You are on page 1of 17

PROGRAMAS DE ESTÁGIOS BÁSICO 2011-2012

PROGRAMA 01
UNIDADE UNIVERSITÁRIA
FACULDADE DE CIÊNCIAS E LETRAS – CAMPUS DE ASSIS
CURSO
PSICOLOGIA
HABILITAÇÃO
FORMAÇÃO DE PSICÓLOGO
OPÇÃO
DEPARTAMENTO RESPONSÁVEL
PSICOLOGIA CLÍNICA
ANO LETIVO
2011
IDENTIFICAÇÃO
CÓDIGO
ESTÁGIO BÁSICO I
SERIAÇÃO IDEAL
PCL-2089
Projeto: Da infância à velhice: um olhar
4º SEMESTRE
contemporâneo sobre o ciclo vital humano I.
OBRIG/OPT/ES Pré e Co-Requisitos
ANUAL/SEMESTRAL
T
Pré-requisito:
SEMESTRAL
-Introdução à Pesquisa em Psicologia
EST
Co-requisito:
- Pesquisa e Intervenção em Psicologia I
- Fundamentos da Ética.
CRÉDITOS
DISTRIBUIÇÃO DA CARGA HORÁRIA
CARGA HORÁRIA TOTAL
TEÓRICA PRÁTICA TEOR/PRAT OUTRA
60
4
60
S
NÚMERO MÁXIMO DE ALUNOS POR TURMA:
AULAS TEÓRICAS AULAS PRÁTICAS
AULAS
OUTRAS
TEOR/PRAT
10
OBJETIVO (Ao término da disciplina o aluno deverá ser capaz de:)
Objetivo Geral: Possibilitar aos alunos o estudo e a prática em técnicas de entrevistas
psicológicas e de observação com crianças, adolescentes e idosos. Elaboração de projeto de
pesquisa pertinente à população observada e pesquisada.
Objetivos Específicos:
Permitir aos alunos:
1- Realizar observações, visitas e mapeamento de territórios que utilizem técnicas de
entrevistas e observação;
2- Elaborar projeto de pesquisa teórica e/ou interventiva compatível com o tema proposto
e a população-alvo propostos.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO (título e discriminação das unidades)
1- Estudo de técnicas de entrevista e observação, metodologia de pesquisa e
funcionamento institucional;
2- Visitas e mapeamento de territórios definidos pelos docentes para compor as
atividades;;
3- Elaboração de projeto de pesquisa a partir das práticas acima apontadas.
População Alvo: crianças, adolescentes e idosos, seus responsáveis e/ou responsáveis
pelos cuidados e rotinas diários.
Local de Desenvolvimento:Instituições de Educação Pública e/ou privadas.

M. Creches e pré-escolas no Brasil. 1992 VIOLANTE. LESOURD. História social da criança e da família. METODOLOGIA DE ENSINO 1. 1980. Adolescência: reflexões psicanalíticas. leitura dos textos obrigatórios. São Paulo: EPU. e FERREIRA. 1990. ROSEMBERG. M. O. D.Visitação e mapeamento de territórios definidos durante as discussões e 3.Participação semanal e em grupo da supervisão teórico-prática. Estatuto do idoso. A. I. Rio de Janeiro: LTC. CALLIGARIS. Petrópolis: Vozes.Creches e escolas públicas e/ou privadas. São Paulo: Publifolha. Realização de contatos iniciais com as práticas da psicologia e as demandas detectadas. L. São Paulo: Martins Fontes. J. R. São Paulo: Casa do Psicólogo. Ensaios freudianos em torno da psicossexualidade. 2000. LEVISKY. R. 2004. M. 2003. Projetos sociais de atenção para crianças e adolescentes públicos e/ou privadas Instituições para idosos. M. qualidade da participação e postura nas visitas e mapeamento. Rio de Janeiro: Graal. elaboração de projeto final de estágio e apresentação deste à comunidade universitária. São Paulo: Cia das Letras. A construção do adolescente no laço social. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM A avaliação será realizada através da freqüência e participação nas supervisões. As múltiplas faces da velhice no Brasil. E. mediante o uso de técnicas de observação e entrevista. M. São Paulo: Via Lettera. 2. 1975. W. EMENTA (Tópicos que caracterizam as unidades dos programas de ensino) Introduzir o aluno na elaboração de projetos de pesquisa e intervenção.. L. 1994. 2004. J. A adolescência. A polícia das famílias. 1981. 2004. V. S. 1996. Temas de Psicologia: entrevista e grupos. BOSI. São Paulo: Cortez. GUIRADO. F. NERI. BLEGER. GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO. L. 1992. O brincar e a realidade. Psiquiatria infantil operativa. visando o levantamento de questões e problemáticas de caráter investigativo e de intervenção. SOIFER. CACHIONE. Porto Alegre. D. WINNICOTT. P. Mémória e sociedade: lembrança de velhos. Artes Médicas. Brasília: Ministério da Saúde. DONZELOT. MALTA. BRASIL. São Paulo: Imprensa Oficial. 1977. BIBLIOGRAFIA BÁSICA ARIÉS. e SIMSON.Estatuto da criança e da adolescência. 2004. Psicologia institucional. com o objetivo de mapeamentos preliminares de território. C. M. São Paulo: Alínea. RJ: Imago. Docentes Responsáveis: Diana Pancini de Sá Antunes Ribeiro e Mary Yoko Okamoto .Elaboração de projeto de pesquisa a partir das atividades acima apontadas.. M.

