You are on page 1of 52

SACRISTÁN, María Sol Velasco.

Publicidad y Género: Propuesta, diseño y
aplicación de un modelo de análisis de las metáforas de género en la
publicidad impresa en lengua inglesa. Universidad de Valladolid, Tesis de
Doctorado, 2002

Papel que juegan las metáforas en el marco amplio de la comunicación encubierta que se sirve de un
tipo de lenguaje especializado empleado por un emisor con el objeto de dirigir la interpretación de un
receptor (16)

La metáfora es una figura de pensamiento con carácter heurístico que permite concebir una
categoría en términos de otra. Su valor persuasivo hace de ella un elemento imprescindible de la
comunicación publicitaria, sobre todo como mecanismo que imprime una ideología específica que el
receptor interpreta en un contexto sociocultural concreto (17-18)

En la investigación lingüística más reciente cobra un gran valor el concepto de “corpus”, entendido
como colección de datos almacenados en formato electrónico representativos de una lengua o
variedad (cf. Sinclair 1991; Baker 1995; Pearson 1998). (20)

Nuestra investigación en este proyecto se sirve de la perspectiva funcionalista de la pragmática […]
y el estudio del lenguaje en uso prestando especial atención al análisis de las funciones (21)

También son objeto de estudio de la pragmática las aportaciones de otras ciencias o disciplinas y, en
este sentido, nuestra investigación es interdisciplinar, ya que pretende unir las ramas científicas de la
lingüística, la semiótica y la sociología (21)

Es este paradigma, por último, el que da cuenta de la competencia comunicativa en su doble
vertiente de comprensión y producción del discurso, algo crucial si se tiene en cuenta que con los
enunciados publicitarios se logra transmitir información que no se explicita en las formas lingüísticas
empleadas en la comunicación (cf. Alcaraz Varó 1990: 116-117) (21)

En una primera fase del análisis el método usado ha sido científico-inductivo, ya que hemos
empleado una muestra textual y hemos procedido a su descripción con el objeto de extraer
unas conclusiones sobre las que aplicar ciertas generalizaciones. En una segunda fase el
método ha sido hipotético-deductivo, puesto que hemos formulado una hipótesis explicativa a
partir de la teoría del critical language awareness (Kress y Hodge 1979; Fairclough 1989, 1991;
(21)

El lenguaje publicitario sobrepasa en su naturaleza y desarrollo los límites en que se ha movido el
lenguaje verbal, por lo que ha sido preciso para fundamentar esta investigación tener en cuenta
diversas aproximaciones al campo desde ciencias colindantes, como por ejemplo, la economía, la
sociología, la psicología, la antropología o la semiótica.(25)

Por otro lado, los autores de la llamada “interpretación marxista de la semiótica”, especialmente
Rossi-Landi (1975) y Kim (1998), se esfuerzan por trazar una analogía entre la economía y la
lingüística. Al igual que la teoría crítica de la economía política, consideran a las mercancías signos,
lo que les permite comparar las de tipo económico con las de carácter lingüístico. Su interés se
centra en la teoría del valor de Marx, pero a la vez sugieren un “modelo triangular triple” para la
producción de esta mercancía que combina los objetos materiales, las acciones humanas y los
productos. Aportan, por ello, una nueva visión de semiosis que integra en su seno el proceso de
producción, consumo e intercambio de signos (cf. 1.3.2.7) (40)

La teoría psicoanalítica nunca ha supuesto que los símbolos funcionen así: la interpretación del
comportamiento simbólico, el lenguaje, los sueños y las asociaciones, implican un proceso más
complejo y dirigido al individuo más efectivamente, lo que supone diferentes respuestas
idiosincrásicas en la gente y no un comportamiento universalmente predecible (cf. Irving 1995: 4 de
10).(44)

La vertiente económica de estudios publicitarios, muestra cómo la “economía política del signo”
ayuda a los individuos a integrarse en la sociedad de consumo, en la que los signos proliferan y
determinan su curso de desarrollo. Merced a este idealismo semiológico asigna fuerza social primaria

y eficacia a los signos, códigos, simulaciones, etc.(45)

Irving (1995), finalmente, muestra su oposición radical al espíritu básico de la teoría social marxista,
ya que opina que la gente no crea su propia realidad sino que es innata, por lo que estaría presente
en los sistemas culturales que reflejan las relaciones económicas y sociales dominantes. Según
Irving la oposición al capitalismo es absurda porque “there is nothing inherently sinister or unique in
the fact that a system involves a preconstituted culture and therefore an ‘imposed reality’” (1995: 8 de
10).(46)

La psicología es otra de las disciplinas que ha mostrado interés por la publicidad. Su principal línea
de investigación se orienta hacia el estudio de la incidencia directa de la publicidad sobre los
procesos cognitivos y conductuales de los consumidores (48)

Hoy en día, como vamos a ver a continuación, predominan los modelos cognitivos, que se ocupan
fundamentalmente del modo en que se reciben los mensajes y de las consecuencias que estos
tienen sobre el universo del receptor, efectos que se miden a tres niveles: actitudinal, volitivo y
conductual (cf. González Martín 1996: 433).(49)

Barros García propone, por su parte, un análisis sobre los diferentes recursos lingüísticos empleados
en publicidad en el nivel fónico, morfosintáctico y léxico.(54)
Paradigma funcionalista

El funcionalismo estudia las funciones y unidades del lenguaje en su interacción social. Este modelo
propone la hipótesis de la naturaleza teleológica de las funciones cognitivas y sociales del lenguaje
como medio de comunicación cultural. Se superan en este paradigma las limitaciones formalistas del
paradigma estructuralista y se añaden a la teoría gramatical del usuario (competencia lingüística
puramente gramatical) la pragmática (competencia comunicativa) y la cognitiva (lógica y epistémica).
Uno de los modelos de gramática funcional más conocido es el de la gramática sistémica, que surge
en los años 60. Se trata de un modelo descriptivo que está formado por cuatro categorías: unidades,
estructuras, clases y sistemas (cf. Halliday 1961, 1985/1994; Fawcett 1981; McCarthy 1991; Bloor y
Bloor 1995; Widdowson 1997). (58)

La aparición de esta gramática supuso un cambio de inflexión en la consideración del lenguaje como
instrumento de comunicación, cuyas realizaciones no se consideraban ya exclusivamente lingüísticoformales, sino dependientes de parámetros sociolingüísticos. No sorprende, por ello, que esta
gramática abra puertas a una teoría realista sobre el lenguaje publicitario y que haya, en
consecuencia, una gran abundancia de estudios que abracen este modelo gramatical, como pasamos
a ver a continuación (58)

La semiótica se afianza como teoría importante en los años 60 y se dedica al estudio de los signos
(cf. Chandler 1994: 2 de 5). Surge con Peirce (1839-1914) y recoge el testigo de la tradición
saussureana (1857-1913). En ella encontramos tres partes bien delimitadas: la semántica, que estudia
el significado de los signos; la sintaxis, que estudia la relación entre los signos; y la pragmática, que
estudia cómo se usan e interpretan los signos [cf. Ullman (1972: 15); Nöth (1990: 50)].

Dentro de semiótica surge además la teoría de la iconocidad con Jakobson en 1962, como respuesta
a las innumerables críticas al principio saussureano de la arbitrariedad del signo lingüístico. Jakobson
se sirvió de la tipología de signos de Peirce (1955 (1902))14, y de la teoría lingüística de Kruszewski
para afirmar la relación no arbitraria de similitud entre significante y significado que se presenta en los
diferentes niveles de la lengua [cf. Radwánska-Williams (1994: 25); Hiraga (1994: 19)]. Junto con
Jakobson y Peirce algunos de los seguidores de la semiótica han sido Haiman (1992), Eco (1978) y
Givón (1995) (63)

La retórica es uno de los recursos a los que se alude con frecuencia para explicar el lenguaje
publicitario como mecanismo de imposición de sentidos. En realidad, éste ha sido siempre un
excelente dispositivo de eficacia comunicativa, puesto que se trata de un recurso formal
adecuado para provocar una determinada actuación (cf. González Martín 1996: 223). En esta
aproximación concreta a la publicidad resurge una polémica clásica sobre la naturaleza de la
retórica: su valor como ciencia de la persuasión o como ciencia estética. (64)

La convergencia que más nos interesa es la del análisis del discurso y la semiótica. En realidad
estas dos disciplinas tienen mucho en común. Baste señalar, por ejemplo, el interés de ambas
por el término “discurso”. En lingüística se reserva al análisis formal de unidades por encima
de la frase. En semiótica, sin embargo, se trasciende el nivel estrictamente formal y se tiene en
cuenta la ideología. Un estudio que aplica un enfoque de corte semiótico-discursivo a la
traducción de aspectos culturales en anuncios persuasivos es el de Bezuidenhout (1998).(73)

La semiótica se presenta por ello como la alternativa más válida para estudiar el sistema
publicitario. Según González Martín, a quien seguimos en nuestro razonamiento, existen al
menos tres razones que justifican esta opción: * Los conceptos semióticos como signos,
códigos, texto y contexto desarrollan una función epistemológica instrumental, que los hace
operativos en campos significantes muy diferentes, poseyendo además la capacidad de
unificar en su funcionamiento a factores dispersos. La semiótica se presenta como la única
teoría capaz de posibilitar una descripción unificada y general de fenómenos comunicativos
complejos y heterogéneos. *La teoría semiótica ofrece un modelo jerarquizado de descripción
(sintaxis, semántica y pragmática) capacitado para la explicación de múltiples objetos
significativos, lenguajes, que trascienden el ámbito de lo verbal. * Todo lenguaje que quiera
servir actualmente como medio de actuación tendrá que estar constituido por sistemas
sincréticos cada vez más complejos, este es el verdadero objeto de estudio de esta teoría.
(1996: 214-215) (78-79)

El paralenguaje incluye todo aquello que “is literally beyond complete description in language
because it belongs to a different kind of communication” (Cook 1992: 67).

En nuestra investigación hemos considerado paralenguaje todos aquellos códigos que no son
ni verbales ni visuales7 y que dan cuenta de los siguientes aspectos: tamaño del cuerpo,
postura, evasión psicológica, subordinación ritualizada, ranking funcional, localizaciones,
tacto/manipulación, movimiento, riesgo, miradas, distancias, apariencias y gesto8. Estas
categorías aportan información adicional al código o códigos principales del mensaje
publicitario. En nuestro caso particular son visibles, de forma mayoritaria, en la imagen y
ayudan a delimitar, en no pocos casos, la presencia de metáforas de género que discriminan a
la mujer en los anuncios publicitarios (cf. 5.2.5.1.1.1 y 6.3.4.2). (98)

La teoría de los actos de habla fue introducida en la filosofía del lenguaje por AUSTIN (1962) y
supone el reconocimiento explícito de la dimensión interpersonal del comportamiento
lingüístico (cf. Moriyón Mójica 1994: 27). En su análisis pragmático del texto pone de relieve el
predominio de la relación mensaje-receptor, que corresponde a la función impresiva, función
desde la que se busca el acercamiento del receptor-consumidor al producto publicitario (cf.
Moriyón Mójica 1994: 40). Las implicaturas, concepto básico de la pragmática, explican que se
produzcan intercambios conversacionales (101)

La noción de implicatura según Grice (1975) pretende mostrar cómo todas estas instrucciones
están de alguna manera codificadas en el lenguaje. Ahí es donde entran en acción las reglas de
conversación, que son unos principios generales del uso del lenguaje resumidos en el principio
de cooperación.(101)

La noción de código, tal y como la concebimos aquí, es de una transcendencia innegable. Su
existencia posibilita, gracias a su versatilidad y variedad, la producción de múltiples expresiones
metafóricas (i.e. verbopictóricas, pictórico-verbales, verbo-olfativas, pictórico-olfativas, verbopictóricoolfativas, etc.) (cf. 5.2.4 y 5.2.5.1.2).(106)

Los funcionalistas, finalmente, consideran al lenguaje un tipo de actividad comunicativa, de origen y
naturaleza sociales, por medio de la cual los miembros de un grupo social pueden satisfacer más
eficazmente sus necesidades individuales y comunicativas (Morris 1985: 36).(110)

“La adjetivación como recurso expresivo” –señala Barros García– “es imprescindible en un lenguaje
concebido para persuadir a los posibles consumidores, ponderando, a veces en exceso, las
excelencias de los productos que se ofrecen. El éxito o el fracaso del mensaje publicitario (...)
dependen en gran medida del acierto en la elección de los adjetivos y su distribución”.(129)

A menudo se viene ignorando la distinción entre la metáfora y la metonimia, y lo que es más
frecuente, entre la metonimia y la sinécdoque. Por lo que respecta a la metáfora ha de considerarse
que, como figura de sustitución que es, actúa en el nivel paradigmático, mientras que la metonimia,
que es una figura de combinación o expansión, actúa en el nivel sintagmático (Jakobson 974, cf.
5.2.4.1)51. La diferencia entre la metonimia y la sinécdoque es, sin embargo, más elusiva. De
conformidad con la retórica tradicional clásica hay que entender que la metonimia es una figura que
posibilita diversas relaciones de contigüidad: continente por contenido, abstracto por concreto, etc.
mientras que la sinécdoque se emplea exclusivamente para relaciones de la parte por el todo (i.e.
instrumento por persona) [cf. Peninou (1976); Cook (1992: 62-63); Myers (1994: 127) y CONTROL
CRÓNICA (38) (1999:440)].(179)

En primer lugar, y por lo que respecta al papel de la ideología en el discurso publicitario, la
publicidad “firmly embeds the mass of the population within the capitalist commodity system by
assigning them the legitimate and even desirable role of ‘consumers’” (Fairclough 1989: 36).(412)

Una de las características más relevantes de la ideología que discurre por el discurso publicitario es su
carácter encubierto, que le permite apuntar hacia las relaciones sociales de forma implícita (cf.
Fairclough 1989: 49). No debemos olvidar, en este sentido, que el proceso de comunicación
publicitaria está guiado por el emisor, que gracias a su especialización se sirve de un sin número de
recursos sincréticos (verbales y no-verbales) que presenta de forma indirecta al receptor y que le
guían en su interpretación del mensaje. (412)

Las metáforas constituyen importantes recursos ideológicos que permiten inculcar ideología
de forma soterrada, sobre todo en discursos persuasivos como el político o publicitario [cf.
Fairclough (1989: 119-120) y Thomas y Wareing (1999: 43)]. Este potencial pragmático proviene
de su valor cognitivo, que las convierte en un recurso útil para representar un tipo de
experiencia mediante otra, creando así una ideología específica (cf. 6.3.2.1). A menudo
coinciden la intención y el ambiente cognitivo del emisor y el del receptor, especialmente
cuando se emplean para abordar problemas sociales (por ejemplo enfermedades) intentando
con ello aminorar los efectos que tendría un lenguaje denotativo (cf. Fairclough 1999: 120).(414)

Las metáforas se convierten entonces en mecanismos que ponen de manifiesto ciertas
tendencias subterráneas que afloran si se pone en marcha un proceso de análisis crítico de las
mismas.(414)

El enfoque del constructivismo cree que el mundo que nos rodea sólo es accesible a través de
mecanismos interpretativos, entre ellos la metáfora, que tendría poder creativo mientras que el
enfoque de la ausencia de constructivismo opina que la realidad existe independientemente del
conocimiento y lenguaje humanos, con lo que se distingue entre lenguaje literal y el propio de los
tropos. (429)

El estudio de la metáfora en el paradigma generativista plantea un problema esencia: su
asignación a la “competencia” o a la “actuación” del individuo. A este problema se suma otro, como
señalan Lakoff y Johnson (1980): el que los conceptos metafóricos básicos y las metáforas
convencionalizadas se creen como parte del lexicón, pero se proyecten en la lengua de diferentes
formas. Lakoff y Jonson (1980) parten de un modelo generativista cuya visión es híbrida. De esta
forma, su análisis de la figura como ejemplo de interacción social está próxima a los postulados
funcionalistas (Halliday y Hasan 1976, Halliday 1985/1994, McCarthy 1991, etc.). Por otro lado, el uso
del concepto de slot para explicar inicialmente el proceso de proyección de las metáforas recuerda a la
tagménica de Pike (1992). Su interés, asimismo, por explicar la influencia que tienen las metáforas en
el comportamiento de los hablantes y el papel que desempeñan los mecanismos heurísticos en las
estructuras mentales indican interés por el aspecto performativo de la metáfora, lo que les acerca a la
pragmática (Austin 1962, Grice 1975, etc.). Y lo que es más importante aún, disienten de la teoría
estándar de Chomsky, lo que les aleja del espíritu inicial de la gramática generativa. Este último
aspecto es crucial para entender su contribución al estudio de la metáfora: “metaphor gives meaning to
form (…) syntax is not independent of meaning, especially metaphorical aspects of meaning” (1989:
138).(431)

La incapacidad para dar cuenta del fenómeno metafórico a nivel discursivo propició el declive de la
semántica generativa a finales de los años 70, lo que supuso la aparición de dos nuevas

aproximaciones semánticas: la “semántica de las condiciones de veracidad”, defendida por Partee
(1972, 1975), Montague (1974) y Lewis (1975) y la “semántica de los prototipos” en la que
encontramos a Fillmore (1977), Rosch (1983), MacCormac (1985), Sweetser (1990/1993) y Lakoff
(1992). Mientras que la primera estudió la metáfora como fenómeno comunicativo en el enunciado, la
segunda se centró en la defensa del carácter metafórico del lenguaje.(432)

Ante la incapacidad de la pragmática para dar cuenta del proceso interpretativo de la metáfora, la
psicolingüística investiga la correlación entre el comportamiento lingüístico y los procesos psicológicos
subyacentes; en otras palabras, estudia los procesos mentales que subyacen a la producción y
comprensión del lenguaje y a su aprendizaje (cf. Ducrot y Todorov 1979; Crystal 1985; Richards et al.
1985).(433)

La lingüística cognitiva estudia el lenguaje como una parte más de la organización cognitiva del
ser humano, que desempeña además un papel esencial en la interacción de éste con su
entorno. La principal ventaja de esta corriente es que consigue, en palabras de Samaniego
Fernández, “aunar los logros obtenidos por las distintas aproximaciones para aplicarlos a los
mecanismos cognitivos de representación y almacenamiento de la información” (2000:
230).(434)

Por otro lado, Lakoff y Johnson (1980) presentan una taxonomía de las metáforas conceptuales en
base a varios tipos: de orientación o espaciales, ontológicas, estructurales, nuevas, etc. Sweetser
afirma que la metáfora no es un hecho meramente lingüístico, sino un fenómeno unido a una
comunidad cultural. La cognición metafórica consiste en la estructuración metafórica de un campo
(epistémico domain) en términos de otro (socio-physical domain) y se lleva a cabo mediante una
“proyección”.(435)

En la actualidad a un resurgimiento del interés por el estudio conjunto de la metáfora cognitiva y del
problema semiótico de la conicidad12. Hiraga (1994: 3), por ejemplo, cree que la metáfora cognitiva se
puede interpretar como la relación icónica entre el lenguaje y el mundo a la vez que da cuenta de la
omnipresencia de la metáfora en todos los aspectos de la vida humana. Dentro de las investigaciones
que se centran en la iconicidad existen dos corrientes de estudio: la de la iconicidad diagramática y la
de la lingüística cognitiva, esta última profundiza en la iconicidad metafórica. Ésta se refleja en tres
aspectos: la metáfora gramatical, la metáfora convencional y la metáfora poética. (438-439)

BENJAMIN, Walter, 1892-1940. Magia e técnica, arte e política : ensaios sobre literatura e
historia da cultura / Walter Benjamin; tradução Sergio Paulo Rouanet ; prefacio Jeanne
Marie Gagnebin. - 7. ed. - Sao Paulo : Brasiliense, 1994. No amor esoterico, a dama é de todos os seres o mais inessencial (25)
É a reminiscencia que prescreve com rigor, o modo de textura de nossas vidas (37)
Nem sempre proclamamos em voz alta o que temos de mais importante a dizer (40)

MORSE, Richard McGee. O espelho de Próspero : cultura e idéias nas
Américas / Richard M. Morse ; tradução Paulo Neves.—São Paulo :
Companhia das Letras, 1988.

