You are on page 1of 358

MANUAL TÉCNICO

Alcatel 1650SMC Rel. 3.1
Nó Metropolitano Multiserviço STM 1/4

VOL. 1/1

955.110.542 G Ed.01

3AL 80754 AAAA Ed.01

955.110.542 G Ed.01

3AL 80754 AAAA Ed.01

MANUAL TÉCNICO 1650SM REL. 3.1

ÍNDICE
Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste
documento, o uso e a comunicação de seus conteúdos não
são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

LISTA DE FIGURAS E TABELAS .............................................................................................................. 5
GUIA DO MANUAL...................................................................................................................................... 9
1 ESTRUTURA DO MANUAL E VERIFICAÇÃO DA CONFIGURACÃO................................................. 11
1.1 Informação geral............................................................................................................................ 11
1.2 Aplicabilidade do manual ............................................................................................................. 11
1.3 Manuais de release de produtos.................................................................................................. 11
1.4 Estrutura do Manual ...................................................................................................................... 15
1.5 Verificação da Configuração do Manual ..................................................................................... 16
1.5.1 Lista das edições e de partes modificadas ............................................................................ 16
1.5.2 Notas sobre a Ed. 01.............................................................................................................. 16
2 CONFORMIDADE COM AS NORMAS EUROPÉIAS............................................................................ 17
2.1 Compatibilidade Eletromagnética (CEM) .................................................................................... 17
2.2 Segurança ...................................................................................................................................... 17
3 NORMAS E ETIQUETAS DE SEGURANCA ......................................................................................... 19
3.1 Primeiros socorros para choque elétrico ................................................................................... 19
3.2 Regras de Segurança .................................................................................................................... 21
3.2.1 Regras Gerais......................................................................................................................... 21
3.2.2 Etiquetas indicando Perigo, Proibição, Comando .................................................................. 22
3.2.3 Tensões elétricas perigosas................................................................................................... 23
3.2.4 Sinais Óticos Prejudiciais ....................................................................................................... 24
3.2.5 Riscos de Explosões .............................................................................................................. 26
3.2.6 Partes mecânicas em movimento .......................................................................................... 26
3.2.7 Partes Mecânicas Irradiando Calor ........................................................................................ 27
3.2.8 Regras de segurança específicas neste manual ................................................................... 28
4 OUTRAS ETIQUETAS E NORMAS ....................................................................................................... 29
4.1 Compatibilidade eletro-magnética............................................................................................... 29
4.1.1 Normas Gerais - Instalação ................................................................................................... 29
4.1.2 Normas Gerais – Partida e Comissionamento, Operação ..................................................... 30
4.1.3 Normas Gerais - Manutenção ............................................................................................... 30
4.2 Descarregadores Eletrostáticos (ESD)........................................................................................ 31
4.3 Sugestões, notas e cuidados ....................................................................................................... 32
4.4 Etiquetas fixadas no Equipamento.............................................................................................. 32
5 LISTA DE ABREVIAÇÕES..................................................................................................................... 45
6 GERAL SOBRE A DOCUMENTAÇÃO DO CLIENTE DA ALCATEL................................................... 49
6.1 Produtos, releases de produtos, versões e Documentação do Cliente .................................. 49

01

020408

ED

DATA

ED

ALTERAR NOTA

S. MAGGIO ITAVE
C. FAVERO
AUTORIDADE DE AVALIAÇÃO
1650SM REL. 3.1
MANUAL TÉCNICO

P. GHELF ITAVE
ORIGINADOR

01
955.110.542 V

3AL 80754 AA AA

1/356

Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste
documento, o uso e a comunicação de seus conteúdos não
são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

6.2 Fornecimento do Manual aos Clientes........................................................................................ 49
6.3 Objetivos da Documentação do Cliente padrão......................................................................... 49
6.4 Atualização do Manual .................................................................................................................. 50
6.4.1 Alterações introduzidas no mesmo release de produto (mesmo No. de Peça do manual) ... 50
6.4.2 Alterações devido a nova versão de produto ......................................................................... 50
6.5 Fornecimento de documentação do Cliente em CD–ROM........................................................ 51
6.5.1 Conteúdo, criação e produção de um CD–ROM.................................................................... 51
6.5.2 Uso do CD–ROM.................................................................................................................... 52
6.5.3 Identificação do CD–ROM...................................................................................................... 52
6.5.4 Atualização do CD–ROM ....................................................................................................... 52
DESCRIÇÕES.............................................................................................................................................. 53
1 GERAL .................................................................................................................................................... 55
1.1 Introdução ao Equipamento ......................................................................................................... 55
1.2 Inserção do equipamento na rede ............................................................................................... 60
1.2.1 Configuração .................................................................................................................................. 60
1.2.2 Aplicação ........................................................................................................................................ 61
1.2.3 Proteção de rede............................................................................................................................ 64
2 CONFIGURAÇÃO FÍSICA...................................................................................................................... 65
2.1 Vista frontal do equipamento......................................................................................................... 66
2.1.1 Vista frontal do Sub-bastidor do 1650SMC ............................................................................ 66
2.1.2 Vista de composição de Sub-bastidor de 19” de Ventiladores .............................................. 67
2.2 Lista de peças ................................................................................................................................ 68
2.2.1 Lista de peças do Bastidor de Equipamento.......................................................................... 69
2.2.2 Lista de peças de Sub-bastidor de Ventiladores.................................................................... 75
2.2.3 Notas Explicativas .................................................................................................................. 76
2.3 Relação entre o Cartão de Porta e o Cartão de Acesso ............................................................ 79
2.4 Vista frontal das unidades ............................................................................................................ 81
2.4.1 Vista frontal do cartão de porta .............................................................................................. 82
2.4.2 Vista frontal de cartões de acesso ......................................................................................... 92
2.4.3 Vista frontal de Sub-bastidor de Ventiladores de 19”............................................................. 103
3 DESCRIÇÃO FUNCIONAL..................................................................................................................... 105
3.1 Descrição Geral ............................................................................................................................. 105
3.1.1 Subsistema de conexões ....................................................................................................... 115
3.1.2 Subsistema de Gerência de Sinal .......................................................................................... 117
3.1.3 Subsistema de gerenciamento de ATM ................................................................................. 135
3.1.4 Subsistema de IP ................................................................................................................... 144
3.1.5 Subsistema de gerenciamento de ETHERNET ..................................................................... 150
3.1.6 Subsistema do controlador..................................................................................................... 157
3.1.7 Subsistema de proteção......................................................................................................... 163
3.1.8 Subsistema sincronizador ...................................................................................................... 189
3.1.9 Subsistemas Auxiliar e DCC .................................................................................................. 191
3.1.10 Subsistema de fonte de alimentação ................................................................................... 193
3.1.11 Subsistema de inventário remoto ......................................................................................... 196
3.1.12 Estrutura de quadros ............................................................................................................ 197
3.2 Descrições da Unidade ................................................................................................................. 212
3.2.1 Generalidades ........................................................................................................................ 212
3.2.2 Cartão de acesso 21 x 2 Mbit/s .............................................................................................. 212
3.2.3 Cartão de acesso 3 X 34 Mbit/s ............................................................................................. 214
3.2.4 Cartão de acesso 3 X 45 Mbit/s ............................................................................................. 216
3.2.5 Adaptador 2 x 140/STM–1 O/E (cartão de acesso)(A2S1) .................................................... 218
3.2.6 Cartão de acesso elétrico 4 x STM–1 (A4ES1)...................................................................... 220
3.2.7 Cartão de acesso de Alta Velocidade (HPROT) .................................................................... 222
ED

01
955.110.542 V

3AL 80754 AA AA

2/356

Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste
documento, o uso e a comunicação de seus conteúdos não
são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

3.2.8 Cartão de acesso Ethernet (ETH–ATX) ................................................................................. 224
3.2.9 Módulo elétrico (ICMI) ............................................................................................................ 226
3.2.10 Módulos óticos STM–1 ......................................................................................................... 228
3.2.11 Módulos óticos STM–4 ......................................................................................................... 229
3.2.12 Cartão de porta 63 x 2 Mbit/s (P63E1)................................................................................. 230
3.2.13 Cartão de porta 63 x 2 Mbit/s / G703 / ISDN–PRA (P63E1N) ............................................. 233
3.2.14 Cartão de porta 3 x 34/45 Mbit/s (P3E3/T3)......................................................................... 238
3.2.15 Cartão de porta elétrico/ótico 4 x STM–1 (P4S1N) .............................................................. 241
3.2.16 Cartão de porta O/E 4 X 140/STM1 cambiável (P4E4N) ..................................................... 246
3.2.17 Cartão de porta elétrica 4 x STM–1 (P4ES1N) .................................................................... 253
3.2.18 Cartão de porta ótica STM–4 ............................................................................................... 258
3.2.19 Cartão COMPACT ADM (SYNTH1N) .................................................................................. 263
3.2.20 Cartão COMPACT ADM (SYNTH4) ..................................................................................... 275
3.2.21 MATRIZ ATM 4X4 ................................................................................................................ 276
3.2.22 MATRIZ DE IP (IP1GETH e IP4X4) ..................................................................................... 283
3.2.23 Porta ETHERNET (ETH–MB)............................................................................................... 289
3.2.24 Cartão CONGI ...................................................................................................................... 293
3.2.25 Cartão SERGI....................................................................................................................... 297
3.2.26 Unidade de ventilador para prateleira de ventilador de 19” ................................................. 306
4 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ............................................................................................................. 311
4.1 Características Gerais................................................................................................................... 311
4.1.1 Segurança Ótica ..................................................................................................................... 315
4.1.2 Segurança Elétric ................................................................................................................... 318
4.2 Características da Interface Elétrica............................................................................................ 319
4.3 Características da interface ótica ................................................................................................ 323
4.4 Características da interface ATM................................................................................................. 327
4.4.1 Capacidade de comutação matriz ATM 4x4 .......................................................................... 327
4.5 Gerenciamento de tráfego de IP .................................................................................................. 327
4.6 Características da fonte de alimentação..................................................................................... 328
4.7 Características do alarme............................................................................................................. 329
4.8 Características mecânicas .......................................................................................................... 332
4.9 Condições ambientais................................................................................................................... 333
4.9.1 Condições climáticas para operação...................................................................................... 333
4.9.2 Armazenamento ..................................................................................................................... 335
4.9.3 Transporte .............................................................................................................................. 337
4.9.4 Condição EMI/EMC........................................................................................................................ 339
5 MANUTENÇÃO ...................................................................................................................................... 341
5.1 Regras de segurança geral........................................................................................................... 343
5.2 Regras gerais ................................................................................................................................. 343
5.3 Aspectos de Manutenção ............................................................................................................. 344
5.4 Instrumentos e Acessórios .......................................................................................................... 344
5.5 Manutenção de Rotina .................................................................................................................. 344
5.5.1 Manutenção de rotina a cada ano .......................................................................................... 345
5.5.2 Manutenção de rotina a cada cinco anos............................................................................... 346
5.6 Manutenção Corretiva (Resolução de Problemas) .................................................................... 347
5.6.1 Unidade do ventilador para substituição da prateleira do ventilador de 19" .......................... 347
5.7 Conjunto de peças reserva........................................................................................................... 348
5.7.1 Peças Reserva Sugeridas ...................................................................................................... 348
5.7.2 Regras gerais sobre o gerenciamento de peças reserva ..................................................... 348
5.7.3 Regras particulares sobre o gerenciamento de peças reserva.............................................. 348
5.8 Forma de Reparo ........................................................................................................................... 348
DOCUMENTAÇÃO DE AJUSTE DE HARDWARE .................................................................................... 351
LISTA DE DOCUMENTAÇÃO DAS UNIDADES ........................................................................................ 353
ED

01
955.110.542 V

3AL 80754 AA AA

3/356

LISTA DE FIGURAS E TABELAS

Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste
documento, o uso e a comunicação de seus conteúdos não
são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

FIGURAS
Figura 1. Etiqueta de Sub-bastidor............................................................................................................... 33
Figura 2. Etiqueta de Sub-bastidor............................................................................................................... 34
Figura 3. Etiqueta de Sub-bastidor............................................................................................................... 35
Figura 4. Etiquetas em unidades com tampa padrão .................................................................................. 36
Figura 5. Etiqueta dos módulos.................................................................................................................... 37
Figura 6. Etiqueta Interna para Conjunto de Placa Impressa ...................................................................... 38
Figura 7. Etiqueta interna de painéis traseiros............................................................................................. 39
Figura 8. Etiqueta especificando item não catalogado (número de peça e número de série)..................... 40
Figura 9. Etiqueta especificando item catalogado (número de peça e número de série)............................ 40
Figura 10. Etiquetas de identificação do item – item catalogado................................................................. 41
Figura 11. Etiqueta identificando o equipamento (exemplo)........................................................................ 41
Figura 12. Exemplo de gerência de Transporte de ATM e IP...................................................................... 58
Figura 13. Aplicação de serviço Ethernet..................................................................................................... 59
Figura 14. Multiplexador de Terminal........................................................................................................... 60
Figura 15. Multiplexador Add/Drop............................................................................................................... 60
Figura 16. ”HUB” STM–1.............................................................................................................................. 61
Figura 17. Conexões ponto a ponto ............................................................................................................. 61
Figura 18. Drop-Insert (Retirada-Inserção) linear ........................................................................................ 62
Figura 19. Estrutura em anel ........................................................................................................................ 62
Figura 20. Topologia em malha.................................................................................................................... 63
Figura 21. Vista frontal do Equipamento 1650SMC..................................................................................... 66
Figura 22. Vista frontal de Sub-bastidor de 19” de Ventiladores ................................................................. 67
Figura 23. Vista frontal do cartão de porta PDH, SDH elétrico .................................................................... 82
Figura 24. Vista frontal do cartão de porta 4 x STM–1 ou 4 x140 Mbit/s..................................................... 83
Figura 25. Vista frontal do cartão de porta STM–4 ...................................................................................... 84
Figura 26. Cartão ATM 4X4 – vista frontal ................................................................................................... 85
Figura 27. Vista frontal Matriz IP 1 Gbit/s 4x Ethernet ................................................................................. 86
Figura 28. Vista frontal Matriz IP 1 Gbit/s..................................................................................................... 87
Figura 29. Vista frontal porta Ethernet ......................................................................................................... 88
Figura 30. Interface de Controle e Geral ..................................................................................................... 89
Figura 31. Cartão SERGI ............................................................................................................................. 90
Figura 32. Cartão SYNTH1N / SYNTH4 – vista frontal................................................................................ 91
Figura 33. Conectores 1.0/2 do cartão de acesso .3 21 x 2 Mbit/s 75 ohm................................................. 92
Figura 34. Cartão de acesso 21 X 2 Mbit/s 120 Ohm .................................................................................. 93
Figura 35. Adaptador (cartão de acesso) 2 x 140/STM–1– vista frontal...................................................... 94
Figura 36. Cartão de acesso 3 x 34 Mbit/s 75 ohm ..................................................................................... 95
Figura 37. Cartão de acesso 3 X 45 Mbit/s 75 ohm..................................................................................... 96
Figura 38. Vista frontal de acesso de Ethernet ............................................................................................ 97
Figura 39. Cartão de acesso 4 X STM–1 ..................................................................................................... 98
Figura 40. Proteção de Alta Velocidade – vista frontal ................................................................................ 99
Figura 41. Módulo ótico STM–1 ou STM–4.................................................................................................. 100
Figura 42. Módulo elétrico STM–1 ou 140 Mbit/s ........................................................................................ 101
Figura 43. Instalação Ótica STM–1 transporte curto SC/PC vista frontal.................................................... 102
Figura 44. Vista frontal do Bastidor de Ventiladores de 19”......................................................................... 103
Figura 45. Diagrama de blocos TTF e HOA................................................................................................. 105
Figura 46. Diagrama de blocos LOI ............................................................................................................. 106
Figura 47. Diagrama de blocos de HOI........................................................................................................ 106
Figura 48. Diagrama de Bloco do 1650SMC – parte um ............................................................................. 111
Figura 49. Diagrama de Bloco do 1650SMC – parte um ............................................................................ 112
ED

01
955.110.542 V

3AL 80754 AA AA

4/356

Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste
documento, o uso e a comunicação de seus conteúdos não
são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

Figura 50. Diagrama de Bloco do 1650SMC – parte três (Unidades comuns e placas ISA) ...................... 113
Figura 51. Diagrama de Bloco do 1650SMC – parte quatro (placas ISA) ................................................... 114
Figura 52. Conexões de Ordem Mais Alta/Ordem Mas Baixa para o 1650SMC......................................... 116
Figura 53. Diagrama de blocos de gerência de sinal SDH .......................................................................... 119
Figura 54. Diagrama de blocos de gerência de sinal de 2Mbit/s, 34 Mbit/s, 45 Mbit/s................................ 120
Figura 55. Diagrama de blocos de gerência do sinal de 140Mbit/s ............................................................. 121
Figura 56. Diagrama de Blocos do 1650SMC: gerência de sinal (porta SDH) ............................................ 128
Figura 57. Diagrama de blocos do 1650SMC: gerenciamento de sinais (portas SDH de 2Mbit/s) ............. 130
Figura 58. Diagrama de blocos do 1650SMC: gerenciamento de sinais (portas SDH de 34 Mbit/s
e 45 Mbit/s) ................................................................................................................................. 132
Figura 59. Diagrama de blocos do 1650SMC: gerenciamento de sinais (portas PDH de 140 Mbit/s) ........ 134
Figura 60. Relação entre VC, VP e TP ........................................................................................................ 135
Figure 61. Formato básico de uma célula ATM ........................................................................................... 136
Figura 62. Interface de rede ATM ................................................................................................................ 137
Figure 63. Carga útil (payload) e cabeçalho de célula ATM UNI e NNI....................................................... 138
Figura 64. 1650SMC com arquitetura ATM Matrix....................................................................................... 142
Figura 65. Serviço de linha dedicada versus serviço de transporte de dados............................................. 143
Figura 66. O modelo de referência TCP/IP .................................................................................................. 144
Figura 67. Datagrama de IP ......................................................................................................................... 145
Figura 68. Quadro PPP ................................................................................................................................ 148
Figura 69. Quadro HDLC com encapsulamento PPP.................................................................................. 148
Figura 70. Formato de quadro LLC .............................................................................................................. 148
Figura 71. Formato de quadro MAC 802.3................................................................................................... 148
Figura 72. Subsistema de IP ........................................................................................................................ 149
Figura 73. Ethernet 10/100: compressão de largura de banda.................................................................... 150
Figura 74. Board Ethernet 10/100: arquitetura de sistema .......................................................................... 151
Figura 75. Exemplo de aplicação de serviço Ethernet................................................................................. 152
Figura 76. Encapsulamento GFP ................................................................................................................. 153
Figura 77. Cabeçalho de extensão GFP ...................................................................................................... 155
Figura 78. Subsistema de controle do 1650SMC ........................................................................................ 158
Figura 79. Arquitetura de gerenciamento geral do 1650SMC...................................................................... 160
Figura 80. Modo de conexão para TMN....................................................................................................... 160
Figura 81. Pilha de protocolo para gerenciamento de SDH/IP/ATM ........................................................... 161
Figura 82. Exemplo de gerenciamento de uma rede com tráfego SDH e ATM/IP ...................................... 162
Figura 83. Exemplo de esquema de proteção EPS da porta de baixa velocidade...................................... 165
Figura 84. Conexões de enlace na porta 63 x 2 Mbit/s................................................................................ 165
Figura 85. Exemplos de proteção EPS ........................................................................................................ 167
Figura 86. Conexões de baixa velocidade ................................................................................................... 168
Figura 87. Exemplos de esquema de proteção de ATM 4X4 MATRIX EPS ............................................... 170
Figura 88. Mensagens trocadas entre as placas EC e ISA–ATM no grupo EPS ........................................ 171
Figura 89. Proteção com terminação simples 1+1 linear ............................................................................. 174
Figura 90. Proteção com terminação dupla 1+1 linear ................................................................................ 174
Figura 91. Rede em anel típica com SNCP ................................................................................................. 176
Figura 92. Exemplos de falha no anel SNCP............................................................................................... 177
Figura 93. Exemplo de grupo protegido por SNCP...................................................................................... 178
Figura 94. D/C A INS A de Drop and Continue (chamada de “Normal” no CT)........................................... 180
Figura 95. D/C A INS B de Drop and Continue (chamada de “Inversa” no CT) .......................................... 180
Figura 96. Drop and Continue ...................................................................................................................... 181
Figura 97. Drop and Continue – primeira falha ............................................................................................ 182
Figura 98. Drop and Continue – segunda falha ........................................................................................... 182
Figura 99. Interconexão de nó dual colapsado ............................................................................................ 184
Figura 100. Interconexão de nó dual colapsado – 1ª falha.......................................................................... 185
ED

01
955.110.542 V

3AL 80754 AA AA

5/356

................................... 301 Figura 151............. Estrutura de multiplexação do 1650SMC ................................................. 185 Figura 102.................. Diagrama em bloco de STM–4 ...................... Sinal síncrono de 2048 Kb/s: overhead de quadro básico ................................................................. 257 Figura 141..........................................................110.......................................................... 237 Figura 136...................Exemplo de gerenciamento multicanal .......................................................... CONGI – Diagrama em bloco ................... Diagrama Funcional do bloco NT ISDN–PRA ...................................................................... 188 Figura 105.............................................................................................. Gerência de AUX e DCC ................. 292 Figura 148............... Diagrama de bloco da porta elétrica 1650SMC – 4 x STM–1 ........... 217 Figura 126........................................................ 273 Figura 143........................... 210 Figura 122.................. Cartão 63 x 2 Mbit/s – Diagrama de Blocos ......... Diagrama de Blocos 21 x 2 Mbit/s G.............. 288 Figura 147. Cartão COMPACT ADM – Diagrama em bloco (1 x STM–4) ................................703/ISDN–PRA . Mapeamento de células ATM em quadros de 2048 kb/s2 . 203 Figura 116............................................................................................................... Função de sincronização: diagrama de blocos.... o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel................................ Estrutura do VC–12 (mapeamento assíncrono de 2048 Kbit/s) ... Estrutura de VC–4 e conteúdo de byte de POH ................................................................... 4 x 140/STM–1 Diagrama de blocos de porta Elétrica/Ótica ....... 200 Figura 112........................... 213 Figura 124.............. 1650SMC – Diagrama de blocos de porta Elétrica/Ótica 4 x STM–1............................ 206 Figura 119................................................................. Módulo ótico STM–1 – diagrama de blocos... 195 Figura 108............................................... 251 Figura 139.................. 287 Figura 146................ 187 Figura 104............................................................Todos os direitos reservados............................................................................... 209 Figura 121..................... Mapeamento de células ATM em VC12 ......................... Unidade Matriz de IP de 600Mbps + 4 Fast Ethernet – Diagrama em bloco ........................................ Diagrama de blocos de Mapper /Demapper 140–PDH / 155–STM1...................................................................... Diagrama de blocos do adaptador 2 x 140/STM–1 O/E (cartão de acesso) ....... 229 Figura 133.......... 215 Figura 125.. Diagrama de blocos de cartão de acesso HPROT ............... 223 Figura 129.................................... 204 Figura 117........................ Estrutura de STM–1 e conteúdo de byte de SOH ........................... 208 Figura 120......... Diagrama de Blocos – Acesso Ethernet ...................................................................................542 V 3AL 80754 AA AA 6/356 ...................................................................... Diagrama em bloco geral da prateleira de ventiladores de 19” ......................... Módulo ótico STM–4 – diagrama de blocos................................................. 186 Figura 103............................................................... Exemplo de topologia de rede e numeração de Nes........ 228 Figura 132............ 252 Figura 140.................................................................................. Sinal síncrono de 2048 Kb/s: overhead de multiquadro CRC–4 ................................................. Cartão COMPACT ADM – Diagrama em bloco (2 x STM–1) ............................................................................... Diagrama de blocos do cartão de acesso 4 x STM–1 .................................................... 240 Figura 137.................... Unidade Matriz de IP de 600Mbps – Diagrama em bloco .................................................. Subsistema de Inventário remoto .............. Estrutura do VC–3................ 211 Figura 123................................................... Interconexão em anel de nó simples colapsado............................... Cartão de porta 3x34/45 – Diagrama de Blocos................... diagrama de blocos do cartão de acesso 3 x 34 ........ 205 Figura 118.................. diagrama de blocos do cartão de acesso 3 x 45 .................................. Porta ETHERNET (ETH–MB) – Diagrama de bloco............. Diagrama em bloco SERGI............................................................ 225 Figura 130....................................................... 196 Figura 109................................ Estrutura do STM–4 e conteúdo de byte de SOH ................................................................... 305 Figura 152.......................... 219 Figura 127....................................................................................... Estrutura de TU–3.............. 190 Figura 106. 1650SMC – Módulo Elétrico (ICMI) .... Interconexão de nó dual colapsado – 2ª falha....... 1650SMC – Estágio de alimentação de energia e energia distribuída........................................ Mapeamento de células ATM em quadros de 34368 kb/s ...................................................... A transmissão e a cópia deste documento.................................................................................................... 274 Figura 144................................................................................................ 245 Figura 138. 221 Figura 128... 282 Figura 145................. 198 Figura 110............................................................. Cartão ATM 4X4 – Diagrama em bloco ................................ 308 ED 01 955.......... Mapeamento de células ATM em VC4/VC3 ........ Cartão de acesso 21 x 2 – Diagrama de Blocos.............. Figura 101........................................ 262 Figura 142............... 192 Figura 107... Interconexão em anel de nó simples colapsado –1ª falha .......................... 227 Figura 131....................................... 232 Figura 134............................ Estrutura do TU–12....... 201 Figura 114.............. 201 Figura 113... 236 Figura 135..... 202 Figura 115............................................... Interconexão em anel de nó simples colapsado – 2ª falha ......................................................................................... 199 Figura 111......................................................... 296 Figura 149....... 300 Figura 150.....

..................... Climatograma da Classe 1..................110.... 334 Figura 155........... o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.... 309 Figura 154........Todos os direitos reservados....542 V 3AL 80754 AA AA 7/356 .... Climatograma da Classe 3......... A transmissão e a cópia deste documento... 349 ED 01 955.. Formulário de reparo.................................. Figura 153....2: local de armazenamento sem temperatura controlada...... Diagrama em bloco da unidade de ventiladores para prateleira de ventiladores de 19” .............. 336 Figura 156...............2: Locais de temperatura parcialmente controlada .........

........................................... e terminologia de gravidade de alarme usada para os leds COMPACT ADM e os pinos do conector de alarme CONGI...........S.................................. Verificação da configuração do manual ....................................................................................................................................T......................................... Interfaces que acessam as funções IP .................................. 293 Tabela 31............ 32 Tabela 11.................................... 324 Tabela 38......................................................................................................... 27 Tabela 10............ 146 Tabela 28......................................................... 13 Tabela 4.................................................................................. Relação entre o cartão de porta P3E3T3 (Unidade cambiável 3X34/45 Mbit/s) e o cartão de acesso (3X34 Mbit/s).. 76 Tabela 17. 13 Tabela 6........ 299 Tabela 35.... 12 Tabela 2....... Alarme remoto fornecido pelo bloco E/OU disponível em CONGI no slot 5.......................................................................... Lista de acessórios....... Modelo com camadas de rede de transporte ATM ........................ Relação entre o cartão de porta P4S1N....................................................................................................... 43 Tabela 12...................................................................................... Manuais comuns aos Elementos de Rede da Alcatel usando a plataforma 1320CT ............................ Sinais de lâmpadas de rack ...... Manuais relacionados ao hardware específico do produto... Parte 2......................... A transmissão e a cópia deste documento........................... Relação entre o cartão de porta P4ES1N (4xSTM–1 Elétrico) e o cartão de acesso A4ES1 .................................................. P4E4N e o cartão de acesso A2S1 ......... 14 Tabela 7....................................... Transporte climático ..... ..... Esquemas de proteção MSP.. Parâmetros especificados para Interface Ótica STM–4 ............................................................................................................................................................Todos os direitos reservados............ 135 Tabela 26...................................110............................... Relação entre o cartão de porta P3E3T3 (unidade cambiável 3X34/45 Mbit/s) e o cartão de acesso A3T3 (3X45 Mbit/s) .......................... 74 Tabela 15.. 14 Tabela 8........................... L2 para chamada seletiva e multi–seletiva ...................... 80 Tabela 22........................................................ Documentação de ajuste prévio de hardware................................. Manuais relacionados ao gerenciamento de Software específico do produto e controle local do produto ................ Manuais relacionados ao Software específico do produto IP ....... 299 Tabela 36............................... Contratos de tráfego ATM ............................................................................. 294 Tabela 32... 326 Tabela 39........ Status dos LEDs Z1 a Z4 .................... 16 Tabela 9...... Notas Explicativas .................. 69 Tabela 14........................... Classificação de nível de perigo de interfaces óticas diferentes ............................... Relação entre o cartão de porta ETH–MB (11x10/100 Mb/s Ethernet) e o cartão de acesso ETH–ATX................... Status dos LEDs L1..................................... Lista de Abreviações ................................... 178 Tabela 30.... Relação entre terminologia de gravidade do Alarme exibida em C...................... 338 Tabela 41............................................................................. 140 Tabela 27......................... Conexões de Ordem Mais Alta/ Ordem Mais Baixa para o 1650SMC ........................... 75 Tabela 16.................................................................... IEC 950 – Tabela 16: Limites de sobre-temperatura. 79 Tabela 20.................................................................................... Manuais relacionados ao Software específico do produto ATM ...................................... Lista de peças de Sub-bastidor de Ventiladores............................................................................................................................... P63E1N (unidade de 63 X 2 Mbit/s) e o cartão de acesso A21E1 ......... Exemplos de grupos protegidos por SNCP..................... 173 Tabela 29.... 13 Tabela 5.. Lista principal de peças ....................................... Relação entre o cartão de porta P63E1......... 80 Tabela 21.................................. 79 Tabela 18............................................. 115 Tabela 25................ Status dos LEDs L1............. Referências de Etiquetas .................................................... 356 ED 01 955............................... 329 Tabela 40............................................ 12 Tabela 3........................................... Parâmetros especificados para Interface Ótica STM–1 ............................ 79 Tabela 19.... 353 Tabela 42...........................................................................542 V 3AL 80754 AA AA 8/356 ............................................./O........................... 294 Tabela 33......................................................................... Alarme remoto fornecido pelo bloco E/OU disponível em CONGI no slot 4........ 315 Tabela 37.................................. 109 Tabela 24.............................................. Documentação em CD-ROM.. 64 Tabela 13................................................................... Subsistemas e cartões envolvidos ................................................... 298 Tabela 34....... Exemplo de correspondência entre CS e ’sufixo + ICS’ ...................................................... TABELAS Tabela 1................................................................................... Aplicativo de rede versus modos de configuração........ 80 Tabela 23........................... o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.................. L2 para chamadas mistas ........................................................ Manuais opcionais comuns ao 16xxSM .......

110.Todos os direitos reservados. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. GUIA DO MANUAL ED 01 955.542 V 3AL 80754 AA AA 9/356 . A transmissão e a cópia deste documento.

.542 V 3AL 80754 AA AA 10/356 Todos os direitos reservados. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.ED 01 955.110. A transmissão e a cópia deste documento.

204. A transmissão e a cópia deste documento.110. reproduzida ou revelada a terceiros sem o consentimento por escrito.800 o N PEÇA ANV N PEÇA No PEÇA FÁBRICA 3AL 80610 AAAA 521.542 V 3AL 80754 AA AA 11/356 . nega as garantias implícitas de negociabilidade e adequação para um propósito particular. em conexão com o suprimento. NOTIFICACÃO A especificação e/ou os níveis do desempenho do produto contidos neste documento são apenas para fins de informação e estão sujeitos à mudança sem notificação.530.1 Informação geral ADVERTÊNCIA A ALCATEL não faz garantias de nenhum tipo com relação a este manual e. indiretos.1 ED VERSÃO o No PEÇA No PEÇA FÁBRICA 521. conseqüentes. incidentais ou especiais. 1. NOTIFICACÃO DE DIREITOS AUTORAIS A informação técnica deste manual é de propriedade da ALCATEL e não pode ser copiada. 1.2 Aplicabilidade do manual Aplica-se este manual para os seguintes releases de produtos: PRODUTO No PEÇA ANV 1650SMC 3AL 36641 AAAA PRODUTO RELEASE 1650SMC 3. performance ou uso deste material.200 01 955.1 ESTRUTURA DO MANUAL E VERIFICAÇÃO DA CONFIGURACÃO Todos os direitos reservados. A ALCATEL não será responsável pelos erros contidos aqui ou por danos. especificamente. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Eles não representam qualquer obrigação por parte da ALCATEL. sejam eles diretos.

2.3.562 C Fornece informação relacionada à Colocação em Funcionamento. Todos os direitos reservados.1 Manual de Partida e Comissionamento 3AL 80754 ADAA 955. na página 11.110.1 Manual do Operador de CT 3AL 80754 BAAA 957.592 B REF [4] ESTE MANUAL ou nota Fornece as telas e os procedimentos operacionais do Terminal Craft 1650SMC “SDH” ED 01 955. A Documentação do Cliente padrão no idioma Inglês para o equipamento cujo release-versão do produto está estabelecido no item 1. Manuais relacionados ao hardware específico do produto REF [1] MANUAL 1650SMC Rel.110. Alguns dos manuais listados aqui podem não estar disponíveis na data da emissão deste Manual.552 A Fornece informação relacionada à Instalação do Equipamento [3] 1650SMC Rel.542 G ESTE MANUAL Fornece informação relacionada à descrição do Equipamento. documentação de configuração de Hardware [2] 1650SMC Rel. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.3.1 Manual de Instalação 3AL 80754 CAAA 955.140.1.110. Manuais relacionados ao gerenciamento de Software específico do produto e controle local do produto MANUAL No Peça ANV No PEÇA FÁBRICA 1650SMC Rel. consiste dos seguintes manuais: Tabela 1.3.1 Manual Técnico No Peça ANV No PEÇA FÁBRICA 3AL 80754 AAAA 955.542 V 3AL 80754 AA AA 12/356 . Teste e Operação Tabela 2. Manutenção.110. A transmissão e a cópia deste documento.3.3 Manuais de release de produtos A lista de manuais fornecida aqui abaixo é válida na data da emissão deste Manual e pode ser modificada sem qualquer obrigação da ALCATEL de atualizá-la neste Manual.

542 V 3AL 80754 AA AA 13/356 . A transmissão e a cópia deste documento.140.140.5.1.5. Manuais relacionados ao Software específico do produto ATM REF Todos os direitos reservados.130. ELM Rel. 01 955.0 Manual de Funcionamento 3AL 81062 AAAA 957.130.462 E Fornece informação detalhada e procedimentos operacionais relacionados ao software de Gerência de Registro de Evento embutido no pacote do software 1320CT. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.Tabela 3.110.0 Manual do Operador 3AL 71081 AAAA 957.2 Manual do Operador 3AL 80814 AAAA 957. São usadas apenas pela Gerência de Rede.1 Manual do Operador o o N Peça ANV N PEÇA FÁBRICA 3AL 80730 AAAA 957.652 W Fornece as telas e os procedimentos operacionais do Terminal ATM SMART Tabela 4. Manuais relacionados ao Software específico do produto IP o o REF MANUAL N Peça ANV N PEÇA FÁBRICA [7] IP Rel. [5] MANUAL ATM Rel.140.1.552 J ESTE MANUAL ou nota Fornece as telas e os procedimentos operacionais do Terminal ATM [6] ATM Rel. Manuais comuns aos Elementos de Rede da Alcatel usando a plataforma 1320CT N.B 1320CT e Q3CT–P são termos equivalentes REF [8] MANUAL 1320CT Manual Básico do Operador No Peça ANV No PEÇA FÁBRICA 3AL 79186 AAAA 957.1 Manual do Operador [9] [10] ED 3AL 71109 AAAA 957. Informações sobre Alarmes Históricos e Gerência de Símbolos de Elementos de Rede (Gerência de Rede Física) não são válidos para o Terminal Craft.542 E ESTE MANUAL ou nota Fornece informação geral e procedimentos operacionais comuns para todos 1320CT (Terminal Craft) dos Elementos de Rede Alcatel InfoModel 1330AS Rel.130.1.722 A Fornece informação detalhada e procedimentos operacionais relacionados ao software de Vigilância de alarme embutido no pacote do software 1320CT.722 L ESTE MANUAL ou nota Fornece as telas e os procedimentos operacionais do Terminal IP Tabela 5.

[11] [12] No Peça ANV No PEÇA FÁBRICA 3AL 80759 AAAA 417.031 Contém. Manual de Instalação de Sistema 3AL 38207 AAAA 955.100. em formato eletrônico.Tabela 6. [8] a [10] Previsto para depois da publicação de todos os manuais. ED Os Manuais REF. em formato eletrônico.1 CD–ROM–DOC EN Todos os direitos reservados.1.B.1 CD–ROM EN [13] [14] [15] 3AL80739 AAAA 417. Manuais opcionais comuns para 16xxSM REF [16] MANUAL S9–16xx Manual de Instalação de Sistema No Peça ANV No PEÇA FÁBRICA 3AL 78901 AAAA 955. A transmissão e a cópia deste documento.084 Contém.5 na página 51 REF MANUAL 1650SMC Rel. em formato eletrônico. ATM Rel. [1] a [4] Previsto para depois da publicação de todos os manuais. os seguintes manuais: REF. o seguinte manual: REF.100. 1320CT BASIC CD–ROM–DOC EN 3AL 79549 AAAA 417.2 CD–ROM–DOC EN 3AL 80815 AAAA 417. [6] IP 1.100. [16] e [17] estão disponíveis apenas em impressos 01 955.100.0 CD–ROM–DOC EN 3AL 81063 AAAA 417. ATM 1.692 N ESTE MANUAL Fornece as regras gerais de instalação necessárias para instalar o equipamento Optinex family no Bastidor S9.C. [5] Previsto para depois da publicação de todos os manuais. Documentação em CD–ROM Ver parágrafo 6.110.068 Contém.542 V 3AL 80754 AA AA 14/356 .060 Contém. [17] Optinex RACK OMSN L. em formato eletrônico.100. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. [7] Tabela 7. o seguinte manual: REF.202 L Fornece as regras gerais de instalação necessárias para instalar o equipamento Optinex family no Bastidor Optinex.110. N. os seguintes manuais: REF. o seguinte manual: REF.063 Contém.100.3. em formato eletrônico.

o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Também é fornecida a lista de abreviações.110. Este manual está dividido dentro dos seguintes tópicos principais como se descreve no índice: GUIA DO MAUAL: Contém informação geral sobre normas de segurança. Além disso. DOCUMENTAÇÃO DE CONFIGURAÇÃO DE HARDWARE: Inclui os documentos relacionados às operações de configuração do hardware das unidades.1. descreve a estrutura do manual e a documentação do cliente.542 V 3AL 80754 AA AA 15/356 . Além disso. DESCRIÇÃO: Contém todas as características gerais e detalhadas do sistema do equipamento. PC. através da remoção de unidades defeituosas e sua substituição por unidades sobressalentes (*) APÊNDICES: Seção incluída (mas não necessariamente utilizada) para descrever a possível unidade alternativa. (*) Se o equipamento for integrado por meio de software e possuir interface homem–máquina (através de um PCD. caso previsto. MANUTENÇÃO: Contém todos os detalhes para testes periódicos. EMC e tipos de etiquetas que devem ser fixadas no equipamento. A transmissão e a cópia deste documento. mecânica. Todos os direitos reservados. a manutenção realizada com esse tipo de sistema é descrita no Manual do Operador (ver parágrafo 1. ANEXOS: Seção prevista (mas não necessariamente incluída) contendo documentação adicional ou informação geral sobre outros tópicos não inerentes aos capítulos constituintes do manual.4 Estrutura do Manual Este manual foi editado de acordo com as diretrizes de elaboração padronizadas da Alcatel atendendo com esta sugestão. fornece a descrição e especificação do equipamento (isto é sistema. localização de defeito e procedimentos de reparo e restauração para a operação normal. elétrica e/ou ótica). Estação de Trabalho ou outro sistema processamento/exibição externo).3 na página 12) ED 01 955. incluindo a sua aplicação na rede de telecomunicações.

com relação à edição anterior. CONFIGURAÇÃO FÍSICA n 3. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.2 Notas sobre a Ed. 01.5 Verificação da Configuração do Manual 1. MANUTENÇÃO n APÊNDICES Nada previsto DOCUMENTAÇÃO DE CONFIGURAÇÃO DO HARDWARE Lista de documentação da unidade n n ANEXOS Nada previsto Nota: A edição dos documentos anexados (seções DOCUMENTAÇÃO DE CONFIGURAÇÃO DE HARDWARE e ANEXOS) não está sujeita a verificação da configuração.1 Lista das edições e de partes modificadas A seguinte tabela indica as partes novas e modificadas do manual.5. GERAL n 2.542 V 3AL 80754 AA AA 16/356 . ESPECIFICAÇO TÉCNICA n MANUTENÇÃO n 5. A transmissão e a cópia deste documento. Legenda n = parte nova p = parte proposta m = parte modificada PR = edição proposta Tabela 8. DESCRIÇÃO FUNCIONAL n 4.110.1. Todos os direitos reservados.01 A Ed. criada em abril de 2002. 1. é a primeira versão publicada válida e oficial deste Manual. Verificação da configuração do manual EDIÇÃO 01 02 03 04 05 06 DESCRICÃO 1.5. ED 01 955.

2 CONFORMIDADE COM AS NORMAS EUROPÉIAS 2. edição de janeiro de 1992 O equipamento opera no seguinte ambiente: Centro de Telecomunicações ADVERTÊNCIA Este é um produto classe A. Num ambiente doméstico. As marcas CE impressas no produto denotam conformidade com as seguintes diretrizes: • – – 89/336/EEC. edição de Agosto de 1994.1 Compatibilidade Eletromagnética (CEM) Todos os direitos reservados. este produto pode causar interferência de rádio. 2.542 V 3AL 80754 AA AA 17/356 .2 Segurança O atendimento às Normas de Segurança é declarado pelo fato de que o equipamento satisfaz as Normas padronizadas: • ED IEC 60950 (1991) +A1 +A2 +A3 +A4 01 955. residencial e industrial leve.110. publicada em 28 de Abril de 1992 pela Diretriz 93/68/EEC. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. comercial e indústria leve”. caso em que pode ser necessário que o usuário tome medidas adequadas. Parte 1: Residencial. alterada: pela Diretriz 92/31/EEC. Classe de conformidade: A • Requisitos de Imunidade: EN 50082–1 ”Compatibilidade Eletromagnética – Padrão de Imunidade Genérica. de 3 de Maio de 1989 (diretrizes CEM). A transmissão e a cópia deste documento. publicada em 22 de Julho de 1993 O atendimento às Normas EMC é declarado pelo fato de que o equipamento satisfaz as Normas padronizadas: • Requisitos de publicação: EN 55022 ”Limites e métodos e medição de características de distúrbio de rádio do equipamento de tecnologia da informação”.

o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. .110.ED 01 955. A transmissão e a cópia deste documento.542 V 3AL 80754 AA AA 18/356 Todos os direitos reservados.

3. Se isso não for possível. Abra o circuito desligando o interruptor. • Aplique gazes secas nas queimaduras. Não toque o paciente com mãos desprotegidas até que o circuito seja aberto. TRATAMENTO DE QUEIMADURAS Este tratamento deve ser usado após o paciente ter recobrado a consciência. no mínimo. duas pessoas presentes). RESPIRACÃO ARTIFICIAL É importante começar a ressuscitação boca a boca imediatamente e procurar ajuda médica em seguida. • Não aplique ungüento ou outras substâncias oleosas. Ele também pode ser empregado enquanto a respiração artificial está sendo aplicada (neste caso.542 V 3AL 80754 AA AA 19/356 . o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. proteja-se com material seco e libere o paciente do condutor.1 Primeiros socorros para choque elétrico Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste documento.110. ED 01 955. deve haver. ADVERTÊNCIA: • Não tente retirar a roupa do paciente das partes queimadas. NORMAS E ETIQUETAS DE SEGURANCA 3.

5 6 ED Enquanto estiver realizando essas operações. Erga a cabeça do paciente e deixe-a reclinar para trás o máximo possível. é possível que o nariz dele esteja obstruído: nesse caso. Comece com dez expirações rápidas e depois continue a uma taxa de doze/quinze expirações por minuto. observe se o peito do paciente está enchendo de ar (veja figura). etc. Em caso negativo. 01 955. 2 Ajoelhe-se ao lado do paciente. o indicador ao longo do osso maxilar do paciente e mantenha os outros dedos fechados e juntos (veja figura). abra a boca do paciente o máximo possível.110.Todos os direitos reservados. pegue bastante oxigênio respirando profundamente com a boca aberta. colocando os joelhos ao lado da cabeça do mesmo. Esse segundo método pode ser usado em vez do primeiro mesmo quando o nariz do paciente for mantido fechado ao se pressionar as narinas ao mesmo tempo usando a mão que você estava utilizando para segurar a cabeça do paciente. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. 3 Desloque a sua mão do pescoço do paciente para o queixo dele: coloque o seu polegar entre o queixo e a boca do paciente. A cabeça do paciente deve ser mantida inclinada para trás o máximo possível. Continue fazendo isso até o paciente recobrar a consciência ou até um médico averiguar se o paciente entrou em óbito ou não. Método de ressucitação boca a boca 1 Deite o paciente de costas com seus braços paralelos ao corpo. Enquanto estiver fazendo essas operações. certifique-se de que o estômago esteja um pouco mais baixo em relação ao peito. 4 Com o seu polegar entre o queixo e a boca do paciente. Abra a boca do paciente e verifique se não há nenhum corpo estranho na boca (dentaduras. mantenha juntos os lábios do paciente e assopre dentro das cavidades nasais dele (veja figura). Coloque uma das mãos embaixo da cabeça do paciente e a outra embaixo do pescoço dele (veja a figura). A transmissão e a cópia deste documento.). pressionando o queixo dele com a sua mão.542 V 3AL 80754 AA AA 20/356 . coloque seu lábio ao redor da boca do paciente e assopre na cavidade oral. Observe se o peito do paciente se enche de ar. goma de mascar. Se ele estiver deitado em um plano inclinado.

• As regras de segurança descritas no início do manual são distinguidas através dos seguintes símbolos e afirmações: REGRAS DE SEGURANCA ED 01 955. objetos ao risco de serem lesionados/danificados. onde Pessoal de Serviço ou Assistência Técnica significa: “pessoal que possui Conhecimento Técnico adequado e a experiência necessária para estar consciente do perigo que pode ser encontrado na realização de uma operação e das medidas necessárias para reduzir ao mínimo o perigo para ele e para os outros”. animais. conseqüentemente. O Pessoal de Serviço não está autorizado a proceder a reparos.542 V 3AL 80754 AA AA 21/356 . • Observe as regras de segurança Todos os direitos reservados. • As Regras de Segurança determinadas no manual descrevem as operações e/ou precauções a serem observadas para proteger o pessoal de serviço durante as fases do trabalho e para garantir a segurança do equipamento.2 Regras de Segurança 3. funcionamento e operações de manutenção leia atentamente o Manual e os capítulos relevantes. DESLIGUE A ELETRICIDADE. ninguém está autorizado a acessar as partes internas do equipamento que são protegidas com Tampas de Proteção removíveis com ferramentas. não use absolutamente nenhuma substância inflamável ou substâncias que possam alterar de alguma forma as suas marcações. – Quando o equipamento estiver operando. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Para cortar a eletricidade.2. As chaves e/ou as ferramentas usadas para abrir portas. – Para uma eventual limpeza das partes externas do equipamento. • Toda vez que as proteções de segurança forem danificadas. desligue as fontes de alimentação da eletricidade. isto é. não é permitido o acesso a partes não especificadas. O Pessoal de Serviço somente pode substituir unidades defeituosas por peças sobressalentes. A transmissão e a cópia deste documento. etc. partida e comissionamento. tampas com dobradiças para remover partes que dão acesso a compartimentos nos quais estão presentes tensões altamente perigosas devem pertencer exclusivamente ao pessoal de serviço. – Recomenda-se usar um pano levemente umedecido. inscrições. – No caso de absoluta necessidade de acessar as partes internas do equipamento quando este estiver operando.110.1 Regras Gerais • Antes de realizar qualquer instalação.3. não expor pessoas. bem como a estação de força acima (quadro de distribuição de bastidor ou estação). isto é permitido exclusivamente ao pessoal de serviço.

INDICA ADVERTÊNCIA OU PERIGO (FUNDO AMARELO – CONTORNO E SÍMBOLO EM PRETO) CONTÉM UMA AFIRMAÇÃO QUE SIGNIFICA INFORMAÇÃO OU INSTRUÇÃO (FUNDO AMARELO – CONTORNO E AFIRMAÇÃO EM PRETO) As etiquetas foram fixadas para indicar uma condição de perigo. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. { U CONTÉM UM SÍMBOLO OU AFIRMAÇÃO. As etiquetas atendem integralmente às Normas Internacionais ISO 3846–1984.2 Etiquetas indicando Perigo.542 V 3AL 80754 AA AA 22/356 . especificamente: • tensões elétricas perigosas • sinais óticos prejudiciais • risco de explosão • partes mecânicas em movimento • partes mecânicas irradiando calor Preste atenção na informação declarada no seguinte. Proibição. Comando É de extrema importância seguir as instruções impressas nas etiquetas fixadas às unidades e conjuntos.2. Os símbolos ou afimações são incluídos em formas geométricas: ISO 3864–1984.3. A transmissão e a cópia deste documento. Elas podem conter algum símbolo-padrão conhecido ou alguma afirmação necessária para proteger os usuários e o pessoal de serviço contra aqueles mais comuns. INDICA PROIBIÇÃO (FUNDO BRANCO COM SÍMBOLO OU AFIRMAÇÃO EM PRETO COM CONTORNO VERMELHO) É UM COMANDO (FUNDO AZUL – AFIRMAÇÃO OU SÍMBOLO EM BRANCO).110. e proceda como se instrui ED 01 955. CONTÉM UM SÍMBOLO. Todos os direitos reservados.

mas não necessariamente presentes no equipamento ao qual se refere este manual.Os símbolos apresentados nos parágrafos 3. 3.3 Tensões elétricas perigosas Todos os direitos reservados.542 V 3AL 80754 AA AA 23/356 .2. ED 01 955. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. b) Curto-circuito. então a etiqueta associada a isso afirmará que o equipamento deverá ser conectado ao terra antes de conectá-lo à tensão da fonte de elericidade. baixa impedância.4 Vp. baixa-tensão.2.1. circuitos de CC podem causar um arco voltaico severo. > 60 V CC). 3.3. relógios e outras jóias metálicas antes de trabalhar com circuitos primários.3 até 3.1 Etiquetagem A seguinte etiqueta de advertência é fixada ao lado das tensões perigosas (> 42. descritas nos documentos relevantes de instalação/partida e comissionamento/manutenção e as seguintes regras gerais: a) . A transmissão e a cópia deste documento. Manuseie com cuidado para evitar curto-circuito em terminais de alimentação de eletricidade.3 Segurança elétrica: dados específicos do equipamento Consulte o parágrafo. 4.3.2.3. Certifique-se que a eletricidade foi desligada antes de desconectar a proteção terra.2. Se for um equipamento Classe 1 conectado a rede principal.2 Segurança elétrica: regras gerais PERIGO! Possibilidade de lesão pessoal: siga cuidadosamente os procedimentos específicos de instalação/partida e comissionamento/manutenção das partes do equipamento onde haja presença de força de CA ou CC.2.2. 3.7 são todos os símbolos possíveis que podem estar presentes no equipamento Alcatel.48 V CC (ou 220 V CA se projetado para o equipamento) podem provocar lesão pessoal.110. por exemplo: ADVERTÊNCIA! Proteja o equipamento com o terra antes de conectá-lo à rede.2 na página 318. 3. que pode resultar em queimaduras e/ou danos aos olhos. Evite tocar os terminais eletrificados com alguma parte exposta do seu corpo. Retire anéis.

2... O nível de perigo está escrito dentro de uma etiqueta retangular: Se o LASER for um produto classe 1.4 Sinais Óticos Prejudiciais 3. O símbolo indica a presença de um raio LASER. painéis e conexões de segurança CUIDADO RADIAÇÃO DE LASER QUANDO ABERTO NÃO OLHE DIRETAMENTE PARA O RAIO OU OLHE DIRETAMENTE COM INSTRUMENTOS ÓTICOS RADIAÇÃO DE LASER NÃO OLHE DIRETAMENTE PARA O RAIO OU OLHE DIRETAMENTE COM INSTRUMENTOS ÓTICOS PRODUTO LASER CLASSE 3ª P.542 V 3AL 80754 AA AA 24/356 . A transmissão e a cópia deste documento. a etiqueta mostrando o símbolo dentro de um triângulo não é obrigatória.4.2. Se o conjunto ou unidade estiver equipada com um LASER.1 Etiquetagem Todos os direitos reservados.110. IEC 825 1993 exemplo de valores de comprimento e eletricidade ED 01 955.3.MAX=31m. A etiqueta de forma retangular contém toda a informação necessária. =1300mm.... o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. isto é: • Classe do LASER • Potência emitida • Comprimento de onda • Normas de referência • Medidas de precaução tomadas depende da classe do LASER • Indicações dadas para aberturas. as etiquetas devem atender às Normas Internacionais IEC 60825–1 e –2.

c) Nunca olhe para uma emenda.542 V 3AL 80754 AA AA 25/356 . quando alguma ligação ótica for desconectada por motivos de instalação/teste/manutenção ou qualquer operação. e) Nunca olhe diretamente para um conector de fibra ótica sem terminal ou para um cabo de fibra ótica quebrado através de lente de aumento/microscópio. PERIGO! Possibilidade de lesão aos olhos: radiações invisíveis infravermelhas emitidas pelos transmissores de fibra ótica podem causar lesões aos olhos. na página 315. Observe cuidadosamente os procedimentos específicos para instalação/partida e comissionamento/manutenção das unidades contendo dispositivos de laser ou cabos transportando sinais óticos. a menos que se saiba com certeza que não há radiação laser presente.2.1. g) Sempre remova a energia elétrica dos transmissores perto e longe.110.4. b) Nunca olhe diretamente para um conector de fibra ótica sem terminal ou para um cabo de fibra ótica quebrado. A lente de aumento/microscópio aumenta enormemente o perigo de lesão aos olhos.2 Segurança ótica: regras gerais Todos os direitos reservados. a radiação laser pode estar presente. servindo de terminal de fibras ou transmissores/receptores. tão logo seja possível. antes de desconectar as ligações óticas entre o transmissor e o receptor. no caso em que não for possível seguir as regras listadas acima. cabo ou conector de fibra ótica. descritos nos documentos relevantes de instalação/partida e comissionamento/manutenção e as seguintes regras gerais: a) A radiação laser não é visível a olho nu ou com óculos de segurança contra laser.4. h) Recomenda-se para cada pessoa trabalhando com dispositivos óticos usar óculos de segurança contra laser ou protetores de olhos. Ao manusear equipamentos óticos ou unidades ou cabos. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. 3.2.1.3 Segurança ótica: dados específicos do equipamento Consulte o parágrafo 4. cabo ou conector de fibra ótica sem terminal para outras pessoas. A transmissão e a cópia deste documento. são fornecidos com capa protetora que deve ser usada sempre. a menos que se saiba com certeza que não há radiação laser presente. a menos que se saiba com certeza que não há radiação laser presente.3. ED 01 955. sempre verifique se há etiquetas de laser apropriadamente fixadas e se o sistema atende aos padrões óticos aplicáveis. Ainda que não se possa vê-la. a menos que se saiba com certeza que não há radiação laser presente. f) Nunca aponte uma emenda. d) Todos os conectores óticos.

Este risco está presente quando são usadas baterias.3.2. A transmissão e a cópia deste documento.6 Partes mecânicas em movimento A seguinte etiqueta de advertência é fixada ao lado de ventiladores ou outras partes mecânicas em movimento: Antes de realizar alguma operação de manutenção.1 Instruções de etiquetagem e segurança Todos os direitos reservados.5. indicando que não se pode cobrir as aberturas.5 Riscos de Explosões 3. A etiqueta atendendo a norma A 417–IEC–5641 é fixada perto da mesma.542 V 3AL 80754 AA AA 26/356 .2. 3. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. são realizados pequenos cortes ou aberturas para deixar o ar circular livremente e permitir que os gases perigosos escapem (hidrogênio emitido pela bateria).110. verifique se todas as partes mecânicas em movimento foram paradas. e é assinalado pela seguinte etiqueta: Portanto.2. ED 01 955.

7 Partes Mecânicas Irradiando Calor Todos os direitos reservados. Figura 5041: Como informado pela Norna IEC 950. A presença de irradiação de calor das partes mecânicas é indicada através das seguintes etiquetas de advertência. borracha Manípulo.. PERIGO! Possibilidade de lesão pessoal: siga cuidadosamente os procedimentos específicos de instalação/partida e comissionamento/manutenção das partes do equipamento onde apresenta-se partes mecânicas irradiando calor. Evite tocar terminais eletrificados com alguma parte exposta do corpo.4.3. Parte 2 Temperatura excessiv máxima (oC) Partes acessíveis ao operador Metal Vidro. para manusear ou tocados por curtos períodos de tempo 35 45 60 Maçanetas. e especificado na tabela abaixo.542 V 3AL 80754 AA AA 27/356 . 2a parte. etc. A transmissão e a cópia deste documento. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.. Tabela 16. atendendo a Norma IEC 417. parágrafo 5. IEC 950 – Tabela 16: Limites de sobre-temperatura. Maçaneta. Temperatura ambiente durante o teste Valor definido pela Norma IEC 60950. Tabela 9. Tamb. têm a temperatura T estabelecidas através da seguinte fórmula: (T–Tamb) ≤ (ΔTmax + 25° – Tmra) onde: T Tamb ΔTmax Temperatura da parte mecânica medida em tempertatura ambiente Tmra Temperatura ambiente máxima permitida pela especificação do equipamento ou 25°C. o que for maior.7. manuseados regularmente 30 40 50 Superficíe externa do equipamento que se pode tocar 45 55 70 Superfície interna do equipamento que se pode tocar 45 55 70 etc.1. manípulos. descritas nos documentos relevantes de instalação/partida e comissionamento/manutenção e as seguintes regras gerais: a) O calor pode provocar lesão pessoal.110. porcelana Plástico. parágrafo 1. as partes mecânicas que levam as etiquetas acima ilustradas e que podem ser tocadas por acidente.2. ED 01 955.

1 na página 347 ED 01 955.2 na página 346 – Capítulo 5 parágrafo 5.542 V 3AL 80754 AA AA 28/356 . o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.6.1 na página 345 – Capítulo 5 parágrafo 5.5.8 Regras de segurança específicas neste manual • As regras de segurança são especificadas nos seguintes capítulos: Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste documento.1 na página 343 – Capítulo 5 parágrafo 5.110.1.3.5.2.1. – Capítulo 5 parágrafo 5.

1 Compatibilidade eletromagnética As normas de EMC do equipamento dependem do tipo de instalação que se está realizando (terminação do cabo. partida e comissionamento. presença de tampas falsas. • Siga as instruções fornecidas para instalar corretamente o equipamento de EMC compatível. aterramento.) • Parafuse as unidades ao sub-bastidor. etc. • Antes de começar qualquer trabalho de instalação.542 V 3AL 80754 AA AA 29/356 .1. conforme requerido • Conecte o equipamento ao terra utilizando um condutor com diâmetro e impedância adequados • Monte blindagens (se utilizadas). • Antes de inserir a unidade blindada.110. consulte o Manual e os capítulos relevantes.1 Normas Gerais .4 OUTRAS ETIQUETAS E NORMAS Todos os direitos reservados.). 4. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.) e das condições de operação (equipamento. operação e manutenção. etc. A transmissão e a cópia deste documento. opções de configuração das unidades elétricas/eletrônicas. etc. anteriormente posicionadas durante a fase de instalação. • Deve-se terminar apropriadamente os cabos blindados • Instale os filtros fora do equipamento. • As normas estipuladas para garantir a compatibilidade EMC são distingüidas dentro deste manual através do símbolo e termo: ATENÇÃO NORMAS EMC 4.Instalação • Todas as conexões (para a fonte externa do equipamento) feitas com cabos blindados usam somente os cabos e conectores sugeridos neste manual técnico ou na Documentação relevante da Planta. limpe e desengordure todas as superfícies periféricas (molas de contato e pontos de conexão. ED 01 955. mas não antes de ter limpado e desengordurado. ou aqueles especificados nas “Normas de Instalação” do Cliente (ou documento similar).

4.) • Para o uso correto de equipamento EMC compatível.) • Limpe também as tampas falsas das unidades sobressalentes. observe a informação fornecida 4. para garantir as compatibilidade EMC • Verifique se o equipamento está operando com todas as blindages adequadamente posicionadas (tampas falsas.110. proteções de conectores ESD.542 V 3AL 80754 AA AA 30/356 . etc.3 Normas Gerais . Operação • Pré-configure as unidades elétricas conforme requerido. limpe e desengordure todas as superfícies periféricas (molas de contato e pontos de conexão.2 Normas Gerais – Partida e Comissionamento. A transmissão e a cópia deste documento. ED 01 955. etc.Manutenção • Antes de inserir a unidade blindada que irá substituir a unidade danificada ou modificada.1. • Parafuse as unidades ao sub-bastidor.1.Todos os direitos reservados. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

observe as medidas de precaução mencionadas. Devido a esta preocupação. etc. conectores. consistindo de: BANDA ELASTIFICADA FIO ENROLADO • uma banda elastificada é colocada no punho • um fio enrolado é conectado à banda elastificada e ao pino no sub-bastidor. São fornecidos dispositivos de proteção antiestáticos aos trabalhadores..Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste documento. Certifique-se de que as proteções ESD foram substituídas depois de terminar as operações de manutenção e monitoramento. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. 4. foram fixadas as seguintes etiquetas de advertência: Observe as medidas de precaução mencionadas quando tiver que tocar as partes eletrônicas durante as fases de instalação/manutenção. A maioria dos dispositivos eletrônicos é sensível aos descarregadores eletrostáticos.542 V 3AL 80754 AA AA 31/356 . ED 01 955.2 Descarregadores Eletrostáticos (ESD) Antes de remover as proteções ESD dos monitores.110.

. A transmissão e a cópia deste documento. notas e cuidados Sugestões e notas especiais são marcadas pelo seguinte símbolo: Todos os direitos reservados.4 Etiquetas fixadas no Equipamento Este capítulo indica as posições e a informação contida nas etiquetas de identificação e de número de série fixadas no equipamento. (cuidado para evitar danos ao equipamento) afirmação. etiquetas customizadas podem ser fixadas no equipamento. Tabela 10. número de série e de identificação) impressa nas etiquetas... para cada uma das acima.542 V 3AL 80754 AA AA 32/356 .110. 4. Etiquetadas padronizadas podem ser fixadas em qualquer posição no equipamento. Referências de Etiquetas No de Referência 1 2 3 4 Nome da Etiqueta etiqueta especificando item não catalogado (número de Peça.. segundo os requisitos do cliente... módulos e sub-bastidores. A tabela abaixo relaciona os números de referência escritos nas figuras com as etiquetas usadas. Cuidados para evitar possíveis danos ao equipamento são marcados pelo seguinte símbolo: TÍTULO..4..3 Sugestões. ED 01 955. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Porém. e número de série) etiqueta especificando item catalogado (número de Peça e número de série) etiqueta de identificação de item – item catalogado etiqueta identificando o equipamento Com base no contrato. Da Figura 1 até a Figura 7 são ilustradas as posições mais comuns das etiquetas nas unidades. aplicam-se as regras definidas por cada cliente. Sugestão ou nota. Da Figura 8 até a Figura 11 é ilustrada a informação (por exemplo. A etiquetagem ilustrada a seguir é por motivos indicativos e pode ser alterada sem aviso prévio.

NOTA: os números acima mencionados são detalhados na Tabela 10. A transmissão e a cópia deste documento. Figura 1. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. na página 32.110.542 V 3AL 80754 AA AA 33/356 Todos os direitos reservados. . Etiqueta de Sub-bastidor ED 01 955.

A transmissão e a cópia deste documento.110. Figura 2.NOTA: os números acima mencionados são detalhados na Tabela 10. na página 32. .542 V 3AL 80754 AA AA 34/356 Todos os direitos reservados. Etiqueta de Sub-bastidor ED 01 955. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

110. Etiqueta de Sub-bastidor ED 01 955. NB. na página 32 Figura 3. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. A transmissão e a cópia deste documento.542 V 3AL 80754 AA AA 35/356 .Todos os direitos reservados.1 = A etiqueta está presente no lado do suporte NOTA: os números acima mencionados são detalhados na Tabela 10.

110.NOTA: os números acima mencionados são detalhados na Tabela 10. Figura 4. . Etiquetas em unidades com tampa padrão ED 01 955. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. A transmissão e a cópia deste documento.542 V 3AL 80754 AA AA 36/356 Todos os direitos reservados. na página 32.

o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.542 V 3AL 80754 AA AA 37/356 . Etiqueta dos módulos ED 01 955. Figura 5. na página 32.Todos os direitos reservados.110. NOTA: os números acima mencionados são detalhados na Tabela 10. A transmissão e a cópia deste documento.

Etiqueta Interna para Conjunto de Placa Impressa ED 01 955.542 V 3AL 80754 AA AA 38/356 . NB.1 = A etiqueta está presente no lado do componente do p. Figura 6.c. na página 32. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.Todos os direitos reservados. NOTA: os números acima mencionados são detalhados na Tabela 10.110. A transmissão e a cópia deste documento.s.

Figura 7.542 V 3AL 80754 AA AA 39/356 .s ou no lado traseiro nos espaços vazios. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.c. 1 = A etiqueta está presente no lado do componente p. A transmissão e a cópia deste documento. NB. na página 32. Etiqueta interna de painéis traseiros ED 01 955. NOTA: os números acima mencionados são detalhados na Tabela 10.Todos os direitos reservados.110.

o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Etiqueta especificando item catalogado (No. A transmissão e a cópia deste documento. de Peça e número de série) ED 01 955. Figura 8. Etiqueta especificando item não catalogado (No.Todos os direitos reservados. de Peça e número de série) Figura 9.110.542 V 3AL 80754 AA AA 40/356 .

Etiquetas de identificação do item – Item catalogado Figura 11. A transmissão e a cópia deste documento.Todos os direitos reservados.542 V 3AL 80754 AA AA 41/356 . Etiqueta identificando o equipamento (exemplo) ED 01 955.110. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Figura 10.

