valores éticos e morais. que por sua vez compactuam com a criminalidade nacional e internacional. colocando em cheque direitos fundamentais e. na informatização. Países. a exemplo do Primeiro Comando da Capital (PCC). quando contrariado em seus interesses ilegais. a família nesses tempos de globalização. para facilitar o avanço da criminalidade e da violência. o que os empurram para muito próximo da linha divisória da criminalidade e da violência. o pior de tudo.Por outro lado. estaduais e federal) envolvidos no combate ao crime: nas comunicações. principalmente os Estados submissos aos interesses da globalização. que possuem um longo histórico de subornos praticados desde o período colonial. nas . na qualidade de atendimento. devido ao avanço da tecnologia. é que realmente se poderá combater as causas supracitadas e outras que surgem a todo o instante. concentrações de rendas e de exclusão de milhões de pessoas. na melhoria nos salários dos profissionais envolvidos. na educação de qualidade. fazendo com que tenhamos uma democracia manipulada e condicionada aos interesses de grupos. como o Brasil. principalmente da informática. os seus filhos apresentam inúmeras deficiências cognitivas e sociais. da monarquia e período republicano são alvos preferências das máfias globalizadas. Somente com uma mudança substancial no combate efetivo à corrupção. a qual como um agente patogênico vai enfraquecendo o seu hospedeiro. ligados ao tráfico de armas.

Consultor Jurídico. 68).br/2002. Acesso em: 25 mar. J. um grande passo para a unificação dos órgãos de segurança pública no combate ao crime organizado a nível internacional. . 2427. 62 a 69.br/nucleomulher>. 2427.com. Disponível em <www. nº 21. Revista Veja. ed.com. Acrescente-se. o poder paralelo toma conta. O Crime Organizado e a Globalizado. Vejam que: “Com a ausência do Estado.br/dePeso/16. 2002. Revista Veja. A Organização das Nações Unidas (ONU) já seria o embrião para tal possibilidade e. 27 mai 2015. 2015. p.ufrgs. Kalleo. 2015. diz o especialista em Segurança Pública Alexandre Rocha. Juiz manda retirar clipe do ar e indenizar telespectadores. COURA.conjur. na logística e na integração dos poderes envolvidos e na celeridade judicial. além do descompasso em termos de legislações entre os vários países do mundo seria necessário também a criação de um organismo central internacional com comandos únicos para todos os países. pois a impunidade e ineficiência do sistema criminal brasileiro é uma realidade inquestionável e com prejuízos imensuráveis para a sociedade. para eliminar grande parte da criminalidade internacional e nacional. ARTIGOS E PAPERS. MTV condenada.estatísticas. na gestão de recursos. ed. A violência contra a mulher compreendida como violência de gênero 23. 2014. com o tempo.2009. os presos primários são socializados pelo próprio crime e passam a partilhar as crenças e os valores do grupo que lhes estendeu a mão ali dentro”. Disponível em <http://www. Tudo e todos interligados em um único sistema a nível nacional. C.MI118101. que um investimento no sistema prisional para torna-lo mais eficiente na recuperação de delinquentes encarcerados é extremamente necessário. [São Paulo]. G. Acesso em: 24 out.11049-A+criminalidade+organiz ada+e+a+globalizacao >. X. Acesso em: 24 abr. Em conclusão. (COURA. Disponível em: <http://www.10.migalhas. Escola do Crime. Na falta de um tratamento adequado. BIBLIOGRAFIA AQUINO.nov05/juiz_manda _emissora_retirar_clipe_institucional_ar>. p.