A política leva-nos às ultimas premissas de crença de uma sociedade e aos modelos conceituais que
adaptam tais premissas aos problemas de moralidade pública, consciência privada e ciência ou
“Ciência Social” (53)

A questão do determinismo não é o que é que ele determina, mas reconhecer que a explosão
capitalista-cientifica originalmente alimentada, quando não “determinada”, por imperativos morais e
religiosos, adquiriu impulso próprio e, há dois séculos pelo menos, vem corroendo esses imperativos
originais (27)

a referencia à eliminação da sensibilidade pré-moderna surge concentrada na temática (exposta de modo brilhante) da nova hierarquia entre razão. Disponível em< http://analisesocial. Os juristas como couteiros. se tornam justas e obrigatorias (1184)  As culturas “selvagens” afirma Ernest Gellner. artes. “nacional” y apolitica altamente “desarrollada”) rol de agente de la explotacion […] de agentes de la represion […] o de profesionales de la ideologia que saben tratar a las conciencis con el respeto. a de um ilimitado numero de modelos de ordem. “moral”. Entre ambas fornecem os critérios necessários à classificação das práticas sociais como superiores ou inferiores (1183). Debe.pt/documentos/1218730673W4tYC7xw4Vr07TF8.) (12) Cada grupo social está prácticamente provisto de la ideologia que conviene al rol que debe cumplir en la sociedad de clases: rol de explotado (con “conciencia profesional”. a “redactar” bien (6) Los aparatos ideologicos del Estado es un cierto numero de realidades que se presentan al observador inmediato bajo la forma de instituciones distintas y especializadas como. el chantaje. 2001. el aparato ideologico cultural (literatura. toda formación social. supervisão. 1988. debe reproducir las condiciones de su producción. 2) las relaciones de producción existentes (3) […]En la escuela se aprenden las “reglas” […] de las conveniencias que debe observar todo agente de la division del trabajo. sem as quais as culturasjardins seriam dominadas pela selva (1185)  A referencia à cultura popular tradicional é praticamente a única prova de pluralismo pos-moderno.pdf>  A típica visão moderna do mundo é a de uma totalidade essencialmente ordenada. Ideologia y aparatos ideológicos del Estado. pelo contrario. “civico”. la demagogia convenientes adaptados a los actos de la Moral la Virtud. Para se reproduzirem necessitam de uma intenção e de uma supervisão. Freud y Lacan. As culturas “cultivadas” ou “culturas-jardins”. cada um deles gerado por um conjunto de práticas relativamente autônomo ( 1184)  A estratégia de trabalho intelectual tipicamente moderna é melhor caracterizada pela metáfora do papel do “legislador”.. Correspondentemente. Antonio Manuel. etc. XXXVI (161). Nueva Visión. Consiste esta em fazer afirmações autoritárias que arbitram controvérsias de opinião e selecionam opiniões que. según el puesto que está “destinado” a ocupar […] Se aprende tambien a “hablar bien el idioma”.infoamerica.. Para existir. por ejemplo. Louis. p. são apenas mantidas por meio da intervenção de pessoal literário ou especializado.ul. tendo sido selecionadas. a presença de um padrão de desigual distribuição de probabilidades permite uma espécie de explicação dos eventos que – a estar correta – é simultaneamente uma ferramenta de previsão e (se disponíveis os recursos necessários) de controle (1183). Buenos Aires. A ordem na Europa ocidental dos inícios da idade moderna. interesse e paixão (1187) ALTHUSSER.pdf.  A eficácia do controle e a correção do conhecimento estão intimamente ligadas [. al mismo tiempo que produce y para poder producir. reproduzem-se a cada nova geração sem intenção consciente.  A visão do mundo tipicamente pos-modernista é. Disponible en <http://www. vigilância ou especial nutrição. reproducir: 1) las fuerzas productivas.] seja na experiência laboratorial. seja na prática social.HESPANHA. em principio. In: Análise Social.ics. vol. pues. es decir el desprecio.org/documentos_pdf/althusser. La Nacion etc (19) . 1183-1208.

a ceras realizações territoriais relativas. uma das causas que intensificou a hibridação cultural.. etnias e nações (4) Houve transformações culturais geradas pelas ultimas tecnologias.. frente à pergunta de se preferimos Sarmiento ou Rosas. nem autogerado nelas. Ao chegar à beira do século XXI.. o “outro” é o que transgride as fronteiras (26) O homem é construído e renovado em deslocamentos [. dentre elas.] porque essa relações antitéticas (proletário-burgues.. rechaçando a barbárie do autóctone.. poderes oblíquos.. com linguagens próprias do neoliberalismo e com a ideologia do consumismo. biculturais e binacionais tem sua equivalência nas relações com a própria historia (9) Onde as fronteiras se movem [. (5) Os meios massivos também contribuem para superar a fragmentação entre urbano e rural (5) A vida urbana transgrede a cada momento a ordem o homem atual: coisificando.. o habitante da “imensidão dos pampas”..] o simulacro passa a ser uma categoria central da cultura. especialmente no século XIX (19) As historias em quadrinhos se tornaram a tal ponto um componente central da cultura contemporânea e[. Culturas Híbridas.. São Paulo: EDUSP.estratégias para entrar e sair da modernidade . graças à hibridação das classes. Néstor García. A desterritorialização e a reterritorialização [. simultaneamente.] uma aliança inovadora. branco-indigena) se entrelaçam umas com as outras. (8) A incerteza gerada pelas oscilações biolingüísticas.....CANCLINI. como pretende o pós-modernismo neoconservador (20) A hibridez tem um longo trajeto nas culturas latino-americanas. desde o final do século XIX.] contribuíram para mostrar a potencialidade visual da escrita e o dramatismo que pode ser condensado em imagens estáticas (24) Há um século. entre a cultura icônica e a literária [. parciais. (7) Os movimentos interculturais mostram sua face dolorosa: o subemprego e o desarraigamento de camponeses e indígenas que tiveram que sair de suas terras para sobreviver.. artístico.283-350: Culturas híbridas..] Não se apagam os conflitos. o primeiro..] não desaparecem [. p. desde séculos passados. 1997.] pela identidade e pelo nacional. . Ao argumentar contra o excessivo peso do tradicional no estudo das culturas populares [. o segundo.] se demonstra o que não ha de tradicional. ou por uma reivindicação enérgica do nacionalpopular. Tradução de Ana Regina Lessa e Heloísa Pezza Cintrão. à perda da relação “natural” da cultura com os territórios geográficos e sociais e..(7) Entrar e sair da modernidade é assumir que existem tensões entre desterritorialização e reterritorialização. dois processos que se referem.] ao gerar novas ordens e técnicas narrativas [. São produtos híbridos. quando as indústrias culturais como as historias em quadrinho e as telenovelas nos fazem habitar um espaço internacional..] o humorista é profissional da ressemantização. é melhor nos aproximarmos de Inodoro Pereyra (25) Inodoro representa na mitologia do gaucho o que não reconhece fronteiras. das velhas e novas produções simbólicas. pela defesa da soberania [.. os argentinos discutem se a política cultural deve optar pela civilização das metrópoles.. a expansão urbana. simulados. especialista em deslizamento de sentidos (27) O processo de hibridação não pode ser analisado nos confrontos de ações verticais [.

e de organização nos dominios morais. mas não falam todos a mesma língua. nada é tão fundamental (juntamente com as relações de tempo) quanto a organização espacial. 1997. ou as frações dominantes dos países surgidos da colonização tentam apropriar-se do monopólio da informação. distribui e pensa tudo “que aconteceu” (127) Se é verdade que qualquer atividade humana passa ser cultura. da cultura e da ortodoxia ideológica. O caminho tomado e seguido normalmente por um movimento que regata sua autonomia é exumar. Representam. A cultura no plural / Michel de Certeau .br/books?> É necessário aceitar a explosão da língua em sistemas diversificados. ela não o é necessariamente ou não é ainda forçosamente reconhecida como tal. Philippe. 1925-1986.. não basta ser autor das praticas sociais. As desigualdades naturais e culturais geram entre eles consideráveis diferenças (17) A sociedade investe a vida cotidiana e o meio ambiente humano de sentido. SP : Papirus.] Universos culturais insubstituíveis desaparecem para sempre (15) Os seres humanos são dotados de palavras. RJ: Vozes. na ideologia. 2005. simulam as ações sociais. Clasius. – Campinas. mais que ações. Ela apaga da historia os conflitos e as relações entre grupos ou entre classes. tradução Enid Abreu Dobranszky.4ª ed.. – Petrópolis.Antropologia / Philippe LaburtheTolra. Para que haja verdadeiramente cultura. Em todos os lugares do mundo. isto é. de direções e intencionalidades de traços culturais normativos. numa luta impiedosa contra o direito à diferença social e cultural [. as implicações políticas e sociais que ai se acham envolvidas (148) A ideologia de todo movimento liberal ou capitalista tem como característica considerar os fenômenos sociais apenas sob o ângulo de uma lei geral em sua relação com vontades individuais. revisão de tradução. no discurso (146) A manifestação cultural é apenas a superfície de uma unidade social que ainda não encontrou sua propria consistencia político-cultural (146) Permanecer nessa apresentação cultural é entrar no jogo de uma sociedade que constituiu o cultural como espetáculo e que instaura por toda parte os elementos culturais como objetos folkloricos de uma comercialização econômico-politica (146) A reinvidicaçao cultural não é um fenômeno simples. Michel de.com. atuações. o querer coletivo (153) . ou valores. o estado-naçao. mas so às vezes operam como uma ação (30) LABURTHE-TOLRA. segundo a qual se classifica. tradução de Anna Hartman Cavalcanti . Disponível em<http://books.google. Etnologia.conseguindo nessa união uma eficacia que sozinha nunca alcançaria (28) As práticas culturais são.. Jean Pierre Warnier . religiosos e filosóficos (18) CERTEAU. é preciso que essas praticas sociais tenham significado para aquele que as realiza (141) A minoria não possui força política efetiva. pelo menos enquanto se mantem as estruturas centralizadoras que eliminam a possibilidade social de que uma minoria se manifeste por sua própria conta: cai-se então. sob a manifestação cultural que corresponde a um primeiro momento de tomada de consciência. Ela elimina desse modo. Jaime A. mas articulados (125) Na linguagem corrente.

. Petrópolis : Editora Vozes.. Artes de Fazer. nos pressiona dia apos dia.] a forma sob a qual a palavra. In: dialogo Educ.. a partir do interior” (CERTEAU.] “O cotidiano é aquilo que nos prende intimamente.. Ontem constituído em segredo. retorna 9229) Entre os instrumentos e a carne. n.. 115-128.. pois apenas são sintomas reveladores (38) As maneiras de fazer constituem as mil praticas pelas quais usuários se reapropriam do espaço organizado pelas técnicas da produçao socio-cultural (41) A atividade leitora apresenta [. p. Marilia Claret Geraes. nos oprime. 1998. efeito ou metonímia do corpo (249) O grande silencio das coisas muda-se no seu contrario através da mídia. 3ª Edição. dos hábitos (116) No contexto da classe social “ha uma acusação forte de que o cotidiano sempre ficou à margem de concepções totalizadoras que remetem a explicação da realidade social às estruturas que modelam e cristalizam a sociedade global (117) GERALDI sugere que houve um movimento de inversão de perspectiva. set/dez.. 2007.. as “artes de fazer” dos praticantes. 1996.] à maneira de um rastro no texto. dor inarticulável. A Invenção do Cotidiano. difícil de delimitar e que. 22. A diferença cultural nos grupos singularizados .. pode ser designado como o dos procedimentos (109) A escritura e a linguagem tem uma relação. intersecçoes de espaçoes escritos...] um jogo que se traduz de um lado por uma mudança na ficção (uma correção do saber) e. a titulo provisorio. nascida do desvio no uso dos produtos recebidos e que reconhece os discursos táticos dos consumidores (117) Segundo CERTEAU 'o cotidiano é aquilo que nos é dado cada dia (ou que nos cabe em partilha). um deslocamento da atenção para um “nao-lugar”. aquele da criação anônima. Maneiras de pensar o Cotidiano com Michel de Certeau. dos rituais. pois existe uma opressão no presente”[. 7.] perceber [. dança efemera (49) O enfoque da cultura começa quando o homem ordinário se torna o narrador. Curitiba. Uma não vai sem a outra. mas deve-se [. p. recuperando as . improvizaçaõ e expectação de significados induzidos de certas palavras. O tema do cotidiano aparece frenquentemente nas pesquisas das Ciências Humanas evidenciando a preocupação pelas questões do dia-a-dia. v. as operações astuciosas e clandestinas (118) CERTEAU inverte a forma de interpretar as práticas culturais contemporâneas. impensado da diferença corporal (237) A voz se insinua [. existe [. 31) (118) CERTEAU tem compromisso em narrar “práticas comuns”.] todos os traços de uma produção silenciosa: flutuação através da pagina. quando define o lugar (comum) do discruso e o espaço (anônimo) de seu desenvolvimento (63) As praticas cotidianas estão na dependência de um grande conjunto. pelo grito. metamorfose do texto pelo olho que viaja. agora o real tagarela (286) DURAN. hoje.. Michel de.CERTEAU.muitas vezes privilegiados e folclorizados – não pode ser localizada.. do outro.

maio 1977. isto é. p. nao é forçosamente reconhecida como tal. mas ela nao o é necessariamente ou. segundo etnólogos e semiologos é mais um objeto de intelecção do que um instrumento de ação (ou de poder) (2) A língua é feita para comunicar. Isso significa aprender a çlinguagem como “um conjunto de praticas onde a propria pessoa do analisador se acha implkicada e pels quais a prosa do mundo opera (119) CERTEAU propoe uma imersao de perspectiva de um deslocamento da atençao dos produtos recebidos para a criaçao anonima (120) Para CERTEAU (1994. Todas as transações lingüísticas particulares dependem da estrutura do . o que significa a impossibilidade de um discurso “sair dela” e colocar-se à distancia para observa-la e dizer o seu sentido. ou seja. a fortiori. Daí. 34. P. a maneira de realizá-Ia e as condições de sua realização são indissociáveis. entre outras conseqüências. a linguagem define nossa historicidade. portanto. (1-28) O sociólogo não pode escapar a todas as forças mais ou menos larvares de dominação que a lingüística e seus conceitos exercem ainda hoje sobre as ciências sociais (1) Quais são os efeitos sociológicos que os conceitos de língua e palavra. que o universo social é um sistema de trocas simbólicas3 e a ação social um ato de comunicação (2) A linguagem é uma praxis: ela é feita para ser falada. fazer a teoria das praticas [propondo] “algumas maneiras de pensar as praticas cotidianas dos consumidores (119) Para CERTEAU. decifrada. fora desse terreno. e estabelecendo uma (re)apropriação do espaço e do uso ao jeito de ser de cada uma (119) CERTEAU busca encontrar os meios para “distinguir maneiras de fazer”. para ser compreendida. é preciso que essas praticas sociais tenham significado para aquele que as realiza” (120) BOURDIEU. ou de competência e performance produzem quando se aplicam ao terreno do discurso ou. nao basta ser autor das praticas sociais. In: BOURDIEU. nos dicionários) fora de um modo de produção lingüístico concreto.astucias anônimas das artes de fazer – esta arte de viver a sociedade de consumo (119) CERTEAU […] nos mostra que “o homem ordinário” inventa o cotidiano com mil maneiras de “caça nao autorizada” […] de “artes de fazer”. o domínio prático da linguagem e o domínio prático das situações. “tácticas de resistencia” que vao alterando os objetos e os codigos. na prática: o que é adquirido é.(3) A competência prática é adquirida em situação. a realidade da linguagem precisa ser levada a serio. “astucias sutis”. 142) “toda atividade humana pode ser cultura. O signo não tem existência (salvo abstrata. para pensar “estilos de açao”. Langue Française. Pierre. Traduzido por Paula Montero. qual é a teoria sociológica das relações sociais que está implícita na aplicação prática desses conceitos? (1) A linguagem. Ela é feita para ser falada adequadamente. pois “para que haja cultura. A economia das trocas linguisticas.5 A intenção expressiva. inseparavelmente. o fato de que os diferentes sentidos das palavras não são percebidos enquanto tais: somente a consciência científica que rompe a relação orgânica entre a competência e o campo toma evidente a pluralidade de sentidos que não podem ser apreendidos na prática porque sua produção está sempre submersa no campo da recepção (3) O discurso deve sempre suas características mais importantes às relações de produção lingüísticas nas quais ele é produzido. que permitem produzir o discurso adequado numa situação determinada. L' économie des échanges linguistiques. utilizada nas estratégias que recebem todas as funções práticas possíveis e não simplesmente as funções de comunicação.

acreditados. salvo quando pertence à definição legítima do produtor legítimo transgredir essas normas (8) BOURDIEU. isto é.(6) A produção é comandada pela estrutura do mercado ou. não os convidando para os lugares de onde se fala com autoridade.. é preciso conhecer as condições de constituição do grupo no qual ele funciona (8) Um discurso […] é pronunciado por um locutor legítimo.(5) A língua não é somente um instrumento de comunicação ou mesmo de conhecimento. pela competência (no sentido pleno) na sua relação com um certo mercado. mas um instrumento de poder. língua dominante e língua dominada).(4) Os diferentes valores de uma palavra se definem na relação entre o núcleo invariante e os mecanismos objetivos característicos dos diferentes mercados (4) A estrutura da relação de produção lingüística depende da relação de força simbólica entre os dois locutores. isto é. Todo ato de fala e.). do outro. toda ação é uma conjuntura. A Economia das Trocas Linguísticas : O Que Falar Quer Dizer / Pierre Bourdieu : prefacio Sergio Miceli – 2ª ed. as disposições. no mercado que convém (no oposto do discurso do louco. ele está formulado nas formas fonológicas e sintáxicas legítimas (o que os lingüistas chamam de gramaticalidade). isso é evidente no caso limite em que se trata de transmitir emoções como muitas vezes se da na poesia (25) . 306 p. que se impõem como um sistema de sanções e censuras especificas (24) O que circula no mercado linguistico não é “a língua” mas discursos estilisticamente caracterizados [. ele é enunciado numa situação legítima.. ou colocando-os em lugares sem palavra). isto é. numa situação multilingüística.].. reconhecido e reconhecedor. poesia/poeta etc. pela autoridade lingüística como poder que confere às relações de produção lingüística uma outra forma de poder (7) A verdade da relação de comunicação nunca está inteiramente no discurso.] na medida em que cada locutor transforma a língua comum num idioleto [.(5-6) A ciência adequada do discurso deve estabelecer as leis que determinam quem pode falar (de fato e de direito). reconhecidos. pela pessoa que convém − por oposição ao impostor (linguagem religiosa/padre. uma poesia surrealista lida na Bolsa de Valores) e dirigida à destinatários legítimos. isto é. de um modo geral. socialmente marcadas. 2008. (6) O discurso supõe um emissor legítimo dirigindo-se a um destinatário legítimo... mais precisamente. Não procuramos somente ser compreendidos mas também obedecidos. que implicam uma certa propensão a falar e a dizer coisas determinadas (interesse expressivo) [. 1930-2008. respeitados. Entre as censuras mais radicais. Pierre.. isto é. ele próprio expressão particular da estrutura das relações de força entre os grupos que possuem as competências correspondentes (ex. num seminário. da importância de seu capital de autoridade (que não é redutível ao capital propriamente lingüístico): a competência é também portanto capacidade de se fazer escutar. 1ª reimpr. mas que so tem êxito ao suscitar e ressuscitar experiências singulares.: língua "polida" e língua "vulgar" ou. nem mesmo nas relações de comunicação (7) Para explicar o discurso. – São Paulo : Editora da Universidade de São Paulo. um encontro de series casuais independentes: de um lado. a quem e como (por exemplo.campo lingüístico.] (25) O paradoxo da comunicação é que ela supõe um meio comum. estão aquelas que excluem certos indivíduos da comunicação (por exemplo. mais seguras e melhor escondidas. as estruturas do mercado linguistico. socialmente modeladas do habitus linguistico.. a possibilidade de tomar a palavra é infinitamente menor para uma mulher do que para um homem).

e substituir os princípios práticos do juízo cotidiano por critérios logicamente controlados e empiricamente fundados da ciencia (107) As lutas em torno da identidade étnica ou regional [. “condições exigidas para agir”. do limite cuja passagem o ritual torna licito. os enunciados performativos são considerados “infelizes” (2) Ha tres espécies de infelicidade dos enunciados performativos: nulidade (não tem legitimidade social para tal). bem como das demais marcas que lhes são correlatas. A PROPOSTA DE AUSTIN Austin propõe o termo “performativo” para designar determinados enunciados que apresentam diferença em relação aos enunciados declarativos. por essa via. mais precisamente.] (74) Os trações articulatórios são a abertura. reconhecida e legitima) que a ignora (110) SANT’ ANA. continua se fazendo presente na prática) deriva. mais geralmente. ou enunciados próprios de rituais de casamento. abuso (se da em decorrência da falta de sinceridade) e quebra de compromisso (diz respeito ao efeito do enunciado) (2) Os atos de fala seriam: uma promessa. instituindo ao mesmo tempo o homem enquanto homem. Rivania Maria Trotta.. capazes de exprimir melhor em sua lógica as disposições profundas do habitus e. . as fases do ritual são atinentes à função social do ritual e da significação social da linha. isto é. e a mulher enquanto mulher. isto é. Universidade Federal de Outro Preto. de fazer conhecer e de fazer reconhecer. um pedido.. MG. da hexis corporal (77) Segundo Turner. ele a institui. isto é. o ritmo. etc (2) os enunciados performativos (ou de fala) não podem ser avaliados como verdadeiros ou falsos. isto é. mas poder ser avaliados no que diz respeito a suas condiçoes de produção que devem ser apropriadas para que eles tenham efeito 93) Todo enunciado é um ato. lutas pelo monopólio do poder de fazer ver e de fazer crer. uma advertência. em parte. Luiz Francisco. da preocupação de submeter à critica lógica os categoremas do senso comum. de “etnia” ou de “etnicidade” (eufemismos eruditos que tomaram o lugar da noção de “raça” que.] da noção de região e. por exemplo. emblemas ou estigmas. não obstante. e não poderiam ter a propriedade da verdade ou da falsidade. batizado.. a transgressão (97) O principal efeito do rito é que passa quase sempre completamente desapercebido: ao tratar diferentemente os homens e as mulheres. como.. O dizer nas perspectivas de Austin. participa de maneira evidente de uma relação com o corpo dominada pela recusa das “maneiras” ou das “frescuras” (estilização e formalização) e pela valorização da virilidade [. a sonoridade. constituem um caso particular das lutas entre classificações. não passível desta operação ritual (98) A confusão [. DIAS. de fazer e desfazer os grupos (108) O discurso regionalista é um discurso performativo que visa impor como legitima uma nova definição de fronteiras. enquanto os enunciados performativos seriam atos de fala.] ligadas à origem através do lugar da origem. Grice e Ducrot. o sotaque. e fazer conhecer e reconhecer a região assome limitada contra a definição dominante e desconhecida enquanto tal (portanto. 2007. de impor a definição legitima das divisões do mundo social e. o rito consagra a diferença. um ato de fala [que] pode mudar a situação social das pessoas envolvidas. Sem as condições apropriadas ao ato. circuncidado. ação. Possibilitariam apenas críticas mo que diz respeito a suas condições de produção.. chamados por ele de constativos (2) Os enunciados constativos (ou declarativos) teriam a função de declarar e a propriedade de ser verdadeiros ou falsos..O estilo articulatório (aspecto fonológico do discurso) nas classes populares.

os significados não ditos. mas comunicados numa conversação são chamados de implicatura conversacional (4) Segundo Grice. relação e modo. regulando as conversações. ha formas não explicitas de enunciados performativos. o principio básico que rege as conversações é o Principio da Cooperação. no momento em que ocorre. portanto e no entanto – formando um bloco de sentido (7) . existem leis que regulam o uso da língua numa conversação e a quebra de uma dessas leis (ou máximas) é que vai levar o interlocutor a fazer um cálculo para chegar ao significado que se constrói para alem do dito. podem mudar a situação social das pessoas envolvidas. Os enunciados são atos que. Elas são: quantidade. respectivamente. é um dizer marcado por toda uma configuração social e sua intencionalidade de que ele se reveste é tambem uma intencionalidade social. O topos é entendido como um saber partilhado por uma comunidade ou é apresentado no enunciado como tal (6) Os topos são fontes de discurso. (6) A PROPOSTA DE DUCROT Propos a teoria da Argumentação na LIngua (ADL) e seu interesse está em explicar o funcionamento da língua. Considera que ha algo no dizer que não está no dito. mas que levam a conclusões diferentes e frases de operadores diferentes que levam à mesma conclusão) (5) Ducrot postula um principio argumentativo (topos) que é constituidor do enunciado e o orienta argumentativamente em direção à conclusão. são apenas sugeridos. as condições de produção do enunciado. o dizer carrega contradições.por exemplo. Seu dizer não carrega necessariamente uma intencionalidade do individuo. no entanto. segundo o qual devemos fazer nossa contribuição conversacional tal como é requerida. no caso dos rituais (3) Segundo Austin. mas também sociais. por exemplo. não estão presentes materialmente no enunciado. O objeto de estudo é aquilo de material que a língua aponta para o dizer (5) Para Ducrot ha expressões argumentativas e operadores argumentativos (frases com o mesmo operador. especialmente sobre os significados que são comunicados. isto é. Ex: a palavra “cão” numa placa em frente a uma casa. qualidade. pelo propósito ou direção do intercâmbio conversacional em que estamos engajados. casamento) (3) O sujeito não é individual e sim social e traz na sua voz as vozes representativas do seu papel. seria necessário conhecer o contexto. para saber se ele é performativo ou constativo (3) Austin sustenta que todo enunciado é um ato de fala. mas não são ditos. Provavelmente é uma advertência. Logo. imprime direções. no caso dos rituais (batismo. estão implícitos (4) Para Grice. Esse principio opera com 4 categorias sob as quais determinadas máximas agem. os significados implicados e ditos no processo lingüístico são chamados de implicatura convencional. mas não podem ser considerados como o conjunto de crenças e inferências de uma língua (6) Ducrot abandona a idéia dos topos e passa a apresentar a proposta de que a argumentação lingüística se da por um encadeamento argumentativo constituído de dois segmentos de discurso unidos por um conetivo – que pode ser do tipo normativo ou do tipo transgressivo. cria realidades não apenas discursivas. com uma determinada intencionalidade (5) Para Grice. inclusive. Para que esse dizer seja captado de uma forma mais completa é necessário que se olhe para o enunciado no contexto da enunciação (3-4) A PROPOSTA DE GRICE Ocupou-se prioritariamente da reflexão sobre o significado e a intencionalidade. mas que faz parte do dizer o dito em determinadas condições.