3) Elaborar projeto de pesquisa teórica e/ou interventiva compatível com o tema proposto por meio do objetivo geral e às competências exigidas nas ‘Habilidades’ acima destacadas. BIBLIOGRAFIA BÁSICA .Pesquisa e Intervenção em Psicologia I . CRÉDITOS DISTRIBUIÇÃO DA CARGA HORÁRIA CARGA HORÁRIA TOTAL TEÓRICA PRÁTICA TEOR/PRAT OUTRA 60 4 60 S NÚMERO MÁXIMO DE ALUNOS POR TURMA: AULAS TEÓRICAS AULAS PRÁTICAS AULAS TEOR/PRAT 10 OBJETIVO (Ao término da disciplina o aluno deverá ser capaz de:) OUTRAS Objetivo geral: Discutir a prática do psicólogo clínico. 5. METODOLOGIA DE ENSINO 4.PROGRAMA 02 UNIDADE UNIVERSITÁRIA FACULDADE DE CIÊNCIAS E LETRAS – CAMPUS DE ASSIS CURSO PSICOLOGIA HABILITAÇÃO FORMAÇÃO DE PSICÓLOGO OPÇÃO DEPARTAMENTO RESPONSÁVEL PSICOLOGIA CLÍNICA ANO LETIVO 2011 IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO ESTÁGIO BÁSICO I PCL-1872 Projeto: Métodos e escuta de pacientes hospitalizados I.Fundamentos da Ética.Visitação e mapeamento de territórios definidos durante as discussões e 6.Elaboração de projeto de pesquisa a partir das atividades acima apontadas. no ambiente hospitalar. 5.Funcionamento institucional. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO (título e discriminação das unidades) 4. SERIAÇÃO IDEAL 4º SEMESTRE OBRIG/OPT/ES Pré e Co-Requisitos ANUAL/SEMESTRAL T Pré-requisito: SEMESTRAL -Introdução à Pesquisa em Psicologia EST Co-requisito: . as interfaces do trabalho em equipe multiprofissional. através do referencial psicanalítico e da psicossomática. 2) Discutir o uso dos instrumentos psicológicos no ambiente hospitalar.Metodologia de pesquisa 6.Estudo de técnicas de entrevista e observação. nas diferentes condições de hospitalização: ambulatórios e enfermarias. Objetivos específicos: Permitir aos alunos: 1) Discutir a prática do psicólogo clínico.Elaboração de projeto de pesquisa a partir das práticas acima apontadas. 7. no ambiente hospitalar. e o uso dos instrumentos psicológicos no contexto.Participação semanal e em grupo da supervisão teórico-prática. através do referencial psicanalítico e da psicossomática.

KLEIN. Manual de psiquiatria infantil. WITTER. Inveja e gratidão e outros trabalhos (19461963) .E. M. Inveja e gratidão. J. ISBN 85-8500505-X. M. São Paulo – SP. J. no I Congresso de Psicologia Clínica. Extensões da psicologia clínica para área de saúde e de instituições. P. 1991. SIMON.A. 1981. Fundamentos da mudança psíquica: recursos para o manejo técnico em psicoterapia breve. AJURIAGUERRA. no ambiente hospitalar.T.MELLO FILHO. EMENTA (Tópicos que caracterizam as unidades dos programas de ensino) Possibilitar aos alunos o estudo e a prática em técnicas de entrevistas psicológicas e de observação com adolescentes e adultos. Universidade Presbiteriana Mackenzie.Trad. R.S. J. In: KLEIN. ocorrido entre os dias 14 e 18 de maio de 2001. elaboração de projeto final de estágio e apresentação deste à comunidade universitária. 2002..B. OCAMPO.L. 2(1): 75-94 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM Os alunos participantes do projeto serão avaliados através da freqüência e participação nas supervisões. Porto Alegre: Artes Médicas.2005. M. FLECK. Psicossomática hoje. O processo psicodiagnóstico e as técnicas projetivas. S. Revista Saúde Pública. Valente .P. LIMA.S. ENÉAS. G. qualidade da participação. M. Elaboração de projeto de pesquisa pertinente à população observada e pesquisada. Docentes Responsáveis: Nelson Silva Filho e Maria Luísa Louro C. leitura dos textos obrigatórios.F.L. et al. São Paulo: Editora Martins Fontes.São Paulo: Editora Masson. 36: 431438. Rio de Janeiro: Imago. Psicologia: Teoria e Prática. Trabalho apresentado na Mesa-Redonda Psicologia Clínica e Saúde Pública. 1957. 2008. A. 2000. 1992. Elias Mallet da Rocha Barros. Psicologia da saúde e produção científica. LOUZADA. Estudos de Psicologia. Associação entre sintomas depressivos e funcionamento social em cuidados primários à saúde. 25(4): 577-584 . ROSA. Psicoterapia breve operacionalizada.. M.São Paulo: Casa do Psicólogo. et al.