542 V 3AL 80754 AA AA 42/356 Todos os direitos reservados. .110. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. A transmissão e a cópia deste documento.ED 01 955.

5 LISTA DE ABREVIAÇÕES Tabela 11. Lista de Abreviações Todos os direitos reservados.110.542 V 3AL 80754 AA AA 43/356 . ABREVIAÇÃO SIGNIFICADO ABIL Habilitação ABN Anormal ADM Multiplexador para Inserir/Retirar AIS Sinal de indicação de Alarme APS Comutação Automática de Proteção AND Alarme em ambas estações de baterias ANSI Normas Nacionais Americanas Internacional (American National Standards International) ASIC Aplicação Circuito Integrado Específico (Application Specific Integrated Circuit) ATM Módulo de Transferência Assíncrono (Asynchronous Transfer Module) ATTD Atendido (armazenagem de alarme) AU Unidade Administrativa AUG Grupo de Unidade Administrativa AUOH Ponteiro AU AUX Auxiliar AU4 Unidade administrativa – nível 4 BATT Bateria BER Taxa de Erro de Bit BIP Paridade de Entrelaçamento de Bit BNC Acoplamento Baioneta Não Acoplando C Comando de armazenagem CE Conformidade Européia CAND Todas as fontes de alimentação apresentam falhas. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. A transmissão e a cópia deste documento. CO Escritório Central CPE Equipamento nas Instalações do Cliente CMI Inversão de Marca de Código (Code Mark Inversion) ED 01 955.

3o e 4o níveis DC Corrente Contínua DCC Canal de Comunicação de Dados DCE Equipamento de Terminação de Circuito de Dados DDF Painel de Distribuição Digital DPLL Circuito de Loop Travado por Fase Digital (Digital Phase Locked Loop) DTE Equipamento Terminal de Dados DTMF Multifreqüência de Dois Tons EBU União Radiodifusora Européia EC Controlador de Equipamento ECC Canal de Controle Embutido ECT Equipamento de Terminal Craft EMC Compatibilidade Eletromagnética EMI Interferência Eletromagnética EOW Fio de Pedido de Engenharia EPS Comutação de Proteção de Equipamento ESD Descargas eletrostáticas ETSI Instituto Europeu de Normas de Telecomunicações E2PROM Memória somente de leitura eletricamente apagável programável F Interface F (para Terminal Craft) ou Fusível FEBE Erro de Extremidade de Bloco FEPROM Memória Temporária Eletricamente apagável programável FERF Falha de Extremidade de Recebimento FPGA Matriz de Portas Programável em Campo (Field Programmable Gate Array) ED 01 955. ABREVIAÇÃO SIGNIFICADO CMISS Cartão faltando COAX Coaxial CPI Contatos paralelos entrantes CPO Contatos paralelos saintes CPU Unidade Central de Processamento (referida como Unidade de equipamento controlador ou Microprocessador) C12/C3/C4 Container de 1o. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.110.Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste documento.542 V 3AL 80754 AA AA 44/356 .

542 V 3AL 80754 AA AA 45/356 . o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste documento.110. ABREVIAÇÃO SIGNIFICADO GA Matriz de Portas (Gate Array) GND Terra HDBK Manual HDB3 Código Bipolar de Alta Densidade HOA Adaptação de Ordem Mais Alta HOI Interface de Ordem Mais Alta HPC Conexão de Caminho de Ordem Mais Alta HPT Terminação de Caminho de Ordem Mais Alta HPOM Monitoramento de Overhead de Caminho de Ordem Mais Alta HSUT Terminação Supervisória Não Equipada de Ordem Mais Alta HW Hardware HWP Proteção de Hardware ICS Estado de Mudança de Item ID Sinais de identificação IEC Comitê Eletrotécnico Internacional IEEE Instituto de Engenharia Elétrica e Eletrônica IN Entrada IND Alarme indicativo INT Alarmes Locais Internos IP Protocolo de Internet ISO Organismo Internacional de Normatização ITU–T (*) União Internacional de Telecomunicação – Setor de Telecomunicação JE1 Engenharia Conjunta LAN Rede Local LAPD Procedimento de Acesso de Enlace sobre canal D LED Diodo Emissor de Luz LOF Perda de alinhamento LOI Interface de Ordem Mais Inferior LOM Perda de Multiquadro ED 01 955.

Todos os direitos reservados.542 V 3AL 80754 AA AA 46/356 . o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.110. ABREVIAÇÃO SIGNIFICADO LOP Perda de Ponteiro LOS Perda de sinal LPA Adaptação de caminho de ordem mais inferior LPC Conexão de caminho de ordem mais inferior LPM Auto retorno no lado da linha (remoto) [Loop–back line side (remote)] LPOM Monitoramento de Caminho de Ordem Mais Inferior LPT Terminação de caminho de ordem mais inferior ou Loopback (auto retorno) no lado do equipamento (local) LSUT Terminação Supervisória Não Equipada de Ordem Mais Inferior MCF Função de Comunicação de Mensagem MLM Modo Multi Longitudinal MSA Adaptação de seção Multiplex MSOH Seção Multiplex Aérea MSP Proteção de seção Multiplex MST Terminação de seção Multiplex NRZ Sem retorno a zero NURG Alarme não urgente ODF OFA OH–BUS Quadro de Distribuição Ótica Amplificador de Fibra Ótica Fluxo de manutenção dedicado OMSN Nó de Optinex MultiService OOF Fora do Quadro OR Soma de lógica /Perda de apenas uma estação de bateria ORALIM Alarme de fonte de alimentação de OR’ing de estação (OR’ing of station power supply alarm) OS Sistema operacional OUT Saída P/S Conversor paralelo/Serial PC Microcomputador PDH Hierarquia Digital Plesiócrona PFAIL Falha da fonte de alimentação ED 01 955. A transmissão e a cópia deste documento.

A transmissão e a cópia deste documento.110. Interface para TMN RAI Indicação de Alarme Remoto RECC Recomendação RAM Memória de Acesso Aleatório RDI Indicação Remota de Defeito REI Indicação Remota de Erro RCK Relógio recebido REF Referência REL Liberação RMS Raiz Média Quadrática RNURG Comando de Alarme não Urgente. Interface para equipamento plesiócrono Q3/QB3 Interface TMN com protocolo B3. Ilumina o LED vermelho do bastidor relativo RSOH Seção de Regenerador Aérea RST Terminação de Seção de Regenerador RURG Comando de Alarme Urgente.542 V 3AL 80754 AA AA 47/356 . Ilumina o LED vermelho do bastidor relativo Rx Recepção SC Controlador de Sub-bastidor SDH Hierarquia Digital Síncrona SETG Função de Geração de Temporizador de Equipamento Síncrono SLM Modo Longitudinal Simples SM Modo Simples/Mux Síncrono SNCP/I (**) Proteção de Conexão de Sub-rede Inerente ED 01 955.Todos os direitos reservados. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. ABREVIAÇÃO SIGNIFICADO PI Interface física PJE Evento de Justificativa de Ponteiro PPI Interface Física Plesiócrona POH Overhead de Caminho PMMF Função de Gerência de Máquina Física PPS Comutação de Proteção de Caminho PRBS Sinal Binário Pseudo Aleatório Q2/QB2 Interface TMN com protocolo B2.

ABREVIAÇÃO SIGNIFICADO SOH Seção Aérea S/P Conversor Serial/Paralelo SPI Interface Física Síncrona SSF Falha de Sinal de Servidor SQ Abafador STM–0/STM–1 etc.Todos os direitos reservados. todos os documentos emitidos pelos dois comitês ITU (CCIR ND CCITT) em 1992 (e em alguns casos mesmo antes dessa data) são classificados como ITU–R e ITU–T.4 VMMF Função de Gerência de Máquina Virtual WAN Rede de Acesso Amplo NOTAS (*) Devido a alteração de nome. nível 2.3 TUOH Unidade Tributária Aérea TUP/UP Alarme remoto de Controlador de Equipamento TU12/TU3 Unidade tributária nível 12.110. 3 TX Transmissão URG Urgente VCXO/VCO Oscilador controlado por tensão VC12/VC3/VC4 Container Virtual. respectivamente. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.1. níveis 12. níveis 0. (**) Substitui PPS ED 01 955.3.4 SW Software TANC Alarme remoto devido a falha de todas fontes de alimentação TD Desenho de layout TIM Disparidade de Identificador de Traço TMN Rede de Gerência de Telecomunicação TOR Alarme remoto indicando perda de uma das estações de bateria TORC Alarme remoto devido a uma fonte de alimentação em falha/faltante TSD Degradação de Sinal de Trilha TSF Falha de Sinal de Trilha TTF Função de Terminal de Transporte TUG2/3 Grupo de unidade tributária. Módulo de Transporte Síncrono.542 V 3AL 80754 AA AA 48/356 . A transmissão e a cópia deste documento.

6. o Manual do Operador é atualizado devido a uma nova versão de software. ferramentas de programação. releases de produtos. A documentação dependente da planta. é sujeita a critérios comerciais quanto a seu conteúdo. de peça diferente. doravante referida. formatos e condições de fornecimento (a documentação dependente da planta não é descrita neste documento).2 Fornecimento do Manual aos Clientes Os Manuais não são automaticamente entregues junto com o equipamento ao qual eles referem.4 na página 50. Por outro lado. chamados de ”versões”. composta por um ou mais manuais. etc. um “release de produto” define um conjunto de componentes de hardware e um pacote de software que. Um “produto” evolui através de sucessivos “releases de produto” que são os verdadeiros produtos comercializados para sua entrega em uma certa data de disponibilidade de ”release de produto”. a substituição de uma unidade que tenha um No.. versões e Documentação do Cliente Um “produto” é definido pelo nível hierárquico da rede onde o mesmo pode ser inserido e pelo todo do desempenho e serviços para os quais o mesmo é intencionado. ambos os tipos de manuais podem ser atualizados para melhorar seu conteúdo. Entretanto. não é previsto nenhum fornecimento ao Cliente da documentação de projeto (como projeto de hardware de PCB e documentos e arquivos de produção. A transmissão e a cópia deste documento. Conseqüentemente. operação e manutenção do equipamento de acordo com as escolhas de projeto do Laboratório Alcatel–Telecom. mas que não tem relação com o Manual Técnico contanto que não implique em modificações de hardware. Os manuais relacionados a hardware (normalmente o “Manual Técnico”) e software (normalmente o “Manual do Operador”) são mantidos separados uma vez que qualquer alteração no produto não necessariamente está relacionada a seus conteúdos. projetado e comercializado.542 V 3AL 80754 AA AA 49/356 . 6. que nascem para melhorar ou adicionar algum desempenho (principalmente software) em relação à versão anterior. ou por motivos de correção de falha (bug fix). mas a mesma função).6 GERAL SOBRE A DOCUMENTAÇÃO DO CLIENTE DA ALCATEL Todos os direitos reservados. como um todo. apenas o Manual Técnico pode ser revisado devido a alterações de configuração de hardware (por ex. etc. Um “release de produto” possui sua própria Documentação de Cliente padrão. comissionamento. Assim. Por exemplo. O número de manuais por tipo a ser fornecido deve ser decidido em nível de contrato. conforme descrito no parágrafo 6. A documentação padrão de hardware e software é intencionada para fornecer ao pessoal do Cliente a possibilidade e as informações necessárias para instalação. a manutenção é descrita em detalhes até a localização do PCB defeituoso e sua substituição. Uma nova “versão” de um “release de produto” pode ou não produzir uma alteração no estado do conjunto de Documentação do Cliente.1 Produtos. identifica as possíveis aplicações de rede e o desempenho do equipamento para o qual o “release de produto” específico foi desenhado.110. Em alguns casos. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. 6. programas fonte de software. ED 01 955. tem sempre a intenção de ser independente da planta. Particularmente: os conteúdos dos manuais associados ao foco das aplicações do software na explicação da interface homem-máquina e dos procedimentos operacionais permitidos pelo mesmo. um “release de produto” possui outros passos de desenvolvimento. se prevista pelo contrato.3 Objetivos da Documentação do Cliente padrão A Documentação do Cliente padrão. corrigir erros.).

O caractere de versão pode ser usado para esboços ou propostas de edição. 6. – o Nº de Peça do manual. de Peça do manual) A edição e data de emissão podem ser alteradas em futuras versões do manual pelos seguintes motivos: – apenas a data é alterada (indicado no Índice) quando modificações são feitas ao sistema editorial sem alteração ao conteúdo técnico do manual. as mesmas não são substituídas nos manuais relacionados a uma versão subseqüente. A transmissão e a cópia deste documento.3 na página 12. Além disso. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Pequenas modificações (por ex. 6.1.4.4.4. – a edição do manual (normalmente a primeira edição =01). NOTAS PARA MANUAIS RELEVANTES A APLICAÇÕES DE SOFTWARE Manuais relevantes a aplicações de software (tipicamente os Manuais do Operador) não são modificados exceto se a nova “versão” de software distribuída aos Clientes implica em alterações da interface homemmáquina ou em casos de pequenas modificações que não afetam o entendimento dos procedimentos explicados. portanto. Neste caso: • os capítulos modificados em relação à edição anterior são relacionados na Tabela 8. na página 16.02 para Ed.542 V 3AL 80754 AA AA 50/356 . 6. – a edição e. • Nos capítulos afetados.1 Alterações introduzidas no mesmo release de produto (mesmo No. de Ed. para correções) mantêm a mesma edição.4 Atualização do Manual Os manuais associados ao “release de produto” estão relacionados no parágrafo 1. porém não às anteriores).110.01 para Ed. Neste caso. A data no manual não se refere à data da impressão. mas com a soma de um caractere de versão (por ex.1 Fornecimento de manuais atualizados aos Clientes O fornecimento de manuais atualizados aos Clientes que já receberam emissões anteriores está sujeito a critérios comerciais. Alterações que afetam o conteúdo técnico do manual causam um aumento no número de edição (por ex. as partes modificadas do manual não são relacionadas. é alterada porque as modificações feitas afetam o conteúdo técnico. 6.02A). Por entrega de manuais atualizados se quer dizer o fornecimento de uma cópia completa da nova emissão do manual (o fornecimento de folhas de errata–correção não é previsto).2 Alterações devido a nova versão de produto Uma nova versão de produto altera o No. ED 01 955.Todos os direitos reservados. – a data de emissão do manual.02). de Peça do manual e a edição começa em 01. Cada manual é identificado por: – o nome do “release de produto” (e ”versão” quando o manual é aplicável às versões iniciando-se com o mesmo. – o nome do manual. mas a data na qual o arquivo fonte do manual foi concluído e liberado para produção. de Ed. linhas de revisão à esquerda da página indicam modificações em texto e desenhos. caso as impressões de tela incluídas no manual contenham a marcação da “versão” do release de produto. caso o conteúdo da tela não for alterado. a data.

a imagem do CD–ROM é transferida de forma eletrônica para o arquivo do Departamento de Produção. 6. criação e produção de um CD–ROM Na maioria dos casos.6. Verificações adequadas são realizadas para garantir um produto livre de vírus. ED 01 955. o mesmo CD–ROM pode conter a documentação de um release de produto diferente (–versão) para um determinado idioma. • Os manuais de Instalação e Partida e Comissionamento Um CD–ROM é obtido juntando-se vários manuais e processando os mesmos por Interleaf–World–View– Press após a adição ao manual de alguns hyperlinks que facilitam a navegação através dos vários manuais.110. A transmissão e a cópia deste documento. Após uma verificação funcional completa. a fim de que o CD–ROM possa ser produzido e entregue aos Clientes. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Os arquivos processados desta forma são então transferidos para um PC onde o visualizador (Interleaf– World–View) é adicionado e um CD–ROM master é gravado. – CD–ROMs para produtos de Elementos de Rede não contêm: • A documentação de características opcionais do sistema (por ex.1 Conteúdo. Em alguns outros casos. um CD–ROM contém a documentação de um release de produto (–versão) e para um determinado idioma. Como regra geral: – CD–ROMs para produtos de Gerência de Rede não contêm: • As Diretrizes de instalação • A documentação de características opcionais do sistema que os Clientes podem não comprar da Alcatel • Em conjunto com o principal SW aplicativo. Nenhuma informação adicional é adicionada em cada manual. Manuais de Instalação do Sistema relacionados a bastidores que os Clientes podem não comprar da Alcatel em conjunto com o equipamento principal). de forma que a documentação presente nos CD–ROMs seja exatamente a mesma que o Cliente receberia em papel.5.542 V 3AL 80754 AA AA 51/356 . ’CD–ROM’ significa ’Documentação de Cliente em CD–ROM’ Todos os direitos reservados.5 Fornecimento de documentação do Cliente em CD–ROM Nos itens a seguir.

– uma escrita indicando o(s) idioma(s). O uso do WorldView é permitido apenas em associação com os arquivos contidos nos CD–ROMs oficialmente fornecidos pela Alcatel.2) em um PC é: –Sistema Operacional: Windows 95 ou Windows NT 4 – Processador: Pentium – RAM: 32 Mbyte – Espaço livre em disco: 20 Mbyte O procedimento de configuração está incluído no livreto incluído na caixa do CD–ROM.xxx. o Cliente pode ler os manuais na tela do PC/WS. Aviso de direitos autorais WorldView: Copyright 1981–1996 INTERLEAF Inc. A transmissão e cópia de documentos e arquivos contidos nos CD– ROMs oficialmente fornecidos pela Alcatel. internamente. 6. que são impressos tanto no livreto como na superfície superior do CD–ROM: – o nome do “release de produto(s)” (e ”versão” quando o CD–ROM é aplicável a versões que se iniciam com o mesmo. usando as ferramentas de navegação e zoom incluídas no visualizador.5.3 item 2) acima. Todos os direitos reservados.4 Atualização do CD–ROM A lista de Nos.2. 6. de Peça e edições) através de cuja coleta e processamento o CD–ROM em si foi criado.2 Uso do CD–ROM O CD–ROM pode ser usado em ambientes de PC e Unix WS. indicando a lista de CD–ROMs que deve ser atualizada para incluir as novas edições desses manuais/documentos. ED 01 955. A atualização de CD–ROMs sempre segue. pela lista de manuais e documentos fontes (Nos. – o No. Documentos da Alcatel: Todos os direitos reservados. de Peça-edição do CD–ROM em si. Após o procedimento de configuração. com um certo atraso. em conjunto com o No. 6.xxx x e No. a atualização do manuais individuais que compõem a coleção.5. – a edição do CD–ROM (normalmente a primeira edição=01) 2) e. também é carregada no Sistema-Informação-Alcatel como uma lista estruturada.2.3 Identificação do CD–ROM Cada CD–ROM é identificado: 1) pelos seguintes identificadores externos. o Sistema-Informação-Alcatel automaticamente gera um aviso ao departamento de Documentação do Cliente. Sempre que uma nova edição de qualquer manual/documento é liberada no sistema de arquivo da Alcatel. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. de Peça do CD–ROM (No. de Peça de ANV). de Peça-edições de manual/documento fonte indicada no parágrafo 6. que instala o visualizador no ambiente do PC ou do Unix WS.110.Todos os direitos reservados.5. o uso e comunicação de seu conteúdo não são permitidos sem autorização por escrito da Alcatel.542 V 3AL 80754 AA AA 52/356 . Nota. e imprimir porções selecionadas da documentação através de uma impressora local. A transmissão e a cópia deste documento.5. A configuração mínima para a utilização do World View (rel. de Peça de Fábrica 417. porém não a anteriores). Isto gera o planejamento e criação de uma nova edição do CD–ROM.

542 V 3AL 80754 AA AA 53/356 .Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste documento.110. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. DESCRIÇÕES ED 01 955.

ED 01 955. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. .542 V 3AL 80754 AA AA 54/356 Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste documento.110.

45 Mbit/s e 155 Mbit/s) é implementada usando um módulo de acesso dedicado. Quando o 1650SMC é usado com Multiplexador Add/Drop. (Proteção de Seção Multiplex) em qualquer nível de STM–N. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. são fornecidos mecanismos de proteção de equipamento e rede.1 Introdução do Equipamento O Equipamento Alcatel 1650SMC Synchronous Multi–Service Node faz parte da família de equipamentos de transmissão Optinex. Uma função matriz permite a alocação dos sinais de PDH e VCi em todas as portas. STM–1 e STM–4 ótica. anéis de rede e redes em malha. Como parte da família Optinex. Isto permite terminações de níveis hierárquicos múltiplos e anéis múltiplos.1 GERAL Todos os direitos reservados. De acordo com a topologia da rede. O 1650SMC também pode ser usado em redes com regeneradores STM–4. Uma grande variedade de módulos óticos STM–1 tipo encaixe (plug–in) que operam em uma 2a e 3a janelas. Pode ser configurado como Multiplexadores de Terminal de Linhas Múltiplas ou como Multiplexadores Add/Drop (Inserir/Retirar) ou como um Mini cross–connect local para aplicações em enlaces lineares. permitindo assim gerenciar o mesmo equipamento e ao mesmo tempo STM–1 e STM– 4 anéis (anéis múltiplos). o 1650SMC compartilha a maior parte das unidades com outros membros da família. 1. Apenas MSP de Terminação Simples é implementada no atual release. A proteção de EPS das unidades de tráfego elétrico de Alta Velocidade ( 34 Mbit/s. As portas de tráfego não possuem processadores internos e podem ser reutilizadas de um equipamento para outro ou recuperadas do estoque sem preocupações com versões de SW. ED 01 955. 140 Mbit/s. A transmissão e a cópia deste documento. O 1650SMC possui uma arquitetura simétrica através da qual todas as portas de tráfego (PDH e SDH) do mesmo tipo possuem a mesma funcionalidade e comportamento e não há divisão inerente entre tributários e agregados. 1. Uma ampla gama de portas podem ser multiplexadas ou inseridas/retiradas no 1650SMC separados em: – Portas de tráfego de baixa velocidade: 2Mb – Portas de tráfego de alta velocidade: 34Mb.542 V 3AL 80754 AA AA 55/356 . A proteção de EPS das unidades de tráfego elétrico de 63 x2 Mbit/s é implementada. estão disponíveis para cobrir sistemas de transporte curto e longo. Para todas as aplicações. que atende à Hierarquia Digital Síncrona (SDH) definida na Recomendação ITU–T G. O 1650SMC possui uma arquitetura de controle centralizada que limita a presença de processadores e software no cartão “Compact ADM”. Compatível com sistemas plesiócronos existentes assim como com as redes SDH instaladas. podem ser usados portas STM–N mistas na mesma configuração. 45Mb. A proteção de EPS das unidades de ATM é implementada.707.110. Ver Capítulo 2 na página 65 para a composição do equipamento. STM–1 elétrica.520 Mbit/s (STM–1) e 622. Interfaces óticas dedicadas também estão disponíveis para inter–trabalho com amplificadores óticos nos níveis STM–1 e STM–4. fornecendo a funcionalidade add/drop (inserir/retirar) e pass–through (passagem) em todos os níveis de VCi. o 1650SMC é um equipamento de transmissão que opera a 155.080 Mbit/s (STM–4). podem ser implementadas MSP de terminação simples e terminação dupla 1. de forma que a capacidade de upgrade da rede é melhorada e os custos e gerência de sobressalentes são otimizados.

• Função Cross– Connection Uma matriz centralizada implementa a função cross–connect. localizado em cada placa. Outras funcionalidades: • Transmissão Bidirecional Para a interface ótica Optinex 1650SMC. o 1650SMC pode trabalhar como um Dispositivo de Mediação para Elementos de Rede Alcatel acessível através da interface Q2/RQ2. A função referência de relógio. de acordo com as normas SDH. Isto significa que é possível realizar funcionalidades de gerência. sincroniza o 1650SMC e fornece geração e distribuição de um relógio de sincronização. Um conversor CC/CC. Uma ampla capacidade auxiliar. similar àquela ofertada para uma OS. ED 01 955. a qualquer STM–N ou sinal de 2Mbit/s. é implementada uma transmissão bidirecional em função de fibra simples. A transmissão e a cópia deste documento. ajuste de configuração e toda informação sobre o estado do equipamento estão disponíveis por meio da função de controlador de equipamento.542 V 3AL 80754 AA AA 56/356 . Um canal de Fio de Pedido de Engenharia. a partir de um dos Elementos de Rede da rede.110. A matriz integral não bloqueante de portas equivalentes 32x32 STM–1 permite conexão cruzada entre todas as portas de tráfego em todos os níveis de VCi. garante a alimentação do sistema. Tais funcionalidades são particularmente úteis em anel de acesso urbano e local para consolidar tráfego de dados de diferentes usuários nos mesmos Containers Virtuais SDH. está disponível para serviços embutidos. • ISDN–PRA O Optinex 1650SMC suporta a funcionalidade NT sobre 2Mbit/s ISDN–PRA • Controle de Equipamento Remoto Esta função permite um sistema de gerência centralizada para pequenas redes SDH. Uma facilidade de download de software (Local e Remota) está disponível para atualizar todo o software do subsistema de controle. como modificação de configuração e controle remoto. otimizando assim a utilização da largura de banda de transmissão (ver Figura 12. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. monitoramento de desempenho. O relógio distribuído pode ser travado a um 2MHz externo. com sinalização DTMF. Além disso. Desta forma. abrigada em uma unidade centralizada. pode ser possível transportar informações sobre alarmes e configurações de PDH e/ou Sistemas de Acesso de/para um TMN centralizado usando a rede SDH DCC padrão. A SSM (Mensagem de Estado de Sincronização) e algoritmos de prioridade são suportados. Ambas as interfaces para o terminal local e para o Gerenciador de elemento são baseadas na mensagem de pilha e gerência de protocolo QB3 padrão. disponível através de cartão opcional comutador/roteador. • Gerência de transporte ATM e IP O 1650SMC possui capacidade de comutação ATM integrada e roteamento de IP. através de um Terminal Craft e através de uma interface Q para o Sistema de Gerência de Rede. pode ser acessado por um microtelefone para facilitar a manutenção do enlace. usando um acoplador ótico passivo externo. A proteção da fonte de alimentação é inerente uma vez que a função de conversão CC/CC é distribuída em cada cartão. na página 58). em direção aos outros Elementos de Rede (até 31).Todos os direitos reservados. Alarmes.

Todos os direitos reservados. Sobressalente para proteger o Principal. • Gerência de transporte Ethernet O 1650SMC pode ainda ser equipado com uma unidade Ethernet 10/100 Mb/s para permitir conexões LAN para LAN conforme mostrado na Figura 13. ED 01 955. Uma vez que a Rede SDH é transparente. cada Caixa do Cliente usa N–1 interfaces Ethernet Ponto a Ponto.542 V 3AL 80754 AA AA 57/356 . o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. A transmissão e a cópia deste documento. Os quadros de Ethernet são mapeados sobre um SDH VC usando encapsulamento de Procedimento de Alinhamento de Quadro Genérico. Se o cliente possui N sites a serem interligados.110.S. as Caixas do cliente a vêem como diretamente conectada em uma malha. na página 59. • OS Dual É previsto O.

542 V 3AL 80754 AA AA 58/356 Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste documento. . o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Exemplo de gerência de Transporte de ATM e IP ED 01 955.110.Figura 12.

A transmissão e a cópia deste documento. Aplicação de serviço Ethernet ED 01 955.110. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. .Legenda: Caixa do cliente: Comutação de LAN ou Roteador 1650SMC com LAN para placa de LAN Figura 13.542 V 3AL 80754 AA AA 59/356 Todos os direitos reservados.

Multiplexador Add/Drop ED 01 955.542 V 3AL 80754 AA AA 60/356 . Figura 14. regionais e metropolitanas configurado para sistemas padrões plesiócronos ou síncronos. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.110. atendendo à SDH Hierarquia Digital Síncrona definida pelas Recomendações da ITU–T. A transmissão e a cópia deste documento.1 Configuração • Multiplexador de terminal (ver Figura 14 na página 60).2 Inserção do equipamento na rede O equipamento 1650SMC pertence à família de produtos Optinex da Alcatel. Figura 15.2. O Elemento de Rede é fornecido com uma interface de estação STM–1 /STM–4 (eventualmente uma reserva também) a ser conectada uma Interconexão Eletrônica Digital ou a um sistema de linha de hierarquia superior.1. O equipamento 1650SMC pode ser utilizado em redes locais. na página 60. de anel e hub e em conexões de linha protegidas e não protegidas. definido como A e B na Figura 15. O produto pode ser usado de forma adequada em redes lineares. As aplicações do equipamento dependem dos diferentes tipos de redes disponíveis. Parte da passagem do sinal entre os lados da linha. Todos os direitos reservados. na página 60) O Elemento de Rede pode ser programado para colocar (inserir) sinais de (para) o fluxo STM1/STM4. Multiplexador de Terminal • Multiplexador Add/Drop (ver Figura 15. 1.

110. Figura 16. ”HUB” STM–1 • Configuração Mista O Elemento de Rede pode tratar no mesmo nó todas as configurações anteriores efetuando assim uma configuração mista.2. As topologias de rede mais importantes são: Ponto a Ponto Linear Topologia de anel e anéis múltiplos Topologia em malha • Conexão ponto a ponto (ver Figura 17. Conexões ponto a ponto ED 01 955. o Elemento de Rede pode ser conectado a outro multiplexador através da linha Figura 17.Todos os direitos reservados. • “HUB” STM–N (ver Figura 16. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.542 V 3AL 80754 AA AA 61/356 . na página 61) Neste caso.2 Aplicação Para cada uma das configurações acima diferentes topologias de rede podem ser usadas. A transmissão e a cópia deste documento. na página 61) O Elemento de Rede permite inserir tributários de STM–N em um fluxo múltiplo e então ramificá-los em estruturas HUB. 1.

110. O VC pode ser automaticamente re-roteado caso a emenda ótica se quebre ou um dos nós do equipamento falhe Figura 19.Todos os direitos reservados.542 V 3AL 80754 AA AA 62/356 . • Drop-Insert (Retirada-Inserção) Linear (ver Figura 18. STM–4 ou terminar portas PDH Figura 18. Drop-Insert (Retirada-Inserção) linear • Estrutura em anel (ver Figura 19. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Estrutura em anel ED 01 955. A transmissão e a cópia deste documento. na página 62) O Elemento de Rede pode ser programado para retirar (inserir) portas PDH e SDH de (para) o fluxo STM–1. na página 62) A função drop–insert permite realizar estruturas em anel.

em alguns casos. na página 63) A topologia em malha pode ser usada no caso de coleta de tráfego em nós periféricos ou nos locais nas instalações do cliente.110. Proteção de linha 1+1 pode ser usada contra falha de linha e. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. o mini sistema de interconexão digital também é muito útil e SNCP/I. Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste documento.Topologia em malha (ver Figura 20. Topologia em malha ED 01 955. • Figura 20.542 V 3AL 80754 AA AA 63/356 . a falha de nó pode ser protegida usando uma topologia de hub dual também. Para este tipo de topologia de rede.

2.1.3 Proteção de rede A relação entre o aplicativo de rede com suas próprias proteções e os modos de configuração é resumida na Tabela 12. Todos os direitos reservados. Tabela 12. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.110.542 V 3AL 80754 AA AA 64/356 . A transmissão e a cópia deste documento. na página 64. Aplicativo de rede versus modos de configuração Proteção de Rede Esquema de aplicação de rede Configuração de Elemento de Rede TM ADM MSP ponto a ponto MSP sim Linear MSP sim sim Hub e em Malha MSP & SNCP sim sim Anel SNCP ED sim 01 955.

na página 66.542 V 3AL 80754 AA AA 65/356 . mas pode ser fornecido pela Alcatel. na página 76. Os códigos de acessórios e divisões são relacionados na Tabela 14. ED 01 955. layout e composição. mas ainda assim recebem suporte. Ver o Manual do Operador para configuração do hardware do microcomputador. não está relacionado como um item do equipamento. NOTAS As notas explicativas estão relacionadas na Tabela 16.2 CONFIGURAÇÃO FÍSICA Em todo este documento.3 na página 79..110. na página 69 . EQUIPAMENTO A vista frontal do Sub-bastidor do Equipamento é ilustrada na Figura 21. caso compatível com as atuais. O código da peça principal e divisão são relacionados na Tabela 13. VISTA FRONTAL DAS UNIDADES Para a vista frontal da unidade refira ao parágrafo 2. • • • cartão de acesso: é um cartão que contém as interfaces físicas do sinal (conectores elétricos) cartão de portas: é o cartão que realiza a elaboração do sinal pelo SDH módulo (elétrico ou ótico): É um cartão de acesso particular (de pequenas dimensões) que é inserido no painel frontal de alguns determinados cartões. na página 69 contém as unidades do atual release de equipamento. três tipos de cartões serão diferenciados: Todos os direitos reservados. Nota A Tabela 13. codificação e divisão do Equipamento e Subbastidores de Ventiladores. na página 74. A transmissão e a cópia deste documento. SUB-BASTIDOR DE VENTILADORES A vista frontal do Sub-bastidor de Ventiladores é ilustrada na Figura 22. para atualização de configuração) não estão relacionadas aqui.4 na página 81. Para a relação entre cartões e cartões de portas refira ao parágrafo 2. na página 67. As unidades pertencentes a releases/versões anteriores do equipamento (por ex. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Nota O Microcomputador (Terminal Craft) usado para operações iniciais de Partida e Manutenção. Este capítulo ilustra a estrutura física. (Para unidades eventualmente pertencentes a releases/versões anteriores do equipamento refira ao Manual Técnico relacionado).

o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.1. A transmissão e a cópia deste documento. 2.542 V 3AL 80754 AA AA 66/356 .Todos os direitos reservados.1 Vista frontal do Sub-bastidor do 1650SMC Figura 21. Vista frontal do Equipamento 1650SMC ED 01 955.110.1 Vista frontal do equipamento 2.

1. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. A transmissão e a cópia deste documento. Vista frontal de Sub-bastidor de 19” de Ventiladores ED 01 955.2 Vista de composição de Sub-bastidor de 19” de Ventiladores Figura 22.542 V 3AL 80754 AA AA 67/356 . 2.Todos os direitos reservados.110.

2 Lista de peças Nas tabelas dos parágrafos a seguir. A transmissão e a cópia deste documento.2.. não fornecido com o ponto (por ex. a unidade é identificada como P3E3T3 na tampa frontal e como P3E3/T3 no Terminal Craft. a posição e quantidade máxima que pode ser alocada dentro do equipamento também são indicadas.1 na página 69) e Bastidor de Ventiladores (ver parágrafo 2. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. estão relacionados..1 se torna L–41). 411.XXX. L–4. • Número da notas explicativas O parágrafo 2. para qualquer item. Todos os direitos reservados.542 V 3AL 80754 AA AA 68/356 . é usado pelo Terminal Craft para distinguir a unidade. na página 66 para numeração de slot. nomeados e codificados os itens e unidades que compõe o Bastidor do Equipamento (ver parágrafo 2.XXX. Além disso.2 na página 75). Não há exceção a esta regra para o P3E3T3. Refira à Figura 21. O mesmo Acrônimo. relaciona as notas explicativas.3 na página 76. 3ALXXXXX XXXX) • Quantidade máxima • Posição da unidade dentro do equipamento.2.110. Tais tabelas trazem a seguinte informação: • Nome do Item • O “Acrônimo” que identifica as unidades é impresso por meio de silk–screen na tampa frontal. • Números de peça de fábrica e de ANV (por ex. Tabela 16.2. ED 01 955.2.

SLOT NOTAS 3AL 78828 AA–– (593.7 8 9 10 PORTAS DE ALTA VELOCIDADE (PDH) PORTA 3 X 34 / 45 MBIT/S SWIT.341 A) 1 - 2 SYNTH1N 3AL 79090 BA–– (411.110. de Peça de Fábrica) Qtde.166. 8 13 4 X STM1 PORTA ELÉTRICA P4ES1N 3AL 78823 AA–– (474.156. 8 15 ED 01 955. 7. 7. 7.1 Lista de peças do Bastidor de Equipamento Tabela 13.156.426 W) 2 6.166. O/E PORTA/1 P4E4N 3AL 79263 AA–– (474. 7.371L) 3 6.280 H) 2 9. Máx. 8 11 PORTAS DE ALTA VELOCIDADE: STM–1 (SDH) e 140 Mbit/s (PDH) CHAVE 4 X 140/STM1.101.425 V) 2 6. A transmissão e a cópia deste documento.101.423 T) 3 6. 8 12 13 14 4 X STM1 PORTA ÓTICA/ELÉT. NOME ACRÔNIMO ESTRUTURA MECÂNICA BASTIDOR DO 1650SMC Incluindo: SR50C KIT DE EXTRATORES PARTES COMUNS COMPACT ADM–1/1 COMPACT ADM4 7 PORTAS DE BAIXA VELOCIDADE (PDH) PORTA 63x2 MBIT/S P63E1 3AL 79092 AA–– (474. 7 8 PORTA 63x2 MBIT/S G703/ISDN–PRA P63E1N 3AL 79092 AB–– (474.166. 10 3 SYNTH4 3AL 79624 AA–– (411. Lista principal de peças No.542 V 3AL 80754 AA AA 69/356 .2.339 L) 3 6.617.156.701. de Peça de ANV (No.2.155.915 R) 2 - 5 CARTÃO DE MEMÓRIA 256 MB –20/+85 °C MEM–DEV 1AB 17634 0002 - 2 - 6 Todos os direitos reservados. /1 P4S1N 3AL 78821 BA–– (474.231 T) 2 9. P3E3T3 3AL 78864 AA–– (474. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. 10 4 CARTÃO DE MEMÓRIA 48 MB –40/+85 °C MEM–DEV 1AB 15177 0002 (084.058 D) - - 1 3AL 79497 AA–– (299.375 Q) 3 6.

de Peça de Fábrica) Qtde.156. de Peça de ANV (No.156.156. 7. 8 16 17 18 01 955.NOME ACRÔNIMO No.2N 16 17 3 3AL 78856 AM–– (474.1N ED 3AL 78856 BA–– (474.337 A) 16 L–4.2N 3AL 78856 BF–– (474.156.1 PORTA FC/PC /1 L–4.156.2N 3AL 78856 AL–– (474.1N 3AL 78856 BC–– (474. Máx.378 T) L–4. SLOT NOTAS PORTAS DE ALTA VELOCIDADE: STM–4 (SDH) S–4. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.379 U) L–4.2 PORTA FC/PC /1 L–4.338 K) 6.1N 3AL 78856 BD–– (474.2 JE (3200 PS/NM) PORTA FC/PC/1 L–4.377 J) L–4.1N 3AL 78856 BB–– (474. S–4.1 PORTA SC/PC /1 L–4.1 PORTA SC/PC /1 S–4.2N 3AL 78856 BE–– (474.156.156.1 PORTA FC/PC /1 Todos os direitos reservados.110.156.380 J) L–4.381 F) L–4.542 V 3AL 80754 AA AA 70/356 . A transmissão e a cópia deste documento.2 PORTA SC/PC /1 L–4.376 R) S–4.2 JE (3200 PS/NM) PORTA SC/PC/1 L–4.

de Peça de Fábrica) Qtde. SLOT NOTAS 3AL 80407 AA–– (474.035 J) 3 6 to 8 IP MATRIZ 1 Gb/s 4X ETHERNET IP1GETH 3AL 79631 AA–– (411.542 V 3AL 80754 AA AA 71/356 .101.No. PORTA ETHERNET ETH–MB PEÇAS ISA – ATM ATM MATRIZ 4X4 PEÇAS ISA – IP INTERFACE ÓTICA STM1 TRANSPORTE CURTO SC ED 01 955. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.110.038 A) 3 6 to 8 19 ATM4X4 3AL 79093 AA–– (411. Máx. A transmissão e a cópia deste documento.101.156.156.021 Z) 3 - 21 NOME ACRÔNIMO PORTA ETHERNET Todos os direitos reservados. de Peça de ANV (No.281 W) 3 6 to 8 IP MATRIZ 1 Gb/s IP4X4 3AL 79631 AA–– (411101407 V) 3 6 to 8 20 SMOPT 3AL 79753 AA–– (474.

325 E) 27 PROTEÇÃO DE ALTA VELOCIDADE HPROT 3AL 78849 AA–– (474.703 Q) 1 5 30 CARTÕES DE ACESSO HETHERNET ACESSO ETHERNET ETH–ATX INTERFACE DE SERVIÇOS E GERAL I/F DE SERVIÇOS E GERAL SERGI INTERFACE DE CONTROLE E GERAL I/F DE CONTROLE E GERAL CONGI 3AL78830AAAF (474.2. 75 OHM A4ES1 3AL 78835 AA–– (474.156.156.156.156.156.156.127 Y) 1 1. 2.100.542 V 3AL 80754 AA AA 72/356 . de Peça de Fábrica) Qtde. 2. A transmissão e a cópia deste documento. 2. Máx.323C) 21x2 MBIT/S 120 OHM PROT A21E1 A21E1 3AL 78832 AA (474.366 P) 22. A21E1 3AL 78831 AA (474. SLOT NOTAS Todos os direitos reservados. 23 CARTÕES DE ACESSO HS 3x34 MBIT/S 75 OHM A3E3 3AL 78865 AA–– (474. 5 31 ASEL INTERFACE DE CONTROLE E GERAL 3W CONGI 3AL78830ABAA (474.148 M) 2 4. 3 25 2x140/STM–1 ADAPTADOR ÓTICO/ELÉTRICO A2S1 3 1. K20 A21E1 22 3 1. 3. 2.156. CARTÕES DE ACESSO LS 21x2 MBIT/S 75 OHM PROT. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. de Peça de ANV (No.156. 3 3AL 79163 AA (474.039 B) 3 1.324D) 21x2 MBIT/S 120 OHM PROT. 3 29 3AL 78816 AA–– (411.NOME ACRÔNIMO No. 2 28 3AL 80404 AA–– (474. 3 26 3AL 78818 AA–– (474. 24 3x45 MBIT/S 75 OHM A3T3 3AL 78866 AA–– (474.166.156.421 Z) 4XSTM–1 EL.322B) 2 4.340 Z) 3 1.110.156. 5 32 ED 01 955.341 N) 3 1.

2 - 34 - 34. 36 - 3AL 81104 AA–– (474.384 A) 3AL 79452 AA–– (474. ÓTICA FC/PC IL–1.156.2 INTERF.1 IS–1.166.1 L–1.326 F) 3AL 78838 AB–– (474.2 JE INTERF.1 INTERF. ÓTICA SC/PC IL–1. 3AL 37558 AB–– (474. ÓTICA FC/PC IL–4.156.2 JE INTERF.1 L–1.327 G) IS–4.1 INTERF. ÓTICA SC/PC IS–1.156.424 U) 3AL 78838AA–– (474. ÓTICA FC/PC ACRÔNIMO ICMI S–1.2 L–4.346 K) 3AL 78815 AA–– (474.352 R) 3AL 78839 AA–– (474.035 Z) S–4.388 N) NOTAS - 16 MM1 SLOT 34.2 MÓDULOS STM–4 S–4.1 INTERF. ÓTICA FC/PC IL–4.2 L–1.2 INTERF. ÓTICA FC/PC MM1 No. A transmissão e a cópia deste documento.1 INTERF.156.542 V 3AL 80754 AA AA 73/356 .2 L–1.Todos os direitos reservados.1 INTERF.1 L–4. ÓTICA SC/PC IL–4.353 J) 3AL 78840 AA–– (474. ÓTICA SC/PC IL–1.043 H) 3AL 79340 AA–– (474.354 K) 3AL 80741 AA–– (474. ÓTICA SC/PC CONECTOR DE ENCAIXE ÓTICO MULTIMODO STM–1 52/125 CONECTOR DE ENCAIXE ÓTICO MULTIMODO STM–1 62. ÓTICA SC/PC IS–4. 37 4 - 38 - Fim da tabela ED 01 955.156.166. ÓTICA SC/PC IL–4.1 INTERF.156.420C) 3AL 78815 AB–– (474.156. de Peça de Fábrica) Qtde. NOME MÓDULOS STM–1 140/155 INTERFACE ELÉTRICA S–1.1 L–1.387 D) 3AL 793453 AB–– (474.1 L–4.386 C) 3AL 79453 AA–– (474.2 INTERF.2 L–1. ÓTICA FC/PC IL–1. Máx.2 INTERF.5/125 μm IL–1. ÓTICA FC/PC IL–1.166.385 B) 3AL 79452 AB–– (474.156. de Peça de ANV (No.1 INTERF.328 R) 3AL 78840 AB–– (474.156. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.156.156.166.156.110.156.372 M) 3AL 79451 AA–– (474.1 INTERF.1 L–4.1 33 16 3AL 78839 AB–– (474.

200. Lista de acessórios NOME ACRÔNIMO No.589 U) 1 - APARELHO DE TELEFONE COM TECLADO - 1AF00398AA–– (013.0/2.3 FOR 140/155 - 3AL 79428 AA–– (298.3 OMSN - 3AL 79267 AA–– (299.Tabela 14. A transmissão e a cópia deste documento.200 R) 16 - 47 1650SMC 120 OHM KIT SUPORTE DE CABO - 3AL 80968 AA–– (299.542 V 3AL 80754 AA AA 74/356 .082 K) 1 - 49 INTERFACE ELÉTRICA ED 46 01 955. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.587 J) 3 SLOT NOTAS ACESSÓRIOS DO EQUIPAMENTO Todos os direitos reservados.080 V) 1 - 48 1650SMC 19” /21” ADAPTADOR DE VENTILADOR - 3AL 81076 AA–– (299.477 T) 1 - 41 S9 KIT DE INSTALAÇÃO - 3AL78913AA– (299.0/2.016A) 1 - 40 1650SM–C 19”/21” ADAPTADOR - 3AL78837AA–– (299.701.701.701.701.701.354J) 2 - 45 CAPS ESD PARTE COMUM OMSN - 3AL 79266 AA–– (299.701. de Peça de ANV (No. Máx.791.110.701.123 L) 2 - 44 DISJUNTOR 8 AMPERE 72 Vdc - 1AB162710004 (001.878 D) 17 - CAPS ESD SUB/D OMSN - 3AL 79268 AA–– (299. 3AN49397AA–– (299. de Peça de Fábrica) Qtde.879 E) 1 - CASE EMC 1.877 U) 1 - CAPS ESD 1. TAMPA FALSA W20 - 39 - TAMPA FALSA W25 - 3AN49398AA–– (299.700.333 S) 1 - 42 KIT DE INSTALAÇÃO OPTINEX - 3AL79463AA–– (299.701.701.701.747 H) 1 - 43 DISJUNTOR 8 AMPERE - 1AB024380016 (001.701.

144.4 mm) - 1AB061220008 (040.2. SLOT NOTAS 3AL79773AA–– (593.423 L) 4 1. Máx.0/2. Máx.3 (3mm) - 1AB061220003 (040.0/2.701. SLOT NOTAS 3AL80834 AA–– (299.341 A) 1 - PEÇAS SOBRESSALENTES KIT DE EXTRATORES 54 SOFTWARE Fim da tabela 2. NOVO KIT DE CONECTOR 120 OHM - CONECTOR COAXIAL MACHO 1. Lista de peças de Sub-bastidor de Ventiladores NOME ACRÔNIMO No. A transmissão e a cópia deste documento.908.008 A) 1 - 55 56 ESTRUTURA MECÂNICA SUB-BASTIDOR DE VENTILADORES 19” SRFAN ESTRUTURA MECÂNICA UNIDADE DE VENTILADOR PARA SUB-BASTIDOR DE VENTILADOR 19” FAN 3AL79772AA–– (411.007Y) 2 3 Fim da tabela ED 01 955. de Peça de Fábrica) Qtde.701.144. de Peça de Fábrica) Qtde.542 V 3AL 80754 AA AA 75/356 .2 Lista de peças de Sub-bastidor de Ventiladores Tabela 15.153.001 N) CONECTOR COAXIAL MACHO BALUN 1.NOME ACRÔNIMO No. de Peça de ANV (No.004 R) 32 - 53 - 3AL 79497 AA–– (299. 2 FILTRO DE PÓ PARA SUB-BASTIDOR DE VENTILADOR 19” - 3AL 80371 AA–– (299. de Peça de ANV (No.0/2.101.010 J) 8 - 52 CONECTOR MACHO 1.110.066 S) 9 - 50 130 - 51 ACESSÓRIOS DO LADO DO ESCRITÓRIO Todos os direitos reservados.144.3 (4. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.3 - 1AB158340001 (040.

3 A unidade fornece: Interface de Linha 2xSTM1 ou 1xSTM4. 18 Portas a serem usadas com o Booster. A ser usado em configurações protegidas EPS. 2 Os extratores são usados para remover o módulo ótico e elétrico das placas STM–N. A ser usado para executar apenas o software “SDH”. é necessário instalar um “Sub-bastidor de Ventilador” no Bastidor que abriga o 1650SMC 15 A porta necessita de um cartão de acesso com 4 interfaces elétricas STM–1. A ser usado para executar o software “SDH” e “ATM” 7 Como se pretende portas de Baixa Velocidade. ED 01 955. A transmissão e a cópia deste documento.110. as portas de velocidade de 2 Mbit/s. Nota Explicação 1 É o sub-bastidor do equipamento. 6 Contém o banco de dados do equipamento. 16 As portas não necessitam de cartão de acesso. 12 Cada porta desta placa pode ser configurada como 140 Mbit/s ou STM–1. funções de Matriz e Sincronização.2. Perceba que diferentes tipos de módulo de acesso (elétrico e ótico. Notas Explicativas Todos os direitos reservados.3 Notas Explicativas Tabela 16. 13 A porta necessita de quatro (elétrico ou ótico) módulos para ser integralmente conectada. 4 A unidade COMPACT–ADM4 realiza as mesmas funções que a COMPACT–ADM1. 14 Quando a placa P4E4N é usada. Inclui o painel traseiro. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. mas pode hospedar duas interfaces STM1 ou duas interfaces STM4. também de características e conectores diferentes) podem ser inseridos no cartão de porta ou no cartão de acesso. 19 A placa tem #11 interfaces RJ45 20 Um módulo Ótico STM–1 “SMOPT” pode ser equipado na frente da unidade 21 Até um módulo pode ser inserido opcionalmente na placa IP4x4 22 Cartão de acesso LS Protegido.542 V 3AL 80754 AA AA 76/356 . 10 Como se pretende portas PDH de Alta Velocidade. Dois módulos devem ser inseridos no painel frontal do cartão e dois no cartão de acesso correspondente painel frontal 2 x STM–1 (A2S1). Controlador de Equipamento. 17 Portas fornecidas com diferentes tipos de conectores. 5 Contém o banco de dados do equipamento. 8 A ser usado com cartão de acesso A21E1. Permite conexão bidirecional de até vinte e um canais de 2 Mbit/s. 9 A placa suporta a funcionalidade NT. Três cartões de acesso A21E1 são necessários para conectar integralmente os canais de porta. 11 A mesma placa pode ser usada como 3x34 Mbit/s ou 3x45Mbit/s porém seus cartões de acesso correspondentes são separados (isto é A3E3 para 3x34 Mbit/s). Controlador de Sub-bastidor. monitoramento de desempenho e re-temporização em 2 Mbit/s ISDN–PRA. as portas 34 Mbit/s e 45 Mbit/s.2.

interface Q. 24 Cartão de acesso HS dedicado ao cartão de porta 3x34. 43 Conjunto necessário para instalar no bastidor Optinex. Permite a conexão bidirecional de até três canais de 45 Mbit/s. Nota Explicação 23 Cartão de acesso LS atendendo às normas ITU K20. 33 Até 2 desses módulos são inseridos nos seguintes cartões: P4S1N. Apenas o CONGI no slot 4 fornece conectores externos para preparação. Apenas um desses módulos pode ser inserido no ATM matriz 4X4 (não operacional neste release). ED 01 955. A transmissão e a cópia deste documento. Ambos os cartões CONGI (slot 4 e 5) fornecem alarmes remotos. 26 O cartão de acesso necessita de até 2 módulos óticos ou elétricos a serem inseridos dentro dele 27 Cartão de acesso HS a ser usado para a porta elétrica 4 x STM–1. 42 Conjunto necessário para instalar no bastidor S9.110. 35 Módulos óticos a serem usados com o Booster 36 Interface ÓTICA multimodo de encaixe STM1.5/125um.651 50/125um. A2S1 e SYNTH1N para realizar conexões óticas para um máximo de 2 canais STM–1. P4E4N. para uso com fibra G. interface LAN. 31 Fornece dois níveis de tensão para todos os cartões. para uso com fibra 62. 28 A ser usado no esquema de proteção EPS como cartão de acesso para a porta elétrica HS ( 3x34 Mbit/s ou 3x45 Mbit/s e 155 Mbit/s). o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. lâmpadas de bastidor.542 V 3AL 80754 AA AA 77/356 . 37 Interface ÓTICA multimodo de encaixe STM1.Todos os direitos reservados. 29 A placa possui #14 interfaces RJ45 30 Fornece os conectores para os canais auxiliares e as interfaces de sincronização. Permite a conexão bidirecional de até 4 canais. 38 Apenas um desses módulos pode ser colocado no slot superior da placa SYNTH1N 39 É essencial inserir as placas falsas relevantes nos espaços deixados pelas unidades de módulos de porta ou acesso não fornecidas a fim de obter os desempenhos EMI/EMC. 32 CONGI 3 fios para Alcatel SEL. 41 Adaptador mecânico usado para inserir o sub-bastidor no bastidor de 21”. A2S1 e SYNTH1N para realizar conexões elétricas para um máximo de 2 canais STM–1 ou 140 Mbit/s. 34 Até 2 desses módulos são inseridos nos seguintes cartões: P4S1N. Permite a conexão bidirecional de até três canais de 34 Mbit/s. Apenas um desses módulos pode ser inserido no ATM matriz 4X4 (não operacional neste release). 40 Aparelho de telefone opcional associado à unidade SERGI. P4E4N. 25 Cartão de acesso HS dedicado ao cartão de porta 3x45.

todo o SUB-BASTIDOR DE VENTILADORES DE 19” será equipado. A transmissão e a cópia deste documento. apenas o lado direito do SUBBASTIDOR DE VENTILADORES DE 19” será equipado. Isto significa que: 1) Se um 1650SMC é instalado no lado esquerdo do Bastidor.542 V 3AL 80754 AA AA 78/356 . Permite a conversão 75/120 Ohm. Ao final da fase de instalação todos os conectores não usados para cabeamento devem ser cobertos com as relevantes “capas de proteção” 47 A ser usado para desempenho EMC. 52 A ser usado apenas com o cartão de porta SERGI. todo o SUB-BASTIDOR DE VENTILADORES DE 19” será equipado.110. 56 Duas unidades de ventiladores para cada 1650SMC são necessárias no sub-bastidor de ventiladores ED 01 955.Todos os direitos reservados. Um para cada INTERFACE ELÉTRICA 140/155 (ICMI) 48 É necessário para instalação de cabo coaxial de 2 Mbit/s 120 Ohm 49 Adaptador mecânico usado para inserir o sub-bastidor no bastidor de 21”. 2) Se um 1650SMC é instalado no lado direito do Bastidor. 4) Se um 1650SMC é instalado em um Bastidor de 19” usando o adaptador dedicado. de peça do software são dados no Manual do Operador. 53 A ser usado para as conexões elétricas de 34/45 Mbit/s e STM–1 54 Detalhes relacionados ao No. 50 Conectores requeridos para tributário de 120 ohms 51 A ser usado para as conexões de 2 Mbit/s e para o sincronismo no cartão SERGI. 55 O SUB-BASTIDOR DE VENTILADORES DE 19” é duas vezes mais largo que um Bastidor 1650SMC. apenas o lado esquerdo do SUBBASTIDOR DE VENTILADORES DE 19” será equipado. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. 3) Se dois 1650SMC estiverem lado a lado no Bastidor. Nota Explicação 44 A ser usado para a proteção de tensão do sub-bastidor externo apenas com bastidor S9 45 A ser usado para a proteção de tensão do sub-bastidor externo apenas com bastidor Optinex 46 Capas de proteção a serem usadas para respeitar a precaução ESD.

7. o “cartão de acesso HPROT de proteção” deve ser inserido no slot 1).1. P63E1N 6 (principal) 7 (sobressalente) Acrônimo do Cartão de Acesso Slot do Cartão de Acesso A21E1 1 (CH. 1–3) Apenas um esquema de proteção reversivo N+1 (N δ 2) EPS pode ser criado (para maiores detalhes ver ponto [3] do parágrafo 3. – Insira o cartão de acesso de proteção (HPROT) especial associado ao cartão de porta de proteção obedecendo a regra relatada na Tabela 19 na página 79 (por exemplo. Tabela 19.542 V 3AL 80754 AA AA 79/356 . 1–21) A21E1 2 (CH. 1–3) P3E3T3 8 A3E3 3 (CH. 1–3) Um ou mais esquemas de proteção reversivos N+1 (N δ 2) EPS podem ser criados (para maiores detalhes ver ponto [3] of parágrafo 3.110. 1–3) P3E3T3 7 A3E3 2 (CH. Relação entre o cartão de porta P3E3T3 (Unidade cambiável 3X34/45 Mbit/s) e o cartão de acesso (3X34 Mbit/s) Acrônimo do Cartão de Porta Slot do Cartão de Porta Acrônimo do Cartão de Acesso Slot do Cartão de Acesso P3E3T3 6 A3E3 1 (CH.2. se o “cartão de porta de proteção” foi inserido no slot 6. Relação entre o cartão de porta P63E1. – Insira o cartão de acesso de proteção (HPROT) especial associado ao cartão de porta de proteção obedecendo a regra relatada na Tabela 18 na página 79 (por exemplo.1. P63E1N (unidade de 63 X 2 Mbit/s) e o cartão de acesso A21E1 Acrônimo do Cartão de Porta Slot do Cartão de Porta P63E1. as seguintes regras de configuração devem ser respeitadas: – Insira o cartão de porta de proteção em um slot na extrema esquerda do grupo de cartões de porta protegidos. 1–3) P3E3T3 7 A3T3 2 (CH. 22–42) A21E1 3 (CH.1 na página 164). se o “cartão de porta de proteção” foi inserido no slot 6. o “cartão de acesso HPROT de proteção” deve ser inserido no slot 1). as seguintes regras de configuração devem ser respeitadas: – Insira o cartão de porta de proteção em um slot na extrema esquerda do grupo de cartões de porta protegidos. Em caso de configuração EPS.7. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. 1–3) P3E3T3 8 A3T3 3 (CH.1 na página 164). 43–63) Tabela 18. Relação entre o cartão de porta P3E3T3 (unidade cambiável 3X34/45 Mbit/s) e o cartão de acesso A3T3 (3X45 Mbit/s) Acrônimo do Cartão de Porta Slot do Cartão de Porta Acrônimo do Cartão de Acesso Slot do Cartão de Acesso P3E3T3 6 A3T3 1 (CH. A transmissão e a cópia deste documento.3 Relação entre o Cartão de Porta e o Cartão de Acesso Todos os direitos reservados. Em caso de configuração EPS. ED 01 955. Tabela 17.

P4E4N (CH. 3–4) Tabela 21. 1 to 11) 8 ETH–ATX 3 (CH. Relação entre o cartão de porta ETH–MB (11x10/100 Mb/s Ethernet) e o cartão de acesso ETH– ATX. 1 to 4) Um ou mais esquemas de proteção reversivos N+1 (N δ 2) EPS podem ser criados (para maiores detalhes ver ponto [3] of parágrafo 3. 12 to 25) ETH–MB (CH. Relação entre o cartão de porta P4ES1N (4xSTM–1 Elétrico) e o cartão de acesso A4ES1. O cartão de porta de alta velocidade STM–4 não necessita de Cartão de Acesso porque a terminação física do canal está na porta em si. A transmissão e a cópia deste documento. 3–4) 3 (CH. ED 01 955. o “cartão de acesso HPROT de proteção” deve ser inserido no slot 1). Acrônimo do Cartão de Porta Slot do Cartão de Porta Acrônimo do Cartão de Acesso Slot do Cartão de Acesso ETH–MB (CH. 1 to 4) P4ES1N 7 A4ES1 2 (CH. Tabela 20. Acrônimo do Cartão de Porta Slot do Cartão de Porta Acrônimo do Cartão de Acesso Slot do Cartão de Acesso P4ES1N 6 A4ES1 1 (CH. 1 to 4) P4ES1N 8 A4ES1 3 (CH. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. P4E4N e o cartão de acesso A2S1 Acrônimo do Cartão de Porta Slot do Cartão de Porta Acrônimo do Cartão de Acesso P4S1N. 12 to 25) Tabela 22. P4E4N (CH. P4E4N (CH. 1–2) 8 A2S1 Slot do Cartão de Acesso 1 (CH. 12 to 25) ETH–MB (CH. as seguintes regras de configuração devem ser respeitadas: – Insira o cartão de porta de proteção em um slot na extrema esquerda do grupo de cartões de porta protegidos.1.110.542 V 3AL 80754 AA AA 80/356 . 1–2) 7 A2S1 P4S1N. 1 to 11) 6 ETH–ATX 1 (CH. Relação entre o cartão de porta P4S1N. se o “cartão de porta de proteção” foi inserido no slot 6.1 na página 164).Todos os direitos reservados.7. 3–4) 2 (CH. 1–2) 6 A2S1 P4S1N. Em caso de configuração EPS. 1 to 11) 7 ETH–ATX 2 (CH. – Insira o cartão de acesso de proteção (HPROT) especial associado ao cartão de porta de proteção obedecendo a regra relatada na Tabela 22 na página 80 (por exemplo.

A transmissão e a cópia deste documento.3 na página 103 mostra a vista frontal do Sub-bastidor de Ventiladores.1 na página 82 mostra a vista frontal dos Cartões de porta Parágrafo 2. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.4.) presentes em cada unidade junto com a legenda e significado.2 na página 92 mostra a vista frontal dos Cartões de acesso Parágrafo 2.4.4 Vista frontal das unidades Os seguintes parágrafos mostram o ponto de acesso (chaves LEDs etc.542 V 3AL 80754 AA AA 81/356 . ED 01 955.2. Maiores detalhes: Todos os direitos reservados.110. Parágrafo 2.4.

A transmissão e a cópia deste documento. 7. 2. 7 P63E1N 6.542 V 3AL 80754 AA AA 82/356 . 7 P3E3/T3 6.1 Vista frontal do cartão de porta ACRÔNIMO SLOTS P63E1 6. SDH elétrico ED 01 955.Todos os direitos reservados. 7. 8 LEGENDA (1) LED de múltiplas cores: LED vermelho – alarme de unidade local LED verde – unidade em operação LED laranja – unidade em Espera (Stand–by) (esquema EPS) Figura 23.110. 8 P4ES1N 6. Vista frontal do cartão de porta PDH. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.4.

Vista frontal do cartão de porta 4 x STM–1 ou 4 x140 Mbit/s ED 01 955. 8 LEGENDA (1) Canal # 1 (Nota) (2) Canal # 2 (Nota) (3) LED de duas cores: LED vermelho – alarme de unidade local LED verde – unidade em operação Nota – A unidade pode ser equipada com módulos elétricos ou óticos (ver Figura 41 e Figura 42) Figura 24. A transmissão e a cópia deste documento. 8 P4E4N 6.110.Todos os direitos reservados. ACRÔNIMO SLOTS P4S1N 6. 7.542 V 3AL 80754 AA AA 83/356 . o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. 7.

8 L–4. 7. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.110.2N 6. 7.Todos os direitos reservados.1N 6. 8 L–4. Vista frontal do cartão de porta STM–4 ED 01 955.1N 6.542 V 3AL 80754 AA AA 84/356 . ACRÔNIMO SLOTS S–4. A transmissão e a cópia deste documento. 8 LEGENDA (1) Chave de reinício do Laser (2) Canal #1 (3) LED de duas cores: LED vermelho – alarme de unidade local LED verde – unidade em operação Figura 25. 7.

542 V 3AL 80754 AA AA 85/356 . 7.110. 8 Todos os direitos reservados. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Cartão ATM 4X4 – vista frontal ED 01 955. A transmissão e a cópia deste documento. LEGENDA (1) Chave de comando de reset (2) Canal #1 (Nota) (não operacional no Release atual) (3) LED vermelho – Alarme Urgente (Crítico ou Principal) (4) LED vermelho – Alarme Não Urgente (Menor) (5) LED amarelo – Armazenagem de alarme (Reconhecido) (6) LED amarelo – condição Anormal (7) LED amarelo – Alarme Indicativo (Aviso) (8) Botão de teste de lâmpadas (9) Uso da fábrica apenas (10) LED de cores múltiplas: LED vermelho – alarme de unidade local (INT) LED verde – unidade em operação LED laranja – unidade em Espera (Stand–by) (esquema EPS) Nota – a unidade pode ser equipada com módulos STM–1 elétricos ou óticos (ver Figura 41 e Figura 42) Figura 26.ACRÔNIMO SLOTS ATM4X4 6.

7. 8 LEGENDA (1) Uso da fábrica apenas (2) Chave de reinício do microprocessador (3) Não usado (4) a (7) canais Ethernet (8) LED de duas cores LED vermelho – alarme de unidade local LED verde – unidade em operação Figura 27. A transmissão e a cópia deste documento. Vista frontal Matriz IP 1 Gbit/s 4x Ethernet ED 01 955.Todos os direitos reservados.110. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.542 V 3AL 80754 AA AA 86/356 . ACRÔNIMO SLOTS IP1GETH 6.

Vista frontal Matriz IP 1 Gbit/s ED 01 955.542 V 3AL 80754 AA AA 87/356 . A transmissão e a cópia deste documento. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. LEGENDA (1) Uso da fábrica apenas (2) Chave de reinício do microprocessador (3) Não usado (4) O slot pode ser equipado com um módulo STM–1 (5) LED de duas cores LED vermelho – alarme de unidade local LED verde – unidade em operação Figura 28. 7.ACRÔNIMO SLOTS IP4X4 6.110. 8 Todos os direitos reservados.

110.542 V 3AL 80754 AA AA 88/356 . 7. 8 LEGENDA (1) a (11) Canais Ethernet (13) LED de duas cores LED vermelho – alarme de unidade local LED verde – unidade em operação Figura 29. A transmissão e a cópia deste documento. ACRÔNIMO SLOTS ETH–MB 6.Todos os direitos reservados. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Vista frontal porta Ethernet ED 01 955.

ACRÔNIMO SLOTS CONGI 4. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. A transmissão e a cópia deste documento.Todos os direitos reservados. 5 LEGENDA (1) Energia (2) Alarme de preparação e remoto (3) Lâmpada de bastidor (não usado no slot 5) (4) QMD (Q2) (não usado no slot 5) (5) I/O BNC para Q3 10 base 2 (não usado no slot 5) (6) RJ45 para Q3 10 base T (não usado no slot 5) (7) LED de duas cores LED vermelho – alarme de unidade local LED verde – unidade em operação Figura 30.542 V 3AL 80754 AA AA 89/356 .110. Interface de Controle e Geral ED 01 955.

