You are on page 1of 2

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL

UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE COXIM
Acadêmica: Bruna Mayara da Silva
Professora: Eliane Cerdas Labarce
RESENHA: O OLHAR SOBRE A ESCOLA
Conta a história que na cidade da Índia havia sete sábios cegos, que eram
muito procurados pelas pessoas para lhes aconselharem. Embora fossem muito
amigos, eles sempre competiam para saber quem era o mais sábio.
Cansado de tanta disputa um dos sábios resolveu abandonar os demais e
ir morar no topo da montanha.
Pouco tempo depois chegou à cidade um comerciante montado em um
elefante, sem saber que animal que era, um a um dos sábios, para conhecer
melhor o animal, foram apalpando e cada um analisando uma parte do corpo do
animal, tirava conclusões diferente. E durante algumas horas os seis sábios
ficaram discutindo para ver qual deles estava certo, logo o sétimo sábio chegou
guiado por uma criança e a pediu que desenhasse o animal no chão para ele,
tateando o contorno da figura na areia o sábio disse para os demais que estavam
errados pois cada um tirou conclusões das observações das partes do animal
isolada e não como um todo.
Esse texto serve de reflexão para o assunto aqui abordado.
A partir da reflexão do texto percebemos que para tirar conclusões de algo
que está a nossa frente é importante levar em consideração alguns aspectos
como: primeiro ponto, diante das situações, fenômenos ou objetos enxergamos
apenas uma parte, um segundo ponto importante é preciso sempre termos
consciência de que nossa perspectiva é apenas um ponto de vista que pode ser
complementado por outros olhares. Estes são importantes pontos de partida para
uma melhor compreensão da realidade, que é complexa, multidimensional e, por
vezes, até incerta e ambígua.
Diversas vezes temos também um olhar sobre a escola sem levar em
consideração certos pontos. Portanto a intenção aqui é mostrar que o olhar que
cada um de nós possui sobre a escola é construído com base em nossas
experiências anteriores, nossos anseios, expectativas, crenças e sentimentos

De acordo com os autores. um forte embate que traz instabilidade para as primeiras vivências na docência. Torna-se pertinente levarmos em conta as expectativas que temos com relação à docência. norteando nossas ações. os professores iniciantes podem viver períodos de baixa auto-estima e grande ansiedade.para com essa instituição. Para ilustrar de que forma as inserções e o contato com o cotidiano escolar podem auxiliar nesse processo de ressignificação do olhar sobre a escola. Todos esses aspectos influenciam a forma como significamos e compreendemos a escola – e certamente servirão de base para nossa atuação como docentes. uma visão parcial – nunca completa – do objeto que se observa. bem como as interações entre os sujeitos que a compõem. inclusive. alunos(as) com quem iremos trabalhar etc. escolhas e prática de ensino. É por esse motivo que nosso objetivo é precisamente resgatar nosso olhar sobre a escola para que possamos refletir sobre nossas concepções e forma de pensar. Segundo as considerações de Najmanovich (2001). Desse modo. os futuros docentes possam ter a possibilidade de entrar em contato com a realidade escolar. criando barreiras para novas aprendizagens e para que possam enxergar novas perspectivas do trabalho docente. a subjetividade se faz presente em todo o processo de análise e pesquisa. nas ideias que nos são passadas por outras pessoas e/ou pelos meios de comunicação etc. Por isso é importante que no decorrer de sua formação. analisa e pesquisa. escola que encontraremos. naquilo que já conhecemos sobre ela. analisar e compreender. Essa grande disparidade entre o que se espera encontrar e o que a realidade apresenta causa. analisar o cotidiano da sala de aula e dos diferentes espaços da escola. rever suas crenças e conceitos pré-formados. em geral. os(as) futuros(as) professores(as) esperam encontrar uma realidade semelhante àquela de quando eram estudantes. . Frequentemente esse “choque” inicial compromete o entusiasmo do(a) profissional e pode. compreender a existência do sujeito encarnado significa pensar que não existe a possibilidade de separação entre o sujeito que observa e a realidade observada. Segundo os autores. e o conhecimento deve ser visto como um ponto de vista determinado. levar a desistência da carreira docente.