Instituto Felix Guattari. CRÉDITOS DISTRIBUIÇÃO DA CARGA HORÁRIA CARGA HORÁRIA TOTAL 4 TEÓRICA PRÁTICA TEOR/PRAT OUTRA 60 60 S NÚMERO MÁXIMO DE ALUNOS POR TURMA: AULAS TEÓRICAS AULAS PRÁTICAS AULAS OUTRAS TEOR/PRAT 10 OBJETIVO (Ao término da disciplina o aluno deverá ser capaz de:)  Objetivo Geral – Estudos introdutórios e práticas assistidas na abordagem de Grupos.  Manejo de grupos: dispositivos clínicos grupais..a relação grupal como intercessora. supervisão e role-playing. N. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO (título e discriminação das unidades)  Introdução aos estudos das grupalidades. semestre OBRIG/OPT/ES Pré e Co-Requisitos ANUAL/SEMESTRAL T Pré-requisito: SEMESTRAL EST -Introdução à Pesquisa em Psicologia Co-requisito: . M. BIBLIOGRAFIA BÁSICA  BAREMBLITT. MG/ 2002.PROGRAMA 03 UNIDADE UNIVERSITÁRIA FACULDADE DE CIÊNCIAS E LETRAS – CAMPUS DE ASSIS CURSO PSICOLOGIA HABILITAÇÃO FORMAÇÃO DE PSICÓLOGO OPÇÃO DEPARTAMENTO RESPONSÁVEL PSICOLOGIA CLÍNICA ANO LETIVO 2011 IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO ESTÁGIO BÁSICO I Projeto: Trabalho com grupos I SERIAÇÃO IDEAL 4º.Pesquisa e Intervenção em Psicologia I . Lucero. E.  Dispositivos em Ação: tecendo novas grupalidades.  Barros de Barros. funcionando como ‘dispositivo’ e a partir desta experiência consubstanciar e pesquisar os dispositivos grupais e explora-los.: A pesquisa em psicologia: construindo outros planos de .  Objetivos específicos – Proposta de trabalhar o grupo de estagiários.  Introdução a clínica como Clinamem .Fundamentos da Ética.  Grupalidades e Biopolíticas.  Montagem de oficinas e observação de AT’s (grupais) METODOLOGIA DE ENSINO Discussões orientadas de textos. F – Compendio de Análise Institucional e outras correntes – Ed.  Grupos: a criação do espaço do ‘comum’. A. G.

Buenos Aires. Gilles & Guattari. Guattari. Editorial Lumen  Teixeira. BARROS. Rio de Janeiro.D. Clarice Moura & Figueiredo.  Deleuze. Contra Capa Livraria. 2000. A CASA: A rua como espaço clínico – Ed. Félix (1997) –Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Psicologia: Teoria e Pesquisa.  Deleuze. 89-99. em sua vertente política e de constituição do Espaço Público. v. p. Structural Violence. Félix (1995) – Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. working-paper . Ainda. n. Editorial Biblos. 1997. 16. Félix ( 1997) – Conclusão – Regras Concretas e Máquinas Abstratas.  Saidon. 1. and Epidemics of Inequality in Latin America/Center for Iberian and Latin American Studies University of California. cuerpos y multiplicidades. In: Deleuze. Félix (1995) – Rizoma: uma introdução.  PASSOS. Osvaldo (2002) – Clínica y Sociedad: esquizoanálisis. Docentes Responsáveis: Marília Aparecida Muylaert e Wiliam Siqueira Perez . Ana Cristina (orgs) (2004) – Oficinas Terapêuticas em Saúde Mental: sujeito.  Lima. São Paulo. 71-79. BARROS. R.: As redes de trabalho afetivo e a contribuição da saúde para a emergência de uma outra concepção de público -. Buenos Aires.1. Gilles & Guattari. 2005 /Universidade Federal do Espírito Santo. EDUC.. B.  EQUIPE DE ACOMPANHANTES TERAPEUTICOS DO H. E.Psicologia & Sociedade /ISSN 0102-7182. vol. San Diego /2004 April. Félix (2004) – Psicanálise e Transversalidade: ensaios de Análise Institucional. R. 13. R. n.  Fernández.apresentado na Research Conference on:Rethinking “the Public” in Public Health: Neoliberalism. Idéias & Letras.5. Vol.17 no.Ed. p. produção e cidadania. PUC-RJ. B. Aparecida/SP. Elizabeth Araújo (2004) – Oficinas e outros dispositivos para uma clínica atravessada pela criação. Psicologia Clínica Pós-Graduação e Pesquisa (PUC/RJ). Escuta – São Paulo – 1991. pensar o Encontro Clínico também.D. 1. Brasília. Deste modo.: Clínica e biopolítica na experiência do contemporâneo. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM Freqüência e participação nas supervisões.  EQUIPE DE ACOMPANHANTES TERAPEUTICOS DO H. as problematizações incidem sobre a relação intercessora que se pode produzir no Encontro Clínico. E. In: Costa. A construção do plano da clínica e o conceito de transdisciplinaridade. A CASA: Crise e Cidade . Nesta condição.  PASSOS. R. Editora 34.  Guattari. Editora 34. trabalhar a concepção de homem-mundo que este pensamento impõe e as relações e buscas que o homem pode então empreender.2 Porto Alegre May/ Aug.análise . Gilles & Guattari.. leitura dos textos obrigatórios e realização das atividades propostas. São Paulo. Foucault e dos filósofos da diferença – trabalhar o conceito de Clínica como Clinamem e os efeitos desta condição sobre o campo clínico. In: Deleuze. Ana Maria (2007) – Las lógicas coletivas: imaginários. EMENTA (Tópicos que caracterizam as unidades dos programas de ensino) Partindo-se do paradigma ético-estético-político – através do estudo de conceitos de autores como Deleuze. Gilles & Guattari. 2001. Vol. v.