703 2 canais RS–232 2 canais V. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste documento. ACRÔNIMO SLOTS SERGI 5 LEGENDA (1) Energia (2) Canais auxiliares: 2 canais G. Cartão SERGI ED 01 955. 2 Mbit/s: J1 – Entrada 2Mhz (T3) ou Entrada 2Mbit/s (T6) J2 – Canal de Entrada de 2 Mbit/s J3 – Saída 2 MHz (T4) ou Saída 2Mbit/s (T5) J4 – Canal de Saída de 2 Mbit/s (4) Ponto de extensão telefônica de quatro fios (RJ11) (5) LEDs de seleção de zona Z1–Z4 EOW (Nota 1) (6) LEDs L1–L2 estado de chamada seletiva e múltipla (Nota 2) (7) Conector de telefone (8) Tecla de linha ocupada (9) Tecla de seleção de zona EOW (10) Tecla de comando de reset (11) LED de duas cores LED vermelho – alarme de unidade local LED verde – unidade em operação Nota 1 – Para detalhes ver Tabela 33 na página 298 Nota 2 – Para detalhes ver Tabela 34 na página 299 e Tabela 35 na página 299 Figura 31.542 V 3AL 80754 AA AA 90/356 .110.11 (3) Aux e Sinc.

quando desligado. ACRÔNIMO SLOTS SYNTH1N 9.542 V 3AL 80754 AA AA 91/356 . Cartão SYNTH1N / SYNTH4 – vista frontal ED 01 955.110.Todos os direitos reservados. significa unidade em espera (stand-by) (11) LED de duas cores LED vermelho – alarme de unidade local (INT) LED verde – unidade em operação (12) Botão de armazenamento de alarme (Reconhecido) (13) Botão de teste de lâmpada Nota – a unidade pode ser equipada com módulos elétricos ou óticos (ver Figura 41 e Figura 42) Figura 32. 10 SYNTH4 9. A transmissão e a cópia deste documento. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. significa unidade ativa. 10 LEGENDA (1) Tecla de comando de reset (2) Canal #1 (Nota) (3) Canal #2 (Nota) (4) Conector de Microcomputador (interface F) (5) LED vermelho – Alarme Urgente (Crítico ou Principal) (6) LED vermelho – Alarme Não Urgente (Menor) (7) LED amarelo – Armazenagem de alarme (Reconhecido) (8) LED amarelo – condição Anormal (9) LED amarelo – Alarme Indicativo (Aviso) (10) LED verde – quando ligado.

4. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. 2.2 Vista frontal de cartões de acesso ACRÔNIMO SLOTS A21E1 1a3 LEGENDA (1) – (21) sinais de dados de 2 Mbit/s (22) LED de duas cores LED vermelho – alarme de unidade local (INT) LED verde – unidade em operação Figura 33.110.0/2 do cartão de acesso . Conectores 1.542 V 3AL 80754 AA AA 92/356 .3 21 x 2 Mbit/s 75 ohm ED 01 955.Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste documento.

542 V 3AL 80754 AA AA 93/356 .110. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. LEGENDA (1) Canais conectores # 1 a 7 (2) Canais conectores # 8 a 14 (3) Canais conectores #15 a 21 (4) LED de duas cores LED vermelho – alarme de unidade local (INT) LED verde – unidade em operação Figura 34. Cartão de acesso 21 X 2 Mbit/s 120 Ohm ED 01 955.ACRÔNIMO SLOTS A21E1 1a3 Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste documento.

A transmissão e a cópia deste documento. ACRÔNIMO SLOTS A2S1 1a3 LEGENDA (1) Canal #3 (Nota) (2) Canal #4 (Nota) (3) LED de duas cores LED vermelho – alarme de unidade local (INT) LED verde – unidade em operação Nota – a unidade pode ser equipada com módulos elétricos ou óticos (ver Figura 41 e Figura 42) Figura 35. Adaptador (cartão de acesso) 2 x 140/STM–1– vista frontal ED 01 955.542 V 3AL 80754 AA AA 94/356 . o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.Todos os direitos reservados.110.

ACRÔNIMO SLOTS A3E3 1a3 LEGENDA (1) Canal #1 (2) Canal #2 (3) Canal #3 (4) LED de duas cores LED vermelho – alarme de unidade local (INT) LED verde – unidade em operação Figura 36.542 V 3AL 80754 AA AA 95/356 .Todos os direitos reservados. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Cartão de acesso 3 x 34 Mbit/s 75 ohm ED 01 955. A transmissão e a cópia deste documento.110.

110.ACRÔNIMO SLOTS A3T3 1a3 Todos os direitos reservados. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. LEGENDA (1) Canal #1 (2) Canal #2 (3) Canal #3 (4) LED de duas cores LED vermelho – alarme de unidade local (INT) LED verde – unidade em operação Figura 37. A transmissão e a cópia deste documento. Cartão de acesso 3 X 45 Mbit/s 75 ohm ED 01 955.542 V 3AL 80754 AA AA 96/356 .

o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.110. A transmissão e a cópia deste documento.ACRÔNIMO SLOTS ETH–ATX 1a3 Todos os direitos reservados.542 V 3AL 80754 AA AA 97/356 . Vista frontal de acesso de Ethernet ED 01 955. LEGENDA (1) a (14) canais Ethernet (15) LED de duas cores LED vermelho – alarme de unidade local LED verde – unidade em operação Figura 38.

Todos os direitos reservados.542 V 3AL 80754 AA AA 98/356 .110. A transmissão e a cópia deste documento. Cartão de acesso 4 X STM–1 ED 01 955. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. ACRÔNIMO SLOTS A4ES1 1a3 LEGENDA (1) Canal #1 (2) Canal #2 (3) Canal #3 (4) Canal #4 (5) LED de duas cores LED vermelho – alarme de unidade local (INT) LED verde – unidade em operação Figura 39.

A transmissão e a cópia deste documento.542 V 3AL 80754 AA AA 99/356 . Proteção de Alta Velocidade – vista frontal ED 01 955.110. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. LEGENDA (1) LED de duas cores LED vermelho – alarme de unidade local LED verde – unidade em operação Figura 40. 2 Todos os direitos reservados.ACRÔNIMO SLOTS HPROT 1.

1 IL–1.542 V EQUIPADO NAS PORTAS P4S1N P4E4N ATM4X4 A2S1 Figura 41. ACRÔNIMO IS–1.1 IL–1.Todos os direitos reservados. Módulo ótico STM–1 ou STM–4 01 3AL 80754 AA AA 100/356 .110.2 MM1 ED 955. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. A transmissão e a cópia deste documento.

Todos os direitos reservados. ACRÔNIMO ICMI ED 955. Módulo elétrico STM–1 ou 140 Mbit/s 01 3AL 80754 AA AA 101/356 .110. A transmissão e a cópia deste documento.542 V EQUIPADO NAS PORTAS P4S1N P4E4N ATM4X4 A2S1 Figura 42. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

110.Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste documento. Instalação Ótica STM–1 transporte curto SC/PC vista frontal ED 01 955. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. ACRÔNIMO EQUIPADO NAS PORTAS SMOPT IP4X4 Figura 43.542 V 3AL 80754 AA AA 102/356 .

(1) LED de cores múltiplas: LED vermelho – alarme de unidade local LED laranja – temperatura maior que 55° C LED verde – unidade em operação (2) Conector da Bateria A (3) Conector da Bateria B (4) Conector de alarmes para 1650SMC no lado esquerdo do Bastidor (5) Não usado (6) Conector de alarmes para 1650SMC no lado direito do Bastidor Figura 44.4. A transmissão e a cópia deste documento. Vista frontal do Bastidor de Ventiladores de 19” ED 01 955. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.542 V 3AL 80754 AA AA 103/356 .3 Vista frontal de Sub-bastidor de Ventiladores de 19” LEGENDA Todos os direitos reservados.110.2.

ED 01 955.542 V 3AL 80754 AA AA 104/356 Todos os direitos reservados.110. . o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. A transmissão e a cópia deste documento.

1. todas as Funções de Terminal de Transporte (TTF) e Assembler de Ordem Mais Alta (HOA) são realizadas. Cada unidade suporta 3 interfaces. – ”Unidade de 34 Mbit/s / 45 Mbit/s” fornece a interface para mapeamento assíncrono de sinais G. ED 01 955.1. Diagrama de blocos TTF e HOA • Unidade PDH Elétrica de 2 ou 34/45 Mbit/s Diferentes unidades PDH Elétricas estão disponíveis: – ”Unidade PDH Elétrica de 2 Mbit/s” fornece a interface para o mapeamento assíncrono de sinais G.2. as unidades empregadas no 1650SMC e as funções operacionais em geral: • ADM COMPACTA Há dois tipos de unidades ADM Compactas: – um (Compact ADM1 também chamado SYNTH1N) gerencia 2 STM1 ou 1 STM4. A seleção do modo de operação (3 x 34 Mb/s ou 3 x 45 Mb/s) é controlada através de software.3 DESCRIÇÃO FUNCIONAL 3. o casamento de impedância é realizado no nível de “cartão de acesso”.1 Descrição Geral Todos os direitos reservados. – Matriz que realize as funções HPC. • HOA: é constituído de HPT e HPA que são descritos em detalhes no Parágrafo 3. estão ilustradas. os dois blocos acima incluem: • TTF: a funcionalidade SPI (fisicamente no Cartão de Acesso).1. Dois diferentes módulos de acesso são usados para as aplicações de 34 Mb/s e 45 Mb/s. Relacionados à Figura 45 na página 105 e Figura 50 na página 113. MST. Da Figura 48 na página 111 até a Figura 51 na página 114.2. LPC e de proteção – Funções de sincronização – Função de controlador de equipamento – Função de controlador de bastidor Figura 45. RST.703 de 2 Mbit/s no SDH VC12s.110.1. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. MSP. em formato de diagrama de blocos. em cada porta. Cada unidade suporta 63 interfaces.703 de 34 Mbit/s ou 45 Mbit/s no SDH VC–3s. A transmissão e a cópia deste documento.542 V 3AL 80754 AA AA 105/356 . A unidade é a mesma para aplicações de 75 Ω e 120 Ω. MSA que são descritas em detalhe no Parágrafo 3. – o outro (Compact ADM1 também chamado SYNTH1N) gerencia 2 STM1 ou 2 STM4 A unidade fornece a seguinte funcionalidade: – Até duas portas STM–N óticas/elétricas.

A seleção do modo operacional (por porta) é controlada através de software: – Quando o modo 140 Mbit/s é selecionado. As funções realizadas são TTF e HOA. LPT (ver Figura 46 na página 106 e Figura 48 na página 111) Figura 46. ED 01 955. os outros dois estão no Cartão de Acesso. Diagrama de blocos LOI • Unidade 4 x 140 Elétrica ou 155 Mbit/s E/O A unidade fornece quatro interfaces 140 PDH elétricas ou interfaces 155 Mbit/s STM–1 Elétrica/Óticas.) • Unidade 1 X STM–4 A unidade ótica 1 x STM–4 fornece uma interface ótica STM–4. Dois dos quatro blocos PPI estão presentes na placa. LPA. Para cada STM–1. Vários tipos de transporte curto e longo estão disponíveis. HPT (ver Figura 47 na página 106 e Figura 48 na página 111). LPA. A transmissão e a cópia deste documento. As funções realizadas são TTF e HOA. Figura 47. Dois dos quatro blocos SPI estão presentes na placa. A função SPI está fisicamente no Cartão de Acesso. as funções realizadas são TTF e HOA. o VC–4 pode ser não estruturado ou estruturado em VCs de ordem mais inferior. Para ambas as unidades o bloco de Interface de Ordem Mais Inferior (LOI) inclui a funcionalidade PPI (fisicamente no Cartão de Acesso). os outros dois estão no Cartão de Acesso. As funções realizadas são TTF e HOA. (ver Figura 48 na página 111.). • Unidade Elétrica/Ótica de 4 x155 Mbit/s A unidade fornece quatro interfaces STM–1 elétricas ou óticas bidirecionais.). a porta fornece uma interface para o mapeamento assíncrono de sinais G. Qualquer combinação de elétrico ou ótico (transporte curto ou longo) é possível na mesma unidade. o VC–4 pode ser não estruturado ou estruturado em VCs de ordem mais inferior. (ver Figura 45 na página 105 e Figura 48 na página 111. • Unidade elétrica de 4 x155 Mbit/s A unidade fornece quatro interfaces STM–1 elétricas bidirecionais. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. (ver Figura 48 na página 111. Diagrama de blocos de HOI – Quando o modo de 155 Mbit/s STM–1 é selecionado. As funções realizadas no bloco de Interface de Ordem Mais Alta (HOI) são: PPI (fisicamente no Cartão de Acesso).110.703 140 Mbit/s no SDH VC–4. Para cada STM–1. os outros dois estão no Cartão de Acesso.Todos os direitos reservados. o VC–4 pode ser não estruturado ou estruturado em VCs de ordem mais inferior. Dois dos quatro blocos SPI estão presentes na placa.542 V 3AL 80754 AA AA 106/356 .

direcionado para o engine de roteamento de IP e vindo deste. • MATRIZ IP O 1650SMC pode hospedar dois tipos de matriz IP (genericamente placa ISA IP): – MATRIZ IP 1 GBit/s 4x Ethernet (quatro interface 10/100 Base T Ethernet na frente da unidade) – MATRIZ IP 1 GBit/s. referida como LOCAL.• ATM MATRIZ 4X4 É uma placa de largura de um slot que integra uma funcionalidade de comutação ATM e também inclui uma porta de acesso local STM–1 no painel frontal. tais como “Shaping” (conformação) e “Policing” (inspeção) (as quais são necessárias para evitar a congestão da rede) são suportadas. Podem ser usados em conjunto com o módulo de acesso relevante o qual é capaz de fornecer 14 interfaces Ethernet adicionais. Funções de controle de tráfego ATM. A capacidade é de 622 Mbit/s. de acordo com as recomendações relevantes da ITU–T. Portas tradicionais de tráfego. podem ser configuradas para transportar tráfego de IP como carga útil. A transmissão e a cópia deste documento. VC–4) • Unidade SERGI A unidade fornece as seguintes funcionalidades: – Fonte de alimentação – Canais auxiliares – Fio de Pedido de Engenharia (EOW) – Entrada/Saída de 2 MHz ED 01 955. do 1650SMC. um Módulo ótico STM–1 pode ser equipado como opcional na placa. VC–4.542 V 3AL 80754 AA AA 107/356 . deve ser realizada da porta física para a porta de matriz de roteamento de IP desejada. As interfaces 10/100 Base T full duplex devem ser usadas para realizar conexões ponto a ponto livres de colisão para dispositivos externos. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. pacotes de IP são desencapsulados da carga útil do quadro e enviados ao engine de roteamento para novo processamento. Todos os conectores de acesso estão no painel frontal da unidade. através da matriz SDH. O tráfego de IP pode ser mapeado nos Containers Virtuais SDH VC–12. VC–3. • Unidade ETHERNET A unidade é capaz de fornecer 11 interfaces 10/100 Mb/s Ethernet para permitir conexão LAN para LAN. VC–3. Quadros de Ethernet são mapeados sobre um SDH VC (VC–12. Um módulo Ethernet com 4 interfaces 10/100 Base T é equipado na “MATRIZ IP 1 GBit/s 4x Ethernet”.110. Como no caso do ATM. uma interconexão. E3 e T3 PDH. referida como INDIRETA. – A última. Um módulo ótico STM–1 pode ser usado como opcional na “MATRIZ IP 1 GBit/s”. e VC4–4c e nos sinais PDH E1. Quadros de Ethernet são terminados na camada 2. está localizada em diferentes unidades (portas tradicionais de tráfego) equipada no 16660SM. Todos os direitos reservados. Essas interfaces estão diretamente conectadas ao engine de roteamento na Placa de IP. estão localizadas no painel frontal da unidade ISA IP. o mecanismo oposto é usado para enviar os pacotes de IP através dessas interfaces. Ambas as placas podem usar dois conjuntos de interface: – A anterior.

1.8 na página 189) [9] Subsistema Auxiliar (ver parágrafo 3.3 na página 135) [4] Subsistema de IP (ver parágrafo 3.1.542 V 3AL 80754 AA AA 108/356 .1.1. Por outro lado.11 na página 196) Nos parágrafos seguintes.1.1.7 na página 163) [8] Subsistema de sincronização (ver parágrafo 3.110. é dada uma descrição detalhada de cada subsistema.4 na página 144) [5] Subsistema de ETHERNET (ver parágrafo 3.6 na página 157) [7] Subsistema de Proteção (ver parágrafo 3. A unidade fornece as seguintes funcionalidades: – Fonte de alimentação – Interface QB3 – Alarme de preparação e remoto – Interface Q2/RQ2 • Cartões de Acesso Fornecem a interface física para os diferentes tipos de sinais • Cartão de Proteção A unidade permite a proteção de EPS para a unidade elétrica de 34/45 Mbit/s e 155 Mbit/s As funções realizadas pela unidade podem ser divididas nos seguintes subsistemas: [1] Subsistema de conexões (ver parágrafo 3. Para cada subsistema.10 na página 193) [11] Subsistema de inventário remoto (ver parágrafo 3. Note que a Fonte de Alimentação na Placa (Conversor CC/CC na Figura 48 na página 111) está presente em cada cartão e que a função de Controlador é centralizada (EC e SC). o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.5 na página 150) [6] Subsistema de Controlador (ver parágrafo 3.• Unidade CONGI Todos os direitos reservados.1. ED 01 955. A transmissão e a cópia deste documento. Cada função lógica não corresponde necessariamente a um cartão físico mas pode ser distribuído sobre mais de um cartão.1.1 na página 115) [2] Subsistema de gerenciamento de sinal (ver parágrafo 3.2 na página 117) [3] Subsistema de gerenciamento de ATM (ver parágrafo 3. a lista de cartões envolvidos e um breve resumo da função detalhada nos parágrafos seguintes são relatados na Tabela 23 na página 109 .1.9 na página 191) [10] Subsistema de fonte de alimentação (ver parágrafo 3.1.1. um cartão pode abrigar mais de uma função.

O COMPACT ADM realiza as funções EC e SC. Tabela 23. Todas as portas (LS e HS). módulo de acesso e Matriz SDH (sobre COMPACT–ADM) No parágrafo são explicados os tipos de conexões ETHERNET suportados pelo sistema. COMPACT ADM O sistema de controle é centralizado. COMPACT ADM As seguintes proteções de rede são explicadas: – MSP linear – SNCP/I e SNCP/N (entre VC–4 apenas) – Retirar e Continuar + inserção (Drop & Continue + insertion) SNCP – Interconexão em anel de nó simples colapsado – Interconexão em anel de nó duplo colapsado O cartão COMPACT ADM gerencia todas as proteções. A descrição em atendimento à Recomendação G. Gerência de IP Gerência de ETHERNET Controlador Proteções de rede Proteção Proteções de Equipamento ED Porta de 63x2 Mbit/s (N+1) Porta de 3x34/45 Mbit/s (N+1) Porta elétrica de 155 Mbit/s (N+1) ATM 4X4 MATRIZ (1+1) CONGI e SERGI (apenas para fonte de alimentação) COMPACT ADM (apenas função de matriz. A transmissão e a cópia deste documento. Subsistemas e cartões envolvidos Subsistema Cartão envolvido Breve descrição Conexões COMPACT ADM e portas No parágrafo é explicado como o sinal é gerenciado entre a porta e o COMPACT ADM Gerência de Sinal Todas as portas (LS e HS) Módulos de Acesso No parágrafo é explicado como os sinais PDH e SDH são elaborados nas portas. Gerência de ATM ATM 4 X4 MATRIZ e Matriz SDH (sobre COMPACT . sincronização e SC) O cartão COMPACT ADM controla as proteções de EPS.Todos os direitos reservados.783 ITU–T. 01 955.ADM) No parágrafo são explicados os tipos de conexões ATM suportados pelo sistema. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.542 V 3AL 80754 AA AA 109/356 . Porta Ethernet.110. MATRIZ IP e No parágrafo são explicados os tipos de conexões IP suportados pelo sistema.

o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.110. A transmissão e a cópia deste documento. EOW e AUX) são gerenciados.542 V 3AL 80754 AA AA 110/356 . CONGI e SERGI Todos os cartões. SERGI. Portas HS. COMPACT ADM Todos os cartões. distribuindo assim o clock e sincronismos para todos os cartões do equipamento. cartão de acesso e módulos A alimentação é distribuída para todos os cartões do equipamento. COMPACT ADM Todos os direitos reservados. Auxiliar Fonte de alimentação Inventário Remoto ED No parágrafo é explicado como os bytes OH (canais DCC.Subsistema Sincronização Cartão envolvido Breve descrição O COMPACT ADM realize a função de sincronização.3 V de serviço para alimentar cada cartão. No parágrafo é explicada a arquitetura do Inventário Remoto 01 955. Os cartões CONGI e SERGI fornecem os 48 V e os 3.

Diagrama de Bloco do 1650SMC – parte um ED 01 955. A transmissão e a cópia deste documento.542 V 3AL 80754 AA AA 111/356 Todos os direitos reservados. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.110. .Figura 48.

Diagrama de Bloco do 1650SMC – parte um ED 01 955.542 V 3AL 80754 AA AA 112/356 Todos os direitos reservados.110. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. A transmissão e a cópia deste documento.Figura 49. .

o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Diagrama de Bloco do 1650SMC – parte três (Unidades comuns e placas ISA) ED 01 955. A transmissão e a cópia deste documento.Todos os direitos reservados.542 V 3AL 80754 AA AA 113/356 . a Nota: (*) a 2 unidade CONGI pode ser equipada como alternativa à unidade SERGI Figura 50.110.

A transmissão e a cópia deste documento.(**) não operacional no release atual Figura 51. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.110. Diagrama de Bloco do 1650SMC – parte quatro (placas ISA) ED 01 955. .542 V 3AL 80754 AA AA 114/356 Todos os direitos reservados.

por exemplo: • • • • • • conexões entre portas de 2 Mbit/s e portas de 155 Mbit/s conexões entre portas de 34 Mbit/s e portas de 155 Mbit/s conexões entre portas de 45 Mbit/s e portas de 155 Mbit/s conexões entre portas de 140 Mbit/s e portas de 155 Mbit/s conexões VCn entre portas de 155 Mbit/s e portas de 155 Mbit/s conexões VCn entre portas do mesmo tipo A quantidade máxima de interconexões depende a capacidade da matriz e da composição do bastidor. tais como: • Unidirecional Ponto a Ponto • Unidirecional Ponto a Multiponto • Bidirecional Ponto a Ponto A capacidade da matriz é de 32 x 32 portas STM–1 equivalentes. STM–4 Mbit/s 45 Mbit/s PORTAS Portas de 2 Mbit/s Estrutura AU–4 TU–3 TU–12 VC–4 VC–3 VC–12 AU–4 Sim - - Sim - - TU–3 - Sim - - Sim - TU–12 - - Sim - - Sim 140 Mbit/s VC–4 Sim - - Sim - - 34Mbit/s 45Mbit/s VC–3 - Sim - - Sim - 2Mbit/s VC–12 - - Sim - - Sim STM–1 STM–4 As conexões acima permitem que o 1650SMC realize a configuração de Terminal Multi Linha.542 V 3AL 80754 AA AA 115/356 . configuração Add/Drop (Inserir/Retirar) e configurações Mini Interconexão em conexões lineares. 3.1 Subsistema de conexões Este subsistema permite conexões entre quaisquer portas SDH ou PDH (ver Figura 52 na página 116). e rede em malha conforme descrito no Capítulo 1 na página 55. Todas as portas podem ser de ordem mais inferior (isto é VC–12) estruturadas.1.110.Todos os direitos reservados. conforme segue: • • • • • ED 63 portas de 2 Mbit/s 9 portas de 34 ou 45 Mbit/s 12 portas de 140 Mbit/s 16 portas STM–1 3 portas STM–4 01 955. A transmissão e a cópia deste documento. Vários tipos de conexões podem ser estabelecidos. As conexões podem ser realizadas nos níveis VC–12. VC–3. A tabela a seguir ilustra as conexões para cada unidade: Tabela 24. e VC–4 usando uma matriz não bloqueadora na unidade COMPACT ADM. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Na Figura 52 na página 116 são descritos todos os tipos de conexões. Conexões de Ordem Mais Alta/ Ordem Mais Baixa para o 1650SMC Portas de Portas 34 Mbit/s 140 Portas STM–1. em anéis.

110. A transmissão e a cópia deste documento. NOTAS: (1) Conexões de 2 Mbit/s para 2 Mbit/s. conexões de 140 Mbit/s para STM–4 (5) Conexões de 140 Mbit/s para 155 Mbit/s. conexões de 34Mbit/s para 34 Mbit/s Conexões de 45 Mbit/s para 45 Mbit/s.Todos os direitos reservados.542 V 3AL 80754 AA AA 116/356 . Conexões de Ordem Mais Alta/Ordem Mas Baixa para o 1650SMC ED 01 955. conexões de 140 Mbit/s para STM–4 Figura 52. 140 Mbit/s para 140 Mbit/s. 155 Mbit/s para 155 Mbit/s (2) Conexões de 155Mbit/s para 155Mbit/s. conexões de 140 Mbit/s para STM–4 (4) Conexões de 140 Mbit/s para 155 Mbit/s. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. conexões STM–4 para 155 Mbit/s (3) Conexões de 140 Mbit/s para 155 Mbit/s.

G1. – Gerência do sinal do Lado A (sinal de taxa baixa de bit) para o Lado B (sinal de taxa alta de bit). • HPOM (Monitoramento de Overhead de Caminho de Ordem Mais Alta) Monitora o VC–n de ordem mais alta em relação a erros. Para cada porta. realiza a contagem de bloco BIP–24 com erro. REI e detecção de HP–RDI (Monitoramento de estado de caminho). • MSP (Proteção de Seção Multiplex) e MSPC (Conexão de Proteção de Seção Multiplex) Fornece proteção para o sinal STM–N contra falhas dentro de uma seção multiplex. interpretação de ponteiro TU. do lado A para o lado B).783 1994” Nos próximos parágrafos. realiza a detecção de alinhamento de quadro. contagem de bloco B1 BIP–8 com erro. mas retorna para o lado da fonte por meio da matriz (LPC. será explicada a gerência de sinal de porta SDH e PDH.1 Gerência de sinal de porta SDH (Para STM–1 e STM–4 ver Figura 53 na página 119) Descrição de Lado B para Lado A: • SPI (Interface Física Síncrona) Faz a interface do meio de transmissão físico.110. B3.2 Subsistema de Gerência de Sinal Todos os direitos reservados. um sinal pode não transitar através de todos os blocos funcionais (por ex. detecção de MS–RDI e MS–AIS.1.2. Extrai os bytes/bits de overhead independentes da carga útil (J1. recuperação de rastreamento de seção de regenerador e detecção de falta de alinhamento. • MSA (Adaptação de Seção Multiplex) Realiza interpretação de ponteiro AU4. • HSUT (Terminação Não Equipada de Supervisório de Ordem Mais Alta) Realiza a terminação de caminho não equipada recuperando informações de rastreamento de caminho. G1.1.542 V 3AL 80754 AA AA 117/356 . detecção de LOP e TU–AIS. Os blocos funcionais nesta descrição são similares àqueles descritos na aplicação do Terminal Craft. A transmissão e a cópia deste documento. • HPC (Conexão de Caminho de Ordem Mais Alta) Esta função determina VCs de Ordem Mais Alta de nível n em sua porta de entrada para VCs de Ordem Mais Alta de nível n em sua porta de saída.1.2. • RST (Terminação da Seção do Regenerador) Gerencia a seção bytes de overhead para a Seção de Regeneração.3. B1. • HPT (Terminação de Caminho de Ordem Mais Alta) Esta função recupera o estado de terminação de trilha. 3. • MST (Terminação de Seção Multiplex) Gerencia a seção de bytes de overhead para a seção Multiplex. regenera e decodifica o sinal de linha e detecta o alarme LOF. 3. justificação de ponteiro. B3) da camada VCn. detecção de LOP e AIS. e recupera o estado de terminação da trilha. a descrição é subdividida em duas partes: – Gerência do sinal do Lado B (sinal de taxa alta de bit) para o Lado A (sinal de taxa baixa de bit). ED 01 955.. Extrai os bytes de overhead independentes da carga útil J1. • HPA (Adaptação de Caminho de Ordem Mais Alta) Esta função fornece desmontagem de VC–4. usando um protocolo orientado por bit para os bytes MSP K1. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. HPC) realizando assim uma interconexão.1 Gerência de sinal referido como “G. contagem de Bloco VC4 BIP–8 com Erro. De qualquer forma. • LPOM (Monitor de Caminho de Ordem Mais Baixa) É usado por motivos de monitoramento do desempenho e para SNCP/n de ordem mais baixa.K2 e P.1. recuperação de MS–REI.

geração de AU–AIS. • MSA (Adaptação de Seção Multiplex) Realiza montagem de AUG. geração de ponteiro AU–4. recuperação de BIP–2. Descrição de Lado A para Lado B: • LSUT (Terminação Não Equipada de Supervisório de Ordem Mais Baixa) É usado para monitorar trilhas de caminho não equipada. • HPOM (Monitoramento de Overhead de Caminho de Ordem Mais Alta) Monitora os erros do VC-4 de ordem mais alta. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. • MST (Terminação de Seção Multiplex) Realiza o cálculo e inserção do BIP–24. • LPC (Conexão de Caminho de Ordem Mais Baixa) Determina VCs de ordem mais baixa do nível m em suas portas de entrada para VCs de ordem mais baixa de nível m em suas portas de saída. inserção de rastreamento de caminho de seção de regenerador. cálculo e inserção de VC–4 BIP–8. • HPA (Adaptação de Caminho de Ordem Mais Alta) Esta função fornece montagem de VC–4. VC–4 BIP–8. gerador de ponteiro TU. • LPOM (Monitor de Caminho de Ordem Mais Baixa) É usado por motivos de monitoramento do desempenho e para SNCP/n de ordem mais baixa. identificador de rastreamento de trilha.K2 e P. inserção de RDI e REI. REI e RDI. cálculo e inserção de BIP–8 (B1). A transmissão e a cópia deste documento. • RST (Terminação da Seção do Regenerador) Realiza a inserção de alinhamento de quadro. • LSUT (Terminação Não Equipada de Supervisório de Ordem Mais Baixa) É usado para monitorar o rastreamento de caminho não equipada. MS–RDI e MS–AIS. BIP–2.Todos os direitos reservados. recuperando rótulo de sinal VC– m não equipado. inserção de MS–REI. • LPC (Conexão de Caminho de Ordem Mais Baixa) Determina VCs de ordem mais baixa do nível m em suas portas de entrada para VCs de ordem mais baixa de nível m em suas portas de saída. inserção de rótulo de sinal. TU–AIS. • HPT (Terminação de Caminho de Ordem Mais Alta) Realiza inserção de identificação de rastreamento de caminho. • MSP (Proteção de Seção Multiplex) e MSPC (Conexão de Proteção de Seção Multiplex) Fornece proteção para o sinal STM–N contra falhas dentro de uma seção multiplex. usando um protocolo orientado por bit para os bytes MSP K1. • SPI (Interface Física Síncrona) Condicionamento de sinal para meio de transmissão. • HPC (Conexão de Caminho de Ordem Mais Alta) Esta função determina VCs de Ordem Mais Alta de nível n em sua porta de entrada para VCs de Ordem Mais Alta de nível n em sua porta de saída. e recupera o estado de terminação da trilha. insere rótulo de sinal VC–m não equipado. • HSUT (Terminação Não Equipada de Supervisório de Ordem Mais Alta) Gera e insere um container não equipado. rastreamento de caminho.110. O processo não afeta a natureza da informação característica do sinal. G1.542 V 3AL 80754 AA AA 118/356 . ED 01 955. RDI e REI. B1. O processo não afeta a natureza da informação característica do sinal. B3. Extrai os bytes de overhead independentes da carga útil J1.

o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.110. .542 V 3AL 80754 AA AA 119/356 Todos os direitos reservados. Diagrama de blocos de gerência de sinal SDH ED 01 955.Figura 53. A transmissão e a cópia deste documento.

45 Mbit/s ED 01 955. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Diagrama de blocos de gerência de sinal de 2Mbit/s. • PPI Este bloco fornece a interface entre o formato da unidade interna e o meio de transmissão físico.542 V 3AL 80754 AA AA 120/356 .3. Para dados assíncronos de usuário. Os 2. 45Mbit/s (VC–3) e 140Mbit/s (VC–4). Para os 34 Mbit/s e 45 Mbit/s. • LPA Extrai o POH do VC–12 (2 Mbit/s) ou VC–3 (34 Mbit/s e 45 Mbit/s). Os formatos de POH são definidos nas Recomendações G. Descrição de Lado A para Lado B: • LPT A função LPT termina e processa o POH para determinar o estado dos atributos de caminho definidos.1. Figura 54. Os 34 Mbit/s ou 45 Mbit/s são inseridos em um VC–3. LPT Para os 2. 34 Mbit/s. a adaptação de caminho de ordem mais inferior envolve justificação de bit. Gerência de porta de 2Mbit/s. LPA Este bloco adapta os dados do usuário para transporte no domínio síncrono.048 Mbit/s são inseridos em um VC–12. O sinal recebido é codificado por HDB3. 34Mbit/s (VC–3).110. que é sincronizado (enchimento) com o TU–12 correspondente.2 Gerência de sinal de porta PDH As portas gerenciadas são: 2Mbit/s (mapeada em VC–12). as funções LPT criam um VC–3 através da geração e adição de POH a um C–3. A transmissão e a cópia deste documento. (Ver Figura 54 na página 120) Descrição de Lado B para Lado A: • • • PPI Este bloco fornece a interface entre o meio de transmissão física e o formato da unidade interna. Um decodificador na interface física decodifica o sinal para o formato NRZ (sem retorno ao zero).2. 34 Mbit/s e 45 Mbit/s Todos os direitos reservados.1. Este codifica o sinal HDB3 para ser enviado on line.709. que é sincronizado com o TU–3 correspondente.708 e G.048 Mbit/s a função LPT cria um VC–12 através da geração e adição de POH a um C–12. As seguintes funções são associadas com cada porta PDH.

O sinal recebido é codificado por CMI.110. Figura 55. • HPT O Container Virtual (VC–4) é formatado. Descrição de Lado B para Lado A: • PPI Este bloco fornece a interface entre o meio de transmissão física e o formato da unidade interna. A transmissão e a cópia deste documento. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.Gerência de porta de 140 Mbit/s (Ver Figura 55 na página 121) Todos os direitos reservados. • PPI Este bloco fornece a interface entre o formato da unidade interna e o meio de transmissão física. Descrição de Lado A para Lado B: • HPT O HPT extrai e processa o POH para determinar o estado dos atributos de caminho definidos. Este codifica o sinal CMI para ser enviado on line. • LPA O fluxo plesiócrono de 140 Mbit/s é inserido em um container C4 para ser adaptado de forma a ser transportado na rede síncrona. Um decodificador na interface física decodifica o sinal para o formato NRZ (sem retorno ao zero).542 V 3AL 80754 AA AA 121/356 . • LPA Extrai o sinal de 140 Mbit/s do container C4. Diagrama de blocos de gerência do sinal de 140Mbit/s ED 01 955. O VC–4 é estruturado de forma que seus octetos são distribuídos dentro de um intervalo de 125 µs e consiste do container C4 e POH.

2 GERÊNCIA DE SINAL referida como “G.1 CONVENÇÕES DE NOMEAÇÃO DE FUNÇÃO ATÔMICA Cada camada característica da rede SDH é dividida em diferentes funções atômicas: – função de terminação de trilha: • Fonte (So): informação adicional é adicionada à informação característica para permitir monitoramento de trilha.2.542 V 3AL 80754 AA AA 122/356 . um sinal SSF é gerado para informar a próxima função a jusante.110.).1. um sinal TSF é gerado para informar a próxima função a jusante. alteração de taxa. 3. A transmissão e a cópia deste documento. A Recomendação ITU–T G. Cada função atômica é representada por um símbolo diferente e nomeada como segue: . Este parágrafo foi introduzido como auxílio ao entendimento dos termos usados para o Ponto de Terminação (T. multiplexação. Estes TPs podem ser acessados e gerenciados pelo operador por motivos de monitoramento de desempenho.P. – função de adaptação: • Fonte (So): A informação característica é adaptada do cliente para a camada do servidor • Redução (Sk): a informação característica é adaptada do servidor para a camada do cliente Os processos presentes em uma função de adaptação podem ser: codificação.783 descreve a característica SDH em termos de funções atômicas.1. A seguir serão explicadas as convenções de nomeação das funções atômicas e o processamento de sinal na porta SDH e PDH. conexão sub– rede rede) e é realizada pelo bloco funcional da matriz. justificação. • Redução (Sk): é extraída a informação relacionada ao monitoramento de trilha Se for detectada uma condição de falha de sinal do sinal de dados associados. Se for detectada uma condição de falha de sinal do sinal de dados associado. O TSF é usado na função HPOM (Snm) para acionar a proteção SNCP/MSP. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.2.3. – função de conexão: representa as funções de conexão dentro da rede (conexão de enlace. 783” Todos os direitos reservados.terminação de trilha TT: triângulo regras de nomeação: <camada>_TT[ _<direção>] exemplo: <OSn>_TT[ _<Sk>] – adaptação A: trapézio regras de nomeação: <camada>/<camada do cliente>_A[<direção>] exemplo: <OSn>/<RSn>_A[<Sk>] – conexão C: circulo ou elipse regras de nomeação: <camada>_C exemplo: <Sm>_C ED 01 955. alinhamento.2.

ITU_T G. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Função de Proteção de Sub-camada de Seção Multiplex (MSP): ED de Sinal 01 955.2.3. ITU–T G. a descrição é subdividida em duas partes: – Gerência de sinal do Lado B (sinal de taxa alta de bit) para Lado A (sinal de taxa baixa de bit).957).2 BLOCOS FUNCIONAIS DE PORTA SDH Todos os direitos reservados.542 V 3AL 80754 AA AA 123/356 . alarme de Degradação • M1: recuperação de MS–REI. (Para STM–1 e STM–4 ver Figura 56 na página 128) O sinal recebido é STM–1 elétrico codificado por CMI (Rec. • K2[6–8]: detecção de MS–RDI. A2: detecção de alinhamento de quadro. A transmissão e a cópia deste documento. • K2[6–8]: detecção de MS–AIS. • É detectada a inserção de AIS ou SSF c) Camada de Seção de Regenerador (RST) • Terminação de Trilha de Seção de Regenerador: RSn_TT_Sk • • • • J0: recuperação de rastreamento de seção de regenerador e detecção de descasamento (TIM) (não gerenciado neste release) B1: Contagem de Bloco BIP–8 com Erro: até a paridade de bit é computada e comparada com B1 recuperado do quadro atual. Para cada porta. • A1. Inserção de AIS se for detectado TIM Adaptação de camada de Seção de Regenerador para Seção Multiplex: RSn/MSn_A_Sk • Inserção de AIS sobre detecção de AIS d) Camada de Seção de Multiplex: • Terminação de Trilha de camada de Seção Multiplex (MST): MSn_TT_Sk • • B2: Contagem de Bloco BIP–24N com Erro JEx–BER.2. ITU–T G. Adaptação de camada de Seção Ótica ou Elétrica para camada de Seção de Regenerador: OSn/RSn_A_Sk e ESn/Rsn_A_Sk • decodificador. As funções realizadas são descritas abaixo: • Terminação de Trilha de camada de Seção Ótica ou Elétrica: OSn_TT_Sk ou ESn_TT_Sk • • Detecção de LOS de entrada. Neste parágrafo será explicada a gerência de sinal de porta SDH e PDH referida a função atômica.707.110. Descrição de Lado B para Lado A: b) Camada Física SDH (SPI) É a interface entre o meio de transmissão físico e a Seção de Regeneração.1. O formato de quadro de SDH atende à Rec. – Gerência de sinal do Lado A (sinal de taxa baixa de bit) para Lado B (sinal de taxa alta de bit). • Detecção de contagem e OF.703) ou STM–N ótico (Rec.

542 V 3AL 80754 AA AA 124/356 . 01 955. G1[1–4]: É recuperada a informação de REI. Inserção de AIS ou SSF Detecção de AIS ou SSF Inserção de TSF (na detecção de SSF) Adaptação de camada de Seção Multiplex para a camada de Caminho de Ordem Mais Alta (MSA): MSn/Sn_A_Sk • • • • • Interpretador de ponteiro AU–4.– Adaptação de camada de Seção Multiplex para Sub-camada de Proteção de Seção Multiplex: MSn/MSnP_A_Sk • • Todos os direitos reservados. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. J1: É recuperada informação de Trilha de Caminho J detecção de TIM. C2: detecção de UNEQ. • G1[1–4]: A informação de REI é recuperada. – Terminação de Trilha de Sub-camada de Proteção de Seção Multiplex: MSnP_TT_Sk • • • A informação K1–K2 (protocolo APS) é recuperada. e) ]Camada de Caminho de Ordem Mais Alta: • Função de Monitoramento de Overhead de Caminho de Ordem Mais Alta (HPOM) – • Terminação de Trilha de Overhead de Caminho de Ordem Mais Alta: Snm_TT_Sk • J1: É recuperada informação de Trilha de Caminho. A transmissão e a cópia deste documento. G1[5]: Monitoramento de Estado de Caminho J detecção de HP–RDI. • C2: Monitoramento de Rótulo de Sinal J detecção de UNEQ e VC–AIS. G1[5]: Monitoramento de Estado de Caminho J detecção de HP–RDI. • B3: Contagem de Bloco VC–4 BIP–8 com Erro J Alarme de Ex–BER e Degradação de Sinal • Inserção de TSF • Inserção de TSD TSF e TSD são usados para comutador SNCP Terminação de Trilha Não Equipada de Supervisório de Ordem Mais Alta (HSUT): Sns_TT_Sk • • • • • • Função de Terminação de Trilha de camada de Ordem Mais Alta (HPT): Sn_TT_Sk • • • • ED J1: É recuperada a informação de Rastreamento de Caminho.110. C2: Monitoramento de Rótulo de Sinal J detecção de UNEQ e VC–AIS. • G1[5]: Monitoramento de Estado de Caminho J detecção de HP–RDI. G1[1–4]: É recuperada a informação de REI. B3: Contagem de Bloco de VC–4 BIP–8 com Erro. Detecção de LOP Detecção de AU–AIS Inserção de AIS ou SSF (na detecção de LOP e AU–AIS) Contagem de PJE (Evento de Justificação de Ponteiro).

H4: Detecção de LOM (Perda de Quadros Múltiplos). J2: é recuperado o identificador de rastreamento de trilha.110.2]: é recuperado o BIP–2. alarme de Sinal Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste documento. Detecção de LOP. V5[3]: é recuperado o bit REI e as primitivas de desempenho derivadas são relatadas. Interpretação de ponteiro TU. V5[3]: o número de erros é codificado em REI. J2: é gerado um identificador de rastreamento de trilha. V5[3]: É recuperado o bit REI e as primitivas de desempenho derivadas são relatadas.542 V 3AL 80754 AA AA 125/356 . C2: Detecção de HP–SLM (descasamento de rótulo de sinal). Detecção de TU–AIS.2]: Contagem de Bloco VC–m BIP–2 com Erro J Ex–BER. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. • Degradação de Adaptação de camada de Caminho de Ordem Mais Alta para camada de Caminho de Ordem Mais Baixa (HPA): Sn/Sm_A_Sk • • • • • • Desmontagem de VC–4. V5[1.• B3: Contagem de Bloco VC–4 BIP–8 com Erro J Ex–BER. É esperado 000 (não equipado). V5[1. V5[8]: é inserida indicação de RDI. V5[8]: É recuperada e relatada a informação de RDI.2]: BIP–2 é calculado e transmitido. 01 955. Descrição de Lado A para Lado B: a) Camada de Caminho de Ordem Mais Baixa: • Terminação Não Equipada de Supervisório de Ordem Mais Baixa (LSUT) – Terminação de Trilha Não Equipada de Supervisório de Ordem Mais Baixa: Sms_TT_So • • • • • ED V5[5–7]: é inserido um rótulo de sinal 000 (não equipado) no VC–m. V5[5–7]: Monitoramento de Rótulo de Sinal J detecção de VC–AIS. f) Camada de Caminho de Ordem Mais Baixa: • • Função de Monitoramento de Overhead de Caminho de Ordem Mais Baixa (LPOM) – Terminação de Trilha de Overhead de Caminho de Ordem Mais Baixa: Smm_TT_Sk • • • • • Sinal • • J2: Monitoramento de Identificador de Rastreamento. alarme de Degradação de Detecção de AIS ou SSF J alarme de SSF Inserção de TSF (usado para comutador SNCP) Terminação Não Equipada de Supervisório de Ordem Mais Baixa (LSUT) – Terminação de Trilha Não Equipada de Supervisório de Ordem Mais Baixa: Sms_TT_Sk • • • • • V5[5–7]: é recuperado o rótulo de sinal do VC–m. V5[1. V5[8]: Informação de RDI é recuperada e relatada.

Detecção de AIS ou SSFJ alarme de SSF – Terminação de Trilha Não Equipada de Supervisório de Ordem Mais Alta (HSUT): Sns_TT_So • • • • • ED Geração de container não equipado e desalinhamento de quadro. V5[5–7]: Monitoramento de Rótulo de SinalJ detecção de VC–AIS. Gerador de ponteiro TU. C2: inserção “não equipada”. B3: cálculo e inserção de VC–4 Bip–8. 01 955. C2: Inserção de rótulo de sinal. C2: Monitoramento de Rótulo de Sinal J detecção de UNEQ e VC– detecção de • • B3: Contagem de Bloco de VC–4 BIP–8 com Erro. Gerador de TU–AIS. G1[5]: Monitoramento de Estado de Caminho J detecção de HP– RDI. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. alarme de Degradação de Sinal b) Camada de Caminho de Ordem Mais Alta: • Adaptação de camada de Caminho de Ordem Mais Baixa para camada de Caminho de Ordem Mais Alta (HPA): Sn/Sm_A_So • • • • • • Função de Terminação de Trilha de Ordem Mais Alta (HPT): Sn_TT_So • • • • Montagem de VC–4. G1: inserção de informação de RDI[5] e/ou REI[1–4]. Função de Monitoramento de Overhead de Caminho de Ordem Mais Alta – Terminação de Trilha de Overhead de Caminho de Ordem Mais Alta (HPOM): Snm_TT_Sk AIS. A transmissão e a cópia deste documento. G1[1–4]: É recuperada informação de REI.• Função de Monitoramento de Overhead de Caminho de Ordem Mais Baixa (LPOM) – Terminação de Trilha de Overhead de Caminho de Ordem Mais Baixa: Smm_TT_Sk Todos os direitos reservados. • • • • • J2: Monitoramento de Identificador de Rastreamento. V5[1. V5[8]: Informação de RDI é recuperada e relatada. V5[3]: é recuperado o bit REI e as primitivas de desempenho derivadas são relatadas. J1: é gerado identificador de rastreamento de trilha. G1: inserção de informação de RDI e/ou REI. H4: indicador de Multiframe J1: é inserido um identificador de rastreamento de caminho.542 V 3AL 80754 AA AA 126/356 .110.2]: Contagem de Bloco VC–m BIP–2 com Erro J Ex–BER. • • • • J1: É recuperada informação de Rastreamento de Caminho. B3: cálculo e inserção de VC–4 Bip–8.

Terminação de Trilha de camada de Seção Multiplex: MSn_TT_So B2: Cálculo e inserção de BIP–24N. Gerador de AU–AIS. As funções realizadas são descritas abaixo: • Adaptação de camada de Seção Ótica ou Elétrica para Camada de Seção de Regenerador: OSn/RSn_A_So e ESn/Rsn_A_So: • • • Terminação de Trilha de camada de Seção Ótica ou Elétrica: OSn_TT _So ou ESn_TT _So • ED scrambler. • • • • Montagem de AUG e intercalação de byte. conversão elétrica/ótica etc. J0: inserção de rastreamento de seção de regenerador (não gerenciado neste) B1: cálculo e inserção de BIP–8. A transmissão e a cópia deste documento.110. Gerador de Ponteiro AU–4. A2: inserção de alinhamento de quadro. M1: inserção de MS–REI. d) Camada de Seção de Regenerador (RST) • Adaptação de camada de Seção de Multiplex para camada de Seção de Regenerador: RSn/MSn_A_So • • Inserção de RS–AIS. Terminação de Trilha de camada de Seção de Regenerador: RSn_TT_So • • • A1. Gerador de AIS (sobre LOS ou LOF).c) Camada de Seção de Multiplex: • Adaptação de Seção de Multiplex para a camada de Caminho de Ordem Mais Alta (MSA): MSn/Sn_A_So Todos os direitos reservados.. Função de Proteção de Sub-camada de Seção de Multiplex (MSP) – Terminação de Sub-camada de Proteção de Seção de Multiplex: MSnP_TT_So • – Multiplex: Nenhuma informação inserida. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Condicionamento de sinal para meio de transmissão (por ex.542 V 3AL 80754 AA AA 127/356 . K2[6–8]: inserção de MS–RDI. Adaptação de camada de Seção de Multiplex para a Sub-camada de Proteção de Seção MSn/MSnP_A_So • • • • • • Geração de informação de K1–K2 (protocolo APS). e) Camada Física de SDH (SPI) É a interface entre a Seção de Regeneração e o meio de transmissão físico. K2[6–8]: inserção de MS–AIS.) 01 955.

o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.110. Diagrama de Blocos do 1650SMC: gerência de sinal (porta SDH) ED 01 955.(*) – Com interface STM–4 são multiplicados quatro MSn/Sn Figura 56.542 V 3AL 80754 AA AA 128/356 Todos os direitos reservados. . A transmissão e a cópia deste documento.

alarme de degradação de sinal V5[3]: O bit REI é recuperado.2]: BIP–2 é recuperadoJEx–BER. • Inserção de AIS se LOS for detectado. Camada de adaptação física PDH: E12/P12x_A_Sk ou E12/P12s_A_Sk • • • ED a temporização é extraída. e as unidades básicas de desempenho derivadas são relatadas.542 V 3AL 80754 AA AA 129/356 . o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. 45Mbit/s (VC–3) e 140Mbit/s (VC–4). 01 955.) Descrição de Lado A para Lado B: a) Camada de seção física PDH elétrica (PPI) • • Terminação de trilha: E12_TT_Sk • Detecção de LOS de entrada. GERENCIAMENTO DE PORTAS DE 2 MBIT/S (veja a Figura 57 na página 130) Descrição de Lado B para Lado A: a) Camada de caminho de baixa ordem: • Low Order Path layer Trail Termination Function (LPT) (função de terminação de trilha de camada de caminho de baixa ordem): S12_TT_Sk • • • • • • J2: o identificador de rastreamento de trilha é recuperado – detecção de TIM. V5[8]: As informações de RDI são recuperadas e relatadas.3. Detecção de AIS ou SSF – alarme SSF Low Order Path layer Adaptation to PDH Section layer (LPA) (adaptação de camada de caminho de baixa ordem para camada de seção PDH): S12/P12x_A_Sk ou 12/P12s_A_Sk • • V5[5–7]: Detecção de rótulo de sinal no byte V5[5–7]J Detecção de erro de rótulo de sinal Aplicação de AIS ou SSF se erro de rótulo de sinal for detectado b) Camada de seção física PDH elétrica (PPI) • Adaptação para camada de seção PDH: E12/P12x_A_So ou E12/P12s_A_So • • Converte o código do sinal interno no código de linha. As funções a seguir estão associadas a cada porta PDH. A transmissão e a cópia deste documento. nível elétrico etc. Todos os direitos reservados. Terminação de trilha: E12_TT_So • condicionamento de sinal para meio de transmissão (por exemplo. os dados são decodificados.3 BLOCOS FUNCIONAIS DA PORTA PDH As portas de baixa ordem LC–NG PDH gerenciadas são 2Mbit/s (mapeada em VC–12). 34Mbit/s (VC–3).2.2. V5[1.110. ocorre inserção de AIS se LOF ou AIS for detectado.1.

V5[1.110. • • V5[5–7]: Inserção de rótulo de sinal no byte V5[5–7]. Figura 57. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. V5[8]: A indicação RDI é inserida.542 V 3AL 80754 AA AA 130/356 . Low Order Path layer Trail Termination function (LPT) (função de terminação de trilha de camada de caminho de baixa ordem): S12_TT_So • • • • J2: o identificador de rastreamento de trilha é gerado.b) Camada de caminho de baixa ordem: • PDH Section layer to Low Order Path layer Adaptation (LPA) (camada de seção PDH para adaptação de camada de caminho de baixa ordem): S12/P12x_A_So ou S12/P12s_A_So Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste documento. Diagrama de blocos do 1650SMC: gerenciamento de sinais (portas SDH de 2Mbit/s) ED 01 955. V5[3]: o número de erros é codificado em REI.2]: BIP–2 é calculado e transmitido.

GERENCIAMENTO DE PORTAS DE 34 MBIT/S 45 MBIT/S
(Veja a Figura 58 na página 132)

Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste
documento, o uso e a comunicação de seus conteúdos não
são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

Descrição de Lado B para Lado A:
a) Camada de caminho de baixa ordem:
• Low Order Path layer Trail Termination Function (LPT) (função de terminação de trilha de camada
de caminho de baixa ordem): S3_TT_Sk

J1: As informações de rastreamento de caminho são recuperadas – detecção de TIM.

G1[1–4]: As informações de REI são recuperadas.

G1[5]: Monitoramento de status do caminh0 – detecção de HP–RDI.

C2: Detecção de UNEQ.

B3: Contagem de blocos com erro VC-3 BIP–8 – Ex–BER, degradação de sinal

Detecção de SSF – alarme SSF

Low Order Path layer Adaptation to PDH Section layer (LPA) (adaptação de camada de caminho de
baixa ordem para camada de seção PDH): S3/P3x_A_Sk ou S3/P3s_A_Sk
C2: Detecção de rótulo de sinal no byte C2 –> Detecção de erro de rótulo de sinal.


Aplicação de AIS ou SSF se TSF ou erro de rótulo de sinal for detectado.

b) Camada de seção física PDH elétrica (PPI)
• Adaptação para camada de seção PDH: E3/P3x_A_So ou E3/P3s_A_So

Converte o código do sinal interno no código de linha (HDB3)
• Terminação de trilha: E3_TT_So

condicionamento de sinal para meio de transmissão (por exemplo, nível elétrico etc.).
Descrição de Lado A para Lado B:
a) Camada de seção física PDH elétrica (PPI)
• Terminação de trilha: E3_TT_Sk

Detecção de LOS de entrada.
• Camada de adaptação física PDH: E3/P3x_A_Sk ou E3/P3s_A_Sk

a temporização é extraída.

os dados são decodificados.

Inserção e detecção de AIS.

Detecção de LOF (somente em caso de E3/P3x_A_Sk)
b) Camada de caminho de baixa ordem:
• PDH Section layer to Low Order Path layer Adaptation (LPA) (camada de seção PDH para
adaptação de camada de caminho de baixa ordem): S3/P3x_A_So ou S3/P3s_A_So

O rótulo do sinal é inserido em C2
• Low Order Path layer Trail Termination Function (LPT) (função de terminação de trilha de camada
de caminho de baixa ordem): S3_TT_So

J1: o identificador de rastreamento de caminho é inserido.
G1: inserção de informações de RDI[5] e/ou REI[1–4].


B3: Inserção e cálculo de VC-3 BIP–8.

ED

01
955.110.542 V

3AL 80754 AA AA

131/356

Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste
documento, o uso e a comunicação de seus conteúdos não
são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

Figura 58. Diagrama de blocos do 1650SMC: gerenciamento de sinais (portas SDH de 34 Mbit/s e 45 Mbit/s)

ED

01

955.110.542 V

3AL 80754 AA AA

132/356

GERENCIAMENTO DE PORTAS DE 140 MBIT/S
(veja a Figura 59 na página 134)

Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste
documento, o uso e a comunicação de seus conteúdos não
são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

Descrição de Lado B para Lado A:
a) Camada de caminho de alta ordem:
• High Order Path layer Trail Termination Function (HPT) (função de terminação de trilha de camada
de caminho de alta ordem): S4_TT_Sk

J1: As informações de rastreamento de caminho são recuperadas – detecção de TIM.

G1[1–4]: As informações de REI são recuperadas.

G1[5]: Monitoramento de status do caminh0 – detecção de HP–RDI.

C2: Detecção de UNEQ.

B3: Contagem de blocos com erro VC-4 BIP–8 – Ex–BER, alarme de degradação de sinal

Detecção de SSF – alarme SSF

Low Order Path layer Adaptation to PDH Section layer (LPA) (adaptação de camada de caminho de
baixa ordem para camada de seção PDH): S4/P4x_A_Sk ou S4/P4s_A_Sk
C2: Detecção de rótulo de sinal no byte C2 –> Detecção de erro de rótulo de sinal.


Aplicação de AIS ou SSF se TSF ou erro de rótulo de sinal for detectado

b) Camada de seção física PDH elétrica (PPI)
• Adaptação para camada de seção PDH: E4/P4x_A_So ou E4/P4s_A_So

Converte o código do sinal interno no código de linha (CMI)
• Terminação de trilha: E4_TT_So

condicionamento de sinal para meio de transmissão (por exemplo, nível elétrico etc.).
Descrição de Lado A para Lado B:
a) Camada de seção física PDH elétrica (PPI)
• Terminação de trilha: E4_TT_Sk

Detecção de LOS de entrada.
• Camada de adaptação física PDH: E4/P4x_A_Sk ou E4/P4s_A_Sk

a temporização é extraída.

os dados são decodificados.

Inserção e detecção de AIS.

Detecção de LOF (somente em caso de E4/P4x_A_Sk)
b) Camada de caminho de alta ordem:
• PDH Section layer to Low Order Path layer Adaptation (LPA) (camada de seção PDH para
adaptação de camada de caminho de baixa ordem): S4/P4x_A_So ou S4/P4s_A_So

O rótulo do sinal é inserido em C2
• High Order Path layer Trail Termination Function (HPT) (função de terminação de trilha de camada
de caminho de alta ordem): S4_TT_So

J1: o identificador de rastreamento de caminho é inserido.
G1: inserção de informações de RDI[5] e/ou REI[1–4].


B3: Inserção e cálculo de VC-4 BIP–8.

ED

01
955.110.542 V

3AL 80754 AA AA

133/356

Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste
documento, o uso e a comunicação de seus conteúdos não
são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

Figura 59. Diagrama de blocos do 1650SMC: gerenciamento de sinais (portas PDH de 140 Mbit/s)

ED

01

955.110.542 V

3AL 80754 AA AA

134/356

3.1.3 Subsistema de gerenciamento de ATM

Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste
documento, o uso e a comunicação de seus conteúdos não
são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

3.1.3.1 ATM (Asynchronous Transfer Mode) básico
O Asynchronous Transfer Mode (ATM, modo de transferência assíncrono) é um padrão definido pela
International Telecommunication Union Telecommunication Standardization Sector (ITU–T) para cell relay
em que as informações de vários tipos de serviço, como voz, vídeo ou dados, são transportadas em células
pequenas de tamanho fixo. As redes ATM são orientadas por conexão. Este capítulo fornece resumos de
operação, serviços e protocolos ATM.
De acordo com a Recomendação ITU–T I.311, uma rede de transporte ATM tem duas camadas: a camada
ATM e a camada física, conforme indicado na Figura 1.
Tabela 25. Modelo com camadas de rede de transporte ATM
Camada superior

Camada ATM
Rede de transporte ATM
Camada física

Nível de VC (Virtual Channel,
canal virtual)
Nível de VP (Virtual Path, caminho
virtual)
Nível de caminho de transmissão
Nível de mídia de transmissão

A camada ATM está subdivida em dois níveis: o nível VP e o nível VC.
As relações entre o Canal Virtual, o Caminho Virtual e o Caminho de Transmissão estão indicadas na Figura
60 na página 135.

Figura 60. Relação entre VC, VP e TP

ED

01
955.110.542 V

3AL 80754 AA AA

135/356

Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste
documento, o uso e a comunicação de seus conteúdos não
são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

As informações de transferências de ATM em unidade de tamanho fixo são chamadas de células; cada
célula é composta por 53 octetos ou bytes.
Os cinco primeiros bytes contêm informações de cabeçalho de célula, e os 48 restantes, a “carga útil” (as
informações do usuário). A Figura 61 na página 136 mostra o formato básico de uma célula ATM

Figure 61. Formato básico de uma célula ATM
A rede ATM é composta por um switch ATM e extremidades ATM. Um switch ATM é responsável pelo
trânsito de células através de uma rede ATM. Um switch ATM aceita as células de entrada de uma
extremidade ATM ou de outro switch ATM. Em seguida, ele lê e atualiza as informações do cabeçalho da
célula e rapidamente muda a célula para uma interface de saída rumo ao seu destino. Uma extremidade
ATM (ou sistema final) contém um adaptador de interface de rede ATM. Exemplos de extremidades ATM
são estações de trabalho, roteadores etc.
Uma rede ATM é composta por um conjunto de switches ATM interconectados por enlaces ou interfaces
ATM ponto-a-ponto. Os switches ATM são compatíveis com dois tipos principais de interfaces: UNI e NNI. A
UNI conecta sistemas finais ATM (como hosts e roteadores) a um switch ATM. A NNI conecta dois switches
ATM.
Dependendo de o switch ser de propriedade dos clientes e estar localizado nas instalações dos clientes ou
ser de propriedade pública e ser operado pela companhia telefônica, a UNI e a NNI podem ainda ser
divididas em UNIs e NNIs privadas e públicas. Uma UNI privada conecta uma extremidade ATM e um switch
ATM privado. Sua correspondente pública conecta uma extremidade ATM ou um switch público a um switch
público. Uma NNI privada conecta dois switches ATM dentro da mesma organização privada. Uma NNI
pública conecta dois switches ATM dentro da mesma organização pública (veja a Figura 62 na página 137).

ED

01
955.110.542 V

3AL 80754 AA AA

136/356

Figura 62. Interface de rede ATM

ED

01

955.110.542 V

3AL 80754 AA AA

137/356

Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste
documento, o uso e a comunicação de seus conteúdos não
são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

mais de uma placa ATM em um único 1650SM poderá ser utilizada. Carga útil (payload) e cabeçalho de célula ATM UNI e NNI O campo Generic Flow Control (GFC. A transmissão e a cópia deste documento. o formato de cabeçalho de célula UNI ATM e o formato de cabeçalho de célula NNI.110. VPI/VCI identifica o próximo destino de uma célula à medida que passa por vários switches ATM rumo ao seu destino. Ele também indica “fim do pacote”. Ele é usado para o tráfego dos usuários para a rede. Cada caminho pode ter até 64. Se vários erros de bit forem detectados. I. A Figura 63 na página 138 mostra o formato de célula ATM básico. Todo o modelo funcional de switch ATM está em conformidade com ITU–T I. 3.2 ATM no1650SMC Optinex 1650SMC pode integrar a funcionalidade de switch ATM por meio de uma placa de conexão que oferece um throughput de 622 Mb/s (capacidade equivalente a 4xSTM–1). O cabeçalho NNI é usado para a comunicação entre switches ATM. permitindo de 256 a 4096 caminhos virtuais. Se mais capacidade for necessária. O cabeçalho UNI é usado para a comunicação entre extremidades ATM e switches ATM em redes ATM privadas.731.732. Se ele for definido como 1. Quando o bit CLP for definido como 0.1. a célula não poderá ser descartada.000 VCIs.Todos os direitos reservados. O bit Cell Loss Priority é usado para gerenciamento de buffer em conjunto com controle de congestionamento. af–tm–0010. ETSI EN 300 417– 1–1/2–1.002. Um cabeçalho de célula ATM pode estar em um dos dois formatos: UNI ou NNI.542 V 3AL 80754 AA AA 138/356 . Essa placa inclui uma porta de acesso STM–1 local no painel frontal (não está em operação na versão atual). ED 01 955. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. O campo VPI é composto por 8 a 12 bits. O campo VPI/VCI contém 24 bits na interface UNI e 28 bits na interface NNI.3. a célula dentro de um buffer poderá ser descartada. controle de fluxo genérico) permite realizar a multiplexação da transmissão de vários terminais na mesma interface do usuário. o que é usado com Camada 5 de Adaptação ATM. a célula será descartada. O campo Header Error Control permite corrigir erros de bit simples ou detectar vários erros de bit. Figure 63. O campo Payload Type é usado para indicar diferentes tipos de carga útil para OAM.

EPD.A placa oferece funções de controle de tráfego ATM. conexões de canal virtual) fornecidas por TMN.542 V 3AL 80754 AA AA 139/356 . A sinalização e o roteamento P–NNI são oferecidos de acordo com af–pnni–0055. Soft PVC: Virtual Path Connections (Soft–VPC) e Virtual Channel Connections (Soft–VCC). A transmissão e a cópia deste documento. O roteamento da soft-PVC é feito pela extremidade de chamada por meio do algoritmo de roteamento PNNI que apresenta todas as placas aTM juntas com algum conhecimento de topologia de rede. de acordo com as recomendações ITU-T relevantes (G. que são necessárias para evitar o congestionamento da rede (SCD. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. conexões virtuais permanentes): Virtual Path Connections (VPCs. por exemplo.804 e G. É fornecido somente pelo ATM-OS nas extremidades de chamada e chamada e configurado por meio de um protocolo de sinalização.832 para ATM sobre PDH e G. conexões virtuais comutadas): VPCs ou VCCs são configuradas ponta-a-ponta em tempo real por meio de procedimentos de sinalização. em todos os outros pontos de conexão intermediários como se fosse uma SVC. O tráfego ATM pode ser mapeado nos contêineres virtuais SDH VC–12. os dois pontos de conexão contíguos às extremidades de conexão são definidos como extremidade de chamada e extremidade chamada: o primeiro é responsável por iniciar o processo de sinalização para estabelecer o Soft–PVC e restaurar a conexão em caso de falhas. Os seguintes tipos de conexão ATM são oferecidos: • • Permanent Virtual Connections (PVCs. TPD). As portas PDH e SDH padrão do 1660SM podem ser usadas para transportar fluxos de tráfego ATM.000 e af–pnni–0081.000. (Nota: a sinalização UNI não é oferecida). Todos os direitos reservados. As Virtual Channel Connections (VCC) podem ser transparentemente transportadas por meio de um túnel VP Hard ou Soft.000. Duas ocorrências de Permanent Virtual Connections (PVCs) estão definidas no nível de rede: • • Hard PVC: Virtual Path Connections (VPC) e Virtual Channel Connections (VCC).707 para ATM sobre SDH). A conexão ATM ponto-a-multiponto unidirecional é oferecida por meio do recurso Multicast Spatial (cópia de células para diferentes interfaces) e Logical (cópia de células para diferentes fluxos na mesma interface) do switch ATM. 3. VC–3. é uma PVC estabelecida/liberada mediante uma solicitação iniciada por um procedimento de solicitação de gerenciamento (todos os nós envolvidos pelas conexões precisam ser configurados pelo Gerenciamento de Rede). af–pnni– 0066. NPC). o PNNI.1. como “shaping” (entrada e saída) e “policing” (UPC. No escopo do Soft–PVC.1 Conexões ATM ponto-a-ponto e ponto-a-multiponto Conexões ATM ponto-a-ponto unidirecionais e bidirecionais (VPC e VCC) são oferecidas.110. ED 01 955. VC–4 e VC–4–4c e nos sinais PDH E1 e E3. Conexões ATM ponto-a-multiponto unidirecionais (para utilizações de transmissão ou adicionar&continuar) (VPC e VCC são também oferecidas).2. conexões de caminho virtual) e Virtual Channel Connections (VCCs. Switched Virtual Connections (SVCs.3.

