Sistemas de Proteção Contra

Descargas Atmosféricas
SPDA

Prof. Marcos Fergütz
maio/2014

Formação das Descargas Atmosféricas

Fonte: Proj. de Instalações Elétricas/Domingos Leite Filho/2001

Teoria dos Saltos - Raio Nuvem-Solo

Raios Solos-Nuvens Raio ascendente em antena instalada no Pico Jaraguá – São Paulo/SP – março/2012 Imagem: INPE/ELAT .

Fonte: www.google.br/imagem .com.

MÉTODO DE AVALIAÇÃO DO RISCO SELEÇÃO DO NÍVEL DE PROTEÇÃO Mapa Isoceráunico do Brasil Fonte: NBR5419/05 .

Fonte: NBR5419/05 .

Fonte: NBR5419/05 .

Fonte: NBR5419/05 .

de Instalações Elétricas/Domingos Leite Filho/2006 .Fonte: Proj.

Franklin Cabo Esticado Telhado Metálico Fonte: www.google.com.br/imagens Fonte: NBR5419/05 .

a Fonte: NBR5419/05 Subsistema DESCIDAS .Franklin Faraday Eletrogeométrico a largura da malha b comprimento da malha b ≤ 2.

.Método de Franklin Hc θ Rp Proteção de áreas ou edificações anexas Proteção de Edificação Única Rp = Hc x tgθ .

4m RP = H C = 21. então : H est = 21.4 − 3 = 24.25m Considerando mastro de 3m ( H M ). J.RP = H C xtgθ H C = H est + H M Sendo SPDA Nível III e edificação com 12m de altura => θ = 45o RP = H C = 27.25m Retorno Proteção de borda edificações com altura >10m Fonte: Instalações Elétricas Industriais/ Mamede Filho. então : H est = 27.4m Considerando mastro de 3m ( H M )./2007 .25 − 3 = 18.

a Fonte: www.com.google. Ncl quantidade de cabos na largura Ncc quantidade de cabos no comprimento .br/imagens Onde.Método de Faraday Comprimento (b) Largura (a) b ≤ 2..

scribd.10m x 18.com/doc/59364851/29/METODO-DE-FRANKLIN .75m 40m 75m .Exemplo de proteção de estrutura com 12 m de altura e nível de proteção III Retorno Fonte: http://pt.

.Método Eletrogeométrico Fonte: NBR5419/05 .

Volume de proteção do captor com h ≤ R Volume de proteção do captor com h > R Fonte: NBR5419/05 .

e Com. .Método da Esfera Rolante Aplicada a Edificações Altas Fonte: Termotécnica Ind. Ltda.

e Com. Retorno .Método da Esfera Rolante Aplicada a Edificações Baixas Fonte: Termotécnica Ind. Ltda.

SUBSISTEMA DESCIDAS . ND Número de Descidas P Perímetro da edificação 40m 75m d espaçamento entre descidas .SPDA Não Isolado Onde.

conectores SPDA em edifícios – Método Eletrogeométrico .

: independente da espessura. . deve ser mantida a seção transversal.DIMENSIONAMENTO DOS MATERIAIS DO SPDA Seções mínimas dos componentes do SPDA Espessuras mínimas dos componentes do SPDA Obs.

acima de 60 m da superfície horizontal circundante. e) guarda-corpos. devendo se ater: . . d) estruturas metálicas de suporte de envidraçados. b) mastros ou outros elementos condutores salientes nas coberturas. devem ser considerados como parte do SPDA. ou outros elementos condutores expostos. .DETALHES CONSTRUTIVOS • SUBSISTEMA CAPTOR Quaisquer elementos condutores expostos. para fachadas. isto é. para fachadas.Os elementos condutores expostos devem ser analisados para certificar se as suas características são compatíveis com os critérios estabelecidos para elementos captores. f) tubos e tanques metálicos construídos em material de espessura igual ou superior à indicada na tabela 4.São exemplos de elementos metálicos: a) coberturas metálicas sobre o volume a proteger. c) rufos e/ou calhas periféricas de recolhimento de águas pluviais. que do ponto de vista físico possam ser atingidos pelos raios. acima de 60 m do solo ou de uma superfície horizontal circundante.

podem ser tomadas medidas alternativas para proporcionar caminhos seguros. .Condutores de descida devem ser retilíneos e verticais. desde que estas emendas encontrem-se conforme 5. . neste último caso. devem observar o item 5. São admitidas emendas nas descidas constituídas por perfis metálicos. Onde isto não for possível.2 da NBR5419/05. Para outros perfis.1.5.Os cabos de descida devem ser protegidos contra danos mecânicos até.2. preferencialmente através das ferragens estruturais eletricamente contínuas das lajes. excluídas as descidas externas. .5 m acima do nível do solo. de modo a prover o trajeto mais curto e direto para a terra. exceto na interligação entre o condutor de descida e o condutor do aterramento. no mínimo.1.Para os caixilhos metálicos das janelas que se encontram em altura igual ou superior a 60 m e localizados em regiões cujo índice ceráunico Td seja maior que 25. • SUBSISTEMA DOS CONDUTORES DE DESCIDA descidas não naturais . A proteção deve ser por eletroduto rígido de PVC ou metálico sendo que..2.Não são admitidas emendas nos cabos utilizados como condutores de descida. observar o item 5. o cabo de descida deve ser conectado às extremidades superior e inferior do eletroduto.2. Laços devem ser evitados. para equalizar os potenciais que aparecerem no local devidos a correntes elétricas originadas das descargas atmosféricas laterais.4.2. 2.