. Objetivos específicos: a) Promover a reflexão metodológica sobre estudos em psicologia. planejamento. especialmente em psicologia social b) Oferecer elementos teórico-metodológicos para pesquisa e intervenção em psicologia c) Exercitar o equacionamento de questões de pesquisa e intervenção a partir de problemas sociais d) Exercitar a elaboração de planos de estudo e projetos de pesquisa e) Exercitar a elaboração de relatórios e comunicações de pesquisa CONTEÚDO PROGRAMÁTICO (título e discriminação das unidades) 1) 2) 3) 4) 5) A diversidade das perspectivas metodológicas em psicologia A perspectiva de tomar a produção de verdades como efeito das práticas sociais Exame de pesquisas em psicologia Planejamento e referenciamento teórico-metodológico de pesquisas Elaboração e apresentação de resultados de trabalhos de pesquisa. METODOLOGIA DE ENSINO Exame e fichamento de material Discussões em grupos Supervisões de práticas e planejamentos. SOCIAL E ESCOLAR ANO LETIVO 2011 IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO ESTÁGIO BÁSICO I : SERIAÇÃO IDEAL PSE-2663 Projeto: Exame.PROGRAMA 04 UNIDADE UNIVERSITÁRIA FACULDADE DE CIÊNCIAS E LETRAS – CAMPUS DE ASSIS CURSO PSICOLOGIA HABILITAÇÃO Formação de Psicólogo OPÇÃO DEPARTAMENTO RESPONSÁVEL PSICOLOGIA EVOLUTIVA. execução e 2° semestre comunicação de pesquisa em psicologia social” OBRIG/OPT/EST Pré e Co-Requisitos ANUAL/SEMESTRAL Pré-requisito: Introdução à Pesquisa em Semestral EST Psicologia Co-requisito: Fundamentos da Ética e Pesquisa e Intervenção em Psicologia I DISTRIBUIÇÃO DA CARGA HORÁRIA CRÉDIT TEÓRIC PRÁTIC TEOR/PRAT OUTRAS CARGA HORÁRIA TOTAL O A A 0 0 60 0 NÚMERO MÁXIMO DE ALUNOS POR TURMA: AULAS TEÓRICAS AULAS PRÁTICAS AULAS TEOR/PRAT OUTRAS 0 0 0 OBJETIVO (Ao término da disciplina o aluno deverá ser capaz de:) Objetivo geral: Aproximar o aluno do campo de pesquisa e intervenção em psicologia social.

M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal. M. Manual de estilo da APA: regras básicas. APA. Porto Alegre: Artmed. Metodologia Científica em Ciências Sociais.M. 2002 ____________. Rio de Janeiro.. São Paulo: Papirus. Docente Responsável: Luiz Carlos da Rocha . Rio de Janeiro: Nau Editora. 2010 DERNO.C.BIBLIOGRAFIA ABNT. A. Porto Alegre: Abrapso Sul/ Evagrand. NBR6023: informação e documentação: elaboração: referências. FOUCAULT. A verdade e as formas jurídicas. SATO. São Paulo: Atlas. b) Elaboração de relatórios de acordo com a solicitação da supervisão. 24p. Construindo o saber.) Diálogos em Psicologia Social. Rio de Janeiro. c) Freqüência e desempenho nas atividades de estágios conforme avaliação do supervisor. P. 2002. L. NBR6023: informação e documentação: elaboração: trabalhos acadêmicos: apresentação. M. 2006 JACÓ-VILELA. 1995. 2007 CARVALHO. ABNT. (Orgs. 2002. 2008 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM a) Freqüência semanal e participação efetiva na supervisão. 6p.