358 (ATM – Fórum TM4. CVDTSCR PCR0+1. melhor esforço: Transações bancárias.1 classe s ITU-T Parâmetro de tipo de tráfego PCR0+1. controle de parâmetro de uso) pode ser feito na User–Network Interface (UNI. interface de rede do usuário) enquanto o Network Parameter Control (NPC. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. CVDTPCR PCR0+1. mas em taxa variável – Não-em tempo real (nrt) com tráfego excessivo: Transações bancárias. vídeo e voz em taxa constante. Contratos de tráfego ATM. CVDTPCR PCR0+1. CDV. E-mail World Wide Web (WWW).3.542 V 3AL 80754 AA AA 140/356 . UPC/NPC podem ser feitos no nível de VP e VC. serviços de Frame Relay UBR (Taxa de bits não-especificada): Aplicação não-em tempo real.2.110. Tabela 26. A transmissão e a cópia deste documento. CVDTPCR PCR0+1.1 classe 1 nrt-VBR. controle de admissão de conexão) ou CAC Global (GCAC) para Soft–PVC a fim de aceitar/rejeitar a conexão ATM. Todos os direitos reservados. CDV. CLR0+1 CLR0+1 Observações: PCR: Taxa de pico de células CDVT: Tolerância de variação de retardo de célula SCR: Taxa de bits sustentável MCR: Taxa de células mínima MBS: Tamanho de estouro máximo CLR: Taxa de perda de células ATC e exemplos de aplicações CBR (taxa de bits constante) / DBR (taxa de bits determinística): Valor estático de largura de banda que precisa ser reservado. Tráfego enviado além dessa taxa (tráfego extra). interconexão de LAN.1 SBR. Usado para aplicação em tempo real. interface entre operadoras). CVDTPCR PCR0+1. O Usage Parameter Control (UPC. controle de parâmetro de rede) pode ser feito na Network–Network Interface (NNI.1).1 SBR.3. muito sensível à variação de retardo de célula. CVDTSCR Parâmetro de classe de QoS CTD. GFR (taxa de bits garantida): Aplicação não-em tempo real com garantia mínima de throughput. CVDTPCR PCR0+1. ATM FÓRUM CBR UBR DBR classe 1 DBR classe 2 DBR classe U rt-VBR. O contrato de tráfego é usado como entrada para o Connection Admission Control (CAC. ED 01 955. como emulação de circuito. interface rede-rede) ou na Inter–Carrier Interface (ICI. CLR0+1 CLR0+1 CTD.2 Gerenciamento de tráfego ATM De acordo com a terminologia ITU–T I. os seguintes recursos de transferência ATM (ATC) são oferecidos em todas as conexões (consulte a Tabela 26 na página 140).1. VBR (taxa de bits variável) / SBR (taxa de bits estática): – Em tempo real (rt): os listados acima.

ED 01 955. O Shaping de saída pode ser feito para garantir que o VPC de saída seja coerente com a alocação de recursos realizada pelo CAC quando vários VCCs são multiplexados no VPC de saída.3. VCs SDH ou fluxos PDH transportando células ATM que não requerem comutação na camada ATM e no caminho virtual (VP) / canal virtual (VC) podem ser ligados em conexão cruzada de maneira transparente e direta pela matriz SDH. As funções de gerenciamento de desempenho (PM) são monitoramento e relatório de encaminhamento.3 Fluxos F4 e F5 OAM ATM A placa Switch ATM oferece a seguinte funcionalidade OAM em F4 (nível VP) e F5 (nível VC): As funções de gerenciamento de falhas oferecidas a todas as conexões ATM fornecidas são sinal de indicação de alarme / indicação de defeito remoto (AIS/RDI).5 Arquitetura dos módulos de comutação ATM O switch ATM é exibido para a matriz SDH por meio da conexão backpanel (veja a Figura 64 na página 142). 3.3. além disso.357.000.2. dependendo da configuração das extremidades de VPC/VCC e dos segmentos antes e após a Matriz de Comutação ATM. Os resultados da transferência de célula ATM oferecida são transferência de células com êxito.4 Proteção de grupo de caminho virtual (VPG) ATM A proteção VPG ATM é oferecida (em Hard-PVC) para facilitar a rápida mudança da proteção da camada ATM nos casos em que o mecanismo de proteção SDH adjacente não esteja sendo usado. os parâmetros e o status de disponibilidade/indisponibilidade.610.371.110.3. além do segundo erro severo. de acordo com I. são determinados. O gerenciamento de tráfego e congestionamento é feito de acordo com ITU–T I. A proteção VPG segue ITU–T I. As funções de inserção de células.2.1.2. 3. Os defeitos e as possíveis falhas subseqüentes são detectados e relatados. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. células com erros. Em um determinado nó.Todos os direitos reservados. células inseridas incorretamente e blocos de células com erros severos. ATM Forum af–tm– 0056. OAM é realizado de acordo com ITU–T I. Os esquemas de proteção VPG 1+1 e 1:1 unidirecionais e bidirecionais são oferecidos para permitir alta prioridade de proteção de tráfego em um tráfego que eventualmente poderia ser enquadrado no esquema 1:1 de tráfego de baixa prioridade. sem sobrecarregar desnecessariamente o switch ATM (funcionalidade de pass through). células perdidas.1. A falha de sinal é usada como um mecanismo de acionamento de comutação. O Shaping de entrada pode ser feito para garantir que o tráfego de entrada seja coerente com a alocação de recursos realizada pelo CAC. transferência de células com tag. de retardo de transferência de células e de variação no retardo de células. extração. Os parâmetros de desempenho ATM oferecidos são taxas de perda de células. de blocos de células com erros severos. A transmissão e a cópia deste documento.356 e I. O controle de congestionamento e o gerenciamento de filas são feitos. A ativação e a desativação do gerenciamento de desempenho e da verificação de continuidade são oferecidas. e alarmes são gerados de acordo.542 V 3AL 80754 AA AA 141/356 . 3. defeitos de verificação de continuidade (CC) e loopback. O desempenho e a disponibilidade.1. de inserção incorreta de células. monitoramento não-invasivo e loopback e o processamento relacionado podem ser desempenhados nos níveis F4 e F5.630.

o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. . 1650SMC com arquitetura ATM Matrix ED 01 955.542 V 3AL 80754 AA AA 142/356 Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste documento.110.Figura 64.

542 V 3AL 80754 AA AA 143/356 .1.2. em que um mix de serviços TDM e ATM na mesma caixa resulta em benefícios para o provedor e os clientes. A aplicação principal da placa ATM é consolidar o tráfego ATM coletado de diferentes fontes nos VCs (contêineres virtuais) SDH compartilhados em anéis STM–n e comutar o tráfego ATM. A transmissão e a cópia deste documento. UMTS e LMDS.3. evitando desperdiçar capacidade não efetivamente usado pelo tráfego pago.3. o provedor pode tirar bastante proveito da funcionalidade de comutação distribuída para otimizar os recursos de transmissão.6 Aplicação dos módulos de comutação ATM Todos os direitos reservados. Figura 65. na rede. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Serviço de linha dedicada versus serviço de transporte de dados As aplicações típicas do conceito da placa ATM são redes metropolitanas ADSL. de acordo com a necessidade no nível VC e/ou VP. ED 01 955.110. O switch pode também ser usado em cenários FTTB e como CPE. Em todos esses cenários.

em analogia aos telegramas.1. denominada modelo de referência de TCP/IP.4 Subsistema de IP Todos os direitos reservados. sendo que cada pacote é independente do outro e pode ser roteado em um caminho diferente em relação aos seus predecessores.1. a seqüência de pacotes correta. protocolo de Internet) é usado na camada de rede da pilha de protocolo para transferir dados entre redes de computadores e diferentes redes que estão interconectadas entre elas.1 Generalidades de IP O IP (Internet Protocol. login em um computador remoto etc. significando que os dados (informações) estão subdivididos em blocos e são transportados por meio de pacotes que consistem em um cabeçalho e um bloco de dados. É um serviço sem conexão. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. ED 01 955. eles são encapsulados em outro quadro usado pela camada de enlace de dados e depois transmitidos na camada física.3.542 V 3AL 80754 AA AA 144/356 . como voz digital “em pacotes. transferências de arquivos. o controle do fluxo.110. a taxa de tempo de entrega e outros serviços de qualidade ficam a cargo da máquina recebedora. A pilha de protocolo de interfuncionamento de 5 camadas. está ilustrada a seguir: APLICAÇÃO TRANSPORTE REDE (IP) ENLACE DE DADOS FÍSICO Figura 66. Em seguida. Esse protocolo pode ter muitas aplicações diferentes.4. A transmissão e a cópia deste documento. e-mail. contêm dados originados e formatados por camadas de aplicação e transporte. O modelo de referência TCP/IP Os datagramas IP. é tratado como um indivíduo com seu próprio endereço de origem e de destino. 3. Os pacotes IP são chamados de “datagramas”. que residem dentro da camada de rede.

em octetos. permite um máximo de 65535 bytes. Soma de verificação do cabeçalho (16 bits): é a soma de verificação somente do cabeçalho IP. Identificação (16 bits): identificador para ajudar na remontagem dos fragmentos de datagrama. Comprimento total (16 bits): comprimento total do datagrama.110. bit2 é DF (não fragmentar) e bit3 é MF (mais fragmento). o mínimo é 5 (nenhuma palavra de opção). quando chega em zero. Datagrama de IP Versão (4 bits): formato do cabeçalho IP. Indicadores (3 bits): para fragmentação. Um exemplo de datagrama IP está ilustrado abaixo (consulte a RFC 791): Figura 67.Todos os direitos reservados. ele é diminuído (em pelo menos 1) em cada hop de um roteador para outros. Tempo de vida (8 bits): tempo máximo (255 segundos) que o datagrama pode percorrer a rede. no datagrama. mas o comprimento máximo recomendado é de 576. confiabilidade). A transmissão e a cópia deste documento. bit1 está reservado. retardo.542 V 3AL 80754 AA AA 145/356 . é o comprimento do cabeçalho em termos de palavras de 32 bits. Tipo de serviço (8 bits): indicações da qualidade de serviço desejada (por exemplo. esse fragmento pertence. Deslocamento de fragmento (13 bits): é um ponteiro que indica aonde. ED 01 955. e o máximo. IHL (4 bits): Internet Header Length. throughput. Protocolo (8 bits): indica o protocolo de próximo nível (na camada de transporte) usado na porção de dados. incluindo o cabeçalho IP e os dados. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. dessa forma apontando para o começo dos dados. o pacote é destruído. 15.

E3. centro de informações de rede).255.0.2 Serviço IP no equipamento 1650SMC O subsistema IP permite a circulação e o gerenciamento de tráfego relevante dos dados IP por meio da rede SDH. Interfaces que acessam as funções IP TIPO DE INTERFACE CONTÊINER OBSERVAÇÕES SDH VC-12.1. As funções IP são implementadas em uma unidade que pode ser inserida no 1650SMC. VC-3. página 149. VC-4-4c VC-4-4c não está disponível neste equipamento. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. se necessário. Dados (variável): contém dos dados das informações geradas pelo protocolo da camada superior. rota de registro. 255. ela hospeda um módulo 4 x 10/100 BaseT Fast Ethernet e o throughput total de tráfego IP é de 1 Gb/s. o comprimento de dados máximo é de 65475 bytes.255. – na outra versão. para a descrição dos blocos pertencentes a outras unidades.110.255. além do mais. T3 Fast Ethernet 10/100 baseT MAC 802. e o maior.0. Ele pode conter diversas informações.4. o menor é 0. e 400 Mb/s. VC-4. Uma máquina de comutação / roteamento de IP permite examinar os endereços de origem e destino e encontrar um caminho ou linha conveniente para a transferência dos pacotes. caminho de roteamento. eles são atribuídos pelo NIC (Network Information Center. Transporte. como: segurança. de 4 portas locais Fast Ethernet. Opções (variável): este campo tem comprimento variável (0 a 10 palavras de 32 bits) e pode ser exibido ou não no datagrama. Endereço de destino (32 bits): veja endereço de origem. consulte seus parágrafos relevantes deste manual. Há duas versões de placa IP: – uma versão pode hospedar um módulo ótico STM1plugável (a mais recente ainda não está disponível na versão atual). ele realiza as funções de comutação / roteamento de IP. sendo que o throughput total de tráfego IP é de 622 Mb/s. A tabela a seguir resume as interfaces que podem aderir às funções IP: Tabela 27.Todos os direitos reservados.0. marca de data e hora etc. oferece controle de congestionamento de tráfego. A descrição dos blocos funcionais da unidade IP será mencionada de agora em diante. em que 622Mb/s são contribuição de portas SDH. ED 01 955.3 Não disponível na versão atual. PDH E1. ela pode também fragmentar ou remontar um datagrama extenso. A transmissão e a cópia deste documento. Padding (variável): campo todo zero usado para garantir que o cabeçalho IP termine em um limite de 32 bits. 3. O subsistema está ilustrado na Figura 72.542 V 3AL 80754 AA AA 146/356 . Em suma. Endereço de origem (32 bits): os endereços IP são geralmente escritos em notação decimal com pontos.

removendo o cabeçalho SDH. para que possam ser montados na direção SDH (consulte a Recomendação ITU–T G.2).3 (Medium Access Control.3). estão os blocos funcionais comuns principais: CONTROLADOR IP É um microcontrolador que controla e oferece as funcionalidades de IP. o formato de quadros PPP está relatado na Figura 68. página 148 (consulte a recomendação RFC 1662). um com a opção de interface ETHERNET local e outro com a opção de interface SDH local. NOTA: há dois tipos de unidades IP. TERMINAÇÃO MAC Permite a remoção (na direção IP) do cabeçalho MAC 802. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. estão os blocos funcionais bidirecionais principais implementados na Unidade IP: Todos os direitos reservados. Porta local SDH (não disponível na versão atual) É um módulo plugável contendo uma interface de transceptor ótica STM-1. TERMINAÇÃO SDH Permite a desmontagem dos contêineres virtuais SDH (na direção IP). assim transportando dados IP pela Internet. controle de enlace lógico) e a sua inserção na direção ETHERNET. Porta local ETHERNET É um módulo Ethernet contendo 4 interfaces de transdutor Fast Ethernet do tipo 10/100Base–T. que permite uma conexão local com uma fibra ótica que transporta dados IP sobre SDH. TERMINAÇÃO LLC Permite a remoção (na direção IP) do cabeçalho LLC (Logical Link Control. 3) A seguir. página 148 (consulte a recomendação RFC 1661). para que possam ser montados na direção SDH. 2) A seguir. TERMINAÇÃO HDLC Permite a desmontagem (na direção IP) dos quadros HDLC (High-level Data Link Control. estão os blocos funcionais unidirecionais principais: GERENCIADOR DE FILAS Permite o monitoramento da carga de tráfego no roteador local e a realização de medições para evitar os congestionamentos. controle de acesso de mídia) e a sua inserção na direção ETHERNET.542 V 3AL 80754 AA AA 147/356 .707). removendo o cabeçalho PPP.110. A transmissão e a cópia deste documento. o cabeçalho MAC está ilustrado na Figura 71 na página 148 (consulte a recomendação IEEE 802. protocolo ponto-aponto). controle de enlace de dados de alto nível). o formato de quadros HDLC está relatado na Figura 69. o cabeçalho LLC está ilustrado na Figura 70 na página 148 (consulte a recomendação IEEE 802. TERMINAÇÃO PPP Permite a desmontagem (na direção IP) dos quadros PPP (Point–to–Point Protocol. com cada interface permitindo uma conexão local com uma LAN em taxas autonegociáveis de 10 ou 100 Mb/s. removendo o cabeçalho HDLC. ED 01 955. ROTEAMENTO IP Permite a inspeção dos endereços do datagrama IP em trânsito e a escolha do roteador seguinte onde o mesmo pacote pode ser transferido para permitir que o pacote chegue ao seu destino final. para que possam ser montados na direção SDH.1) A seguir.

542 V 3AL 80754 AA AA 148/356 . Formato de quadro LLC Figura 71.110. Figura 68. Formato de quadro MAC 802.3 ED 01 955. Quadro PPP Figura 69. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Quadro HDLC com encapsulamento PPP Figura 70.Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste documento.

Todos os direitos reservados. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.110. A transmissão e a cópia deste documento. OBSERVAÇÕES: 1) Porta local SDH não disponível na versão atual 2) Porta local SDH não disponível na versão atual 3) As portas locais Ethernet e SDH são alternativas e são montadas em diferentes placas Figura 72. Subsistema de IP ED 01 955.542 V 3AL 80754 AA AA 149/356 .

De fato. interfaces N–1 Ethernet 10/100 Mb/s precisarão ser configuradas na placa de cada NE (gateway Ethernet do site). Na verdade. 3. Dessa forma. de 2 Mb/s. Esses mapeamentos introduzem uma compressão no fluxo do tráfego. nenhum descarte é feito porque a Ethernet 10/100 oferece um mecanismo de controle de fluxo de tráfego previsto pelo padrão IEEE 802. aumentando a taxa de bits em 25%) não se adapta bem nas estruturas de transporte SDH: VC–4 tem uma capacidade de 150 Mb/s. Se N sites precisarem ser configurados por meio da rede SDH. como indica a Figura 75 na página 152. switch ou roteador) para interromper a transmissão por um determinado período (especificado neste quadro). mas eles levam em consideração o perfil de tráfego excessivo do tráfego Ethernet. A placa atua como um gateway para a rede SDH. o mapeamento representado na Figura 73 da página 150 é apresentado.5 Subsistema de gerenciamento de ETHERNET O 1660SM pode também ser equipado com a unidade 10/100 Mb/s Ethernet para permitir conexões LAN-aLAN como uma conexão ponto-a-ponto entre dois roteadores ou switches por meio de uma rede SDH. Para aproveitar melhor os recursos disponíveis. A transmissão e a cópia deste documento. evita-se o descarte de quadros.1. isso para garantir a transparência de ponta-a-ponta. de 50 Mb/s e VC–12. cada Caixa de Cliente utilizará interfaces Ethernet Ponto a Ponto N-1. Os fluxos de tráfego 10 ou 100 Mb/s Ethernet são mapeados em estruturas de transporte SDH VC12. Se o cliente tiver N sites a serem interconectados. Figura 73.3. e sua profundidade é diretamente proporcional à taxa de pico que a placa consegue absorver sem descartar nenhum pacote/quadro Ethernet. Ethernet 10/100: compressão de largura de banda ED 01 955. VC–3. Todos os direitos reservados. 4). A compressão se apóia na introdução de um buffer que atua como um depósito que ameniza os perfis de tráfego Ethernet excessivo caracterizado. A taxa nominal de Ethernet 10 Mb/s e Fast Ethernet 125 Mb/s (Fast Ethernet introduz uma codificação em linha 4b–5b. o tráfego Ethernet é transportado de maneira transparente na rede SDH. VC3 ou VC4.110. e as placa que reside nos ADMs envia tráfego Ethernet para switches ou routers sem terminar os quadros Ethernet.3x. o grooming de tráfego Ethernet um-para-um na rede SDH não é realizado. Conseqüentemente. Quando o buffer atinge um limite fixo. um determinado quadro é inserido na comunicação com a fonte (por exemplo. o mapeamento de Fast Ethernet em VC–4 e Ethernet em VC–3 não requer nenhum estágio de armazenamento em buffer. mas utiliza largura de banda. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.542 V 3AL 80754 AA AA 150/356 . mais precisamente cada interface de tráfego Ethernet da placa é mapeada em um VCn específico (n=12.

A transmissão e a cópia deste documento.110. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. além da Recomendação ITU–T G. Board Ethernet 10/100: arquitetura de sistema ED 01 955. são enviados para a matriz SDH do backplane. oportunamente mapeado nas estruturas de transporte SDH. 7041 para saber mais detalhes). – Os quadros Ethernet são mapeados sobre um VC SDH: • • • VC-12 VC-3 VC4 – Uma interface Ethernet é mapeada em um VC SDH: sem grooming de quadros Ethernet na rede SDH – Nenhuma concatenação virtual de VCs SDH de baixa ordem – A proteção ocorre no nível SDH Figura 74. Todos os conectores de acesso Ethernet estão no painel frontal da unidade. Todos os direitos reservados. as Caixas do cliente enxergam essa rede como diretamente conectada em uma malha. Uma rede SDH é transparente.Principais aspectos funcionais: Os quadros Ethernet são mapeados sobre um VC SDH que utiliza encapsulamento Generic Framing Procedure (GFP. que tem 4 throughputs equivalentes STM–1. A arquitetura da placa está representada na Figura 74 da página 151. procedimento de quadros genérico) (veja a Figura 76 na página 153 e a Figura 77 na página 155.542 V 3AL 80754 AA AA 151/356 . Ela é constituída por duas placas. O tráfego Ethernet. uma placa de acesso que oferece 14 interfaces Ethernet 10BaseT ou 100BaseT e uma placa principal que oferece 11 interfaces Ethernet 10BaseT ou 100BaseT (o conector físico é sempre o mesmo).

. A transmissão e a cópia deste documento.Figura 75. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.542 V 3AL 80754 AA AA 152/356 Todos os direitos reservados. Exemplo de aplicação de serviço Ethernet ED 01 955.110.

Todos os direitos reservados. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.110. Figura 76. A transmissão e a cópia deste documento. Encapsulamento GFP ED 01 955.542 V 3AL 80754 AA AA 153/356 .

– tHEC: o campo Controle de Erro de Cabeçalho de Tipo de dois octetos contém uma seqüência gerada por CRC–16 que protege a integridade do conteúdo do campo Tipo ao ativar a correção de erro de bits simples e a detecção de erros de vários bits. endereço de destino. – Tipo: o campo Tipo de GFP é um campo obrigatório de 2 octetos do Cabeçalho de Carga Útil que indica o conteúdo e o formato do campo Carga Útil de GFP. – cHEC: o campo Controle de Erro de Cabeçalho Principal de dois octetos contém uma seqüência gerada por CRC–16 que protege a integridade do conteúdo do Cabeçalho Principal ao ativar a correção de erro de bits simples e a detecção de erros de vários bits. – Início do Delimitador de Quadros (SFD): o campo SFD é a seqüência 10101011. – Endereço de Origem (SA): o campo Endereço de Origem especifica a estação que envia o quadro. todos os campos. A transmissão e a cópia deste documento. como identificadores de enlace virtual. comprimento. um campo PAD (uma seqüência de octetos) será adicionado no final do campo de dados. dependendo do seu valor numérico: – Se o valor deste campo for menor ou igual ao valor máximo de Quadro Válido. números de porta. FCS e extensão). mas antes do campo FCS. o campo Comprimento/Tipo indicará a natureza do protocolo do cliente MAC (interpretação de tipo). As interpretações de comprimento e tipo deste campo são mutuamente exclusivas. – Carga Útil de GFP: A área Carga Útil de GFP é composta por todos os octetos do quadro GFP depois do Cabeçalho Principal de GFP. o campo Comprimento/Tipo indicará o número dos octetos de dados do cliente MAC contido no campo de dados subseqüente do quadro (interpretação de comprimento). Ela segue imediatamente o padrão de preâmbulo e indica o início de um quadro.542 V 3AL 80754 AA AA 154/356 . ED 01 955. – Cabeçalho de Extensão GFP: um campo com extensão de 0 a 60 octetos que oferece cabeçalhos de enlaces de dados específicos de tecnologia. Se o comprimento do campo de dados for menor que o mínimo necessário para a operação adequada do protocolo. – Endereço de destino (DA): o campo Endereço de Destino especifica as estações para as quais o quadro se destina. exceto o preâmbulo. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. controle estendido de erro de cabeçalho etc.Campos Quadro MAC Ethernet e Quadro GPF: – Preâmbulo: o preâmbulo é um campo de 7 octetos usado para permitir que o circuito de PLS (sinalização física) alcance a sincronização invariável com a temporização dos quadros recebidos. Classe de Serviço. Todos os direitos reservados. pad e dados LLC (ou seja. Esse valor é computado como uma função do conteúdo do endereço de origem. SFD. O campo seqüência de verificação de quadros (FCS) contém um valor de verificação de redundância cíclica (CRC) de 4 octetos (32 bits). – Se o valor deste campo for maior ou igual a 1536 decimais (igual a 0600 hexadecimais).110. Essa área de comprimento variável pode ir de 4 a 65535 octetos. – PLI: o campo PLI de dois octetos contém um número binário que representa o número de octetos na área de carga útil GFP. é oferecida a transparência completa de dados. – Comprimento/Tipo: este campo de dois octetos considera um entre dois significados. – Dados de cliente MAC e PAD. endereços de origem/destino. – Seqüência de Verificação de Quadros (FCS): uma verificação de redundância cíclica (CRC) é usada pelos algoritmos de transmissão e recepção para gerar um valor CRC para o campo FCS. O campo de dados contém uma seqüência de n octetos.

542 V 3AL 80754 AA AA 155/356 .110. Figura 77. A transmissão e a cópia deste documento. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.Todos os direitos reservados. Cabeçalho de extensão GFP ED 01 955.

– eHEC: o campo Controle de Erro de Cabeçalho de Extensão de dois octetos contém uma seqüência gerada por CRC–16 que protege a integridade do conteúdo do Cabeçalho de Extensão (não incluindo os campos Tipo/tHEC). – SP: um número binário de 4 bits usado para indicar uma das 16 portas de origem em um elemento de iniciação GFP. – Reserva: um campo reserva de 8 bits reservado para uso futuro – Reserva 1: um campo reserva de 8 bits reservado para uso futuro. Todos os direitos reservados. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. – Campos de prioridade: um campo de 4 bits reservado para fins de priorização de tráfego. ED 01 955.110.542 V 3AL 80754 AA AA 156/356 . – Reserva 2: um campo reserva de 4 bits reservado para uso futuro. – DST MAC: um número binário de 48 bits que contém o endereço MAC de destino do elemento de terminação GFP. O campo está subdividido em 2 componentes: • • DE: Bit de Descarte de Qualificação CoS: Bits de Classe de Serviço – TTL: um número binário de 8 bits que representa o número remanescente de hops GFP que a PDU GFP persistirá. – SRC MAC: um número binário de 48 bits que contém o endereço MAC de origem do elemento de iniciação GFP. Um valor igual a zero indica que a PDU GFP associada será terminada no próximo elemento de terminação GFP. A transmissão e a cópia deste documento.Campos Cabeçalho de extensão GFP: – DP: um número binário de 4 bits usado para indicar uma das 16 portas de destino em um elemento de terminação GFP.

craft terminal etc. a interface elétrica e o conector são fornecidos pela placa COMPACT ADM. todas as funções serão duplicadas. dados de monitoramento do desempenho) e fornecimento de configuração. gerenciamento e download de SW etc.3. O subsistema de controle do 1650SMC é centralizado e tem como base um modelo de dois níveis: – Controlador de equipamento (EC) – Controlador de sub-bastidor (SC) O EC oferece os recursos de HW (interfaces físicas) e as funcionalidades de SW (pilha de protocolo) necessários para a comunicação entre o NE e o sistema de gerenciamento (OS. Por meio da interface QECC. um DCC_R a 192 Kbit/s e um DCC_P 64 a Kbit/s(bytes F2. Interfaces externas para o Craft Terminal. a função EC requer um dispositivo de armazenamento em massa não-volátil (placa flash).542 V 3AL 80754 AA AA 157/356 . até três canais ECC full duplex podem ser terminados a partir de cada interface SDH: um DCC_M a 576 kbit/s. Barramento interno Para o subsistema do controlador. o 1650SMC pode trocar mensagens de gerenciamento com um sistema operacional remoto. os seguintes barramentos são definidos: – ”Barramento de gerenciamento”. como processamento de modelo de informações. F3 de VC4).6 Subsistema do controlador (veja a Figura 78 na página 158) Todos os direitos reservados. O SC oferece os recursos que oferece suporte às funções de SW relacionadas à operação de controle e gerenciamento das placas. Para desempenhar suas funções. A transmissão e a cópia deste documento. exceto o EC que está ativo somente na unidade no slot 9 (COMPACT ADM principal). que permite: • conexão entre o SC e as placas para fornecimento de dados de configuração • aquisição de dados de inventário remoto • coleta de dados (alarmes) e manuseio de comandos (por exemplo. os Controladores de Sub-bastidores e o Microprocessador Local. Interface QAUX: é fornecida como uma interface de comunicação TMN adicional para troca de mensagens entre o NE e uma estação de sistema de operações remoto baseada no uso de um protocolo proprietário de 2 Mbit/s. No 1650SMC. o SC estabelece uma interface direta com ASICS na placa que implementa as funções SDH para a coleta de dados (detecções de falhas ou de eventos de alarme. ED 01 955. A implementação do padrão da camada física da interface F consiste em uma porta UART RS–232 acessível no painel frontal da placa COMPACT ADM. loops) – “Barramento ISSB” usado para comunicação entre o Controlador de Equipamento.). relato e registro de eventos. As funções EC e SC são executadas pela placa COMPACT ADM. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Ele executa todas as funções de SW relacionadas às atividades de controle e gerenciamento. Interface QECC: é uma interface de comunicação relacionada a TMN baseada no uso dos Canais de Comunicação Incorporados disponíveis na porção SOH do quadro SDH. Sistema de Operações e Dispositivo de Mediação Interface F: disponível a partir da função EC para conexão a um Craft Terminal local.110. gerenciamento de banco de dados de equipamento.1. Para oferecer suporte a essas atividades. Se o 1650SMC estiver equipado com duas COMPACT ADM.

A interface RS–485 e o conector de cabo são fornecidos na placa CONGI. enquanto a do QB3 requer uma interface 10BASE2 ou 10BASET. tanto as operações em modo mestre quanto as em modo escravo são oferecidas.110. A pilha do protocolo QB2 requer uma interface RS–485. Todos os direitos reservados.542 V 3AL 80754 AA AA 158/356 . respectivamente. Interface QB: dedicada a uma conexão de estação de sistema de operações. A transmissão e a cópia deste documento. Subsistema de controle do 1650SMC ED 01 955. As interfaces elétricas relevantes são colocadas na placa CONGI e são controladas pela função de EC por meio de portas de E/S paralelas. Interface RE / HK: esta interface é composta de sinais de E/S paralelos usados para alarmes remotos e sinais de manutenção.Interface QMD: uma interface de função de mediação Q2/RQ2 é fornecida para conectar o 1650SMC a NEs não-SDH. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. com uma WAN ou LAN. Figura 78. Interface RA: é dedicada para enviar comandos ao bastidor a fim de acender as luzes relevantes. As opções QB2 e QB3 podem ser oferecidas para a conexão.

a partir de outro equipamento SDH ou gateway SDH da rede.1. A interface QB3 permite estabelecer uma conexão com o sistema de operações.1 Interfaces de gerenciamento de rede (Consulte a Figura 79 na página 160 e a Figura 80 na página 160) Todos os direitos reservados. um máximo de 32 equipamentos pode ser gerenciado por meio de uma interface F. atendendo o equipamento real. o Controlador de Equipamento permite o DCC entre as duas portas STM–1 opostas (porta STM– 1 A e porta STM–1 B no exemplo da Figura 80 na página 160). cuja função se estende ao gerenciamento de redes. A transmissão e a cópia deste documento. A interface do Craft Terminal é um tipo EIA–RS232 (interface F). No NE selecionado. Além do mais. o Controlador de Equipamento usa o BARRAMENTO DE GERENCIAMENTO para trocar dados com as unidades. Ela pode ser: – local. O gerenciamento do equipamento é realizado por: um Craft Terminal (CT). Quando a opção de Craft Terminal Remoto é usada. em que um Craft Terminal está conectado (na interface F). o Controlador de Equipamento usa o barramento QECC conectado às portas STM–1. permitindo a proteção por redundância do OS. Nesse caso.542 V 3AL 80754 AA AA 159/356 . Em todos os NEs não envolvidos. as mensagens são transmitidas em bytes D1:D12 de STM (DCC).6. A Figura 79 na página 160 mostra um exemplo de arquitetura de gerenciamento do equipamento. conexão com o Craft Terminal por meio da interface F. O Controlador de Equipamento ECC (fisicamente na unidade COMPACT ADM) transfere mensagens entre QB3 e DCC. Para encaminhar mensagens TMN para outros NEs. Oferece atendimento duplo para OS (sistema de operações). O NE conectado extrai as mensagens desses bytes e as envia ao Controlador de Equipamento.110. O modo de conexão é indicado na seqüência (veja a Figura 80 na página 160). ED 01 955. um Sistema de Operações (OS) composto por uma ou mais Estações de Trabalho. ele permite a conexão com a Telecommunications Management Network (TMN. as informações de gerenciamento são transportadas pela rede ótica com a utilização de bytes DCC (enlace Qecc) ou roteadas por uma LAN. rede de gerenciamento de telecomunicações). o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Dessa forma. Esses equipamentos podem atender e gerenciar nós SDH remotos por meio dessa funcionalidade. as informações de gerenciamento podem ser transportadas pela rede ótica com a utilização de bytes DCC (protocolo Qecc) ou por uma rede LAN dedicada. – remota.3. Esses dados são transferidos para o Sistema Operacional por meio de DCC STM–1.

Modo de conexão para TMN ED 01 955. Arquitetura de gerenciamento geral do 1650SMC Figura 80. A transmissão e a cópia deste documento.Todos os direitos reservados.542 V 3AL 80754 AA AA 160/356 .110. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Figura 79.

1.110. Quando se transporta o tráfego de dados (ATM. As várias relações de protocolo estão ilustradas na Figura 81 na página 161. nos nós gerenciados remotos. Figura 81. IP.6. IEEE–802. para gerenciamento de SDH Modelo de referência TCP/IP (SNMP). existe a necessidade de gerenciar os equipamentos SDH e ATM/IP simultaneamente e juntos. o OS entra nas mensagens de gerenciamento de rede sobre um enlace Ethernet (protocolo IEEE–802.542 V 3AL 80754 AA AA 161/356 . Pilha de protocolo para gerenciamento de SDH/IP/ATM 1): Pilha de OSI para gerenciamento de SDH (interface Qecc) 2): Tunneling IP sobre OSI para gerenciamento de IP/ATM (interface Qecc) 3): Pilha de OSI para gerenciamento de SDH (interface Qb3) 4): Tunneling IP sobre CLNP para gerenciamento de IP/ATM (entrada GNE do OS. essa função é executada por meio do encapsulamento de mensagens SNMP dentro das camadas OSI (“tunneling IP sobre OSI”). Dessa forma.3.3) de um NE de Gateway (GNE). as informações de gerenciamento ATM/IP são transportadas sobre as redes SDH existentes. para gerenciamento de IP/ATM. as mensagens são reconhecidas como pertencentes a: • • Modelo de referência OSI. Nesse exemplo. aqui. Ethernet) sobre as estruturas de rede SDH. A transmissão e a cópia deste documento. O gerenciamento de equipamentos SDH é organizado conforme o solicitado pela pilha de protocolo ISO/OSI de 7 camadas.2 ATM/IP sobre Gerenciamento SDH Todos os direitos reservados. ao passo que os equipamentos ATM/IP são geralmente gerenciados por meio de SNMP. as mensagens são transportadas sobre os enlaces Qecc óticos por meio do protocolo LAPD. Um exemplo de gerenciamento de rede ATM/IP/SDH está ilustrado na Figura 82 da página 162. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.3) ED 01 955. que é uma aplicação do modelo de referência TCP/IP.

Exemplo de gerenciamento de uma rede com tráfego SDH e ATM/IP ED 01 955.542 V 3AL 80754 AA AA 162/356 Todos os direitos reservados. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. A transmissão e a cópia deste documento.110. .Figura 82.

A porta ótica / elétrica na placa COMPACT ADM e a função EC não são protegidas por EPS.542 V 3AL 80754 AA AA 163/356 . A comutação ocorre no caminho.1.3.7 Subsistema de proteção Os tipos de proteções são: • Proteção de equipamento (EPS) Todos os direitos reservados. ED 01 955. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. para cada tipo de falha na placa principal COMPACT ADM (matriz. A transmissão e a cópia deste documento.4xSTM-1 elétrica . – Interconexão em anel de nó duplo reunida É uma arquitetura para conectar sub-redes a fim de melhorar a disponibilidade de tráfego com redução dos recursos de hardware (dois nós reunidos em um nó).110.1) COMPACTO Portas de velocidade: .B. sincronização. lineares e de malha. proteção de trilha linear de seção múltipla) • 1+1 linear single–ended • 1+1 linear dual–ended (não está em operação na versão atual) – SNCP/I e SNCP/N (VC–4 apenas) É usado nas topologias de rede em anel. uma comutação é efetuada para a placa reserva. selecionando (lado Rx) o sinal transmitido aos lados Tx A e Tx B (A e B são duas direções diferentes) – Adicionar e continuar É uma arquitetura para conectar sub-redes a fim de melhorar a disponibilidade de tráfego. • Proteções de rede: – MSP (Multiple Section linear trail Protection. SC).B. – Interconexão em anel de nó simples reunida É uma arquitetura para conectar sub-redes a fim de melhorar a disponibilidade de tráfego com redução dos recursos de hardware (quatro nós reunidos em um nó).B.1 N+1 (N máx = 1) Reversivo N+1 (N máx = 2) N+1 (N máx = 2) Reversivo Reversivo 1+1 Não reversivo baixa Portas elétricas de alta velocidade: .63x2Mbit/s Esquema de proteção Modo Observações 1+1 Não reversivo N.3 x 34/45 Mbit/s Matriz ATM 4x4 N. A proteção EPs é oferecida no equipamento 1650SMC para as seguintes placas: Equipamento: ADM (N.

Para conectar todos os 63 fluxos de 2 Mbit/s.3. As portas P63E1 são conectadas de forma fixa nas placas de acesso pertinentes (consulte o parágrafo 2. As posições da P63E1 principal e da reserva são fixas (veja a Figura 83 na página 165): • • slot 6: P63E1 principal slot 7: P63E1 reserva A porta P63E1 pode gerenciar até 63 portas de 2 Mbit/s. A porta P63E1 de reserva é conectada a todas as placas de acesso A21E1 que usam conexões ponto-amultiponto. como devem ser as portas de baixa velocidade (LS). ED 01 955. a porta reserva P63E1 e a placa de acesso A21E1.1. A transmissão e a cópia deste documento. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.1 Proteção de equipamento (EPS) [1] proteção da placa COMPACT ADM Todos os direitos reservados. As posições da COMPACT ADM principal e da reserva são fixas: • • slot 9: COMPACT ADM principal slot 10: COMPACT ADM reserva [2] Proteção de porta de baixa velocidade (LS) (veja a Figura 84 na página 165) Portas de 2 Mbit/s. A Figura 84 na página 165 mostra a conexão entre a porta principal P63E1. Os switches a serem selecionados entre os enlaces principais e os enlaces de proteção estão localizados nas placas de acesso e são gerenciados por um bloco RIBUS.542 V 3AL 80754 AA AA 164/356 . são necessárias 3 placas de acesso: vinte e um enlaces bidirecionais são usados para cada conexão entre a porta P63E1 e a placa de acesso A21E1.110.3 na página 79) que utilizam conexões ponto-a-ponto.7. O switch é ativado em caso de falha.

A transmissão e a cópia deste documento. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.Todos os direitos reservados. Figura 83.542 V 3AL 80754 AA AA 165/356 . Conexões de enlace na porta 63 x 2 Mbit/s ED 01 955.110. Exemplo de esquema de proteção EPS da porta de baixa velocidade Figura 84.

a proteção N+1 é oferecida utilizando-se a placa HPROT na última posição no lado esquerdo das placas de acesso relacionadas ao grupo de portas protegidas. Por meio das conexões do painel traseiro. [3] Proteção de porta de alta velocidade (HS) (Consulte a Figura 85 na página 167 e a Figura 86 na página 168) As portas de alta velocidade (HS) foram feitas para portas de velocidade de 34 Mbit/s. dependendo da configuração do equipamento. Lado de entrada (a partir do ponto de vista do módulo de acesso) O sinal codificado CMI proveniente da linha e conectado à placa de acesso é decodificado por NRZ. As conexões são funcionalmente ponto-a-multiponto. Além do mais. por exemplo. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. por essa razão. Os critérios de comando da matriz de switch distribuída vêm da unidade de matriz por meio da interface serial. os dados NRZ e CK são encaminhados à porta principal pertinente e à porta de reserva. Cada placa de acesso é também conectada à anterior e à seguinte. um grupo misto de portas pode ser protegido pela mesma placa de reserva. Para a relação entre as portas HS e as placas de acesso. pelo usuário. Até 3 portas de alta velocidade podem ser instaladas no sub-bastidor. os dados NRZ e Clock serão enviados à próxima placa de acesso se estiverem presentes para executar a proteção N+1. dessa forma. A posição da placa de reserva pode ser atribuída de maneira flexível. Os comandos de switch manual e forçar switch podem ser dados por meio de software.110. A porta reserva não é atribuída a uma porta principal específica. o sinal transmitido da porta reserva é distribuído a todas as placas de aceso envolvidas no esquema de proteção. para ativar as placas de reserva. 45 Mbit/s e 155 Mbit/s. A Figura 85 na página 167 mostra alguns exemplos de esquema de proteção EPS. Lado de saída (a partir do ponto de vista do módulo de acesso) O sinal que vem das portas principal e de reserva por meio das conexões do painel traseiro é codificado no formato CMI. A Figura 86 na página 168 mostra as conexões de alta velocidade para a proteção 2+1. A única exceção é para as placas de porta 3x34/3x45: pode ser uma placa de proteção para as placas de porta 3x34 ou 3x45.542 V 3AL 80754 AA AA 166/356 . O status das proteções é relatado ao EC. As únicas restrições são as seguintes: a placa de acesso correspondente à placa de proteção deve ser uma placa HPROT a placa HPROT precisa ser conectada ao lado esquerdo do grupo da placa de acesso as portas principal / reserva precisam ser adjacentes. cada placa de acesso estabelece uma conexão pontoa-ponto com as placas de acesso anteriores e seguintes usando um buffer para desacoplar e regenerar o sinal. a placa de proteção precisa ser conectada ao lado esquerdo do grupo de portas protegidas o grupo de portas protegidas / de proteção precisam ser do mesmo tipo.Todos os direitos reservados. consulte o parágrafo 2. A transmissão e a cópia deste documento. O CK de clock é extraído dos dados. mas. uma matriz de switch distribuída (em cada placa de acesso) é usada para permitir que o sinal obtenha a porta de reserva. fisicamente. ED 01 955. Somente um grupo de proteção N+1 reversivo pode ser criado.3 na página 79. A porta de reserva não deve ser designada a uma porta principal específica. por essa razão.

542 V 3AL 80754 AA AA 167/356 Todos os direitos reservados. Exemplos de proteção EPS ED 01 955. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.Figura 85.110. . A transmissão e a cópia deste documento.

. Conexões de baixa velocidade ED 01 955. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.Figura 86. A transmissão e a cópia deste documento.110.542 V 3AL 80754 AA AA 168/356 Todos os direitos reservados.

oscilador desbloqueado. Além do mais. As falhas que levam a acionar o switch de proteção EPS automática podem ser agrupadas como: falhas que causam perda do enlace do equipamento interno na energização de KO. como a falha de barramento ISBP ou de barramento SPI. módulo ótico com defeito. ED 01 955.110. dependendo da configuração do equipamento. a de reserva se torna ativa.542 V 3AL 80754 AA AA 169/356 . A posição da placa reserva pode ser atribuída de maneira flexível. Nessa configuração. e as interfaces indiretas são roteadas para ela. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Isso não se aplica às interfaces STM–1 locais. algumas falhas podem causar mau funcionamento do equipamento (como falha de inventário remoto. criação de Esquemas de Proteção. por exemplo. a ATM MATRIX e todas as interfaces indiretas conectadas a ela são protegidas contra falhas do módulo ATM. Nessa configuração. aplica-se geralmente ao Domínio de Equipamento da placa ATM MATRIX. notificações de comutação automática) – SC/ Plataforma: gerenciamento de HW • Gerenciamento de lado ATM: envolve ATM EC. Em suma.Tipos de falhas de hardware Todos os direitos reservados. mas que causam perda de gerenciamento. perda de clock e perda de placa (conhecida como LOS/LOF). A transmissão e a cópia deste documento. SC. – falhas que causam perda de tráfego (o enlace interno é preservado). A ATM MATRIX EPS é gerenciada por SDH EC. comandos do operador. não há nenhuma restrição quanto à posição da placa MATRIX ATM principal e de reserva. degradação de laser. O tráfego da interface local é perdido. [4] Proteção de ATM MATRIX 4x4 (veja a Figura 87 na página 170) A placa ATM MATRIX pode ser protegida no esquema de proteção de equipamento 1+1. Em particular: – SDH EC: gerenciamento de Grupos de Proteção de Equipamento e interfaces para o Sistema de Gerenciamento de Rede SDH (por exemplo. interface elétrica com defeito etc. SC e Plataforma. – falhas que não causam perda de tráfego nem de enlace interno. Somente um grupo de proteção 1+1 não reversivo pode ser criado. Essas falhas de hardware são sinalizadas ao sistema de gerenciamento e não provocam um acionamento automático do switch. A Figura 87 na página 170 mostra alguns exemplos de esquema de proteção EPS. A Figura 88 na página 171 representa as mensagens trocadas entre o EC (na placa SYNTH) e as placas ATM MATRIX no grupo de proteção. o gerenciamento pode ser dividido em: • Gerenciamento de lado SDH: envolve SDH EC. aplica-se geralmente ao Domínio de Transmissão ATM da placa ATM MATRIX. Plataforma e ATM EC. quando a ATM MATRIX em operação falha. como. perda de sincronismo CC/CC).

.542 V 3AL 80754 AA AA 170/356 Todos os direitos reservados. Exemplos de esquema de proteção de ATM 4X4 MATRIX EPS ED 01 955.110. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.Figura 87. A transmissão e a cópia deste documento.

.110. Mensagens trocadas entre as placas EC e ISA–ATM no grupo EPS ED 01 955.542 V 3AL 80754 AA AA 171/356 Todos os direitos reservados. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.Figura 88. A transmissão e a cópia deste documento.

542 V 3AL 80754 AA AA 172/356 . A transmissão e a cópia deste documento. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.110.Todos os direitos reservados. PÁGINA DEIXADA EM BRANCO INTENCIONALMENTE ED 01 955.

A comutação pode ser causada por falha na linha ou de hardware em outro sistema conectado ao que está sendo considerado. No modo dual-ended (que não está em operação na versão atual). A proteção pode ser definida nos modos “singleended” e “dual-ended”. A sinalização de comutação é transportada pelo canal APS (bytes K1 e K2 bytes) com o uso do protocolo K– byte.1. degradação de sinal. STM-1 de porta 4xSTM-1 elétrica / ótica STM-1 de porta 4xSTM-1 elétrica 1+1 Não reversivo Protocolo padrão (K1-K2) single ended/dual ended 1+1 Não reversivo Protocolo padrão (K1-K2) single ended/dual ended STM-1 de COMPACT ADM Porta STM-4 A seção de multiplexação linear padrão 1+1 com protocolo K1–K2 é compatível com ITU–T G. BER excessivo e.7. Esse recurso permite uma proteção 1+1 em um enlace linear. A Figura 90 na página 174 mostra um exemplo de proteção 1+1 dual-ended linear e o caso da comutação de sinal depois de uma falha unidirecional do enlace principal.Todos os direitos reservados. a proteção é feita por meio da comutação dos sinais afetados e não-afetados. 3. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. No modo single-ended.841 ED 01 955. Observe que cada fluxo elétrico STM–1 pode ser protegido por um fluxo ótico e vice-versa. Esquemas de proteção MSP Entidade protegida Status da proteção Modo Recursos Nota Cada fluxo STM1 pode ser protegido por um fluxo ótico ou elétrico da mesma porta ou de outra porta STM–1. A Tabela 28 mostra os esquemas de proteção MSP para as placas de porta STM–N do 1650SMC. A Figura 89 na página 174 mostra um exemplo de proteção 1+1 single-ended linear e o caso da comutação de sinal depois de uma falha unidirecional do enlace principal (FERF = Far End Receive Failure [falha de recebimento remoto]. Nota: o sinal FERF é na verdade conhecido como MS-RDI = Remote Defect Indication (indicação de defeito remoto). MS–AIS. A transmissão e a cópia deste documento. em que um sinal de caminho é protegido por outro caminho dedicado que transporta o mesmo sinal. Tabela 28.542 V 3AL 80754 AA AA 173/356 . a proteção é feita somente por meio da comutação do sinal afetado pela falha.110.2 Proteção de trilha linear MS (APS 1+1 linear) (Consulte a Figura 89 na página 174 e a Figura 90 na página 174) A proteção de trilha linear MS é uma proteção de linha APS 1+1 linear (“single ended/dual ended”) somente para interfaces síncronas. perda de quadro. APS = Automatic Protection Switching [comutação de proteção automática]). Os critérios de comutação são: Perda de sinal. com a configuração do software.

Proteção com terminação simples 1+1 linear Figura 90.110. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. A transmissão e a cópia deste documento. Figura 89.Todos os direitos reservados.542 V 3AL 80754 AA AA 174/356 . Proteção com terminação dupla 1+1 linear ED 01 955.

nesse caso. UNEQ. como conseqüência. Com SNCP. nenhuma informação será enviada ao lado Tx correspondente para ativar a operação de comutação na extremidade remota (operação de comutação single-ended). A decisão de comutação pode ser tomada no nível de NE (switch automático) ou no nível de OS (switch de gerenciamento). A direção oposta utilizará uma segunda linha de fibra para o tráfego de reserva (sentido anti-horário). vários equipamentos (numerados de 1 a 5) são conectados em anel em um caminho com loop. TIM. nas quais vários equipamentos precisam ser instalados. Dessa forma. Uma falha ou degradação do caminho principal leva à comutação para o reserva. Uma das duas direções representa o caminho principal (sentido horário). SNCP/N (monitoramento não-invasivo). ao passo que uma falha está relacionada somente a uma fibra. SD. entre os nós 1 e 4) e os nós de entrada / saída relevantes com pass-through associado. a porção em que dois segmentos de caminho separados estão disponíveis) ou todo o caminho de ponta-a-ponta. A proteção automática SNCP intervém na detecção de falha de caminho (SSF). a arquitetura SNCP utiliza os dados relacionados ao caminho e não à linha. O exemplo da Figura 91 na página 176 ilustra a conexão entre os dois sinais (T1. SNCP é empregado em redes em anel. ExBER. As unidades recebem um circuito de comutação de caminho (ponte + switch).7. ED 01 955. SNCP pode proteger os caminhos após a ruptura de um cabo ou em falhas ao longo das fibras e nós. Ela pode ser aplicada a qualquer camada de caminho em uma rede dividida em camadas. Para gerenciar a comutação. 3. A comutação é de fato ativada por operações com defeito que ocorrem nos níveis VC4. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Cada equipamento presente no nó é conectado de maneira bidirecional (Lado A e lado B).3 SNCP (Sub–Network Connection Protection. ele estabelece o tráfego das duas direções fora de operação. Dois tipos de SNCP são possíveis: SNCP/I (monitoramento inerente). que realiza comutação com base em critérios SSF (AU–AIS e AU– LOP). Se a ponta de recepção for comutada. algumas vezes. Sua ativação depende da configuração do equipamento. e T2.110. dessa forma permitindo que o nó o receba para selecionar o melhor (switch). um sinal AIS será transmitido no mesmo caminho para ativar a proteção.542 V 3AL 80754 AA AA 175/356 .1. em que POH é monitorado pela ativação de POM depois da matriz. A ruptura de cabos está relacionada a todas as fibras contidas nesses cabos e. tempo de espera para restauração) é fixado em 5 minutos. cada caminho em operação tem um caminho de proteção dedicado. A transmissão e a cópia deste documento. Cada nó de sinal de transmissão fica permanentemente conectado (em ponte) na direção do tráfego principal (sentido horário) e na direção do tráfego protegido (sentido anti-horário). O sinal Tx alcança o destino por meio de dois caminhos diferentes. a mesma seleção deve ser feita em cada NE do anel. Quando o caminho não estiver mais disponível. Ele pode ser usado também na topologia de rede linear ou de malha.Todos os direitos reservados. Dois modos de operação podem ser selecionados para SNCP VC simples: • reversivo (o sinal é comutado de volta para o canal de operação após recuperação da falha) • na operação reversiva o WTR (Wait Time to Restore. A Figura 92 na página 177 mostra dois exemplos de falhas e o mecanismo de comutação SNCP subseqüente. • não reversivo Conforme ilustrado no exemplo mostrado na Figura 91 da página 176. proteção de conexão de sub-rede) (Consulte a Figura 91 na página 176 e a Figura 92 na página 177) A proteção da conexão de rede de sub-rede é um mecanismo de proteção dedicado que pode ser usado para proteger um caminho (por exemplo. entre os nós 2 e 5. Os critérios de comutação são SSF e.

OBSERVAÇÕES: A seguinte terminologia é usada no Craft Terminal: Pass–through = Conexão bidirecional Proteção drop/ins = Conexão protegida bidirecional Figura 91. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. A transmissão e a cópia deste documento.110.Todos os direitos reservados.542 V 3AL 80754 AA AA 176/356 . Rede em anel típica com SNCP ED 01 955.

A transmissão e a cópia deste documento. . o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.Figura 92. Exemplos de falha no anel SNCP ED 01 955.542 V 3AL 80754 AA AA 177/356 Todos os direitos reservados.110.

é necessário utilizar um grupo de três portas. Exemplos de grupos protegidos por SNCP Nº de fluxos de 2 Mbit/s (função auxiliar) 10 11 21 21 STM–1 associado Lado A (função de agregação) Nº do slot 9 9 7 7 STM–1 associado Lado B (função de agregação) Nº do slot 10 10 8 8 Porta na placa SUPERIOR INFERIOR INFERIOR SUPERIOR Porta na placa SUPERIOR INFERIOR INFERIOR SUPERIOR LADO A LADO B Figura 93.Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste documento. apenas uma 63x2 Mbit/s pode ser protegida por SNCP no 1650 SMC. Devido à limitação de acesso. No exemplo.110. Para executar a proteção por SNCP. consulte a Tabela 29) Tabela 29. A Figura 93 na página 178 mostra um exemplo de configuração de equipamento com o uso de proteção por SNCP. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.542 V 3AL 80754 AA AA 178/356 . diversos fluxos de 2Mbit/s são adicionados nas portas STM–1 no esquema SNCP para um número total de quatro anéis (para mais detalhes. Exemplo de grupo protegido por SNCP ED 01 955.

o lado reserva é o lado "B"). que mostra a configuração D/C–A INS–A (denominada “Normal” no CT) e a Figura 95 na página 180.1. (por As letras “A” e “B” não são conhecidas como uma placa ou portas específicas em um slot físico do sub-bastidor.3. quando ”INS B”. consulte a Figura 94 na página 180. que mostra a configuração D/C–A INS–B (denominada “Inversa” no CT). O ”pass-through unidirecional” está sempre na direção oposta em relação ao do lado de “inserção (por exemplo. conseqüentemente. N.4 Drop & Continue (Consulte a Figura 94 na página 180 e a Figura 98 na página 182) Todos os direitos reservados. As sub-redes devem ser conectadas por meio de pelo menos dois nós (assim estabelecendo duas conexões independentes). “A” e “B” são usadas nas figuras deste parágrafo para identificar a direção de uma linha. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. A arquitetura Drop and Continue (adicionar e continuar) foi implementada na rede para melhorar a disponibilidade do tráfego. Drop and Continue é uma forma de proteger um caminho cruzado por um grande número de sub-redes. A arquitetura resultante oferece proteção contra diversas falhas (distribuída uniformemente uma por subrede) toleradas sem perda de tráfego (falha de nó ou simples ruptura de cabo). Mais sub-redes serão conectadas à medida que a disponibilidade aumentar.7. O equipamento das sub-redes implementa a conexão entre dois anéis SNCP. ED 01 955. Os recursos Drop and Continue realizam simultaneamente o seguinte em um nó: • pass-through unidirecional • proteção contra queda • inserção em uma direção As configurações possíveis são: • D/C–A INS–A (chamada “Normal” em Craft Terminal) • D/C–A INS–B (chamada “Inversa” em Craft Terminal) D/C significa “Drop and Continue”.B. O recurso Drop and Continue melhora a disponibilidade do tráfego em comparação com o "SNCP ponta-aponta" simples. o pass–through é do lado B par ao lado A).542 V 3AL 80754 AA AA 179/356 .110. A transmissão e a cópia deste documento. A letra final (INS–B ou INS–A) indica o lado de inserção. anéis. a letra após ele (A = linha lado “A”) indica o lado da "queda” exemplo. por exemplo. Para mais informações. “A” significa “lado principal A" e. O equipamento é configurado como ”DROP and CONTINUE” em cada nó de interconexão.

542 V 3AL 80754 AA AA 180/356 .Todos os direitos reservados. D/C A INS B de Drop and Continue (chamada de “Inversa” no CT) O recurso “Drop and Continue” com dois anéis SNCP conectados (com conexão de nó duplo) é indicado na Figura 96 na página 181. e o pass-through anterior entre os nós 4 e 3 não é mais utilizado. conectado em proteção drop/ins nos nós 1 e 8. 9. NOTA – a seguinte terminologia é usada no Craft Terminal: pass–through = Conexão bidirecional proteção drop/ins = Conexão protegida bidirecional Quando em condição normal. a direção unidirecional do tráfego de 1 a 8 deve ser 1 → 2 → 3 → 6 → 7 → 8. Após a falha do primeiro anel entre os nós 2 e 3 (veja a Figura 97 na página 182). a direção selecionada no enlace é: 1 → 5 → 4 → 10 → 9 → 8. O switch em operação está no nó 8. ED 01 955. A transmissão e a cópia deste documento. 4. O sinal de caminho relevante é: conectado em Drop and Continue (D/C A – INS A) nos nós 3. 6 e 10. 5. a direção do enlace é: 1 → 5 → 4 → 3 → 6 → 7 → 8. Após uma segunda falha no segundo anel entre os nós 6 e 7 (veja a Figura 98 na página 182). conectado em pass–through nos nós 2.com um switch no nó 3. Figura 94. 7.110. Ele mostra a conexão de um sinal de caminho entre os dois nós 1 e 8. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. D/C A INS A de Drop and Continue (chamada de “Normal” no CT) Figura 95.

o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.110. Drop and Continue ED 01 955.Figura 96. . A transmissão e a cópia deste documento.542 V 3AL 80754 AA AA 181/356 Todos os direitos reservados.

A transmissão e a cópia deste documento. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.542 V 3AL 80754 AA AA 182/356 . Drop and Continue – primeira falha Figura 98. Drop and Continue – segunda falha ED 01 955.Todos os direitos reservados. Figura 97.110.

e comutador no nó 3. A “Interconexão em anel de nó dual colapsado” apresentando dois anéis conectados (com conexão dual) é mostrada na Figura 99 na página 184.3. a partir de uma porta genérica para outra.7. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. por ex. uma por subrede) tolerada sem perda de tráfego (falha de nó ou corte de cabo simples). As sub–redes devem estar conectadas por pelo menos dois nós (realizando assim duas conexões independentes). O comutador operacional é sobre o nó 8 e o pass–through entre os nós 4 e 3 não é mais usado. A “Interconexão em anel de nó dual colapsado” é uma forma de proteger um caminho cruzando várias subredes. a “Interconexão de nó dual colapsado” permite uma redução de Hardware. Em relação à configuração mostrada na Figura 96 na página 181 (“Drop and Continue” – “Retirar e Continuar”). Pass–through (passagem) é usado entre os nós 4 e 3. Após uma falha no 1º anel entre nós 2 e 3 (ver Figura 100 na página 185). ED 01 955. A proteção de SNCP é habilitada através do equipamento. A transmissão e a cópia deste documento. no mesmo equipamento. a direção unidirecional do tráfego de 1 a 8 deveria ser 1 _ 2 _ 3 _ 6 _ 8.1.5 Interconexão em anel de nó dual colapsado (Ver da Figura 99 na página 184 até a Figura 101 na página 185) Todos os direitos reservados.. a direção do enlace é: 1 → 5 → 4 → 3 → 6 → 8. Os equipamentos das sub-redes implementam a conexão em anel de SNCP. anéis. uma vez que um OMSN contém várias portas e um sinal de caminho pode ser conectado em modo protegido. Quando em condição normal.110. A arquitetura resultante proporciona proteção contra falhas múltiplas (igualmente distribuída.542 V 3AL 80754 AA AA 183/356 . Após uma segunda falha no 2º anel entre os nós 3 e 6 (ver Figura 101 na página 185) a direção selecionada do enlace é: 1 → 5 → 4 → 7 → 8.

Interconexão de nó dual colapsado ED 01 955. . o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.110. A transmissão e a cópia deste documento.542 V 3AL 80754 AA AA 184/356 Todos os direitos reservados.Figura 99.

o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Figura 100. Interconexão de nó dual colapsado – 1ª falha Figura 101.110.542 V 3AL 80754 AA AA 185/356 . Interconexão de nó dual colapsado – 2ª falha ED 01 955. A transmissão e a cópia deste documento.Todos os direitos reservados.

Em relação à configuração mostrada na Figura 96 na página 181 (“Drop and Continue” .“Retirar e Continuar”). Interconexão em anel de nó simples colapsado ED 01 955. quatro nós são colapsados em um nó. de fato.110.6 Interconexão em anel de nó simples colapsado (Ver da Figura 102 na página 186 à Figura 104 na página 188) Todos os direitos reservados. O modo operacional da proteção é similar àquela descrita para a “Interconexão de nó dual colapsado” (ver parágrafo 3.1.7. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. por ex. A transmissão e a cópia deste documento.3. anéis. A “Interconexão em anel de nó simples colapsado” é uma forma de proteger um caminho cruzando várias sub–redes.542 V 3AL 80754 AA AA 186/356 .7.1. Figura 102.5 na página 183).. a “Interconexão de nó simples colapsado” permite a melhor redução de Hardware.

110. . Interconexão em anel de nó simples colapsado –1ª falha ED 01 955. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.542 V 3AL 80754 AA AA 187/356 Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste documento.Figura 103.

A transmissão e a cópia deste documento. . o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.542 V 3AL 80754 AA AA 188/356 Todos os direitos reservados. Interconexão em anel de nó simples colapsado – 2ª falha ED 01 955.Figura 104.110.

812 e G. A transmissão e a cópia deste documento. Fontes de sincronização A unidade COMPACT ADM pode selecionar seu sinal de referência entre um dos seguintes clocks : • T1 : clock de 2. de 1 ppm/dia (ou 0. a unidade opera neste modo quando nenhum sinal de sincronismo válido está presente e nem valores de referência de retenção estão armazenados.542 V 3AL 80754 AA AA 189/356 .3. a qual mantém travado o clock do Sistema àquele selecionado como entrada no caso do equipamento operar no modo “travado”.37 ppm/dia) unidade. Pode ser travado a um dos clocks de referência T1.810.048 Mhz extraído dos sinais PDH vindos das portas plesiócronas de 2 Mbit/s Um máx.8 Subsistema sincronizador A função de sincronização do Equipamento é realizada pelo cartão COMPACT ADM. os sinais de sincronização são distribuídos às portas do equipamento. • T3 ou T6 : respectivamente um clock de 2. a unidade retém a última referência válida com um deslocamento máx. ED 01 955. Todos os direitos reservados. Este modo operacional está associado com a perda de referências selecionadas pelo operador. No caso de ”modo operacional com operação livre”. Uma PLL está presente. Um oscilador de alta estabilidade a 10Mhz está presente para garantir um modo operacional retido ou com operação livre em atendimento às Recomendações da ITU–T. Os modos operacionais: • travado • retido • operação livre atendem às Recomendações ITU–T G. T2 ou T3/T6. O mesmo gera os seguintes clocks : • T0 : é um clock do sistema a 622 Mhz derivado de um oscilador local. A troca entre as referências depende também da condição do alarme detectado nos sinais. Clocks Gerados O cartão COMPACT ADM implementa também a função SETG (Synchronous Equipment Timing Generation – Geração de Temporização de Equipamento Síncrono).813. G. Por meio do SETS (Fonte Síncrona de Temporização de Equipamento).110. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. O clock a 622 Mhz é enviado a todos os cartões de porta.6 ppm de precisão). de 6 T1 + T2 são selecionados pelo software através do Terminal Craft.048 Mhz ou sinal de 2.048 Mhz extraído dos sinais STM–N • T2 : clock de 2.048 Mbit/s vindo de uma fonte de sincronização externa (do cartão SERGI que insere o algoritmo SSM) A seleção automática de uma dessas fonts é obtida usando um critério de qualidade (algoritmo SSM) ou prioridade. Com relação à ”Retenção”.1. o mesmo pode ser travado a um clock a 10 Mhz gerado por outro oscilador local de alta estabilidade (±4.