2009. etc. 29) (8) Gilbert Durand considera o imaginário como o “museu” de todas as imagens passadas. Corbin. 1982. J. Logia e conversação. Gilbert Durand e a pedagogia do imaginário. M. p. 1996. O imaginário revela-se muito especialmente como um lugar de “entre saberes” (DURAND. nas suas diferentes modalidades de sua produção. p. TEIXEIRA.. (8) Para Ducrot. e este conhecimento de um sobre-naturalismo é por si mesmo revelação (DURAND. 1998. 44. p. 6) (7) A concepção do imaginário em Durand tem uma tessitura romântica e uma contribuição de autores filiados à hermenêutica instaurativa (Jung. 4. In: DASCAL. Artigo publicado em revista de Hoje. Encadeamento transgressivo: Paulo é prudente. da queal a produção conceptual é apenas um estreitamento (9) . 21).A formula do encadeamento argumentativo éX CON Y. constitui o primeiro substrato da vida mental. Durand extrai o imaginário coletivo que se afirma como um depositário do tesouro das reminiscências constitutivas da alma da espécie (1969. 1969. mantém uma relação de desconfiança. tem com a imagem uma relação idolátrica. no entanto. Campinas: Edição Particular. ed. Fundamentos metodológicos da lingüística. Performativo-constativo. 7-13. 109-144. como diria Gilberd Durand (1994. portanto Maria confia nele. out/dez.] que designa o conjunto de todas as imagens possíveis produzidas pelo animal simbólico [. Encadeamento argumentativo normativo: Paulo é prudente. quase iconoclasta. P. graças ao progresso de produção e reprodução da comuinicaçao das imagens e por outro. ARAUJO. uma conexão estabelecida entre 2 segmentos X e Y que são interdependentes..] que é o homem (7) A nossa sociedade da informação muito baseada nas imagens visuais mantém com a imagem uma relaçao ambivalente: por um lado. UNICAMP. Alberto Filipe.. Porto Alegre. o que significa que o sonho não se limita somente à autobiografia do sujeito. p. possiveis.. J. p. ele transcende-o para se tornar algo de mnais “arcaico” porque reminiscência do Destino ancestral da espécie (1969. H. p. Visão performativa da linguagem. 20) (8) De Jung. isto é. Campinas. In: OTTONI. v. pelo homo sapiens sapiens (1994. Maria Cecília Sanchez. 215-227) [. pois não entende que ela própria esteja sedenta de imagens e de sonhos que apalavrem a sua “alma malhada”. a argumentação está na língua (8) AUSTIN. 3) O imaginário.). 81-103. GRICE. Bachelard. essencialmente identificado com o mito. o sentido de um constitui o sentido do outro. Maria não confia nele. p. produzidas e a produzir. 1. p. n. (8) Da tradição romântica surge a noção de imaginação criadora em que a exploração do imaginário torna-se conhecimento de um domínio real. P. p.

ou seja. O discurso de Bakhtin é. isto é “vínculos semânticos personificados”. 2005. a fala em determinado gênero. de desacordo. (232)  Enquanto a obra de Maingueneau visa atravessar a superfície textual para chegar ao plano do discurso ou das formações discursivas. 229-251. portanto. ao mesmo tempo. o interdiscurso é o conjunto de gêneros e tipos de discurso que interagem numa dada conjuntura (233)  Maingueneau da relevância à noção de gênero discursivo (233)  Os gêneros discursivos – segundo Bakhtin – são enunciados relativamente estáveis onde a figura do interlocutor/ouvinte é o elemento-chave de sua constituição. Sheila Vieira de Camargo. não partiria de qualquer um.GRILLO. Diálogos entre Maingueneau e o Circulo de Bakhtin.(233)  O “intertexto” é o conjunto de textos coim os quais um texto particular entra em relação. o papel do interlocutor/ouvinte. uma vez que o EU construiria seu discurso tendo em vista o caráter de ativa compreensão responsiva do mesmo (234)  Segundo Bakhtin. Simone Ribeiro de Avia. em ultima instancia. os quais so podem ser compreendidos por meio do dialogo e não explicados como na relação pessoa e objeto. adversários ou ser um outro totalmente indefinido. responsivos. na constituição do genero. 235). n. Bakhtin se propõe a estudar o diálogo entre enunciados e as relações semânticas entre eles (de reflexo. A categoria do gênero do discurso seria definida por critérios situacionais (235)  Bakhtin apresenta o tema como possuidor de estabilidade relativa no gênero. diferente de “interdiscurso”. o interlocutor pode se configurar na presença de uma coletividade diferenciada de especialistas de algum campo. ao definir a noção de formação discursiva é influenciado pela noçao de sistema de Saussure (230)  Bakhtin demonstra.). VELOSO. apreendidas por meio da construção de regras semânticas que delimitam regiões do dizível em um determinado corpus de textos. que se constitui pela alteridade interna. uma consciência da metodologia de obtenção de dados da lingüística e um respeito por seu projeto de pesquisa (231)  Maingueneau apresenta um projeto de pesquisa sobre o modo de constituição e de relação entre discursos ou formações discursivas. etc. para assimilar seu discurso deverá escolher um determinado gênero. o outro já está contido no mesmo. composicionais e temáticos (235)  Em Maingueneau. um publico mais ou menos diferenciado. entre indivíduos integrais (233)  Por trás dos textos-enunciados estão sujeitos concretos. integrais. p. portanto. p. seus procedimentos estilísticos. bem como a . personificado (232)  A passagem de uma analise do discurso centrada no discurso e no seu modo de inscriçao histórica. relações pessoais. para outra focada no texto e nos seus lugares sociais de produção/recepção foi uma mudança provocada por Bourdieu a partir da noção de campo de Maingueneau e pela mudança na acepção de interdiscursividade reconfigurada como a relação entre textos e gêneros em uma dada conjuntura que Bourdieu chamará de “intertexto”. recebe uma dimensão estatutária. As relações dialógicas são. ou seja. mas de um individuo detentor de um dado estatuto a outro (Maingueneau. Filosofia e lingüística portuguesa. 2007[2008]  Maingueneau e Bakhtin apresentam relações entre suas teorias. São Paulo. inconclusos e inacabados. O que possibilitaria o endereçamento da fala de um EU para um TU seria o fundo aperceptível da percepção do discurso (deste EU) sobre o destinatário o qual. de filiação. 9. no tocante aos princípios epistemológicos que sustentam a Metalingüística proposta por Bakhtin e a Analise do Discurso de Maingueneau (229)  Maingueneau. essas relações são.

alegre. mas varios racismos. ao absorver os primeiros. etc. 238). Pierre. Ele se desenvolverá como em espiral. configurariam gêneros complexos. p. Cahiers Droit et Liberte. 2005. (236)  Para Maingueneau. seriam Gêneros instituídos tipo 3 (237)  Bakhtin aponta a existência de matizes de entonação expressiva: tom respeitoso. 2002. ate que o impulso intelectual que o produziu seja esgotado (265)  O crescimento do mito é.  As canções. como as conversas espontâneas. em oposição a sua estrutura que permanece descontinua (265_  O mito é um ser verbal que ocupa. bem como combinações sintagmáticas que vislumbram a presença do interlocutor (237)  Maingueneau possibilita a inserção do conceito ethos discursivo. p. 284). no domínio da palavra. o racismo da inteligência é uma justificativa da ordem social que a classe dominante domina (1) Todo racismo é um essencialismo. pois caracterizado como um ato sócio-historicamente definido (Bakhtin. In: Coloquio do MRAP. caloroso. 382. Apresentam-se como pertencentes a tipos de discurso associados a setores de atividade social (236)  Bakhtin (2003. seu caráter (conjunto de traços psicológicos) e sua corporalidade (maneira de se movimentar no espaço social) que permitem a emergência de um tom que da autoridade ao que é dito e consequentemente permite ao leitor construir a representação do corpo deste enunciador (237)  O objeto do mito é fornecer um modelo lógico para resolver uma contradição. primários ou secundários. O racismo da Inteligencia. Os primeiros seriam formados nas condições da comunicação discursiva imediata. 2002. No enunciado. 2003. contínuo. pois. O estilo são escolhas gramaticais e lexicais. os generos são dispositivos de comunicação que so podem aparecer quando certas condições sócio-historicas estão presentes (Maingueneau. frio. Nao ha racismo. p. p. 265) trata a questão do estilo como indissociável aos gêneros. adquirira um caráter irrepetivel. 1991/1928). etc.realização concreta do gênero. O racismo da inteligência repousa sobre a posse de títulos escolares (considerados como uma garantia de inteligência) (1) A pulsão racista só pode se exprimir sob formas altamente eufemizadas e sob a mascara da negação (no sentido da psicanalise) (2) O modo de eufemização mais difundido hoje em dia é evidentemente a cientificidade aparente do .presença do interlocutor como elemento capaz de direcionar tal estabilidade. conforme Maingueneau. (236)  Maingueneau prevê uma escala de objetivação do sujeito no momento em que identifica gêneros instituídos (subdivididos em rotineiros e autorais) e conversacionais (Maingueneau. Os segundos. (Bakhtin. Através da reacentuaçao dos gêneros seria possível transferir a forma de gênero de um campo para outro e emprega-lo com reacentuaçao irônicoparodica. 61). 98). p. como romances. ha tantos racismos quantos grupos que precisem justificar sua existência como tal. fenômeno enunciativo pelo qual o enunciador revela sua personalidade. Mendelev. pelo modo como se mostra ao seu interlocutor (Maingueneau. maio de 1978. um lugar comparável àquele que cabe ao cristal no mundo da matéria física (265) BOURDIEU. o que constitui a função invariante dos racismos (1) O racismo da inteligência pertence à classe dominante (racismo pequeno-burgues) e é o objetivo central da critica de SARTRE (1) Segundo WEBER.

2001. ao mesmo tempo. 170-172)  Razão pura teórica e prática são universais. à autoidentidade. 2) (7) A ÉTICA DE KANT Marilena Chauí (Fonte: Filosofia. p. 2005 (1-9) No Brasil.. Ática. em oposiçao à linguistica formal (2) A ADC estuda textos e eventos em diversas praticas sociais. afirma que a linguística é social (KRESS. a tradiçao de estudo do discurso é forte (2) A Analise de discurso tem como proposito o debate teorico e metodologico do discurso: a linguagem como prática social. A razão teórica ou .podem variar no tempo e no espaço os conteúdos dos conhecimentos e das ações. pois “nao ha relaçoes de poder sem resistencia” (1980. p. segundo FAIRCLOUGH (1999. interpretar e explicar a linguagem no contexto sociohistorico (3) A ADC oferece uma valiosa contribuição de linguistas para o debate de questões ligadas ao racismo. à identidade de genero e à exclusao social (3) A ADC é transdisciplinaria porque. como “elementos de sua articulaçao” (FOUCAULT. 142) (6) A ADC toma o texto como unidade basica do discurso e da comunicaçao e que se volta para a analise das relaçoes de luta e conflito social (WODAK. Para FAIRCLOUGH (2001) ela tem o discurso como forma de ação e como forma de representação (5) FAIRCLOUGH (1989) destacou os diferentes sentidos atribuidos ao termo “poder”. pág.discurso científico porque a ciência pactua com aquilo que lhe pedem para justificar (20 A inteligência é aquilo que os testes de inteligência medem. 16) ela traz uma variedade de teorias sociais juntas a teorias linguísticas. contraria à sociolinguística. como por exemplo. as mesmas para todos os homens em todos os tempos e lugares . Izabel. Ed. A própria psicologia é um tipo de racismo da inteligência próprio das “elites” (3) As religiões e a classificação escolar são formas de discriminação social legitimadas e que recebem a sanção da ciência (3). Introdução : A Analise de Discurso Crítica. p. MAGALHAES.. à identidade nacional. como o poder fisico de uma pessoa sobre outra que coocorrem em uma sociedade particular com a dominação simbolica. 98) (6) Conforme FAIRCLOUGH (2001) é preciso considerar o poder em sua dialetica: como local de poder e como afirmaçao de poder” (6) FOUCAULT negligenciou em sua obra a visao de que o poder não é apenas uma estrategia descendente. à discriminação baseada no sexo. à violência. 1980. isto é.. isto é.. A diferença entre razão teórica e prática encontra-se em seus objetos. dando primazia a “ordem do discurso” e estruturação social do hibridismo semiótico (interdiscursividade) (4) A ADC é uma transdisciplinaridade com um foco especifico sobre a relação entre o mundo social e a linguagem (4) A ADC. ao controle e á manipulação institucional. mas as formas da atividade racional de conhecimento e da ação são universais. aquilo que o sistema escolar mede. propondo uma teoria e um metodo para descrever. na linguagem discriminatória (sexista ou racista) e na representação visual (MAGALHAES. p. 1995) (6) O poder é organizado como uma rede na qual os sujeitos participam comom”alvos que consentem” e. 21: especial. ano 2000. In: DELTA. 1989). Marilena Chauí. São Paulo.

Ele é considerado um ato performático com poder de transformar o indivíduo e a sociedade (GEERTZ.C. mas cria sua própria realidade. 23-29. na interação dos atores sociais que estão produzindo cultura a todo momento (24-25) O homem simbólico é um ator cuja açao não é motivada só pela razão. psicologia. Elas o fazem obrigando-nos a passar das motivações do interesse para o dever. pp. mas também pelas experiencias passadas. consequentemente. etc. e pela vontade (LANGER. E. O dever revela nossa verdadeira natureza. símbolos e preocupações chamadas de “tradição”. In: Encontro Nacional de “Performáticos. independentes de nossa intervenção. (org. a subjetividade e a transformação continua (23) As teorias do rito e da performance formam marcadas por influencias transdisciplinares como a Literatura. Kant responderá que pelo contrário.(1)  A Natureza nos impele a agir por interesse. Jean LANGDON. Editora Universidade de Brasília. o interesse nos faz viver na ilusão de que somos livres e racionais por realizarmos ações que julgamos terem sido decididas livremente por nós. um sistema de objetos que opera segundo leis necessárias de causa e efeito. a razão prática e a verdadeira liberdade precisam dobrar nossa parte natural e impor-nos nosso ser moral. à maneira dos animais. tendências.Performance e Preocupação Pós-moderna na Antropologia. nov. impulsos. precisamos ser obrigados pelo dever de sermos livres. pelos desejos. comportamentos naturais costumam ser muito mais fortes do que a razão. a razão prática não contempla uma causalidade externa necessária.(2) TEIXEIRA. Se iniciam com a separação da vida cotidiana e terminam com uma volta à vida cotidiana. de natureza transdisciplinar (24) O conceito de performance pode ser considerado desde duas óticas predominantes: a vida social como dramaturgia (drama social) e a produção dos eventos performáticos (24) (Buscar BAUMAN. Performance e Sociedade”. A fase liminal é central ao poder do rito (25) . Para sermos livres. Este é a forma natural do egoísmo que nos leva a usar coisas e pessoas como meios e instrumentos para o que desejamos.especulativa tem como matéria ou conteúdo a realidade exterior a nós. pelas necessidades de expressar e criar. o rito tem um papel dinâmico na sociedade porque a vida social é cheia de conflitos e crises e o rito tentará resolver eles (25) Para TURNER 91974) os ritos são liminares. interpretativo e subjetivo e não nega que as pessoas dentro do mesmo grupo compartilhem certos valores. psíquicas. expressões estéticas e possibilidades de transformação tomam importância nos estudos performáticos de cultura (25) O rito é expressão simbólica e performática. a heterogeneidade. na qual se exerce. No enfoque da performance a cultura é vista como emergente e o enfoque está no ator social como agente consciente. a violência estará em não compreendermos nossa destinação racional e em confundirmos nossa liberdade com a satisfação irracional de todos os nossos apetites e impulsos. Além disso. relações de poder. Assim. (24) O campo de performance é. desejos. vitais. Agir por interesse é agir determinado por motivações físicas. 1995. expressão. Essa diferença decorre da distinção entre necessidade e finalidade/ liberdade. são um impulso cego determinado pela causalidade natural.) . na verdade. 1976). Richard. quando. 1995. a polifonia de vozes. á colocação sobre o perigo de a educação ética constituir-se em violência contra nossa natureza espontaneamente passional.  Visto que apetites. arte. João Gabriel L. 1971) (25) Criatividade. Um enfoque na práxis. O mundo pós-moderno é caracterizado pelo imprevisto ou indeterminado. 1978a) (25) Segundo TURNER.

a partir da teoria performática. 1981) (26) Segundo GOFFMAN (1983) a interação social é uma continua negação entre atores (26) Os atores dos dramas sociais de TURNER realizam seus papeis para os outros como plateia. São expressões artísticas e culturais marcadas por um limite temporal.  Experiencia (expressiva.) (29) .  Avaliação por parte dos participantes (para mais ou para menos). o ato performático é.  O ato performático produz uma sensação de “estranhamento do cotidiano” (28) Elementos essenciais da performance:  Display (atores que atuam para os outros). Performance é um ato de comunicação. sequencias de atividades. festivais. que tomam formas dramáticas e os atores tentam demonstrar o que têm feito. são unidades sequenciais de ação marcadas pelas fases de ruptura. etc. segundo TURNER. as discussões. tentativas de compensação e resolução (rito) (26) GOFFMAN apresenta a sua etnografia de fala e sua perspectiva dramatúrgica da vida (26) Os gêneros performáticos de TURNER são: teatro. etc. é melhor visto como “drama social” (25) A vida é como um drama. 1987. São momentos liminais caracterizados por reflexividade. as performances são mais uma orquestração de meios simbólicos comunicativos e não expressões num único meio (27) Ha uma ligação dialética entre os “dramas sociais” do processo social e as performances culturais.  Responsabilidade e competência de talento dos atores. como outros atos de fala. crise. plateia. mas como categoria se distingue dos outros atos de fala sua função expressiva ou “prática” (JAKOBSON. p. os ritos de passagem. (BAUMAN. 24) (27) A “perspectiva performática” de SINGER e SCHECHNER surge da preocupação de como as culturas constroem e produzem seus gêneros particulares de performance (28) No campo da etnografia da fala.  A performance se distingue por uma situação onde a função poética é dominante no evento de comunicação. lugar e ocasião para a performance (27) Segundo TURNER e LÉVI-STRAUSS. emotiva. literatura oral. é de ser emergente porque a vida social é um processo dinâmico e não uma estrutura fixa e este processo. São as brigas. tentando persuadi-los da sua posição (26) Os dramas sociais. as doenças. sinalizadas para estabelecer o evento performático e chamar a atenção dos participantes) (29) No cotidiano há momentos de performance que comunicam para os outros o que esperar no momento performático (ex: piadas. segundo TURNER. Cheio de situações desarmônicas ou de crises cujas resoluções desafiam os atores. um ato situado num contexto particular e construído pelos participantes. rezas.  Keying (momentos de ruptura do fluxo normal de comunicação. cerimonias.A visão de cultura. conserto.  Nem todos os atos de comunicação são performances. o que estão fazendo e também tentam impor suas soluções ou ideias aos atores (TURNER. 1960) (28) Performance é uma experiência humana contextualizada e a análise performática explora a dinâmica de expressão poética do evento e não a fixação do evento como um texto de narrativa ou um manuscrito de uma peça de teatro (28) Características dos atos performáticos:  Nem todos os atos de narração são performances. atores. Há papeis e maneiras de falar e agir. criatividade e inversão (TURNER. palestras. sensorial) trazidas pela performance. ritos. 1992).

pensadores iluministas como KANT e filósofos hermenêuticos – aqueles que procuravam interpretar textos de forma coerente . 73-102. In: revista Tempo. “Modelo idealista”: centrado no sujeito que se apercebe do objeto como sua própria construção. éticos e metodológicos da ciência histórica (p. Dialogicidade: inclui as vozes de várias pessoas. 75). 74). Negociação do evento (relações de poder e autoridade0. preocupavam-se com aspectos epistemológicos (relacionados com o estudo cientifico). n. composta por: 1) Sujeito que conhece. 74).O local ou o tempo podem ser outros indicadores do evento performático. específicos à situação (29) A participação é socialmente construída e os papeis dos atores é um direito adquirido (29) Performance é uma categoria universal no sentido de que elas acontecem em todas as culturas (29) Todas as sociedades humanas têm vários gêneros de performance (29) A abordagem da performance. 2. “Modelo mecanicista”: centrado no objeto que faz do sujeito um instrumento passivo.  Ha uma visual dicotomia entre objetividade e subjetividade no âmbito da historia. V. Há 3 modelos diferenciados no processo cognitivo: 1. portanto. “Modelo de Interação”: que age entre sujeito e objeto. ps.  FOUCAULT assinala que a partir dos anos 60. movimentar. porque ademais dos materiais envoltos na subjetividade está o agente (historiador) que também trabalha com a subjetividade (p. 2. espaço e Linguagem (TEL). houve certo esvaziamento entre os historiadores com relação à objetividade e uma preocupação crescente com aspectos mais práticos pertinentes à pesquisa e escritura da Historia (constituição de documentação.  A Historia é uma ciência humana e. próprio do materialismo histórico onde o . deve-se reconhecer tanto a objetividade quanto a subjetividade.  GADAMER (1996) define a consciência histórica como “o privilegio de o homem moderno ter plena consciência da historicidade de todo presente e da relatividade de toda opinião” (p. 74). maio/ago. Poder retórico (atos = performar) (30) BARROS. 2010. 73). determinando o que é esperado e permitido (29) Os atos performáticos são estruturados de várias maneiras: sequencia de ação. escolha de uma escala de observação e decisões metodológicas) (p.  SCHAFF (1971) apresenta uma “tríade do processo cognitivo”. 3) Produto do processo de conhecimento. José D´Assunção. 3. Objetividade e subjetividade no conhecimento histórico : a oposição entre os paradigmas positivista e historicista. segundo BAUMAN & BRIGES (1990) pode se dar de 4 maneiras: 1. 2) Objetivo do conhecimento.de objeto verificável produzido e a relação (subjetiva) entre o historiador com as fontes (mergulhadas elas também na subjetividade) (p.  Subjetividade é partidarismo (parcela mais visível da subjetividade dos atores historiográficos) (p. modos de falar. 4.  A objetividade é discutida pelo seu valor – ou não. da competência individual e os objetivos dos participantes dentro do contexto da situação particular 2. Como emergente (liberando-a de um modelo fixo de cultura) a través da interação dos recursos comunicativos (maneiras de falar). 3. agir. 75). 1. – Artigo Cientifico.como GADAMER.