c) Apresentar ferramentas conceituais e informações que possibilitem aos alunos analisar criticamente e problematizar os diferentes aspectos das diversas demandas e necessidades no contexto da infância e realidade brasileira. sobretudo os sujeitos que estão em situação de risco pessoal e social e submetidos a medidas sócio-educativas. a partir do estudo de trabalhos científicos e da vivência em projetos que tem como finalidade o atendimento de crianças e de adolescentes.PROGRAMA 05 UNIDADE UNIVERSITÁRIA FACULDADE DE CIÊNCIAS E LETRAS – CAMPUS DE ASSIS CURSO PSICOLOGIA BACHARELADO HABILITAÇÃO Formação de Psicólogo OPÇÃO DEPARTAMENTO RESPONSÁVEL PSICOLOGIA EVOLUTIVA. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO (título e discriminação das unidades) Local: Instituições que atendem crianças e adolescentes Atividades Quarto semestre: . e) Estimular o desenvolvimento de habilidades para que os alunos possam redigir e informar por meio de relatórios científicos o conhecimento produzido pela pesquisa ou pela intervenção. Objetivos específicos a) Oferecer aos alunos a possibilidade de conhecer o cotidiano dos serviços de atendimento à infância e adolescência. SOCIAL E ESCOLAR ANO LETIVO 2011 IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO ESTÁGIO BÁSICO I: SERIAÇÃO IDEAL PSE-2604 Projeto “Análise das práticas ‘Psi’ em relação à 2° semestre infância e à adolescência” OBRIG/OPT/EST Pré e Co-Requisitos ANUAL/SEMESTRAL Pré-requisito: Introdução à Pesquisa em Semestral EST Psicologia Co-requisito: Fundamentos da Ética e Pesquisa e Intervenção em Psicologia I DISTRIBUIÇÃO DA CARGA HORÁRIA CRÉDIT TEÓRIC PRÁTIC TEOR/PRAT OUTRAS CARGA HORÁRIA O A A 0 0 TOTAL 0 60 NÚMERO MÁXIMO DE ALUNOS POR TURMA: AULAS TEÓRICAS AULAS PRÁTICAS AULAS TEOR/PRAT OUTRAS 0 0 0 OBJETIVO (Ao término da disciplina o aluno deverá ser capaz de:) Objetivo geral 1. realizar mapeamento e levantamento de informações. Montar projeto de pesquisa e de intervenção. proceder a investigações. b) Ofertar ferramentas metodológicas e conceituais que possibilitem aos alunos os seguintes aspectos: efetuar registros e análises de observações de campo. sobretudo à em risco pessoal e social. d) Estimular o desenvolvimento de habilidades para que os alunos sejam capazes de construir e delimitar um problema de pesquisa e elaborar um projeto de pesquisa ou de intervenção.

ADORNO. Entre o público e o privado: ensaio sobre o valor da lealdade à palavra empenhada na contemporaneidade. A. p.elaboração e desenvolvimento do projeto de pesquisa e/ou intervenção em um serviço de saúde. & TEBEROSKY. de. Campinas (SP): Verus. M. Moderna. Vergonha. São Paulo: Ed. 1990.: Filosofando: introdução à filosofia.leitura.realização de visitas. 1988. Universidade de São Paulo. et al. P. F. In: ___. 130p. Abusados: o dono do Morro Dona Marta. New York: Harper & Row. L. Quinto semestre: .conclusão da execução do projeto.. Cotidiano das Escolas: entre violências. Quadro teórico. Desejo de saber. 1993. justificativas. Bilbao: De Desclée. (1981). Tese (Doutorado em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano) – Instituto de Psicologia. a ferida moral. et al. CASTORINA. Vozes. 2006. & HORKHEIMER. MEC. PEDRO-SILVA. M. 1980. Teoría del desarrollo moral.treino para identificação de problema. . 187p. p. M. J. UNESP. 2006. L. . estado & sociedade. 2002. FREITAG. objetivos e metodologia em pesquisas realizadas na área de enfoque do Estágio. Escola. Porto Alegre: Artes Médicas. observações e mapeamentos dos serviços de atendimento às crianças e aos adolescentes da região de Assis. BIBLIOGRAFIA ABRAMOVAY. Petrópolis. Psicologia del desarrollo moral. H. BARCELOS. C. Fenômeno Bullying: como prevenir a violência nas escolas e educar para a paz. Rio de Janeiro: Record. BECKER. FANTE. Porto Alegre: Artes Médicas. de A. 2003. KOHLBERG. 214f. The authoritarian personality. . São Paulo: Moraes. Psicogênese da língua escrita. ARANHA.divisão do grupo em duplas. São Paulo: Ed. A. Psicologia genética: aspectos metodológicos e implicações pedagógicas. 1992. LA TAILLE. 20-27. M. 1993. Observatório de violência nas escolas. METODOLOGIA DE ENSINO A supervisão será feita em grupo. M. C. b) Elaboração de relatórios de acordo com a solicitação do supervisor. 344p. com 4 horas/aulas semanais. B. Petrópolis: Vozes. 1990. 1950. Brasília: Unesco. Sexto semestre: . N. 1985. 2005 FERREIRO. In: ___. & MARTINS. c) Freqüência e desempenho nas atividades de estágios conforme avaliação do supervisor. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM a) Freqüência semanal e participação efetiva na supervisão. M.43-214. problematização e eleição de temas para pesquisa ou intervenção. A epistemologia do professor: o cotidiano da escola. C. T. São Paulo. E. KUPFER. análise. Y. elaboração do relatório final e apresentação do trabalho. Docente Responsável: Nelson Pedro Silva .

