ANUAL ESTADUAL MATUTINO CENTRO

DIREITO CIVIL – CONTRATOS
PROF: FLÁVIO TARTUCE
DATA: 12/08/10

Escada Ponteana
Norma do memento da celebração
Plano da eficácia

Norma do momento dos efeitos

Plano da validade

Embutido no plano da validade
Plano da existência

O esquema é perfeitamente lógico, pois para que um contrato
gere efeitos deve existir e ser válido; para que seja válido deve existir
(EM REGRA).
Porém, é possível que o contrato exista, seja inválido e esteja
gerando efeitos.
Ex.: contrato anulável antes da propositura da ação anulatória.
Aliás se a ação anulatória não for proposta no prazo
decadencial previsto em lei o contrato convalida (pela convalidação o
negócio inválido torna-se válido).
a) Plano da existência
Nesse plano estão os elementos mínimos de um contrato, os
pressupostos de existência que formam o suporte fático, são
substantivos sem adjetivos, a saber:
- partes;
- vontade;
- objeto;
- forma.
Se o contrato não apresentar tais pressupostos será inexistente
(“nada jurídico”). O grande problema é que o CC/02 não adotou
expressamente esse plano resolvendo os problemas no plano da
validade. Por isso dizia Sílvio Rodrigues que a teoria da inexistência
seria inútil, inconveniente, inapropriada.
1

nulo (nulidade absoluta) ou anulável (nulidade relativa).forma prescrita ou não defesa em lei. Pode se afirmar didaticamente que o plano da existência está “embutido” no da validade. determinado ou determinável. .vontade livre.condição (evento futuro e incerto). Obs. . . possível determinado ou determinável. ou seja. III . Pablo Stolze.termo (evento futuro e certo). . b) Plano da validade Nesse plano os substantivos recebem adjetivos surgindo os requisitos de validade nos termos do art. 1 2 .tradição (entrega da coisa) em regra está no plano da validade.forma prescrita ou não defesa em lei. .agente capaz. II . .: Nos contratos reais.partes capazes. . c) Plano da eficácia Nesse plano estão as consequências práticas do contrato caso dos seguintes elementos: . A validade do negócio jurídico requer: I . .inadimplemento (resolução). . . 1041 do CC: .encargo ou modo (ônus em liberalidade).registro imobiliário.ANUAL ESTADUAL MATUTINO CENTRO DIREITO CIVIL – CONTRATOS PROF: FLÁVIO TARTUCE DATA: 12/08/10 Entretanto muitos autores são partidários da teoria da inexistência: Marcos Bernardes de Mello.multa ou cláusula penal. Caio Mário. Simão. 104.objeto lícito. aqueles que têm aperfeiçoamento com a entrega da coisa. possível. a tradição está no plano da validade ou da Art.juros. Antônio Junqueira de Azevedo. Rodolfo Pamplona.objeto licito. Se um contrato apresentar vício ou problema em relação a tais requisitos será inválido.

Nenhuma convenção prevalecerá se contrariar preceitos de ordem pública. 9773 do CC proíbe que marido e mulher casados pelos regimes da comunhão universal e da separação obrigatória celebrem contrato de sociedade. para aquele que não embute o plano da validade no plano da existência. Em regra o contrato real é unilateral. 2 3 .: comodato. Ex.035. Faculta-se aos cônjuges contratar sociedade. Parágrafo único. pois após a entrega da coisa somente há deveres para aquele que a recebeu. Pergunta: Essa proibição que não existia antes atinge as sociedades constituídas antes da entrada em vigor do CC/02? (próxima aula) Art. desde que não tenham casado no regime da comunhão universal de bens. entre si ou com terceiros. 2. 3 Art. tais como os estabelecidos por este Código para assegurar a função social da propriedade e dos contratos.0352 do CC) Quanto ao plano da validade deve ser aplicada a norma do momento da celebração (ou constituição) em relação ao plano da eficácia aplica-se a norma do momento da produção dos efeitos. produzidos após a vigência deste Código. 977. Ex. 2. mútuo. ou no da separação obrigatória. mas os seus efeitos.¹: O art. depósito. aos preceitos dele se subordinam. referidas no art. A escada ponteana e o direito intertemporal (art. obedece ao disposto nas leis anteriores. 2.045.ANUAL ESTADUAL MATUTINO CENTRO DIREITO CIVIL – CONTRATOS PROF: FLÁVIO TARTUCE DATA: 12/08/10 existência. A validade dos negócios e demais atos jurídicos. constituídos antes da entrada em vigor deste Código. salvo se houver sido prevista pelas partes determinada forma de execução.