) como um problema para a Historia (p.  O Historicismo percebeu de que o historiador não pode se destacar da sociedade como pressupunha o método preconizado pelo Positivismo. 84).  Posição do historiador face a seu próprio conhecimento produzido (se é neutro. do historiador. Dentre suas premissas estão as explicações cientificas para os diversos fenômenos naturais e sociais. se afirmou na idéia de que o historiador fala de um lugar e a partir de um ponto de vista e.  Cada vez mais o pensamento historicista iria investir na idéia de que as Ciências Humanas deveriam buscar métodos próprios e assim surge a HERMENÊUTICA para opor a “exploração” – própria das Ciências naturais – à “compreensão” (metodologia própria das Ciências Humanas) (p. etc. 75). 89)  O Historicismo estaria pronto a reconhecer a “subjetividade do historiador”. o singular. . 90). uma historia universal e a imparcialidade do sujeito que produz o conhecimento porque há “uma natureza imutável do homem” (p. os “estágios de civilização” (estabelecendo hierarquias entre sociedades da Europa (no topo) e americanas e africanas (na base) (p. o especifico. COMTE (1798) será seu fundador e maior representante francês (p. RENAN e BUCKLE (1860).  Se para os positivistas o homem tem natureza imutável. Embriaga-se com a percepção do movimento (p. 77).  Entre os séculos XIX e XX aparece o POSITIVISMO e o HISTORICISMO ademais do MATERIALISMO HISTÓRICO. 80). Ao contrario. não pode almejar nem a neutralidade nem a objetividade absolutas e menos ainda falar em uma verdade em termos absolutos (p.  À parte a ideia de que tudo é histórico – o que inclui todas as formas de pensamento e tudo o que é produzido pelo homem . o conceito de ordem. 78)  O Positivismo nasce no século XIX na França. portanto. 76). 86-87). o particular. 82)  DURKHEIM (1917) foi o principal articulador da modernização do Positivismo nas Ciências Sociais e de sua reconfiguração para um novo tempo (p.  Os positivistas tendem a enxergar a subjetividade 9do mundo. 77). 88). com CONDORCET (1743) quem incorpora o método empírico de BACON. A oposição entre positivismo e historicismo dá-se em torno a 3 aspectos fundamentais:  Dicotomia objetividade/subjetividade: saber se as leis gerais são validas para todas as sociedades humanas. assumindo todas as implicações da idéia de que também o historiador ou o cientista social encontra-se mergulhado na Historia (p. engajado na transformação social. a singularidade.a Historicidade encontra-se acentuada com DILTHEY e as “ciências do espírito” (p. Esta corrente filosófica acrescentará. 95). 90).  Os positivistas asseveram a possibilidade de um conhecimento humano inteiramente objetivo. ao ideal iluminista de progresso.sujeito é ativo e com uma visão da realidade que é socialmente transmitida (p. a atitude historicista busca perceber a diferença.  Os historicistas enxergam uma diferença: o movimento (historicidade) porque os homens e as sociedades humanas são realizadas em movimento e assim devem ser percebidas (p. etc. 89)  Ao invés de buscar o universal.  O Historicismo alemão nasce no século XIX junto a uma necessidade da época representada pelo paradoxo de encaminhar uma modernização política que viabilizasse aquele desenvolvimento industrial favorável à burguesia e à nobreza (p. subjetivo.) (p.  O Positivismo se afirmará na Historiografia a partir de meados do século XIX com TAING.  Padrão metodológico: qual é o mais adequado ao Modelo das Ciências Naturais o um adequado às Ciências Humanas. para os historicistas é um ser em movimento e com processos de diferenciação (p.

vingança) comuns a toda a Humanidade. pela palavra que ele se nos da a conhecer. porque o mito é linguagem de um nivel mais elevando (242) O mito é formador de unidades constitutivas (fonemas. se reproduzem com os mesmos caracteres e segundo os mesmos detalles. não (242) A substancia do mito nãos se encontra nem no estilo. morfemas e sementemas) diferentes entre si e chamadas de mitemas (242) Os mitemas se situam em um nivel mais elevado do discurso: no nivel da oração (243) Cada mitema tem a natureza de uma relação. ódio. O mito se reorganiza de tal maneira que ele próprio se constitui como contexto (247) O Mito permanece mito enquanto é percebido como tal (25º) Um mito se compõe do conjunto de suas variantes (250) . Devemos demonstrar que o mito está. Para alguns. constituem tentativas de explicação de fenômenos dificilmente compreensíveis. é. nem na sintaxe. como solução original para as limitações geradas pelo Relativismo. mas na historia que pe relatada. Para outros. Tradução de CHAIM SAMUEL KATZ e EGINALDO PIRES. simultaneamente. Rio de Janeiro. a acontecimentos passados que formam uma estrutura permanente.  Deve-se repensar o papel da objetividade e subjetividade na prática historiográfica (p. nas diversas regiões do mundo (239) Segundo JUNG. significações mitológicas são chamadas de arquétipos (240) O mito faz parte integrante da língua. aparentemente arbitrários. 2ª Edição. LEVI-STRAUSS. MANNHEIM (1893) acreditava que “a multiplicação de perspectivas” favoreceria no limite uma visão mais completa de um determinado objeto de estudo e propõe. Claude. CAPÍTULO XI – A ESTRUTURA DOS MITOS Os fundadores da etnologia religiosa como TYLOR e DURKHEIM estiveram sempre atentos aos problemas psicológicos sem pressentir a rápida evolução das ideias psicológicas (237) Os problemas da etnologia religiosa provêm de uma psicologia intelectualista a partir de HOCART (238) A Mitologia sofre com a Fenomenologia religiosa que tratou de reduzi-la a sentimentos informes e inefáveis (238) É difícil compreender o que é um mito. ele provem do discurso. Qualquer sujeito pode ter um predicado qualquer. é a expressão de sentimentos fundamentais (amor. uma “síntese dinâmica” das varias perspectivas unilaterais (p. toda relação concebível é possível (239) Os Mitos. 97). pois a sucessão dos acontecimentos nãos está sujeita a nenhuma regra de lógica ou de continuidade. Revisão etnológica de JULIO CEZAR MELATTI. 1985. Antropologia estrutural. relacionando-se também no presente e no futuro (241) O mito poderia definir-se como uma modalidade do discurso onde o valor tradutivo é igual a zero (242) Mito e poesia se apóiam porque o mito persiste face a qualquer tradição e a poesia. Tempo Brasileiro. 96). tudo pode acontecer num mito. na linguagem e alem dela (240) O mito se define por um sistema temporal que diz respeito sempre. Para a psicanálise é a explicação de interpretação psicológica tida como reflexo da estrutura social e das relações sociais (238 -239) Para LÉVI-STRAUSS.

devia se deixa dominar voluntaria ou agressivamente. 2)  Nesta perspectiva de “coloniedade” surgiram os povos subalternos e. pelos países dominadores e suas formas de vida (p. . em oposição a sua estrutura. nessa incomodidade. pois.  Astecas e Incas também se consideravam o Centro do mundo. (Julio-Diciembre) : [Data de consulta: 24 / mayo / 2014] Disponível em:<http://www. aparece a FERIDA COLONIAL (um tipo de sentimento de inferioridade imposto aos seres humanos que não se encaixam no modelo pré-determinado pelos relatos euro-americanos)  A Modernidade surge assim como uma face oculta que MIGNOLO chama de colonialidade e que não pode ser separada. In: Tabula Rasa [On-line] 2008.A repetição oral te uma função própria que é de tornar manifesta a estrutura do mito (estrutura sincrodiacronica) (264) Todo mito possui uma estrutura folheada que transparece na superfície no e pelo processo de repetição. todo povo que não falasse a língua dos dominadores carecia de historia e. Un intercambio de opiniones. a Idea da colonidade (p. Latina e A. QUADRO COMPARATIVO ENTRE A VISÃO EUROPÉIA E A DO NATIVO AMERICANO  VISÃO EUROPÉIA America é uma invenção importante. América foi incluída no mundo ocidental ao tempo que era deixada na “periferia” do mesmo.  Em 1898 há um intento de destruir índios e afroamericanos. continuo. Contudo. que permanece descontinua (261) O mito é um ser verbal que ocupa. VISÃO NATIVO-AMERICANA Os invasores (espanhóis) representavam um transtorno tempo-espacial. 1)  Segundo MIGNOLO. não existe modernidade sem colonilidade.   Europa acreditava ser o Centro do mundo. subrepticiamente. ANTONIO. Walter Mignolo y la idea de América Latina.UNILA  Para evitar a Colonidade deve-se acabar com o projeto colonizador da Europa em America. um lugar comparável àquele que cabe ao cristal no mundo da matéria física (265) L ASTRA. 1)  A maioria da Historiografia que se refere a América trata ao homem e ao território americano como objetos (p.  Os americanos se viam como seres “inferiores”  A latinidade foi retomada pelos mestiços depois da divisão entre A. Autor: VHGF. Ele se desenvolve como em espiral. Portanto. portanto. na denominada palavra.  O Capitalismo está na essência da modernidade. 2015 .oa?id=39600914> ISSN 1794-2489  A ideia de América Latina é produto da construção europeia nascida na modernidade e que oculta. Saxona.  Pela Geopolítica do poder. ate que o impulso intelectual que o produziu seja esgotado (265) O crescimento do mito é. depois da criação do mundo.org/articulo. essas camadas não são jamais rigorosamente idênticas (264) O objeto do mito é fornecer um modelo lógico para resolver uma contradição.redalyc.

– España: Ediciones Paidos Ibérica. Su lenguaje está lleno de símbolos pero también emplea con frecuencia signos o imágenes que no son estrictamente descriptivos (14)  Una palabra o imagen es simbólica cuando representa algo más que su significado inmediato y obvio. El Hombre y sus Símbolos. Editora da Universidade. 153). 1985. . Pero con frecuencia son lo bastante evidentes y faciles de reconocer (54)  El arquetipo es una tendencia a formar representaciones de un motivo. pero al mismo tiempo también se manifiestan en fantasías y con frecuencia revelan su presencia solo por imágenes simbólicas. Nestor Garcia. Traducción de Luis Escolar Bareño. S. 1ª Ed. Aun es vulnerable y susceptible la fragmentacion. Tiene un aspecto “inconsciente’ mas amplio que nunca y está definido con precision o completamente explicado (14)  El hombre […] jamás percibe cosa alguna por entero o la comprende totalmente. In: CANCLINI. los que propiamente llamamos de instintos son necesidades fisiológicas […] percibidas por los sentidos. esta capacidad de aislar parte de nuestra mente es una característica valiosa (19)  Lo que hasta ahora se ha dicho acerca del inconsciente no es mas que un rapido bosquejo de la naturaleza y funcionamiento de esa compleja parte de la psique humana (31)  La extraversión y la introversión son solo dos particularidades entre las muchas de la conducta humana..  El hombre emplea la palabra hablada o escrita para expresar el significado de lo que desea transmitir.  É impossível continuar com a dicotomia “civilização vs barbárie” como símbolo opositor de natural e indígena. Carl.A.1995. Puede ver. É preciso fazer uma abordagem sobre as noções de natureza e cultura e sua evolução com distintos cortes históricos.  La autonomía del campo cultural es una condición básica tanto para la democratización y el avance de la vida intelectual como para la participación de la cultura en la democratización de la sociedad (p. as noções de cultura e civilização não servem porque são européias. tocar y gustar. qué le dice el tacto y qué saborea dependen del numero y calidad de sus sentidos (15)  Nuestra psique es parte de la naturaleza y su enigma es ilimitado (17)  La psique individual está muy lejos de estar debidamente sintetizada (18)  La conciencia humana aun no ha conseguido un grado conveniente de continuidad. Campo Intelectual y crisis socioeconómicas.). pero hasta dónde ve. JUNG. Os Intelectuais nos Processos Políticos de America Latina. CNPq. oir. representaciones que pueden variar muchísimo en detalle sin perder su modelo clásico (61)  [Hay] relaciones entre instintos y arquetipos. Maria Susana Arroso (Coord.  Para a cosmologia indígena latino-americana. cuánto oye. Estas manifestaciones son los arquetipos (63)  La interpretación de los símbolos y los sueños requiere inteligencia (86) SOARES.

Por desvinculamento epistêmico não quero dizer abandono ou ignorância do que já foi institucionalizado por todo o planeta (por exemplo. e de expeli-los para fora da esfera normativa do “real”. (290) A opção descolonial é epistêmica. a area base de uma civilizaçao (15) Mas os fatos historicos. Américo Augusto da Costa.é o tempo (14) A conjuntura da-se na duraçao media. formas que não são descoloniais.  A principio del siglo XX la búsqueda científica y humanística comenzaba a desenvolverse con una lógica propia. 9-23 Braudel. latino. p. religiosos. a sequencia fatual. é a única maneira de pensar descolonialmente (o que significa pensar politicamente em termos e projetos de descolonização).(291) SOUTO.). Florianopolis. implicam ação humana. ou seja. no 34. mais do que fatos sao “atos”. a dimesao da historia por excelencia. 50). In: PerCursos. Todas as outras formas de pensar (ou seja. Fernand Braudel em três dimensões: dialética da Duração. ou seja. isto é. p. etc. ou seja. Didática e Geo-Historia. das exterioridades pluriversais que circundam a modernidade imperial ocidental (quer dizer. É da exterioridade. passando a meio caminho.(290) Uma das realizações da razão imperial foi a de afirmar-se como uma identidade superior ao construir construtos inferiores (raciais. 2008 A identidade em política. pela açoa humana. Traduzido por: Norte. 287-324. arquitetura. 2002. V. segundo BRAUDEL (15) e está constituída de fatos (15) No nivel da estrutura e da conjuntura está o espaço em que se situa uma determinada civilização. veja o que acontece agora nas universidades chinesas e na institucionalização do conhecimento). 4. significam permanecer na razão imperial. 1969. mais ainda. Concordo que hoje não há algo fora do sistema. dentro da política imperial de identidades.  Mignolo. el arte comienza a desprenderse de la tutela religiosa (154). nuestros artistas e intelectuales producían bajo el control de la Iglesia o de un poder político-cultural que no concedía espacios autónomos (154). Temos então o .  Solo después de las independencias nacionales. em su dialetica de la duracion da enfasis al espacio geografico (souto. ela se desvincula dos fundamentos genuínos dos conceitos ocidentais e da acumulação de conhecimento. America Latina no compartió la historia cultural de Europa entre los siglos XVI y XVII. que as opções descoloniais se reposicionaram e emergiram com força. É a area cultural dos antropologos. p.julho 2013. uma realidade que o tempo tem dificuldade em desgastar e que ele veicula longamente (BRAUDEL. quer dizer. mas há muitas exterioridades. que interferem com a organização do conhecimento e da compreensão) e de agir politicamente. de gênero). articulada em aquele espaço (11) A estrutura (a duraçao maxima na historia) é o paradigma de Braudel (13) “uma reunião.Nº 1. ocupando el centro de la escena intelectual (154). nacionais. a mediados del siglo XIX. Ângela Lopes Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Literatura. sexuais. el espacio de la bagualapuede encontrarse tanto en el Noa cuanto en outras provincias argentinas.. Hasta principios del siglo XIX. Tambien el gaucho se encuentra localizado em tales regiones (9) Deve-se iniciar com o espaço geografico y terminar com o desenrolar histórico. grego. 10) y a la narracion simple. Walter D. o exterior construído a partir do interior para limpar e manter seu espaço imperial. em suma. Asi. língua e identidade. El espacio geografico es importante porque la accion humana se articula en tiempo y em espacio geografico.

. em outro sentido. fase alias raramente atingida. processo de desestruturação e depois de reestruturação. São Paulo: martins Fontes. 1999. Denys. a religião (95) Pode-se tratar [. O vinculo estrito entre língua e cultura sempre gerou inúmeros comentários (93) Segundo Levi-Straus (1950. as regras. particular. particulariza-se no personagem individual.. uma ambigüidade semântica. p. a ciência. 1979.. desde sua origem. ao menos em parte. segundo Redflied e Linton (1936) é um conjunto de fenômenos que resulta de um contrato continuo e direto entre grupos de indivíduos de culturas diferentes e que provocam mudanças nos modelos [. os fatos de aculturação formam um “fenômeno social total” (127) Considerar a relação intercultural e as situações nas quais ela se efetua levou a uma definição dinâmica da cultura (136( O processo que cada cultura sofre em situação de contato cultural. é em realidade o próprio principio da evolução de qualquer sistema cultural (137) As culturas nascem de relações sociais que são sempre relaçoes desiguais. 256 p. CUCHE. tradução de Viviane Ribeiro. F.. como cultura dominada [.. 568) (18) BRAUDEL.Bauru: EDUSC. a arte. as mudanças das elites no poder são feitas “nove vezes de cada dez. singular(16) Segundo Braudel.] mas.agente historico. p. ela constitui um de seus elementos (94) A culturaçao. Gramatica das civilizaçoes. no nivel fatual..] a linguagem como um produto da cultura [. totalmente dependente (143) A noção de cultura popular te.. Ela implica o desaparecimento total da cultura de origem de um grupo e na interiorização completa da cultura do grupo dominante (116) Segundo Mauss. XIX) toda cultura pode ser considerada como um conjunto de sistemas simbólicos como a linguagem.] culturais iniciais de um ou de dois grupos (115) Não se pode confundir aculturação e “assimilação”. o pensador moderno... relações econômicas.. 1989. para reproduzir tal o qual ou com insignificante diferença. concretiza-se. Pensar que não ha hierarquia entrew as culturas seria supor que as culturas existem independetemente umas das outras (143-144) Uma cultura dominada não é necessariamente uma cultura alienada. existe então uma hierarquia de fato entre as culturas que resulta da hierarquia social. A assimilação deve ser compreendida como a ultima fase da aculturação. Desde o inicio.] isto não impede que ela seja uma cultura inteira. a linguagem é uma parte da cultura. A noção de cultura nas ciências sociais / Denys Cuchê. o antigo estado de coisas” (BRAUDEL. baseada em valores e práticas originais que dão sentido à sua existência (152) . devido à polissemia de cada um dos dois termos que a compõem (147) Se uma cultura popular é obrigada a funcionar. o tipo historico que.

Rei Mexico……  La tecnología de nuestra sociedad actual alteró de modo radical tanto las formas de circular y transmitir información como los mecanismos de percibir y pensar el mundo (13). por tanto. sobre todo. Carmona dice que ese “algo” es el aspecto de lenguaje. Ellos solo proporcionan percepción (16)  La “imagen mental” […] a la luz de la psicologia cognitiva no existe. etc.) distintos de su propia materialidad. una “civilización de l cliché” [porque] la inflación icónica se edifica sobre la redundancia y también porque el poder constituido mantiene muchas veces un interés evidente en la ocultación.. Como se comenta un Texto Filmico.  Hay un desconocimiento […] de las mas elementales normas de ortografia en gran parte de la juventud actual occidental […] donde incluso las letras de las canciones […] ha sustituido en gran medida al libro como objeto de consumo masivo (13-14)  El cine constituye un lugar privilegiado para abordar el problema del análisis discursivo de o visual como objeto hegemónico de nuestro tiempo (14)  Mas del 94% de las informaciones que recibe [el ser humano] contemporáneo […] entra en el cerebro a través de los sentidos de la vista y el oído (percepción visual) (14)  Hay una visible expansión de lo visual […] que parece definir a la imagen en su carácter de inmediatez y duplicación de la realidad. una relación a los temas u objetos representados (15)  Gilles Deleuze sustenta que nuestra “civilización de la imagen” es. Inmediatez y confusión (fruto y duplicación de la realidad) (14)  La inmediatez y confusión es fruto de una ideología asimilada a través de toda la cultura icónica occidental [que] tiende a eliminar la distinción entre la realidad de la imagen y la imagen de la realidad (14)  Según Abraham Moles (1981) la imagen es el soporte de la comunicación visual en el que se materializa un fragmento del universo perceptivo y que presenta la característica de prolongar su existencia en el curso del tiempo (15)  La imagen tiene dos características distintas: su materialidad (cualidad de constructor de la imagen) y su independencia. instrumento de persuasión ya que […] todo acto de lenguaje icónico es fruto […] de una estrategia significativa y.] caras de la misma moneda (15-16)  Deleuze insiste en que hay un interés generalizado por “escondernos algo en la imagen”. temas.  Hay una pérdida continua de hegemonia por parte de los géneros discursivos tradicionales (13). Ramón. Una invasión iconica de carácter “realista” que ha provocado el equivoco que sostiene que las imágenes comunican de “forma directa” pasando por alto la necesidad de analizar como comunican y funcionan los discursos visuales (16)  Hay que distinguir entre imágenes figurativas y abstractas (representativas y no representativas). el tamaño numérico de un flujo (de imágenes) es capaz de condicionar el comportamiento humano (16)  Hay una “ecología de la imagen” que se ocupa de la presión visual que somete nuestra cotidianeidad. distorsión o manipulación de ciertas imágenes de tal manera que se convierten en [.CARMONA. las imágenes mentales presentan un contenido de naturaleza psíquica y no requieren para su aparicion de un estimulo físico […] porque poseen un contenido sensorial (17) . las primeras imágenes son aquella que contienen información acera de otros objetos (situación.. No hay un formato de ella en nuestro cerebro (16)  Para SARTRE. persuasiva (16)  Según MOLES.

se le adjudica en el entorno sociocultural donde dicha imagen debe circular y ser consumida (30)  Las relaciones establecidas por las imágenes entre si son de carácter sintagmática [porque] según Saussure “en el discurso. portanto. donde y para qué (19)  Los empiristas (HOBBES. biologicos y neuropsicologicos 917)  Los sentidos que realizan la extracción de la información ambiente no son entes pasivos sino mecanismos activos (18)  La percepción se propone responder a como. objetos que aquella probablemente representa (22)  La percepción se concibe como una dialéctica entre sujeto y realidad (22)  Toda imagen se basa en la eficacia de una operación de sentido. Os Intelectuais e a Organização da Cultura / Antonio Gramsci. ao invés de buscá-lo no conjunto do sistema de relações no qual estas atividades (e. no conjunto general das relações sociais (7) . Antonio. construida a partir de una combinación de indicios actuales y del recurso a la experiencia anterior. cuando miramos el mundo o una fotografía. convencionalmente. La imagen recibida por el ojo se convierte en esa imagen que caracteriza nuestra percepción espontanea (19)  Ver es mirar y saber lo que está ahí. en virtud de su encadenamiento (sintagma) (32)  En la imagen hay tambien relaciones de carácter paradigmático o asociativo porque. não elabora seus próprios intelectuais “orgânicos” e não “assimila” nenhuma camada de intelectuais “tradicionais” (5) O erro metodológico mais difundido. Civilização brasileira.   A massa dos camponeses ainda que desenvolve uma função essencial no mundo da produção. las palabras contraen entre si. “las palabras que ofrecen algo de comun se asocian en la memoria y asi se forman grupos en el seno de los cuales reinan relaciones muy diversas (32)  Jakobson vincula las relaciones sintagmaticas a los valores narrativos y las paradigmaticas a los poeticos. en ausencia de percepción. Rio de Janeiro. se deduce. en el cine las imágenes se presentan como realidad a través de la percepción (40) GRAMSCI. la naturaleza de los sucesos. según Saussure. etc. proyectado el eje de la selección (paradigma) sobre el de la combinación (sintagma). ante las cuales el observador desarrolla una doble conciencia: tridimensional y plana (22)  La percepción se basara en un proceso inferencial en el que. traduçao de Carlos Nelson Coutinho. mediante la cual los atributos reales del objeto son desplazados por el valor que a éste. consiste em se ter buscado este critério de distinção no que é intrínseco as atividades intelectuais. a partir de sensaciones habidas en un momento dado. obtendremos una mayor dominación de los elementos propios del lenguaje poetico (33)  A diferencia de lo que sucede en el sueño o la alucinación en donde las representaciones se dan como realidad. La Gestalt limita el alcance del juego de los indicios y la experiencia pasada para plantear la profundidad como un hecho que proviene de la experiencia inmediata (20)  El aprendizaje […] desempeña un papel importante en la contemplación de la imagen. 1982. La información visual se obtiene por medio de ciertas aptitudes y procesos físicos. 4ª edição. mediante la experiencia anterior. LOCKE) y cognotivistas plantean la percepción del espacio como una representación mental. os grupos que as personificam) se encontram. segundo Gramsci.