de práticas no campo da psicologia desenvolvidas em instituições e serviços públicos de saúde. f) desenvolver habilidades para que os alunos possam redigir e informar por meio de relatórios científicos o conhecimento produzido pela pesquisa ou pela intervenção. tem por objetivo possibilitar ao aluno conhecimentos e vivências. realizarem mapeamento e levantamento de informações. e) desenvolver habilidades para que os alunos possam desenvolver os projetos utilizando de maneira coerente os referenciais teóricos e as ferramentas metodológicas escolhidas para a pesquisa ou intervenção. Objetivos específicos: a) oferecer aos alunos a possibilidade de conhecer e vivenciar o cotidiano dos serviços da saúde coletiva. quando for viável. levantamento de informações. SOCIAL E ESCOLAR ANO LETIVO 2011 IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO ESTÁGIO BÁSICO I : SERIAÇÃO IDEAL PSE-2604 Projeto “Análise das práticas ‘Psi’ na política pública 2° semestre na área da Saúde” OBRIG/OPT/EST Pré e Co-Requisitos ANUAL/SEMESTRAL Pré-requisito: Introdução à Pesquisa em Semestral EST Psicologia Co-requisito: Fundamentos da Ética e Pesquisa e Intervenção em Psicologia I DISTRIBUIÇÃO DA CARGA HORÁRIA CRÉDIT TEÓRICA PRÁTICA TEOR/PRAT OUTRAS CARGA HORÁRIA TOTAL O 0 0 0 60 NÚMERO MÁXIMO DE ALUNOS POR TURMA: AULAS TEÓRICAS AULAS PRÁTICAS AULAS TEOR/PRAT OUTRAS 0 0 0 OBJETIVO (Ao término da disciplina o aluno deverá ser capaz de:) Objetivo geral: Colocar o aluno em contato direto com problemas e situações que demandam pesquisa e intervenção do psicólogo. mediante observações. d) desenvolver habilidades para que os alunos possam. c) ofertar ferramentas conceituais e informações que possibilitem aos alunos analisar criticamente e problematizar os diferentes aspectos das diversas demandas e necessidades no contexto da saúde coletiva. b) ofertar ferramentas metodológicas e conceituais que possibilitem aos alunos efetuarem registros e análises de observações de campo. Especificamente neste projeto. procederem a investigações. a partir das informações e das diferentes situações apresentadas no cotidiano dos serviços. visitas e participação. eleger e delimitar um problema e elaborar um projeto de pesquisa ou de intervenção. .PROGRAMA 06 UNIDADE UNIVERSITÁRIA FACULDADE DE CIÊNCIAS E LETRAS – CAMPUS DE ASSIS CURSO PSICOLOGIA BACHARELADO HABILITAÇÃO Formação de Psicólogo OPÇÃO DEPARTAMENTO RESPONSÁVEL PSICOLOGIA EVOLUTIVA. a partir da compreensão dos múltiplos referenciais que compõem o fenômeno psicológico.

Políticas de saúde mental no Brasil: uma visão histórica. 201p. Rio de Janeiro: Graal. problematização e eleição de temas para pesquisa ou intervenção. PITTA. 1978 LUZIO. RESENDE. (org. elaboração do relatório final e apresentação do trabalho. análise. e FIGUEIREDO. (org. São Paulo: 1997. 1995. Sexto semestre: conclusão da execução do projeto.). São Paulo: HUCITEC. Docente Responsável: Sílvio Yasui .CONTEÚDO PROGRAMÁTICO (título e discriminação das unidades) Local: Unidades de Saúde do Município de Assis Atividades: Quarto semestre: divisão do grupo em duplas. 2004. Tese (Doutorado). com 4 horas/aulas semanais.Pontifícia Universidade Católica. A. IN: Cidadania e Loucura: políticas de saúde mental no Brasil. (org. observações e mapeamentos dos serviços de saúde do município de Assis.Perspectiva.) Oficinas terapêuticas em saúde mental: sujeito. Rio de Janeiro: Ed. ARAÚJO LIMA. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria. História da Loucura. C. F. São Paulo: Hucitec. Tese (Doutorado). 2006. A Instituição Negada. Panorama/ENSP. M. A. Faculdade de Ciências Médicas. 1985. P. H. E. Vozes. Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca da Fundação Oswaldo Cruz. BASAGLIA. C. Rupturas e encontros: desafios da Reforma Psiquiátrica brasileira. F. Quinto semestre: elaboração e desenvolvimento do projeto de pesquisa e/ou intervenção em um serviço de saúde. c) Freqüência e desempenho nas atividades de estágios conforme avaliação do supervisor. Reabilitação Psicossocial no Brasil. METODOLOGIA DE ENSINO A supervisão será feita em grupo. C. 1990. COSTA. BIBLIOGRAFIA AMARANTE. Rio de Janeiro. São Paulo: Ed.) Loucos pela vida – a trajetória da reforma psiquiátrica no Brasil. realização de visitas. d) Elaboração de relatórios de acordo com a solicitação da supervisão. Rio de Janeiro: Ed. 1996. Universidade Estadual de Campinas. A atenção em saúde mental em municípios de pequeno e médio portes: ressonâncias da reforma psiquiátrica. S. Desinstitucionalização. FOUCAULT. 1987 YASUI. A. M. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clinica) . Clínica e criação: A utilização de atividades em instituições de saúde mental.M.F. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM c) Freqüência semanal e participação efetiva na supervisão. 2003 NICÁCIO. produção e cidadania.