Os elementos da fachada (perfis e suportes metálicos) poderão ser utilizados como condutores de descidas naturais. Fonte: NBR5419/05 .1. desde que com área não inferior a 100 cm2. desde que suas seções sejam no mínimo iguais às especificadas para condutores de descida e com continuidade elétrica no sentido vertical no mínimo equivalente. 5.5.2. desde que seu trajeto satisfaça às prescrições de 5.Descida naturais .3.1. Em alternativa admite-se um afastamento não superior a 1 mm entre as superfícies sobrepostas de condutores consecutivos.Os pilares metálicos da estrutura podem ser utilizados como condutores de descida naturais. .: Tubulações metálicas (exceto gás) podem ser admitidas como condutores de descida.4 e que sua continuidade não possa ser afetada por modificações posteriores ou por serviços de manutenção.2. desde que suas seções sejam no mínimo iguais às especificadas para os condutores de descida e com a sua continuidade elétrica no sentido vertical no mínimo equivalente.3 As instalações metálicas da estrutura podem ser consideradas condutores de descida naturais (inclusive quando revestidas por material isolante). Obs.

. bem como entre os elementos adjacentes de concreto pré-moldado. c) em construções de concreto pré-moldado. estejam firmemente amarradas com arame de aço torcido e as barras na região de trespasse apresentem comprimento de sobreposição de no mínimo 20 diâmetros.As armaduras de aço interligadas das estruturas de concreto armado podem ser consideradas condutores de descida naturais. . b) em alternativa. sejam embutidos na estrutura condutores de descida específicos. com continuidade elétrica assegurada por solda ou por conexão mecânica adequada. desde que: a) cerca de 50% dos cruzamentos de barras da armadura. ou interligadas por conexão mecânica adequada. incluindo os estribos. seja assegurada a continuidade elétrica da armadura de aço de cada elemento. ou soldadas. e interligadas às armaduras de aço para equalização de potencial (ver anexo D). igualmente amarradas com arame de aço torcido.

1.1 Para as edificações novas. desde que executada de forma duradoura.3 Os condutores deverão ser emendados por conectores de aperto.1. D. deve ser instalado um condutor adicional de aço comum ou galvanizado a fogo.1. solda elétrica ou exotérmica.Anexo D (normativo) Uso opcional de ferragem específica em estruturas de concreto armado D.4 Em fundação direta (pouco profunda).2 O condutor adicional deverá ser instalado dentro das fundações.1 Como aterramento das fundações D.1. dentro da estrutura. D. de modo a garantir a continuidade desde as fundações até o topo do prédio. obedecendo (quando amarradas com arame de aço recozido ou conectores) a um trespasse de 20 diâmetros da barra. D. os condutores adicionais devem ser instalados nas vigas baldrames de modo a melhorar a condição de drenagem e o contato com o solo. atravessar os blocos de fundação e entrar nos pilares de concreto. em concreto armado. . onde a estrutura ainda não foi iniciada.

FIM . ou sobrepostas por no mínimo 20 vezes o seu diâmetro. NOTA Este subsistema deverá ser integrado ao subsistema captor. lajes e vigas devem ter cerca de 50% de seus cruzamentos firmemente amarrados com arame recozido ou soldados. firmemente amarradas com arame recozido. ao mudar de laje. de forma a garantir a equalização de potenciais da estrutura.D.3 Armaduras de aço dos pilares.2.2. o condutor adicional deverá ser encaminhado de modo a garantir a continuidade elétrica.2.2 Nos locais onde haja deslocamento da posição dos pilares. barra chata ou redonda de aço) paralelamente às barras estruturais e amarrado com arame nos cruzamentos com os estribos para assegurar a eqüipotencialização. As barras horizontais das vigas externas devem ser soldadas. bem como quando houver redução da seção dos pilares. D. D.1 Em cada pilar estrutural deverá ser instalado um condutor adicional (cabo de aço galvanizado.2 Como descidas D.

Fonte: NBR5419/05 .

RETORNO Fonte: NBR5419/05 .

RETORNO Fonte: NBR5419/05 .

RETORNO .

RETORNO .

RETORNO .

RETORNO .

RE-BAR .

RETORNO .