 Todos os homens são intelectuais. trabaja con la naturaleza del proceso humano (creatividad. isto é.. é um “filosofo” um artista. el estudio de la performance permite una margen de manipulaciones de apertura y de alteración (122)  Podemos diferenciar dos nociones: la de performance y la de performatividad. possui uma linha consciente de conduta moral.. fora de sua profissão. los procesos humanos deben ser estudiados como performances porque tienen flexibilidad y son incoherentes en sus marcos simbooicos (123)  Parqa SCHECHNER (2000) al investigar los procesos humanos desde la perspectiva de la performance es necesario reconocer que ellos poseen una estructura diacronica (secuencia temporo- . dentro de un tiempo llamado “giro posmoderno” (122)  Aunque existan reglas estrictas para el comportamiento social. danza. participa de uma concepção do mundo. In: Tabula Rasa.. factores personales. dieron énfasis en el procesos cualitativo incorporado al proceso sociocultural de un grupo humano. em sua maior parte. afectivos y mimo gesticulares) (121)  TURNER y GOFFMAN. Nº 19: 119-137. imperfecciones. um homem de gosto. La noción de Performance y su Potencialidad Epistemológica en el Hacer Científico Social Contemporáneo. vacilaciones.] deve ser examinada levandose em conta estas condições fundamentais: a língua dos conquistadores tida por “culta” e a questão da assimilação da camada intelectual do mito da pátria (21) BIANCIOTTI. ligados a massa social camponesa e pequeno-burguês das cidades (13)  Na América do Sul e na América Central a questão dos intelectuais [. etc.. não se pode separar o homo faber do homo sapiens (7)  [. “tradicionais”. Mariana.  Es necesario hacer una revisión detenida del alcance de la noción de performance porque ella es usada cada vez mas en el estudio de las Ciencias Sociales y Humanas (121)  La performance permite indagar sobre procesos socioculturales por medio del estudio de aspectos subjetivos (iconográficos. ou seja. desenvolve uma atividade intelectual qualquer.] todo homem. juliodiciembre 2013. para promover novas maneiras de pensar (8)  A escola é o instrumento para elaborar os intelectuais de diversos níveis (9)  os intelectuais são os “comissários” do grupo dominante para o exercício das funções subalternas da hegemonia social e do governo político (11)  os intelectuais de tipo urbano cresceram juntamente com a indústria e são ligados as suas vicissitudes (12)  Os intelectuais de tipo rural são. poder-se-ia dizer então: mas nem todos os homens desempenham na sociedade a função de intelectuais (7)  Não existe atividade humana da qual se possa excluir toda intervenção intelectual. isto é. Bogotá – Colombia. Maria Celeste: ORTECHO. contribui assim para manter ou para modificar uma concepção do mundo. relacionadas a la capacidad performatica del discurso y la performance como presentación de si mismo en la vida diaria (123)  La performance (situación performatica) según TURNER.) (123)  Conforme TURNER.

la plástica. categorías. Desde esta mirada. 14 (2011). Luis Gonzaga de. Maria del Pilar. Petropolis: Vozes. Los discursos sobre el arte están impregnados de ese toque casi divino de aquel que puede expresarse desde la música. La música popular tradicional en el Curriculum escolar: Un aporte a la formación del “ser nacional” o a la educación para la democracia? In: Contextos Educativos. Antropologia cultural: iniciação. Levi-Strauss defende a tese da possibilidade de explicaçao da cultura e da sociedade sem uma incursao necessaria da historia (262) […] toma como ponto fundamental o pressuposto da sociedade e cultura formar uma totalidade e nesta ou atraves desta se poder e de dever procurar a explicaçao das partes componentes (262) Levi-Strauss […] chegou à conclusao deque o fundamental nas relaçoes estruturais ou sistemicas permanece de maneira latente (265) Levi-Straus […] da a entender que as diferenças entre culturas particulares saomapenas superficiais. teoria e temas / Luis Gonzaga de Mello. que posee un don. Maria Isabel. para revelar las clasificaciones. 528 p. el artista es producto del azar o de la genética. transfiriendo la nocion de subjetividad que pasa a asociarse a estos elementos (123)  La performance servirá. 191-202 La música tradicional es un referente de identidad para los argentinos y forma parte de las prácticas artísticas valorizadas como patrimonio cultural de la Nación (192) Para García Canclini (2008) el modo en que se promueven las acciones de inserción y preservación de los objetos folklóricos ponen el acento en dichos objetos culturales como si ellos en si mismos fueran la esencia del ser nacional (192) La matriz cultural en la que se construyó el concepto del “arte” y del “artista” ubica a este en el lugar del iluminado. y contradicciones de los procesos culturales y podrá asociarse al ritual (124)  Aparecen entonces dos tipos de performance: la social (drama social) y la cultural (dramas esteticos y puestas en escena) (124) MELLO. 1987. según TURNER. (194) La opinión de que el arte es “para unos pocos” está fuertemente arraigada en los actores sociales. desde la cotidianeidad (194) El tratamiento de los géneros folklóricos dentro del curriculum como “objetos” responde a la . el creador o inspirado.espacial) presentando un principio y un final (123)  Los estudios preformativos suman a la cognicion y la racionalidad (elementos centrales para la ciencia moderna) la volicon y el afecto. etc. As “estruturas mentais inconscientes” seriam universais e estariam por tras de todas as culturas (267) Levi-Strauss […] acha que é mais fácil detectar as estruturas mentais inconscientes básicas a partir de sociedades simples do que no seio das sociedades complexas (272) As sociedades “frias” parecem ter elaborado ou retido uma sabedoria particular que as incita desesperadamente a resistir a qualquer modificação em sua estrutura (273) POLO. de pequena monta. POZZO.

En cambio.vision del arte de Occidente. clase social. lo moderno y lo antiguo. el cancionero se distingue por la manera en que utiliza este recurso poético e innova en otros. etnia. ciencia pueda arrogarse la representación dela verdad o la significación acabada (DUSCHATZKY. llámese nación. UNAM REVISTA DE LITERATURAS POPULARES / AÑO IV / NÚMERO 1 / ENERO-JUNIO DE 2004 Existen en el cancionero mexicano símbolos que provienen de la antigua lírica hispánica popular. 1996:22) (195) La enseñanza de repertorio tradicional de este modo se convierte en un recurso para el logro de objetivos que implican modificaciones en la conducta de los alumnos y no en pos de la comprensión y de la emancipación (197) La propuesta de Giroux (1993:292) que se refiere a “desarrollar una teoría crítica del aprendizaje que incluya un análisis de la forma en que los alumnos producen conocimientos y no simplemente de cómo lo reciben” puede ser interpretada como tornar indispensable en la educación la atención a aquellas expresiones artísticas musicales de los diversos grupos sociales que como la vidala forman parte relevante del imaginario colectivo: la construcción de identidad (197) El conocimiento “objetivo” es una estrategia de legitimación del positivismo […] La no utilización del lenguaje familiar en el arte es un rasgo que evidencia el enfoque positivista en la construcción del currículo escolar (198) El “problema argentino” . atravesadas por el contexto sociocultural de las escuelas en que se imparte (195) la diversidad implica movimiento y multiplicidad. por lo cual se anula cualquier lógica que intente reducir todo a lo mismo. en el que ninguna narrativa ni autoridad. que resulta de la adopción de un modelo europeo de constitución de las naciones (199) La presencia de la música folclórica en las escuelas se inscribe en la justificación de su aporte a la “formación nacional” (200) En la nación argentina. con expresiones artísticas diversas (200) La fijación de símbolos en el cancionero tradicional mexicano MARIANA MASERA Instituto de Investigaciones Filológicas. sin embargo. como en la mayor utilización de la comparación y la metáfora. por el otro lado.(134) . al discurso supuestamente transparente del conocimiento racional o al de la historia considerada como un movimiento siempre hacia lo mejor. el centro y la periferia. se entra en un estado de hibridación.según Casalla (1988) – radica en que concebimos como propios los universales construidos e impuestos por las naciones que nos dominan y consideramos 9identificandonos en su discurso) a nuestra propia cultura como barbarie (199) El concepto de identidad en la educación formal de nuestro país se vincula históricamente con la construcción de la “identidad nacional”. la hibridación y el mestizaje cultural – nos obligan a mirar la educación musical como un complejo devenir de prácticas diversas. que presupone a sus categorías como universales (194) La educación para la democracia supone una revisión de los fenómenos socioculturales y del tratamiento de lo diverso en las aula (194) Las diversas realidades argentinas – las grandes ciudades y las zonas rurales -. la extensión del territorio implica una gran variedad de comunidades bien diferenciadas entre si. por lo tanto.

se ha llamado Lyra minima3 a esta poesía. imagen que también predomina en la antigua lírica popular hispánica profana y religiosa. 2003: 15). De hecho. por el otro. de metáforas y de elementos que adquieren valor de símbolos hasta cierto punto fijos (la flor cortada. debe decirse todo. (136) Es una cuarteta monorrima seguida del segundo verso del estribillo. eres como). Asimismo.(142) La lírica tradicional mexicana hereda un estilo cuya coherencia interna se manifiesta igualmente en el recurso frecuente a cierto tipo de comparaciones (pareces.15 Notemos también que existen dos marcas para saber que la voz del personaje es masculina: una marca textual —explícita— de género que evidencia de quién se habla (colorada). es glosar los dos primeros versos y complementarlos con los dos siguientes.4 algunas de las cuales llegan a ser contradictorias entre sí (Reckert. algunos de los símbolos permanecen vigentes en las diferentes tradiciones panhispánicas y otros parecen olvidarse. como afirma Margit Frenk: “las imágenes tomadas de la naturaleza suelen ser en esta poesía mucho más que un mero elemento decorativo: suelen estar cargadas de un valor simbólico” (Frenk. quizá por la misma pérdida del referente. 1970: 28). se destaca la rosa. que es exclusiva de la . la segunda es una marca contextual —no explícita—: la comparación “eres como la rosa”. donde los recursos utilizados por el creador deben ser conocidos por todos. me interesa destacar cómo la connotación libre del símbolo arcaico es reducida hasta fijarse con base en la estructura de la copla. cinco o seis. Acertadamente. (140) cuando se producen las acumulaciones de símbolos.(143) Dada la tendencia de las coplas a una estructura bimembre. (136) En la antigua lírica hispánica se destaca el uso del símbolo con su naturaleza polisémica. tanto en el aspecto formal como en el de contenido. la fruta picada son símbolo de la virginidad perdida). cuatro versos.(137) Al paso de los años las tradiciones se transforman. la estrategia poética elegida. y esto afecta no sólo a la estructura. cada símbolo tiende a acotar su significado. y a través de una antítesis con paralelismo sintáctico. la metáfora y el símbolo. sino que además produjo una reducción en el uso de los símbolos (134) Los símbolos de connotaciones eróticas tomados de la naturaleza son los más relevantes en la antigua lírica. que permite varias lecturas. Sin pretender realizar una discusión teórica sobre estas complejas figuras. una vez establecida la comparación. tres. Con este antecedente podremos entonces comenzar el estudio de las coplas que se cantan en México.. de modo que su selección debe provenir de un acervo común de imágenes entendidas por la comunidad.(135) Otro aspecto formal que explica el uso de los recursos poéticos que hoy nos ocupan es la brevedad de esa lírica.] ha desarrollado notablemente las metáforas vegetales y animales que expresan el dominio erótico del hombre sobre la mujer (142) Los recursos poéticos más comunes en los que aparecen los motivos eróticos son la comparación. la cuarteta monorrima no es muy común en las glosas. como he mencionado. A ello se añade que en el texto breve la carga semántica de cada palabra se densifica de tal forma que permite construir un poema complejo en tan solo dos o tres líneas. 1971: 54).13 Se distinguen las flores entre ellas por ser las favoritas y. los cuales unos a otros se superponen y a la vez forman como una red que ilumina el sentido poético. sobre todas las flores. se expresa aquí la transformación del personaje. Esto resulta en la transformabilidad de la lírica tradicional. Por un lado. Entre los motivos eróticos más comunes y de mayor abolengo del repertorio de imágenes que se encuentran en las coplas están las referencias vegetales para designar a la amada.(138) observamos cómo el creador-recreador utiliza una conjunción de símbolos. sino también a los recursos.. En dos. 1993: 34). en el significado existen dos tendencias. y —en la actualidad— en cuatro.en la lírica popular homogeneizando la versificación y propiciando un lenguaje más discursivo. ya narrativas ya líricas (Altamirano. [En particular] la lírica mexicana [. Ello implica que cada palabra en la copla es esencial para su significación. la acumulación produce una intensificación del significado sensual. como ocurre en la poética de los jué jù (Reckert. se trata de decir algo nuevo en cada estrofa o estribillo recurriendo a una combinación distinta de los elementos compartidos.

vol. de início. marcado pelo contato conflituoso entre os pólos dominador e dominado. brasileiro. com dezoito formações socioculturais distintas.mujer. 2007. 29.auto-denominação em substituição a de antropólogo. observa os estados rurais artesanais. descreve as aldeias agrícolas indiferenciadas e as hordas pastoris nômades.(282) Para Mignolo. Faço isto através de Walter Mignolo.na segunda. 2007). ao fim.2 que diz: “É um livro latinoamericano. apresentando doze processos civilizatórios em suas singularidades. p. no último grupo. Abre com isso um campo de possibilidades ilimitadas que tenta ensaiar em sua tipologia das configurações históricas. o capitalismo mercantil e os colonialismos modernos. p. os povos americanos (284) A originalidade dá-se. a saber. em sua luta por seu pertencimento à ciência dita universal. um dos mais destacados representantes da vertente da modernidadecolonialidade que em seu “Histórias locais/Projetos Globais. antes desconhecidas. Assim. nota as formações progressivamente mais híbridas. 2) civilizações regionais. social e ideológica. as chefias pastoris nômades. (285) . a civilização da humanidade. não como um lugar bizarro ou inferior. que ganha cada vez maior atenção neste século 21. os impérios mercantis salvacionistas e o colonialismo escravista. a expansão socialista. sujeito do conhecimento. além dos subtipos. ampliada e tornada mais plural a partir da perspectiva da periferia (283) O “Processo Civilizatório” nasceu. dentre as quais. mas enfatizando as rupturas. 281-308. esto podría ser un trasvase de la antigua voz femenina a la actual voz masculina. Darcy Ribeiro e a crítica pós-ocidental de Walter Mignolo: notas sobre processos civilizatórios nas Américas* ADELIA MIGLIEVICH RIBEIRO** Universidade Federal do Espírito Santo Darcy Ribeiro é um intelectual latino-americano. que tantas vezes se imiscuem e se confundem (284) Darcy Ribeiro elabora uma tipologia a contemplar o que chamou: 1) sociedades arcaicas. É neste ponto que aproximo Darcy .escritor dos fins dos anos 1960/70 aos anos 1990 – do empenho pós-colonial (ou pós-ocidental). os impérios mercantis escravistas e os impérios despóticos salvacionistas.(144) Del estudio de las coplas se desprende que existen motivos de la tradición que en la voz masculina del cancionero mexicano se transforman en acciones más agresivas. escrito no Uruguai” (RIBEIRO. em 1968. os impérios teocráticos de regadio. que fala a partir do Terceiro Mundo.expõe em sua obra a tensão permanente deste duplo pertencimento: objeto de estudo porque membro da população colonizada e. ISSN: 2179-8869. com seu autor já exilado. por sua releitura inédita de Marx e Engels visando a apreender a lógica do movimento da autotransfiguração humana. a expressar sua condição de antropólogo consciente da sua subalternidade na geopolítica do conhecimento . 2012. 3) civilizações mundiais. mas como um lócus poderoso de enunciação. (153) Dimensões. o imperialismo industrial e neocolonialismo. plural e diversa (RIBEIRO. o antropologiano Darcy Ribeiro . a evolução humana adquire feições tecnológica. projetando. 224). recusando a ideia de sequência evolutiva linear. no processo de mudança social. Na primeira formação. como cortar una flor —que no aparece en el cancionero antiguo en esta voz— y comer el fruto. ao mesmo tempo.

por isso. feudalismo. (287) Também seu conceito de aceleração evolutiva. como nos fala Stuart Hall (2009). saúde e alimentação. Se os últimosse expressam na modernização conservadora e dependente. n. histórica e política na tentativa de compreensão das realidades americanas. capitalismo e socialismo que serviram na explicação da história europeia não bastam na análise dos novos cenários. se opõe a Gilberto Freyre 3. 2009. assim como nas tradições dominantes do marxismo ocidental” (HALL. Em que pese verificar algumas qualidades no culturalismo de Franz Boas tais quais aquelas que permitiram aos antropólogos atentar para as sociedades e culturas perseguidas e buscar compreendê-las. Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Literatura. em sua proposta. p. p. p. se não por uma mediação crítica. Antecipava que impor tais classificações aos povos novos implicaria uma clara violência epistêmica. 287-324. Costumava dizer que a aversão dos culturalistas ao evolucionismo. Afasta-se. capitalistas. 22. formulado em contraposição ao de modernização reflexaou atualização histórica. jamais foi uniforme.não se reorganizam governos. 1º sem. quem sabe. a circunstâncias susceptíveis de transformação” (2001. 2008 287 DESOBEDIÊNCIA EPISTÊMICA: A OPÇÃO DESCOLONIAL E O SIGNIFICADO DE IDENTIDADE EM POLÍTICA* Walter D. (288) Sua antropologia dialética também contraria o culturalismo de Franz Boas em sua negligência ao conceito de evolução sociocultural e inviabilidade de uma generalização teórica. (286) Para Darcy Ribeiro. Indaga se seriam escravistas as sociedades coloniais. Mignolo (Duke University. no que. no 34. parece fortalecer-se no que suas distintas linhagens trazem em comum. econômica. Universidad Andina Simón Bolivar) Traduzido por: Ângela Lopes Norte * . p. em suas variantes. levando-se em conta o tipo de relação com as demais sociedades e a forma como conquista. também. 106).Darcy Ribeiro evidencia que “a posição em que se encontra uma sociedade não corresponde a qualidades inatas ou a qualidades imutáveis de sua cultura. conceitos também como escravismo. recaía numa perigosa richa ideológica que acabava por obstaculizar a crítica necessária dos povos subalternos:(289) O pós-colonial. 11-41. 36). 135). também. 2001. Reconheciaa excessiva ambição de seu intento mas não recuou ante a urgência explicitada pela ausência de sistematizações que ultrapassassem a descrição de casos isolados. o evolucionismo multilinear. quaisquer julgamentos dos fenômenos culturais como determinados por causas atávicas (290-291) Mignolo sabe que Sem a descolonização das subjetividades e dos saberes – dentre eles. ou não. os modos de intervenção na natureza para a produção de bens e para a institucionalização de novas relações sociais.4 a “interrupção crítica na grande narrativa historiográfica quer na historiografia liberal quer na sociologia histórica weberiana. língua e identidade.(291) Artigo originalmente publicado na Revista Gragoatá. sua autodeterminação. assim. aqui abarcando os estudos subalternos latino americanos e a vertente da modernidade-colonialidade. o primeiro conceito liga-se à autonomia científicotecnológica (RIBEIRO. A crítica pós-colonial contesta. dentre outros (291) Em “As Américas e a Civilização” (2007) Darcy Ribeiro buscou integrar as abordagens antropológica. economias. destacando os elementos de criatividade nas culturas como. senão. p. o científico . 2007 e traduzido por Ângela Lopes Norte. em larga medida. sistemas de educação. bem demonstra as variações nos processos de desenvolvimento de cada sociedade particular. sabe do risco que é o relativismo cultural a manter os dominados inconscientes de seu potencial emancipatório. por exemplo. Para o póscolonial. a Europa mesma é desconstruída como bloco monolítico a contrastar com um outro que. de qualquer pretensão positivista e homogeneizadora. ou se seriam feudais ou semifeudais ou.