Rio de Janeiro: Ed. Agusto. Doris Cavallari. 2015.br/pdfs/613995595245259440021239462518328346 02. Josefina Castro. 2008. Cristina. Trad. Francesco.br/pergamum/tesesabertas/0812079_10_cap_03. São Paulo: Ed. Fabris. João Farias. Juruá.CUSSON. FERNANDES. In: FERRO. W. In: SÁ. HABIB. Bertrand Brasil. Colonização sobre o público e o privado. Maurice. O livro negro do capitalismo. Máfia Export: Como a ‘Ndrangheta. 1998. 2014. Anais. J. Criminologia. A. 3ª ed. GAUTIER. Televisão Subliminar: Socializando através de Comunicações Despercebidas. Porto Alegre.dbd. Loretta. SHECARIA. Ricardo F. Ediouro. 1994. Efeitos e consequências da exposição à violência na televisão. Novas tendências da Criminalidade transnacional mafiosa. 2004. Revista dos Tribunais. NETO. . Karina Jannini. Criminologia e subjetividade no Brasil. Marc (org). Acesso em: 12 set. Porto Alegre: Ed. 2004.Geração Editorial. Trad. Trad..intercom. Arlette. FERNANDES.). Rio de Janeiro: Ed. Salomão (orgs. Luís. DINO. Catarina Gândara. MAEROVITCH. Guerra Civil – Estado e Trauma.org. 3ª Ed. 2004. Alessandro (orgs. Ernani Rosa e Beatriz A. 2003. Portugal: Casa das Letras. MIR. Newton.pucrio. Rio de Janeiro: Ed. São Paulo: Ed. FÉRRES. S. Disponível em < http://www. 2010: PUC/Rio – Certificado digital 0812079/CA. São Paulo: Intercom. 2010. São Paulo: Ed. Artmed. Economia Bandida. Rio de Janeiro: Ed. Brasil: quinhentos anos de corrupção. Letizia Zini. LACERDA. São Paulo: Ed. 27. Criminologia integrada. Criminologia e os Problemas da Atualidade. 2010. Bertrand.. a Cosa Nostra e a Camorra colonizaram o mundo. FORGIONE. 2011. Trad. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNIÇÃO. 2011. Trad. Trad. A violência Doméstica sob a Ótica da Criminologia. Porto Alegre: Ed. RAUTER. Acesso em 23 fev. Mulheres e Colonialismo.pdf>. 2004. Curitiba: Ed. CD-ROM. 2010. Sérgio. Revan.portcom. G. JÚNIOR. Neves.pdf >. F. Manual de Criminologia. Disponível em <http://www2.). Marina Basso. NAPOLEONI. 2008. Joana Angélica. UNESP. RANGEL. Valter. Patriarcalismo e violência contra as mulheres na formação do Brasil. Atlas. Joan.

pdf >. abril/2002: A origem da criminalidade. nº 174a.observatoriodaimprensa. Ricardo Inojosa. C. T.abril. 2015.br/artigos/asp0805200299. Acesso em 14 set.mapadaviolencia. 1ª ed. Acesso em 12 set. Acesso em: 18 abr. Jeffrey. 2014. Criminalidade Causas e Soluções. com. VERGARA. 2014.com. Mapa da Violência 2012. SANTOS.com. Disponível em <http://veja.br/ciencia/a-origemda-criminalidade>. Juruá. Acesso em: 27 mai. ROBINSON.RIT. UNICEF. Curitiba: Ed. Recorde de assassinatos: Brasil tem a maior taxa de homicídios desde 1980. Disponível em < http://www. Revista Super Interessante Especial. Disponível em <http://www. A. CAGLIARI.abril.br/pdf2012/ MapaViolencia2012_atual_mulheres. Ediouro. Julio Jacobo.org/brazil/pt/Cap_04.unicef. Violência na TV.ufrgs. Atualização: Homicídios de mulheres no Brasil. 2015. Marques Dos. M. VARELLA. Dráuzio. Acesso em: 03 abr. WAISELFISZ. Rio de Janeiro: Ed.br/noticia/brasil/brasil-teve-em2012-a-maior-taxa-de-homicidios-desde-1980>. 2009. 2015.htm>. Disponível em: < http://www. Rodrigo. M. Violência na mídia: Excessos e avanços. F. Violência cometida contra a mulher compreendida como violência de gênero. Acesso em 15 set. COSTA.org. A globalização do crime.pdf >. Disponível em <http://super.COM. C. .br/nucleomulher/arquivos/artigo_violencide%20genero>. VEJA. S. Trad. Disponível em: <http://www6. 2014. 2001.