Este clock é enviado para o cartão SERGI que insere o algoritmo SSM e gera o formato padrão do clock a ser emitido pelo sistema.542 V 3AL 80754 AA AA 190/356 . T4 ou T5 é obtido a partir de um PLL digital que pode ser travado a qualquer uma das referências T1/T2 e pode ser abafado. Esta operação é realizada para prevenir que a ”referência de temporização” sincronize o NEi fornecedor (enlace de temporização). a função de sincronização também é redundante. o Segundo é um sinal sincronizador de 2 Mbit/s.. É distribuído a todas as portas e aos cartões SERGI. Todos os direitos reservados. Função de sincronização: diagrama de blocos ED 01 955.O nível de qualidade de referência usado para gerar T0 é inserido no SSMB dos sinais STM–N emitidos pelo equipamento. alguns sinais são trocados no SYNC BUS. O critério de ”não use” é enviado ao ”clock NEi” que havia fornecido a referência de sincronismo para obter o T0.110. A transmissão e a cópia deste documento. Figura 105.A. Sua freqüência é de 38 MHz • MFSY : é o sincronismo do multiquadro a 500 Hz. obtido do ck38MHz. • SY1S : é um segundo sincronismo usado para o cálculo do Monitoramento de Desempenho Como o COMPACT ADM é redundante. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. • T4 ou T5 : o primeiro é um clock sincronizador a 2. A fim de manter travado e em fase as duas G.048 Mhz . O sistema de sincronização garante o comutador sem perda de bit (Hitless) porque os dois COMPACT ADM trabalham em modo Mestre–Escravo. Outros sinais de sincronização gerados pelo COMPACT ADM O COMPACT ADM gera os seguintes sincronismos para uso interno : • CK38Mhz : É derivado do clock do sistema e é distribuído às portas e para os cartões SERGI. a seleção entre os dois sinais é feita através de software e o resultado é enviado em direção ao externo.

útil para comunicação de serviço na rede.25 na página 297.703 – um canal de dados de 2 Mbit/s G.1.110.542 V 3AL 80754 AA AA 191/356 .703 Na unidade SERGI.703. Estes bytes são usados para alinhamento. verificação de paridade. V11 e G. Os seguintes tipos de conexões são possíveis: • Entre duas estações (chamada seletiva) • Entre três estações (chamada multi–seletiva) • Chamada omnibus Para maiores detalhes ver parágrafo 3. Parte desses são também usados para dados do usuário e canais de fala e fazem interface em direção à porta STM–N através da unidade SERGI. – dois canais de dados V11 – dois canais de dados RS232 – dois canais de dados de 64 Kbit/s G. A unidade SERGI pode ser usada conforme requerido: – para acessar externamente a interface de serviço – para conectar o ponto de acesso externo aos bytes do SOH e do POH das unidades (terminação) – para permitir aos bytes do SOH e do POH passarem através das várias unidades. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. A transmissão e a cópia deste documento. O ponto de acesso externo da unidade é: – um aparelho local do operador para conexão de fala. O padrão SDH oferece uma quantidade considerável de canais de serviço na Seção bytes de Overhead (SOH) e bytes de Overhead de Caminho (POH) do quadro Síncrono. – Enlace AUX bidirecional das portas STM ED 01 955. A matriz recebe também: – Enlace DCC bidirecional do COMPACT ADM (DCC–A) e da porta STM–N.2. operações de gerência de rede.3. A unidade SERGI realiza o by-pass de fala analógico entre duas portas e pode também estabelecer uma conexão com um aparelho telefônico externo.9 Subsistemas Auxiliar e DCC (Ver Figura 106 na página 192) Todos os direitos reservados. monitoramento de desempenho. uma matriz não bloqueante está presente para realizar as interconexões de bytes de SOH e POH A matriz faz a interconexão dos canais de dados RS232.

o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.542 V 3AL 80754 AA AA 192/356 Todos os direitos reservados.Figura 106. A transmissão e a cópia deste documento. . Gerência de AUX e DCC ED 01 955.110.

10 Subsistema de fonte de alimentação (Ver Figura 107 na página 195) Todos os direitos reservados. tal como ruídos conduzidos e irradiados. mas que podem causar problemas com o desempenho do sistema.110. todos os conversores CC/CC são sincronizados com um clock de sincronização a 288 MHz derivado do G. através de conversores secundários. +BATT A –BATT A para o CONGI e +BATT B –BATT B para o SERGI). FPGA.542 V 3AL 80754 AA AA 193/356 .A. são aplicadas ao CONGI e ao SERGI respectivamente por meio do conector de energia localizado no painel frontal da unidade (por ex. A fim de evitar problemas de EMI. selecionar qual das duas baterias da estação fornecem a maior alimentação. na placa As principais vantagens da arquitetura distribuída são: – a habilidade para gerar. adicionando filtro EMI na placa. Pode ser subdividido em três principais blocos: a) Principal bloco de energia É usado para selecionar a tensão de alimentação do sistema e para fornecer uma proteção contra descarga.. Os cartões CONGI e SERGI podem. As tensões vindas das duas baterias da estação. e assim por diante. módulos óticos. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. um número de independentes e diferentes tensões ou funções de uso final do barramento de distribuição de alta tensão (normalmente 48V) – as falhas afetarão apenas a placa associada ao conversor danificado em caso de sobre-tensões ou curto circuitos.1. O subsistema de fonte de alimentação foi subdividido em dois níveis: – Estágio de Energia de Alimentação – Estágio de Energia Distribuída ESTÁGIO DE ENERGIA DE ALIMENTAÇÃO A Figura 107 na página 195 mostra o estágio de energia de alimentação do equipamento abrigado nos cartões CONGI e SERGI.3. Um ou mais conversores CC/CC podem estar presentes nos cartões para gerar as tensões requeridas para alimentar os circuitos eletrônicos presentes na placa em si: ASICS. Contém um filtro EMI para permitir que o equipamento seja confiável na presença de interferências EMI externas e para limitar a EMI gerada internamente. O + Batt pode ser conectado a um terra mecânico através de um arranjo de estrape. As tensões selecionadas são Red e enviadas para os cartões do equipamento (+BATT e –BATT). ED 01 955. A transmissão e a cópia deste documento. portanto. causados pelo clock de alta freqüência ou transições rápidas. A arquitetura de energia para o equipamento 1650SMC é distribuída: o CONGI e o SERGI fornece o +Batt e –Batt para os outros cartões selecionando a maior tensão fornecida pelas duas baterias da estação. – a habilidade de conter todos aqueles sinais influentes que não causam mal funcionamento do sistema.

estágio de alimentação e estágios de energia distribuída. ESTÁGIO DE ENERGIA DISTRIBUÍDA Todas as placas recebem as tensões +BATT –BATT geradas pelo estágio de alimentação e a tensão de +3. o conversor CC/CC é precedido pelo circuito de proteção.3 usada para alimentar a interface ”RIBUS I/F”. O circuito de proteção está presente nos cartões CONGI e SERGI e em todas as placas onde o conversor de CC/CC é requerido.542 V 3AL 80754 AA AA 194/356 . uma falha de alimentação em curto circuito pode causar flutuações severas na alimentação de outros conversores de CC/CC. Para a função realizada pela interface ”RIBUS I/F” ver parágrafo 3. isto é.110.3 ou ±5. Um conversor CC/CC gera as tensões de +3. Fusíveis são instalados a fim de prevenir uma unidade em falha de curto circuitar o barramento de alimentação.1.3 V para alimentar a interface ”RIBUS I/F” se esta estiver presente no cartão. ED 01 955. portanto previne um surto de corrente no módulo de alimentação quando a placa é encaixada. Fornece as seguintes funções: • Isola o conversor de CC/CC em caso de curto circuito.3 V Um conversor CC/CC gera uma tensão de +3. Um circuito divisor fornece a freqüência necessária para sincronizar o conversor CC/CC.11 Subsistema de Inventário Remoto na página 196. • Implementa um sistema de limitação de partida e surto de corrente a fim de fornecer um carregamento controlado do capacitor de hold–up de alimentação e.b) Circuito de Proteção Todos os direitos reservados.2 requeridas para alimentar o cartão. • Isola o conversor CC/CC em caso de tensão de alimentação menor que 33 V. É uma interface entre +BATT – BATT e o conversor de CC/CC. De fato. c) Bloco CC/CC 3. Como mencionado anteriormente. A transmissão e a cópia deste documento. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Na placa pode ainda estar presente conversores de redução de tensão para gerar outras tensões quando necessário.

Figura 107.110. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. . 1650SMC – Estágio de alimentação de energia e energia distribuída ED 01 955.542 V 3AL 80754 AA AA 195/356 Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste documento.

(ver detalhes no Manual do Operador). etc.1. ele gerencia o identificador de slot (ID) e o tipo de cartão (CType). As informações disponíveis são: data da construção. micro–controladores e assim por diante). Este bloco pode também gerencia as indicações visuais da placa (LEDs) e alguns comandos/contatos/alarmes de E/S paralelas que podem eventualmente ser transferidos por meio do enlace RIBUS.110. O bloco ”RIBUS–I/F” da figura implementa a interface do enlace serial com o dispositivo de inventário remoto (denominado RI na figura). Além disso. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. nome do fabricante.11 Subsistema de inventário remoto Todos os direitos reservados. A função do Inventário Remoto está presente em todos os cartões e módulos ou módulos intra–cartão. A informação do CType está contida no dispositivo RI. Subsistema de Inventário remoto ED 01 955. tipo de cartão. As funções do Inventário Remoto permitem ao operador recuperar informações sobre qualquer cartão ou módulo presente no equipamento. Os dados relevantes são transportados por um enlace serial (denominado RIBUS na figura) que conecta todos os cartões e módulos do equipamento. Figura 108. número de código. (Ver Figura 108 na página 196).3.542 V 3AL 80754 AA AA 196/356 . O RI pode também estar presente em alguns sub–módulos montados na placa (tal como módulos óticos– elétricos. A transmissão e a cópia deste documento.

operações de gerência de rede.1.707 ED 01 955.3.110. Especificações de referência: ITU–T G.542 V 3AL 80754 AA AA 197/356 .). etc. comunicações auxiliares. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Para a conveniência do leitor. as estruturas de alguns quadros de SDH envolvidos no equipamento são relatadas nas páginas que se seguem. Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste documento.12 Estrutura de quadros O padrão SDH oferece uma quantia considerável de canais de serviço na Seção de bytes de OverHead (SOH) do quadro. verificação de paridade. Estes bytes são usados para manutenção de seção (alinhamento de quadro.

Figura 109.Todos os direitos reservados.110. Estrutura de multiplexação do 1650SMC ED 01 955. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. A transmissão e a cópia deste documento.542 V 3AL 80754 AA AA 198/356 .

A transmissão e a cópia deste documento.542 V 3AL 80754 AA AA 199/356 Todos os direitos reservados. Estrutura do VC–12 (mapeamento assíncrono de 2048 Kbit/s) ED 01 955.Figura 110. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.110. .

.110.Figura 111.542 V 3AL 80754 AA AA 200/356 Todos os direitos reservados. Estrutura do TU–12 ED 01 955. A transmissão e a cópia deste documento. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

B3 resultante do BIP–8 realizado no VC–3 anterior. H4: indicador de posição de carga útil interior de ordem mais inferior. O mesmo contém: – quatro bits para indicação do REI (Indicação Remota de Erro) (ex FEBE=Erro de Bloco de Extremidade). Estrutura de TU–3 ED 01 955. onde os números decimais 0–8 indicam o número de violações do BIP–8 (os valores ilegais de 9 a 15 indicam ausência de erros). antes do scrambler. para Monitoramento de Conexão em Tandem (TCM). • • • • F2. como indicador de multiquadros. K3: para sinalização de APS (Comutação de Proteção Automática). C2 (rótulo de sinal) = as configurações são usadas para indicar se o VC–3 está equipado ou não. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.Todos os direitos reservados.110. PM e ex–BER suportados nas terminações VC3. PM próximo à extremidade / na extremidade suportado nas terminações LVC.H2. A transmissão e a cópia deste documento. F3: bytes usados para o transporte de dois canais de dados de usuário através de conexões AUX.H3: Ponteiro TU–3 Figura 113. Figura 112. – um bit para a RDI (Indicação Remota de Defeito). Estrutura do VC–3 • H1. ESTRUTURA DE POH: • • • • J1 (rastreamento de caminho) usado para transmitir em modo cíclico uma configuração de 64 octetos a fim de verificar a continuidade da conexão. (ex FERF= Falha de Recebimento de Extremidade) e os outros três dígitos não são usados.542 V 3AL 80754 AA AA 201/356 . ou a estrutura da carga útil. N1: byte de Operador de Rede. SLM e UNEQ suportados no VC3 – TTP. G1 (estado de caminho) usado para transmitir informações sobre o estado do enlace ao terminal remoto.

Figura 114. C2 (rótulo de sinal) as configurações são usadas para indicar se o VC–4 está equipado ou não. não operacional no atual release. não operacional no atual release. ou a estrutura da carga útil. G1 (estado de caminho) usado para transmitir informações sobre o estado do enlace ao terminal remoto. B3 resultante do BIP–8 realizado no VC–4 anterior.542 V 3AL 80754 AA AA 202/356 . antes do scrambler. A transmissão e a cópia deste documento. H4 (indicador de posição) indicador de multiquadros (usado para as cargas úteis estruturadas até o TUG) que indica o sub-quadro de cada multiquadro. J1 (rastreamento de caminho) usado para transmitir em modo cíclico uma configuração de 64 octetos a fim de verificar a continuidade da conexão. – um bit para transportar o sinal de alarme FERF Tx e três bits não usados. N1 byte de Operador de Rede (para Protocolo de Conexão em Tandem). Estrutura de VC–4 e conteúdo de byte de POH ED 01 955. K3 Proteção de Ordem Mais Alta (HOP). F3 (canal de usuário de caminho) usados para transmitir e interconectar um canal de dados recebido da unidade SERGI. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. onde os números decimais 0–8 indicam o número de violações do BIP–8 (os valores ilegais de 9 a 15 indicam ausência de erros). – quatro bits contêm o sinal FEBE Tx (Erro de Bloco de Extremidade).Todos os direitos reservados.110. F2 (canal de usuário de caminho) usado para transmitir e interconectar um canal de dados recebido da unidade SERGI.

Figura 115. Estes três octetos. resultantes da codificação BIP–Nx24 realizada no quadro anterior sem as três primeiras fileiras de SOH. EOW) São usados para comunicação telefônica de serviço entre regeneradores (E1) e entre muldex e muldex (E2). Rastreamento da Seção do Regenerador. Indica o estado de sincronização (b5÷b8) do estado de caminho de sincronização. é inserido no quadro atual antes do scrambling. São usados para indicações de APS (Comutação de Proteção Automática). A transmissão e a cópia deste documento. (fio de solicitação.542 V 3AL 80754 AA AA 203/356 . F1 K1 – K2 S1 M1 Notas: – bytes marcados com X são reservados para uso nacional. – bytes marcados com • não passaram por scrambler (como a primeira fileira inteira). (canal de usuário) é usado para transmitir um canal de dados recebido da unidade SERGI (para serviço e manutenção). A1 – A2 J0 B1 B2 E1 – E2 Os seis octetos do tipo A1=11110110 e A2=00101000 constituem a palavra do alinhamento. D1 ⎟ D3 São usados como um canal de 192 Kbit/s para comunicação de dados (DCC=Canal de Comunicação de Dados) entre regenerados na rede TMN. D4 ⎟ D12 São usados como um canal de 576 Kbit/s para comunicação de dados (DCC) entre multiplexadores na rede TMN.Todos os direitos reservados. Estrutura de STM–1 e conteúdo de byte de SOH ED 01 955. Indica Erros de Extremidade de Bloco MS–REI (FEBE) para a seção multiplex. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. os últimos três bits K2 (b6⎟b8) são usados como indicação remota de seção multiplex de MS–RDI para alarmes FERF e AIS entre os multiplexadores. – bytes marcados com Δ é um byte Dependente do Meio: não operacional. é usado para estimar o BER na seção do regenerador. Este octeto resultante do procedimento BIP–8 realizado no quadro anterior na saída do scrambler. – todos bytes não marcados são reservados para padronização internacional futura (para uso nacional adicional dependente do meio e outros motivos).110. são inseridos no quadro atual antes do scrambling. eles não são estimados novamente nas repetidoras porque são usados para estimar o BER entre o multiplexador.

A2=00101000. D4 ⎟ D12 São usados para o canal de 576 Kbit/s para DCC na rede TMN. Usa todos os slots. Resultado do cálculo do BIP–Nx24 no quadro anterior isento de três fileiras RSOH. A transmissão e a cópia deste documento. Estrutura do STM–4 e conteúdo de byte de SOH ED 01 955. – bytes marcados com • não passaram por scrambler (como a primeira fileira inteira). AIS. E2 Para operações de EOW entre multiplexadores. Usa slot do primeiro STM–1. Usado para avaliar a taxa de erro entre multiplexadores.542 V 3AL 80754 AA AA 204/356 . Figura 116. São usados para canal de 192 Kbit/s para DCC na rede TMN. Usado para avaliar a taxa de erro entre regeneradores. Notas: – bytes marcados com X são reservados para uso nacional. K1 – K2 Para indicações de Proteção Linear de Trilha 1+1 MS e alarmes FERF. B1 Resultado de cálculo do BIP–8 no quadro anterior (após scrambling). Usa o slot do primeiro STM–1. (Sobressalente) Estes bytes são reservados para padronização internacional futura. Disponível para o usuário (dados da unidade SERGI). o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Usa slot do primeiro STM–1. Usa slot do primeiro STM–1. Usa slot do terceiro STM–1. Usa todos od slots dos quatro STM–1. Para operações de EOW entre regeneradores.Todos os direitos reservados. A1 – A2 J0 Z0 Palavra de alinhamento A1=11110110. Rastreamento da Seção do Regenerador. Usa slot do primeiro STM–1. Usa slot do primeiro STM–1.110. – todos os bytes não marcados são reservados para padronização internacional futura (para uso nacional adicional dependente do meio e outros motivos). Usa slot do primeiro STM–1. S1 Indica o estado de sincronização (b5⎟b8) do estado de caminho de sinc. Usa slot do primeiro E1 F1 D1 ⎟ D3 B2 STM–1. M1 Indica seção FEBE (STM4)..

envio de mensagem.704 para informações detalhadas. Refira à rec. A transmissão e a cópia deste documento. – A = Indicação Remota de Alarme (RAI).110. em condição de alarme.1. – Sa4 a Sa8 são usados para mensagem específica ponto a ponto. Time Slot 0. com cada time slot contendo 8 bits. numerados de 0 a 31 (TS0 a TS31). por motivos como: alinhamento de quadro. o sinal de alinhamento de quadro de 7 bits (FAS = 0011011. etc. ITU–T G. A figura a seguir mostra a alocação dos bits 1 a 8 (isto é. A taxa de repetição do quadro é de 8000 Hz (período de tempo 125 μs).542 V 3AL 80754 AA AA 205/356 .3. alternativamente. é composto por 32 time slots (TS). O sinal de 2048 Kb/s síncrono é estruturado em um quadro de 256 bits. Figura 117. Nota 1 Nota 2 Nota 3 Nota 4 – Si = bits reservados para uso internacional. TS0) na estrutura básica de quadro do sinal síncrono de 2Mb/s. verificação de integridade de erro. Sinal síncrono de 2048 Kb/s: overhead de quadro básico ED 01 955. ajustado em 1. Um uso específico é para alinhamento de multiquadros e para procedimento CRC–4: ver Figura 118. numerado de 1 a 256. bits 2 a 8).1 Quadros de 2048 Kb/s síncronos Todos os direitos reservados. TS0 é usado como o OverHead do quadro.12. ajustado em 0. Em operação não perturbada. – este bit é fixado em 1 para auxiliar em evitar simulações do sinal de alinhamento de quadro. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Os quadros contêm.

Cada multiquadro CRC–4. que é composto de 16 quadros numerados de 0 a 15. ajustada em 0. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. classificado como 1000 Hz. – C1 a C4 = Verificação Cíclica Redundante–4 bits. ajustada em 1. ajustada em 1. Em operação não perturbada. Figura 118. em condição de alarme. em condição de alarme. um procedimento de expansão de sinal para verificar a integridade do erro. A transmissão e a cópia deste documento. TS0) na estrutura CRC–4 de multiquadros de sinal síncrono de 2Mb/s. ITU–T G. Em operação não perturbada. Sinal síncrono de 2048 Kb/s: overhead de multiquadro CRC–4 ED 01 955. Cada duração de sub–multiquadro é de 1 ms. O SMF é o tamanho do bloco CRC–4 (isto é. Refira à rec.542 V 3AL 80754 AA AA 206/356 .110. é dividido em dois submultiquadros de 8 quadros (SMF). – Sa4 a Sa8 são usados para mensagem específica ponto a ponto. Time Slot 0. CRC–4 é a abreviação de Verificação Cíclica Redundante–4. – MF1 a MF6 = Sinal de Alinhamento de Multiquadro (MAS = 001011). ajustada em 0. A figura a seguir mostra a alocação de bits 1 a 8 (isto é.Todos os direitos reservados. designados SMF–I e SMF–II que significa suas respectivas ordens de ocorrência dentro da estrutura de multiquadro CRC–4. – A = Indicação Remota de Alarme (RAI). 2048 bits).704 para informações detalhadas. Nota 1 Nota 2 Nota 3 Nota 4 Nota 5 – E = Indicação Remota de Erro (REI) .

3.1.12.1.1 Organização de quadros ISDN – PRA
Para cada direção de transmissão, as seguintes funções são fornecidas pelos quadros síncronos ISDN–PRA
2048 Kb/s (refira à recomendação ETS 300 233):

Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste
documento, o uso e a comunicação de seus conteúdos não
são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

30 time slots a 64 kb/s (numerados de 1 a 15 e 17 a 31) para o transporte de qualquer alocação
adequada dos canais B, H0 e H1.
1 time slot a 64 kb/s (numerado como 16) para transporte de um canal D.
1 time slot a 64 kb/s (numerado como 0) para alinhamento de quadro, alinhamento de multiquadro,
procedimento CRC–4 e manutenção (rec. G.704).
3.1.12.1.2 Canais de comunicação ISDN – PRA
Os canais de comunicação transportados pelo sinal ISDN–PRA (Rede Digital de Serviços Integrados –
Acesso Primário de Taxa) são os seguintes:
– Canal B
é classificado em 64 kb/s, como definido na Rec. ITU–T I.412; permite a alocação de até 30 canais B
independentes sobre o quadro síncrono de 2Mb/s.
– Canal H0
é classificado em 384 kb/s, como definido na Rec. ITU–T I.412; permite a alocação de até 5 canais H0
independentes sobre o quadro síncrono de 2Mb/s.
– Canal H1
é classificado em 1920 kb/s, como definido na Rec. ITU–T I.412; permite a alocação de um canal H1
sobre o quadro síncrono de 2Mb/s.
– Canal D
é classificado em 64 kb/s, como definido na Rec. ITU–T I.412.

ED

01
955.110.542 V

3AL 80754 AA AA

207/356

Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste
documento, o uso e a comunicação de seus conteúdos não
são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

3.1.12.2 Mapeamento de células ATM em quadros SDH/PDH

Figura 119. Mapeamento de células ATM em VC12

ED

01

955.110.542 V

3AL 80754 AA AA

208/356

Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste
documento, o uso e a comunicação de seus conteúdos não
são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

Figura 120. Mapeamento de células ATM em VC4/VC3

ED

01

955.110.542 V

3AL 80754 AA AA

209/356

Figura 121. Mapeamento de células ATM em quadros de 2048 kb/s

ED

01

955.110.542 V

3AL 80754 AA AA

210/356

Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste
documento, o uso e a comunicação de seus conteúdos não
são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

Figura 122. Mapeamento de células ATM em quadros de 34368 kb/s

ED

01

955.110.542 V

3AL 80754 AA AA

211/356

Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste
documento, o uso e a comunicação de seus conteúdos não
são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

3.2 Descrições da unidade
3.2.1 Generalidades
Nos parágrafos a seguir foram inseridas informações detalhadas sobre cada unidade e sub-unidade do
equipamento.

Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste
documento, o uso e a comunicação de seus conteúdos não
são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

3.2.2 Cartão de acesso 21 x 2 Mbit/s
(Ver Figura 123 na página 213)
O cartão de acesso 21 x2 Mbit/s fornece as conexões do painel traseiro à linha externa e vice-versa para 21
sinais PDH. De acordo com o tipo de impedância de linha (75 Ohm ou 120 Ohm) e características elétricas,
diferentes tipos de cartão de acesso estão disponíveis.
A seguir, é dada uma descrição genérica do cartão de acesso:
Lado da entrada
Sob condições operacionais normais, o sinal recebido da linha é enviado para o cartão de porta “principal”
de 63 x 2 Mbit/s.
Sob condições de alarme, o sinal recebido da linha é trocado para o cartão de porta sobressalente. O
comando de comutação SEL é recebido do bloco RIBUS I/F.
Um bloco de proteção está presente para proteger o sinal entrante contra picos (G.703).
Lado da saída
Os dois sinais recebidos dos cartões de porta “principal” e “sobressalente” de 63 x 2 Mbit/s são enviados
para um seletor.
O comando SEL, recebido do bloco RIBUS I/F, seleciona o sinal a ser enviado para a linha.
Inventário remoto
O RIBUS I/F está presente para ler/escrever dados de inventário como código, número de série, dados de
construção presentes no RI (ver parágrafo 3.1.11 na página 196 para detalhes).
Alimentação de força
O cartão de acesso recebe os +3,3 Vcc fornecido pelas unidades CONGI e SERGI.

ED

01
955.110.542 V

3AL 80754 AA AA

212/356

Figura 123. Cartão de acesso 21 x 2 – Diagrama de Blocos

ED

01

955.110.542 V

3AL 80754 AA AA

213/356

Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste
documento, o uso e a comunicação de seus conteúdos não
são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

Um alarme LOS é gerado se não for detectado um sinal. Seção de controle Os comandos para acionar os MUXs envolvidos na proteção EPS (SEL) e as funções de loopback (LINE LOOP e INT LOOP) são geradas pelo bloco RIBUS I/F que realiza também operações de inventário remoto e operações de estado de cartão (FAIL). A transmissão e a cópia deste documento. ED 01 955. O clock e dados NRZ recebidos do cartão sobressalente são também enviados para o próximo cartão de acesso para realizar a proteção EPS. Em condições normais. para o sinal de saída que está realizando o loopback de linha. o sinal vindo do codificador (DT) é enviado.3 Cartão de acesso 3 X 34 Mbit/s (Ver Figura 124 na página 215) O cartão de acesso 3 x 34 Mbit/s fornece as conexões do painel traseiro aos sinais externos e vice-versa para três sinais PDH 75 ohms em atendimento à rec. envia Sinal e LOS para o cartão sobressalente do cartão de acesso atual ou anterior.3 Vcc. dois mux por meio de comando dedicado (SEL) vindo do bloco RIBUS I/F. através de um conversor CC/CC na placa. através de um mux.Todos os direitos reservados. A seguintes funções são implementadas: – Decodificação. o sinal vindo do cartão sobressalente é selecionado e enviado em direção ao codificador. 3.3 Vcc do Cartão de Porta relevante. o clock é recuperado e os dados são enviados para um decodificador (formato NRZ). neste caso.2. + 5. o bloco RIBUS I/F envia um comando (SEL) para o mux. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. ao decodificador realizando assim a função de loopback local. Funções de Loopback O cartão de acesso fornece loopback de linha e loopback interno. o cartão de acesso recebe os dados NRZ e o clock dos cartões de porta principal e sobressalente. Lado da saída No lado da saída. O cartão de acesso gerencia a proteção EPS do cartão de porta 3x34/45.542 V 3AL 80754 AA AA 214/356 . Quando o loop interno está ativo. o sinal vindo do cartão de porta principal é então codificado por HDB3 e enviado para a linha.110.703. Quando EPS está ativo. Quando o loop de linha está ativo o sinal de entrada vindo da linha (DR) é enviado de volta através de um mux. Alimentação de força O cartão de acesso recebe a seguinte tensão: – +3.3 Vcc do CONGI e SERGI para alimentar o bloco RIBUS I/F – + 3.3 Vcc são gerados a partir dos +3. codificação de sinal e gerência de alarme LOS – Proteção para cartões sobressalentes – loopback local e remoto – funções de controle e de inventário – alimentação de força Lado da entrada A partir do sinal HDB3 recebido da linha. ITU–T G. a placa traseira fornece o sinal a ser enviado ao cartão principal. Por meio de um mux em condição normal.

. diagrama de blocos do cartão de acesso 3 x 34 ED 01 955. A transmissão e a cópia deste documento.110.Figura 124. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.542 V 3AL 80754 AA AA 215/356 Todos os direitos reservados.

Alimentação de força O cartão de acesso recebe a seguinte tensão: – +3.4 Cartão de acesso 3 X 45 Mbit/s (Ver Figura 125 na página 217) O cartão de acesso 3 x 45 Mbit/s fornece as conexões do painel traseiro aos sinais externos e vice-versa para três sinais PDH 75 ohms em atendimento à rec. A transmissão e a cópia deste documento. o bloco RIBUS I/F envia um comando (SEL) para o mux. a placa traseira fornece o sinal a ser enviado ao cartão principal. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. através de um conversor CC/CC na placa. Funções de Loopback O cartão de acesso fornece loopback de linha e loopback interno. o sinal vindo do codificador (DT) é enviado. o clock é recuperado e os dados são re-temporizados e enviados para um decodificador (formato NRZ).703. Em condições normais.3 Vcc do CONGI e SERGI para alimentar o bloco RIBUS I/F – + 3. Lado da saída No lado da saída. Um alarme LOS é gerado se não for detectado um sinal. o sinal vindo do cartão sobressalente é selecionado e enviado em direção ao codificador. através de um mux.3 Vcc do Cartão de Porta relevante.3 Vcc. ao decodificador realizando assim a função de loopback local.Todos os direitos reservados. envia Sinal e LOS para o cartão sobressalente do cartão de acesso atual ou anterior. ITU–T G. + 5. neste caso. Quando EPS está ativo. para o sinal de saída que está realizando o loopback de linha. Por meio de um mux em condição normal. O cartão de acesso gerencia a proteção EPS do cartão de porta 3x34/45. 3.3 Vcc são gerados a partir dos +3. O clock e dados NRZ recebidos do cartão sobressalente são também enviados para o próximo cartão de acesso para realizar a proteção EPS. Quando o loop interno está ativo.110. codificação de sinal e gerência de alarme LOS – Proteção para cartões sobressalentes – loopback local e remoto – funções de controle e de inventário – alimentação de força Lado da entrada A partir do sinal B3ZS recebido da linha. A seguintes funções são implementadas: – Decodificação. Quando o loop de linha está ativo o sinal de entrada vindo da linha (DR) é enviado de volta através de um mux.542 V 3AL 80754 AA AA 216/356 . ED 01 955.2. Seção de controle Os comandos para acionar os MUXs envolvidos na proteção EPS (SEL) e as funções de loopback (LINE LOOP e INT LOOP) são geradas pelo bloco RIBUS I/F que realiza também operações de inventário remoto e operações de estado de cartão (FAIL). dois mux por meio de comando dedicado (SEL) vindo do bloco RIBUS I/F. o sinal vindo do cartão de porta principal é então codificado por B3ZS e enviado para a linha. o cartão de acesso recebe os dados NRZ e o clock dos cartões de porta principal e sobressalente.

542 V 3AL 80754 AA AA 217/356 Todos os direitos reservados.110.Figura 125. . diagrama de blocos do cartão de acesso 3 x 45 ED 01 955. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. A transmissão e a cópia deste documento.

Ele também envia e recebe o seguinte sinal: – FAIL: unidade com falha – CMISS1. INT LOOP2: Comando de Loop interno respectivamente do “módulo elétrico ou ótico” superior e inferior – LINE LOOP1. 3. A transmissão e a cópia deste documento. LINE LOOP2: Comando de Loop de linha respectivamente do “módulo elétrico ou ótico” superior e inferior Alimentação de força O cartão de acesso recebe a seguinte tensão: – +3.110.2. dados de construção implementados no bloco INVENTÁRIO REMOTO. Para a descrição do módulo elétrico.10 na página 3.2. CMISS2: cartão com falta respectivamente do “módulo elétrico ou ótico” superior e inferior – INT LOOP1.2.2.10 Seção de controle O bloco RIBUS I/F está presente para ler/escrever dados de inventário como código.3 Vcc e + 5. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. veja o parágrafo 3.5 Adaptador 2 x 140/STM–1 O/E (cartão de acesso)(A2S1) (Ver Figura 126 na página 219) O cartão de acesso A2S1 pode abrigar dois módulos independentes que podem ser ambos elétricos. ED 01 955.Todos os direitos reservados.542 V 3AL 80754 AA AA 218/356 .3 Vcc do Cartão de Porta relevante. veja o parágrafo 3.9 na página 226 Para a descrição do módulo ótico. ambos óticos ou uma mistura de ambos. número de série.3 Vcc do CONGI e SERGI para alimentar o bloco RIBUS I/F – + 3.

Figura 126. Diagrama de blocos do adaptador 2 x 140/STM–1 O/E (cartão de acesso) ED 01 955. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.110. .542 V 3AL 80754 AA AA 219/356 Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste documento.

se presente. A transmissão e a cópia deste documento.3 Vcc do CONGI e SERGI para alimentar o bloco RIBUS I/F – + 3. ED 01 955.3 Vcc do Cartão de Porta relevante. O critério de comando SWITCH vindo do bloco RIBUS I/F pode selecionar o MUX a fim de enviar o fluxo local em direção ao cartão Sobressalente. O mesmo alarme pode também ser enviado. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. é codificado em CMI e então enviado em direção ao cabo coaxial. Quando EPS está ativo. número de série. é enviado para a placa principal. Lado da saída No lado da saída.542 V 3AL 80754 AA AA 220/356 . neste caso.2. O alarme LOS.110. Ele também envia o seguinte comando: – INT LOOP1 …INT LOOP4: Comandos de Loop Interno para canais de 1 a 4 – LINE LOOP1 … LINE LOOP4: Comandos de Loop de Linha para canais de 1 a 4 – SWITCH permite a facilidade EPS Na tampa frontal. é equalizado. o sinal vindo do cartão Sobressalente é selecionado e enviado em direção ao codificador NRZ/CMI. decodificado para código NRZ e encaminhado para o cartão de porta elétrico principal. através de um MUX.6 Cartão de acesso elétrico 4 x STM–1 (A4ES1) (Ver Figura 127 na página 221) O cartão de acesso A4ES1 é colocado na área de acesso e permite a conexão ao cabo coaxial da linha para os cartões de porta 4x STM1 de Alta Velocidade. dados de construção implementados no RI. um led vermelho/verde está disponível para indicação de alarme de falha de cartão. o CMI do sinal vindo do cabo coaxial. 3. Lado da entrada No lado da entrada. Seção de controle O bloco RIBUS I/F está presente para ler/escrever dados de inventário como código. o bloco RIBUS I/F envia um comando (SWITCH) para o MUX. o sinal vindo do cartão Principal.Todos os direitos reservados. Alimentação de força O cartão de acesso recebe a seguinte tensão: – +3. em direção ao cartão sobressalente se o comando SWITCH estiver ativo.

542 V 3AL 80754 AA AA 221/356 Todos os direitos reservados.Figura 127. .110. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. A transmissão e a cópia deste documento. Diagrama de blocos do cartão de acesso 4 x STM–1 ED 01 955.

número de série. Seção de controle O bloco RIBUS I/F está presente para ler/escrever dados de inventário como código. Ele realiza conexão entre os Cartões de Acesso e a Porta HS Sobressalente se a proteção for solicitada. está disponível um led vermelho/verde para indicação de alarme de falha de cartão. Ver detalhes no parágrafo 3.2.3 Vcc do Cartão de Porta relevante.1. Alimentação de Força O cartão de acesso recebe a seguinte tensão: – +3.7. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.7 Cartão de acesso de Alta Velocidade (HPROT) (Ver Figura 128 na página 223) O cartão de acesso HPROT é usado para realizar a proteção EPS para portas de Alta Velocidade. 3. Ele recebe os sinais vindos do cartão de acesso através do painel traseiro.3 Vcc do CONGI e SERGI para alimentar o bloco RIBUS I/F – + 3. Na tampa frontal. A transmissão e a cópia deste documento.1 na página 164. ED 01 955.542 V 3AL 80754 AA AA 222/356 .110.Todos os direitos reservados. dados de construção implementados no RI.

110. Diagrama de blocos de cartão de acesso HPROT ED 01 955. . o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. A transmissão e a cópia deste documento.542 V 3AL 80754 AA AA 223/356 Todos os direitos reservados.Figura 128.

Alimentação de Força O cartão de acesso recebe a seguinte tensão: – +3. este último fornece indicação de alarme de falha para o cartão de acesso. 3.2. Na tampa frontal. após ter processado o sinal. dados de construção implementados no RI e também envia informação de programação ao bloco “Adaptação de Auto Taxa”. ED 01 955. os fluxos de Ethernet são gerenciados pelo bloco de “Adaptação de Auto Taxa”. Seção de Controle O bloco RIBUS I/F está presente para ler/escrever dados de inventário como código. Este bloco na partida faz uma autonegociação da taxa máxima aceita pela interface (10Mbit/s. A seguir. Um VCX0 está presente na placa para fornecer um clock de 125 MHz para o bloco “Adaptação de Auto Taxa”. 100 Mbit/s. apenas a função de interface física está implementada.8 Cartão de acesso Ethernet (ETH–ATX) (Ver Figura 129 na página 225) O cartão de acesso ETH–ATX é colocado na área de acesso e é capaz de prover 14 interfaces Ethernet 10 /100 Mb/s para permitir conexão LAN para LAN. os dados são enviados através de um serializador (bloco PISO e SIPO) para a porta Ethernet relevante. Half duplex. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. A interface de Taxa (10Mbit/s. A transmissão e a cópia deste documento. 100 Mbit/s. Half duplex. número de série. Full duplex) pode também ser forçada pelo Microcontrolador presente na PORTA ETHERNET relevante através do comando “Taxa Forçada de Adaptação de Taxa”.Todos os direitos reservados. é dada uma descrição genérica do cartão de acesso: Lado da ENTRADA Os 14 fluxos de Ethernet vindos da linha são enviados a 14 transformadores para implementar a funcionalidade de passagem.542 V 3AL 80754 AA AA 224/356 .3 Vcc do CONGI e SERGI para alimentar o bloco RIBUS I/F – 48/60 Vcc do CONGI. portanto deve ser usada em conjunto com a porta ETHERNET relevante onde o sinal é processado a fim de ser transportado em um SDH VCx. No cartão de acesso ETH–ATX. estão disponíveis 14 conectores 10BASE T e um led vermelho/verde. Subseqüentemente. Full duplex) e. Lado da SAÍDA As operações complementares descritas no “lado da entrada” são realizadas.110.

Diagrama de Blocos – Acesso Ethernet ED 01 955. A transmissão e a cópia deste documento.542 V 3AL 80754 AA AA 225/356 Todos os direitos reservados.Figura 129. .110. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

dados de construção são armazenados dentro do E2PROM e pode ser lido pelo bloco RIBUS I/F (ver parágrafo 3. – LINE LOOP: Loop de Linha. Até dois módulos podem ser abrigados em cada cartão. Alimentação de Força O módulo elétrico recebe a seguinte tensão: – +3.11 na página 196) da placa na qual o módulo está inserido.3.3 Vcc da placa relevante na qual o mesmo está inserido – + 3. Lado da SAÍDA: o sinal NRZ vindo da porta (dados + clock) é codificado por CMI para ser enviado para a linha. quando ativo. Dados de inventário na forma de código.3 Vcc (Vs) da placa relevante na qual o mesmo está inserido e usado para alimentar o bloco de Inventário Remoto ED 01 955. o sinal vindo do cartão de porta (DT) é enviado de volta. P4E4N e SYNTH1N. Os módulos contêm: – uma interface CMI (CMI/decodificador NRZ e codificador NRZ/CMI) – um bloco de Inventário Remoto Interface CMI Lado da ENTRADA: o sinal CMI elétrico vindo da linha é equalizado e decodificado por NRZ (clock + dados). número de série. A transmissão e a cópia deste documento. Funções Loop O módulo recebe também os seguintes comandos: – INT LOOP: Loop Interno. cartões de porta P4S1N. realizando assim o loop. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.2. O alarme LOS é revelado. quando ativo. Inventário Remoto O Inventário Remoto é implementado em um E2PROM.1. o sinal de entrada vindo da linha (DR) é enviado de volta para o sinal de saída. O módulo elétrico pode ser abrigado no cartão de Acesso A2S1.542 V 3AL 80754 AA AA 226/356 .9 Módulo elétrico (ICMI) (Ver Figura 130 na página 227) Todos os direitos reservados.110.

542 V 3AL 80754 AA AA 227/356 . o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. 1650SMC – Módulo Elétrico (ICMI) ED 01 955.110.Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste documento. Figura 130.

O módulo ótico Tx também envia e recebe os seguintes sinais: – FALHA DE LASER – DEGRADAÇÃO DE LASER – DESLIGAMENTO DE LASER Inventário Remoto O Inventário Remoto é implementado em um E2PROM. Módulo ótico STM–1 – diagrama de blocos ED 01 955. L–1.2JE) e tipo de fonte [Modo Simples e Multi–Modo (MM1)].1. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Alimentação de Força O módulo elétrico recebe a seguinte tensão: – +3. convertido em sinal ótico e enviado para a linha. Dados de inventário na forma de código. número de série.542 V 3AL 80754 AA AA 228/356 . Os módulos óticos STM–1 são os acessos óticos físicos para o cartão STM–1.3 Vcc da placa relevante na qual o mesmo está inserido – + 3. Para detalhes sobre as Características Óticas. no lado da recepção. comprimento de onda (IS– 1.3 Vcc (Vs) da placa relevante na qual o mesmo está inserido e usado para alimentar o bloco de Inventário Remoto Figura 131.3. L–1.10 Módulos óticos STM–1 (Ver Figura 131 na página 228) Todos os direitos reservados.1.2. dados de construção são armazenados dentro do E2PROM e pode ser lido pelo bloco RIBUS I/F (ver parágrafo 3.110.11 na página 196) da placa na qual o módulo está inserido.1. A transmissão e a cópia deste documento. L–1.2. Lado da saída: o sinal elétrico vindo do cartão de porta (dados + clock) é adaptado quanto ao seu nível. Diferentes módulos óticos estão disponíveis de acordo com o tipo de conector usado (FC/PC ou SC/PC). refira à Tabela 37 na página 324) Lado da entrada: o sinal ótico é convertido em um sinal elétrico e adaptado quanto ao nível para ser enviado ao cartão de porta (dados + clock). um alarme LOS pode ser detectado.

Lado da entrada: o sinal ótico é convertido em um sinal elétrico e adaptado quanto ao nível para ser enviado ao cartão de porta (dados + clock).2) Todos os direitos reservados. no lado da recepção. O módulo ótico Tx também envia e recebe os seguintes sinais: – FALHA DE LASER – DEGRADAÇÃO DE LASER – DESLIGAMENTO DE LASER Inventário Remoto O Inventário Remoto é implementado em um E2PROM.110. número de série.1. Dados de inventário na forma de código. um alarme LOS pode ser detectado. Diferentes módulos óticos estão disponíveis de acordo com o tipo de conector usado (FC/PC ou SC/PC) e comprimento de onda (IS–4. Módulo ótico STM–4 – diagrama de blocos ED 01 955. L–4.1.3.11 Módulos óticos STM–4 (Ver Figura 132 na página 229) Os módulos óticos STM–4 são os acessos óticos físicos para a unidade COMPACT ADM.11 na página 196) da placa na qual o módulo está inserido. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. convertido em sinal ótico e enviado para a linha. L–4. A transmissão e a cópia deste documento.3 Vcc (Vs) da placa relevante na qual o mesmo está inserido e usado para alimentar o bloco de Inventário Remoto Figura 132.2.1. data de construção são armazenados dentro do E2PROM e pode ser lido pelo bloco RIBUS I/F (ver parágrafo 3. Alimentação de Força O módulo elétrico recebe a seguinte tensão: – +3.3 Vcc da placa relevante na qual o mesmo está inserido – + 3. Lado da saída: o sinal elétrico vindo do cartão de porta (dados + clock) é adaptado quanto ao seu nível.542 V 3AL 80754 AA AA 229/356 .

• • • • • J2: é gerado um identificador de rastreamento de trilha.048 Mbit/s são inseridos em um container C–12 (por meio de mapeamento assíncrono). adaptação de caminho de ordem mais baixa envolve justificação de bit. que é sincronizado com enchimento (stuffing) com o correspondente TU–12. LPT (S12_TT_So) : A função LPT cria um VC–12 através da geração e adição de POH para um C– 12.A. O sinal é enviado para o COMPACT ADM “Principal” e “Sobressalente”. ITU–T G. V5[5–7]: Inserção de rótulo de sinal no byte V5[5–7]. são retirados / inseridos no AU4#1 do quadro STM–4*. V5[1. STM4–BPF I/F () : O sinal equivalente do STM–1 é multiplexado para o sinal STM4* equivalente do Painel Traseiro. Os 2. Devido ao formato de painel traseiro (STM4–BPF ou STM4*).2]: BIP–2 é calculado e transmitido. O P63E1 é uma unidade bidirecional que faz interface com 63 sinais plesiócronos de 2048 kbit/s e o sinal STM4–BPF (BPF= formato de painel traseiro).) G. Um decodificador na interface física decodifica o sinal para o formato NRZ (sem retorno ao zero). Como o formato de painel traseiro para troca de dados entre 63 x 2 Mbit/s e COMPACT ADM é STM–4*.2.12 Cartão de porta 63 x 2 Mbit/s (P63E1) (Ver Figura 133 na página 232) Todos os direitos reservados.110. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.3. A unidade é composta pelos seguintes blocos: – (G.709. V5[8]: é inserida indicação de RDI. os fluxos de 2 Mbit/s são inseridos/extraídos no AU4 #1 do quadro STM–4*. O sinal de linha de 2048 kb/s recebido é codificado por HDB3. A transmissão e a cópia deste documento. Lado da SAÍDA • EPS : Este bloco seleciona uma das duas fonts de sinal fornecidas pelo COMPACT ADM ”Principal” e ”Sobressalente” • STM4–BPF I/F () : O sinal STM–1 equivalente é desmultiplexado do sinal STM4* equivalente do Painel Traseiro. LPA (S12/P12x_A_So) : Este bloco adapta os dados do usuário para transporte no domínio síncrono.783. Lado da ENTRADA • • • • PPI (E12_TT_Sk e E12/P12x_A_Sk): Este bloco fornece a interface elétrica entre o meio de transmissão física e o formato da unidade interna. é um ASIC (ou Gate Array [Matriz de Portas]) que mapeia 63 fluxos de 2Mbit/s em um quadro STM–1 conforme requerido pela Rec. Para dados assíncronos do usuário. Os formatos POH são definidos nas Recomendações G. ED 01 955.A. V5[3]: o número de erros é codificado em REI. os 63 sinais plesiócronos de 2 Mbit/s que podem ser abrigados em um quadro STM–1.708 e G.542 V 3AL 80754 AA AA 230/356 .

por motivos de identificação (ver parágrafo 3.A. • • • • • • LPA (S12/P12x_A_Sk): extrai o VC12–POH e processa o ponteiro TU12. para um oscilador local com um deslocamento de +–50ppm: bloco (51 MHz OSC). • RIBUS I/F Este bloco é usado para ler/escrever a partir do fluxo ”RIBUS” e para o mesmo. quando na posição de operação livre.542 V 3AL 80754 AA AA 231/356 . o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.1.5 V usados para alimentar o Gate Array (G. O clock Tx é travado. por meio de um PLL ao clock do sistema. • TEMPORIZAÇÃO (na G. V5[1. para liberar o barramento de Gerenciamento em caso de falha de força.) [Matriz de Portas].A): fornece seis enlaces de clock de 2 MHz em direção aos cartões COMPACT ADM por motivos de sincronização.3 V usados para alimentar todos os componentes da placa.A.11 na página 196 para detalhes). • CONVERSOR CC/CC Converte a alimentação de força de 48/60 V para os 3.110. • Driver do M–BUS Aciona os gates de entrada-saída do barramento de Gerenciamento.) a fim de evitar problemas de EMI. alarme de Degradação de Sinal V5[3]: é recuperado o bit REI e relatado os primitivos derivados de desempenho.A.88 MHz) e pulso de sincronismo (500 Hz) a partir dos cartões COMPACT ADM –1 e extrai os clocks locais usados pela G. • REBAIXAMENTO Usa a alimentação de força de 3. Outras funções implementadas são: • Bloco de Seleção de Referência de Clock (na G.A): recebe o clock de referência (38. ED 01 955. • INVENTÁRIO REMOTO É a memória contendo a informação da placa. gerado pela G. para controlar o LED na unidade. e para usar o inventário remoto. V5[8]: é recuperada e relatada a informação de RDI.3 V do bloco do Conversor CC/CC para obter os 2.Todos os direitos reservados. A seleção entre os 63 fluxos é feita por meio de software. • • • J2: é recuperado o identificador de rastreamento de trilha ––> detecção TIM. A transmissão e a cópia deste documento. O conversor CC/CC é sincronizado com um clock de sincronização a 288 MHz (sinal Power–Sync. • LPT (S12_TT_Sk): A função LPT termina e processa o POH para determinar o estado dos atributos definidos do caminho. É alimentado pelos + 3.3 Vcc fornecidos pelas placas CONGI e SERGI. Estes drivers podem ser desabilitados (pelo sinal Bus–OFF) em caso de falha de força. Detecção de AIS ou SSF––> alarme de SSF V5[5–7]: Detecção de rótulo de sinal no byte V5[5–7] ––> Detecção de Descasamento de rótulo de Sinal AIS ou SSF é aplicado se for detectado Descasamento de rótulo de Sinal PPI (E12/P12x_A_So e E12_TT_So): Este bloco fornece a interface entre o formato da unidade interna e o meio de transmissão física. Ele codifica no código HDB3 o sinal a ser enviado à linha.2]: BIP–2 é recuperado ––> Ex–BER.

Figura 133. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. A transmissão e a cópia deste documento.110. .542 V 3AL 80754 AA AA 232/356 Todos os direitos reservados. Cartão 63 x 2 Mbit/s – Diagrama de Blocos ED 01 955.

Detecção de Erro de Dados (CRC–4): verificação de integridade de erros sobre os dados entrantes. A transmissão e a cópia deste documento. A Figura 135 na página 237 ilustra o bloco NT ISDN–PRA.12 anterior na página 230. • erros (ERRU) são detectados em dados vindos da rede SDH (UP2Min). que realize as seguintes funções: DIREÇÃO A MONTANTE (do usuário para a rede SDH: sinal entrante SY2Min. todas as funcionalidades dos blocos estão descritas no parágrafo 3. ED 01 955. A função de Retemporização aplica o Clock do Equipamento ao sinal sainte de 2Mb/s que. página 207.1. o alarme LOF2M é declarado em caso de não alinhamento. LOF2M. Os sinais de 2048 kbit/s podem ser estruturados ou não estruturados: neste último caso.542 V 3AL 80754 AA AA 233/356 .706. A seleção entre as opções de estruturado/não estruturado e quadro básico/multiquadro é feita por meio de Terminal Craft. conforme definido em G.12 anterior na página 230. A porta 63 x 2 Mbit/s /G.706.12. se torna sincronizado com a referência de sincronização da rede SDH.2.1.2. Detecção de alarme RAI (A): o alarme RAI2M é detectado se ativo por 5 quadros consecutivos. a estrutura ISDN–PRA está definida na recomendação ETS 300 233.703/ISDN–PRA é similar à porta básica 63 x 2 Mbit/s. Condição de Falha: o alarme de Condição de Falha FC2M é o “OR” dos alarmes LOS2M. Em caso de erros. descrita no parágrafo 3.1. Alinhamento de Quadro (FA): realiza alinhamento de quadro básico e multiquadro de acordo com ITU–T G. Detecção de AIS: o alarme AIS (AIS2M) é detectado após a recepção de 512 bits contendo menos de 3 zeros. a funcionalidade PRA deve estar desabilitada do Terminal Craft.13 Cartão de porta 63 x 2 Mbit/s / G703 / ISDN–PRA (P63E1N) (Ver Figura 134 na página 236).). este comando envia de volta para a fonte o sinal a montante. Detecção de alarme REI (E): o alarme REI2M é detectado se E=0.12. Neste parágrafo.2. para sinais individuais. pré-configurável a partir do controlador (comandos BF e MF). Realiza a funcionalidade PRA padrão assim como algumas funções customizadas de Linha Alugada (configurável a partir do C. Esta característica é programável por meio de SW. enviado pelo controlador. ou selecionado na mensagem Sa6 vinda da rede SDH (sinal UP2Min). portanto. a fim de incluir ou excluir a Retemporização para cada porta individual. com a diferença de que a atual placa implementa também a funcionalidade NT no Acesso Primário de Taxa (PRA) do ISDN e a “Função de Retemporização” nas interfaces de 2 Mbit/s. AIS2M. 3.2. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.Todos os direitos reservados. de acordo com o procedimento CRC–4 (Verificação Cíclica Redundante). o alarme ERR2M é ativado.110.1. O circuito adicional que permite esta implementação consiste em um pulmão elástico que é capaz de absorver o jitter e que são transferidos para o sinal PDH quando ocorre a justificação do ponteiro SDH pointer. – – – – – – – Inserção de bit E (E): o bit sainte E bit é configurado em 0 quando • Uma condição de falha (FCU) é detectada no sinal da rede SDH (UP2Min). O ISDN–PRA (Rede Digital de Serviços Integrados – Acesso Primário de Taxa) é uma facilidade para portar um número de canais de comunicação digitais síncronos para o usuário sobre um sinal estruturado de 2048 kbit/s. é relatada a descrição da função NT ISDN–PRA. As amostras de quadros estão relatadas no parágrafo 3. A mesma unidade P63E1N pode misturar portas para as quais se aplica ou não a retemporização. página 205 até o parágrafo 3.T. sinal sainte UP2Mout) – Loopback2: por meio de comando LB2.

– Inserção de Palavra de Quadro (FW): as palavras de alinhamento de quadro básico e multiquadro são inseridas no quadro. Sa8 assim como todos os bits nos time slots 1 a 31 configurados em ’1’. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.110. – Detecção de AIS: o alarme AIS (AISU) é detectado após a recepção de 512 bits contendo menos de 3 zeros. – Inserção de Quadros Substituídos: os quadros substituídos são inseridos. Nota (*): esta opção é habilitada somente em caso de aplicações de Linha Alugada.. • o bit A pode ser forçado a partir do controlador. – 1100 ––> FC2M no sinal vindo do usuário (SY2Min). – Detecção de AUXP: o alarme AUXPU é detectado após a recepção de 512 bits contendo o padrão .Todos os direitos reservados. • ’1’ quando Loopback2 (LB2) é ativado. Nota: O quadro substituído é um quadro com Sa4. com menos de 3 desvios do padrão em si. Pode ser habilitada a partir do controlador. – Inserção de bits CRC–4: o CRC–4 nos dados é realizado e o resultado é inserido nos bits C1 a C4.. • Configurado em’1’ (*) quando uma condição de falha (FCU) é detectada no sinal vindo da rede SDH (UP2Min).010101. este comando envia de volta à fonte o sinal a jusante.. Sa5. DIREÇÃO A JUSANTE (da rede SDH para o usuário: sinal entrante UP2Min. E=1 em outros casos. de acordo com G. com a seguinte significância (listada em ordem de prioridade/severidade): – 1000 ––> falha de alimentação – 1111 ––> SSF ou AUXPU/AISU no sinal vindo da rede SDH (UP2Min). ED 01 955. – Inserção de bit A (A): o bit sainte A bit é configurado em • ’0’ quando uma condição de falha (FC2M) é detectada no sinal vindo do usuário (SY2Min). e com o bit A configurado em ’0’. • passado de forma transparente em outros casos. A transmissão e a cópia deste documento. – 1110 ––> LOFU no sinal vindo da rede SDH (UP2Min). – 0000 ––> loopback2 (LB2) ativado – 0001 ––> alarme REI2M do usuário – 0010 ––> erros de CRC–4 (ERR2M) do usuário – 0011 ––> ocorrência simultânea de ambos previamente (REI2M e ERR2M) – 0011 ––> apenas alinhamento de quadro básico no sinal SY2Min. quando em busca automática – 0000 ––> operações normais. enviado pelo controlador. pré-configurável a partir do controlador (comandos BF e MF). • o bit Sa5 sainte é configurado em: – ’0’ ––> quando o loopback2 (LB2) é ativado – ’1’ ––> em outros casos. em caso de ocorrência de uma condição de falha (FC2M) no sinal entrante vindo do usuário. Sa6: • A mensagem sainte Sa6 é inserida em 4 bits Sa6 de 4 quadros consecutivos. neste caso E=1. sinal sainte SY2Mout) – Loopback–RX: por meio de comando LB–RX. Sa7. – Alinhamento de Quadro (FA): realize alinhamento de quadro básico e multiquadro de acordo com ITU– T G..542 V 3AL 80754 AA AA 234/356 . o alarme LOFU é declarado em caso de não alinhamento.706.706. – Mensagens Sa5. • • a inserção de E pode ser inibida a partir do controlador.

REI. – Inserção de bits CRC–4: é realizado o CRC–4 sobre os dados e o resultado é inserido nos bits C1 a C4. – Inserção de AIS: um fluxo continuo de bits.Todos os direitos reservados.110. todos ’UM’ é inserido. FC. ESTADO E COMANDOS TRANSPORTADOS DO CONTROLADOR E PARA O MESMO Todo resultado de contagem de alarme. para verificar a presença do comando loopback2. LOFU . SSF detectados nas direções de sinal a montante e a jusante Nota: LOS = Perda de Sinal de usuário. Nota (*): esta opção é habilitada somente em caso de aplicações de Linha Alugada. em caso de ocorrência de • Comando forçado a partir do controlador. neste caso E=1. RAI. MF. estado e erros são relatados ao controlador. vindo de a montante. SSF= Falha de Sinal de Servidor a montante. ERR(CRC–4). de acordo com o procedimento CRC–4 (Verificação Cíclica Redundante). Nota (*):esta opção é habilitada somente em caso de aplicações de Linha Alugada. A transmissão e a cópia deste documento. conforme definido em G. – Inserção de A*: o bit A é: • • passado de forma transparente em aplicações padrões configurado em ’1’ (*) quando uma condição de falha (FC2M) é detectada no sinal vindo do usuário (SY2Min). – Inserção de Sa4*: os bits Sa4 a Sa8 são passados de forma transparente em aplicações padrão. erros (ERR2M) são detectados sobre os dados vindos do usuário (SY2Min). AISU. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. quando 4XSa6=1010. – Detecção de alarme RAI (A): o alarme RAIU é detectado se ativo por 5 quadros consecutivos. Nota SSF =Falha de Sinal de Servidor. BF. ForceA. o alarme ERRU é ativado. – Inserção de bit E (E): o bit E sainte é configurado em 0 quando: • • • • • uma condição de falha (FC2M) é detectada no sinal vindo do usuário (SY2Min). MF = Multiquadro.706. Configurado em’0’ (*) quando o alarme Falha de Alimentação (PWF) está ativo. • (*) uma condição de falha (FC2M) no sinal vindo do usuário (SY2Min).706. – Inserção de Palavra de Quadro (FW): as palavras de alinhamento de quadro básico e multiquadro são inseridas no quadro. LB–RX. – Detecção de alarme REI (E): o alarme REIU é detectado se E=0. Nota: BF= Quadro Básico. • Sa4 é configurado em ’0’ (*) quando o alarme de Falha de Alimentação (PWF) está ativo. etc. Nota (*): esta opção é habilitada somente em caso de aplicações de Linha Alugada. AUXPU. Em caso de erros. • Uma condição de falha (FCU) no sinal vindo da rede SDH (UP2Min). Nota (*): esta opção é habilitada somente em caso de aplicações de Linha Alugada. ALARMES. do contrário passado de forma transparente. – Condição de Falha: o alarme de Condição de Falha FCU é o “OR” dos alarmes SSF. a fim de habilitar as funções relevantes: – LB–2. • configurado em ’1’ (*) quando forçado a partir do controlador. E=1 em outros casos. por motivos de monitoramento: – LOS. InhibitE. durante 8 vezes consecutivas. – Sa6: o bit Sa6 é lido para cada 4 quadros consecutivos. – Detecção de Erro de Dados (CRC–4): verificação de integridade de erros sobre os dados entrantes. O controlador envia os seguintes comandos. a inserção E pode ser inibida a partir do controlador. de acordo com G. ED 01 955.542 V 3AL 80754 AA AA 235/356 .

Figura 134.542 V 3AL 80754 AA AA 236/356 Todos os direitos reservados.703/ISDN–PRA ED 01 955. A transmissão e a cópia deste documento. Diagrama de Blocos 21 x 2 Mbit/s G.110. . o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

. Diagrama Funcional do bloco NT ISDN–PRA ED 01 955. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.Figura 135.542 V 3AL 80754 AA AA 237/356 Todos os direitos reservados.110. A transmissão e a cópia deste documento.

A. A função PPI é realizada pelo cartão de acesso (dois separados de acordo com a taxa de bit) conforme a Rec. Uma G.542 V 3AL 80754 AA AA 238/356 .A. Devido ao formato do painel traseiro.) ED 01 955.14 Cartão de porta 3 x 34/45 Mbit/s (P3E3/T3) (Ver Figura 136 na página 240) Todos os direitos reservados. O cartão de porta P3E3/T3 é uma interface bidirecional de/para três fluxos PDH a 34 Mbit/s ou a 45 Mbit/s. isto é : • • • • • mapeia a carga útil em um C–3 adiciona/extrai o VC3 POH processa o ponteiro TU3 adapta o VC3 ao VC4 monta/desmonta o formato STM–1 As funções SDH são realizadas por quatro Gate Array (Matriz de Porta).783. são retirados/inseridos no AU4#4 da estrutura do STM–4. uma para cada porta e uma que é comum às três portas: – Interface 34/45 Mbit/s A G. pode gerenciar apenas um fluxo. são necessárias três G. cambiável e o STM4–BPF (BPF= formato de painel traseiro). realiza uma interface plenamente bidirecional para um fluxo PDH de 34 Mbit/s ou para um fluxo PDH de 45 Mbit/s em atendimento à ITU–T G.3.. REI. OEI . Lado da ENTRADA • LPA (S3/P3_A_So) Mapeamento assíncrono de 3x34 /45 Mbit/s na inserção VC–3 C2 • LPT ( S3_TT_So) Inserção de rastreamento de caminho J1 Inserção de G1 (estado de caminho): inserção de REI e RDI Cálculo de inserção de B3 (VC3. A transmissão e a cópia deste documento. ITU–T G. Ele realize as funções requeridas pela rec. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.2. ODI. para processar os 3 fluxos no cartão de porta.110.A.703. ITU–T G. portanto. os sinais plesiócronos de 34 ou 45 Mbit/s que podem ser abrigados em uma estrutura STM–1. BIP8) Inserção de bytes F2 e F3 (vindo do barramento OH e barramento DCC) • LTCA (Adaptação de conexão tandem de ordem inferior) (Não operacional neste Release) Geração de sinal de partida na detecção VC_AIS • LTCT (Terminação de conexão tandem de ordem inferior) (Não operacional neste Release) Processamento e inserção de N1 (TC–RDI.783.

88 MHz para a ”interface de 34/45 MBit/s”.A. • INVENTÁRIO REMOTO É a memória contendo as informações da placa.3 Vcc das placas CONGI e SERGI. Lado da SAÍDA • LPA (S3/P3_A_Sk) Desmapeamento e dessincronização de VC3 Monitoramento de C2 Geração de AIS • LPT ( S3_TT_Sk) Detecção de LP–TIM (Monitoramento de J1) Detecção de LP–SLM e UNEQ (monitoramento de C2) Detecção de RDI Recuperação de REI Contagem de B3 BIP–8 e detecção de erro Extração de bytes F2 e F3 e envoi para o barramento AUX* e barramento DCC* • LTCA (Adaptação de conexão tandem de ordem inferior) (Não operacional neste Release) Restauração de condição de partida de quadro inválido • LTCT (Terminação de conexão tandem de ordem inferior) (Não operacional neste Release) Monitoramento e processamento de N1 Inserção de B3 (compensação de VC–3 BIP–8) – STM–4 e G.3 V do bloco do Conversor CC/CC para obter os 2.) [Matriz de Portas]. por motivos de identificação (ver parágrafo 3. ED 01 955.110.5 V usados para alimentar a Gate Array (G.3 V usados para alimentar todos os componentes na placa. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste documento. Estes drivers podem ser desabilitados (pelo sinal Bus–OFF) em caso de falha de alimentação. fornece as seguintes funções: • Para conectar as três ”interfaces de 34/45 Mbit/s” para o painel traseiro.1.542 V 3AL 80754 AA AA 239/356 .88 Mbit/s enquanto o formato do painel traseiro é STM–4*.A.) a fim de evitar problemas de EMI. gerado pela G. e para usar o inventário remoto. O conversor CC/CC é sincronizado com um clock de sincronização a 288 MHz (Power–Sync de sinal.11 na página 196 para detalhes). • Driver M–BUS Aciona os gates de entrada-saída do barramento de Gerência. Outras funções implementadas são: • RIBUS I/F Este bloco é usado para ler/escrever de/para o fluxo ”RIBUS”. para controlar o LED na unidade. CONVERSOR CC/CC Converte a alimentação 48/60 V para os 3.A. É alimentado pelos + 3. • Temporização: recebe o clock do Sistema a 622 MHz dos dois COMPACT ADM e gera o clock a 38. De fato o formato de quadro partindo da ”interface de 34/45 Mbit/s” é um barramento de 4 fios a 38. • REBAIXAMENTO Usa a alimentação de 3. para liberar o barramento de Gerência em caso de falha de alimentação. de temporização A G.A.

A transmissão e a cópia deste documento. Cartão de porta 3x34/45 – Diagrama de Blocos ED 01 955.542 V 3AL 80754 AA AA 240/356 Todos os direitos reservados. .110. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.Notas: (*): Não disponível no Release atual Figura 136.

