You are on page 1of 6

Laboratórios

A seguir estão descritas as três atividades sugeridas para prática de
laboratório.
As medições foram feitas utilizando 2 multímetros de marca e modelo a
seguir:
- Multímetro Digital Minipa ET-2600
- Multímetro Osciloscópio Digital UNI-T UT81B
A fonte de tensão simétrica +12v e -12v são duas baterias de chumboácidas (12v) ligadas em série. O ponto central da ligação é a referência 0v
(zero volt). O circuito não foi aterrado.
A fonte de sinal de entrada para os circuitos sob teste foi produzida por um
módulo Arduino programado de acordo com a atividade. O ponto de
referência (zero volt) do módulo Arduino foi conectado ao 0v da fonte
simétrica (baterias).

PRIMEIRO EXPERIMENTO
Analisar a resposta ao degrau de uma planta de primeira ordem.
Descrição:
Para medição dos sinais de entrada e saída do circuito
O circuito sob teste foi montado em uma protoboard. A seguir, temos o
esquemático do circuito com os valores e modelos dos componentes:
Ponto

Figura 1 – Esquemático do circuito 1

Abaixo, temos uma foto global do circuito montado e a alimentação
(baterias).

Figura 3 – Medição do Sinal de Entrada . programado para gerar uma onda quandrada de 5v de pico. Abaixo temos uma foto da medição do sinal de entrada.Figura 2 – Foto global do circuito montado A fonte de sinal de entrada (VIN) é um módulo Arduino. com frequência de 10 Hz.

O “Ponto A” da Figura 3. que o Amp Op bufferiza.Podemos ver. podemos ver a foto do circuito montado na protoboard. é a tensão do capacitor. . Pela escala de tempo. VIN Figura 4 – Circuito 1 montado na protoboard Como a entrada do amplificador operacional (Amp Op) tem uma impedância muito alta (J-FET input). podemos ver que o Duty Cycle é de 50%. copiando a tensão do capacitor para a saída. que a tensão de pico do sinal é de aproximadamente 5v. podemos dizer que o circuito é RC série e que o Amp Op opera apenas como um buffer de sinal. A seguir. de acordo com a escala 2V/div. Na foto abaixo. podemos ver a medição do sinal de saída do Amp Op (V OUT).

podemos modificar a função de transferência. >> R2 = 47000. podemos verificar a resposta da função de transferência a um degrau unitário. >> step(func) A seguir o gráfico de saída do MATLAB: . 5 ms/div.Figura 5 – Tensão de saída VOUT A escala de tempo foi modificada. Como o sinal de entrada real do circuito é um degrau de 5v. É possível perceber o Ts pouco acima de 10 ms (milissegundos) marcado em vermelho. o código: >> R1 = 47000.den) func = 5 -------------0. A seguir. %numerador 5 para corresponder ao efeito de um degrau de amplitude 5v >> den=[C1*(R1+R2) 1]. multiplicando-a por um fator de 5. Assim obtemos a resposta no simulador como se um degrau 5 fosse aplicado. A função de transferência para o circuito é: VOUT/VIN = G(s) = 1/(s*C1*(R1+R2) + 1) VOUT/VIN = G(s) = 1/(s*22E-9*(47k +47k) + 1) Em uma simulação no software MATLAB. >> func=tf(num. para melhorar a visualização do tempo de acomodação Ts (settling time) do sinal V OUT. >> C1 = 22*10^-9. >> num=[5].002068 s + 1 Continuous-time transfer function.

A análise da função de transferência. podemos verificar que a modelagem utilizando o conceito de função de transferência é válida. por MATLAB. Dessa forma. típica de um circuito RC série de primeiro grau. . e sua resposta a degrau. É possível medir um tempo de acomodação Ts de pouco mais de 10ms. mostra as mesmas características de amortecimento e um tempo Ts também pouco acima de 10ms.Figura 6 – Gráfico da resposta do circuito. Podemos perceber que a medição apresenta uma resposta amortecida.

gerando uma onda quadrada com tensão de pico de 5v e 10 Hz. A seguir. .SEGUNDO EXPERIMENTO Analisar a resposta ao degrau de duas plantas de segunda ordem. Descrição: O circuito sob teste foi montado em uma protoboard. temos o esquemático do circuito com os valores e modelos dos componentes: Figura 7 – Esquemático do circuito 2 A foto abaixo mostra a montagem do circuito na protoboard e os componentes: VIN Figura 8 – Circuito 2 montado na protoboard A fonte de sinal da entrada do circuito também é feita com o módulo Arduino.