You are on page 1of 9

Universidade do Estado do Pará

Centro de Ciências Naturais e Tecnologia
Campus XV – Núcleo de Redenção
Engenharia de Produção
Disciplina: Introdução à Engenharia de Segurança
Prof. Flávio Teixeira

Custos de Acidentes de Trabalho

Geanine Borges Araújo
Nayara Cristina Ramos
Rayanne da Silva e Silva
Shayenne Caroline Ribeiro Coelho

Redenção
Setembro de 2012

sob orientação do Professor Flávio Teixeira.Geanine Borges Araújo Nayara Cristina Ramos Rayanne da Silva e Silva Shayenne Caroline Ribeiro Coelho Custos de Acidentes de Trabalho Trabalho para obtenção parcial de nota da disciplina: Introdução à Engenharia de Segurança. Redenção Setembro de 2012 .

.......................................................... REFERÊNCIAS.....................................08 4................................. CUSTOS DE ACIDENTES..........05 2...................04 2...............................06 2.... Aplicação da fórmula de custo total de acidente..............................................1 Custos Diretos..................................09 ..................................07 2..........................................3 Cálculo do Custo de Acidente.......................SUMÁRIO 1..............................................................04 2............................................................2 Custos Indiretos....................... CONCLUSÃO...........3.........07 3.......1......................................................INTRODUÇÃO...........................................................................................

e os custos recaem não somente a estes. segundo REHDER (2012) apud Pastore (2012) os custos de acidente de trabalho para as empresas somam num total de R$ 41 bilhões. Segundo a Associação Educacional Dom Bosco . a simples perda de tempo para normalizar a situação já representa custo. O custo de acidentes envolve vários fatores de produção: a) Pessoal: Envolve todos os funcionários assalariados isto porque qualquer acidente determinará despesas médicas. . Havendo o acidente os danos podem ser tanto à empresa quanto aos seus colaboradores ou ambos. além de gastos com indenizações por incapacidade. e que são estimados em R$ 16 bilhões. CUSTOS DE ACIDENTES Independente do tipo. ao Estado e a Nação de um modo geral. também quem são os responsáveis para arcar com esses gastos e suas implicações. É importante observar que cada empresa precisa ter uma boa gestão. os acidentes de trabalho. causam impactos sobre a produtividade e a economia. pois a falta destas gera estes custos.AEDB (2012) considerando o ponto de vista prevencionista não ha necessidade de efeito lesivo ao trabalhador em virtude da ocorrência. ao órgão segurador. para que as devidas normas de segurança de trabalho sejam cumpridas. Os gastos da Previdência Social com o pagamento de benefícios acidentários e aposentadorias especiais são calculados em cerca de R$ 14 bilhões. assim como a Previdência Social. em muitos casos acarretam perdas que jamais serão ressarcidas como a vida de um ser humano. Os acidentes e doenças do trabalho causam ainda vários tipos de custos e danos aos trabalhadores e às respectivas famílias. e sofrimento para a sociedade.1. O objetivo deste trabalho é expor os custos de acidentes de trabalho e a que eles estão relacionados. isto porque além das perdas materiais. Colocando isto em números. farmacêuticas. INTRODUÇÃO Os acidentes de trabalho são gerados por diversos fatores relacionados à organização e ao empregado. 2. hospitalares.

conforme determina o artigo 26 do decreto 2. em primeiro momento traria como consequências: a) O empregado encarregado da reamarzenagem gastará esforço para o trabalho. pode ser perdido em caso de parada repentina do processo em virtude de um acidente. aos prédios.1 CUSTOS DIRETOS O custo direto é a taxa de seguro de acidentes do trabalho paga pela empresa ao INSS. às canalizações. carros de transporte diretamente ligados à produção. A família do acidentado poderá sofrer graves consequências. substituição de peças e serviço extra das equipes de manutenção. c) Matéria – prima: Compreendem os três estágios. que podem ser danificados em caso de acidente. pagamento de pensão. devido a repetição da execução do serviço. representa um custo para a Nação. Material perecível. mais sentida em caso de produtos de exportação.173. 2. do dia do acidente e dos seguintes quinze dias. máquinas. por exemplo. b) o empregador arcará com as despesas de salário do acidentado. tanto na produção como na mão-de-obra. c) A perda de produção. Um exemplo básico refere-se a queda de um fardo de algodão mau armazenado. d) Tempo: Invariavelmente. não só financeiras como também sociais. no entanto o custo social decorrente do acidente não poderá ser determinado. sendo desnecessário se a armazenagem inicial estivesse sido realizada corretamente. entrada. Em segundo momento. de 05 de março . b) O empregador pagara duplamente pelo serviço de armazenagem. exigindo reparos.b) Maquinas e equipamentos: Incluem ferramentas. com perda de tempo. além de propiciar risco novamente inerente a atividade. e) Instalações Gerais: Compreendem danos as instalações elétricas. processamento e saída como produto acabado. em caso de lesão corporal no trabalhador: a) o operário ficará prejudicado em sua saúde. Em caso de morte os custos serão os gastos com funeral. qualquer acidente acarreta. c) Instituto Nacional do Seguro Social – INSS pagará as despesas de atendimento medico e os salários a partir do 15º dia até o retorno do acidentado ao trabalho normal.