2 na página 122 para detalhes.A. A mesma faz interface com as duas matrizes no cartão COMPACT ADM através do painel traseiro.1. com capacidade equivalente STM–4.. envia e recebe quatro sinais STM–1 (dados + clock) a 155 Mbit/s de/para cada SPI. realiza as seguintes funções: – TTF – HOA – LPOM /LSUT (não disponível neste release) – HPOM /HSUT (o último não está disponível neste release) Funções de interconexão (MSP. O bloco HOA está conectado tanto às matrizes HPC quanto às matrizes LPC nas duas placas COMPACT ADM através de um par de enlaces 1+1 a 622 MBit/s operando com proteção. MST. fornece o comando de Desligamento do Laser (LASER OFF). A porta 4 x STM–1 processa até quatro fluxos STM–1.3. as outras três interfaces processam o sinal da mesma forma.A. Cada transmissor ótico fornece seu estado por meio de dois sinais de entrada: Degradação de Laser e Falha de Laser. Em referência à Recomendação ITU–T G. MSA) Este bloco realiza as Funções de Terminal de Transporte (destino no Lado da Entrada. com capacidade equivalente STM–4. derivadas dos sinais de entrada STM–1.A.A. Na descrição de bloco a seguir. a nova convenção de nomeação da G.783 é relatada. mapeando os sinais STM–1 sobre um quadro equivalente interno STM–4. de dois módulos elétricos ou óticos podem ser abrigados no cartão para dar acesso físico ao sinal STM–1. fonte no Lado da Saída) para sinais STM–1. Os blocos PISO e SIPO (Entrada de Paralelo Saída de Serial.2. A G. HPC e LPC) são realizadas pelas matrizes presentes nas duas placas COMPACT ADM (operando na configuração 1+1). As funções SDH requeridas para gerenciar o sinal STM–1 são implementadas pela G.783. Um LOS externo é recebido de cada interface de linha de entrada. montada na placa. Refira ao parágrafo 3. Um máx. O bloco TTF fornece as referências de temporização T1 a 2 MHz . RST. O algoritmo ALS é implementado por hardware: a G. Entrada de Serial Saída de Paralelo) permitem a unidade fazer interface com o painel traseiro a uma taxa de bit de 622 Mbit/s. A transmissão e a cópia deste documento. A seguir será descrito o processamento do sinal de apenas uma interface STM–1.A.15 Cartão de porta elétrico/ótico 4 x STM–1 (P4S1N) (Ver Figura 137 na página 245) Todos os direitos reservados. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Os dois acessos físicos restantes estão no cartão de acesso relevante . O bloco TTF está conectado às placas COMPACT ADM (principal e sobressalente) através de enlaces bidirecionais 1+1 a 622 Mbit/s. ED 01 955.542 V 3AL 80754 AA AA 241/356 .2.110. A interface do painel traseiro fornece um clock do sistema aos circuitos internos da G. a G. BLOCO TTF ( SPI.

detecção de LOP e AIS. cálculo e inserção de BIP–8. inserção de rastreamento de caminho de seção de regenerador. interpretação de ponteiro TU. Extração de byte N1 (Lado do Rx): para a função de Terminação e Monitoramento de Conexão Tandem da rede (TCT/TCM). Além disso: Extração de byte F2 F3 (Lado do Rx): ambos bytes F2 e F3 são extraídos do fluxo recebido e serializado em um quadro DCC.110. Inserção de BYTE SOH (Lado do Tx): bytes DCC (DCCR D1–D3 e DCCM D4–D12) vindos dos quadros DCC são inseridos na seção SOH. ED 01 955. detecção de HP–SLM e LOM. geração de AU–AIS. contagem de bloco BIP–8 em Erro. detecção de LOP e TU– AIS. HPA) Da matriz HPC (no COMPACT ADM) para LPC (no COMPACT ADM) HPT (Sn_TT_Sk) : recuperação da informação do rastreamento de caminho. A transmissão e a cópia deste documento. MST (MSn_TT_So) : realiza cálculo e inserção de BIP–24. RST (RSn_TT_Sk) : realiza detecção de alinhamento de quadro (A1. geração de ponteiro AU–4.542 V 3AL 80754 AA AA 242/356 . recuperação de informação de REI. detecção de HP–RDI e UNEQ. HPA (Sn/Sm_A_Sk) : Desmontagem de VC–4. Lado da ENTRADA: da linha para a matriz MSP na placa COMPACT ADM SPI (OSn/RSn_A_Sk) : faz o descrambler do sinal entrante. TSF é aplicado se SSF ou UNEQ ou TIM ou AIS for detectado. SPI (OSn/RSn_A_So) :efetua scrambler nos sinais de saída e insere AIS na condição de alarme. MSA (MSn/Sn_A_Sk) : realiza interpretação de ponteiro AU4. TSD é aplicado se uma condição de degradação de sinal for detectada. Lado da SAÍDA: da matriz no COMPACT ADM para a linha MSA (Ms/Sn_A_So) : realiza montagem de AUG. RST (RSn_TT_So) : realiza inserção de alinhamento de quadro. contagem de bloco VC4 BIP–8 em erro. A2). as seguintes funções são realizadas no lado do Rx: Extração de BYTE SOH (lado do Rx): bytes DCC (DCCR D1–D3 e DCCM D4–D12) são retirados e serializados em um quadro DCC. O TSD é aplicado em caso de MS–DEG (degradação de sinal). recuperação de rastreamento de seção de regenerador (J0) e detecção de descasamento. Além disso. o TSF é aplicado se for detectado MS–AIS. conta o OOF e revela o alarme LOF. inserção de MS–REI MS–RDI e MS–AIS. detecção de MS–RDI e MS–AIS. recuperação de MS–REI. J0 não é gerenciado neste release. MST (MSn_TT_Sk) : realiza contagem de bloco BIP–24 em erro. BLOCO HOA (HPT. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. justificação de ponteiro.Todos os direitos reservados. Dois quadros DCC são gerados trabalhando em proteção 1+1.

A G. cálculo e inserção de VC–4 BIP–8.542 V 3AL 80754 AA AA 243/356 . Da matriz LPC (no COMPACT ADM) para HPC (no COMPACT ADM) HPA (Sn/Sm_A_So) : Montagem de VC4. As principais tarefas do HSUT são: Lado do RX (do MSA para a matriz HPC): • • • • • recuperação de informação de rastreamento de caminho recuperação de REI detecção de HP–RDI (monitoramento de estado de caminho) detecção de UNEQ e VC–AIS (monitoramento de rótulo de sinal) contagem de bloco VC4 BIP–8 com Erro Lado do Tx: (da matriz HPC para MSA) • • • • geração de um container não equipado inserção ”não equipada”. (alternativa) e LSUT. fornece ainda as funções HSUT. HPOM. inserção de indicações de RDI e REI. Além disso: Inserção de byte F2 e F3 (Lado do Tx): bytes F2/F3 são inseridos no quadro DCC Inserção de byte N1 (Lado do Tx): para a função de Terminação e Monitoramento de Conexão Tandem da rede (TCT/TCM). inserção de rótulo de sinal. HPT (Sn_TT_So) : inserção de identificação de rastreamento de caminho. TIM . LPOM (alternativa) ambos nos lados Rx e Tx. geração de TU–AIS. UNEQ. geração de identificador de rastreamento de trilha geração de informação de RDI e / ou REI cálculo de inserção de VC–4 BIP–8 As principais tarefas de HPOM são: Lado do RX e TX: • • • • • • • terminação de sinal recuperação de caminho J1 recuperação de informação de REI detecção de HP–RDI (monitoramento de estado de caminho) detecção de UNEQ e VC–AIS (monitoramento de rótulo de sinal) contagem de bloco VC4 BIP–8 com Erro TSF é gerado no caso de SSF.Todos os direitos reservados. AIS . o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. geração de ponteiro TU.110.A. A transmissão e a cópia deste documento. TSD é gerado em caso de SD As principais tarefas de LSUT são: Lado do RX (do HPA para matriz LPC): • • • • ED recuperação de rótulo de sinal não equipado de VC–m recuperação de rastreamento de caminho recuperação de BIP–2 recuperação de REI e RDI 01 955.

ED 01 955. O conversor CC/CC é sincronizado com um clock de sincronização a 300 MHz (Power–Sync de sinal.542 V 3AL 80754 AA AA 244/356 . O RIBUS I/F é alimentado pela alimentação de + 3. Estes drivers podem ser desabilitados (pelo sinal Bus–OFF) em caso de falha de alimentação. para liberar o barramento de Gerência em caso de falha de alimentação.) a fim de evitar problemas de EMI.Lado do Tx (da matriz LPC para HPA): • • • • inserção de rótulo de sinal não equipado de VC–m inserção de rastreamento de caminho inserção de BIP–2 inserção de REI e RDI Todos os direitos reservados. • INVENTÁRIO REMOTO É a memória que contém a informação da placa.110.3 V e 2.1. para controlar o LED na unidade. LSUT é usado para monitorar trilhas de caminho não equipadas. e para usar o inventário remoto. CONVERSOR CC/CC Converte a alimentação 48/60 V para os 3.11 na página 196 para detalhes). Outras funções implementadas são: • RIBUS I/F Este bloco é usado para ler/escrever de/para o fluxo ”RIBUS”.A. gerado pela G.3 Vcc vinda das placas CONGI e SERGI. • Driver M–BUS Aciona os gates de entrada-saída do barramento de Gerência. A transmissão e a cópia deste documento.5 V usados para alimentar todos os componentes na placa. As principais tarefas de LPOM são : • • • • monitoramento de identificador de rastreamento recuperação de RDI e REI e derivação para primitivos de desempenho monitoramento de rótulo de sinal contagem de bloco VC–m BIP–2 em erro LPOM é usado por motivos de monitoramento de desempenho. por motivos de identificação (ver parágrafo 3. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

Todos os direitos reservados.542 V 3AL 80754 AA AA 245/356 . 1650SMC – Diagrama de blocos de porta Elétrica/Ótica 4 x STM–1 ED 01 955. Notas: a a (*) – O ”SPI” ASSOCIADO ÀS 3 e 4 INTERFACES ESTÃO FISICAMENTE NO CARTÃO DE ACESSO () – HSUT. LPOM e LSUT não estão disponíveis no atual release Figura 137. A transmissão e a cópia deste documento.110. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

A. Um LOS externo é recebido de cada interface de linha de entrada. A transmissão e a cópia deste documento. 3. A descrição que se segue explica os dois modos operacionais de cada interface (140 Mbit/s PDH ou 155 Mbit/s SDH) no cartão de porta.A.542 V 3AL 80754 AA AA 246/356 . realiza as seguintes funções: – TTF – HOA – LPOM /LSUT (não disponível neste release) – HPOM /HSUT (o último não está disponível neste release) Funções de interconexão (MSP. O bloco TTF está conectado às placas COMPACT ADM (principal e sobressalente) através de um enlace bidirecional 1+1 a 622 Mbit/s. A G. Na descrição de bloco a seguir..2. A interface do painel traseiro fornece um clock do sistema aos circuitos internos da G. O algoritmo ALS é implementado por hardware: a G. a nova convenção de nomeação da G. ED 01 955. fornece o comando de Desligamento do Laser (LASER OFF).Todos os direitos reservados. Os blocos PISO e SIPO (Entrada de Paralelo Saída de Serial. há quatro módulos elétricos (75 Ohm) ou óticos (Transporte Curto e Longo). os outros dois são hospedados no cartão de acesso relevante (A2S1).A. montada na placa. STM–1 de 155 Mbit/s As funções SDH requeridas para gerenciar o sinal STM–1 são implementados pela G.783.2.2 na página 122 para detalhes. dois dos quatro módulos são hospedados diretamente no cartão de porta. mapeando os sinais STM–1 sobre um quadro equivalente interno STM–4. a G. Entrada de Serial Saída de Paralelo) permitem a unidade fazer interface com o painel traseiro a uma taxa de bit de 622 Mbit/s.16 Cartão de porta O/E 4 X 140/STM1 cambiável (P4E4N) (Ver Figura 138 na página 251 and Figura 139 na página 252) O cartão de porta O/E 4 X 140/STM1 cambiável é uma unidade bidirecional que faz interface com até quatro plesiócronos de 140 Mbit/s (E4) ou Síncronos de 155 Mbit/s (STM–1) com STM4–BPF (BPF= formato de painel traseiro). as outras três interfaces processam o sinal da mesma forma. O bloco HOA está conectado tanto às matrizes HPC quanto às matrizes LPC nas duas placas COMPACT ADM através de um par de enlaces 1+1 a 622 MBit/s operando com proteção.783 é relatada. Com referência à Recomendação ITU–T G.110.A. com capacidade equivalente STM–4. Refira ao parágrafo 3. HPC e LPC) são realizadas pelas matrizes presentes nas duas placas COMPACT ADM (operando na configuração 1+1).1. Cada transmissor ótico fornece seu estado por meio de dois sinais de entrada: Degradação de Laser e Falha de Laser.A. A seguir será descrito o processamento do sinal de apenas uma interface STM–1. Faz interface com as duas matrizes no cartão COMPACT ADM através do painel traseiro. A escolha entre as duas possíveis diferentes interfaces é flexível e configurações mistas são permitidas. Para cada cartão de porta P4E4N. envia e recebe quatro sinais STM–1 (dados + clock) a 155 Mbit/s de/para cada SPI. O bloco “Mapper/Demapper 140–PDH/155–STM–1” sofre um by-pass internamente através do sinal EN 140/155 quando a interface é programada como 155 Mbit/s. com capacidade equivalente STM–4. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

justificação de ponteiro. ED 01 955. J0 não é gerenciado neste release. inserção de MS–REI MS–RDI e MS–AIS. detecção de LOP e TU– AIS. Todos os direitos reservados. geração de AU–AIS. TSF é aplicado se SSF ou UNEQ ou TIM ou AIS for detectado. MST (MSn_TT_So) : realiza cálculo e inserção de BIP–24. interpretação de ponteiro TU.542 V 3AL 80754 AA AA 247/356 . MST. TSD é aplicado se uma condição de degradação de sinal for detectada. A transmissão e a cópia deste documento. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. inserção de rastreamento de caminho de seção de regenerador. MSA) Este bloco realiza as Funções de Terminal de Transporte (destino no Lado da Entrada. Além disso. contagem de bloco BIP–8 em Erro. RST (RSn_TT_Sk) : realiza detecção de alinhamento de quadro (A1. SPI (OSn/RSn_A_So) :efetua scrambler nos sinais de saída e insere AIS na condição de alarme. HPA (Sn/Sm_A_Sk) : Desmontagem de VC–4. fonte no Lado da Saída) para sinais STM–1. conta o OOF e revela o alarme LOF. o TSF é aplicado se for detectado MS–AIS. as seguintes funções são realizadas no lado do Rx: Extração de BYTE SOH (lado do Rx): bytes DCC (DCCR D1–D3 e DCCM D4–D12) são retirados e serializados em um quadro DCC. MSA (MSn/Sn_A_Sk) : realiza interpretação de ponteiro AU4. O bloco TTF fornece as referências de temporização T1 a 2 MHz. recuperação de rastreamento de seção de regenerador (J0) e detecção de descasamento. cálculo e inserção de BIP–8. Lado da ENTRADA: da linha para a matriz MSP na placa COMPACT ADM SPI (OSn/RSn_A_Sk) : faz o descrambler do sinal entrante. O TSD é aplicado em caso de MS–DEG (degradação de sinal). RST. derivadas dos sinais de entrada STM–1. BLOCO HOA (HPT. RST (RSn_TT_So) : realiza inserção de alinhamento de quadro. Além disso: Extração de byte F2 F3 (Lado do Rx): ambos bytes F2 e F3 são extraídos do fluxo recebido e serializado em um quadro DCC. detecção de MS–RDI e MS–AIS. Lado da SAÍDA: da matriz no COMPACT ADM para a linha MSA (Ms/Sn_A_So) : realiza montagem de AUG.BLOCO TTF ( SPI. MST (MSn_TT_Sk) : realiza contagem de bloco BIP–24 em erro. contagem de bloco VC4 BIP–8 em erro. recuperação de informação de REI. recuperação de MS–REI. detecção de HP–SLM e LOM.110. Dois quadros DCC são gerados trabalhando em proteção 1+1. A2). HPA) Da matriz HPC (no COMPACT ADM) para LPC (no COMPACT ADM) HPT (Sn_TT_Sk) : recuperação da informação do rastreamento de caminho. geração de ponteiro AU–4. Extração de byte N1 (Lado do Rx): para a função de Terminação e Monitoramento de Conexão Tandem da rede (TCT/TCM). detecção de LOP e AIS. detecção de HP–RDI e UNEQ. Inserção de BYTE SOH (Lado do Tx): bytes DCC (DCCR D1–D3 e DCCM D4–D12) vindos dos quadros DCC são inseridos na seção SOH.

geração de TU–AIS. TSD é gerado em caso de SD As principais tarefas de LSUT são: Lado do RX (do HPA para matriz LPC): • • • • ED recuperação de rótulo de sinal não equipado de VC–m recuperação de rastreamento de caminho recuperação de BIP–2 recuperação de REI e RDI 01 955. As principais tarefas do HSUT são: Lado do RX (do MSA pora a matriz HPC): • • • • • recuperação de informação de rastreamento de caminho recuperação de REI detecção de HP–RDI (monitoramento de estado de caminho) detecção de UNEQ e VC–AIS (monitoramento de rótulo de sinal) contagem de Bloco VC4 BIP–8 com Erro Lado do Tx: (da matriz HPC para MSA) • • • • geração de um container não equipado inserção ”não equipada”. inserção de rótulo de sinal. A G. geração de identificador de rastreamento de trilha geração de informação de RDI e / ou REI cálculo de inserção de VC–4 BIP–8 As principais tarefas de HPOM são: Lado do RX e TX: • • • • • • • terminação de sinal recuperação de caminho J1 recuperação de informação de REI detecção de HP–RDI (monitoramento de estado de caminho) detecção de UNEQ e VC–AIS (monitoramento de rótulo de sinal) contagem de Bloco VC4 BIP–8 com Erro TSF é gerado no caso de SSF. inserção de indicações de RDI e REI. HPA (Sn/Sm_A_So) : Montagem de VC4.A.Da matriz LPC (no COMPACT ADM) para HPC (no COMPACT ADM) Todos os direitos reservados. geração de ponteiro TU.110. HPT (Sn_TT_So) : inserção de identificação de rastreamento de caminho. (alternativa) e LSUT. A transmissão e a cópia deste documento.542 V 3AL 80754 AA AA 248/356 . UNEQ. Além disso: Inserção de byte F2 e F3 (Lado do Tx): bytes F2/F3 são inseridos no quadro DCC Inserção de byte N1 (Lado do Tx): para a função de Terminação e Monitoramento de Conexão Tandem da rede (TCT/TCM). HPOM. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. LPOM (alternativa) ambos nos lados Rx e Tx. fornece ainda as funções HSUT. TIM . AIS . cálculo e inserção de VC–4 BIP–8.

110. A Figura 114 na página 202 destaca a estrutura de um VC4 e dos bytes POH: J1. A ú. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Z3–Z5 . LPA (S4/P4s_A_So) O fluxo plesiócrono de 140 Mbit/s é inserido no container C4 para ser adaptado de forma a ser transportado dentro da rede síncrona. um período de STM–1).A.A. H4. MST e RST Estas duas funções são necessárias para criar um sinal STM–1 proprietário a fim de fazer interface com o bloco “Mapper/Demapper 140–PDH/155–STM–1” com a G. C2. Também é realizado o processamento de PDH LOS. O VC4 é estruturado de forma que seus octetos são distribuídos dentro de um intervalo de 125 mseg. PG (Gerador Ponteiro) Um valor de ponteiro fixo é inserido no AUOH para estruturar o sinal AU4. Bytes F2. PDH de 140 Mbit/s As funções requeridas para gerenciar o sinal PDH de 140 Mbit/s são implementadas pelo bloco “Mapper/Demapper 140–PDH/155–STM–1” e G. Z3–Z5. O fluxo de Dados é então enviado para o bloco LPA após uma conversão de serial para paralelo (SIPO). decodificando dados e detecção de AIS. A transmissão e a cópia deste documento. montada na placa.A.A. LSUT é usado para monitorar trilhas de caminho não equipadas. Lado da ENTRADA: da linha para a matriz MSP na placa COMPACT ADM Os circuitos relacionados são: PPI (E4_TT_Sk e E4/P4s_A_Sk): Faz interface com a linha extraindo a temporização. HPT (S4_TT_So) O Container Virtual (VC4) é formatado. G1. Dados são enviados para a G. O ultimo contém nove octetos igualmente distribuídos dentro do quadro.542 V 3AL 80754 AA AA 249/356 . B3. (isto é.tima faz interface com as duas matrizes no cartão COMPACT ADM através do painel traseiro.Lado do Tx (da matriz LPC para HPA): • • • • inserção de rótulo de sinal não equipado de VC–m inserção de rastreamento de caminho inserção de BIP–2 inserção de REI e RDI Todos os direitos reservados. MSA). de forma serial através do bloco PISO. ED 01 955. MST. e consiste do container C4 e POH. F2. Na G. As principais tarefas de LPOM são : • • • • monitoramento de identificador de rastreamento recuperação de RDI e REI e derivação para primitivos de desempenho monitoramento de rótulo de sinal contagem de bloco VC–m BIP–2 em erro LPOM é usado por motivos de monitoramento de desempenho. as funções complementares são feitas (RST.

A. • Driver do M–BUS Aciona os gates de entrada-saída do barramento de Gerenciamento. PPI (E4/P4s_A_So e E4_TT_So) : converte o código interno de sinal para o código de linha.) a fim de evitar problemas de EMI. HPT (S4_TT_Sk): Extrai os bytes POH da estrutura do VC4 e gerencia-os de acordo (ver Figura 114 na página 202). por motivos de identificação (ver parágrafo 3. 2. gerado pela G.3 V. A transmissão e a cópia deste documento.5 V e 1.): realiza a montagem do AUG. Estes drivers podem ser desabilitados (pelo sinal Bus–OFF) em caso de falha de força. para o bloco “Mapper/Demapper 140–PDH/155–STM–1” de forma serial e então convertido em paralelo através de um SIPO. 3. MSA (dentro da G. ALINHADOR: busca a palavra de alinhamento de quadro e verifica as condições de alinhamento. geração de AU–AIS MST e RST (dentro da G.110.A. geração de ponteiro AU–4.A. Dados são enviados da G. CONVERSOR CC/CC Este bloco converte a alimentação de força de 48/60 V para os 5V. • INVENTÁRIO REMOTO É a memória contendo a informação da placa. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.A.8 V usados para alimentar todos os componentes da placa. O conversor CC/CC é sincronizado com um clock de sincronização a 300 MHz (sinal Power–Sync.): estas duas funções são necessárias para criar um sinal STM–1 a fim de fazer interface da G. LPA (S4/P4s_ASk) Reestrutura o sinal PDH de 140 Mbit/s extraindo-o do Container C4 .Lado da SAÍDA : da matriz no COMPACT ADM para a linha Os circuitos relacionados são: Todos os direitos reservados. ED 01 955.11 na página 196 para detalhes). O sinal é então enviado em forma serial (através do PISO) para o bloco PPI. Outras funções implementadas são: • RIBUS I/F Este bloco é usado para: – ler/escrever de/para o fluxo”RIBUS” – controlar o LED na unidade – liberar o barramento de Gerência em caso de queda da energia – ler dados remotos de inventário – habilitar o modo operacioal de 155Mbit/ ou 140 Mbit/s (EN 140/155) separadamente – enviar comandos de Loop Interno e Loop Externo para cada interface de forma separada O RIBUS I/F é alimentado pelos + 3.542 V 3AL 80754 AA AA 250/356 .A.1. com o bloco “Mapper/Demapper 140–PDH/155–STM–1”.3 Vcc fornecidos pelas placas CONGI e SERGI.

Todos os direitos reservados.110. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Notas: a a (*) – O ”SPI” ASSOCIADO ÀS 3 e 4 INTERFACES ESTÃO FISICAMENTE NO CARTÃO DE ACESSO () – HSUT.542 V 3AL 80754 AA AA 251/356 . LPOM e LSUT não estão disponíveis no atual release Figura 138. A transmissão e a cópia deste documento. 4 x 140/STM–1 Diagrama de blocos de porta Elétrica/Ótica ED 01 955.

542 V 3AL 80754 AA AA 252/356 . Diagrama de blocos de Mapper /Demapper 140–PDH / 155–STM1 ED 01 955. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste documento.110. Figura 139.

Um LOS externo é recebido de cada interface de linha de entrada.A. realiza as seguintes funções: – TTF – HOA – LPOM /LSUT (não disponível nesta versão) – HPOM /HSUT (o último não está disponível nesta versão) As funções de conexão cruzada (MSP. as outras três interfaces processam o sinal da mesma maneira. Ela faz interface com as duas matrizes no cartão COMPACT ADM via painel posterior.A. Os blocos PISO & SIPO (Parallel–In Serial–Out. Na descrição do bloco a seguir. Com referência à Recomendação ITU–T G. MSA) Este bloco realiza as Funções do Terminal de Transporte (sink no lado de Entrada..542 V 3AL 80754 AA AA 253/356 .2. o G.783. O bloco TTF é conectado às placas COMPACT ADM (principal e reserva) através de links bidirecionais 1+1 em 622 Mbit/s. HPC LPC) são realizadas pelas matrizes presentes nas duas placas COMPACT ADM (funcionando com configuração 1+1). BLOCO TTF (SPI. As funções SDH exigidas para gerenciar o sinal STM–1 são implementadas pelo G. O bloco TTF oferece as referências de cronometragem T1 a 2 MHz. o processamento de sinal de apenas uma interface STM–1 será descrito. montado na placa. A interface do painel posterior fornece um relógio de sistema com os circuitos internos G.17 Cartão de porta elétrica 4 x STM–1 (P4ES1N) (Consulte a Figura 140 na página 257) A porta 4 x STM–1 processa até quatro fluxos STM–1.2 na página 122 para obter detalhes. origem no lado de Saída) para sinais STM–1. mapeando os sinais STM–1 em um frame equivalente a STM–4 interno. envia e recebe quatro sinais STM–1 (dados + clock) em 155 Mbit/s de/para cada SPI. A transmissão e a cópia deste documento. O acesso físico aos quatro sinais STM–1 estão disponíveis no cartão de acesso relevante.A.2. RST. MST. O bloco HOA é conectado tanto em matrizes HPC quanto em matrizes LPC nas duas placas COMPACT ADM através de um par de links 1+1 em 622 MBit/s funcionando em proteção. capacidade equivalente a STM–4.110.3. ED 01 955.783. O G. Serial–in Parallel–out) permitem a união da interface com o painel posterior em uma taxa de 622 Mbit/s bit. Todos os direitos reservados. derivadas dos sinais de entrada STM–1. é relatada a nova convenção de denominação do G.1.A. A seguir. Consulte o parágrafo 3. capacidade equivalente a STM–4. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

cálculo e inserção de BIP-8. bloco de contagem de erros VC4 BIP–8. HPA) Da matriz HPC (em COMPACT ADM) para LPC (em COMPACT ADM) HPT (Sn_TT_Sk): as informações de acompanhamento de curso são recuperadas. MST (MSn_TT_So): realiza o cálculo e a inserção de BIP–24. detecção de MS–RDI e MS–AIS. o TSF é aplicado se MS–AIS for detectado. detecção de LOP e TU– AIS.542 V 3AL 80754 AA AA 254/356 . inserção de MS–REI MS–RDI e MS–AIS. ED 01 955. Todos os direitos reservados. HP–RDI e UNEQ são detectados. Inserção de SOH BYTE (lado de Tx): DCC bytes (DCCR D1–D3 e DCCM D4–D12) que chegam dos frames DCC são inseridos na seção SOH. O TSD é aplicado no caso de MS–DEG (diminuição de sinal). Extração de N1 byte (lado de Rx): para a função de rede Tandem Connection Termination & Monitoring (TCT/TCM). conta Bloco com Erros BIP–8.110. lado de SAÍDA: da matriz no COMPACT ADM até a linha MSA (Ms/Sn_A_So): realiza a montagem de AUG. MST (MSn_TT_Sk): realiza contagem de bloco com erro BIP–24. J0 não é gerenciado nesta versão. SPI (OSn/RSn_A_So): codifica os sinais de saída e insere AIS na condição de alarme. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. conta o OOF e revela o alarme LOF. A2). recuperação de acompanhamento de seção de regenerador (J0) e detecção não correspondente. Além disso. A transmissão e a cópia deste documento.Lado de ENTRADA: da linha para a matriz MSP na placa COMPACT ADM SPI (OSn/RSn_A_Sk): decifra o sinal que chega. as informações de REI são recuperadas. as funções a seguir são realizadas no lado de Rx: Extração de SOH BYTE (lado de Rx): DCC bytes (DCCR D1–D3 e DCCM D4–D12) caem e são colocados em série em um frame DCC. Além de: Extração de F2 F3 byte (lado de Rx): tanto F2 quanto F3 bytes são extraídos do fluxo recebido e colocados em série em um frame DCC. BLOCO HOA (HPT. RST (RSn_TT_Sk): realiza detecção de alinhamento de frame (A1. TSF é aplicado se SSF ou UNEQ ou TIM ou AIS for detectado. Dois frames DCC são gerados trabalhando com proteção 1+1. a inserção do acompanhamento do curso de seção do regenerador. interpretação de ponteiro de TU. justificação de ponteiro. O TSD é aplicado se uma condição de diminuição de sinal for detectada. geração de ponteiro AU–4. RST (RSn_TT_So): realiza a inserção do alinhamento do frame. HPA (Sn/Sm_A_Sk): desmontagem de VC–4. geração de AU–AIS. recuperação de MS–REI. detecção de LOP e AIS. detecção de HP–SLM e LOM. MSA (MSn/Sn_A_Sk): realiza interpretação de ponteiro AU4.

110. (alternativa) e funções LSUT.A. cálculo e inserção de VC–4 BIP–8. A tarefa principal do HSUT é: lado de RX (da matriz MSA para HPC): • • • • • recuperação de informações de acompanhamento de curso Recuperação de REI Detecção de HP–RDI (monitoramento de status de curso) Detecção de UNEQ e VC–AIS (monitoramento de rótulo de sinal) Contagem de Bloco com Erros VC4 BIP–8 lado de Tx: (da matriz HPC para MSA) • • • • geração de contêiner não equipado inserção ”não equipada”. geração de identificador de acompanhamento Geração de informações de RDI e /ou REI Cálculo e inserção de VC–4 BIP–8 A tarefa principal do HPOM é: Lado de Rx e de Tx: • • • • • • • término de sinal recuperação de curso de J1 recuperação de informações de REI Detecção de HP–RDI (monitoramento de status de curso) Detecção de UNEQ e VC–AIS (monitoramento de rótulo de sinal) Contagem de Bloco com Erros VC4 BIP–8 O TSF é gerado em caso de SSF. UNEQ. inserção de indicações de RDI e REI.Da matriz LPC (em COMPACT ADM) para HPC (em COMPACT ADM) HPA (Sn/Sm_A_So): montagem de VC4. HPT (Sn_TT_So): inserção de identificação de acompanhamento de curso. geração de TU–AIS. geração de ponteiro de TU. O TSD é gerado em caso de SD As tarefas principais do LSIT são: lado de RX (da matriz HPA para LPC): • • • • ED recuperação de rótulo de sinal não equipado VC–m recuperação de acompanhamento de curso recuperação de BIP–2 recuperação de REI e de RDI 01 955. Todos os direitos reservados. TIM. A transmissão e a cópia deste documento. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. LPOM (alternativa) tanto para o lado de Rx quanto para o lado de Tx. AIS. Além de: Inserção de F2 e F3 byte (lado de Tx): F2/F3 bytes são inseridos no frame DCC Inserção de N1 byte (lado de Tx): para a função de rede Tandem Connection Termination & Monitoring (TCT/TCM). HPOM.542 V 3AL 80754 AA AA 255/356 . inserção de rótulo de sinal. oferece também o HSUT. O G.

O conversor DC/DC é sincronizado com um clock de sincronização a 300 MHz (sinal Power–Sync.5 V usada para alimentar todos os componentes na placa.1. A transmissão e a cópia deste documento. As outras funções implementadas são: • RIBUS I/F Este bloco é usado para ler/escrever de/para o fluxo ”RIBUS”. para fins de identificação (consulte o parágrafo 3. para controlar o LED na unidade.lado de TX (da matriz LPC para HPA): • • • • inserção de rótulo de sinal não equipado VC–m inserção de acompanhamento de curso inserção de BIP–2 inserção de REI e de RDI Todos os direitos reservados. para liberar o barramento de Gerenciamento em caso de falha de alimentação e para usar o inventário remoto. O RIBUS I/F é alimentado pela fonte de alimentação + 3.542 V 3AL 80754 AA AA 256/356 .A) a fim de evitar problemas EMI.11 na página 196 para obter detalhes) • Driver M–BUS Direciona os gates de entrada-saída do barramento de Gerenciamento. gerado pelo G. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.3 V e 2. O LSUT é usado para monitorar os cursos não equipados. ED 01 955.110.3 Vdc pelas placas CONGI e SERGI. • INVENTÁRIO REMOTO É a memória que contém as informações da placa. As tarefas principais do LPOM são: • • • • monitoramento de identificador de acompanhamento recuperação de REI e derivação para primitivas de performance monitoramento de rótulo de sinal contagem de bloco com erro VC–m BIP–2 LPOM é usado para fins de monitoramento de performance. CONVERSORES DC/DC Este bloco converte a fonte de alimentação 48/60 V 3. Estes acionadores podem ser desativados (pelo sinal Bus–OFF) em caso de falha de alimentação.

110. LPOM e LSUT não estão disponíveis na versão atual Figura 140. Diagrama de bloco da porta elétrica 1650SMC – 4 x STM–1 ED 01 955. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.542 V 3AL 80754 AA AA 257/356 .Todos os direitos reservados. Notas: (*) – HSUT. A transmissão e a cópia deste documento.

L–4. L–4.1. o G. MST.1JE. O G. Consulte o parágrafo 3. As funções SDH exigidas para gerenciar o sinal STM–4 são implementadas pelo G. origem no lado de Saída) para o sinal STM–1.3. montado na placa. O SPI pode detectar um LOS externo a partir da linha de entrada.2 e L–4. L–4. O algoritmo ALS é implementado por hardware e o G. Ela faz interface com as duas matrizes presentes nas duas placas COMPACT ADM via painel posterior. a seguir. é relatada a nova convenção de denominação do G. uma descrição genérica é dada. O bloco TTF oferece as referências de cronometragem T1 a 2 MHz.2. O transmissor ótico oferece ao G. Portas óticas STM–4 diferentes estão disponíveis de acordo com o tipo de conector (FC/PC ou SC/PC) e extensão de onda (S–4. capacidade equivalente a STM–4. realiza as seguintes funções: – TTF – HOA – LPOM /LSUT (não disponível nesta versão) – HPOM /HSUT (o último não está disponível nesta versão) As funções de conexão cruzada (MSP.783.2.1.A. RST.783. A. envia e recebe um sinal STM–1 (dados + clock) em 622 Mbit/s de/para o SPI. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. recuperação de acompanhamento de seção de regenerador (J0) e detecção não correspondente.542 V 3AL 80754 AA AA 258/356 . Na descrição do bloco a seguir. seu status por meio de dois sinais de entrada: Diminuição de Laser e Falha de Laser. O bloco HOA é conectado tanto em matrizes HPC quanto em matrizes LPC nas duas placas COMPACT ADM através de um par de links 1+1 em 622 MBit/s funcionando em proteção. A interface do painel posterior fornece um relógio de sistema com os circuitos internos G. A2). Com referência à recomendação ITU–T G.2 na página 122 para obter detalhes.A.A. MSA) Este bloco realiza as Funções do Terminal de Transporte (sink no lado de Entrada.110. conta o OOF e revela o alarme LOF. BLOCO TTF (SPI. A transmissão e a cópia deste documento. Lado de ENTRADA: da linha para MSP MATRIX SPI (OSn/RSn_A_Sk): decifra o sinal que chega. capacidade equivalente a STM–4. HPC LPC) são realizadas pelas matrizes presentes nas duas placas COMPACT ADM (funcionando com configuração 1+1). oferece o comando de desativação do Laser (LASER OFF) No painel frontal da unidade.A. O bloco TTF é conectado às duas placas COMPACT ADM através de links bidirecionais 1+1 em 622 Mbit/s. conta Bloco com Erros BIP–8. ED 01 955.1. um botão está disponível para reinício manual do laser.18 Cartão de porta ótica STM–4 (Veja a figura 141na página 262) Todos os direitos reservados.A. A porta STM–4 processa um fluxo ótico STM–4.2JE). derivadas dos sinais de entrada STM–1.. RST (RSn_TT_Sk): realiza detecção de alinhamento de frame (A1.

MST (MSn_TT_So): realiza o cálculo e a inserção de BIP–24. detecção de LOP e TU– AIS. MSA (MSn/Sn_A_Sk): realiza interpretação de ponteiro de AU4s. bloco de contagem de erros VC4 BIP–8. O TSD é aplicado se uma condição de diminuição de sinal for detectada. o TSD (Trail Signal Degrade) e o TSF (Trail Signal Failure) são transmitidos para as duas matrizes da placa COMPACT ADM Inserção e extração de K BYTES (lado de Rx): este bloco oferece a transmissão in–band de K1.110. K2.MST (MSn_TT_Sk): realiza contagem de bloco com erro BIP–24. Inserção de TP byte (lado de Rx): como as funções de conexão cruzada são centralizadas. BLOCO HOA (HPT. os bytes são extraídos da linha quando um TSF é recebido e são sobrescritos na seção SOH. detecção de HP–SLM e LOM. Além disso. Além de: Extração de F2 F3 byte (lado de Rx): tanto F2 quanto F3 bytes são extraídos do fluxo recebido e colocados em série em um frame DCC. Inserção de SOH BYTE (lado de Tx): DCC bytes (DCCR D1–D3 e DCCM D4–D12) que chegam dos frames DCC são inseridos na seção SOH. as informações de REI são recuperadas. justificação de ponteiro. detecção de LOP e AIS. o TSF é aplicado se MS–AIS for detectado. Todos os direitos reservados. geração de AU–AIS. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. lado de SAÍDA: da matriz no COMPACT ADM até a linha MSA (Ms/Sn_A_So): realiza a montagem de AUG.542 V 3AL 80754 AA AA 259/356 . TSF é aplicado se SSF ou UNEQ ou TIM ou AIS for detectado. cálculo e inserção de BIP-8. inserção de MS–REI MS–RDI e MS–AIS. K2 bytes são extraídos do frame que vem do painel posterior e reinseridos no mesmo frame da linha de saída. recuperação de MS–REI. As quatro estruturas AUG são intercaladas por byte na estrutura STM–4 com relação de fase fixa vs. as funções a seguir são realizadas no lado de Rx: Extração de SOH BYTE (lado de Rx): DCC bytes (DCCR D1–D3 e DCCM D4–D12) caem e são colocados em série em um frame DCC. bytes em direção à matriz na placa COMPACT ADM. ED 01 955. A transmissão e a cópia deste documento. detecção de MS–RDI e MS–AIS. RST (RSn_TT_So): realiza a inserção do alinhamento do frame. HPA) Da matriz HPC (em COMPACT ADM) para LPC (em COMPACT ADM) HPT (Sn_TT_Sk): as informações de acompanhamento de curso são recuperadas. Dois frames DCC são gerados trabalhando com proteção 1+1. Extração de N1 byte (lado de Rx): para a função de rede Tandem Connection Termination & Monitoring (TCT/TCM). interpretação de ponteiro de TU. HP–RDI e UNEQ são detectados. o mesmo sinal múltiplo. para fins de proteção. a inserção do acompanhamento do curso de seção do regenerador. Para cada fluxo 4 STM–1. HPA (Sn/Sm_A_Sk): desmontagem de VC–4. Inserção e extração de K BYTES (lado de Tx): K1. O TSD é aplicado no caso de MS–DEG (diminuição de sinal). geração de ponteiro AU–4.

inserção de rótulo de sinal. o TSD é gerado em caso de SD As tarefas principais do LSIT são: lado de RX (da matriz HPA para LPC): • • • • ED recuperação de rótulo de sinal não equipado VC–m recuperação de acompanhamento de curso recuperação de BIP–2 recuperação de REI e de RDI 01 955. A tarefa principal do HSUT é: Lado de RX (da matriz MSA para HPC): • • • • • Recuperação de informações de acompanhamento de curso Recuperação de REI Detecção de HP–RDI (monitoramento de status de curso) Detecção de UNEQ e VC–AIS (monitoramento de rótulo de sinal) Contagem de Bloco com Erros VC4 BIP–8 Lado de Tx: (da matriz HPC para MSA) • • • • geração de contêiner não equipado inserção ”não equipada”. oferece também o HSUT.A. LPOM (alternativa) tanto para o lado de Rx quanto para o lado de Tx. geração de ponteiro de TU. O G. A transmissão e a cópia deste documento. AIS. geração de identificador de acompanhamento Geração de informações de RDI e /ou REI Cálculo e inserção de VC–4 BIP–8 A tarefa principal do HPOM é: Lado de Rx e de Tx: • • • • • • • término de sinal recuperação de curso de J1 recuperação de informações de REI Detecção de HP–RDI (monitoramento de status de curso) Detecção de UNEQ e VC–AIS (monitoramento de rótulo de sinal) Contagem de Bloco com Erros VC4 BIP–8 o TSF é gerado em caso de SSF. (alternativa) e funções LSUT. Inserção de N1 byte (lado de Tx): para a função de rede Tandem Connection Termination & Monitoring (TCT/TCM). geração de TU–AIS.110. TIM. cálculo e inserção de VC–4 BIP–8. HPOM. HPT (Sn_TT_So): inserção de identificação de acompanhamento de curso. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. inserção de indicações de RDI e REI. HPA (Sn/Sm_A_So): montagem de VC4.542 V 3AL 80754 AA AA 260/356 . Além de: Inserção de F2 e F3 byte (lado de Tx): F2/F3 bytes são inseridos no frame DCC.Da matriz LPC (em COMPACT ADM) para HPC (em COMPACT ADM) Lado de Rx e de Tx: Todos os direitos reservados. UNEQ.

• • • • inserção de rótulo de sinal não equipado VC–m inserção de acompanhamento de curso inserção de BIP–2 inserção de REI e de RDI O LSUT é usado para monitorar os cursos não equipados.2 V para alimentar o módulo ótico O conversor DC/DC é sincronizado com um clock de sincronização a 300 MHz (sinal Power– Sync. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. 01 955.3 Vdc pelas placas CONGI e SERGI. para fins de identificação (consulte o parágrafo 3.1.3 V e 2.542 V 3AL 80754 AA AA 261/356 . gerado pelo G. • INVENTÁRIO REMOTO É a memória que contém as informações da placa. CONVERSORES DC/DC Este bloco converte a fonte de alimentação de 48/60 V para as tensões a seguir: • • ED 3. A transmissão e a cópia deste documento. –5. O RIBUS I/F é alimentado pela fonte de alimentação + 3.Lado de TX (da matriz LPC para HPA): Todos os direitos reservados.5 V usados para alimentar os componentes na placa. para liberar o barramento de Gerenciamento em caso de falha de alimentação e para usar o inventário remoto. As tarefas principais do LPOM são: • • • • monitoramento de identificador de acompanhamento recuperação de REI e derivação para primitivas de performance monitoramento de rótulo de sinal contagem de bloco com erro VC–m BIP–2 LPOM é usado para fins de monitoramento de performance. para controlar o LED na unidade.11 na página 196 para obter detalhes) • Driver M–BUS Direciona os gates de entrada-saída do barramento de Gerenciamento. As outras funções implementadas são: • RIBUS I/F Este bloco é usado para ler/escrever de/para o fluxo ”RIBUS”. Estes acionadores podem ser desativados (pelo sinal Bus–OFF) em caso de falha de alimentação.A) a fim de evitar problemas EMI.110.

A transmissão e a cópia deste documento.110.Notas: (*) – HSUT. LPOM e LSUT não estão disponíveis na versão atual Figura 141.542 V 3AL 80754 AA AA 262/356 Todos os direitos reservados. Diagrama em bloco de STM–4 ED 01 955. . o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

Os fluxos podem ser óticos ou elétricos ou uma mescla dos dois.B. 3. a nova convenção de denominação do G.B. A transmissão e a cópia deste documento.783/97 também é relatada entre parênteses ( ). Nesta configuração. [1] Processamento de carga útil O cartão COMPACT ADM pode ser equipado (SW e HW) de duas maneiras para o processamento de carga útil: a) Até sinais 2 x STM–1 podem ser processados pelo cartão COMPACT ADM. O alarme BMD é considerado um LOS externo.Todos os direitos reservados. A função de proprietário do ”Funcionamento bidirecional em fibra única” é fornecida. A. a descrição será dividida em duas partes: a) processamento de carga útil 2 x STM–1 b) processamento de carga útil 1 x STM–4 ED 01 955. As funções SDH exigidas para o gerenciamento dos sinais STM–1 ou STM–4 são implementados pelos blocos G. N. As funções HSUT. LEDS e botões [7] Fonte de alimentação [8] Inventário remoto N. na página 273 e a Figura 143. conectado nas cavidades da tampa frontão do Compact–ADM. b) Apenas um sinal ótico STM–4 pode ser processado pelo cartão COMPACT ADM inserindo na cavidade frontal superior o módulo de plug–in ótico STM–4. LPOM e LSUT não funcionam nesta versão.A.110. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. A seguir. A linha–interface (SPI) é realizada pelo módulo plugável (linha–módulo).2. através de ajuste prévio. Laser–Degrade. Laser–fail e os comandos Laser–Shut–Down são comprimidos no grupo Alarms&Commands na figura. O algoritmo ALS é fornecido por implementação de hardware (comando Laser–Shut–Down). Os alarmes LOS. na página 274) As funções realizadas pela unidade são: [1] Processamento de carga útil [2] Conexões (matriz) [3] Sincronização de equipamento [4] Controlador [5] Gerenciamento de OH (Aux e Qecc) [6] Interfaces externas. e MATRIX. Dois módulos de linha estão disponíveis: Elétrico–STM1 ou Optical– STM1. O bloco G. Esta função usa o byte BMD (bad media dependent (dependente de meio ruim)).19 Cartão COMPACT ADM (SYNTH1N) (Consulte a Figura 142. Na descrição do bloco a seguir.542 V 3AL 80754 AA AA 263/356 . realiza as funções a seguir: – TTF – HPOM & HSUT – HOA (HPA & HPT) – LSUT & LPOM – OH bytes As funções de proteção de conexão e de rede são realizadas pelo bloco Matriz. a cavidade frontal inferior não pode ser equipada com qualquer tipo de módulo ótico.

Lado de ENTRADA: da linha para a Matriz Funções SPI: (OS1_TT_Sk) e (OS1/RS1_A_Sk). na página 273). para as comunicações de mensagem de rede (protocolo Qecc). A transmissão e a cópia deste documento. detecção de alinhamento de frame (A1. ele realiza a conversão ótico para elétrico e exclui também o alarme LOS. Alarme de Diminuição de Sinal • M1: Recuperação MS-REI • K2[6–8]: detecção de MS-RDI. Serial–in Parallel–out) permitem a união da interface com o painel posterior em uma taxa de 622 Mbit/s bit. MST.08 Mb/s (H na Figura 142. • Intérprete de ponteiro AU–4. No caso do Módulo Ótico. justificação de ponteiro. • Detecção de LOP • Detecção AU–AIS • Inserção de AIS ou SSF (em detecção de LOP e AU–AIS) • Contagem de PJE (Pointer Justification Event (Evento de Justificativa de Ponteiro)). o TSF é aplicado se MS–AIS for detectado. detecção de MS–RDI e MS–AIS. O TSD é aplicado no caso de MS–DEG (diminuição de sinal). recuperação de MS–REI.Processamento de carga útil 2 x STM–1 Consulte a Figura 142. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Os blocos TTF oferecem também as referências de cronometragem. recuperação de acompanhamento de seção de regenerador (J0) e detecção não correspondente. detecção de LOP e AIS. DCCM) são fornecidos pelos 2 blocos TTF. conta Bloco com Erros BIP–8 (B1). Os canais DCC são enviados para o Controlador. MSA) Os dois blocos TTF são conectados à matriz no COMPACT ADM ”principal” através de um link em 622 Mbit/s. MSOH e RSOH bytes usados para finalidades auxiliares são extraídos e enviados para SERGI via barramento AUX. • K2[6–8]: detecção de MS–AIS. derivadas dos sinais de entrada STM–N. as funções a seguir são realizadas no lado de Rx: Extração de SOH (lado de Rx): DCC bytes (DCCR D1–D3 e DCCM D4–D12) caem e são colocados em série em um frame DCC. MSA (MS1/S4_A_Sk): realiza interpretação de ponteiro AU4. Os dois blocos TTF também estão conectados à matriz do COMPACT ADM ”reserva” através de um link a 622 Mbit/s.110. O sinal é formatado com taxa de 622. Dois links DCC (DCCR. Os blocos PISO & SIPO (Parallel–In Serial–Out. então. na página 273 Todos os direitos reservados. • B2: Contagem de Bloco com Erro BIP–24N ––>Ex–BER. (ES1_TT_Sk) e (ES1/RS1_A_Sk) as funções SPI são implementadas nos Módulos de Linha Ótica (ou Elétrico para STM–1). A2: detecção de alinhamento de frame. Origem no lado de Saída) para sinais 2 STM–1. ED 01 955. Eles fazem interface com o sinal de linha e recuperam os dados STM1 e o clock. na página 273). O sinal AU4 é. Além disso. • decodificação • A1. A2). Estes blocos realizam as Funções do Terminal de Transporte (Sink-Sk no lado de Entrada. • Inserção de AIS ou SSF se LOF for detectado MST (MS1_TT_Sk): realiza contagem de bloco com erro BIP–24 (B2). BLOCO TTF (SPI. RST (RS1_TT_Sk): realiza a decodificação. RST.542 V 3AL 80754 AA AA 264/356 . enviado para a placa MATRIX e também para a MATRIX no COMPACT ADM ”reserva”. mapeando os sinais STM–1 em um frame equivalente a STM–4 interno. capacidade equivalente a STM–4 (denominada H na Figura 142. J0 não é gerenciado nesta versão. • contagem de OOF e detecção de LOF.

A transmissão e a cópia deste documento. MSA (MS1/S4_A_So): realiza a montagem de AUG. cálculo e inserção de BIP-8 (B1). detecção de UNEQ e VC–AIS (monitoramento de rótulo de sinal). • • • Montagem de AUG e intercalação de byte. detecção de HP–RDI (monitoramento de status de curso). o TSD é gerado em caso de SD. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Os bytes MSOH e RSOH para comunicações auxiliares também são inseridos. J0: inserção de acompanhamento de seção do regenerador (não gerenciado nesta versão) B1: cálculo e inserção BIP–8. M1: inserção de MS–REI. recuperação de curso J1. K2[6–8]: inserção MS–AIS. No caso do Módulo Ótico. inserção RS–AIS. formatado com uma taxa de 622. HPOM (Higher order path overhead monitoring (Monitoramento aéreo de curso de ordem superior)) Snm_TT_Sk: término de sinal. A1. Todos os direitos reservados. Inserção de SOH (lado de Tx): DCC bytes (DCCR D1–D3 e DCCM D4–D12) que chegam do Controlador são inseridos na seção SOH.08 Mb/s. MST (MS1_TT_So): realiza o cálculo e a inserção de BIP–24. para comunicações de mensagens de rede. Funções SPI: (OS1_TT_So) e (OS1/RS1_A_So). ED 01 955. RST (RS1_TT_So): realiza a inserção do alinhamento do frame. TIM. A2: inserção de alinhamento de frame. chegando do SERGI via barramento AUX. Gerador de ponteiro AU–4. conta de bloco com erro VC4 BIP–8. (ES1_TT_So) e (ES1/RS1_A_So) as funções SPI são implementadas nos Módulos de Linha Ótica (ou Elétrico para STM–1). o TSF é gerado em caso de SSF. HSUT (HSUT não funciona nesta versão) O HPOM realiza o monitoramento de um curso equipado enquanto o HSUT realiza o término de um curso não equipado. AIS. Gerador AU–AIS. geração de AU–AIS.542 V 3AL 80754 AA AA 265/356 . A partir de HPOM e HSUT são recuperados: os primitivos usados para Monitoramento de Desempenho (Conta de bloco com erro. B2: Cálculo e inserção BIP–24N.Lado de SAÍDA: da Matriz para a linha O sinal AU4 a ser processado chega da MATRIX. BLOCO HPOM. geração de ponteiro AU–4. Eles recebem (do GA) os dados de STM1 e o clock e formatam o sinal de linha STM1. K2[6–8]: inserção de MS–RDI.110. UNEQ. Segundos de defeito) critérios de comutação para proteção de SNCP/N As duas funções são alternativas. inserção de MS–REI MS–RDI e MS–AIS. Laser–fail e podem receber o comando Laser–Shut–Down (para ALS). a inserção do acompanhamento do curso de seção do regenerador. ele detecta também ao alarmes Laser–Degrade. recuperação de informações REI.

HP–RDI e UNEQ são detectados. montagem VC4 e geração TU–AIS HPT (Sn_TT_So): inserção de identificação de acompanhamento de curso. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Para a Matriz: HPA (Sn/Sm_A_So): Geração de ponteiro TU. bloco de contagem de erros VC4 BIP–8. cálculo e inserção de VC–4 BIP–8. Além de: Inserção de F2 e F3 byte (lado de Tx): F2/F3 bytes são extraídos do frame DCC e inseridos no VC4 POH. O TSD é aplicado se uma condição de diminuição de sinal for detectada. interpretação de ponteiro de TU. detecção de UNEQ e VC–AIS (monitoramento de rótulo de sinal). Da Matriz: HPT (Sn_TT_Sk): as informações de acompanhamento de curso são recuperadas. detecção de HP–RDI (monitoramento de status de curso).542 V 3AL 80754 AA AA 266/356 . inserção de indicações de RDI e REI. cálculo e inserção de VC–4 BIP–8. LPOM BLOCK Não estão em operação nesta versão. Sns_TT_So: geração de um contêiner não equipado. as informações de REI são recuperadas. BLOCO HOA (HPT & HPA) O bloco HOA é conectado nas funções HPC e LPC das matrizes da Matriz através de links a 622 MBit/s. ED 01 955. detecção de HP–SLM e LOM. HSUT (Higher order Supervisory Unequipped termination (Término não equipado de supervisão de ordem superior)) Sns_TT_Sk: recuperação de informações de acompanhamento de curso. conta de bloco com erro VC4 BIP–8. RDI e /ou geração de informações REI. reconhecível pela Matriz. capacidade equivalente a STM–4 (sinais X e L da Figura 142. As tarefas principais do LPOM são: • monitoramento de identificador de acompanhamento • recuperação de REI e derivação para primitivas de performance • monitoramento de rótulo de sinal • contagem de bloco com erro VC–m BIP–2 O LPOM é usado para fins de monitoramento de performance e para Lower Order SNCP/N.110. HOA também é conectado às funções HPC e LPC da MATRIX presente no COMPACT ADM ”reserva”. HPA (Sn/Sm_A_Sk): desmontagem de VC–4. inserção de rótulo de sinal. detecção de LOP e TU–AIS. LSUT. TSF é aplicado se SSF ou UNEQ ou TIM ou AIS for detectado. na página 273). Extração de F2 F3 byte (lado de Rx): tanto F2 quanto F3 bytes são extraídos do fluxo recebido e colocados em série em um frame DCC. A transmissão e a cópia deste documento. As funções HPA e HPT são necessárias para a montagem/desmontagem dos VCs de ordem inferior a partir daqueles de ordem superior para interpretar e ajustar os ponteiros AU e TU a fim de construir um frame estruturado VC4 nominal. As tarefas principais do LSIT são: • recuperação/inserção de rótulo de sinal não equipado VC–m • recuperação/inserção de acompanhamento de curso • recuperação/inserção de BIP–2 • recuperação/inserção de REI e de RDI O LSUT é usado para monitorar os cursos não equipados.Todos os direitos reservados. geração do identificador de acompanhamento. recuperação de REI. inserção ”não equipada”.

O TSD é aplicado no caso de MS–DEG (diminuição de sinal). na página 274). MSA) Se o COMPACT ADM foi configurado com o módulo ótico STM–4. Lado de ENTRADA: da linha para a Matriz Funções SPI: (OSn_TT_Sk) e (OSn/RSn_A_Sk). o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. detecção de LOP e AIS. justificação de ponteiro. MSA (MSn/Sn_A_Sk): realiza interpretação de ponteiro AU4s. MSOH e RSOH bytes usados para finalidades auxiliares são extraídos e enviados para SERGI via barramento AUX. enviado para a placa MATRIX e também para a MATRIX no COMPACT ADM ”reserva”. O sinal AU4s é. então. Este bloco realiza as Funções do Terminal de Transporte (Sink-Sk no lado de Entrada. na página 274). A transmissão e a cópia deste documento. A2). RST. J0 não é gerenciado nesta versão. detecção de alinhamento de frame (A1. as funções a seguir são realizadas no lado de Rx: Extração de SOH bytes (lado de Rx): DCC bytes (DCCR D1–D3 e DCCM D4–D12) caem e são colocados em série em um frame DCC. O bloco TTF também está conectado à matriz do COMPACT ADM ”reserva” através de um link a 622 Mbit/s. conta Bloco com Erros BIP–8 (B1). Dois links DCC (DCCR. derivadas dos sinais de entrada STM–N. Ele faz interface do sinal de linha e recupera os dados de STM4 e clock. as funções SPI são implementadas no Módulo-Linha Ótico. O bloco TTF oferece também as referências de cronometragem.542 V 3AL 80754 AA AA 267/356 . detecção de MS–RDI e MS–AIS. MST. Origem no lado de Saída) para um sinal STM–4.Processamento de carga útil 1 x STM–1 (Consulte a Figura 143. BLOCO TTF (SPI. na página 274) Todos os direitos reservados. recuperação de acompanhamento de seção de regenerador (J0) e detecção não correspondente. O sinal é formatado com taxa de 622. ED 01 955. RST (RSn_TT_Sk): realiza a decodificação. para as comunicações de mensagem de rede (protocolo Qecc). recuperação de MS–REI. Os canais DCC são enviados para o Controlador.110.08 Mb/s (H na Figura 143. Além disso. capacidade equivalente de STM–4 (denominada H na Figura 143. realiza a conversão ótica para elétrica e detecta também o alarme LOS. apenas o bloco TTF superior está conectado à matriz no COMPACT ADM ”principal” através de um link a 622 Mbit/s. • decodificação MST (MSn_TT_Sk): realiza contagem de bloco com erro BIP–24 (B2). DCCM) são fornecidos pelo bloco TTF. o TSF é aplicado se MS-AIS for detectado.

110. MST (MSn_TT_So): realiza o cálculo e a inserção de BIP–24. A transmissão e a cópia deste documento. detecção de HP–RDI (monitoramento de status de curso). detecção de HP–RDI (monitoramento de status de curso).08 Mb/s. a função SPI é implementada nos Módulos-Linha Óticos. Inserção de SOH (lado de Tx): DCC bytes (DCCR D1–D3 e DCCM D4–D12) que chegam do Controlador são inseridos na seção SOH. Funções SPI: (OSn_TT_Sk) e (OSn/RSn_A_Sk). conta de bloco com erro VC4 BIP–8. Ele também detecta os alarmes Laser–Degrade. geração de AU–AIS. AIS. geração de ponteiro AU–4.Lado de SAÍDA: da Matriz para a linha Os sinais AU4s a ser processado chega da MATRIX. cálculo e inserção de VC–4 BIP–8. inserção de MS–REI MS–RDI e MS–AIS. Laser–fail e pode receber o comando Laser–Shut–Down (para ALS). RDI e /ou geração de informações REI. ED 01 955. O TSF é gerado em caso de SSF. recuperação de REI.542 V 3AL 80754 AA AA 268/356 . A partir de HPOM e HSUT são recuperados: • • os primitivos usados para Monitoramento de Desempenho (Conta de bloco com erro. MSA (MSn/Sn_A_So): realiza a montagem de AUG. Ele recebe (do GA) os dados de STM4 e o clock e formata o sinal de linha STM4. a inserção do acompanhamento do curso de seção do regenerador. formatado com uma taxa de 622. geração do identificador de acompanhamento. As quatro estruturas AUG são intercaladas por byte na estrutura STM–4 com relação de fase fixa vs. TIM. chegando do SERGI via barramento AUX. detecção de UNEQ e VC–AIS (monitoramento de rótulo de sinal). Todos os direitos reservados. inserção ”não equipada”. detecção de UNEQ e VC–AIS (monitoramento de rótulo de sinal). o mesmo sinal múltiplo. recuperação de informações REI. Segundos de defeito) critérios de comutação para proteção de SNCP/N As duas funções são alternativas. BLOCO HPOM. recuperação de curso J1. O TSD é gerado em caso de SD. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Sns_TT_So: geração de um contêiner não equipado. HSUT (HSUT não funciona nesta versão) O HPOM realiza o monitoramento de um curso equipado enquanto o HSUT realiza o término de um curso não equipado. cálculo e inserção de BIP-8 (B1). HPOM (Higher order path overhead monitoring (Monitoramento aéreo de curso de ordem superior)) Snm_TT_Sk: término de sinal. UNEQ. HSUT (Higher order Supervisory Unequipped termination (Término não equipado de supervisão de ordem superior)) Sns_TT_Sk: recuperação de informações de acompanhamento de curso. Os bytes MSOH e RSOH para comunicações auxiliares também são inseridos. conta de bloco com erro VC4 BIP–8. para comunicações de mensagens de rede. RST (RSn_TT_So): realiza a inserção do alinhamento do frame.

detecção de HP–SLM e LOM. As tarefas principais do LSIT são: • • • • recuperação/inserção de rótulo de sinal não equipado VC–m recuperação/inserção de acompanhamento de curso recuperação/inserção de BIP–2 recuperação/inserção de REI e de RDI O LSUT é usado para monitorar os cursos não equipados. Da Matriz: HPT (Sn_TT_Sk): as informações de acompanhamento de curso são recuperadas. montagem VC4 e geração TU–AIS HPT (Sn_TT_So): inserção de identificação de acompanhamento de curso. LSUT. reconhecível pela Matriz. bloco de contagem de erros VC4 BIP–8. A transmissão e a cópia deste documento. ED 01 955. TSF é aplicado se SSF ou UNEQ ou TIM ou AIS for detectado. inserção de indicações de RDI e REI. inserção de rótulo de sinal. O TSD é aplicado se uma condição de diminuição de sinal for detectada. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Além de: Inserção de F2 e F3 byte (lado de Tx): F2/F3 bytes são extraídos do frame DCC e inseridos no VC4 POH. As funções HPA e HPT são necessárias para a montagem/desmontagem dos VCs de ordem inferior a partir daqueles de ordem superior para interpretar e ajustar os ponteiros AU e TU a fim de construir um frame estruturado VC4 nominal. Para a Matriz: HPA (Sn/Sm_A_So): Geração de ponteiro TU.542 V 3AL 80754 AA AA 269/356 . interpretação de ponteiro de TU. As tarefas principais do LPOM são: • • • • monitoramento de identificador de acompanhamento recuperação de REI e derivação para primitivas de performance monitoramento de rótulo de sinal contagem de bloco com erro VC–m BIP–2 O LPOM é usado para fins de monitoramento de performance e para Lower Order SNCP/N. Os blocos HOA também são conectados às funções HPC e LPC da MATRIX presentes no COMPACT ADM ”reserva”.Todos os direitos reservados.110. HP–RDI e UNEQ são detectados. HPA (Sn/Sm_A_Sk): desmontagem de VC–4. detecção de LOP e TU–AIS. cálculo e inserção de VC–4 BIP–8. capacidade equivalente a STM–4 (sinais X e L da Figura 143. Extração de F2 F3 byte (lado de Rx): tanto F2 quanto F3 bytes são extraídos do fluxo recebido e colocados em série em um frame DCC. as informações de REI são recuperadas. BLOCO HOA (HPT & HPA) Os quatro blocos HOA são conectados nas funções HPC e LPC das matrizes da Matriz através de links a 622 MBit/s. na página 274). LPOM BLOCK Não estão em operação nesta versão.

o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Os modos de funcionamento de referência de clock podem ser: locked. o COMPACT ADM pode selecionar seu sinal de referência (a seleção é realizada por meio do software e do craft terminal): • • • • ED sinais de referência de cronometragem provenientes dos blocos TTF no Compact–ADM (T1) sinais de referência de cronometragem provenientes das portas SDH (T1) Sinal 2 MHz proveniente das portas PDH (T2) Clocks de 2 MHz (T3) ou sinais de 2 Mbit/s (T6) provenientes do cartão SERGI 01 955. consulte o parágrafo 3. comutação de sinais de curso A para B (A e B são dois lados de transmissão genéricos). A matriz permite uma conexão cruzada completa em e entre qualquer nível VC. SNCP é dos tipos HO–SNCP (para sinais de curso VC3. K2 bytes). [3] Sincronização de equipamento (SETS. Para uma descrição detalhada do subsistema de Conexão.VC12.). MSP Realiza a Proteção da Seção Multiplex. hold over e free running.1 na página 115. às portas de tráfego e ao Compact–ADM–1 reserva Os links para a matriz são equivalentes a STM4.1. no caso de configuração 1+1. com uma taxa de bit de 622. VC2. O MSP é baseado na sinalização de comutação sobre o canal APS (K1. etc. Quando funciona no modo bloqueado.7.[2] Conexões (bloco de MATRIZ) As funções de conexão e de proteção de rede são realizadas pela Matriz que contém o bloco. consulte o parágrafo 3.3 na página 175. Todos os direitos reservados. SETG) O cartão COMPACT ADM realiza a função de Synchronization SETS (Synchronous Equipment Timing Source (Fonte de Cronometragem de Equipamento Síncrono)) e distribui para cada porta de equipamento os sinais de sincronia que pertencem a ela. os links com HPA são denominados L. – MSP – SNCP – HPC – LPC A matriz é conectada de maneira bidirecional a G. Os links com TTF são denominados H.110. Um oscilador de alta estabilidade a 10MHz está presente para garantir um holdover ou liberar o modo de funcionamento compatível com o ITU–T Recs. A transmissão e a cópia deste documento.542 V 3AL 80754 AA AA 270/356 . no caso de configuração de rede com anel SNCP. Pode ser SNCP/I e SNCP/N.1. HPC e LPC Este bloco age como uma matriz de conexão de 3 portas.08 Mb/s..A. que suporta conexão cruzada para sinais equivalentes de 32x32 STM1. os links com tráfego e as portas reserva são denominadas STM4–BPF. comutação do sinal de seção principal para reserva. SNCP Realiza as Proteções de Conexão de Sub–Rede. os links com HPT são denominados X. Com relação a proteções de rede. VC4) e LO–SNCP (para sinais de curso VC3. VC11.

consulte o parágrafo 3. A freqüência é de 38. para comunicações sobre Inventário Remoto. falhas de cartão. para oferecer comunicações entre as unidades e o Controlador.542 V 3AL 80754 AA AA 271/356 .1.8 na página 189. T2.88 MHz.08 MHz) bloqueado na referência selecionada (T1. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. [4] Controlador O cartão COMPACT ADM implementa tanto as funções do Equipment Controller (EC) e do Shell Controller (SC).O bloco SETG (Synchronous Equipment Timing Generation (Geração de Cronometragem de Equipamento Síncrono)) gera: • Todos os direitos reservados. O processador SC faz interface diretamente com o asics do equipamento implementando as funções de SDH com relação à coleta de dados (status.110. relatório e registro de evento. dados de Monitoramento de Performance data) e fornecimento de configuração.. localizados em cada placa para operações de leitura simples ou de gravação. A função SC é protegida 1+1 pela inserção de dois COMPACT ADM na prateleira. É um barramento paralelo (ISP: Intra Shelf Parallel Bus (Barramento paralelo entre estantes)) que conecta o processador SC a todos os asics de transporte localizados nas placas de tráfego no cartão COMPACT ADM. para gerenciamento das unidades (gerenciamento das funções de processamento de carga útil). As interfaces internas suportam elementos de EC e SC para tarefas de comunicação como: – Management–Bus. obtido a partir de ck38MHz. craft terminal). MFSY: é o sincronismo multiframe a 500 Hz. • • • um clock do sistema T0 (a 622. – Virtual Machine Management Function (VMMF (Função de Gerenciamento de Máquina Virtual)): Funções de SW para atividades de controle e de gerenciamento da máquina "virtual": processamento de infomodel. – ISSB: Intra Shelf Serial Bus é um barramento serial que suporta comunicação entre a função EC SC nas duas placas COMPACT ADM e o Microprocessador Local presente na placa ATM. – RIBUS. liberação de barramento. gerenciamento de banco de dados. T3/T6) e distribuído para o equipamento. acessível a partir da placa SERGI. download de SW. CK38Mhz: derivado do clock do sistema (T0) e distribuído para todas as portas. É um barramento serial (SPI: Serial Peripheral & Inventory) que conecta o processador SC aos dispositivos com interface serial chamados RIBUS–I/F. É distribuído para todas as portas. falhas ou detecção de eventos de alarme. Para uma descrição detalhada do subsistema de sincronização. A transmissão e a cópia deste documento. um clock de 2 MHz T4 ou um sinal de 2 Mbit/s T5 usado como sinal de sincronização para a parte externa. O EC compreende: – Message Communication Function (MCF (Função de Comunicação de Mensagens)): Recursos de HW (interfaces físicas) e funções de SW (pilha de protocolo) necessário para comunicações entre o NE e o sistema de gerenciamento (OS local ou remoto. ED 01 955. A função SC oferece: – Physical Machine Management Function (PMMF (Função de Gerenciamento de Máquina Física)): controle e gerenciamento da máquina física real. etc.