NBR 6023: informação e documentação – citações em documentos – apresentação.. Utilizar os recursos disponíveis na Rede Unesp para acesso às bases de dados bibliográficos. Ed. bem como observar a atuação de profissionais junto a essas pessoas METODOLOGIA DE ENSINO: Supervisão Grupal / Semanal Excursão a Instituição de apoio e/ou Centro de Consulta Genética. Introdução ao estudo da deficiência mental. Clínicas. L. Propor questões. Analisar o problema a ser investigado. . NBR 14724: informação e documentação – trabalhos acadêmicos – apresentação.  Discutir e confrontar as informações colhidas com os profissionais envolvidos. Instituições de apoio a portadores de deficiências. bem como associadas ao aconselhamento genético e seus familiares  Analisar e discutir as formas de prevenção das deficiências.PROGRAMA 07 PROJETO: Genética Humana aplicada a psicologia de pessoas com deficiência I DOCENTE RESPONSÁVEL: Eduardo Galhardo DEPARTAMENTO: Psicologia Experimental e do Trabalho OBJETIVO (Ao término do estágio o aluno deverá ser capaz de:)  Elaborar projetos de pesquisa na área. ASSUMPÇÃO. 2002. F. Vetor 2002. H. Orientação para elaboração do projeto de pesquisa. ______. B. Rio de Janeiro. SP: Ed Mennon 2000.. a fim de que eles possam refletir sobre a sua própria prática e propor formas coletivas de ação. ONGS. utilizando as normas bibliográficas vigentes e as fontes de pesquisa bibliográfica  Analisar os diversos aspectos relacionados às pessoas com deficiências de origem genética e/ou ambientais. e similares População alvo: Profissionais que atuam junto a pessoas com deficiências e respectivas instituições. levantar interrogações no campo da psicologia e justificar sua relevância do ponto de vista científico e social. 2003. M.L. Redigir o projeto de pesquisa nos moldes do projeto necessário para solicitação de Bolsas PIBIC (Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica da UNESP/CNPq). Aprender a utilizar a biblioteca para levantamento bibliográfico de um determinado tema. ATIVIDADES Escolher um tema e iniciar a elaboração do problema a ser investigado. Rio de janeiro. NBR 6022: informação e documentação – referências – elaboração. Novas Abordagens do diagnóstico psicológico da deficiência mental. São Paulo. Rio de Janeiro. 2005. Rio de janeiro.M. Discussão de textos. NBR 10520: informação e documentação – citações em documentos – apresentação. Instituições. BIBLIOGRAFIA BÁSICA AMARILIAN. quais as ações visando essa prevenção junto a populações em risco de apresentar atrasos no desenvolvimento infantil e/ou qualquer tipo de deficiência. São Paulo: EPU 1986 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ______. EVANGELISTA. levando em conta a adequação de procedimentos metodológicos associados aos fundamentos epistemológicos inerentes aos diversos métodos de pesquisa em Psicologia. ______.  Atuar junto a Instituições de apoio a criança com deficiência.T. M.. Psicologia do excepcional. Planejar a coleta de dados para aplicação de métodos de pesquisa em Psicologia com abordagens quantitativas e/ou qualitativas de análise. & SPROVIERI. 2002. MODALIDADES DE ESTÁGIOS NA ÁREA Locais: Escolas.

Genética Médica. CAREY.. JORDE. E. B. “Informática e educação: uma breve introdução ao uso dos recursos disponíveis na rede” disponível on-line: http://www. E.C.unesp. Smith’s Padrões Reconhecíveis de Malformações Congênitas. PET 0976 – Biologia – Material Didático [online] Disponível na Internet via WWW. L.unesp. K.htm acesso em 14/05/2007. JONES. WHITE.br/egalhard/biologia. URL: http://www. L. Rio de Janeiro Ed.assis.assis.. FCL .J. Brasil Ed Manole 1ª Ed.. M.GALHARDO.. R.br/egalhard/infoeduc.Assis 2007. L. BAMSHAD. .htm. Elsevier 2004 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ESTÁGIO Cumprimento das atividades planejadas Análise do projeto desenvolvido – Atividades e avaliações desenvolvidas no ambiente TELEDUC.1998. Arquivo atualizado em novembro de 2005 GALHARDO. J.