é que construo meu argumento na relevância extrema da identidade em política. mas porque o controle da política de identidade reside. 1992): La crítica del paradigma europeo de la racionalidad/ modernidad es indispensable. Es la instrumentalización de la razón por el poder colonial. todo o espectro das identidades sociais. mas como a aparência “natural” do mundo. são transparentes. Pero es dudoso que el camino consista en la negación simple de todas sus categorias. da apropriação massiva da terra (e hoje dos recursos naturais). y en definitiva con todo poder no constituido en la decision libre de gentes libres. en primer término. lo que produjo paradigmas distorsionados de conocimiento y malogró las promesas liberadoras de la modernidad. à missão secular de Civilização. para desenvolvimento e modernização após a 2ª Guerra Mundial) obstruiu — sob sua retórica triunfante de salvação e boa vida para todos — a perpetuação da lógica da colonialidade. ou seja. Lejos de esto. en primer lugar. e italiano. francês e alemão após o Iluminismo. pois. E a identidade em política é relevante não somente porque a política de identidade permeia. na construção de uma identidade que não se parece como tal. en la disolución de la realidad en el discurso. O que Quijano está propondo aqui nada mais é que desobediência epistêmica. uma vez que. e de que nas políticas identitárias posições fundamentalistas são sempre um perigo.(288)  Afirmar a co-existência do conceito descolonial não será tomado como “deslegitimar as idéias críticas européias ou as idéias pós-coloniais fundamentadas em Lacan. Más aún. não havia índios nos continentes americanos até a chegada dos espanhóis.(289)  A retórica da modernidade (da missão cristã desde o século XVI. e não havia negros até o começo do comércio massivo de escravos no Atlântico) por discursos imperiais (nas seis línguas da modernidade européia – inglês. enquanto que Cores e teoria política são essencialistas e fundamentalistas. que podem levar à intolerância. en la pura negación de la idea y de la perspectiva de totalidad en el conocimiento. mulher ou homem. pode não ser possível desnaturalizar a construção racial e imperial da identidade no mundo moderno em uma economia capitalista. espanhol e português durante o Renascimento). ser branco. Uma vez que concordo parcialmente com tal visão de política de identidade – da qual nada é isento. La alternativa en consecuencia es clara: la destrucción de la colonialidad del poder mundial (Destaque nosso). Brancura e teoria política. necessidade de argumentar que a política de identidade se baseia na suposição de que as identidades são aspectos essenciais dos indivíduos. Anibal Quijano em seu artigo de quebra-de-bases “Colonialidad y Modernidad/Racionalidad” (1990. . em outras palavras. heterossexual e do sexo masculino são as principais características de uma política de identidade que denota identidades tanto similares quanto opostas como essencialistas e fundamentalistas. es necesario desprenderse de las vinculaciones de la racionalidad-modernidad con la colonialidad. A opção descolonial desqualifica essa interpretação. a massiva exploração do trabalho (da escravidão aberta do século dezesseis até o século dezoito. (288)  Não há. neutras e objetivas. para a escravidão disfarçada até o século vinte e um) e a dispensabilidade de vidas humanas desde a matança massiva de pessoas nos domínios Inca e Asteca até as mais de vinte milhões de pessoas de São Petersburgo à Ucrânia durante a 2ª Guerra Mundial (293)  O Estado plurinacional que já está bem avançado na Bolívia e no Equador é uma das conseqüências da identidade em política fraturando a teoria política na qual o Estado moderno e mono-tópico foi fundado e perpetuado sob a ilusão de que era um estado neutro. já que há políticas identitárias baseadas nas condições de ser negro ou branco. objetivo e “democrático” separado da identidade em política. como acabei de sugerir. Ou seja. em homossexualidade e também em heterossexualidade –. Foucault e Derrida”. urgente. sem a construção de teorias políticas e a organização de ações políticas fundamentadas em identidades que foram alocadas (por exemplo. principalmente.(289)  a identidade em política é crucial para a opção descolonial.

O fato de que a “filosofia” se tornou global não significa que também é “uni-versal. (297)  Desta forma. As nações indígenas dentro da nação crioula/mestiça estão em risco hoje nos Andes.” Simplesmente significa que o conceito grego de filosofia foi assimilado pela intelligentsia ligada à expansão imperial/colonial. um oximoro que retrata a realidade dos estados coloniais da América do Sul e do Caribe. Eles se movem mas não desaparecem: vá dizer a um pensador pós-moderno ou a um filósofo europeu conservador que não há tal concepção como a filosofia européia ou história européia de idéias. da elite crioula/ mestiça da pós-independência) foi o crescimento da força das nações (indígenas e afros) dentro da nação onde a mestiçagem se tornou a ideologia da homogeneidade nacional. desde o início do século XIX até recentemente. o . e que os pensadores europeus já esclareceram que há uma co-relação entre certas idéias. a filosofia fez parte da formação e da transformação da história européia desde o Renascimento europeu por sua população indígena descrita como os cristãos ocidentais. De fato. Isto significa que a defesa da similaridade humana sobre as diferenças humanas é sempre uma reivindicação feita pela posição privilegiada da política de identidade no poder (300)  E como se desconectar do eurocentrismo se você é. alguém de Barbados ou da Martinica de descendência africana? Certamente. como eu. e você pode ter a confirmação de que entidades ficcionais também existem. se no mundo moderno/colonial. a mestiçagem não era um problema até o recente fluxo de imigrações. o que está em recessão é a classificação étnica sobre a qual os estados-nação foram imaginados. no sul do México e na Guatemala. a opção descolonial revela a identidade escondida sob a pretensão de teorias democráticas universais ao mesmo tempo que constrói identidades racializadas que foram erigidas pela hegemonia das categorias de pensamento. certas regiões do mundo e certos tipos de pessoas. O que os pensadores gregos chamaram de filosofia (amor à sabedoria) e os pensadores aymara. Nos EUA (como na Inglaterra. em suas dimensões políticas e epistêmicas. é uma manifestação particular do maior horizonte de pluriversalidade e o colapso de qualquer universal abstrato apresentado como bom para a humanidade inteira. aos fundamentos do capitalismo e da modernidade ocidental. ou você pode ser um branco da França ou dos EUA e ter abraçado a tradição dos pensadores radicais africanos ou afro-caribenhos. ligadas a corpos e regiões do mundo moderno/colonial e a seus movimentos através do tempo e do espaço. O Estado plurinacional que os indígenas e os afros reivindicam fica nos Andes. Por séculos. judeus ou não. Por filosofia aqui eu entendo não apenas a formação disciplinar e normativa de uma dada prática. histórias e experiências do ocidente (mais uma vez. sua própria similaridade. um argentino com descendência européia e não um índio da região andina um equatoriano. (298)  A conseqüência de trezentos anos (aproximadamente) de regras coloniais diretas e de duzentos anos (aproximadamente) de colonialismo interno (ou seja.(299)  O pensamento descolonial é a estrado para a pluri-versalidade como um projeto universal.Ao ligar a descolonialidade com a identidade em política. O que está em recessão é a etnia latina e o que está acelerando e aumentando é o espectro variado dos projetos indígenas e afros. tal conceito de filosofia (e teologia) foi a arma que mutilou e silenciou raciocínios similares da África e da população indígena do Novo Mundo. você pode ter descendência africana e abraçar a tradição dos pensadores brancos europeus. a Europa moderna/ imperial viveu sob uma ideologia nacional sustentada por uma população branca e cristã (ou católica ou protestante). fundamentos gregos e latinos de razão moderna/ imperial). Alemanha ou França).(301)  A “consciência mestiça” para Kusch não tinha nada a ver com biologia e mistura de sangue. etc. Estou desunindo a formação e a transmissão de regiões epistêmicas. mas a cosmologia que a realça. de tlamachilia (pensar bem) são expressões locais e particulares de uma tendência comum e uma energia em seres humanos.

Du Bois ou a consciência mestiça de Gloria Anzaldúa. eran vecinos “limítrofes” con el puerto de Buenos Aires. Devemos também lembrar que espanhóis e portugueses misturados com africanos eram chamados de “mulatos”. Los porteños tenían especial interés en comerciar directamente por vía marítima con Europa.inculturaargentina.E. e. Este choque de culturas motivó la Revolución de Mayo. y hasta donde habían llegado luego de un largo viaje. europeus. ou seja. do deslocamento racial moderno/colonial. portanto. para incorporarnos a la de vanguardia. O que eles têm em comum é a ferida colonial. Manuel Zapata Olivella. Embora Kusch se refira somente incidentalmente aos negros da América. não de africano ou de original (ou seja aborígene) é ter consciência de uma mudança na “consciência mestiça”.que era a compreensão canônica da mestiçagem: sangue misturado de espanhol e português (geralmente o pai) e índio (geralmente a mãe). A distinção em castelhano entre “ser” e “estar. B. que contribuyó a “liberarnos” precisamente de una civilización decadente como la de España.ar año 2001 Pareciera que el origen de la Argentina como nación independiente se debió a un enorme choque “cultural” operado el 25 de mayo de 1810. que hasta implicaba cruzar por tierra el istmo de Panamá (no se había aún construido el célebre Canal) y que resultaban carísimas. . que tuvo lugar exclusivamente Buenos Aires. lá sendo deslocado de ser europeus. hispano indígena católica y colonial representada por la decadente España de Fernando Séptimo (prisionero de Napoleón Bonaparte) y lo que era la cultura de vanguardia de la época. la que imperaba en el mundo y tenía su sede en Londres. con lo cuál se ahorraban los enormes costos de comprar mercaderías que venían desde el Perú a lomo de mula. cuando se enfrentaron los partidarios de dos culturas opuestas: la tradicional. mas não o bastante. que defendía la libertad del hombre frente al Soberano. Se ter consciência de que se tem descendência européia. adquiriu uma dimensão filosófica que explicava as fraturas e os sentimentos existenciais de europeus que se achavam deslocados nas Américas. O que é então a “consciência mestiça” para Kusch? Tem sido uma preocupação dos pensadores e filósofos de descendência européia. escritor e médico colombiano. y que era apoyada por la masoneria. a consciência mestiça/mulata do pensador. (304) LA INCULTURA CIPAYA del ex sitio www. tal conscientização tem a ver com a dupla consciência de W. particularmente na Argentina. a “consciência mestiça” é um conceito aberto o suficiente para incorporar também a “consciência mulata”. que imperaba en Gran Bretaña. sentido de coloniatura com fração moderna/colonial.(303)  A mudança da “consciência mestiça” vivida e experimentada na consciência crítica das pessoas com descendência européia tem algo em comum com a mudança de consciência dos indígenas da América e dos afros também de lá.(302)  A consciência mestiça é um conceito filosófico aberto ao pluri-versal. No olvidemos que los británicos eran en aquella época los “amos exclusivos del mar” y por lo tanto.com. a consciência mestiça em Anzaldua. como a consciência dupla em Du Bois. y entre quienes acompañaron el ideal de los porteños estuvo nada menos que nuestro gran Libertador General José de San Martín. es decir..

Ninguna persona informada y culta de los países occidentales de vanguardia entiende como los argentinos somos tan incapaces para organizarnos internamente para que los cuatro millones de desocupados y subocupados comiencen ya mismo a producir. ¿Qué es lo que suponen nuestros gobernantes sería la solución para Argentina? Pues es lo que abiertamente nuestro Presidente y sus ministros están pidiendo al mundo de vanguardia: que vengan a ser nuestros amos y patrones. Esto contribuyó a que paulatinamente fueramos olvidando la “civilización de vanguardia” y por eso terminamos a partir del 6 de septiembre de 1930 con el triunfo de la cultura del interior. y por lo tanto se convierten en “bárbaros”. Esto nos ha llevado al enorme retroceso económico y cultural. y la retardataria. con el motor encendido. por ser una cultura ajena “prestada” la fuimos perdiendo paulatinamente a partir del 6 de septiembre de 1930. El problema de estos personajes “cipayescos” es que no pueden discernir en la forma de adaptar correctamente a la República Argentina ciertas cosas que ven y admiran en el exterior. Es decir. no llegamos a incorporarla y asimilarla. los “nativos” no tienen el nivel cultural suficiente para poder mantener los progresos de las civilizaciones que se retiraron. sin advertir que no pueden implantarse exactamente igual en Argentina. aquel al cual se refería Martín Fierro cuando decía que “deberemos seguir esperando hasta . porque en el fondo no tienen ellos mismos el nivel cultural necesario para advertir que LAS INSTITUCIONES NO SON COPIABLES NI TRANSPLANTABLES AUTOMATICAMENTE entre países de distinto nivel cultural. Pero frente a esta realidad. La historia enseña que cada vez que una “civilización de vanguardia” se retira de un sitio. están aquellos economistas que desde el Gobierno admiran tanto a los países de vanguardia. ciertos “bárbaros incultos” admiran tan ciegamente a los países de vanguardia. porque somos buena gente y los necesitamos. para crearnos fuentes de trabajo. todos los argentinos somos “barbaros incultos”. y hemos perdido setenta años y nos encontramos en el nivel actual. que se van convirtiendo en Ruinas. Nos está faltando esa figura del “criollo culto”. no era nuestra.Esta lucha inicial entre Buenos Aires y el resto del país refleja el “corsi e ricorsi” de esta lucha de dos civilizaciones en pugna. en el lugar quedan siempre dos cosas: Ruinas y Bárbaros. sin capacidad para conservar siquiera aquellos magnificos edificios. en definitiva es un problema de ATRASO CULTURAL ORGANIZATIVO COMO SOCIEDAD. Muchos de ellos quisieran trabajar y no lo consiguen. Por eso. A partir de la Primera Guerra Mundial Gran Bretaña perdió su rol de Potencia Rectora. que se ha mantenido viva durante los ciento novena años posteriores. a quien cabe bien el nombre de cipayos. y paulatinamente sus intereses se fueron retirando de Argentina. El MOTIVO. que vemos especialmente hoy. La “cultura europea de vanguardia” que nos trajo aquellos elementos de progreso que convirtieron a Argentina en un país admirable cien años atrás. Entre estos personajes. pero igualmente algo consumen. y que allá funcionan con éxito. como tractores detenidos. Hoy. precisamente porque la “incultura” se ha apoderado de ellos. la de vanguardia. pero demasiados no lo advertimos porque desde la escuela nos siguen enseñando que somos “un país culto con civilización europea”. y cuando están en el poder dictan medidas equivocadas. siendo que de todos modos la enorme mayoría todavía puede comer. El mensaje (patético y vergonzoso) es el siguiente: “Vengan a Argentina a invertir. que podríamos llamar el “cipayismo”: advertimos obviamente que hay países como Estados Unidos que nos llevan años luz en casi todos los aspectos. Se produce así un interesante fenómeno cultural. y de paso sigan prestándonos más dinero porque no nos alcanza nuestra propia producción para vivir como deseamos”. (comenzando por el que esto escribe). que impera hasta hoy. siendo que esto quedó atrás. que desean importar recetas económicas que alla fueron diseñadas para otras naciones diferentes. trayendo capitales y empresas. que derrochan combustible. que de buena fé intentan COPIAR SUS INSTITUCIONES PARA ARGENTINA.

da natureza dos intervalos e escalas.que venga a nuestra tierra un criollo a mandar”. de modo que pueda “traducir correctamente” las instituciones exitosas para ser adaptadas en forma a nuestra realidad. A origem da Musicologia Comparada. 1978:63). pero que la comprenda cabalmente y comprenda también nuestra propia cultura. O campo musical aqui delimitado é. das propriedades dos sons. bem como ao código. Piedade Este trabalho se compõe de duas partes.html http://www. Psicologia e Semiologia da música. partindo de uma experiência pessoal. http://argentinasalvajizada. como um estudo que objetivava construir "partituras crítico-interpretativas" da música do passado. significa uma contribuição aos Estudos Musicais em geral.ar/2009/06/historia-de-la-cumbia-villera. fazem parte deste "corpus scientiarum musicarum" (ver Menezes Bastos.1994).mx/centros/cenidim/archivos/contribuciones_teoricas. O conhecimento gerado por estes estudos. e sim no mundo da música do século XVIII. O caráter geral é de síntese crítica. que propicia o entendimento e aceitação de uma performance de jazz e determina o sucesso pela audiência. vindo a somar-se na recente perspectiva de abordagens antropológicas da música popular e do jazz. juntamente com a Musicologia Histórica e a Sociologia da Música (Menezes Bastos. 1991). Os trabalhos e teorias produzidos neste "momento psicológico" da futura Etnomusicologia envolvem investigações acerca das sensações em relação aos sons. Primeiramente.gob.wordpress. mais especificamente à Etnomusicologia. Etnomusicologia Etnomusicologia é uma das três tradições musicológicas do Ocidente. o jazz que apontam para seu aspecto normativo e convencional. que trabalhavam com dados sobre as sociedades ditas . se tentar descrever algumas características de um gênero musical específico . que é compartilhado por músicos e ouvintes. portanto. como a Psicologia da Música e a Estética Musical. passível de uma leitura semiótica. como é o caso do período do Barroco Musical (1600-1750). una clase dirigente que admire y valore la cultura de vanguardia. da noção de consonância e outros temas (ver Shneider. A Musicologia não nasce no campo epistêmico das Ciências Humanas.com. Outros campos de Estudos Musicais. en vez de ser “resistidas” por nuestro cuerpo social. O conjunto deste texto. Na segunda parte. que constituem os pesquisadores mais célebres daquilo que se convencionou chamar de "Escola de Berlim" (Christensen.pdf Etnomusicologia e estudos musicais: uma contribuição ao estudo acadêmico do jazz Acácio Tadeu de C. Von Hornbstel e Carl Stumpf.blogspot. futura Etnomusicologia.cenart. pretende-se aludir à base sócio-cultural destas convenções.no caso. Es decir.com/2009/05/31/la-incultura-cipaya/ Publicado por Kassandra Dorgansen 7:23 http://liceo67musicaletrasautoresbiografias. está ligada à formação do Berlins Phonogramm Archiv e a figuras como Erich M.1991). e o objetivo é apresentar algumas perspectivas abertas por estes estudos. trata-se de uma revisão bibliográfica de alguns estudos musicais do campo da Etnomusicologia e ligados à Sociologia. assim.

11). A Etnomusicologia é vista como "a disciplina que busca o conhecimento da música do mundo.. e cujos apóstolos eram Hood e Kolinski. Esta fundamentação foi essencial para várias obras posteriores. ainda que temporariamente. reagia à esta redução e acabava negligenciando a parte sonora da música."primitivas". sobre a questão da mudança e sobre conceitos como musical area. que tomam a música como som estruturado. "dissolvido pela postura etnológica ilustrativoexemplificadora.cit. De fato. Tonigkeit. no campo disciplinar da Etnomusicologia. se institucionaliza e se desenvolve academicamente. Em meio a este embate teórico.1990). ver Schneider.1984. Criado na tradição culturalista de Boas. teoria que forneceu uma base conceitual profícua. medições e generalizações. Helligkeit. que elaboram uma teoria dos constituintes do som. Não tão citado como teórico. reduzia a música ao seu plano da expressão. Lautheit e Klangfarbe (Abraham e Hornbostel.) o ponto de chegada paralisado. Suas concepções não se encaixam propriamente em nenhuma das duas principais correntes da Etnomusicologia norte-americana: a corrente de acento preponderantemente musicológico de Kolinsky e Mantle Hood e a linha mais antropológica que tem Merriam como principal referência. Merriam buscou esclarecer o campo epistemológico da Etnomusicologia e posicionou-a como uma ponte entre as Ciências Humanas e as Humanidades (op.1925. Portanto.496). duas abordagens preponderantes: a primeira.1990) na qual a música e o comportamento humano eram investigados não como universos separados e meramente comunicantes. o chamado "dilema etnomusicológico". sendo apoiada na fenomenologia e na Denkpsychologie. surge a obra de Merriam (1964). Estas experiências. a outra. (.Menezes Bastos.cit:6. Esta disciplina. fundando-se numa semântica destituída de substância. estas obras portavam um impulso de alta relevância científica que contaminou a nascente "Musicologia Comparada". o segundo. quanto discussões mais antropológicas. No entanto. influenciado por Kroeber e aluno de Herskovits. e proferiu a célebre definição da disciplina como "o estudo da música na cultura" (op. a nascente Etnomusicologia naturaliza-se norte-americana e. apesar de estarem ultrapassadas.. que Merriam tenta transpor. marcada pelos estudos da Musicologia Histórica. onde Stumpf desenvolveu uma teoria da sensação do som e dos efeitos que a música causa nos ouvintes.cit:25). vindo a se aproximar somente das perspectivas mais recentes. A Etnomusicologia teria nascido no meio destes pólos. cujo nome mais importante é o de Lomax. op. como "fato social total" (Feld. seria marcada por um abismo. como um apego às análises e descrições de composições musicais. mais recentemente. aporta tanto aspectos essencialmente musicológicos. relacionando-se ainda com a teoria da Gestalt e.1883). como sobre papel da música na cultura. como a noção de "distância" (Stumpf. Pode-se dizer que a segunda guerra mundial liquidou. congelado como pedra d'água. cuja base filosófica é ainda hoje de alto interesse. o que implica para a Etnomusicologia norte-americana ter . Nos Estados Unidos do pós-guerra e nos anos 50 havia. o "espírito de Berlim": exilada da Alemanha. Um exemplo disto é a obra Tonpsychologie. como a de Hornbostel e Abraham.). Em seu estudo de 1964. o primeiro sendo objeto da Musicologia e. de todo um diligente saber sobre a música como linguagem semanticamente plena" (pp. e sim apontando para um fenômeno integral. segundo o qual a música se constitui de dois planos distintos. da Antropologia. portanto. a partir de um ponto de vista descritivo e comparativo" (pp. Nettl (1964) é uma figura-chave no cenário da Etnomusicologia. o dos sons e o dos comportamentos. Esta visão da música será deixada de lado no período subseqüente. basearam-se epistemologicamente na teoria de Stumpf. com a Psicologia Cognitiva. que procura criar bases para resolver o caráter dilemático que está estampado em cada uma destas abordagens: Merriam mostra o dilema congênito que se estabelece na disciplina. com ênfase na música que está fora da cultura do pesquisador. que será marcado pela cisão teórica entre o mundo da música e o da cultura (ver abaixo). e muitos dos conceitos neles implicados hoje se tornaram obsoletos. neste gesto primeiro da Escola de Berlim de Musicologia Comparada está. eram marcados por idéias evolucionistas. o grifo é meu). neste país. o que na verdade florescia com o Arquivo de Berlim era o que se pode chamar de uma "Psico-Musicologia" (Menezes Bastos.