– Interface Qecc: É um canal de comunicação gerenciado pelo EC. embutido no frame SDH (DCCR e DCCM bytes) para troca de mensagens com outros equipamentos da rede SDH e com um OS remoto. consulte o parágrafo 3.1. – Interface Q2: porta de comunicação para conectar o equipamento a um equipamento não SDH.6 na página 157. consulte o parágrafo 3.11 na página 196. implementando a interface Qecc. Um Flash Card é montado para registrar a base de dados do equipamento. onde os bytes auxiliares têm conexão cruzada e são acessados no local. A transmissão e a cópia deste documento. DCCM em COMPACT ADM e F2/F3 em portas de tráfego SDH).110.1. Dois conversores DC/DC são montados na placa COMPACT ADM para converter o 48V para 3. ED 01 955.5 V para alimentação G. Para obter uma descrição detalhada do gerenciamento de OverHead. Um conversor de etapa inferior está presente para gerar 2. que fornece um link AUX de proprietário com a placa SERGI. [8] INVENTÁRIO REMOTO É a memória usada para manter o histórico e os dados da placa.Para obter uma descrição detalhada do Controlador. Para obter mais detalhes sobre a função de Inventário Remoto. consulte o parágrafo 3. na página 91 [7] FONTE DE ALIMENTAÇÃO A unidade recebe via conectores de painel posterior. O conector Q2 está localizaod na placa CONGI. Cada asic de transporte oferece também inserção/extração de RSOH. O significado dos LEDs e dos Botões é relatado na Figura 32. LEDS e botões As interfaces externas fornecidas pelo COMPACT ADM são: – Interface F: porta de comunicação local fornecida para conectar o equipamento ao Craft Terminal local. na página 273 mostra os links de Gerenciamento de Overhead do 1650SMC. onde o subsistema de controle é descrito. [5] Gerenciamento de Overhead (OH e Qecc) Figura 142.9 na página 191. Cada função de transporte SDH (no Compact–ADM ou nas portas SDH) oferece um link DCC de proprietário com função EC. Todos os direitos reservados. Todos os LEDS (exceto os de Falha da Unidade) são acionados pelo SC.1. Os blocos de Inventário Remoto e de RIBUS–I/F são alimentados pelo serviço de alimentação 3. (DCCR. enviados para o bloco OH (OverHead bytes).A.2V respectivamente.542 V 3AL 80754 AA AA 272/356 . [6] Interfaces externas. o –48V que vem da placa SERGI e CONGI. onde o subsistema Auxiliar e DCC é descrito. MSOH bytes e POH bytes para uso auxiliar. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.3 Vdc que vem da placa SERGI e CONGI.3V e para +5.

110. Cartão COMPACT ADM – Diagrama em bloco (2 x STM–1) ED 01 955.Notas: (*) = HSUT. LPOM e LSUT não estão disponíveis na versão atual Figura 142. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.542 V 3AL 80754 AA AA 273/356 Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste documento. .

110. Cartão COMPACT ADM – Diagrama em bloco (1 x STM–4) ED 01 955. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. A transmissão e a cópia deste documento.Notas: (*) = HSUT. .542 V 3AL 80754 AA AA 274/356 Todos os direitos reservados. LPOM e LSUT não estão disponíveis na versão atual Figura 143.

LEDS e botões [7] Fonte de alimentação [8] Inventário remoto A unidade realizada pela unidade é a mesma descrita no SYNTH1N (consulte o parágrafo 3.110.20 Cartão COMPACT ADM (SYNTH4) As funções realizadas pela unidade são: [1] Processamento de carga útil (2 x STM–1.2. A transmissão e a cópia deste documento. [2] Conexões (matriz) [3] Sincronização de equipamento [4] Controlador [5] Gerenciamento de OH (Aux e Qecc) [6] Interfaces externas. 2 x STM–4 ou uma configuração mista) Todos os direitos reservados.542 V 3AL 80754 AA AA 275/356 .19 na página 263) com a seguinte exceção: – até dois Módulos Óticos STM–4 podem ser equipados na unidade SYNTH4 ED 01 955.3.2. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

21 MATRIZ ATM 4X4 (Consulte a Figura 144. VC12. E3.110. Todos os direitos reservados. A função de proprietário do ”Funcionamento bidirecional em fibra única” é fornecida.3. Os alarmes LOS. LPT e LPA. VC3.542 V 3AL 80754 AA AA 276/356 . capacidade equivalente a STM–4. Laser–fail e os comandos Laser–Shut–Down são comprimidos no grupo Alarms&Commands na figura.2. Na placa. A linha–interface (SPI) é realizada pelo módulo plugável (linha–módulo). O alarme BMD é considerado um LOS externo. BLOCO SPI. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. através de ajuste prévio. de acordo com os módulos disponíveis (elétrico–STM1 ou ótico–STM1) inseridos na cavidade da tampa frontal da MATRIA ATM 4X4. Laser–Degrade. MSA Estes blocos realizam as Funções do Terminal de Transporte (sink no lado de Rx. RST. A placa pode gerenciar até 16 LT em que LT é um canal físico ou lógico onde é mapeado um fluxo de ATM (E1. A transmissão e a cópia deste documento. RST. Esta função usa o byte BMD (bad media dependent (dependente de meio ruim)). VC4. um acesso local STM–1 que transporta um VC4 não estruturado é gerenciado (não funciona na versão atual) O cartão realiza as funções a seguir: [1] Processamento de sinal SDH [2] Processamento de sinal ATM [3] MATRIZ [4] MICROPROCESSADOR [5] Peça comum [1] Processamento de sinal SDH Uma interface STM–1 está disponível no cartão. – SOH bytes As funções de conexão cruzada (MSP. O algoritmo ALS é fornecido por implementação de hardware (comando Laser–Shut–Down). MSA – HPT. VC4). MST. ED 01 955. As funções SDH necessárias para gerenciar os sinais STM–1 são: – SPI. MST. O fluxo pode ser ótico ou elétrico. HPC LPC) são realizadas pelas matrizes presentes nas duas placas COMPACT ADM (funcionando com configuração 1+1). origem no lado de Tx) para sinais STM–1. O bloco MSA é conectado às placas COMPACT ADM (principal e reserva) através de links bidirecionais 1+1 em 622 Mbit/s. na página 282) Esta unidade realiza uma matriz de comutação ATM com uma largura de banda total de 622Mbit/s.

recuperação de MS–REI. MSA (MSn/Sn_A_Sk): realiza interpretação de ponteiro AU4. RST (RSn_TT_Sk): realiza detecção de alinhamento de frame (A1. justificação de ponteiro. • LPT (S12_TT_Sk): A função LPT termina e processa o POH para determinar o status dos atributos de curso definidos. O TSD é aplicado no caso de MS–DEG (diminuição de sinal). • V5[1. conta Bloco com Erros BIP–8. SPI (OSn/RSn_A_So): codifica os sinais de saída e insere AIS na condição de alarme. lado de Tx: da matriz no COMPACT ADM até a linha MSA (Ms/Sn_A_So): realiza a montagem de AUG. Inserção de SOH BYTE (lado de Tx): DCC bytes (DCCR D1–D3 e DCCM D4–D12) que chegam dos frames DCC são inseridos na seção SOH. se a Não correspondência de rótulo de Sinal for detectada ED 01 955. V5[8]: informações RDI são recuperadas e relatadas. MST (MSn_TT_So): realiza o cálculo e a inserção de BIP–24. A transmissão e a cópia deste documento.110. Dois frames DCC são gerados trabalhando com proteção 1+1. LPT e LPA Dois fluxos de dados em freqüência de 622 MHz são conectados com o bloco chamado SWITCH na Figura 144. detecção de MS–RDI e MS–AIS. conta o OOF e revela o alarme LOF. Se o sinal for estruturado. recuperação de acompanhamento de seção de regenerador (J0) e detecção não correspondente. detecção de LOP e AIS. um vindo da matriz HPC (link L) e outro da matriz LPC (link X). RST (RSn_TT_So): realiza a inserção do alinhamento do frame. o sinal que chega (Link L) é enviado através do SWITCH para o bloco LPT e LPA. inserção de MS–REI MS–RDI e MS–AIS. A2). geração de AU–AIS. J2: o identificador de acompanhamento é recuperado  detecção de TIM. cálculo e inserção de BIP-8. alarme de Diminuição de Sinal • V5[3]: REI bit é recuperado e as primitivas de performance derivadas são relatadas. Blocos HPT. MST (MSn_TT_Sk): realiza contagem de bloco com erro BIP–24. na página 282. Todos os direitos reservados.2]: BIP–2 é recuperado  Ex–BER. a inserção do acompanhamento do curso de seção do regenerador. o TSF é aplicado se MS–AIS for detectado. J0 não é gerenciado nesta versão. Lado de Rx: da matriz no COMPACT ADM para LPA ou HPT A tarefa do bloco SWITCH é selecionar um dos dois barramentos que vem das matrizes de acordo com o tipo de sinal a ser conectado (L se for estruturado ou X se não for estruturado). geração de ponteiro AU–4. Além disso.Lado de Rx: da linha para a matriz MSP na placa COMPACT ADM-1 SPI (OSn/RSn_A_Sk): decifra o sinal que chega. • V5[5–7]: Detecção de rótulo de sinal no byte V5[5–7] ––> Detecção de falta de correspondência de rótulo de sinal • AIS ou SSF aplicado. • • Detecção de AIS ou SSF  alarme SSF • LPA (S12/P12x_A_Sk): Extrai o VC12–POH e processa o ponteiro TU12. as funções a seguir são realizadas no lado de Rx: Extração de SOH BYTE (lado de Rx): DCC bytes (DCCR D1–D3 e DCCM D4–D12) caem e são colocados em série em um frame DCC. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.542 V 3AL 80754 AA AA 277/356 .

048 Mbit/s é inserido em um contêiner de C–12 (por meio de mapeamento assíncrono). BLOCO HPOM. ED 01 955. VC–4 Cálculo e inserção de BIP–8. V5[1.709. a adaptação de ordem inferior envolve justificação de bit. Inserção de N1 byte (lado de Tx): para a função Tandem Connection Termination & Monitoring de rede (TCT/TCM). inserção de indicações RDI e REI.708 e G. • • LPA (S12/P12x_A_So): Este bloco adapta os dados do usuário para transporte no domínio síncrono. HSUT (HSUT não funciona nesta versão) O HPOM realiza o monitoramento de um curso equipado enquanto o HSUT realiza o término de um curso não equipado. O 2.Todos os direitos reservados. Para dados assíncronos do usuário. O TSD é aplicado se uma condição de diminuição de sinal for detectada.2]: O BIP–2 é calculado e transmitido. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Se o sinal não for estruturado os dados que chegam do bloco ATM MAPPING são enviados através do bloco HPT para o bloco SWITCH. TSF é aplicado se SSF ou UNEQ ou TIM ou AIS for detectado. A partir de HPOM e HSUT são recuperados: • os primitivos usados para Monitoramento de Desempenho (Conta de bloco com erro. HP–RDI e UNEQ são detectados. bloco de contagem de erros VC4 BIP–8. Se o sinal for estruturado os dados que chegam do bloco ATM MAPPING são enviados através dos blocos LPT e LPA para o bloco SWITCH. • • • • J2: o identificador de acompanhamento é gerado.110. V5[3]: o número de erros é codificado em REI. as informações de REI são recuperadas. Os formatos POH são definidos nas Recomendações G. Segundos de defeito) • critérios de comutação para proteção de SNCP/N As duas funções são alternativas. LPT (S12_TT_So): A função LPT cria um VC–12 através de geração e de inclusão de POH a C– 12. Extração de N1 byte (lado de Rx): para a função Tandem Connection Termination & Monitoring de rede (TCT/TCM). • V5[5–7]: Inserção de rótulo de sinal no byte V5[5–7]. V5[8]: A indicação RDI é inserida. A transmissão e a cópia deste documento. Se o sinal não for estruturado.542 V 3AL 80754 AA AA 278/356 . lado de Tx: de LPA ou HPT para matriz em COMPACT ADM A tarefa do bloco SWITCH é enviar o sinal que chega do bloco HPT ou LPT para as matrizes no COMPACT ADM. que é sincronizado (stuffing) com o TU–12 correspondente. HPT (Sn_TT_So): inserção de identificação de acompanhamento de curso. o sinal que chega (Link L) é enviado através do SWITCH para o bloco HPT. A seleção é feita de acordo com o tipo de sinal a ser conectado (L se for estruturado ou X se não for estruturado). inserção de rótulo de sinal. HPT (Sn_TT_Sk): as informações de acompanhamento de curso são recuperadas.

recuperação de curso J1. geração do identificador de acompanhamento. UNEQ. mas em partes diferentes da rede (respectivamente na Interface de Rede do Usuário e na Interface do Nó de Rede) – OAM: funções de operação e manutenção são feitas usando as células dedicadas. Snm_TT_Sk: término de sinal. – DESACOPLAMENTO DE CÉLULAS: as células ociosas são extraídas do fluxo de células. detecção de UNEQ e VC–AIS (monitoramento de rótulo de sinal). Geralmente. o HEC é usado para atingir o delineamento da célula. recuperação de informações REI. RDI e /ou geração de informações REI. as células ociosas foram inseridas na função de origem de adaptação final para atingir a capacidade do contêiner síncrono. – DELINEAMENTO DE CÉLULA: o delineamento de célula é o processo que permite a identificação dos limites das células. O algoritmo usado pode recuperar um erro de bit único ou detectar cabeçalhos com erros de um ou de vários bits. VC3. detecção de HP–RDI (monitoramento de status de curso). o decodificador é ativado por vários bits iguais à extensão do campo de informações e desativado outra vez com o cabeçalho presumido a seguir. Sns_TT_So: geração de um contêiner não equipado. inserção ”não equipada”. – VERIFICAÇÃO E CORREÇÃO DE HEC neste bloco. É realizado no fluxo de células extraído dos frames PDH/SDH – DECODIFICADOR: para SDH e PDH o campo de informações de cada célula é decodificado com um codificador de auto-sincronização polinomial. HP-RDI detecção (monitoramento de status de curso). o BLOCO DE DESMAPEAMENTO ATM recebe os frames E1 e E3 contidos na carga útil VC3 e VC4 para o processamento realizado nas placas de equipamento. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. localização de falhas. VC4c. relatório de células. [2] Processamento de sinal ATM Lado de RX de SDH para MATRIX: – DESMAPEAMENTO ATM: este bloco extrai as células ATM da carga útil do curso de transmissão E1.110. O TSD é gerado em caso de SD. ED 01 955. As células com modelos de cabeçalho irreconhecíveis são descartadas. – UPC/NPC: esta função (policiamento) verifica que o tráfego que chega de um VPC não está violando o contrato de tráfego acordado. VC4. – VERIFICAÇÃO DO CABEÇALHO: esta função verifica se os primeiros quatro octetos do cabeçalho da célula ATM são reconhecíveis como um modelo de cabeçalho válido.HPOM (Higher order path overhead monitoring (Monitoramento aéreo de curso de ordem superior)) Todos os direitos reservados. conta de Bloco com Erros VC4 BIP–8. detecção de UNEQ e VC–AIS (monitoramento de rótulo de sinal). A transmissão e a cópia deste documento. E3. cálculo e inserção de VC–4 BIP–8. as funções são monitoramento de células. O TSF é gerado em caso de SSF. etc. o campo HEC no cabeçalho da célula é verificado. Uma indicação de evento de descarte de célula de cabeçalho inválido é fornecida na interface do microprocessador onde são contadas. conta de bloco com erro VC4 BIP–8.542 V 3AL 80754 AA AA 279/356 . UPC (User Parameter Control (Controle de Parâmetro de Usuário)) e NPC (Network Parameter Control (Controle de Parâmetro de Rede)) realizam a mesma função. TIM. AIS. HSUT (Higher order Supervisory Unequipped termination (Término não equipado de supervisão de ordem superior)) Sns_TT_Sk: recuperação de informações de acompanhamento de curso. recuperação de REI.

542 V 3AL 80754 AA AA 280/356 . – FORMAÇÃO DE TRÁFEGO: a função de formação de tráfego modifica as características do fluxo de células em um VCP a fim de melhorar a eficiência da rede. Além disso. no caso de um congestionamento. – PROCESSAMENTO DE HEC: o valor de Controle de Erro de Cabeçalho (Header Error Control) é calculado no cabeçalho da célula ATM inteira e inserido no campo adequado. – CODIFICADOR: o campo de informações de cada célula é codificado a fim de melhorar a segurança e a robustez do mecanismo de delineamento da célula HEC. Lado de TX de MATRIX para SDH: – REDUÇÃO DE TAXA: A finalidade deste bloco é regularizar a média de 622 Mbits/s de tráfego que entra com bursts até 1. VC4c.2 Gbits/s e lidos a 622 Mbits/s.110. Eles são escritos a 1. chamadas Rate Reduction FIFOs. usadas para administrar quatro níveis de prioridade fixados em uma base por conexão. – DESACOPLAMENTO DE TAXA DE CÉLULAS: as células ociosas são inseridas no fluxo de células para corresponder à taxa do contêiner. VC3. Esta função usa quatro filas de espera. é responsável por garantir que a célula com prioridade perdida será descartada antes que a célula com alta prioridade. – MAPEAMENTO DE ATM: o fluxo de célula é inserido na carga útil do curso de transmissão E1. é responsável por garantir que a célula com prioridade perdida será descartada antes que a célula com alta prioridade.2 Gb/s. ajuda a colocar uma ordem aleatória nos dados no campo de informações para a possível melhoria do desempenho de transmissão. A função de formação pode corrigir a Variação de Atraso de Célula gerada pelo buffer e pela matriz. VC4.– CONVERSÃO DE CABEÇALHO: este bloco realiza em cada conexão virtual uma conversão de cabeçalho que consiste em uma conversão do número de identificação externo (LTI/VPI/VCI) em um número de identificação interno do usuário para a direção da rede Todos os direitos reservados. Ela permite atender o contrato de tráfego na saída do equipamento. ED 01 955. E3. os frames E1 e E3 são enviados para a saída da placa mapeados na carga útil VC12 e VC3 por causa do processamento que será feito nas placas de equipamento. – FORMAÇÃO DE TRÁFEGO: esta função aperfeiçoa a utilização do buffer e da matriz oferecendo melhor desempenho do switch. – ROTEAMENTO: A finalidade desta função é guiar as células para seu LT alvo – GERENCIAMENTO DE CONGESTIONAMENTO: é o bloco que. especialmente para dados de burst. A transmissão e a cópia deste documento. – GERENCIAMENTO DE CONGESTIONAMENTO é o bloco que. – CONVERSÃO DE CABEÇALHO: este bloco realiza em cada conexão virtual uma conversão de cabeçalho que consiste em uma conversão do número de identificação interno em um número de identificação externo (LTI/VPI/VCI) do usuário para a direção da rede – OAM: funções de operação e manutenção são feitas usando as células dedicadas. um novo identificador de conexão é usado para cada réplica. no caso de um congestionamento. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. – MULTICAST: é uma função de réplica da célula que entra em direção à saída.

para fins de identificação (consulte o parágrafo 3. • INVENTÁRIO REMOTO É a memória que contém as informações da placa.11 na página 196 para obter detalhes) • Driver M–BUS Direciona os gates de entrada-saída do barramento de Gerenciamento.542 V 3AL 80754 AA AA 281/356 . o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.S.1. CONVERSORES DC/DC Iniciando pela fonte de alimentação de 48/60 V. –3. O significado dos LEDs e dos Botões é relatado na Figura 144. usando este desempenho de canal e data de gerenciamento são encapsulados e enviados para o EC e a partir dele para o Craft Terminal ou o O. Todos os direitos reservados. 01 955.3 Vdc. Estes acionadores podem ser desativados (pelo sinal Bus–OFF) em caso de falha de alimentação. A transmissão e a cópia deste documento. [4] MICROPROCESSADOR O microprocessador presente na placa realiza as funcionalidades a seguir: – configuração. Todos os LEDS (exceto os de Falha da Unidade) são acionados pelo microprocessador.110.5 Vdc. para controlar o LED na unidade. –3.[3] MATRIZ A matriz está encarregada da conexão cruzada das células de entrada e de saída de acordo com as informações recebidas pelo microprocessador.3 Vdc. +2. na página 282 [5] Peça comum • RIBUS I/F Este bloco é usado para ler/escrever de/para o fluxo ”RIBUS”. O RIBUS I/F é alimentado pela fonte de alimentação + 3. No caso de Soft Permanent Virtual Connection (Soft–PVC). as tensões a seguir são geradas: – – ED + 5 Vdc usados pelo módulo ótico +1. alarme e coleta de status de dispositivos ATM presentes na placa – manuseio do pacote de sinalização recebido da matriz no caso de Soft–PVC – comunicação com EC no COMPACT ADM (Link SNMP). –3.3 Vdc pelas placas CONGI.3 Vdc. a sinalização P–NNI é suportada.5 Vdc usados para alimentar todos os componentes da placa. para liberar o barramento de Gerenciamento em caso de falha de alimentação e para usar o inventário remoto.

542 V 3AL 80754 AA AA 282/356 Todos os direitos reservados. Cartão ATM 4X4 – Diagrama em bloco ED 01 955. .110. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.NOTA: (*) não funciona na versão atual Figura 144. A transmissão e a cópia deste documento.

VC–3. VC–4. ele tem um módulo Fast Ethernet 4 x 10/100 BaseT e o tráfego total de IP é de 1 Gb/s. HSUT. A adaptação inclui sincronia e compensação de frame com movimentos de ponteiros. O tráfego de IP pode ser conectado a 35 portas lógicas.542 V 3AL 80754 AA AA 283/356 . das quais 31 são dedicadas a links SDH e 4 a links de Ethernet. HPOM. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Há dois tipos de placas IP (os números de peças relevantes são relatados no Capítulo “Configuração Física” Tabela 13. Término SDH: – SWITCH: A tarefa do bloco SWITCH é enviar os sinais que chegam do bloco HPT ou LPT para a matriz na placa MATRIX. sua descrição é relatada no parágrafo 3.2. Os sinais “L” são enviados para os blocos LPT – LPA. A seleção é feita de acordo com o tipo de sinal a ser conectado (L se for estruturado. – RST. e a Figura 146.2. Os contêineres SDH usados para transporte de dados IP são VC–12.22 MATRIZ DE IP (IP1GETH e IP4X4) (Consulte a Figura 145. – Struct/Unstr: este seletor envia os sinais de volume (não estruturados) para HPT. X se não for estruturado). o tráfego de IP tototal é de 622 Mb/s. ED 01 955. A função HSUT não está funcionando. em que 622Mb/s são contribuições de portas SDH e 400 Mb/s contribuições de portas locais 4 Fast Ethernet. A transmissão e a cópia deste documento.110. na página 69): a) uma versão (não disponível ainda na versão atual) pode ter um módulo ótico STM1 conectável. A unidade permite o gerenciamento de dados de IP e seu transporte na rede SDH/PDH. página 117. – LPA: Este bloco adapta as cargas úteis de ordem inferior C12 ou C3 aos contêineres de ordem superior usados para transporte no SDH (TU–12 ou TU–3).3.1. Todos os direitos reservados. Não disponível ainda na versão atual. o “X” para o HPT. enquanto os sinais estruturados são enviados para LPA–LPT. SOH: são funções SDH padrão para o sinal STM1. b) na outra versão. – HPT: este bloco inclui/remove os POH bytes de ordem superior para as cargas úteis não estruturadas C– 4 (volume). – LPT: A função LPT termina um VC–12 ou um VC–3 incluindo ou removendo o POH bytes relevantes para C–12 ou C–3. MST. MSA. na página 287 e 288). As funções implementadas na placa são as seguintes: Porta SDH local: – Módulo E/O STM1: implementa a função SPI do sinal STM1 e é um módulo com plug–in frontal.

RFC 1662 e RFC 2615): desmontar (direção IP) os frames HDLC (High–Level Data Link Control). o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. a fim de permitir que o pacote atinja seu destino final. funcionando em taxas de 10 ou 100Mb/s. removendo o cabeçalho HDLC e montá-los na direção SDH.542 V 3AL 80754 AA AA 284/356 . (consulte rec.110. o cabeçalho MAC está ilustrado na Figura 71. ED 01 955. adjacente em que o mesmo pacote pode ser transferido. do formado de barramento do painel posterior para o formato de barramento entre placas. IEEE 802. – A: este bloco adapta o barramento serial para troca de mensagens SNMP com EC (controlador do equipamento). no campo de dados. que podem ser conectadas a Local Area Networks (LAN) transportando dados de IP na Ethernet. Roteador: – Inspeciona os endereços de origem/destino do datagrama de IP relevante e localiza o melhor roteador ou o ideal. a fim de comunicarse com outros roteadores com informações sobre congestionamento. rotas redirecionamento. (consulte rec. conectado por meio do conector RJ45. página 148 (consulte rec. removendo o cabeçalho PPP. – HDLC: oferece (consulte rec.3. – LLC: remove (na direção de IP) o cabeçalho LLC (Logical Link Control) e insere na direção ETHERNET. compatíveis com o padrão IEEE 802. Carrier Sense Multiple Access com Collision Detection (CSMA/CD). Implementa o algoritmo de roteamento OSPF (Open Shortest Path First: em um sistema autônomo exclusivo. stuffing/destuffing de byte: seqüência de indicações ou outros octetos de cabeçalho são codificados por uma seqüência de 2 octetos. RFC 2328 e RFC 826). e monta-o na direção SDH. A transmissão e a cópia deste documento. a fim de evitar simulações errôneas do cabeçalho. – PPP: desmonta (na direção IP) os frames PPP (Point–to–Point Protocol). full–duplex receber dados e recuperação de clock. página 148 (consulte rec. RFC 792). ecos. O tipo de interface é 10/100Base–T.3). Formação de frame: – MAC: remove (na direção de IP) o cabeçalho MAC 802. AS) e ARP (Address Resolution Protocol: associação de endereços IP para endereços Ethernet). sobre as opções a seguir: 10Mbps ou 100Mbps. codificado em pacotes IP. apropriado. preenchimento interframe. o formato do frame HDLC está relacionado na Figura 69. O roteador reconhece também as mensagens de ICMP (Internet Control Message Protocol). transmissão de formação de pulso sensibilidade da portadora para detecção de colisão gerenciamento de conflitos de transmissão.Módulo Ethernet 4 x: Todos os direitos reservados. página 148. usando comunicação de banda base em um cabo de par trançado. o formato de frame PPP é relatado na Figura 68. por meio da repetição de “seqüência de indicações” (hex 0x7e). etc. Cálculo de FCS (Frame Check Sequence). – Implementa quatro interfaces de transceptor Ethernet. número de roteadores ativos. o cabeçalho LLC está ilustrado na Figura 70.2). IEEE 802. codificação/decodificação de dados X^43 +1. RFC 1661). página 148 (consulte rec. Suas principais funções são: • • • • auto-negociação de operações.3 (Medium Access Control) e insere na direção ETHERNET..

e Figure 28. tais como: configuração. tais como: gerenciamento de muitas filas diferentes e prioridades relativas. Além disso. para configuração de rede IP e também por meio do barramento ISSB–EC. para obter informações sobre a configuração de rede IP.110.542 V 3AL 80754 AA AA 285/356 . Estes acionadores podem ser desativados (pelo sinal Bus–OFF) em caso de falha de alimentação. A transmissão e a cópia deste documento. INVENTÁRIO REMOTO É a memória que contém as informações da placa. Comunica-se com os dispositivos na placa por meio de pacotes ICMP. para controlar o LED na unidade. na página Figure 27. o significado destes LEDs e Botões é relatado na Figura 27. etc. LEDS e botões A placa apresenta. com suporte do microcontrolador entre placas. para liberar o barramento de Gerenciamento em caso de falha de alimentação e para usar o inventário remoto. gerado pelo asic SDH) a fim de evitar problemas EMI. ED 01 955. para a transferência de dados de software.3 VS fornecidos no painel de acesso posterior. O conversor DC/DC é sincronizado com um clock de sincronização a 300 MHz (sinal Power–Sync.11 na página 196 para obter detalhes sobre o Inventário Remoto). gerenciamento de tempo de fica de pacotes.Gerenciamento de enfileiramento: Todos os direitos reservados. para fins de identificação (consulte o parágrafo 3. Microprocessador: – É um microcontrolador que controla e suporta as funcionalidades de IP. para obter as tensões usadas para alimentar todos os componentes na placa. O RIBUS I/F é alimentado por + 3. Driver M–BUS Direciona os gates de entrada-saída do barramento de Gerenciamento serial. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. em ocorrência dos tipos diferentes de congestionamento andom Early Discarding (RED): em ocorrência de sinais de condições de congestionamento. enfileiramento de pacotes. os mecanismos a seguir: 56 filas para cada porta lógica Three Colors Marking (TCM): os pacotes são marcados.1. um descarte de pacotes aleatório é iniciado. a fim de evitar a piora do tráfego. – Monitorar a carga de tráfego no roteador local e tomar as medidas para evitar os congestionamentos. na página 87. por meio de uma seqüência de bits. Barramentos Os principais barramentos na placa são: SNMP: barramento serial para transportar mensagens SNMP (Simple Network Management Protocol) entre o EC e o controlador intraplacas. coletas de alarmes e estados. com suporte de “Queuing Manager”. etc. verde ou amarelo ou vermelho. ajuda a função de controle de congestionamento. descarte de pacotes. Tem os dispositivos SDRAM e Flash EPROM relevantes. CONVERSORES DC/DC Este bloco converte a fonte de alimentação 48/60 V. principalmente para esta função. enquanto comunica-se com o EC por meio de mensagens SNMP. em seu painel frontal. Implementa. comunicações com o Equipment Controller (EC. monitoramento de performances. alguns LEDS e botões. As outras funções implementadas na placa são: RIBUS I/F Este bloco é usado para ler/escrever de/para o fluxo serial ”RIBUS”. na unidade COMPACT ADM) e com o OS.

para comunicação de inventário e de dados periféricos. Todos os direitos reservados. etc). para informações de configuração e de status dos componentes de IP. ISSB–SPARE: barramento serial para a unidade de IP reserva (se houver) para comunicação de informações EPS (não está em funcionamento). IP–CS: do microprocessador. A transmissão e a cópia deste documento. RIBUS: barramento serial do SC (controlador de prateleira na unidade MATRIX). para comunicação de dados de software (download.542 V 3AL 80754 AA AA 286/356 . para informações de configuração e de status de componentes SDH.ISSB–EC: barramento serial do EC.110. transporta pacotes ICMP. SDH–CS: a partir do EC. depois da derivação do “Barramento de gerenciamento” serial. ED 01 955. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

110. Unidade Matriz de IP de 600Mbps – Diagrama em bloco ED 01 955. . A transmissão e a cópia deste documento.542 V 3AL 80754 AA AA 287/356 Todos os direitos reservados.NOTA: A porta local SDH não está disponível na versão atual Figura 145. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

110.Figura 146. Unidade Matriz de IP de 600Mbps + 4 Fast Ethernet – Diagrama em bloco ED 01 955. A transmissão e a cópia deste documento.542 V 3AL 80754 AA AA 288/356 Todos os direitos reservados. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. .

No lado oposto são realizadas as funções complementares.23 Porta ETHERNET (ETH–MB) (Consulte a Figura 147.110. A porta de acesso ETH–ATX pode ser utilizada para fornecer o número mais alto de portas Ethernet. VC4).542 V 3AL 80754 AA AA 289/356 . desde que apenas uma interface Ethernet física fique na frente da PORTA ETHERNET (ETH–MB) via painel posterior quanto às funções de gerenciamento e de conexão cruzada para a classe SDH. Se as memórias forem arquivadas em serem esvaziadas no Vcx. A mesma operação também será executada no lado de Tx. Todas as operações de gravação e de leitura ocorrem na freqüência de 125 Mhz a fim de reduzir o risco de stuffing de memória. um controle de fluxo intervém. Desta maneira. Os frames Ethernet são inseridos em um pacote GFP (Generic Framing Procedure) que é um contêiner universal para tráfego de dados. A transmissão e a cópia deste documento. na página 292) A ETHERNET–PORT é uma nova unidade que pode processar vinte e cinco fluxos de Ethernet e fast Ethernet (10/100 Mbit/s) e mapeá-los para a classe SDH. isto é. ED 01 955. os frames contidos nos contêineres virtuais SDH passarão nos RAMs antes de serem encaminhados para o fluxo Ethernet contínuo. A seguir.3. fica apta a fazer conexão cruzada em fluxo ETHERNET de 10/100Mbit/s em direção a um contêiner virtual SDH de qualquer dimensão (VC12. assim. O último pode se comunicar com o transmissor Ethernet para reduzir ou interromper a transmissão do frame até a recuperação da condição estável dos frames arquivados versus os enviados no SDH VC.2. VC3. está descrito o processamento de sinal na direção linha Ethernet → matriz SDH (colocada na unidade COMPACT ADM). 11 interfaces são disponibilizadas na PORTA ETHERNET e 14 interfaces são disponibilizadas no ACESO ETHERNET para uma quantidade total de 25 10/100Mbit/s fluxos. Todos os direitos reservados. A unidade pode executar a ação RATE ADAPTING. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. A unidade Ethernet pode memorizar todos os frames que compõem o sinal de 10Mbit/s de entrada em um pseudodisco rígido formado por oito memórias RAM (1Mx18bit) a serem encaminhadas para o VCx selecionado.

VCXO: Na unidade. A seleção é feita de acordo com o tipo de sinal a ser conectado (L se dor estruturado. X se for não estruturado). ED 01 955. este bloco está automaticamente apto a selecionar a taxa máxima aceita pela estação remota.5 na página 150 para obter detalhes) garantindo. A transmissão e a cópia deste documento.1. SELF RATE ADAPTING e interface com a linha: Os fluxos de Ethernet seguem na unidade via onze conectores RJ45 na tampa frontal. 10Mbit/s & 100Mbit/s) por meio do sinal de verificação “Configuração forçada de adaptação de taxa” que vem do Microcontrolador na placa. O programa executado pelo microcontrolador para realizar os vários processos está nas duas memórias SRAM e na memória FLASH na placa. exatamente depois há os transformadores para realizar a função cruzada. o “X” para o HPT. então. Além disso. O bloco “Auto-Adaptação de Taxa” exige um clock de referência de 125 MHz (fornecido por um VCXO) a fim de processar os sinais de entrada e de saída. Na partida. O bloco “GFP”” está conectado a blocos de memória de 8 SSRAM para criar a funcionalidade do pseudodisco rígido e 3 memórias externas (Memórias de gerenciamento) onde são armazenadas todas as informações necessárias para realizar as conexões em direção a VCx. SIPO & PISO: Estes blocos são usados para deixar paralelos os fluxos de 1.As funções implementadas na placa são as seguintes: – Processamento de frames Ethernet: Todos os direitos reservados. os 14 fluxos foram serializados obtendo dois links de 1. half–duplex. está presente um VCXO que fornece clock de 125MHz para toda a lógica que processa o sinal Ethernet. – Terminações SDH: SWITCH: A tarefa do bloco SWITCH é enviar os sinais que chegam do bloco HPT ou LPT para a matriz da unidade COMPACT ADM. entretanto.25Gbit/s a fim de conectar 14 fluxos de Ethernet na placa de acesso via painel posterior. A parte interna da interface da linha compreende o bloco “Auto-Adaptação de Taxa”. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. é possível forçar todas as configurações (full–duplex. De fato.25Gbit/s recebidos da porta de acesso e. MICROCONTROLADOR O Microcontrolador pode definir todos os ajustes de operação do bloco “Auto-Adaptação de Taxa” presente na placa ETH–MB e um na unidade de acesso ETH–ATX. processados como os sinais recuperados das 11 interfaces de linha na mesma placa. o Microcontrolador pode configurar as conexões cruzadas em bloco "GFP". GFP: A função deste bloco é preparar os frames Ethernet para serem mapeados em direção à classe SDH por meio de encapsulamento GFP (consulte o parágrafo 3. Os sinais são enviados para o bloco "Retiming" depois de serem processados.110. assim. Os sinais “L” são enviados para os blocos LPT – LPA.542 V 3AL 80754 AA AA 290/356 . que pode realizar o processamento físico dos sinais 10/100 Mbit/s. RETIMING: Os onze fluxos seriais Tx e Rx junto com o clock e o sincronismo são recronometrados com o clock do sistema para absorver as diferenças de fase (se houver) com o clock recuperado dos dados. a possibilidade de utilizar qualquer tipo de contêiner virtual VCx.

depois da derivação do “barramento de gerenciamento” serial.HPT: este bloco inclui/remove o POH bytes de ordem superior para as cargas úteis não estruturadas C–4 (volumes). INVENTÁRIO REMOTO É a memória que contém as informações da placa. A transmissão e a cópia deste documento. Todos os direitos reservados. ED 01 955.3 Vdc fornecidos pelas placas CONGI/SERGI. etc). enquanto os sinais estruturados são enviados para o LPA–LPT. para comunicar o inventário e os dados periféricos. para comunicar dados de software (download. na página 88. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. para informações de configuração e de status de componentes SDH. SDH–CS: a partir do EC. RIBUS: barramento serial do SC (controlador de prateleira na unidade MATRIX). cujo significado é relatado na Figura 29. – Outras funções implementadas na placa são: RIBUS I/F Este bloco é usado para ler/escrever de/para o fluxo serial ”RIBUS”.1. para controlar o LED na unidade. O conversor DC/DC é sincronizado com um clock de sincronização a 300 MHz (sinal Power–Sync. A adaptação inclui sincronização de cronometragem e compensação de frame com movimentos dos ponteiros. Struct/Unstr: este seletor envia os sinais de volume (não estruturados) para HPT. gerado pelo asic SDH) a fim de evitar problemas EMI. O RIBUS I/F é alimentado por + 3.11 na página 196 para obter detalhes sobre as informações do Inventário Remoto). LPT: A função LPT termina em VC–12 ou VC–3 incluindo ou removendo o POH bytes para um C–12 ou C–3. para liberar o barramento de Gerenciamento em caso de falha de alimentação e para usar o inventário remoto. Estes acionadores podem ser desativados (pelo sinal Bus–OFF) em caso de falha de alimentação. Barramentos Os barramentos principais da placa são: ISSB–EC: barramento serial do EC.110. para obter as tensões usadas para alimentar todos os componentes na placa. para fins de identificação (consulte o parágrafo 3. LEDS A placa apresenta em seu painel frontal um LED. Driver M–BUS Direciona os gates de entrada-saída do barramento de Gerenciamento serial. CONVERSORES DC/DC Este bloco converte a fonte de alimentação 48/60 V. LPA: Este bloco se adapta às cargas úteis de ordem inferior C12 ou C3 para os contêineres de ordem superior usados para transporte no SDH (TU–12 ou TU–3).542 V 3AL 80754 AA AA 291/356 .

542 V 3AL 80754 AA AA 292/356 Todos os direitos reservados. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. A transmissão e a cópia deste documento.110.Figura 147. . Porta ETHERNET (ETH–MB) – Diagrama de bloco ED 01 955.

110. A tabela 30.24 Cartão CONGI (Consulte a Figura 148.T) e no aplicativo Operation System (O. Em caso de perda de 3. Indica um alarme urgente. na página 329. ACRÔNIMO T*TOR T*AND T*INT T*URG T*NURG DESCRIÇÃO Falha ou perda de uma bateria de estação. Se o alarme BAT FAIL de CONGI no slot 10 ou o mesmo alarme de CONGI no slot 12 estiverem presentes. Ele é alimentado a partir da alimentação 3.1.B. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. T*NURG e RNURG (pode ser armazenado). [2] E/OU e Alarmes Remotos O circuito gera os alarmes remotos e ilumina as lâmpadas do Rack em caso de falha da bateria da estação. ED 01 955.3Vdc a partir da bateria de serviços e usa-o para controlar a bateria da estação. Ele contém o ”Bloco de alimentação principal” com filtros de entrada EMI. Uma faixa de solda está presente para oferecer a alimentação principal (48V) na modalidade “dois fios” (se +Vbatt estiver conectado ao aterramento) ou “três fios” (se + Vbatt não estiver conectado ao aterramento) a fim de obter um sistema de desacoplamento DC/I. É fornecido por EC. Eles são todos contatos Electronic Ground (GND = alarme. As principais funções realizadas pela unidade são: [1] Estágio de alimentação de entrada [2] E/OU e Alarmes Remotos [3] Interface housekeeping (apenas em CONGI no slot 4) [4] Interface R/M (apenas em CONGI no slot 4) [5] Interface QMD (apenas em CONGI no slot 4) [6] Interface RIMMEL [7] Interface Q3/QB3 (apenas em CONGI no slot 4) [8] Sensor de temperatura [9] Inventário remoto [1] Estágio de alimentação de entrada Este circuito desacopla a bateria da estação de alimentação.2. OPEN = sem alarme) enviados para housekeeping e conector de alarmes remoto. O circuito AND/OR monitora a bateria da estação e oferece um alarme (BAT FAIL) no caso de o nível de tensão diminuir mais do que 20 % do valor nominal. No Craft Terminal (C. Falha ou perda de ambas as estações de baterias. Ele contribui para a geração de NURG.542 V 3AL 80754 AA AA 293/356 . um ”conversor de etapa” para fornecer –9 V e DC/DC para fornecer +3. Alarme remoto fornecido pelo bloco E/OU disponível em CONGI no slot 4. T*URG e o alarme remoto T* NURG são denominados de uma maneira diferente. Ele contribui para a geração de T*URG e RURG (pode ser armazenado).11 na página 196 para obter detalhes).3. N. Tabela 30. É recebido de EC.S). É recebido de EC. Indica um alarme interno. Indica um alarme não urgente. a relação entre estas duas terminologias é explicada na Tabela 39.3 V para o bloco RIBUS I/F (consulte o parágrafo 3. na página 294 relatam uma descrição breve dos alarmes fornecidos pelo bloco E/OU respectivamente em CONGI no slot 4 e CONGI no slot 5.3 Vdc um alarme PWANDOR é gerado. na página 293 e a Tabela 31. o alarme ORALIM é gerado e definido para o cartão EQUICO. um ”bloco de circuito de proteção”. A transmissão e a cópia deste documento. na página 296) Todos os direitos reservados.

3 V gerada pelos conversores DC/DC on board de ambas as placas CONGI (pode ser armazenada). Tabela 32. Indica perda de comunicação com o Dispositivo de Mediação (não usado) T*IND Todos os direitos reservados. a relação entre estas duas terminologias é explicada na Tabela 39. Síntese de alarme indeterminado.3V gerada pelo conversor DC/DC on board de um cartão CONGI.B. ED 01 955.542 V 3AL 80754 AA AA 294/356 . etc. O “bloco Rimmel” também está conectado ao Controlador de Prateleira e ao Controlador do Equipamento alojado na unidade COMPACT ADM a fim de: – gerenciar o contato HOUSEKEEPING – oferecer alarme remoto – ler o modo de operação de 2/3 fios – detectar uma sobretemperatura dentro do equipamento. [5] Interface QMD É uma interface RS–485 que permite o diálogo entre o NE (função EC) e um equipamento não SDH.110. alarmes de ventilador.T) e no aplicativo Operation System (O. T*RURG e o alarme remoto T* RNURG enviados para a lâmpada do rack são denominados de uma maneira diferente. inventário remoto de unidade de ventiladores. – O fio 3 pré-determinado da unidade CONGI oferece contatos para 4 entradas e 2 saídas adequados para a finalidade do cliente. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.Tabela 31. ACRÔNIMO T*TORC DESCRIÇÃO Indica uma perda de +3. A transmissão e a cópia deste documento. Neste caso. T*TUP T*TANC LOSQ2 [3] Interface Housekeeping Dois modos de operação Housekeeping são suportados da unidade CONGI: – O fio 2 pré-determinado da unidade CONGI oferece contatos para 6 entradas e 2 saídas adequados para a finalidade do cliente. FUNÇÃO armazenamento de alarmes alarme urgente alarme não urgente chamada que chega ausência de uma bateria No Craft Terminal (C. Alarme remoto fornecido pelo bloco E/OU disponível em CONGI no slot 5. (para obter detalhes sobre a conexão com FANS Shelf consulte o Manual de Instalação). na página 329. Sinais de lâmpadas de rack ACRÔNIMO T*RATTD T*RURG T*RNURG T*CH T*TOR N. [6] Interface RIMMEL Este bloco oferece uma interface de comunicação serial com FANS Shelf a fim de receber informações como a presença de unidade de ventiladores.S). o NE age como um dispositivo de mediação. Indica a síntese de alarmes não associados a outra gravidade (não usado) Indica uma falha no microprocessador de slot 9 SYNTH1N ou slot 10 SYNTH1N (pode ser armazenado) Indica perda de + 3. bateria de serviço e sinal de chamada de entrada. [4] Interface R/M Usado para conectar as lâmpadas de rack.

o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. enviado para o bloco RIMMEL. [9] Inventário remoto É a memória usada para manter o histórico da placa.11 na página 196. O circuito Coaxial Transceiver Interface (CTI) (Interface do Transceptor Coaxial) realiza a interface driver/receptor entre o cabo axial Q3/QB3 (BNC) e o universal ethernet adapter (AUI). [8] Sensor de temperatura O sensor mencionado oferece um alarme quando a temperatura dentro do equipamento estiver acima de 55 graus Celsius. Está diretamente conectado ao conector RJ45 ou através de CTI ao conector BNC. conforme descrito no parágrafo 3. ED 01 955.542 V 3AL 80754 AA AA 295/356 .110. a atividade de Inventário Remoto é gerenciada pelo bloco RIBUS I/F. que vem do Controlador do Equipamento no COMPACT ADM para a interface LAN. – RJ45 para tipo de conexão 10 base T. A finalidade do adaptador AUI é adaptar o sinal.1. o alarme é. então. A transmissão e a cópia deste documento. Dois conectores estão disponíveis: – 2 BNC para tipo de conexão 10 Base 2 Todos os direitos reservados.[7] Interface Q3/QB3 A interface Q3/QB3 em CONGI é usada para conexão com OS.

CONGI – Diagrama em bloco ED 01 955. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.Figura 148. A transmissão e a cópia deste documento. .542 V 3AL 80754 AA AA 296/356 Todos os direitos reservados.110.

3.25 Cartão SERGI (Consulte a Figura 151.703 64 Kbit/s. [3] Gerenciamento de EOW Os canais EOW permitem realizar três tipos diferentes de conexões: a) entre duas estações (chamada seletiva) b) entre três estações (chamada multi–seletiva) c) chamada mista (uma estação está conectada com todas as outras) Para esta finalidade. [2] Gerenciamento de clock de entrada/saída Função realizada: – a unidade pode receber um clock de 2 MHz (T3) ou um sinal de 2Mbit/s (T6) que poderia ser usado para sincronizar o N.542 V 3AL 80754 AA AA 297/356 . cada um composto por entrada de dados. [2] Gerenciamento de clock de entrada/saída [3] Gerenciamento de canais EOW [4] ESTÁGIO DE ALIMENTAÇÃO DE ENTRADA [1] Gerenciamento de canais AUX Oferece: – dois canais G. – a unidade oferece um clock de 2 MHz (T4) ou um sinal de 2Mbit/s (T5) que pode ser usado por outro N.703 – dois canais V11. uma tomada telefônica está presente no painel frontal da unidade. saída de dados e clock – dois canais RS–232 – um sinal de 2 Mbit/s G.703 que pode ser usado como canal auxiliar Todas as interfaces elétricas são gerenciadas pela Matriz presente na unidade. compatível com ITU–T G. para fins de sincronismo.E. ED 01 955.110. A unidade oferece capacidade de programação de software para comutação entre os dois modos. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. A unidade oferece capacidade de programação de software para comutar entre os dois modos. A transmissão e a cópia deste documento.2. na página 305) O cartão SERGI realiza as funções a seguir: [1] Gerenciamento de canais AUX (auxiliar) Todos os direitos reservados.E.

Na versão atual. aos nós compartilhados entre áreas diferentes. Os NEs de cada zona atingirão o nó da margem com um número diferente. Na descrição a seguir. mesmo se descrito a seguir. No painel frontal do cartão há 4 LEDs que representam o status da zona de acordo com a Tabela 33. não está implementado na versão atual. na página 300. Status dos LEDs Z1 a Z4 DESLIGADO VERDE VERMELHO Zona não configurada Zona configurada e livre Zona configurada e ocupada PISCANDO EM VERMELHO LARANJA Chamada chegando Zona selecionada Dois LEDs L1 e L2 indicam o status da linha de acordo com o tipo de chamada . consulte a Figura 150.B. Todos os direitos reservados. é necessário discar um número de quatro dígitos. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.110.B. Os NEs que pertencem a áreas diferentes podem ter o mesmo número. A Tabela 34. Cada zona pode ser selecionada por um botão de seleção. na página 298.N. mas a compatibilidade com NEs de geração antiga atingíveis usando 2 dígitos é mantida. isto é. A Figura 150. Neste caso. na página 301) N. na página 299 mostram o significado dos LEDs L1 e L2 para uma chamada seletiva/múltipla para a chamada mista. A ”Chamada mista” é identificada com ”00”. Tabela 33. na página 301 é um exemplo de topologia de rede e de numeração de NEs. onde o nó pontilhado é conectado a 13 NEs e cada um usa um número diferente para a chamada. Quatro dígitos são necessários para atingir um NE em uma rede. O gerenciamento “Zona”. ED 01 955. cada rede pode ser subdividida em ”zonas” (de 1 a 4. A fim de evitar a restrição da numeração em uma área com a numeração de outra área de margem. mais de um número será associado aos nós de "margem". apenas dois dígitos são possíveis para a nova e a antiga geração de NE. na página 299 e a Tabela 35. Para chamar um equipamento 1650SMC. freqüentemente é escrito que quatro digitais são necessárias para atingir um NE de nova geração. A transmissão e a cópia deste documento.542 V 3AL 80754 AA AA 298/356 . de 32) dependendo da topologia da rede conforme a Figura 149. este recurso estará disponível nas versões a seguir. Mais de um número pode ser associado a cada NE (um máx.

L2 para chamada seletiva e multi–seletiva PARTE QUE FAZ A LIGAÇÃO STATUS Todos os direitos reservados.542 V 3AL 80754 AA AA 299/356 . ATIVADO ATIVADO L2 (amarelo ) - TERCEIRO ATIVADO ATIVADO L2 (amarelo ) - ATIVADO - ATIVADO - ATIVADO - ATIVADO - ATIVADO - ATIVADO - ATIVADO ATIVADO ATIVADO - ATIVADO - ATIVADO ATIVADO ATIVADO - F - ATIVADO ATIVADO ATIVADO ATIVADO - ATIVADO ATIVADO ATIVADO ATIVADO - ATIVADO ATIVADO - - L1 (verde) Linha ocupada Chamada seletiva Repetição de chamada seletiva Inclusão de terceiro Inclusão de terceiro permitida Seleção de terceiro finalizada Resposta para terceiro Terceiro livre Encaminhamento livre Retorno livre PARTE QUE RECEBE A LIGAÇÃO L2 L1 (amarelo (verde) ) ATIVADO F - L1 (verde) Tabela 35. A transmissão e a cópia deste documento. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.Tabela 34.110. L2 para chamadas mistas ATIVADO ATIVADO PARTE QUE RECEBE A LIGAÇÃO RESPOSTA L2 L1 (amarelo (verde) ) ATIVADO F F ATIVADO ATIVADO F F F ATIVADO ATIVADO ATIVADO F F ATIVADO ATIVADO F ATIVADO F ATIVADO ATIVADO ATIVADO ATIVADO F ATIVADO ATIVADO - ATIVADO ATIVADO F F - ATIVADO ATIVADO - F F - PARTE QUE FAZ A LIGAÇÃO STATUS L1 (verde) Linha ocupada Chamada mista T < 60 segundos Pelo menos uma resposta T < 60 segundos Inclusão da parte chamada T > 60 segundos Pelo menos uma resposta T > 60 segundos Inclusão da parte chamada Inclusão de terceiro Retorno livre Encaminhamento livre LEGENDA: ED ATIVADO –– F L2 (amarelo ) - - NÃO HÁ RESPOSTA DA PARTE QUE RECEBE A LIGAÇÃO L2 L1 (amarelo (verde) ) ATIVADO F F : LED em fixo : LED desligado : LED piscando 01 955. Status dos LEDs L1. Status dos LEDs L1.

o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.Exemplo de gerenciamento multicanal ED 01 955.Figura 149.110.542 V 3AL 80754 AA AA 300/356 Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste documento. .

o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.542 V 3AL 80754 AA AA 301/356 Todos os direitos reservados. . A transmissão e a cópia deste documento. Exemplo de topologia de rede e numeração de NEs ED 01 955.110.Figura 150.

A seqüência de operações é similar à chamada seletiva simples.110. 6) Início da conversa Quando o usuário retira o telefone do gancho. um dos dois usuários pressiona o botão Inclusion. O Led de Zona relativa mostrará a seleção (cor LARANJA). 4) Seleção do número de telefone no teclado do telefone 5) Reconhecimento da chamada na estação chamada A estação chamada reconhece o número do telefone e a ação conseqüente é que o led L1 (Verde) piscará e a campainha soará. O Led Verde L1 será ATIVADO em todas as estações da zona. é possível ligar para um terceiro usuário. Chamada multi-seletiva Durante uma chamada seletiva entre dois usuários.542 V 3AL 80754 AA AA 302/356 . a conversa deve começar. Nesta condição. 7) Final da conversa A conversa terminará quando a parte que faz a ligação ou o usuário chamado desligar o telefone deixando a área livre. Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste documento. 2) Verifique o estado da linha na zona: – Os leds L1 e L2 mostram o estado da linha – Tom livre ou ocupado é enviado ao telefone 3) Se a linha estiver livre e o Botão de Inclusão for pressionado. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.Chamada seletiva A conexão entre duas estações é feita quando o operador seleciona a área de serviço desejada e o número de telefone da estação para chamar. o led L2 amarelo é ATIVADO e o número de telefone que será chamado pode ser selecionado (a conversa entre os dois usuários está em standby durante a discagem). A seqüência lógica das principais operações sobre a conexão é a seguinte: 1) Seleção manual da zona que queremos chamar. Quem reconhece o número de telefone é conectado quando a ativação do telefone possibilita a conversa simultânea com os outros dois usuários. pressionando o Botão de Seleção. ED 01 955. o telefone ligará para a Linha da Parte da zona selecionada e a zona ficará ocupada. a campainha será desligada e o led L1 (verde) será aceso.

quando os usuários que recebem a chamada desejam finalizar a escuta. o Ring Header: – fecha o canal de voz na direção com defeito – abre na direção de funcionamento para evitar loop de voz – muda a direção de transmissão ED 01 955. A transmissão e a cópia deste documento.110. 1) Seleção manual da zona que queremos chamar. eles devem falar na Chamada mista enquanto o botão permanece pressionado. Roteamento Um algoritmo para gerenciamento de toque foi apresentado para permitir o roteamento automático dos canais EOW mesmo em caso de interrupção do toque. que o Ring Header verifique o status do toque. pressionando o Botão de Seleção. Para implementar o algoritmo. assim. 7) Final da conversa A conexão terminará quando a parte que fez a chamada desligar o telefone deixando a linha livre. O Led Verde L1 será ATIVADO em todas as estações da zona.Chamada mista A conexão mista entre uma estação e todas as outras em uma zona é feita quando o operador seleciona a área de serviço desejada no número de telefone de chamada mista '00'. O Ring Header verifica a integridade do toque enviando automaticamente para os NEs um código em uma das duas direções. 5) Ao reconhecer a chamada em uma estação chamada. Em caso de defeito. a campainha será desligada. é necessário saber qual nó é o Ring Header. eles desligam o telefone. quem fez a chamada fala e o outro usuário escuta. O NE gera novamente um código e envia-o para a direção oposta permitindo. o led L1 será aceso (verde) e o led L2 piscará (amarelo). Durante a conversa. O Ring Header pode ativar/desativar a transmissão/recebimento do sinal de voz em uma das duas direções para evitar o loop de voz. As informações são recebidas no barramento SPI. A seqüência lógica das principais operações sobre a conexão é a seguinte: Todos os direitos reservados. 4) Seleção do número de telefone que é 00 para uma chamada mista. a conversa começará. O Led de Zona relativa mostrará a seleção (cor LARANJA). os leds L1 (Verde) e L2 (Amarelo) piscarão e a campainha soará. Na Chamada mista. 2) Verifique o estado da linha na zona: – Os leds L1 e L2 mostram o estado da linha – Tom livre ou ocupado é enviado ao telefone 3) Se a linha estiver livre e o Botão de Inclusão for pressionado. 6) Início da conversa Quando os usuários tiram o telefone do gancho. o telefone ligará para a Linha da Parte da zona selecionada que ficará ocupada. Nesta situação. mas se um dos outros usuários pressionar o Botão Inclusion.542 V 3AL 80754 AA AA 303/356 . o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

para fins de identificação (consulte o parágrafo 3.3 V para alimentar a linha da parte e a Matriz SOH Conversor de aumento: oferece –9 V para alimentar o telefone Uma faixa de solda é apresentada para conectar a bateria da estação positiva ao aterramento.1.5 V de 3. para liberar o barramento de Gerenciamento em caso de falha de alimentação e para usar o inventário remoto.Todos os direitos reservados. RS–232.11 na página 196 para obter detalhes) Driver M–BUS Direciona os gates de entrada-saída do barramento de Gerenciamento. [4] Estágio de Alimentação de Entrada O diagrama do bloco funcional SERGI da função de fonte de alimentação é composto por 5 blocos: Bloco de alimentação principal: filtra e desacopla a tensão de alimentação da bateria (–48 ou –60) Bloco de circuito de proteção: usado para proteção de sobretensão Fonte de alimentação DC/DC 3. campainha.3 V: converte a tensão da bateria em uma tensão de 3. Matriz A Matriz: – recebe / transmite dados de /para as interfaces elétricas (G. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. ED 01 955. 2Mhz) – recebe dados de configuração do "Barramento de Gerenciamento" – recebe/transmite um sinal serial do/para a linha da parte digital (porta serial) – recebe /transmite dados (SOH bytes) de/para a matriz presente no COMPACT ADM principal e reserva e realiza conexões cruzadas.110. para controlar o LED na unidade. A transmissão e a cópia deste documento. Estes acionadores podem ser desativados (pelo sinal Bus–OFF) em caso de falha de alimentação. 2 Mbit/s.3 V Conversor de dimuição: usado para obter 2.703. botões e extensões de voz (a última não funciona na versão atual) presentes na unidade frontal do cartão – recebe informações de configuração do "Barramento de Gerenciamento" AD/DA Este bloco é um processador de áudio de banda de voz e realiza a codificação de transmissão (conversão A/D) e recebe a decodificação (codificação D/A) com a filtragem de transmissão e de recebimento para sistemas de comunicação de banda de voz. INVENTÁRIO REMOTO É a memória que contém as informações da placa. – recebe clock e sincronismo do COMPACT ADM Linha da parte digital As funções realizadas pela Linha da Parte Digital são: – gerenciamento das informações que chegam da matriz SOH – detecção de código DTMF proveniente dos canais diferentes – linha da parte – gerencia LEDs. V11.542 V 3AL 80754 AA AA 304/356 . As outras funções implementadas são: RIBUS I/F Este bloco é usado para ler/escrever de/para o fluxo ”RIBUS”.

o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. A transmissão e a cópia deste documento. Diagrama em bloco SERGI ED 01 955.110.542 V 3AL 80754 AA AA 305/356 Todos os direitos reservados. .Figura 151.

na página 308) Todos os direitos reservados. – Controle de VENTILADOR: o critério de sensibilidade é integrado a fim de ter um alarme se um ventilador estiver fora de ordem.2. FAN AL4) porque um ventilador está temporariamente fora de ordem.26 UNIDADE DE VENTILADOR PARA PRATELEIRA DE VENTILADOR DE 19” (Consulte a Figura 152. o controle dos VENTILADORES é distribuído no modo de compartilhamento. – Sensor de temperatura: um sensor externo gera um alarme (TEMP AL) quando a temperatura excede 55_ C. A PRATELEIRA DE VENTILADORES de 19” é composta por uma estrutura mecânica e um plano posterior. – inventário remoto: através desta interface. – Controle de LED: o significado do LED é relatado na Figura 44. cujo significado é explicado na Figura 44. na página 308 e a Figura 152. portanto.542 V 3AL 80754 AA AA 306/356 . A transmissão e a cópia deste documento. FAN AL2. leia também as notas relevantes. na página 75. A Prateleira do Ventilador é usada para evitar alta temperatura dentro do equipamento de 1650SMC e deve ser equipada no lado esquerdo ou direito com duas PRATELEIRAS DE VENTILADOR DA UNIDADE DO VENTILADOR de 19” e um FILTRO DE PÓ DA PRATELEIRA DO VENTILADOR de 19” dependendo da posição de 1650SMC no Rack.110. o controlador do ventilador tenta reiniciar o ventilador a cada 8 seg. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. – Interface de Alarmes Seriais: o controlador FAN relata o alarme em um link serial em direção à placa CONGI a fim de transferir as informações para o Controlador de Prateleira na unidade COMPACT ADM. na página 103. Cada UNIDADE DO VENTILADOR é composta por quatro ventiladores e alguns circuitos elétricos necessários para: gerenciamento de ventiladores e alarmes gerenciamento de filtro de pó inventário remoto fonte de alimentação GERENCIAMENTO DE ALARME DE VENTILADORES O núcleo da UNIDADE DO VENTILADOR PARA A PRATELEIRA DO VENTILADOR é o "Controlador do Ventilador" que realiza a funcionalidade a seguir: – Fonte de alimentação FAN: na partida. FAN AL3. Outras informações sobre a composição da PRATELEIRA DE VENTILADORES de 19” estão relatadas na Tabela 15. ED s se pelo menos um ventilador 01 955. Na parte inferior da prateleira estão presentes 5 conectores. o valor de corrente máxima é reduzido em apenas um VENTILADOR por vez. Se um alarme acontecer (FAN AL1.3. O controlador de ventiladores gera um alarme chamado ALM_URG B #n estiver com defeito ou se não houver 12Vdc presente. o controlador do ventilador lê as informações armazenadas na flash EPROM. na página 103.

nome do marcador. Todos os direitos reservados. Outro conversor DC/DC oferece a tensão da fonte de alimentação 3. é gerado um alarme (PSU ALM #n).5 V.3V da qual um regulador serial é derivado a 2. número de código. Se uma das tensões secundárias acima não estiver presente. FILTER AL1 e FILTER AL2: FILTER AL1 é relatado para os controladores do ventilador de “FAN UNIT FOR FAN SHELF 19” #0” da esquerda e “FAN UNIT FOR FAN SHELF 19” #1” FILTER AL2 é relatado para os controladores do ventilador de “FAN UNIT FOR FAN SHELF 19” #0” da direita e “FAN UNIT FOR FAN SHELF 19” #1” INVENTÁRIO REMOTO É um flash EPROM em que são armazenadas informações sobre a unidade como data de construção. um alarme é Um conversor DC/DC na unidade oferece os 12V necessários para alimentar os Ventiladores. dois sensores eletromecânicos geram o sinal de alarme. em caso de falha. Se os filtros forem removidos da Prateleira. Este filtro não pode ser removido permanentemente porque a grade inferior realiza a função de proteção anti-incêncio. A transmissão e a cópia deste documento.542 V 3AL 80754 AA AA 307/356 . etc. FONTE DE ALIMENTAÇÃO A fonte de alimentação principal tem dois conectores: fonte de alimentação “A” e fonte de alimentação “B” que vêm da bateria da estação. AL BAT_B) 20% 3A máx. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.FILTRO DE PÓ Dois filtros estão presentes na parte inferior da prateleira de ventiladores (um no lado esquerdo e outro no lado direito) a fim de evitar o problema de pó no circuito resfriado.110. tipo de cartão. O valor de tensão de ambas as baterias é de: 48 Vdc gerado (AL BAT_A. ED 01 955.

110. .542 V 3AL 80754 AA AA 308/356 Todos os direitos reservados. Diagrama em bloco geral da prateleira de ventiladores de 19” ED 01 955.Figura 152. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. A transmissão e a cópia deste documento.

542 V 3AL 80754 AA AA 309/356 Todos os direitos reservados.Figura 153. . Diagrama em bloco da unidade de ventiladores para prateleira de ventiladores de 19” ED 01 955. A transmissão e a cópia deste documento.110. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.542 V 3AL 80754 AA AA 310/356 Todos os direitos reservados.110. A transmissão e a cópia deste documento. .ED 01 955.