avisar seus superiores e. b) 2% para a empresa de risco médio. que deixam de produzir para socorrer a vítima. mesmo tratando-se de acidente de trajeto.2) na assistência médica para os socorros de urgência. c) despesas decorrentes da substituição de peça danificada ou manutenção e reparos de máquinas e equipamentos envolvidos no acidente. d) prejuízos decorrentes de danos causados ao produto em processo.1) na investigação das causas do acidente i.4) em providências necessárias para regularizar o local do acidente.3) no transporte do acidentado. não há novos gastos necessariamente. i) pagamento das horas de trabalho despendidas por supervisores e outras pessoas: i. i. que embora acarrete prejuízo a produção inclusive a diminuam. representa a saída de caixa imediata para o empregador. e) gastos para a contratação de um substituto em caso de afastamento. sendo estas: a) 1% para a empresa de risco de acidente considerado leve. g) pagamento de horas extras aos empregados para cobrir prejuízo causado à produção pela paralisação decorrente do acidente. tendo como influência em seu aumento alguns fatores: a) salário pago ao acidentado no dia do acidente.de 1997. auxiliar na remoção do acidentado. i. Cada porcentagem é calculada em relação à folha de salário de contribuição e é recolhida com as demais contribuições arrecadadas pelo INSS.5) na assistência jurídica. 2. A contribuição é calculada a partir do enquadramento da empresa em três níveis de risco de acidente do trabalho. b) salários pagos aos colegas do acidentado. c) 3% para empresa de risco grave. .AEDB (2012) afirma que os custos indiretos são inerentes à própria atividade da empresa. quando for o caso. h) gastos extras de energia elétrica devido as horas extras trabalhadas. se necessário. também chamado de custo segurado.2 CUSTOS INDIRETOS A Associação Educacional Dom Bosco . i. f) pagamento do salário do acidentado nos primeiros quinze dias de afastamento.

00 (2 salários mínimos). de acordo com Jairo Brasil (2007). Observam-se os seguintes custos: a) Custo direto: 3% do salário do colaborador sendo este de R$ 1244.00.  Gastos médicos: R$ 300.56.1. o mesmo é expresso na fórmula .  Gastos com transportes: R$ 20.00. sendo o acidentado um pedreiro que após o cumprimento de 5 horas de trabalho. Aplicando estes custo à fórmula – 1. com afastamento de 30 dias.3.  Assistência investigativa e jurídica: R$ 1000.00 (2 salários mínimos). CÁLCULO DO CUSTO DE ACIDENTE O custo do acidente é o somatório dos custos diretos e indiretos envolvidos. que deixam de produzir para socorrer a vítima: R$ 15.1.00.2.  Dinheiro pago aos colegas do acidentado.3. APLICAÇÃO DA FÓRMULA DE CUSTO TOTAL DE ACIDENTE Considerando hipoteticamente um acidente de trabalho na construção civil.obtém-se: . b) Custo Indireto:  Pagamento do salário do acidentado nos primeiros quinze dias de afastamento: R$ 622. sofreu um acidente decorrente ao tropeço em uma ferragem em lugar inadequado.  Gastos para a contratação de um substituto: R$ 1244.34. considerando também os 5 meses de trabalho. (1) CTA= Custo Total de Acidente CD= Custo direto CI= Custo indireto 2.00. tendo como consequência uma fratura no braço direito.  Gasto com as 3 horas pagas ao acidentado mesmo sem este ter trabalhado: R$ 23.

e obedecer às normas de segurança do trabalho para dar qualidade de vida aos servidores e aos empregadores e assim tentar ao máximo evitar que tais danos sejam causados. CONCLUSÃO Os acidentes e doenças do trabalho ou profissão são muito dispendiosos. para o trabalhador acidentado. Também é importante considerar que os custos de investimento para prevenção de acidentes de trabalho são bem menores do que os custos inerentes ao acidente. acarretando custos elevados ou até mesmo irreparáveis como em caso de morte. para a sociedade e para a nação significam inúmeras perdas.3. e se apresentam fatores extremamente negativos para a empresa. por esse motivo é tão importante o uso de Equipamentos de Proteção Individuais (EPI’s) e Equipamentos de Proteção Coletiva (EPC’s). .

blogspot. Disponivel em < http://blogs. Acidentes do Trabalho.com. Disponível <www.REFERÊNCIAS Associação Educacional Dom Bosco – AEDB.br/faculdades/eng_auto/Downloads/apostila_acidentes_trabalho. Como fazer o Calculo do Custo de Acidente de Trabalho.com. MARCELO.pdf> Acesso em: em: 14/09/2012 BRASIL.html> Acesso em:17/09/12 REHDER. Gasto com acidente de trabalho chega a R$ 72.br/jt-seu-bolso/gasto-com-acidente-de-trabalho-chega-a-r-72/ > Acesso em 18/09/12 .br/2007_08_01_archive. Disponível em: <http://profjairobrasil.aedb. Jairo.estadao.