Apoiada na antropologia interpretativa e na teoria da performance. a investigar como certas formas de som. A constatação ‚ de que os compositores Temiar são médiuns . no entanto. Um exemplo é o estudo de Feld sobre a música dos Kaluli da Nova Guiné (1982). . apontando para o canto dos pássaros. Como os curandeiros. que começa com uma análise estrutural do mito do pássaro Muni. na busca de encontrar resposta à questão "quão musical é o homem?". no entanto. no qual há uma transformação metafórica de homens em pássaros e a transferência de certas palavras Kaluli para o canto dos pássaros. Os nexos entre música e mito são os pontos centrais deste estudo. movimento. e dos corpos dos seres humanos que os escutam. levam ao entendimento da vida nesta sociedade e à idéia de que as expressões sonoras são materializações de sentimentos profundos dos Kaluli. Outra importante lanterna teórica. Mas isto constitui apenas uma característica de seu trabalho. Epistemologicamente situado entre o sentimento e os pássaros. a das avançadas sociedades orientais e a folclórica ocidental. por sua vez. recebem as canções de espíritos-guia durante os sonhos.como objeto central três tipos de música: a das culturas não-letradas. que representa não apenas uma herança de Merriam. criam e executam" (p. Roseman se utiliza do aporte teórico da Etnomusicologia e da etnomedicina para dar conta de explicar seu objeto: a confluência da música e da medicina. Feld chega à constatação de que a metáfora da canção do pássaro constrói a música Kaluli. pois há ainda o nível das combinações motívicas e o do sentido (para aonde aponta a canção). Autores mais recentes já superaram a dicotomia música/cultura. Blacking se apropria de uma lente essencialmente sociológica. As performances cerimoniais de cura. são estudados pela autora em sua perseguição às teorias indígenas que ali subjazem e à maneira como significações emocionais e poderes curadores são ali invocados. ou no que chama sonic order.11). referentes à natureza do homem e da cultura. cor e odor se tornam repositórios de poder cosmológico e social" (pp. Assim. Ao tratar da questão do sentido. o som tem uma relação metonímica com o primeiro e metafórica com o segundo: trata-se de uma interface entre cultura e natura. mostrando como há uma interação tão forte nestes campos que a música não pode ser compreendida independentemente da cultura e da sociedade na qual ela é produzida. Para ele. e as canções são elo entre eles se os espíritos. no caso. Blacking (1973) tenta romper com a dicotomia música/cultura (o "dilema congênito" da disciplina) mediante a realização de uma descrição etnomusicológica que seja compatível com os modelos nativos. os Venda e outros grupos africanos. a investigação inclui o choro ritual e as formas poéticas que. que "nos convida a reexaminar a pragmática da estética. é um perigo analisar a música somente com base no som.104). envolvendo também o transe. deste modo. mas uma importante tentativa superação da formulação emblemática da "música na cultura". Duas outras importantes conquistas de Blacking foram estudar tanto a questão da habilidade musical dos nativos sem critérios etnocêntricos quanto os processos de geração (composição) musical. Blacking termina reduzindo tudo ao social: como se a música fosse somente reflexo e resposta a forças da dimensão social da realidade. habitantes da floresta tropical da Malásia (1991). Roseman estuda o imbricamento entre música e medicina nos Temiar. as melodias. embora na formulação da questão ressalte os aspectos mais antropológicos. ele se refere a ela como "uma expressão metafórica de sentimentos associados com o modo como a sociedade realmente" (p. Feld investiga o ethos desta sociedade nova-guinense através do estudo do som como sistema de símbolos relacionados à idéia essencial de tornar-se um pássaro. ele ressalta a importância da questão do creative listening para lembrar o papel competente e criativo dos ouvintes e a necessidade do etnomusicólogo de descobrir os princípios que geram a composição musical.25). Além dos conjuntos de canções e da taxonomia ornitológica. Blacking destaca a importância do contexto cultural onde os termos dos estilos musicais se fundam: "seus termos são aqueles da sociedade e da cultura. a análise de narrativas de sonho se tornam para Roseman objetos de estudo. relacionados ao mito do pássaro Muni.

22). os timbres têm um caráter de "incompletos" e "sujos". entendendo a música como "texto social". estaria marcada por um processo de hegemonia masculina. O autor assumidamente mistura descrições idealistas e explicações materialistas. "uma nova forma de comunicação" (p. e por seguinte. A música ocupa um lugar central tanto na cosmologia das culturas amazônicas -como elemento significante presente desde o tempo mítico-. apresenta descrições de características gerais das canções e esboça uma teoria das expressões Tiv. partindo das palavras e fantasias para a vida e a ação. afirmando que a hegemonia masculina levou a uma ênfase na visualidade do conhecimento. da definição de conceitos. por isso mesmo representando um perigo à hegemonia masculina. da estética" (pp. mas não possibilita o diálogo entre as identidades masculina e feminina. Enquanto as companhias gravadoras de música clássica incitaram seus consumidores à mera busca do som puro do original.Hill. A abordagem inclui um roteiro também original. onde o rock é enfocado amplamente. que dá conta das transformações que ocorrem no domínio da fala e que fazem com que esta seja considerada um fenômeno musical. . Os desenvolvimentos tecnológicos das gravações. a partir de observações. Basso. racionalidade determinística e controle. Nesta área. "Cada novo avanço . A maioria da música ocidental. a hegemonia masculina provoca uma idealização dos sons "puros" e padronizados. Diversos autores têm que criar novos conceitos. e em diversas funções cotidianas e comunicativas (ver Menezes Bastos. o que lhes confere mais subjetividade. Outro estudo importante é Frith (1988). a seguir.A originalidade da obra de Keil sobre a música dos Kiv da Nigéria (1979) começa pelo fato dele não ter realizado um trabalho de campo convencional. Shepherd (1987) aborda a temática das relações de gênero e suas correlações com elementos musicais. quanto nas curas xamânicas -como instrumento de comunicação com o mundo sobrenatural-. assim. num conflito que. na valoração de uma série de conceitos correlatos.1987. havendo portanto necessidade da compreensão da música para além da ordem sônica. Parte depois para algumas estórias e mitos Tiv. Já na música popular. a eliminação dos ruídos e do desgaste nos compact discs dos anos oitenta . os limites entre música e fala sendo aqui portanto tênues (Seeger. A música amazônica lança desafios ao próprio conceito de música.muda a nossa experiência da música"(p. um dos pensadores mais salientes é Shepherd (1991) que.1997a.1983).1985). ao mesmo tempo o elemento musical menos passível de controle visual e o menos "determinante" no discurso da música erudita. com viés sociológico e apoiado nos Estudos Culturais. A pertinência destes estudos se explica porque eles "abrem as portas para a comunicação e nos mergulham nos mundos problemáticos da tradução. reflete aquele entre os compositores Tiv e sua sociedade.1990. destacando como as canções se associam a eles. apesar de ter em mãos poucos dados etnográficos. como objetividade. à luz de seus nexos sócio-culturais. tempo espacializado. No campo dos estudos acadêmicos da música popular. estruturas e significações musicais na música "clássica" e popular. que surgem à medida que a música vai sendo industrializada.1995:2). mas as reflexões que a partir delas surgiram enriquecem o texto. análises tipo causa-e-efeito. tomando-a como um "sistema significante de relevância estratégica para a construção do real" (Menezes Bastos e Lagrou. Keil trabalha inicialmente com verbos e palavras Tiv ligados à criação musical e ao canto e fenômenos associados.1978. analisa os processos. Piedade. devido sucessivos golpes militares e matanças neste país. na música popular gravação passa a ser uma forma de arte. da semântica.20). Neste tipo de música. A área da música teria escapado deste quadro. principalmente no timbre. aumentando aos poucos o escopo lexical de sua investigação terminológica. segundo ele.discos stereo nos anos sessenta. texturas. Deve-se mencionar a importância da recente pesquisa etnomusicológica na Amazônia. O autor teve que realizar suas pesquisas sofrendo as mazelas dessa situação. Passa então para a esfera da vida num estudo biográfico de compositores Tiv. os sistemas musicais nativos imbricam-se nos domínios dos saberes. enriquecendo portanto todo o campo da Musicologia. Assim.28). como por exemplo "Arte Verbal". nos rituais -como meio de recriação do tempo mítico-. Teoria Musical e Filosofia da Música.

critica os conceitos de regressão da audição. levando adiante a questão e propondo a canção como diálogo entre música e língua (p. este último deslindado pela noção de topic. um conflito constante entre os princípios do pietismo e do luteranismo ortodoxo. De todos os estudos aqui mencionados. mas mais humano! Bach estudou técnicas de Vivaldi para construir-se virtuoso. Portanto deve-se tomar como pressuposto básico que a compreensão da música só pode se dar pelo interrelação entre os sons musicais e fenômenos que se dão fora deles.18). não menos genial. A música popular porta um significado que é comunicado de forma intensa a seus consumidores. Ratner e análise schenkeriana num esforço unificador em direção a um método analítico que desvende a "agenda secreta" da música. Delimitando assim seu campo de estudo na música do período clássico. se assim fosse. McClary nos apresenta um discurso fortemente apegado à identidade nacional. O tom geral é de crítica feroz ao reducionismo que efetua Adorno: sua preocupação seria de notar o que falta nesta música em relação ao seu modelo ideal que teria em Beethoven seu fulcro. As novas abordagens que McClary propõe apontam para novas contribuições à cultura: a desconstrução do cânone. popular ou erudita. Após um ano afastado de . Outro avanço nesta temática é o desvendamento da socialidade da música de Bach. o autor sugere que a significação da canção não é organizada exclusivamente pela letra da canção. não sendo portanto passível de uma definição meramente como a arte de organizar os sons. na cultura ou na mente humana. da Psicologia da Música ou Semiologia da Música. como tentativa de tradução da língua "em" música (p. estandartização e pseudo-individuação. ainda que. e esboçar uma contribuição à análise semiótica do jazz.Numa obra fundamental para o estudo acadêmico da música popular. seu significado opera em vários níveis de consciência. e também uma preocupação com as normas sociais da época com relação ao comportamento feminino: um novo Bach se nos apresenta. Sua análise semiótica se vale dos modelos analíticos de Rosen. no entanto. deixando de lado a importância deste estilo não apenas em termos de composição mas também no sentido da performance. Agawu expõe seu modelo de compreensão da sintaxe. num realismo cheio de convenções. mostrando que o filósofo da Escola de Frankfurt usou uma perspectiva etnocêntrica e "culturo-cêntrica" (p. apesar de criticável. Enfocando as opiniões de Adorno sobre o estilo Tin-Pan-Alley. Middleton (1990) começa analisando as teorias de Adorno para a música popular. Mozart. a música e a condição "sócio-emocional" que a canção descreve e representa. a "visibilidade" da fina síntese de forças ideológicas opostas que há em suas composições e a apropriação de Bach para nossos próprios fins políticos. Middleton mostra um Adorno amargo e preconceituoso. Escondidos nos meandros da dita universalidade da música de Bach.29). Menezes Bastos mostra como há.44). para outros domínios da cultura. uma evocação que a letra posteriormente colocada parece ter desvendado. Frith (1988) mostra como. Propõe a interação entre os níveis da estrutura e a expressão. O sentido da música aponta. pode-se traçar em comum a idéia de que a música é algo que porta uma verdade que não se encontra exclusivamente na sua dimensão sonora. representa um marco obrigatório: "qualquer um que queira discutir a importância em se estudar a música popular tem que absorver Adorno para poder ir além dele" (p. tendo como objeto tanto a música indígena. É nesta direção que Agawu (1991) dá um grande passo. Menezes Bastos (1996) concorda com Frith. nas canções populares. do discurso e da natureza da comunicação desta música analisando três peças exemplares. o que aponta diretamente para a viabilidade de uma semântica da música. Breve Etnografia de uma Performance de Jazz Nesta segunda parte deste texto. sejam do campo disciplinar da Etnomusicologia. que é realizado por McClary (1987). no nível musical. que se originam na sociedade. idealizada e sacralizada pela maioria dos músicos eruditos. e mais adiante. mantendo-se à margem da glória por uma opção estratégica. da Sociologia da Música. há um forte interrelação entre a letra. em seu estudo sobre a língua "falada" por Haydn. um aprofundamento da Musicologia poderia dar conta de reter todo seu significado. pretendo relatar uma experiência pessoal de distanciamento e performance.35). Beethoven e seus contemporâneos. A música erudita é também objeto de estudos com esta mesma perspectiva. Em sua análise de uma canção de Noel Rosa.

o conjunto de instrumentos que fornece a base rítmico-harmônica da música. Decididamente esse jazz (atenção: é especificamente ao Bebop que eu me refiro quando falo de jazz) é uma linguagem. a música ter que ser "para cima". o "tapete" sobre o qual os solistas vão deitar e rolar. . como nos velhos tempos em que tocava jazz quatro noites por semana para a paulicéia desvairada. como um prolongamento dos ensinamentos anteriores. O tratamento do estilo é como ele fosse uma língua que se deve falar com o público. como o espanto de Cardoso de Oliveira (1988). fui convidado para participar como pianista de uma pequena série de apresentações de um quinteto de saxofones de São Paulo por bares de Florianópolis. fui favorecido pelo fato de que o quinteto de saxofonistas era constituído de um mestre e quatro de seus alunos. a "cozinha" está "atrás". pretendo esboçar aqui um quadro inicial. num momento posterior. como detalhes de expressividade.trata-se de um conhecimento altamente especializado. "quebrar" o ritmo. a função era acompanhar o grupo juntamente com um baixista e um baterista. mas que me possibilite. Estranho no próprio ninho. de "veludo" . e extrair destas "vastas emoções e pensamentos imperfeitos" (à la Rubem Fonseca) algo que confirme minha idéia de que o jazz é um gênero musical absolutamente convencional e que ele dita algo que concerne a normas socioculturais.1988): teria eu virado filósofo? Lembrando da familiaridade deste espanto heiddegeriano com o conceito antropológico de estranhamento. mas que epistemologicamente foi uma leitura etnográfica. enfim. que tinha seu príncipe em Charlie Parker. Minha expectativa era de tocar e curtir. de postura. bem como a consciência de que a audiência reconhece esta língua -estando portanto capaz de reconhecer deslizes. O mestre interrompia uma música diversas vezes para explicar para os alunos como era o jeito certo. os ensaios tinham também um caráter pedagógico. A grana era curta mas a chance para desenferrujar era boa.performances musicais. como deveria ser para que o grupo tivesse swing. em busca dos preceitos elementares que eu parecia ter esquecido. falada por milhares de músicos no mundo todo. atrasar. constituindo a "cozinha". agora sob a pressão da data marcada.tornaram estes dois ensaios uma perseguição quase devocional ao modelo referencial. mas intensamente em relação à própria música. de resultado sonoro era comentado pelo mestre.trata-se de um conhecimento sobre algo que não é totalmente englobado pelo discurso verbal. o som ter que ser soprado. tratava-se de uma aproximação a uma referência que todos eles tinham na cabeça: os grupos norte-americanos. E este estilo é pontual: trata-se de um jazz específico. as visões de mundo saltavam como eu nunca percebera antes-. que nada mais é que um espanto diante do outro. que delineou os limites e as convenções que fundam essa linguagem. ou seja. Como espantar-me com aquilo que fiz por tanto tempo. Ouvindo as explicações do mestre. parecendo que este é sempre insuficiente para a questão exata. citado em Cardoso de Oliveira. o que para mim foi um susto aterrador. que pressupõe não apenas dados técnicos. senti um estranhamento em relação não só aos meus ex-colegas de profissão -de suas falas. necessariamente superficial do ponto de vista teórico. Por isso. Cada detalhe de respiração. Declaradamente. O repertório era basicamente jazz e música instrumental brasileira. que conheço tão bem? "O espanto carrega a filosofia e impera em seu interior" (Heiddeger. A maneira de se referir a determinado objetivo é quase metafórico: "swingar" é ser mole. e a pressão da proximidade da data de apresentação. veio-me a pergunta: teria eu sido acometido da doença antropológica. falhas e inadequações. pude notar inicialmente dois pontos: . ou ainda diante da própria disciplina. contribuir mais substancialmente para as análises semióticas do jazz . do mal esquizóide que nos exila do familiar ao mesmo tempo nos incita a mergulhar nele: o terrível "olhar duplo"? É tomado por uma autoconsolação soropositiva que eu tento agora juntar os cacos de memória da minha experiência sem entrevistas nem diário de campo. o chamado Bebop. Não estava esperando que o efeito dos estudos antropológicos fosse tão "destruidor": desde os primeiros instantes dos dois ensaios que fizemos até nossa despedida. perseguida por milhares de músicos em seus estudos. imerso num oceano de textos e idéias sobre as culturas e as diferenças. onde a perfeição do estilo era alcançada.

2. estruturalmente no aspecto melódico. "quebrar tudo". mas não me ocorreu levar um gravador para os ensaios. e pude ter o prazer de constatar tocando. Tal despreocupação despiu-me da consciência de que eu estava ali realizando uma etnografia. Alguns pressupostos são básicos para se ingressar no universo musical do jazz. ainda que modesto. é inadequada para o jazz. sendo permitido que nos espaços vazios de saxofone (eles precisam respirar!) o piano se . esse é um segredinho que faz o jazz acontecer. Para "swingar". tornando doze o que é quatro. contrariando novamente os pressupostos teóricos da música européia. correndo o risco de não ter swing. tudo menos jazz. sendo que o baixo deve seguir o pulso to estritamente como um metrônomo. improvisa como um "monstro". O que Agawu (1991) constrói com relação à música clássica pode ser reconstituído aqui. As técnicas de walking bass destacam a necessidade de se agarrar ao pulso. de modo que por vezes o atraso é nítido. como o mestre deixou claro quando me pediu para dar uns "toques na harmona". Nesta batalha rítmica. como ex-nativo que me coloco aqui). o mestre é uma "fera". a intenção de atraso está somente nos solistas. conferindo uma sensualidade esperta que pode ser semelhante ao jeito do malandro brasileiro. se lida "literalmente".3. segundo creio. estar sempre adiantada. já que as associações que aparecem nestes discursos e mesmo na literatura nativa (textos dos jazzistas. E não se trata apenas da formação deste universo de gestos: ele efetivamente pode ser incorporado no corpo da análise musical. nascida em berço erudito. no meio desse fogo cruzado de pulsos. O discurso nativo é especializado e cheio destas metáforas que estão literalmente dizendo o que a música pode dizer. aqueles nos quais ele estala os dedos quando estão livres. métodos. mesmo porque o baixo é o único que deve ter a intenção de manter o tempo: a bateria deve "jogar o tempo para frente". ou seja. a música rápida é para "arrebentar". dando pistas para pousar a música na cultura. Na dimensão rítmica parece uma guerra entre Europa e África. podendo formar uma compilação de expressividades verbais. mas ao mesmo tempo há uma discursividade dos músicos (e da audiência. além dela é necessário deslocar os acentos do primeiro e terceiro para o segundo e quarto tempos. A "compostização". no entanto. por outro os "imponderáveis da vida real" se sucederam sem impedimentos e eu pude formar um "corpus inscriptorum". Segundo ouvi de vários mestres (e deste também). três o que é um: pode-se chamar este processo de "compostização". fornecendo um roteiro que restitui uma narrativa verbal coerente do Bebop. irredutível. se consultada) que pode ser objeto de uma interpretação. mas os tempos considerados fortes.4. mesmo assim sendo usada. Sim. O jazzista conta 1. eu apenas ia tocar com os caras. etc. as "quebradas". todo aspirante a jazzista deve saber antecipadamente que a notação musical utilizada. não pensei em tomar a experiência que iria ter como objeto de estudo. para ter swing tem que ter aquilo que o mestre mencionou como "moleza". Como apesar disso este se mantém. entrevistas publicadas) podem constituir um quadro de unidades gestuais (que Agawu chamou universe of topic) que recomponham o sentido de um elemento musical. porque. se por um lado me faltou o gravador e um caderno de anotações. Significa que se deve atrasar as frases. há um complexo equilíbrio entre atrasar e a intenção de atrasar.nas baladas. Mas não basta só entortar o ouvido e ouvir a música pelos tempos 2 e 4. um mecanismo imediato para os leitores de partitura mais experientes. Há uma inefabilidade da música. Estas expressividades se inscrevem também no nível da estrutural da música e apontam para uma especificidade convencional. segundo apregoam os nativos (e eu já verifiquei e repeti isto em tantos outros momentos de minha vida. não pode ser algo mecânico. principalmente nas peças mais rápidas. os improvisos são para "arrasar". Eu poderia estar caminhando neste sentido. pode parecer uma marcha militar ou uma canção de ninar. como que tentando "ralentar" o ritmo firme da base. mas ele tem que estar sempre na cabeça do solista. A começar pela partitura. terminando pela incorporação "criolizada" do modelo europeu: o que alias se deu em inúmeras outras questões. a chave é lê-la de forma "errada". o piano leva o papel coadjuvante de pontuador harmônico. A partitura de jazz. O gesto de moleza parece um traquejo corporal. são o 2° e o 4° .

livro de transcrições dos grandes solos de Charlie Parker. é preciso haver um clímax. lembrando que esse acordo remete à concerto. pois é necessário. sempre associado ao virtuosismo de passagens muito rápidas e de notas muito . paradoxalmente. A visão da separação do solista em relação à base inclui essa idéia de "acordo". sendo possível quando muito uma aproximação (imitar um negro tocando). A "fera" conhece essas transgressões. uma mão apontando a partitura.precipitasse num solinho com caráter de comentário. "quebrar tudo"? Só se for "fera". a base rítmico-harmônica. ao mesmo tempo pela frustração que decorre da impossibilidade de uma transfusão (tornar-se um negro tocando). (o que estaria atrás.D. Os termos "cama" e "tapete" também servem para se referir à base rítmico-harmônica do jazz para o improviso. que são absolutamente domesticadas e convencionais. Conhecidas as regras para a construção de melodias (o método). O termo "cozinha" é muitas relacionado à origem negra do samba e do jazz. O mestre sabe tocar para mostrar que domina a gramática. com certeza fora de destaque. Manuseando esta metáfora poderosa. mas que revela a idéia de que a harmonia e o ritmo se fundem numa mistura básica que fica "atrás" da melodia. assumindo a tendência "molenga" dos solistas: "neste trecho aqui você pode falar um pouquinho". É isso que o "fera" sabe fazer: arrasa na gramática e nas convenções para destrui-la. que servem para dar movimento e mais vida. Além disso.1978). termo talvez menos ideológico. senão a audiência não gosta. O solista traidor se afasta da massa amorfa de onde surge. Nos Estados Unidos. disse o mestre. O papel da "cozinha" neste objetivo é o de dar um fundo consistente e firme para os solistas. a ordem servindo para ela não ser mero ruído indiferenciado. o acordo formal entre concertista e orquestra na música clássica desde o século XVII. neste caso? a música como base para os solos onomatopéicos? o contrário? N.A. um aspecto colonial.?). a bateria adiantando. Attali (1992) fala da dialética entre ordem e violência na música. imitações de animais. No caso estudado. onde começa vigorar a duradoura tirania da melodia sobre os aspectos rítmico-timbral-harmônicos. um preconceito racial. além do desfavoritismo espacial de colocá-la senão atrás. metáfora musical da relação entre indivíduo e sociedade. o indivíduo quer vencer na sociedade. a idéia da criação instantânea de melodias com a idéia de deitar em cima. como mostra Menezes Bastos (1994). a outra teclando o ar. o núcleo não é apenas a melodia. para Attali. a violência sendo os elementos que desviam da norma da ordem. tendo o cuidado de violentá-las só um pouquinho (as técnicas). gritos. dando à música movimento e interesse note-se que. "mandar ver". O baixo no tempo. que funciona como um tratado sem teoria. os saxofones atrasando. creio eu. mas ele a toca com elementos transgressores ocasionais. etc. ordem e violência são construtos ideológicos. mas o conjunto de sons que consideramos propriamente musicais (os cantos. assim. "Deitar e rolar". portanto. ou de "mandar ver" na frente que a base "segura" atrás. e lança-lhe o veneno mortal que ela já prevê. Pode-se aumentar a abrangência desta generalização e incluir a noção de núcleo/periferia na música das sociedades indígenas. que é uma brincadeira de destruição que faz parte do negócio. O jazzista tem sua gramática implícita no famoso Omni Book. como o uso das outside scales para sair fora (só "um pouquinho") do rigor. todos em busca do swing grupal. se quiser. cozinha é rhythmic section. algo sobre um caráter imperialistahomogenizador no jazz. os instrumentos). é preciso saber como despejá-las incondicionalmente sobre as "camas". que Menezes Bastos destaca como uma característica geral da música amazônica (Menezes Bastos. o piano pontuando. Há entre os músicos muitas opiniões profundamente marcadas por um determinismo biológico (os músicos deveriam estudar um pouco de antropologia!). Noto que esta dicotomização destaque melódico/fundo rítmicoharmônico é algo sempre presente na música ocidental desde o período do Barroco. os músicos dizem que os jazzistas negros têm swing "no sangue". enquanto a periferia é constituída por eventos onomatopéicos. mas com muito rigor. daí o ideal do "quebrar tudo" como gesto de pseudoautodestruição programada do próprio sistema. mesmo assim. A alternância entre reprodução de clichês é desmontagem correta e fugaz das normas e volta às regras elementares é a receita para o sucesso no improviso. sendo que seu uso revela. E um dos pré-requisitos essenciais para ser "fera" ‚ vencer (o tempo?) na selva das harmonias e ser um bom improvisador. a "fera" quer vencer na selva. só com exemplos. Um estudo destas e outras expressões revelaria. Associa-se.