Delineamento de questões específicas relativas ao tema/ instrumento escolhido e da metodologia para respondê-las. .PROGRAMA 08 PROJETO: Escalas e inventários para avaliação do comportamento e estados subjetivos DOCENTE RESPONSÁVEL: Maria Laura Nogueira Pires DEPARTAMENTO: Psicologia Experimental e do Trabalho OBJETIVO (Ao término do estágio o aluno deverá ser capaz de:) . Gorestein C. . Métodos de pesquisa em ciência do comportamento. instrumentos de rastreamento.Prática na administração de instrumentos e interpretação de resultados. especificidade. questionários de autoavaliação de hábitos e padrões de sono. sensibilidade. Psicologia da Saúde. LOCAL DE DESENVOLVIMENTO Centro de Pesquisa e Psicologia Aplicada (CPPA). O. estudantes universitários. jovens e adultos da população geral. 2000 BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR. METODOLOGIA Estudo descritivo. 2003. Porto Alegre: Artmed. C. escalas de auto-avaliação de estados subjetivos. inventários de temperamento e de qualidade de vida. Andrade LHSG. AW.. entre outras possibilidades. tais como validade. P.artigos científicos relacionados aos temas CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Freqüência às supervisões Participação nas atividades programadas Elaboração de relatório parcial. 2005 COZBY. Lemos Editorial. R. . Zuardi. ATIVIDADES . BIBLIOGRAFIA BÁSICA Straub. .Conhecer a fundamentação teórica e utilidade de alguns dos instrumentos comumente utilizados para o estudo da saúde mental e do comportamento tais como as escalas analógicas visuais do humor.familiarizar-se com as principais características de instrumentos de avaliação.Leitura de material relacionado ao tema. crianças. São Paulo: Editora Atlas. POPULAÇÃO ALVO A população alvo se dará na dependência do instrumento escolhido. Escalas de Avaliação Clínica em Psiquiatria e Psicofarmacologia. podendo variar entre clientela usuária dos serviços prestados por instituições de atendimento psicológico.Departamento de Psicologia Experimental e do Trabalho.

.Assis 2003. J. estão previstas visitas a instituições públicas.assis. Conselhos Tutelares. etc. privadas e do Terceiro Setor (Secretarias Municipais. ALVES-MAZZOTTI. ONGS. criticamente. Métodos de pesquisa em ciência do comportamento. P. GONZÁLEZ REY. M. Rio de Janeiro. JAPIASSU. F. 1998 BOCK. Rio de Janeiro. A. Método e Pesquisas. 2003 COZBY. ISBN: 85-221-0267-8. Realizar uma análise das políticas públicas e das formas de atendimento e cuidados oferecidos à crianças e jovens em situação de risco.PROGRAMA 09 PROJETO: Desenvolvimento Humano e Políticas Públicas I DOCENTE RESPONSÁVEL: Jair Izaias Kappann DEPARTAMENTO: Psicologia Experimental e do Trabalho OBJETIVO (Ao término do estágio o aluno deverá ser capaz de:) Reconhecer e analisar. como se deu a construção/evolução do conceito de infância e as implicações decorrentes das diferentes concepções disponíveis para a adoção de medidas na esfera privada (no âmbito na família) e pública (no âmbito das políticas de estado). SCARPARO. voluntários. O Mito da neutralidade cientifica. Pesquisa Qualitativa em Psicologia: Caminhos e Desafios.unesp. ______. ISBN: 85-249-0958-7. Rio de Janeiro: Imago.) que atuem nesta área. POPULAÇÃO ALVO População alvo: Dirigentes. Rio de janeiro. B. São Paulo: Livraria Pioneira Editora. H. C. O método nas ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa.htm acesso em 14/05/2007. C. São Paulo: Editora Atlas. Y. Porto Alegre: Sulina. L. São Paulo: Cortez Editora. NBR 10520: informação e documentação – citações em documentos – apresentação. & GEWANDSZNAJDER. 2a ed. 2002. . “Informática e educação: uma breve introdução ao uso dos recursos disponíveis na rede” disponível on-line: http://www. 2002. 1981. ______. H. a própria UNESP.br/egalhard/infoeduc. (Org. A. Psicologia e pesquisa: perspectivas metodológicas. ISBN: 85-224-3363-1. 2002. Psicologia Fenomenológica-Fundamentos. No que se refere às atividades de reconhecimento e acesso a dados locais. GALHARDO. 2003 FORGHIERI. E. NBR 14724: informação e documentação – trabalhos acadêmicos – apresentação.). F. FCL . Com base nesse diagnóstico elaborar pré-projeto para a realização de uma pesquisa que possibilite uma compreensão mais ampla do fenômeno LOCAL DE DESENVOLVIMENTO Locais: No que se refere ao contato com a bibliografia e outras referências disponíveis em bases de dados oficiais. Psicologia e o Compromisso Social. Conselhos de Direitos. 2000. operadores da lei e beneficiários dessas políticas públicas e dos serviços prestados por estas instituições. (Org. atores sociais. 1993. órgãos de controle social. São Paulo: Pioneira. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Acompanhamento do desempenho do aluno Cumprimento das atividades planejadas . 2005. identificando os principais indicadores relacionados a esta temática. São Paulo: Pioneira Thomson Learning. NBR 6023: informação e documentação – referências – elaboração. METODOLOGIA Aulas expositivas / Leituras dirigidas / Seminários temáticos / Debates / Supervisão ATIVIDADES Aulas presenciais / Visitas de reconhecimento / Elaboração de Préprojeto / Elaboração de relatórios / Revisão bibliográfica BIBLIOGRAFIA BÁSICA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS.).

Análise do relatório final do estágio .