957/958 para interfaces óticas ITU–T G.4 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Os dados indicados no manual devem ser considerados valores padrão Todos os direitos reservados. Extensão de onda Consulte a Tabela 37. 3.264 Mbit/s (PDH) Tipo de fibra ótica Modo único.813 para sincronização ITU–T G. mini DXC Padrões aplicados ITU–T G.774 para funções de gerenciamento de sistema ITU–T G0. na página 326 Alcance Depende do tipo de fibra e de alimentação ótica relatados na Tabela 37. G. 4) Recursos de conexão cruzada Atraso na transmissão ED 1650SMC tem uma arquitetura simétrica. na página 324 e na Tabela 38. ADM em links e toques lineares protegidos e não protegidos.703 para interfaces elétricas ITU–T G.110.652.826 para qualidade de transmissão ITU–T G. na página 326 Tipos de aplicação Terminal Multiplexer. Isto significa que há a possibilidade de alocação dos sinais PDH e VCi em cada porta. Todas as portas de tráfego (PDH SDH) do mesmo tipo têm a mesma funcionalidade e comportamento e não há divisão inerente entre auxiliares e agregados.704. de acordo com ITU–T G.520 Mbit/s (STM–1) 139. Os dados indicados no contrato devem ser considerados valores garantidos 4.651.707 para frame SDH e estrutura multiplexing ITU–T G. G.520 Mbit/s (STM–1) 622.080 Mbit/s (STM–4) Taxa de bit de Linha Elétrica 155.1 Características gerais Taxa de bit de Linha Ótica 155.783 para especificação de equipamento de SDH ITU–T G. A transmissão e a cópia deste documento. G. sem bloqueio em todos os níveis VCi (i= 12. na página 324 e a Tabela 38.542 V 3AL 80754 AA AA 311/356 .653. A conexão de AU4–4c concatenado entre as portas STM4 é suportada 125 μs máximo para qualquer curso de tráfego 01 955.662/663 para amplificação ótica Recursos de Add-Drop e de conexão cruzada Conexões Cruzadas portas equivalentes de capacidade de 32 x 32 STM1.821/G.841 para arquiteturas de proteção de rede ITU–T G.654 e Multimode G. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

Shelf Controller. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.773 QB3 10 base 2 e 10 base T Remoto: Modo de Informações De acordo com a especificação ITU–T (G. Proteções Proteção de rede SNCP/I e SNCP/N (apenas em VC–4) Drop & Continue Terminal único de 1+1 MSP em nível de STM–1 e STM–4 Terminal duplo de 1+1 MSP (não funciona na versão atual) Interconexão de toque de nó único em queda Interconexão de toque de nó duplo em queda Proteção do equipamento 1+1 Função centralizada em COMPACT ADM–1 (matriz.110. elas são administradas por meio do protocolo SNMP colocado em túnel em camadas OSI. taxas de bit = 1.4–4. ITU–T G. de Endereçamento duplo para O.542 V 3AL 80754 AA AA 312/356 . ED Permite redundância de O. manipula até 31 NEs via DCC (D4 – D12 e/ou D1–D3) Remoto: Transmissão Gerenciamento deRede: (TMN) interface G.6 kb/s) Protocolo De acordo com a rec.Todos os direitos reservados. 01 955. S.774 e ETSI ISO– OSI Informações da pilha modelo de referência de 7 camadas Mensagens modelo As funções ATM/IP são organizadas de acordo com o modelo de referência TCP/IP. S. Sincronia) 1+1 ATM MATRIX 4X4 EPS N+1 63x2 Mbit/s EPS (N=1 máx) N+1 3x34 Mbit/s EPS (N=2 máx) N+1 3x45 Mbit/s EPS (N=2 máx) N+1 4xSTM–1 Electrical EPS (N=2 máx) Interface de gerenciamento Local: Interface do Craft (Computador Pessoal) Compatível com RS232 PC SUB–D 9 pinos em 38 Kbit/s Remoto: Interface Craft (Computador Pessoal) Compatível com RS232 PC SUB–D 9 pinos em 38 Kbit/s. taxa de bit = 19.2 kb/s) RQ2 (assíncrono.8–9. A transmissão e a cópia deste documento.774) e ETSI Gerenciamento troca de mensagens com equipamentos da Alcatel não SDH (protocolo de propriedade da Alcatel) Q2 (síncrono.2–2.

MCF (Message Communications Function). Número de Peça de Software. Processos de operação Configuração e preparo Equipamento.703 (T4) ou 2048 Mbit/s (T5) 01 955. sincronia. Reconhecimento de unidade e de equipamento Através de Inventário Remoto (Id da Empresa. 3 mA Queda de rensão vs. conexão cruzada. backup de programas e de dados Características de substituição da unidade Para placa de tráfego sem interferência em outros canais Para STM–1 / STM–4 ótica ou elétrica Módulo sem interferência em outros canais Sinais de Output Housekeeping (CPO) e Alarmes Remotos Através de contatos de relé eletrônico a serem conectados em tensão negativa externa: Corrente máxima garantida com condição fechada. 2048 kHz G.784. A transmissão e a cópia deste documento. Tipo de Unidade. externa 2048 Mbit/s (T6) portas STM–N (T1) 6 máx. conexão SEMF (Synchronous Equipment Management Function) OH Download de software É feito no local assim como remotamente em memórias não voláteis sem interrupção de tráfego Monitoramento de desempenho De acordo com G. etc) Com relação a detalhes.110. portas. proteção. Número de Peça Serial. 50 mA Queda de tensão vs. consulte o Manual do Operador. Número de Peça da Unidade. aterramento com Condição fechada –2 V ÷ 0 V Tensão máxima permitida com condição aberta –72 V Sinais de Intput Housekeeping (CPI) Corrente máxima garantida com condição fechada.821. add–drop. aterramento com Condição fechada –2 V ÷ 0 V Tensão máxima permitida com condição aberta –72 V Características de clock Clock de entrada selecionável Nº de clock selecionado (modo normal) Saída de sincronia ED 2048 Kbit/s de porta de 2 Mbit/s (T2) clock de sinc externa de 2048 kHz (T3) ou sinc.826 e G. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.542 V 3AL 80754 AA AA 313/356 . G.Todos os direitos reservados. perfil de usuário. Segurança Senha.

542 V 3AL 80754 AA AA 314/356 .37 ppm máx.110. A transmissão e a cópia deste documento.6 ppm (PLL sem referência) Modo Holdover 0./dia (PLL com freqüência armazenada para mais de uma metade de hora.Modos operacionais Todos os direitos reservados. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. sem freqüência de entrada selecionada) Prioridade e algoritmo SSM Proteção contra oscilações de iluminação TNV1 (Telecommunication Network Voltage) para módulo de acesso 21 x 2 Mbit/s K20 Recursos adicionais: Gerenciamento de Rótulo de Sinal VCi Gravidade de alarmes programáveis VC4 Tandem Connection Termination & Monitoring (TCT/TCM) J0 – Gerenciamento de Acompanhamento de Seção ED 01 955. Seleção sincronizada Bloqueado para referência Modo de funcionamento livre + 4.

exceto aqueles (explicativos) que dizem respeito às portas STM–1.2 Tipo de local Recomenda-se a instalação do equipamento em um "local restrito" (instalações industrial e comercial). 4. O nível de perigo foi atribuído de acordo com as exigências de IEC 60825–1 (1993) e IEC 60825–2 (1993).1. os rótulos são colocados em uma sacola plástica e são fornecidos junto com o módulo.542 V 3AL 80754 AA AA 315/356 .1.1. na página 324 e na Tabela 38.4 Rótulos Os rótulos reproduzidos abaixo são afixados durante as configurações de fábrica. O cliente deve afixar o rótulo na tampa de proteção de fibra P4E4N. Todos os direitos reservados. Tabela 36. Classificação de nível de perigo de interfaces óticas diferentes UNIDADE/PORTA INTERFACE ÓTICA NÍVEL DE PERIGO STM–1 S–1.1 (muito) 3A STM–1 L–1. 4.1 (pouco) 1 STM–4 L–4. CLASS 1 LASER PRODUCT ED 01 955. A2S1 e na unidade SYNTH1N.2 (muito) 3A STM–1 L–1.3 Características de fontes de laser incorporadas Dados de interfaces óticas: a extensão da onda e a alimentação ótica máxima no conector de saída das fontes de laser incorporadas são dadas na Tabela 37. na página 326.1.4. dependendo da interface particular do módulo (porta STM–1).1 (muito) 3A STM–4 L–4.1 (pouco) 1 STM–1 L–1.1 JE1 (muito) 3A STM–4 L–4.1. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Neste caso. Na descrição a seguir é especificado quando o rótulo deve ser afixado pelo cliente.2JE1 (muito) 3A 4.1. na página 315.1 Segurança Ótica 4.2JE1 (muito) 3A STM–4 S–4. P4S1N.1.1.110.1 Classificação de Nível de Perigo A classificação do NÍVEL DE PERIGO das interfaces óticas diferentes é determinada na Tabela 36. A transmissão e a cópia deste documento.1.2 (muito) 3A STM–4 L–4.

2 JE1 (PORTA STM–4) As interfaces óticas que têm NÍVEL DE PERIGO 3A (consulte a Tabela 36.1 (PORTA STM–1) L–1.O rótulo de CLASSE 1 é colocado na tampa de proteção de fibra das portas a seguir: PORTA STM–1 com interface S–1. P4S1N. As interfaces óticas que têm NÍVEL DE PERIGO 3A (consulte a Tabela 36.1 JE1 As interfaces óticas que têm NÍVEL DE PERIGO 3A (consulte a Tabela 36.2 PORTA STM–4 com interface L–4.1 PORTA STM–4 com interface L–4.1 (unidade P4E4N.110. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.MAX=50 mW. P4S1N.2 (PORTA STM–1) L–1.1 (PORTA STM–4) L–4.2 (unidade P4E4N. SYNTH1N ou adaptador A2S1 – afixado pelo cliente) PORTA STM–1 com interface L–1.2JE1 ED 01 955. A transmissão e a cópia deste documento. λ 1550 nm IEC 825 1993 O rótulo é colocado na tampa de proteção de fibra das portas a seguir: PORTA STM–1 com interface L–1. SYNTH1N ou adaptador A2S1 – afixado pelo cliente) PORTA STM–4 com interface L–4. SYNTH1N ou adaptador A2S1 – afixado pelo cliente) PORTA STM–4 com interface S–4.2 JE1 (unidade P4E4N. P4S1N. λ 1300 nm IEC 825 1993 O rótulo é afixado na tampa de proteção de fibra das portas a seguir: PORTA STM–1 com interface L–1.2JE1 (PORTA STM–1) L–4. P4S1N. na página 315) e funcionam na 2a janela têm o rótulo de explicação a seguir (um kit para rótulos em vários idiomas também é fornecido): CAUTION LASER RADIATION WHEN OPEN DO NOT STARE INTO BEAM OR VIEW DIRECTLY WITH OPTICAL INSTRUMENTS INVISIBLE LASER RADIATION DO NOT STARE INTO BEAM OR VIEW DIRECTLY WITH OPTICAL INSTRUMENTS CLASS 3A LASER PRODUCT P.MAX=31mW.1 (unidade P4E4N. na página 315) transportam o rótulo de com símbolo de perigo a seguir: O rótulo é afixado perto dos conectores óticos na placa frontal das interfaces a seguir: L–1.1 Todos os direitos reservados.2 (PORTA STM–4) L–4.1 JE1 (PORTA STM–4) L–4. na página 315) e funcionam na 3a janela têm o rótulo de explicação a seguir (um kit para rótulos em vários idiomas também é fornecido): CAUTION LASER RADIATION WHEN OPEN DO NOT STARE INTO BEAM OR VIEW DIRECTLY WITH OPTICAL INSTRUMENTS INVISIBLE LASER RADIATION DO NOT STARE INTO BEAM OR VIEW DIRECTLY WITH OPTICAL INSTRUMENTS CLASS 3A LASER PRODUCT P. SYNTH1N ou adaptador A2S1 – afixado pelo cliente) PORTA STM–4 com interface L–4.542 V 3AL 80754 AA AA 316/356 .

O kit de rótulo para vários idiomas, das portas STM–1, é colocado na mesma sacola plástica junto com o
módulo em que os rótulos explicativos (em inglês), acima mencionados, são colocados.
Para todas as outras portas (STM–4), o kit de rótulo em vários idiomas é inserido no pacote prévio.

Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste
documento, o uso e a comunicação de seus conteúdos não
são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

O kit de rótulo de vários idiomas contém um conjunto de rótulos que reproduz o mesmo (explicativo) descrito
nos idiomas a seguir:
italiano
Francês
Espanhol
Alemão
O cliente, por sua própria vontade, pode colar os rótulos com o idioma adequado nos pré-existentes ou, em
caso de portas STM–1, diretamente na tampa da proteção de fibra da unidade P4E4N, P4S1N, SYNTH1N
ou adaptador A2S1.
N.B.

Para obter ajuda para identificar o rótulo correto a ser afixado em um módulo ótico (CLASS1 LASER,
HAZARD LEVEL de 3A 2a janela, HAZARD LEVEL de 3A 3a janela), consulte o parágrafo 2.2 na
página 68 onde está relatada a relação entre o número da peça (ex. 3AL 78815AA––) e o tipo de
interface (ex. S–1.1) e, então, consulte a Tabela 36. na página 315 onde está relatada a relação
entre o tipo de interface (ex. S–1.1) e o Nível de Perigo.

4.1.1.5 Abertura e conectores de fibra
Os locais de aberturas e os conectores de fibra estão relatados nos desenhos topográficos das visualizações
frontais das unidades e visualizações frontais de cartões de acesso no parágrafo 2.4 na página 81.
4.1.1.6 Recursos do projeto de engenharia
Em condições de operação normais, a menos que seja manumissão intencional, a radiação do laser nunca
está acessível.
O feixe de laser é lançado em fibra ótica através de um conector apropriado que ativa totalmente a radiação
do laser. Além disso, uma tampa plástica é ajustada nos conectores óticos por meio de parafusos.
No caso de quebra da fibra do cabo, para minimizar os períodos de exposição, o procedimento ALS de
acordo com ITU–T G.958 Rec. é implementado tanto na porta STM–1 quanto nas portas STM–4.
A cronometragem ALS não é maior do que o especificado em G.958.
4.1.1.7 Instruções sobre segurança
As instruções sobre segurança para a montagem, manutenção e uso seguro adequadas, inclusive o aviso
claro sobre as precauções que evitam possíveis exposições a radiação do laser, são relatadas no parágrafo
3.2 na página 21.

ED

01
955.110.542 V

3AL 80754 AA AA

317/356

4.1.2 Segurança Elétrica

Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste
documento, o uso e a comunicação de seus conteúdos não
são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

Status de segurança das conexões
com outros equipamentos

TNV2 (Telecommunication Network Voltage) para
Alarmes Remotos, Alarmes de Housekeeping
(CPO, CPI), Rack Lamp (RM)
SELV (Safety Extra Low Voltage) para todos os
outros 2

4.1.2.1 Rótulos
Os rótulos reproduzidos no parágrafo 3.2.3.1 na página 23 são afixados durante as configurações de fábrica.
4.1.2.2 Instruções sobre segurança
As instruções sobre segurança para a montagem, manutenção e uso seguro adequadas, inclusive o aviso
claro sobre as precauções que evitam possíveis exposições a tensões perigosas, são relatadas no parágrafo
3.2 nas páginas 21 a 28 e mais especificamente no parágrafo 3.2.3.2 na página 23.

ED

01
955.110.542 V

3AL 80754 AA AA

318/356

4.2 Características da interface elétrica

Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste
documento, o uso e a comunicação de seus conteúdos não
são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

4.2.1 Características elétricas do 21 X 2 Mbit/s 75 Ohm
Tipo de interface

Elétrica de acordo com ITU–T Rec. G.703

Taxa de bit

2048 Kbit/s + 50 ppm

Nº de canais

21

Código

HDB3

Amplitude de sinal

2.37 Vp em 75 Ohm sem equilíbrio

Atenuação

0 a 6 dB em 1024 Khz com lei √ f

Perda de retorno

> 12 dB 51–102 kHz
> 18 dB 102–2048 kHz
> 14 dB 2048–3072 kHz
Consulte ITU–T Rec. G.703

Forma de pulso

4.2.2 Características elétricas do 21 X 2 Mbit/s 120 Ohm
As características elétricas são as mesmas do parágrafo 4.2.1 na página 319 exceto:
Amplitude de sinal

3 Vp em 120 Ohm com equilíbrio

4.2.3 Características elétricas do 21 X 2 Mbit/s 120 Ohm K20
As características elétricas são as mesmas do parágrafo 4.2.2 na página 319 exceto:
Proteção contra oscilações de iluminação

De acordo com ITU–T Rec. K20

4.2.4 Características elétricas de 3 X 34 Mbit/s
Tipo de interface
Taxa de bit
No. de auxiliares
Código
Amplitude de sinal
Atenuação aceita no
sinal de entrada
Perda de retorno

Forma de pulso

ED

Elétrica, de acordo com ITU–T Rec. G703
34368 Kbit/s +20 ppm
3
HDB3
1Vp/75ohms
0–12dB em 17.184kHz com a lei √ f
>12 dB 860–1720 kHz
>18 dB 1720–34368 kHz
>14 dB 34368–51550 kHz
conforme a Fig.17 de ITU–T Rec. G.703

01
955.110.542 V

3AL 80754 AA AA

319/356

Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste
documento, o uso e a comunicação de seus conteúdos não
são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

4.2.5 Características elétricas de 3 X 45 Mbit/s
Tipo de interface
Taxa de bit

Elétrica, de acordo com ITU–T Rec. G703 e ANSI TS 102 Rec.
4.736 Kbit/s + 20ppm

No. de auxiliares

3

Código

B3ZS

Amplitude de sinal

De acordo com ITU–T Rec. G.703 parágrafo 5.8 e ANSI T1 102
Rec, Tab.5

Atenuação aceita no
sinal de entrada
Forma de pulso

De acordo com ANSI T1 102, Anexo A2.5
conforme a Fig.14 de ITU–T Rec. G.703 ou conforme Fig.14 de
ANSI T1 102 Rec.

4.2.6 Características elétricas STM–1
Tipo de interface

ITU–T Rec. Compatível com G.703

Taxa de bit

155.520 Kbit/s +20 ppm

Código

CMI

Atenuação aceita no
sinal de entrada

0–12.7 dB em 78 Mhz com lei √ f

Perda de retorno

>15 dB em 8–240 Mhz

Forma de pulso

Consulte ITU–T Rec. G.703

4.2.7 Características elétricas do 140 Mbit/s
Tipo de interface

ITU–T Rec. Compatível com G.703

Taxa de bit

139264 Kbit/s +15 ppm

Código

CMI

Atenuação aceita no
sinal de entrada

0–12 dB em 70 Mhz com lei √ f

Perda de retorno

>15 dB em 7–210 Mhz

Forma de pulso

Consulte ITU–T Rec. G.703

ED

01
955.110.542 V

3AL 80754 AA AA

320/356

Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste
documento, o uso e a comunicação de seus conteúdos não
são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

4.2.8 Características da interface Ethernet 10/100Base–T
Tipo de interface

Elétrica, totalmente compatível com padrão IEEE–802.3,
10Base–T e 100Base–T

Operações de transmissão

Opções de autonegociação: 10Mbps, 100Mbps, full–duplex

Taxa de bit
Negociável: 10 Mb/s e 100 Mb/s
Amplitude, codificação, atenuação de sinal,
Forma de pulso, perda de retorno
De acordo com padrão IEEE–802.3, 10Base–T e 100Base–T
Cabeamento

Par trançado, conforme IEEE–802.3 rec.

Conector

RJ45

4.2.9 Características de fio de ordem de engenharia
Interface de canal de voz

Tomada de telefone do painel frontal

Handset
Largura de banda
Corrente de operação do handset
Ganho de Tx de entrada
Ganho de Rx de saída
Sinalização

Impedância de 600 ohms
300 a 3400 Hz
18 mA
–4/0/0 dB
0/–7/0dB
DTMF compatível com ITU–T Rec. Q.23

Extensão de EOW analógica
Impedância
Largura de banda
Nível de Tx
Nível de Rx

600 ohms
300–3400 Hz
0 dBr + 0.5 dB
0 dBr + 0.5 dB

4.2.10 Características de canais AUX
Canal de dados acessíveis externamente
(terminação de OH bytes é
programável por software)
2 x 64 Kbit/s, G.703 codirecional (Rx sincronizado)
2 x 64 Kbit/s V11
2 x 9600 baud RS232
1 x 2 Mbit/s G.703
64 Kbit/s (Rx sincronizado) G.703
Taxa de bit
Sinais de cronometragem
Transportador
Estilo de codificação
Forma de pulso de saída

ED

64 Kbit/s
Estilo de codificação de 64 Kbit/s e 8 kHz embutido
Dois pares equilibrados (120 ohms): um por rota
De acordo com ITU–T Rec. G.703 codirecional
Consulte ITU–T Rec. G.703

01
955.110.542 V

3AL 80754 AA AA

321/356

Características de interface de saída
Características de interface de entrada

Consulte ITU–T Rec. G.703
conforme a interface de saída, mas modificada pelas
características do par de interconexão.
O circuito de entrada pode aceitar um 0 – 3 dB (128 KHz)

Interface contradirecional V11 64Kbit/s

Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste
documento, o uso e a comunicação de seus conteúdos não
são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

Tipo

elétrica, de acordo com ITU–T Rec. V11

Receptores
Impedância de entrada
Níveis de Rx "

> 6 Kohms
1” ou ”OFF” < –0.3 V
”0” ou ”ON” > +0.3 V

Drivers
Saída diferencial
Uso:

2 V (Mín)
conexões internas

Interface oversampled RS–232 9600 Kb/s
Taxa de bit
Modo
Níveis elétricos
Uso:

ED

9600 kb/s
RS–232 Tx & Rx apenas dados
24 Vpp
conexões internas

01
955.110.542 V

3AL 80754 AA AA

322/356

2 Interface de canal Mb/s G.703 /G.704 AUX
Elétrica

Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste
documento, o uso e a comunicação de seus conteúdos não
são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

Atenuação
Perda de retorno
Forma de pulso

de acordo com G.703 (75 Ohm ou 120 Ohm usando um cabo
especial)
0 a 6 dB
> 12 dB 51–102 kHz
> 18 dB 102–2048 kHz
> 14 dB 2048–3072 kHz
Consulte ITU–T Rec. G.703

4.3 Características da interface ótica
Tipo de interface STM–1

S–1.1, L–1.1, L–1.2, L–1.2JE, MM1
As características são determinadas na Tabela 37. na página
324.

Tipo de interface ótica STM–4

S–4.1, L–4.1, L–4.2, L–4.2JE
As características são determinadas na Tabela 38. na página
326.

Aplicações otimizadas

Versões com Joint Engineering estão disponíveis para uso com
amplificadores óticos

Conectores óticos

FC–PC, SC–PC

ED

01
955.110.542 V

3AL 80754 AA AA

323/356

A = não se aplica a tabela continua ED 01 955.1 L–1.957) Faixa de extensão de onda de operação TRANSMISSOR EM PONTOS DE REFERÊNCIA Tipo de fonte 1261-1360 1280-1335 1480-1580 1480-1580 SLM/MLM SLM/MLM SLM SLM nm nm 7.2 JE1 S–1.máximo de dBm –8 0 0 0 . A transmissão e a cópia deste documento.modo lateral mínimo taxa de supressão Média de alimentação iniciada . Parâmetros especificados para Interface Ótica STM–1 CARACTERÍSTICAS SINAL DIGITAL Taxa de bit nominal UNIDADE Kbit/s Todos os direitos reservados.largura máxima –20 dB .1 L–1.2 10 10 10 dB 0-12 10-28 10-28 10-29 ps/nm 100 250 1900 3200 Perda de retorno ótico mínima de cabo em S.2 nb1 Taxa de extinção mínima CAMINHO ÓTICO ENTRE S E R Faixa de atenuação Dispersão máxima ps/nm RECEPTOR NO REFERÊNCIA R Tipo de detector PONTO DE Média de alimentação recebida em BER= 1E–10 Mínimo (sensibilidade) Máximo (sobrecarga) Perda máxima de caminho ótico Refletância máxima de receptor medida em R nb1: A ser usado com Optical Boosters até +15 dBm em fibra G652 e G653 N.707 e G.542 V 3AL 80754 AA AA 324/356 .Tabela 37.958 155520 L-1.7 - 4 - 1 1 dB - - 30 30 dBm dBm -8 -15 0 -5 0 -5 0 -4 dB 8.largura máxima RMS . inclusive qualquer tipo de conectores dB NA NA 20 20 Refletância máxima discreta entre S e R dB NA NA -25 -25 In Ga As PIN In Ga As PIN In Ga As PIN In Ga As PIN In Ga As PIN dBm dBm dB -28 -8 1 -34 -10 1 -34 -10 1 -34 -10 1 dB -14 -14 -25 -25 Características espectrais .110.mínimo de dBm –15 –5 –5 –4 nm VALORES STM-1 de acordo com G. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Código de aplicação (Tabela 1/G.

CARACTERÍSTICAS SINAL DIGITAL Taxa de bit nominal Aplicação (código Alcatel) Faixa de extensão de onda de operação TRANSMISSOR EM PONTOS DE REFERÊNCIA Tipo de fonte Características espectrais .707 e G. inclusive corretores Refletância máxima discreta entre SeR RECEPTOR NO REFERÊNCIA R Tipo de detector PONTO UNIDADE Kbits/s nm VALORES STM-1 de acordo com G.taxa de supressão mínima do modo lateral Média de alimentação iniciada .651. A transmissão e a cópia deste documento.largura máxima –20 dB .máximo .largura máxima RMS .mínimo Taxa de extinção mínima CAMINHO ÓTICO ENTRE S E R Faixa de atenuação Dispersão máxima Perda de retorno ótico mínima de cabo em S. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.542 V 3AL 80754 AA AA 325/356 .110. NA = não se aplica Final da tabela ED 01 955.Todos os direitos reservados.958 15520 MM-1 1270-1360 SLM nm nm 1 dB 30 dBm dBm -14 -20 dB 10 dB ps/nm 0-9 NA dB NA dB NA DE In Ga As PIN -30 -14 1 (a) Sensibilidade mínima (BER 10-10) dBm Sobrecarga mínima dBm Perda máxima de caminho ótico dB Refletância máxima de receptor medida em R dB -14 OBSERVAÇÕES: a = com máx de 3 km de fibra multimodo 50/125 um G.

inclusive corretores Refletância máxima discreta entre SeR RECEPTOR NO REFERÊNCIA R Tipo de detector PONTO 2.110.2 10 10 10 dB ps/nm 0-12 84 10-24 250 10-24 1900 10-27 3200 dB 14 20 24 24 dB -20 -25 -27 -27 In Ga As PIN In Ga As PIN In Ga As PIN In Ga As PIN nm nm dB DE Média de alimentação recebida em BER= 1E-10 dBm -28 -28 -28 -32 . Tabela 38. NB2 Faixa de extensão de onda de nm 1274-1356 1280-1335 1480-1580 1530-1560 operação TRANSMISSOR EM PONTOS DE REFERÊNCIA SLM SLM SLM Tipo de fonte MLM Características espectrais . A transmissão e a cópia deste documento.6 30 dBm dBm -8 -15 +2 -3 +2 -3 +2 -3 dB 8.mínimo Taxa de extinção mínima CAMINHO ÓTICO ENTRE S E R Faixa de atenuação Dispersão máxima Perda de retorno ótico mínima de cabo em S.largura máxima RMS .4-1 L-4.Mínimo (sensibilidade) dBm -8 -8 -8 -8 .máximo . a faixa de atenuação é de 10–28 dB.taxa de supressão mínima do modo lateral Média de alimentação iniciada . o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.2JE da família de produtos ADM com dispersão máxima de 2400 ps/nm.Todos os direitos reservados. Nesta aplicação o orçamento de energia é de 10–24 dBm. NB3: Adequado para intertrabalho com L–4. ED 01 955.2 1/G.080 L.Máximo (sobrecarga) dB 1 1 1 2 Perda máxima de caminho ótico Refletância máxima de receptor dB -20 -20 -27 -27 medida em R NB1: Adequado para intertrabalho com L–4.542 V 3AL 80754 AA AA 326/356 .957) NB3 NB1.largura máxima –20 dB . dispersão de 250 ps/nm.2 JE Código de aplicação (Tabela S-4.5 - 1 30 1 30 0. NB2: Para aplicações de longa distância e outras adequadas a serem usadas com Optical Boosters até +15 dBm em fibra G652 e G653.958 Kbits/s Taxa de bit nominal 622.1 L-4. neste aplicativo.1 da família de produtos ADM.707 e G. Parâmetros especificados para Interface Ótica STM–4 UNIDA VALORES CARACTERÍSTICAS DE SINAL DIGITAL STM-1 de acordo com G.

o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.5 Gerenciamento de tráfego de IP Throughput contêineres PDH (não disponível) Contêineres SDH Porta local SDH (não disponível) unstruct. A transmissão e a cópia deste documento. VC–3.4. T3 VC–12. RDI. para AS único (rfc 2328) Troca de mensagens SNMP 256 filas cuidadas para cada porta lógica TCM (Three Colors Marker) RED (Random Early Discarding) 01 955. E3. VC–4 VC–4. opcional STM–1 4 x 10/100Base–T 35 (31xSDH + 4xEth.4. qualquer tipo de combinação) ICMP (rfc 792) ARP (rfc 826) OSPF. E3 VC–12. VC–3.4 Características da interface ATM Todos os direitos reservados.110. CC.1 Capacidade de comutação matriz ATM 4x4 Throughput Capacidade de comutação Portas OMSN PDH Portas OMSN SDH Porta local Número da porta Conexões Conexão VC/VP Policiamento Formação Gerenciamento de congestionamento OAM Sinalização 622 Mbit/s comutação VC e VP E1. VC–4 VC–4 16 (qualquer tipo de combinação) 4000 max (VC ou VP) VCC/VPC Hard e Soft UPC e NPC (VC/VP) Entrada e Saída (VC/VP) SCD. Portas locais Ethernet Número das portas lógicas Protocolos gerenciados Gerenciamento de congestionamento ED 600 Mbit/s (sem Ethernet i/f) 1000 Mb/s (com 4x Ethernet i/f) E1.. EPD. Loopback PNNI 4. 4. TPD AIS.542 V 3AL 80754 AA AA 327/356 .

4. A transmissão e a cópia deste documento. Tensão de entrada Corrente de entrada Fornecimento de energia ED 01 955.110.6 Características da fonte de alimentação 48/60 Vdc + 20% 10 A máx interface de acordo com ETS 300132–2 Todos os direitos reservados.542 V 3AL 80754 AA AA 328/356 . o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

S. e terminologia de gravidade de alarme usada para os leds COMPACT ADM e os pinos do conector de alarme CONGI.T) e no aplicativo Operation System (O.110. T*URG. NURG. falha interna – quando verde. Alarmes de Equipamento Centralizado: Todos os alarmes detectados nas unidades (exceto placa da matriz ATM) são coletados pela unidade COMPACT ADM que oferecerão indicações óticas centralizadas (por meio de LEDs em sua placa de tampa frontal).T. os alarmes URGENTE (URG). que forçam a unidade em serviço. T*RNURG INDICATIVO –– 01 955. N.T. NÃO URGENTE (NURG) e INDICATIVO são denominados de uma maneira diferente. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.542 V 3AL 80754 AA AA 329/356 ./O. T*NURG. Este LED indica: – quando vermelho. A transmissão e a cópia deste documento. em 85 em que a visão frontal da unidade e os locais do led estão ilustrados. T*RURG. Relação entre terminologia de gravidade do Alarme exibida em C. Alarmes das unidades: Cada cartão de porta ou cartão de acesso do equipamento tem um LED de duas cores (verde/vermelho) na placa da tampa frontal. No Craft Terminal (C.7 na página 81. Terminologia de gravidade de alarme usada para COMPACT CRÍTICO ou PRINCIPAL SECUNDÁRIO AVISO INDETERMINADO (não usado) ED Leds ADM e para pinos de conector de alarme remoto CONGI URG. Tabela 39. na página 329.B. a relação entre estas duas terminologias é explicada na Tabela 39.S). laser forçado ON ou OFF.S. Especificamente: LED vermelho (5): detecção de um alarme URGENTE LED vermelho (6): detecção de um alarme NÃO URGENTE LED amarelo (8): detecção de uma condição de operação ANORMAL Tipo: loopbacks ativos.4. unidade em serviço Alarmes ATM MATRIX: Todos os alarmes detectados na unidade estão relacionados ao gerenciamento de tráfego ATM na parte frontal são apresentadas indicações óticas (LEDs) com o significado a seguir: LED vermelho (3): detecção de um alarme PRINCIPAL ou CRÍTICO (URGENTE) LED vermelho (4): detecção de um alarme SECUNDÁRIO (NÃO URGENTE) LED amarelo (5): condição de alarme de ATENÇÃO LED amarelo (6): detecção de uma condição de operação ANORMAL LED amarelo (7): detecção de um alarme de AVISO (INDICATIVO) Consulte a Figura 26. em que a visão frontal de cada unidade e os locais do LED estão ilustrados. Terminologia de gravidade de alarme em C. e O.7 Características do alarme Todos os direitos reservados. tentativa de restauração depois de ALS LED amarelo (9): detecção de um alarme INDICATIVO LED amarelo (7): condição de alarme de ATENÇÃO Consulte o parágrafo 2.

na página 329 para a terminologia C. dois modos de operação estão disponíveis: – modo de 2 fios: Contatos de duas saídas (CPO) e de seis entradas (CPI) para alarmes ou comandos de house–keeping estão disponíveis no conector da placa CONGI. para aplicações do cliente.) T*INT: detecção de um alarme interno (do Controlador) T*AND: perda de estação da bateria T*OR: falha ou perda de uma bateria de estação Alarmes remotos entregues pelo CONGI no slot 5: T*TORC: Indica uma perda de +3. O alarme do rack e o Alarme Remoto estão disponíveis fisicamente nos conectores da placa CONGI. na página 329 para a terminologia C.) T*RATTD: armazenamento de alarme Alarmes remotos: Alarmes remotos entregues pelo CONGI no slot 4: T*URG: detecção de um alarme urgente (do Controlador) (consulte a Tabela 39. Os alarmes disponíveis são os seguintes: Alarmes de lâmpadas do rack: T*RURG: alarme urgente (consulte a Tabela 39. T*IND: Alarme indeterminado.T. A transmissão e a cópia deste documento.110. Indica a síntese de alarmes não associados à outra gravidade (não usado) T*TUP: Indica uma falha do microprocessador do slot 9 SYNTH1N ou um slot 10 SYNTH1N T*TANC: Indica perda de + 3. Os contatos de house– keeping disponíveis são os seguintes: HK–OUT 1 to 2: Contatos de entrada HK–IN 1 to 6: contatos de saída – modo de 3 fios: Contatos de duas saídas (CPO) e de quatro entradas (CPI) para alarmes ou comandos de house–keeping estão disponíveis no conector da placa CONGI. para aplicações do cliente. na página 329 para a terminologia C.542 V 3AL 80754 AA AA 330/356 . Alarmes/Comandos de HouseKeeping : De acordo com as configurações da unidade CONGI. na página 329 para a terminologia C.3V gerada pelo conversor DC/DC on board de um cartão CONGI. tais como iluminação de lâmpadas de alarme (lâmpadas do rack) ou para acionar uma interface de alarmes do cliente.T.T. Lâmpadas do rack e alarmes remotos: Alguns alarmes de equipamento são transportados para um conector. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.T. LOSQ2: Indica perda de comunicação com o Dispositivo de Mediação (não usado).3 V gerada pelos conversores DC/DC on board de ambas as placas CONGI (pode ser armazenada).) T*RNURG: alarme não urgente (consulte a Tabela 39. Os contatos de house– keeping disponíveis são os seguintes: HK–OUT 1 to 2: Contatos de entrada HK–IN 1 to 4: contatos de saída ED 01 955.) T*NURG: detecção de um alarme não urgente (do Controlador) (consulte a Tabela 39.Todos os direitos reservados. para aplicações do cliente.

110.311. Todos os direitos reservados. Resolução de problemas: O equipamento 1650SMC foi projetado para dialogar com um Personal Computer (PC) a fim de fazer manutenção. A transmissão e a cópia deste documento. o comando atendido também é enviado para as lâmpadas do rack (se houver) através da placa CONGI. ED 01 955. O procedimento de resolução de problemas do equipamento e os detalhes dos alarmes de cada cartão e as indicações relevantes são descritos no Manual do Operador. As características dos alarmes remotos citados e da interface de contatos Housekeeping (tipo EM) estão no Capítulo 4.542 V 3AL 80754 AA AA 331/356 . o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.Atendimento de alarme A condição de alarme de unidades SDH detectada pode ser armazenada através do botão (12) na unidade COMPACT ADM–1 (Atendido). ativar e solucionar os problemas do equipamento. A conexão com o PC é feita através de um conector (4) disponível na placa COMPACT–ADM 1. A unidade pode ser conectada a um Sistema Operacional associado à Rede de Gerenciamento de Transmissão a fim de executar operações similares às realizadas pelo PC.1 na página . Esta operação DESLIGARÁ o LED vermelho geral (5) e acenderá o LED amarelo (7) na unidade COMPACT–ADM (Atendido).

8 Características mecânicas Compatibilidade mecânica ETSI ETS/E3.110. A transmissão e a cópia deste documento.542 V 3AL 80754 AA AA 332/356 . o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.5 Kg Resfriamento Os ventiladores na prateleira adicional são necessários apenas se pelo menos uma placa P4E4N estiver presente na Prateleira 1650SMC. 4.Todos os direitos reservados. 1.0/2. S9 Tamanho do rack auxiliar 241 L x 250 P x 325 A mm Tamanho da placa 213 P x 265 A mm Peso do rack auxiliar 8. Cabeamento do rack Vertical entre o rack e o acesso frontal do rack Conectores elétricos IEC 603/DIN 41612 IEC 807 (Sub–D) IEC 169–1 (coax.3) BNC 50 Ω RJ11 Instalação ponta a ponta Sim ED 01 955.

porões. – Em proximidade a fontes de areia ou pó. exceto cupim. classe 3. – com vibração de pouco significado. ect. na página 334) 4. Todos os direitos reservados. prédios em fábricas e instalações de processamento industrial.9.110. A funcionalidade do Equipamento 1650SMC.2. por exemplo.542 V 3AL 80754 AA AA 333/356 . Classe 3. Temperatura. através de janela abertas. – onde há a possibilidade de crescimento ou ataques por parte de animais. é compatível com: ETS 300 019–1–3:1992. determinadas oficinas. Não estão sujeitos a precipitação.1.2: Locais com temperatura parcialmente controlada. com uso de ventiladores alojados em um rack auxiliar externo. (consulte o climatograma na Figura 154. determinados prédios de telecomunicações.1 Classe 3. ED 01 955. – com níveis normais de contaminações em áreas urbanas com atividades industriais dissipadas em toda a área e/ou com tráfego pesado.2: Locais de temperatura parcialmente controlada Aplica-se aos locais: – onde o equipamento instalado pode ser exposto a radiação solar e a radiação de calor. salas de armazenamento comuns para produtos resistentes e prédios de fazendas.1 Condições climáticas para operação O Equipamento atende as exigências de ETSI Stand. As condições desta classe podem ser encontradas em: – – – – – – – – entradas e escadas de prédios: garagens. Vs.9. estações de equipamentos não observados. Podem estar sujeitos a água condensada e a água de outras fontes além de chuva e gelo. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. por exemplo.4. de produtos presos a estruturas de suporte leves sujeitos a vibrações. A transmissão e a cópia deste documento. Eles também podem ser expostos a movimentos do ar devido a corrente de ar nos prédios.9 Condições ambientais 4.

110.2: Locais de temperatura parcialmente controlada ED 01 955.542 V 3AL 80754 AA AA 334/356 Todos os direitos reservados.Figura 154. Climatograma da Classe 3. A transmissão e a cópia deste documento. . o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

A classe se aplica aos locais de armazenamento: – onde o equipamento pode ser exposto a radiação solar e a temporariamente a radiação de calor: Eles também podem ser expostos a movimentos do ar devido a corrente de ar. – algumas garagens e cabanas. através de portas. pode ser apenas parcialmente à prova de entendereis. queda de água e a congelamento. ED 01 955.9. – onde há a possibilidade de crescimento ou ataques por parte de animais. – em áreas com fontes de areia ou de pó.110.2 Classe 1. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Armazenamento: Todos os direitos reservados. inclusive áreas urbanas. janela ou outras aberturas.542 V 3AL 80754 AA AA 335/356 . exceto cupim. inclusive neve. ETS 300 019–1–1: 1992. A transmissão e a cópia deste documento. O climatograma é mostrado na Figura 155. por exemplo. As condições desta classe podem ocorrer em: – prédios não cuidados. – entradas de alguns prédios. O local pode ter aberturas diretamente para o ar. Podem estar sujeitos a água condensada. classe 1. – com níveis normais de contaminações em áreas urbanas com atividades industriais dissipadas em toda a área e/ou com tráfego pesado.4. protegido contra intempéries Esta classe se aplica a armazenamento protegido contra intempéries sem controle de temperatura e de umidade. – com vibração de pouco significado e choque insignificante. Também podem estar sujeitos a precipitação limitada por causa de vento. na página 336.2: local de armazenamento sem temperatura controlada.2 Armazenamento O equipamento de 1650SMC atende as exigências a seguir Vs. isto é.

542 V 3AL 80754 AA AA 336/356 . Climatograma da Classe 1. A transmissão e a cópia deste documento. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Figura 155.Todos os direitos reservados.110.2: local de armazenamento sem temperatura controlada ED 01 955.

110.2: Transporte com cuidado (consulte a Tabela 40. Esta classe se aplica ao transporte em que carros especiais são usados. amortecedores que reduzem o choque.542 V 3AL 80754 AA AA 337/356 . classe 2. a classe 2. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Além disso.3 Transporte O equipamento de 1650SMC atende as exigências a seguir Vs. Classe 2. A classe 2.9. transporte: ETS 300 019–1–2: 1992.2 inclui transporte de todos os tipos de vagonetes e trailers em áreas com sistema de estradas bem desenvolvido. Carregamento e descarregamento manual de 20 Kg está incluído. na página 338). A transmissão e a cópia deste documento.2 Todos os direitos reservados. Extensão de temperatura extremamente baixa durante o transporte é permitida para o equipamento 1650SMC em seu pacote padrão: AT –40oC para um máximo de 72 horas sem danificar as interfaces óticas.1. Também inclui transporte fluvial e ferroviário especialmente desenhado.2 abrange a condição da classe 2. ED 01 955.4. por exemplo com relação a temperatura baixa e manuseio.

ar m/s 20 20 (L) chuva de precipitação (M) radiação. Transporte climático Parâmetro ambiental 2. combinada com trocas de temperatura rápida ar/ar em conteúdo com bastante água (NOTA 4) g/m3 60 +70 / +15 60 +70 / +15 (I) pressão baixa do ar KPa 70 70 (J) troca de pressão do ar KPa/min não não (K) movimento do meio ao redor. ED 01 955. não combinada com trocas de temperatura rápida % C 95 +40 95 +45 % C 95 –25 / +30 95 –25 / +30 Todos os direitos reservados.2 2.1 e 2. combinada com ar de trocas de temperatura rápida/ar.110. (A) (G) umidade relativa. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. ar em ambientes não ventilados (OBSERVAÇÃO 1) o + 70 + 70 (C) alta temperatura. calor (O) água de outras fontes além de chuva (NOTA 5) (P) umedecimento mm/min 6 (NOTA 7) 6 2 1120 1120 2 W/m 600 600 m/s 1 (NOTA 7) 1 W/m nenhum condições de superfícies úmidas Notas na próxima página.Tabela 40.6) Unidade C C C C o o (H) umidade absoluta.542 V 3AL 80754 AA AA 338/356 . em alta umidade relativa (OBSERVAÇÃO 3. ar em ambientes ventilados (OBSERVAÇÃO 2) o + 40 + 40 (D) mudança de ar de temperatura/ar (OBSERVAÇÃO 3) o –25 / +30 –40 / +30 (E) mudança de ar de temperatura/água (OBSERVAÇÃO 3) o C +40 / +5 40 / +5 (F) umidade relativa. solar (N) radiação.3 baixa temperatura do ar o – 25 – 40 (B) alta temperatura. A transmissão e a cópia deste documento.

o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. e pela radiação solar definida abaixo. Os números de conteúdo de água se aplicam a temperaturas abaixo do ponto de umidade. dado aqui. consulte o parágrafo 4. com temperaturas inferiores.542 V 3AL 80754 AA AA 339/356 . NOTA 4: Presume-se que o produto esteja sujeito apenas a uma diminuição rápida de temperatura (sem aumento rápido).Todos os direitos reservados.1 na página 29. NOTA 6: Ocorrência de condensação. NOTA 2: A alta temperatura da superfície de um produto é influenciada pela temperatura do ar ao redor. NOTA 5: O número indica a velocidade da água e não a altura da água acumulada.110. A transmissão e a cópia deste documento. dado aqui.4 Condição EMI/EMC Com relação à condição EMI/EMC.9. presume-se que a umidade relativa seja de aproximadamente 100%. ED 01 955. Notas da Tabela 40: NOTA 1: A alta temperatura das superfícies de um produto pode ser influenciada tanto pela temperatura do ar ao redor. quanto pela radiação solar através de uma janela ou outra de abertura. NOTA 7: Apenas para curta duração. 4. NOTA 3: A transferência direta do produto entre as duas temperaturas é presumida.

A transmissão e a cópia deste documento.110. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. .ED 01 955.542 V 3AL 80754 AA AA 340/356 Todos os direitos reservados.

110. MANUTENÇÃO ED 01 955.542 V 3AL 80754 AA AA 341/356 . o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. A transmissão e a cópia deste documento.Todos os direitos reservados.

. A transmissão e a cópia deste documento.542 V 3AL 80754 AA AA 342/356 Todos os direitos reservados. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.110.ED 01 955.

2.5 MANUTENÇÃO ATENÇÃO NORMAS EMC Todos os direitos reservados. Remova anéis.1 Regras de segurança geral REGRAS DE SEGURANÇA Observe cuidadosamente os rótulos de aviso no painel frontal antes de trabalhar em conexões óticas enquanto o equipamento está em serviço. PERIGO: Possibilidade de ferimentos.110. circuitos dc podem causar arqueamento grave que pode resultar em queimaduras e/ou danos aos olhos.4. REGRAS DE SEGURANÇA Uma tensão TNV–2 (bateria) pode esta presente em um “conector de interface R/M” (lateral do cabo). REGRAS DE SEGURANÇA PERIGO: Possibilidade de danos aos olhos: leia com cuidado e observe estritamente as regras apontadas no parágrafo 3.3 NA PÁGINA 30 5. baixa impedância.1.2 na página 25. não toque os pinos quando desplugado. baixa tensão. ED 01 955. Pode ser necessário cortar a alimentação durante a fase de manutenção. QUANDO REALIZAR AS OPERAÇÕES. OBSERVE AS NORMAS DEFINIDAS NO PARÁGRAFO 4. desligue as unidades de alimentação elétrica e as estações de alimentação (frame do rack ou de distribuição da estação). relógios e outras jóias de metal antes de trabalhar com circuitos primários. Curto circuito. A transmissão e a cópia deste documento. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.542 V 3AL 80754 AA AA 343/356 . Tome cuidado para evitar a diminuição dos terminais de entrada de energia.

O processamento relativo é descrito no manual do operador. etc) A fim de reduzir o risco de danos a dispositivos sensíveis a eletrostática. é obrigatório usar uma faixa elástica (no pulso) e o cabo conectado ao rack de aterramento enquanto tocar o equipamento 5. um Sistema Operacional exibe alarmes e gerencia todos os Equipamentos conectados da rede. Verifique se o equipamento está funcionando com todas as proteções colocadas adequadamente (tampas. A manutenção é classificada como: ROTINA CORRETIVA 5. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. proteções de conectores ESS. A transmissão e a cópia deste documento. A necessidade de ferramentas e acessórios especiais para a realização de procedimentos de manutenção de rotina e corretivas é descrita nos próprios procedimentos. com o objetivo de obter o máximo de disponibilidade operacional.5. ED 01 955. Consulte os manuais relevantes. Onde o TMN está implementado.3 Aspectos de Manutenção A manutenção consiste em um conjunto de operações que mantém ou devolvem à unidade em condições de operação ideais em um período de tempo muito curto.2 Regras gerais Todos os direitos reservados.542 V 3AL 80754 AA AA 344/356 .110.4 Instrumentos e Acessórios Já um terminal local (PC) que permite exibir todos os alarmes e gerenciar o Equipamento.

o equipamento digital não exige manutenção de rotina.5. Certifique-se de que o rack auxiliar esteja preso firmemente com parafusos. precisa de ajuste ou de substituição. Todos os direitos reservados. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. Ferimentos podem ser causados por –48 V dc. baixa tensão. relógios e outras jóias de metal antes de trabalhar com circuitos primários. circuitos dc podem causar arqueamento grave que pode resultar em queimaduras e/ou danos aos olhos.542 V 3AL 80754 AA AA 345/356 .e O equipamento permite avaliar a qualidade dos links de conexão SECTION e PATH ou a contagem de eventos com erro e a obtenção dos dados de performance.5. 5.1 Manutenção de rotina a cada ano Sugerimos a realização das operações a seguir anualmente: verificação de cabos de alimentação substituição do filtro de pó 5. Tome cuidado para evitar a diminuição dos terminais de entrada de energia. Esta manutenção descobre os dispositivos cuja função diminuiu com o tempo e. portanto. ED 01 955. permite esta função. REGRAS DE SEGURANÇA Realize estas operações: Verifique se o cabo de alimentação está aterrado em perfeita segurança. baixa impedância.110. Normalmente. Curto circuito.5 Manutenção de Rotina A manutenção de rotina é um conjunto periódico de medições e verificações. para garantir o aterramento (o rack é conectado ao aterramento da estação). Remova anéis. O Aplicativo de Monitoramento de Performance. PERIGO: Possibilidade de ferimentos.5. descrito no Manual do Operador.1. A transmissão e a cópia deste documento.1 Verificação de cabos de alimentação REGRAS DE SEGURANÇA PERIGO: Possibilidade de ferimentos.

1.2 Manutenção de rotina a cada cinco anos Sugerimos a substituição de cada FANS UNIT equipado no Rack auxiliar de ventilador depois de cinco anos de funcionamento. ED 01 955. VERIFIQUE SE O FILME ADESIVO DE PROTEÇÃO FOI REMOVIDO. 5.110. de acordo com as condições ambientais pode ser necessário reduzir este período.5.2 Substituição do filtro de pó SUBSTITUIÇÃO DO FILTRO DE PÓ Todos os direitos reservados. (cuidado para evitar danos ao equipamento) AVISO: ANTES DE INSTALAR OU DE REMOVER O FILTRO DE PÓ.542 V 3AL 80754 AA AA 346/356 . Ferimentos podem ser causados pelos ventiladores. consulte as seqüências abaixo no parágrafo 5. Substitua o “Filtro de pó” da FANS Shelf da seguinte maneira: – retire os parafusos que prendem o filtro de pó da prateleira de ventiladores – extraia o filtro de pó – insira o novo filtro de pó – prenda o “Filtro de pó” à “prateleira FAN“ usado o parafuso relevante Nota: o período de um ano é apenas uma indicação.5.6.1 na página 347. Com relação à substituição. A transmissão e a cópia deste documento.5. REGRAS DE SEGURANÇA PERIGO: Possibilidade de ferimentos. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

5.6 Manutenção Corretiva (Resolução de Problemas)
Como o procedimento de resolução de problemas é realizado com o uso do Craft Terminal, favor consultar,
para obter detalhes, a Seção Manutenção do Manual do Operador.
FIXAÇÃO DAS UNIDADES (E MÓDULOS) AO RACK AUXILIAR
Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste
documento, o uso e a comunicação de seus conteúdos não
são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

(cuidado para evitar danos ao equipamento)
O torque de aperto do parafuso para fixação das unidades (e módulos, se houver, e
se forem fixados por parafusos) no rack auxiliar deve ser:

2,8 kg x cm (0,28 Newton x m) + 10 %
Exceder este valor pode resultar em quebra do parafuso.
5.6.1 Unidade do ventilador para substituição da prateleira do ventilador de 19"
REGRAS DE SEGURANÇA
PERIGO: Possibilidade de ferimentos. Ferimentos podem ser causados por –48 V
dc.
PERIGO: Possibilidade de ferimentos. Curto circuito, baixa tensão, baixa
impedância, circuitos dc podem causar arqueamento grave que pode resultar em
queimaduras e/ou danos aos olhos. Remova anéis, relógios e outras jóias de metal
antes de trabalhar com circuitos primários. Tome cuidado para evitar a diminuição
dos terminais de entrada de energia.
Quando um alarme ALM_URG é exibido em C.T ou O.S. (associado a um alarme Housekeeping) significa
que pelo menos um ventilador está quebrado, portanto, é necessário substituir a “unidade do VENTILADOR”
envolvida.
Estas indicações de alarme também são exibidas no painel frontal do rack auxiliar dos Ventiladores.
Para substituir a “unidade do ventilador “ com defeito (led vermelho ON) siga das instruções abaixo:
– retire os parafusos que prendem a unidade do ventilador da prateleira de ventiladores
– retive a unidade do ventilador da prateleira do ventilador
– insira a nova unidade do ventilador da prateleira do ventilador
– prenda a unidade do ventilador à “prateleira FAN“ usado o parafuso relevante

ED

01
955.110.542 V

3AL 80754 AA AA

347/356

5.7 Conjunto de peças reserva

Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste
documento, o uso e a comunicação de seus conteúdos não
são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

5.7.1 Peças Reserva Sugeridas
O número geral de reservas depende das exigências do Cliente e deve ser baseado na quantidade média de
circuitos de transmissão disponíveis a serem contatos não apenas durante o MTBF mas também durante o
MTTR; o último depende da quantidade de peças reserva disponíveis.
O conjunto de peças reserva é inclusivo de um número mínimo de peças reserva para cada tipo de unidade
de plug–in substituível (consulte a lista da unidade no Capítulo 2 na página 65).
5.7.2 Regras gerais sobre o gerenciamento de peças reserva
Sugerimos verificar periodicamente as unidades de reserva que não foram utilizadas por um período de um
ano. Se as peças reservas e o equipamento forem armazenados no mesmo ambiente, certifique-se de que
as peças reserva sejam colocadas nos gabinetes para protegê-las de pó e umidade.
Além disso, elas também devem ser bem aterradas para evitar descargas eletrostáticas.
Se as peças reservas forem armazenadas em outra sala ou tiverem de ser movidas para outro local, prédio
ou lugar, certifique-se de que o seguinte seja observado:
as peças reservas devem ser envolvidas e acondicionadas em envelopes antiestática;
as peças reservas não devem tocar as superfícies úmidas ou os agentes químicos que podem
danificá-las (por exemplo, gás);
se, durante o transporte, a temperatura diminuir para menos do que o local em que as peças
estavam, certifique-se de que antes de serem usadas, elas passem um determinado período em
uma câmara climática para evitar choques térmicos e/ou a possibilidade de condensação.
Quando substituir a unidade/unidade auxiliar, certifique-se de que a unidade/unidade auxiliar
seja ajustada exatamente como a substituída. Com relação a procedimentos definidos
previamente, consulte a seção DOCUMENTAÇÃO DE AJUSTE DE HARDWARE.
5.7.3 Regras particulares sobre o gerenciamento de peças reserva
Sempre que algumas unidades com memória flash forem comuns em diferentes tipos de equipamento ou em
diferentes versões do mesmo equipamento, é possível manter apenas uma peça reserva; isto permite
economia de estoque de peças reservas, embora o download de software seja necessário quando o
software carregado na unidade (parte do programa ou parte dos dados) for diferente do que é necessário no
equipamento em que a unidade reserva deve ser usada.
Ao final da fase de preparo ou depois de uma troca de dados de equipamento, sugerimos salvar os dados do
equipamento, por exemplo, em um disquete e armazenar este disquete em um local de peças reserva com a
indicação do equipamento a que se refere.

5.8 Forma de Reparo
Para facilitar a operação, os dados na unidade com defeito devem ser relatados na forma mostrada na
Figura 156. na página 249.
Um formulário de reparo deve ser preenchido com a maior quantidade de dados possível e enviado para a
ALCATEL com a unidade com defeito.

ED

01
955.110.542 V

3AL 80754 AA AA

348/356

Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste
documento, o uso e a comunicação de seus conteúdos não
são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.
ALCATEL

Figura 156. Formulário de reparo

ED

01

955.110.542 V

3AL 80754 AA AA

349/356

ED

01

955.110.542 V

3AL 80754 AA AA

350/356

Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste
documento, o uso e a comunicação de seus conteúdos não
são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste
documento, o uso e a comunicação de seus conteúdos não
são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

DOCUMENTAÇÃO DE AJUSTE DE HARDWARE

ED

01

955.110.542 V

3AL 80754 AA AA

351/356

ED

01

955.110.542 V

3AL 80754 AA AA

352/356

Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste
documento, o uso e a comunicação de seus conteúdos não
são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

LISTA DE DOCUMENTAÇÃO DAS UNIDADES
Esta seção contém as folhas de documentos para consulta de opções de ajuste de hardware da
unidade/unidade auxiliar. A relação completa dos documentos está na Tabela 42. na página 356, de acordo
com o número de peça ANV.

Todos os direitos reservados. A transmissão e a cópia deste
documento, o uso e a comunicação de seus conteúdos não
são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.

EXPLICAÇÃO DA TABELA:
– P/Ns DE IDENTIFICAÇÃO DE STATUS E STATUS DE TROCA
Cada unidade ou unidade auxiliar é distinguida por:
uma Peça dupla No.:
– P/N de Fábrica (4xx.xxx.xxx x)
– ANV P/N (xxx.xxxxx xx) (NOTA)
NOTA: As últimas duas letras ANV-P/N (a seguir denominadas ’sufixo’) significam uma
”alternativa possível”, elas podem diferenciar duas unidades ainda que sejam compatíveis
funcionalmente. Por esta razão, o P/N ANV indicado não inclui as últimas duas letras.
Por exemplo: as unidades com P/Ns ”3AL–34065–AAAA” e ”3AL–34065–AABA” são
compatíveis funcionalmente e, conforme os ajustes de hardware, o documento MSxxx
(descrito posteriormente) 3AL–34065–AAAA-MSxxx é aplicável a ambas.
e por um par de série de of design e produção (status de troca):
– CS, associado ao P/N de Fábrica (4xx.xxx.xxx x)
– ICS, associado ao P/N ANV (xxx.xxxxx xx)
A tabela a seguir mostra um exemplo de correspondência entre ”FACTORY P/N + CS” e ”ANV P/N
+ ICS”
Tabela 41. Exemplo de correspondência entre CS e ’sufixo + ICS’
N.B. Os P/Ns usados neste exemplo não têm correspondência com os da lista de peças do equipamento
real!
CÓDIGO DE
FÁBRICA
P/N
CS
487.156.612
487.156.612
487.156.612

01
02
03

CÓDIGO ANV
P/N
3AL 34422 AA AA
3AL 34422 AA AB
3AL 34422 AA AC

IC
S
01
01
01

Neste exemplo, é possível ver que a série de produção é identificada pelo CS conforme o Código de
fábrica e pelo ’sufixo + ICS’ se o código ANV estiver mencionado.
Algumas das possíveis posições do rótulo que indicam os P/Ns e CS–ICS da unidade estão ilustrados
no parágrafo 4.4 na página 32.

ED

01
955.110.542 V

3AL 80754 AA AA

353/356

Indica a unidade que contém uma ou mais unidades auxiliares. A Edição do documento MSxxx anexo é a mais atual disponível na data em que o Manual Técnico foi montado. Quando for necessário fazer Ajustes de Hardware ”TC” no lado de trás da placa.– REFERÊNCIA CRUZADA Todos os direitos reservados. inserido na Tabela 42. o documento MSxxx descreve os possíveis capítulos diferentes que definem opções. IDENTIFICA O PIN 1 DO COMPONENTE N.110.B. remova a placa da tampa de proteção no mesmo lado posterior e substitua-a ao final da operação As opções de ajuste descritas nos documentos MSxxx devem ser usadas de acordo com o documento 3AL377470001 (962. Os AJUSTES DE HARDWARE podem ser executados depois da verificação de todas as unidades auxiliares que pertencem a uma unidade.B. Como o Cliente pode ter de gerenciar muitas unidades do mesmo tipo (mesmo P/N) mas com CS– ICS diferentes. Notificação alfabética da unidade. A parte xxx do MSxxx é relevante para os códigos de identificação interna ANV. Id. de acordo com todos os possíveis CSs–ICSs.542 V 3AL 80754 AA AA 354/356 . As opções de ajuste que estão na tabela são indicadas pela frase For factory use only (Apenas para uso em fábrica) nunca devem ser modificadas. A transmissão e a cópia deste documento. Os documentos MSxxx são colocados em ordem numérica. – o CS. App. SUFFIX ou ICS (excluído) se relacionado – a seqüência de CSs aumenta da alfanumérica para a numérica (por exemplo CS=A0 é menor do que CS=01). considerando que: – uma mudança na série de produção não necessariamente implica em uma mudança das opções de ajuste. Cada capítulo contém: – uma ou mais tabelas que definem a relação entre as funções atingíveis e as opções de definição para formá-las. Relata a notação de unidade (Id) a qual a unidade auxiliar pertence.000. uma tabela no início do documento (PREFÁCIO) indica o capítulo a ser usado de acordo com o CS ou o ’sufixo + ICS’ correspondente.022 F) MSxxx. – o desenho de layout da unidade que mostra o local exato de todas as opções de ajuste. uma mudança do sufixo P/N ANV não implica em um novo documento MSxxx. Para esta finalidade. na página 356. de Peça do documento MSxxx é o da unidade ou unidade auxiliar e seu acrônimo MS define o tipo). considerando a referência cruzada citada acima e usando os documentos definidos previamente indicados na Tabela 42. que mostra a posição ’ON’ (fechado) dos microinterruptores. SUFFIX e ICS deve significar: de CS. ED 01 955. SUFFIX ou ICS especificado (incluído) para o próximo CS. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel. – DOCUMENTOS Para cada tipo de unidade ou unidade auxiliar que tem opções de ajuste de personalização. o documento ”ANV P/N”–MSxxx é anexado a este manual (no caso de Documentação em CD-ROM o documento MSxxx pode ser dado em um CD-ROM diferente do que contém seu Manual Técnico). N. Uso do documento MSxxx: MSxxx significa ”documento para opções de ajuste prévio de hardware” (o No. página 356 e apresentados no ponto a seguir.

156. ED 01 955. Considere a mesma unidade da Tabela 41.EXEMPLO N.156.612 487. B.156.156. na página 353: CÓDIGO DE FÁBRICA P/N CS 487.612 04 CÓDIGO ANV P/N 3AL 34422 AA AC 3AL 34422 AA AD ICS 01 01 usará o Capítulo 2 do documento 3AL 34422 AAAA MSZZQ. mas mudem para CS=03. Caso tenha identificado a unidade por um destes dados de identificação: CÓDIGO DE FÁBRICA P/N CS 487.612 01 02 03 CÓDIGO ANV P/N 3AL 34422 AA AA 3AL 34422 AA AB 3AL 34422 AA AC IC S 01 01 01 e supondo que as opções de definição válidas para CS=01 sejam iguais às de CS=02.612 03 487.612 01 02 CÓDIGO ANV P/N 3AL 34422 AA AA 3AL 34422 AA AB IC S 01 01 usará o Capítulo 1 do documento 3AL 34422 AAAA MSZZQ.110. a tabela no início do documento 3AL 34422 AAAA MSZZQ será: CAPÍTULO 1 2 P/N DE FÁBRICA DE CS 01 03 P/N ANV DE SUFIXO -AA -AC DE ICS 01 01 Caso tenha identificado a unidade por um destes dados de identificação: CÓDIGO DE FÁBRICA P/N CS 487. Os P/Ns usados neste exemplo não têm correspondência com os da lista de peças do equipamento real! Todos os direitos reservados.542 V 3AL 80754 AA AA 355/356 .156.612 487. A transmissão e a cópia deste documento.156.156. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.612 487.

156.100.Tabela 42.111) 3AL 80481 AA–– (487.252) 3AL 80341 AA–– (487.243 K) 3AL 79425 AA–– (483. o uso e a comunicação de seus conteúdos não são permitidos sem a autorização por escrito da Alcatel.110.100. A edição dos documentos anexos não está especificada nesta tabela.542 V 3AL 80754 AA AA 356/356 .101.156.101.322 B) 3AL 78830 ABAA (474.231 T) 3AL 79093 AA–– (411.156.281 W) 3AL 79752 AA–– (411. h Controlador de Prateleira do Equipamento MATRIZ ATM 4x4 f a e P/N ANV (P/N DE FÁBRICA) 3AL 78816 AA–– (411.407 V) 3AL 37747 0001 (962. Todos os direitos reservados.035 J) 3AL 79624 AA–– (411. Documentação de ajuste prévio de hardware A edição dos documentos (relacionados nesta tabela) que estão anexados fisicamente no manual é a mais recente disponível no momento em que o manual foi montado.101. A transmissão e a cópia deste documento.101.100.148 M) 3AL 79090 BA–– (411.280 H) 3AL 79631 AA–– (411.022 F) 3AL 79208 AA–– (487.703 Q) 3AL 78830 AAAF (474.000.807 Z) 3AL 79213AA–– (483.138 Z) Documento para ajuste prévio de hardware – 3AL 78830 AAAF MSZZQ 3AL 8830 ABAA MSZZQ – – – – 3AL37747 0001 MSZZQ 3AL79208 AAA MSZZQ 3AL79213 AAA MSZZQ 3AL 79425 AAAA MSZZQ 3AL 80341 AAAA MSZZQ 3AL 80481 AAAA MSZZQ FIM DO DOCUMENTO ED 01 955. Id NOME App a Serviços e I/F geral b Controle e I/F geral c Controle ASEL e I/F LC 3 WIRES geral d ADM 1/1 Compacto e MATRIZ ATM 4x4 f ADM 4 Compacto g MATRIZ IP 4XETHERNET h MATRIZ IP 1GBPS 1GBPS Posição ”ON” dos microinterruptores Controlador de Prateleira do Equipamento Serviços e I/F geral d PROCESSADOR DE REDE 2 g.156.101.156.