onde se pode optar coletivamente por um ou outro tipo. Mais importante.. que instituía de forma excessivamente pontual o fim do meu solo e o começo do outro. O caso acima serve também para destacar a importância das finalizações no jazz. O conhecimento de finais possíveis é uma exigência especialmente nas jam sessions. ou também um índice. sendo que deve haver uma nota muito aguda. a bateria fazendo evoluções sem pulsação e dando o golpe de misericórdia nesta fermata espalhafatosa: aqui o final é o momento mais tenso da música. embora também convencionada. parar de tocar. Obrigação cumprida. uma escala descendente até a tônica e um gesto tirando as mãos do teclado que um fulguroso aplauso eclodiu após o meu solo. Enquanto alguns finais trabalham com a surpresa. os solistas continuavam o solo por alguns segundos. e no entanto. Fiz um solo absolutamente convencional. com clímax e tudo. fazendo com que o ponto culminante fosse simultâneo à frase demarcadora dos saxofones. voz de anjo ou de demônio? Ou o grito aterrorizado de Munch? (o conhecedor da teoria semiótica diria que pode parecer um ícone. Cumpri minha parte nas normas. de agonia e morte da música. segundo a qual o solo deve ser eficiente no cumprimento das normas. O veredito final da audiência é determinante. e chegou minha vez! Os saxofonistas saíram da frente. o que me pareceu excelente. não houve sombra de palmas no meu. ruído do mundo apropriado pelo sax. neste vazio incômodo. Há diversas convenções para se acabar uma música. Assim foi com os cinco saxofones. com limitações formais claras e absolutamente convencional. Quando a sociedade dá voz ao indivíduo. cada instrumento toca sua nota do acorde fortíssimo. de preferência uma das dissonâncias opcionais para o acorde. Aconteceu comigo a seguinte curiosidade: na última música do show. grande oportunidade para os "cozinheiros" mostrarem seu valor. notei que depois da frase demarcadora. Hipótese verificada experimentalmente: bastou algumas notas após a melodia demarcadora. conhecimentos performáticos.. havia um espaço livre para solos de todos os músicos. porque o jazz (atenção novamente: refiro-me sempre ao Bebop) é um gênero normativo. Este conhecimento se alinha ao conhecimento necessário para executar improvisos bem sucedidos como dados também da prática.. outros são absolutamente previsíveis. diferentemente de todos os outros solos. da poiesis (Molino. e por isso é possível que um código comunicativo seja compartilhado com a audiência. quase sempre num movimento descendente. estabeleci comunicação e isto foi reconhecido. Lembrei que diversos jazzistas já me contaram que quando o espaço livre se abre. que deve ser um evento próximo do fim do tempo hábil. O final tipo caos total é muito empregado: todos solam nervosamente sobre um acorde final. No final tipo acorde retumbante.. deve terminar claramente e arrancar aplausos. Foi combinado que lá pelas tantas. opção que vai se construindo nos últimos momentos da música. talvez finalmente um símbolo. Eureka! A audiência estava tão ligada na especificidade deste momento de fronteiras flexíveis que o rigor de terminar o solo junto com a melodia demarcadora. tendo essa permissão um caráter quase de cortesia civilizada por parte dos colonizadores em relação a seus escravos. e as palmas infalíveis. que tratam da ocupação e desocupação de espaços e da individualidade. ou um trêmulo: ao mestre cabia esta nota. Deu tudo certo. os saxofones não solistas tocariam uma melodia de dezesseis compassos que marcaria o final de cada improviso e o início do seguinte. A audiência é competente para o julgamento das mensagens comunicadas pêlos músicos de jazz. sua consumação é uma agonia. s/d). e o solo do baixista logo começou. as normas se mostram angustiantes. indicando o fim da música como fumaça indica fogo. agiu como um ruído de comunicação. eu ainda perplexo.agudas. é preciso terminar de forma conclusiva. julguei-me um vencedor na vida. quando se julgava que o improviso estava na reta final. os espaços livres parecem opressores.. deve levar a um clímax agudo e veloz. tem obrigações a cumprir. me deixando aparecer para a audiência -por pouco tempo. de modo que a audiência possa bater palmas como reconhecimento pela adequação do vôo às normas. que por convenção deve ser animada. Mas isto não se restringe ao jazz: Mozart já . os músicos e a audiência podem dar pistas). sentem uma apreensão: a liberdade do tempo livre para improviso contrasta com a prisão da norma. Após todos esses sinais viria ainda o marco final -tirar o instrumento da boca. O que acontecera? Já na segunda apresentação. da esfera da técnica e da produção. já num espírito de finalização.

BLACKING. ____University of Pennsylvania Press. algo que nos fala da base fundante da sociedade ocidental. of . um estilo homogêneo cheio de referências extra-musicais que se encaminham numa espécie superfície textualmente fragmentada (o nível da "semiosis extroversiva". ATTALI. tendo o estilo bebop como "subparole" (Agawu. Conclusão Na primeira parte deste texto foram apresentados alguns estudos musicais de tendências variadas.1994). Philadelphia. são objetos de um projeto de entendimento integral da música. Princeton: Princeton University ____Press. cosmologia.Kofi. Paul. Bibliografia ABRAHAM. Playing with Signs: a Semiotic Interpretation of Classic Music. A tradição musicológica.1991). diferentemente do que supõem os que se filiam à posição "neopitagórica" (McClary.1985. no seu nível semântico. BERLINER. deixou de lado a conjunção destes níveis. conforme Agawu) e que são ouvidas e reconhecidas pelos músicos e pela audiência. invadindo todas as dimensões culturais. do individualismo. com ênfase nos pilares teóricos da Etnomusicologia. filosofia e política. com o objetivo de afirmar que é possível encontrar traços de sentido da música ocultados em expressões verbais dos músicos e nas regras que constróem as convenções. 98:233-249. O jazz dita algo que se experimenta concreta e intimamente. onde se imbricam as dicotomias som/sentido e som/cultura. Ellen B. 1991). Otto e HORNBOSTEL.sabia disso ao colocar uma música alla turca numa passagem de uma ópera. ao mesmo tempo envolve necessariamente uma minuciosa análise de seu nível expressivo. O sentido e a cultura. exilados da música pela saliência de seu aspecto sônico. para se dar conta da compreensão desta significação estratégica da música. E esta viabilidade tange a música popular em geral. A Musical View of the Universe: Kalapalo Myth and Ritual Performances. havendo a necessidade de dialogar com outros domínios. a Etnomusicologia recompõe esta plenitude e se torna uma Musicologia "com homem". O papel da música nas sociedades humanas é central. pode-se chegar ao que nos dita o jazz. Não são princípios abstratos-metafísicos que fundam um estilo como esse: a base é humana e socialmente alterável. of Minnesota BASSO. "Zur Psychologie der Tondistanz". esquecendo-se da plenitude representacional da música.1973. Minneapolis: University Press. Zeitschrift für ____Psychologie. que se guiam tanto pelas luzes semióticas de Agawu e McClary quanto pelo desvendamento das teorias musicais "exóticas" através da investigação científica. Chicago: University Chicago Press.1991. Noise: The Political Economy of Music. das artes. religião. especialmente norte-americana. Von. Um estudo antropológico aprofundado da música. 1987). Jacques. John. V. Na segunda. Neste sentido. há uma reflexão sobre uma experiência etnográfica e performática em um gênero musical chamado jazz. discurso. herdeira dos fundamentos harmônicos-estruturais da música Européia dos séculos XVII-XIX. Seguindo as trilhas que Agawu abriu para a análise da música clássica e McClary para a música barroca. ou uma Antropologia "com música". Erich M. sabendo que a audiência receberia isso como uma injeção de comédia (Agawu. How musical is man? Seattle: University of Washington Press. O Bebop é uma língua. que toque no seu fundo sócio-cultural. ____1994. segundo universal musical do Ocidente (Menezes Bastos. Os estudos da Etnomusicologia têm revelado que os sistemas musicais são basicamente comunicativos. AGAWU. Thinking in Jazz: The Infinite Art of Improvisation. da busca de acordo com a sociedade.1992. 1925. Ambas as partes deste trabalhos se unem juntamente na pretensão de compreender a totalidade sócio-cultural da música.

21.1983. pp. Keepers of the sacred chants: the poetics of ritual power in na Amazonian society . The Anthropology of Music. Ethnomusicology.1990. Erich M. Música Instrumental Brasileira e Fricção de Musicalidades. Esboço de uma Teoria da Música: Para Além de uma Antropologia sem Música e de uma Musicologia ____sem Homem. A Musicológica Kamayurá: Para uma antropologia da comunicação no ____Alto-Xingu. Northwestern University Press. NETTL. performance and reception. _____. Cosmologia e Filosofia nas Terras Baixas da ____América do Sul. UFSC. Anuário_Antropológico 95. MENEZES BASTOS. pp. Sound Structure as Social Structure. _____. e LAGROU.189-204. Elsje. CHRISTENSEN. . A Festa da Jaguatirica: Uma Partitura Crítico-Interpretativa. MERRIAM. Alan P. In: Comparative Musicology and Anthropology of Music. Música Ye’pâ-masa: Por uma Antropologia da Música no Alto Rio Negro. Susan. Weeping. Roberto. Philadelphia: ____University of Pennsylvania Press. PIEDADE.1964. Richard. Saying Something: Interaction and Improvisation in Jazz. 1995. Rio de Janeiro: Tempo ____Brasileiro. Acácio Tadeu. Music for Pleasure. MENEZES BASTOS. Poetics and Song in Kaluli Expression. In: Music and Society: The politics of ____composition. London: Free Press. A Origem do samba como Invenção no Brasil: Sobre o "Feitio de Oração" de Vadico e Noel Rosa. Projeto_Integrado de Pesquisa. Sobre Pensamento Antropológico. Definitions of "Comparative Musicology" and "Ethnomusicology": a Historical-theoretical perspective. Studying Popular Music. Steven. 31.156-177. UFSC. Carl Stumpf and the Institutionalization of Comparative ____Musicology. n. 1997b. Ingrid.1990.. ____PPGAS/UFSC. _____.CARDOSO DE OLIVEIRA. Charles. tese de ____mestrado em_Antropologia Social.1988. Cambridge: Cambridge University Press. _____. Rafael José de. pp. The blasphemy of talking politics during Bach Year. Sound and Sentiment: Birds. de. Chicago: University of Chicago ____Press. ______ .1996. McCLARY. FELD.1979. Jonathan. Simon. KEIL.1977. Bruno. MIDDLETON. 1997a. Dissertação de doutorado em ____antropologia. New York: Routledge. Brasília:Fundação Nacional do Indio. ____Ethnomusicology 21(2).383-409.1988. Sept.1984. ____Revista Brasileira de Ciências Sociais. _____. MONSON. Theory and Method in Ethnomusicology. FRITH.1978. Von Hornbostel. Tiv Song: The sociology of Art in a classless society. Dieter.1987. 1991.1982.1997. Antropologia em Primeira Mão. HILL. ano XXI. Tucson: ____University of Arizona Press. Arte. USP. Chicago: Chicago University Press. 1994.1964. Philadelphia: Open University Press. Rafael J.

pode ser interpretada?[1]” . Carl. postula 8 categorizações éticas para decifrar uma performance: a) Códigos especiais reservados para o diagnóstico da performance. rezas. In: Music and Society: The politics of composition. b) Especiais sinais de formulação. Music as Social Text. Bauman problematiza “como a comunicação que constitui a performance. de algo com duração definida ou pelo menos um começo e um fim. Béhague abre a perspectiva de um olhar etnomusicológico para o estudo da música como performance. 08 de Novembro de 2006 Nesta Introdução ao livro Performance Practice. Music and male hegemony. SHEPHERD. Marina. Richard Bauman. Music and Mind. 1991. c) Linguagem figurada como performance. d) Formalização estilística. leituras rituais e recitações. Cambridge: Polity Press. In: Comparative Musicology and ____Anthropology of Music. ritos.1991. ____performance and reception. 1993. onde devem ser estudados os comportamentos e as regras. 3) McLeod’s cunhou o termo “musical occasion”. Language . Diana. e) Modelos prosódicos especializados de tempo. para além de uma perspectiva da música artística ocidental. 2 vols. Pesquisas à partir da década de 70. 2) Abrahams e Bauman enfatizam a performance como um modo de expressão e comunicação. uma audiência e um lugar e ocasião para performance acontecer. John. SCHNEIDER. em sua definição. pelas suas variantes e diferenças contextuais. um “set of performers”. cerimônias e festivais como integrantes de “cultural performances”. 1) Singer inclui. SEEGER. códigos e contextos. Roger Abrahams._Cambridge: Cambridge University Press. Temiar Healing Sonds from the Malasyan Rainforest: Temiar music and Medicine. Psychological Theory and Comparative Musicology. Tonpsychologie. enfatizam o evento (com seu princípio de organização) e o processo na performance. Segundo ele.RAFFMAN. Estas consistem.. ROSEMAN. Norma McLoad) preocupados em traçar um conceito de performance que sirva tanto para contextos específicos como gerais. Estudando em grande parte culturas musicais de tradição não-escrita. ao invés de pelo que seria uma performance ideal ou as regras de performance correta tratadas pela Musicologia Histórica. _____. a performance é a principal fonte de dados para o etnomusicólogo. um programa organizado de atividades. os indivíduos que dela participam podem mostrar a si mesmo e a visitantes aspectos de sua cultura encapsulados numa performance. f) Modelos paralinguísticos especializados de qualidade vocal e vocalização. 1987. London. Anthony. Why Suyá sing: a Musical Anthropology of an Amazonian People. Leonardo Cunha. Albrecht. Behage cita alguns autores (Milton Singer.1883. 1987. h) Negação da performance. mesmo que enfatizando a necessidade de determinar as concepções êmicas de performance. g) Recurso à tradição. The MIT Press. ____Berkeley: University of_California Press. 1991. Leipzig:Hirzel. STUMPF. tensão e afinação. onde diz haver uma relação evidente entre . Cambridge: ____Cambridge University Press. enfatizando que mesmo a audiência também “toca” na performance. e.

Behágue preconiza o uso do interacionismo simbólico (Blumer) e da semiótica como referencias conceituais diante das diversas percepções e significados advindos das interpretações subjetivas (êmicas) dos participantes.Berber Professional Musicians in Performance (Philip D. onde aparecem suas expectativas e significados diante da ocasião da performance. Descreve categorias de excelência em performance e diversos níveis de interação social em eventos musicais. São os seguintes: I. Enfatiza os contextos de performance no que se refere aos significados das gingas (mannerisms) das performances e a importância das estruturas cognitivas de afinação. “A relação é tão intrínseca que a performance musical aparece verdadeiramente . no contexto folk em estilos musicais comerciais contemporâneos. Todos os 5 artigos deste livro editado por Behágue seguem a observação participante e seus autores têm uma perspectiva mais ou menos holística em relação a análise performance musicalcontexto. experimentos de campo (c. contrastando osJali (a professional balladeerhistorian) e os drummer (músico popular). seus papéis e responsabilidades. Contudo. o comportamento musical dos participantes e o repertório musical específico. Dentro dos valores. e afirma haver uma lacuna em análises que possam servir a uma perspectiva trans-cultural. é importante lembrar que. relativos à superfície versus profundidade.Performance Practice in Indian Classical Music (Bonnie C. V. verificando o papel do solista na improvisação.American Traditional Fiddling: Performance Contexts and Techniques (Linda C. “por trás de todo sistema de notação. a interação com o público e o processo criativo. que à media que a ansiedade dos participantes vai aumentando a música ganha uma maior grau de profundidade. Schuyler): Estuda 4 diferentes contextos de performance em músicos profissionais do Marrocos: praça do mercado. traçando uma sociologia destes músicos e um relato sobre os mecanismos adaptativos. estabelecimentos comercias e estúdios de gravação. Cita as tentativas do Cantometrics e o uso de Blacking de conceitos da lingüística estruturalista. sujeita à mudança no tempo e no espaço” (Beháge 1984. não explica como as diversas dimensões do contexto traduzem os sons musicais. “staging of musical performance” e “staged interaction” (c. III. Para ser possível fazer uma análise do processo de interação da performance (performers and audience). a multidimensionalidade da música deve ser levada em conta numa análise da performance.f Spradley). Burman-Hall): analisa algumas das técnicas tradicionais vindas da Europa Ocidental na época colonial preservadas. pois os participantes interagem entre si discutindo que níveis da performance devem ser abordados (não é o pesquisador que define). McLeod’s cita o exemplo de um funeral. sejam vocalistas ou instrumentistas.f Blacking). Admite então que embora som musical seja o fundamental. È focado a relação entre os dogmas e práticas litúrgicas. Esta última técnica tem uma vantagem sobre a entrevista.o conteúdo da performance e o contexto. A música fica mais ordenada de acordo com uma presença maior de princípios e estruturas sociais ordenadas na ocasião da performance. II. Independente dos meios de gravação e escrita musical poderem separar a música de seu contexto(comparando também uma separação da ênfase na análise contextual da performance entre a tradição oral e a escrita). conceitos e comportamentos observados.Music in África: The Manding Contexts (Roderic Knight): faz uma análise histórico-social do status e papel dos músicos no Antigo Império Mali.Patterns of Candomblé Music Performance: An Afro-Brazilian Religious Setting (Gerard Behágue): ilustra da performance musical sua funcionalidade orgânica e expressões de conteúdos sócio-culturias e simbolismos neste contexto ritual religioso. festas particulares. subsiste uma tradição oral de performance dinâmica. 7). A observação participante (alternativa ao impasse pesquisador participante ou observador) pode ser complementada por outras técnicas como entrevistas. IV. Wade): faz uma análise da indentidade dos solistas e acompanhantes.

constituindo a liturgia me si mesma” (11). uma metodologia de “participação total” aparentaria extrema irrealidade. com os estudos de “etnografia da linguagem”. tende a se transformar com o decorrer do tempo. “benção” porque permite uma abordagem comparativa mais apurada do estudo do fenômeno sonoro. 05 de Dezembro Segundo Gerard Behague. as quais ele classifica como sendo de três tipos. e mais tarde a etnomusicologia. o etnomusicólogo deve estar apto a considerar toda uma gama de implicações metodológicas e teóricas quando se debruçar sobre o estudo da performance e da prática musical. na tradição musical européia. A musicologia comparada. no esforço de tentar integrar conceitos como os de “contexto” e “som”. A partir de 1970. tornou-se cada vez mais fácil dissociar o fenômeno sonoro do contexto em que foi produzido.com/page/B%C3%A9hague. por isso. Para o etnomusicólogo que estuda sociedades de tradições orais o estudo da performance torna-se uma fonte primária. a qual não deixa de ser uma outra maneira de linguagem. mas também rituais e cerimônias. o que de acordo com Behague irá se constituir duplamente em uma “benção” e “maldição”. tal a complexidade que existe no “pertencer” definitivamente e integralmente a uma determinada cultura. Além do mais. uma mesma performance pode suscitar diversas percepções de análise. um antropólogo especializado no estudo das sociedades sul-asiáticas. o conceito de performance enquanto “princípio organizado” e “processo” começou a tomar forma. os folcloristas Abrahams e Bauman trouxeram a constatação de que também a “audiência” cumpre um importante papel numa preformance. uma metodologia de trabalho de campo que consiste em “observação total” negligenciaria uma integração social entre os “dois” lados. o conceito de performance sempre esteve relacionado.1984 . uma “observação participativa” é a abordagem metodológica que parece fazer mais sentido para Behague.wikifoundry. Outra questão para a qual o autor chama a atenção em se tratando do estudo da performance é a respeito das formas de abordagens de campo que são transmitidas aos estudiosos da etnomusicologia. Cassio Nobre. e “maldição” porque a prática da performance tem um caráter essencialmente de transmissão oral. Ampliando a discussão. de 2006 [1] As traduções são minhas. Por fim. aplicando conceitos sonoros “ocidentais” para variados tipos de música. e “performance” e “prática musical”. Por causa disto. Assim. Behague cita Milton Singer. Neste sentido. http://etnomusicologia. com a “reconstrução do som”. Por outro lado. ser o mais “trans-cultural” (cross-cultural) possível em suas abordagens. Com a aplicação de técnicas de transcrição musical e posteriormente com o desenvolvimento de tecnologias de registros de áudio. podendo vir a causar “distorções” interpretativas geradas por lapsos de tempo entre o período em que foi colhido o registro e entre o momento em que este foi analisado. O conceito de performance em Norma McLeod aponta também relações entre conteúdo (que é aquilo que está sendo executado) e contexto (a “ocasião”. o qual considera não apenas tudo aquilo que é “tocado” ou “executado” como “performance”. em seu capítulo de introdução para a obra Performance Practice: Ethnomusicological perspectives (1984). expandindo a simples associação da performance com o conceito de “arte”. ou o “momento social” em que se situa o acontecimento musical). também herdaram esta abordagem no estudo da performance. Qualquer discussão que se inicie sobre performance deve.